INFLUÊNCIA DO TEMPO DE RASTREIO E PDOP NA COLETA DE DADOS GPS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DO TEMPO DE RASTREIO E PDOP NA COLETA DE DADOS GPS"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DO TEMPO DE RASTREIO E PDOP NA COLETA DE DADOS GPS José Milton Arana Mauro Issamu Ishikawa João Francisco Galera Monico Depto. de Cartografia - Faculdade de Ciências e Tecnologia Unesp-Campus de Presidente Prudente Rua Roberto Simonsen, 305 CP 957 CEP RESUMO No posicionamento relativo, com o GPS, uma série de erros inerentes ao sistema são praticamente eliminados. A qualidade dos resultados obtidos depende, entre outros fatores, da observável usada, da qualidade das efemérides, do comprimento da base, do tempo de rastreio, do número de satélites rastreados e da geometria da constelação. Este trabalho tem por objetivo principal apresentar resultados de levantamentos GPS executados em diferentes condições, e assim indicar, a partir dos resultados obtidos, o tempo mínimo de rastreio para obter a solução da ambigüidade, levando em consideração o número de satélites, comprimento da base e a geometria dos satélites. Os horários de rastreio, para as bases selecionadas, diferem, visando permitir a verificação da influência do PDOP na qualidade dos resultados. Processou-se as bases com todos os dados coletados e com intervalo de tempo menor que o original, afim de analisar os resultados com diferentes quantidades de dados. ABSTRACT In the GPS relative positioning, most of the error inherent to the system is reduced. Their quality depends of the ephemeris quality, length of the baseline, the track interval, the number of satellits and geometry of the constelation.the principal aim of this paper is to present results of GPS measurements under different conditions, aiming to indicate, from the results, the minimum interval of tracking, in order for obtain the desired results, taking into account the number of satellite, length of the baseline and the satellite geometry.the data of the selected baselines were colected using different schedules, in order to verify the PDOP influence in the quality of the results. The baselines were processed taking into account all collected data and shorter intervals, aiming to verify the influence of the quantity of measurements in the results. 1 INTRODUÇÃO O GPS-Global Positioning System foi projetado, para ser composto por 24 satélites, dispostos em seis planos orbitais (A, B, C,...F), com altura orbital de aproximadamente Km, período de revolução de 12 horas siderais, excentricidade de 0,05, inclinação do plano orbital de 55 o (em relação ao equador), relógio de bordo dos satélites com estabilidade de à Pode-se dizer que o início da era GPS foi marcada com o lançamento do primeiro satélite do Bloco II, em 14 de fevereiro de O sistema GPS foi declarado operacional em 27 de abril de 1995 e a concepção do sistema permite que um usuário, em qualquer local da superfície terrestre, tenha à sua disposição, no mínimo quatro satélites. Este é o número mínimo de satélites para se posicionar tri-dimensionalmente em tempo real (navegação).

2 No posicionamento relativo, uma série de erros inerentes ao sistema (erros sistemáticos) são praticamente eliminados. A qualidade dos resultados obtidos nos rastreamentos depende, entre outros, da observável usada, da qualidade das efemérides, do comprimento da base, do tempo de rastreio, do número de satélites rastreados e da geometria da constelação. Em levantamentos com uso do sistema GPS, são comuns as questões de quanto tempo deve-se permanecer rastreando uma base para que se possa resolver a ambigüidade? ou ainda, quanto tempo deve-se rastrear para obter resultados da ordem do centímetro? Este trabalho tem por objetivo principal apresentar, a partir de resultados de levantamentos GPS, realizado em diferentes condições, especular empiricamente sobre o tempo de rastreio necessário para que se possa obter a solução da ambigüidade; isto considerando: o número de satélites rastreados; a geometria da constelação PDOP (Positioning Dilution Of Precision); o RDOP (Relative Dilution Of Precision); e também o comprimento da base (distância entre o ponto fixo e o ponto a determinar). 2 SOLUÇÃO DA AMBIGÜIDADE No processamento de dados GPS, a equação básica, em geral, é a dupla diferença de fase da onda portadora. Uma característica fundamental desta observável é que, teoricamente, as ambigüidades devem resultar em números inteiros. No entanto, vários fatores afetam as observáveis, fazendo com que os valores estimados sejam diferentes de valores inteiros. O processo de obtenção dos valores inteiros de ambigüidades, denomina-se solução das ambigüidades. No processamento em que se soluciona as ambigüidades, obtém-se melhor precisão. Deve-se no entanto ressaltar que, caso os valores das ambigüidades sejam incorretas, as coordenadas estimadas, embora precisas, apresentarão efeitos sistemáticos. É melhor dispor de resultados sem solução de ambigüidade à solução mais precisa, mas incorreta. É importante dispor de metodologia para avaliar a qualidade dos resultados com solução da ambigüidade. Uma avaliação estatística é a denominada teste ratio (Monico 1996) O teste ratio é dado pela razão entre σ$ / σ$ 02 01, onde σ$ σ$ 02 e 01 são fatores de variância a posteriori. Eles são obtidos a partir da seleção de vários candidatos para as ambigüidades. Os vários fatores de variância são dispostos em ordem crescente; desta 2 2 forma, $σ 01 é o menor de todas, ao passo que $σ 02 é o segundo. Se a razão for um valor alto, significa que há um bom discernimento entre ambas soluções, o que justifica a seleção da primeira solução. Na realidade, o teste ratio segue a distribuição F, haja vista tratar da razão de duas variâncias. Para fins deste trabalho, sempre que o teste ratio for maior que 3, considerou-se que obteve a solução da ambuigüidade. 3 EXPERIMENTO E ETAPAS DO PROJETO Os dados utilizados neste trabalho foram coletados na execução do projeto Apoio Fotogramétrico GPS - Município de Assis, cujo objetivo principal foi a obtenção de pontos de apoio à fotogrametria. Os equipamentos utilizados foram dois rastreadores TRIMBLE Navigation SL 4000 com uma portadora. O software utilizado no processamento foi o TRIMVEC- PLUS TM, versão O desenvolvimento do projeto citado ocorreu em quatro etapas, a saber: o planejamento e implantação dos pontos a serem rastreados; o planejamento para o

3 rastreamento dos pontos implantados; a coleta de dados GPS (rastreamento); e o processamento dos dados. Os locais de implantação dos marcos visou, principalmente, atender os requisitos do apoio fotogramétrico, além de servir como uma rede topográfica. No planejamento do levantamento, obteve-se o PDOP com o uso do software TRIMVEC-PLUS TM, da Trimble, utilizando-se dos seguintes parâmetros de entrada: as coordenadas aproximadas da estação; o dia, horário e o intervalo de incremento. O software fornece um gráfico onde é possível avaliar o PDOP e o número de satélites visíveis em função do horário. Durante o rastreio, cuidados especiais foram tomados com as leituras e registros das alturas das antenas; pois este tipo de erro não pode ser detectado no processamento, nos casos em que se efetuaram irradiamentos. A coleta de dados obedeceu o princípio de irradiamento. Todos os vértices foram determinados a partir de um ponto central (localizado na UNESP/Campus de Assis). As coordenadas deste vértice central foram estimadas utilizando-se da estrutura da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo - RBMC, tomando como base a estação UEPP, localizada à 105 Km, em Presidente Prudente. A duração da coleta de dados em cada estação baseou-se, principalmente, nas distâncias em relação ao vértice central. Nos pontos mais afastados, acima de 20 Km, coletou-se dados durante uma hora, com aproximadamente 1200 medidas; nas estações intermediárias, de 15 à 20 Km, o tempo de rastreio foi de 40 minutos, com aproximadamente 800 medidas; e nos pontos mais próximos, inferiores à 15 Km, o tempo de rastreio foi de 30 minutos. No total, coletou-se dados que resultaram em 49 linhas de base. As atividades de processamento dos dados coletados foram desenvolvidas no laboratório da FCT/UNESP, denominado Laboratório de Astronomia, Topografia e Geodésia-LATOGEO, utilizando-se um micro-computador 486-DX 100 Mhz e o software TRIMVEC-PLUS TM, versão RESULTADOS E ANÁLISE DO EXPERIMENTO Na tabela 1 constam informações dos resultados de todas as bases processadas, utilizando todas as observações coletadas, as quais são fundamentais para a análise dos resultados. Cada base é identificada como BB-PP, onde BB e PP identificam respectivamente a estação base e à determinar. Nota-se portanto, conforme já citado, tratar-se de irradiamentos. Os comprimentos das bases variam de 41,3 à m, com intervalo de rastreio variável de 60 (bases longas) à 15 min (bases curtas). O número de satélites durante o rastreio leva em consideração os satélites presentes nas duas estações, haja vista tratar-se de posicionamento relativo. O número de medidas refere-se às duplas diferenças efetivamente utilizadas no processamento. O ratio, sempre que disponível, é apresentado na tabela; caso contrario atribui-se n/a (not available). O PDOP corresponde ao melhor deles no processamento, enquanto que o RDOP é obtido de uma média de valores extremos a cada minuto. O valor de sigma representa o desviopadrão (1σ) da distância. Finalmente, consta na tabela o erro médio quadrático (EMQ) referente a solução float (solução em que as ambigüidades não são fixadas como inteiras).

4 Base comprimento da base (m) Tabela 1. Informações Sobre o Processamento tempo rastr. número de sat. Núm. med ratio PDOP RDOP s (mm) 1 EMQ (mm) , n/a 1,8 0, ,0 14, , n/a 1,8 0,336 4,5 5, , ,37 1,9 0, ,0 17, , n/a 1,8 0,810 13,4 11, , n/a 2,1 1,157 14,6 5, , n/a 1,9 3,115 67,6 6, , n/a 1,9 1,771 22,4 3, , n/a 1,6 0,623 26,0 5, , ,5 2,8 0,147 33,2 5, , ,33 2,0 0,082 89,6 2, , ,05 1,6 0,077 11,3 6, , ,04 2,0 0,073 12,9 4, , ,97 2,0 0,083 11,4 3, , ,54 2,1 0,102 20,8 2, , n/a 2,1 0,493 12,8 5, , ,13 2,0 0,103 20,6 2, , ,38 2,4 0,082 13,9 2, , n/a 2,8 2,109 75,7 8, , ,20 1,9 0,113 48,2 8, , ,30 1,8 0,103 40,1 2, , ,30 3,3 0,182 16,4 3, , ,20 2,1 0,071 25,8 6, , ,22 3,0 0,139 27,1 4, , ,64 2,4 0,134 10,8 3, , n/a 1,8 1,528 11,1 2, , n/a 2,4 0,756 20,2 6, , n/a 2,0 0,882 27,2 2, , n/a 1,8 1,010 30,3 7, , n/a 2,1 0,944 17,2 4, , ,69 1,9 0,089 13,6 4, , ,75 2,9 0,121 22,7 5, , n/a 2,3 1,296 23,1 3, , ,67 2,8 0,125 37,8 4, , n/a 2,6 3,319 55,4 8, , n/a 2,0 1,673 37,6 4, , ,79 1,9 0,116 30,6 4, , n/a 3,0 1,488 61,1 15, , n/a 2,1 1,984 17,9 2, , ,13 2,0 0,071 8,5 2, , ,81 1,9 0,099 15,8 3, , n/a 1,8 1,570 10,9 3, , ,64 1,8 0,137 20,1 2, , ,67 2,3 0,134 28,1 2, , ,01 2,3 0,108 52,7 2, , n/a 3,1 3,694 72,1 5, , ,03 1,8 0,154 25,6 1, , ,91 2,3 0,134 9,1 2, , ,7 2,9 0,252 9,3 1,9 (1) resultantes da solução FLOAT Das informações contidas na tabela 1 pode-se, de imediato, verificar a dificuldade em apresentar uma regra geral a respeito do tempo de rastreio, necessário para a solução da ambigüidade. Das 48 bases processadas, em apenas 25 obteve-se a solução (ratio maior que 3). Para as três bases superiores à 20 Km nota-se que o vetor ambigüidade foi solucionado em apenas um caso, justamente o que apresenta maior

5 PDOP. Porém esta base, a mais curta entre elas, apresentou o menor RDOP. Como se tratam de bases relativamente longas, os efeitos da refração ionosférica podem ter tido alguma influência, o que fica refletido no EMQ mais que os das demais bases. Em geral, observa-se que nas base onde não se solucionou as ambigüidades, o EMQ é superior aos das bases de comprimento similares com solução. Tal fato mostra aspectos relacionados à qualidade das observações (multicaminhos, refração, etc). Na tabela 1, verifica-se que a resolução da ambigüidade depende, principalmente do RDOP, e não do PDOP. Pode-se observar que: - RDOP baixo (menor que 0,2) indica que haverá resolução da ambigüidade; e - RDOP alto (maior que 0,2) indica que não haverá resolução da ambigüidade. Vale lembrar que, esta análise está baseada no tempo de rastreio de 60 minutos para bases maiores que 20 Km; de 40 minutos para bases de 20 à 15 Km; e 30 minutos para bases menores que 15 Km. Devido a dificuldade e limitação de tempo em realizar uma análise mais detalhada com base nas informações da tabela 1, optou-se por selecionar algumas bases de comprimentos variáveis e que apresentaram solução da ambigüidade. Repetiu-se, para cada uma das bases, vários processamentos, onde foi-se reduzindo o intervalo até definir o tempo mínimo necessário para obter a solução da ambigüidade. As informações resultantes do processamento com tempo mínimo constam da tabela 2. Base compr. base(m) Tabela 2. Amostra dos Pontos Rastreados tem num. núm. ratio PDOP RDOP sigma min Sat. med. (mm) 2 EMQ (mm) , ,37 1,9 0,090 9,7 11, , ,08 2,0 0,134 45,9 2, , ,31 4,0 0,290 7,0 2, , ,93 2,4 2,846 18,8 5, , ,50 2,5 0,130 14,1 3, , ,03 2,1 0,138 8,9 2, , ,25 2,4 0,191 47,8 1, , ,88 2,1 0,321 50,7 1,0 ( 2 ) Tempo de rastreio mínimo, usado no processamento, com resolução da ambigüidade. Para a base mais longa (aproximadamente 20 Km), o tempo mínimo foi de 60 minutos, não havendo portanto redução em relação ao original. Isto nos leva a especular que para bases desta ordem de comprimento, a ocupação deve ser superior a 60 minutos. Para as bases mais curtas, houve redução, indicando para receptores de simples frequência tempo mínimo de ocupação da ordem de 20 minutos. Na tabela 2, verifica que se obteve solução da ambigüidade para RDOP menor que, aproximadamente, 0,3, valor este diferente do observado na tabela 1. A razão desta discrepância pode ter sido devido ao fato de se utilizar quantidade menor de observações. Observando ainda a tabela 2, chama-nos a atenção o valor do RDOP na base (RDOP = 2,846), que contraria a afirmação acima, RDOP maior que 0,3, indica a não solução da ambigüidade. Tal fato merece uma análise mais detalhada, o que constará em trabalhos futuros.

6 5 CONCLUSÕES Com base neste experimento, percebe-se a dificuldade em relacionar a solução da ambigüidade com o intervalo do tempo de rastreio, comprimento da base e PDOP. O RDOP mostrou ser o melhor indicativo da resolução da ambigüidade no posicionamento relativo. O inconveniente do RDOP está no fato, de no momento, não estar disponível nos softwares de planejamento. O assunto tempo mínimo de rastreio não pode ser encerrado neste trabalho, e será ainda objeto de estudo em trabalhos futuros. BIBLIOGRAFIA GEMAEL, C. Geodésia Celeste: Introdução. Curso de Pós-Graduação em Ciências Geodésicas. UFPR. Curitiba MONICO, J.F.G. Posicionamento pelo NAVSTAR-GPS Descrição, Fundamentos e Aplicações. Departamento de Cartografia. FCT/UNESP. Presidente Prudente SEEBER, G. Satellite Geodesy Fundations, Methods and Aplications. Berlin: de Gruyter YANG, X. and BROCK, R. Modeling GPS Satellite Geometry with RDOP, New York, Comparasion Between RDOP and PDOP. New York.1996.

Sistema de Posicionamento por Satélite

Sistema de Posicionamento por Satélite Implantação de Faixa de Dutos Sistema de Posicionamento por Satélite Resumo dos conhecimentos necessários para o entendimento e uso dos Sistemas de s e seus equipamentos. 1 Introdução Os sistemas de posicionamento

Leia mais

ANEXO L RESUMO ESPECIFICAÇÕES INCRA

ANEXO L RESUMO ESPECIFICAÇÕES INCRA ANEXO L RESUMO ESPECIFICAÇÕES INCRA 1 Metodologia A metodologia utilizada para a determinação dos pontos de divisa, seguiu a metodologia para georreferenciamento de imóveis rurais do emitido pelo INCRA

Leia mais

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System)

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System) Sistema GNSS (Global Navigation Satellite System) POSICIONAR UM OBJETO NADA MAIS É DO QUE LHE ATRIBUIR COORDENADAS O Sol, os planetas e as estrelas foram excelentes fontes de orientação, por muito tempo.

Leia mais

Análise das discrepâncias obtidas entre os processamentos realizados em diferentes softwares para linhas de base curtas e longas

Análise das discrepâncias obtidas entre os processamentos realizados em diferentes softwares para linhas de base curtas e longas Análise das discrepâncias obtidas entre os processamentos realizados em diferentes softwares para linhas de base curtas e longas Stephanie Cristina Matos Pereira 1 Maria Lígia Chuerubim 1 Lorena Araújo

Leia mais

GPS Global positioning system

GPS Global positioning system GPS Global positioning system O Sistema de Posicionamento Global GPS-NAVSTAR (Navigation Satellite Time And Ranging) foi concebido inicialmente para substituir o sistema NNNS/TRANSIT que apresentava várias

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIA GPS NA AQUISIÇÃO DE DADOS PARA PLANEJAMNETO AGRÍCOLA

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIA GPS NA AQUISIÇÃO DE DADOS PARA PLANEJAMNETO AGRÍCOLA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 39 UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIA GPS NA AQUISIÇÃO DE DADOS PARA PLANEJAMNETO AGRÍCOLA Carlos Eduardo Seawright Silva 1,

Leia mais

O QUE É GPS? do GPS. 3 Classificação. dos receptores. 4 Divisão do sistema GPS. de funcionamento. 6 Tipos de posicionamento. 8 Prática/Conhecendo

O QUE É GPS? do GPS. 3 Classificação. dos receptores. 4 Divisão do sistema GPS. de funcionamento. 6 Tipos de posicionamento. 8 Prática/Conhecendo Metodologia de Pesquisa Cientí Científica CONCEITOS BÁSICOS SOBRE POSICIONAMENTO POR SATÉLITES ARTIFICIAIS XIV CURSO DE USO ESCOLAR DE SENSORIAMENTO REMOTO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Julio Cesar de Oliveira

Leia mais

PPP: uma alternativa rápida, precisa e econômica para o planejamento territorial

PPP: uma alternativa rápida, precisa e econômica para o planejamento territorial PPP: uma alternativa rápida, precisa e econômica para o planejamento territorial P.C.L. Segantine, M. Menzori Escola de Engenharia de São Carlos EESC/USP seganta@sc.usp.br RESUMO Os últimos anos têm sido

Leia mais

Método de Posicionamento Relativo por Satélite GPS com Correção do Efeito do Multicaminho em. Resultados e Análises 1

Método de Posicionamento Relativo por Satélite GPS com Correção do Efeito do Multicaminho em. Resultados e Análises 1 TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 9, No. 1 (2008), 133-142. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Método de Posicionamento Relativo por Satélite GPS com Correção

Leia mais

ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO

ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO ESTUDOS PRELIMINARES PARA A INTEGRAÇÃO DA INSTRUMENTAÇÃO DE CONTROLE E SEGURANÇA DA BARRAGEM DE SALTO CAXIAS COM A REDE GEODÉSICA DE MONITORAMNETO Carlos Alberto Zocolotti Filho 1 Pedro Luis Faggion 1

Leia mais

ESTIMATIVA DA ACURÁCIA POSICIONAL DE UM RASTREADOR GNSS A PARTIR DE POSICIONAMENTOS EM LINHAS DE BASE CONHECIDAS

ESTIMATIVA DA ACURÁCIA POSICIONAL DE UM RASTREADOR GNSS A PARTIR DE POSICIONAMENTOS EM LINHAS DE BASE CONHECIDAS ESTIMATIVA DA ACURÁCIA POSICIONAL DE UM RASTREADOR GNSS A PARTIR DE POSICIONAMENTOS EM LINHAS DE BASE CONHECIDAS 1 Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Raquel

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PÓS-GRADUAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PÓS-GRADUAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PÓS-GRADUAÇÃO EM GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS COMPARATIVO DE COORDENADAS GEOGRÁFICAS COLETADAS ATRAVÉS DE DIFERENTES RECEPTORES DE SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL

Leia mais

- Global Positioning System - - Sistema de Posicionamento Global -

- Global Positioning System - - Sistema de Posicionamento Global - - Global Positioning System - - Sistema de Posicionamento Global - É um sistema de navegação com base em satélites artificiais que emitem, em intervalos de 1 ms, sinais rádio, diferente de satélite para

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE CAMPO PARA LEVANTAMENTOS GNSS

PROCEDIMENTOS DE CAMPO PARA LEVANTAMENTOS GNSS Leandro,D.; Huinca,S.C.M e Krueger, C.P. LABORATÓRIO DE GEODÉSIA ESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCEDIMENTOS DE CAMPO PARA LEVANTAMENTOS GNSS Autoras: Doutoranda Diuliana Leandro, MSc. Doutoranda

Leia mais

GPS. Sistema de Posicionamento por Satélites Artificiais. Sumário. O que é o GPS? Sumário

GPS. Sistema de Posicionamento por Satélites Artificiais. Sumário. O que é o GPS? Sumário Sumário GPS Sistema de Posicionamento por Satélites Artificiais P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Análise dos Dados da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS 1996 a 2000

RELATÓRIO TÉCNICO. Análise dos Dados da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS 1996 a 2000 RELATÓRIO TÉCNICO Análise dos Dados da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo dos Sistemas GNSS Rio de Janeiro 2011 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e

Leia mais

Métodos de Posicionamento GNSS. Prof. Pedro Donizete Parzzanini

Métodos de Posicionamento GNSS. Prof. Pedro Donizete Parzzanini Métodos de Posicionamento GNSS Prof. Pedro Donizete Parzzanini GNSS Global Navigattion Satellite System Termo utilizado para a denominação de um conjunto de Sistemas de Navegação por Satélites que permitem

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Diagnóstico Ambiental do Município de São Leopoldo (Relatório da Implantação

Leia mais

sistema de posicionamento global

sistema de posicionamento global SISTEMA GPS GPS Global Positioning System sistema de posicionamento global É um sistema de radionavegação baseado em satélites, desenvolvido e controlado pelo departamento de defesa dos Estados Unidos,

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

GPS x GNSS: Constelação GLONASS maximizando a precisão e acurácia dos dados

GPS x GNSS: Constelação GLONASS maximizando a precisão e acurácia dos dados Artigo original DOI: 105902/2236117016103 Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n. 2, mai-ago.2015, p. 344 352 Revista do Centro deciências Naturais e Exatas

Leia mais

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE Prof. Dra. Daniele Barroca Marra Alves Departamento de Cartografia SUMÁRIO Posicionamento Sistemas de Posicionamento GPS,

Leia mais

GPS - GNSS. Posiconamento por satélites (GNSS / GPS) e suas aplicações. Escola Politécnica UFBA. Salvador-BA 2011

GPS - GNSS. Posiconamento por satélites (GNSS / GPS) e suas aplicações. Escola Politécnica UFBA. Salvador-BA 2011 Posiconamento por satélites (GNSS / GPS) e suas aplicações acaldas@ufba.br Escola Politécnica UFBA Salvador-BA 2011 GPS - GNSS Global Positioning System Global Navigation Satellite System (GPS + GLONASS

Leia mais

NOVA HIERARQUIA DA REDE PLANIMÉTRICA DO SISTEMA GEODÉSICO BRASILEIRO

NOVA HIERARQUIA DA REDE PLANIMÉTRICA DO SISTEMA GEODÉSICO BRASILEIRO NOVA HIERARQUIA DA REDE PLANIMÉTRICA DO SISTEMA GEODÉSICO BRASILEIRO INTRODUÇÃO Sonia Maria Alves Costa Luiz Paulo Souto Fortes Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Av. Brasil 15671, Parada

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1. Sistema de Posicionamento por Satélite

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1. Sistema de Posicionamento por Satélite UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1 Sistema de Posicionamento por Satélite Recife, 2014 Sistema de Coordenadas Geográficas O globo é dividido

Leia mais

ESTIMATIVA E ANÁLISE DAS IRREGULARIDADES DA IONOSFERA UTILIZANDO DADOS GPS DE REDES ATIVAS

ESTIMATIVA E ANÁLISE DAS IRREGULARIDADES DA IONOSFERA UTILIZANDO DADOS GPS DE REDES ATIVAS p. 001-007 ESTIMATIVA E ANÁLISE DAS IRREGULARIDADES DA IONOSFERA UTILIZANDO DADOS GPS DE REDES ATIVAS VINÍCIUS AMADEU STUANI PEREIRA ¹ PAULO DE OLIVEIRA CAMARGO ² Universidade Estadual Paulista - UNESP

Leia mais

GPS E GLONASS: ASPECTOS TEÓRICOS E APLICAÇÕES PRÁTICAS

GPS E GLONASS: ASPECTOS TEÓRICOS E APLICAÇÕES PRÁTICAS 37 GPS E GLONASS: ASPECTOS TEÓRICOS E APLICAÇÕES PRÁTICAS GPS and GLONASS: Theorical Aspects and Practical Applications ISABEL FRANCO DO LAGO 1 LUIZ DANILO DAMASCENO FERREIRA 2 CLAUDIA PEREIRA KRUEGER

Leia mais

GPS Sistema de Posicionamento Global

GPS Sistema de Posicionamento Global Sistemas de Telecomunicações 2007-2008 GPS Sistema de Posicionamento Global Rui Marcelino Maio 2008 Engenharia Electrica e Electrónica - TIT Sumário 1. Cálculo da distancia 2. GNSS Tecnologia 3. Aumento

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO EXECUTADO COM LEVANTAMENTO GNSS NO MODO RTK E TOPOGRAFIA CONVENCIONAL USADO COMO REFERÊNCIA

ANÁLISE COMPARATIVA DO LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO EXECUTADO COM LEVANTAMENTO GNSS NO MODO RTK E TOPOGRAFIA CONVENCIONAL USADO COMO REFERÊNCIA ANÁLISE COMPARATIVA DO LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO EXECUTADO COM LEVANTAMENTO GNSS NO MODO RTK E TOPOGRAFIA CONVENCIONAL USADO COMO REFERÊNCIA Aluno: Miguel Gustavo Gomes de Lima Orientador: Prof. MSc.

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA ESTUDOS EM LINHAS SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Danilo Sinkiti Gastaldello Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau

Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau Programa de Monitoramento do Lençol Freático do AHE Jirau Preparado Por Preparado Para ICF Consultoria do Brasil Ltda. Av. das Américas, nº 700, Bloco 6, sala 251 Barra da Tijuca Rio de Janeiro, RJ CEP

Leia mais

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas.

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas. METODOS MATEMÁTICOS PARA DEFINIÇÃO DE POSICIONAMENTO Alberto Moi 1 Rodrigo Couto Moreira¹ Resumo Marina Geremia¹ O GPS é uma tecnologia cada vez mais presente em nossas vidas, sendo que são inúmeras as

Leia mais

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS)

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) João Carlos Chaves 1 Paulo Cesar Lima Segantine 2 1 Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br www.cerne-tec.com.br. Tutorial Gps

Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br www.cerne-tec.com.br. Tutorial Gps Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br www.cerne-tec.com.br Tutorial Gps Tutorial de GPS Veremos hoje como funciona um receptor de GPS. No curso da Cerne Tecnologia (www.cerne-tec.com.br) Módulo Advanced

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ACURÁCIA A PARTIR DE DIFERENTES TEMPOS DE RASTREIO UTILIZANDO A SOLUÇÃO PPP ON-LINE DO IBGE

AVALIAÇÃO DA ACURÁCIA A PARTIR DE DIFERENTES TEMPOS DE RASTREIO UTILIZANDO A SOLUÇÃO PPP ON-LINE DO IBGE p. 001-007 AVALIAÇÃO DA ACURÁCIA A PARTIR DE DIFERENTES TEMPOS DE RASTREIO UTILIZANDO A SOLUÇÃO PPP ON-LINE DO IBGE TIAGO DIOGO PERDIGÃO AFONSO DE PAULA DOS SANTOS Universidade Federal de Viçosa - UFV

Leia mais

5 Considerações Finais e Recomendações

5 Considerações Finais e Recomendações Considerações Finais e Recomendações 132 5 Considerações Finais e Recomendações O controle estatístico de processos compõe-se essencialmente do monitoramento on line dos processos por gráficos de controle

Leia mais

Aplicada à Engenharia Civil AULA 12. Sensoriamento Remoto. Fundamentos Teóricos. Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior

Aplicada à Engenharia Civil AULA 12. Sensoriamento Remoto. Fundamentos Teóricos. Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 12 Sensoriamento Remoto Fundamentos Teóricos e Práticos Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES Definição ão:

Leia mais

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição 4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição Neste capítulo são descritos o sistema de transmissão, recepção e aquisição de dados utilizados no experimento. São descritas, ainda, a metodologia utilizada

Leia mais

Comentários sobre os resultados

Comentários sobre os resultados Comentários sobre os resultados Os resultados da conta financeira e da conta de patrimônio financeiro são consolidados na relação da economia nacional com o resto do mundo e não consolidados para os setores

Leia mais

POSICIONAMENTO GPS SOBRE REFERÊNCIAS DE NÍVEL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

POSICIONAMENTO GPS SOBRE REFERÊNCIAS DE NÍVEL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL POSICIONAMENTO GPS SOBRE REFERÊNCIAS DE NÍVEL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TIAGO CAVAGNOLI SEVERO SÉRGIO FLORÊNCIO DE SOUZA MARCELO TOMIO MATSUOKA Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Instituto

Leia mais

CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS)

CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) CAPÍTULO 2 SISTEMA DE POSICIONAMENTO GLOBAL (GPS) 2.1 Introdução A utilização de ondas de rádio e satélites artificiais em navegação teve início na década de 60 com o desenvolvimento do Navy Navigational

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

Aspectos da Otimização e Processamento de Redes GPS

Aspectos da Otimização e Processamento de Redes GPS Pesquisas em Geociências, 3(2): 51-6, 23 ISSN 1518-2398 Instituto de Geociências, UFRGS Porto Alegre, RS - Brasil Aspectos da Otimização e Processamento de Redes GPS MÁRCIA CRISTINA MARINI & JOÃO FRANCISCO

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE PESQUISA 1. No Procedimento Operacional Padrão (POP) para a tarefa de pesquisa de avaliação/opinião, não constitui material

Leia mais

18/11/2010 CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS. Objetivo.

18/11/2010 CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS. Objetivo. Objetivo Autos de Infração 2007 - SICAFI - Objetivo Objetivo Ponto coletado em WGS84 e reinserido em SAD69. Erro de 67.98 metros O Sistema GPS O Sistema GPS O sistema GPS foi desenvolvido pelo Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Aula 02 Prof. Dr. Guttemberg da Silva Silvino Introdução Topografia Definição de Topografia

Leia mais

Determinação de Massas e Raios Estelares

Determinação de Massas e Raios Estelares Determinação de Massas e Raios Estelares 1 Introdução A massa de uma estrela é a sua característica mais importante. Conhecendo-se a massa inicial e a composição química inicial de uma estrela, devemos

Leia mais

Lista 13: Gravitação. Lista 13: Gravitação

Lista 13: Gravitação. Lista 13: Gravitação Lista 13: Gravitação NOME: Matrícula: Turma: Prof. : Importante: i. Nas cinco páginas seguintes contém problemas para se resolver e entregar. ii. Ler os enunciados com atenção. iii. Responder a questão

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK Douglas Luiz Grando 1 ; Valdemir Land 2, Anderson Clayton Rhoden 3 Palavras-chave: Topografia; Geodésia; GPS de Precisão. INTRODUÇÃO Com a evolução das

Leia mais

Jornada Marajoara de Ciência e Tecnologia. Posicionamento pelo GNSS (GPS) by Eng. Tarcísio Lemos

Jornada Marajoara de Ciência e Tecnologia. Posicionamento pelo GNSS (GPS) by Eng. Tarcísio Lemos Jornada Marajoara de Ciência e Tecnologia Posicionamento pelo GNSS (GPS) by Eng. Tarcísio Lemos Biografia Engenheiro da Computação (IESAM, 2008) Especialista em Sistemas de Banco de Dados (UFPA, 2010)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) :Engenharia Civil Nome do projeto: Implantação de uma rede planialtimétrica

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO PARA A DIGITALIZAÇÃO DE OBJETOS UTILIZANDO SENSOR LASER

IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO PARA A DIGITALIZAÇÃO DE OBJETOS UTILIZANDO SENSOR LASER IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO PARA A DIGITALIZAÇÃO DE OBJETOS UTILIZANDO SENSOR LASER Werley Rocherter Borges Ferreira UFU, Universidade Federal de Uberlândia, Curso de Engenharia Mecatrônica,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima²

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² ¹Tecnóloga em Geoprocessamento, Assistente em Geoprocessamento, Primegeo, Goiânia-GO,

Leia mais

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS

CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS CARTOGRAFIA TEMÁTICA e GPS Orientação e Forma Diversidade = A visibilidade é variável Ordem = As categorias se ordenam espontaneamente Proporcionalidade = relação de proporção visual Cores convencionais

Leia mais

SITUAÇÕES SINÓTICAS ASSOCIADAS ÀS DIFERENÇAS NAS PROPRIEDADES ÓPTICAS DA ATMOSFERA EM AMBIENTE URBANO

SITUAÇÕES SINÓTICAS ASSOCIADAS ÀS DIFERENÇAS NAS PROPRIEDADES ÓPTICAS DA ATMOSFERA EM AMBIENTE URBANO SITUAÇÕES SINÓTICAS ASSOCIADAS ÀS DIFERENÇAS NAS PROPRIEDADES ÓPTICAS DA ATMOSFERA EM AMBIENTE URBANO Luciene Natali 1 Willians Bini 2 Edmilson Dias de Freitas 3 RESUMO: Neste trabalho é feita uma investigação

Leia mais

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição.

Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. Diretrizes para determinação de intervalos de comprovação para equipamentos de medição. De acordo com a Norma NBR 1001, um grande número de fatores influência a freqüência de calibração. Os mais importantes,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EXATIDÃO ALTIMÉTRICA DE DADOS OBTIDOS POR PERFILAMENTO LASER AEROTRANSPORTADO EM ÁREAS DE MINERAÇÃO E RODOVIAS

AVALIAÇÃO DA EXATIDÃO ALTIMÉTRICA DE DADOS OBTIDOS POR PERFILAMENTO LASER AEROTRANSPORTADO EM ÁREAS DE MINERAÇÃO E RODOVIAS AVALIAÇÃO DA EXATIDÃO ALTIMÉTRICA DE DADOS OBTIDOS POR PERFILAMENTO LASER AEROTRANSPORTADO EM ÁREAS DE MINERAÇÃO E RODOVIAS Ronaldo Aparecido de Oliveira, MSc. ENGEFOTO Engenharia e Aerolevantamentos S.A.

Leia mais

TECNOLOGIA DA GEOGRAFIA: Comparação de instrumental técnico para levantamento elementar de pontos

TECNOLOGIA DA GEOGRAFIA: Comparação de instrumental técnico para levantamento elementar de pontos UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA ANTONIO AURÉLIO SILVA TECNOLOGIA DA GEOGRAFIA: Comparação de instrumental técnico

Leia mais

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Profa. Regiane Dalazoana 4 Métodos baseados em Geodésia Espacial 4.1 Métodos Celestes da Geodésia

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS DOS EVENTOS SEVEROS DE PRECIPITAÇÃO NO LESTE DE SANTA CATARINA DE ACORDO COM O MODELO HADRM3P

MUDANÇAS CLIMÁTICAS DOS EVENTOS SEVEROS DE PRECIPITAÇÃO NO LESTE DE SANTA CATARINA DE ACORDO COM O MODELO HADRM3P MUDANÇAS CLIMÁTICAS DOS EVENTOS SEVEROS DE PRECIPITAÇÃO NO LESTE DE SANTA CATARINA DE ACORDO COM O MODELO HADRM3P Gilson Carlos da Silva, 1,2 André Becker Nunes 1 1 UFPEL Brazil Pelotas gilson.carloss@ig.com.br

Leia mais

A UTILlZAÇlo DA COTAÇlo DO DÓLAR PARA ELIMINAR EFEITOS DA INFLAÇlo

A UTILlZAÇlo DA COTAÇlo DO DÓLAR PARA ELIMINAR EFEITOS DA INFLAÇlo A UTILlZAÇlo DA COTAÇlo DO DÓLAR PARA ELIMINAR EFEITOS DA INFLAÇlo Roberto Carvalho Cardoso* 1. Objetivo do trabalho. 2. Dados c01!-sidfrados. 3. Variações de 1952/53/54. 4. Vanaçoes de 1955/56/57. 5.

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

Introdução ao Sistema de Posicionamento Global (GPS)

Introdução ao Sistema de Posicionamento Global (GPS) Prof. Dr. Gilberto Pessanha Ribeiro Universidade Federal Fluminense Instituto de Geociências gilberto@vm.uff.br gilbertopessanha@yahoo.com www.geomatica.eng.uerj.br/gilberto Introdução O Sistema de foi

Leia mais

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL Paulo Nobukuni 1 Vicente de Paula Pereira 2 Romísio Geraldo Bouhid André 2 RESUMO ABSTRACT Dados de pluviosidade,

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7

MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 MANUAL OPERACIONAL Sistema de Cadastro Único 7 Versão Preliminar 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4 1.1 Apresentação...4 1.2 Organização e uso do manual...4 1.3 Dúvidas e canais de atendimento...4 2 VISÃO GERAL

Leia mais

CAP4: Controle Estatístico do Processo (CEP)

CAP4: Controle Estatístico do Processo (CEP) CAP4: Controle Estatístico do Processo (CEP) O principal objetivo do CEP é detectar rapidamente a ocorrência de causas evitáveis que produzam defeitos nas unidades produzidas pelo processo, de modo que

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSAMENTO COMBINADO GPS/GLONASS NO POSICIONAMENTO POR PONTO E RELATIVO COM DIFERENTES INTERVALOS DE TEMPO

ANÁLISE DO PROCESSAMENTO COMBINADO GPS/GLONASS NO POSICIONAMENTO POR PONTO E RELATIVO COM DIFERENTES INTERVALOS DE TEMPO ANÁLISE DO PROCESSAMENTO COMBINADO GPS/GLONASS NO POSICIONAMENTO POR PONTO E RELATIVO COM DIFERENTES INTERVALOS DE TEMPO ANALYSIS OF GPS/GLONASS COMBINED PROCESSING IN RELATIVE AND POINT POSITIONING USING

Leia mais

ANÁLISE DA PRECISÃO DE EQUIPAMENTOS GEODÉSICOS NA DETERMINAÇÃO DE DISTÂNCIAS CURTAS

ANÁLISE DA PRECISÃO DE EQUIPAMENTOS GEODÉSICOS NA DETERMINAÇÃO DE DISTÂNCIAS CURTAS p. 001-007 ANÁLISE DA PRECISÃO DE EQUIPAMENTOS GEODÉSICOS NA DETERMINAÇÃO DE DISTÂNCIAS CURTAS RENATA MAGDA CAVALCANTE WERLICH NASSAU DE NOGUEIRA NARDEZ ANDERSON RENATO VISKI CLAUDIA PEREIRA KRUEGER Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Correção geométrica de imagens

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Correção geométrica de imagens Correção geométrica de imagens O georreferenciamento descreve a relação entre os parâmetros de localização dos objetos no espaço da imagem e no sistema de referência, transformando as coordenadas de cada

Leia mais

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7.1 Etapas de programação A programação do semáforo deve ser elaborada de acordo com as etapas apresentadas a seguir. Vale lembrar que esta

Leia mais

Processamento de Sinais comwavelets: Redução do Efeito do Multicaminho do Sinal GPS 1

Processamento de Sinais comwavelets: Redução do Efeito do Multicaminho do Sinal GPS 1 TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 6, No. 1 (2005), 177-186. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Processamento de Sinais comwavelets: Redução do Efeito do Multicaminho

Leia mais

CAPÍTULO 3. Conceitos. 3.1 Cadastro

CAPÍTULO 3. Conceitos. 3.1 Cadastro 18 Conceitos CAPÍTULO 3 3.1 Cadastro Segundo a Federation Internationale des Geometres - FIG um cadastro está, normalmente baseado em parcelas 12 e atualiza o sistema de informação territorial com um registro

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES GLOBAL POSITIONING SYSTEM

Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES GLOBAL POSITIONING SYSTEM Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES GLOBAL POSITIONING SYSTEM 1 Laboratório de Topografia e Cartografia - CTUFES PARTE I INTRODUÇÃO AO SISTEMA GPS 2 Laboratório de Topografia e Cartografia

Leia mais

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO PROJETO DE PROTEÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM SANTA CATARINA (PPMA/SC) DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO RELATÓRIO TÉCNICO DE DELIMITAÇÃO 03FAT0206R00 CURITIBA

Leia mais

Discrepâncias das coordenadas obtidas por Posicionamento por Ponto Preciso (PPP)

Discrepâncias das coordenadas obtidas por Posicionamento por Ponto Preciso (PPP) Discrepâncias das coordenadas obtidas por Posicionamento por Ponto Preciso (PPP) Lécio Alves Nascimento 1 William Dal Poz 1 Julio Cesar de Oliveira 1 Thiago Antônio de Oliveira 1 1 Universidade Federal

Leia mais

(in: SENE, Eustáquio. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Scipione, 2010.)

(in: SENE, Eustáquio. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Scipione, 2010.) CARTOGRAFIA Sensoriamento Remoto (in: SENE, Eustáquio. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Scipione, 2010.) Sensoriamento remoto é o conjunto de técnicas de captação e registro de imagens a distância

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Sistemas de Posicionamento Global

Departamento de Engenharia Civil Sistemas de Posicionamento Global Departamento de Engenharia Civil Sistemas de Posicionamento Global Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 Índice: 1. INTRODUÇÃO...3 2. Constituição do Sistema...4 2.1. Satélites e

Leia mais

RESULTADOS PRELIMINARES DA ESTIMATIVA DE SUBSIDÊNCIA ATRAVÉS DO MONITORAMENTO COM USO DO GNSS

RESULTADOS PRELIMINARES DA ESTIMATIVA DE SUBSIDÊNCIA ATRAVÉS DO MONITORAMENTO COM USO DO GNSS RESULTADOS PRELIMINARES DA ESTIMATIVA DE SUBSIDÊNCIA ATRAVÉS DO MONITORAMENTO COM USO DO GNSS Rejane Luna 1 & Sylvana Santos 2 & Jaime Cabral 3 & J Silvio Garnés 4 & Haroldo Marques 5 RESUMO O uso de águas

Leia mais

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO Aula 0 Olá, pessoal! Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO DE PROJETOS E GESTÃO SOCIAL para o concurso de ANALISTA DE POLÍTICAS SOCIAIS do MPOG. Esta é uma carreira nova,

Leia mais

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W José Waldomiro Jiménez Rojas, Anderson Fonini. Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL

PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL PROPOSTA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO HÍBRIDO SATELITAL Solução Tecnologia Monitoramento Instalação SOLUÇÃO A solução de rastreamento Unepxmil foi desenvolvida para atender as principais necessidades

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 10 Tema: Gerenciamento

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil James Gustavo Black Rebelato Geraldo Cezar Correa Joao Henrique Gross Companhia Paranaense

Leia mais

Experimento 3 # Professor: Data: / / Nome: RA:

Experimento 3 # Professor: Data: / / Nome: RA: BC-0209 Fenômenos Eletromagnéticos Experimento 3 # Campo Magnético de Correntes Elétricas Professor: Data: / / Introdução e Objetivos Relatos históricos indicam que a bússola já era um instrumento utilizado

Leia mais

O que são satélites? Existem 2 tipos de satélite, são os satélites naturais e satélites artificiais.

O que são satélites? Existem 2 tipos de satélite, são os satélites naturais e satélites artificiais. O que são satélites? Existem 2 tipos de satélite, são os satélites naturais e satélites artificiais. Satélites naturais são: a Lua que gravita em torno da Terra. Satélites artificiais são: dispositivos,

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

Histórico. Controle Estatístico de Processo

Histórico. Controle Estatístico de Processo Histórico O CEP se destacou como ferramenta poderosa após ter sido intensamente utilizada pelo Japão após a Segunda Guerra Mundial. Após a recuperação deste país, através da obtenção de processos produtivos

Leia mais

Sistemas de RADAR. Natural Resources Ressources naturelles Centro Canadiense de Sensoriamento Remoto, Ministerio de Recursos Naturales de Canadá

Sistemas de RADAR. Natural Resources Ressources naturelles Centro Canadiense de Sensoriamento Remoto, Ministerio de Recursos Naturales de Canadá Sistemas de RADAR Natural Resources Ressources naturelles Canada Canada Aplicações de SAR Medição de movimentos da superfície terrestre, visando uma melhor compreensão de terremotos e vulcões e o apoio

Leia mais

SERVIÇO RTK-REDE. Aplicação do método relativo na técnica RTK EM REDE. Eng. Weber Neves Gerente Técnico Regional

SERVIÇO RTK-REDE. Aplicação do método relativo na técnica RTK EM REDE. Eng. Weber Neves Gerente Técnico Regional SERVIÇO RTK-REDE Aplicação do método relativo na técnica RTK EM REDE Eng. Weber Neves Gerente Técnico Regional A Alezi Teodolini Sede em São Paulo e 25 Representantes Comerciais distribuídos pelo Brasil.

Leia mais