Boletim Estatístico 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Estatístico 2014"

Transcrição

1 3_EDIÇÃO_2014_PIR :12 Página 1 CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Boletim Estatístico 2014 III TRIMESTRE

2 3_EDIÇÃO_2014_PIR :12 Página 2

3 3_EDIÇÃO_2014_PIR :12 Página 3 CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES Centro de documentação e Informação Largo 4 de fevereiro Palácio de Vidro 5º andar C.P Luanda tel: fax: Web: Boletim Estatístico 2014 III TRIMESTRE distribuição Centro de documentação e Informação Largo 4 de fevereiro Palácio de Vidro 5º andar Luanda

4 3_EDIÇÃO_2014_PIR :12 Página 4 Índice 5 Nota de abertura 7 Importação de veículos 11 Produtos mais importados 16 Portos de destino 19 Importação por continente 21 Principais mercados 25 Maiores importadores 30 Operadores marítimos 35 Análise comparativa - III trimestre

5 3_EDIÇÃO_2014_PIR :12 Página 5 Nota de abertura Estimados leitores, O movimento de entrada de mercadorias para Angola revelou, ao longo dos primeiros nove meses do ano, alguns aspectos que sinalizam o impacto das medidas adoptadas pelas autoridades, como a nova Pauta Aduaneira e outros mecanismos criados para reduzir as importações e incentivar a produção interna de alguns produtos. Os dados recolhidos pelo Conselho Nacional de Carregadores e publicados nesta edição, a terceira do ano, confirmam, por exemplo, a tendência de queda na entrada de cimento, que se assiste desde o início do ano, em comparação com o ano passado, apesar de se manter como o produto mais importado pelo país. Se no trimestre anterior a queda foi de 41,90 por cento, em relação a igual período do ano anterior, no III trimestre a redução foi ainda maior: 46,01 por cento. A queda, numa altura de aceleração do processo de construção de novas centralidades, pode estar ligado a um possível aumento da produção interna. A Nova Cimangola, que foi durante muito tempo o principal importador do país, hoje é quinto e registou, durante este trimestre, uma queda de 49,59 por cento nas suas importações de matéria acabada. Mas não é só de cimento que falamos. Outro aspecto que fica cada vez mais claro é o perfil das importações angolanas. Entre os cinco produtos mais importados, quatro pertencem ao ramo alimentar: açúcar, carnes e miudezas de aves (incluindo frangos), farinha de trigo e arroz. Nas bebidas, a importação de cerveja aumentou duas vezes e meia, ao passo que a dos vinhos quase se manteve. A importação de água mineral caiu 7,70 por cento. Entre os 20 produtos mais importados, metade pertence ao sector de alimentos e bebidas. A Angoalissar, empresa que opera no ramo do comércio geral, foi o segundo maior importador, apesar de ter registado uma queda de 20,53 por cento, atrás da Cimenfort Industrial. Outro factor que merece a nossa atenção é a origem das importações angolanas, com alguns mercados a darem o ar da sua graça, depois de quedas. É o caso de Portugal, que neste trimestre registou um crescimento de 5,99 por cento e do Brasil cujas exportações para Angola aumentaram 26,17 por cento. Mas o grande destaque é a Coreia do Sul, cujas exportações para o nosso país aumentaram quase duas vezes e meia. A África do Sul continua a ser o nosso principal parceiro comercial no continente, ao passo que é a China se mantém como o principal fornecedor no mundo. Continuamos a acreditar que os dados, estatísticas e as análises aqui publicadas vão, certamente, o ajudar a compreender melhor o comércio de Angola com o mundo e fazer com que o leitor tenha uma ideia mais clara sobre a origem e tipo de produtos com maior impacto na pauta de importações, neste momento em que a economia angolana se vai estruturando rumo à tão esperada diversificação. Não é demais lembrar que os dados são recolhidos com base em certificados de embarque que o Conselho Nacional de Carregadores (CNC) emite, todos os dias, para bens que entram em Angola para satisfazer as necessidades privadas e, também, aqueles destinadas à satisfação regular das necessidades colectivas. Francisco Agostinho M. Itembo Director Geral do CNC

6 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 6

7 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 7 IMPORTAÇÃO / VEÍCULOS III TRIMESTRE

8 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 8 VEÍCULOS / POR UNIDADE Na lista de veículos que entraram no país através dos principais portos, durante o III trimestre de 2014, destaque para o Porto de Luanda, que recebeu unidades, seguido do Porto de Cabinda com 267 e do Porto do Lobito com 140. No total, chegaram ao país veículos, sendo pelo modo roro+convencional, 224 em contentores de 20 e em contentores de 40 pés. PORTOS EM CONTENTOR DE 20 EM CONTENTOR DE 40 EM RORO+CONVENCIONAL TOTAL LUANDA CABINDA LOBITO NAMIBE SOYO TOTAL VEÍCULOS / UNIDADE - III TRIMESRE

9 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 9 MAIORES IMPORTADORES / VEÍCULOS AUTOMÓVEIS A Sicomex foi quem mais veículos importou no III trimestre deste ano, com unidades, o equivalente a 8,25 por cento do total, superando a S.T. Investimentos (Silvestre Tulimba T. Kapose), que importou veículos (6,13%). Nos lugares imediatos vêm as sete principais concessionárias: Cosal, Angolauto, TDA, Lusolanda, Toyota de Angola, Imporáfrica e Vauco. No total entraram em Angola, durante o III trimestre, veículos. Nº IMPORTADOR QT % 1 SICOMEX, LIMITADA ,25 2 SILVESTRE TULUMBA T. KAPOSE. S. T. INVESTIMENTOS ,13 3 COSAL - COMÉRCIO E SERVIÇOS DE ANGOLA, LIMITADA ,75 4 ANGOLAUTO-COMÉRCIO AUTOMÓVEIS SA ,13 5 TDA COMÉRCIO E INDÚSTRIA, LDA ,89 6 LUSOLANDA - SOCIEDADE COMERCIAL LUSO HOLANDESA SARL ,52 7 TOYOTA DE ANGOLA S.A ,50 8 IMPORÁFRICA SOC. COMERCIAL E INDÚSTRIAL, LDA ,44 9 VAUCO AUTOMÓVEIS E EQUIPAMENTOS LDA 805 2,49 10 SOGEPOWER-COMÉRCIO E INDÚSTRIA, LIMITADA 803 2,49 11 AUTOMÓVEIS CSG ANGOLA LDA 657 2,03 12 GRUPO AUTOSTAR, S.A ,73 13 ROBERT HUDSON, LDA 556 1,72 14 COMÉRCIO DE AUTOMOVEIS, LDA 434 1,34 15 FAMIHAO LIMITADA 404 1,25 TOTAL DOS ,67 TOTAL DOS OUTROS ,33 TOTAL GERAL ,00 9 MAIORES IMPORTADORES / VEÍCULOS AUTOMÓVEIS- III TRIMESTRE

10 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 10

11 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 11 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS / TONELADAS - III TRIMESTRE

12 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 12 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS / TONELADAS O Boletim Estatístico traz, neste espaço, a lista dos 100 produtos mais importados durante o III trimestre de A lista é liderada pelo cimento hidráulico com ,10 toneladas, que representaram 11,32 por cento do total de produtos. O segundo lugar foi ocupado pelo açúcar de cana ou beterraba com ,88 toneladas, o equivalente a 4,49 por cento. A carne de aves (incluindo frangos) vem logo a seguir com 4,46 por cento, equivalente a ,16 toneladas. Já a farinha de trigo, que foi quarto da lista, ficou com ,39 toneladas, representando 3,99 por cento do total. Destaque ainda para o arroz, cuja importação chegou a ,51 toneladas, o equivalente a 3,68 por cento. No total, entraram no país, durante o III trimestre de 2014, toneladas de produtos diversos. A ordem obedece à posição, em função da quantidade, categoria e a classe em que aparecem na Pauta Aduaneira. POSIÇÃO CATEG. PRODUTO PESO/TONELADAS % Cimentos hidráulicos (incluídos os cimentos não pulverizados, denominados «clinkers»), mesmo corados: ,10 11, Açúcares de cana ou de beterraba e sacarose quimicamente pura, no estado sólido: ,88 4,49 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS / TONELADAS - III TRIMESTRE Carnes e miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas, das aves da posição 01.05: ,16 4, Farinha de trigo ou de mistura de trigo com centeio: ,39 3, Arroz: ,51 3,68 Ladrilhos e placas (lajes), para pavimentação ou revestimento, vidrados ou esmaltados, de cerâmica cubos, pastilhas e artigos semelhantes, para mosaicos, vidrados ou esmaltados, de cerâmica, mesmo com suporte: ,40 2, Barras e perfis, de outras ligas de aço barras ocas para perfuração, de ligas de aço ou de aço não ligado: ,35 2, Óleo de palma e respectivas fracções, mesmo refinados, mas não químicamente modificados: ,35 2, Cervejas de malte ,77 2, Farinha de cereais, excepto de trigo ou de misturas de trigo com centeio: ,70 2,05 Massas alimentícias, mesmo cozidas ou recheadas (de carne ou de outras substâncias) ou preparadas de outro modo, tais como esparguete, macarrão, aletria, lasanha, nhoque, raviole e canelone cuscuz, mesmo preparado: ,48 1, Escória de altos fornos granulada (areia de escória) proveniente da fabricação do ferro fundido, ferro ou aço ,00 1,47 Automóveis de passageiros e outros veículos automóveis principalmente concebidos para o transporte de pessoas (excepto os da posição ), incluídos os veículos de uso misto (station wagons) e os automóveis de corrida: ,23 1, Outros móveis e suas partes: ,70 1, Produtos laminados planos, de ferro ou aço não ligado, de largura igual ou superior a 600mm, folheados ou chapeados, ou revestidos: ,41 1, Vinhos de uvas frescas, incluídos os vinhos enriquecidos com álcool mostos de uvas, excluídos os da posição 20.09: ,54 1, Tubos e perfis ocos, sem costura, de ferro ou aço: ,29 1, Águas, incluídas as águas minerais e as águas gaseificadas, adicionadas de açúcar ou de outros edulcorantes ou aromatizadas e outras bebidas não alcoólicas, excepto sumos de frutas ou de produtos hortícolas, da posição 20.09: ,27 0, Óleos de petróleo ou de minerais betuminosos, excepto óleos preparações não especificadas nem compreendidas em outras posições, contendo, em peso, 70% ou mais de óleos de petróleo ou de minerais betuminosos, os quais devem constituir o seu elemento de base resíduos de óleos ,43 0, Artefactos de matérias têxteis, calçado, chapéus e artefactos de uso semelhante, usados ,64 0, Barras de ferro ou aço não ligado, simplesmente forjadas, laminadas, estiradas ou extrudadas, a quente, incluídas as que tenham sido submetidas a torção após laminagem: ,16 0, Adubos (fertilizantes) minerais ou químicos contendo dois ou três dos seguintes elementos fertilizantes: azoto (nitrogénio), fósforo e potássio outros adubos (fertilizantes) produtos do presente Capítulo apresentados em tabletes ou formas semelhantes, ou ainda em embalagens com peso bruto não superior a 10 Kg: ,19 0, Álcool etílico não desnaturado, com um teor alcoólico em volume inferior a 80% vol aguardentes, licores e outras bebidas espirituosas: ,50 0, Sumos de frutas (incluídos os mostos de uvas) ou de produtos hortícolas, não fermentados, sem adição de álcool, com ou sem adição de açúcar ou de outros edulcorantes: ,99 0,84 Peixes congelados, excepto os filetes de peixe e outra carne de peixes da posição 03.04: Salmões do pacífico (Oncorhynchus nerka, Oncorhynchus gorbuscha, Oncorhynchus Keta, Oncorhynchus tschawytscha, Oncorhynchus Kisutch, Oncorhynchus masou e Oncorhynchus rhodurus), excepto fígados, ovas e sémen: ,76 0, Sal próprio para alimentação humana: ,29 0,81 12

