MANUAL INTERCÂMBIO INTERNACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL INTERCÂMBIO INTERNACIONAL"

Transcrição

1 MANUAL INTERCÂMBIO INTERNACIONAL Avenida Eufrásia Monteiro Petráglia, 900 Jardim Petráglia CEP Franca-SP Fone (016) Revisado março/2011

2 INTERCÂMBIO INTERNACIONAL Procedimentos e Normas para os estudantes da FCHS Este manual de Convênios tem a pretensão de oferecer aos discentes, docentes e funcionários da UNESP, câmpus de Franca, informações básicas sobre a legislação, procedimentos e os requisitos necessários para a elaboração e a organização dos documentos de Convênios de Intercâmbios Internacionais. Reúne dúvidas freqüentes, procedimentos administrativos, legislação, modelos de requerimentos para maior clareza nas informações pertinentes ao assunto. Equipe Divisão Técnica Acadêmica Diretoria Técnica Acadêmica Fone: (16) Diretoria Técnica Acadêmica: Sandra Mara Bomfim - Seção Técnica Acadêmica e Comissão Permanente de Ensino Fone: (16) Conselho de Curso de Graduação Fone: (16) Coordenação em História: Coordenação em Direito: Coordenação em Serviço Social: Coordenação em Rel. Internacionais: Profª Drª Márcia Pereira da Silva Profª Drª Maria Amália de F. P. Alvarenga Profª Drª Onilda Alves do Carmo Profª Drª Paula Regina de J. P. Pavarina Seção de Graduação Fone: (16) Supervisora: Orlinéya Maciel Guimarães ERI Escritório de Relações Internacionais Fone: (16) Responsáveis: Profª Drª Célia Maria David Vice-Diretora Coordenador: Prof Dr Pedro Geraldo Tosi Vânia Cristina Siqueira Leão 2

3 DÚVIDAS FREQUENTES Leia antes de entrar em contato INTERCÂMBIO INTERNACIONAL 1) Quem pode realizar intercâmbio internacional? Conforme Art. 1º da Resolução 18/2010: Fica facultado ao aluno de graduação, regularmente matriculado em qualquer curso da UNESP, realizar componentes curriculares (disciplina, estágio, trabalho de conclusão de curso ou similar) em instituições estrangeiras de ensino superior conveniadas ou não conveniadas com a UNESP, durante o período máximo de dois semestres. 2º : Os estudantes da UNESP que participarão do intercâmbio deverão ter integralizado, no mínimo, 60% dos créditos de estudo na UNESP, demonstrar bom desempenho acadêmico e proficiência na língua do país de destino, de acordo com os critérios estabelecidos pelas instituições de destino. Os Editais abertos no 1º semestre do ano são para o 2º semestre letivo. Os Editais abertos no 2º semestre do ano são para o 1º semestre letivo do ano seguinte. 2) Por quanto tempo posso fazer intercâmbio internacional? Conforme Art. 1 º da Resolução 18/2010 durante o período máximo de dois semestres ou seja 1 (um) ano. 3) Como saber sobre a oferta de vagas para intercâmbio internacional? Acessar o site 4) Com quem tirar dúvidas sobre a realização de intercâmbio internacional na FCHS? Responsáveis pelo Escritório de Relações Internacionais (ERI ) Prof Dr Pedro Geraldo Tosi e a funcionária Vânia Cristina Siqueira Leão (16) ou 5) Como saber sobre as disciplinas que pretendo cursar no exterior (semestre letivo, programa da disciplina, etc.)? Diretamente no site das instituições de ensino, nacionais e/ou estrangeiras. Vide o Edital lá estarão os links para a faculdade destino. 6) As disciplinas que compreendem o estudo de língua estrangeira, cursadas no exterior, podem ser aproveitadas como disciplina optativa nos cursos de Graduação da FCHS? Não. 7) As disciplinas cursadas em instituições de ensino estrangeiras, com as quais a Unesp não mantém convênio, podem ser aproveitados como disciplina optativa/obrigatória nos cursos de Graduação da FCHS? 3

