Mapeamento piloto das ações de promoção de arranjos produtivos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapeamento piloto das ações de promoção de arranjos produtivos"

Transcrição

1 ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS: UMA NOVA ESTRATÉGIA DE AÇÃO PARA O SEBRAE Mapeamento piloto das ações de promoção de arranjos produtivos Cristina Lemos Marina Szapiro Maria Lucia Maciel Dezembro, 2002 Esta Nota Técnica não pode ser citada ou distribuída sem prévia autorização Coordenação Geral do Projeto Helena M.M. Lastres José E. Cassiolato

2 Mapeamento de políticas para arranjos produtivos locais Sumário I - Introdução...3 II Programas coordenados pelo MCT Fundo Verde e Amarelo...3 a) Programa de Apoio à Inovação em Arranjos Produtivos Locais...4 b) Projetos cooperativos pré-competitivos e empresariais...5 c) Parques Tecnológicos Programa de Apoio Tecnoló gico à Exportação (Progex) Programa de Gestão tecnológica para a Competitividade (PGTec) Programa de capacitação de recursos humanos para atividades estratégicas - Rhae/Inovação - Projetos Tipo B...8 Coordenação: CNPq Programa Nacional de Apoio a Incubadoras de Empresas (PNI) Apoio direto à inovação na micro e pequena empresa ADI/Pequena Empresa III Programas coordenados pelo MDIC Agência de Promoção de Exportações (Apex) Fórum de Competitividade Programa de Artesanato Brasileiro (PAB) PBPQ - Poder de Compra Subprograma estruturante tecnologia de gestão do uso de poder de compra Encomex Programa Novos Pólos de Exportação Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior (Redeagentes)...16 IV- Programas coordenados pelo Ministério da Fazenda Projeto Pólos de Desenvolvimento Integrado Farol do Desenvolvimento...18 V Programas coordenados pela Secretaria da Presidência da República Programa Brasil Empreendedor (PBE) Comunidade Ativa VI Considerações Finais...20 VII Etapas posteriores...21 Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 2

3 I - Introdução Este relatório tem por objetivo mapear programas e ações realizadas no âmbito do governo federal que tenham como foco o tratamento coletivo de MPME, utilizando tanto os conceitos referentes a aglomerações produtivas com ênfase territorial, tais como os arranjos produtivos locais, quanto outros conceitos que digam respeito a conjuntos de empresas, tais como cadeias produtivas ou incubadoras. A pesquisa foi realizada no âmbito de todos os ministérios e instituições ligadas ao governo federal. No entanto, na maioria dos ministérios e agências de fomento federais não foram encontrados programas ou ações focados em aglomerações de MPME ou com tratamento coletivo das mesmas. Portanto, para a elaboração deste relatório foram selecionados programas coordenados por quatro ministérios: Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), e suas principais agências, Finep e CNPq; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), e seus organismos coordenadores, particularmente a Câmara de Comércio Exterior; o Ministério da Fazenda, com o Banco do Nordeste; e a Secretaria Geral da Presidência da República. Observa-se, no âmbito particularmente do MDIC e do MCT, uma maior variedade de programas contendo como princípio ou modalidade o tratamento coletivo das empresas. Programas existentes passaram a privilegiar formalmente o apoio a conjuntos de empresas de pequeno porte, adotando conceituações e terminologias tais como redes de empresas, cadeias produtivas, pólos - de desenvolvimento, produtivos, regionais, setoriais ou de exportação - parques tecnológicos, incubadoras, projetos cooperativos, clusters, núcleos produtivos locais e arranjos e sistemas produtivos locais. II Programas coordenados pelo MCT O MCT coordena alguns programas voltados para a promoção de conjuntos de MPME, salientando-se, ainda, a implementação do Fundo Verde e Amarelo e ações relacionadas ao apoio a conjuntos de MPME. Disponibiliza recursos para o financiamento de alguns instrumentos de suporte à inovação, tais como: EVTE; planos de negócios; bolsas de fomento tecnológico; plataformas tecnológicas; e projetos cooperativos. 1 - Fundo Verde e Amarelo A criação dos Fundos Setoriais foi viabilizada por meio de recursos provenientes de fontes diversas de diferentes setores produtivos - tais como royalties decorrentes da exploração de bens e serviços e de contribuições econômicas setoriais, compensação financeira, licenças, autorizações, entre outros. Sua implementação representou um crescimento significativo no montante de recursos a serem aplicados nas atividades científica, tecnológica e de inovação. Um destes fundos tem como foco o estímulo à interação entre instituições de ensino e pesquisa e as empresas - o Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa para Apoio à Inovação, comumente chamado de Fundo Verde e Amarelo. Este fundo foi instituído pela Lei nº , de 29 de dezembro de 2000, a qual foi regulamentada através do Decreto nº de 03 de outubro de 2001 e modificada pela Lei nº de 19 de dezembro de Seus recursos são provenientes de 50% da Contribuição Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 3

4 de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE), cuja arrecadação advém da incidência de alíquota de 10% sobre a remessa de recursos ao exterior para pagamento de assistência técnica, royalties, serviços técnicos especializados ou profissionais e 43% da receita estimada do IPI incidente sobre os bens e produtos beneficiados pelos incentivos fiscais da Lei de Informática. Seu objetivo é estimular o desenvolvimento tecnológico mediante programas de pesquisa científica e tecnológica que intensifiquem a cooperação de tais atores e assim gerar inovações. O FVA tem suas ações agregadas em três blocos temáticos: fatores sistêmicos para a inovação, que compreendem a consolidação de infra-estrutura de serviços tecnológicos; cooperação tecnológica para a inovação; e empreendedorismo e sistemas locais de inovação. O apoio financeiro do FVA é fornecido pelos recursos que são alocados no Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), gerenciados pela Finep, podendo ser reembolsáveis ou não. O Fundo Verde e Amarelo é executado através de ações/programas, que se referem a: a) Programa de Apoio à Inovação em Arranjos Produtivos Locais Objetivos gerais deste programa são: mobilizar e sensibilizar os atores locais sobre a importância da inovação como fator chave para o desenvolvimento local e regional em um ambiente competitivo; contribuir para viabilizar a cooperação entre agentes, gerando externalidades positivas associadas às economias de aglomeração; contribuir para ampliar as condições de competitividade e sustentabilidade de economias regionais; apoiar ações que estabeleçam e potencializem processos de aprendizado e inovação em arranjos produtivos locais; fomentar, em escala global, parcerias entre empresas e entre estas e órgãos governamentais, institutos de P&D e universidades, contribuindo para o fortalecimento de arranjos produtivos locais; contribuir para a solução de problemas econômicos e sociais, promovendo o desenvolvimento local, com ênfase na geração de emprego e renda, na promoção das exportações e da substituição de importações. Já como objetivos específicos, salientam-se: apoiar ações capazes de propiciar maior sinergia entre os atores locais e fortalecer a visão de cadeia produtiva sistêmica; eliminar gargalos tecnológicos de produtos, processos e de gestão; Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 4

5 apoiar ações capazes de conferir maior aproveitamento das potencialidades locais de desenvolvimento, a partir da identificação e criação de nichos ou oportunidades de mercado para produtos e serviços produzidos localmente; apoiar ações orientadas para a qualificação profissional e capacitação tecnológica em áreas relacionadas às cadeias produtivas e principais atividades dos arranjos locais; apoiar a prestação de serviços de TIB (Tecnologias Industriais Básicas); apoiar ações que induzam maior especialização produtiva; apoiar ações que induzam o aperfeiçoamento na coordenação e gestão dos arranjos produtivos locais. A forma de atuação do programa está pautada no apoio à inovação tecnológica e organizacional. Baseado numa parceria inicial entre MCT e governos estaduais, que deverá se estender aos governos municipais, o programa compreende duas fases distintas: i) fase de animação e de sensibilização dos atores do arranjo para a importância do processo de inovação e do papel da cooperação no seu desenvolvimento, estabelecer parcerias e compromissos, caracterizada pela realização de diagnóstico/plano de ação que culmine com a definição de diretrizes e do conjunto de ações delas decorrentes, incluindo, além de ações propriamente de caráter tecnológico, ações que visem ao aperfeiçoamento da coordenação e gestão do arranjo, e que devem ter caráter coletivo; ii) fase de implementação dos projetos que resultarem da etapa anterior, constituída de elaboração de projetos como seu desdobramento, sendo os seguintes mecanismos de apoio: incremento do contingente de recursos humanos para a inovação; apoio a projetos cooperativos e de interesse comum a empresas de P&D para a inovação e o aperfeiçoamento de produtos e processos e à inovação e ao aperfeiçoamento organizacional; capacitação em propriedade intelectual; capacitação em gestão do design; infraestrutura de serviços de informação tecnológica; infraestrutura de serviços tecnológicos e serviços de TIB; apoio ao surgimento e consolidação de incubadoras de empresas e parques tecnológicos. As modalidades de apoio dividem-se em dois conjuntos distintos: apoio à fase de animação e de sensibilização do arranjo, cujo teto para o MCT e suas agências é de R$ ,00, sendo necessária igual contrapartida dos atores envolvidos no arranjo (inclusive os estados). O apoio aos projetos aprovados contará com recursos do FVA em até 50% dos itens financiáveis, sendo a contrapartida dos demais parceiros no mínimo de 50%. Nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste a contrapartida mínima exigida será de 30% do valor do projeto. b) Projetos cooperativos pré-competitivos e empresariais Seu objetivo geral é apoiar projetos cooperativos pré-competitivos e empresariais, desenvolvidos por universidades e/ou centros de pesquisa e/ou OSCIP e/ou OS, em associação com empresas. Já os objetivos específicos destes projetos são de: Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 5

6 financiar a estratégia de inovação das empresas; apoiar e incentivar a pesquisa e o desenvolvimento ou o aperfeiçoamento de produtos, processos com significativa agregação de valor, que apresentem potencial econômico ou social relevantes para o desenvolvimento sustentável, mediante a utilização de diversos instrumentos de política tecnológica disponíveis no sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação; contribuir para o aumento das exportações e/ou redução das importações; estimular a aproximação entre o setor empresarial e as universidades e/ou centros de pesquisa e/ou OSCIP e/ou OS, fortalecendo as diversas cadeias produtivas e os agentes de transferência de tecnologia, com impactos relevantes para o desenvolvimento regional. A definição utilizada nesta ação para projetos cooperativos empresariais envolve os diversos agentes do processo de inovação, visando a geração de novos produtos e/ou processos ou que possam acarretar diferenciação em produtos e/ou processos já existentes, afetando o padrão de concorrência podendo, neste caso, serem apropriados de forma diferenciada pelas empresas. Já os projetos cooperativos pré-competitivos são caracterizados por desenvolvimentos científicos e tecnológicos, envolvendo os diversos agentes do processo de inovação, que representam a geração de insumos ou partes de processo que não resultam diretamente na diferenciação dos produtos e/ou processos, podendo ser compartilhados entre diversas empresas. As modalidades de apoio são: Projetos Pré-competitivos: participação de pelo menos duas empresas, com aporte financeiro mínimo de 40% do valor total do projeto Projetos Cooperativos empresariais: aporte máximo de R$ ,00 de recursos não reembolsáveis correspondendo no máximo a 50% do valor total do projeto. Projetos Cooperativos Empresariais com MPE: exigência de aporte mínimo pelas empresas de recursos na ordem de 40% do valor do projeto e no caso das empresas das regiões NO, NE ou Centro-Oeste o aporte de recursos mínimo exigido será de 30%. O apoio financeiro é realizado com recursos não reembolsáveis, no valor total de R$ ,00. c) Parques Tecnológicos Esta ação visa apoiar a execução de propostas para elaboração ou implantação de Planos de Investimento para Parques Tecnológicos, de modo a atender aos seguintes objetivos: avaliar a auto-sustentabilidade técnica, econômica e financeira das propostas de Parques Tecnológicos, buscando assegurar a viabilidade técnico-econômica desses empreendimentos; viabilizar alternativas de localização para as empresas de base tecnológica brasileiras, fortalecendo sua interação com as universidades e centros de pesquisa do país; Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 6

7 facilitar a criação de sinergias entre os principais agentes do processo de inovação, tais como governos locais e agências locais de desenvolvimento, gerando um ambiente propício ao surgimento e à difusão de inovações tecnológicas. A definição de parque tecnológico utilizada nesta ação se refere a empreendimentos imobiliários que reunam as seguintes características: i) manter relações formais com alguma universidade ou centro de pesquisa; ii) estimular a formação e o desenvolvimento de empresas localizadas no Parque, cujos produtos dependem de conhecimento científico; iii) possuir uma função gerencial que esteja ativamente engajada na transferência de tecnologia e na capacitação empresarial para as firmas estabelecidas no Parque. O apoio financeiro é dado por meio de recursos não reembolsáveis no valor de R$ ,00 por projeto, liberados em três parcelas. 2 - Programa de Apoio Tecnológico à Exportação (Progex) Esta é uma iniciativa integrada do MCT com o MDIC, e visa mobilizar recursos e instrumentos operacionais de suas instituições de fomento e de pesquisa, atuando em parceria para o aumento das exportações do país. Tem por objetivo fornecer assistência e capacitação tecnológica às micro e pequenas empresas por parte de instituições de pesquisa tecnológica selecionadas que serão âncoras do programa, visando capacitá-las para a exportação ou melhorar desempenho exportador. O apoio é restrito a empresas com até 100 empregados. Participantes: Secretaria de Política Tecnológica Empresarial (SEPTE)/MCT (coordenação), Finep, Camex, Apex e Sebrae e entidades tecnológicas. Entidades tecnológicas envolvidas: INT, IPT, Fucapi/AM (Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica da Amazônia), Cetec/MG (Centro Tecnológico de Minas Gerais), ITEP/Pe (Instituto de Tecnologia do Estado de Pernambuco) e Tecpar/PR (Instituto de Tecnologia do Paraná). O IPT é responsável por transferir a metodologia utilizada e prestar assessoria à capacitação dos demais institutos de pesquisa para atendimento às empresas. As ações do programa organizam-se em dois eixos principais: assistência tecnológica às empresas pelos institutos de pesquisa participantes apoio à capacitação e inovação tecnológica, bem como à modernização e expansão da capacidade produtiva. A metodologia envolve a solicitação pela empresa de visita de um especialista da entidade tecnológica, que poderá envolver: i) primeira fase: diagnóstico, com identificação de mercados potenciais de exportação e canais de comercialização; análise de produtos e processo produtivos; levantamento de normas técnicas, patentes e outras informações tecnológicas necessárias; identificação de problemas técnicos e estimativa de custos e investimentos necessários. ii) segunda fase: atualização tecnológica, envolvendo melhoria e qualidade, adaptação e melhoria de produtos; redução de custos de operação; alterações no processo produtivo; alterações no design; atendimento a normas internacionais; superação de barreiras técnicas; e adequação de embalagens. Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 7