13 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 13 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS / TONELADAS POSIÇÃO CATEG. PRODUTO PESO/TONELADAS % Telhas, elementos de chaminés, condutores de fumo, ornamentos arquitectónicos, de cerâmica, e outros produtos cerâmicos para construção: ,47 0, Enchidos e produtos semelhantes, de carne, muidezas ou sangue preparações alimentícias à base de tais produtos ,43 0, Legumes de vagem, secos, em grão, mesmo pelados ou partidos: ,92 0, Tijolos para construção, tijoleiras, tapavigas e produtos semelhantes de cerâmica: ,67 0, Extractos de malte preparação alimentícia de farinhas, grumos, sêmolas, amidos, féculas ou extractos de malte, não contendo cacau ou contendo o numa proporção inferior a 40%, em peso, não especificadas nem compreendidas noutras posições preparações alimentícias de produtos das posições a 04.04, não contendo cacau ou contendo o numa proporção inferior a 5%, em peso, calculado sob uma base totalmente desengordurada, não especificadas nem compreendidas noutras posições: ,46 0, Milho: ,82 0, Construções e suas partes (por exemplo: pontes e elementos de pontes, comportas, torres, pórticos, pilares, colunas, armações, estruturas para telhados, portas e janelas, e seus caixilhos, alizares e soleiras, portas de correr, balaustradas), de ferro fundido, ferro ou aço, excepto as construções pré fabricadas da posição chapas, barras, perfis, tubos e semelhantes, de ferro fundido, ferro ou aço, próprios para construções: ,29 0,73 Agentes orgânicos de superfície (excepto sabões) preparações tensoactivas, preparações para lavagem (incluídas as preparações auxiliares de lavagem) e preparações para limpeza, mesmo contendo sabão, excepto as da posição 34.01: ,51 0, Malte, mesmo torrado: ,79 0, Produtos de padaria, pastelaria ou da indústria de bolachas e biscoitos, mesmo adicionados de cacau hóstias, cápsulas vazias para medicamentos, obreias, pastas secas de farinha, amido ou de fécula, em folhas, e produtos semelhantes: ,11 0, Produtos laminados planos, de ferro ou aço não ligado, de largura igual ou superior a 600mm, laminados a quente, não folheados ou chapeados, nem revestidos: ,29 0, Óleo de soja e respectivas fracções, mesmo refinados, mas não quimicamente modificados: ,99 0, Leite e nata, não concentrados nem adicionados de açúcar ou de outros edulcorantes: ,94 0,53 Ladrilhos e placas (lajes), para pavimentação ou revestimento, não vidrados nem esmaltados, de cerâmica cubos, pastilhas e artigos semelhantes, para mosaicos, não vidrados nem esmaltados, de cerâmica, mesmo com suporte: ,52 0, Coque de petróleo, betume de petróleo e outros resíduos dos óleos de petróleo ou de minerais betuminosos: ,82 0, Veículos automóveis para transporte de mercadorias: ,54 0, Artigos de transporte ou de embalagem, de plástico rolhas, tampas, cápsulas e outros dispositivos destinados a fechar recipientes, de plástico: ,08 0, Sabões produtos e preparações orgânicos tensoactivos utilizados como sabão, em barras, pães, pedaços ou figuras moldadas, mesmo contendo sabão produtos e preparações orgânicos tensoactivos para lavagem da pele, sob a forma de líquido ou de creme, acondicionados para venda a retalho, mesmo contendo sabão papel, pastas (ouates), feltros e falsos tecidos, impregnados ou revestidos de sabão ou de detergentes: ,58 0, Motocicletas, (incluídos os ciclomotores) e outros ciclos equipados com motor auxiliar, mesmo com carro lateral carros laterais: ,15 0,48 Aglutinantes preparados para moldes ou para núcleos de fundição produtos químicos e preparações das indústrias químicas ou das indústrias conexas (incluídos os constituídos por misturas de produtos naturais), não especificados nem compreendidos em outras posições: ,29 0, Leite e nata, concentrados ou adicionados de açúcar ou de outros edulcorantes: ,57 0, Carnes de animais da espécie suína, frescas, refrigeradas ou congeladas: ,88 0, Grupos electrogéneos e conversores rotativos, eléctricos: ,90 0, Pneumáticos novos, de borracha: ,04 0, Perfis de ferro ou aço não ligado: ,35 0,40 Águas, incluídas as águas minerais, naturais ou artificiais, e as águas gaseificadas, não adicionadas de açúcar ou de outros edulcorantes nem aromatizadas gelo e neve: ,58 0, Madeira contraplacada ou compensada, madeira folheada, e madeiras estratificadas semelhantes: ,66 0, Sulfato de bário natural (baritina) carbonato de bário natural (witherite), mesmo calcinado, excepto o óxido de bário da posição 28.16: ,32 0,36 Refrigeradores, congeladores (freezers) e outro material, máquinas e aparelhos para a produção de frio, com equipamento eléctrico ou outro bombas de calor, excluídas as máquinas e aparelhos de ar condicionado da posição 84.15: 9.975,37 0, Outros tubos e perfis ocos (por exemplo: soldados, rebitados, agrafados ou com os bordos simplesmente aproximados), de ferro ou aço: 9.705,30 0, Adubos (fertilizantes) minerais ou químicos, azotados: 9.247,04 0, Produtos de confeitaria sem cacau (incluído o chocolate branco): 8.875,01 0, Partes e acessórios dos veículos automóveis das posições a 87.05: 8.849,72 0,31 13 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS / TONELADAS - III TRIMESTRE

14 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 14 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS / TONELADAS POSIÇÃO CATEG. PRODUTO PESO/TONELADAS % Obras de gesso ou de composições à base de gesso: 8.827,96 0, Tomates preparados ou conservados, excepto em vinagre ou em ácido acético: 8.640,77 0, Reboques e semi reboques, para quaisquer veículos outros veículos não autopropulsores suas partes: 8.598,90 0, Bulldozers, angledozers, niveladoras, raspotransportadoras (scrapers), pás mecânicas, escavadoras, carregadoras e pás carregadoras, compactadores e rolos ou cilindros compressores, autopropulsores: 8.515,27 0, Miudezas comestíveis de animais das espécies bovina, suína, ovina, caprina, cavalar, asinina e muar, frescas, refrigeradas ou congeladas: 8.423,51 0,30 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS / TONELADAS - III TRIMESTRE Gipsite anidrite gesso, mesmo corado ou adicionado de pequenas quantidades de aceleradores ou de retardadores: 8.376,79 0, Papel dos tipos utilizados para fabricação de papéis higiénicos e de toucador e semelhantes, pasta (ouate) de celulose ou mantas de fibras de celulose, dos tipos utilizados para fins domésticos ou sanitários, em rolos de largura não superior a 36cm, ou cortados em formas próprias: lenços (incluídos os de maquilhagem), toalhas de mão, toalhas e guardanapos de mesa, fraldas para bebés, pensos (absorventes) e tampões higiénicos, lençóis e artigos semelhantes, para usos domésticos, de toucador, higiénicos ou hospitalares, vestuário e seus acessórios, de pasta de papel, papel, pasta (ouate) de celulose ou de mantas de fibras de celulose: 8.327,87 0, Margarina misturas ou preparações alimentícias de gorduras ou de óleos animais ou vegetais ou de fracções das diferentes gorduras ou óleos do presente Capítulo, excepto as gorduras e óleos alimentícios, e respectivas fracções, da posição 15.16: 8.245,88 0, Pedras de cantaria ou de construção (excepto de ardósia) trabalhadas e obras destas pedras, excepto as da posição cubos, pastilhas e artigos semelhantes, para mosaicos, de pedra natural (incluída a ardósia), mesmo com suporte grânulos, fragmentos e pós, de pedra natural (incluída a ardósia), corados artificialmente: 8.161,87 0, Grumos, sêmola e pellets, de cereais grumos sêmolas: 7.947,03 0,28 Outras bebidas fermentadas (sidra, perada, hidromel, por exemplo) mistura de bebidas fermentadas com bebidas não alcoólicas, não especificadas nem compreendidas noutras posições 7.884,95 0, Produtos laminados planos, de ferro ou aço não ligado, de largura igual ou superior a 600mm, laminados a frio, não folheados ou chapeados, nem revestidos: 7.837,28 0, Outro calçado com sola exterior e parte superior de borracha ou plástico: 7.661,40 0, Outros tubos (por exemplo : soldados ou rebitados) de secção circulares, de diâmetro exterior superior a 406,4 mm, de ferro ou aço 7.521,63 0, Partes reconhecíveis como exclusiva ou principalmente destinadas às máquinas e aparelhos das posições a 84.30: 7.460,05 0, Outras preparações e conservas de carne, miudezas ou sangue: 7.405,75 0, Pilhas e baterias de pilhas, eléctricas: 7.376,53 0, Tubos e seus acessórios (por exemplo: juntas, cotovelos, flanges, uniões) de plástico: 7.102,15 0, Outras obras de ferro ou aço: 6.893,84 0, Sulfatos alúmenes peroxossulfatos (persulfatos): 6.541,75 0, Preparações para molhos e molhos preparados condimentos e temperos compostos farinha de mostarda e mostarda preparada: 6.532,31 0, Medicamentos (excepto os produtos das posições 30.02, ou 30.06) constituídos por produtos misturados ou não misturados, preparados para fins terapêuticos ou profilácticos, apresentados em doses (incluindo os destinados a serem administrados por via subcutânea) ou acondicionados para venda a retalho: 6.431,96 0,23 Pastas (ouates) de matérias têxteis e artigos destas pastas fibras têxteis de comprimento não superior a 5mm (tontisses), nós e borbotos de matérias têxteis: 6.418,03 0, Polímeros de propileno ou de outras olefinas, em formas primárias: 6.406,01 0, Cloretos, oxicloretos e hidroxicloretos brometos e oxibrometos iodetos e oxiiodetos: 6.303,83 0, Assentos (excepto os da posição 94.02), mesmo transformáveis em camas e suas partes: 6.236,86 0, Rebocadores e barcos concebidos para empurrar outras embarcações: 6.000,00 0,21 Álcool etílico não desnaturado, com um teor alcoólico em volume igual ou superior a 80% vol álcool etílico e aguardentes, desnaturados, com qualquer teor alcoólico: 5.846,52 0, Transformadores eléctricos, conversores eléctricos estáticos (rectificadores, por exemplo), bobinas de reactância e de auto indução: 5.654,96 0, Insecticidas, rodenticídas, fungicidas, herbicidas, inibidores de germinação e reguladores de crescimento para plantas, desinfectantes e produtos semelhantes, apresentados em formas ou embalagens para venda a retalho ou como preparações ou ainda sob a forma de artigos, tais como fitas, mechas e velas sulfuradas e papel mata moscas: 5.345,07 0, Mástique de vidraceiro, cimentos de resina e outras mástiques indultos utilizados em pintura indultos não refractários do tipo dos utilizados em alvenaria: 5.333,20 0, Ovos de aves, com casca, frescos, conservados ou cozidos: 5.311,56 0,19 14

15 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 15 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS / TONELADAS POSIÇÃO CATEG. PRODUTO PESO/TONELADAS % Fios, cabos (incluídos os cabos coaxiais) e outros condutores, isolados para usos eléctricos (incluídos os envernizados ou oxidados anodicamente), mesmo com peças de conexão cabos de fibras ópticas, constituídos de fibras embainhadas individualmente, mesmo com condutores eléctricos ou munidos de peças de conexão: 5.293,18 0, Veículos automóveis, para o transporte de dez (10) pessoas ou mais, incluindo o condutor: 5.255,02 0,18 Outros produtos hortícolas preparados ou conservados, excepto em vinagre ou ácido acético, não congelados, com excepção dos produtos da posição 2006: 5.237,39 0, Construções pré fabricadas 5.215,24 0, Tripas, bexigas e estômagos, de animais, inteiros ou em pedaços, excepto, de peixes, frescos, refrigerados, congelados, salgados ou em salmoura, secos ou fumados 5.097,64 0, Pias, lavatórios, colunas para lavatórios, banheiras, bidés, sanitários, reservatórios de autoclismos, mictórios e aparelhos fixos semelhantes para usos sanitários, de cerâmica: 4.942,45 0, Álcoois acíclicos e seus derivados halogenados, sulfonados, nitrados ou nitrosados: 4.900,24 0, Leitelho, leite e nata coalhados, iogurte, quefir e outros leites e natas fermentados ou acidificados, mesmo concentrados ou adicionados de açúcar ou de outros edulcorantes, ou aromatizados ou adicionados de frutas ou de cacau: 4.779,40 0, Papel e cartão, não revestidos, dos tipos utilizados para escrita, impressão ou outros fins gráficos, papel e cartão para fabricar cartões ou tiras perfurados, não perfurados, em rolos ou em folhas de forma quadrada ou rectangular, de qualquer formato ou dimensões, com exclusão do papel das Posições e papel e cartões feitos à mão (folha a folha): 4.735,33 0,17 TOTAL DOS ,28 83,76 TOTAL DOS OUTROS ,72 16,24 TOTAL GERAL ,00 100,00 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS / TONELADAS - III TRIMESTRE

16 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 16 PORTOS DE DESTINO / MERCADORIAS (TONELADAS) III TRIMESTRE

17 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 17 PORTOS DE DESTINO / MERCADORIAS (TONELADAS) O Porto de Luanda recebeu, durante o III trimestre de 2014, ,73 toneladas de produtos diversos, e foi o que mais se destacou, à frente do Porto do Lobito, que recebeu ,76 toneladas. O Porto de Cabinda, o terceiro na lista, teve um registo de ,69 toneladas, vindo a seguir o Porto do Namibe com ,15 toneladas. No total, entraram no país, no III trimestre de 2014, toneladas de produtos diversos. PORTO CONT.10 CONT.20 CONT.40 FRIGO10 FRIGO20 FRIGO40 CONVENCIONAL GRANEL TOTAL LUANDA 106, , ,51 17, , , , , ,73 LOBITO 71, , ,20-157, , , , ,76 CABINDA 66, , ,81 12,26 962, , ,33 721, ,69 NAMIBE , ,87-41, , , ,15 SOYO 29, , ,17 2,98 681,08 409, ,69 343, ,96 AMBOIM 39,33 42,13-5, ,39 162, ,71 TOTAL 312, , ,56 38, , , , , ,00 PORTOS DE DESTINO / MERCADORIAS (TONELADAS )- III TRIMESTRE

18 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 18 PORTOS DE DESTINO / MERCADORIAS (UNIDADES) O Porto de Luanda foi o que mais se destacou na entrada de mercadorias durante o III trimestre de No total, aquela unidade portuária registou a entrada de unidades. Destas, foram contentores de 20 pés e contentores de 40. O Porto do Lobito recebeu unidades, na segunda posição, à frente do Porto de Cabinda, com unidades, e do Porto do Namibe com No Total, entraram no país unidades de produtos diversos. PORTOS DE DESTINO / MERCADORIAS UNIDADES E MODO DE TRANSPORTE - III TRIMESTRE PORTO CONTENTOR10 CONTENTOR20 CONTENTOR40 FRIGO10 FRIGO20 FRIGO40 TOTAL LUANDA LOBITO CABINDA NAMIBE SOYO AMBOIM TOTAL MODO DE TRANSPORTE Os contentores de 20 pés foram os mais utilizados no transporte de carga para Angola durante o III trimestre de 2014, sendo responsável por ,74 toneladas, o equivalente a 43,96 por cento do total. Os contentores de 40 foram responsáveis por 17,44 por MODO DE TRANSPORTE (TONELADAS) cento, o equivalente a ,57 toneladas. No modo convencional chegaram ao país ,10 toneladas (17,05%). A carga à granel representou 14,13 por cento do total, o equivalente a ,13 toneladas. POSIÇÃO MODO DE TRANSPORTE PESO/TONELADAS % 1 CONTENTOR"20" PES ,74 43,96 2 CONTENTOR"40" PES ,57 17,44 3 CONVENCIONAL ,10 17,05 4 GRANEL ,13 14,13 5 FRIGO"40" PES ,35 7,19 6 FRIGO"20" PES 6.251,64 0,22 7 CONTENTOR"10" PES 312,75 0,01 8 FRIGO"10" PES 38,72 0,00 TOTAL ,00 100,00 18

19 3_EDIÇÃO_2014_PIR :13 Página 19 IMPORTAÇÕES POR CONTINENTES /TONELADAS III TRIMESTRE

20 3_EDIÇÃO_2014_PIR :14 Página 20 IMPORTAÇÕES POR CONTINENTES / ( TONELADAS ) A Ásia lidera a lista das importações de Angola durante o III trimestre de 2014, com um total de ,47 toneladas, o que representa 44,17 por cento do total. A Europa vem a seguir com 32,32 por cento, à frente da América, que foi responsável por 16,92 por cento. As importações do continente africano representaram 6,39 por cento e da Austrália 0,20. Durante o III trimestre de 2014, Angola importou toneladas de produtos diversos. POSIÇÃO DESIGNACAO PESO / TONELADAS % 1 ÁSIA ,47 44,17 2 EUROPA ,01 32,32 3 AMÉRICA ,07 16,92 IMPORTAÇÕES POR CONTINENTES (TONELADAS ) III TRIMESTRE / ÁFRICA ,53 6,39 5 AUSTRÁLIA 5.702,92 0,20 TOTAL ,00 100,00 20

21 3_EDIÇÃO_2014_PIR :14 Página 21 PRINCIPAIS MERCADOS / (TONELADAS) III TRIMESTRE

22 3_EDIÇÃO_2014_PIR :14 Página 22 PRINCIPAIS MERCADOS / ( TONELADAS) A China foi o principal mercado das importações angolanas no III trimestre de 2014, com 24,08 por cento do total dos produtos que entraram nos portos angolanos. Daquele país, vieram ,19 toneladas de produtos diversos. Portugal foi o segundo maior exportador de produtos para Angola, com 15,67 por cento do total, à frente do Brasil, que foi responsável por 10,58 por cento. Entre os dez primeiros da lista surgem ainda a Bélgica, Coreia do Sul, Holanda, África do Sul, Estados Unidos, Tailândia, Turquia, Índia e Emiratos Árabes Unidos. PRINCIPAIS MERCADOS / (TONELADAS) -III TRIMESTRE POSIÇÃO PAÍSES PESO / TONELADAS % 1 China ,19 24,08 2 Portugal ,15 15,67 3 Brasil ,20 10,58 4 Bélgica ,70 5,47 5 Coreia do Sul ,67 5,25 6 África do Sul ,71 4,04 7 Estados Unidos da América ,30 4,02 8 Tailândia ,92 3,17 9 Turquia ,10 3,15 10 Índia ,18 2,39 11 Holanda ,02 2,27 12 Emirados Árabes Unidos ,46 2,23 13 Vietname ,73 2,03 14 Malásia ,80 1,89 15 França ,22 1,83 16 Indonésia ,68 1,38 17 Espanha ,27 1,25 18 Itália ,57 1,17 19 Argentina ,51 0,91 20 Canadá ,33 0,78 21 Marrocos ,26 0,66 22 Alemanha ,20 0,49 23 Singapura ,34 0,48 24 Paquistão ,20 0,44 25 Mauritânia ,85 0,40 26 Namíbia ,66 0,39 27 Egipto ,26 0,37 28 Reino Unido 8.528,34 0,30 29 Suécia 7.553,09 0,27 30 Líbano 5.281,51 0,19 31 Nova Zelândia 5.246,46 0,18 32 Japão 5.215,90 0,18 33 Oman 5.100,23 0,18 34 Costa do Marfim 4.429,73 0,16 35 Chile 3.716,76 0,13 36 Látvia 3.531,38 0,12 37 México 3.467,39 0,12 38 Congo 3.418,60 0,12 39 Noruega 3.043,16 0,11 40 Colômbia 2.608,43 0,09 41 Israel 2.464,83 0,09 42 Croácia 2.163,99 0,08 43 Polônia 1.968,04 0,07 44 Argélia (Argelia) 1.949,10 0,07 45 Rússia 1.833,39 0,06 46 Gana 1.764,79 0,06 47 Ucrânia 1.588,94 0,06 48 Taiwan 1.473,30 0,05 49 Paraguai 1.219,81 0,04 50 Arábia Saudita 1.155,26 0,04 TOTAL DOS ,91 99,56 TOTAL DOS OUTROS ,09 0,44 TOTAL GERAL ,00 100,00 22

PRODUTOS MAIS IMPORTADOS POR TONELADAS IV º TRIMESTRE

PRODUTOS MAIS IMPORTADOS POR TONELADAS IV º TRIMESTRE 1 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS POR TONELADAS IV º TRIMESTRE O Boletim Estatístico traz, neste espaço, a lista dos 100 produtos mais importados durante o IVº trimestre de 2012. A lista é liderada pelos cimentos

Leia mais

PORTUGAL GREECE Trade Balance

PORTUGAL GREECE Trade Balance PORTUGAL GREECE Trade Balance March 2013 TRADE BALANCE PORTUGAL GREECE IMPORTS (CIF) Annual Variation % EXPORTS (FOB) Annual Variation % 10³ Euros BALANCE 2003 81.998 121.881 39.883 2004 76.487-6,72 126.685

Leia mais

Posiçao CLASSE CATEGORIA PRODUTO PESO % 1 25 23 Cimentos hidráulicos (incluídos os cimentos não pulverizados, denominados, clinkers), 612.

Posiçao CLASSE CATEGORIA PRODUTO PESO % 1 25 23 Cimentos hidráulicos (incluídos os cimentos não pulverizados, denominados, clinkers), 612. 1 Posiçao CLASSE CATEGORIA PRODUTO PESO % 1 25 23 Cimentos hidráulicos (incluídos os cimentos não pulverizados, denominados, clinkers), 612.239,13 14,12 mesmo corados 2 17 1 Açúcares de cana ou de beterraba

Leia mais

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas Abrangência: operações interestaduais entre contribuintes situados em São Paulo e contribuintes situados em Sergipe. Produto: alimentícios. Conteúdo: relação de Margem de Valor Agregado. Base Legal: Protocolo

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

Produtos mais importados

Produtos mais importados 1 Produtos mais importados Na lista dos 100 produtos mais importados durante o III. Trimestre de 2011, publicado neste espaço, traz, à frente, as pedras para calcetar, lancis e placas para pavimentação

Leia mais

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014

Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 Objetivo: Produtos que tiveram maior crescimento no mercado francês entre 2013/2014 PRODUTOS Jan-Jun 2013 Jan-Jun 2014 Crescimento 2013/2014 Outras frutas de casca rija e outras sementes, preparadas ou

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE FLORIANÓPOLIS, 11/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de

Leia mais

PRODUTOS MAIS IMPORTADOS POSIÇAO CLASSE CATEGORIA PRODUTO PESO/TONELADAS %

PRODUTOS MAIS IMPORTADOS POSIÇAO CLASSE CATEGORIA PRODUTO PESO/TONELADAS % 1 PRODUTOS MAIS IMPORTADOS Num universo de 10.599.295,99 toneladas que entraram em Angola durante o ano de 2011, na lista dos produtos destaca-se os cimentos hidráulicos com 1.123.859,31 toneladas o que

Leia mais

Mercados. informação global. Relações Económicas Portugal - Angola

Mercados. informação global. Relações Económicas Portugal - Angola Mercados informação global Relações Económicas Portugal - Angola Abril 2009 Índice Relações Económicas Portugal Angola 3 1 Comércio 3 1.1 Importância de Angola nos fluxos comerciais de Portugal 3 1.2 Balança

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

Protoc. ICMS CONFAZ 110/10 - Protoc. ICMS - Protocolo ICMS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 110 de 09.07.2010

Protoc. ICMS CONFAZ 110/10 - Protoc. ICMS - Protocolo ICMS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 110 de 09.07.2010 Protoc. ICMS CONFAZ 110/10 - Protoc. ICMS - Protocolo ICMS CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA FAZENDÁRIA - CONFAZ nº 110 de 09.07.010 D.O.U.: 10.08.010 Altera o Protocolo ICMS 8/09, que dispõe sobre a substituição

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A AUSTRÁLIA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A AUSTRÁLIA BALANÇA COMERCIAL 2005 2006 2007 2008 Exportações 82.213 65.434 62.538 53.583 44.990-13,8 39.853 62.848 57,7 Importações 23.679 28.230 38.501 16.980 14.662-3,5 14.187 11.454-19,3 Saldo 58.534 37.204 24.037

Leia mais

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010.

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1 * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. NAS OPERAÇÕES COM PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Acrescentado pelo DECRETO nº 26.258 de 30.12.2009 DOE: 30.12.2009

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012

PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 PROTOCOLO ICMS 4, DE 30 DE MARÇO DE 2012 Publicado no DOU de 09.04.12 Altera o Protocolo ICMS 28/09, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios. Os Estados de Minas

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

Capítulo 68. Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes

Capítulo 68. Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes Capítulo 68 Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes Notas. 1.- O presente Capítulo não compreende: a) os produtos do Capítulo 25; b) o papel e cartão revestidos, impregnados

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO ALTERAÇÕES FEITAS PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/2012

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO ALTERAÇÕES FEITAS PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/2012 CIRCULAR Nº 01/2013 São Paulo, 02 de Janeiro de 2013. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO ALTERAÇÕES FEITAS PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/2012 Prezado Cliente, No dia 28/12/2012, foi publicada a Medida Provisória

Leia mais

9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS

9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/329 ANEXOS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/331 ANEXO I LISTA PREVISTA NO ARTIGO 38. o DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal Cuba Novembro 2010 Relações Económicas Portugal Cuba (Novembro 2010) Índice 1. Relações Económicas Portugal Cuba 3 1.1 Comércio 3 1.1.1 Importância

Leia mais

África do Sul - Síntese País

África do Sul - Síntese País Informação Geral sobre a África do Sul Área (km 2 ): 1 219 090 Vice-Presidente: Cyril Ramaphosa População (milhões hab.): 53 (2013) Risco de crédito: 4 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Pretória

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg I - CHOCOLATES 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg 1704.90.10 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo inferior 1806.31.10 ou igual a 1kg 1806.31.20

Leia mais

DIREITOS ADUANEIROS SADC IMP CONS CÓDIGO DO S.H. N.º DE POSIÇÃO DESIGNAÇÃO DAS MERCADORIAS UNIDADE C. IVA TAXA GERAL. Ad. Valorem.

DIREITOS ADUANEIROS SADC IMP CONS CÓDIGO DO S.H. N.º DE POSIÇÃO DESIGNAÇÃO DAS MERCADORIAS UNIDADE C. IVA TAXA GERAL. Ad. Valorem. N.º DE POSIÇÃO CÓDIGO DO S.H. DESIGNAÇÃO DAS MERCADORIAS UNIDADE C. TAXA GERAL DIREITOS ADUANEIROS SADC RSA OUTROS M. CAT. Taxa CAT. Taxa UE IMP CONS Ad. Valorem Valor Minimo IVA 73.01 Estacaspranchas

Leia mais

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço Capítulo 73 Obras de ferro fundido, ferro ou aço Notas. 1. Neste Capítulo, consideram-se de ferro fundido os produtos obtidos por moldação nos quais o ferro predomina em peso sobre cada um dos outros elementos,

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Outubro 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação AGO SET OUT

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal - Filipinas Fevereiro 2010 Relações Económicas Portugal Filipinas (Fevereiro 2010) Índice 1. Relações Económicas Portugal Filipinas 3 1.1. Comércio

Leia mais

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0

Comércio Externo de Bens (10 9 USD) 8,0 15,0 2009a 2010a 2011a 2012a 2013a 2014b 6,0 10,0 Informação Geral sobre a Palestina População (milhões hab.): 4,5 (estimativa 2014) Unidade monetária: Shequel de Israel (ILS) e Língua oficial: Árabe Dinar Jordano (JOD) Chefe de Estado: Mahmoud Abbas

Leia mais

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Aqilah Salah Issa Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = 1,51778 LYD (abr.

