Segurança e Utilização de Ferramentas Rotativas para Corte e Desbaste por Abrasão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança e Utilização de Ferramentas Rotativas para Corte e Desbaste por Abrasão"

Transcrição

1 SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS ROTATIVAS PARA CORTE E DESBASTE POR ABRASÃO Christiano Anderson da Silva ( ) Leandro Carlos Alves ( ) Silvio Rogério Ângelo ( ) Luiz Gimenes Junior ( 1. OBJETIVO Este documento visa apresentar os conceitos físicos que atuam sobre as ferramentas abrasivas e também mostrar a importância da utilização segura destas ferramentas. Utilização de equipamentos de segurança individual ( EPI ) e de sistemas de proteção de campo que garantam a segurança para as pessoas e equipamentos. Assim os leitores e aplicadores destes conceitos estarão operando estas ferramentas com maior segurança e eficiência. 2. INTRODUÇÃO Ainda não podemos afirmar que as serras de aço do tipo circular ou de fita foram substituídas pelas abrasivas. Porém a utilização das ferramentas abrasivas é tão acentuada que se torna notória a baixa utilização das ferramentas de aço. Isto vem ocorrendo porque na maioria dos casos, os abrasivos apresentam maior economia, tanto de tempo no corte como no custo direto dos consumíveis, sem mencionar a facilidade de manutenção dos equipamentos e o bom acabamento no corte. Outro fator que explica a vasta utilização na indústria se dá pela versatilidade do corte abrasivo, onde se permite grande mobilidade da ferramenta, rapidez no corte além de poder der empregado em materiais ferrosos e não ferrosos, tais como : titânio, tungstênio, cerâmico, vidro e etc. As ferramentas abrasivas são constituídas de grãos abrasivos ligados por um aglutinante (liga) com formas e dimensões definidas. Efetua o trabalho de cortar, desbastar, retificar, afiar, polir e etc. Distinguem-se das demais ferramentas de corte por serem alto afiáveis 1. De acordo com seu formato ou aplicação são chamados de: - Rebolo; - Disco de corte; - Disco de desbaste; - Segmento; página 1/41

2 - Ponta montada; - Brunidores; - Pedra de afiar etc. O fato de ser uma ferramenta extremamente utilizada e muito veloz nos obriga a uma disciplina rigorosa quanto à segurança. A ocorrência de quebras de produtos abrasivos tem sido uma grande preocupação, pois afeta com grande intensidade o dia-adia de uma empresa, como por exemplo: - Economia direta, ou seja, a utilização correta das ferramentas podem aumentar de forma significativa sua durabilidade, aumentar a eficácia do corte e diminuir o tempo de execução 1 Texto e nome dos das ferramentas trabalhos. abrasivo foi extraído da apostila da Norton. - Economia indireta na interrupção de produção por motivos de equipamento quebrados por mau uso, tempo parado na troca de discos ou até mesmo tempo socorrendo alguém acidentado. - Acidentes, independente de sua gravidade, pois além de gerarem prejuízos com afastamento e / ou indenizações trabalhistas, geram um ambiente inseguro quanto a integridade física e psicológica dos operadores a qual não tem preço. Todos estes cuidados podem aumentar ou até diminuir a produtividade de uma empresa, sendo necessário apenas atentar-se para regras básicas de manuseio e procedimentos de segurança. Grande parte dessas ocorrências é ocasionada por desconhecimento, de um modo geral, do produto abrasivo ou da operação por quem a executa. Quebras de produtos devem ser tratadas com toda a importância, pois traz a tona uma série de problemas que podem nos indicar: - Qualidade do produto; - Falha operacional Por estas razões este assunto deve ser tratado de maneira séria, eficaz e competente. 3. A FÍSICA NA UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ABRASIVAS Os esforços aplicados nas ferramentas abrasivas estão divididos em dois tipos, a saber: estático e dinâmico. 3.1 Estáticos São esforços (fig.01) que solicitam a ferramenta à resistência à compressão e que são exercidos por intermédio do dispositivo empregado para montar a mesma na máquina. Estes esforços são gerados pelas seguintes ações: - potência consumida na operação de desbaste, retificação ou corte; - peso da ferramenta abrasiva (rebolo, disco). - sistema de fixação da ferramenta à máquina, flanges e porca de aperto. página 2/41

3 Peso do rebolo: o peso do rebolo aplica esforço estático ao mesmo quando este está apoiado sobre a superfície. P Figura 01 Esforço estático provocado pelo peso do rebolo Apostila Saint -Gobain (Segurança Rebolos, pág. H-6). Fixação do rebolo (fig.02): os flanges devem ter diâmetros e áreas de contato iguais, para que a pressão exercida contra o rebolo seja aplicada uniformemente. F = Instalação correta dos flanges. Não há forças de flexão. Os flanges têm o mesmo tamanho. Figura 02 Esforço estático provocado pelo flange Apostila Saint-Gobain (Segurança Rebolos, pág. H-6). página 3/41

4 Flexão provocada no rebolo F F Instalação incorreta dos flanges. Há forças de flexão. Os flanges têm tamanhos diferentes. F F Figura 03 Flexão provocada por flanges de tamanhos diferentes Apostila Saint-Gobain (Segurança Rebolos, pág. H-7). 3.2 Dinâmicos São forças que solicitam a ferramenta a esforço de tensão durante a utilização do mesmo. (fig.04) Estes esforços são provenientes de: - força centrífuga; - vibrações - desbalanceamento - impactos provocados durante a utilização - paradas forçadas do equipamento através de frenagem sobre a ferramenta abrasiva. página 4/41

5 Esta preocupação vale tanto para rebolos quanto para F discos de corte e de desbaste. F = m. V 2 O fato de a ferramenta estar 2 girando significa que sobre a r mesma está atuando a força centrífuga, a qual está V tensionando a ferramenta abrasiva com força de tração tentando rompê-la. Observase pela fórmula que a força centrífuga aumenta com o m quadrado da velocidade. Ação da força centrífuga Figura 04 Forças centrifugas Apostila Saint-Gobain (Segurança Rebolos, pág. H-8). Figura 05 Esforço estático provocado pelo flange Apostila Saint-Gobain (Segurança Rebolos, pág. H-9) Observa-se na figura acima (fig.05) a distribuição da força de tensão provocada pelo aperto dos flanges. As forças são maiores na tangente do furo e vão diminuindo conforme se aproxima do diâmetro externo da ferramenta abrasiva. Representação gráfica dos esforços provocados pelo aperto dos flanges. Quanto maior o aperto maior serão as tensões. Nota: Associado a estes dois tipos de esforços é preciso considerar os gerados por impactos acidentais decorrentes do transporte, do manuseio e do armazenamento. Além desses ainda há os esforços provocados por empilhamento incorreto no armazenamento. 3.3 Geral A resistência aos esforços de tensão está relacionada a alguns fatores, dentre eles os que seguem: página 5/41

6 - tipo de resina utilizada na fabricação da ferramenta abrasiva, pois é ela que dará a resistência mecânica. O abrasivo pouco contribui para esta resistência, seja de tração ou de compressão. - a relação entre o diâmetro do furo interno e o diâmetro externo da ferramenta tem grande influência na resistência às tensões de tração e compressão. Sendo ela dada por: r = d / D. Quanto maior for o valor desta relação, ou seja, se aproximando de 1, menor será a resistência às tensões da ferramenta. - rebaixos de fabricação ou provocados pelo uso também promovem a redução da resistência mecânica. Os rebolos de formato cônico são menos resistentes que os de formato reto. É importante observar que diretamente relacionado com o tipo, formato e aplicação da ferramenta abrasiva está a rotação de utilização e por esta razão é importantíssimo dar atenção aos dados técnicos da ferramenta, da máquina e do material a ser trabalhado antes de iniciar a aplicação. Quando da montagem da ferramenta abrasiva à máquina se faz muito importante o cuidado para que esta seja isostática e não hiperestática, ou seja, ocorra de forma a manter a ferramenta sobre esforços de equilíbrio. O aperto excessivo da porca, a utilização incorreta do flange, a folga entre o furo e o eixo do equipamento são esforços perigosos. - o aperto excessivo provoca tensões de compressão sobre a ferramenta, as quais podem nuclear uma trica ou deixar a ferramenta com os esforços no limite e ao entrar em operação poderá ocorrer à quebra. - quando a ferramenta está em operação ocorre presença de calor gerado pelo trabalho de abrasão, este calor faz com que o aço dilate (porca, flange, eixo) e se a folga for muito reduzida ou inexistente entre o furo e o eixo não haverá espaço para a dilatação ocorrer sem provocar tensões na ferramenta e daí certamente ocorrerá a ruptura da mesma. Sempre que se for utilizar uma ferramenta abrasiva se faz necessário alguns cuidados de segurança para com o usuário, as pessoas adjacentes ao trabalho, ao equipamento e a fixação da peça a ser trabalhada. Seja no uso de máquinas portáteis (esmerilhadeiras), seja no uso de máquina fixas (esmeril, retificas, máquinas de corte e outras), nunca se deve deixar de posicionar adequadamente os protetores de disco e/ou rebolo do equipamento deixando-o sempre voltado para proteger o operador. No caso do esmeril deve-se também verificar a distância do apoio à pedra, a qual não deve exceder a 5mm e em todas as situações não se deve deixar pessoas à frente da ferramenta abrasiva. Quando se faz usos de esmerilhadeiras, seja para corte ou desbaste, é importante fazer um isolamento do local com biombo a fim de garantir a integridade das pessoas próximas à obra. Este último é muito verificado em serviços de campo. página 6/41

7 Nunca utilize uma ferramenta abrasiva em rotações que não atenda à velocidade de projeto da mesma. Nas ferramentas vem anotada a velocidade máxima que a mesma pode operar, a qual em geral é de 80 m/s, porém a velocidade é diretamente proporcional à rotação, onde: v = rpm x diâmetro x?. Assim sendo se utilizar uma ferramenta em uma rotação maior terá uma velocidade maior e com isso ocorrerá a quebra da mesma. A força de tração atuante na ferramenta aumenta segundo o quadrado da velocidade, ou seja, torna-se extremamente perigosa a sua utilização em velocidades superiores à especificada. Muitos acidentes com lesões e alguns até fatais tem ocorrido por falha humana, ou seja, foi feita a utilização da máquina sem proteção, a ferramenta abrasiva foi aplicada em velocidade indevida e o operador estava sem proteção individual. Algumas máquinas trabalham com vários diâmetros de ferramentas, mas possuem ajuste de rotação, outras já são projetadas para cada diâmetro de ferramenta abrasiva, é o caso das esmerilhadeiras. Nesta última para ser mantida a mesma velocidade tangencial no disco qualquer que seja o diâmetro a rotação da máquina é projetada em conformidade com o diâmetro ( 4 ½ ; 7 ½ ou 9 ). Tem ocorrido que o operador instala um disco de 9 em uma máquina que foi projetada para 4 ½, quando se faz isso a velocidade sobe de 80 m/s para 122 m/s, ou seja 52,4%. Nota-se que é um aumento muito significativo. 4 - TIPOS DE EQUIPAMENTOS e FERRAMENTAS ABRASIVAS e APLICAÇÕES Ferramentas abrasivas Etapas de fabricação Tipo Vitrificado Produz-se a mistura a qual é prensada, em seguida passa por uma pré-secagem e posterior queima, é feito um teste de qualidade, aprovada a ferramenta é dado o acabamento com posterior teste de segurança e só então é liberada para a expedição Tipo Resinóide Produz-se a mistura a qual é prensada e depois respeitado o tempo de cura, é feito um teste de qualidade, aprovada a ferramenta é dado o acabamento com posterior teste de segurança e só então é liberada para a expedição Tipo de identificação mais comum Dimensões página 7/41

8 Normalmente representadas da seguinte forma: WxYxZ, onde W é o diâmetro externo em (mm), Y é a altura (espessura do rebolo em mm) e Z é o diâmetro do furo (mm) Características geométricas Normalmente representada por três letras como, por exemplo: ART, onde A referese ao perfil do rebolo (face de trabalho normalizado conforme ABNT) PB-26 e RT refere-se ao formato do rebolo (principais tipos: RT, NA, CR, CC, DL, UL, BDA, DC, SE, GE) Especificação: A 16 R B 302, onde A Tipo de grão; 16 Granulometria do abrasivo; R Dureza do rebolo; B Tipo de liga; 302 Modificação de liga Tipos de grãos Óxido de alumínio Utilizados para trabalhos em materiais de alta resistência a tração (materiais ferrosos), tais como: aços e suas ligas, ferro fundido nodular e ferro fundido maleável. Existem três tipos principais: Óxido de alumínio comum: Aplicado em operações de corte e desbaste, retifica de cilindros (materais de baixa dureza). Óxido de alumínio zirconado: Aplicado em operações de corte e desbaste. Óxido de alumínio cerâmico: Aplicações similares as anteriores porém, com resultados muito superiores Carbureto de silício Utilizado para trabalhos em materiais de baixa resistência à tração (materiais nãoferrosos e não-metálicos), tais como: bronze, latão, alumínio, cerâmica, mármore, refratários, borracha, etc. Existem basicamente dois tipos: Carbureto de silício cinza: Utilizado nas diversas operações de corte, desbaste e retifica. Exceto em ferramentas de metal duro. página 8/41

9 Carbureto de silício verde: Utilizado quase que exclusivamente em afiação de ferramentas de metal duro Granulometria (ver tab.01) Todos abrasivos são produzidos em blocos e depois de retirados do forno são triturados e classificados através de peneiras. O tamanho do grão é medido pelo número de malhas por polegada linear. São identificados por números de 10 a 220. À medida que avança a numeração, diminui o tamanho do grão. -10, 12, 14, 16, 20, 24 e 30 Grossos; - 36, 46, 54, 60, 70 e 80 Médios; - 100, 120, 150, 180 e 220 Finos. Tabela Comparativa dos Padrões Granulométricos Mícron CAMI FEPA JIS - Mícron CAMI FEPA JIS P P P P P P P P P P P P P P P página 9/41

10 P P P P P P P P P P Tabela 01 Comparação dos padrões Granulométricos Informativo técnico Carborundum Maio 2003 N.5 (pág. 3/3) Dureza (fig.06) Indica a força de coesão existente entre os grãos abrasivos em virtude do aglutinante utilizado. A indicação é dada por letras do alfabeto conforme segue: E, F, G, H, I, J, K, L, M, N, O, P, Q, R, S, T, U, V, X (menor) Dureza (maior) Figura 06 Dureza da ferramenta abrasiva Apostila Norton Ferramentas abrasivas (pág. 06) Estrutura (fig.07) Pode ser definida como a relação existente entre o volume de grão abrasivo e o volume total do rebolo, esta indicação é feita por números, como descrito abaixo: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12. (fechada) Estrutura (aberta) Figura 07 Estrutura da ferramenta abrasiva Apostila Norton Ferramentas abrasivas (pág. 06) Ligas Pode ser chamada também de aglutinante, é o elemento que liga os grãos abrasivos entre si fomando assim uma massa abrasiva. Essas ligas são classificadas em vitrificada e resinóide, como descrito abaixo: Vitrificada Trata-se de uma liga inorgânica e suas principais características são friabilidade no corte e manutenção de perfil. Sua principal aplicação é em trabalhos de precisão, não resistindo a grandes impactos. página 10/41

11 Resinóide Trata-se de uma liga orgânica e sua principal característica é a resistência ao impacto (alta resistência). Suas principais aplicações são: desbaste, corte e também operações de precisão. Essas ligas são atacadas por óleos refrigerantes quando esses não estão na faixa de 8,5 9,0 de ph. 4.2 Desbaste com máquinas portáteis Trata-se de uma operação na qual o operador segura a máquina com as mãos e a leva de encontro à peça a ser desbastada. As principais operações com máquinas portáteis são as seguintes: - Desbaste em cordões de solda; - Limpeza de superfícies antes da solda; - Remoção de defeitos superficiais; - Remoção de imperfeições em peças fundidas; - Preparação superficial para pintura ou revestimento. Uma operação de desbaste caracteriza-se por alta remoção de material em determinada unidade de tempo, onde o acabamento superficial é pouco importante. Um dos discos mais utilizados nas operações de desbaste em máquinas manuais é o disco com depressão central ou disco de desbaste Máquinas portáteis Podem ser classificadas em: - Pneumáticas; - Elétricas. E quanto à posição do eixo em horizontais ou verticais. São apresentadas em diferentes modelos onde as principais variáveis são rotação, potência e peso. As rotações variam de acordo com o diâmetro do disco a ser usado. Os principais fabricantes nacionais de máquinas portáteis são: - Atlas Copco; - Bosch; - Black and Decker; - Maquita; - Pein. 4.3 Discos de desbaste Chamados também de discos com depressão central são empregados nas operações de desbaste. Trabalham submetidos a muitos esforços, tanto pela irregularidade das áreas de contato, quanto pela quantidade de material removido e diferença de pressões. Logo é preciso que os discos possuam um certo grau de resiliência, para evitar sua quebra. página 11/41

12 São fabricados, por esse motivo, em liga resinóide e com telas de fibra de vidro com a função de reforço. Sua depressão central é a responsável por facilitar a tomada de diversas posições pelo operador, tem a função também de impedir que a porca de fixação possa atrapalhar o trabalho Aspectos de fabricação Podem ser fabricados com grãos de óxido de alumínio ou carbureto de silício. A liga é sempre resinóide, são construídos com três telas em fibra de vidro, sendo: - Uma tela superior; - Uma tela central; - Uma tela inferior. A fim de torná-los mais agressivos, na área de contato com a peça a ser desbastada, são fabricadas com alto grau de aspereza. Sua dureza varia de 0 a Aplicação Os discos de desbaste são ferramentas abrasivas que devem ser manipulados com precaução. Devem ser observadas as regulamentações de segurança prescritas para prevenir sua quebra em operação, como demonstrado nos itens a seguir Utilização Os discos com depressão central devem ser utilizados seguindo as seguintes recomendações: A posição de trabalho mais adequada é aquela em que o disco trabalha formando um ângulo de 30º, em relação à superfície da peça. Nesta posição, o operador pode observar perfeitamente a zona de trabalho do disco. A menor área de trabalho dá como resultado um aumento da capacidade de corte; Na sua utilização normal, ou seja, a 30º de inclinação é muito empregado para eliminar imperfeições superficiais ou retirar oxidações das partes metálicas, apresentando alto rendimento; Por outro lado para cortes e aberturas de canaletas com discos com depressão central, utilizam-se os de menor espessura, já construídos para essa finalidade. Após o uso a máquina não deve ser jogada contra o piso ou bancada, devem-se utilizar dispositivos adequados para descanso. Não force sua parada instantânea pressionando-a contra a peça trabalhada ou qualquer outra superfície. Não afiar ferramentas no disco de desbaste; para essa tarefa existem os esmeris de bancada. A seleção de especificação depende das condições operacionais. Assim, o diâmetro do disco é determinado em função da rotação do equipamento, e sua dureza, em função do material e dureza da peça-obra. Observe as tabelas abaixo (tabelas 02 e 03): página 12/41

13 DIÂMETRO RPM MÁXIMO VELOCIDADE PERIFÉRICA 230mm m/s 180mm m/s 150mm m/s 125mm m/s 115mm m/s 100mm m/s Tabela 02 Relação entre diâmetro do disco e RPM máximo Apostila Norton Discos de Desbaste (pág. 06) DUREZA ABRASIVO MATERIAL A TRABALHAR 0-2 Òxido de alumínio Aços duros 4 Òxido de alumínio Uso geral 6 Òxido de alumínio Aços moles 3 Òxido de alumínio Aços inox 1 5 Carbureto de silício FoFo Cinzento e não ferrosos Tabela 03 Relação entre dureza e material a ser trabalhado Apostila Norton Discos de Desbaste (pág. 06) Discos de desbaste de óxido de alumínio zirconado Trata-se de um abrasivo duro, com alto poder de remoção e grande friabilidade. Ideal para operações onde haja grande geração de calor e uma alta remoção horária seja fator preponderante. O uso desse grão facilita o trabalho do operador pela possibilidade de aplicação de menores níveis de pressão para a remoção de uma mesma quantidade de material, quando comparado com grãos convencionais. Entretanto, é bom lembrar que para a obtenção de resultados satisfatórios é necessário que se disponha de equipamentos de potência adequada (3-5 HP). 4.4 Montagem do disco de desbaste Os discos com depressão central devem ser fixados na máquina não somente pelo flange porca, mas também pelo flange adaptador. Isto acondiciona a depressão central e melhora a sua segurança durante o trabalho, (conforme ABNT, NB-33) Os flanges São elementos essenciais de montagem. Em muitos casos, a quebra de um disco com depressão central durante a operação, é causada por flanges com desenhos inadequados ou pelo mau estado de conservação. Conseqüentemente, a ABNT lista um certo número de recomendações que devem ser observadas: - A natureza dos flanges; - Sua forma; - Seu aperto Natureza dos flanges página 13/41

14 Devem ser feitos de material cujas propriedades mecânicas garantam a total impossibilidade de deformação ou trincas durante sua utilização Formato dos flanges Os discos com depressão central são projetados e fabricados com reforço para uso com um flange posterior de diâmetro maior e um anterior de diâmetro menor, o qual serve como porca de fixação. É imperativo, a fim de não submeter o disco a esforços de flexão, na sua depressão, que os flanges posterior e anterior se acomodem perfeitamente Aperto O aperto do flange-porca deve ser mínimo suficiente para fixar o disco. Caso contrário, a tensão do aperto poderá danificar o disco ou outra peça no conjunto de montagem. 4.5 Capas protetoras São de uso obrigatório; Devem possuir lateral acessível para facilitar a troca do disco; Devem ser de aço ou ferro fundidos maleáveis; Devem apresentar um ângulo máximo de abertura (exposição do rebolo) de 180º. 4.6 Técnicas de montagem A segurança no emprego dos discos de desbaste depende do grau de cuidado com que são montados e manipulados. Algumas recomendações devem ser observadas: Inspeção do disco; Inspeção dos flanges; Velocidade da máquina; Montagem e aperto do disco nos flanges Inspeção do disco Antes de montar o disco na máquina, é necessário verificar se não sofreu batidas por manuseio indevido no transporte ou durante seu armazenamento no almoxarifado. Esta verificação pode ser feita através de atenta inspeção visual, que pode revelar o inicio de uma trinca ou qualquer partícula estranha, que se tenha introduzido, acidentalmente, entre o rebolo e o rótulo, no momento da colagem Verificação dos flanges página 14/41

15 Essa operação consiste em: Controlar seu estado geral de conservação; Controlar sua montagem Verificação da velocidade da máquina Antes de montar o disco na máquina, é essencial verificar se a rotação real do eixo não excede o limite máximo indicado no rótulo do disco. Essa verificação se faz com a ajuda de um tacômetro. Em máquinas pneumáticas equipadas com regulador de velocidade, a ocorrência de variações de RPM é maior, já que é possível que o regulador se bloqueie e o eixo ultrapasse a velocidade máxima do rebolo Montagem e aperto do disco Antes de colocar o disco no dispositivo de montagem, é importante verificar: - Que o eixo e a superfície de apoio dos flanges estejam totalmente limpos; - Que a capa de proteção é a correta pra a operação. Em máquinas que operam com disco de sete, nunca trocar a capa para disco de nove (pois trabalham com uma rotação menor: 6.500RPM). Verificar a RPM do eixo da máquina. - Que o aperto seja suficiente para não deslizar o disco entre os flanges de montagem. 4.7 Máquinas de Corte As maquinas de corte são projetas para corte dos mais variados tipos de metais em diversos formatos e perfis, com o auxilio de um disco abrasivo. Pode-se executar com elas um corte normal ou longitudinal e cortes oblíquos em reduzidos espaços de tempo. Este sistema tem melhor desempenho quanto mais duros e tenazes forem os materiais comparados às serras de aço. Existem basicamente quatro tipos de máquinas como veremos a seguir e que trabalham a 80m/s. Existem casos especiais aonde se chega a 100m/s Cut-off Esse é o tipo mais usado, o disco é montado em um eixo que por sua vez forma parte de um braço oscilante sobre o qual atua-se para que o disco avance sobre a peça. Trata-se basicamente de uma máquina manual, podendo eventualmente ser acionada por um dispositivo hidráulico. Usada geralmente para cortes de barras maciças de até 50mm de diâmetro e para tubos de até 100mm, acima desses valores recomenda-se outro tipo de equipamento. Usa-se nesses equipamentos discos entre 250 e 450mm de diâmetro. Exemplos (fig. 08 e 09): página 15/41

16 Figura 08 Foto de uma Policorte Catálogo JOWA Oscilante Figura 09 - Foto de uma Policorte Catálogo JOWA página 16/41

17 Esse tipo de máquina além do avanço radial é dotado de um dispositivo que move o disco também no sentido axial. Dessa forma é possível diminuir o arco de contato e executar o corte de secções maiores. São usados discos que variam entre 350e 850mm de diâmetro, podendo-se cortar barras de até 300mm de espessura Horizontal Nesses equipamentos tanto o disco como a peça move-se no sentido horizontal. São geralmente destinadas a grandes espessuras, usando-se discos de 800mm de diâmetro, no caso das máquinas de disco móvel. Já as máquinas de disco fixo têm menor capacidade e usam discos de 300 ou 350mm, destinadas ao corte de pequenas espessuras de materiais não metálicos e vidro Rotativas Nesse equipamento a peça gira com em uma retificadora cilíndrica. Consegue-se cortar, com discos relativamente pequenos, peças de grandes diâmetros, uma vez que o disco só tem que efetuar metade do percurso para concluir o corte. Usadas para cortes de sólidos ou tubos de até 550mm de diâmetro. 4.8 Seleção do disco Para determinação do disco adequado deve-se observar: - tipo de material a ser cortado; - secção de corte; - acabamento desejado; - tipo e potência da máquina empregada; - corte refrigerado ou a seco Tipo de material a ser cortado Em geral os discos de grãos grossos, são utilizados para o corte de materiais macios, já para os materiais duros usamos discos de grãos mais finos. Esses discos são geralmente fabricados em óxido de alumínio. Os discos fabricados em carbureto de silício são conhecidos por apresentarem um maior rendimento em materiais de baixa resistência a tração: ferro fundido cinzento e materiais não ferrosos ou não metálicos (latão, cobre, mármore, refratário, vidros, etc) Secção de corte Quando escolhemos um disco em função da secção de corte, devemos lembrar que o determinante é o comprimento do arco de contato entre a peça e o disco, pois é isso que determina co comprimento do cavaco gerado. Os cavacos grandes obstruem o caminho dos grãos abrasivos na periferia do disco e reduzem a ação de corte. Existe uma considerável diferença entre cortar peças de paredes finas e peças maciças no que diz respeito à ação do disco. Conforme se aumenta o arco de contato diminui-se a pressão página 17/41

18 unitária e, portanto usa-se disco mais mole no caso de peças maciças ou de paredes grossas. Conforme o arco de contato diminui a pressão unitária aumenta exigindo o uso de discos mais duros, evitando seu desgaste prematuro, isso para corte de paredes finas Acabamento desejado O grau de rebarba esta ligada tanto à seleção de tamanho de grão quanto à dureza do disco, pois ambos de algum modo determinam as características de corte livre do disco, que por sua vez afeta o calor gerado antes que seja completado o corte. Quanto maior a temperatura atingida durante o corte maior será o nível de rebarbas esperado. A espessura do disco também concorre proporcionalmente ao aumento de temperatura de corte. Por isso quanto mais fino for o disco, menor serão as quantidades de rebarbas geradas Tipo e potência da máquina empregada A variedade de fatores no corte vem determinar o tipo de disco a empregar e a potência da máquina. Quanto maior for à potência da máquina maior poderá ser o raio de corte e mais duro poderá ser o disco Corte refrigerado ou a seco Quando a operação especificar corte refrigerado deve-se empregar um disco de dureza baixa ou média. Existem máquinas para trabalhar com a peça totalmente submersa. Muitas máquinas estão projetadas para o trabalho a seco, sendo esses tipos os que oferecem maiores capacidades de corte. A maioria dos trabalhos a seco utiliza-se de discos onde o aglutinante é uma resina. 4.9 Tipos de disco de corte Sem reforço Não possui nenhum material que aumente sua resistência mecânica em sua construção. Trata-se de um disco relativamente fino que é constituído de grãos abrasivos mais um ligante, portanto não suporta a ação de esforços laterais, sem romper-se. Deve ser usado em máquinas equipadas com proteção adequada, um rígido cabeçote e um dispositivo de fixação seguro para a peça Com reforço Os discos com reforços são produzidos, a exemplo dos demais discos, a partir de grãos abrasivos mais um aglutinante, porém em sua estrutura é agregado o uso de telas especiais para o aumento da resistência mecânica do disco. Com relação ao posicionamento dessas telas podem ser divididos em: Disco reforçado externamente página 18/41

19 Trata-se do tipo mais comum entre os discos reforçados, possui duas telas de fibra de vidro em suas laterais acarretando uma diminuição do poder de corte lateral e conseqüente aumento do calor gerado na operação de corte. Por isso esse disco não deve ser usado em matérias muito sensíveis ao calor. São empregados geralmente em cortes onde a segurança é mais importante do que a qualidade do corte Disco com reforço interno Sua construção, com reforço interno pode conter uma ou mais telas de fibra de vidro, m conjunto às telas internas podem ser usadas telas externas com diâmetro em torno de 2/3 do diâmetro do disco, colocado em suas laterais. A tela interna não é exposta à zona de corte, então o disco, com reforço central, pode ser utilizado com maior sucesso em matérias sensíveis ao calor. Destina-se a cortes em geral de peças, perfis, chapas, tarugos, tubos, refratários, mármores, granitos, etc; pode ser usado em máquinas como: cut-off, swing-frame, portáteis e fixas Problemas encontrados em discos de corte com ou sem reforço (tab.04). PROBLEMAS - Disco com baixa ação de corte SOLUÇÕES 1. Abaixar a dureza 2. Diminuir o tamanho do grão 3. Diminuir a espessura, se possível. 4. Aumentar avanço ou pressão - Disco deixando rebarba 1. Diminuir o tamanho do grão 2. Diminuir a dureza 3. Diminuir a espessura Quatro.Colocar refrigeração se possível - Disco queimando 1. Abaixar a dureza 2. Colocar refrigeração se possível 3. Utilizar toda potência disponível 4. Utilizar grãos mais finos 5. Checar fixação do disco 6. Checar velocidade do disco Tabela 04 Problemas encontrados em discos de corte com ou sem reforço Apostila Norton Discos de Corte (pág. 16) 2 O item 4 foi referenciado na apostila da Norton Ferramentas Abrasivas INDICAÇÃO DE ABRASIVOS (tab. 05): Indicações: Para corte de materiais ferrosos: página 19/41

20 Al 2 O 3 - Aços duros e semiduros, aços de construção, aços tratados, aços ferramentas, aços refratários de alta tenacidade, aço carbono doce e extradoce, aço inoxidável ferreteou e austenítico, ferro fundido maleável, etc. Para corte de metais não ferrosos e Sic Materiais não-metálicos - Alumínio, magnésio, zircônio e suas ligas, urânio, latão, bronze, cobre e suas ligas, titânio, nãometálicos duros, rochas, refratários, cerâmicos, tungstênio, etc. Tabela 05 Indicação de abrasivos Informativo Técnico: Corte de amostras para ensaio metalográfico da Spectro. 5 - ARMAZENAMENTO E MANUSEIO DO REBOLO 4 Os produtos abrasivos, como qualquer outro material, possuem uma resistência limitada, mas suficiente para assegurar sua segurança em trabalho. Essa resistência limitada implica na tomada de precauções elementares para proteger os discos contra impactos e para evitar sua deteriorização. Abaixo algumas recomendações básicas de cuidados. (fig.10) O armazenamento inadequado pode comprometer a qualidade do produto. Desta forma: - Armazene em lugar seco e longe do calor excessivo; - Mantenha o disco preferencialmente em sua própria embalagem. Estes cuidados são necessários, pois todo rebolo, como qualquer outro material, possui uma resistência limitada, mas suficiente para assegurar sua segurança em trabalho. Esta resistência limitada implica que se deve tomar precauções elementares para proteger os rebolos contra impactos e para evitar sua deterioração. Abaixo relacionamos certo número de recomendações baseadas na experiência: - Devem ser manipulados com precaução para evitar impactos ou quedas no piso; - Não devem ser rolados no piso; - Se é impossível transportá-los manualmente, utilize um carrinho ou um outro meio apropriado que transporte o rebolo corretamente. De uma forma geral os rebolos devem ser armazenados: página 20/41

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa

INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa INFORMAÇÕES GERAIS Linha Completa www.spdcutferramentas.com.br (11) 2762 5114 Disco Diamantado 110mm Linha Profissional Disco de alto rendimento Disco Diamantado 110mm para corte a seco com alta durabilidade

Leia mais

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas especificas de segurança

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda.

International Paper do Brasil Ltda. International Paper do Brasil Ltda. Autor do Doc.: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Técnicas de Inspeção, Montagem, uso de Rebolos ( Esmeris

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES RT650KA / RTX-1

MANUAL DE INSTRUÇÕES RT650KA / RTX-1 RT650KA MICRO RETÍFICA VELOCIDADE VARIÁVEL MANUAL DE INSTRUÇÕES RT650KA / RTX-1 DISQUE 0800 703 4644 PARA SABER QUAL O CENTRO DE SERVIÇO MAIS PRÓXIMO DE SUA LOCALIDADE INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA AVISO: Ao

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do Produto: Disco de Corte ou Disco de Desbaste

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ. Nome do Produto: Disco de Corte ou Disco de Desbaste N 001 Disco de Corte e Desbaste Revisão: 05/04/2011 1 Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Disco de Corte ou Disco de Desbaste Aplicação: Corte de aço carbono e aço inoxidável, limpeza

Leia mais

Instruções de Uso e Segurança

Instruções de Uso e Segurança Instruções de Uso e Segurança Alicates Nunca utilize os alicates como martelo para não criar folga. Não martele os isolamentos, pois eles se danificarão; Utilizar alicates para apertar ou desapertar porcas

Leia mais

Brocas, buchas e mandris

Brocas, buchas e mandris Brocas, buchas e mandris Para fixação de elementos, cada material exige broca e bucha específicos. Saiba quais são os tipos corretos para cada necessidade Fixações em parede de alvenaria, concreto ou drywall

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.01 14032012] Obrigado por adquirir o ventilador Eros Cadence, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações contidas

Leia mais

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções

AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções AFIADOR ELÉTRICO 511 A Manual de Instruções ESTE MANUAL CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE MONTAGEM, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E SEGURANÇA REFERENTES AO AFIADOR ELÉTRICO DE BANCADA OREGON 511A. FAVOR LER

Leia mais

Preparação de máquina

Preparação de máquina A U A UL LA Preparação de máquina A retificação é um dos processos de usinagem por abrasão. Basicamente, a retificação visa corrigir as irregularidades de superfícies de peças ou materiais submetidos a

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo:

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo: 1 8 - RETIFICAÇÃO 8.1 Introdução A retificação é um processo de usinagem por abrasão. Este processo é realizado utilizando-se uma máquina-ferramenta chamada retificadora, para dar acabamento fino e exatidão

Leia mais

Segurança na Operação com Lixadeira e Moto Esmeril

Segurança na Operação com Lixadeira e Moto Esmeril Segurança na Operação com Lixadeira e Moto Esmeril Esta apostila foi especialmente elaborada pelo Professor Luís Francisco Casteletti. VERSÃO 2005 1 SUMÁRIO Introdução 03 Acidentes e doenças do trabalho

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DE INSTRUÇÕES E CERTIFICADO DE GARANTIA Para toda a linha de Ferramentas Elétricas CIR Instruções de Segurança Verifique antes de ligar a ferramenta se o interruptor está na posição desligado e

Leia mais

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis.

2.2. Antes de iniciar uma perfuração examine se não há instalações elétricas e hidráulicas embutidas ou fontes inflamáveis. 1. Normas de segurança: Aviso! Quando utilizar ferramentas leia atentamente as instruções de segurança. 2. Instruções de segurança: 2.1. Aterramento: Aviso! Verifique se a tomada de força à ser utilizada

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Manual para uso correto das polias e melhoria em sua transmissão

Manual para uso correto das polias e melhoria em sua transmissão Manual para uso correto das polias e melhoria em sua transmissão 2 Índice 2 - Antes de efetuar a inspeção ou substituição de uma polia: 3 -Segurança 4 - Superfícies e medidas dos canais 5 - Relação Canal

Leia mais

Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890

Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890 Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890 Figura 1: VISTA DA TUPIAS (IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA) Advertência: Não execute nenhuma operação com o equipamento antes de ler atentamente este manual. Este

Leia mais

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik APRESENTAÇÃO Os elementos táteis Mozaik foram projetados para a sinalização tátil de pisos executados em praticamente quaisquer tipos de materiais de revestimento,

Leia mais

Manual de instruções e operação

Manual de instruções e operação Manual de instruções e operação LEIA ATENTAMENTE ESTE MANUAL BEM COMO OS TERMOS GERAIS DA GARANTIA (ITEM VIII) ANTES DA INSTALACAO E OPERACAO Fabricação e Garantia de C.N.P.J. 58.812.421/0001-05 Ind. Brasileira

Leia mais

Laboratório de Controle de

Laboratório de Controle de Laboratório de Controle de Qualidade - LCQ SENAI/CETEMO Eng. Maria Ballestrin Bertarello NBR 15860/2010 Está dividida em duas partes Parte 1 Requisitos de segurança Parte 2 Métodos de ensaios Escopo berços

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 265 34. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 34.1. Introdução Para obter uma boa operação de usinagem em retificação, alguns cuidados devem ser

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter

Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Seção 9 Cilindros e protetores/reservatórios do cárter Página CILINDROS... 150 Inspeção e medição... 150 Retificação de cilindros... 150 Acabamento... 151 Limpeza... 151 MANCAIS DE MOTOR... 152 Mancal

Leia mais

FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA DESEMPENADEIRA 320 LINHA LEVE

FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA DESEMPENADEIRA 320 LINHA LEVE FÁBRICA DE MÁQUINAS PARA A INDÚSTRIA MADEIREIRA DESEMPENADEIRA 320 LINHA LEVE ÍNDICE NORMAS DE SEGURANÇA... 3 ÁREAS DE RISCOS E POSICIONAMENTO BÁSICO DE OPERAÇÃO... 4 MANUTENÇÃO... 5 DADOS DA MÁQUINA...

Leia mais

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE)

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE) Com o emprego de novas tecnologias e surgimento de novos materiais e equipamentos modernos, pode-se afirmar que a utilização de rebolos resinóides tornou-se indispensável nas operações de retificação e

Leia mais

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Treinamento Antenor Vicente VEDAÇÃO PROCESSO USADO PARA IMPEDIR A PASSAGEM, DE MANEIRA ESTÁTICA OU DINÂMICA DE LÍQUIDOS, GASES E SÓLIDOS DE UM MEIO PARA OUTRO JUNTAS JUNTA É TODO MATERIAL

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

www.zoje.com.br Manual ZJ8700 Montagem e Operacional

www.zoje.com.br Manual ZJ8700 Montagem e Operacional Manual ZJ8700 Montagem e Operacional MANUAL DE INSTRUÇÕES Para obter o máximo das muitas funções desta máquina e operá-la com segurança, é necessário usá-la corretamente. Leia este Manual de Instruções

Leia mais

Sistemas de de corte e desbaste Corte e Acabamento

Sistemas de de corte e desbaste Corte e Acabamento Sistema de corte e desbaste - (linha classic) Esmerilhadeira DAG 25-SE Esmerilhadeira DEG 25-D Página 34 Página 35 Esmerilhadeira DCG 80-P Página 36 Esmerilhadeira DCG 80-D Página 3 Esmerilhadeira DCG

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto A U A UL LA Uso de ferramentas Um aprendiz de mecânico de manutenção verificou que uma máquina havia parado porque um parafuso com sextavado interno estava solto. Era preciso fixá-lo novamente para pôr

Leia mais

Rebolos. O que é um rebolo? Especificações

Rebolos. O que é um rebolo? Especificações Rebolos O que é um rebolo? Rebolo é uma ferramenta de corte formada por grãos abrasivos unidos por ligas especiais. Pode ser utilizado em máquinas para operação de corte e afiação produzindo acabamento

Leia mais

Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial

Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial 3 Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de Introdução: b As Rodas para Remoção de Rebarbas Leves Scotch-Brite foram

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Manual de Instruções FURADEIRA COM IMPACTO FI 713/1

Manual de Instruções FURADEIRA COM IMPACTO FI 713/1 Manual de Instruções FURADEIRA COM IMPACTO FI 713/1 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas específicas de

Leia mais

Texto retirado do livro "Rebolos & Abrasivos", de Guillaume Ch. Nussbaum. Gravura: "The Knife Grinder" (O Amolador de Facas), Antonio Puga, 1640.

Texto retirado do livro Rebolos & Abrasivos, de Guillaume Ch. Nussbaum. Gravura: The Knife Grinder (O Amolador de Facas), Antonio Puga, 1640. ABRASIVOS E ABRASÃO Quando começou o uso dos abrasivos? O homem pré-histórico já conhecia a forma de afiar sua ferramenta, sua arma, talhando-a primeiro e esfregando-a com uma pedra depois, para obter

Leia mais

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 Modelo Tensão nominal Frequência Corrente nominal Diâmetro

Leia mais

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Uso e cuidados

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO. DPE Desmontadora de Pneus Elétrica

MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO. DPE Desmontadora de Pneus Elétrica MANUAL DE INSTRUÇÕES E OPERAÇÃO DPE Desmontadora de Pneus Elétrica 01 - Cabeçote Fixador 02 Garras 03 Bicos de Pato Deslocador 04 Haste Móvel 05 Braço Deslocador 06 Trava da Haste Móvel 07 Mola 08 Bico

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Mais que nunca é preciso cortar

Mais que nunca é preciso cortar Mais que nunca é preciso cortar Quando suas unhas estão compridas e é necessário apará-las, qual o modo mais rápido de fazê-lo? Lixando ou cortando? Naturalmente, se você lixar, o acabamento será melhor.

Leia mais

Manual do usuário e peças de reposição. Guia prático de manutenção passo-a-passo

Manual do usuário e peças de reposição. Guia prático de manutenção passo-a-passo Manual do usuário e peças de reposição Guia prático de manutenção passo-a-passo Revisão Novembro/2009 1 PLATAFORMA TECNOLOGIA EM CONSERVAÇÃO DE PISOS LTDA. Av. Deputado Emílio Carlos, 2499-02721.200 -

Leia mais

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima?

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima? Eixos e correntes A UU L AL A Uma máquina em processo de manutenção preventiva apresentava vários eixos e algumas correntes, além de mancais que necessitavam de reparos. Entre os eixos, um cônico e um

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 Descrição do produto O Chumbador Químico WIT-P 200 possui excelente propriedade de fixação e ancoragem em substratos maciços e ocos, com rápido tempo

Leia mais

FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS

FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS Linha FERRAMENTAS ESTACIONÁRIAS Alta performance nos trabalhos manuais As ferramentas estacionárias são indicadas para trabalhos domésticos, artesanatos, carpintarias, marcenarias,

Leia mais

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Modelo Tensão nominal Frequência Corrente nominal Tensão

Leia mais

Ferramenta de Corte MODELO 3706 MANUAL DE INSTRUÇÕES PORTUGUÊS DUPLA ISOLAÇÃO

Ferramenta de Corte MODELO 3706 MANUAL DE INSTRUÇÕES PORTUGUÊS DUPLA ISOLAÇÃO PORTUGUÊS Ferramenta de Corte MODELO 706 DUPLA ISOLAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES IMPORTANTE: Para sua própria segurança, LEIA e COMPREENDA este manual de instruções antes da utilização. GUARDE ESTE MANUAL

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

TEKNIKAO. Balanceadora NK750. Manual de Instruções. São Paulo

TEKNIKAO. Balanceadora NK750. Manual de Instruções. São Paulo Balanceadora Manual de Instruções São Paulo 2013 ÍNDICE Ao Proprietário... 3 Ao Operador... 3 Trabalho com Segurança... 4 Cuidados Especiais... 4 Especificações Técnicas... 6 Dados Técnicos... 6 Dimensões

Leia mais

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson Brocas para Madeira Brocas de 3 Pontas Brocas de 3 Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas em Aço Cromo 46 47 48 48 Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de

Leia mais

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário Bomba Circuladora SLX-PMP/6A Manual do Usuário Manual do Usuário SOLX - Bomba Circuladora - SLX-PMP/6A Reservados os direitos de alteração sem prévio aviso. Versão 1 - outubro/2013 Permitida a reprodução

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [M00 11112011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança. Condições de Instalação

Leia mais

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX TOOLS NEWS Atualiz. 2014.7 B202Z Broca intercambiável Novo quebra-cavaco US Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD Broca intercambiável 4 arestas

Leia mais

Chave de Impacto MODELO TW1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES PORTUGUÊS DUPLA ISOLAÇÃO IMPORTANTE:

Chave de Impacto MODELO TW1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES PORTUGUÊS DUPLA ISOLAÇÃO IMPORTANTE: PORTUGUÊS Chave de Impacto MODELO TW1000 DUPLA ISOLAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES IMPORTANTE: Para sua própria segurança, LEIA e COMPREENDA este manual de instruções antes da utilização. GUARDE ESTE MANUAL

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB

Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Manual de Instalação de Sistemas Fotovoltaicos em Telhados - PHB Índice Capítulo Título Página 1 Informações Gerais 3 2 Segurança 4 3 Especificações Técnicas 5 4 Ferramentas, Instrumentos e Materiais 6

Leia mais

A R T I C U L A D O R. Cirúrgico-MT

A R T I C U L A D O R. Cirúrgico-MT A R T I C U L A D O R Cirúrgico-MT s o l u ç õ e s i n t e l i g e n t e s MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1 - Introdução... 2 - Especificações técnicas... 3 - Conteúdo da embalagem... 4 - Instruções para

Leia mais

Dicas importantes. Original SACHS Service. SACHS: a embreagem mundial

Dicas importantes. Original SACHS Service. SACHS: a embreagem mundial Original SACHS Service Dicas importantes SACHS: a embreagem mundial - Hábitos incorretos ao dirigir que prejudicam a embreagem - O correto manuseio e armazenamento de embreagens - Remanufaturados x Recondicionados

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS

Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Seção 9 PISTÕES - ANÉIS - BIELAS Índice da seção Página Bielas Montagem da biela no pistão... 4 Verificação Instalação... 7 Remoção Torque... 8 Pistões Montagem do pistão na biela... 4 Verificação do desgaste

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL O paquímetro é um instrumento usado para medir dimensões lineares internas, externas e de profundidade. Consiste em uma régua graduada, com encosto fixo, na qual desliza um cursor.

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ESMERILHADORAS DEFINIÇÃO: São máquinas em que o operador esmerilha materiais, é usado principalmente na afiação de ferramentas. CONSTITUIÇÃO: É constituída geralmente de um

Leia mais

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180

Manual de Instruções e Operação Moinhos USI-180 USIFER A Solução em Moagem Indústria Metalúrgica Ltda. Rua Vêneto, n 969 Bairro Nova Vicenza CEP 95180-000 Farroupilha RS Fones: (54) 3222 5194 Vendas (54) 3261 7356 Fábrica e-mail: usifermoinhos@usifermoinhos.com.br

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Retificação DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

ÍNDICE. 01 - Normas de Segurança... 02 - Componentes... 03 - Especificação Técnicas... 04 - Montagem... 05 - Engate... 06 - Regulagens e Operações...

ÍNDICE. 01 - Normas de Segurança... 02 - Componentes... 03 - Especificação Técnicas... 04 - Montagem... 05 - Engate... 06 - Regulagens e Operações... INTRODUÇÃO Agradecemos a preferência e queremos parabenizá-lo pela excelente escolha que acaba de fazer, ao adquirir um produto Baldan fabricado com a tecnologia AGRI-TILLAGE DO BRASIL INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Manual de Instruções POÇOS TERMOMÉTRICOS POR. Instrumentação Industrial para Pressão e Temperatura

Manual de Instruções POÇOS TERMOMÉTRICOS POR. Instrumentação Industrial para Pressão e Temperatura Instrumentação Industrial para Pressão e Temperatura POR Manual de Instruções MI-TW-POR_2 10/2014 Copyright Nuova Fima S.p.A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida

Leia mais

ManualdeInstruções. www.odontomega.com.br

ManualdeInstruções. www.odontomega.com.br ManualdeInstruções MotorOzBlack www.odontomega.com.br Índice 1. Introdução... 2 2. Especificações do produto... 2 3. Nomes das Partes... 3 4. Montando e utilizando o Motor OZ Black... 4 5. Sugestões de

Leia mais

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA

INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS. MODELO FE 45 CAPACIDADE DE PERFURAÇÃO Ø 45 mm PROFUNDIDADE DE CORTE TIPO DE ENCAIXE CM 2 MEDIDAS DE SEGURANÇA 1 INTRODUÇÃO As Furadeiras de Base Magnética Merax caracterizam-se por serem robustas, porém leves e de fácil transporte. Utilizam qualquer tipo de broca, preferencialmente as brocas anulares. Trabalham

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE MANUAL DE OPERAÇÃO PARA MOEDOR DE CARNE 1-8 1 INTRODUÇÃO Neste manual de operação, você encontrará todas as informações necessárias sobre o equipamento para usá-lo corretamente. Ao adquirir um dos modelos

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los.

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los. A UU L AL A Rebites III Para rebitar peças, não basta você conhecer rebites e os processos de rebitagem. Se, por exemplo, você vai rebitar chapas é preciso saber que tipo de rebitagem vai ser usado - de

Leia mais

Instruções e Manual do Usuário

Instruções e Manual do Usuário Máquina de solda MIG Instruções e Manual do Usuário Favor ler atentamente antes de usar. GUARDAR estas instruções para futura referência. Obrigado por escolher nossa máquina de solda MIG. A máquina de

Leia mais

Introdução: Tabela: Medidas de segurança

Introdução: Tabela: Medidas de segurança Introdução: As Biseladoras Internas Merax podem ser utilizadas para biselar e /ou facear paredes de tubos de diâmetro interno de 16 mm à 610 mm em diferentes espessuras (conforme tabela abaixo). Tabela:

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5- TESM5P Manual de Operação Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P . DADOS TÉCNICOS LIXADEIRA ORBITAL Modelo: Velocidade sem carga: Pressão de ar: Entrada de ar: Disco de lixa: Consumo de ar: TESM5P

Leia mais

Composição de uma ferramenta elétrica

Composição de uma ferramenta elétrica ABC das Ferramentas (módulo II) Composição de uma ferramenta elétrica As ferramentas elétricas convencionais ou a bateria são compostas por 3 (três) partes básicas que são: 1. Estrutural Constituem a parte

Leia mais

Informações técnicas. Identificação do rebolo. Tipos de Abrasivos. Dureza. Estrutura. Tipos de liga. Estrutura. Tamanho do grão. Dureza.

Informações técnicas. Identificação do rebolo. Tipos de Abrasivos. Dureza. Estrutura. Tipos de liga. Estrutura. Tamanho do grão. Dureza. C T Á L O G O ao completar 25 anos, a Stilex brasivos tem muito que comemorar. Nesses anos todos, nossos discos de corte, de desbaste, rebolos e pontas montadas alcançaram cada canto de nosso vasto território

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte Inversora INVERT MXI-180ED +55 (16) 33833818

bambozzi Manual de Instruções Fonte Inversora INVERT MXI-180ED +55 (16) 33833818 bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Manual de Instruções. Leia todas as instruções antes de operar essa ferramenta. Taxa de consumo de energia Corrente 10,5ª / 4,0A

Manual de Instruções. Leia todas as instruções antes de operar essa ferramenta. Taxa de consumo de energia Corrente 10,5ª / 4,0A Manual de Instruções Leia todas as instruções antes de operar essa ferramenta Chanfradeira portátil Modelo HB-15B Ferramenta profissional HB-15B Especificações Fonte de energia (fase única) AC110v-120v

Leia mais

Rua do Manifesto, 2216 - Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 2271-3211 www.internacionalferramentas.com.br. Brocas para Concreto. www.irwin.com.

Rua do Manifesto, 2216 - Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 2271-3211 www.internacionalferramentas.com.br. Brocas para Concreto. www.irwin.com. Rua do Manifesto, 2 Ipiranga São Paulo Fone: +55 (11) 22713211 www.irwin.com.br Rua do Manifesto, 2 Ipiranga São Paulo Fone: +55 (11) 22713211 FURANDO CONCRETO Furar concreto é uma tarefa muito diferente

Leia mais

Catálogo de produtos

Catálogo de produtos Catálogo de produtos Escovas Cilíndricas As escovas cilíndricas SUISSA são usadas em diversos tipos de máquinas, algumas de suas aplicações são nas varredeiras industriais de pisos, nos equipamentos de

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO CINTAS QUALITY FIX Condições gerais de segurança... 4 As cores na movimentação... 5 Fator de Segurança... 5 A etiqueta azul de rastreabilidade... 6 Dicas de movimentação... 6 Certificado

Leia mais

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455 Martelete Rotativo HR445- HR455 MANUAL DE INSTRUÇÕES Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. Fábrica Rua Makita Brasil, 00 Bairro Alvarengas - S. B. do Campo - SP - CEP: 0985-080 PABX: (0xx) 439-4

Leia mais

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Manual para Instalação e Operação Design de simulação de motocicleta Funções para frente e para trás Função de reprodução de música na parte frontal O produto

Leia mais

OVERLOCK / INTERLOCK SS7703 / 7705DG.

OVERLOCK / INTERLOCK SS7703 / 7705DG. MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA DE COSTURA INDUSTRIAL OVERLOCK / INTERLOCK SS7703 / 7705DG. DIRECT-DRIVE MANUAL DE INSTRUÇÕES Para obter o máximo das muitas funções desta máquina e operá-la com segurança,

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

MANUAL DO OPERADOR MÁQUINA DE SOLDA MIG 280 NMIG280

MANUAL DO OPERADOR MÁQUINA DE SOLDA MIG 280 NMIG280 MANUAL DO OPERADOR MÁQUINA DE SOLDA MIG 280 NMIG280 Máquinas de solda NMIG Nagano Parabéns pela compra da sua nova máquina de solda Nagano. Com esta unidade de soldagem, agora você pode experimentar muitas

Leia mais