RIGIDEZ DE TRILHOS SOLDADOS POR CALDEAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RIGIDEZ DE TRILHOS SOLDADOS POR CALDEAMENTO"

Transcrição

1 CIBIM 10, Oporto, Portugal, 2011 RIGIDEZ DE TRILHOS SOLDADOS CIBEM POR 10, Porto, CALDEAMENTO Portugal, 2011 RM Natal Jorge, JMRS Tavares, JL Alexandre, AJM Ferreira, MAP Vaz (Eds) RIGIDEZ DE TRILHOS SOLDADOS POR CALDEAMENTO Vicente Gerlin Neto 1*, Claudemir A. Briguente 1*, Paulo A. Franzon Manoel 1, Ruis Camargo Tokimatsu 2, Vicente Afonso Ventrella 2, Celso Riyoitsi Sokei 2 1-Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Avenida Brasil Sul, 56, Ilha Solteira, São Paulo, Brasil, 2-Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Avenida Brasil Sul, 56, Ilha Solteira, São Paulo, Brasil, Palavras chave: Rigidez, Trilhos Ferroviários, Flexão, Caldeamento. Resumo A utilização de trilhos para transporte de cargas é utilizada pelo homem desde o século XVI na Inglaterra para a locomoção de carrinhos dentro de minas de carvão e minério. Os primeiros trilhos eram de madeira e pela umidade e sujeira presentes nas minas constantemente apodreciam, o que levou à substituição dos trilhos por trilhos feitos de ferro. Com a criação dos trilhos de ferro e com as novas tecnologias de obtenção de ligas ferrosas e a criação da máquina de vapor de James Watt surgiram as locomotivas a vapor, máquinas que se locomoviam em trilhos para transportar maior carga que os meios de locomoção animal. A utilização de trilhos de aço surge em meados do século XIX com a necessidade de se fabricar trilhos de melhor qualidade para a redução do elevado número de acidentes em ferrovias. Os trilhos de aço são utilizados até os dias de hoje em ferrovias no mundo e são uma essencial do transporte ferroviário. Os trilhos ferroviários são perfis laminados de aço com três regiões, a alma, parte delgada perpendicular no meio do trilho importante para a resistência à flexão, o boleto, parte superior de maior massa do trilho que suporta os esforços compressivos das rodas das locomotivas, e o patim, a base que serve de sustentação ao trilho. Os trilhos vêm em perfis laminados de 12 a 18m e para se uni-los em distâncias maiores (como os 9000km da ferrovia Transiberiana na Rússia) se utilizam juntas parafusadas ou junções por soldagem. As juntas soldadas são importantes pois permitem maior conforto de viagem e o transporte de maiores cargas, as soldas são realizadas por um processo chamado caldeamento, uma solda de topo que une dois trilhos em campo, o que facilita o processo contínuo de soldagem nas ferrovias. O processo de caldeamento modifica algumas propriedades mecânicas do material dos trilhos tais como a rigidez mecânica do trilho, fazendo com que o trilho soldado tenha maior rigidez do que o trilho sem solda. O objetivo deste trabalho é, por meio de ensaios de flexão em três pontos, se quantificar e entender a diferença de rigidez de trilhos soldados e não-soldados. CIBIM 10, Oporto, Portugal, 2011 CIBEM 10, Porto, Portugal,