4 Conforme 1º do artigo 1º da Resolução 18/10 No caso de instituições nãoconveniadas, cabe ao Conselho de Curso aprovar o intercâmbio, levando em consideração o padrão de qualidade da instituição de destino. 8) Estudante de último ano pode inscrever-se para a realização de intercâmbio no exterior? As normas para elegibilidade do intercambista são fixadas pela Arex e devem ser respeitadas. Alguns editais trazem esta restrição. 9) O tempo de intercâmbio conta no meu prazo de integralização curricular? Sim 3º do artigo 1º da Resolução 18/ O período em que o aluno estiver realizando o intercâmbio deverá ser computado no prazo máximo de integralização curricular. 10) Quantas disciplinas posso cursar durante meu intercâmbio? 5º do artigo 4º da Resolução 18/2010 O aluno poderá realizar no exterior no máximo 25% do total de créditos, ou horas, de seu curso da UNESP. 11) Quando a Universidade estrangeira não possui o curso que faço na FCHS, posso candidatar-me em um outro curso que possua disciplinas afins? Sim, pode. O que as universidades estrangeiras não permitem é que as disciplinas escolhidas sejam de vários cursos. 12) Tive bolsa BAAE I e, atualmente, possuo bolsa de Iniciação Científica. Posso candidatar-me aos editais que subsidiam toda a estada no exterior durante o intercâmbio? Sim. Mesmo sendo atualmente bolsista Fapesp ou PIBIC, se já usufruiu de bolsa BAAE I o aluno poderá candidatar-se. 13) É necessária a coincidência de nome da disciplina, número de créditos ou programa de ensino para obtenção de equivalência de disciplina na FCHS? Não. 1º do artigo 4º da Resolução 18/2010 Os Conselhos de Curso deverão considerar, na aprovação dos Contratos de Estudo, a carga horária e a presença dos conteúdos relevantes e significativos previstos na estrutura curricular do curso. 14) É possível cursar disciplinas que não tem equivalência na grade curricular obrigatória dos cursos de Graduação da FCHS? Sim. 15) Fui realizar minha matrícula em instituição de ensino. As disciplinas que selecionei, e que foram autorizadas pelo Conselho de Curso, não serão ofertadas neste semestre. Posso realizar minha matrícula em outras disciplinas? Eles terão equivalência com disciplinas dos cursos de Graduação da FCHS? Para realização da matrícula, a resposta depende dos procedimentos burocráticos da instituição conveniada. Algumas admitem a realização de matrícula em disciplinas que não foram devidamente autorizadas pelo CCG e outras não. No primeiro caso, o estudante pode matricular-se e cursar as disciplinas normalmente. No segundo caso solicitar nova autorização ao CCG encaminhando o formulário Alterações ao Contrato de Estudos Originalmente Proposto (vide site da AREX ou da 4

5 FCHS), incluir os programas das disciplinas traduzidos para o português e enviar ao O pedido será avaliado pelo Conselho de Curso. 16) Na grade curricular dos cursos de Graduação na FCHS há disciplinas optativas. Posso cursar mais de duas optativas no exterior? Sim. Porém depende de cada Conselho de Curso avaliar a presença dos conteúdos relevantes e significativos previstos na estrutura curricular do curso. 17) Quais são os pré-requisitos da UNESP para inscrição nos Programas de Intercâmbio Internacionais? Os Programas de Intercâmbio Internacionais da UNESP são regidos pela Resolução 18/2010 e seus principais pré-requisitos são: Aluno regularmente matriculado na graduação em qualquer curso, a partir do segundo ano e após ter integralizado no mínimo de 60% de créditos, demonstrar bom desempenho acadêmico e proficiência na língua do país de destino, de acordo com os critérios estabelecidos pelas instituições de destino. Seu intercâmbio deve receber a aprovação por parte do Coordenador de seu curso e aprovação das matérias por parte do Conselho de Curso de sua Unidade Apresentar comprovante oficial de proficiência da língua do país de destino (TOEFL, IELTS, DELF, entre outros) ou conforme exigência da instituição alvo; Deve ter condições financeiras para participar do programa (os custos de hospedagem, alimentação, seguro de saúde, passagem aérea e/ou terrestre, despesas com visto e gastos pessoais serão de responsabilidade do aluno na maioria dos programas). 18) Como devo proceder para participar de um Programa de Intercâmbio Internacional? O aluno que pretende ter uma experiência internacional deve buscar informações desde o início de sua vida acadêmica, pois assim estará bem preparado na hora de embarcar para a realização de sua viagem. Algumas dicas que podem ser úteis: Manter-se atualizado sobre os Programas e Convênios Internacionais; Buscar o máximo de informações sobre os países de destino, para que possa fazer a melhor escolha dentro das oportunidades oferecidas; Se preparar para realizar teste de proficiência no idioma do país escolhido, e também se preparar para possíveis diferenças culturais, procurando conhecer os costumes do país de destino; Ter um bom currículo (notas e atividades extracurriculares) 19) O que devo fazer para escolher o melhor lugar para realizar um Intercâmbio Internacional? A melhor maneira de descobrir as oportunidades oferecidas por alguma Universidade estrangeira é buscando o máximo de informações possíveis. Recomendamos que, antes de fazer a escolha do local que gostaria de fazer intercâmbio, o aluno reúna todas as 5

6 informações disponíveis sobre aquele país. Conversar com alunos que já participaram de intercâmbio no mesmo local é também uma ótima alternativa. A Assessoria de Relações Externas disponibiliza todos os convênios da UNESP com Universidades estrangeiras com opções de busca por país e área de conhecimento. 20) Como devo escolher as matérias que irei cursar no exterior? O aluno interessado no intercâmbio, após selecionar a Universidade de destino, deverá selecionar as disciplinas que irá cursar. Para aproveitamento de estudos, o Précandidato apresentará ao Coordenador do Curso a descrição destas disciplinas e juntos elaborarão um contrato de estudos (modelo disponível no site AREX), completando a tabela de equivalências para conseqüente aprovação do Conselho de Curso. O aluno deverá anexar ao contrato de estudos, os programas de ensino de cada disciplina escolhida (ver no site da universidade de destino), traduzidos para o português (o que pode ser feito pelo próprio aluno). 21) Quais são os meus compromissos e responsabilidades durante a realização do Programa de Intercâmbio Internacional? E no meu retorno? O aluno que for selecionado para participar dos Programas de Intercâmbios Internacionais tem a responsabilidade de estar representando não somente a sua Instituição, mas também a sua cidade e o seu país. E no seu retorno, a função de embaixador continua, podendo dividir suas experiências com outros alunos e professores. 22) Devo trancar as disciplinas que não vou fazer ou solicitar suspensão da matrícula? Não. Intercâmbio Internacional: A Seção de Graduação ao receber a documentação do aluno, registrará cumprindo intercâmbio nas disciplinas matriculadas. O tempo de intercâmbio conta para o prazo de integralização do curso. 23) Quais os documentos que devo preencher? O Edital possui uma listagem de documentos a serem entregues para a AREX, porém há que se entregar a documentação para a Unesp Franca vide documentos a serem entregues neste manual. 24) Como obter o histórico escolar em idioma exigido no edital? A Faculdade fornecerá o histórico em português e o aluno deverá fazer a versão para o idioma do país da candidatura, em papel sem timbre. 25) A aprovação é automática? Não. A documentação do edital refere-se à CANDIDATURA, não necessariamente a aprovação. O aluno deve aguardar um contato da AREX, via , para saber se foi classificado no programa. Para estes programas serão encaminhadas também as cartas de aceite da Universidade de origem. Quando há bolsas, o aluno deve aguardar contato da AREX para uma entrevista, que normalmente ocorre nas dependências da AREX em São Paulo, ou conforme edital. Sendo aprovada a CANDIDATURA para bolsa, o aluno deverá entregar o Plano de Estudos e outras documentações pertinentes para aprovação do Conselho de Curso. 6

