TERMO DE REFERÊNCIA TR/PS/TGM/010/11

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE REFERÊNCIA TR/PS/TGM/010/11"

Transcrição

1 TRMO D RFRÊNCIA TR/PS/TGM/010/11 SRVIÇO TÉCNICO SPCIALIZADO M RCUPRAÇÃO D TRANSFORMADORS D DISTRIBUIÇÃO, COM POTÊNCIA NOMINAL D 3 A 225(KVA) MONOFÁSICOS TRIFÁSICOS NAS TNSÕS D 7,9 A 34,5 (KV), PARA ATNDIMNTO AOS DPARTAMNTOS RGIONAIS. ABRIL/2011 Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 1/21

2 1- OBJTIVO Recuperação de transformadores de distribuição, monofásicos e trifásicos de 3 a 225 kva, na tensão nominal de 7,9 kv a 34,5 kv, compreendendo materiais, peças de reposição, embalagem e transporte, em lotes mensais estimado de 50 transformadores, perfazendo um total de 600 unidades. 2- DISPOSIÇÕS GRAIS NORMAS TÉCNICAS Para fins de projeto, matéria-prima, qualidade, ensaios e normas de fabricação e para o cumprimento do objeto deste termo de referência, deverão satisfazer as condições exigidas no mesmo e no que não contrariem a este, as seguintes normas nas suas últimas revisões. ABNT NBR-5034 Buchas para equipamentos elétricos acima de 1 kv specificação; ABNT NBR-5051 Buchas para equipamentos elétricos acima de 1 kv Método de nsaio; ABNT NBR-5356 Transformador de Potência specificação; ABNT NBR-5380 Transformador de Potência Método de nsaio; ABNT NBR-5416 Aplicação de cargas em transformadores de potência Procedimento; ABNT NBR-5435 Bucha para transformadores sem conservador de óleo Tensão nominal 15 kv e 25,8 kv; ABNT NBR-5437 Bucha para transformadores sem conservador de óleo Tensão nominal 1,3 kv; ABNT NBR-5440 Transformadores para redes aéreas de distribuição Padronização; ABNT NBR-5458 Transformadores Terminologia; ABNT NBR-6323 Zincagem em produtos de aço ou ferro fundido; ABNT NBR-6869 Determinação de rigidez dielétrica de óleos isolantes método dos eletrodos de disco Método de nsaio; ABNT NBR-7034 Materiais isolantes elétricos Classificação Térmica; ABNT NBR-7036 Recebimento, instalação e manutenção de transformadores de distribuição, imersos em líquido isolante Procedimento; ABNT NBR-7397 Produto de aço ou ferro fundido verificação do revestimento de zinco Determinação da Massa por Unidade de Área; ABNT NBR-7398 Produto de aço ou ferro fundido verificação do revestimento de zinco Verificação da Aderência. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 2/21

3 2.2 - PRAZO INÍCIO DOS SRVIÇOS A coleta dos transformadores, a cargo da CONTRATADA, deverá ocorrer em até sete dias corridos da publicação do contrato no Diário Oficial da União D.O.U INSPÇÃO ANTS DA RCUPRAÇÃO / ORÇAMNTO Após recebimento pela CONTRATADA dos transformadores em suas instalações, a CRON disporá de até sete dias para inspecioná-los e elaborar orçamento em conjunto com a CONTRATADA RCUPRAÇÃO Após a inspeção (item 2.2.2), a CONTRATADA deverá recuperar os equipamentos em 20 dias, sendo permitida a entrega parcial INSPÇÃO APÓS RCUPRAÇÃO A CRON disporá de até três dias para inspecionar e acompanhar os ensaios do lote nas instalações da CONTRATADA TRANSPORT A CONTRATADA deverá entregar as suas expensas, os transformadores recuperados nas unidades em até cinco dias após a liberação de inspeção DMAIS LOTS A coleta de novo lote de transformador para recuperação fica vinculada à entrega total ou parcial do lote anterior, salvo, caso para atender a solicitação emergencial da CRON ORÇAMNTO O valor unitário da recuperação não poderá ultrapassar a 60% (sessenta por cento) do valor do equipamento similar novo, salvo em casos excepcionais e com autorização da CRON. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 3/21

4 O preço limite do equipamento novo e que servirá de referência para aplicação do percentual mencionado no item anterior, é mostrado na tabela abaixo: Tabela I - Preço médio de referência para transformador monofásico e trifásico de distribuição, classe 7,9 kv a 34,5 kv, conforme cotação realizada entre os principais fornecedores. POTÊNCIA PRÇO D RFRÊNCIA 1 # 3 kva 7,9 kv R$ 1.050,00 1 # 5 kva 7,9 kv R$ 1.180,00 1 # 10 kva 7,9 kv R$ 1.400,00 1 # 15 kva 7,9 kv R$ 1.600,00 3 # 15 kva 13,8 kv R$ 2.780,00 3 # 30 kva 13,8 kv R$ 3.580,00 3 # 45 kva 13,8 kv R$ 4.200,00 3 # 75 kva 13,8 kv R$ 6.380,00 3 # 112,5 kva 13,8 kv R$ 6.800,00 3 # 150 kva 13,8 kv R$ 8.150,00 3 # 225 kva 13,8 kv R$ ,00 1 # 5 kva 19,9 kv R$ 1.867,00 1 # 10 kva 19,9 kv R$ 2.120,00 1 # 15 kva 19,9 kv R$ 2.490,00 3 # 15 kva 34,5 kv R$ 3.390,00 3 # 30 kva 34,5 kv R$ 4.367,00 3 # 45 kva 34,5 kv R$ 5.124, PROPOSTA COMRCIAL O PROPONNT deverá apresentar sua proposta constando seu valor de Unidade Padrão UP que servirá para atender os serviços, conforme Anexo I JULGAMNTO Os serviços deverão ser contratados de forma global, com aquela PROPONNT que tiver atendido aos requisitos técnicos e apresentados menor preço por Unidade Padrão - UP, para recuperação de transformadores, conforme anexo I. Os requisitos técnicos a que se refere o parágrafo acima, está explícito no item "5.1-Qualificação técnica" LOCAL D RTIRADA D NTRGA Os lotes de transformadores serão entregues para recuperação, através de formulário de controle denominado de Autorização de Serviço, a partir das localidades de Porto Velho, Ji-Paraná, Ariquemes, Cacoal e Vilhena conforme endereços abaixo. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 4/21

