REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DA BIBLIOTECA"

Transcrição

1 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA O principal objectivo deste Regulamento é salvaguardar o interesse comum de todos os utentes e permitir que a Biblioteca execute as suas funções de forma eficiente e eficaz. Desta forma, pretende-se com o presente Regulamento a colaboração dos utentes da Biblioteca na conservação e correcta utilização dos documentos e equipamentos que estão à sua disposição, bem como dos espaços que para o efeito lhes estão destinados. O cumprimento do Regulamento da Biblioteca garante melhores serviços aos seus utentes, nomeadamente a partilha correcta e equitativa dos recursos existentes, designadamente bibliográficos, áudio-visuais, muitimédia ou outros. 1. UTENTES Artigo 1º São utentes da Biblioteca da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego do Instituto Politécnico de Viseu (adiante referenciada como Biblioteca): 1. Os alunos, funcionários docentes e não docentes da Escola, do Instituto Politécnico de Viseu (IPV) e por essa via de todas as suas Escolas integradas. 2. Os Arquivos, Bibliotecas e Serviços de Documentação e/ou Informação nacionais, que tenham celebrado contratos de colaboração com a Biblioteca. 3. Outras pessoas, exteriores à Biblioteca, desde que possuidoras do cartão de leitor. Artigo 2º Todos os utentes devem possuir um documento que os identifique e apresentá-lo sempre que tal lhe seja solicitado. 1. Os alunos, funcionários docentes e não docentes da Escola e do Instituto Politécnico de Viseu deverão solicitar o cartão de leitor emitido pela Biblioteca devendo, para tal, apresentar o Bilhete de Identidade e fornecer os dados que lhes sejam solicitados. Para obtenção dos direitos descritos no ponto 2 do Artº 20º, da confirmação em como se encontra na situação de Trabalhador-Estudante, o funcionário do Balcão de Atendimento obterá junto dos Serviços Académicos essa informação. Posteriormente, estes utentes identificar-se-ão com o cartão de leitor e, sempre que solicitado, com o bilhete de identidade. 2. Os utentes exteriores ao Instituto Politécnico de Viseu, deverão requerer o cartão de leitor emitido pela Biblioteca. O requerimento deverá ser dirigido ao Director do Centro de Documentação e Recursos Educativos. Caso sejam aceites como leitores, esses utentes identificar-se-ão com o cartão de leitor e, sempre que solicitado, com o bilhete de identidade. O cartão de leitor terá a validade de 1 ano após a data de emissão, renovável ou não de acordo com o mútuo interesse do leitor e da instituição. 3. O cartão de leitor será fornecido aos utentes exteriores ao Instituto Politécnico de Viseu pelo funcionário do Balcão de Atendimento mediante as seguintes condições: 3.1 Preenchimento da ficha de leitor com os seus dados pessoais e entrega de uma fotocópia do bilhete de identidade e de um comprovativo da morada. 3.2 Pagamento anual de uma taxa de montante a definir anualmente, destinada à cobertura de eventuais danos ou extravios. 4. Os Arquivos, Bibliotecas e Serviços de Documentação e/ou Informação nacionais identificam-se mediante credencial, emitida pelos respectivos responsáveis. 5. Em caso de perda ou extravio do cartão de leitor, este deve solicitar de imediato a emissão de uma 2ª via no Balcão de Atendimento da Recepção que será fornecida gratuitamente. Qualquer outra via do cartão de leitor terá que ser suportada pelo próprio mediante o pagamento de uma taxa.

2 2. SALA DE LEITURA Artigo 3º É vedado o acesso à sala de leitura aos utentes que se encontrem em situação irregular face à Biblioteca. 1. Em caso de sobrelotação, será sempre dada preferência aos utentes alunos da Escola. 2. Na sala de leitura, o utente pode servir-se simultaneamente de publicações da Biblioteca e de outros materiais estranhos à mesma, desde que não perturbem o normal funcionamento desse espaço, nem ponham em causa a integridade e o bom estado de conservação das instalações, mobiliário e equipamentos. Artigo 4º Na sala de leitura não é permitido: 1. Falar, fumar, comer, beber, utilizar telefones móveis ou tomar quaisquer atitudes que comprometam o silêncio e a disciplina, imprescindíveis nesse espaço; 2. Alterar a disposição do mobiliário e/ou dos equipamentos; 3. Estudar em grupo quando essa actividade exija diálogo entre os seus membros, perturbando o normal funcionamento da Biblioteca. 4. A presença de animais. Artigo 5º O horário de funcionamento da sala de leitura tem a vigência de um ano escolar e encontra-se afixado, em local visível da Biblioteca. Artigo 6º Salvo excepções devidamente justificadas, as alterações ao horário de funcionamento da sala de leitura serão sempre anunciadas com, pelo menos, um dia de antecedência e mediante aviso escrito, afixado em local visível da Biblioteca. 3. SERVIÇO DE REFERÊNCIA Artigo 7º Dentro das horas normais de funcionamento, é permitido aos utentes da Biblioteca a livre utilização dos terminais de pesquisa instalados na sala de leitura e nos locais da Escola autorizados para o efeito, exclusivamente para fins de pesquisa bibliográfica. Artigo 8º As sessões de pesquisa bibliográfica em bases de dados nacionais e internacionais que impliquem ligação à rede pública de transmissão de dados, devem ser efectuadas de acordo com as condições determinadas pelo Centro de Informática da ESTGL. Artigo 9º Para utilizar os terminais de pesquisa bibliográfica, entre os quais se incluem os terminais de acesso à Internet, os leitores deverão efectuar a marcação prévia e respeitar as regras existentes para essa operação. 4. LEITURA DE PRESENÇA Artigo 10º Entende-se por leitura de presença aquela que é efectuada exclusivamente na sala de leitura, dentro do horário de funcionamento. Artigo 11º

