1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS"

Transcrição

1 1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Introdução Para que a matéria prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material, deve movimentar-se; se não ocorrer esta movimentação não se pode pensar em termos de um processo produtivo. Movimentar materiais é uma tarefa que demanda grande esforço. A utilização de equipamentos adequados para cada tipo de material a ser transportado pode contribuir para uma melhor execução desta tarefa. Cada vez mais novos equipamentos, mais modernos e sofisticados, são introduzidos no mercado e a escolha do melhor equipamento depende de muitas variáveis, como: custo, o produto a ser manuseado, a necessidade ou não de mão de obra especializada, espaço disponível, entre outros A movimentação e o transporte de material são atualmente classificados de acordo com a atividade funcional a que se destina: GRANEL CARGAS UNITÁRIAS EMBALAGEM ARMAZENAMENTO VIAS DE TRANSPORTE ANÁLISE DE DADOS

2 GRANEL: Abrange os métodos e equipamentos de transportes usados desde a extração até o armazenamento de toda a espécie de materiais a granel, incluindo gases, líquidos e sólidos. CARGAS UNITÁRIAS: Basicamente trata-se de cargas contidas em um recipiente de paredes rígidas ou individuais ligadas entre si, formando um todo único do ponto de vista de manipulação. EMBALAGEM: É o conjunto de técnicas usadas no projeto, seleção e utilização de recipientes para o transporte de produtos em processo e produtos acabados. ARMAZENAMENTO: Compreende o recebimento, empilhamento ou colocação em prateleiras ou em suportes especiais, assim como expedição de cargas de qualquer forma, em qualquer fase do processamento de um produto ou na distribuição dos mesmos. VIAS DE TRANSPORTE: Abrange o estudo de carregamento, fixação do transporte, desembarque e transferência de qualquer tipo de materiais nos terminais das vias de transporte, ou seja, portos, ferrovias e rodovias. ANÁLISE DE DADOS: Estão contidos todos os aspectos analíticos de movimentação de materiais, tais como: levantamento de mapas de transportes, disposição física do equipamento, organização, treinamento e segurança entre outros. FINALIDADES DOS SISTEMAS DE MOVIMENTAÇÃO 1. Redução de custos Redução de custos de mão-de-obra: substituição da mão-de-obra braçal pelos meios mecânicos, liberando esta mão-de-obra para serviços mais nobres dentro da empresa, serviços esses que vão exigir menos esforço físico do homem. Redução dos custos de materiais: com um melhor condicionamento e um transporte mais racional, o custo de perdas durante a armazenagem e o transporte é reduzido ao mínimo. Redução de custos em despesas gerais: racionalizando-se os processos de transporte e estoque, também caem os custos de despesas gerais, pois fica muito mais fácil manter os locais limpos, evitando riscos de acidentes de pessoal e sinistro. 2. Aumento da capacidade produtiva Aumento de produção: conseguido pela maior rapidez na chegada dos materiais até as linhas de produção. Aumento da capacidade de armazenagem: os equipamentos para empilhar permitem explorar ao máximo a altura dos edifícios, aumentando assim a capacidade de estocagem. Permitem também um melhor condicionamento, contribuindo para o aumento do espaço. Melhor distribuição de armazenagem: com a utilização de dispositivos para formação de cargas unitárias é possível montar um sistema de armazenagem muito mais bem organizado 3. Melhores condições de trabalho Maior segurança: a adoção de cargas unitárias e equipamentos de movimentação, como empilhadeiras, diminui o risco de acidentes nas operações, obedecidos os critérios de segurança.

3 Redução da fadiga/maior conforto para o pessoal: a força de trabalho é utilizada basicamente na operação dos equipamentos, havendo substancial diminuição de trabalho manual 4. Melhor distribuição Melhoria na circulação: através da criação de corredores bem definidos com endereçamento fácil e equipamentos eficientes; a integração das unidades de produção com os centros de distribuição aumenta ainda mais a eficiência do sistema. Localização estratégica do armazém: a criação de pontos de armazenagem em locais distantes da fábrica e colocados próximos aos pontos consumidores é possível graças à utilização de equipamentos de movimentação e armazenagem, que reduzem os custos do processo. Melhoria dos serviços ao usuário: a proximidade dos centros de distribuição e centros consumidores reduz as quebras e perdas, de forma a entregar produtos melhores e mais baratos aos consumidores. Maior disponibilidade: a eficiência gerada pelos sistemas de movimentação permite uma distribuição mais abrangente, atingindo um público consumidor maior AS LEIS DE MOVIMENTAÇÃO: 1. Obediência ao fluxo de operações 2. Mínima distância 3. Mínima manipulação 4. Segurança e satisfação 5. Padronização 6. Flexibilidade 7. Máxima utilização do equipamento 8. Máxima utilização da gravidade 9. Máxima utilização do espaço disponível 10. Método alternativo 11. Menor custo total EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO A classificação normalmente adotada para os equipamentos de movimentação e transporte situa-os em grupos bastante amplos. São incluídos os dispositivos de carga, descarga e manuseio que, não sendo máquinas, constituem o meio de apoio à maioria dos sistemas modernos: a) Transportadores b) Equipamentos de elevação e transferência (guindastes, talhas e elevadores) c) Veículos industriais d) Equipamentos de posicionamento, pesagem e controle e) Containeres e estrutura de suportes MOVIMENTAÇÃO X LAYOUT Produtos, Edificação, Método, Custo de movimentação, Área necessária para o funcionamento do equipamento, Fonte de energia,

4 Deslocamento, Direção do movimento, Operador. SISTEMA DE TRASNPORTADORES CONTÍNUOS Toda vez que for necessário executar uma movimentação constante, entre dois pontos predeterminados, devem-se usar sistemas de transportadores, os transportadores de roletes ou rodízios, os transportadores de rosca, oscilatórios ou de arraste. Os transportadores contínuos podem ser utilizados em mineração, indústrias, terminais de carga e descarga, terminais de recepção e expedição de mercadorias ou em armazéns de granéis. ESTEIRAS TRANSPORTADORAS São equipamentos de ampla aplicação, podem ser de correia, fita ou de tela metálica utilizadas geralmente para grandes quantidades de materiais. FITAS METALICAS OUTROS TIPOS DE TRANSPORTADORES A TRANSPORTADORES DE ROSCAS

5 B TRANSPORTADORES MAGNÉTICOS C TRANSPORTADORES PNEUMÁTICOS D TRANSPORTADORES VIBRATÓRIOS E TRANSPORTADORES DE ROLETES LIVRES F TRANSPORTADORES DE CORRENTES A PONTE ROLANTE SISTEMAS DE MANUSEIO PARA ÁREAS RESTRITAS Viga suspensa sobre um vão livre, que roda sobre dois trilhos. São empregados em fábricas ou depósitos que permitem o aproveitamento total da área útil (armazenamento de ferro para construção, chapas de aço e bobinas, recepção de cargas de grande proporções e peso.) B PÓRTICOS São vigas elevadas e auto-sustentáveis sobre trilhos. Possuem sistema de elevação semelhante ao das pontes rolantes. São utilizados no armazenamento em locais descobertos. SISTEMA DE MANUSEIO ENTRE PONTOS SEM LIMITES FIXOS CARRINHOS PALLETEIRA HIDRÁULICA PALLETEIRAS MOTORIZADAS EMPILHADEIRAS ACESSÓRIOS DE EMPILHADEIRAS

6 EMPILHADEIRAS LATERAIS CARRINHOS O mais simples dos equipamentos que formam os sistemas sem limites fixos; Do velho carro-plataforma usado desde os primeiros tempos nas estradas de ferro, foi derivando uma série de modelos de carrinhos; O princípio permanece: plataforma com rodas e um timão direcional. PALLETEIRA HIDRÁULICA Seus braços metálicos em forma de garfo recolhem diretamente pallets ou recipientes que tenham dispositivos de base, preparados para o manuseio. Um pequeno pistão hidráulico, produz uma leve elevação da carga, suficiente para ttirála do chão e permitir seu transporte. PALLETEIRAS MOTORIZADAS Quando a distância de transporte for muito grande.