5 - Almoxarifado Porto Velho - Av. Rogério weber c/ Rio de Janeiro, Bairro Areal, Porto Velho - RO. - Almoxarifado Ji-Paraná - BR 364 km 05, Almoxarifado da CRON, Ji-Paraná- RO. - Almoxarifado Ariquemes Av. Capitão Silvio, 3257, ao lado da Policia Militar, Ariquemes-RO - Almoxarifado Cacoal - Av. Araçatuba, s/nº, Saída para Nova estrela. Subestação da CRON, Cacoal-RO. - Almoxarifado Vilhena - Av. Marechal Rondon, s/nº, Antiga Usina da CRON, Centro, Vilhena - RO A CONTRATADA não poderá ceder ou transferir no todo ou em parte os direitos e obrigações do corrente serviço de recuperação, sob pena de rescisão imediata sem direito a qualquer indenização. Os serviços e ensaios terão de ser executados em um único local. 3- DISPOSIÇÕS SPCÍFICAS DSCRIÇÕS DOS SRVIÇOS Quando constantes do orçamento, item 2.3, os serviços deverão ser realizados conforme abaixo e atendendo as normas técnicas referidas SRVIÇOS GRAIS Abertura do transformador para inspeção e orçamento DSMONTAGM, LIMPZA, SCAGM, RAPRTO GRAL MONTAGM DA PART ATIVA Troca de todas as juntas de vedação das buchas, tampa de caixa e tampa de inspeção, por novas, de borracha sintética (Neoprene) Todos os terminais, tanto da baixa como da alta tensão, devem ser estanhados por processo de imersão eletrolítico Deve ser pintado com tinta na cor preta, conforme normas técnicas, nas caixas dos transformadores. a) As marcações HI, H2, H3, junto as buchas de Alta Tensão. b) As marcações X0, X1, X2, X3, logo abaixo das buchas de Baixa Tensão, na ordem crescente da esquerda para a direita. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 5/21

6 c) O número de patrimônio CRON, com dimensões dos números de no mínimo 10 cm, pintado na lateral adjacente ao terminal X3. d) Na lateral adjacente a X0, deverá ser pintado o logotipo: CRON A placa de bornes deve ficar com numeração visual, pintada com tinta branca, de preferência fosforescente, para permitir mudanças de TAP s As presilhas de fixação de bucha AT e BT, os parafusos, as porcas e presilhas de fixação da tampa, devem ser galvanizadas a fogo e os que existirem danificados deve ser trocados Trocar o terminal na alça suporte, do lado da bucha X0, se necessário Quando da entrega dos transformadores, devidamente recuperados à CRON, a CONTRATADA deverá amarrar, em uma das buchas do transformador, uma etiqueta indicando o tap em que está ligado Substituição das culatras de aperto do núcleo de ferro silício, se necessário Substituição dos fios de ligação dos TAP s ( ligação das bobinas ao painel de ligação ), se necessário Substituição do suporte da placa de identificação, e colocação de placas de identificação se necessário, conforme o item Adaptação mecânica na caixa e/ou tampa do transformador, para permitir troca de buchas, se necessário Colocação de parafusos de fixação nas tampas das caixas dos transformadores se necessário Troca do óleo isolante, com fornecimento de certificado de qualidade, contendo ensaios e nº da nota fiscal de fornecimento. O certificado deverá ser da empresa fornecedora do óleo isolante Teste de rigidez em 10% do lote, acompanhado pelo inspetor da CRON Fazer adequação da posição dos furos no suporte de sustentação do transformador, caso necessário Instalação de conector de aterramento no suporte de sustentação do transformador SRVIÇOS D NROLAMNTO Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 6/21

7 Serviços nos nrolamentos Primários (Troca de Fases) a) xame cuidadoso de todos os enrolamentos de alta tensão. b) Substituição total dos enrolamentos danificados pertencentes à coluna (conforme previsto em orçamento). c) Os condutores utilizados devem ser adequados à potência nominal e demais característica dos transformadores, conforme norma técnica Serviços nos nrolamentos Secundários (Troca de Fases) a) xame cuidadoso de todos os enrolamentos de baixa tensão, mesmo que os enrolamentos primários apresentem bom estado. b) Substituição total da fase TROCA D CAIXA COMPLTA A troca da caixa do transformador deve ser completa TROCA DA TAMPA Compreende a tampa do tanque do transformador, inclusive a tampa de inspeção TROCA D TAMPA D INSPÇÃO Compreende a troca da tampa de inspeção do transformador, por uma nova RCUPRAÇÃO OU TROCA DO PAINL D LIGAÇÃO O painel deve ser confeccionado em fenolíte ¼, e afixado na culatra superior com uma inclinação de aproximadamente 20 graus com a horizontal e virado para o lado da baixa tensão. A numeração dos terminais do painel deve ser feita no corpo do mesmo, em baixo relevo e com tinta branca fosforescente. Os terminais devem ser de parafuso de latão de ¼ x ¾ com duas porcas e três arruelas do mesmo material. A comutação é feita através da janela de inspeção, por meio de conectores chapa e cobre. de Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 7/21

8 Quando as três colunas de AT forem substituídas, deve-se proceder a mudança no painel de ligação tornando-o rotativo TROCA DA PLACA D IDNTIFICAÇÃO Consiste na retirada da placa anterior e a colocação de uma nova, confeccionada em alumínio ou metal não oxidante e afixado no mesmo local da anterior por parafusos de latão ou rebites de alumínio. A placa de identificação deve conter: nome da firma que está executando os serviços, marca do fabricante do transformador, número de série e o ano de fabricação, tipo, potência, número de fases, polaridade, deslocamento angular, conexão, peso, volume do óleo, freqüência, elevação de temperatura, impedância a 75ºC, diagrama de ligações contendo todas as tensões nominais e data da recuperação TROCA D BUCHA D PORCLANA AT Consiste na substituição da bucha instalada por uma nova TROCA D BUCHA D PORCLANA BT Consiste na substituição da bucha instalada por uma nova TROCA DO TRMINAL AT Consiste na substituição do terminal instalado por um novo estanhado TROCA DO TRMINAL BT Consiste na substituição do terminal instalado por um novo estanhado PINTURA DA CAIXA Deverá ser executado como segue: Pintura Interna a) Preparação da superfície Deve ser feita uma limpeza interna, de modo a remover todo material, graxa existente, bem como resíduos prejudiciais. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 8/21

9 b) Pintura Deve ser feita com tinta à base de nitro-celulose, na cor branca, com espessura seca, mínima de 30 microns. Pintura xterna a) Na preparação da superfície. Devem ser eliminados todos os respingos de soldas rebarbas, todos os cantos deverão ser arredondados. Consiste de um jateamento ao metal quase branco, com areia ou granalha, padrão As 21/2, conforme norma SIS O intervalo máximo para aplicação da demão de fundo anticorrosivo é de 06 horas e antes que apareça qualquer sinal de oxidação. b) Tinta de Fundo Devem ser aplicados duas demão, à pistola, de tinta de fundo óxido de ferro à base de borracha insaponificável com uma espessura mínima ( seca ) de 60 microns por demão e com intervalo entre demão de 24 horas. c) Tinta de Acabamento Após 24 horas de aplicação da tinta de fundo, deve ser aplicada a tinta de acabamento à base de borracha clorada insaponificável, na cor cinza claro, nº 70, conforme ABNT TROCA TOTAL D ÓLO O óleo isolante deverá ter no mínimo 30 kv de rigidez dielétrica, deverá ser colocado óleo novo em todos os transformadores, o fornecimento do óleo, será de responsabilidade da CONTRATADA. Não serão aceitos a colocação de óleo filtrado ou regenerado nos transformadores recuperados RLATÓRIO D NSAIOS. Os relatórios deverão ser lançados em formulários padrão, os quais serão aprovados pelo gestor. A empresa contratada deverá fornecer relatório de ensaios de transformadores com os seguintes testes e de acordo com as normas técnicas: a) nsaios de aderência e espessura da pintura. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 9/21

10 b) Relações de Tensões: Tolerância de 0,5%. ssas medições deverão ser lançadas no formulário padrão. c) Resistência de Isolamento: Deve ser maior ou igual aos valores mínimos da resistência de isolamento de transformadores, a 75ºC. d) Polaridade: A polaridade dos transformadores deve ser subtrativa. e) Tensão Aplicada f) Tensão induzida g) Perdas em vazio h) Perdas em curto-circuito i) Perdas totais j) Tensão de curto circuito l) Rigidez Dielétrica: O valor encontrado deverá ser, pelo menos, igual a 30 kv/2,54mm de rigidez dielétrica SUCATA D COBR ÓLO A sucata de cobre e óleo retirado dos transformadores ficará de posse da CONTRATADA dos serviços de recuperação. 4- GARANTIA Os serviços de recuperação deverão ser garantidos pelo período de 01 (um) ano A CRON reserva-se o direito de abrir o equipamento em garantia que apresentar defeito, convocando a CONTRATADA, aguardando-a por três dias, e avaliar o defeito. sta avaliação, caso a CONTRATADA não compareça, será feita sem a presença da mesma. Se o defeito for de pequena monta, a CRON recuperará o mesmo. Caso o custo seja maior ou igual a 30% (trinta por cento) do valor da Ordem de Serviço - O.S glosará este valor de faturas futuras. A recusa pela CONTRATADA em corrigir defeitos ocorridos nos serviços executados durante o período de garantia habilitará a CRON a refazer ou corrigir o defeito, por sua conta ou através de terceiros, debitando a CONTRATADA todos os custos e aplicando sanções contratuais. 5- CONDIÇÕS D ATNDIMNTO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA Apresentação de: Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 10/21

11 Acervo de ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) que comprove a execução dos serviços com características e quantidades iguais ou semelhantes ao objeto especificado no edital; Atestado de capacidade técnica emitida por pessoa jurídica de direito público ou privado, comprovando que a licitante já executou os serviços com características compatíveis com o objeto deste Termo de Referência, em quantidade mínima mensal de 40 (quarenta) transformadores, e em período consecutivo mínimo de 6 (seis) meses, acompanhado de Acervo Técnico relativo ao Atestado, emitidos pelo Conselho Regional de ngenharia, Arquitetura e Agronomia - CRA; Prova de possuir em seu quadro de pessoal, engenheiro eletricista, detentor de acervo de responsabilidade técnica, demonstrando já ter executado serviços com características iguais ou semelhantes ao objeto deste dital. A comprovação do vínculo com a licitante poderá ser feita através de: a) no caso de empregado, com a apresentação de cópia autenticada da ficha de registro ou da folha do livro de registro de empregado e da folha da carteira de trabalho onde conste o nome do empregado e o registro da contratante; b) no caso de acionista, com a apresentação de cópia autenticada da ata da assembléia que o nomeou para a direção da empresa, ou no caso de sócio quotista, com a apresentação de cópia autenticada do ato constitutivo ou alteração contratual; c) no caso de profissional autônomo, ou a ele equiparado, com a apresentação de cópia autenticada do contrato de prestação de serviços, mantido com a licitante e aceito pelo CRA para fins de inscrição e cadastramento; d) o profissional apresentado pela LICITANT será o responsável técnico pelos serviços; Antes da fase de adjudicação será realizada avaliação técnica de aceitação, onde a licitante vencedora deverá apresentar questionário preenchido de acordo com as instruções estabelecidas no Anexo II do Termo de Referência. Será inabilitada a licitante que não obtiver respostas positivas para 100% (cem por cento) dos itens considerados essenciais () e 60% (sessenta por cento) para os itens considerados aplicáveis (A) A diligência para avaliação técnica a que se refere o item será realizada tão logo tenhamos conhecido a empresa arrematadora do processo, e no ato da visita, a licitante deverá comprovar estar apta, ou seja, obter respostas positivas para 100% dos itens essenciais e 60% para os itens aplicáveis, caso contrário será inabilitada, passando a ser vencedora a próxima licitante A avaliação será feita através de diligência, nos termos do 3º do Art. 43 da Lei n.º 8.666/93, ocasião em que serão confirmadas as informações prestadas no referido questionário. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 11/21

12 5.1.3 A Licitante deverá apresentar Laudo de Vistoria do Corpo de Bombeiros, documentos que comprovem a regularização junto aos órgãos federais (ANP e IBAMA) e estadual. 6- ATRIBUIÇÕS DA CONTRATADA A CONTRATADA deverá registrar o contrato no CRA, apresentando-o junto ao primeiro faturamento xecutar os serviços como descrito no item 3.1 DSCRIÇÃO DOS SRVIÇOS ntregar os serviços nos prazos do item 2.2 PRAZOS Ser responsável pelo transporte, incluindo carga e descarga dos transformadores Armazenar os transformadores da CRON ficando responsável pela boa conservação dos mesmos a partir da data de recebimento Repor ou pagar, sem prejuízo de execução fixado em cada ordem de serviço, todos os materiais danificados ou extraviados, mediante acordo entre as partes contratantes que definirá qual a necessidade para cada caso, se reposição ou pagamento Utilizar na execução dos serviços, material de comprovada qualidade, adquiridos de fabricantes reconhecidos, e com cadastro aprovado na CRON Fornecer mão-de-obra tecnicamente qualificada e materiais necessários a execução dos serviços de conserto de transformadores xecutar os trabalhos constantes em cada ordem de serviço, responsabilizando-se por sua perfeita execução Dispor de laboratório próprio para execução dos ensaios previstos no item 3.1 Descrição dos serviços, não sendo permitido a CONTRATADA subcontratar os ensaios xecutar a inspeção de recebimento em conjunto com a CRON, preenchendo a planilha de orçamento e assinando-a xecutar a inspeção final dos serviços, emitindo seus respectivos relatórios ncaminhar os laudos de ensaios e a documentação de devolução do transformador, juntamente com a documentação para pagamento. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 12/21