8 iii) terceira fase: projetos de capacitação e inovação tecnológica e/ou modernização e ampliação da capacidade produtiva, como resultado das fases anteriores, podendo resultar na formulação de investimentos de médio e longo prazo. As modalidades de apoio são: Estudo de Viabilidade Técnica, com financiamento do MCT de até R$ 2.000, com contrapartida das empresas de R$ 900,00 Adequação tecnológica do produto, com financiamento do MCT de até R$ ,00 com contrapartida das empresas de R$ 2.500, Programa de Gestão tecnológica para a Competitividade (PGTec) O objetivo deste programa é desenvolver competência em gestão tecnológica como fator crítico de sucesso para as empresas, incluindo conhecimento gerencial para implementar em suas empresas as estratégias e ações de planejamento e controle de projetos, de forma a assumirem papéis de liderança em parcerias estratégicas nacionais e internacionais para inovação, desenvolvimento e transferência de tecnologia dentro de e entre empresas. Modalidades de apoio: O atendimento da demanda para este programa se dá sob forma de editais, tendo sido o último Edital PGCT 02/95, com apoio a realização de: diagnóstico sobre a situação tecnológica da indústria; treinamento da alta administração e gerência das indústrias, de forma a possibilitar a disseminação de novos conceitos e instrumentos de gestão tecnológica para toda a empresa; internalização de uma estrutura e de mecanismos de gestão tecnológica nas indústrias através dos conceitos adquiridos na etapa de treinamento. Os projetos contratados foram acompanhados pela coordenação do PGTec contando com a participação de consultores Ad Hoc. 4 Programa de capacitação de recursos humanos para atividades estratégicas - Rhae/Inovação - Projetos Tipo B Coordenação: CNPq Seu objetivo é apoiar projetos no âmbito do programa RHAE/Inovação visando atender à demanda de empresas ou de entidades empresariais, constituídas sob as leis brasileiras, interessadas no engajamento e na capacitação tecnológica de recursos humanos necessários às suas atividades de P&D e inovação. Para aprovação, os projetos devem contribuir para: ampliar a capacidade tecnológica das empresas e entidades prestadoras de serviços tecnocientíficos, segundo as demandas do mercado real ou potencial; Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 8

9 melhorar a competitividade da economia brasileira, através da implementação de programas de qualidade e produtividade e aumento da capacidade inovadora; solucionar problemas tecnológicos relevantes para a sociedade. São elegíveis para apoio projetos que se ajustem às seguintes classes: Tecnologias Avançadas e Portadoras do Futuro: - com temas indicados por estudos prospectivos e estratégias mercadológicas das empresas; - conduzirem ao desenvolvimento de tecnologias de largo campo de aplicação e grande conteúdo científico, como entre outros, Biotecnologia, Informática e Materiais Especiais. Tecnologia Industrial Básica: - Metrologia, Normalização, Ensaios, Certificação; - Propriedade Industrial, Informação e Gestão Tecnológica; - Programas de Qualidade e Produtividade. Inovação, Difusão e Modernização Tecnológica: - Introdução de novas tecnologias de produtos e processo na cadeia produtiva industrial; - Reconversão industrial e reestruturação produtiva, decorrentes de mudanças de paradigma tecnológico; - Desenvolvimento de tecnologias de apoio à infra-estrutura econômica (energia, transportes e telecomunicações). Tecnologias Ambientais: - Aproveitamento da biodiversidade brasileira; - Gerenciamento de ecossistemas; - Tratamento de resíduos, e gestão ambiental, e - Atendimento e certificação das normas ISO A modalidade de apoio são as Bolsas de Fomento Tecnológico de curta e longa duração, de nível técnico ao superior. O programa dá prioridade a projetos cooperativos de MPME que envolvam a participação de universidades e institutos de pesquisa 5 - Programa Nacional de Apoio a Incubadoras de Empresas (PNI) O objetivo deste programa é fomentar a consolidação e o surgimento de incubadoras de empresas que contribuam para o desenvolvimento sócio-econômico e, consequentemente, acelerar o processo de criação de MPE inovadoras, com elevado conteúdo tecnológico em seus produtos, processos e serviços, bem como que utilizem modernos métodos de gestão. Objetivos específicos: capacitação de empresários-empreendedores; estímulo a associação entre pesquisadores e empresários; criação de uma cultura empreendedora; Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 9

10 geração de empregos; apoio à introdução de novos produtos, processos e serviços no mercado; promoção de agregação de conhecimento e a incorporação de tecnologias nas MPE; redução da taxa de mortalidade de novas MPE; consolidação de MPE que apresentem potencial de crescimento; interação entre MPE e instituições que desenvolvam atividades tecnológicas. Participantes: MCT (incluindo o CNPq e a Finep), MDIC, Banco do Nordeste, Sebrae, IEL, Senai e Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas (Anprotec) A atuação se dá por meio de: publicação de Editais anuais conjuntos; articulação entre as instituições que participam do PNI visando a complementação de ações em editais publicados isoladamente; articulação com Programas afins, para apoiar as etapas anteriores e posteriores à incubação; apoio à realização de eventos de abrangência nacional, tais como cursos e seminários, bem como a publicação de material sobre o tema; acompanhamento e avaliação das incubadoras apoiadas; publicação de documento com a avaliação do desempenho das incubadoras apoiadas pelo Programa e do impacto do mesmo. Modalidades de apoio: Implantação de incubadoras de empresas: de base tecnológica, de setores tradicionais e mistas; Consolidação de incubadoras de empresas, dos três tipos citados anteriormente, já implantadas. O apoio será direcionado para os seguintes componentes: 1 - Estudos de Viabilidade Técnica e Econômica EVTEs e Planos Estratégicos; 2- Assistência Técnica para: i) gestão da incubadora EVTE da incubadora; Plano de Negócios da incubadora; estratégia de prospeção tecnológica (screening tecnológico) e de avaliação tecnológica dentro do sistema sócio-econômico da área geográfica onde atua ou pretende atuar a incubadora; apoio temporário à conformação da equipe de gestão da incubadora; certificação IS0 (12000,14000, etc); e outros. ii) Assistência Técnica para a conformação dos Serviços e Facilidades a serem oferecidos pelas incubadoras às empresas incubadas serviços em áreas especifícas tais como: contabilidade, marketing, assistência jurídica, captação de recursos, contratos com financiadores, contratos com pesquisadores e/ou instituições de pesquisa, gestão da inovação Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 10

11 tecnológica, transferência de tecnologia; serviços em áreas de Tecnologia Industrial Básica TIB; apoio à introdução de novos produtos e serviços no mercado doméstico e externo ; apoio para a saída das empresas das incubadoras e reinstalação em parques ou outras localidades. 3 - Capacitação para: i) equipe de gestão da incubadora: Planejamento Estratégico; Elaboração e Revisão de Plano de Negócios da Incubadora; Gestão Empresarial; Marketing; Elaboração e Gestão de Projetos. ii) Programa de capacitação de empresários proprietários de empresas incubadas: Planejamento Estratégico; Elaboração e Revisão de Plano de Negócios das Empresas; Gestão Empresarial; Marketing; Elaboração e Gestão de Projetos. 6 Apoio direto à inovação na micro e pequena empresa ADI/Pequena Empresa Criado em outubro de 2002, este programa é um convênio entre Finep e Sebrae, com aporte de recursos de R$ 224 milhões. Sua coordenação é realizada por um Grupo Gestor, integrado pelos dois organismos participantes, que estabelecerá as diretrizes do programa, além de Grupos Gestores Estaduais, que deverão operacionalizar e monitorar a execução em cada estado. Modalidades de apoio: i) fase 1 - consultoria tecnológica e de gestão organizacional: nesta fase, serão celebrados convênios específicos com instituições tecnológicas ou de gestão, sem fins lucrativos, doravante denominadas Instituições Executoras, visando a apoiar projetos de Difusão e Inovação Tecnológica e Organizacional voltados ao suporte às MPE inseridas em Arranjos Produtivos Locais, Cadeias Produtivas, Incubadoras e Parques Tecnológicos, com atividades dirigidas ao mercado interno ou externo, identificados como prioritários pelos Comitês gestores dos fundos vinculados ao FNDCT, pelas Plataformas Estaduais de Tecnologia, organizadas pelo Sistema MCT, pela organização da demanda do Sistema Sebrae, pelos Fóruns de Competitividade, organizados pelo MDIC, bem como no âmbito do Progex Programa de Apoio Tecnológico à Exportação; ii) fase 2 - financiamento ao desenvolvimento tecnológico: nesta etapa, serão firmados contratos entre empresas e instituições financeiras para concessão de financiamento às MPE para viabilizar a modernização/desenvolvimento tecnológico com base nas ações descritas no subitem anterior. Os financiamentos serão realizados com recursos da Finep, por agentes financeiros credenciados conjuntamente pela Finep e pelo Sebrae, com apoio da ABDE, que operem com o Fundo de Aval às Micro Empresas e Empresas de Pequeno Porte (FAMPE). Tal fundo será usado para garantir, parcialmente, os financiamentos que vierem a ser contratados nesta fase, respeitados os convênios firmados entre o Sebrae e os Agentes Financeiros e o Regulamento do FAMPE. O primeiro Edital de convocação estabeleceu chamada até , para a fase 1, com recursos de até R$ 112 milhões, aplicados de forma não-reembolsável nas instituições de ensino e pesquisa e extensão tecnológica para capacitação e aperfeiçoamento tecnológico (R$ 80 milhões), e aperfeiçoamento da gestão, comercialização e marketing (R$ 32 milhões). Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 11

12 III Programas coordenados pelo MDIC 1 - Agência de Promoção de Exportações (Apex) A Apex, criada no final de 1997, inicialmente vinculada à estrutura do Sebrae, tem como objetivos buscar mercados para bens e serviços e cooperar para o aumento das exportações das empresas, particularmente de pequenas empresas. Sua operação é realizada com a Câmara de Comércio Exterior (Camex/MDIC) e em estreita coordenação com o Ministério das Relações Exteriores (MRE). É dirigido por um gerente especial e assessorado por um Comitê integrado por membros do governo e do setor privado. Seus objetivos são de estimular as exportações brasileiras de empresas de pequeno porte para os atuais e para novos mercados, ampliando o número de produtos exportados com maior valor agregado e o número de empresas envolvidas com o comércio exterior. Suas atividades envolvem: capacitação e treinamento de pessoal especializado em comércio exterior, pesquisas de mercado atualizadas, rodadas de negócios, informação comercial e participação em feiras e seminários. Atua através dos Programas Setoriais Integrados de Promoção de Exportações, Projetos Horizontais (pluri-setoriais) e Projetos Isolados de apoio às atividades de promoção de exportações, em âmbito estadual, regional ou nacional, planejados, coordenados e executados diretamente pela Apex ou pelos Sebraes estaduais ou instituições públicas ou privadas, em parceria com a Apex. Esta agência criou o Fundo de Aval para Exportação (Fampex), em1999, em parceria com o Sebrae e gerenciado pelo BNDES. Modalidades de apoio: Projeto Setorial Integrado (PSI): atende a um setor ou cadeia produtiva (apoio financeiro de 50% da APEX). Projeto Horizontal (PH): envolve dois ou mais setores produtivos nas ações de promoção e tem abrangência regional ou nacional (apoio financeiro de 50% da APEX). Projetos de Consórcio: apóia a formação de um consórcio para a exportação ou apóia as atividades de exportação de consórcios (apoio financeiro de 50% da APEX). Projeto Apex PA: atividades de promoção de exportação de iniciativa da própria agência (apoio financeiro de 100% da APEX). Projetos Isolados: apoio à realização de uma única ação ou evento (apoio financeiro de 25% da APEX) Para tal, são apoiadas as atividades e ações que contribuam para a melhoria da oferta exportável e as ações de promoção comercial estrito senso: - mobilização, sensibilização (seminários, workshops, etc.); - prospecção de produtos e de mercados (informação comercial, pesquisas, etc.); - treinamento e capacitação (gestão empresarial, comercialização, etc.); - adequação de produtos (design, embalagem, certificação, etc.); - adequação de processos (tecnologia, ISO 9000 ou 14000, etc.); Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 12

13 - marketing e publicidade (catálogos, folders, degustações, etc.); - feiras no exterior e no Brasil (stand para exposição, etc.); - ações de promoção no Brasil; - rodadas de negócios (rodadas com ofertas e demandas das empresas participantes, rodadas com importadores no Brasil e no exterior); - comércio eletrônico (comércio business to business e business to consumer, catálogo virtual, etc.) O apoio é fornecido às associações, fundações, sindicatos, ao(s) Sebrae(s), etc. Até 07 de junho de 2002, 277 projetos foram apoiados (44,16% do valor total financiado pela APEX), sendo que 148 em execução (43,5% do valor total financiado pela APEX). 2 - Fórum de Competitividade O Fórum de Competitividade visa o aproveitamento de oportunidades em torno de cadeias produtivas, sejam relacionadas à geração de emprego e renda, desenvolvimento produtivo regional, capacitação tecnológica, com foco na produtividade, qualidade e inovação, sejam relacionadas ao aumento de exportações e diminuição de importações. Coordenação do MDIC e gerenciamento da Secretaria de Desenvolvimento da Produção (SDP) Este programa compõe o Brasil Classe Mundial, programa do Avança Brasil PPA 2000/03 Seus objetivo é de abrir espaço de diálogo entre setor produtivo, governo e Congresso Nacional, visando promover a discussão, busca de consenso e estabelecimento de ações e metas desafiadoras para a solução de problemas e aproveitamento de oportunidades das cadeias produtivas. Como objetivos específicos, salientam-se: geração de emprego, ocupação e renda; desenvolvimento produtivo regional; capacitação tecnológica, alavancando a qualidade, produtividade e inovação; aumento das exportações; competição com importações ampliando a presença de produtos brasileiros no mercado e a oferta de serviços nacionais. O programa se articula em torno de cadeias produtivas, definidas como o conjunto de atividades econômicas que se articulam progressivamente desde o início da elaboração de um produto. Isso inclui desde as matérias primas, máquinas e equipamentos, produtos intermediários até o produto final, a distribuição e a comercialização. São esses elos que formam, de maneira geral, uma cadeia produtiva. A metodologia de atuação do Fórum consiste das seguintes etapas: Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 13

14 a) Preparatória: caracterização geral da cadeia e dos agentes, definição dos elos, identificação de representantes do setor produtivo e do governo e instalação do fórum; b) Diagnóstico e análise: elaboração de diagnóstico, definição de agenda de propostas de ação, definição de macroobjetivos e metas instrumentais, elaboração de pré-projetos executivos e respectiva análise crítica por técnicos do governo, elaboração de versão preliminar de contratos de competitividade e seleção e formatação de projetos executivos a serem encaminhados à Câmara de Desenvolvimento; c) Decisão e acompanhamento: encaminhamento dos projetos executivos à Câmara de Desenvolvimento para análise e decisão, definição dos contratos de competitividade, decisão, elaboração de planos de metas e ações e comunicação pública; e d) Operação do fórum: monitoramento e acompanhamento da execução das ações e atingimento de metas, execução da agenda de ações permanentes, discussão de novas necessidades e demandas e formatação de novas políticas. 3 - Programa de Artesanato Brasileiro (PAB) Seus objetivos são: fortalecimento do segmento artesanal; geração de ocupação e renda; incremento da exportação de produtos artesanais; desenvolvimento e aproveitamento das vocações regionais e locais; aumento da competitividade para comercialização nos mercados interno e externo. O Projeto de Fortalecimento do Segmento Artesanal, implementado desde 1999 em todos os estados, tem foco nos núcleos de produção artesanal, organizados em associações e cooperativas, com metodologia de formação empreendedora baseada em: organização, gestão e aperfeiçoamento de produto. Para tal, é realizado treinamento de multiplicadores participativos nos núcleos de produção. para elaboração de diagnósticos Os estados indicam os núcleos a serem trabalhados e multiplicadores a serem treinados. Foi realizado o Cadastro Nacional de Entidades de Artesanato, que conta com 391 instituições. Foram atendidos 108 núcleos de produção e treinados 243 multiplicadores. 4 - PBPQ - Poder de Compra Subprograma estruturante tecnologia de gestão do uso de poder de compra Seu objetivo é de promover de forma contínua e sistêmica o uso do poder de compra como indutor da qualidade, produtividade e da capacitação tecnológica, fomentando a capacitação setorial, o desenvolvimento de fornecedores e prospectando interessados em projetos cooperativos. Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 14

15 Participantes: MDIC/SDP, MCT/Setec, Inmetro, Minst. Planejamento, Sebrae/NA e UF, BNDES, Finep, IBICT, IBQP, IBQP Paraná, IPT, CNI, Federações das Indústrias, das Associações Comerciais e das Associações de MPE, Dieese, Procon estaduais, Onip, Petrobrás, Correios, governos estaduais e municipais, etc. O público alvo de atuação são as MPE tratadas coletivamente, em cadeias produtivas, pólos regionais, pólos setoriais, pólos exportadores e pólos com potencial para exportação. Já os pressupostos organizacionais para atuação são o trabalho em rede, a interação e a cooperação. São utilizadas como vertentes do poder de compra: do estado, das empresas e dos consumidores. Modalidades de apoio: cursos: pós-graduação e extensão sobre metodologia de gestão do Uso do Poder de Compra para gestores de compras de âmbito federal, estadual e municipal e empresas da cadeia produtiva (contrapartida de 35% dos recursos disponibilizada pelas instituições coordenadoras. tecnologias de gestão e de adensamento de cadeias produtivas com foco em MPE (50% dos recursos para adensamento das empresas em elos da cadeia como contrapartida aos investimentos dos estados, entidades de classe e empresas). GT Poder de Compra: consultoria para elaborar, em conjunto com especialistas locais, proposta de política para uso do poder de compra a ser adotada pelos governos estaduais e municipais. Seminários Indutores do Uso do Poder de Compra: nos estados e municípios interessados, com participação dos variados atores (recursos de R$ 30mil por seminário disponibilizados pelas instituições coordenadoras). Cadeia Institucional: articular e integrar os atores envolvidos com políticas de desenvolvimento da produção, desenvolvimento tecnológico e de logística e tecnologias da informação, articulando ações, programas e instrumentos federais em nível local (recursos disponibilizados e assessoria da coordenação do subprograma para implantação). Workshops setoriais: mobilização de setores e entidades de classe e empresas para implementação de ações de capacitação, utilizando a Tecnologia de Gestão do Uso do Poder de Compra e de Adensamento de Cadeias Produtivas (recursos disponibilizados). 5 - Encomex MDIC/Secex Seu objetivo é de promover encontros nos vários estados visando divulgar para a iniciativa privada as ações desenvolvidas para incremento do comércio exterior brasileiro, informar sobre sua estrutura, normas e procedimentos; e promover a aproximação do governo com a iniciativa privada, visando maior agilidade na busca de soluções para o comércio exterior brasileiro. Tais encontros são realizados em cidades que disponham de pólos produtivos com potencial de exportação. O público alvo são os empresários, entidades de classe e agentes do comércio exterior. Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 15

16 Seminários, balcão de serviços e despachos executivos. 6 - Programa Novos Pólos de Exportação MDIC/Secex Criado em 1991, objetiva estimular a participação e competitividade de produtos de setores selecionados, basicamente tradicionais, no comércio internacional, com desconcentração em termos de produtos, empresas e mercados-destino. Prevê o estabelecimento de metas para aumento do volume e valor exportado e de geração de novos postos de trabalho. Modalidades de atuação: seminários e treinamentos em comércio exterior; estímulo à participação em feiras nacionais e internacionais; promoção de missões comerciais no Brasil; desenvolvimento de ações conjuntas com entidades estrangeiras para promoção das exportações brasileiras; estímulo e apoio ao engajamento de maior número de PME na atividade exportadora; disseminação de informações mercadológicas; busca de fontes alternativas de financiamento; estímulo à industrialização com ganhos de qualidade e produtividade; indução ao aumento da capacidade nos setores selecionados; promoção da incorporação de novas tecnologias ao processo produtivo. 7 - Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior (Redeagentes) MDIC/Secex, Ministério do Trabalho e Senai Iniciado em 2000, seu objetivo é capacitar agentes de comércio exterior com papel de orientadores para exportações, multiplicadores e treinamento de profissionais do setor empresarial com foco nas empresas de pequeno porte. Os recursos são provenientes do FAT. O público-alvo são empresas de pequeno porte que necessitarem de orientação para exportações. Com atendimento personalizado, localizam agentes no site, clicando no mapa do estado aonde é apresentada relação dos agentes. Meta em 2002: atingir 2000 agentes capacitados em 400 municípios. IV- Programas coordenados pelo Ministério da Fazenda 1 Atuação do Banco do Nordeste O Banco do Nordeste tem pautado sua atuação no desenvolvimento local e na intensificação da promoção de empresas de pequeno porte, de forma a atender este segmento na região Nordeste. Além das tradicionais linhas de atendimento ao pequeno produtor, formal e Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 16

17 informal 1, criou dois programas com abordagem sistêmica, foco no desenvolvimento local e participação de variados atores locais: o Projeto Pólos de Desenvolvimento Integrado, que adota o enfoque de cadeias produtivas, e o Farol do Desenvolvimento, que visa promover as vocações econômicas locais e a sustentabilidade dos empreendimentos Projeto Pólos de Desenvolvimento Integrado Seu objetivo é promover e potencializar o desenvolvimento econômico local, a partir da cooperação entre os diversos agentes econômicos, institucionais e sociais, que se responsabilizarão pela harmonia, otimização e gerenciamento das ações e projetos do Pólo de Desenvolvimento. Participantes: Banco do Nordeste e Ministério do Orçamento e Gestão O projeto se pauta na atuação por meio de: Gerenciamento compartilhado; adoção do enfoque de cadeia produtiva; ampliação das articulações em todos os níveis; expansão das externalidades (efeitos de arrasto); apoio às mudanças tecnológicas; fortalecimento institucional; capacitação da força de trabalho (laboral e patronal); criação de mecanismos para aumento da cidadania; definição do eixo agroeconômico principal; implementação de programas e projetos nas diversas dimensões do desenvolvimento (social,econômica, ambiental, de informação e do conhecimento); e r ealização de fóruns de discussão com os diversos segmentos da sociedade. Metodologia de atuação: Estabelecimento de um gerente para o Pólo com equipe técnica local, composta por técnicos representantes das instituições atuantes no Pólo, para desenvolver trabalhos de discussão com a sociedade local, com identificação de problemas e soluções e a equipe de articulação, composta por lideranças e formadores de opinião que possam ampliar as articulações em todos os níveis. Etapas: Conhecimento da realidade do Pólo, levantamentos preliminares de dados e estudos técnicos sobre a região; Identificação de duas potencialidades naturais e econômicas e de sua infra-estrutura, bem como dos virtuais obstáculos à potencialização das atividades da cadeia agroalimentar; Construção da visão de futuro de cada pólo e identificação de projetos estruturantes para o seu desenvolvimento; Discussão de estudos técnicos com a realização de workshops com lideranças locais; Consolidação e sistematização dos dados e informações coletados; Realização de eventos de mobilização e levantamento de demandas na comunidade; Negociação de projetos com os parceiros envolvidos na sua implementação; Gerenciamento dos projetos e ações desenvolvidas nos pólos. Os pólos já selecionados para atuação são: Alto Piranhas, Assu-Mossoró, Bacia Leiteira de Alagoas, Baixo Jaguaribe, Cariri cearense, Noroeste ES, Norte MG, Oeste BA, Petrolina/Juazeiro, Sul SE, Sul MA, Uruçuí-Gurguéia 1 Com destaque para o programa de microcrédito Crediamigo e os Programas Especiais de Geração de Renda do governo federal, voltados particularmente para o pequeno produtor informal com estrutura familiar. Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 17

18 1.2 - Farol do Desenvolvimento Participantes: Banco do Nordeste, governos municipais, sindicatos, cooperativas e associações e demais atores locais Seus objetivos são: Viabilizar as vocações econômicas locais propiciando elevação da competitividade das atividades econômicas; Estruturar as cadeias produtivas desde a produção, infra-estrutura e comercialização; Integrar conjuntos de municípios próximos e com características semelhantes (mesorregiões) para solução de problemas estruturais; Promover a inserção competitiva dos agentes produtivos no contexto econômico nacional e mundial com a ampliação do mercado dos produtos locais; Consolidar parcerias para solução de problemas de infra-estrutura social e econômica; Propiciar condições de sustentabilidade dos empreendimentos, viabilizando instrumentos e elevando a capacidade empresarial dos empreendimentos; Identificar oportunidades e concretizar negócios para o Banco do Nordeste e para a comunidade; Integrar as diversas intervenções locais praticadas pelo Banco do Nordeste: capacitação, crédito, captação e serviços financeiros; Capacitar os agentes locais para a condução do processo de desenvolvimento; Desenvolver uma visão de futuro compartilhada do município observando indicadores de desenvolvimento com evolução positiva. A atuação do Farol do Desenvolvimento até 2002 envolveu 1958 municípios da área de atuação do BN. O programa é realizado por meio de reuniões com os atores envolvidos. V Programas coordenados pela Secretaria da Presidência da República 1 - Programa Brasil Empreendedor (PBE) Com um formato que privilegia um processo participativo envolvendo a articulação e coordenação das diversas ações em andamento e em desenvolvimento de agentes públicos e privados, o PBE adota critérios e objetivos comuns, visando padronizar procedimentos e conjugar esforços para evitar a dispersão de iniciativas, inclusive as já existentes, caracterizando-se como um Plano de Ações Integradas do Governo Federal. Participantes do Programa: MDIC e a Casa Civil da Presidência da República, na coordenação; Ministério do Trabalho e Emprego, incluindo as Secretarias de Trabalho dos Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 18

19 Estados; Ministério das Comunicações; o Ministério da Integração Nacional; BNDES; BASA; BB; BN; CEF; Sebrae; e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Seus eixos principais são a capacitação, o crédito e a assessoria empresarial. E os principais objetivos são: fortalecimento de MPE; remoção de barreiras ao desenvolvimento; mobilização de novos empreendedores e a capacitação empresarial; promoção de sólida e moderna cultura empresarial; desenvolvimento de novos instrumentos de promover e financiar MPME; aumento da participação das MPE nas exportações; inclusão digital das MPE; apoio a pólos produtivos; fortalecimento do segmento artesanal; formas de atuação; capacitação gerencial; concessão de crédito; acompanhamento pós-crédito; assessoria empresarial. A continuidade nos anos 2000 do Programa Brasil Empreendedor resultou em três fases já implementadas, de outubro/1999 a julho/2002, cujos resultados se traduzem em: i) realização de um total de 4,3 milhões de operações de crédito, no âmbito das linhas dos agentes financeiros envolvidos para atendimento a MPME e a empreendedores informais, totalizando R$ 29,3 bilhões (BASA, BB, BN, BNDES e CEF); ii) capacitação de 5,9 milhões de empreendedores e empresários (BN, MTE e Sebrae); iii) realização de 239 mil assessorias empresariais; e iv) financiamento de 224 mil empreendimentos com menos de 24 meses de constituição formal, no valor de R$ 1,9 bilhões (MDIC, 2002). Foram também implementadas diversas ações complementares pelo PBE, que envolvem medidas de simplificação de procedimentos, alterações de linhas de crédito, criação de fundo de aval, redução de taxas e impostos, criação de linhas de crédito para informatização das empresas, entre outros. Dentre as medidas complementares de maior destaque, salienta-se a criação do Programa Exporta Fácil, da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, cujos objetivos são de facilitar o processo de exportação do pequeno produtor, a partir de um único documento para remessa de pequeno porte. De janeiro/2000 a julho/2002 foi exportado, em uma rede de 25 mil postos de atendimento, um valor total de R$ 8,5 milhões (MDIC, 2002). Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 19

20 2 - Comunidade Ativa Programa coordenado pela Secretaria Executiva da Comunidade Solidária, que visa promover o desenvolvimento local, integrado e sustentável como alternativa para resolver os problemas sociais e econômicos de localidades mais pobres. O governo federal oferece programas segundo as demandas das agendas locais; a Secretaria Executiva coordena, acompanha e avalia o programa, além de articular a execução das ações entre os vários parceiros. Este programa está estreitamente relacionado ao Programa Desenvolvimento Local Integrado e Sustentado (DLIS) do Sebrae. VI Considerações Finais Na busca de formas de promover as MPME e refletindo uma tendência internacional, crescentemente vem se reconhecendo a necessidade de se constituir uma abordagem sistêmica para sua promoção, orientada para a melhoria da competitividade e inovatividade das empresas e demais atores relevantes. Tal abordagem conduz à adoção de novas estratégias de ação, sendo uma das mais significativas sinalizações nesta direção as iniciativas de promoção de MPME em aglomerações e de seu entorno, adicionalmente ao atendimento individual de empresas. Como efeito desta nova onda de iniciativas públicas e privadas de tratamento coletivo de MPME observa-se a multiplicidade de ações e programas com terminologias distintas, apesar de terem princípios e metodologias similares. O que pode ser observado é que tal variedade de programas, ações e instrumentos se reflete em dificuldades por parte dos formuladores e executores de políticas em harmonizar conceitos e objetivos de atuação, o que pode contribuir para aumentar a pulverização e duplicidade de esforços. A partir do mapeamento acima descrito percebe-se um conjunto relativamente amplo de instrumentos e ações voltadas para o tratamento coletivo de MPME. No entanto, é perceptível a falta de coordenação e articulação entre os programas e ações e as instituições que os implementam. Embora não haja necessariamente divergência entre as ações, observa-se que não há complementaridade entre as mesmas, o que seria fundamental para a eficácia de seus resultados. Dentre os programas apresentados, três se destacam pelo tratamento coletivo de MPME, por estarem ligados diretamente ao estímulo à inovação e aprendizado em aglomerações de MPME ou por apresentarem novos objetivos, tendo todos eles metodologias comuns. Dois deles tratam de aglomerações com proximidade geográfica, o Programa de Apoio à Inovação em Arranjos Produtivos Locais e o ADI/pequena empresa; e um pela afinidade setorial, com utilização do conceito de cadeias produtivas, o Fórum de Competitividade. Em primeiro lugar, o Programa de Apoio à Inovação em Arranjos Produtivos Locais, no âmbito do Fundo Verde e Amarelo e coordenado pelo MCT, destaca-se por apoiar a inovação em arranjos, baseado numa parceria com os governos estaduais. Também do mesmo MCT, o segundo programa é o Apoio Direto à Inovação na Micro e Pequena Empresa (ADI/Pequena Empresa), recentemente criado a partir de uma parceria entre a Finep e o Sebrae e ainda em fase de implementação. Este programa visa apoiar diretamente, entre outras coisas, a inovação nas MPE em arranjos produtivos locais. Finalmente o terceiro programa a ser destacado é o Fórum de Competitividade coordenado pelo MDIC, com foco nas MPME inseridas em cadeias produtivas e visando o Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais 20

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA NACIONAL DE APOIO TECNOLÓGICO À EXPORTAÇÃO. RESOLUÇÃO Nº 2, de 24 de maio de 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA NACIONAL DE APOIO TECNOLÓGICO À EXPORTAÇÃO. RESOLUÇÃO Nº 2, de 24 de maio de 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA NACIONAL DE APOIO TECNOLÓGICO À EXPORTAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, de 24 de maio de 2006 O Comitê Gestor do Programa Nacional de Apoio Tecnológico à

Leia mais

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO inovação. Dentre esses se destacam as formas especiais de financiamento a projetos inovadores através de Editais e linhas de fomento. Nesse sentido

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 O Ministério da Ciência e Tecnologia, em cumprimento às recomendações do Comitê Gestor do Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa

Leia mais

Política de Eficiência Energética

Política de Eficiência Energética Política de Eficiência Energética março 2010 Política de Eficiência Energética Política de Eficiência Energética 5 I. O público-alvo O Público-alvo ao qual se destina esta Política de Eficiência Energética

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República POLÍTICA OPERACIONAL 2012-2014 Presidente da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidente da República Michel Temer Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação Marco Antonio Raupp Secretário

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2010 SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO FINANCEIRA EM CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA. Contatos Luiz Augusto Gonçalves de

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Financiamento para Inovação em Saúde Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde Política Industrial para o Complexo

Leia mais

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital PBM Agenda Setorial Bens de Capital São Paulo, 16 de janeiro de 2013 Objetivos Objetivos: Aumentar o Consumo Aparente de BK, com Redução Simultânea do Coeficiente de Importação Aumentar as Exportações

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL

SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL SERVIÇOS E MEDIDAS UTILIZADOS PELO SEBRAE PARA A PROMOÇÃO DA INOVAÇÃO E DA CRIATIVIDADE NO AMBIENTE DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL Paulo Íris Ferreira SEMINÁRIO SOBRE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E PEQUENAS

Leia mais

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva.

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. Lia Prado Arrivabene Cordeiro 1. INTRODUÇÃO A pesquisa que em curso tem como objetivo verificar

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 10 ÍNDICE DO PORTFOLIO Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 3 Consultoria...

Leia mais

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014

DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.461, DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Institui a Política Municipal de Estímulo à Inovação e ao Desenvolvimento de Startups na Cidade

Leia mais

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS

APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS APOIO FINANCEIRO PARA DESIGN NAS EMPRESAS Mecanismos de apoio e financiamento para empresas investirem em design Identificação do apoio/ financiamento mais apropriado Duas questões básicas Expectativa/necessidade

Leia mais

Economia Criativa conceito

Economia Criativa conceito Economia Criativa conceito A Economia Criativa é um conceito ainda em desenvolvimento, que compreende a gestão da criatividade para gerar riquezas culturais, sociais e econômicas. Abrange os ciclos de

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Exportações Objetivos: (i) aumentar o nº de empresas exportadoras; (ii) diversificar

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas 8 REPICT Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação FINEP 2012-2014: investir mais e melhor em Inovação Agenda O Desafio da Inovação A FINEP Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não Reembolsável, Fundos) Números

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Aranranguá 29 e 30 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Comitê Temático Investimento e Financiamento Diretoria de Micro e Pequenas Empresas setembro/2008 Agenda Atuação do BB no Segmento MPE Evolução

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora de Estudos

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos em Pesquisa e Desenvolvimento para o Setor de Tecnologia da Informação (CT-Info)

Capacitação de Recursos Humanos em Pesquisa e Desenvolvimento para o Setor de Tecnologia da Informação (CT-Info) Programa 0465 Sociedade da Informação Objetivo Universalizar o acesso e a inclusão de todos os brasileiros na sociedade da informação Justificativa Público Alvo Produtores e usuários do conhecimento, empresas

Leia mais

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS?

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? UM OLHAR DA INVENTTA: COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? Rafael Augusto, Marina Loures e Vitor Bohnenberger 1. INTRODUÇÃO As empresas sempre nos perguntam Como obter recursos para desenvolver projetos

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Diretoria de Programa de Pesquisa EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas A Universidade Católica de Brasília - UCB, por intermédio do Presidente do Conselho

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013 CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS Junho 2013 PROPÓSITO Aqui apresentamos o caminho para as empresas adotarem uma estratégia em adaptação às mudanças climáticas,

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas ESTUDOS E PESQUISAS Nº 236 A FINEP e a Inovação nas Empresas Luis Manuel Rebelo Fernandes * XX Fórum Nacional BRASIL - Um Novo Mundo nos Trópicos 200 Anos de Independência Econômica e 20 Anos de Fórum

Leia mais

Inovação e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan

Inovação e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan Inovação e Comércio Exterior Luiz Fernando Furlan Introdução Esta apresentação tem como objetivo sinalizar a importância de uma efetiva articulação entre a política de comércio exterior e a política tecnológica,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL LEI DE INFORMÁTICA E INCUBADORA RAIAR Coordenação: Prof. Edemar Antonio Wolf De Paula Gerente da Incubadora Raiar Porto Alegre, 05 de janeiro de

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

Política de financiamento. da FINEP para empresas

Política de financiamento. da FINEP para empresas Política de financiamento da FINEP para empresas SMR, 15/09/2003 FINEP Marcos históricos 1967 FINEP substitui o Fundo de Financiamento de Estudos de Projetos e Programas (José Pelúcio Ferreira) 1969 Criado

Leia mais

Produtos do Inmetro - Metodologia dos Eixos Estruturantes do Grupo de Trabalho Permanente do Mdic (GTP APL)

Produtos do Inmetro - Metodologia dos Eixos Estruturantes do Grupo de Trabalho Permanente do Mdic (GTP APL) Produtos do - Metodologia dos Eixos Estruturantes do Grupo de Trabalho Permanente do Mdic (GTP APL) EIXO FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO Categoria Instituições Instrumento Descrição Como Acessar Formação (1) Formação

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

SETORIAIS VISÃO GERAL

SETORIAIS VISÃO GERAL MCT FUNDOS SETORIAIS VISÃO GERAL Financiamento de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil RECURSOS GOVERNAMENTAIS IMPOSTOS e TAXAÇÃO SISTEMA DE CT&I Universidades Centros de Pesquisas Empresas do Governo

Leia mais

Levantamento Qualitativo e Quantitativo

Levantamento Qualitativo e Quantitativo Estabelecer ações conjuntas no sentido de enfrentar os desafios e potencializar as muitas oportunidades existentes para o desenvolvimento do setor artesanal, gerando oportunidades de trabalho e renda,

Leia mais

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Equalização de Juros para Promoção das Exportações - PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 13 Tipo: Operações Especiais 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999)

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL 2010/2014 RESUMO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL 2010/2014 RESUMO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL 2010/2014 RESUMO 1. INTRODUÇÃO A indústria moveleira na região norte do Espírito Santo iniciou com o surgimento de grupos populacionais próximos da região de Colatina. Esse

Leia mais

MANUAL DE GOVERNANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO PARA A CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

MANUAL DE GOVERNANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO PARA A CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1 MANUAL DE GOVERNANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO COMPETITIVO PARA A CADEIA DE VALOR DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL OBJETIVOS DO MANUAL Elaborar Manual de Governança Específico para cada

Leia mais

PBQP-H - Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat

PBQP-H - Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat PBQP-H - Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat Definição O Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H) é um conjunto de ações desenvolvidas pelo Ministério

Leia mais

PROJETO DE LEI N 3476/04 EMENDA DE PLENÁRIO N

PROJETO DE LEI N 3476/04 EMENDA DE PLENÁRIO N PROJETO DE LEI N 3476/04 Dispõe sobre incentivos à inovação. EMENDA DE PLENÁRIO N Acrescente-se ao PL os seguintes dispositivos, renumerando os atuais Capítulo VII como IX e os artigos 24 a 27 como 37

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 013/2015 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 2 de junho de 2015 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE INICIATIVA EMENTA Página: 1075 de 1152 AUTOR DA Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT 60130001 CCT II -

Leia mais

Esse projeto enfatiza duas questões principais:

Esse projeto enfatiza duas questões principais: 1 Introdução O principal objetivo desta dissertação o é contribuir para o debate sobre a internacionalização de pequenas e médias empresas, destacando um tipo peculiar de empresas desta categoria, as empresas

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5 MCTI - Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Incentivos Fiscais Prof. Dr. Aristeu Gomes Tininis Cuiabá, 15 de dezembro de 2015 MCTI SETEC. AGENDA Programa Inovar Auto. Lei do Bem. Possibilidades

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Ministério da Ciência e Tecnologia Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Augusto Gadelha Secretário de Política de Informática Câmara dos Deputados Comissão

Leia mais

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver MANUAL DO INCUBADO PPV Programa Pronto para Viver SUMÁRIO 1. CONTEXTUAIS... 2 2. EQUIPE TÉCNICA DA AGENDE... 2 3. PLANEJAMENTO ESTRETÉGICO... 3 3.1 Planejamento Estratégico - Gestão... 3 3.2 Planejamento

Leia mais

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte SEMINÁRIO NACIONAL DO ESPORTE EM CONSTRUÇÃO: SISTEMAS PÚBLICOS NACIONAIS E MODELOS ESPORTIVOS INTERNACIONAIS Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte Prof. Dr.

Leia mais

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES PROFª DRª GECIANE PORTO geciane@usp.br FONTES DE

Leia mais

EDITAL Nº29-22/03/2013 DEDC SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET-MG NASCENTE EM LEOPOLDINA.

EDITAL Nº29-22/03/2013 DEDC SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET-MG NASCENTE EM LEOPOLDINA. EDITAL Nº29-22/03/2013 DEDC SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET-MG NASCENTE EM LEOPOLDINA. O DIRETOR-GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Projeto do Fórum Paranaense de Economia Solidária que define a Política Estadual de Fomento à Economia Solidária no Paraná.

Projeto do Fórum Paranaense de Economia Solidária que define a Política Estadual de Fomento à Economia Solidária no Paraná. Projeto do Fórum Paranaense de Economia Solidária que define a Política Estadual de Fomento à Economia Solidária no Paraná. Artigo 1. Fica instituída a Política Estadual de Fomento à Economia Solidária

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa HPPC Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Alexandre Ribeiro Pereira Lopes Coordenador-Geral das Indústrias Químicas e de Transformados

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

GT de Economia Criativa

GT de Economia Criativa GT de Economia Criativa Santa Maria, 02 de outubro de 2012 Pauta da reunião 1) Ações após a 1ª reunião do GT 2) Apresentação do Projeto de Mapeamento Georreferenciado da Economia Criativa 3) Apresentação

Leia mais

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA

PROJETO ESCOLA DE FÁBRICA PROJETO APRESENTAÇÃO O projeto Escola de Fábrica é uma iniciativa do Governo Federal, através do e da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, que pretende possibilitar a inclusão social de jovens

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Unidade de Projetos de Termo de Referência para elaboração e desenvolvimento de Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Agosto de 2009 Elaborado em: 4/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14A/2011

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14A/2011 SELEÇÃO DE EMPRESA PARA MINISTRAR CURSO DE PRÉ-INCUBAÇÃO PARA PROJETOS DE BASE TECNOLÓGICA NO ÂMBITO DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ (INCTEC-SA) TERMO DE REFERÊNCIA Nº 14A/2011 Contatos Luiz Augusto

Leia mais

Apoio à Inovação. Agosto, 2015

Apoio à Inovação. Agosto, 2015 Apoio à Inovação Agosto, 2015 Quem somos vídeo institucional Classificação de Porte utilizada Porte da Empresa Receita Operacional Bruta Anual M P M Es Micro Pequena Média Até R$ 2,4 milhões Até R$ 16

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica CENTEV/UFV Av. Oraida Mendes de Castro, 6000, Novo Silvestre CEP 36570-000 Viçosa/MG Tel/fax: 31 3899 2602

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica CENTEV/UFV Av. Oraida Mendes de Castro, 6000, Novo Silvestre CEP 36570-000 Viçosa/MG Tel/fax: 31 3899 2602 EDITAL 03.2014 - SELEÇÃO DE NOVAS EMPRESAS PARA O PROGRAMA DE PRÉ - INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA CENTEV/UFV. O Centro Tecnológico de Desenvolvimento Regional de Viçosa

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO DE OPORTUNIDADES COMERCIAIS PARA PEQUENOS PRODUTORES RURAIS TERMO DE REFERÊNCIA

PROGRAMA DE FOMENTO DE OPORTUNIDADES COMERCIAIS PARA PEQUENOS PRODUTORES RURAIS TERMO DE REFERÊNCIA IICA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA BID BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO FLS FUNDAÇÃO LYNDOLPHO SILVA SEBRAE SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PROGRAMA

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Estratégias de Inovação A Nova Estratégia Internacional do Brasil: Investimentos, Serviços e Inovação na Agenda Externa São Paulo,

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva ESTRUTURA DE ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA O esquema organizacional do Programa,

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9. Programa 0412 Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora Numero de Ações 19 Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Tubarão 27 e 28 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta de

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE)

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) PROIMPE Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) OBJETIVOS PRINCIPAIS Estimular a inclusão digital das MPE (Inclusão Empresarial); Promover o aumento da

Leia mais