2 1. Introdução 1.1. Histórico Ferroviário O transporte ferroviário tem relatos de iniciar por volta de 2600 anos atrás na Grécia onde carros puxados por tração humana ou animal se guiavam por sulcos nas estradas de calcário para que os carros não saíssem da rota desejada. A utilização de trilhos começou apenas no século XVI quando trilhos primitivos de madeira eram utilizados para a locomoção de carrinhos em minas de carvão na Alemanha, estes trilhos foram melhorados no século XVII com a adição de placas de ferro para a melhora da resistência e da vida útil dos trilhos. Até este momento a tração utilizada continuava sendo animal ou humana dentro de minas de carvão ou minério, apenas no fim do século XVII com a invenção da máquina a vapor de James Watt nasce a possibilidade da mudança de tração para uma locomotiva a vapor, o que fará com que as primeiras ferrovias sejam idealizadas. Com a criação da primeira locomotiva a vapor em 1804 por Richard Trevithick, mostrada na figura 1, a idéia de uma ferrovia para se levar maiores quantidades de carga do que a tração animal, nascendo assim as ferrovias para transporte de carga e passageiros. Figura 2: Mapa Ferroviário Europeu. Fonte: Com o transporte ferroviário se mostrando muito competitivo e confiável, hoje diversos países do mundo voltam a investir nas ferrovias, como o Brasil, o que leva a uma nova frente de estudos para melhorias das condições de ferrovias seja para conservação das mesmas ou para o conforto dos passageiros e maiores velocidades dos trens Via Contínua O trilho é o elemento da chamada superestrutura ferroviária (que engloba trilho, dormentes, lastro e sublastro) que recebe o contato dos elementos rodantes de uma locomotiva. [1] Os trilhos saem da fabricação com extensões variando de 12 a 18m e levados diretamente par a região de assentamento. As primeiras ferrovias instaladas usavam talas para junção dos trilhos na extensão da ferrovia como mostrado na figura 3. O uso de talas de junção em ferrovias causa um problema de desconforto pelo impacto causado pela distância de dilatação de um trilho ao outro. Esse fato aliado à fraqueza e alto custo da manutenção destas junções levou a necessidade de se melhorar as condições de juntas ou a de eliminar a mesma. Figura 1: Locomotiva a vapor de Trevithick. Fonte: A partir do sucesso do transporte de cargas se iniciar na Inglaterra as ferrovias para transporte de passageiros se tornaram uma realidade com o surgimento das primeiras ferrovias intermunicipais na Inglaterra em A partir desde momento diversos países do mundo como EUA e Rússia partiram para a construção de ferrovias para melhorar os transportes de suas cargas e passageiros. No fim do século XIX por volta de 1870 a malha ferroviária européia já estava consolidada sendo praticamente a mesma até os dias atuais com um mapa mostrado na figura 2. A diferença está na velocidade dos trens e o volume de cargas, que aumentaram consideravelmente nestes anos. Figura 3: Junção parafusada de trilhos. Fonte: No passado, os métodos de junção mais comuns eram por juntas parafusadas, mas trilhos parafusados estão sujeitos a tipos particulares de falhas e os custos de manutenção são relativamente altos. [2] Para que novas situações de velocidades e volumes de transporte e também de um maior conforto para os passageiros as ferrovias em via contínua ou ferrovias continuamente soldadas foram desenvolvidas. Estas vias consistem em se substituir as juntas por talas parafusadas 3788 CIBEM 10, Porto, Portugal, 2011 CIBIM 10, Oporto, Portugal, 2011

3 RIGIDEZ DE TRILHOS SOLDADOS POR CALDEAMENTO por juntas soldadas por aluminotermia ou por caldeamento, este segundo método sendo o mais utilizado atualmente Soldagem por Caldeamento Atentando-se as dificuldades encontradas nas junções por talas ou parafusos, atualmente sempre que possível, trilhos são unidos por soldagem. Soldagem é geralmente um processo mais barato e produz junções superiores. Como a via é contínua na junção, os problemas de impactos e barulho e problemas relacionados a distância entre os trilhos são eliminados e os custos de manutenção reduzidos. O processo de caldeamento é um dos processos de soldas considerados resistentes. [2] Figura 5: Máquina de caldeamento de trilhos. Fonte: Após o pressionamento dos trilhos, uma região de rebarbas é formada ao redor do trilho e o processo está terminado. Após o resfriamento da região soldada a rebarba é retirada e os trilhos soldados são esmerilhados para se chegar a superfície desejada Ensaios de Flexão Figura 4: Soldagem por caldeamento de trilhos. Fonte: O processo de soldagem por caldeamento ou centelhamento é um processo em que duas peças de seção transversal semelhantes são unidas. A solda é realizada por toda a área da seção sem metal de adição. [3] Um esquema das etapas do processo de soldagem por caldeamento está na figura 5. O ensaio de dobramento ou de flexão é um ensaio qualitativo simples e barato que pode ser usado para avaliar a ductilidade de um material. É freqüentemente usado para controle de qualidade de juntas com solda de topo. Tanto o equipamento como os corpos de prova são bastante simples, possibilitando a condução do teste no ambiente de fábrica. [4] O ensaio consiste é realizado se colocando um corpo de prova apoiado nas duas extremidades da área de ensaio com uma distância L e com a carga aplicada no ponto central destes dois apoios. A figura 6 mostra um desenho esquemático do ensaio. Figura 5: Soldagem por caldeamento. Fonte: No caso de ferrovias, os trilhos que se desejam unir são fixados na máquina de caldeamento mostrada na figura 5, a distância entre os trilhos deve ser pequena para a realização da solda. O segundo passo é o nivelamento dos trilhos para que no final a solda esteja nas condições desejadas. Após esta etapa de preparação da solda, uma diferença de potencial é induzida entre as duas pontas dos trilhos formando um arco elétrico entre as duas partes. Com a formação dos arcos e com uma das partes aquecida uniformemente se encontra com uma fina camada fundida os trilhos são pressionados um contra o outro. Figura 6: Ensaio de flexão de 3 pontos. Fonte: Geralmente os ensaios de flexão são realizados até a ruptura do corpo de prova. Porém, em alguns casos também se utiliza apenas a medida de determinada flecha comparando as medidas com as cargas alcançadas. No caso de trilhos ferroviários, os ensaios de flexão são para testar a conformidade dos trilhos é a de obtenção de uma flecha de pelo menos 9 mm após a realização do ensaio.[5] CIBIM 10, Oporto, Portugal, 2011 CIBEM 10, Porto, Portugal,

4 2. Materiais e Métodos Os materiais utilizados para este trabalho foram trilhos ferroviários do tipo TR-57 com desenho e dimensões na figura 7 abaixo. Foram recebidos dois tipos de trilhos, sem solda e com solda, sendo que todas as soldas recebidas são do processo de caldeamento, e a figura 8 mostra como os trilhos foram recebidos em sua chegada. Rolete 2 Rolete 1 Rolete 3 Figura 9: Máquina de ensaio. Figura 7: Desenho do trilho com suas medidas. O objetivo do ensaio era encontrar a carga necessária para a obtenção de uma flecha de 10 mm no ponto central de ensaio. Após ensaios preliminares, definiu-se a carga de kgf como a carga média padrão para o fim do ensaio. Depois da realização dos ensaios os resultados apurados foram transformados em gráficos para melhor demonstração. Para a realização do ensaio dos trilhos sem solda, a posição central do trilho era marcada e colocada logo abaixo do rolete central da máquina onde a carga seria aplicada. Para as medidas de deslocamento foram utilizados dois relógios comparadores da marca Mitutoyo de 30 mm e 50 mm com precisão de centésimos de milímetros. O relógio comparador de 30 mm foi posicionado ao centro do trilho, logo abaixo do rolete 2 e o relógio comparador de 50 mm foi posicionado em um dos roletes da extremidade, no rolete 3 como mostrado na figura 10. Figura 8: Trilhos como recebidos. Após o recebimento, os trilhos foram submetidos a um processo de preparação com um esmerilhamento sendo realizado para retirar rebarbas da superfície do trilho. Após o esmerilhamento os trilhos foram enviados para a realização do ensaio de flexão de três pontos. Cada trilho possui 2000 mm de comprimento e no caso dos soldados a solda posicionada no ponto central do trilho. No ensaio foi utilizada uma máquina hidráulica universal de capacidade de 1 MN mostrada na figura X com a distância entre os roletes de apoio do ensaio sendo de 1000 mm. Figura 10: Posição dos relógios comparadores. Após o posicionamento dos trilhos e dos relógios comparadores dava-se o início do ensaio com o rolete 2 encostando no trilho e começando a aplicar carga. A aplicação da carga era aumentada gradativamente, aumentando 500 kgf de 0 à kgf, de kgf de 1000 a kgf, de kgf de a kgf e por fim de kgf de a kgf. Estes incrementos foram escolhidos de modo a obter mais de 3790 CIBEM 10, Porto, Portugal, 2011 CIBIM 10, Oporto, Portugal, 2011

5 RIGIDEZ DE TRILHOS SOLDADOS POR CALDEAMENTO 30 pontos para o levantamento gráfico dos resultados. Ao fim do ensaio 42 medidas de força e flecha eram obtidas. No caso dos trilhos soldados o procedimento adotado era semelhante, se diferenciando apenas no posicionamento do trilho. O trilho era marcado na posição central da solda onde se queria a comparação com o trilho sem solda. A figura 11 mostra em detalhe a posição do trilho soldado. Figura 13: Resultados trilho soldado 1. O segundo trilho soldado teve um comportamento parecido, com a flecha sendo um pouco menor em relação ao primeiro trilho soldado como mostra o gráfico da figura 14. O valor de flecha obtido com uma carga de kgf foi de 8,21 mm, bastante parecido com o valor de 8,5 mm obtido pelo trilho soldado 1. Figura 11: Detalhe posição solda. 3. Resultados Os resultados obtidos dos trilhos sem solda foram colocados no gráfico da figura 12, onde se observa um comportamento muito semelhante entre os três trilhos ensaiados. Apenas uma variação de kgf entre os valores finais de carga para a flecha de 10 mm obtidas foi encontrado. Figura 14: Resultados trilho soldado 2. Após a realização de todos os ensaios foi possível observar uma boa repetibilidade nos ensaios tanto dos trilhos soldados quanto dos trilhos sem solda. A figura 15 mostra os gráficos dos trilhos soldados agrupados em uma única imagem e mostra a variação de flecha observada. Figura 12: Resultados flexão trilhos sem solda. Após os ensaios com os trilhos sem solda os trilhos soldados foram ensaiados. Dois trilhos foram ensaiados, o primeiro trilho teve o comportamento mostrado na figura 13, onde se observa uma diminuição da flecha obtida com a mesma carga aplicada aos trilhos sem solda de 10 mm para 8,5 mm. Esta diminuição da flecha começa a indicar um aumento da rigidez do trilho após a solda. Figura 15: Gráficos trilhos soldados agrupados. Os resultados obtidos foram muito semelhantes e a figura 16 comparando os cinco gráficos obtidos demonstra exatamente o comportamento dos trilhos ensaiados. CIBIM 10, Oporto, Portugal, 2011 CIBEM 10, Porto, Portugal,

6 4. Conclusão Figura 16: Sobreposição dos 5 resultados. Após a realização dos ensaios e análise dos resultados foi possível se observar e concluir três pontos. Primeiro que o processo de fabricação dos trilhos tem um bom controle com os 3 diferentes trilhos ensaiados apresentando comportamento muito semelhante. O segundo ponto é o bom controle do processo de soldagem dos trilhos em campo com o comportamento da solda não tendo mudado muito nos dois diferentes trilhos ensaiados. O último ponto é o aumento da rigidez dos trilhos quando comparados os trilhos com e sem solda, uma flecha 1,5 mm menor para os trilhos soldados. 5. Referências [1] BRINA, Helvécio Lapertosa. Estradas de Ferro.Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S.a., [2] MANSOURI, H.; MONSHI, A.. Microstructure and residual stress variations in weld zone of flash-butt welded railroads. Science And Technology Of Welding And Joining, S. L., v. 9, n. 3, p , jun [3] COMPANY, The H.w. Wilson. Microstructure and residual stress variations in weld zone of flash-butt welded railroads. Welding Journal, S. L., v. 12, n. 79, p.51-52, dez [4] MECÂNICA, Centro de Informação Metal. Ensaio de Dobramento: Medição, controle e ensaios. Disponível em: <http://www.cimm.com.br/portal/material_didatico /6588-ensaio-de-dobramento>. Acesso em: 19 maio [5] Associación Latinoamericana de Ferrocarriles Comissión de Normalización, Norma ALAF Soldadura Aluminotérmica., Junho 2002, 12 p CIBEM 10, Porto, Portugal, 2011 CIBIM 10, Oporto, Portugal, 2011

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 5 TERMINOLOGIA E SIMBOLOGIA DE SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 5 TERMINOLOGIA E SIMBOLOGIA DE SOLDAGEM 28 CAPÍTULO 5 TERMINOLOGIA E SIMBOLOGIA DE SOLDAGEM 29 TERMINOLOGIA DE SOLDAGEM A terminologia de soldagem é bastante extensa e muitas vezes os termos técnicos que utilizamos em uma região geográfica não

Leia mais

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE:

CONSIDERANDO as contribuições recebidas na Audiência Pública nº XXX/2007, RESOLVE: Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados pelas Concessionárias de Serviços Públicos de Transporte Ferroviário de Cargas, no transporte de produtos perigosos, nos trechos da malha ferroviária. A Diretoria

Leia mais

LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS

LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS LÍDER MUNDIAL EM ABSORÇÃO DE ENERGIA BARREIRAS FINAIS BARREIRAS FINAIS OLEO INTERNATIONAL A Oleo é uma empresa líder, especialista em tecnologia de absorção de energia, que presta serviços para os setores

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

A ECONOMIA COM A NACIONALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS METRÔ- FERROVIÁRIOS

A ECONOMIA COM A NACIONALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS METRÔ- FERROVIÁRIOS A ECONOMIA COM A NACIONALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS METRÔ- FERROVIÁRIOS Com o advento das implantações dos Metrôs subterrâneos no Brasil, nos anos 70, os técnicos viram-se pela primeira vez diante da necessidade

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

VIA PERMANENTE. Manipulador de TLS

VIA PERMANENTE. Manipulador de TLS VIA PERMANENTE Manipulador de TLS Ualace Ventura da Silva¹, Antônio Dirceu de Oliveira Ribeiro² 1 Engenharia Ferroviária Vale S.A. - EFVM, Av. Dante Michelini, 5500 29090-900 Vitória, ES Brasil 2 Logística

Leia mais

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Resumo histórico e aspectos gerais Uso e aplicação de estruturas metálicas Composição do aço estrutural FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DE FRATURAS DE TRILHOS EM TÚNEIS

ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DE FRATURAS DE TRILHOS EM TÚNEIS ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DE FRATURAS DE TRILHOS EM TÚNEIS 2 RESUMO As fraturas de trilho são eventos indesejáveis a operação e a manutenção de uma ferrovia. Além de causar a interrupção da circulação de

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS ESTRUTURAS METÁLICAS Disciplina: Projeto e dimensionamento de estruturas de aço em perfis soldados e laminados. Curso: Especialização em Engenharia de Estruturas Professor: Carlos Eduardo Javaroni Mini

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

ISF-215: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE APARELHOS DE MUDANÇA DE VIA

ISF-215: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE APARELHOS DE MUDANÇA DE VIA 1. OBJETIVO ISF-215: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE APARELHOS DE MUDANÇA DE VIA Definir o tipo e características dos aparelhos de mudança de via a serem colocados nas concordâncias de duas

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

PALESTRA TÉCNICA. Superestrutura Ferroviária. Engº HELIO SUÊVO RODRIGUEZ 13/11/2012 00

PALESTRA TÉCNICA. Superestrutura Ferroviária. Engº HELIO SUÊVO RODRIGUEZ 13/11/2012 00 PALESTRA TÉCNICA Superestrutura Ferroviária Engº HELIO SUÊVO RODRIGUEZ 13/11/2012 00 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO II - A MALHA FERROVIÁRIA DO BRASIL III - MANUAL BÁSICO DE ENGENHARIA FERROVIÁRIA IV - SUPERESTRUTURA

Leia mais

Ver também Túnel do Canal da Mancha.

Ver também Túnel do Canal da Mancha. Estrada de ferro, Sistema de transporte sobre trilhos, que compreende a via permanente e outras instalações fixas, o material rodante e o equipamento de tráfego. É também chamado ferrovia ou via férrea.

Leia mais

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Paulo Sergio Costa 1 *, Giovanni Augusto Ferreira Dias 1, Diego Freitas 1, Fábio Assunção 1,

Leia mais

IDENTIFICANDO O COMPORTAMENTO INADEQUADO DOS VAGÕES SOFTWARE ESPECIALISTA PARA AUTOMATIZAÇÃO COMPLETA LYNXRAIL

IDENTIFICANDO O COMPORTAMENTO INADEQUADO DOS VAGÕES SOFTWARE ESPECIALISTA PARA AUTOMATIZAÇÃO COMPLETA LYNXRAIL IDENTIFICANDO O COMPORTAMENTO INADEQUADO DOS VAGÕES SOFTWARE ESPECIALISTA PARA AUTOMATIZAÇÃO COMPLETA LYNXRAIL Kris Kilian MESc, Monica Kilian PhD, Vladimir Mazur PhD Lynxrail, Austrália James Robeda B

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESITÊNCIA À FLEXÃO ESTÁTICA DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO RESUMO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Diego de Medeiros Machado (1), Marcio Vito (2); UNESC

Leia mais

Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão.

Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão. METAL MECÂNICA AUTOCUT 4.0P HDX/2HDX Robustez e alta velocidade com a garantia de cortes de alta precisão. AutoCut 4.0P HDX/2HDX A AutoCut 4.0P é uma máquina CNC para corte de chapas de aço-carbono, aço

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Armaduras Aço o para Concreto O que é o aço a o? O aço é uma combinação de SUCATA, FERRO GUSA E OUTROS.

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação Departamento de Eng. Produção Operação Ferroviária Circulação Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução A operação ferroviária diz respeito à circulação

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas.

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas. NBR 14862 - MAIO 2002 - Armaduras treliçadas eletrossoldadas - Requisitos Origem: Projeto 18:314.01-004:2001 ABNT/CB-18 - Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados CE-18:314.01 - Comissão de Estudo

Leia mais

FACEAMENTO DA SUPERFÍCIE DE ASSENTAMENTO DO CONJUNTO DE FORÇA DO MOTOR DIESEL DE LOCOMOTIVAS GE

FACEAMENTO DA SUPERFÍCIE DE ASSENTAMENTO DO CONJUNTO DE FORÇA DO MOTOR DIESEL DE LOCOMOTIVAS GE FACEAMENTO DA SUPERFÍCIE DE ASSENTAMENTO DO CONJUNTO DE FORÇA DO MOTOR DIESEL DE LOCOMOTIVAS GE 1/7 RESUMO Realização de faceamento de blocos de motores diesel 7FDL, de locomotivas GE, usinando a superfície

Leia mais

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los.

Essas duas questões serão estudadas nesta aula. Além delas, você vai ver quais erros podem ser cometidos na rebitagem e como poderá corrigi-los. A UU L AL A Rebites III Para rebitar peças, não basta você conhecer rebites e os processos de rebitagem. Se, por exemplo, você vai rebitar chapas é preciso saber que tipo de rebitagem vai ser usado - de

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

ISF 214: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE ACESSÓRIOS

ISF 214: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE ACESSÓRIOS 1. OBJETIVO ISF 214: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE ACESSÓRIOS Definir o tipo e características dos acessórios metálicos a serem utilizados no assentamento e fixação dos trilhos aos dormentes

Leia mais

Desempenamento. desempenamento de uma barra

Desempenamento. desempenamento de uma barra A UU L AL A Desempenamento Na área mecânica e metalúrgica, desempenar é a operação de endireitar chapas, tubos, arames, barras e perfis metálicos, de acordo com as necessidades relativas ao projeto de

Leia mais

ÍNDICE DE APRESENTAÇÃO: -OBJETIVO DO TESTE -METODOS UTILIZADOS -RESULTADOS. www.oter.com.br

ÍNDICE DE APRESENTAÇÃO: -OBJETIVO DO TESTE -METODOS UTILIZADOS -RESULTADOS. www.oter.com.br ÍNDICE DE APRESENTAÇÃO: -OBJETIVO DO TESTE -METODOS UTILIZADOS -RESULTADOS www.oter.com.br OBJETIVOS: Para fixação de Rodas em veículos de transportes utiliza-se de porcas comuns para a fixação da roda

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

Manipulador de dormentes rodoferroviário

Manipulador de dormentes rodoferroviário Manipulador de dormentes rodoferroviário Clerildo Vieira¹, Decio Vincenzi²*, Helder Torres³ 1 Engenharia Ferroviária Railway Engineering - Vale S.A. Praça João Paulo Pinheiro, s/n,35010-330 Governador

Leia mais

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a

Guias. Uma senhora solicitou a um serralheiro a A UU L AL A Guias Uma senhora solicitou a um serralheiro a colocação de um "box" com porta corrediça no banheiro. Com pouco tempo de uso a porta começou a dar problemas: sempre emperrava no momento de

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

SISTEMÁTICA DE INSPEÇÃO ULTRASSÔNICA DE TRILHOS PARÂMETROS E CRITÉRIOS

SISTEMÁTICA DE INSPEÇÃO ULTRASSÔNICA DE TRILHOS PARÂMETROS E CRITÉRIOS SISTEMÁTICA DE INSPEÇÃO ULTRASSÔNICA DE TRILHOS APLICAÇÃO A finalidade da inspeção ultrassônica de trilhos é a prevenção contra a ocorrência de trincas e fraturas. As trincas e fraturas resultam, basicamente,

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil

1. INTRODUÇÃO CRAVADAS ESTACAS CRAVADAS ESTACAS CAP. XV. Processos de Construção Licenciatura em Engenharia Civil CAP. XV ESTACAS CRAVADAS 1/47 1. INTRODUÇÃO 2/47 1 1. INTRODUÇÃO Pré-fabricadas Estacas cravadas Fundações indirectas (profundas) Alternativa às estacas moldadas 3/47 1. INTRODUÇÃO Processo pouco utilizado

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA maio/2006 1 de 5 VIDROS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Vidros. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/015

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA maio/2006 1 de 5 VIDROS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Vidros. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/015 ESPECIFICÇÃO TÉCNIC maio/2006 1 de 5 TÍTULO VIDROS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Edificações. Vidros. PROVÇÃO PROCESSO PR 010979/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI SEP Secretaria de Estado da dministração

Leia mais

D S E C S R C I R ÇÃ Ç O Ã E E C AR A AC A T C ER E Í R ST S ICAS A S TÉC É N C I N CAS

D S E C S R C I R ÇÃ Ç O Ã E E C AR A AC A T C ER E Í R ST S ICAS A S TÉC É N C I N CAS 1984 / 2014 30 anos DESCRIÇÃO E CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Resistência do vidro a Choque Térmico As diferenças de temperatura entre dois pontos de um mesmo vidro, provocam sobre ele tensões que podem ocasionar

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 799-806 ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA A.A.M. da

Leia mais

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Seminário Negócio nos Trilhos 2009 - São Paulo - 11.nov.2009

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA SOBRE O RIO PARANÁ DURANTE O LANÇAMENTO E PROVA DE CARGA

AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA SOBRE O RIO PARANÁ DURANTE O LANÇAMENTO E PROVA DE CARGA AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA 9 AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA SOBRE O RIO PARANÁ DURANTE O LANÇAMENTO E PROVA DE CARGA Maximiliano Malite Toshiaki

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Fitas Espuma Acrílicas AFT

Fitas Espuma Acrílicas AFT Fitas Espuma Acrílicas AFT Infinitas possibilidades... Estética e segurança em seu projeto Benefícios As Fitas de Espuma Acrílica (AFT) da SCAPA foram desenvolvidas para serem utilizadas em aplicações

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE

MANUAL ESPECIAL 1. FINALIDADE MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0041 CRUZETAS DE AÇO TUBULAR 1/14

Leia mais

Ensaio de tração: cálculo da tensão

Ensaio de tração: cálculo da tensão Ensaio de tração: cálculo da tensão A UU L AL A Você com certeza já andou de elevador, já observou uma carga sendo elevada por um guindaste ou viu, na sua empresa, uma ponte rolante transportando grandes

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

Secretaria de Fiscalização de Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias

Secretaria de Fiscalização de Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias Secretaria de Fiscalização de Obras Portuárias, Hídricas e Ferroviárias FNS Repercussão na Mídia Vídeo 1: 3 min Ao Final da Apresentação: Breve Estudo de Caso: Auditoria de Qualidade na FNS TCU 2012 Quais

Leia mais

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 349, DE 16 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos

Leia mais

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 1. A peça fundida tem massa de 3,00 Mg. Suspensa em uma posição vertical e inicialmente em repouso, recebe uma velocidade escalar para cima de 200 mm/s em 0,300 s utilizando

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins

CEMIG DISTRIBUIÇÃO. Autores. Alex Antonio Costa Carlos Miguel Trevisan Noal Eustáquio do Nascimento Amorim Jorge Pereira de Souza Renato Claro Martins A INTEGRAÇÃO DO SESMT COM A ENGENHARIA CIVIL NA ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES VISANDO REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE CONSERVAÇÃO E LIMPEZA EXECUTADAS EM DIFERENÇA DE NÍVEL Autores Alex Antonio Costa Carlos Miguel

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Seminário TAV Brasil Trem de Alta Velocidade

Seminário TAV Brasil Trem de Alta Velocidade Seminário TAV Brasil Trem de Alta Velocidade A PARTICIPAÇÃO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA E A NECESSIDADE DE MÃO DE OBRA ESPECIALIZADA Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 18 de abril de 2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC Fixadores de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade. Fabricados em aço de alta resistência e tratados termicamente, os parafusos

Leia mais

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n

TRABALHO DE GRADUAÇÃO. Projeto. Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno. Aluno: xxxxxxx n TRABALHO DE GRADUAÇÃO Projeto Curso de Engenharia Mecânica ( ) Integral (X) Noturno Aluno: xxxxxxx n Orientador: Marcelo Augusto Santos Torres Início do Trabalho: março de 2010 1. Tema: Mecânica da Fratura

Leia mais

DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA

DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA SCAFFOLDING DEFORMAÇÃO A FRIO UMA ALTERNATIVA MAIS ROBUSTA TESTE DE CARGA: ALUFASE Vs SOLDADURA Carga (Toneladas) / Deformação (mm) 7 6 O sistema de deformação a frio provou ser 3 vezes mais forte que

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários Vitória, 30 de setembro de 2011 SUMÁRIO RESUMO...3 OBJETIVOS...4 INTRODUÇÃO...5

Leia mais

TRANSPORTE FERROVIÁRIO

TRANSPORTE FERROVIÁRIO TRANSPORTE FERROVIÁRIO O transporte ferroviário no Brasil sofreu, durante um grande período, talvez devido à grande concorrência do transporte rodoviário, a falta de incentivo com relação à ampliação do

Leia mais

Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas Teoria das Estruturas Aula 02 Morfologia das Estruturas Professor Eng. Felix Silva Barreto ago-15 Q que vamos discutir hoje: Morfologia das estruturas Fatores Morfogênicos Funcionais Fatores Morfogênicos

Leia mais

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton.

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton. CAPÍTULO 8 As Leis de Newton Introdução Ao estudarmos queda livre no capítulo cinco do livro 1, fizemos isto sem nos preocuparmos com o agente Físico responsável que provocava a aceleração dos corpos em

Leia mais

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote

2-Instalação da cuba. 1-Apresentação. Cuba de Ionização Abraçadeira s. Cano. Mangote Manual de Instalação Índice 1- Apresentação 2- Instalação da cuba. 3- Instalação do painel de controle 4- Ligação elétrica 5- Dispositivo de segurança 6- Características do Purilaqua 7- Tempo de filtragem

Leia mais

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL

CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL 1 I. ASPECTOS GERAIS CAPÍTULO V CISALHAMENTO CONVENCIONAL Conforme já foi visto, a tensão representa o efeito de um esforço sobre uma área. Até aqui tratamos de peças submetidas a esforços normais a seção

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Sistema de Esteira Porta Cabos igus Guia de Instalação

Sistema de Esteira Porta Cabos igus Guia de Instalação Sistema de Esteira Porta Cabos igus Guia de Instalação Cursos Longos (Deslizantes) Horizontais Atenção: Não seguir as instruções instalação pode resultar em falha séria Antes de iniciar o processo de instalação,

Leia mais

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG)

Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) Projeto premiado com o 16 Prêmio de Excelência da Indústria Minero-metalúrgica Brasileira 13 de maio de 2014 - Hotel Ouro Minas - Belo Horizonte (MG) o Tel. (11) 3895-8590 premiodeexcelencia@revistaminerios.com.br

Leia mais

INFLUÊNCIA DA REGIÃO DE SOLDA NA TENACIDADE A FRATURA DINÂMICA DE TRILHOS FERROVIÁRIOS

INFLUÊNCIA DA REGIÃO DE SOLDA NA TENACIDADE A FRATURA DINÂMICA DE TRILHOS FERROVIÁRIOS INFLUÊNCIA DA REGIÃO DE SOLDA NA TENACIDADE A FRATURA DINÂMICA DE TRILHOS FERROVIÁRIOS Vicente Gerlin Neto, Ruis Camargo Tokimatsu, Paulo Afonso Franzon Manoel, Celso Riyoitsi Sokei. Departamento de Engenharia

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

One Touch nas Obras de Superestrutura

One Touch nas Obras de Superestrutura ARTIGO One Touch nas Obras de Superestrutura Isabel Nascimento Michetti Lima VLI - DIAG - Diretoria de Departamento Operações Ferroviárias, Gerência Geral de Processos Ferroviários - Gerência PCM de Via

Leia mais

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PPMEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 PROVA DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL TRILHO SUMÁRIO

PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL TRILHO SUMÁRIO PIM - PROCEDIMENTO PARA INSPEÇÃO DE MATERIAL TRILHO SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DEFINIÇÃO - CARACTERÍSTICAS - FABRICAÇÃO 3. FORMA - DIMENSÃO - FURAÇÃO 4. GABARITOS PARA INSPEÇÃO 4.1. GABARITO SÉRIE ISO NBR

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES.

UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. UTILIZAÇÃO DA TERMOGRAFIA NA MANUTENÇÃO DE LOCOMOTIVAS E INSPEÇÃO DE VAGÕES. Atualmente no Brasil estão em operação diversos modelos de locomotivas diesel-elétricas, desde locomotivas mais antigas e de

Leia mais

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias

Estruturas Metálicas. Módulo I. Normas e Matérias Estruturas Metálicas Módulo I Normas e Matérias NORMAS DE ESTRUTURA ABNT NBR 8800/2008 PROJETO E EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE AÇO EM EDIFICIOS - ABNT NBR 6120/1980 Cargas para o cálculo de estruturas de edificações

Leia mais

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector :

Relatório da inspecção preliminar dos elevadores. (Modelo) Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Anexo 2 Relatório da inspecção preliminar dos elevadores (Modelo) Relatório n.º: Entidade utilizadora : Equipamentos n.º : Tipo de equipamentos: Empreiteiro dos elevadores : Inspector : Data de inspecção

Leia mais