13 Ser responsável pelo transporte dos transformadores avariados em garantia. A CRON apresentará relatório técnico informando as condições em que ocorreram as avarias. Caso seja detectado que a avaria ocorreu por falha na rede de distribuição, A CRON será responsável pelo transporte Comunicar à CRON, por escrito, com 10 dias de antecedência, a data em que os transformadores estarão prontos para os ensaios de recebimento O responsável técnico terá presença obrigatória nos ensaios de recebimento e de liberação dos serviços. 7- OBRIGAÇÕS DA CRON xecutar a inspeção dos lotes em conjunto com a CONTRATADA, e assinar as planilhas de orçamento Acompanhar a entrega e recebimento dos transformadores nos almoxarifados das regionais Atestar o recebimento dos transformadores recuperados fetuar regularmente o pagamento dos serviços executados 8- DA MULTA Por atraso na entrega dos lotes recuperados em 10% do valor da fatura do lote. Caso a CONTRATADA venha a ter em 01 dos 03 primeiros lotes de entrega, rejeitado em mais de 10% das reformas, a CRON terá direito de rescindir o contrato e aplicar multa de 20% do valor total do contrato, sendo convocado o licitante classificado em 2º. Lugar na licitação para assinar contrato. 9 - CUSTOS STIMADOS O custo estimado mensal dos serviços de recuperação é de R$ ,50 (cento e cinqüenta e cinco mil, setecentos e setenta reais, cinqüenta centavos), totalizando no período de 12 meses o valor de R$ ,00 (um milhão, oitocentos e sessenta e nove mil, duzentos e quarenta e seis reais), sendo o valor da Unidade Padrão UP R$ 38,00 (trinta e oito reais). OBS: Os valores acima foram estimados para definição do valor do contrato. Somente serão pagos os serviços efetivamente realizados. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 13/21

14 9.2 - Caso haja renovação do prazo de execução, o valor da Unidade Padrão UP será reajustado conforme o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), levando-se em consideração os últimos 12 meses da apresentação da proposta FORMAS D PAGAMNTO a) O pagamento dos serviços executados será efetuado no 15º (décimo quinto) dia consecutivos, contados a partir do recebimento da Nota Fiscal fatura no protocolo da empresa, Av. Imigrantes, CP Porto Velho RO; b) A CONTRATADA deverá apresentar anexada à nota fiscal/fatura, cópia autenticada ou cópia com original para autenticação das guias de recolhimento do INSS/ FGTS e guia de pagamento do ISS, além de declaração de regime tributário PRAZOS D XCUÇÃO O prazo de execução será de até 12 meses a partir da data de assinatura do contrato, podendo ser renovado por menor, igual ou superior período até o limite legal, caso haja interesse entre ambas as partes, mediante comunicação expressa da contratante, com antecedência de 30 (trinta) dias. LABORADO POR letromecânico João José da Silva Corrêa - TGM APROVADO POR: ng.º Geraldo de Magela Carvalho de Oliveira Gerência de Manutenção de Sistemas - TGM Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 14/21

15 ANXO I TABLA D UP S POR SRVIÇOS PARA TRANSFORMADORS MONOFÁSICOS D 7,9 KV QUANTIDAD D UNIDAD PADRÃO UP POR SRVIÇOS TRANSFORMADOR 3 KVA 5 KVA 10 KVA 15 KVA Serviços gerais 3,00 3,00 4,15 4,25 Pequenos reparos 1,00 1,00 1,77 1,83 Troca do conjunto de juntas 1,00 1,00 1,45 1,80 Troca 1 fase AT 3,09 2,93 7,04 9,10 Troca 1 fase BT 3,78 3,78 3,85 3,85 Troca 2 fases BT 5,23 5,40 8,48 11,31 Troca ½ fase AT 2,04 2,15 4,15 4,95 Troca comutador derivações 2,50 2,50 2,50 2,50 Troca do tanque completo 10,00 12,10 14,63 14,98 Troca da tampa 3,00 3,33 4,11 4,55 Colocação do suporte suspensório 1,52 1,52 1,52 1,52 Troca da tampa de inspeção 0,44 0,44 0,44 0,44 Troca da placa de identificação 0,43 0,43 0,43 0,43 Troca bucha porcelana 15 KV (UN) 1,00 1,00 1,00 1,00 Troca bucha porcelana BT (UN) 0,65 0,65 0,65 0,65 Troca terminal para AT 15 KV (UN) 0,56 0,56 0,56 0,56 Troca terminal para BT (UN) 0,65 0,65 0,65 0,65 Troca do prensa cabo do terminal AT (UN) 0,13 0,13 0,13 0,13 Troca do prensa cabo do terminal BT (UN) 0,15 0,15 0,15 0,15 Pintura do tanque 2,08 2,08 3,85 3,85 Zincagem do tanque 7,50 8,52 9,33 9,33 Reposição do óleo isolante (0,24 UPS/L) novo 0,24 0,24 0,24 0,24 TABLA D UP S POR SRVIÇOS PARA TRANSFORMADORS TRIFÁSICOS D 13,8 KV SRVIÇOS QUANTIDAD D UNIDAD PADRÃO UP POR TRANSFORMADOR 30 KVA 45 KVA 75 KVA 112,5 KVA 150 KVA 225 KVA Serviços gerais 5,36 5,36 6,14 6,14 6,14 9,78 Pequenos reparos 2,70 2,70 2,70 2,70 2,70 4,00 Troca do conjunto de juntas 2,01 2,01 2,01 2,01 2,01 3,02 Troca 1 fase AT 10,70 11,18 14,06 18,27 19,07 33,08 Troca 1 fase BT 4,65 5,02 7,10 10,43 11,02 19,53 Troca 2 fases AT 18,00 20,22 25,98 34,39 36,00 58,50 Troca 2 fases BT 9,31 10,05 14,20 20,86 22,04 38,78 Troca 3 fases AT 25,92 29,25 37,89 50,51 52,93 84,02 Troca 3 fases BT 13,96 15,07 21,31 31,29 33,06 54,24 Troca ½ fase AT 5,10 5,59 7,03 9,13 9,54 15,24 Troca comutador derivações 3,92 3,92 3,92 3,92 3,92 6,15 Troca do tanque completo 15,83 19,15 26,37 32,15 40,63 76,74 Troca da tampa 2,03 2,25 2,31 2,79 2,79 5,78 Colocação do suporte suspensório 1,52 1,52 1,52 1,52 1,52 2,28 Troca da tampa de inspeção 0,44 0,44 0,44 0,44 0,44 0,44 Troca da placa de identificação 0,43 0,43 0,43 0,43 0,43 0,43 Troca bucha porcelana 15 KV (UN) 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 1,00 Troca bucha porcelana 25 KV (UN) 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 1,63 Troca bucha porcelana BT (UN) 0,67 0,67 0,75 0,75 0,75 0,75 Troca terminal para AT 15 KV (UN) 0,56 0,56 0,56 0,56 0,56 0,56 Troca terminal para BT (UN) 0,75 0,75 1,31 1,31 1,31 1,31 Troca do prensa cabo do terminal AT (UN) 0,13 0,13 0,13 0,13 0,13 0,13 Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 15/21