7 Orientações gerais para realização das atividades de intercâmbio internacional a) o estudante deverá estar regularmente matriculado em qualquer curso da FCHS, no ano em que deseja realizar o intercâmbio, respeitado o calendário de matrícula fixado pela Congregação. b) o estudante preencherá formulário, endereçado ao Diretor da FCHS, contendo: - Solicitação de autorização para cumprimento de disciplina na instituição de ensino estrangeira com a qual a Unesp mantém convênio. - Contrato de Estudos para Alunos de Intercâmbio, com as disciplinas a serem cursadas. - Programas de ensino das disciplinas a serem cursadas em instituição de ensino estrangeira com a qual a Unesp mantém convênio (o aluno deverá traduzir para o português). Todos os documentos deverão ser ENTREGUES NO ESCRITÓRIO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS (ERI) da FCHS, que serão conferidos e encaminhados ao Conselho de Curso de Graduação para aprovação do Contrato de Estudos. Posteriormente serão encaminhados pelo ERI à AREX. c) Estágio no exterior: neste caso o aluno deverá encaminhar também, ofício ao Conselho de Curso (vide site: Modelos de Documentos) informando sobre o estágio (local, período, etc), juntamente com cópia da carta de aceite, ou documento da universidade de destino. E ao retornar, enviar ofício ao Conselho de Curso, juntamente com documento que comprove o cumprimento do estágio. d) O Conselho de Curso não funciona nos meses de julho e dezembro. e) As disciplinas que não tenham relação direta com as disciplinas obrigatórias do Curso de Graduação poderão ser aproveitadas de acordo com a avaliação do Conselho de Curso de Graduação, com parecer prévio do professor responsável. f) Ressalte-se que todas as informações para matrícula em outra Instituição de Ensino, bem como a solicitação de demais documentos necessários junto à Seção de Graduação, são de responsabilidade única do estudante intercambista. g) Após a confirmação do intercâmbio pela Instituição pretendida, e após a aprovação pela Congregação, a Seção de Graduação colocará no Histórico Escolar, nas disciplinas do semestre em que o estudante não estiver na FCHS o termo intercâmbio. h) Mesmo estando em intercâmbio, o estudante deverá efetivar sua matrícula através da internet, no prazo estipulado pelo Calendário Escolar da FCHS. i) Ao retornar das atividades de intercâmbio, o estudante deverá comparecer à Seção de Graduação para adequação de sua matrícula (incluir/excluir disciplinas e dependências). j) Ao receber documento com as disciplinas cursadas no programa de intercâmbio, deverá solicitar ao Conselho de Curso a adequação de sua matrícula com base no 7

8 aproveitamento de estudos. Assim, o estudante deverá apresentar o HISTÓRICO ESCOLAR da instituição onde realizou as atividades de intercâmbio, comprovando sua freqüência, carga horária e notas obtidas nas disciplinas cursadas e o Programa das Disciplinas, caso não tenha sido encaminhado antes. Sem estes documentos, não será possível o aproveitamento dos estudos. k) Caso o aluno desista do intercâmbio deverá enviar justificativa ao ERI, através de documento protocolado na Seção de Comunicações. 8

9 PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS INTERCÂMBIO INTERNACIONAL 1. DOCUMENTAÇÃO O estudante deverá protocolar junto ao ERI: - Toda a documentação exigida no edital, com 1 cópia de cada documento; E ainda, a seguinte documentação disponibilizada no site : 1. Ofício ao Diretor (solicitação de autorização para intercâmbio); 2. Contrato de Estudos assinado pelo tutor; 3. Programas das disciplinas (ver site da Universidade de destino, e caso não esteja disponível, solicitar via ) a serem cursadas na Universidade de destino, traduzidos para o português (o próprio aluno faz a tradução); 4. Formulário da Seção de Graduação (informando que o aluno estará em intercâmbio e dando ciência aos itens relacionados à sua situação escolar na FCHS); Esta documentação tramitará, internamente pela Unesp, conforme Artigo 2º da Resolução 72/00: A) Aprovação prévia do Conselho de Curso de Graduação; B) Parecer da Comissão Permanente de Ensino; C) Aprovação da Congregação. 2. MUDANÇA NO PLANO DE ESTUDOS Ao se matricular na Universidade escolhida, pode ocorrer de o estudante precisar alterar o Contrato de Estudo, inicialmente aprovado pelo Conselho de Curso, ou ainda, desejar prorrogar seu contrato de intercâmbio por mais um semestre. Nestes casos, o estudante deve providenciar o formulário de Alterações ao Contrato de Estudos Originalmente Proposto (vide site - Modelos de Documentos), a ser encaminhado à Unidade de Franca, para que seja aprovado novamente pelo Conselho de Curso e demais colegiados. 3. SITUAÇÃO DA MATRÍCULA e APROVEITAMENTO DE ESTUDOS/DISPENSA DE DISCIPLINAS Como cada curso da Unesp de Franca tem um regime diferenciado (disciplinas anuais e semestrais), a situação do estudante quanto à matrícula fica de acordo com a orientação do Conselho de Curso. 9

10 Por isso, o aluno deve atentar para o PERÍODO DE MATRÍCULA PELA INTERNET, dentro do prazo estipulado pelo Calendário Escolar para que quando retornar sua matrícula esteja correta. Caso haja necessidade de adequar sua matrícula, o estudante deverá se apresentar no prazo estipulado pelo Calendário Escolar da Unidade para ALTERAÇÃO DE INSCRIÇÃO EM DISCIPLINAS (inclusão e exclusão). CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS As disciplinas que não tenham relação direta com as disciplinas obrigatórias do Curso de Relações Internacionais poderão ser aproveitadas como disciplinas optativas, desde que respeitada a legislação em vigor. CURSO DE DIREITO Só será concedida dispensa das disciplinas Complementares/Optativas (para ingressantes a partir de 2007), dependendo do parecer prévio do professor responsável pela disciplina. Quanto às Disciplinas Teórico-profissionais, mesmo tendo nomenclatura semelhante o conteúdo estudado no exterior não contempla a legislação brasileira por se tratar de realidades diferentes, podendo o estudante ter registrado em seu Histórico Escolar a participação do Convênio de Intercâmbio como aprimoramento dos estudos na área jurídica. 4. COMPROVAÇÃO DOS ESTUDOS O Aproveitamento de Estudos/dispensa de disciplina respeitarão a legislação vigente. Portanto, o estudante, deverá, obrigatoriamente, apresentar o HISTÓRICO ESCOLAR da Universidade do Convênio de Intercâmbio, onde cursou as disciplinas do Contrato de Estudos, comprovando sua freqüência, Carga Horária e Notas obtidas nas disciplinas cursadas, para que o CONSELHO DE CURSO DE GRADUAÇÃO possa fazer o Aproveitamento/Dispensa de disciplinas corretamente, ou se for o caso, constar no Histórico Escolar a relação de disciplinas cursadas na Instituição Estrangeira. O Histórico Escolar deverá ser encaminhado ao Escritório de Relações Internacionais da FCHS (uma cópia e o original). 10

11 LEGISLAÇÃO INTERCAMBIO INTERNACIONAL RESOLUÇÃO UNESP Nº 18 de 30 de Março de Dispõe sobre o Programa de intercâmbio de Alunos de Graduação e estabelece normas para o reconhecimento de atividades acadêmicas desenvolvidas em instituições estrangeiras de ensino superior conveniadas ou não com a UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, com fundamento no inciso IX do artigo 24 do Regimento Geral da UNESP e tendo em vista o deliberado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Universitária CEPE, em sessão de 09/03/2010, nos termos do Despacho nº 084/2010 CEPE/SG, baixa a seguinte Resolução: Artigo 1º Fica facultado ao aluno de graduação, regularmente matriculado em qualquer curso da UNESP, realizar componentes curriculares (disciplina, estágio, trabalho de conclusão de curso ou similar) em instituições estrangeiras de ensino superior conveniadas ou não conveniadas com a UNESP, durante o período máximo de dois semestres. 1º No caso de instituições não-conveniadas, cabe ao Conselho de Curso aprovar o intercâmbio, levando em consideração o padrão de qualidade da instituição de destino. 2º Os estudantes da UNESP que participarão do intercâmbio deverão ter integralizado, no mínimo, 60% dos créditos de estudo na UNESP, demonstrar bom desempenho acadêmico e proficiência na língua do país de destino, de acordo com os critérios estabelecidos pelas instituições de destino. 3º - O período em que o aluno estiver realizando o intercâmbio deverá ser computado no prazo máximo de integralização curricular. Artigo 2º Os contatos entre a UNESP e as instituições estrangeiras, para o cumprimento do programa, envio e recebimento dos alunos em intercâmbio, serão feitos por intermédio da AREX. Parágrafo Único A Diretoria Técnica Acadêmica das Unidades Universitárias ou Seção Técnica de Apoio Acadêmico dos Campus Experimentais deverá disponibilizar semestralmente à AREX informações (nome, curso/programa de estudos, universidade de origem/destino, país) dos alunos enviados e recebidos. Artigo 3º O aluno que se ausentar da UNESP para realizar intercâmbio no exterior, deverá manter sua matrícula na UNESP inscrito unicamente em Componentes Curriculares em Intercâmbio. Artigo 4º O aluno deverá indicar o curso e as atividades que pretende freqüentar e submeter à apreciação prévia do Conselho de Curso de Graduação e deliberação da Congregação da Unidade ou do Conselho Diretor dos Campus Experimentais, um Contrato de Estudos com a relação dos componentes curriculares que realizará no exterior, seus programas e carga horária. 1º Os Conselhos de Curso deverão considerar, na aprovação dos Contratos de Estudo, a carga horária e a presença dos conteúdos relevantes e significativos previstos na estrutura curricular do curso. 2º Os componentes curriculares constantes dos Contratos de Estudo aprovados, de conformidade com o caput do artigo, serão, uma vez cumpridos, aproveitados e incluídos no Histórico escolar do aluno. 3º A eventual solicitação de prorrogação do período de estudos inicial de um semestre na instituição estrangeira deverá ser encaminhada pelo aluno para apreciação do Conselho de Curso, mediante um novo Contrato de Estudos, ao qual serão aplicadas as mesmas regras do Contrato original. 4 Cabe ao Conselho de Curso apreciar a realização de intercâmbio por parte de alunos que cursam disciplinas anuais quanto à possibilidade de complementação de estudos e avaliação da aprendizagem, relativamente às aulas que o aluno tiver deixado de freqüentar devido ao intercâmbio. 11