3 Os utentes têm direito à leitura de presença de todas as espécies bibliográficas que se encontrem na sala de leitura, cujo acesso não esteja limitado no serviço de referência. Artigo 12º A leitura de presença de documentação que se encontre em outras áreas reservadas da Biblioteca, pode ser restringida. 5. LEITURA DOMICILIÁRIA Artigo 13º Entende-se por leitura domiciliária o empréstimo de obras para leitura, em espaços exteriores à Biblioteca. Artigo 14º O empréstimo de publicações é facultado, individualmente, a cada utente para leitura domiciliária ou a instituições, em regime de Empréstimo Interbibliotecas. Artigo 15º A requisição de publicações em regime de empréstimo para leitura domiciliária é permitida apenas à comunidade académica do IPV mediante a apresentação do cartão de leitor. Artigo 16º O empréstimo de publicações implica sempre o preenchimento de uma requisição. Artigo 17º Ao efectuar uma requisição para leitura domiciliária, o utente assume implicitamente o compromisso de a devolver em bom estado de conservação e dentro do prazo determinado. 1. Para efeitos do presente artigo, entende-se que todas as publicações requisitadas estão em bom estado de conservação, salvo indicação escrita em contrário, averbada pelo funcionário assistente, na própria ficha de registos, a pedido do utente. Artigo 18º O empréstimo para leitura domiciliária efectua-se do modo abaixo discriminado, podendo a Biblioteca alterar esse prazo desde que a taxa de utilização do documento em causa assim o justifique. Assim: 1. Para os alunos da Escola, 2 dias úteis, renovável após um dia de intervalo; 2. Para os alunos Trabalhadores-Estudantes, 5 publicações pelo período de 5 dias úteis, renovável após três dias de intervalo; 3. Para os funcionários docentes e não docentes do IPV, 5 publicações pelo período de 5 dias úteis, renovável após três dias de intervalo; 4. Para os docentes da ESTGL, 5 publicações pelo período de 3 dias úteis, renovável após um dias de intervalo; 5. Para os leitores externos, 3 publicações pelo período de 5 dias úteis, renovável após três dias de intervalo; 6. A requisição de obras para os períodos de férias de Natal e Páscoa deverá ser feita no último dia de aulas e a sua devolução efectuada no primeiro dia de aulas seguinte; 7. A requisição de obras para os períodos de férias de verão poderá ser feita apenas a partir do último dia da época de exames de Junho/Julho e a sua devolução efectuada no primeiro dia útil de Setembro; 8. O período de requisição, nos casos referidos nos pontos nº 3 e nº 5, não será autorizada sempre que existir um pedido em lista de espera. Artigo 19º

4 A Biblioteca está protegida com sistema de segurança anti-furto. Quando o leitor efectuar uma requisição para empréstimo domiciliário, a obra será desmagnetizada no equipamento respectivo de forma a que o alarme não seja accionado à saída. 1. Se o alarme for accionado após o movimento de saída de um leitor, a Biblioteca poderá solicitar-lhe autorização para verificar os seus pertences pessoais, reservando-se o direito, caso essa autorização seja negada, de tomar as providências legais adequadas. Artigo 20º No termo do prazo do empréstimo, os utentes devem apresentar-se na Biblioteca munidos da obra requisitada, a fim de a devolver ou solicitar renovação do prazo. 1. A renovação do prazo de empréstimo deve ser requerida presencialmente, no dia em que termina o prazo de empréstimo. Este pedido de renovação não implica deferimento tácito uma vez que poderão existir outros utentes em lista de espera para consultar a obra. 2. Aos alunos Trabalhadores-Estudantes da ESTGL, e exclusivamente a estes, desde que devidamente comprovada a sua situação nos Serviços Académicos, é permitida, por uma vez, a renovação por telefone ou, preferencialmente, por correio electrónico das obras requisitadas. Artigo 21º O leitor perde o direito à renovação do prazo de empréstimo se devolver a publicação em causa fora do prazo ou se a Biblioteca dela necessitar para satisfazer outros pedidos. A requisição de empréstimos de outras obras não é permitida a um utente que tenha um ou mais livros em atraso na sua devolução. Artigo 22º Todos os utentes perdem o direito à renovação (mesmo automática) desde que as obras em causa tenham sido entretanto solicitadas por outro utente. 1. Para efeito do presente artigo, a Biblioteca notificará o leitor que deverá apresentar as publicações em causa, no prazo máximo de 2 dias. 2. Os leitores mencionados nos pontos nº 3 e nº 4 do Artº 18º deverão devolver as publicações no prazo máximo de 1 semana. Artigo 23º Não serão facultadas para leitura domiciliária: a) As obras de referência: enciclopédias, dicionários, vocabulários, bibliografias e atlas; b) As obras de consulta corrente; c) As obras em mau estado de conservação; d) As espécies de edições esgotadas; e) As dissertações de Doutoramento e de Mestrado; f) Outras publicações cuja utilização o justifique. Artigo 24º Se, no momento da requisição para leitura domiciliária, a publicação estiver a ser lida na Biblioteca, o utente interessado terá de aguardar a sua devolução. Artigo 25º Sempre que algum utente pretenda o empréstimo de uma obra que esteja requisitada em regime de leitura domiciliária, o interessado pode inscrever-se numa lista de espera.

