Caderno de Cultura e Política

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caderno de Cultura e Política"

Transcrição

1 Caderno de Cultura e Política Diretório Acadêmico Barros Terra Recepção de Calouros Março de

2 2

3 ÍNDICE PREFÁCIO... 5 DABT... 7 DENEM... 9 O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO MÉDICA O HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO E SUA EMERGÊNCIA EBSERH E HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA O MUNDO LÁ FORA INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA ESTÁGIOS INTERNACIONAIS A CLEV E OUTRAS FORMAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL LIGAS ACADÊMICAS PROGRAMA DE MONITORIA O ESTUDANTE DE MEDICINA E A PRÁTICA ESPORTIVA

4 4

5 Amigo estudante, PREFÁCIO Preparamos esse caderno de textos especialmente para você, que está entrando nesta Universidade agora, e está entrando em contato com um mundo completamente novo. Na Universidade você será confrontado com situações e desafios que farão sua mente pensar mais alto e seu coração bater mais forte. Tanta novidade pode deixar o estudante aflito, desorientado, instigado, motivado, amedrontado. Emoções naturais, frente ao caminhão de experiências novas que se descarrega sobre um primeiranista como você. A ideia deste caderno é justamente ajudá-lo a organizar seu pensamento; ajudar você a refletir sobre essas novas palavras, siglas, nomes, que vão começar a pipocar ao longo das próximas semanas, e que vão deixar muitos de vocês curiosos, porém desorientados. Não pense que esta cartilha que está em suas mãos se propõe a lhe impor uma linha ideológica. Pense você como queira. Leia criticamente. Rabisque. Anote. Pesquise. Este caderno é seu, para seu uso e desfrute. Saboreie cada palavra, reflita e tire suas próprias conclusões. Queremos apenas ajudálo a dar os primeiros passos, e mostrar algumas formas de se pensar dentro dessa Universidade. Todos os textos nesse caderno foram produzidos por estudantes, assim como vocês. A partir de suas próprias experiências, frente ao desafio de produzir esse material informativo, eles pesquisaram, correram atrás de respostas, e no fim vão gerar novas perguntas. E assim, eles esperam contribuir humildemente para sua formação. A seleção de tópicos que fizemos visa cobrir os assuntos mais recorrentes no início de sua vida acadêmica. Não pense que esse caderno esgota as possibilidades de discussão de assuntos: a ciência humana pode ser infinitamente explorada. Este é o bê-á-bá, o feijão com arroz que todo estudante deveria saber sobre sua universidade, para começar a explorá-la. A sua entrada na UFF tem o potencial de transformar a sua vida. Transformar o jeito que você pensa. Mudar a forma de ver o mundo. Agarre essa oportunidade com todas as forças. Aproveite para saber mais, ler mais artigos, participar mais das discussões, e quem sabe um dia, ser protagonista nesses tão diversos cenários de produção da nossa sociedade e do nosso modo de viver. É do nosso entendimento da realidade que produzimos nossos pensamentos e ações. Entenda, desentenda; pense, repense; aja, reaja; evolua, revolucione! Gabriel Ott, coordenador de Cultura e Formação Científica do DABT, gestão º período do curso de Medicina da Universidade Federal Fluminense 5

6 6

7 DABT Autora: Mayara Secco Torres da Silva, coordenadora de Administração e Finanças do DABT, gestão 2014 Enquanto houver razões Quem constrói algo sozinho? Há muitos anos, as pessoas se unem em grupos em prol de interesses convergentes e precisam de alguém que se disponha a representá-los. Com os estudantes de medicina da UFF não seria diferente. Em 1929, foi fundado o Diretório Acadêmico de Medicina da Faculdade Fluminense de Medicina e, em 1945, este que tinha a função de representar todos os estudantes de medicina da então Faculdade Fluminense de Medicina passa a ter seu nome homenageando um importante professor, Antônio de Barros Terra. A história do Diretório Acadêmico Barros Terra (DABT) precede, portanto, a história da própria UFF, cuja antecessora, a UFERJ, foi criada apenas em O DABT foi um dos primeiros Diretórios Acadêmicos de Medicina no Brasil, desempenhando papel fundamental na construção do Movimento Estudantil de Medicina (MEM), na fundação e construção da Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina (DENEM) que representa os estudantes de Medicina a nível nacional, do processo de Redemocratização do Brasil e da Reforma Curricular do Curso de Medicina da UFF, em Inclusive, as discussões curriculares travadas aqui em Niterói inspiraram as novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Medicina, lançadas em Até hoje, o DABT participa ativamente dessas pautas: nas Manifestações de Junho de 2013 os estudantes de Medicina da UFF foram às ruas do Rio de Janeiro e de Niterói, com gritos uníssonos por saúde e educação; sediou o XXVI Congresso Brasileiro dos Estudantes de Medicina (COBREM), quando foi eleita a atual gestão da DENEM e foi elaborado o planejamento da Executiva para 2014; organiza anualmente uma Conferência Curricular, além de participar transversalmente na discussão de Educação Médica dentro e fora da Universidade; e, acima de tudo, luta pelos interesses dos seus estudantes. Todos os alunos de Medicina da UFF são parte do DABT, e convidados a construir ativamente o Diretório. Na UFF, entendemos que um DA deve ser construído de baixo para cima: ou seja, as ações da Diretoria devem ser pensadas e realizadas a partir do desejo, das demandas e das inquietações estudantis. A estruturação do DABT ratifica esse modo de pensar, quase que institucionalizado ao longo dos anos: dentro das Reuniões Ordinárias de Diretoria, qualquer estudante tem direito a voz e voto, sendo um dos únicos DA s do Brasil inteiro a agir dessa forma. Além disso, apesar de termos a figura do Coordenador Geral, a gestão é horizontal: todos os coordenadores votam da mesma forma, não existindo qualquer tipo de hierarquização de funções. Ainda há muitos desafios pela frente. Nosso currículo, outrora tão aplaudido, mostra inúmeras dificuldades em ser aplicado: a integração ainda é um sonho, professores descompromissados com o ensino, dificuldade de inserção dos estudantes na rede de saúde. Nosso Hospital Universitário, reaberto em um cenário quase que heroico após o incêndio do Gran Circo Norte Americano, maior tragédia coletiva pela qual o Brasil passou, encontra-se em processo de sucateamento, assim como os outros Hospitais Federais. As políticas do governo federal para a área da Saúde têm se intensificado: com o Programa Mais Médicos, lançado em 7

8 2013, houve mudanças no que concerne o trabalho médico, a formação e a Residência. Dentro do DABT, todas essas questões são discutidas, desde problemas mais internos quanto políticas externas. Nesse cenário, quais são os interesses do estudante da área de Saúde? Qual é o papel do Movimento Estudantil? Em que níveis, dentro e fora da Universidade, podemos atuar para que tenhamos uma boa formação? Qual a nossa responsabilidade na luta por um Sistema de Saúde gratuito, universal e de qualidade? Como lidar, futuramente, quando soubermos o que fazer com um paciente e isso simplesmente não adiantar? E quando pudermos receitar medicamentos para a dor nas costas de um paciente, porém sabermos que isso não será o suficiente, pois a pessoa que está na sua frente trabalha como motorista de ônibus, acumulando também a função de trocador, e passa horas em posição de desconforto, não tendo condições de se alimentar adequadamente ou de exercitar-se? Conhecer a técnica correta, saber profundamente Semiologia, Clínica e Farmacologia, é essencial e te permite salvar a vida do paciente que está na sua frente; envolver-se com o ser humano que pode precisar de seu atendimento, entendendo que ele só terá Saúde, de fato, quando tiver acesso não só à assistência médica, como à educação, saneamento básico, cultura, alimentação, permite que sua atuação seja no sentido de transformar muito mais vidas. Hoje, o convite que o DABT faz a você, que está ingressando na Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense, é a reflexão sobre o seu papel a partir de agora. A partir de qual conceito de saúde você quer direcionar sua formação? Como ter uma atuação realmente transformadora? Como modificar o lugar em que estou? Qual é o papel do médico na sociedade? Pense um pouco em cada pergunta dessas ao longo do tempo que estiver conosco, durante a Semana de Recepção. Use-as para direcionar cada atividade que levarmos vocês. Deixe que elas lhe incomodem. Converse conosco e com seus colegas. Instigue-se. E não tenha a pretensão de responder a essas questões em uma semana, a ideia é que essas respostas sejam refletidas, rediscutidas, reformuladas: nada é estático, e nem você deve ser. Fica aqui, então, o convite, para que você compareça toda segunda-feira, às 18 horas, na sala do DABT, momento em que nos reunimos, nos movimentamos, nos repensamos, nos reconstruímos. E tentamos extrapolar isso para o lugar onde estamos também. Vocês, calouros, já são parte do DABT, e mais do que isso, é para vocês que o DABT existe. 8

9 DENEM Autora: Mayara Secco Torres da Silva, coordenadora de Administração e Finanças do DABT, gestão 2014 Enquanto houver razões O Movimento Estudantil no curso de Medicina A Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina, DENEM, foi fundada em 1986, durante o Encontro Científico dos Estudantes de Medicina (ECEM). Até hoje, esse evento configura-se como maior instância deliberativa dentro da Executiva. Antes da fundação da DENEM, porém, estudantes de Medicina já se organizavam há muito tempo, independentemente da Secretaria de Biomédicas da União Nacional dos Estudantes, UNE. O Movimento Estudantil da Medicina desempenhou papel essencial, por exemplo, no Movimento da Reforma Sanitária. Os ECEMs, inclusive, foram uma estratégia utilizada para que se conseguisse realizar debates políticos durante os anos de Ditadura Militar. A DENEM se propõe a ser uma entidade representativa dentro do Movimento Estudantil de Medicina, de modo que assume também um papel de movimento social. Todavia, suas frentes de luta e seus interesses defendidos devem representar de fato os estudantes de Medicina. Daí a importância de que as pessoas que ocupam a DENEM tenham essa clareza, a fim de construir a Executiva a partir da base dos estudantes, e não por ideias de determinados grupos que estejam no poder. Para tanto, é primordial uma maior aproximação e interesse dos alunos em relação aos assuntos da Executiva. É essencial a importância de um debate, e esse sim irá direcionar uma construção coletiva. Há muito, os pontos principais discutidos pela DENEM são baseados em três eixos: 1) Reformulação do Ensino Médico; 2) Saúde Pública; 3) Mercado de Trabalho. Existem documentos que comprovam que esses pontos foram discutidos no ECEM de 1985, porém continuam muito atuais dentro da Executiva. Além disso, alguns outros debates foram sendo incorporados: opressão e questão LGBT, produção cultural, meio-ambiente, entre outros. Isso tudo tem proporcionado aos estudantes uma visão mais ampliada quanto à Saúde. A estrutura da DENEM Atualmente, a DENEM é composta pela Coordenação Nacional (CN) e pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Educação e Saúde (CENEPES). Além disso, existem algumas Assessoriais, tais como: Assessoria de Planejamento, Assessoria de Mídias e Assessoria de Resgate Histórico. A CN é formada pela Sede (Coordenação Geral, Coordenação de Finanças e Coordenação de Comunicação), Coordenação de Relações Exteriores (CREx) e Coordenações Regionais (CRs). Existem oito CRs, que agrupam estados, de acordo com a região e também com o número de escolas médicas. As CRs são formadas por suas Coordenações Locais, que são os Centros e Diretórios Acadêmicos de cada Universidade que as compõe. O Rio de Janeiro, junto ao Espírito Santo, faz parte da Coordenação Regional Sudeste 1. Então, o DABT é uma Coordenação Local da CR Sudeste 1. O CENEPES é formado por Coordenações de Área. São elas: Coordenação de Educação em Saúde, Coordenação de Políticas de Saúde, Coordenação de Políticas Educacionais, 9

10 Coordenação de Extensão Universitária, Coordenação de Cultura, Coordenação de Meio- Ambiente, e Coordenação Científica. Ao longo do ano, são realizados diversos eventos deliberativos da DENEM. O interessante é que esses eventos, além de cumprirem sua função deliberativa, são espaços de muito crescimento político, profissional e pessoal. São discutidos diversos temas, muito relevantes para a Educação e a Saúde, além da oportunidade de conhecer estudantes de Medicina das mais diversas faculdades do nosso país. São eles: Encontro Científico dos Estudantes de Medicina (ECEM), é o fórum máximo de deliberação da Executiva, todos os estudantes inscritos têm direito a voz e voto; Congresso Brasileiro dos Estudantes de Medicina (COBREM): segundo maior fórum de deliberação, é onde ocorre o planejamento da DENEM para o ano corrente e, atualmente, é quando se elege toda a gestão da DENEM; Reunião dos Órgãos Executivos (ROEx): terceiro maior fórum de deliberação, nesse espaço todo CA e DA tem direito a um voto; Reunião de Coordenação Nacional da DENEM; Encontro Regional dos Estudantes de Medicina (EREM): nesse espaço, organizado pelas respectivas CRs, são debatidos diversos temas e é um ótimo espaço para conhecermos melhor as pessoas que estudam perto de nós e compartilham da nossa realidade; Reunião de Coordenação Regional: geralmente, acontecem todo mês, e deliberam sobre os assuntos da CR e sobre posicionamentos próprios a serem levados a nível nacional. Nesse espaço, também são pautadas quaisquer questões dos interesses dos estudantes, por exemplo, na CR Sudeste-1, a questão do descredenciamento da Universidade Gama Filho vem sendo acompanhada de perto! Além disso, a CR Sudeste-1 realiza alguns outros eventos: as Olimpíadas Regionais dos Estudantes de Medicina (OREM), onde mais de 5000 estudantes ficam juntos por alguns dias de muito esporte e muita diversão e também o Seminário de Gestão, onde integrantes de diversos CAs e DAs podem discutir sobre aspectos internos de suas realidades. A DENEM hoje Em janeiro de 2014, a UFF sediou o XXVI COBREM. Com o tema Da copa eu abro mão: sou estudante, quero saúde e educação, um dos assuntos extremamente pautados durante o evento foi a representatividade da DENEM. Será que as questões da Executiva estão sendo de fato construídas a partir da base de estudantes? Ou estaríamos caminhando pela pirâmide invertida, isto é, a gestão deliberava algo e apenas repassava isso para os estudantes? Por que os eventos da DENEM têm sido relativamente esvaziados? Antigamente, iam 2000 alunos em um COBREM ou ECEM. Hoje, vão, em média, 500. Não é por menos que uma das frentes definidas como prioritárias ao longo do planejamento desse COBREM foi de nome Mobilizações e Organizações Estudantis, cujo cerne foi justamente a questão da representatividade. Foram enumeradas diversas ações a serem seguidas pela Executiva ao longo do ano, no sentido de trazer mais estudantes para participar da 10