12 5º O aluno poderá realizar no exterior no máximo 25% do total de créditos, ou horas, de seu curso da UNESP. Artigo 5º A realização de intercâmbio sem aprovação do Contrato de Estudos prévio só poderá ocorrer com suspensão de matrícula, devendo o Conselho de Curso apreciar a posteriori o possível aproveitamento dos componentes curriculares cumpridos em intercâmbio. Artigo 6º Para cada aluno selecionado para o intercâmbio, o Conselho de Curso de Graduação deverá indicar um Tutor Acadêmico, que seja professor do curso e que ficará responsável pelo acompanhamento da realização das atividades prevista no Contrato de Estudos e aprovação de eventuais alterações. Parágrafo Único As eventuais alterações aceitas pelo Tutor Acadêmico no Contrato de Estudos serão submetidas para ciência dos Conselhos de Curso de Graduação e homologação da Congregação da Unidade ou Conselho Diretor dos Campus Experimentais. Artigo 7º Os componentes curriculares cumpridos no exterior serão relacionados no Histórico Escolar do aluno sob a rubrica: Componentes Curriculares em Intercâmbio, com a carga horária total cumprida. 1 Os componentes pertencentes ao curso da UNESP, correspondentes aos mencionados no caput do artigo, serão listados no Histórico Escolar com a observação: cumprido em intercâmbio. 2 Caso o aluno não obtenha aprovação em disciplinas prevista em seu Contrato de Estudos, ele deverá cursar disciplina do currículo da UNESP indicada pelo Conselho de Curso. 3º Os estágios realizados no exterior serão aproveitados, para efeito do cumprimento do Estágio Curricular obrigatório, com a carga horária correspondente à efetivamente cumprida. Artigo 8º Fica facultado ao aluno de graduação, regularmente matriculado em instituições estrangeiras de ensino superior conveniadas ou não com a UNESP, realizar componentes curriculares na UNESP, durante o período máximo de dois semestres. Parágrafo Único O aluno estrangeiro será matriculado na UNESP como Aluno Especial. Artigo 9º O Conselho de Curso de Graduação, com a devida deliberação da Congregação das Unidades ou do Conselho Diretor dos Campus Experimentais, deverá aprovar o Contrato de Estudos de alunos estrangeiros que solicitarem intercâmbio na UNESP. Parágrafo Único Para cada aluno aceito na UNESP, o Conselho de Curso de Graduação deverá indicar um Tutor Acadêmico que o acompanhará academicamente em sua permanência na UNESP. Artigo 10º As despesas pelo cumprimento do programa correrão por conta do aluno em mobilidade, sem prejuízo de bolsas que possa obter das agências de fomento nacionais e internacionais. Artigo 11º - Os casos não previstos nesta Resolução, pertinentes ao Programa de Intercâmbio e ao aproveitamento das atividades realizadas, serão resolvidos pelos Conselhos de Curso de Graduação e pelas Congregações das Unidades Universitárias ou Conselho Diretor dos Campus Experimentais. Artigo 12º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se a Resolução UNESP n 125, de 22 de outubro de 2003, alterada pela Resolução UNESP nº 39, de 23 de maio de (Proc.nº 1065/50/01/2003) HERMAN JACOBUS CORNELIS VOORWALD 12

MANUAL DE INTERCÂMBIOS. NACIONAIS e INTERNACIONAIS

MANUAL DE INTERCÂMBIOS. NACIONAIS e INTERNACIONAIS MANUAL DE INTERCÂMBIOS NACIONAIS e INTERNACIONAIS Avenida Eufrásia Monteiro Petráglia, 900 Jardim Petráglia CEP. 14.409-160 - Franca-SP Intercâmbio Nacional: Seção de Graduação: (16) 3706-8831 Intercâmbio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ Interessado Assunto DISPENSA DE AULA PARA REALIZAR ESTÁGIO NO EXTERIOR PERÍODO INFERIOR A UM ANO DECLARAÇÃO N 188/2000 FEG-STA ADA SANSEVERO DOS SANTOS, Diretora da Divisão Técnica Acadêmica da Faculdade