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Aqilah Salah Issa Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = 1,51778 LYD (abr. Informação Geral sobre a Líbia Área (km 2 ): 1 759 540 Primeiro-Ministro: Abdullah al-thini População (milhões hab.): 6,3 (estimativas ) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 06, DE 28 DE MARÇO DE 2014.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 06, DE 28 DE MARÇO DE 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA Nº 06, DE 28 DE MARÇO DE 2014. A Secretária do Desenvolvimento da Produção do Ministério

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor

Diretoria de Pesquisas COIND. Índice de Preços ao Produtor Diretoria de Pesquisas COIND Índice de Preços ao Produtor Índice de Preços ao Produtor Indústrias de Transformação Resultados Agosto 2012 Principais Indicadores Indústrias de Transformação JUN JUL AGO

Leia mais

Espanha - Síntese País e Relacionamento Bilateral

Espanha - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre Espanha Área (km 2 ): 504 880 Primeiro-Ministro: Mariano Rajoy População (milhões hab.): 47,1 (estimativa ) Risco de crédito: (*) Capital: Madrid Risco do país: BBB (AAA = risco

Leia mais

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço Capítulo 73 Obras de ferro fundido, ferro ou aço Notas. 1.- Neste Capítulo, consideram-se de ferro fundido os produtos obtidos por moldação nos quais o ferro predomina em peso sobre cada um dos outros

Leia mais

ANEXO. Regulamento Delegado da Comissão

ANEXO. Regulamento Delegado da Comissão COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.7.2015 C(2015) 5195 final ANNEX 1 PART 2/3 ANEXO do Regulamento Delegado da Comissão que complementa o Regulamento (UE) n.º 952/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho com

Leia mais

Código LER Descrição (os mais utilizados estão sublinhados) Resíduos de minas 01 01 01 Resíduos metálicos 01 01 02 Resíduos não metálicos 01 03 06 Rejeitados de minério 01 03 08 Poeiras e pós de extracção

Leia mais

Projetar Portugal. O Português e os Negócios. Um activo intangível da economia portuguesa. Janeiro 2013. Organização:

Projetar Portugal. O Português e os Negócios. Um activo intangível da economia portuguesa. Janeiro 2013. Organização: Projetar Portugal O Português e os Negócios Um activo intangível da economia portuguesa Francisco Mendes Palma Janeiro 2013 Organização: O Português e os Negócios Um activo intangível da economia portuguesa

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para São Tomé e Príncipe de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 3 500 3 336 3 000 valores em milhares de euros 2 500 2 000 1 500 1 000 1 367 1 279 727 500

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

República da Guiné - Síntese País

República da Guiné - Síntese País Informação Geral sobre a Rep. da Guiné Área (km 2 ): 245 857 Primeiro-Ministro: Mohamed Said Fofana População (milhões hab.): 11,8 (estimativa 2013) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior)

Leia mais

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II

Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Lista de Actividades (CAE) elegíveis na Linha de Crédito PME Investe II Em conformidade com o disposto no nº 1 do Capítulo I, nº 2 do Anexo I, nº 2 do Anexo II e nº 1 do Anexo III, todos do Protocolo da

Leia mais

CONSTRUÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS

CONSTRUÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS CONSTRUÇÃO AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2004 Construção civil e obras públicas O sector da construção reveste-se de uma elevada importância na economia, sendo responsável por cerca de 12% do emprego,

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

MVA ALÍQUOTA INTERNA ORIGINAL ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 3917.10.10 17,00% 33,00% 41,01% 53,83%

MVA ALÍQUOTA INTERNA ORIGINAL ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 3917.10.10 17,00% 33,00% 41,01% 53,83% Abrangência: operações interestaduais originadas do Estado de São Paulo e destinadas ao Estado de Goiás. Produtos: materiais de construção, acabamento, bricolagem ou adorno. Conteúdo: acordos de substituição

Leia mais

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008)

Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) Principais exportações para o Brasil de produtos agrícolas, florestais e das pescas (média 2004-2008) 70 000 62 207 60 000 valores em milhares de euros 50 000 40 000 30 000 20 000 21 786 17 825 8 620 10

Leia mais

Cabo Verde - Síntese País

Cabo Verde - Síntese País Informação Geral sobre Cabo Verde Área (km 2 ): 4 033 Primeiro-Ministro: José Maria Neves População: 504 000 (estimativa 2014) Risco de crédito: 6 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Praia Unidade

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES. Boletim Estatístico STATISTICAL BULLETIN 2º TRIMESTRE 2 ND ND QUARTER

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES. Boletim Estatístico STATISTICAL BULLETIN 2º TRIMESTRE 2 ND ND QUARTER CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Boletim Estatístico STATISTICAL BULLETIN 2010 2º TRIMESTRE 2 ND ND QUARTER CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO

Leia mais

MERCOSUL. Principais produtos exportados por MG para o

MERCOSUL. Principais produtos exportados por MG para o MERCOSUL Nome oficial: Mercado Comum do Sul Estados membros: Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela Idiomas oficiais: Espanhol e Português Estados associados: Chile, Colômbia, Equador,

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 12 Dezembro 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-ST Redução de Base de Cálculo - MG

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-ST Redução de Base de Cálculo - MG ICMS-ST Redução de Base de Cálculo - MG 22/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1. Produtos Alimentícios sujeitos

Leia mais

Angola. Balança Comercial Total e Agrícola. Angola 2007 2011 Var. Média Anual (%) Agrícola* 2.018.915 3.309.933 13,2% Part.

Angola. Balança Comercial Total e Agrícola. Angola 2007 2011 Var. Média Anual (%) Agrícola* 2.018.915 3.309.933 13,2% Part. Angola Capital: Luanda População 1 : 19,6 milhões de habitantes PIB (2011) 2 : US$ 100,95 bilhões PIB per capita (2011) 2 : US$ 5.144 PIB por setor 3 : Agricultura: 9,6% Indústria: 65,8% Serviços: 24,6%

Leia mais

Vantagens Comparativas Reveladas do Comércio Internacional Português por Grupos de Produtos

Vantagens Comparativas Reveladas do Comércio Internacional Português por Grupos de Produtos Vantagens Comparativas Reveladas do Comércio Internacional Português por Grupos de Produtos 1. Introdução Pretende-se com esta análise, apresentar de forma sucinta, o Índice das Vantagens Comparativas

Leia mais

Nova Zelândia - Síntese País

Nova Zelândia - Síntese País Informação Geral sobre a Nova Zelândia Área (km 2 ): 270 534 Primeiro-Ministro: John Key População (milhões hab.): 4,6 () Risco de crédito: (*) Capital: Wellington Risco do país: AA (AAA = risco menor;

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88

Limite máximo (g/100g ou g/100ml) Legislação. Mistela composta R 04/88 INS 100i CÚRCUMA, CURCUMINA Função: Corante Amargos e aperitivos Cereja em calda (para reconstituição da cor perdida durante processamento) Queijos (exclusivamente na crosta) Iogurtes aromatizados Leites

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

TITLE. A Nova Pauta Aduaneira de Angola. Ana Pinelas Pinto Sócia. 29 de janeiro de 2014 1

TITLE. A Nova Pauta Aduaneira de Angola. Ana Pinelas Pinto Sócia. 29 de janeiro de 2014 1 TITLE A Nova Pauta Aduaneira de Angola Ana Pinelas Pinto Sócia 29 de janeiro de 2014 1 TRANSAÇÕES COMERCIAIS PORTUGAL-ANGOLA EXPORTAR PARA ANGOLA PAUTA ADUANEIRA 2013 SUBIDA DAS TAXAS DE DIREITOS ADUANEIROS

Leia mais

Por favor, separe os seus resídous/lixo!