11 Executiva. É importantíssimo que os rumos da DENEM sejam definidos pela maior quantidade possível de estudantes de Medicina do Brasil! No Ministério da Saúde, atualmente, há uma grande quantidade de ex-membros da DENEM. Para muitos, a Executiva é considerada uma escola de formação. Apesar de esse não ser o objetivo da entidade, de fato durante a vivência nos espaços promovidos, aprende-se muito sobre vários aspectos da vida, abarcando inúmeras questões políticas e culturais. Participar da DENEM é um grande aprendizado, em várias formas! Hoje, alguns integrantes da UFF participam da Coordenação Regional Sudeste 1, da Coordenação Científica e da Coordenação de Relações Exteriores. Para conhecer melhor a DENEM, não é preciso ser membro do DABT, basta ter vontade! E o convite já está feito para você, que entrou agora na faculdade e é muito bem-vindo em qualquer espaço promovido pela Executiva! Aliás, a Executiva agora também é você! 11

12 12

13 O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Autora: Mayara Secco Torres da Silva, coordenadora de Administração e Finanças do DABT, gestão 2014 Enquanto houver razões Um resgate histórico Durante os dois últimos séculos, o conceito de saúde foi alvo de muitas discussões. O que antes significava tão somente a ausência de doenças passou a ser definido pela Organização Mundial de Saúde, em 1946, como um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Essa mudança foi fruto de uma compreensão diferenciada do processo saúdedoença, resultando ainda na reforma de modelos de saúde por todo o mundo. Na Inglaterra, em 1948, foi criado o National Health Service (NHS), sistema de saúde tido como pioneiro, pelo foco na Atenção Primária à Saúde e por seu caráter universal e 100% público. Mais tarde, alguns modelos de saúde se assemelharam ao NHS: em Quebec, no Canadá, e no Brasil. A história das Políticas de Saúde no Brasil assume um caráter polêmico desde a época de Oswaldo Cruz, quando esse coordenou as campanhas de erradicação de doenças infecciosas. A população considerou a abordagem truculenta, e a insatisfação gerada culminou na Revolta da Vacina, em No decorrer do século XX, as ações em saúde transitaram de um modelo campanhista para um modelo mais assistencial. É importante a noção dos seguros, quando trabalhadores juntavam dinheiro nas Caixas de Aposentadorias e Pensões, que deram origem aos Institutos de Aposentadorias e Pensões, e futuramente foram unificados em INSS e INAMPS. Com isso, as categorias trabalhistas asseguravam sua assistência; os trabalhadores informais e desempregados, porém, ficavam dependentes de hospitais filantrópicos, como as Santas Casas. Além disso, a construção de muitos hospitais privados foi financiada pelo governo. Assim, o modelo de atenção à saúde no Brasil reforçava as tendências hegemônicas, caracterizadas por um caráter meramente curativo, com o uso de muitas tecnologias pesadas e tendo o hospital como o foco da assistência. É no contexto pós-ditadura, durante os anos de redemocratização, que o SUS é criado. Fruto de muita luta de décadas anteriores, o Movimento da Reforma Sanitária conseguiu seu espaço na Constituição Cidadã. A saúde passa a ser incluída entre os deveres do Estado, e como um direito de todos, relembrando o princípio da universalidade do NHS. Seu projeto, porém, não exclui a saúde privada: na lei, é prevista a existência da Saúde Suplementar como uma modalidade complementar ao SUS. A criação do SUS traz consigo alguns outros princípios e características: atenção integral com enfoque em atividades preventivas, regionalização, hierarquização, controle social, financiamento totalmente público. Dentro desse sistema, a Atenção Primária à Saúde começa a ganhar o seu espaço, principalmente após a criação da Estratégia de Saúde da Família, em Baseando-se em algumas experiências nacionais (Niterói, Londrina) e internacionais (Inglaterra, Cuba, Quebec), o modelo de Saúde da Família vem consolidando a Atenção Primária como uma grande necessidade dentro da assistência à saúde. 13

14 Mas, afinal, o que é a Atenção Primária? O modelo da Atenção Primária à Saúde (APS) é uma estratégia de organização do sistema de Saúde, cujas origens remontam ao Relatório Dawson, produzido na Inglaterra, em Trata-se de uma ruptura com o modelo hegemônico relatado no Relatório Flexner, produzido nos Estados Unidos em 1910, e já caracterizado nesse texto. A base da APS é a implantação maior de Unidades Básicas, que seriam responsáveis por um determinado território e dariam conta de 80% da demanda daquela região. Nesse espaço, seriam realizados atendimentos de menor densidade tecnológica, atividades de prevenção, acompanhamento médico. A intenção é que a equipe responsável pela unidade conheça bem as peculiaridades daquele território e consiga se relacionar com o usuário a ponto de conhecer suas nuances familiares, seu bem-estar social, sua saúde psicológica. Nesse sentido, destacam-se as figuras dos Agentes Comunitários de Saúde, que são moradores da região, é importantíssima, por conhecerem bem a comunidade, e dos Médicos de Família, que são médicos generalistas aptos a atuar no dia-a-dia da Atenção Primária. Os outros 20% da demanda seriam absorvidos por Policlínicas de Especialidades e Hospitais, a partir de um sistema de referência e contra-referência. Temos, então, a organização do Sistema de Saúde em níveis, hierarquizados não por complexidade, já que são exigidos modos de lidar diferentes, mas por densidade das tecnologias utilizadas. Enquanto na APS utilizam-se ferramentas mais básicas, sendo o principal trunfo a relação médico-paciente, no nível terciário (hospitais altamente tecnológicos), por exemplo, temos a capacidade de realizar exames mais pesados, como uma Tomografia Computadorizada. A realidade do SUS O SUS é um sistema politicamente jovem. Comparado ao NHS, por exemplo, é quase recém-nascido. Existem, portanto, muitos entraves a serem superados. A luta que marcou a trajetória da Reforma Sanitária e culminou na criação do Sistema não pode ter sua chama apagada. Primeiro, a concepção da APS contrapõe o desejo imediatista das pessoas. Quando sofremos, queremos logo um remédio que cure nossa dor. É preciso entender que nem sempre a medicalização de uma situação é a melhor solução; que um remédio é incapaz de resolver o universo psicossocial que nos é inerente. Conseguir essa compreensão de toda a população é um desafio. Além disso, políticas neoliberais tentam, em todo o mundo, desmontar sistemas públicos de saúde, em prol de interesses privados. O Banco Mundial produz cartilhas que determinam a responsabilidade mínima do Estado com a saúde. Como consequência, vemos a precarização e o sucateamento de serviços públicos. O SUS é subfinanciado. O país investe apenas 6% do seu orçamento em saúde. Vemos a gestão pública entregue às Organizações Sociais de Saúde e à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares. É preciso força. E muita luta. Apesar de tantas notícias sobre o péssimo estado dos hospitais públicos e muita crítica ao atendimento prestado, precisamos também observar alguns aspectos positivos que o SUS tem desempenhado. Atualmente, o sistema público cobre a vacinação de grande parte da 14

15 população. São disponibilizadas vacinas, como BCG (tuberculose), MMR (sarampo), febre amarela, gripe, entre outras. Somos inclusive autossuficientes na produção de muitas dessas. O SUS oferece ainda outros serviços, como transplante de órgãos, diálise, Farmácia Popular, ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Temos locais de referência internacional, como o INCA Instituto Nacional do Câncer e o INC Instituto Nacional de Cardiologia. Mesmo subfinanciado, o SUS consegue produzir muito. E tudo para o povo, por quem sua existência é pautada. É para o povo que o SUS existe. Não para interesses de pequenos grupos. Há muito que se avançar ainda. Ampliar e consolidar a rede de Atenção Primária. Melhorar a infraestrutura dos níveis secundário e terciário. Diminuir as filas de espera. Aumentar o financiamento do SUS. Formar mais profissionais. O caminho a ser percorrido é árduo e longo, não podemos nos enganar. Porém, é necessário ter a consciência de que o nosso Sistema não é feito apenas de escândalos e notícias ruins. Também fazemos muitas coisas boas. Também temos muito para ensinar. E é nesse entremeio que se formam os futuros profissionais de saúde. É nessa contradição entre a consolidação de um sistema universal e o seu desmonte que o usuário tem acesso à saúde. Nessa necessidade de considerar os aspectos positivos e tentar solucionar os negativos. O SUS nunca foi nos entregue de mãos beijadas; o direito à saúde é fruto de muito esforço e muita reivindicação. A sua consolidação exige o mesmo espírito de luta do Movimento da Reforma Sanitária. Ou melhor, exige mais. Exige de todos nós, que, direta ou indiretamente usufruímos desse sistema. Exige de todos nós, que entendemos a saúde como um direito, e não como uma mercadoria. 15

16 16

17 EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO MÉDICA Autora: Carine Marie Vasconcellos Sales, estudante de Medicina da UFF, turma 111 A formação médica é um assunto que sempre esteve em constante debate no meio acadêmico, sendo o Movimento Estudantil agente fundamental para mudanças nas bases curriculares dos cursos de Medicina. Mas por quê? Porque a partir da análise do currículo das faculdades de Medicina podemos ver que tipo de profissionais estão sendo formados e a que interesses esse tipo de formação atende. No início do século XX, foi publicado o "Relatório Flexner", por Abraham Flexner, a partir de uma pesquisa realizada sobre o ensino da Medicina nos EUA. Em tal documento, o autor defendia que o ensino deveria ser feito tendo como base o pensamento limitado que acredita que o corpo humano é uma máquina, como tal é constituído por peças e que a doença é uma falta de funcionamento adequado dessas peças, sendo o papel do médico resumido a consertar os defeitos de funcionamento dessa máquina. Podemos ver que uma forte característica desse modelo é o estímulo à especialização, visto que cada especialidade médica estaria relacionada ao conserto de um determinado grupo de peças dessa máquina, isto é, o estudo de determinados órgãos e sistemas do indivíduo. Nesse Relatório, o autor divide a formação médica em ciclos básico, no qual seriam utilizados laboratórios, e clínico, no qual seriam utilizados hospitais, e em internato hospitalar. Cada um destes ciclos teria a duração de 2 anos. No ciclo básico, seriam abordadas as características morfofisiológicas do indivíduo, com disciplinas como anatomia, fisiologia, histologia, bacteriologia. No ciclo clínico, seriam abordadas grandes áreas como clínica médica, pediatria e cirurgia. Por fim, o internato hospitalar seria o período de prática do curso. A ênfase à formação hospitalocêntrica gerou como demanda a construção de uma unidade que viabilizasse sua implementação. A essa unidade foi dado o nome de Hospital Universitário. Desta forma, podemos ver que o curso médico possuía como fortes características a fragmentação excessiva, sendo dado grande foco às especialidades, excesso de aulas teóricas, em detrimento da prática, e ênfase em pacientes mais graves, que necessitavam de acompanhamento hospitalar. O enfoque biologicista no processo saúde-doença defendido por esse relatório é chamado de Modelo Biomédico, o qual dissocia completamente a Educação Médica das preocupações com as mazelas sociais. Essa nova ideia de Educação Médica foi fundamental para atender o interesse do complexo médico-industrial, uma vez que fomenta a criação da "indústria da doença", que dá ênfase à utilização de exames complementares e da medicalização. Por conta de sua ampla aceitação entre as escolas médicas nos EUA, e, em poucas décadas, em boa parte do mundo, esse Modelo Biomédico ficou conhecido também como Modelo Hegemônico. No entanto, embora resolutivo para o reestabelecimento da saúde em alguns, uma boa parcela da população não era assistida por esse Modelo. Como diminuir a incidência de hipertensão arterial sistêmica e diabetes sem mudanças no estilo de vida? Como explicar a menor incidência de doenças infecto-parasitárias com medidas sanitárias do que com o surgimento e utilização de antibióticos? Como tratar as doenças psicossomáticas? 17