16 Troca do prensa cabo do terminal BT 0,15 0,15 0,15 0,15 0,15 0,15 (UN) Pintura do tanque 4,09 4,25 5,44 5,78 6,12 11,78 Zincagem do tanque 8,38 9,52 11,84 13,71 16,46 28,52 Reposição do óleo isolante (0,24 UPS/L) novo 0,24 0,24 0,24 0,24 0,24 0,24 TABLA D UP S POR SRVIÇOS PARA TRANSFORMADORS MONOFÁSICOS D 19,9 KV SRVIÇOS QUANTIDAD D UNIDAD PADRÃO UP POR TRANSFORMADOR 5 KVA 10 KVA 15 KVA Serviços gerais 3,75 5,19 5,31 Pequenos reparos 1,25 2,21 2,29 Troca do conjunto de juntas 1,25 1,81 2,25 Troca 1 fase AT 3,66 8,80 11,38 Troca 1 fase BT 4,73 4,81 4,81 Troca 2 fases BT 6,75 10,60 14,14 Troca ½ fase AT 2,69 5,19 6,19 Troca comutador derivações 3,13 3,13 3,13 Troca do tanque completo 15,13 18,29 18,73 Troca da tampa 4,16 5,14 5,69 Colocação do suporte suspensório 1,90 1,90 1,90 Troca da tampa de inspeção 0,55 0,55 0,55 Troca da placa de identificação 0,54 0,54 0,54 Troca bucha porcelana 15 KV (UN) 1,25 1,25 1,25 Troca bucha porcelana BT (UN) 0,81 0,81 0,81 Troca terminal para AT 15 KV (UN) 0,70 0,70 0,70 Troca terminal para BT (UN) 0,81 0,81 0,81 Troca do prensa cabo do terminal AT (UN) 0,16 0,16 0,16 Troca do prensa cabo do terminal BT (UN) 0,19 0,19 0,19 Pintura do tanque 2,60 4,81 4,81 Zincagem do tanque 10,65 11,66 11,66 Reposição do óleo isolante (0,24 UPS/L) novo 0,30 0,30 0,30 TABLA D UP S POR SRVIÇOS PARA TRANSFORMADORS TRIFÁSICOS D 34,5 KV SRVIÇOS QUANTIDAD D UNIDAD PADRÃO UP POR TRANSFORMADOR 15 KVA 30 KVA 45 KVA Serviços gerais 6,70 6,70 7,68 Pequenos reparos 3,38 3,38 3,38 Troca do conjunto de juntas 2,51 2,51 2,51 Troca 1 fase AT 13,38 13,98 17,58 Troca 1 fase BT 5,81 6,28 8,88 Troca 2 fases BT 22,50 25,28 32,48 Troca ½ fase AT 11,64 12,56 17,75 Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 16/21

17 Troca comutador derivações 32,40 36,56 47,36 Troca do tanque completo 17,45 18,84 26,64 Troca da tampa 6,38 6,99 8,79 Colocação do suporte suspensório 4,90 4,90 4,90 Troca da tampa de inspeção 19,79 23,94 32,96 Troca da placa de identificação 2,54 2,81 2,89 Troca bucha porcelana 15 KV (UN) 1,90 1,90 1,90 Troca bucha porcelana BT (UN) 0,55 0,55 0,55 Troca terminal para AT 15 KV (UN) 0,54 0,54 0,54 Troca terminal para BT (UN) 1,25 1,25 1,25 Troca do prensa cabo do terminal AT (UN) 2,04 2,04 2,04 Troca do prensa cabo do terminal BT (UN) 0,84 0,84 0,94 Pintura do tanque 0,70 0,70 0,70 Zincagem do tanque 0,94 0,94 1,64 Reposição do óleo isolante (0,24 UPS/L) novo 0,16 0,16 0,16 VALOR DA UP = NOM DA PROPONNT = VALOR DA UP ADOTADO PLA CRON = R$ 38,00 ( TRINTA OITO RAIS ) Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 17/21

18 ANXO II INSTRUÇÃO D PRNCHIMNTO Preencher com um X, ou na coluna sim quando o item estiver satisfatório, ou na coluna não quando o item não estiver satisfatório. Os itens indicados com peso () são considerados essenciais ao processo de reforma. e os com peso (A) aplicáveis à reforma. A empresa deverá responder aos seguintes requisitos relacionados com: 1 - Instalação Fabril Organização e Layout xistem áreas definidas, adequadas e suficientes, para: ITM RQUISITO PSO SIM NÃO 01 Recebimento e armazenamento de transformadores em área pavimentada, britada ou similar A 02 Armazenamento adequado de matéria-prima (fios, papel e óleo isolantes, gaxetas, tintas) A 03 Laboratório de controle da qualidade para inspeções e ensaios de rotina de acordo com as exigências das normas técnicas pertinentes, principalmente quanto às classes de precisão dos equipamentos de ensaio. (as normas técnicas estão relacionadas no item 2.1 do Termo de Referência) 04 Desmontagem e limpeza de núcleos/ enrolamentos A 05 Bobinamento, montagem da parte ativa, enchimento de óleo e fechamento A 06 Jateamento de tanques e partes metálicas A 07 Pintura de tanques e partes metálicas A 08 mbalagem e expedição em área pavimentada, britada ou similar A 09 A empresa está instalada em galpão coberto e fechado com pé direito adequado para içamento da parte ativa. 10 O ambiente de trabalho apresenta higiene A 11 O ambiente de trabalho apresenta segurança para o inspetor da CONCSSIONÁRIA e para o pessoal de execução da reforma 12 Os produtos inflamáveis são armazenados em áreas segregadas 13 As áreas e condições de armazenagem atendem às recomendações prescritas pelos fabricantes e fornecedores de matérias-primas A 14 As condições dos produtos armazenados são verificadas periodicamente A 15 As áreas destinadas à realização de ensaios elétricos são devidamente protegidas (sinalização, intertravamento, aterramento, isolamento etc.) 16 A empresa dispõe de equipamentos para combate a incêndio, em condições de operação e instalados em local de fácil acesso A 17 Os empregados utilizam os equipamentos de proteção individual adequado em função dos riscos envolvidos nas atividades (conforme NR-10) NOTA: 1 Os itens 10, 11, 12, 13 e 16 deverão ser comprovados através de laudo de vistoria do Corpo de Bombeiros Máquinas e quipamentos Para as máquinas e equipamentos não essenciais poderá ser aceito o serviço de terceiros, mediante comprovação, incluindo uma visita a instalação terceirizada, a critério da CONCSSIONÁRIA. Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 18/21