7 EMPILHADEIRAS (Contra-peso) No caso que além do peso e da distância a carga tiver de ser empilhada; Trata-se de um carro de elevação por garfos; Três classes: frontais de contrapeso, frontais que equilibram a carga dentro de sua própria base, e empilhadeiras laterais; EMPILHADEIRAS ( Combustivel ) O modelo com motor a explosão (gasolina, GLP, diesel ou álcool) exige áreas abertas de operação. No caso de funcionar em ambientes fechados, a ventilação deve ser muito boa. É certo que numa composição de custos mais geral entram outros fatores, como o próprio valor da máquina, Os modelos elétricos custam mais do que os movidos a derivados de petróleo. Mas seja qual for o tipo de empilhadeira, é necessário conhecer muito bem o local e as condições de operação, antes de adquirir um desses equipamentos.

8 EMPILHADEIRAS ( Eletrica ) 1. TIPOS DE CARGA A SER MOVIMENTADA; 2. PESO DA CARGA A SER MOVIMENTADA; 3. DIMENSÕES DA CARGA A SER MOVIMENTADA; 4. CICLO DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS; 5. TIPO DE TERRENO A SER PERCORRIDO; 6. O PERCURSO TEM RAMPAS? 7. O PERCURSO TEM PASSAGENS, ARCOS, PONTES? 8. QUAL A LARGURA DO CORREDOR? 9. QUAL A ALTURA A SER UTILIZADA PARA A ESTOCAGEM? 10. QUAIS AS CARACTERISTICAS AMBIENTAIS DE SEU DEPÓSITO? ACESSÓRIOS DE EMPILHADEIRAS Tanto os modelos frontais de contrapeso como os de equilíbrio na própria base podem ter um uma série de acessórios acoplados, conforme as finalidades. SIDES SHIFT ou carro de deslocamento lateral

9 DISPOSITIVO ROTATIVO EMPURRE / PUXE DEDICADO GARFO DUPLO PARA PALLET ( MOVEL ) GARFO DUPLO PARA PALLET ( INTEGRAL )

10 GARFO SIMPLES (MÓVEL) EMPILHADEIRAS LATERIAIS As EMPILHADEIRAS LATERAIS são o terceiro tipo destes equipamentos. Elas diferem das demais devido ao processo de apanhar cargas. Enquanto os modelos frontais apanham a carga no mesmo sentido de deslocamento da máquina, as laterais tem seus garfos de lado e apanham suas cargas no sentido perpendicular ao seu deslocamento. GUINDASTES São compostos de coluna e lança com guincho, acionado por dispositivo mecânico ou elétrico. O mais importante é o guindaste de lança. Usados em pátios, construção pesada, portos e oficinas de manutenção. O veículo pode ser motorizado ou não. Opera cargas não paletizadas, versátil, alcança locais de difícil acesso mas apresenta a desvantagem de exigir espaço e movimentação lenta. Sempre que necessitamos de um guindaste, temos de ter em mãos as seguintes informações: 1 dimensões e peso do material; 2 raio operacional; 3 altura de elevação - Há dois tipos: Mecânico e Hidráulico; Os guindastes podem ser: 1 sobre pneus;

11 2 sobre chassi; 3 sobre esteiras; 4 fixos. PLATAFORMAS DE CARGA E DESCARGA Utilizadas no recebimento e na expedição de mercadorias, facilitando o trabalho. Geralmente são fixas. MESAS E PLATAFORMAS HIDRAULICAS Usadas basicamente na elevação da carga geralmente em conjugação com outro equipamento ou pessoa. AGV (AUTOMATIC GUIDED VEHICLES) São utilizados desde 1950 podendo carregar até 100 toneladas. Os AGVs modernos são controlados por computador, possuindo microprocessadores e gerenciadores de sistema, que podem até emitir de transporte e recolher ou descarregar cargas automaticamente. Existem diversos modelos, com os mais variados tipos de sensores e até por rádiofreqüência.

12 TRATORES Está se desenvolvendo aceleradamente a de tratores para fins industriais: tracionam carretas em pátios de cargas, vagões e pátios de manobras, aviões, executam serviços de terraplanagem, esticam correias transportadoras,acionam bombas irrigadoras, etc. HOVER PALLETS OUTROS TIPOS DE TRANSPORTADORES A TRANSPORTADORES DE ROSCAS São indicados para a movimentação de materiais pulverizados não corrosivos ou abrasivos. Utilizados em silos, moinhos, industria farmacêutica, etc.. O transporte é feito através da rotação do eixo longitudinal do equipamento.

13 B TRANSPORTADORES MAGNÉTICOS Utilizado para a movimentação de peças e recipientes de ferro e aço. Consiste em duas faixas de ferro magnetizadas por imãs permanentes colocados na parte posterior de um transportador de fita com, com um pólo em cada faixa, assim, o material ferroso é conduzido e atraído simultaneamente, podendo seguir em trajetórias verticais e horizontais, ser virado etc. C TRANSPORTADORES PNEUMÁTICOS Utilizado para transporte de materiais granulados em silos, moinhos e portos. Constituem-se em um conjunto de tubulações e de um sistema motor que produz a corrente de ar. D TRANSPORTADORES VIBRATORIOS

14 E TRANSPORTADORES DE ROLETES LIVRES Não há mecanismo de acionamento (somente a força da gravidade ou manual). É um sistema de transporte econômico, não há manutenção, permite o transporte de todos os materiais não a granel. A superfície de fundo do material deve ser dura e plana e no mínimo três roletes devem estar agindo simultaneamente sobre a carga. F TRANSPORTADORES DE CORRENTES Evita problemas de contaminação, permite o aproveitamento do espaço aéreo, gasto inicial e manutenção baixos.

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS Consiste na movimentação constante entre dois pontos pré-determinados. d São utilizados em mineração, indústrias, terminais de carga e descarga, terminais de recepção e expedição ou em armazéns. Esteiras

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Ricardo A. Cassel A movimentação de materiais é uma atividade importante a ser ponderada quando se deseja iniciar o projeto de novas instalações. Existe uma forte relação entre

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 06 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 06 FILIPE S. MARTINS AULA 06 FILIPE S. MARTINS ROTEIRO EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS PALETEIRA EMPILHADEIRA ESTEIRA TRANSPORTADORA TRANSPORTADOR DE ROLETES MONOVIA / TALHA ELÉTRICA TRANSELEVADORES

Leia mais

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO Uma empilhadeira é uma máquina industrial utilizada para levantar e carregar materiais, normalmente através de garfos de metal que são inseridos por debaixo da carga. Geralmente,

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

Aula 8. Manuseio e Movimentação de Materiais

Aula 8. Manuseio e Movimentação de Materiais Aula 8 Manuseio e Movimentação de Materiais Prof. José Fernando Pereira Jr. Manuseio de Materiais e Equipamentos Fora de Estrada 2º Semestre - 2011 Sumário 4.6 Manuseio e Movimentação dos materiais 4.6.1

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

Sistemas para Estacionamento e Vagas de Garagem DUPLIKAR. Projetamos e desenvolvemos inúmeras soluções para estacionamentos.

Sistemas para Estacionamento e Vagas de Garagem DUPLIKAR. Projetamos e desenvolvemos inúmeras soluções para estacionamentos. A Empresa A Duplikar é representante autorizado da marca Engecass, queremos apresentar uma solução caso tenha necessidades de aumentar suas vagas de garagem. A Engecass é uma indústria Brasileira, fabricante

Leia mais

Operações de Almoxarifado

Operações de Almoxarifado Administração de Recursos Materiais Operações de Almoxarifado Prof.: Celso A Araujo Operações de Almoxarifado O almoxarifado (ou armazém, ou depósito) executa a movimentação e o transporte interno de cargas

Leia mais

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais Nós da DPS Consultoria e Assessoria em Segurança do Trabalho, queremos inicialmente manifestar nossa satisfação pelo seu interesse em nosso

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

OPERAÇÕES DE ALMOXARIFADO

OPERAÇÕES DE ALMOXARIFADO O almoxarifado (ou armazém, ou depósito) executa a movimentação e o transporte interno de cargas AULA 04 Armazenagem de Materiais - Almoxarifado Os sistemas para armazenagem responsáveis pelas operações

Leia mais

Empilhadeiras. Orientação: Fernando Gabriel Eguia Pereira Soares

Empilhadeiras. Orientação: Fernando Gabriel Eguia Pereira Soares Empilhadeiras Elaboração: Guido Alves Slavec RA: 200937 Antônio Carlos de Souza Leme RA: 200008 Allan Spagnolo Benites RA: 110050 Felipe Saturnino Tonheiro Carlos RA: 200407 Sandro Aparecido Pereira Faria

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

Acessórios para empilhadeiras

Acessórios para empilhadeiras Índice: Acessórios para empilhadeiras - MSI-Forks & ATIB - Cotando acessórios - Modelos de equipamentos - Kit hidráulico e opcionais - Garantia e suporte local MSI-Forks & ATIB A MSI-Forks oferece ao mercado

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10

TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 TRANSPORTE DE MATERIAIS CAPÍTULO 10 Uma boa fatia dos custos de produção é atribuída ao transporte de materiais dentro da empresa, no abastecimento das linhas de produção, no armazenamento de matéria primas

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM Logística e Cadeia de Suprimentos UNISO Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves É a atividade que compreende o planejamento, coordenação, controle e desenvolvimento das operações destinadas

Leia mais

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM

AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/2015 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM AVISO DE RESULTADO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 039/25 - SAÚDE MENOR PREÇO POR ITEM A Pregoeira Pollyanna Allen Gomes de Jesus, designado pela Portaria nº 092/24 da Prefeitura Municipal de Goiânia / Secretaria

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

A EMPRESA ISO 9001-2008

A EMPRESA ISO 9001-2008 Produtos Especiais A EMPRESA ISO 9001-2008 A solução mais eficiente e adequada para cada cliente. Pontes Rolantes LINHA INDUSTRIAL LINHA OFF SHO Pontes Padronizadas ou Especiais, com viga simples ou dupla.

Leia mais

Slides com o Tema Escolhido. GRUPO AZUL: Ana Clara Araújo Côrte Luana Salgado Diego Pereira Bruno Reis

Slides com o Tema Escolhido. GRUPO AZUL: Ana Clara Araújo Côrte Luana Salgado Diego Pereira Bruno Reis Slides com o Tema Escolhido GRUPO AZUL: Ana Clara Araújo Côrte Luana Salgado Diego Pereira Bruno Reis Planejamento da Administração da Armazenagem Missão da Armazenagem Viabilizar a melhor gestão possível

Leia mais

Conscientização na Operação com Empilhadeira

Conscientização na Operação com Empilhadeira TREINAMENTO: NR 11 ITEM 11.1.5: Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o operador deverá receber um treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa função. Índice de

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno.

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno. CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno GRUAS 16 Valores (Formador David Inverno) Introdução Gruas No âmbito da UFCD

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DOS EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO PARA A LOGÍSTICA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Por: Maria Goreti Silva Rodrigues

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis. Portaria nº 308/12 DOU 06/03/12

Norma Regulamentadora NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis. Portaria nº 308/12 DOU 06/03/12 Norma Regulamentadora NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis Portaria nº 308/12 DOU 06/03/12 Entrou em vigor na data de sua publicação exceto para os itens com prazos diferenciados.

Leia mais

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift Empilhadoras Elétricas Os empilhadores com braços de suporte oferecem uma solução efetiva e econômica para todos os tipos de armazém grandes ou pequenos. A BT oferece o grupo mais completo de empilhadores

Leia mais

Linha de MOVIMENTAÇÃO

Linha de MOVIMENTAÇÃO Linha de MOVIMENTAÇÃO 2010 Empilhadeira Elétrica MEE 1.5 Ton MEE 2.0 Ton As Empilhadeiras Elétricas Menegotti são totalmente automatizadas, possuem controles de velocidade para deslocamento do equipamento

Leia mais

PÓRTICO LIMPA GRADES E CARRO LIMPAS GRADES. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DISPOSITIVO LIMPA GRADES E CARRO LIMPA GRADE.

PÓRTICO LIMPA GRADES E CARRO LIMPAS GRADES. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DISPOSITIVO LIMPA GRADES E CARRO LIMPA GRADE. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DISPOSITIVO LIMPA GRADES E CARRO LIMPA GRADE. DESCRIÇÃO. Existem inúmeros tipos e modelos de equipamentos limpa grades no mercado, para que o cliente possa escolher. Mas é verdade

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão.

Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão. METAL MECÂNICA AUTOCUT 4.0P HDX/2HDX Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão. AutoCut 4.0P HDX/2HDX A AutoCut 4.0P é uma máquina CNC para corte de chapas de aço-carbono, aço

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

AULA 05 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

AULA 05 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves AULA 05 Movimentação e Armazenagem de Materiais Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves É a atividade que compreende o planejamento, coordenação, controle e desenvolvimento das operações destinadas a abrigar,

Leia mais

Pontes Rolantes - Aplicações

Pontes Rolantes - Aplicações Pontes Rolantes Pontes rolantes são máquinas transportadoras utilizadas, em meio industrial, no içamento e locomoção de cargas de um local para o outro. Conta com três movimentos independentes ou simultâneos

Leia mais

ALUGUER DE ANDAIMES E OUTROS EQUIPAMENTOS

ALUGUER DE ANDAIMES E OUTROS EQUIPAMENTOS DE ANDAIMES E OUTROS A Equipleva disponibiliza aos clientes um serviço de para certos equipamentos, nomeadamente: ANDAIMES I PLATAFORMAS DE CARGA I PÓRTICOS EM ALUMÍNIO PORTA-PALETES TODO-O-TERRENO proporcionando,

Leia mais

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada Automatizando a armazenagem Armazenagem automatizada Com a verticalização da armazenagem a automatização tornou-se necessária também, pois os armazéns passaram a utilizar os espaços do piso ao teto. E

Leia mais

CORREIA TRANSPORTADORA FACULDADE CAMPO REAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 4º SEMESTRE

CORREIA TRANSPORTADORA FACULDADE CAMPO REAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 4º SEMESTRE CORREIA TRANSPORTADORA FACULDADE CAMPO REAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 4º SEMESTRE ACADÊMICOS: ANDERSON GOMES EVERSON SCHWAB JOSÉ OSMAR GERSON NESTOR DE SOUZA Dados Históricos Data do século 17, utilizadas

Leia mais

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000

Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 Transportador Pantográfico Elétrico TPE 1000 1 Manual de operação Conteúdo : 1 Parâmetros técnicos 2 Aplicações 3 Instruções de uso e operação 4 Manutenção 5 Carregador de bateria 6 Esquema elétrico 2

Leia mais

Equipamentos para Estamparia

Equipamentos para Estamparia Equipamentos para Estamparia CLIENTES EQUIPAMENTOS PARA LINHA DE PRENSAS Mesa destaque de platinas; METALURGIA Braço com imã para destaque; Mesa transferência platina; Sistema de centralização platina;

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

catálogo de PRodutos

catálogo de PRodutos catálogo de PRodutos Linhas de trabalho Equipamentos como os fabricados pela eixomaq reduzem o esforço físico, tornando a jornada de trabalho muito mais prática e produtiva, além de, na maioria das vezes,

Leia mais

Acionamentos estanques de giro

Acionamentos estanques de giro WD-L Acionamento de giro por rosca sem-fim Série Leve Acionamentos estanques de giro Acionamentos estanques de giro www.imo.de Clientes OEM Acionamentos de giro IMO - perfeitas para a utilização de produtores

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração A Sucral Iniciou suas atividades em 1968 e foi uma das empresas pioneiras no desenvolvimento do setor sucroenergético não só do país como também no exterior. Nos

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Empilhadeira. Empilhadeira. O que é empilhadeira? Princípio de funcionamento 07/04/2008

Empilhadeira. Empilhadeira. O que é empilhadeira? Princípio de funcionamento 07/04/2008 Empilhadeira Empilhadeira Operador: Pessoa habilitada e treinada, com conhecimento técnico e funcional do equipamento. É o responsável direto pela segurança da operação, pessoas e demais bens interligados

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

WTM AVES. Os vagões de transporte. la passion du rail

WTM AVES. Os vagões de transporte. la passion du rail Os vagões de transporte la passion du rail Os vagões de transporte Rápido e econômico é um vagão de transporte de AMV (Aparelho de Mudança de Via). Sua concepção permite transportar todos os tipos de AMV,

Leia mais

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Movimentação de Materiais 1.0 Movimentação de Materiais É a operação de deslocamento físico de materiais de um local para outro, dentro da instalação de armazenamento.

Leia mais

Gruniverpal no mundo: a nossa rede de distribuição

Gruniverpal no mundo: a nossa rede de distribuição Gruniverpal no mundo: a nossa rede de distribuição Designed by Partners, Turin PT GRUNIVERPAL TRANCHERO s.a.s. via Provinciale Verzuolo, 2-12026 Piasco - Cuneo - Italy Tel. + 39 0175 79301 - Fax. +39 0175

Leia mais

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t

GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300. Capacidade de Elevação 130t GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Capacidade de Elevação 130t PÁGINA 01 GUINDASTE SOBRE CAMINHÃO STC1300 Comprimento da extensão total da lança principal de 60m, perfil U, placa de aço WELDOX de alta resistência.

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

SOLUÇÕES E EQUIPAMENTOS

SOLUÇÕES E EQUIPAMENTOS SOLUÇÕES E EQUIPAMENTOS A Empresa Fundada em 1964 com o propósito de dedicar-se integralmente a projetar e fabricar equipamentos para elevação e movimentação de cargas. A FEBA está sediada no município

Leia mais

Dispositivo de ancoragem com braço giratório SkyORB TM

Dispositivo de ancoragem com braço giratório SkyORB TM Dispositivo de ancoragem com braço giratório SkyORB TM Descrição O Miller SkyORB TM é um dispositivo de ancoragem portátil com braço giratório especialmente projetado para sistemas de elonamento, carregamento/

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE II O CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras Introdução Sistema de produção Em muitos casos de obras de construção e montagem o canteiro de obras pode ser comparado a uma fábrica

Leia mais

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS

6. CILINDROS PNEUMÁTICOS 6. CILINDROS PNEUMÁTICOS Os cilindros, também conhecidos como atuadores lineares, são elementos pneumáticos de trabalho os quais transformam a energia proveniente do ar comprimido em energia mecânica,

Leia mais

Qualidade e Segurança em Locação de Equipamentos. Geradores l Compactadores l Plataformas Aéreas l Balancins l Andaimes. www.plmaquinas.com.

Qualidade e Segurança em Locação de Equipamentos. Geradores l Compactadores l Plataformas Aéreas l Balancins l Andaimes. www.plmaquinas.com. Qualidade e Segurança em Locação de Equipamentos Geradores l Compactadores l Plataformas Aéreas l Balancins l Andaimes www.plmaquinas.com.br Andaime Tubular Equipamento leve e econômico que destina-se

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres

Estruturas Metálicas. Módulo V. Torres Estruturas Metálicas Módulo V Torres APLICAÇÕES ESTRUTURAIS - TORRES Introdução Neste capítulo são abordadas as estruturas não classificadas como de edificações nem como de obras de arte, já abordadas

Leia mais

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES.

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. . DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. RESUMO Com a evolução dos tempos a técnica ferroviária foi sendo aperfeiçoada de tal maneira que se formar homens

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA

GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA GERADORES MECÂNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA Todo dispositivo cuja finalidade é produzir energia elétrica à custa de energia mecânica constitui uma máquina geradora de energia elétrica. O funcionamento do

Leia mais

Capítulo 87. Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios

Capítulo 87. Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios Capítulo 87 Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios Notas. 1.- O presente Capítulo não compreende os veículos concebidos para circular unicamente sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO E A IMPORTÂNCIA DA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Por: Maurício da Silva Carvalho Orientador Prof. Mary

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material Estocagem de material A Madeira e seus derivados, por ser o principal insumo utilizado na fabricação de móveis, é um material orgânico e exige cuidados especiais no seu armazenamento. O armazenamento deve

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Barramentos Blindados em Geral

Barramentos Blindados em Geral Barramentos Blindados em Geral Os Barramentos Blindados da Wampfler, são sistemas seguros para a eletrificação de consumidores móveis, utilizados mundialmente em instalações de transporte, máquinas e equipamentos

Leia mais

PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 127 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece procedimento adicional à concessão de código marca/modelo/versão a veículos classificados na espécie misto, tipo utilitário, carroçaria jipe, com motores

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO

DESENVOLVIMENTO DO PROJETO INTRODUÇÃO Grupo: DESENVOLVIMENTO DO PROJETO Empresa: Setor da empresa: Produtos: I.Objetivos e metas do projeto: a) quais as razões para a elaboração do projeto (aumento de demanda, segurança, novos equipamentos,

Leia mais

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR (VWXGRGH&DVR,QWURGXomR O objetivo do estudo é determinar os custos para operação de movimentação interna de diversos tipos de contêineres utilizados para armazenamento e transporte de produtos químicos.

Leia mais

Arranjo Instalações Físico da Indústria

Arranjo Instalações Físico da Indústria Transportadores de Esteira - O princípio fundamental é o emprego de correntes sem m, dotadas de ganchos ou de dispositivos de arraste que movimentem o material; - Possuem duas conformações basicas: - Tipo

Leia mais

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante Segurança na Operação de Ponte Rolante Material elaborado pelo Professor LUÍS FRANCISCO CASTELETTI Formação: Técnico em Segurança do Trabalho Técnico Mecânico Licenciatura Plena em Pedagogia Pós Graduação

Leia mais

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Plataformas para Manuseio de Estoques (Stock Pickers)

Plataformas para Manuseio de Estoques (Stock Pickers) Plataformas para Manuseio de Estoques (Stock Pickers) Plataformas para Manuseio de Estoques JLG Alcance um Nível Superior de Segurança e Produtividade com as Plataformas para Manuseio de Estoques JLG (Stock

Leia mais

Proposta Empresarial

Proposta Empresarial Proposta Empresarial NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO V MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Arranjo Instalações Físico da Indústria. Caracterização dos Sistemas na Indústria

Arranjo Instalações Físico da Indústria. Caracterização dos Sistemas na Indústria Caracterização dos Sistemas na Indústria - Trata-se do conjunto de das instalações de processo e das instalações auxiliares, que são agrupadas de acordo com sua nalidade, em diversos sistemas integrados;

Leia mais

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Agora com Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S Aluguer SOLUÇÕES DE ACESSO MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS BASES SIMPLES / DUPLAS - ALUMÍNIO EN 1004 classe 3 EN 1298 DE

Leia mais

Conheça nossa empresa

Conheça nossa empresa Conheça nossa empresa Empresa Damaeq Integridade, Vontade de Superar-se, Satisfação do Cliente. Varredora Coletora Rebocável. A varredora Mecânica Coletora de Lixo Damaeq, é ideal para varrição de ruas,

Leia mais

CBF25 - CBF25S - CBF25G CBF25Q - CBF25B - CJF10 Especificações

CBF25 - CBF25S - CBF25G CBF25Q - CBF25B - CJF10 Especificações CBF25 - CBF25S - CBF25G CBF25Q - CBF25B - CJF10 Especificações Porta-Paletes Manual 2,5 (1.0) toneladas Porta-Paletes Manual O porta-paletes manual é, sem dúvida, a ferramenta mais básica e, no entanto,

Leia mais

RAMPAS SIMPLES / DUPLAS DOBRÁVEIS

RAMPAS SIMPLES / DUPLAS DOBRÁVEIS RAMPAS SIMPES / DUPAS DOBRÁVEIS Simples / Duplas Simples / Duplas Dobráveis Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE. As Rampas Dobráveis proporcionam

Leia mais

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras 3/4 APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras Prezados Colaboradores O tema abordado nesta edição é sobre empilhadeiras. Após analisar os relatórios dos acidentes, as informações dos trabalhadores,

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 6 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Cargas, embalagens e unitização Modulação, Unitização, Acondicionamento

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos

Gerenciamento de Depósitos Gerenciamento de Depósitos Diferentes modelos e tipos de CD s e armazéns podem auxiliar na busca por soluções logísticas eficientes, para diferentes produtos, com características logísticas diversas. As

Leia mais

Nova máquina de blocos de concreto de alto desempenho fornecida à Arábia Saudita

Nova máquina de blocos de concreto de alto desempenho fornecida à Arábia Saudita Quadra, 74130 Contamine sur Arve, França Nova máquina de blocos de concreto de alto desempenho fornecida à Arábia Saudita A empresa Khaleeg sediada em Dammam, fundada em 1992, oferece produtos de concreto

Leia mais

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas *

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * 1. Introdução Uma das principais fontes de potência, responsáveis pela alta produção agrícola com significante economia de mão-de-obra, é o trator agrícola.

Leia mais

05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo V Gerenciamento de Depósito Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características A função logística da armazenagem A armazenagem está relacionada diretamente

Leia mais

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira.

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. 1 OBJETIVO: Definir requisitos mínimos para: Operação; Inspeção; Qualificação do operador. 2 INTRODUÇÃO GENERALIDADES Existem basicamente

Leia mais