Leia mais

Perguntas frequentes sobre Intercâmbio - Alunos de Graduação da FSP-USP. Tópicos Abordados

Perguntas frequentes sobre Intercâmbio - Alunos de Graduação da FSP-USP. Tópicos Abordados 1 Este FAQ visa esclarecer algumas dúvidas comuns entre os alunos de graduação da FSP-USP. Deve-se levar em conta que todo o processo de intercâmbio será adequado ao caso concreto, sendo que certos passos

Leia mais

Intercâmbio Acadêmico para Alunos da UEL

Intercâmbio Acadêmico para Alunos da UEL Projeto Gráfico da Capa Amanda Eggert Guilhermino (estagiária PROEX) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Assessoria Técnica Profª. Drª. Cristianne Cordeiro Nascimento

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras

Programa Ciência sem Fronteiras Programa Ciência sem Fronteiras Apresentação Este GUIA foi elaborado pela Diretoria de Relações Internacionais (DRI), Pró-Reitoria de Graduação (PRG) e Pró- Reitoria de Pesquisa (PRP) da UFLA para orientar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL. RESOLUÇÃO CEPE-UEMS Nº 1.148, de 25 de outubro de 2011.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL. RESOLUÇÃO CEPE-UEMS Nº 1.148, de 25 de outubro de 2011. RESOLUÇÃO CEPE-UEMS Nº 1.148, de 25 de outubro de 2011. Dispõe sobre a regulamentação da Mobilidade e do Intercâmbio Acadêmicos Internacionais da O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO da UNIVERSIDADE

Leia mais

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 REITORIA Resolução Unesp-32, de 2-3-2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pósgraduação em Aqüicultura, Cursos

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 228/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 228/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 228/2015 Aprova e regulamenta a Mobilidade Acadêmica Internacional Externa para alunos de graduação da Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA Resolução Unesp-95, de 26/10/05 Seção I Dos Objetivos Artigo 1º - O programa

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 58, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004.

RESOLUÇÃO UNESP Nº 58, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. RESOLUÇÃO UNESP Nº 58, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Aprova o Regulamento dos Programas de Pós-graduação em Agronomia (Produção Vegetal), Agronomia (Genética e Melhoramento de Plantas), Agronomia (Produção

Leia mais

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP.

Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. RESOLUÇÃO UNESP Nº 30, DE 17 DE JUNHO DE 2010. Texto consolidado Dispõe sobre o Regimento Geral de Pós-graduação da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista

Leia mais

2º O envio de alunos da Universidade do Estado do

2º O envio de alunos da Universidade do Estado do UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 026/2011-CONSUNIV DISPÕE sobre as normas gerais de intercâmbio acadêmico dos discentes regularmente matriculados na Universidade do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2011

RESOLUÇÃO Nº 74/2011 Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão RESOLUÇÃO Nº 74/2011 DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO Nº 81/04 QUE TRATA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES COMO COMPONENTE CURRICULAR DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

EDITAL SRI/UNIFESP Nº 026/2013 EDITAL PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO COM INSTITUIÇÕES CONVENIADAS

EDITAL SRI/UNIFESP Nº 026/2013 EDITAL PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO COM INSTITUIÇÕES CONVENIADAS EDITAL SRI/UNIFESP Nº 026/2013 EDITAL PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO COM INSTITUIÇÕES CONVENIADAS A da UNIFESP, juntamente com a, no uso de suas atribuições, nos termos do art. 19, inciso

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

6 DAS QUESTÕES FINANCEIRAS

6 DAS QUESTÕES FINANCEIRAS EDITAL AREX 2015 PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS 2014 DO SANTANDER UNIVERSIDADES Estão abertas as inscrições para seleção de estudantes para período de estudos a partir do segundo semestre de 2015,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO RESOLUÇÃO No 3.538, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2010 Dispõe sobre normas para a Mobilidade Acadêmica em nível de Graduação entre a Universidade Federal

Leia mais

EDITAL N. 002/2015-ECI/CPINTER

EDITAL N. 002/2015-ECI/CPINTER UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM ESCRITÓRIO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL - ECI COMISSÃO PERMANENTE DE INTERNACIONALIZAÇÃO - CPInter PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL - GRADUAÇÃO EDITAL

Leia mais

GUIA PARA ESTUDAR NO EXTERIOR

GUIA PARA ESTUDAR NO EXTERIOR GUIA PARA ESTUDAR NO EXTERIOR O QUE É INTERCÂMBIO ACADÊMICO? É a ida de estudantes de um país para o outro por um determinado período do ano letivo. O objetivo é estender os estudos da Graduação para outra

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

Edital N 10/2014 DRI/UFF

Edital N 10/2014 DRI/UFF Edital N 10/2014 DRI/UFF Dispõe sobre o programa de Mobilidade Internacional de alunos de graduação da Universidade Federal Fluminense para o segundo semestre de 2015 e primeiro de 2016. A Diretoria de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I - OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1. - O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES do Departamento

Leia mais

FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO RESOLUÇÃO N 3.538, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2010

FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO RESOLUÇÃO N 3.538, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO RESOLUÇÃO N 3.538, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2010 Dispõe sobre normas para a Mobilidade Acadêmica em nível de Graduação entre a Universidade Federal

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO Estabelece as diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integração Latino-Americana UNILA. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

CAPÍTULO I Do objetivo

CAPÍTULO I Do objetivo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA GABINETE DO REITOR SECRETARIA DE APOIO INTERNACIONAL - SAI EDITAL Nº 008, DE 20 DE MAIO DE 2015 O presente edital visa regular a seleção de estudantes

Leia mais

SELEÇÃO DE ALUNOS PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL 01/2015

SELEÇÃO DE ALUNOS PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL 01/2015 SELEÇÃO DE ALUNOS PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA EDITAL 01/2015 O Reitor do Centro Universitário UNA, Prof. Átila Simões da Cunha, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO REITORIA COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO REITORIA COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS EDITAL 06/2015/CAINT/UFOP, DE 28 DE ABRIL DE 2015 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO BRASIL-COLÔMBIA (BRACOL) A (CAINT) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), considerando o Convênio de adesão ao Acordo Específico

Leia mais

Programa de Intercâmbio Acadêmico Internacional de Graduação 2011 Edital de Seleção

Programa de Intercâmbio Acadêmico Internacional de Graduação 2011 Edital de Seleção Programa de Intercâmbio Acadêmico Internacional de Graduação 2011 Edital de Seleção A Assessoria de Relações Internacionais da Universidade de Pernambuco TORNA PÚBLICA a abertura de Processo Seletivo para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI ASSESSORIA PARA ASSUNTOS INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI ASSESSORIA PARA ASSUNTOS INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI ASSESSORIA PARA ASSUNTOS INTERNACIONAIS EDITAL DE SELEÇÃO nº 2 PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO SANTANDER UNIVERSIDADES 2015 A Magnífica

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

NORMA DOS CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO - UNIFEI -

NORMA DOS CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO - UNIFEI - NORMA DOS CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO - UNIFEI - Página 1 / 9 DOS OBJETIVOS Art. 1º - Os cursos de mestrado da Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI, tem por objetivo a formação de pessoal qualificado

Leia mais

PROGRAMA DE MOBILIDADE INTERNACIONAL COMO PARTICIPAR

PROGRAMA DE MOBILIDADE INTERNACIONAL COMO PARTICIPAR COMO PARTICIPAR Um dos aspectos mais importantes da mobilidade internacional é o conhecimento e convivência com outras culturas, sendo uma oportunidade única para sua qualificação através de experiências

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PRPGP - UCB MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - MGCTI REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO 2010 2 Os artigos que seguem neste Regimento referem-se ao Programa

Leia mais

EDITAL N. 009/2015 - ERI ESCRITÓRIO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

EDITAL N. 009/2015 - ERI ESCRITÓRIO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS EDITAL N. 009/2015 - ERI ESCRITÓRIO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS EDITAL DE SELEÇÃO DE GRADUANDOS(AS) PARA PARTICIPAÇÃO EM PROJETO DE MOBILIDADE ACADÊMICA ENTRE UNESPAR E DOCNOMADS/ULHT A Universidade Estadual

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

Aprovados pelo Colegiado da Pós-Graduação

Aprovados pelo Colegiado da Pós-Graduação UCRITÉRIOS, REGRAS, PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS Aprovados pelo Colegiado da Pós-Graduação 1. Os alunos cujos orientadores tenham recebido quotas de bolsas individuais do CNPq ou da CAPES, mas que hajam

Leia mais

Edital N 12/2015 SRI/UFF

Edital N 12/2015 SRI/UFF Edital N 12/2015 SRI/UFF Dispõe sobre o programa de Mobilidade Internacional de alunos de graduação da Universidade Federal Fluminense para o segundo semestre de 2016 e primeiro de 2017. A Superintendência

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO Art.1º Este Regulamento define,

Leia mais

EDITAL AREX 2014 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSIDADES DO CANADÁ UNIVERSIDADES DE TORONTO, MONTRÉAL E VICTORIA

EDITAL AREX 2014 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSIDADES DO CANADÁ UNIVERSIDADES DE TORONTO, MONTRÉAL E VICTORIA EDITAL AREX 2014 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO UNIVERSIDADES DO CANADÁ UNIVERSIDADES DE TORONTO, MONTRÉAL E VICTORIA Estão abertas as inscrições para seleção de estudantes da UNESP para o Programa de Intercâmbio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM COMUNICAÇÃO - MESTRADO -

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM COMUNICAÇÃO - MESTRADO - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM COMUNICAÇÃO -

Leia mais

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução: RESOLUÇÃO CEPE Nº 174/2007 Altera o Regulamento dos Programas de Pós- Graduação Stricto sensu. processo nº 32255/2007; CONSIDERANDO a solicitação constante no O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

MANUAL DO INTERCAMBISTA 2016

MANUAL DO INTERCAMBISTA 2016 MANUAL DO INTERCAMBISTA 2016 DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS SUMÁRIO 4 DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS 5 O QUE A DRI FAZ 6 O QUE A DRI NÃO FAZ E A QUEM PROCURAR NESTES CASOS CONTATOS 7 INTERCÂMBIO

Leia mais

Portaria CC nº 01, de 16 de janeiro de 2014.

Portaria CC nº 01, de 16 de janeiro de 2014. Portaria CC nº 01, de 16 de janeiro de 2014. Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo, e dá outras providências. O COORDENADOR DO CURSO DE TURISMO do Campus Experimental de Rosana, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS EDITAL Nº 06, DE 18 DE AGOSTO DE 2014. PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1. O POSMEC - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica da UFSC, em nível de Mestrado e Doutorado,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES.

MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES. MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES. IDENTIFICAÇÃO DO (A) DISCENTE NOME: ENDEREÇO: CURSO: PERIODO: TURMA: Trabalhar o discente para torná-lo um empreendedor e facilitar sua inclusão no mercado de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/10-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 06/10-CEPE RESOLUÇÃO Nº 06/10-CEPE Altera a Seção I da Resolução nº 37/97-CEPE que aprova normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos cursos de graduação da Universidade Federal do Paraná. O

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA TÍTULO

Leia mais

Edital DIRGER Nº 03/2015

Edital DIRGER Nº 03/2015 1 Edital DIRGER Nº 03/2015 Dispõe sobre o Programa de Incentivo à Mobilidade Acadêmica para os acadêmicos dos cursos de graduação da Faculdade La Salle para o primeiro semestre de 2016. O Diretor Geral

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 17-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE ABRIL DE 2015. Aprova o Regulamento de aproveitamento, equivalência e validação de atividades acadêmicas em mobilidade internacional de graduação, na UNICENTRO.

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação (PPGCITED) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul)

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da Universidade Federal

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem Nível Mestrado

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem Nível Mestrado Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Enfermagem Nível Mestrado Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROPE Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CAPÍTULO I. Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto sensu, ministrados pela FEM, conduzem aos títulos acadêmicos de Mestre e de Doutor em:

CAPÍTULO I. Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto sensu, ministrados pela FEM, conduzem aos títulos acadêmicos de Mestre e de Doutor em: REGULAMENTO DOS CURSOS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA MECÂNICA E PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ENERGÉTICOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UNICAMP Dos Objetivos e Prazos CAPÍTULO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST CURSO DE DIREITO NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST CURSO DE DIREITO NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES Art. 1º As Complementares Independentes integram o currículo do curso de graduação de Direito, objetivando sua flexibilização, sendo seu cumprimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

EDITAL BRANETEC UFES Nº 001/2015

EDITAL BRANETEC UFES Nº 001/2015 EDITAL BRANETEC UFES Nº 001/2015 PROCESSO SELETIVO PARA PARTICIPAÇÃO EM PROGRAMA DE INTERCÂMBIO RECÍPROCO DE GRADUAÇÃO PARA ESTUDO NA HOLANDA SEM COLAÇÃO DE GRAU O Diretor do Centro Tecnológico da Universidade

Leia mais

Campus de São José do Rio Preto

Campus de São José do Rio Preto 1 Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas -. Edital 148/2014 - IBILCE Abertura de vagas para Transferência Interna - 2015 O Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas/UNESP,, torna público

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES

NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES Art. 1º As Complementares Independentes integram o currículo do curso de graduação de Direito, objetivando sua flexibilização, sendo seu cumprimento

Leia mais

NORMAS PARA AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

NORMAS PARA AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO NORMAS PARA AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I Obrigatoriedade e Definição de Atividades Complementares

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-07 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS MOBILIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO EDITAL 01/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS MOBILIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO EDITAL 01/2015 MOBILIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO EDITAL 01/2015 Vitória, 28 de janeiro de 2015. APRESENTAÇÃO A Secretaria de Relações Internacionais da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), no uso de suas atribuições

Leia mais

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional;

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional; RESOLUÇÃO CONSEPE 22/2014 APROVA O REGULAMENTO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS, MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF, PARA TURMAS COM INÍCIO EM

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

PALMAS - TO NOVEMBRO 2014

PALMAS - TO NOVEMBRO 2014 REGULAMENTO DE MOBILIDADE ACADÊMICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PRESENCIAIS DO IFTO. Aprovado pela Resolução nº 41/2014/CONSUP/IFTO, de 5 novembro de 2014. Dispõe sobre as normas e procedimentos acadêmicos

Leia mais

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/UC

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/UC Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Edital 035/2010/CAPES A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria de Relações Internacionais, e com

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE Campus I Joinville 2008 SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS... 03 CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Resolução n o 145 de 30/09/2015 CAS

Resolução n o 145 de 30/09/2015 CAS Resolução n o 145 de 30/09/2015 CAS Estabelece a Política de Intercâmbio da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior da Universidade Positivo, no

Leia mais

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014.

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. Regulamenta o procedimento de concessão de créditos para as atividades complementares dos alunos dos Cursos de Graduação em Engenharia Industrial Madeireira ingressantes

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS GEODÉSICAS E TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS GEODÉSICAS E TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS GEODÉSICAS E TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO Art. 1 - Objetivos: CAPITULO I DAS FINALIDADES 1. aperfeiçoar recursos humanos destinados ao ensino

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ECOLOGIA APLICADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

Regimento de Pós-Graduação do Mestrado Profissionalizante em Instrumentação Científica

Regimento de Pós-Graduação do Mestrado Profissionalizante em Instrumentação Científica Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/CNPq http://www.cbpf.br Rua Dr. Xavier Sigaud 150, Urca - Rio de Janeiro - RJ Cep: 22290-180 Tel: (021) 5867100 Fax: (021) 5867400 Regimento de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL Nº 68/2014 PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO

EDITAL Nº 68/2014 PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, divulga a abertura de inscrições ao processo

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Edital de Seleção do Programa de Intercâmbio Internacional Colégio de Aplicação João XXIII 2015 (PII-JOÃO 2015) A Secretaria de

Leia mais