5 Artigo 26º É estritamente proibido ceder a terceiros as publicações requisitadas. Artigo 27º Os leitores da Biblioteca dispõem de um serviço de fotocópias em sistema self-service, bastando para o efeito adquirirem um cartão magnético no equipamento existente no seu edifício. 1. É expressamente proibido utilizar as fotocopiadoras da Biblioteca para reproduzir espécies que não sejam do seu fundo bibliográfico; 2. É expressamente proibido fotocopiar integralmente as obras da Biblioteca; 3. Deverão ser rigorosamente observadas as disposições legais sobre o copyright; 4. Caso um utilizador infrinja a legislação em causa, será o único responsável por essa atitude. Artigo 28º O Empréstimo Interbibliotecas obedece aos princípios do empréstimo para leitura domiciliária, excepto no que diz respeito ao prazo de devolução que pode ir até 15 dias (não renováveis), a contar da data do envio da espécie para a Biblioteca requisitante. Artigo 29º Os pedidos de Empréstimo Interbibliotecas têm que ser sempre assinados pelo Director ou pelo Bibliotecário responsável da Biblioteca requisitante. Artigo 30º Os documentos que tenham que transitar pelo correio para fins de Empréstimo Interbibliotecas devem ser sempre enviados sob registo, sendo as despesas pagas pelo requisitante. Artigo 31º Para efeitos de Empréstimo Interbibliotecas, a Biblioteca requisitante funciona sempre como única responsável pelas obras emprestadas. Artigo 32º A Biblioteca poderá, a pedido de um docente ou aluno, solicitar a outra Biblioteca o empréstimo de uma determinada obra. No entanto, o pedido será sempre alvo de análise e eventual parecer favorável dos órgãos competentes da Escola e, as eventuais despesas envolvidas no processo terão que ser suportadas por estes. 6. DEVOLUÇÃO DE PUBLICAÇÕES Artigo 33º No acto de devolução de publicações, o leitor, desde que não possua outras obras requisitadas, deve consultar para sua salvaguarda a ficha de registos. Artigo 34º Até ao dia seguinte ao último dia do calendário de exames de Junho/Julho, os leitores devem entregar todas as publicações da Biblioteca que detêm em regime de empréstimo, para fins de inventariação. Artigo 35º

6 O Director do Centro de Documentação e Recursos Educativos comunicará por escrito ao Director da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego o nome dos leitores que não regularizaram a sua situação, nos termos do artigo anterior e do Artº 18º. 7. TAXAS DE EXPEDIENTE E PENALIZAÇÕES Artigo 36º Os atrasos até 5 dias úteis na devolução de publicações cedidas em regime de empréstimo domiciliário, implicam a suspensão do direito de requisição de publicações, enquanto se verificar o atraso e o pagamento de uma taxa de expediente por cada dia de atraso e por cada publicação retida. Artigo 37º A partir do 6º dia útil de atraso na entrega das publicações, além da taxa de expediente referida no artigo anterior, o leitor fica sujeito à suspensão do direito de requisitar publicações durante 30 dias, contados a partir da data de devolução. A reincidência injustificada implica a interdição definitiva do direito de requisitar publicações. Artigo 38º O utente que tente retirar publicações da Biblioteca sem prévia requisição, ou somente aquelas requisitáveis para a sala de leitura, será, para além das sanções previstas na lei, objecto de suspensão de todos os direitos de empréstimo de publicações. 1. Para efeitos do presente artigo o Director do Centro de Documentação e Recursos Educativos fará a respectiva participação escrita ao Director da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego. 8. INDEMNIZAÇÃO POR EXTRAVIO E DANOS CAUSADOS Artigo 39º O leitor é sempre o único responsável pela espécie que requisitou, tendo de indemnizar a Biblioteca em caso de dano ou perda da mesma. Artigo 40º Considera-se dano de uma publicação, dobrar, cortar ou rasgar, escrever ou riscar, desenhar, sublinhar, sujar ou molhar as suas folhas ou capas, ou qualquer forma de inutilizar o conteúdo ou o suporte de outros documentos, nomeadamente de carácter videográfico, audiográfico ou informático. Também é considerado um dano de uma publicação o arrancar ou inutilizar quaisquer sinalizações postas pelos Serviços da Biblioteca. Artigo 41º Compete ao Director do Centro de Documentação e Recursos Educativos deliberar se os danos causados a um determinado documento são ou não passíveis de indemnização. Artigo 42º O cálculo da importância a pagar pelo utente em caso de dano ou extravio de publicações, será proposto pelo Director do Centro de Documentação e Recursos Educativos ao Director da Escola, tomando em consideração o valor real e estimativo da publicação, bem como todas as despesas inerentes ao respectivo processo. 9. SALA DE INFORMÁTICA E TERMINAIS DE PESQUISA DA BIBLIOTECA Artigo 43º

7 Na Biblioteca existem vários terminais de pesquisa com ligação à Internet, disponíveis na Sala de Informática, e ainda outros terminais, localizados nas salas de leitura, exclusivamente destinados à consulta do seu catálogo bibliográfico, à consulta de CD-ROMS e à elaboração de trabalhos académicos. Artigo 44º Dentro das horas normais de funcionamento, é permitido aos leitores a utilização dos terminais destinados à pesquisa na Internet, exclusivamente para pesquisas relacionadas com matérias de estudo. A utilização indevida deste serviço, nomeadamente pelo acesso a páginas não relacionadas com matéria de estudo, será controlada pelos funcionários e implicam, da parte do utilizador, o abandono imediato do terminal de pesquisa. Artigo 45º Para utilizar os terminais ligados à Internet, os utilizadores deverão requerer, junto dos funcionários da Biblioteca, um posto de consulta e apresentar o seu cartão de leitor ou de estudante. O funcionário deverá dar uma senha ao aluno, correspondente ao computador utilizado, que o aluno deverá devolver após a utilização do equipamento. Caso o aluno detecte alguma anomalia, problema de funcionamento ou problema no equipamento, deverá informar o funcionário, sob pena de poder vir a ser responsabilizado por essa situação. Artigo 46º Junto de cada terminal não é permitida a presença de mais de duas pessoas. Artigo 47º Na Sala de Informática existem ainda digitalizadores e impressora ligados em rede, equipamento este destinado a apoiar as actividades académicas ali desenvolvidas pelos leitores. Para impressão, estes deverão munir a impressora seleccionada com papel por si adquirido. 10. DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 48º O não cumprimento do disposto no presente regulamento poderá implicar procedimento disciplinar, competindo ao Director do Centro de Documentação e Recursos Educativos fazer a respectiva participação ao Director da ESTGL. Artigo 49º Os casos omissos serão resolvidos pontualmente pelo Director do Centro de Documentação e Recursos Educativos em consonância com o Director da ESTGL. Artigo 50º O presente regulamento pode ser revisto, a qualquer momento, por decisão do Director da Escola ou por proposta do Director do Centro de Documentação e Recursos Educativos, ou, após um ano da sua entrada em vigor, por solicitação de outras entidades da ESTGL. Artigo 51º As taxas referidas neste Regulamento serão aprovadas anualmente pelo Director da Escola sob proposta do Director do Centro de Documentação e Recursos Educativos. Artigo 52º O presente regulamento entra em vigor, depois de aprovado pelo Conselho Científico e homologado pelo Presidente do Instituto Politécnico de Viseu.

REGULAMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS. Sumário

REGULAMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS. Sumário Página 1 de 13 Sumário Preâmbulo... 2 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 Artigo 1.º Constituição... 2 Artigo 2.º Sistema de utilização... 2 CAPÍTULO II UTILIZADORES DA REDE DE BIBLIOTECAS DO INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL Artigo 1.º Definição De acordo com o art.º 80 dos Estatutos da Escola Superior de Hotelaria (ESHTE) e Turismo do Estoril,

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS

Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal. Capítulo I ASPECTOS GERAIS Regulamento da Biblioteca do Instituto de Seguros de Portugal Capítulo I ASPECTOS GERAIS Artigo 1.º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece um conjunto de normas a serem observadas e cumpridas pelos

Leia mais

SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CENTRO DE RECURSOS PARA A APRENDIZAGEM E INVESTIGAÇÃO

SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CENTRO DE RECURSOS PARA A APRENDIZAGEM E INVESTIGAÇÃO www.ipiaget.org SDI SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CENTRO DE RECURSOS PARA A APRENDIZAGEM E INVESTIGAÇÃO sdi@ipiaget.net Campus Académico de Macedo de Cavaleiros Campus Académico de Silves Campus

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA 1 Condições de acesso 1.1 O acesso é livre e gratuito. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA 1.2 A admissão como utilizador faz-se mediante a apresentação do cartão do ISCAC no caso de docentes, funcionários e alunos

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO Artigo 1º Acesso aos Documentos 1. Os utilizadores do Centro de Documentação podem optar pela

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CENTRAL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA 1. FUNDOS BIBLIOGRÁFICOS Os fundos disponíveis na Biblioteca têm classificações diferenciadas e estão sujeitos a condições

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE BAGUIM DO MONTE

JUNTA DE FREGUESIA DE BAGUIM DO MONTE Introdução O presente regulamento pretende ser um instrumento regulador da actividade da Biblioteca da Junta de Freguesia de Baguim do Monte. O principal objectivo é salvaguardar o interesse comum de todos

Leia mais

Universidade do IVlinho Reitoria RT-71/2013. desdacho

Universidade do IVlinho Reitoria RT-71/2013. desdacho Universidade do IVlinho Reitoria desdacho RT-71/2013 As bibliotecas da Universidade são uma estrutura essencial de apoio ao trabalho dos alunos, professores e investigadores, representando um repositório

Leia mais

REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL

REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL REGULAMENTO DO CRC GAIA SUL I - Natureza e funções do Centro de Recursos em Conhecimento Gaia Sul 1. O Centro de Recursos em Conhecimento Gaia Sul (CRC Gaia Sul), é uma unidade organizacional da responsabilidade

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/40/2012. Regulamento da Biblioteca do Instituto Superior de Engenharia do porto

DESPACHO ISEP/P/40/2012. Regulamento da Biblioteca do Instituto Superior de Engenharia do porto DESPACHO DESPACHO ISEP/P/40/2012 Regulamento da Biblioteca do Instituto Superior de Engenharia do porto Considerando que: 1. As boas práticas de gestão impõem a existência de regras de organização claras

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. A Biblioteca do IPAM tem como missão cuidar da recolha, do processamento, controlo, acesso e difusão da informação.