18 Tentando responder essas perguntas, ressurgiu o debate sobre a determinação social no processo saúde-doença, liderado, no Brasil, pelo Movimento pela Reforma Sanitária. Originado a partir da luta contra a Ditadura Militar, tal movimento tinha como bandeira principal a democratização da saúde em seu conceito mais amplo. Sobre o debate, a reflexão trazida era de que é impossível e leviano desassociar a determinação social do processo saúde-doença, visto que o papel que o indivíduo ou grupo social desempenha na sociedade influencia diretamente as formas de viver, adoecer e morrer. A luta do Movimento pela Reforma Sanitária culminou na criação do SUS, no ano de Ao ressurgir e ganhar força, essa nova proposta do entendimento do processo saúdedoença reacendeu o debate nas escolas médicas: o currículo tradicional estaria formando profissionais com esse perfil, a fim de atender ao interesse de assistência a saúde num conceito mais amplo? A partir deste questionamento, foi criada a Comissão Interinstitucional de Avaliação do Ensino Médico (CINAEM), no início da década de A Comissão era composta por onze entidades, tais como a Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina (DENEM) e Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM). Ao final de um processo de elaboração e análise de propostas, que durou 10 anos, foram homologadas, em 2001, as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN), que são, em linhas gerais, um conjunto de orientações para a graduação em Medicina no Brasil, definindo os princípios, fundamentos, condições e procedimentos para formação de médicos, e levando em consideração que estes serviriam de recursos humanos para o SUS. A nossa faculdade de Medicina da UFF foi pioneira, em âmbito nacional, na ampliação do debate acerca do currículo das escolas médicas e na maior integração entre faculdade de Medicina e sociedade, antes mesmo da CINAEM. Em consequência disso, em 1994, foi realizada a Reforma Curricular no nosso curso, que contou com participação ativa do Movimento Estudantil. Tal currículo implementado serviu inclusive de modelo para a construção das DCNs. O currículo novo - que já tem quase 20 anos de implementação - tem como objetivo principal a revalorização da interação entre o ser humano, a sociedade a qual pertence, o meio ambiente onde habita e a formação do médico. O que se espera é que o egresso tenha capacidade de atender às necessidades básicas de saúde da população, desempenhando tarefas de promoção, prevenção, cura e reabilitação. Claramente contra-hegemônico, o currículo da nossa Faculdade foi pensado em dois eixos - horizontal e vertical. O primeiro representa o crescente nível de complexidade das disciplinas, enquanto o segundo representa a integração entre o conhecimento adquirido e a aquisição e treinamento de habilidades práticas, desde o primeiro período letivo de faculdade, indo de encontro ao Modelo Flexneriano, que concentrada a prática nos dois últimos anos. O Curso de Medicina da UFF, pelo novo currículo, está compreendido em 6 fases, cada uma correspondendo a dois períodos letivos, sendo as quatro primeiras divididas em dois programas: o teórico-demonstrativo, que diminui em carga horária ao longo do tempo, e o prático-conceitual, que aumenta em carga horária ao longo do tempo. As duas últimas fases são dedicadas ao internato, sendo a quinta fase destinada ao internato obrigatório e a sexta fase 18

19 dedicada ao internato eletivo. Observando a figura 1, podemos compreender melhor como o nosso currículo funciona. Eixos Integradores - Figura 1 Como todo processo contra-hegemônico enfrenta barreiras para obter sucesso, com a implementação e operacionalização do nosso currículo não seria diferente. Mesmo depois de 20 anos, a proposta curricular não foi plenamente desenvolvida. Os motivos são os mais variados, sendo falta de identificação ideológica do corpo docente com o currículo, falta de vínculo da Faculdade de Medicina com a rede de saúde de Niterói e falta de infraestrutura das Unidades de Saúde para receber os alunos alguns deles. Há 5 anos, o Diretório Acadêmico Barros Terra (DABT) organiza anualmente a Conferência Curricular do Curso de Medicina da UFF. O evento a cada ano tem conseguido agregar mais docentes e discentes a fim de discutir os pontos falhos da implementação do currículo. Além disso, o DABT também possui representatividade em todas as instâncias deliberativas da Faculdade de Medicina, tais como Colegiado de Curso e Colegiado de Unidade, ratificando o papel fundamental que o Movimento Estudantil tem no aperfeiçoamento da Educação Médica. Assim, podemos ver que a Educação Médica no Brasil hoje em dia, pelo menos das DCNs, tem uma ligação muito forte com os Movimentos Sociais. No entanto, é necessário que cada um se identifique como sujeito nessa luta seja incessante, para que tal ligação extrapole a idealização e se torne realidade. 19

20 20

21 O HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO E SUA EMERGÊNCIA Autor: Gabriel Maia Scharnhorst Ott, coordenador de Cultura e Formação Científica do DABT, gestão 2014 Enquanto houver razões Dentro do curso de medicina, uma das etapas mais esperadas pelos alunos é a entrada no Hospital Universitário (HU). Alguns criam tal expectativa baseados na vontade de realizar procedimentos complexos; outros, na possibilidade de entrar em contato com pacientes; há também aqueles que desejam experimentar a sensação de investigar patologias misteriosas. O fato é que, ainda hoje, mesmo com a elaboração das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Medicina, e a reorientação da formação médica para um modelo pautado na Atenção Primária em Saúde, até hoje o HU ocupa um papel central no ensino do profissional de saúde. Na UFF, o nosso HU chama-se Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP). O HUAP teve sua construção iniciada ainda na década de O projeto original já vislumbrava um hospital de grande porte, que atendesse às necessidades da cidade de Niterói (que então havia perdido um de seus hospitais mais importantes), São Gonçalo, Maricá, Itaboraí e as cidades mais ao interior. Esse hospital contava com setor de emergência, ambulatórios, enfermarias e maternidade, todos no prédio principal de oito andares. Ao longo das décadas, o hospital foi sendo expandido, contando hoje com vários blocos interligados por passagens em vários andares. Em 1951, então, foi inaugurado o Hospital Municipal Antônio Pedro. Naquela época, o HMAP sobrevivia financiado pelo governo municipal, mas progressivamente teve como principal mantenedora a Polícia Militar, até que, em dezembro de 1960, o Hospital estava prestes a ter suas portas fechadas, por falta de recursos. Os jornais da época questionavam: a equipe que permanece de serviço pouca coisa poderia fazer caso fosse chamada a atuar numa emergência de maiores proporções (O Fluminense, 01/12/1960). Esse mês seria marcante para o Hospital: no dia 3 de dezembro de 1960, 150 estudantes da Faculdade Fluminense de Medicina (FFM), representados pelo DABT, decidiram tomar as rédeas do processo e ocuparam o HMAP, formando acampamento e reabrindo o setor de urgência e a maternidade. Eles exigiam a federalização do Hospital e sua transformação em hospital-escola da FFM. Durante assembléia no próprio Hospital, os estudantes rebatizaram-no de Hospital Universitário Antônio Pedro. A situação de ocupação estudantil do HUAP perdurou até o dia 17 de dezembro, quando, em circunstâncias trágicas, o Hospital teria suas portas reabertas à força por trabalhadores: o Gran Circo Norte Americano, com lotação de mais de 3100 pessoas, havia incendiado. Foram contados mais de 500 mortos, e um número muito maior de vítimas, queimados que foram levados ao Hospital. De maneira abnegada, heroica e sofrida, clínicos, cirurgiões, enfermeiras e voluntários trabalharam incessantemente no HUAP para cuidar daqueles atingidos pela tragédia circense com maior número de vítimas da história. É nesse contexto que ressurge a Emergência do Antônio Pedro. Um setor do hospital que já nascera grande, e que nos próximos anos, ficaria maior ainda. Na década de 70, o setor de emergência chegou a atender mais de pacientes em um só dia (sim, mas de mil!). Atendia 21

22 a todos os tipos de agravos, desde unhas encravadas e sinusites, até atropelamentos e paradas cardíacas. Em meio a todo esse movimento, os estudantes de medicina aprendiam a atender urgências e emergências. A Emergência do HUAP era um polo de atendimento para toda a região da Grande Niterói e Região dos Lagos, e o hospital todo funcionava em grande parte para fornecer retaguarda aos pacientes que obtinham acesso através desse setor. A partir do começo da década de 1990, a situação começou a mudar, com a redemocratização. A implantação de políticas neoliberais de redução do Estado implantadas pelos governos Collor, Itamar e FHC iniciaram um processo de sucateamento dos Hospitais Universitários, com redução da abertura de concursos para profissionais da saúde, e também do aporte de verbas destinado a essas unidades de saúde. Por outro lado, a implantação do Programa Médico de Família em Niterói começou a absorver grande parte da demanda de urgências na cidade, deixando apenas os casos mais graves para resolução pelo HUAP. Com isso, começou uma redução progressiva do número de pacientes, e do Hospital como um todo. A ascenção de um sindicalista à presidência da República não alterou esse quadro. Muito pelo contrário. O governo Lula aprofundou o processo de privatização e sucateamento da saúde no Brasil, culminando na criação da lei da EBSERH. Esse processo se refletiu na redução da capacidade do HUAP para meros 200 leitos. Em maio de 2009, sob o pretexto do surgimento de uma bactéria multirresistente a antibióticos, a emergência foi fechada. A existência da tal bactéria nunca foi comprovada, e a emergência permaneceu fechada, agora com a justificativa de estar em obras para readequação do espaço físico. Em 2011, as obras foram concluídas, e a emergência foi reaberta, funcionando com acesso referenciado. Uma emergência referenciada é aquela que não recebe pacientes por livre acesso, apenas por meio de encaminhamento de outro serviço de saúde (PMF, Policlínica, Hospital Municipal ou SAMU). No entanto, o volume de atendimento a pacientes na Emergência reduziu-se drasticamente, assim como o perfil de pacientes atendidos. Atualmente, a Emergência permanece referenciada. Ela recebe principalmente pacientes portadores de câncer com complicações decorrentes da doença ou de seu tratamento, doenças crônicas agudizadas (cirrose, insuficiência cardíaca, insuficiência renal crônica), acidentes com animais peçonhentos e pacientes dos próprios ambulatórios do HUAP. Os alunos do oitavo período devem dar um plantão de 12h por semana, como cumprimento da carga horária do TCS IV. Muitos questionam o atual papel da Emergência na formação dos estudantes de Medicina, uma vez que casos menos complexos, mas mais comuns, como infarto agudo do miocárdio e acidentes, raramente são atendidos lá. O Diretório Acadêmico Barros Terra, baseando-se nas discussões e opiniões dos estudantes, hoje tem o seguinte posicionamento sobre a Emergência do HUAP e sua forma de funcionamento: defendemos a reabertura da Emergência à livre demanda, com serviço de acolhimento e classificação de risco ( triagem dos pacientes, com atendimento humanizado e encaminhamento do paciente à unidade capaz de resolver seu problema), expansão do serviço, e contratação de profissionais para o setor de Emergência e os outros setores do HUAP, sem intermédio da EBSERH, Organizações Sociais, Fundação ou qualquer outra forma de privatização e precarização do trabalho. Esta é a nossa luta! 22

23 EBSERH E HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS Autora: Marcele Sappi de Almeida, coordenadora de Divulgação e Imprensa do DABT, gestão 2014 Enquanto houver razões A EBSERH, Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, foi criada pela Medida Provisória 520, pelo então presidente Lula, em 31/12/2010, e efetivamente instaurada, pela aprovação da Lei nº de 15/12/2012. Foi criada com o pretexto de integrar um conjunto de ações empreendidas pelo Governo Federal no sentido de recuperar os hospitais vinculados às universidades federais, pelo Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF). As maiores críticas à EBSERH estão relacionadas à perda da autonomia das Universidades no gerenciamento de seus HUs, já que a empresa se vincula diretamente ao Ministério da Educação e não às universidades, dificultando, desta forma, a construção coletiva não só dos serviços de saúde prestados à população, como também o processo ensinoaprendizagem ali desenvolvido entre docentes e discentes. O corte de verbas destinadas aos HUs, pelo governo federal, tem sido cada vez maior, fazendo com que diversos hospitais não encontrem outra saída além da adesão, por força de coação. No entanto, as verbas que sustentam a EBSERH e os hospitais sobre sua responsabilidade provêm da mesma fonte, o tesouro nacional. Mostra-se clara aí a intenção de precarizar o vínculo do trabalhador com o Hospital Universitário e abrir brechas na regulamentação dessas unidades de saúde que permite a relação promíscua entre público e privado. Onde está então a autonomia? Será que existe outra saída? A lei que regulamenta a EBSEH aponta ainda outras formas de financiamento como a provinda de planos privados de assistência à saúde, o que pode permitir a influência do mercado na prestação de serviços de saúde e romper com o princípio do SUS da Universalidade, segundo o qual todos deverão ter as mesmas condições de acesso ao Sistema de Saúde. A instauração do SUS, há quase vinte anos, não foi fácil. Fruto de muita luta, o movimento da reforma sanitária alcança seu espaço na Carta Magna de 88. Mas essa luta não terminou ali, é travada até hoje em busca de um sistema de saúde cada vez mais aprimorado e eficaz. Atualmente, das 32 universidades federais brasileiras que têm Hospitais Universitários (HU), 21 fizeram adesão à EBSERH: 14 com aprovação de seus respectivos Conselhos Universitários: UFPI, UnB, UFMT, UFAM, UFPEL, UFRN, UFSM, UFBA, UFJF, UFMS, UFPB, UFMG, UFCE, UFC; e 7 sem aprovação do respectivo conselho: UFMA,UFAL,UFTM, UFES, UFS, UFPE, FURG e UFGD. No estado do Rio de Janeiro, nenhum dos três Hospitais Universitários Federais, Hospital Universitário Antônio Pedro UFF, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho UFRJ e Hospital Universitário Gaffrée e Guinle UNIRIO, assinaram o contrato de adesão à EBSERH. 23

24 Na UFF, em maio de 2013, os alunos do curso de graduação de Medicina, após assembleia geral, se colocaram contra a adesão à EBSERH. Além disso, o SINTUFF que representa os funcionários técnico-adminstrativos desta universidade e a ADUFF, que representa os docentes, também já declararam-se contrários. Alunos, docentes e funcionários da UNIRIO e UFRJ também já se posicionaram contra a assinatura do contrato de adesão à esta empresa. É nesse contexto que a luta em defesa dos Hospitais Universitários, deve ser travada. Em busca de uma saúde e educação de qualidade, sem interferências externas, tanto ideológicas, quanto de mercado, salientando que a entrada da EBSERH nestes estabelecimentos pode, não só afetar a prestação de serviços de saúde daquele hospital, como também a qualidade da formação do profissional provindo dele. 24

25 EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA O MUNDO LÁ FORA Texto original: Coordenação de Extensão Universitária da DENEM, gestão O papel social da universidade e A extensão na formação médica Edição: Gabriel Maia Scharnhorst Ott, coordenador de Cultura e Formação Científica do DABT, gestão 2014 O papel social da universidade A busca pelo conhecimento traz para a humanidade mais uma maneira de obter destaque dentro de uma sociedade. O reconhecimento de um cientista pela população vem por conta deste estar dentro de uma instituição a que poucos têm acesso. Esta acessibilidade, em parte, dá-se pela pequena quantidade de jovens no país que consegue terminar o segundo grau, visto a necessidade imediata de conseguir emprego, outrora também pelo número de vagas que as universidades públicas disponibilizam. Assim, o poder científico, na maioria das vezes, é acumulado nas classes sociais mais ricas, dando continuidade ao processo de surgimento das universidades burguesas, que obedecem às premências de seu tempo sócio-histórico, adequando e conformando suas práticas às intencionalidades das classes dominantes. As universidades surgiram no período feudal, com o objetivo de atender a uma pequena parcela da população e às demandas do mercado de trabalho, estabelecendo relações sociais apenas com a Igreja, os reis, a aristocracia e a burguesia. Nesse tempo, o teocentrismo era a concepção colocada pela Igreja. Assim, os professores julgavam ter uma capacidade quase divina, pois possuíam o conhecimento concebido por Deus. A produção acadêmica servia apenas para ser utilizada nas classes sociais mais favorecidas financeiramente e o poder científico fez crescer tais classes, tornando-as mais poderosas. Hoje, as universidades passam por processos de democratização do ensino, ainda atrofiados diante das enormes demandas sociais e da exclusão econômica e política das comunidades mais excluídas. O ensino dentro destas instituições, em sua maioria, não transforma o estudante em um profissional voltado para a realidade brasileira. A preocupação pela formação surge, na maior parte das vezes, quando se discutem questões relacionadas ao mercado de trabalho, favorecendo um ensino mercantilista e tecnicista. As pesquisas realizadas dentro das universidades tendem a ser voltadas às publicações em revistas científicas, ao preenchimento de currículos e a formar seres especializados em saber cada vez mais de cada vez menos. Do outro lado da rua, no entanto, existe um conhecimento natural, intrínseco às comunidades, com um potencial cultural deveras rico. A comunidade busca priorizar, dentro dos seus saberes, a qualidade ao invés da quantidade, a utilidade no lugar da superfluidade, a integração ao invés da segmentação, trazendo como peças fundamentais à atividade econômica o meio ambiente, sua integração num contexto maior da vida e o bem-estar dos moradores. Os movimentos sociais/populares que se encontram dentro das comunidades têm papel fundamental dentro das reivindicações feitas pelo seu povo, problematizando a saúde, a cultura, a educação, a segurança e o (des)envolvimento sustentável. 25

26 Através da Extensão Universitária, os muros da universidade se quebram, o contato Comunidade Universidade é estabelecido, a troca de saberes é realizada, enfim, dá-se a interação entre o científico e o popular Ela pode tornar fácil a percepção de como as periferias, os subúrbios, as zonas marginais e pequenas, a população excluída têm diariamente construído seu saber. A Extensão tem como fundamento mostrar a responsabilidade da Universidade por uma sociedade formada por todas as classes sociais, atuando na transformação dos indivíduos e certificando o verdadeiro sentido de seu nome: UniverSociedade. A extensão na formação médica Na área da saúde, a formação a partir da troca de saberes existentes nos projetos extensionistas assume particular importância uma vez que se integra à rede assistencial e pode servir como um espaço novo, voltado à humanização e à qualificação da atenção à saúde. A reformulação das diretrizes curriculares dos cursos de medicina pelos Ministérios da Saúde e Educação, como resultado de um processo intenso de discussões sobre a formação médica conhecido como CINAEM (Comissão Interinstitucional Nacional de Avaliação do Ensino Médico), relembrou a importância da formação voltada às reais necessidades de saúde do país. A proposta passou a formar médicos criticamente conscientes, capazes de refletir sobre a situação sócioeconômica-cultural de seus pacientes e planejar junto a eles formas de assegurar prevenção de doenças e promoção de saúde de maneira efetiva, alterando assim, a visão de saúde como meramente biologicista e curativa, mas, sobretudo, proporcionar um entendimento integral de cada um e de cada uma. O paciente deixa de ser apenas um órgão patológico e transforma-se em ser humano, com história, cultura, responsabilidades, sentimentos, desejos, sonhos e angústias. Não basta tratar a dor, é necessário tratar o indivíduo em todas as suas facetas. Dentro desta perspectiva, o contato com a comunidade permite que o estudante aprenda a trabalhar com a diversidade cultural e social existente em cada realidade, em cada canto do país. Principalmente dentro das escolas médicas, torna-se importante o incentivo à participação e à elaboração de projetos de extensão que cumpram o papel de sensibilização de estudantes e de professores para as reais necessidades sociais, além do desenvolvimento de competências importantes como o trabalho em equipes multiprofissionais e o diálogo com a comunidade. Algumas experiências positivas são observadas pelo país, como é o caso do externato rural (onde internos desenvolvem suas práticas de ensino em cidades pequenas no interior do estado); ou a inserção desde cedo nas comunidades, tanto através do contato com a rede pública de saúde, como pela possibilidade de diálogo desde os períodos iniciais do curso com as diferentes dinâmicas sociais e com as diversas maneiras de enxergar e entender saúde. Ambas as experiências são ainda tímidas frente à necessidade de transformação da formação médica proposta pelas diretrizes curriculares, todavia conduzem, dentro de suas peculiaridades e limitações, a uma vereda promitente, que se avizinha ao processo buscado de modificação da realidade médico-acadêmica brasileira. 26

27 Uma grande aliada na construção e no aperfeiçoamento dessas experiências, a prática de extensão universitária no campo da educação popular em saúde, ao invés de servir meramente para atenuar e acobertar desigualdades sociais e assegurar a estabilidade do sistema econômico-político vigente, apresenta potencialidades de mudanças significativas na formação dos profissionais da saúde. Dessa maneira, é importante que as escolas médicas se comprometam, não somente com a promoção da extensão, mas com a estruturação da mesma, de forma que seja possível para estudantes de medicina trabalhar com esta pauta durante e após a graduação. Garantir o espaço na grade curricular para o desenvolvimento de projetos, encarar a interação comunitária como nova ambiência para aprofundar a relação universidade-sociedade, bem como fomentar as discussões acerca do papel social do médico em ambiente letivo e travar relacionamentos favoráveis à prática extensionista com discentes, docentes e coordenadores de outros cursos são formas de assegurar uma estrutura mínima para o crescimento da extensão dentro do ensino médico. Toda escola comprometida com a formação humana crítica deve relembrar o basilar papel social da universidade e sua importância no desenvolvimento de médicos conscientes, éticos e humanamente competentes para trabalhar com as diferenças sociais e culturais, vendo na extensão um caminho possível para a transformação. Dentro destas perspectivas, o estudante tem um papel fundamental, enquanto protagonista de sua formação e das mudanças que deseja para o seu curso. Ser extensionista na UFF E como toda essa discussão sobre Extensão Universitária se aplica dentro de nosso contexto? Diversos projetos de extensão atuam na UFF, cadastrados na PROEX (Pró-Reitoria de Extensão) cada qual com um caráter mais ou menos assistencialista, educacional, e poucos realmente um caráter de interação Universidade-Comunidade. Projetos que se destacam na UFF incluem a Creche Universitária, a Farmácia Universitária, o Colégio Universitário (COLUNI), a Assessoria Jurídica e o Pré-vestibular Universitário, este último tendo origem no Curso Anexo, fundado em 1931 pelo próprio Antônio Pedro Pimentel, que dá nome ao nosso Hospital. Mais próximos à realidade dos estudantes, aparecem o projeto Boa noite, bom dia HUAP e as Ligas Acadêmicas. Em maior ou menor grau, todos esses projetos citados agem principalmente como prestadores de serviços e locais de estágio acadêmico. Mas o que faltaria aos projetos da UFF, em particular da área da Saúde, para que possam caracterizar uma extensão que dialogue com os saberes da Comunidade, para que juntos eles se tornem socialmente referenciados e transformadores? Um ponto que necessita ser esclarecido é a formação do estudante acerca dos conceitos de Extensão Universitária. Muitos têm registrados projetos de extensão poucos discutiram de fato a essência do ato extensionista. Soma-se a isso o fato de muitos estudantes verem na extensão meramente uma oportunidade de estágio, ou de trabalho voluntário. Será que da 27

28 forma como se dão os projetos de extensão, eles realmente atendem às demandas da Sociedade, ou apenas reproduzem as demandas da Academia? Fazer extensão é um desafio que se impõe a qualquer membro da Universidade. É tão complexo quanto a pesquisa e o aprendizado. Cabe a nós, estudantes, termos o mesmo afinco que temos de nos informarmos sobre a metodologia da pesquisa, para com as diferentes formas de interagir com a Comunidade. 28

29 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA Autor: Rafael Catelli D Agostino, coordenador de Divulgação e Imprensa do DABT, gestão 2014 A Iniciação Científica é um programa que visa atender alunos dos cursos de graduação, colocando-os em contato com grupos/linhas de pesquisa. Busca, também, proporcionar ao aluno, orientado por pesquisador experiente, a aprendizagem de técnicas e métodos científicos, bem como estimular o desenvolvimento do pensar cientificamente e da criatividade, decorrentes das condições criadas pelo confronto direto com os problemas de pesquisa; o estudante pode desenvolver pesquisa no âmbito da Iniciação Científica com bolsa oferecida pelas agências tradicionais de fomento à pesquisa. No entanto, pode também fazer sua pesquisa sem que lhe seja atribuída bolsa e/ou auxílio. A iniciação científica da UFF é uma atividade que faz parte do currículo da faculdade de Medicina, entrando como matéria optativa, sendo que a IC I vale 3 créditos e as seguintes apenas 2 créditos. Todos começam na IC I, que pode ser feita a partir do 2o período, em horários variados que mudam a cada semestre. São cerca de 4 meses de aula, uma vez por semana em média, muito tranquilo de se fazer. A partir das ICs seguintes, você recebe uma lista com vários professores e seus respectivos projetos e contatos. Você escolhe a que mais te apetece, faz contato com o professor e se ele te aceitar, basta apenas levar uma cartinha da coordenação para ele assinar. As maravilhas que te aguardam são inimagináveis, você acabou de entrar na caverna de Aladdin, e até achou seu gênio. Esse gênio também tem três desejos, porém são desejos que você trabalhe, leia artigos, estude sobre o assunto, monte banco de dados, aprenda estatística. Sim, ninguém ensinou isso na IC I. Parece penoso mas não é. A minha orientadora me disse uma frase ótima uma vez, que Ciência para ser boa não precisa ser chata, e ela está coberta de razão. A minha IC é de longe uma das atividades mais prazerosas da faculdade, onde tenho a oportunidade de produzir conhecimento, usar a criatividade, resolver problemas e conhecer outras pessoas e ambientes. Sem contar que desde o terceiro período fui agraciado com uma singela bolsa de estudos de 400 reais. Porém, vale notar que ganhar uma bolsa do CNPq, através do PIBIC-UFF, traz mais que apenas aquele dinheirinho pra gastar na sua choppada favorita; o CNPq adora suas pratas da casa, e ele até mima você, te dando a preferência em programas como Ciência sem Fronteiras, bolsas de mestrado, doutorado, pós-doutorado, financiamento de projetos futuros etc. Além da participação de produtos inovadores e de alta tecnologia na matriz de exportações, outros dados, como a produção científica e o número de mestres, doutores e instituições de ensino, permitem avaliar a situação de um país em relação ao potencial de inovação. As publicações científicas e o número de estudantes, mestres e doutores são meios de avaliar o sistema acadêmico. Em franca evolução, a situação do Brasil nesses quesitos permite imaginar que existe uma base no país para, caso haja parceria com a indústria, deslanchar um período de inovação tecnológica. 29

30 O cenário foi encontrado em informações tabuladas pela Folha a partir da base aberta de dados Scimago (alimentada pela plataforma Scopus, da editora de revistas científicas Elsevier). Ela traz números da produção científica de 238 países. De 2001 para 2011, o Brasil subiu de 17º lugar mundial na quantidade de artigos publicados para 13º --uma conquista que costuma ser comemorada em congressos científicos do país. Em 2011, os pesquisadores brasileiros publicaram artigos. O número é equivalente a 3,5 vezes a produção de 2001 ( trabalhos). O problema é que a qualidade dos trabalhos científicos, medida, por exemplo, pelo número de vezes que cada trabalho foi citado por outros cientistas (o chamado "impacto"), despencou. O Brasil passou de 31º lugar mundial para 40º. China e Rússia, por outro lado, ganharam casas no ranking de qualidade nesse período. Mas e essa parceria da indústria? Sim, todos esses dias gastos por milhares de equipes de pesquisadores, estudando e desenvolvendo as melhores tecnologias, que vão desde um comprimido com uma droga até válvulas artificiais para um coração doente, têm um preço, e tem um preço muito caro, que muitas vezes custa muito mais do que dinheiro. A indústria infelizmente tem colocado o dinheiro na frente de qualquer ser humano. São milhares de escândalos, principalmente por parte da indústriafarmacêutica, que usa diversos artifícios, desde o representante do laboratório batendo na sua porta, até a medicina baseada em evidências, para convencer profissionais de saúde a usarem seus produtos. Afinal, um pesquisador e um valor p<0,05 vale mais do que 1000 propagandas e representantes. Aliás, vale mais que mil vidas, já que a constante manipulação/omissão de resultados, testes ilegais em seres humanos, entre outras, acabam por matar ou encurtar a vida de milhares de pessoas que poderiam receber o tratamento certo mas receberam o mais caro. No fim das contas, cabe a nós, estudantes, saber que o conflito de interesses existe, e que para muitas pessoas o dinheiro fala mais alto. Entendemos que a tecnologia vem para ajudar o próximo, diagnosticar os pacientes complexos, confortar e aliviar aqueles com dor e medo, e acima de tudo, prevenir que as coisas cheguem a esse ponto de necessidade. Para isso as tecnologias são importantes. Uma política pública da saúde, bem estudada e fundamentada pode salvar milhares de vidas, prevenir que as pessoas adoeçam até um estado em que precisem de um hospital, e produzir desenvolvimento social. É para poupar esse sofrimento (e indiretamente esse dinheiro) que nós estudamos e pesquisamos com afinco, para sempre fazer o melhor ao próximo. 30

31 ESTÁGIOS INTERNACIONAIS A CLEV E OUTRAS FORMAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL Autor: Flávio de Oliveira Mendes, coordenador de Cultura e Formação Científica do DABT, gestão 2014 A CLEV (Coordenação Local de Estágio e Vivências) é o núcleo local da CEV (Coordenação de Estágios e Vivências) da DENEM (Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina). A DENEM é a entidade que representa os estudantes de Medicina do Brasil, englobando em uma arena de construção conjunta, disputas de ideias e ações dos diversos movimentos da área, que potencializa sua intervenção na educação e saúde através de movimento estudantil e da própria sociedade. Tem como finalidade representar o conjunto dos estudantes de medicina do Brasil em todos os âmbitos. É organizada como uma rede, usando o termo de pirâmide, a base de tudo inclusive da existência da entidade é o estudante, representado pelos Diretórios e Centros Acadêmicos, que constituem suas coordenações e se inserem em uma coordenação regional. Dentro da estrutura da DENEM, existem também as Coordenações De Área, que chamamos de CENEPES - Centro de Estudos e Pesquisa em Educação e Saúde. É neste que se insere a CEV. A CEV é uma Coordenação da DENEM que organiza estágios e processos seletivos para os intercâmbios. É representada localmente pela CLEV, cuja função é a organização e suporte às diferentes formas de estágios promovidos pelo movimento estudantil. No nível internacional, estes são possibilitados pela ligação da DENEM à IFMSA (Federação Internacional das Associações dos Estudantes de Medicina), que reúne diversos países. A IFMSA é uma organização fundada em 1951 e foi diretamente influenciada pelo contexto pós Segunda Guerra, tendo como missão institucional oferecer aos futuros médicos uma introdução compreensiva aos problemas de saúde mundiais através de seus programas e oportunidades, desenvolvendo, também, sensibilidade cultural e humanitária. Hoje, a IFMSA possui mais de 100 países associados e é reconhecida como uma organização não governamental pela Organização das Nações Unidas e pela Organização Mundial de Saúde. Os estágios são organizados por estudantes, de maneira a diminuir os trâmites burocráticos, portanto, de maneira informal e funcionam com particularidades em cada universidade. De modo genérico, os estudantes contatam professores que se disponham a supervisionar alunos estrangeiros e, então, elaboram um plano de estudos a ser cumprido durante o tempo de permanência. Essa relação, muitas vezes, ignora os trâmites formais. A principal modalidade de estágios em operação, hoje, é a de prática médica, tendo duração de 4 semanas. Os estudantes têm de cumprir uma carga horária mínima de 75% do plano previsto, sem o qual não recebem certificado de conclusão. Os professores também recebem certificado da IFMSA. A estadia dos estudantes no Brasil é baseada no sistema de padrinhos e anfitriões, cada qual com suas obrigações. Para cada aluno que chega são selecionados 1 padrinho e 1 anfitrião de acordo com lista de disponibilidade. O anfitrião tem a obrigação de fornecer alojamento e uma refeição por dia. Já o padrinho tem a obrigação de buscar o aluno no aeroporto, ajudá-lo na 31

32 integração, e fazer pelo menos um passeio semanal. As responsabilidades assumidas, nesse caso, são cobradas pelos alunos da CLEV. Para os alunos brasileiros que vão viajar a disputa de vagas é feita por acúmulo de pontos conquistados com atividades acadêmicas (simpósios, congressos, ligas, etc.)e extra acadêmicas (participação de DA/CA, conhecimento de língua estrangeira, etc.). A seleção é organizada pela DENEM e cabe à CLEV validar os certificados e orientar o passo a passo da seleção. A CLEV funciona ligada ao diretório acadêmico, no caso da UFF, mais especificamente, ao Diretório Acadêmico Barros Terra (DABT) do curso de graduação em Medicina. Seus membros são eleitos anualmente de maneira independente. As modalidades de estágio internacional ligadas à IFMSA em operação hoje, no mundo, são o SCOPE (Standing Committee on Professional Exchange), SCORE (Standing Committee on Research Exchange). No entanto, na UFF tem se desenvolvido apenas o SCOPE, que consiste no estágio de prática médica de 4 semanas mediante supervisão de um professor previamente contatado pelos coordenadores locais que aceita receber o aluno em suas aulas e lhe prestar tutoria. Cabe ao professor guiar o aluno e também assinar o handbook do intercambista. A CLEV irá verificar a frequência do estudante através do handbook, para fins de certificação. Os estágios e vivências têm por objetivo nos dar a oportunidade de uma experiência diferente do nosso cotidiano. A vivência é a melhor forma de aprendizado, pois nos permite ter diversas reflexões e atitudes, que talvez não teríamos somente pelo acesso a informação teórica. Além da experiência e pratica medica possibilita uma imersão cultural, contato com diferentes idiomas e conhecimento da saúde publica de outros lugares. Além da CLEV, diversos outros programas têm como objetivo ajudar todos aqueles que têm grande interesse em sair do país, seja para divertir-se, ou fomentar suas atividades acadêmicas. Lembrem-se, algumas das maiores e mais conceituadas Universidades do mundo estão de portas aberta para você. Abordaremos dois modelos de estágio, a saber: Programa de Mobilidade Internacional para alunos de graduação da UFF e Ciências sem Fronteiras Programa de Mobilidade Internacional da UFF Como filosofia de sua política de formação acadêmica, a UFF não apenas valoriza a inserção internacional de seus quadros docente e discente, como também trabalha para fortalecer o Ensino, a Pesquisa e a Extensão no cenário mundial. Por intermédio de sua Diretoria de Relações Internacionais (DRI), facilita o acesso às oportunidades de intercâmbio para seus alunos, em Instituições de Ensino e Pesquisa com as quais mantém acordos de cooperação. O aluno interessado em fazer parte do Programa deverá cumprir com os seguintes requisitos: Estar regularmente matriculado em curso de graduação da Universidade Federal Fluminense; Possuir CR (coeficiente de rendimento) maior ou igual a 6 (seis); 32

33 Ter integralizado, no momento da inscrição, no mínimo 30% e no máximo 80% da carga horária total do curso, exceto se for aluno do curso de Medicina; Se aluno do curso de Medicina, estar, no momento previsto para a mobilidade, entre o 10º e o 12º período do curso; Não estar com matrícula trancada ao longo do processo seletivo. A mobilidade pode ser solicitada por um ou dois semestres. A aprovação da mobilidade por dois semestres dependerá do número de vagas disponíveis e do volume de solicitações, visando atender ao maior número de alunos possível. O estudante que estiver no exterior por um semestre, pode solicitar prorrogação da estada por mais um semestre, sendo a solicitação analisada pela DRI. O candidato deverá apresentar certificado de proficiência em língua estrangeira exigido pela Universidade de destino para a qual foi selecionado, caso não haja exigência de certificado específico de proficiência em língua estrangeira, o candidato deverá apresentar certificado ou declaração emitida por instituição de ensino, atestando proficiência na língua estrangeira na qual são ministradas as aulas na Universidade de destino. A mobilidade internacional de que trata este edital pode ser realizada com auxílio financeiro, oferecido pela UFF, pela Fundação Euclides da Cunha (FEC), ou sem auxílio financeiro. Em ambos os casos, os alunos são responsáveis pelos gastos com viagem, visto, transporte, hospedagem, alimentação, seguro saúde internacional e demais despesas eventuais. Para a seleção das vagas, serão analisados o rendimento acadêmico do aluno e sua progressão curricular, assim como as vagas existentes ou a estimativa de vagas feita pela DRI para cada país de destino. Países que atualmente estão disponíveis para estágio internacional: Alemanha, Angola, Argentina, Áustria, Barbados, Bélgica, Bolívia, Canadá, Chile, China, Colômbia, Coréia do Sul, Costa Rica, Equador, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Holanda, Itália, Japão, México, Moçambique, Noruega, Paraguai, Peru, Portugal, Reino Unido, República Dominicana, República Tcheca, Rússia, São Tomé e Príncipe, Suécia, Turquia, Ucrânia e Uruguai. Para mais informações acesse: Ciência sem Fronteiras Uma ótima opção para aqueles estudantes que desejam estudar no exterior, o Ciência sem Fronteiras (CsF) busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. A iniciativa é fruto de esforço conjunto dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento CNPq e Capes, e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC. O programa conta com diversas modalidades de Bolsas no Exterior, sendo as de graduação as que mais nos interessam neste momento de nossas vidas acadêmicas. Para concorrer a uma destas, o candidato deve cumprir os seguintes requisitos: 33

34 Ser brasileiro ou naturalizado; Estar regularmente matriculado em instituição de ensino superior no Brasil em cursos relacionados às áreas prioritárias do Ciência sem Fronteiras; Ter sido classificado com nota do Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM - com no mínimo 600 pontos considerando os testes aplicados a partir de 2009; Possuir bom desempenho acadêmico; Possuir proficiência comprovada no idioma do país para o qual esta concorrendo (não exigido por todos os países); Ter concluído no mínimo 20% e no máximo 90% do currículo previsto para o curso de graduação. É importante lembrar que nem todos os países do programa permitem a prática do internato, ainda que com proficiência em sua língua. Entre os que aceitam estão França, Alemanha e Holanda. O governo tem ainda oferecido o TOEFL ITP (avaliação de proficiência em inglês) de graça, para tentar aumentar a adesão e procura de estudantes pelo programa. Será dada preferência aos candidatos que: Foram agraciados com prêmios em olimpíadas científicas no país ou exterior; Ter tido ou estar usufruindo de bolsa de iniciação científica ou tecnológica do CNPq (PIBIC/PIBITI) ou do PIBID da CAPES. Benefícios Mensalidade de bolsa, tendo seu valor levando-se em consideração o custo de vida em cada país; Auxílio-Instalação; Auxílio material didático; Passagens aéreas; Seguro Saúde. Duração da bolsa: 12 meses, podendo estender-se até 18 meses quando incluir curso de idioma. O prazo de curso de idioma é apresentado na Chamada, variando de País e de acordo firmado com as universidades no exterior. Nem todos os países oferecem esta opção, que consiste em fornecer um curso intensivo para estudantes que obtiverem nota mínima nas provas de proficiência, a fim de torna-los aptos a adquirir a nota necessária para iniciarem-se suas atividades acadêmicas no país para o qual foi selecionado. Países disponíveis para estágio pelo CsF: Alemanha, Austrália, Austrália, Bélgica, Canadá, China, Cingapura, Coreia do Sul, Dinamarca, Estados Unidos, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Hungria, Índia, Irlanda, Itália, Japão, Noruega, Nova Zelândia, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Rússia, Suécia, Ucrânia. Para mais informações acesse: 34

35 ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Autor: Matheus Oliveira Bastos, coordenador de Relações Estudantis do DABT, gestão 2014 "A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho." - Cap. III Art Constituição Federal, A história da Assistência Estudantil no Brasil é mais antiga do que a Constituição de Apesar disso, os modelos e políticas dessa assistência que conhecemos hoje, fundamentados pela Carta Magna, despontaram dos movimentos sociais, sobretudo o movimento estudantil, que lutaram pelo fim da Ditadura Militar e pelas eleições diretas ("Diretas Já") à época. Com o advento do neoliberalismo no mundo, durante o governo FHC, percebeu-se um recuo nos ideais de universidade e assistência estudantil defendidos na Constituição. Foi uma época de sucateamento do ensino público, com defasagem salarial, falta de verbas para manutenção, para o desenvolvimento de pesquisa, ocorrendo o êxodo dos professores das universidades públicas para as privadas. Até então, as promessas de democratização da educação, garantidas constitucionalmente, não haviam sido transformadas em políticas que visassem à sua efetivação. Esse quadro começou a ser revertido a partir da década de 2000, principalmente após ser decretado, durante o governo Lula, o Programa Nacional de Assistência Estudantil - PNAES. Com a premissa de ampliar as condições de permanência dos jovens na educação superior pública federal, o programa estabelece objetivos e diretrizes, além de mobilizar verbas para a garantia da assistência estudantil. O PNAES foi uma conquista dos esforços coletivos de dirigentes, docentes e discentes e representou a consolidação de uma luta histórica em torno da garantia da assistência estudantil. Apesar ser uma inovação e ter trazido muitos avanços, alguns pontos do programa ainda necessitam discussão e sua execução demanda revisão. A universidade e seus estudantes precisam fazer esse debate para que a implementação dessas políticas se deem de maneira horizontal e efetiva. Nesse sentido, esse texto busca pontuar as diversas questões que ainda estão em pauta para que tal debate possa ser propiciado. Um ponto inicial a ser considerado é o da natureza do programa: é uma política de governo, e não de Estado. As implicações disso são cruciais, pois, desse modo, o programa está atrelado à gestão governamental atual, não havendo garantia de continuidade a médio e longo prazos. Além disso, o PNAES se restringe a legislar sobre as instituições públicas federais de ensino superior, uma vez que é uma política do governo federal. Sendo assim, intuições de outra natureza (estadual, municipal, privada, etc.) não estão obrigatoriamente respaldadas e reguladas por um programa desse gênero, o que pode configurar uma fragilidade para a permanência estudantil em algumas dessas instituições. Nesse sentido, a expansão cronológica, com a garantia de uma política de Estado, e a expansão institucional, com o maior acesso a essas políticas por instituições não federais, precisam ser pautadas no intuito de garantir maior acesso aos direitos presentes na Constituição. No Decreto, também fica estabelecido que os critérios e 35

36 metodologia de seleção dos alunos beneficiados ficará a encargo da instituição. O mesmo texto diz que os alunos beneficiados serão prioritariamente os oriundos da rede pública de educação básica ou aqueles que possuem renda per capita familiar de até um salário mínimo e meio.percebe-se então que a autonomia de avaliação da universidade está submetida a um critério prioritário, o qual nem sempre atende às especificidades e à realidade de alguma localidade. Além disso, o PNAES dispõe que sejam criados mecanismos de acompanhamento e avaliação do programa pelas instituições, estabelecendo, assim, que as próprias instituições se autoavaliarão, o que pode ser um problema pela possível falta de regulação externa das políticas internas de assistência. Nesse contexto, uma crítica recorrente das entidades representativas dos estudantes nas universidades é justamente a aplicação dos recursos provenientes do programa, a qual muitas vezes caminha à revelia da participação efetiva dos estudantes. Algumas considerações sobre as áreas e atuação do programa precisam ser feitas. Segundo o decreto, as ações serão desenvolvidas em moradia estudantil; alimentação; transporte; atenção à saúde; inclusão digital; cultura; esporte; creche; apoio pedagógico; e acesso, participação e aprendizagem de estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades e superdotação. Metas ousadas e importantíssimas, de fato. No entanto, há de se refletir sobre o real andamento dessas proposições. Muitas instituições, apesar de estarem recebendo as verbas do PNAES há um tempo considerável, não possuem moradia estudantil, restaurante universitário e um sistema de transporte universitário entre os campi ou na cidade. Mais raro ainda são as universidades que possuem creche e centros de atenção à saúde do estudante e que estão adaptadas a pessoas com deficiência física. Assistência Estudantil na UFF Nossa universidade possui diversas modalidades de bolsa de assistência, transporte intercampi pelo BusUFF, restaurante universitário com refeições por R$0,70 (um dos mais baratos do Brasil), alguns serviços de atenção à saúde (como na psicologia e na odontologia), creche universitária, moradia estudantil recém-inaugurada e a construção de novos blocos com adaptação para pessoas com deficiência física. A grande maioria desses recursos foi conquistada pelos estudantes por meio de sua pressão, debate e mobilizações, com destaque para grandes greves estudantis que ocorreram durante os anos No entanto, muitas de nossas demandas ainda não foram atendidas e os recursos de assistência que temos disponíveis nem sempre são suficientes ou funcionam da maneira que precisamos.primeiramente, os critérios e métodos de avaliação para a cessão de bolsas de assistência dificultam a aquisição da mesma pelos alunos. A renda per capita máxima de um salário mínimo e meio muitas vezes impede que pessoas sem condições de se mudem para Niterói para estudar na UFF. A especulação imobiliária na cidade é elevadíssima e mesmo com um salário mínimo e meio ou um pouco mais, é difícil se manter. Talvez esse problema fosse amenizado pelo aumento do número de bolsas, entretanto, o que se percebe desde a promulgação do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI), percebe-se um aumento desenfreado no número de vagas na universidade sem um aumento proporcional do número de bolsas ou uma melhora equivalente em infraestrutura. Ademais, outras ações do PNAES não são realmente aplicadas na universidade. Na área de atenção à saúde, contamos com um serviço de odontologia que literalmente leva de meses a 36

37 anos para que consigamos vagas para atendimento. Em termos de atendimento médico, não temos um acesso livre para sermos consultados no Hospital Universitário, no qual muitos estudantes trabalham durante a graduação. Sobre os esportes, há muita dificuldade também, pois a universidade não possui infraestrutura o suficiente para que os times universitários treinem, o que faz com que as atléticas e os diretórios/centros acadêmicos tenham que usar seus recursos para alugar quadras. Nosso restaurante universitário, apesar de muito barato - o que foi conseguido na última greve estudantil após uma tentativa da universidade de aumentar o valor para R$2,50 - não funciona nos finais de semana, nem nas férias. Assim, estudantes que, por falta de dinheiro ou por morarem longe, não voltam para casa aos fins de semana e aqueles que têm que ficar na cidade por conta de estágios ou iniciação científica acabam perdendo essa assistência e gastando bastante com comida, que é cara na cidade, principalmente se não temos tempo de cozinhar em casa e temos que comer em restaurantes. Estudantes com deficiência estão praticamente impossibilitados de fazer determinados cursos na UFF, uma vez que a infraestrutura de alguns campi é quase nociva a quem anda em cadeira de rodas, como o Valonguinho. O BusUFF também possui problemas, uma vez que há poucos automóveis e esses acabam não respeitando muitas vezes os horários. O ônibus de rota 2, por ter apenas 1 carro na frota, também dificulta muito os estudantes que estudam em campi mais afastados, como a Enfermagem, a Medicina e a Veterinária. O itinerário dos ônibus é muitas vezes questionado pelos estudantes e está em pauta nos debates do DCE com a Reitoria. A qualidade de universidade mais interiorizada do Brasil que a UFF detém também traz outras questões em relação à assistência. Na maioria das vezes, os recursos e os debates se concentram em Niterói, isolando o resto da universidade. Os campi de Rio das Ostras, Macaé, Volta Redonda, Nova Friburgo, Angra dos Reis, Campos dos Goytacazes e Santo Antonio de Paduá, todos no interior do estado do Rio de Janeiro, possuem um assistência estudantil extremamente fragilizada, além de, em muitos casos, infraestrutura precária. Alguns exemplos são a falta de um restaurante universitário e de moradia estudantil. Algumas unidades carecem de estrutura física e equipamento, o que tem como consequência a ausência de aparelhos de ar condicionado em muitas sala inclusive em Niterói e, mais especificamente em Rio das Ostras e Campos dos Goytacazes, alunos têm aulas em contêiners.os estudantes de Medicina, assim como os campi do interior, enfrentam problemas específicos em algumas áreas, principalmente por ter um calendário diferenciado do resto da universidade. Os BusUFF e o restaurante universitário não costumam funcionar enquanto estamos em aula e os outros estudantes de férias. É justamente por tantas questões deficitárias que os avanços não devem ser o suficiente para cessar nossas articulações para a construção de uma universidade mais democrática. Muito do que temos hoje foi conquistado por nosso movimento organizado e pressão em espaços oficiais, como conselhos universitários e colegiados, e extraoficiais, como atos e greves. A universidade somos nós e temos que construi-la a cada dia. 37

38 38

39 LIGAS ACADÊMICAS Autor: Flávio de Oliveira Mendes, coordenador de Cultura e Formação Científica do DABT, gestão 2014 As ligas acadêmicas são entidades estudantis, sem fins lucrativos, reconhecidas como projetos de extensão, tendo como finalidade mobilizar estudantes universitários e a sociedade em geral em prol do desenvolvimento, promoção e difusão dos estudos de determinado tema. Cada liga possui uma diretoria, formada por um grupo de estudantes que se dedica à organização das atividades práticas e teóricas, e um ou mais professores, responsáveis por coordenar e orientar essas atividades. A escolha dos alunos diretores, seus direitos e deveres encontram-se definidos no estatuto de cada liga. As atividades das ligas acadêmicas são baseadas no Tripé Universitário: Ensino: incentivo à busca ativa de conhecimento e ao desenvolvimento educacional de cada um dos membros. Pesquisa: organização e promoção de cursos, reuniões científicas, levantamento de dados, elaboração de trabalhos científicos e intercâmbio com sociedades e serviços correlatos. Extensão: foco principal das ligas, responsável por proporcionar aos integrantes a oportunidade de acompanhar e praticar o atendimento médico em algum serviço, promover ações de educação e prevenção em saúde no meio acadêmico e junto à sociedade, buscando atender às demandas da comunidade relacionadas ao tema. As atividades teóricas podem ser aulas, seminários, discussões de textos, apresentações de casos clínicos, entre outras. Já as atividades práticas consistem basicamente em promover e conduzir o contato dos alunos com os pacientes. Atualmente, a UFF possui 15 ligas acadêmicas voltadas aos alunos da Medicina. São elas: Liga Acadêmica de Anestesiologia e Dor (LiAD) Liga Acadêmica de Ciências Cardiovasculares (LiCCa) Liga Acadêmica de Cirurgia (LiAC) Liga Acadêmica de Clínica Médica (LAC) Liga Acadêmica de Ginecologia e Obstetrícia (LiAGO) Liga Acadêmica Multiprofissional de Saúde da Família e Comunidade(LiSF) Liga Acadêmica Multiprofissional de Saúde Mental e Psiquiatria (LiPsi) Liga de Endocrinologia (LiEndo) Liga de Medicina Intensiva (LigaMI) Liga de Nefrologia (LiNe) Liga de Neurologia e Neurociências(LiNNeC) Liga de Oncologia Clínica e Cirúrgica (LiOnCC) Liga de Pediatria (LiPe) Liga de Trauma, Reanimação e Emergência (LiTRE) Núcleo de Anatomia Humana e Comparada O estatuto das ligas define a metodologia a ser seguida, de que forma acontecerá a composição do grupo de ligantes, bem como quais alunos poderão candidatar-se, seja por meio 39

40 de cursos, processos seletivos, entrevistas ou até mesmo determinando um período mínimo, para que as atividades sejam mais produtivas a quem participe. Quando for escolher uma liga para participar, é interessante que o aluno conheça e identifiquese com o tema e com os projetos desenvolvidos. Lembre-se: As ligas acadêmicas não são um grupo de estudos, não servem para suprir alguma deficiência do currículo, não são um teste vocacional nem devem ser algum tipo de especialização precoce. Liga Acadêmica de Anestesiologia e Dor (LiAD) A LIAD visa o ensino prático e teórico na área de anestesiologia para acadêmicos do 3 ao 6 ano do curso de medicina. Visa o auxílio aos profissionais da anestesiologia no HUAP e outras instituições as quais a diretoria da Liga conseguir firmar convênio ao longo de sua existência. Visa enfatizar mais ainda a qualidade do atendimento aos pacientes que necessitem de procedimentos nesta área. A liga proporcionará discussões cientificas a respeito de anestesiologia, possibilitando aos pacientes um melhor suporte técnico durante os procedimentos, independente de suas condições crônicas ou agudas. A melhoria da qualidade dos membros participantes da liga acadêmica se reflete em como os pacientes são atendidos. A liga acadêmica de anestesiologia pretende ampliar futuramente seu atendimento a comunidade, convertendo os projetos da liga cada vez mais em benefícios maiores a população. Contato: A Liga Acadêmica de Clínica Médica (LAC) A LAC objetiva a discussão de casos clínicos reais com enfoque na busca ativa de informações pelos ligantes, assim como com a decisão dos mesmos sobre qual a conduta a partir destas informações. Com isso, busca estimular o estudo e aprendizado em conjunto de temas da clínica médica, de forma complementar ao curso tradicional. Tal meta é atingida tanto através da atividade teórica quanto da prática, que fornece ao ligante a possibilidade de acompanhar a rotina de uma enfermaria e de uma emergência verdadeiras, nas quais pode ver qual o passo a passo real no acolhimento de um doente. Assim, visa desenvolver no ligante um olhar crítico sobre tudo, além de um raciocínio afiado, que possa alinhavar todos os fatos. Além disso, a LAC possui projetos de extensão que consistem na realização de cursos e oficinas abertos para os estudantes da área de saúde da universidade. O ingresso à liga é feito pela inscrição e assiduidade no curso inaugural, no fim de cada ano letivo, para início das atividades no próximo ano. Podem participar da liga alunos da faculdade de medicina a partir do 5º período. No entanto, são bem-vindos alunos de todos os períodos, tanto no curso inaugural quanto na discussão de casos clínicos, como ouvintes. A discussão ocorre sempre às quartas-feiras, às 13h, na sala Aloísio Brasil, no 2º andar do prédio anexo do HUAP. As atividades práticas são destinadas apenas a ligantes a partir do 8º período. Contato: / Facebook: LAC UFF 40

41 Liga Acadêmica de Cirurgia (LiAC) A LiAC está em seu quarto ano de atividade. O corpo ligante é composto por alunos do 5º ao 12º períodos. As atividades da liga são abertas para todo o corpo discente da Faculdade de Medicina. Atualmente, as atividades teóricas são divididas em discussões de temas em Cirurgia Geral/Especialidades Cirúrgicas e exposições de casos clínicos. As atividades práticas envolvem aulas práticas de procedimentos inerentes à formação cirúrgica e plantões em diversas unidades de emergências. O processo seletivo é realizado no primeiro semestre de cada ano baseado no curso anual organizado pela diretoria da liga. Contato: (Eduardo Botelho Fontes - Presidente) Liga Acadêmica de Ginecologia e Obstetrícia da UFF (LiAGO) A LiAGO têm como objetivo agregar acadêmicos de medicina interessados em aprofundar seus conhecimentos em G.O. Nossas atividades envolvem aulas teóricas, estágios na área preventiva e intra hospitalar, bem como atividades de pesquisa e extensão. Nossos principais estágios são no Ambulatório de Mama, Ambulatório de ITU, Ambulatório de Diabetes Gestacional, Ambulatório de Mola Hidatiforme e no Banco de Leite. As atividades são abertas para todos os períodos sendo ligantes os acadêmicos a partir do 5º período. Contato: Liga de Ciências Cardiovasculares (LiCCa) A LiCCa existe desde 2008 e atualmente está sob coordenação do professor Evandro Tinoco. Selecionamos membros através de cursos anuais ao final dos quais é feito uma prova. Nossos ligantes são divididos em dois grupos determinados por período, Prevenção e Intrahospitalar. Os encontros acontecem semanalmente e com atividades específicas para o interesse de cada grupo. Para os membros do Intra-hospitalar oferecemos um estágio na Unidade Coronariana do Hospital Antonio Pedro. Contato:www.facebook.com/liccauff Liga Acadêmica Multiprofissional de Saúde Mental e Psiquiatria (LiPsi) A LiPsi tem o objetivo de estimular os estudos em saúde mental e ajudar a ampliar a visão sobre o tema, inserindo uma perspectiva mais humana e integral. A liga é aberta a todos e não há processo seletivo para participação de suas atividades. Contato: 41

42 Liga Acadêmica de Endocrinologia (LiEndo) A LiEndo oferece cursos para ingresso aos ligantes, os quais, após serem selecionados, participarão de atividades teóricas e práticas da área de endocrinologia, coordenados por professores da UFF. A LiEndo possui parceria com a SBEM, de forma a participar em eventos organizados pela mesma. Liga de Medicina Intensiva (LigaMI) Objetivo: Proporcionar capacitação técnica e desenvolvimento de raciocínio clínico. Complementar a vivência teórico-prática dos alunos da graduação. Organizar e auxiliar promoções de caráter científico e social que visem o aprimoramento da formação acadêmica. Criar setores condizentes com seus objetivos e princípios, visando aprimorar o conhecimento dos alunos de forma abrangente e integrada levando a uma visão holística da prática médica através de reuniões semanais sobre um tema previamente escolhido, com ênfase em procedimentos ou caso clínico estudado pelos acadêmicos da LigaMI, intercalando com apresentação de tema teórico por profissional do CTI, docente da Faculdade de Medicina ou convidado de outra instituição. Ingressos a partir do 6º Período através de prova em Início dos Semestres. Contato: Liga de Nefrologia (LiNe) A LiNe é composta por membros discentes e docentes interessados em estudos e atividades de prevenção, focando na área da saúde renal. Os projetos de Extensão a ela vinculados pretendem atingir a comunidade dentro e fora dos muros do hospital, abrangendo tanto a população universitária quanto a geral. Atividades de campanha (sendo a mais importante a do Dia Mundial do Rim), de conscientização sobre a importância de medidas preventivas e oportunidades de estágio prático são projetos de atividade da LiNe, bem como treinamentos e discussões, sempre contando com a demanda de interessados e procurando o foco extensivista, porém também buscando a realização de atividades de Ensino e de Pesquisa. (Luís Eduardo - Presidente) A Liga Acadêmica de Neurologia e Neurociências (LiNNeC) A LiNNEC foi fundada em 10 de agosto de 2004, com a finalidade de mobilizar estudantes universitários e a sociedade em geral em prol do desenvolvimento, promoção e difusão dos estudos em Neurologia e Neurociências, contribuindo para formação acadêmica dos 42

43 alunos desta universidade. É composta principalmente por alunos do 5º ao 12º semestre do curso. Para ser admitido na LINNEC o acadêmico interessado deverá preencher a ficha de inscrição previamente disponibilizada pela liga e estar cursando ou ter cursado o 5º período. A admissão de novos membros é realizada através de um processo aberto dependendo do número de vagas disponíveis. Porém, a liga está aberta para todo e qualquer estudante à categoria de ouvinte. Contato: (Rafael Lemos) Liga de Oncologia Clínica e Cirúrgica (LiOnCC) A LiOnCC busca aprofundar os conhecimentos diante de realidade do câncer, sempre sob a perspectiva do médico que não será oncologista, entendendo que o paciente oncológico estará no cotidiano de todos nós, futuros médicos. É voltada para acadêmicos de medicina e enfermagem (a partir do quarto período) e suas atividades envolvem aulas/debates semanais e estágios em grandes serviços de oncologia do RJ, como INCA e Oncologia pediátrica (Aquário Carioca- Hospital da lagoa). (Mauro Menegaz - Presidente) Liga de Pediatria (LiPe) A LiPe visa proporcionar enriquecimento da formação acadêmica, difundir a educação continuada em Pediatria e promover eventos como aulas, estudos dirigidos, discussões de casos clínicos, leituras críticas de artigos científicos, palestras, cursos de férias, campanhas de prevenção na comunidade e em sala de espera, simpósios, treinamentos, seminários e simulados. Salienta-se o caráter eminentemente educador da liga, artifício para o processo de ensino-aprendizagem tanto para os discentes e membros, quanto para a comunidade. O desenvolvimento de trabalhos científicos e pesquisas também constituem objetivos da LiPe. A liga é dividida em três áreas: Prevenção (para alunos do 1º ao 4º período), PréIntra (alunos do 5º período) e Intra Hospitalar (alunos do 6º período em diante). A seleção de novos ligantes é feita por prova cujo conteúdo é baseado nas aulas ministradas no curso da LiPe. A Prevenção é focada em conhecimentos gerais da saúde na Pediatria, análise biopsicossocial e atividade de educação em saúde. Com o PréIntra buscamos aplicar os conhecimentos semiológicos na prática pediátrica e iniciar a construção da relação médico-paciente em nível ambulatorial. O Intra Hospitalar tem uma ênfase semelhante à anterior, porém com foco em atividades hospitalares e de emergência. Contato: Liga de Trauma Reanimação e Emergência (LiTRE) A LiTRE busca introduzir e capacitar os seus ligantes nas áreas de trauma, emergência e medicina intensiva. É estruturada em três áreas: pré-hospitalar, emergência, e intra-hospitalar. 43

44 Os ligantes podem ingressar após um curso de seleção anual. As atividades da liga consistem em aulas teóricas e práticas, discussão de casos clínicos, atividades na comunidade (cursos, aulas e palestras) além da produção científica de trabalhos para os congressos desta área. Contato: (Luiz Felipe Magalhães - Presidente) Liga Multiprofissional de Saúde da Família e Comunidade (LiSF) Fundada em março de 2013, a LiSF surgiu a partir do desejo de estudantes de Medicina da UFF de aprofundar as discussões sobre a Saúde da Família e Comunidade dentro da faculdade, experimentando reunir estudantes não só do curso de Medicina, mas também de outras áreas da saúde. A diretoria da LiSF entende que a Atenção Primária em Saúde (APS) compõe a base fundamental do sistema de saúde, e deve servir como eixo orientador para a formação do médico no Brasil, a exemplo do que ocorre em outros países como Canadá, Cuba e Inglaterra. Por isso, visa criar discussões sobre temas da APS, como a saúde do trabalhador, a saúde da mulher, a saúde do adolescente, saúde do idoso, saúde mental e outras. Atualmente, a Liga funciona por meio de reuniões semanais entre os ligantes para discussão de casos sobre os temas citados acima, focando na prevenção de doenças e na promoção da saúde. Também estão sendo programadas ações de extensão na comunidade, fazendo parceria com unidades de atenção primária de Niterói para que a Liga desempenhe sua função principal, que é a extensão. O ingresso na LiSF é anual. Em 2013, puderam participar todos os estudantes da área da saúde desde o primeiro período, que tivessem participado do seminário introdutório da LiSF. O perfil dos participantes nesse ano foi de alunos do primeiro e segundo anos da Medicina da UFF e da UNESA, e alunos do terceiro e quarto anos da Enfermagem da UFF. Para o ano de 2014 as atividades estão sendo programadas. Contato: (Gabriel Ott, Diretoria) Núcleo de Anatomia Humana e Comparada O Núcleo de Anatomia Humana e Comparada visa promover encontros entre grupos de alunos formados pelos diversos cursos das áreas de saúde, com o objetivo de motivá-los a ultrapassarem seus conhecimentos para fora da Universidade. Através da organização de aulas teóricas e práticas, ministradas pelos próprios alunos e/ou professores renomados, participação de atividades de pesquisa e extensão, além de cursos e simpósios, os alunos terão a oportunidade de trabalhar em conjunto e de maneira integrada com diversos cursos e período. Com uma supervisão docente efetiva e ativa durante a rotina do núcleo, os estudantes terão a oportunidade de desenvolver e articular as três principais vertentes do núcleo: ensino, extensão e pesquisa. Na área de ensino, serão ministradas aulas teóricas e práticas, formação de grupos de estudos destinados ao aprendizado da anatomia humana aplicada e promoção de cursos ligados a área de saúde. Na frente de pesquisa, os alunos poderão produzir trabalhos científicos, participar e organizar congressos e simpósios, além de publicar em periódicos. Na área de 44

45 extensão, o núcleo visa envolver a comunidade com os alunos através de visitas guiadas periódicas dos alunos de escolas públicas ao anatômico, ensinando a importância e o respeito que devemos ter aos cadáveres. O processo de entrada dos novos participantes acontecerá anualmente, através de um curso visando aprofundamento em temas recorrentes da Anatomia Humana, sendo prérequisito para participar do processo seletivo com limitado número de vagas. Todos os acadêmicos devidamente matriculados, cursando ou que tenham cursado os cursos de graduação em Medicina, Biomedicina, Enfermagem, Educação Física, Odontologia e Biologia da Universidade Federal Fluminense poderão se inscrever no curso e participar da seleção. (Thatiana Correia - Presidente) 45

46 46

47 PROGRAMA DE MONITORIA Autores: Beatriz de Oliveira Haynes Sinclair e Gabriel Ott, coordenadores de Cultura e Formação Científica do DABT, gestão 2014 Enquanto houver razões O programa de monitoria da UFF tem como finalidade a iniciação dos alunos de nível superior à docência. O processo seletivo de monitorias acontece sempre no início do primeiro semestre letivo e envolve a realização de uma prova e uma entrevista. As vagas são disponibilizadas através do sistema eletrônico da UFF, por onde o interessado as consulta e se inscreve. O aluno só pode se inscrever para a monitoria de disciplinas que já tenha cursado. Todo monitor deve apresentar um projeto na semana de monitoria, que acontece durante a Agenda Acadêmica da UFF. A monitoria tem duração de nove meses, durante os quais o aluno recebe uma bolsa de 400,00 reais. As atividades dos monitores são variadas, pois cada disciplina monta um projeto diferente, de acordo com a sua metodologia e sua forma de avaliação. Por exemplo, monitores de Anatomia e Bioquímica auxiliam nas aulas práticas, monitores de Saúde e Sociedade I ajudam os alunos nas construções de seminários, etc. Sendo assim, é importante que o aluno escolha o projeto de uma disciplina que ele tem interesse, visto que as atividades estarão relacionadas ao assunto estudado. A monitoria é uma valiosa experiência, por estreitar o contato com outros alunos, aprofundar conhecimentos e estimular o senso de responsabilidade e de cooperação. Além disso, as atividades da monitoria são uma ótima oportunidade para os estudantes compreenderem a importância da ética, do empenho nas atividades acadêmicas e da constante atualização. 47

48 O ESTUDANTE DE MEDICINA E A PRÁTICA ESPORTIVA Autor: Ighor de Barros Rezende, coordenador Sócio-Esportivo do DABT, gestão 2014 Enquanto houver razões Bem-vindo! Estes serão os 6 melhores anos da sua vida e, ao mesmo tempo, os mais intensos. A faculdade já ocupará uma grande parte do seu tempo, seja com aulas teóricas ou práticas. Além disso você precisa de tempo pra estudar, pra arrumar a casa, pra lavar a roupa, pra comer, pra dormir (ou não?), pra visitar a família, pra namorar, pra sair, pra fazer isso, pra fazer aquilo. Com a rotina cada vez mais acelerada, muitos esquecem de algo essencial: a prática de esportes. A prática de esportes é de fundamental importância para a vida do ser humano, está relacionada com todas as áreas de atuação do homem. Possui a capacidade de melhorar a condição física e de manter nossa saúde em elevados padrões de qualidade. A vida sedentária que muitos levam é extremamente maléfica à saúde, deteriora nossa qualidade de vida e reduz o tempo de vida consideravelmente. O que não faltam são motivos pra convencer a população da importância do esporte como algo frequente. Mas e para o estudante de medicina? Primeiramente, o seu corpo pede o exercício, seja para melhorar sua condição cardiovascular ou respiratória, para perder o excesso de peso, ou para prevenir ou até tratar doenças crônicas.você é aquilo que você come e aquilo que você pratica, por isso uma dieta e exercício físico são fundamentais. Mas essa conversa você já está cansado de ver na TV e na internet, certo? Bom, sendo assim, você já ouviu falar dos índices de depressão e suicídio entre os estudantes de medicina? Sem querer assustar ninguém, mas são absurdos. Leitura recomendada: Meleiro, A.M.A.S. Suicídio entre medicos e estudantes de medicina. Principalmente após terem acabado de passar por um vestibular super competitivo, os estudantes entram com uma cabeça extremamente fechada, focam somente nos livros e esquecem que também são pessoas e precisam viver. Praticar um esporte, principalmente os coletivos, permitirá conhecer novas amizades, relaxar, socializar e interagir.estudos comprovam que pessoas que têm uma rede social ativa tem maior índice de sobrevida. Dê uma passada na praia de Icaraí, em qualquer dia pela noite, e verá como a população está entrando na onda fitness. Sendo assim, o DABT já há alguns anos incentiva cada vez mais a prática de esporte entre os estudantes e, por isso, disponibiliza treinos de futsal, voleibol, handebol, basquete, natação e futebol de campo para todos os alunos. As equipes treinam pelo menos uma vez por semana e é possível participar de mais de uma! Você não precisa saber jogar, basta ter vontade, dedicação e compromisso. Vista a camisa da MedUFF, agora você é um leão! Aproveite esta oportunidade para conhecer alguns veteranos, eles serão seus novos amigos e futuros colegas de profissão. Se sentir parte de um time é ter sua segunda família, mais 48

49 do que essencial para aqueles que tiveram que deixar seus lares em busca do sonho de se tornar médicos. No manual de sobrevivência do calouro você poderá ter mais informações sobre os esportes oferecidos pelo DABT. Independente disto, não esqueça de cuidar de si mesmo, de que adianta terminar a faculdade após 6 anos e querer oferecer qualidade de vida para os seus pacientes sem que você a tenha? 49

50 50

51 -- Caderno de Cultura e Política -- Diretório Acadêmico Barros Terra Recepção de Calouros Março de

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção

Mais Justiça social Mais Solidariedade Mais Atenção A interiorização do trabalho e da formação em saúde: Mais Médicos e Mais Reforma Sanitária* No dia 5 de setembro de 2013, o Fórum de Estudantes da ENSP/Fiocruz coordenou a roda de conversa sobre a interiorização

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar

Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar Organizado e escrito pelo Grupo de Trabalho das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da UFSCar em Setembro de 2010 sendo baseado no Guia para Construção

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

RELATÓRIO DO FÓRUM DO FNEPAS REGIÃO LESTE-NORDESTE DE MINAS GERAIS

RELATÓRIO DO FÓRUM DO FNEPAS REGIÃO LESTE-NORDESTE DE MINAS GERAIS RELATÓRIO DO FÓRUM DO FNEPAS REGIÃO LESTE-NORDESTE DE MINAS GERAIS Nos dias 05 e 06 de outubro do corrente ano, na cidade de Governador Valadares, aconteceu o Fórum Nacional das Profissões da Área de Saúde-FNEPAS

Leia mais

I Info Sem CENEPES. A Saúde da Classe Trabalhadora

I Info Sem CENEPES. A Saúde da Classe Trabalhadora I Info Sem CENEPES A Saúde da Classe Trabalhadora Carta de Boas Vindas Olá estudante, Este ano o Seminário do CENEPES* (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação e Saúde), que já está em sua 22ª edição,

Leia mais

Faculdade de Medicina Universidade de Brasília

Faculdade de Medicina Universidade de Brasília [1] Brasília, 24 de julho de 2013. Ofício/FMD/34/2013 Carta do Conselho da Faculdade de Medicina da UnB Ao Magnífico Reitor da, Prof. Dr. Ivan Marques de Toledo Camargo Magnífico Reitor da UnB, Ao cumprimentá-lo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS)

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS) 7.5. Disciplina Clínica Médica 4: Atenção Primária (Atual Medicina Geral de Adultos II (CLM006)) CÓDIGO DA DISCIPLINA ATUAL: CLM006 NOME ATUAL: Medicina Geral de Adultos II NOVO NOME: Clínica Médica 4:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE?

COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? COMO FORMAR MÉDICOS NO BRASIL FRENTE AOS ATUAIS DESAFIOS DA SAÚDE? Vinícius Ximenes M. da Rocha Médico Sanitarista Diretor de Desenvolvimento da Educação em Saúde SESu/MEC Dificuldades para Implementação

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 DCNs 2001 Motivações e Contexto Resolução CNE/CES n.º 4, de 9 de novembro de 2001

Leia mais

INTRODUÇÃO. *Docente, coordenadora do Projeto **Discente, extensionista voluntário TÍTULO: FISIOTERAPIA NA COMUNIDADE

INTRODUÇÃO. *Docente, coordenadora do Projeto **Discente, extensionista voluntário TÍTULO: FISIOTERAPIA NA COMUNIDADE TÍTULO: FISIOTERAPIA NA COMUNIDADE AUTORES: Kátia Suely Q. S. Ribeiro*; Mario José de Araújo Neto**. ; Alexandre Bertrand de Araújo**; Mônica Gonçalves Arangio**; Patrícia B. Nascimento S**.; Leandro Torres

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde. Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES).

Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde. Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES). Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde Contratos Organizativos de Ação Pública Ensino-Saúde (COAPES). Eixo Formação PMM Mudanças na formação médica: Autorização de abertura baseada nas necessidades

Leia mais

Atenção Primária em Saúde enquanto instrumento de Luta pela transformação da Sociedade

Atenção Primária em Saúde enquanto instrumento de Luta pela transformação da Sociedade Atenção Primária em Saúde enquanto instrumento de Luta pela transformação da Sociedade Thiago Cherem Morelli - Residente de Medicina de Família e Comunidade Lutar pra nós é ver aquilo que o Povo quer realizado.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

l ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS

l ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS l ENCONTRO DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS Conceito de extensão, institucionalização e financiamento UNB Brasília, 04 e 05 de novembro de 1987 DOCUMENTO FINAL Foi realizado

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007)

LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) LUTA MÉDICA ENTREVISTA: JORGE SOLLA Entrevista publicada na Revista Luta Médica nº 02 (janeiro/fevereiro de 2007) Médico Pesquisador do Instituto de Saúde Coletiva (ISC) da Universidade Federal da Bahia.Ex-Coordenador

Leia mais

CARTA DA ASSEMBLEIA GERAL DOS ESTUDANTES DE MEDICINA DA FAMEMA

CARTA DA ASSEMBLEIA GERAL DOS ESTUDANTES DE MEDICINA DA FAMEMA Marília, 03 de outubro de 2011 CARTA DA ASSEMBLEIA GERAL DOS ESTUDANTES DE MEDICINA DA FAMEMA Os estudantes reunidos em Assembleia Geral, no dia 3 de outubro de 2011, realizaram as seguintes considerações

Leia mais

Jeanne Liliane Marlene Michel Diretora de Gestão de Pessoas

Jeanne Liliane Marlene Michel Diretora de Gestão de Pessoas XXXII Encontro Nacional de Dirigentes de Pessoal e de Recursos Humanos das Instituições Federais de Ensino Fortaleza - 2012 Jeanne Liliane Marlene Michel Diretora de Gestão de Pessoas 1 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL. Anna Cláudia Rodrigues Alves. Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL. Anna Cláudia Rodrigues Alves. Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL Anna Cláudia Rodrigues Alves Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF FALSO VERDADES E INVERDADES SOBRE O SERVIÇO SOCIAL VERDADEIRO

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Angelo Adriano Faria de Assis/ Universidade Federal de Viçosa

Angelo Adriano Faria de Assis/ Universidade Federal de Viçosa Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 O curso de História da Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária Coordenadoria de Extensão e Ação Comunitária PROPOSTA DE PROGRAMA Número da Ação (Para

Leia mais

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Consulta Pública para aprimoramento do Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Estamos disponibilizando para sugestões, avaliação e comentários o instrumento que será utilizado para a acreditação

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO

DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliar e qualificar acesso aos serviços de qualidade, em tempo adequado,

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Formação Profissional. Análises Clínicas.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Formação Profissional. Análises Clínicas. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL

ASSISTÊNCIA. AUFLA foi uma das instituições mapeadas ESTUDANTIL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL AUFLA foi uma das instituições mapeadas por uma pesquisa realizada em 2010 pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), que resultou

Leia mais

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate

Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate Aracaju: em foco o modelo Saúde Todo Dia. A Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva em debate ALEXANDRE DE SOUZA RAMOS 1 Saúde como direito de cidadania e um sistema de saúde (o SUS) de cunho marcadamente

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NOTA CIENTÍFICA: A EVOLUÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL E A AMPLITUDE E COMPLEXIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Ana Iva Corrêa Brum Barros 1 Rayana de Carvalho Freitas 2 Prof. Esp. Gilmar dos Santos Soares

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

PROPOSTAS REGIONAIS - CEARÁ

PROPOSTAS REGIONAIS - CEARÁ PROPOSTAS REGIONAIS - CEARÁ EIXO 1 - DEMOCRATIZAÇÃO DO SISTEMA CONSELHOS E AMPLIAÇÃO DAS FORMAS DE INTERAÇÃO COM A CATEGORIA Promover a mobilização para formação e participação política da categoria. Garantir

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL A Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (Abrasco), desde meados de 2010, vem liderando

Leia mais

UNIVERSIDADE POTIGUAR ESCOLA DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA CAMED-CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA UNP I SEMANA DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA UNP

UNIVERSIDADE POTIGUAR ESCOLA DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA CAMED-CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA UNP I SEMANA DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA UNP UNIVERSIDADE POTIGUAR ESCOLA DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA CAMED-CENTRO ACADÊMICO DE MEDICINA UNP I SEMANA DE INTEGRAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA UNP MEDICINA: ÉTICA, MISSÃO E COMPROMISSO COM A SAÚDE HUMANA IV

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Gestão do Trabalho em Saúde

Gestão do Trabalho em Saúde Universidade Federal de Alagoas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos da Especialização Lato Sensu UFAL 2012.1 Gestão do Trabalho em Saúde CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO PRÓ-SAÚDE Florianópolis, 09 de novembro de 2007. Da: Coordenadoria do Curso de Graduação em

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 2 Quadra 7, S/N-Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX Aprova o Projeto Acadêmico CECANE/UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua xxxx reunião ordinária, realizada em xxx de xxx de 2011, no uso de

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Protocolos de acesso do Serviço Social 1- Caracterização do Serviço

Protocolos de acesso do Serviço Social 1- Caracterização do Serviço Protocolos de acesso do Serviço Social 1- Caracterização do Serviço A finalidade do trabalho do Assistente Social junto ao usuário do Hospital Universitário da UFJF, implica em favorecer o acesso deste

Leia mais

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA

Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA Opinião N17 AÇÃO AFIRMATIVA NA UFRJ: IMPLANTAÇÃO DE UMA POLÍTICA E DILEMAS DA PERMANÊNCIA ROSÉLIA PINHEIRO DE MAGALHÃES 1 E SIMONE CAZARIN DE MENEZES 2 A educação tem grande capacidade de influência no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Definições

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Definições UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI Curso de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Planos e Projetos REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Definições Art.1º O Laboratório de Planos e Projetos (LAPP) agrega

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão;

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; RESOLUÇÃO CEPE/CA Nº 189/2007 Aprova o Regulamento do Programa de Residência em Medicina Veterinária, da Universidade Estadual de Londrina. contidos no processo nº 13270/2006; CONSIDERANDO os pronunciamentos

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COAPES

PERGUNTAS E RESPOSTAS COAPES Perguntas e Respostas 1 O que é o? O é o Contrato Organizativo de Ação Pública de Ensino-Saúde e suas diretrizes foram publicadas pelos Ministérios da Saúde e da Educação por meio da Portaria Interministerial

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

MODELO DA AVALIAÇÃO CURRÍCULAR. (Atualizado)

MODELO DA AVALIAÇÃO CURRÍCULAR. (Atualizado) MODELO DA AVALIAÇÃO CURRÍCULAR (Atualizado) 1. Todos os itens especificados na avaliação curricular devem ser comprovados com documentos autenticados em cartório, excetuando-se certificados com assinatura

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

De portas abertas para as comunidades

De portas abertas para as comunidades De portas abertas para as comunidades VALÉRIA DOS SANTOS NORONHA 1 Apresentação Este projeto de gestão é fruto da experiência vivenciada no Programa Saúde da Família de Macaé em 2005 enquanto assessora

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

Federal de São Paulo Ministério da Educação

Federal de São Paulo Ministério da Educação PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓSAUDE RESUMO PRÓSAÚDE MEDICINA UNIFESP/ NOVEMBRO DE 2007 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA.ROSANA FIORINI PUCCINI O desenvolvimento do PróSaúde Medicina Unifesp tem considerado o acúmulo

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROPOSTA DE TRABALHO PARA FINS DE INSCRIÇÃO NO PROCESSO DE CONSULTA PRÉVIA PARA DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA PARACATU MG 2013 SUMÁRIO REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS 2 CAPÍTULO I - DA NATUREZA

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA - 2014 GRUPO PET FARMÁCIA VIVA

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA - 2014 GRUPO PET FARMÁCIA VIVA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO: FARMÁCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA - 2014 GRUPO PET FARMÁCIA VIVA O GRUPO PET FARMÁCIA VIVA torna público aos estudantes de graduação do

Leia mais

O PAPEL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS

O PAPEL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS O PAPEL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS MÁRCIA APARECIDA DOS SANTOS SOLANGE RODRIGUES DE ALMEIDA BERNACHI ACADEMICAS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL 2012 ASSOCIAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais