Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas."

Transcrição

1 FLUTUAÇÃO POPULACIONAL DE PRAGAS DO ALGODOEIRO COLORIDO BRS VERDE EM CATALÃO - GO. Nilton Cezar Bellizzi 2,4 ; David Hudson lopes Junior 1,4 ; Roberli Ribeiro Guimarães 3,4 ; Juliana Costa Biscaia 3,4 ; Daline Benites Botega 3,4 ; Wagner Cruvinel Ribeiro 3,4 ; Vitor Cruvinel Ribeiro 3,4. 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UEG. 2 Pesquisador Orientador de PIBIC/CNPq/UEG 3 Voluntários de Iniciação Científica PVIC/UEG. 4 Curso de Agronomia, Unidade Universitária de Ipameri, UEG. Resumo: Neste experimento foi avaliada a flutuação populacional de insetos-pragas no cultivar de algodão colorido BRS Verde controlado com inseticidas biológicos. Os tratamentos utilizados foram: T 1 testemunha (sem controle); T 2 Controle com Beauveria bassiana estirpe B 12 na dosagem de 1 9 conídeos/ml de suspensão; T 3 Controle com Beauveria bassiana estirpe B 13 na dosagem de 1 9 conídeos/ml de suspensão; T 4 - Controle com Metharizium anisoplae na dosagem de 1 9 conídeos/ml de suspensão; T 5 Controle com Bacillus thuringiensis na dosagem de 1 9 bastonetes/ml de suspensão; T 6 Controle com Baculovírus anticarsia na dosagem de 1 9 poliedros/ml de suspensão; T 7 Controle completo (B. bassiana + M. anisoplae + B. anticarsia + B. thuringiensis) na dosagem de 1 9 UI/ml de suspensão. O delineamento experimental foi o de blocos casualizados com 7 tratamentos e 5 blocos. A aplicação dos microorganismos entomopatogênicos foi feita quinzenalmente, com pulverizador manual utilizando 8 ml de suspensão por parcela, atingindo o solo e as partes das plantas. Os resultados mostraram que o controle biológico pode controlar algumas pragas, principalmente lepidópteras, contudo alguns fatores como horário de aplicação (preferencialmente após as 17:); periodicidade na aplicação (semanal ou, no máximo, quinzenal); local e temperatura de armazenamento podem afetar a infectividade dos microorganismos entopatogênicos, interferindo na eficiência de controle. Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas. Introdução: O algodão é uma das principais commodites comercializadas em nível mundial, em termos de valor. A sua fibra é reconhecida como a mais importante das fibras têxteis, por suas características inigualáveis. Atualmente a cultura do algodão tornou-se uma das maiores usuárias de pesticidas químicos, muitas vezes anti-econômicos e, na grande maioria, tóxicos, que sendo inadequadamente manipulados, resultam em sérios problemas para quem os manipula. Tais problemas vêm reforçar a necessidade de incentivos a um manejo mais racional dos agroecossistemas, com emprego de práticas integradas, incluída a resistência varietal de cultivares, o uso de elementos sadios de propagação vegetal e destacadamente, o uso do

2 controle biológico natural e aplicado. Assim, poderia ser diminuída a quantidade dos pesticidas químicos, utilizando o manejo de práticas culturais, principalmente seu controle biológico, a ser considerado uma necessidade de proteção fitossanitária sustentável (Santos, 1999) Segundo Alves et al. (1986) o fungo Metarhizium anisopliae (Metsch) é um importante fungo entomopatogênico cuja ocorrência já foi assinalada em mais de 3 espécies de insetos. No Brasil, este fungo tem sido estudado sobre diversas pragas como Mahanarva posticata, Diatraea saccharalis, Nezara viridula, Piezodorus guildinii, Hypothenemus hampei, apresentando um grande potencial no controle biológico. O fungo Beauveria bassiana tem mostrado um bom potencial entomopatogênico, ocorrendo em condições naturais enzoóticamente ou provocando epizootias em algumas regióes propícias. O fungo metaboliza toxinas, no caso a beauveracina, causando a morte de inúmeras pragas (Coutinho & Cavalcanti, 1988). A espécie bacteriana de solo Bacillus thuringiensis, conhecida pela sua forma abreviada Bt, é de ocorrência cosmopolita, sendo encontrada nos mais diversos ecossistemas do planeta. De acordo com Degrande (1998) o gênero Bacillus possui uma fase de esporulação característica no seu desenvolvimento, na qual o esporo bacteriano e cristais protéicos são simultaneamente formados, sendo estes últimos sob forma de inclusões parasporais. As dendotoxinas possuem uma especificidade originadas de uma co-evolução de proteínas receptoras de superfície do intestino médio (mesentero) dos insetos-alvo sensíveis; esses receptores ligam-se de forma específica as d-endotoxinas, modificando sua conformação e causando vazamento de íons e dano osmótico das células, o que conduz, conseqüentemente, à desintegração do mesentero e a morte do inseto. O Baculovirus anticarsia atua por ingestão, quando as folhas das plantas são comidas pelas lagartas. O vírus se multiplica no corpo da lagarta provocando uma gradativa redução na sua capacidade de se movimentar e comer as folhas. Após o quarto dia de contaminação, a lagarta praticamente não se alimenta da folhagem da planta e começa a ficar descolorida. O pico da mortalidade ocorre entre o sétimo e o nono dia após a aplicação do Baculovírus na lavoura, quando as lagartas ficam dependuradas nas partes mais altas das plantas. Após a morte as lagartas começam a escurecer e apodrecem (Alves et al., 1986). Material e Métodos: O ensaio foi conduzido em uma propriedade em Catalão durante os meses de setembro de 24 a julho de 25, com a implantação do cultivar BRS Verde A área experimental possuiu 4 m 2 contendo sete tratamentos com cinco blocos de repetição. O experimento apresentou os seguintes tratamentos: T 1 Testemunha (sem controle); T 2 Controle com Beauveria bassiana estirpe B12 na dosagem de 1 9 conídeos/ml; T 3 Controle com Beauveria bassiana estirpe B13 na dosagem de 1 9 conídeos/ml; T 4 Controle com Metharizium anisoplae na dosagem de 1 9 conídeos/ml; T 5 Controle com Bacillus thuringiensis na dosagem de 1 9 bastonetes/ml; T 6 Controle com Baculovírus anticarsia na dosagem de 1 9 poliedros/ml; T 7 Controle completo (B. bassiana + M. anisoplae + B. anticarsia + B. thuringiensis) na dosagem de 1 9 UI/ml de suspensão. O delineamento experimental foi o de blocos casualizados com 7 tratamentos e 5 blocos. O algodão foi plantado com espaçamento entre fileiras de,8 m e entre plantas de,1 cm. Cada parcela medirá 2,4 m de largura (4 linhas) por 2,5 m de comprimento (25 plantas/linha), totalizando 1 plantas/parcela. O algodão foi adubado com 4 kg/ha da formulação no plantio e 1 cobertura de 2 kg/ha de sulfato de amônio e 2 kg/ha

3 KCl. Foi feito o controle de plantas daninhas com enxada e as doenças foram controladas com fungicidas específicos. A aplicação foi feita quinzenalmente, com pulverizador manual utilizando 8 ml de suspensão por parcela, atingindo o solo e os nós das plantas. A amostragem foi feita quinzenalmente, utilizando duas plantas por parcela, avaliando ponteiros, caule, botões florais, flores, maçãs e capulhos. Resultados e discussão: a) Flutuação populacional de pulgões: Os pulgões, conforme Gallo et al., (22), causam danos aos ponteiros do algodoeiro durante os primeiros 6 dias após a emergência. Em Catalão, este conceito pôde ser observado, pois a infestação foi controlada após os 6 dias (figura 1). Figura 1 Flutuação populacional de pulgões (Myzus persicae e Aphis gossypii) no cultivar BRS Verde em Catalão-GO. Safra 24/ /11/4 4/12/4 12/12/4 2/12/4 27/12/4 3/1/5 11/1/5 19/1/5 28/1/5 27/2/5 Miranda & Suassuna (24) cita que os níveis de controle para pulgões são: 5% de plantas atacadas até os 8 DAE com 1-6 pulgões/planta. No cultivar BRS Verde plantado em Catalão o nível de controle foi atingido até 6 dias em quase todos os tratamentos com exceção do tratamento e. Os tratamentos e apresentaram os maiores picos populacionais, demonstrando uma eficiência menor nestes tratamentos do que nos demais tratamentos. b) Flutuação populacional de bicudo: Referido pela primeira vez no Brasil em fevereiro de 1983, no município de Jaguariúna (SP), esse inseto é considerado a principal praga dos algodoeiros nas Américas (Gallo et al., 22). O bicudo do algodoeiro, segundo Busoli et al., (1994), tem um comportamento muito particular em diversos aspectos, tais como a hibernação e sobrevivência na entressafra; população imigrante; população de estabelecimento e população emigrante. No algodoeiro BRS Verde plantado em Catalão apresentou uma população imigrante nas bordaduras e em pequenos focos, pois a região não possuía algodão em um raio de mais de 3 km e logo após o plantio iniciou-se a infestação (figura 2).

4 Figura 2 Flutuação populacional de bicudo (Anthonomus grandis) no cultivar BRS Verde em Catalão-GO. Safra 24/25. 1,6 1,2,8,4 27/11/4 11/12/4 25/12/4 8/1/5 22/1/5 5/2/5 19/2/5 Sendo o bicudo do algodoeiro uma das principais pragas, o nível de controle é muito baixo (1 bicudo/armadilha ou 1% dos botões atacados). No cultivar BRS Verde este nível populacional se manteve abaixo de 1 inseto/amostragem/tratamento, indicando que o controle, embora não tão eficiente, mas ocorreu um controle inicial do bicudo, no final do ciclo da cultura a população imigrante conseguiu se estabelecer e iniciou um crescimento. c) Flutuação populacional de ácaros: O complexo de ácaros do algodoeiro, composto pelo ácaro branco, ácaro rajado e ácaro vermelho, trazem prejuízos significativos, pois por serem insetos diminutos, seus efeitos só são percebidos quando as populações já estão estabelecidas. Figura 3 Flutuação populacional de ácaro branco (Polyphagotarsonemus latus) no cultivar BRS Verde em Catalão-GO. Safra 24/ ,5 1,5 27/11/4 4/12/4 12/12/4 2/12/4 27/12/4 3/1/5 11/1/5 19/1/5 28/1/5 27/2/5 O ácaro branco, segundo Miranda & Suassuna (22), é um organismo pequeno, semelhantes a aranhas, de cor esbranquiçada, muito móveis e de difícil visualização a olho nu. Localizam-se nas páginas inferiores das folhas, tendo preferência por folhas novas do ponteiro, lugares sombreados e lavouras adensadas. Os danos são caracterizados por folhas

5 escurecidas, coriáceas, com bordo virado para baixo; face superior da folha com aspecto vítreo; face inferior brilhante e rasgaduras das folhas. No cultivar BRS Verde o ácaro branco foi um problema somente na fase inicial da cultura, principalmente no tratamento (controle com Beauveria bassiana estirpe B13 na dosagem de 1 9 conídeos/ml). d) Flutuação populacional de percevejos: Os percevejos aparecem no algodoeiro a partir de 9 DAE, sendo seus prejuízos importantíssimos, pois eles são responsáveis pela queda de botões florais, flores e maçãs novas (shedding), quando sugam os ramos da planta. Sugando as maçãs, podem acarretar sua deformação (bico-de-papagaio). As maçãs nessa condição não se abrem normalmente, reduzindo consideravelmente a produção. Causam manchas na fibra pela deposição de fezes, além de causar podridões das fibras pela introdução de bactérias e fibras (Miranda & Suassuna, 24). No cultivar BRS Verde nenhum dos tratamentos utilizados nesta pesquisa conseguiram controlar eficientemente o percevejo rajado e o percevejo manchador. Figura 4 Flutuação populacional de percevejo rajado (Horcias nobilellus) e percevejo manchador (Dysderchus spp.) no cultivar BRS Verde em Catalão-GO. Safra 24/ ,8 1,6 1,4 1,2 1,8,6,4,2 27/11/4 4/12/4 12/12/4 2/12/4 27/12/4 3/1/5 11/1/5 19/1/5 28/1/5 27/2/5 e) Flutuação populacional de lagartas: O complexo de lagartas causam danos desde a implantação da cultura até a colheita. São cerca de seis gêneros de lepidópteros que atacam o algodoeiro. Neste experimento três gêneros de lagartas se destacaram, Spodoptera frugiperda, Alabama argillacea e Pectinophora gossypiella, que são respectivamente, lagarta-militar, curuquerê-do-algodoeiro e lagarta-rosada.

6 Figura 11 Flutuação populacional de lagartas (Alabama argillacea, Heliothis virescens e Pectinophora gossypiella) no cultivar BRS Verde em Catalão-GO. Safra 24/25. 1,6 1,2,8,4 27/11/4 4/12/4 12/12/4 2/12/4 27/12/4 3/1/5 11/1/5 19/1/5 28/1/5 27/2/5 No cultivar BRS Verde, em Catalão, as lagartas foram efetivamente controladas até o desenvolvimento das maçãs, quando a lagarta-rosada iniciou o ataque. Os tratamentos reduziram a população de lagarta-rosada pela metade, contudo não conseguiram controlar completamente esta praga. Conclusões: - A região possui uma baixa infestação natural de pragas; - O controle com inseticidas biológicos têm uma especificidade maior do que o inseticida químico. No caso deste experimento, o controle biológico foi mais efetivo para lepidópteros (lagartas) do que outras ordens de pragas Referências Bibliográficas: ALVES, S. B.(Org.). Controle Microbiano de Insetos. 2ª ed. Piracicaba: FEALQ, p. BUSOLI, A. C.; SOARES, J. J.; LARA, F. M. O bicudo do algodoeiro e seu manejo. Jaboticabal: FUNEP, p. COUTINHO, J. L. B.; CAVALCANTI, V. A. L. B. Utilização do fungo Beauveria bassiana no controle biológico do bicudo do algodoeiro em Pernambuco. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 23, n. 5, p , DEGRANDE, P. E. Guia prático de controle das pragas do algodoeiro. Dourados: UFMS. 62p GALLO, D., NAKANO, O., SILVEIRA NETO, S., CARVALHO, R.P.L., BATISTA, C.G. DE, BERTI FILHO, E., PARRA, J.R.P., ZUCCHI, R.A., ALVES, S.B., VENDRAMIM, J.D. Manual de Entomologia Agrícola, Ed. Agronômica Ceres, São Paulo, pp MIRANDA, J. E.; SUASSUNA, N. D. Guia de identificação e controle das principais pragas e doenças do algodoeiro. Goiânia: Fundação Goiás, p. SANTOS, W. J. Monitoramento e controle de pragas do algodoeiro. In CIA E.; FREIRE, E. C.; SANTOS, W. J. Cultura do algodoeiro. Piracicaba: Potafós, p

Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas.

Palavras-chaves: Algodão, controle biológico, levantamento de pragas. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GO IÁS CONTROLE DE PRAGAS DO ALGODOEIRO COLORIDO BRS MARROM COM INSETICIDAS BIOLÓGICOS EM IPAMERI - GO. Nilton Cezar Bellizzi,4 ; David Hudson lopes Junior,4 ; Roberli Ribeiro

Leia mais

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br.

Docente do Curso de Agronomia da Universidade Estadual de Goiás, Rua S7, s/n, Setor Sul, Palmeiras de Goiás GO. E-mail.: nilton.cezar@ueg.br. Avaliação de Pragas em uma Cultura de Milho para Produção de Sementes. BELLIZZI, N. C. 1, WINDER, A. R. S. 2, PEREIRA JUNIOR, R. D. 2 e BARROS, H. A. V. 2. 1 Docente do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

Cultura do algodoeiro (Gossypium ssp.)

Cultura do algodoeiro (Gossypium ssp.) Cultura do algodoeiro (Gossypium ssp.) Março de 2013 Originário da Ìndia Origem e histórico O algodoeiro americano teria sua origem no México e no Peru Em 1576, os índio usavam a pluma para fazer cama

Leia mais

& ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $""4

& ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $4 ! "#$""$% & ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $""4 1. INTRODUÇÃO As vespinhas pertencentes ao gênero Trichogramma são insetos diminutos (tamanho médio entre 0,2 a 1,5 mm) pertencentes à ordem Hymenoptera

Leia mais

da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos

da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos Atuação da Embrapa no campo da pesquisa e transferência de tecnologias alternativas ao uso de agrotóxicos Rose Monnerat Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Núcleo de Controle Biológico Autores Dra.

Leia mais

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim.

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. WINDER, A. R. S. da. 1, COUTO, L. P. P. 1, SILVA A. R. da. 2, BELLIZZI, N. C. 1 BARBOSA. E. S 1. 1 Docente e acadêmicos do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE

REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE Página 256 REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE Adriano Moraes Rezende¹ (Fundação Goiás /adrianomoares@fundacaogo.com.br), José Ednilson

Leia mais

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE)

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) B.C. Martins 1 ; F.S. Rocha 1,4 ; L.A. Ferreira 1,4 ; J.C.M.R. Silva 1,4 ; R.R. Guimarães

Leia mais

INSETICIDAS QUÍMICOS E MICROBIANOS NO CONTROLE DA LAGARTA-DO-CARTUCHO NA FASE INICIAL DA CULTURA DO MILHO

INSETICIDAS QUÍMICOS E MICROBIANOS NO CONTROLE DA LAGARTA-DO-CARTUCHO NA FASE INICIAL DA CULTURA DO MILHO INSETICIDAS QUÍMICOS E MICROBIANOS NO CONTROLE DA LAGARTA-DO-CARTUCHO NA FASE INICIAL DA CULTURA DO MILHO Gustavo Mamoré Martins Engenheiro Agrônomo. Mestrando em Agronomia (Sistemas de Produção) - UNESP/Faculdade

Leia mais

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2011/2012 levantamento divulgado em Abril/2012 Núcleo 1 Matrinchã, Jussara e região. Os trabalhos estão concentrados

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Insetário G.W.G. de Moraes PRAGAS DO ALGODOEIRO Germano Leão Demolin Leite Vinicius Matheus Cerqueira Bom dia pessoal! Hoje vamos falar

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

Efeito da época de plantio na produção e na ocorrência de pragas em culturas do algodoeiro (Gossypium hirsutum)

Efeito da época de plantio na produção e na ocorrência de pragas em culturas do algodoeiro (Gossypium hirsutum) Efeito da época de plantio na produção e na ocorrência de pragas em culturas do algodoeiro (Gossypium hirsutum) José Janduí Soares 1*, Marcele Santos Silva 2 e Rachel de Souza Melo 2 1 Empresa Brasileira

Leia mais

Desafios fitossanitários do cultivo da soja no Mercosul: INSETOS PRAGAS Desafios para o Brasil

Desafios fitossanitários do cultivo da soja no Mercosul: INSETOS PRAGAS Desafios para o Brasil Desafios fitossanitários do cultivo da soja no Mercosul: INSETOS PRAGAS Desafios para o Brasil Edson Hirose Embrapa Soja 1 As principais pragas Da Soja? 2 Principais pragas x fase de desenvolvimento da

Leia mais

Mas que negócio é esse de resistência de insetos?

Mas que negócio é esse de resistência de insetos? O milho Bt é obtido por meio da transformação genética de plantas de milho com genes da bactéria Bacillus thuringiensis, os quais promovem a expressão de proteínas com ação inseticida. Um trabalho que

Leia mais

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem.

Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. Influência do Espaçamento de Plantio de Milho na Produtividade de Silagem. DAMASCENO, T. M. 1, WINDER, A. R. da S. 2, NOGUEIRA, J. C. M. 3, DAMASCENO, M. M. 2, MENDES, J. C. da F. 2, e DALLAPORTA, L. N.

Leia mais

Palavras-chaves: Milho, controle químico e biológico, Spodoptera frugiperda.

Palavras-chaves: Milho, controle químico e biológico, Spodoptera frugiperda. CONTROLE DA LAGARTA-DO-CARTUCHO DO MILHO COM INSETICIDAS BIOLÓGICOS E QUÍMICOS. Wagner Cruvinel Ribeiro 1,3 ; Nilton Cezar Bellizzi 2,3 ; Diego do Amaral 1,3 ; Faber de Souza Pereira 1,3 ; Fabio Ferreira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE REFÚGIO SEMEANDO O FUTURO

A IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE REFÚGIO SEMEANDO O FUTURO A IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE REFÚGIO INTRODUÇÃO Desde o início da atividade agrícola e da domesticação das plantas há cerca de 9 mil anos, o homem realiza o melhoramento genético das plantas cultivadas com

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

Novos problemas de pragas

Novos problemas de pragas Novos problemas de pragas Pragas da parte aérea José Ednilson Miranda Embrapa Algodão Núcleo do Cerrado Sistema de Produção Novos problemas de pragas Cochonilha do algodoeiro Phenacoccus solenopsis Fotos:

Leia mais

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha

300 a 500 Cana-deaçúcar Diatraea saccharalis Broca-da-cana 100 a 150-300. - 50 Maçã. da-folha COMPOSIÇÃO: Novalurom 100 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Benzoilureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável (EC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA I - EXTREMAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: O RIMON

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1678-3867 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL DE GARÇA/FAEF ANO V, NÚMERO, 09, JUNHO DE 2006. PERIODICIDADE: SEMESTRAL

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Universidade Federal de Viçosa Departamento de Biologia Animal BAN 160 Entomologia Geral Manejo Integrado de Pragas Prof. Eliseu José G. Pereira eliseu.pereira@ufv.br O que é? Exemplos Organismo Praga

Leia mais

A cultura do Algodão

A cultura do Algodão UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais Curso de Agronomia Departamento de Fitotecnia A cultura do Algodão (Gossypium hirsutum L.) Prof. Lucio Zabot Santa Maria, Novembro de 2007

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 18 A 31 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 113 1 A utilização de tecnologias de aplicação como gotas oleosas, como UBV (Ultra Baixo Volume) e BVO

Leia mais

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL

Leia mais

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO PRODUÇÃO DE HONEYDEW POR INSETOS E SUAS RELAÇÕES COM A PEGAJOSIDADE

Leia mais

DINÂMICA DAS INFESTAÇÕES E ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DE PRAGAS MAURO T B SILVA

DINÂMICA DAS INFESTAÇÕES E ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DE PRAGAS MAURO T B SILVA DINÂMICA DAS INFESTAÇÕES E ESTRATÉGIAS NO CONTROLE DE PRAGAS MAURO T B SILVA O AMBIENTE AGRÍCOLA Fatores climáticos Plantas hospedeiras Pragas Práticas culturais MUDANÇA NAS PRÁTICAS CULTURAIS 1977 1987

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA Hugo de Almeida Dan 1, Alberto Leão de Lemos Barroso 2, Lilian Gomes de Moraes Dan 3, Alaeste Diniz da Silva Júnior 3, Cleriston

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda CURSO: Manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda 16 e 17/10/2012 infobibos.com.br Cenários

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 Produção de mudas e avaliação de características Agronômicas e químicas de mangarito (Xanthossoma

Leia mais

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DANOS, POSTURAS E ÍNDICE DE PARASITISMO DE Spodoptera frugiperda (J.E. SMITH) (LEP.: NOCTUIDAE), RELACIONADOS AOS ESTÁDIOS

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 80 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ALERTA PARA O CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO A presença do bicudo foi relatada e identificada

Leia mais

ADHESION LEVEL TO THE STRATEGIC PLAN OF CONTROL OF BOLL WEEVIL (Anthonomus grandis) IN DIFFERENT FARMS FROM THE REGION OF IPAMERI, GOIÁS

ADHESION LEVEL TO THE STRATEGIC PLAN OF CONTROL OF BOLL WEEVIL (Anthonomus grandis) IN DIFFERENT FARMS FROM THE REGION OF IPAMERI, GOIÁS NÍVEL DE ADESÃO AO PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE DO BICUDO-DO-ALGODOEIRO (Anthonomus grandis) EM DIFERENTES PROPRIEDADES NA REGIÃO DE IPAMERI, GOIÁS (*) Márcio Antônio de Oliveira e Silva (Fundação GO

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA Nome do Projeto: Efeito de Bacillus thuringiensis Berliner sobre a traça-dascrucíferas, Plutella xylostella (L.), na cultura de Brócolis, Brassica oleracea var. italica.

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Biotecnologias no algodoeiro: eficiência, custos, problemas e perspectivas

Biotecnologias no algodoeiro: eficiência, custos, problemas e perspectivas Biotecnologias no algodoeiro: eficiência, custos, problemas e perspectivas Gestão operacional de lavouras transgênicas nas fazendas: Eficiência e Custos Aurelio Pavinato CEO SLC Agrícola S.A. Agenda 1

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DE LAGARTAS DESFOLHADORAS NA CULTURA DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill) EM SANTA MARIA 1

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DE LAGARTAS DESFOLHADORAS NA CULTURA DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill) EM SANTA MARIA 1 DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DE LAGARTAS DESFOLHADORAS NA CULTURA DA SOJA (Glycine max (L.) Merrill) EM SANTA MARIA 1 STÜRMER, Glauber Renato 2 ; GUEDES, Jerson V. Carús 3 ; CARGNELUTTI FILHO, Alberto

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

PRAGAS E INSETOS BENÉFICOS DA SOJA

PRAGAS E INSETOS BENÉFICOS DA SOJA guia de campo de PRAGAS E INSETOS BENÉFICOS DA SOJA 2008 Alexandre de Sene Pinto José Roberto Postali Parra Heraldo Negri de Oliveira Patrocínio: Monsanto do Brasil Ltda. CP 2 1 Copyright, CP 2, 2008 aspinn@uol.com.br

Leia mais

12531 - Algodão em consórcios agroecológicos: uma alternativa para o agricultor familiar do Sertão do Araripe - PE

12531 - Algodão em consórcios agroecológicos: uma alternativa para o agricultor familiar do Sertão do Araripe - PE 12531 - Algodão em consórcios agroecológicos: uma alternativa para o agricultor familiar do Sertão do Araripe - PE Cotton Consortium Agroecology: An Alternative to the hinterland of the Family Farmer Araripe

Leia mais

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho.

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Magalhães, P. C.1, Durães,

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL ANO III / Nº 70 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 01 A 13 DE JANEIRO DE 2014 Este Relatório apresenta algumas informações negativas para a situação fitossanitária do algodão

Leia mais

Ensaio para avaliação de controle químico de pulgão-do-algodoeiro ( Aphis gossypii RESUMO

Ensaio para avaliação de controle químico de pulgão-do-algodoeiro ( Aphis gossypii RESUMO Ensaio para avaliação de controle químico de pulgão-do-algodoeiro (Aphis gossypii). Luis Alberto Aguillera 1, Alexandre Jacques Bottan 1. (1) Engenheiro Agrônomo, pesquisador do Departamento Técnico da

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

Comunicado Técnico 49

Comunicado Técnico 49 Comunicado Técnico 49 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Pragas da Fase Vegetativa e Reprodutiva Ivan Cruz 1 Paulo Afonso Viana José Magid Waquil Os danos causados pelas pragas

Leia mais

P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul

P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul P a n o r a m a dos insetos pragas das culturas de soja, milho e algodão na Defesa Sanitária Vegetal para Mato Grosso do Sul PAULO E. DEGRANDE Universidade Federal da Grande Dourados O CONVITE versus FALAR

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS DA CANA- DE AÇÚCAR NA PRÁTICA Resumo Bruno Pereira Santos 1 ; Profa. Dra. Ana Maria Guidelli Thuler 2 1, 2 Universidade de Uberaba bruno pereira santos 1, bpereiira955@gmail.com

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

RELATÓRIO. Instituição Executora: Agroteste - Pesquisa e Desenvolvimento Av: Dr. Jaime Ribeiro da Luz, 971 - Sala 59 38.408-188 - Uberlândia / MG.

RELATÓRIO. Instituição Executora: Agroteste - Pesquisa e Desenvolvimento Av: Dr. Jaime Ribeiro da Luz, 971 - Sala 59 38.408-188 - Uberlândia / MG. 1 RELATÓRIO A utilização de produtos naturais (Rocksil e Microgeo) associados a defensivos biológicos (Tricodermil, Boveril, Metarril e Bac Control) em programas de manejo integrado para produção sustentável

Leia mais

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Mamão PI-Mamão. Nº de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Nome do Produtor/Empresa: Município: Estado: CEP:

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Mamão PI-Mamão. Nº de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Nome do Produtor/Empresa: Município: Estado: CEP: Produção Integrada de Mamão PI-Mamão CADERNO DE CAMPO Nº de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Nome do Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: CEP: Telefone: Fax: E-mail: Home-Page: CP: Responsável

Leia mais

Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO

Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO Sala Especializada 4: Pragas emergentes no sistema algodoeiro PRODUÇÃO COMERCIAL DE PARASITÓIDES, PREDADORES E PATÓGENOS DE PRAGAS DO ALGODOEIRO Dirceu Pratissoli 1 1 Departamento de Produção Vegetal,

Leia mais

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS Samuel Eustáquio Morato Barbosa 1 ; Danival José de Sousa 2 ; 1 Aluno do Curso

Leia mais

Desenvolvimento de software para previsão do comportamento dos pesticidas no ambiente e seu impacto causado na fauna.

Desenvolvimento de software para previsão do comportamento dos pesticidas no ambiente e seu impacto causado na fauna. Desenvolvimento de software para previsão do comportamento dos pesticidas no ambiente e seu impacto causado na fauna. Adolfo Luís de CARVALHO 1 ; Vinícius Alves SILVA 2 ; Gustavo Rabelo Botrel MIRANDA

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005

ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005 37 ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005 Edilene Valente Alves (1), Joyce Cristina Costa (1), David Carlos Ferreira Baffa (2), Plínio César Soares (3),

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO Dionisio Link 1 Rodolpho Saenger Leal 2 RESUMO A avaliação econômica do controle preventivo das pragas iniciais da cultura do fumo

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 4 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre produção, área e produtividade de algodão

Leia mais

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES

APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES APLICAÇÃO FOLIAR DE ZINCO NO FEIJOEIRO COM EMPREGO DE DIFERENTES FONTES E DOSES DENIS AUGUSTO DE SOUSA 1,4, ROBERLI RIBEIRO GUIMARÃES 2,4, ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,4 RESUMO: À exceção de alguns trabalhos

Leia mais

Manejo Inicial de Pragas na Cultura do Milho Verão. Eng. Agro. Fabricio Bona Passini Gerente de Agronomia Unidade Comercial Sul

Manejo Inicial de Pragas na Cultura do Milho Verão. Eng. Agro. Fabricio Bona Passini Gerente de Agronomia Unidade Comercial Sul Manejo Inicial de Pragas na Cultura do Milho Verão Eng. Agro. Fabricio Bona Passini Gerente de Agronomia Unidade Comercial Sul Agenda Porque estamos tendo problemas com alta pressão inicial de pragas na

Leia mais

Índice. Página 1 de 10

Índice. Página 1 de 10 GRAVENA - Manejo Ecológico de Pragas Ltda. Consultoria Geral-Pesquisa-Treinamento PIONEIRA E ÚNICA NA AMÉRICA LATINA COM EXCLUSIVIDADE EM MEP Rodovia SP 253, Km 221,5 (Jaboticabal-Luiz Antônio), Caixa

Leia mais

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO MAURO BRAGA Pesquisador Sistemas agrícolas Insetos e ácaros na soja Insetos no milho Inseticidas: manejo melhor Sistemas agrícolas Sistemas agrícolas

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho Agronômico de Híbridos de Sorgo Biomassa Gutemberg de Aquiles Pereira 1, Rafael A. da C. Parrella 2, Nádia

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO NORDESTE BRASILEIRO KIT EQUIPAMENTOS PARA O PEQUENO PRODUTOR, ESPECIALMENTE DE ALGODÃO

AGRICULTURA FAMILIAR NO NORDESTE BRASILEIRO KIT EQUIPAMENTOS PARA O PEQUENO PRODUTOR, ESPECIALMENTE DE ALGODÃO AGRICULTURA FAMILIAR NO NORDESTE BRASILEIRO KIT EQUIPAMENTOS PARA O PEQUENO PRODUTOR, ESPECIALMENTE DE ALGODÃO Campina Grande, PB 2000 INTRODUÇÃO No Nordeste brasileiro, no caso específico da cotonicultura,

Leia mais

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Área: Fitossanidade ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Márcia Patrícia Paula Nascimento 1 ; Laysa Luna de Moura Carvalho 2 ; Paulo Henrique Soares da Silva 3. 1

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC RECURSOS NATURAIS

PROJETO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC RECURSOS NATURAIS PROJETO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC RECURSOS NATURAIS CURSO: MANEJO DE CULTURAS ANUAIS REGIONAIS CAMPUS: IF SERTÃO-PE Campus Floresta CARGA HORÁRIA: 160h PÚBLICO-ALVO: Técnicos agrícolas,

Leia mais

Objetivos desta tarde 04/03/2013. Helicoverpa no Sistema: dinâmica e controle difícil

Objetivos desta tarde 04/03/2013. Helicoverpa no Sistema: dinâmica e controle difícil Helicoverpa no Sistema: dinâmica e controle difícil MANEJO REGIONAL: proposta coletiva e de ampla adesão Paulo E. Degrande, UFGD Foto: R. Inoue Foto: Luciano Biancini Objetivos desta tarde Manejar a Helicoverpa

Leia mais

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Evaldo Kazushi Takizawa Engenheiro Agrônomo Ceres Consultoria Agronômica /GBCA 1 Temas Considerações iniciais.

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS EM CULTIVOS COMERCIAIS COMO ALTERNATIVA AO USO DE AGROTÓXICOS

CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS EM CULTIVOS COMERCIAIS COMO ALTERNATIVA AO USO DE AGROTÓXICOS CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS EM CULTIVOS COMERCIAIS COMO ALTERNATIVA AO USO DE AGROTÓXICOS Alan Martins de Oliveira Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN / Faculdade de Ciências Econômicas.

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 20 DE ABRIL A 17 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 112 1 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Na Região de Chapadão do Sul,

Leia mais

CONSUMO FOLIAR E SOBREVIVÊNCIA DE Diabrotica speciosa EM DIFERENTES LINHAGENS DE QUINOA

CONSUMO FOLIAR E SOBREVIVÊNCIA DE Diabrotica speciosa EM DIFERENTES LINHAGENS DE QUINOA Artigo Breve 1 CONSUMO FOLIAR E SOBREVIVÊNCIA DE Diabrotica speciosa EM DIFERENTES LINHAGENS DE QUINOA ALEXANDRE CABRERA ALMENDROS 1 ; NÁDIA CRISTINA DE OLIVEIRA 1 1 Faculdade Integrado de Campo Mourão.

Leia mais

RESULTADOS DE PESQUISA

RESULTADOS DE PESQUISA RESULTADOS DE PESQUISA 02 2013 ALTA INFESTAÇÃO DE LAGARTAS NA CULTURA DO MILHO BT Eng. Agr. M. Sc. José Fernando Jurca Grigolli 1 ; Eng. Agr. Dr. André Luis Faleiros Lourenção 2 INTRODUÇÃO As tecnologias

Leia mais

POPULAÇÃO DE PERCEVEJOS PENTATOMÍDEOS EM PLANTAS HOSPEDEIRAS EM LAVOURAS DE SEQUEIRO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

POPULAÇÃO DE PERCEVEJOS PENTATOMÍDEOS EM PLANTAS HOSPEDEIRAS EM LAVOURAS DE SEQUEIRO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL POPULAÇÃO DE PERCEVEJOS PENTATOMÍDEOS EM PLANTAS HOSPEDEIRAS EM LAVOURAS DE SEQUEIRO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PASINI, Mauricio Paulo Batistella Pasini 1 ; LINK, Dionisio 1, SCAICH,

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

INTRODUÇÃO. Márcio Adonis Miranda Rocha 1, David dos Santos Martins 1, Rita de Cássia Antunes Lima 2

INTRODUÇÃO. Márcio Adonis Miranda Rocha 1, David dos Santos Martins 1, Rita de Cássia Antunes Lima 2 LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DAS PLANTAS DANINHAS, NA CULTURA DO MAMÃO, SOB DIFERENTES SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO, NOS MUNICÍPIOS DE LINHARES E SOORETAMA - ES Márcio Adonis Miranda Rocha 1, David dos Santos

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Efeito da iluminação noturna na prevenção de injúrias causadas por Neoleucinodes elegantalis (Broca-pequena-do-tomateiro) Francisco Vagner Pereira de SOUZA¹; Silvério Augusto de PAULA²; Paulino da Cunha

Leia mais

CAPTURA DE Tuta absoluta (Meyrick) (LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE) COM ARMADILHA LUMINOSA NA CULTURA DO TOMATEIRO TUTORADO 1

CAPTURA DE Tuta absoluta (Meyrick) (LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE) COM ARMADILHA LUMINOSA NA CULTURA DO TOMATEIRO TUTORADO 1 CAPTURA DE Tuta absoluta (Meyrick) (LEPIDOPTERA: GELECHIIDAE) COM ARMADILHA LUMINOSA NA CULTURA DO TOMATEIRO TUTORADO 1 Aline Cavalcante Rodrigues de Oliveira 2, Valquíria da Rocha Santos Veloso 2, Rosana

Leia mais

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE

7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 7.5. PRINCIPAIS PRAGAS DO MILHO E SEU CONTROLE 1 Pragas de solo 1.1 - Cupins Importância econômica -se alimentam de celulose e possuem hábitos subterrâneos. Sintomas de danos -Atacam as sementes, destruindo-as

Leia mais

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia INTRODUÇÃO Laboratório de Fitopatologia e a Clínica de Doenças de Plantas atuam em 4 áreas:

Leia mais

Controle biológico de insetos pragas

Controle biológico de insetos pragas Controle biológico de insetos pragas Milton Erthal Junior IFF Guarus Resumo O controle biológico de insetos nocivos é uma técnica ambientalmente correta e deve ser considerada como uma ferramenta no Manejo

Leia mais