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. A Biblioteca do IPAM tem como missão cuidar da recolha, do processamento, controlo, acesso e difusão da informação. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Constituição O Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) dispõe da Biblioteca IPAM, constituída por vários pólos que estabelecem um sistema integrado

Leia mais

Regulamento da Biblioteca Professor Morais Barbosa

Regulamento da Biblioteca Professor Morais Barbosa e Regulamento da Biblioteca Professor Morais Barbosa Capitulo I Da Biblioteca Professor Morais Barbosa Artigo 1.º Missão: A Biblioteca Professor Morais Barbosa (BPMB) tem por missão organizar, tratar,

Leia mais

REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO

REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO 1 I Natureza e Funções REGULAMENTO DA MEDIATECA DO BCI FOMENTO A Mediateca do BCI FOMENTO é um centro de documentação integrado do BCI, SARL. A sua sede funciona na cidade do Maputo, dispondo de uma antena

Leia mais

SOCIEDADE MARTINS SARMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PÚBLICA

SOCIEDADE MARTINS SARMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PÚBLICA SOCIEDADE MARTINS SARMENTO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PÚBLICA A Biblioteca da Sociedade Martins Sarmento (SMS) existe desde 1882. Possui um vasto acervo bibliográfico, onde avulta um riquíssimo Fundo Local,

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNÇÕES DO ARQUIVO MUNICIPAL Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Braga (C.M.B.) compreende e unifica numa só estrutura o âmbito,

Leia mais

regulamento da rede de bibliotecas

regulamento da rede de bibliotecas Sumário Preâmbulo... 2 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 Artigo 1.º Constituição... 2 Artigo 2.º Sistema de utilização... 2 CAPÍTULO II UTILIZADORES DA REDE DE BIBLIOTECAS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE

Leia mais

Regulamento Setembro de 2013

Regulamento Setembro de 2013 Regulamento Setembro de 2013 1. ÂMBITO E ESTRUTURA A Biblioteca da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão é uma unidade documental que adquire, processa e disponibiliza informação especializada

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

EXTERNATO DA LUZ. A Biblioteca encontra-se dividida em seis áreas funcionais de características diferentes:

EXTERNATO DA LUZ. A Biblioteca encontra-se dividida em seis áreas funcionais de características diferentes: EXTERNATO DA LUZ REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 1.OBJETIVOS A Biblioteca do Externato da Luz tem por finalidade facilitar o acesso à cultura, à informação, à educação e ao lazer, bem como facultar aos

Leia mais

Regulamento da Biblioteca Pública de Fátima

Regulamento da Biblioteca Pública de Fátima Regulamento da Biblioteca Pública de Fátima Preâmbulo A Biblioteca Pública de Fátima é um serviço público concebido para proporcionar a todos os cidadãos o acesso à cultura, à informação, à educação e

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P.

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA E CIENTÍFICA DO INFARMED, I.P. 1. ÂMBITO E MISSÃO... 2 2. LOCALIZAÇÃO... 2 3. HORÁRIO... 2 4. ACESSO... 2 5. LEITORES... 3 6. SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELO

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude

Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Regulamento do Fórum Municipal da Juventude Capitulo I Âmbito e Estrutura Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento do Fórum Municipal da Juventude, adiante também designado apenas por Regulamento,

Leia mais

Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL. de Terras de Bouro

Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL. de Terras de Bouro Regulamento do ARQUIVO MUNICIPAL de Terras de Bouro PREÂMBULO Tendo em vista a melhoria dos serviços municipais e no caso particular do arquivo do Município de Terras de Bouro, pretende-se com este Regulamento

Leia mais

Regulamento da Biblioteca da EB1/JI da Cruz da Areia Agrupamento de escolas José Saraiva

Regulamento da Biblioteca da EB1/JI da Cruz da Areia Agrupamento de escolas José Saraiva Regulamento da Biblioteca da EB1/JI da Cruz da Areia Agrupamento de escolas José Saraiva Artigo 1º DEFINIÇÃO A Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos da EB1/JI da Cruz da Areia é constituída

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM Diário da República, 2.ª série N.º 188 29 de Setembro de 2008 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM Aviso n.º 24229/2008 Francisco Maria Moita Flores, Presidente da Câmara Municipal de Santarém, torna público,

Leia mais

Regimento das Bibliotecas Escolares

Regimento das Bibliotecas Escolares Regimento das Bibliotecas Escolares Escola Básica de Tondela Escola Secundária 3ºciclo de Molelos Escola Básica de Lajeosa do Dão Ano Letivo 2013/2014 Fundar Bibliotecas era construir celeiros públicos,

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CIDADE LUZ FACILUZ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. CAPÍTULO I Dos usuários e das inscrições