Por favor, separe os seus resídous/lixo! Por favor, separe os seus resídous/lixo! Preste atenção às seguintes regras de separação dos resíduos de Salzburgo e apoe-nos na redução e reciclagem de resíduos/lixo! A sua contribuição para a protecção

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Boletim Estatístico 2009

Boletim Estatístico 2009 CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES STATISTICAL BULLETIN Boletim Estatístico 2009 CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO Largo 4 de Fevereiro Palácio

Leia mais

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 01 - Animais Vivos Gênero do NCM 02 - Carnes e miudezas 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 04 - Produtos Comestiveis de origem animal 05 - Outros Produtos de Origem Animal

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 15590, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010 PUBLICADO NO DOE Nº 1638, DE 20.12.10

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 15590, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010 PUBLICADO NO DOE Nº 1638, DE 20.12.10 GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 15590, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010 PUBLICADO NO DOE Nº 1638, DE 20.12.10 Dá nova redação ao Anexo V do RICMS/RO, que passou a classificar os itens por

Leia mais

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA SUMÁRIO 1. Generalidades- Factores/Alterações 2. Fundamentos para as Alterações 3. Opções de Política

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2014

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA INFORME JURÍDICO 2015 SETEMBRO ETEMBRO/ 201 CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA SOBRE A RECEITA BRUTA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE SALÁRIOS REGIME OPTATIVO E MAJORAÇÃO DE ALÍQUOTAS. São Paulo, 01 de setembro

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) CERTIFICADOS AMBIENTAIS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO, 2015 Certificados ambientais 2

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013

Região Zona da Mata. Regional Agosto 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS PRODUTOS

LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES INDICAÇÃO DOS PRODUTOS LISTA DOS PRODUTOS POR ORDEM DE CLASSES Classe 30 Café, chá, cacau, açúcar, arroz, tapioca, sagu, sucedâneos do café; farinhas e preparações feitas de cereais, pão, pastelaria e confeitaria, gelados; mel,

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-ago)

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos

Formulário de Resíduos Sólidos Quem deve preencher este formulário? Geradores de resíduos sólidos, perigosos ou não, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama nº 13/12, disponível no link abaixo (também

Leia mais

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013 Pesquisa Industrial- Empresa 2011 Pesquisa Industrial- Produto Data 21/06/2013 Apresentação Aspectos metodológicos Análise de resultados Resultados gerais em 2011 Estrutura das receitas, dos custos e despesas,

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR INDÚSTRIAS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Namíbia - Síntese País

Namíbia - Síntese País Informação Geral sobre a Namíbia Área (km 2 ): 824 269 Primeiro-Ministro: Saara Kuugongelwa-Amadhila População (milhões hab.): 2,2 (estimativa ) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Capítulo 76 Alumínio e suas obras

Capítulo 76 Alumínio e suas obras Nota. Capítulo 76 Alumínio e suas obras 1.- Neste Capítulo consideram-se: a) Barras: os produtos laminados, extrudados, estirados ou forjados, não enrolados, cuja seção transversal, maciça e constante

Leia mais

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p - C O R R E S P. = igual + mais - menos p - Rev.1 OBSERVAÇÕES 0 1 Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades dos serviços = 0 1 relacionados + 81p Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades

Leia mais

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca

Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Coeficiente de Especializaçao dos Empregos na Industria Região Administrativa de Franca Franca Total da Indústria NA NA Indústria Extrativa 0,157899 0,018606 Indústria de Transformação 99,842101 99,981394

Leia mais

RÚSSIA Comércio Exterior

RÚSSIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC RÚSSIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS EMISSÕES DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO,

Leia mais

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014

120,0. Principais Produtos Exportados - 2014 Principais Produtos Importados - 2014 Informação Geral sobre o Chile Área (km 2 ): 756 096 Risco de crédito (*): População (milhões hab.): 17,7 (estimativa ) Risco do país: A2 (A = risco menor; D = risco maior) Capital: Santiago do Chile Unidade

Leia mais

Haiti - Síntese País e Relacionamento Bilateral

Haiti - Síntese País e Relacionamento Bilateral Informação Geral sobre o Haiti Área (km 2 ): 27 750 Primeiro-Ministro: Laurent Lamothe População (milhões hab.): 10,3 () Risco de crédito : 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Port-au-Prince

Leia mais

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010

Descrição CNAE FABRICACAO DE OLEOS VEGETAIS REFINADOS, EXCETO OLEO DE MILHO 1/4/2010 Descrição CNAE Início da obrigatoriedade 0722701 EXTRACAO DE MINERIO DE ESTANHO 1/4/2010 0722702 BENEFICIAMENTO DE MINÉRIO DE ESTANHO 1/4/2010 1011201 FRIGORIFICO - ABATE DE BOVINOS 1/4/2010 1011202 FRIGORÍFICO

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Inovações organizacionais e de marketing

Inovações organizacionais e de marketing e de marketing Pesquisa de Inovação 2011 Tabela 1.1.22 -, total e as que não implementaram produto ou processo e sem projetos, com indicação das inovações e gás - Brasil - período 2009-2011 (continua)

Leia mais

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino)

CODESA. DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) 2 CODESA CORPO DIRETOR CLOVIS LASCOSQUE Diretor Presidente DANILO ROGER MARÇAL QUEIROZ Diretor de Planejamento e Desenvolvimento/ Diretor de Administração e Finanças (interino) HUGO JOSÉ AMBOSS MERÇON

Leia mais

APÊNDICE XXVII. CRÉDITO ADMITIDO (% sobre a Base de Cálculo) 1% UNIDADE DA FEDERAÇÃO DE ORIGEM ITEM MERCADORIA BENEFÍCIO

APÊNDICE XXVII. CRÉDITO ADMITIDO (% sobre a Base de Cálculo) 1% UNIDADE DA FEDERAÇÃO DE ORIGEM ITEM MERCADORIA BENEFÍCIO APÊNDICE XXVII MERCADORIAS ORIUNDAS DE OUTRAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO BENEFICIADAS COM INCENTIVO OU FAVOR FISCAL OU FINANCEIRO-FISCAL EM DESACORDO COM A LEI COMPLEMENTAR Nº 24/75 UNIDADE DA FEDERAÇÃO DE

Leia mais

Comércio Internacional dos Açores

Comércio Internacional dos Açores VII Jornadas Ibero-Atlânticas de Estatística Regional 09/10/2015 Cristina Neves INE- Departamento de Estatísticas Económicas Comércio Internacional dos Açores Estrutura da apresentação Estatísticas do

Leia mais

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014 EXPORTAÇÕES (POR CAPÍTULO) 2013 2014 50 Artigos de seda 462 282-38,9% 51 Artigos de lã 60.801 63.996 5,3% 52 Artigos de algodão 145.006 154.454 6,5% 53 Outras fibras têxteis vegetais 4.839 4.169-13,8%

Leia mais

Produção Industrial Março de 2015

Produção Industrial Março de 2015 Produção Industrial Março de 201 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - MARÇO/1 Em março, a indústria de Santa Catarina produziu 4,0% menos na comparação com o mesmo mês do ano anterior, sexto resultado

Leia mais