19 A empresa dispõe, em bom estado de conservação, de: ITM RQUISITO PSO SIM NÃO 18 Talhas ou pórticos ou pontes rolantes ou equipamentos equivalentes com capacidade e altura de elevação suficiente para executar o serviço pretendido. 19 Aparelhagem completa para solda oxiacetilênica e corte a plasma. 20 quipamento para movimentação de carga para 1,5 ton.(carrinho, porta paleta, empilhadeira, etc.) A 21 Sistema para filtragem, desgaseificação e desumidificação do óleo isolante tipo termovácuo 22 Furadeira de coluna A 23 Bobinadeiras para enrolamentos de alta e baixa tensão 24 Lixadeira e moto-esmeril A 25 Máquina de solda elétrica A 26 quipamento para jateamento com sistema purificação de ar e abrasivos A 27 quipamento para pintura sistema Flooding A 28 stufa c/ temperatura controlada por termostato, para tratamento térmico parte ativa 29 Sistema para enchimento à vácuo dos transformadores ( câmara de vácuo ) 30 steira para montagem da parte ativa 2 - Controle de Qualidade Na diligência haverá demonstração, através da realização de ensaios, onde comprovaremos todos os requisitos deste item quipamentos de Inspeção, Medição e nsaios A empresa dispõe de: ITM RQUISITO PSO SIM NÃO Medidor de resistência de isolamento (megôhmetro), com tensão mínima de 1000V e escala mínima de 0 a 50M OHMS quipamento para medição de relação de tensões e polaridade (transformadores monofásicos) ou relação de tensões, deslocamento angular e seqüência de fases (transformadores trifásicos) com precisão mínima de 0,5%. Grupo motor-gerador, para ensaios de tensão induzida, trifásico, saídas mínimas de 440V, 120Hz, potência de 20 kva. quipamento para ensaios de tensão suportável a 60 Hz, escala mínima de 0 a 50kV, em corrente alternada. Grupo motor - gerador e bancada para ensaios de perdas em vazio, perdas em curto circuito, tensão de impedância e corrente de excitação. Medidor de espessura de camada de zinco e tinta, escala mínima de 0 a 200 micrômetros. quipamento para medição de resistência ôhmica dos enrolamentos de alta e baixa tensão, método de ponte ou método de queda de tensão, e precisão Conforme NBR nsaios Para ensaios não essenciais poderá ser aceito o serviço de terceiros, mediante comprovação, incluindo uma visita técnica da CRON à instalação terceirizada, à critério da CONCSSIONÁRIA. A empresa tem condições de realizar os seguintes ensaios: Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 19/21

20 stanqueidade ITM RQUISITO PSO SIM NÃO 38 quipamento para execução do ensaio de estanqueidade com Nitrogenio (pressão de 0,07 MPa), incluindo manômetros Dureza "Shore" ITM RQUISITO PSO SIM NÃO 39 quipamento para medição de Dureza das juntas de vedação A Óleo isolante ITM RQUISITO PSO SIM NÃO 40 Densidade A 41 Índice de neutralização A 42 Teor de água A 43 Tensão interfacial A 44 Medidor de rigidez dielétrica do óleo isolante com escala mínima de 0 a 40Kv (NBR 6869) ou 0 a 50kV (IC 156) 45 Fator de potência a 100ºC ou fator de dissipação a 90ºC A 3 - Instalações de laboratório ITM RQUISITO PSO SIM NÃO 46 A forma de onda da tensão de alimentação, para ensaios de perdas em vazio, é controlada, de forma a mantê-la sem distorções, ou, caso existam, proporcionar correção dos valores medidos. 47.xiste plano de aferição e calibração dos equipamentos de inspeção, medição e ensaios, contendo, no mínimo, descrição do equipamento, data da última aferição, data prevista para próxima aferição e local da aferição 48 xiste aterramento adequado na área destinado à realização de ensaios dielétricos NOTA: Na diligência haverá demonstração, através da realização de ensaios, onde comprovaremos todos os requisitos destes itens 4 - Ferramental ITM RQUISITO PSO SIM NÃO 49 O ferramental utilizado na reforma é compatível com as especificações requeridas A 50 xistem condições adequadas para armazenamento e identificação das ferramentas A 5 - Recursos Humanos Recursos humanos para a reforma A empresa dispõe de profissionais especializados ou qualificados através de treinamento ou de experiência: ITM RQUISITO PSO SIM NÃO 51 Gerentes ou supervisores de produção 52 Pintores e Soldadores 53 Bobinadores 54 Técnico de Segurança do Trabalho Recursos humanos para administração/ projetos A empresa dispõe de: Av. Imigrantes, 4137 Setor Industrial - Porto Velho RO pág. 20/21

ESPECIFICAÇÃO E-62.014

ESPECIFICAÇÃO E-62.014 ESPECIFICAÇÃO E-62.014 Transformador de Corrente com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO E-62.013

ESPECIFICAÇÃO E-62.013 ESPECIFICAÇÃO E-62.013 Transformador de Potencial com Tensão Igual ou Superior a 69 kv Processo: Medição e Perdas Versão: 0.0 Início de Vigência: 30-01-2014 Órgão de Origem: Divisão de Medição e Proteção

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO

2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO 2.0 REQUISITOS GERAIS 2.1. CONDIÇÕES DO LOCAL DE INSTALAÇÃO 2.2. NORMAS TÉCNICAS 2.3. DOCUMENTOS TÉCNICOS A SEREM APRESENTADOS PARA APROVAÇÃO APÓS ASSINATURA DO CONTRATO 2.4. EXTENSÃO

Leia mais

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011

ETEM 41. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 ETEM 41 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE TRANSFORMADORES DE POTENCIAL COM TENSÃO MÁXIMA IGUAL OU SUPERIOR A 69 kv Revisão, 2 de setembro de 2011 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...4 1.1 TABELAS DE CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GARANTIDAS...4

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-104/2007 R-01 SERVIÇOS DE RECUPERAÇÃO EM TRANSFORMADOR DE POTÊNCIA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-104/2007 R-01 SERVIÇOS DE RECUPERAÇÃO EM TRANSFORMADOR DE POTÊNCIA ET-04/2007 R-0 DOCUMENTO NORMATIVO ET-04 I APRESENTAÇÃO Este documento estabelece critérios, procedimentos e recomendações a serem considerados na elaboração de Contrato de Prestação de serviços de reparo

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMASE ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMASE ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMASE ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0064 TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Coordenação:Celso Nogueira da Mota

FICHA TÉCNICA. Coordenação:Celso Nogueira da Mota NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 3ª EDIÇÃO DEZEMBRO 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA FICHA TÉCNICA Coordenação:Celso Nogueira

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MANUTENÇÃO CORRIVA EM TRANSFORMADORES DE SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Treinamento em transformadores- Programa 1

Treinamento em transformadores- Programa 1 Treinamento em transformadores- Programa 1 Módulo 1: Núcleo Caminho de passagem da energia magnética Perdas a vazio Corrente de excitação Nível de ruído Descargas parciais Gás-cromatografia Chapas de M4

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

PROCEDIMENTO TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO COM ISOLAMENTO SECO

PROCEDIMENTO TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO COM ISOLAMENTO SECO Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO T Í T U L O VERSÃO DATA DA VIGÊNCIA Nº ATA Nº DATA 00-28/06/20111 28/06/2011 APROVADO POR Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

NORMA TÉCNICA NTE 043 TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO/PADRONIZAÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil

NORMA TÉCNICA NTE 043 TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO/PADRONIZAÇÃO. Cuiabá Mato Grosso - Brasil NORMA TÉCNICA NTE 043 TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO/PADRONIZAÇÃO Cuiabá Mato Grosso - Brasil SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 3 4. NORMAS

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Medidor digital de relação de transformação itttr 2000R www.instrutemp.com.br INSTRUTEMP INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO LTDA. RUA FERNANDES VIEIRA, 156, BELENZINHO SÃO PAULO SP, CEP: 03059-023 Especificação técnica

Leia mais

Transformador de Distribuição Tipo Pedestal

Transformador de Distribuição Tipo Pedestal Nº Data Revisões Visto. Vanderlei Robadey Página 1 de 14 Legenda 1 Compatimento de alta tensão; 2 Compatimento de baixa tensão; 3 Bucha de alta tensão tipo poço removível; 4 Bucha baixa tensão 1,3kV; 5

Leia mais

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO

QUALIDADE - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO PLUG TERMINAL COM CAPA (PTC) 600 A 8,7 / 15 KV OPERAÇÃO SEM CARGA SUMÁRIO ITEM CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO,PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. 1 2 ROMAGNOLE Produtos Elétricos S.A. A energia é o núcleo dos acontecimentos,

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

GBM Engenharia e Arquitetura Ltda.

GBM Engenharia e Arquitetura Ltda. SEDE DEFINITIVA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO VITÓRIA/ES ESTRUTURAS METÁLICAS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO Estabelecer as condições mínimas necessárias para fabricação,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.05.006 TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO ISOLAMENTO SECO 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.05.006 TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO ISOLAMENTO SECO 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.05.006 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO-ES PAULO JORGE TAVARES ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 4

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA ETA-190/2015 R-01 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE REDE /25 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA AMPLA /25 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Especificação Técnica define os requisitos gerais

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada em manutenção preventiva e corretiva, com reposição de peças originais, sem ônus adicional para a CONTRATANTE, em aparelhos

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO Contratação de Serviços de Engenharia para Instalação de Novos Pontos de IP e Complementação da Eficientização do Sistema de Iluminação Pública de Porto Alegre ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS

ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS ANEXO AO ADITAMENTO N. 003 LISTA DE DOCUMENTOS NOVOS / ATUALIZADOS Arquivo Revisão Descrição 0803-PE-DE-200-00-002 C GERAL ARRANJO GERAL PLANTA 0803-PE-DE-230-00-001 B GERAL DIAGRAMA UNIFILAR GERAL SIMPLIFICADO.

Leia mais

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO

CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO BRASIL PARAGUAI CENTRAL HIDRELÉTRICA DE ITAIPU ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESP 002/07 SISTEMA DE PRODUÇÃO, PURIFICAÇÃO, COMPRESSÃO E ARMAZENAMENTO DE HIDROGÊNIO 2 1 No DESCRIÇÕES APROV. DATA REVISÕES Elab. :

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MA NU AL E SP EC IA L SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0032 ESPECIFICAÇÃO DE CONDUTORES

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

TTL TRANSFORMADORES TUPÃ LTDA É a primeira fábrica de transformadores da Amazônia Oriental, desde 1992 energizando o Norte do país.

TTL TRANSFORMADORES TUPÃ LTDA É a primeira fábrica de transformadores da Amazônia Oriental, desde 1992 energizando o Norte do país. PORTFÓLIO TTL TRANSFORMADORES TUPÃ LTDA É a primeira fábrica de transformadores da Amazônia Oriental, desde 1992 energizando o Norte do país. São 20 anos de parceria com nossos clientes, fornecedores e

Leia mais

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM EQUIPAMENTOS

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM EQUIPAMENTOS INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM EQUIPAMENTOS O Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/ISGH, Organização Social administradora do Hospital

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Transformadores de Potência Secos Especificação e Padronização. NTC-58 Revisão 2

NORMA TÉCNICA CELG D. Transformadores de Potência Secos Especificação e Padronização. NTC-58 Revisão 2 NORMA TÉCNICA CELG D Transformadores de Potência Secos Especificação e Padronização NTC-58 Revisão 2 NTC-58 DT/SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS

Leia mais

Polaridade e relação em transformadores de potência

Polaridade e relação em transformadores de potência 68 Capítulo V Polaridade e relação em transformadores de potência Por Marcelo Paulino* O objetivo deste capítulo é apresentar os conceitos de polaridade e defasamento angular de transformadores e as metodologias

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA D SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Identificação

Leia mais

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014

www.pratil.com.br Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Infraestrutura Elétrica AT (69kW) UNIFOR PROPOSTA COMERCIAL Fortaleza, 16 de Abril de 2014 Eduardo Guimarães E-mail.: eduguimarães@pratil.com.br Cel.: (85) 9635-2993 Tel.: (85) 3133-9404 Rua Vicente Linhares,

Leia mais

INDICE CONTROLE DE REVISÃO

INDICE CONTROLE DE REVISÃO INDICE 1.0 FINALIDADE PG 03 2.0 APLICAÇÃO PG 03 3.0 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA PG 03 4.0 TERMINOLOGIA PG 03 5.0 CARACTERÍSTICAS GERAIS PG 03 6.0 INSTALAÇÃO PG 06 7.0 COMPONENTES PG 07 8.0 OPERAÇÃO PG 22

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DG DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO - DGA TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO

DIRETORIA DE GESTÃO DG DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO - DGA TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 010/2014 OBJETO Contratação de empresa especializada para execução dos serviços de instalação e fornecimento de vidros temperados incolor em imóveis da Eletrobrás Distribuição Rondônia,

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA. Av Vila Ema, 3863 Conj 4

MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA. Av Vila Ema, 3863 Conj 4 MANUAL DE OPERAÇÃO MEDIDOR DE RELAÇÃO EM TRANSFORMADORES MODELO: HMTTR-2000E HIGHMED SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DE MEDIÇÃO LTDA Av Vila Ema, 3863 Conj 4 Vila Ema São Paulo SP CEP: 032.81-001 PABX: (11) 2717-7760

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DGA/054/2012

TERMO DE REFERÊNCIA DGA/054/2012 TERMO DE REFERÊNCIA DGA/054/2012 AQUISIÇÃO DE MATERIAL ELÉTRICO E DE REDE LÓGICA PARA REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL NOS IMÓVEIS DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO RONDÔNIA EM PORTO VELHO PORTO VELHO DEZEMBRO DE

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DG DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS - DGS

DIRETORIA DE GESTÃO DG DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS - DGS TERMO DE REFERÊNCIA Nº 001/2011 OBJETO Aquisição de 03(três) empilhadeiras com capacidade nominal mínima de 2.500kg, centro de carga 500mm, altura de elevação 4,50m ou superior, tipo de combustível gasolina/gás

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Transformadores de Corrente

Transformadores de Corrente Transformadores de Corrente Uso externo Isolado a óleo JOF (24 550) kv Descrição geral Os TCs to tipo JOF são utilizados em sistemas de alta tensão entre 24 e 550 kv. Eles transformam níveis elevados de

Leia mais

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3

M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rev.03-06/23 M A N U A L DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Compressores de ar D 1 / D 2 / D 3 Rua Major Carlos Del Prete, 19 - Bairro Cerâmica CEP 09530-0 - São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone/Fax: (11) 4224-3080

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07 PROJETO BÁSICO TGE/014/2007 1- OBJETIVO Especificar os serviços quanto à CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE BAY 69 kv E INSTALAÇÃO DE 01 BANCO DE CAPACITORES DE 7,6 MVAr NA SE VILHENA I, com fornecimento

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de coberturas metálicas para o prédio da Sede da SJES na capital

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de coberturas metálicas para o prédio da Sede da SJES na capital ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA Fornecimento e instalação de coberturas metálicas para o prédio da Sede da SJES na capital 1 OBJETO: 1.1 Contratação de empresa especializada para fornecimento, montagem e instalação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 024/2011

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 024/2011 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 024/2011 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA A FIM DE ELABORAR PROJETOS DE CONSTRUÇÃO E REFORMA PARA DIVERSOS IMÓVEIS DA CERON EM PORTO

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO

PADRONIZAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título ESTRUTURAS PARA MONTAGEM DE REDES AÉREAS DE DISTRIBUIÇÃO URBANA SECUNDÁRIA COM CABOS MULTIPLEXADOS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO 1-1 SUMÁRIO SEÇÃO 1 Apresentação SEÇÃO 2 Engastamento de postes SEÇÃO 3 Afastamentos mínimos SEÇÃO 4 Instalações básicas SEÇÃO 5 Cruzamentos SEÇÃO 6 Rabichos SEÇÃO 7 Aterramento 1 OBJETIVO

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS

APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS APRESENTAÇÃO TÉCNICA DADOS CADASTRAIS Razão Social: M Energia Com. de Transformadores LTDA-ME Logradouro: Osvaldo Tonini Número: 763 CEP: 13820-000 Cidade: Jaguariúna-SP CNPJ: 14.813.805/0001-69 IE: 395.032.246.110

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ESPECIFICAÇÕES DE MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA E ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL,

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice:

MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI. Índice: MEMORIAL TÉCNICO-DESCRITIVO Rede Aérea de Distribuição Urbana Loteamento COLIBRI Índice: 1 - Generalidades 2 - Rede aérea de Alta Tensão 3 - Rede Secundária 4 - Aterramentos 5 - Posto de Transformação

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.05.002 TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO PARA REDES AÉREAS 02

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ES.DT.PDN.01.05.002 TRANSFORMADOR DE DISTRIBUIÇÃO PARA REDES AÉREAS 02 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.05.002 02 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO-ES PAULO J. TAVARES LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO

Leia mais

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA, TERMOGRAFIA E MANUTENÇÃO CORRETIVA EM SUBESTAÇÕES TRANSFORMADORAS DE PRÉDIOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE 1. OBJETO: Serviços de manutenção

Leia mais

PROJETO BÁSICO Nº 007

PROJETO BÁSICO Nº 007 PROJETO BÁSICO Nº 007 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM PROJETO DE ENGENHARIA PARA ELABORAÇÃO DO SISTEMA DE PROTEÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO, E SPDA (SISTEMA DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGA ATMOSFÉRICA)

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

MA NU AL DE PR OC ED IM EN TO S

MA NU AL DE PR OC ED IM EN TO S MA NU AL DE PR OC ED IM EN TO S SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0069 TRANSFORMADOR

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA ADEQUAÇÃO DE ÁREA PARA BIBLIOTECA, SALA DE TREINAMENTO E SALA DE ENGENHARIA DA AGG

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA ADEQUAÇÃO DE ÁREA PARA BIBLIOTECA, SALA DE TREINAMENTO E SALA DE ENGENHARIA DA AGG PROJETO BÁSICO Nº 040/2009 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA ADEQUAÇÃO DE ÁREA PARA BIBLIOTECA, SALA DE TREINAMENTO E SALA DE ENGENHARIA DA AGG Rua José de Alencar, 2.613

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa para prestação de serviços continuados, com fornecimento de peças e insumos sem ônus adicional para a contratante, de manutenção preventiva,

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Transformadores são máquinas de operação estática que transferem energia elétrica de um circuito

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3

NORMA TÉCNICA CELG D. Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação. NTC-03 Revisão 3 NORMA TÉCNICA CELG D Caixas Metálicas para Medição, Proteção e Derivação NTC-03 Revisão 3 NTC-03 / DT-SETOR DE NORMATIZAÇÃO TÉCNICA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

PROJETO BÁSICO. DOP/005/2012.

PROJETO BÁSICO. DOP/005/2012. PROJETO BÁSICO. DOP/005/2012. CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NO FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO DE INFRAESTRUTURA METÁLICA DE TORRES DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ATENDER O SISTEMA DE RÁDIO COMUNICAÇÃO. Março/2012

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011

PADRÃO TÉCNICO PADRÃO ECONÔMICO PARA ENTRADA DE CLIENTE 18/10/2011 Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-18/10/2011 18/10/2011 ELABORAÇÃO Marcelo Poltronieri SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

Portaria nº 488, de 4 de novembro de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria nº 488, de 4 de novembro de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria nº 488, de 4 de novembro de 2014. CONSULTA

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO CAIXAS PARA EQUIPAMENTOS DE MEDIÇÃO E PROTEÇÃO DE UNIDADES CONSUMIDORAS INDIVIDUAIS OU AGRUPADAS EMISSÃO: JANEIRO /02 REVISÃO: MARÇO /06 FOLHA : 1 / 23 A P R E S E N

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D

Leia mais

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE

13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE 13 ANEXO 01 - ESTUDOS DE CASO - GESTÃO DA QUALIDADE O estudo de caso a seguir, procura simular os acontecimentos em uma auditoria de sistema de gestão da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000. Identifique

Leia mais