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CIDADE LUZ FACILUZ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. CAPÍTULO I Dos usuários e das inscrições 1 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CIDADE LUZ FACILUZ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Este regulamento disciplina as normas que regem o funcionamento da biblioteca e as relações funcionais

Leia mais

G I A E (GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR)

G I A E (GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR) G I A E (GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR) REGIMENTO DE UTILIZAÇÃO 1. Introdução O presente regimento define e regula o funcionamento do Sistema de Gestão Integrada para a Administração Escolar,

Leia mais

Regulamento da Biblioteca e Gestão da Informação nos campi da Foz e Asprela

Regulamento da Biblioteca e Gestão da Informação nos campi da Foz e Asprela Regulamento da Biblioteca e Gestão da Informação nos campi da Foz e Asprela Campus Foz Rua Diogo Botelho, 1327 4169-005 Porto, Portugal t: 226196241 Campus da Asprela Rua Arquiteto Lobão Vital Apartado

Leia mais

Regulamento da Biblioteca Municipal de Gouveia

Regulamento da Biblioteca Municipal de Gouveia Regulamento da Biblioteca Municipal de Gouveia Regulamento da Biblioteca Municipal Vergílio Ferreira Preâmbulo O presente regulamento pretende ser um instrumento regulador da actividade da Biblioteca Municipal

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA)

REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) REGULAMENTO SOBRE INSCRIÇÕES, AVALIAÇÃO E PASSAGEM DE ANO (RIAPA) CAPÍTULO I REGIME DE FUNCIONAMENTO Artigo 1º - Âmbito O disposto no presente Regulamento aplica-se apenas aos cursos de graduação da Universidade

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA E LEITURA

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA E LEITURA REGULAMENTO DO SERVIÇO DE REFERÊNCIA E LEITURA O Arquivo Distrital do Porto, instituição pública empenhada na salvaguarda e conservação de um valioso património documental, faculta o acesso aos seus fundos

Leia mais

ANEXO V NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES

ANEXO V NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES ANEXO V NORMAS DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES As normas de funcionamento e de utilização dos serviços prestados pelas BE do AEMTG estão definidas nos seguintes pontos: Ponto 1. Utilizadores

Leia mais

Bibliotecas da Universidade de Coimbra

Bibliotecas da Universidade de Coimbra Bibliotecas da Universidade de Coimbra Documento Final Regulamento de Empréstimo Domiciliário O empréstimo domiciliário é um serviço prestado ao utilizador que tem como objectivo a cedência de documentos

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA

FACULDADE DE ARARAQUARA SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 4 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

S E D E : E S C O L A B Á S I C A E S E C U N D Á R I A D E V I L A P O U C A D E A G U I A R GIAE. Gestão Integrada. para a Administração Escolar

S E D E : E S C O L A B Á S I C A E S E C U N D Á R I A D E V I L A P O U C A D E A G U I A R GIAE. Gestão Integrada. para a Administração Escolar S E D E : E S C O L A B Á S I C A E S E C U N D Á R I A D E V I L A P O U C A D E A G U I A R GIAE Gestão Integrada para a Administração Escolar Regulamento de Utilização Mod. AEVPA - Direção Página 1

Leia mais

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA FATEC / PRESIDENTE PRUDENTE Nº 18/2008 DE 23 DE JUNHO DE 2008. Estabelece normas para utilização da Biblioteca da Faculdade de Tecnologia de Presidente Prudente. O Diretor da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DE CELORICO DA BEIRA

REGULAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DE CELORICO DA BEIRA REGULAMENTO DOS ESPAÇOS INTERNET DE CELORICO DA BEIRA Artigo 1º Âmbito de aplicações gerais O Espaço Internet de Celorico da Beira, adiante designado por EI, constitui um espaço público de acesso gratuito

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MAGNÉTICO

REGULAMENTO DO CARTÃO MAGNÉTICO REGULAMENTO DO CARTÃO MAGNÉTICO 1. Objeto e Âmbito O cartão escolar é um cartão de leitura magnética, utilizado por todos os alunos, professores e funcionários do Agrupamento e tem como objetivo aumentar

Leia mais

Anexo I. Regulamento de Funcionamento da Rede de Lojas Geração C

Anexo I. Regulamento de Funcionamento da Rede de Lojas Geração C Anexo I Regulamento de Funcionamento da Rede de Lojas Geração C INDICE 1 - Disposições Gerais da Rede de Lojas Geração C 2 - Disposições Especificas dos Espaços da Rede de Lojas Geração C 2.1 - Espaço

Leia mais

CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO

CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO 1 CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art.1º - Institui o regulamento da BIBLIOTECA DA FACULDADE UNISSA DE SARANDI, com o objetivo de definir normas para prestação e utilização dos serviços e garantir

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO UNIDADE DE VALORIZAÇÃO DO TEATRO THALIA. Regulamento de cedência e utilização.

