RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI"

Transcrição

1 0 RESOLUÇÃO Nº 15/09 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ, mantido pela Fundação Educacional Regional Jaraguaense FERJ, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias, e considerando a aprovação do Parecer nº 17/09/CONSUNI, em sessão realizada no dia 06 de outubro de 2009, RESOLVE: Art. 1º Aprovar a alteração do Estatuto do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ. Art. 2º O Estatuto anexo a esta Resolução entrará em vigor na data de sua homologação pelo Conselho Curador da FERJ, dando-se ciência de seu teor ao Conselho Estadual de Educação do Estado de Santa Catarina, no prazo de 30 (trinta) dias. Art. 3º Ficam revogados o Estatuto da UNERJ, aprovado em 28 de fevereiro de 2005, e as demais disposições em contrário. Art. 4º Essa Resolução entra em vigor nesta data. Jaraguá do Sul, 06 de outubro de Profª PEDRA SANTANA ALVES Presidente

2 1 ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ Jaraguá do Sul, SC, 06 de outubro de 2009.

3 2 SUMÁRIO TÍTULO I DA ENTIDADE... 4 CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO... 4 CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS... 5 CAPÍTULO III DOS FINS... 5 CAPÍTULO IV DA AUTONOMIA... 6 TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-CIENTÍFICA... 6 CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS... 6 CAPÍTULO II DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA... 7 Seção I Da Administração Superior... 7 Subseção I Do Conselho Universitário... 7 Subseção II Da Reitoria... 9 Subseção III Da Escolha e Nomeação do Reitor... 9 Seção II Da Administração Acadêmica Subseção I Da Diretoria de Registros Acadêmicos Subseção II Do Colegiado de Centro de Ensino Subseção III Do Colegiado de Curso de Graduação Subseção IV Da Coordenação de Curso de Graduação Subseção V Da Coordenação de Pós-Graduação Subseção VI Da Coordenação de Pesquisa, Extensão e Relações Interinstitucionais Seção III Da Administração de Infra-Estrutura e Financeira Seção IV Dos Órgãos Suplementares Subseção I Dos Laboratórios Subseção II Da Biblioteca Central Subseção III Do Núcleo de Educação a Distância CAPÍTULO III DO ENSINO... 13

4 3 Seção I Das Modalidades e Níveis de Ensino Seção II Da Pesquisa, da Extensão e das Relações Interinstitucionais Seção III Da Comunidade Acadêmica TÍTULO III DO PATRIMÔNIO E DO REGIME FINANCEIRO TÍTULO IV DAS RELAÇÕES COM A ENTIDADE MANTENEDORA TÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS... 16

5 4 ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JARAGUÁ DO SUL UNERJ TÍTULO I DA ENTIDADE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art. 1º O Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ, doravante denominado UNERJ, é um estabelecimento de Educação Superior, com sede em Jaraguá do Sul Santa Catarina, mantido pela Fundação Educacional Regional Jaraguaense FERJ, sendo esta entidade, submetida a regime de direito privado, instituída pela Lei Municipal Nº 439, de 31 de agosto de 1973 e Decreto Nº 280, de 31 de agosto de 1973, de caráter comunitário, filantrópico e cultural, sem fins lucrativos, com sede e foro na Cidade de Jaraguá do Sul, Estado de Santa Catarina, na rua dos Imigrantes, 500 e com seu Estatuto inscrito no Registro Civil das Pessoas Jurídicas do Cartório do Primeiro Distrito e Sede da Comarca de Jaraguá do Sul, Santa Catarina, Brasil. Parágrafo único. A UNERJ é regida: I pela Legislação da Educação Superior; II pelo Estatuto da Fundação; III pelos Princípios do Humanismo Cristão; IV por este Estatuto; V pelo Regimento Geral; VI por Atos Normativos Internos. Art. 2º A UNERJ tem prazo de duração indeterminado. Art. 3º A UNERJ desenvolverá suas atividades de ensino, integradas à pesquisa e à extensão, atendida a legislação. Art. 4º A UNERJ goza de autonomia didático-científica, administrativa e disciplinar, nos termos da legislação, deste Estatuto e do Regimento Geral. Art. 5º A UNERJ tem por finalidade promover a educação, a filosofia, a cultura, a ciência, a tecnologia, as letras, as artes, os valores éticos e o bem-estar coletivo.

6 5 CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Art. 6º A UNERJ tem por objetivo: I promover a formação integral do homem, de acordo com os princípios de liberdade e responsabilidade; II promover, por meio de suas atividades de ensino, pesquisa e extensão, o desenvolvimento harmônico e integrado da comunidade local e regional; III promover o ensino e a aprendizagem nos diversos campos do conhecimento humano; IV promover a iniciação à pesquisa e o desenvolvimento cultural; V estender à sociedade os serviços indissociáveis às atividades de ensino, de pesquisa e de extensão; VI promover os valores culturais, o espírito crítico e o conhecimento por todos os meios ao seu alcance; VII contribuir com o desenvolvimento social, articulando-se com os poderes públicos e com a sociedade. CAPÍTULO III DOS FINS Art. 7º Para alcançar os fins, a UNERJ deverá: I propiciar condições adequadas de ensino e de aprendizagem e desenvolver atividades de iniciação à pesquisa e de extensão, dentro dos princípios de liberdade, igualdade, dignidade e respeito aos valores humanos; II organizar-se de modo a poder oferecer metodologia de ensino flexível e dinâmica, projetada para a promoção do bem-estar individual e da comunidade; III conveniar-se e manter intercâmbio didático, cultural, científico, administrativofinanceiro e de cooperação técnica com entidades nacionais e estrangeiras; IV desenvolver atividades em sintonia com as aspirações e necessidades da comunidade; V ampliar as oportunidades de aprendizagem e o acesso ao conhecimento pelas possibilidades decorrentes das novas tecnologias de informação e comunicação.

7 6 CAPÍTULO IV DA AUTONOMIA Art. 8º A autonomia de que trata o artigo 4º deste Estatuto, consiste em: I quanto à autonomia acadêmica: a) estabelecer sua política de ensino, pesquisa e extensão; b) criar cursos em sua sede ou fora dela, estabelecer ou alterar o número de vagas, organizar e modificar os currículos, na forma da legislação; c) interagir com entidades de ensino, culturais ou científicas, nacionais ou estrangeiras; d) estabelecer seu regime escolar e didático; e) fixar critérios para seleção, admissão, promoção e habilitação de discentes; f) conferir graus, diplomas, certificados e títulos. II quanto à autonomia administrativa: a) aprovar, nos termos da legislação, o seu Estatuto, a ser homologado pela Mantenedora, bem como o Regimento Geral, seus atos normativos e demais regulamentos internos; b) administrar o patrimônio colocado a sua disposição e sob sua responsabilidade; c) propor e administrar o orçamento anual, aprovado pela mantenedora. III quanto à autonomia disciplinar: fixar, nos termos da legislação, os direitos e deveres de seus corpos docente, discente e técnico-administrativo e dos usuários dos seus serviços. TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-CIENTÍFICA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art. 9º Para atendimento de seus fins, A UNERJ adota os seguintes princípios: I unidade de patrimônio e administração; II estruturação orgânica em Centros de Ensino e Cursos, ligada à Administração Acadêmica;

8 7 III busca permanente de integração entre as funções do ensino, da pesquisa e da extensão, objetivando a plena utilização de seus recursos materiais e humanos; IV flexibilidade de métodos e critérios, em atenção às diferenças entre alunos, às peculiaridades da Instituição, da região e do mercado de trabalho, bem como às circunstâncias ou características específicas. CAPÍTULO II DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA Art. 10. A estrutura administrativa da UNERJ compõe-se de: I Administração Superior, através: a) Conselho Universitário CONSUNI; b) Reitoria, compreendendo: o Reitor, o Vice-Reitor, a Chefia de Gabinete, a Pró- Reitoria Acadêmica e a Pró-Reitoria de Administração. II Administração Acadêmica: a) Pró-Reitoria Acadêmica: 1. Diretoria de Registros Acadêmicos; 2. Colegiado de Centro de Ensino; 3. Colegiado de Curso de Graduação; 4. Coordenação de Curso de Graduação; 5. Coordenação de Pós-Graduação; 6. Coordenação de Pesquisa, Extensão e Relações Interinstitucionais. III Administração da Infraestrutura e Financeira: a) Pró-Reitoria de Administração: 1. Diretoria Administrativo-Financeira. IV Órgãos Suplementares. Seção I Da Administração Superior Subseção I Do Conselho Universitário Art. 11. O Conselho Universitário - CONSUNI, órgão máximo de natureza normativa, consultiva, deliberativa e jurisdicional da UNERJ, em assuntos de planejamento e administração geral, em matéria de ensino, pesquisa e extensão, é constituído por: I Reitor;

9 8 II Vice-Reitor; III - Pró-Reitores; IV Chefe de Gabinete; V todos os Coordenadores de Curso de Graduação, limitados ao número de quinze; VI as Coordenações dos setores de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Relações Interinstitucionais ou seus representantes; VII um representante do corpo docente por Centro de Ensino, indicados pelos respectivos Colegiados de Centro; VIII um representante do corpo discente por Centro de Ensino ou seus respectivos suplentes, indicados pelo Diretório Central dos Estudantes; IX um representante da comunidade; X um representante do poder público; XI um representante do Corpo Técnico-Administrativo da UNERJ, indicado por seus pares. 1º Todos os membros serão nomeados pelo Presidente do CONSUNI. 2º Os Conselheiros representantes terão mandato de 2 (dois) anos, permitida recondução, exceto representação discente que terá mandato de 1 (um) ano, permitida recondução. 3º A Presidência será exercida pelo Reitor, que terá direito ao voto de qualidade. 4º O funcionamento do CONSUNI será regido por Regulamento próprio. Art. 12. Ao CONSUNI compete: I exercer jurisdição superior da UNERJ em matéria acadêmica, administrativa, e disciplinar; II aprovar as diretrizes e políticas da UNERJ e supervisionar sua execução; III opinar sobre a política de expansão da UNERJ; IV alterar e aprovar o Estatuto, a ser homologado pela Mantenedora, bem como o Regimento Geral; V outorgar títulos honoríficos ou de benemerência; VI instituir bandeiras, flâmulas, brasões e outros símbolos, no âmbito da UNERJ; VII homologar os atos do Reitor praticados de forma ad referendum deste Conselho; VIII aprovar seu Regulamento Interno; IX criar, autorizar, implantar, expandir, modificar, suspender e extinguir cursos em todos os níveis e modalidades da educação na sede ou fora dela, de acordo com a legislação,

10 9 X aprovar as normas sobre processo seletivo discente, horários e turnos de funcionamento dos cursos, matrícula, transferência de alunos, verificação de rendimento escolar, estágios curriculares, cancelamento e trancamento de matrícula, regime excepcional, aproveitamento de estudos, além de outras normas no âmbito de suas competências; XI aprovar os currículos de cursos, bem como suas reformas e alterações; XII deliberar sobre questões de ensino, pesquisa e extensão omissas neste Estatuto. Subseção II Da Reitoria Art. 13. A Reitoria, órgão executivo superior, é exercida pelo Reitor que administra, coordena, supervisiona e controla todas as atividades da UNERJ e compreende: Vice-Reitor, Pró-Reitores e Chefe de Gabinete. Art. 14. A Reitoria exerce as atividades acadêmicas, administrativas e executivas da UNERJ, por meio das Pró-Reitorias e da Chefia de Gabinete. Art. 15. O Vice-Reitor, os Pró-Reitores e o Chefe de Gabinete da Reitoria, são nomeados pelo Conselho Curador da Fundação Educacional Regional Jaraguaense FERJ, mediante indicação do Reitor, podendo ser destituídos a qualquer tempo. 1º O Vice-Reitor substitui o Reitor nos seus impedimentos. 2º A Chefia de Gabinete assessora e apoia o Reitor na execução das políticas da UNERJ e as atividades por ele delegadas. 3º A Pró-Reitoria Acadêmica é o órgão executivo que gerencia a política institucional em todos os níveis e modalidades de ensino, pesquisa e extensão, sendo condição para o exercício do cargo de Pró-Reitor Acadêmico, fazer parte do Corpo Docente da UNERJ há mais de 2 (dois) anos ou experiência em função administrativa acadêmica comprovada. 4º A Pró-Reitoria de Administração é órgão de execução administrativa, cuja competência é centralizar as atividades de administração de pessoal, material, contábil, financeira e patrimonial da UNERJ. 5º As atribuições dos órgãos integrantes e de ação executiva da Reitoria estarão previstas no Regimento Geral da UNERJ. Subseção III Da Escolha e Nomeação do Reitor

11 10 Art. 16. O Reitor da UNERJ será escolhido e nomeado pelo Conselho Curador da mantenedora. Art. 17. O Reitor da UNERJ terá mandato de 4 (quatro) anos, com início no primeiro dia útil do mês de fevereiro, permitida a recondução. Seção II Da Administração Acadêmica Art. 18. A administração acadêmica da UNERJ far-se-á através da Pró-Reitoria Acadêmica, apoiada por: I Diretoria de Registros Acadêmicos; II Colegiado de Centro de Ensino; III Colegiado de Curso de Graduação; IV Coordenação de Curso de Graduação; V Coordenação de Pós-Graduação; VI Coordenação de Pesquisa, Extensão e Relações Interinstitucionais. Subseção I Da Diretoria de Registros Acadêmicos Art. 19. A Diretoria de Registros Acadêmicos, subordinada à Pró-Reitoria Acadêmica, é o órgão responsável pelo registro, guarda, manutenção e atualização permanente dos assentamentos da vida acadêmica discente. Art. 20. A Diretoria de Registros Acadêmicos está a cargo de um Diretor, indicado pelo Pró-Reitor Acadêmico e nomeado pelo Reitor. Subseção II Do Colegiado de Centro de Ensino Art. 21. O Centro de Ensino é a unidade acadêmica que abriga cursos e programas de áreas afins. 1º Os Centros de Ensino são: I Centro de Educação e Letras; II Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Jurídica;

12 11 III Centro de Tecnologia e Artes. 2º Conforme o crescimento e a expansão da UNERJ, outros Centros de Ensino poderão ser criados ou desmembrados. Art. 22. O Colegiado de Centro de Ensino é órgão consultivo da Pró-Reitoria Acadêmica em matéria de ensino, pesquisa e extensão, sendo constituído por: I Pró-Reitor Acadêmico (presidente); II pelos Coordenadores de cada curso integrante do Centro de Ensino; III por um representante docente de cada curso integrante do Centro de Ensino; IV por um representante discente de cada curso integrante do Centro de Ensino; Subseção III Do Colegiado de Curso de Graduação Art. 23. O Colegiado de Curso de Graduação é órgão consultivo e deliberativo da Coordenação de Curso em matéria de ensino, pesquisa e extensão, sendo constituído por: I Coordenador de Curso (presidente); II corpo docente do curso; III representantes discentes na proporção de 1/5 do número de docentes do curso. Subseção IV Da Coordenação de Curso de Graduação Art. 24. A Coordenação de Curso de Graduação, subordinada à Pró-Reitoria Acadêmica, é órgão executivo que planeja, organiza, coordena e supervisiona as atividades de ensino, pesquisa, extensão e disciplinares no âmbito do curso, observadas a legislação, as políticas, diretrizes, normas e procedimentos determinados pelos órgãos executivos e deliberativos da UNERJ. Parágrafo único. O Coordenador de Curso de Graduação será indicado pelo Pró- Reitor Acadêmico e nomeado pelo Reitor. Subseção V Da Coordenação de Pós-Graduação

13 12 Art. 25. A Coordenação de Pós-Graduação, apoiada pela Coordenação de Curso de Graduação e vinculada à Pró-Reitoria Acadêmica, é órgão que planeja, coordena e supervisiona as atividades de ensino de pós-graduação, observadas as políticas, diretrizes e normas da UNERJ. Art. 26. O Coordenador de Pós-Graduação será indicado pelo Pró-Reitor Acadêmico e nomeado pelo Reitor. Subseção VI Da Coordenação de Pesquisa, Extensão e Relações Interinstitucionais Art. 27. A Coordenação de Pesquisa, Extensão e Relações Interinstitucionais, subordinada à Pró-Reitoria Acadêmica, é órgão que planeja, coordena e supervisiona atividades de pesquisa e extensão, associando alunos, professores, pessoal técnico-administrativo e comunidade. Parágrafo único. O Coordenador de Pesquisa, Extensão e Relações Interinstitucionais será indicado pelo Pró-Reitor Acadêmico e nomeado pelo Reitor. Seção III Da Administração de Infra-Estrutura e Financeira Art. 28. A administração de Infra-Estrutura e Financeira da UNERJ far-se-á através da Pró-Reitoria de Administração, apoiada pela Diretoria Administrativo-Financeira. Parágrafo único. A Diretoria Administrativo-Financeira está a cargo de um Diretor, indicado pelo Pró-Reitor de Administração e nomeado pelo Reitor. Seção IV Dos Órgãos Suplementares Art. 29. São órgãos suplementares da UNERJ, subordinados à Pró-Reitoria Acadêmica: I Laboratórios; II Biblioteca Central; III Núcleo de Educação a Distância. Parágrafo único. Outros órgãos suplementares poderão ser criados, em função das necessidades da UNERJ.

14 13 Subseção I Dos Laboratórios Art. 30. As competências, estrutura e funcionamento dos Laboratórios serão especificados em regulamento próprio. Subseção II Da Biblioteca Central Art. 31. A Biblioteca Central, órgão subordinado à Pró-Reitoria Acadêmica, é responsável pelo contínuo provimento, guarda, manutenção, atualização e divulgação do acervo e da produção científica e cultural da UNERJ, constituindo-se em foco de cultura, de informação e de conhecimento, podendo apoiar e desenvolver programas e projetos de incentivo à cultura em geral, à leitura e à formação de leitores. Art. 32. As competências, estrutura e funcionamento da Biblioteca Central serão especificados em regulamento próprio. Subseção III Do Núcleo de Educação a Distância Art. 33. O Núcleo de Educação a Distância abriga cursos e atividades na modalidade de ensino a distância. Art. 34. As competências, estrutura e funcionamento do Núcleo de Educação a Distância serão especificados em regulamento próprio. CAPÍTULO III DO ENSINO Seção I Das Modalidades e Níveis de Ensino Art. 35. O ensino na UNERJ compreende as modalidades presencial, não presencial e a distância, abrangendo os seguintes níveis: I educação básica;

15 14 II educação profissional; III educação superior. 1º A educação básica, integrada pela educação infantil, pelo ensino fundamental, pelo ensino médio e pela educação de jovens e adultos, tem por finalidade desenvolver o educando, assegurando-lhe a formação indispensável ao exercício da cidadania. 2º A educação profissional é integrada aos diversos níveis de ensino, ao trabalho, à ciência e à tecnologia e conduz permanente desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva e fornece-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores. 3º A educação superior abrange os seguintes cursos e programas: I cursos sequenciais oferecidos por campos específicos de saber, em diferentes níveis de abrangência e abertos a candidatos que atendam aos requisitos estabelecidos em resolução específica; II cursos de graduação abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo; III cursos de pós-graduação abrangendo programas stricto sensu e lato sensu, abertos a candidatos oriundos de curso superior e que atendam as exigências estabelecidas em Edital próprio. Seção II Da Pesquisa, da Extensão e das Relações Interinstitucionais Art. 36. A UNERJ desenvolverá a pesquisa como princípio educativo e científico, integrada ao ensino e à extensão. Art. 37. A extensão é a ação desenvolvida pela UNERJ na comunidade, através da qual se consolidam as atividades de ensino e pesquisa, associando alunos, professores, pessoal técnico-administrativo e a comunidade. Seção III Da Comunidade Acadêmica Art. 38. A Comunidade Acadêmica é formada: I pelo Corpo Docente; II pelo Corpo Discente; III pelo Corpo Técnico-Administrativo.

16 15 Art. 39. A comunidade acadêmica submete-se à Lei, ao Estatuto da mantenedora, a este Estatuto, ao Regimento Geral, às demais normas internas e às autoridades acadêmicas. Art. 40. Os membros do corpo docente e técnico-administrativo da UNERJ serão contratados pela mantenedora, observados os critérios fixados pelo seu Conselho Curador, pelo seu Plano de Carreira, Cargos e Salários, por este Estatuto, pelo CONSUNI e pelas normas trabalhistas em vigor. TÍTULO III DO PATRIMÔNIO E DO REGIME FINANCEIRO Art. 41. A UNERJ, para realização de seus fins, utiliza-se dos bens postos à sua disposição pela mantenedora, podendo, ainda, receber outros recursos. Art. 42. Os recursos podem ser provenientes de: I subvenções ou contribuições de pessoas físicas ou jurídicas públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras, respeitadas as exigências legais; II mensalidades, semestralidades, anuidades, taxas e contribuições em contrapartida a atividades e serviços prestados pela UNERJ; III alienação, empréstimo, financiamentos, auxílios e convênios; IV doações e legados; V aluguéis; VI demais receitas provenientes da renda sobre bens patrimoniais; Parágrafo único. Para fins de administração dos bens, a UNERJ obedecerá ao que dispõe o Estatuto da mantenedora. Art. 43. O exercício financeiro coincide com o ano civil. TÍTULO IV DAS RELAÇÕES COM A ENTIDADE MANTENEDORA Art. 44. A FERJ responde pela UNERJ, nos termos de seu Estatuto. Art. 45. A administração orçamentária, financeira e de pessoal poderá ser exercida pelo Reitor da UNERJ, por delegação da mantenedora.

17 16 TÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art. 46. Este Estatuto poderá ser modificado pelo Conselho Universitário CONSUNI mediante proposta fundamentada pelo Reitor ou por 1/3 (um terço) de seus membros, em reunião extraordinária, especialmente convocada para este fim. 1º As alterações estatutárias serão aprovadas por 2/3 (dois terços) dos votos dos membros do CONSUNI. 2º As alterações dependerão da homologação da mantenedora. Art. 47. Os membros do CONSUNI exercerão suas atividades como conselheiros sem qualquer remuneração. Art. 48. Os cargos executivos podem ser cumulados, em caráter excepcional, não implicando acúmulo de remuneração. Art. 49. As taxas e anuidades acadêmicas serão aprovadas pela mantenedora. Art. 50. É vedado em nome da UNERJ, promover ou autorizar quaisquer manifestações de caráter político-partidário. Art. 51. É da competência exclusiva do Reitor a divulgação de toda e qualquer publicação de caráter institucional de interesse da UNERJ. Art. 52. Fica assegurado ao atual Reitor eleito o cumprimento do seu mandato. Art. 53. As Pró-Reitorias poderão ser desmembradas, mediante aprovação do CONSUNI e do Conselho Curador da mantenedora. Art. 54. Os casos omissos neste Estatuto serão resolvidos, segundo sua natureza, pela aplicação da legislação ou por deliberação do CONSUNI e, em caso de urgência, por decisão do Reitor, ad referendum do órgão competente. Art. 55. Este Estatuto entrará em vigor na data de sua homologação pelo Conselho Curador da FERJ, dando-se ciência de seu teor ao Conselho Estadual de Educação do Estado de Santa Catarina, no prazo de 30 (trinta) dias. Art. 56. Fica revogado o Estatuto da UNERJ, aprovado em 28 de fevereiro de 2005, e as demais disposições em contrário. Jaraguá do Sul, SC, 06 de outubro de 2009.

18 17 Profª PEDRA SANTANA ALVES Presidente do Conselho Universitário

RESOLUÇÃO Nº 49/12 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 49/12 CONSUNI 0 RESOLUÇÃO Nº 49/12 CONSUNI Altera dispositivo do art. 18 do Estatuto do Centro Universitário Católica de Santa Catarina em Joinville e acrescenta os 1º e 2º ao art. 19. O Conselho Universitário CONSUNI

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

ESTATUTO. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI

ESTATUTO. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Rodovia BR 470 - Km 71 - n o 1.040 Bairro Benedito Caixa Postal 191 89130-000 Indaial/SC Fone (47) 3281-9000 Fax (47) 3281-9090

Leia mais

ESTATUTO CONSTITUTIVO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS

ESTATUTO CONSTITUTIVO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS ESTATUTO CONSTITUTIVO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS Primeira Alteração - Conforme Lei N 1.160, Junho de 2000, Decreto N 1.672, Dezembro de 2002, e Lei N 1478/04 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO

ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO ESTATUTO DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICADO ESPÍRITO SANTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art. 1 O Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo - CEFET-ES, com sede na cidade

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário de Castanhal. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.290, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto nº 4.504, de 09 de Dezembro

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

Reestrutura as Universidades Estaduais da Bahia e dá outras providências

Reestrutura as Universidades Estaduais da Bahia e dá outras providências LEI 7.176/97 DE 10 DE SETEMBRO DE 1997 Reestrutura as Universidades Estaduais da Bahia e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I

RESOLUÇÃO: JOÃO GRANDINO RODAS Reitor. RUBENS BEÇAK Secretário Geral REGIMENTO DA ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO TÍTULO I Page 1 of 13 RESOLUÇÃO Nº 6311, DE 6 DE JULHO DE 2012. (D.O.E. - 11.07.2012) Baixa o Regimento da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. O Reitor da Universidade de São Paulo, usando de suas atribuições

Leia mais

REGIMENTO GERAL TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO GERAL TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO GERAL TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. O presente Regimento Geral disciplina os aspectos de organização e funcionamento comuns dos órgãos, Faculdades e serviços da Universidade de Rio

Leia mais

FUNDAÇÃO CULTURAL DE CAMPOS CENTRO UNIVERSITÁRIO FLUMINENSE - UNIFLU ESTATUTO DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

FUNDAÇÃO CULTURAL DE CAMPOS CENTRO UNIVERSITÁRIO FLUMINENSE - UNIFLU ESTATUTO DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO FUNDAÇÃO CULTURAL DE CAMPOS CENTRO UNIVERSITÁRIO FLUMINENSE - UNIFLU ESTATUTO DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art. 1º - O Centro Universitário Fluminense (UNIFLU), credenciado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Documento

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO DO PARANÁ

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO DO PARANÁ ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO DO PARANÁ CURITIBA 2005 1 PORTARIA Nº 3.817, DE 1º DE NOVEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando da competência que lhe foi delegada pelos Decretos

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) (alterada pela Resolução Consepe n.º 24/2011) N.º 09/2010 Dispõe sobre as normas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010)

REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010) 0 REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE CATÓLICA SANTA TERESINHA 2010 A 2014 (Aprovado pela Resolução 005/2010-CONSUPE/FCST, 14/07/2010) CAICÓ-RN 2010 1 SUMÁRIO TÍTULO I: DA INSTITUIÇÃO, DAS SUAS DIRETRIZES PEDAGÓGICAS

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana Gabinete da Reitoria

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino-Americana Gabinete da Reitoria ESTATUTO TÍTULO I DA UNIVERSIDADE Art.1 - A (UNILA), com sede na cidade de Foz de Iguaçu, é uma autarquia federal, mantida pela União, dotada de autonomia didático-científica, administrativa, disciplinar

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ 1 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º O presente Regimento Geral da Universidade Estadual do Paraná UNESPAR autarquia estadual de regime especial,

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ 2011 Brusque - SC SUMÁRIO TITULO I DA FACULDADE SÃO LUIZ E SEUS OBJETIVOS... Art.1 o Art.3º TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA CAPÍTULO I Dos Órgãos... Art.4 o CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 41/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 41/2011 RESOLUÇÃO Nº 41/2011 Aprova o Regimento do Centro Cultural Pró-Música. O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, considerando o que consta do Processo 23071.008731/2009-10

Leia mais

ÍNDICE TÍTULO l TÍTULO ll TÍTULO III TÍTULO IV TITULO V TÍTULO VI TÍTULO VII TÍTULO VIII

ÍNDICE TÍTULO l TÍTULO ll TÍTULO III TÍTULO IV TITULO V TÍTULO VI TÍTULO VII TÍTULO VIII ÍNDICE TÍTULO l - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E OBJETIVOS 01 CAPÍTULO l - DA DENOMINAÇÃO E SEDE 01 CAPÍTULO ll - DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS 01 TÍTULO ll - DA ORGANIZACÃO INSTITUCIONAL 02 CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 48/12 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 48/12 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 48/12 CONSUNI Altera dispositivos dos arts. 10, 14, 17, 21 e 69 do Regimento Geral do Centro Universitário Católica de Santa Catarina em Joinville e acrescenta os arts. 18-A, 18-B e 22-A.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.727, de 13 de junho de 2002 TÍTULO I Da Mantida e da Entidade Mantenedora Art. 1º. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia com

Leia mais

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp Resolução Unesp-38, de 10-9-2008 Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista o deliberado

Leia mais

ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ

ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ APROVAÇÃO ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Decreto nº 72.140, de 26 de abril de 1973 D.O.U de 27/04/73 ALTERAÇÕES POSTERIORES - Portaria nº 453, de 30/05/78, do Ministério de Educação e Cultura

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 29/08-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 29/08-CEPE RESOLUÇÃO Nº 29/08-CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ VERSÃO PRELIMINAR TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ VERSÃO PRELIMINAR TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR 1 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ VERSÃO PRELIMINAR TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º O presente Regimento Geral da Universidade Estadual do Paraná UNESPAR autarquia estadual

Leia mais

TÍTULO I Da Natureza da Universidade

TÍTULO I Da Natureza da Universidade ESTATUTO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR (Alterado pela Resolução 012/2014 COU/UNESPAR, publicada no Diário Oficial do Estado do Paraná, edição nº 9476, em 22/06/2015). TÍTULO I Da Natureza

Leia mais

ESTATUTO DA UNESP. TÍTULO I Da Universidade e seus Fins

ESTATUTO DA UNESP. TÍTULO I Da Universidade e seus Fins ESTATUTO DA UNESP TÍTULO I Da Universidade e seus Fins Artigo 1 o A Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp), criada pela Lei n o 952, de 30 de janeiro de 1976, é autarquia de regime

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97

QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97 QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97 PROPOSTA GOVERNO Art. 1º - A Universidade do Estado da Bahia - UNEB, criada pela Lei Delegada n.º 66, de 1º de junho de 1983, a Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Cria e estabelece o Regimento Interno do órgão suplementar, Centro de Educação a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora. O CONSELHO SUPERIOR da

Leia mais

REGIMENTO GERAL. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI

REGIMENTO GERAL. Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Sociedade Educacional Leonardo da Vinci CENTRO UNIVERSITÁRIO LEONARDO DA VINCI Rodovia BR 470 - Km 71 - n o 1.040 Bairro Benedito Caixa Postal 191 89130-000 Indaial/SC Fone (47) 3281-9000 Fax (47) 3281-9090

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

MINEIROS - GOIÁS 2012

MINEIROS - GOIÁS 2012 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DO CURSO... MINEIROS - GOIÁS 2012 1 Prof. Martiniano José da Silva Presidente do Conselho Superior da Fundação Integrada Municipal de Ensino

Leia mais

Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e

Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e Ministério da Educação CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 11 DE MARÇO DE 2016 Estabelece Diretrizes e Normas Nacionais para a Oferta de Programas e Cursos de Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * *

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * * MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 554/2011 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Especial e Inclusiva.

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 Aprova o Estatuto da Fundação Caixa Beneficente dos Servidores da Universidade de Taubaté (Funcabes). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo nº FUNCABES-

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ESTATUTO. Barreiras 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ESTATUTO. Barreiras 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DA BAHIA ESTATUTO Barreiras 2014 Versão aprovada na reunião do Conselho Universitário da UFOB em 21 de fevereiro de 2014. Sumário TÍTULO I... 4 DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UERGS REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE RGU

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UERGS REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE RGU GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UERGS REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE RGU MINUTA APROVADA 26 e 29 de Março de 2010 69ª Sessão Conselho Superior Universitário

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE.

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE. SIC 41/04 Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DECRETO Nº 5.224, de 1º de outubro de 2004 Dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85.

RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85. RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85. Regulamenta os Cursos de Especialização da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO ALAGOINHAS 2014 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 2 DA NATUREZA E FINALIDADES... 2 CAPÍTULO

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Estatuto da Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia, anexo.

Art. 1º Aprovar o Estatuto da Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia, anexo. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere a alínea "f" do art. 27 da Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966, e Considerando o disposto na

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Química (PROFQUI)

Regimento do Mestrado Profissional em Química (PROFQUI) Regimento do Mestrado Profissional em Química (PROFQUI) Capítulo I Conceituação e Objetivos Artigo 1º - O PROFQUI é um curso semipresencial ofertado nacionalmente, conduzindo ao título de Mestre em Química;

Leia mais

REGIMENTO. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo. Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

REGIMENTO. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo. Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen REGIMENTO 2011 Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen Rua Monsenhor

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MESTRADO EM FISIOTERAPIA NORMAS ESPECÍFICAS Res. Consun nº 005/12, de 28/03/12. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Curso de Mestrado em Fisioterapia, regido pela

Leia mais

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL FACULDADE DE DIREITO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Credenciada pela Portaria MEC n. 3.640, de 17/10/2005 DOU de 20/10/2005. CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Autorizado pela Portaria MEC

Leia mais

UFSCar - Estatuto T Í T U L O I DA UNIVERSIDADE

UFSCar - Estatuto T Í T U L O I DA UNIVERSIDADE T Í T U L O I DA UNIVERSIDADE Art. 1º. A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS, com sede e foro na cidade de São Carlos, Estado de São Paulo, criada pela Lei nº 3835, de 13 de dezembro de 1960 (Art. 11),

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

REGIMENTO GERAL REGIMENTO GERAL PÁGINA 1

REGIMENTO GERAL REGIMENTO GERAL PÁGINA 1 REGIMENTO GERAL REGIMENTO GERAL PÁGINA 1 Faculdade PIAGET REGIMENTO GERAL Título I Da Faculdade e Seus Fins Capítulo I Da Faculdade, Sede e Foro Artigo 1º. A Faculdade PIAGET, com limite territorial de

Leia mais

Segunda Alteração ESTATUTO DA UNI VERSI DADE DE CRUZ ALTA TÍ TULO I DA UNI VERSI DADE E SEUS FI NS CAP Í TULO I DA I NSTI TUI ÇÃO UNI VERSI TÁRI A

Segunda Alteração ESTATUTO DA UNI VERSI DADE DE CRUZ ALTA TÍ TULO I DA UNI VERSI DADE E SEUS FI NS CAP Í TULO I DA I NSTI TUI ÇÃO UNI VERSI TÁRI A Segunda Alteração ESTATUTO DA UNI VERSI DADE DE CRUZ ALTA TÍ TULO I DA UNI VERSI DADE E SEUS FI NS CAP Í TULO I DA I NSTI TUI ÇÃO UNI VERSI TÁRI A Art. 1º. A Universidade de Cruz Alta, UNICRUZ, com sede

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento Consu

Faculdade de São Paulo. Regimento Consu Faculdade de São Paulo Regimento Consu 2 REGMENTO DO CONSELHO SUPEROR (CONSU) TTULO DA NATUREZA, COMPOSÇÃO, COMPETÊNCA, ORGANZAÇÃO E FUNCONAMENTO CAPÍTULO DA NATUREZA Art. 1º - O CONSELHO SUPEROR (CONSU)

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS PUBLICADO NO DOMP Nº 756 DE: 08/05/2013 PÁG. 1/4 PREFEITURA DE PALMAS LEI N o 1.966, DE 8 DE MAIO DE 2013. (Alterada pela Lei nº 2.198, de 03/12/2015). (Alterada pela Lei nº 2.097 de. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ (Alterado pela Resolução 014/2014- COU/UNESPAR, publicada na edição nº 9476 do Diário Oficial do Estado, em 22/06/15). TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 22/2014 Aprova o Regimento do Centro de Informática da Universidade Federal da Paraíba. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO.

RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO. RESOLUÇÃO CONSEPE 78/2006 INSTITUI O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NEAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, E APROVA SEU REGULAMENTO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 66/2013 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, na categoria Especialização, denominado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CONSUNI 4ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CONSUNI 4ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CONSUNI 4ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 2015 Data: 29 de janeiro de 2015 (quinta-feira). Horário: 08h 30min às 11h 30min Local: Sala de Reuniões

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/025/2008 * Cria o Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Envelhecimento Humano - NIEPEH e dá outras providências. O Conselho Universitário, CONSUNI, da UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

EDUARDO BRAGA Governador do Estado

EDUARDO BRAGA Governador do Estado DECRETO N.º 24031, DE 26 DE JANEIRO DE 2.004 APROVA o Regimento Interno da SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO, ÉTICA E TRANSPARÊNCIA - SCI, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2012

RESOLUÇÃO Nº 02/2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova o Regulamento de Extensão Universitária da Universidade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

FACULDADE SÃO PAULO MANTIDA PELA SOCIEDADE SÃO PAULO DE ENSINO SUPERIOR - SSPES REGULAMENTO DO CONSU

FACULDADE SÃO PAULO MANTIDA PELA SOCIEDADE SÃO PAULO DE ENSINO SUPERIOR - SSPES REGULAMENTO DO CONSU FACULDADE SÃO PAULO MANTDA PELA SOCEDADE SÃO PAULO DE ENSNO SUPEROR - SSPES REGULAMENTO DO CONSU 1 TTULO DA NATUREZA, COMPOSÇÃO, COMPETÊNCA, ORGANZAÇÃO E FUNCONAMENTO CAPÍTULO DA NATUREZA Art. 1º - O CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ Publicado no D.O.U. de 12/07/2006 ESTATUTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E DAS FINALIDADES Art. 1 º A Universidade Federal do Pará UFPA é uma instituição pública de educação superior,

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 Altera a denominação do Curso de Especialização em Redes de Computadores, criado pela Resolução CEPEC nº 422, e aprova o novo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gestão Educacional Modalidade: a distância (EAD)

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gestão Educacional Modalidade: a distância (EAD) Parte I - Disposições Gerais Título I - O Curso de Pós-Graduação REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Gestão Educacional Modalidade: a distância (EAD) Capítulo 1 -

Leia mais

TÍTULO I DA UNIVERSIDADE

TÍTULO I DA UNIVERSIDADE TÍTULO I DA UNIVERSIDADE Art. 1º - A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC, fundação pública, criada pela Lei nº11.145 de 26 de julho de 2005, é uma instituição de ensino superior, extensão e pesquisa,

Leia mais

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo

Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Universidade de Brasília Centro de Excelência em Turismo Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A Asa Norte, 70 910 900 Brasília, DF Tel.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA FAZENDA EXPERIMENTAL DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS/UFGD TÍTULO I DA NATUREZA, DA CONSTITUIÇÃO, DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Capítulo I Da Natureza Art. 1º. A Fazenda Experimental de Ciências

Leia mais

RESOLUÇÃO 002/CUn/2007, de 02 de março de 2007

RESOLUÇÃO 002/CUn/2007, de 02 de março de 2007 RESOLUÇÃO 002/CUn/2007, de 02 de março de 2007 EMENTA: DISPÕE SOBRE O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009

REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇAO E CONTABILIDADE REGIMENTO INTERNO DA FEAC APROVADO EM REUNIÃO REALIZADA EM 17.09.2009 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 272, DE 06 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a criação do Conselho Comunitário de Segurança Pública e Entidades Afins do Município de Barra do Choça e dá outras Providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROJETO DE RESOLUÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROJETO DE RESOLUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROJETO DE RESOLUÇÃO Estabelece Diretrizese Normas Nacionais para a Oferta de Programas e Cursosde Educação Superior na

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL Título I Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. Art. 1º - A Associação brasileira para Educação Ambiental em Áreas de Manguezal,

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

REGIMENTO DO MEMORIAL DA REPÚBLICA PRESIDENTE ITAMAR FRANCO

REGIMENTO DO MEMORIAL DA REPÚBLICA PRESIDENTE ITAMAR FRANCO TÍTULO I Da Natureza e da Missão Institucional Art. 1º. O Memorial da República Presidente Itamar Franco, órgão suplementar vinculado à Reitoria da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), tem por

Leia mais

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Fundo Municipal dos Direitos do Idoso. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, usando de suas atribuições legais, e de acordo

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3457 Dispõe sobre a criação do Centro de Preservação da Memória do Ministério Público do Estado do Paraná CPM e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DO CURSO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais