TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº /2003 ACÓRDÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.471/2003 ACÓRDÃO"

Transcrição

1 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº /2003 ACÓRDÃO Lancha MAR DE ESPANHA. Colisão com mergulhador. Deficiência de sinalização de mergulho. Exculpar o 1º representado e condenar o 2º. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos No dia 5 de janeiro de 2003, cerca das 14h15min, na área de aproximação da ilha de Santo Aleixo, Barra de Sirinhaém PE ocorreu a colisão da lancha MAR DE ESPANHA com o mergulhador Cláudio Manoel Teixeira, que efetuava pesca submarina (apnéia), provocando-lhe ferimento no músculo tibial anterior. No inquérito, realizado pela CPPE, foram ouvidas 5 testemunhas, realizado laudo pericial e juntada a documentação de praxe. Consta que Cláudio Manoel Teixeira, conhecido por Cal, marinheiro auxiliar de convés, que, por ocasião do acidente, fazia pesca submarina, no peito (apnéia), pescando polvo; que utilizava pé de pato, máscara, respirador, bicheiro, arpão (espingarda Cobra), defensa ou bóia de borracha para sinalizar o local do mergulho; que, tem experiência neste tipo de pesca, cerca de 18 anos; que o acidente ocorreu na frente da ilha de Santo Aleixo, cerca de 200 metros; que a distância da ilha ao Continente é de 6 quilômetros; que a profundidade do local do acidente é de 2 metros e meio em fundo de pedra; que o seu colega estava pescando a mais ou menos 15 metros do depoente, em fundo de areia numa profundidade de 3 metros e meio; que desconhece o nome do proprietário da embarcação de apoio, sendo a mesma emprestada por um colega; que o depoente, juntamente com seu filho Francisco e um amigo, Roberto, foram à remo, até o local da pescaria, saindo da Barra de Sirinhaém; que o material de

2 salvatagem constava de 2 coletes salva-vidas e 3 defensas que serviam de bóia; que começaram a pescar por volta das 9h e o acidente aconteceu cerca das 14h40min; que a maré estava com uma hora de enchente, sol muito bonito, tempo limpo; que a distância do local do acidente em relação ao barco de apoio era cerca de 20 metros; que a bóia era utilizada para marcar o ponto de mergulho e amarrar os peixes em um arame de aço inox; que a mesma estava amarrada a espingarda; que tinha ferrado um polvo e viu outro, porém o fôlego não dava para pegar o segundo; que foi até a superfície respirar, quando escutou um barulho muito forte, subindo rápido para ver o que era, quando viu uma lancha se aproximando a cerca de 3 metros; que largou a espingarda, o bicheiro e desceu, sentido o pé de pato raspar no fundo da lancha e a hélice pegando no pé esquerdo; que subiu rapidamente, ficando chamando a pessoa da lancha, acenando com o pé de pato, porém a pessoa não atendeu; que nadou em direção a bateira e seu filho veio remando lhe encontrar; que embarcou na mesma colocou a perna para cima apoiando em um tambor plástico, parando o sangramento e amarrando uma camisa abaixo do corte maior; que solicitou a um amigo, Falcão, que ia passando, para pegar o nome da lancha; que o dito amigo passou um rádio pedindo socorro e foi até a lancha que estava parada na praia da ilha, falando para o proprietário prestar socorro; que a lancha rebocou a bateira até a entrada da Barra de Sirinhaém, onde foi transferido para um barco, uma vez que a pessoa da lancha não conhecia o local; que foi levado até Barra de Sirinhaém onde recebeu os primeiros socorros; que em seguida a ambulância da Prefeitura o transferiu para o Hospital Getúlio Vargas; que entre os dias 7 ou 8 de janeiro, o proprietário da lancha compareceu na casa do depoente, acompanhado do escrivão da Delegacia de Sirinhaém e de um policial com roupa civil e o conduziu a uma Clínica particular em Recife, onde realizou exame médico; ao ser perguntado se o local onde ocorreu o acidente era de tráfego rotineiro de embarcações, respondeu: passa embarcação pequena; que as maiores passam pelo sul da ilha, onde tem baliza e o 2

3 calado é maior; ao ser perguntado, a qual distância a bóia se encontrava do local estava mergulhando, respondeu: mais ou menos 15 metros; que na sua opinião a causa determinante do acidente foi a falta de atenção do piloto da lancha, pois passaram em direção a ilha de Santo Aleixo, mais ou menos 20 lanchas e vários barcos de pesca e todos passaram pelo lado do sul; que sempre pescou naquele local sem nenhum problema e que conhece a ilha e toda região como a palma da mão. Que o depoente fez anexar ao seu depoimento, cópia de uma declaração de sua autoria, sem assinatura, relatando a assistência prestada ao mesmo pelo senhor Cláudio Cabral Simões, ver folha nº 13. Francisco Cardoso da Silva Filho, conhecido por Falcão, marinheiro auxiliar de convés, que estava em seu barco de passeio, navegando em direção a ilha de Santo Aleixo, quando viu pela sua proa uma bateira e duas bóias de sinalização a mais ou menos 10 metros da bateira; que por BB viu se aproximando duas embarcações, sendo uma maior e outra menor; que a maior ao ver o seu bardo, passou pela popa e a menor entre a sua proa e a bateira e as bóias; isto a mais ou menos 20 metros; que a sua embarcação embora sendo de passeio é pesada, navega a baixa velocidade e tem um calado de 1 metro e meio; que por conta deste fato não passa sobre as pedras, desviando para BE para entrar pela baliza; que a embarcação de pouco calado pode na maré de enchente passar sobre as pedras, local onde se encontrava o mergulhador; que, após a lancha passar, viu um dos mergulhadores fazendo sinal para a lancha; que ao se aproximar mais, o mergulhador fez sinal e o depoente se aproximou mais ainda; que quando chegou no local o mergulhador estava subindo na bateira e viu que estava ferido na perna esquerda; que falou para ele fazer um torniquete e folgar a cada 5min, enquanto iria pedir ajuda a uma embarcação mais veloz; que fez comunicação por rádio pedindo socorro a uma embarcação mais próxima da ilha de Santo Aleixo; que se dirigiu a lancha Mar de Espanha, que já estava fundeada na ilha, distante em linha 3

4 reta, aproximadamente 100 metros do local onde estava o mergulhador; que falou para o responsável da embarcação, que tinha passado por cima de um mergulhador, ele ficou com voz alterada dizendo que não tinha culpa; o depoente falou que não estava ali para julgar, e sim, querendo um socorro para um acidentado; que o responsável pela lancha escutou pelo rádio as transmissões; que algumas pessoas que estavam na embarcação procuraram acalmá-lo e encontrar uma solução; que ele falou que não sabia entrar na Barra de Sirinhaém; o depoente falou para socorrer o rapaz que ele por rádio mandaria outra lancha para Boca da Barra indicar o caminho; que o condutor da lancha fez o reboque da bateira até a Boca da Barra; acrescentou ainda o depoente que a lancha MAR DE ESPANHA passou entre a bateira e as duas bóias; que no local onde ocorreu o acidente é comum o tráfego de embarcações de menor calado, na maré de enchente; que as embarcações aumentam a velocidade para praticamente planar na água; que aquela embarcação vinha em velocidade normal para aquele local. Roberto Belo da Silva, conhecido por Betinho, que faz pesca de mergulho, por esporte, no local onde ocorreu o acidente a mais ou menos 3 anos; ao ser perguntado qual a distância do local do acidente em relação a bateira, respondeu; da bateira para o Cal, uns 17 metros; que se encontrava a mais ou menos 10 metros do Cal; que não viu a lancha bater nele, pois estava mergulhado; que ao subir viu o Cal pedindo socorro para o depoente e para o seu filho; que chegou na bateira, remaram até ele e o puxaram para cima; que na hora que ele estava gritando, a lancha seguia para Santo Aleixo; que as bóias ou defensas são amarradas nas espingardas e ficavam a mais ou menos 10 metros do depoente e do Cal; que as lanchas passavam pelo lado sul, entrando pela baliza e a lancha que atingiu Cal, veio em linha reta, passando entre a bóia e a bateira; acrescentou o depoente que após Falcão pedir apoio, o condutor da lancha voltou para prestar socorro; que o proprietário da lancha pediu desculpa ao Cal e foi saindo, quando o Cal 4

5 falou, como é que vai ficar, eu tenho família, tendo ele falado, você tem que andar com sinalização, tendo o depoente dito que tinha duas bóias na água. Claudio Cabral Simões, Arrais Amador, proprietário da lancha de nome fantasia MAR DE ESPANHA, o mesmo disse que, como não há qualquer prova contundente sobre a conclusão do choque da lancha com o pescador, declara que prestará rigorosamente todas as informações necessárias com base nos fatos que permeiam esta possibilidade; que antes de possuir embarcação já freqüentava a ilha de Santo Aleixo, junto com amigos; que em 1999 adquiriu a 1ª embarcação e desde então, rigorosamente em todo verão, de acordo com as condições do mar que entendia como boas, saía da ponta de Serrambi para a citada ilha; ao ser perguntado, no momento que o senhor não tem certeza que foi o autor da colisão com o pescador, por que assumiu ou custeou parcialmente as despesas decorrentes do ferimento sofrido pelo pescador, respondeu: sendo esta uma possibilidade, preferiu por questões de princípio e formação dar ajuda ao pescador; que foi informado quando da sua chegada a praia da ilha, através de um barco utilizado em passeios turísticos que havia um bote com um pescador lhe solicitando socorro, uma vez que dizia ele ter sido tocado quando mergulhava, por sua embarcação; que imediatamente recolheu âncora e rumou ao bote citado para observar o que havia acontecido; que naquele momento foi informado pelo pescador de que não havia observado sua bóia, bóia esta que se tratava de um pedaço de isopor bastante deteriorado que possivelmente se confundia com a cor do mar; que informou ao pescador que a sinalização correta para o mergulho não era aquela e sim, sinalização bandeirada, ou seja, acima do nível do mar, de qualquer forma por uma questão humanitária, rebocou o pequeno bote onde ele se encontrava com o pé para cima, aparentemente, com pequeno sangramento; que não conhecia a entrada da barra que da acesso a praia de Sirinhaém, rebocando o bote até a entrada da barra, quando foi ajudado por uma embarcação que deu continuidade ao socorro; que assim que o 5

6 pescador passou para a outra embarcação, solicitou ao filho dele que fornecesse o nome do acidentado e telefone de contato; que a partir daquele momento, ainda no mar, fez contato com a Capitania dos Portos, relatando o ocorrido e prestando as primeiras informações; ao ser perguntado se no trajeto em direção a ilha de Santo Aleixo, viu um bote com um possível pescador e nas proximidades do mesmo, bóias sinalizadoras ou mesmo pedaços de isopor, demonstrando a presença de rede de pesca ou mergulhador em operação, respondeu: viu o bote com duas pessoas dentro, a BB, aproximadamente a 100 metros, com uma bóia a cerca de 2 metros do referido bote, o que lhe garantia a distância suficiente para passar com a sua embarcação. Paulo Roberto Chaves Vieira, publicitário, declarou que saíram de Serrambi em direção a ilha de Santo Aleixo; que quando chegaram na ilha e desceram da lancha, chegou uma embarcação informando que nós havíamos passado por cima de um pescador; que foram até o local indicado por aquela embarcação e viram que havia um bote sendo puxado por uma lancha; que naquele bote havia uma pessoa com o pé para cima; que perguntaram o que houve, tendo aquela pessoa falado que a nossa lancha havia passado por cima dele; acrescentou o depoente que na sua opinião, foi uma falta de responsabilidade estar naquele local, sem nenhuma sinalização, no meio do nada; que não sabe se foi a lancha que o atingiu, porque ninguém viu nada. Francisco Neves Teixeira, conhecido por Manga Rosa, ajudante de pedreiro, que, por ocasião do acidente com o seu pai, conhecido por Cál, estava secando a água da canoa (bateira); que, quando levantou a vista, viu o seu pai lhe chamando e o sangueiro na água, e a lancha já estava a uns 20 metros de distância; que a mesma era branca, com cabine branca, com uma cobertura tipo lona e tinha mais ou menos 6 pessoas; que o seu pai ao ser atingido, estava bem em frente a bateira, uns 20 metros; que havia duas bóias indicando a presença de mergulhadores, na cor branca com as pontas azuis, de material tipo borracha; que a distância do local onde seu pai foi 6

7 atingido e as bóias era cerca de 8 metros; que o Cál usava roupa de mergulho na cor cinza; que a embarcação que atingiu seu pai, passou próximo ao bico da bateira e próximo das bóias; ao ser perguntado se tem certeza que a lancha que atingiu o seu pai foi a mesma que voltou para prestar socorro, respondeu, tenho, porque tinha um moreno forte e uma pessoa mais magra e reconheceu também por conta da capota tipo lona com armação de alumínio. Foi procedida perícia, conforme o laudo de exame pericial, folhas nº 74/76, onde os peritos afirmam que a embarcação de esporte e/ou recreio de nome fantasia MAR DE ESPANHA, encontrava-se em bom estado de conservação, apresentando ranhuras no hélice de 3 pás e algumas no casco pela proa; que os coletes salva-vidas estavam sem marcação, contrariando o preconizado na NORMAM 03 de 2002; que, segundo informação da vítima, Sr. Cláudio Manoel Teixeira, no momento do acidente encontrava-se pescando de mergulho em apnéia; que os pescadores utilizaram como meio de transporte para o local do acidente, uma bateira de 3,5 metros de comprimento, de fundo chato, inadequada para navegação na área em ocorreu o acidente; que o material de sinalização era composto de duas defensas de cor branca e a própria bateira; que foi emitido um laudo preliminar a respeito das lesões sofridas pelo Sr. Cláudio Manoel Teixeira, em decorrência do acidente, do Hospital Getúlio Vargas, onde consta, lesão do músculo tibial anterior esquerdo, ver folha nº 52. Que a comissão de peritos, complementando o laudo de exame pericial, utilizando-se de uma embarcação da inspeção naval, realizou o trajeto empreendido pela Lancha MAR DE ESPANHA, nas condições aproximadas de maré por ocasião do acidente. Verificando que o local onde ocorreu o acidente, tem uma profundidade na baixa mar, cerca de 4 metros e é considerado área navegável, mesmo em fundo de pedra. Que o fator material contribuiu para o acidente, por falta de bóia de sinalização adequada para a prática de mergulho (bóia de marcação de mergulho autônomo, que 7

8 poderia ser de qualquer cor, porém deveria ter a devida bandeira na cor vermelha e branca, indicativa de mergulhador na área). Acrescentou ainda a comissão de peritos, que o fator operacional contribuiu para o acidente, tendo em vista o descumprimento da Regra 5 do RIPEAM, por parte do condutor da lancha MAR DE ESPANHA. Concluído que as causas determinantes do acidente estão contidas nos fatores material e operacional citados. Que a embarcação (bateira) utilizava pelos pescadores/mergulhadores no trajeto entre Barra de Sirinhaém e as imediações da ilha de Santo Aleixo, era incompatível, para navegação em mar aberto. No relatório o encarregado do inquérito concluiu: Fator material contribuiu, tendo em vista a ausência de bóia de marcação de mergulho autônomo, muito embora a vítima estivesse utilizando uma defensa de cor branca para marcar o local do mergulho e amarrar os peixes; e Fator operacional contribuiu, deficiência de vigilância, por parte do condutor da lancha MAR DE ESPANHA, tendo em vista o descumprimento da Regra 5 do RIPEAM (Vigilância Toda embarcação deverá manter, permanentemente, vigilância apropriada, visual e auditiva, bem como, através e todos os meios apropriados às circunstâncias e condições predominantes, a fim de obter inteira apreciação da situação e do risco de colisão ). Vale ressaltar que nas proximidades do local onde se encontrava a vítima, havia outro mergulhador, também com uma defensa e a bateira, que indicava no mínimo, a presença de rede de pesca/pescadores e ou mergulhadores. Que, em face do que foi dito e apurado, permite considerar como possíveis responsáveis pela colisão, a própria vítima, o Senhor Claudio Manoel Teixeira, por imprudência em mergulhar em área considerada navegável, sem utilizar a correta bóia de marcação para mergulho autônomo; e 8

9 O condutor da lancha MAR DE ESPANHA, Senhor Claudio Cabral Simões, por descumprir a Regra 5 do RIPEAM. A PEM, em uniformidade de entendimento com o relatório, ofereceu representação em face dos indiciados com fulcro nos arts. 14, letra a (colisão) e 15, letra e (todos os fatos) da Lei nº 2.180/54. Cláudio Manoel Teixeira, alega em sua defesa que o requerente foi vítima de colisão no dia 5 de janeiro de 2003, quando pescava em sua bateira nas proximidades da ilha de Santo Aleixo, pela lancha MAR DE ESPANHA cuja hélice lhe causou profundo ferimento na perna esquerda com lesão do músculo tibial anterior conforme doc 2, ora acostado, bem como lesão dos extensores dos dedos do pé (doc. 3). Convém salientar, Doutor julgador, que conforme se verifica na própria representação (3) o requerente utilizava material de sinalização duas defensas de cor branca e a própria bateira (grifo nosso) além de também próximo ao requerente encontrarem-se outros 2 pescadores efetuando o mesmo mister e que, por pouco não foram atingidos. Sendo, pois, impossível que uma qualquer pessoa sóbria, atenta, vigilância e devidamente qualificada (grifo nosso) não visualizasse o grupo. Corrobora o que se explicita o depoimento do Sr. Francisco Cardoso da Silva Filho às fls. 16. É ainda importante e necessário salientar que até 2 meses antes do acidente a lancha MAR DE ESPANHA era pilotada por marinheiros já que o proprietário não tinha prática, tendo o filho do requerente Severino dos Ramos de Assis, trabalhado com o referido dono. No item 7 da representação convém destacar a afirmação dos peritos de que o local deve ser evitado pelas embarcações. Não procede o que consta no item 6 da representação pois o requerente jamais foi transferido para Clínica particular em Recife pelo primeiro representado. Este lhe 9

10 omitiu socorro só retornando quando a lancha TORTUGA foi ao seu encalço. Todo tratamento foi no Hospital Getúlio Vargas e sua lesão dos dedos do pé é irreversível. Por todo o exposto espera ter demonstrado que não houve negligência de sua parte pois estava sinalizado e foi uma vítima dos que fazem do mar sua recreação contra os que buscam nele sua sobrevivência. Já a defesa de Cláudio Cabral Simões, argumentou que as defensas utilizadas para sinalização pelo pescador Claudio Manoel (2º representado), estavam conforme comprovado pelas fotos, com sua cor bastante alterada, ou seja, fora do seguro e recomendável, sendo perfeitamente possível não serem percebidas ou mesmo confundidas com objetos que são lançados ao mar. Não havia portanto, sinalização própria e definitiva de que havia presença de homens mergulhando naquela área. No momento em que foi avisado pelo piloto de uma embarcação de passeio, que alguém pedia socorro, mesmo não havendo qualquer certeza de que realmente o acidente havia sido provocado por sua embarcação, prestou imediato socorro à vítima. O trajeto realizado por embarcações pelo lado sul da ilha de Santo Aleixo, conforme citado por um pescador no laudo, é normalmente feito por embarcações que partem de Toquinho e Barra de Serinhaém ou mesmo embarcações de menor porte que encontram dificuldade em navegar em mar aberto. O trajeto pelo lado norte, é comumente utilizado por barcos que partem de porto de Galinhas e Serrambi (local de partida da embarcação). No tocante ao descumprimento à regra nº 5 do RIPEAM citado no laudo, a utilização de material impróprio para mergulho além da localização arriscada e imprudente do pescador, poderiam ter motivado sobremaneira o citado descumprimento. A partir de tais ponderações e dentro do melhor direito de defesa, baseado no mandado de citação, torna-se imperioso ratificar os seguintes pontos: 10

11 1 Apesar de ter prestado socorro à vítima, não há provas contundentes e definitivas de que o acidente tenha sido provocado pela embarcação em questão. 2 Ainda assim considerando essa possibilidade, conforme o próprio mandato de citação aponta em um de seus parágrafos, a forma de sinalização utilizada pelo mergulhador, foi considerada marcação imprópria para indicação de mergulhador na área. 3 Também com base na perícia, a sinalização inadequada e, em péssimo estado de conservação, contrapõe a idéia de sua fácil visualização. Conforme as fotos da perícia, as ditas defensas de cor branca se tratavam de 2 pedaços de isopor sem forma definida, bastante corroídos pela ação do tempo, cuja coloração e tamanho em nada se aproximam, conforme comprovado, da sinalização exigida para a prática de mergulho em condições minimamente seguras. 4 Em outra prova pericial, constatou-se que: o local do acidente é considerado área navegável, apesar de possuir fundo de pedra, porém, segundo os peritos, por questões de segurança e, quando devidamente balizado, o local deve ser evitado pe las embarcações.. Sobre este ponto, cabem as seguintes considerações: a) Com base na perícia realizada no material utilizado pelo mergulhador, pode-se concluir em definitivo, que não havia balizamento adequado; b) Não existe qualquer apontamento formal, sobre qual o momento exato em que as embarcações devem evitar aquele local, considerado área navegável, e na ocasião com profundidade suficiente para tal; e c) Vale observar que o litoral nordestino, em particular o Pernambucano é conhecido por possuir o fundo do mar com formação de pedras e arrecifes, em praticamente toda sua extensão. 11

12 5 Quanto ao descrito no 12º ponto do mandado de citação, vale salientar que em qualquer momento o 1º representado reconhece aquele trecho de navegação, como sabidamente utilizado por mergulhadores para pesca submarina. Por todo o exposto, requer à esta corte considerar que, os fatos que levaram à esse processo, além de não evidenciarem responsabilidade do 1º representado, em última análise foram causados por uma atitude inconseqüente e imprópria do 2º representado. Na fase de instrução nenhuma prova foi produzida. Em alegações finais, manifestaram-se as partes. De tudo o que consta nos presentes autos, verifica-se que a causa determinante da colisão da lancha com mergulhador foi a prática de mergulho, em área navegável, sem a utilização de bóia indicativa de mergulho autônomo. A unanimidade da prova produzida nos autos, inclusive o depoimento da própria vítima, são contundentes em afirmar que o mergulho era praticado em área navegável e não possuía bóia de marcação, com bandeira na cor vermelha e branca indicativa de mergulhador na área. Ao contrário, o mergulhador acidentado utilizava-se de dois pedaços de isopor sem forma definida, corroídos pela ação do tempo. Assim não se pode afirmar que houve falta de vigilância por parte do condutor da lancha diante da precariedade da sinalização de mergulho e mais a embarcação utilizada como apoio para o mergulho era inadequada para navegar no local onde encontrava-se. Diante do exposto, deve ser julgado parcialmente procedente a representação, considerando-se responsável o 2º representado, diante de suas condutas imprudentes e exculpando-se o 1º representado uma vez que a sua defesa deu conta de demonstrar que não houve deficiência de vigilância praticada pelo mesmo. 12

13 Assim, A C O R D A M os Juízes do Tribunal Marítimo, por unanimidade: a) quanto à natureza e extensão do acidente: colisão de lancha com mergulhador, provocando lesões corporais no mesmo; b) quanto à causa determinante: inexistência de sinalização adequada de mergulhador na área; c) decisão: julgar o acidente da navegação, previsto no art. 14, letra a, da Lei nº 2.180/54, como decorrente da imprudência do 2º representado CLAUDIO MANOEL TEIXEIRA (MAC), mergulhador acidentado, deixando-se de lhe aplicar pena diante do que preceitua o art. 143, da Lei supra, exculpando-se o 1º representado. Isento de custas. Oficiar à Diretoria de Portos e Costas informando as infrações aos arts. 16 e 17 do RLESTA, da responsabilidade do proprietário da lancha MAR DE ESPANHA.P.C.R. Rio de Janeiro, RJ, em 15 de fevereiro de MARCELO DAVID GONÇALVES Juiz-Relator WALDEMAR NICOLAU CANELLAS JÚNIOR Almirante-de-Esquadra (RM1) Juiz-Presidente 13

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.065/04 ACÓRDÃO B/P TOCANTINS. Trumatismo sofrido por pescador que caiu no convés principal. Sendo a causa determinante provável descuido da própria vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.874/06 ACÓRDÃO Canoa sem nome. Naufrágio de embarcação a remo com exposição a risco da referida embarcação e das vidas e fazendas de bordo, provocando a morte de uma passageira

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.884/98 ACÓRDÃO Moto-aquática VIPER. Colisão com altos fundos de corais, resultando em lesões corporais nos dois ocupantes, adolescentes inabilitados, e em avarias na embarcação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.438/2003 ACÓRDÃO Lancha "FARUSCA". Explosão seguida de incêndio. Causa não apurada. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos Autos que, no dia 13 outubro de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO B/P DOM ISAAC V. Abordagem de barco pesqueiro em plena viagem por pessoas desconhecidas que roubaram toda a carga. Delito cuja materialidade foi comprovada,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 20.018/02 ACÓRDÃO N/M "ASTERI". Morte de trabalhador em operação de raspagem no casco de navio mercante quando em faina de mergulho no porto de Sepetiba, RJ. Condenação.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.822/2004 ACÓRDÃO L/M LAGOMAR II. Avaria no motor, deixando a embarcação á deriva, com assistência de reboque. Danos materiais, sem ocorrência de acidentes pessoais ou danos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO Comboio Integrado pelas Chatas TQ-61 / TQ-38 com o empurrador TQ-25 e o batelão areeiro ER-II. Abalroação provocando avarias e o naufrágio parcial do batelão,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO Moto-aquática não identificada X flutuante tipo BANANA BOAT, rebocado pela moto-aquática SPX-I. Abalroação resultando em lesões corporais de natureza grave

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.092/2002 ACÓRDÃO Jet-sky VADIO x veleiro BONS VENTOS I. Abalroação envolvendo veleiro e jet-sky não identificado. Causa indeterminada devido a falta de elementos de prova

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO Aerobarco FLECHA DE IPANEMA e Chata DIALCAR II. Abalroação entre aerobarco e comboio formado por rebocador e chata, provocando avarias na proa do aerobarco,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.113/02 ACÓRDÃO Jangada "CARINA". Emborcamento quando navegava a 05 milhas da praia de Ponta Negra, Natal, RN. Sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.726/05 ACÓRDÃO Catamarã JUMBO CAT II. Colisão de catamarã com pedras, seguida de encalhe, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência de vítimas. Avaria sofrida no

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP//MDG PROCESSO Nº. 22.804/07 ACORDÃO Catamarã TURISMANDO. Avaria deixando a embarcação à deriva. Deficiência de manutenção. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.043/00 ACÓRDÃO Veleiro NIGHT JAR. Encalhe em banco de areia, resultando em naufrágio com perda total da embarcação, sem vítimas. Tráfego da embarcação em região de bancos,

Leia mais

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada.

Número de inscrição: 443-004663-8; e Proprietário/armador: Alcione Catarina Bacheschi Sponton. Documentação de praxe anexada. TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.383/05 ACÓRDÃO B/P GLORIA I. Naufrágio de barco de pesca que fica sem governo. Quebra da haste do leme manual. Arquivamento. Vistos os presentes autos. Consta dos autos

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.689/04 ACÓRDÃO REM JEAN FILHO XXXIV e Balsa CONAVE XVII. Colisão de comboio com muro de marina. Possíveis influência de fortes ventos. Arquivamento. Vistos os presentes

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 20.561/03 ACÓRDÃO B/M VOVÔ ORLANDO CIDADE. Queda de tripulante na água, estando a embarcação atracada, da prancha de embarque/desembarque, colocada conforme os usos e costumes,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.897/2002 ACÓRDÃO L/M CAVITOS. Impropriedade da embarcação para o serviço em que era utilizada e empregada para prática de ato ilícito previsto em lei como crime (descaminho).

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.366/05 ACÓRDÃO R/E ASSO VENTI. Ferimento em tripulante durante faina de reinstalação de rede de resfriamento do diesel-gerador, provocando-lhe a amputação traumática parcial

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.419/05 ACÓRDÃO N/T MARTA. Acidente de Trabalho com trabalhador durante a montagem de andaime no tanque do navio que se encontrava docado no estaleiro. Não configurada a

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO B/P DONA NORIS. Interceptação e apresamento de pesqueiro venezuelano por prática de pesca não autorizada na zona econômica exclusiva brasileira, aplicação

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 23.325/08 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Colisão com banhista na praia Mar de Minas, represa de Três Marias, no município de Três Marias, MG, com vítima. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO Moto-aquática SP 2318-01 X flutuante tipo banana boat, rebocado pela L/M KATITA. Abalroação resultando em lesões corporais em dois ocupantes do flutuante.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.183/99 ACÓRDÃO Lancha de passageiros COMDUSA XII. Queda de passageira a bordo, provocando-lhe ferimentos graves, com fraturas múltiplas no ombro. Desequilíbrio sofrido

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.281/01 ACÓRDÃO B/P BRUCUTU. Naufrágio com perda total e vítimas fatais. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Trata-se de analisar o naufrágio

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 20.217/03 ACÓRDÃO N/M "RUBENS". Colisão com terminal de granéis sólidos. Falha do motor propulsor, devido a avaria do diafragma da válvula termo eletromagnética do motor propulsor.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.994/98 ACÓRDÃO N/M BETELGEUSE. Não configurada a ocorrência de acidente e/ou fato da navegação elencados na Lei nº 2.180/54. Infração ao artigo 378 do RTM. Arquivamento.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/SCB PROCESSO Nº 23.020/07 ACÓRDÃO L/M ILSA-MAR. Queda na água de condutor de lancha, provocando-lhe lesões leves. Falha do condutor da lancha na operação do motor da embarcação. Imperícia.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº. 20.784/2004 ACÓRDÃO L/M ARROZ. Colisão, seguida de encalhe, água aberta e naufrágio, de lancha de esporte e recreio, provocando avarias na embarcação, sem ocorrência

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO. N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação TRIBUNAL MARÍTIMO JP/MDG PROCESSO Nº 21.096/04 ACÓRDÃO N/M ICE FLAKE. Arribada para reparos, forçada e injustificada. Condenação Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 03/06/04, cerca

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO Embarcação DA SILVA. Naufrágio de embarcação que navegava fora de sua área de classificação, conduzida por pessoas não habilitadas. Morte de um de seus tripulantes.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO WM/MCP PROCESSO Nº 24.137/09 ACÓRDÃO Moto aquática RAFAEL ELITE X Moto aquática D FORÇA. Abalroação entre motos aquáticas nas proximidades da ilha do Sol, canal de Marapendi, Barra da

Leia mais

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO

PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO PROCESSO N 13.586 ACÓRDÃO N/T FO G Á S XV I - Explosão durante faina de transbordo de gás provocando ferimentos em dois tripulantes ccm a morte de um deles; uso indevido de equi* 408 TRIBUNAL MARÍTIMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO

MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO MINISTÉRIO DA MARINHA PROCESSO Nº 20.307/03 ACÓRDÃO B/P "POLICARPO". Colisão com um curral de peixes, resultando em água aberta seguido de naufrágio, com danos materiais, sem vítimas e sem registro de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.687/2004 ACÓRDÃO Comboio R/E SM e Balsa NB II. Colisão de comboio contra casas de palafitas, provocando danos materiais, sem ocorrência de vítimas. Falta de condições físicas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.684/11 ACÓRDÃO Canoa sem nome não inscrita. Naufrágio durante brincadeira dos passageiros. Embarcação desprovida de material de salvatagem. Condução por pessoa sem

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº. 22.902/07 ACÓRDÃO Embarcação sem nome. Emborcamento quando navegava no rio Paraná do Manaquiri, AM, com danos materiais e uma vítima fatal. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 0025401-51.2009.8.19.0205

APELAÇÃO CRIMINAL Nº 0025401-51.2009.8.19.0205 APELAÇÃO CRIMINAL Nº 0025401-51.2009.8.19.0205 Apelante : Ministério Público Apelado : FABIO DE SOUZA MESQUITA Relatora : Desembargadora Maria Angélica G. Guerra Guedes APELAÇÃO CRIMINAL. FURTO TENTADO.

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/SCB PROCESSO Nº 22.624/07 ACÓRDÃO R/E CAPITÃO JOSÉ ALECRIM VIII. Incêndio na praça de máquinas de rebocador / empurrador, provocando avarias no motor e nas suas partes elétricas e

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal Mantidas pela Associação Educacional de Rondônia E-mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) ANEXO VI (Edital n. 02/2014-2) CRONOGRAMA SEMESTRAL 9.º PERÍODO DEPENDÊNCIA N. DATAS ATIVIDADES EQUIVALÊNCIA Disponibilização do Cronograma Semestral de atividades no átrio

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 20.514/14/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000017859-30 Impugnação: 40.010135173-41 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Daniel dos Santos Lauro CPF: 084.807.156-50 Karol Araújo Durço DF/Juiz

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 1.ª CÂMARA CRIMINAL ACÓRDÃO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 1.ª CÂMARA CRIMINAL ACÓRDÃO APELAÇÃO. PENAL E PROCESSUAL PENAL. Apropriação indébita. Causa especial de aumento de pena. Sentença condenatória. Recurso defensivo que visa obter a des0classificação da conduta para a de estelionato

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 0 18.880/00 ACÓRDÃO B/M LUANA. Naufrágio de embarcação provocando vítimas fatais e desaparecimento de passageiros. Causa, manobra brusca de embarcação ocasionando o deslocamento

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.289/03 ACÓRDÃO N/M LORETA D. Queda de carga na água devido a não colocação de redes de proteção ao costado, com poluição ao meio ambiente marinho, sem vítima. Negligência.

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 307/98 - Plenário - Ata 19/98 Processo TC nº 014.188/97-0 Interessado: Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados. Entidade:

Leia mais

Carcará composição: João do Vale/José Cândido

Carcará composição: João do Vale/José Cândido 104 A FLOR E O CARCARÁ Carcará Lá no sertão É um bicho que avoa que nem avião É um pássaro malvado Tem o bico volteado que nem gavião... trecho da canção Carcará composição: João do Vale/José Cândido Ana?

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO Plataforma P-31. Incêndio no motor gerador da praça de máquinas a bordo de plataforma, tendo como causa determinante o rompimento de uma conexão da rede

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro APELAÇÃO CRIMINAL (ACR) Nº 11490/CE (0002186-09.2010.4.05.8103) APTE : MANOEL CAMELO FILHO ADV/PROC : JOSE NILSON FARIAS SOUSA JUNIOR E OUTROS APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ORIGEM : 18ª VARA FEDERAL

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/ET PROCESSO Nº 21.462/05 ACÓRDÃO B/P CANADÁ. Naufrágio, quando adentrava na barra do rio Mampituba, município de Torres, SC, com danos materiais, sem vítimas. Condenação. Vistos, relatados

Leia mais

RESOLVE expedir a presente resolução, conforme articulados abaixo:

RESOLVE expedir a presente resolução, conforme articulados abaixo: RESOLUÇÃO Nº 001/99 O Conselho Estadual de Trânsito de Goiás - CETRAN-GO, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, em específico pelo artigo 14, inciso II do Código de Trânsito Brasileiro;

Leia mais

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal)

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal) TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE RONDÔNIA Câmara Criminal Data de distribuição :31/07/2007 Data de julgamento :25/09/2008 100.019.2005.002900-0 Apelação Criminal Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO JP/FAL PROCESSO Nº 20.643/03 ACÓRDÃO N/M SOTIRIA. Quedas de carga n água, sacaria de açúcar, com sua perda, durante operação de carregamento, junto ao armazém nº 11 do porto de Santos,

Leia mais

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1 fls. 372 SENTENÇA Processo Digital nº: 1005895-57.2016.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Comum - Planos de Saúde Requerente: Requerido: UNIMED PAULISTANA SOCIEDADE COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 23.918/09 ACÓRDÃO R/E CLOTILDES BERNARDES e Balsa JOSÉ BERNARDO DA SILVA. Queda de caminhão do convés de balsa de travessia, operada por tripulação inabilitada, nas

Leia mais

Juntam-se documentos. Tomam-se os depoimentos das partes e são inquiridas testemunhas.

Juntam-se documentos. Tomam-se os depoimentos das partes e são inquiridas testemunhas. Fl. 1 Aos seis de julho do ano de dois mil e dez, às 18h, estando aberta audiência na, com a presença do Exmo. Sr. Juiz do Trabalho, Rui Ferreira dos Santos, são apregoadas as partes, para audiência de

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.912/02 ACÓRDÃO L/M "O VIGILANTE III". Emborcamento quando em faina de demanda do canal de Marapendi, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, com danos materiais e vítima com

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 17.306/97 ACÓRDÃO B/P ITAPEVA. Avaria por ato de sabotagem. Ação dolosa de autoria indeterminada. Arquivamento, exculpando-se os representados. Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relator Des. : SILVÂNIO BARBOSA EMENTA ACÓRDÃO

: Ministério Público do Distrito Federal e Territórios Relator Des. : SILVÂNIO BARBOSA EMENTA ACÓRDÃO Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : APR - Apelação Criminal Nº. Processo : 2000.01.1.046488-9 Apelante : João Severino da Silva Advogado : Defensoria Pública Apelado : Ministério Público do Distrito

Leia mais

Processo n.º 363/2014

Processo n.º 363/2014 Processo n.º 363/2014 (Recurso Cível) Relator: Data : João Gil de Oliveira 16/Outubro/2014 ASSUNTOS: - Julgamento da matéria de facto SUMÁ RIO : Não é pelo facto de algumas testemunhas, empregados de uma

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.742/11 ACÓRDÃO B/P ALIANÇA e moto aquática ÁGUA AZUL. Abalroação. Danos materiais e lesões corporais graves nos ocupantes da moto aquática. Erro de navegação do

Leia mais

PARECER N.º 48/CITE/2004

PARECER N.º 48/CITE/2004 PARECER N.º 48/CITE/2004 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e do artigo 98.º da Lei n.º 35/04, de 29 de Julho Processo n.º

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

Tribunal da Comarca de Sintra

Tribunal da Comarca de Sintra Tribunal da Comarca de Sintra Processo nº1 Simulação de Julgamento Meritíssimo Juiz Pedro Brito 23 de Março de 2011 1 Personagem Nome do aluno Ano Turma Nº Maria Patrícia Serrano 12º H 23 João Afonso Patinhas

Leia mais

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA (P 3 )

PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA (P 3 ) PROVA PRÁTICA DE SENTENÇA (P 3 ) CESPE/UnB STM/2012 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva o texto para o CADERNO

Leia mais

Promoção de Arquivamento n.º 005.2016.54.1.1.1043822.2015.38276

Promoção de Arquivamento n.º 005.2016.54.1.1.1043822.2015.38276 INQUÉRITO CIVIL Nº 4152/2015 PROMOTORIA: 54ª PRODHSP. OBJETO: Apurar suposta ocorrência de desvio de função de servidores ocupantes do cargo de Investigador de Polícia Civil do Estado do Amazonas que realizam

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.348/03 ACÓRDÃO N/M BOIURA. Acidente ocorrido com estivador Alcides de Jesus Barbosa a bordo do navio quando em faina de carregamento, no cais comercial do porto de Vitória,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 4ª Vara do Trabalho de Novo Hamburgo

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 4ª Vara do Trabalho de Novo Hamburgo Fl. 1 Processo: 0000928-90.2011.5.04.0304 Natureza: Reclamatória-Ordinário Origem: Reclamante: Alissandro da Soller Reclamada: Fundação de Saúde Pública de Novo Hamburgo- FSNH VISTOS, ETC. Alissandro da

Leia mais

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se A VOZ DAS COISAS Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se Marta, naquela noite, a sós na cama. Há as línguas que as pessoas falam: francês, alemão, espanhol, chinês, italiano. Para indicar a mesma

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.345/2001 ACÓRDÃO B/M INDEPENDÊNCIA. Naufrágio. alagamento, imprudência do representado. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 11/08/00,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 26.186/11 ACÓRDÃO Plataforma NOBLE THERALD MARTIN. Acidente de trabalho a bordo, vítima não fatal. Desequilíbrio da própria vítima, durante operação com chave flutuante

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.325/2005 ACÓRDÃO L/M MAKARI. Colisão de lancha contra seu próprio condutor e posteriormente contra trapiche, vindo a encalhar na margem do canal, colocando em risco a incolumidade

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N.º 21.616/05 ACÓRDÃO N/M FLAMENGO. Ferimentos corto-contuso na região occipto-frontal e fratura de dentes sofridos por estivador durante faina de embarque de contêineres. Não

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/FAL PROCESSO Nº 25.923/11 ACÓRDÃO Moto aquática FEIO II e L/M PAPA LÉGUAS II. Exposição a risco que se materializou em abalroamento e no óbito de duas pessoas. Moto aquática imprópria

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO

1/6 TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 26.310/11 ACÓRDÃO Embarcação a remo tipo Double Skiff sem nome e não inscrita. Naufrágio como resultado de navegação fora da raia destinada ao esporte por decisão dos

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PALMAS 3ª VARA CRIMINAL SENTENÇA I - RELATÓRIO

ESTADO DO TOCANTINS PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PALMAS 3ª VARA CRIMINAL SENTENÇA I - RELATÓRIO ESTADO DO TOCANTINS PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PALMAS 3ª VARA CRIMINAL PROCESSO Nº 5029091-33.2013.827.2729 SENTENÇA I - RELATÓRIO O Ministério Público denunciou João Batista Marques, brasileiro, casado,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 772.818 - RS (2005/0132229-4) RELATOR : MINISTRO CASTRO FILHO RECORRENTE : LUCIANA GHELLER LUQUE ENGEL ADVOGADO : PAULO RICARDO DUARTE DE FARIAS E OUTRO RECORRIDO : BOURBON ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PARECER Nº 181/05/GETRI/CRE/SEFIN

PARECER Nº 181/05/GETRI/CRE/SEFIN PARECER Nº 181/05/GETRI/CRE/SEFIN SÚMULA: DECADÊNCIA DO DIREITO DO FISCO ESTADUAL CONSTITUIR O CRÉDITO TRIBUTÁRIO. LANÇAMENTO FEITO ATRAVÉS DE AUTO DE INFRAÇÃO JULGADO INSUBSISTENTE POR FALTA DE FORMALIDADE

Leia mais

A C Ó R D Ã O

<CABBCABCCBBACADCBAADBDAACABCBCDCBAAAA DDADAAAD> A C Ó R D Ã O RESPONSABILIDADE CIVIL. AÇÃO INDENIZATÓRIA. AGRAVO RETIDO. ACIDENTE DE TRÂNSITO. MOTORISTA DA AMBULÂNCIA CAUSADOR DO ACIDENTE. OITIVA COMO INFORMANTE. VALOR

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará

Tribunal de Contas do Estado do Pará A C Ó R D Ã O Nº 43.099 (Processo nº 2005/53339-0) Assunto: Prestação de Contas relativa ao Convênio nº 027/2005, firmado entre a FEDERAÇÃO PARAENSE DE VOLEIBOL e a SEEL. Responsável: Sr. CARLOS GETÚLIO

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/NCF PROCESSO Nº 25.032/10 ACÓRDÃO N/M TEAL ARROW. Acidente com estivador a bordo. Trabalhador que se colocou no caminho de ponte rolante denotando imprudência. Ferimentos no representado

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00377-2007-001-19-00-6

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00377-2007-001-19-00-6 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00377-2007-001-19-00-6 Aos 09 dias do mês de maio do ano dois mil e sete, às 15:18 horas, estando aberta a audiência

Leia mais

ACIDENTE COM VÍTIMA FATAL A BORDO DO NM ARLOTT VITÓRIA - ES 06 DE AGOSTO DE 2010

ACIDENTE COM VÍTIMA FATAL A BORDO DO NM ARLOTT VITÓRIA - ES 06 DE AGOSTO DE 2010 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ACIDENTE COM VÍTIMA FATAL A BORDO DO NM ARLOTT VITÓRIA - ES 06 DE AGOSTO DE 2010 RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DE SEGURANÇA Referência: Código de Investigação

Leia mais

Doc.: 2305. Pag.: 1 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001

Doc.: 2305. Pag.: 1 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001 Pag.: 1 Aos 02 dias do mês de outubro de 2015, às 17h44 na sala de audiência desta Vara, por determinação da MMª Juíza do Trabalho

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 35 Registro: 2016.0000031880 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0003042-68.2011.8.26.0003, da Comarca de, em que é apelante/apelado JOSUÉ ALEXANDRE ALMEIDA (JUSTIÇA

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO FC/SCB PROCESSO Nº 25.157/10 ACÓRDÃO R/E A. H. GENOVA x Dique Flutuante PAULO FERRAZ. Abalroação de rebocador com dique flutuante, durante manobra de docagem, provocando avaria no costado

Leia mais

Encarregado e Eletricistas

Encarregado e Eletricistas 1/11 Item: 1 Passo: Planejar Ao tomar conhecimento da Ordem de Serviço o Encarregado deve junto com os eletricistas: - Verificar se o veículo, equipamento e ferramental disponíveis estão em boas condições

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.277/03 ACÓRDÃO Embarcação LEAL SANTOS 7. Avaria no motor principal deixando à deriva. Necessidade de assistência de reboque. Danos materiais sem ocorrência de acidentes

Leia mais

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO

OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO OAB 2ª FASE PENAL PROF. SIDNEY FILHO MEMORIAIS (OAB/SP 133 - ADAPTADO) Pedro foi acusado de roubo qualificado por denúncia do Promotor de Justiça da comarca, o dia 1 de julho de 2006. Dela constou que

Leia mais

PROCESSO N 14.797/92

PROCESSO N 14.797/92 362 TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N 14.797/92 ACÓRDÃO Veleiro "ANGELUS". Encalhe. Erro de navegação do condutor do veleiro. Condenação. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. No dia 10 de dezembro

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS R E L A T Ó R I O

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS R E L A T Ó R I O RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO N.º : 0031/2003 CRF PAT Nº : 0190/2001-1ª. U.R.T RECORRENTE : Queiroz Oliveira Comércio e Indústria Ltda. RECORRIDO :

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Órgão : Segunda Turma Criminal Classe : Apelação Criminal Nº Processo : 1999 04 1 000829-4 Apelante : JOÃO AMARO FERNANDES Apelada : A JUSTIÇA PÚBLICA Relator : Des or GETULIO PINHEIRO Delito de trânsito.

Leia mais

RETIFIQUEM-SE A AUTUAÇÃO E DEMAIS REGISTROS PARA FAZER CONSTAR COMO RECLAMANTE EDINALDO DA SILVA SANTOS.

RETIFIQUEM-SE A AUTUAÇÃO E DEMAIS REGISTROS PARA FAZER CONSTAR COMO RECLAMANTE EDINALDO DA SILVA SANTOS. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO 5ª VARA DO TRABALHO DE MACEIÓ/AL PROCESSO: 00270-2009-005-19-00-5 Aos 25 dias do mês de março do ano dois mil e nove, às 16:05 horas, estando aberta a audiência

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 2 Registro: 2014.0000788614 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0026430-06.2010.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que

Leia mais