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO UNIDADE DE VALORIZAÇÃO DO TEATRO THALIA. Regulamento de cedência e utilização. DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO E ARQUIVO UNIDADE DE VALORIZAÇÃO DO TEATRO THALIA Regulamento de cedência e utilização Secção Iª Disposições Gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Regulamento TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento objetiva normalizar os aspectos de funcionamento da estrutura e administração da Biblioteca Júlio Bordignon da. TÍTULO II DOS

Leia mais

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ

REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ REGULAMENTO BIBLIOTECA DA FACULDADE FIP / MAGSUL DE PONTA PORÃ Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento da Biblioteca das Faculdades MAGSUL, objetivando sempre o aperfeiçoamento

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários:

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS. Art. 2º As Bibliotecas da Univás estão a serviço da comunidade, oferecendo aos usuários: REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 Este Regulamento normatiza o funcionamento das Bibliotecas da Universidade do Vale do Sapucaí Univás, mantida pela Fundação de Ensino Superior

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE E ESCOLA TÉCNICA NOVO RUMO

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE E ESCOLA TÉCNICA NOVO RUMO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE E ESCOLA TÉCNICA NOVO RUMO SUMÁRIO TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 DA INSTITUIÇÃO BIBLIOTECA... 3 DA FINALIDADE DESTE REGULAMENTO... 3 PRINCÍPIOS DA BIBLIOTECA...

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS

REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS REGULAMENTO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS O presente regulamento estabelece os princípios e as normas aplicáveis ao Arquivo Histórico da Caixa Geral de

Leia mais

Concurso de Design Criação de cartaz REGULAMENTO

Concurso de Design Criação de cartaz REGULAMENTO Concurso de Design Criação de cartaz REGULAMENTO 1. Introdução O presente concurso, destinado à apresentação de projectos de criação de um cartaz original, é uma iniciativa da Associação 25 de Abril (doravante

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO SINDICATO DOS MAGISTRADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO Preâmbulo A Biblioteca do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público foi criada em 1974, data da fundação do próprio Sindicato.

Leia mais

REGULAMENTO DE INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL

REGULAMENTO DE INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL REGULAMENTO DE INSCRIÇÕES E TRANSFERÊNCIAS DA COM AS ALTERAÇÕES APROVADAS NA ASSEMBLEIA GERAL DE 06.DEZEMBRO.2008 E NAS REUNIÕES DE DIRECÇÃO DE 28.JULHO.2011; 06.NOVEMBRO.2012; 26.FEVEREIRO. 2014 1 2 ÍNDICE

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue:

Art. 1º Atualizar o Regulamento que disciplina o funcionamento da Biblioteca do Tribunal Regional do Trabalho, conforme o que segue: ATO EJTRT Nº 03/2014 O DIRETOR DA ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais e regulamentares, CONSIDERANDO os objetivos da Escola Judicial do

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09,

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09, PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO Portaria n.º /09, de O Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho, estabeleceu o regime jurídico aplicável à prestação de serviços

Leia mais

Aprova o Regulamento da Biblioteca do Campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR).

Aprova o Regulamento da Biblioteca do Campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR). RESOLUÇÃO Nº 001/2012 DA DIREÇÃO GERAL Aprova o Regulamento da Biblioteca do Campus Curitiba do Instituto Federal do Paraná (IFPR). O Diretor Geral, no uso de suas atribuições, resolve disciplinar as normas

Leia mais

MUNICÍPIO DE MELGAÇO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E SERVIÇOS PRESTADOS NA «PORTA DE LAMAS DE MOURO» www.cm-melgaco.pt

MUNICÍPIO DE MELGAÇO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E SERVIÇOS PRESTADOS NA «PORTA DE LAMAS DE MOURO» www.cm-melgaco.pt MUNICÍPIO DE MELGAÇO REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO E SERVIÇOS PRESTADOS NA www.cm-melgaco.pt Índice PREÂMBULO... 3 Artigo 1º Leis Habilitantes... 3 Artigo 2º Competência... 3 Artigo 3º Âmbito de Aplicação...

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UVA

NORMAS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UVA NORMAS DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UVA 1.º - Da inscrição Visitante e Visitante Ex-Aluno 1- Para freqüentar a Biblioteca é necessário cadastrar-se como usuário, identificando-se sempre como Visitante

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BARRIGA VERDE

CENTRO UNIVERSITÁRIO BARRIGA VERDE CENTRO UNIVERSITÁRIO BARRIGA VERDE REGULAMENTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA CENTRO UNIVERSITÁRIO BARRIGA VERDE - UNIBAVE REGULAMENTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art.

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DA BOLSA DE MANUAIS ESCOLARES Preâmbulo O presente regulamento cumpre o estipulado nos artigos n.º 7.º, 7.º-A, 7.º-B e 13.º-A do Despacho n.º 11886-A/2012, de 6 de setembro (que altera o despacho n.º 18987/2009, de 17 de agosto, com

Leia mais

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento

Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Banco de Ajudas Técnicas Regulamento Nota introdutória No âmbito das novas políticas sociais activas a Junta de Freguesia de Fridão elaborou o Diagnóstico Social da Freguesia. Face à realidade local encontrada

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O Presente Regulamento estabelece as condições

Leia mais

Festival do Sol. Maratona Fotográfica Fotografar de Sol a Sol. Normas de Participação

Festival do Sol. Maratona Fotográfica Fotografar de Sol a Sol. Normas de Participação Festival do Sol Maratona Fotográfica Fotografar de Sol a Sol Normas de Participação Normas de Participação na Maratona Fotográfica Fotografar de Sol a Sol Art.º 1º Objecto 1. O presente Projecto de Regulamento

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 09/2014 ASSUNTO: PUBLICIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINACEIROS

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 09/2014 ASSUNTO: PUBLICIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINACEIROS Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 09/2014 ASSUNTO: PUBLICIDADE DE PRODUTOS E SERVIÇOS FINACEIROS Havendo necessidade de se estabelecerem os requisitos mínimos

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Regulamento da Biblioteca

Regulamento da Biblioteca Regulamento da Biblioteca Art. 1º A Biblioteca da Unicampo - Faculdade União de Campo Mourão é regida pelo presente Regulamento e por normas adicionais emitidas pelos órgãos competentes da Faculdade União

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CAPÍTULO I Artigo 4º Localização Os serviços descritos no ponto 2 do art. 1º estão dispensados da formalidade do cartão O Centro de Documentação e Informação de leitor. () encontra-se localizado no piso

Leia mais

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa.

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CECÍLIA MEIRELES FACULDADE METROPOLITANA Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento da Biblioteca Cecília Meireles da Faculdade Metropolitana,

Leia mais

TÍTULO I DA SUBORDINAÇÃO E COMPETÊNCIA

TÍTULO I DA SUBORDINAÇÃO E COMPETÊNCIA S u m á r i o DA SUBORDINAÇÃO E COMPETÊNCIA... 2 DO FUNCIONAMENTO... 3 DO USUÁRIO... 3 DAS INSCRIÇÕES... 4 DA CONSULTA... 4 DO EMPRÉSTIMO, RESERVA E DEVOLUÇÃO... 5 DAS SANÇÕES... 6 DO EXTRAVIO E DANOS...

Leia mais

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca.

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo Regulamento da Biblioteca Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. Usuários da Biblioteca Alunos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.euricosantos.pt)

Leia mais

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS: CENTRAL E INFANTIL

REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS: CENTRAL E INFANTIL REGULAMENTO DAS BIBLIOTECAS: CENTRAL E INFANTIL DA NATUREZA Art. 1º - A Biblioteca do Colégio Catarinense, apresentando características inovadoras, alicerçada no conhecimento e na qualidade na prestação

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA Anexo III

REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA Anexo III REGULAMENTO DA SALA DE LEITURA Anexo III CAPÍTULO I DA Finalidade Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade orientar e normalizar o serviço de circulação de obras da Sala de Leitura da Associação

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações:

O complexo das Piscinas Municipais de Pombal inclui as seguintes instalações: I DISPOSIÇÕES GERAIS Preâmbulo O presente regulamento estabelece as normas gerais e as condições de cedência e utilização do complexo de piscinas municipais de Pombal, subordinando-se às disposições legais

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DO VALE DO ITAPECURU Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referente ao funcionamento da Biblioteca da Faculdade do Vale do Itapecuru - FAI, objetivando

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS MUNICIPAIS, ARQUIVO MUNICIPAL E CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA LOCAL

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS MUNICIPAIS, ARQUIVO MUNICIPAL E CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA LOCAL CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS BIBLIOTECAS MUNICIPAIS, ARQUIVO MUNICIPAL E CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA LOCAL Proposta da Câmara Municipal, por deliberação de 19 de Março de

Leia mais

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca.

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo Regulamento da Biblioteca Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. Usuários da Biblioteca Alunos

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

TENNIS CLUB DA FIGUEIRA DA FOZ Escola de Ténis

TENNIS CLUB DA FIGUEIRA DA FOZ Escola de Ténis De acordo com o art.º 2º dos estatutos deste clube, o Tennis Club da Figueira da Foz tem uma que se rege pelo presente regulamento. 1. A funciona nas instalações do clube, sito na Avenida 25 de Abril,

Leia mais

Regulamento de Utilização das salas de Informática

Regulamento de Utilização das salas de Informática Agrupamento de Escolas de Cuba EBI/JI FIALHO DE ALMEIDA - CUBA 2008/2009 Regulamento de Utilização das salas de Informática REGULAMENTO Utilização das Salas de Informática Este regulamento aplica-se a

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014

Faculdade de Tecnologia de Barueri Padre Danilo José de Oliveira Ohl. Portaria nº 05/2014 Página 1 de 9 Portaria nº 05/2014 Estabelece e Regulamenta a Política de Uso dos Computadores, Laboratórios de Informática e Equipamentos Eletrônicos da Faculdade de Tecnologia de Barueri. O Diretor da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS (Conforme art.42º do Decreto Leinº18/2008 de 29 de Janeiro de 2008) Cláusula 1.ª Objecto 1. O presente

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES REGULAMENTO DE CEDÊNCIA DE INSTALAÇÕES ESCOLARES O Agrupamento de Escolas de Torrão dispõe de várias salas e outras estruturas de apoio integrado, que são utilizadas, nomeadamente para aulas e outras atividades

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. SISTEMA DE BIBLIOTECAS IESI Faculdade Max Planck BIBLIOTECA HENRIQUE SCHULZ E HEV CAMPUS II. Sumário

REGULAMENTO GERAL. SISTEMA DE BIBLIOTECAS IESI Faculdade Max Planck BIBLIOTECA HENRIQUE SCHULZ E HEV CAMPUS II. Sumário SISTEMA DE BIBLIOTECAS IESI Faculdade Max Planck BIBLIOTECA HENRIQUE SCHULZ E HEV CAMPUS II. REGULAMENTO GERAL Sumário I. Do Regulamento e sua aplicação... 2 II. Dos usuários da Biblioteca... 2 III. Do

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais