Uma viagem mais ao universo vicentino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma viagem mais ao universo vicentino"

Transcrição

1 Uma viagem mais ao universo vicentino As práticas artísticas continuadas e consequentes são absolutamente determinantes para o desenvolvimento cultural dos povos e, se essas práticas enquadrarem também matrizes da nossa própria identidade, os processos de trabalho em que nos envolvemos ganham, seguramente, sentidos redobrados uma vez que estamos a activar a nossa memória colectiva, ou seja, o património cultural. O universo vicentino tem merecido, da nossa parte, uma particular atenção, porque se trata de uma obra que é, não só, a principal referência teatral portuguesa, mas também uma das maiores, do seu tempo, em todo o espaço europeu. Daí a importância do Painel Vicente, a que nos temos dedicado desde 1975, e da sua relação com o público, em especial, com os públicos populares onde o acolhimento tem sido verdadeiramente caloroso e, por outro lado, com os jovens alunos do ensino secundário que durante o estudo das suas obras têm tido, desde logo, a possibilidade de ver os espectáculos, para além de poderem igualmente conhecer os próprios processos de construção dos mesmos. A primeira condição necessária para gostar de uma coisa é conhecê-la e só depois é possível pensar em processos de educação que a integrem e então, a partir daí, anular resistências que decorrem da dificuldade de decifrar uma linguagem que, ao ser apresentada em cena, ganha naturalmente dimensões verdadeiramente surpreendentes. Sabemos que as opções em matéria de repertório terão de fazer o seu caminho para se poder avaliar o sentido do discurso artístico e a sua contribuição na formação dos públicos. Auto da Festa é um trabalho que perspectivamos, num primeiro momento, para uma acção de sensibilização de novos públicos com a sua apresentação na Praça 1º de Maio (junto ao Mercado Municipal), durante o mês de Julho, numa clara aposta de animação cultural das noites de Verão da cidade Património Mundial e, num segundo momento, para organização de uma digressão na região do Alentejo, no mês de Setembro. Esta produção integrará ainda o programa de trabalho com as Escolas Secundárias que concretizaremos no início do ano Cendrev

2

3 O Auto da Festa e a (rica) oficina de Gil Vicente 1. O Auto da Festa só foi revelado em 1906 (saído do anonimato de uma biblioteca privada), não se sabendo por que motivo não chegou a figurar nas duas edições quinhentistas da Compilação de Gil Vicente. Tê-lo-ia rejeitado o próprio autor? Teria essa mesma rejeição partido dos filhos, que lhe editaram a obra postumamente? Teria o auto sido objecto de censura particular? Resultará o presente auto, tão simplesmente, de uma pura colagem de cenas, talvez feita à revelia do autor? Qualquer destas hipóteses se afigura verosímil. De facto, o texto contém materiais (personagens, situações, frases) que encontramos, antes e depois, em outros autos; e talvez isso fosse suficiente para que o dramaturgo tivesse renunciado à sua inclusão numa edição final; por outro lado, em si mesma, a peça contém matéria potencialmente escandalosa: a Verdade que se confessa escorraçada da Corte portuguesa; um vilão que alude desbragadamente ao acto sexual que praticou com a mulher do juiz, etc. 2. Mais importante, porém, do que saber se estamos perante uma peça esquecida, enjeitada ou proibida é tentar saber até que ponto ela se revela necessária para compreender a criação vicentina, vista na sua globalidade. A primeira nota a reter é que o auto (representado numa casa particular, num Natal de ano incerto) pode ser visto como uma espécie de mosaico do teatro vicentino: como na pequena farsa homónima, temos ciganas que exibem os seus dotes de adivinhação, tentando tirar o melhor partido da sua habilidade; como na Barca do Inferno, Juiz da Beira ou Floresta de Enganos, critica-se o funcionamento da Justiça (desta vez é a Verdade que assinala ao Vilão a necessidade de comprar, com perdizes, um bom despacho do juiz); por seu turno, seguindo as pisadas de Pero Marques, (o Juiz da Beira), o rústico contrapõe à justiça dos códigos aquela que resulta da própria natureza: se a mulher do juiz esteve de acordo e folgou com a relação que mantiveram, porque há-de ele ser condenado? O parvo, evangélico e obsceno, lembra o Joane, da Barca do Inferno: assim como este se concilia bem com a Verdade (a quem, de resto, solicita para esposa) também ao parvo das Barcas é prometida a Glória do Bem; a cena final, envolvendo a celebração de um casamento, traz à memória uma situação idêntica ocorrida na Farsa de Inês Pereira (versão da folha volante), que ali se desenvolve, em torno do casamento de Inês com o Escudeiro Brás da Mata. Na sua sandice amorosa, a velha Filipa Pimenta lembra bem a Brásia

4 Caiada do Triunfo do Inverno, uma e outra dispostas a todos os sacrifícios para cumprirem as suas ânsias tardias. Um último tópico comum é o que relaciona os castigos de Deus com a fuga à Verdade: lembre-se que essa mesma lógica sustenta todo o Auto da Feira, designadamente a que se aplica à situação de Roma, castigada pela Providência, por ter pactuado com o Diabo. 3. Nesta medida, bem mais do que um auto repetido e dispensável, o Auto da Festa pode ser encarado como um interessante repositório de fórmulas teatrais que se encontram dispersas ao longo de toda a Compilação. A novidade reside agora na presença de um novo elemento ordenador: refiro-me à personagem da Verdade. É ela que abre o auto, presidindo depois ao desfile dos romeiros e assegurando a ligação entre as diferentes cenas. A situação corresponde, de resto, a um expediente muito comum no teatro medieval: cometer a uma personagem fixa a função de ligar os elementos móveis de toda a peça. Mas não se trata apenas disso. Para além da sua componente teatral, a Verdade assume-se como foco de sentido, falando de si própria e levando todas as outras personagens a confrontarem-se com a sua presença. Nessa medida, para além de valer pelo que representa, as personagens que chegam (e regressam) valem também pela sua relação com a Verdade, que toma conta da cena (mesmo quando não intervém expressamente), ocupando o lugar que noutros autos vicentinos de Natal é desempenhado por Cristo ou pela Virgem. As lamentações da Verdade são, de resto, bem incisivas: o desprezo a que é votada por todo o lado, incluindo a Corte, chega mesmo a fazer dela uma figura lírica. Não espanta, por isso, que seja dada como filha da Santíssima Trindade. A própria circunstância de se dirigir a um determinado senhor, na suposição de nele ainda poder encontrar guarida, leva a que indirectamente se torne também filha da Esperança. De tal forma a alegoria se torna central que bem pode dizer-se que Gil Vicente reúne nela os dois pilares estéticos que sustentam toda a sua obra: Sátira e Lirismo. De facto, tanto é possível sublinhar a crítica moral que atinge toda a sociedade (escandalosamente alheada da Verdade) como se torna fácil detectar, através dos seus apelos e da sua afinidade com o Parvo, a pregação dos valores rectos da humildade e da justiça.

5 Definida desta forma, dir-se-ia que a Verdade é válida apenas para este auto; mas ainda aqui se pode admitir um processo de irradiação para toda a obra de Gil Vicente: no fundo, esta Verdade é a mesma que é submetida a prova no Auto da Alma (onde é hostilizada pela mentira do Diabo); é ainda por falta de Verdade que entram na barca perdida os condenados do Inferno e do Purgatório. Em contrapartida, foi por terem reconhecido a Verdade, in extremis, que os grandes do mundo são objecto de um gesto de Misericórdia na Barca da Glória. Por último, é por ter proclamado a Verdade que o Filósofo de Floresta de Enganos (derradeira peça do autor, representada em 1536) é levado ao cárcere, vendo-se depois amarrado a um parvo sensitivo, que o humilha e o impede de continuar a exprimir-se em público. 4. Concentrando numa só figura a mensagem de todo o auto, o dramaturgo alcança, por fim, um efeito inesperado: reforça a teatralidade de todas as outras personagens. Existe música, desde logo, para cadenciar as cenas e para servir de emblema a alguns romeiros. E existem depois fartos elementos de puro teatro, que estão para além das palavras pronunciadas: o parvo, desastrado guardador de porcos, é assinalado pela distracção, não alcançando, muitas vezes, o sentido do que lhe é dito e suscitando no espectador um ambiente de contínua ambiguidade ; por sua vez, o Vilão Janafonso não vale apenas aqui pela sua representatividade social, convertendo-se, de facto, num dos mais festivos e paródicos vilões de Gil Vicente, pelo que diz e pelo que sugere; o mesmo sucede com a grotesca Filipa Pimenta que, dando como injustamente perdido o tempo em que criou o Parvo, (seu filho) procura agora recuperar o fogo do amor, num registo de obsessão que, afinal, faz dela mais uma figura da irrazoabilidade. Independentemente da relação que qualquer uma destas personagens mantém com outras do vasto friso vicentino, salta à vista que, nesta peça, elas se revelam menos presas à retórica da mensagem, mais soltas e genuínas (porventura mais próximas dos seus modelos europeus). Por isso, o Auto da Festa, (só) há cem anos resgatado para o acervo vicentino, se revela hoje de tanta importância: para compreendermos melhor a mensagem do autor, desde logo; mas, sobretudo, para acedermos aos recantos insuspeitados da sua rica oficina de homem de teatro. José Augusto Cardoso Bernardes

6 Auto da Festa sobre a música A música desta peça não procura recriar a música da época de Gil Vicente. Procurei ser fiel a uma linguagem musical contemporânea, contudo inspirada em alguns elementos da música da época e do seu universo literário. A música profana renascentista recorria, desde Itália, França e a toda a Península Ibérica, a textos de uma literatura popular, alegre, satírica, irónica e mesmo erótica, com referências a todas as classes sociais e para as mais variadas funções como o teatro, comemorações, serenatas, reuniões de taberna e precisamente festas populares, o que se enquadra perfeitamente no universo literário de Gil Vicente. Saber que Gil Vicente, como homem de teatro, além de dramaturgo, também terá desempenhado as funções de actor, encenador e mesmo músico, despertou-me uma enorme curiosidade e uma série de estímulos musicais. Sendo a sua obra vista como um reflexo da passagem da Idade Média para o Renascimento e da mudança de tempos, imagino por isso a música que terá utilizado nas suas peças, mais próxima do fim da Idade Média - início da Renascença, do que da música renascentista portuguesa mais conhecida, como por exemplo a dos Cancioneiros de Elvas e de Belém, em que o seu conteúdo musical nos reporta para a segunda metade do séc. XVI, posterior a Gil Vicente. O fio condutor da música que escrevi para esta peça é fundamentalmente instrumental, que transporta em si as influências de uma música que na época era predominantemente vocal. Procurei criar um universo musical para cada personagem, indo ao encontro do lado satírico, irónico, por vezes grotesco e cheio de comicidade como se pode decorrer da escrita de Gil Vicente, com uma linguagem musical própria, harmonicamente muito afastada da linguagem da época, mas onde o forte pendor rítmico que imprimi, pode ser visto como uma influência da rítmica Medieval e Renascentista. Do ponto de vista vocal é muito simples, tendo uma presença relativamente breve mas baseada nas curtas indicações deixadas por Gil Vicente, estruturadas quase sempre em duas frases em dois versos, o que corresponde de certa forma a um possível modelo da música profana renascentista. As

7 fugazes passagens vocais procuram manter o lado grotesco e rude das personagens com influência directa no timbre vocal apresentado através das interpretações dos actores. O ambiente festivo e por vezes grotesco no início da peça, relacionado com personagens como a Verdade, o Vilão, as Ciganas e o Parvo, tem como contraponto um ambiente mais dramático, algo enigmático, ligado à personagem do Ianafonso na parte central da peça. A cena do Parvo, da Velha e do Rascão fazem retornar musicalmente o ambiente festivo direccionado à folia final. Assim, a música que criei para esta peça é também por vezes grotesca ou rude, algo desarranjada, muito rítmica, assumindo uma visão contemporânea do universo de Gil Vicente, não só pelo lado da própria escrita e dos gestos musicais utilizados, mas também pela própria instrumentação e pelo recurso a arquétipos da música popular de hoje, filtrados pela minha própria linguagem musical, o que aliás se pode relacionar com a plena actualidade do texto de Gil Vicente. Carlos Marecos

8

9 Nas suas experiências exploratórias sobre o lugar teatral como lugar de investigação, Grotowski sugere a eliminação do supérfluo no espaço performativo, a sua redução às mais essenciais instâncias: actores, público e lugar, sendo a identidade de cada espectáculo fortemente determinada pela disposição espacial dessas mesmas instâncias e pelas relações aí geradas. Para Grotowski [Para um Teatro Pobre],... em cada espectáculo designam-se os espaços para actores e espectadores. Logo, torna-se possível variar infinitamente a relação actor/espectador. [...] A eliminação da dicotomia palco/plateia não é o mais importante. O essencial reside em encontrar a relação espectador/actor adequada para cada tipo de espectáculo, enformando a decisão em elementos físicos. O espaço é, por natureza, flexível, elástico, moldável, abre possibilidades infinitas de criação de relações, apoiadas na colocação de elementos, fragmentos sobre o todo corpos vivos inaugurando lugares para quem age, para quem vê, onde tudo acontece. O espectáculo teatral faz-se acontecimento e encontro num espaço físico, desenhando-se para os seus participantes [actores e público] como inigualável experiência física e poética, num jogo infinitamente variável de perspectivas, visualidades e sensibilidades. No Auto da Festa, procuramos trabalhar as potencialidades de espacialização do espaço, reforçando a ideia de que o espaço teatral é, por excelência, um espaço de construção de experiências do espaço. Levamos o Auto da Festa a inscrever-se na largueza da rua, inesperada e viva, e aí organizar-se, abrindo lugares. O lugar do público envolve e é envolvido pelo lugar da acção, abre-se como paisagem heterogénea, multicolor, numa espécie de caos organizado lembrando a própria vida. A presença do tecido, das cores que preenchem o espaço, sugere a festa. O lugar da acção é móvel, mutável, orgânico, definindo-se pelas próprias movimentações dos actores, figuras [maiores] que se vão esculpindo no espaço, abrindo lugares [maiores] à sua passagem. Figuras do mundo com uma humanidade maior, esculturas, objectos vivos que desenham o espaço. O palco é como que um plano de suspensão que se lê nas entrelinhas, evocado pela agigantada dimensão das figuras. Lugar demarcado de amplificação e significação, este palco, não se detém num instante, é antes uma suspensão que desliza. Fica a ideia de passagem, de personagens que estão em movimento, que vêm de algum lado e para algum lado vão. E ali suspendem o seu percurso, ali vibram por alguns instante. Ali se encontram. Um sentido de impermanência, inconstância, inquietação, uma vontade de andar e mudar, agita-se-lhes nos seus pés, como andas nos pés dos actores. Inês de Carvalho

10

11 Desta vez o desafio consistia na ocupação de um espaço de programação de Verão tendo em conta que, neste período, o público dificilmente se desloca às salas para ver teatro. Tratava-se então de pensar um projecto de espectáculo a apresentar num espaço de rua capaz de garantir a animação nocturna de uma praça do centro histórico da cidade e que, ao mesmo tempo, pudesse contribuir também para a sensibilização de franjas de público que, de outra forma, seria mais difícil tocar. Estes pressupostos encaminharam-nos, de imediato, para a dramaturgia vicentina porque cada viagem a este universo facilmente se transforma numa experiência capaz de levar o processo criativo a soluções estéticas e artísticas só possíveis quando nos confrontamos com grandes autores. A escolha recaiu no Auto da Festa por se tratar de uma obra passível de abordar sem a implicação de um grande aparato cénico, uma vez que toda a acção decorre em torno da figura da Verdade que vem afirmar a sua indignação pela forma como é desprezada e que acaba por presidir ao desfile de um conjunto de personagem que mais não fazem do que confirmar que os tempos de agora tem tal calidade / que todo aquele que falar verdade / é logo botado da graça del Rei. Aqui chegados, tratou-se então de organizar o espectáculo a partir do trabalho desenvolvido pelas várias personagens, sabendo que o elemento de enquadramento era a figura alegórica que permanece durante todo o espectáculo e que apostaríamos também num expressivo ambiente musical executado ao vivo por uma pequena orquestra. O desenvolvimento do trabalho foi-nos revelando um conjunto de questões técnicas que nem sempre foram fáceis de resolver, mas, agora que o espectáculo está estabelecido, estou certo que este auto vicentino brilhará na magia de cada noite pela mão dos actores e músicos que lhe souberam dar forma teatral. O Auto da Festa, conhecido só no princípio do século XX, foi representado numa casa particular, no Natal de um ano incerto. Organizado a partir do desfile de umas quantas figuras que encontramos também em outras obras de Mestre Gil, este auto pode ser visto como uma espécie de mosaico do teatro vicentino como nos diz José Augusto Cardoso Bernardes no texto que publicamos nestas páginas, a quem, uma vez mais, agradecemos a colaboração. Depois de mais esta experiência por dentro da dramaturgia vicentina, resta-- me agradecer a toda a equipa que se empenhou na concretização do projecto e, pela minha parte, afirmar a vontade de um próximo encontro com este mestre do ofício teatral. José Russo

12 FICHA TÉCNICA Autor: Encenação: Música original: Cenografia e Figurinos: Iluminação: Interpretação: Músicos: Direcção Técnica: Direcção de Cena: Direcção de Construção: Produção: Operação de Luz: Técnico de Som: Guarda-Roupa: Construção: Secretariado: Fotografia: Design Gráfico: Gil Vicente José Russo Carlos Marecos Inês de Carvalho, assistida por Luísa Miranda António Rebocho Álvaro Corte Real, Ana Meira, Figueira Cid, Isabel Bilou, Jorge Baião, Maria Marrafa e Rui Nuno Bruno Cintra, José Silva e Mário Vinagre António Rebocho Pedro Bilou Tomé Baixinho Miguel Cintra António Rebocho Pedro Bilou Vicência Moreira Tomé Baixinho, Tomé Antas, Paulo Carocho Marlene Charneca, Ana Dominguinhos, Margarida Rita Paulo Nuno Silva Milideias, Comunicação Visual, Ldª

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos O TEXTO DRAMÁTICO O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico García Lorca) Professor Luís Araújo 1 O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

* Introdução * Projecto * Sinopse * Ficha Técnica * Fotografias * Corriculos * Contactos

* Introdução * Projecto * Sinopse * Ficha Técnica * Fotografias * Corriculos * Contactos * Introdução * Projecto * Sinopse * Ficha Técnica * Fotografias * Corriculos * Contactos Introdução A Anexo Associaccao Cultural é uma Associação cuja a sua capacidade visa a promoção, a vivência de experiências,

Leia mais

Aldeia de Santa Margarida

Aldeia de Santa Margarida Aldeia de Santa Margarida Agenda Cultural Cultural Edição Especial - Nov Dez 2013 Agenda Cultural Propriedade: Junta de Freguesia de Aldeia de Santa Margarida Edição Especial Nov. Dez. 2013 Distribuição

Leia mais

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 Apresentação do livro de Nuno Baptista-Afonso Nuno Baptista-Afonso nasceu em Mirandela, em 1979, mas é um Alfandeguense, pois aqui foi

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

TEATRO PORTÁTIL. o teatro vai à escola em contexto de sala de aula

TEATRO PORTÁTIL. o teatro vai à escola em contexto de sala de aula TEATRO PORTÁTIL o teatro vai à escola em contexto de sala de aula ACE TEATRO DO BOLHÃO Rua Formosa nº 342 4000-253 Porto 222 089 007 www.ace-tb.com Produção - Glória Cheio producao@ace-tb.com TEATRO PORTÁTIL

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Equipa de Animação Pedagógica Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém

Equipa de Animação Pedagógica Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém Visita com Atelier -Animais do Mundo Era uma vez um rei chamado Manuel I que gostava de animais... Vamos através da história deste Mosteiro, conhecer os animais que no séc. XVI chegavam a Lisboa vindos

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

8. A Qualidade na Produção Vídeo/Áudio

8. A Qualidade na Produção Vídeo/Áudio Fghfg fghgfhfg fghfgh fghfghfg fghfgh fghfghfgh fgh ffghfgh fghfghf fghfgh fghfghfgh fghfghfgh fghfghfghf fghf ghfghgffggfhhgfhgghhg fgfgh 8. A Qualidade na Produção Vídeo/Áudio 8 128 8 - A Qualidade na

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

Histórias com sombras

Histórias com sombras Histórias com sombras Oficina de planificação, preparação e apresentação de um teatro de sombras Descobrir as técnicas para construção de um teatro de sombras, é a proposta desta oficina, em que as crianças

Leia mais

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS Arbitragem voluntária tem nova lei a boleia da troika Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Olhar de Novo. Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying. Dirigido ao ensino secundário. 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro

Olhar de Novo. Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying. Dirigido ao ensino secundário. 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro Olhar de Novo Espetáculo de Teatro Fórum sobre bullying Dirigido ao ensino secundário 35.ª produção Baal17 Companhia de teatro Olhar de Novo - Sinopse e ficha técnica Na vida, como no Facebook, os gostos

Leia mais

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE TEATRO NA ESCOLA

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE TEATRO NA ESCOLA Projecto: XXXII ENCONTRO NACIONAL DE TEATRO NA ESCOLA SOBREDA, 04, 05, 06 e 07 de Maio - 2011 1- ENTIDADES PROMOTORAS: IDENTIFICAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA Rua Manuel Parada, 2819-505 Sobreda

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

REGRAS. 1 - Introdução. 2 - Nº de jogadores e objectivo do jogo. 3 - Peças do jogo

REGRAS. 1 - Introdução. 2 - Nº de jogadores e objectivo do jogo. 3 - Peças do jogo REGRAS 1 - Introdução Este jogo tem como principal objectivo demonstrar como poderemos utilizar o nosso carro de uma forma mais responsável face ao ambiente, através da partilha do nosso meio de transporte

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2010/2011. Área Disciplinar: Português

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2010/2011. Área Disciplinar: Português Ida ao teatro: Um eléctrico chamado desejo, de Tenessee Williams - Contribuir para o desenvolvimento, nos alunos, de estratégias de escuta global e selectiva; - Proporcionar aos alunos a oportunidade de

Leia mais

As suas principais obras

As suas principais obras Cena do Fidalgo Gil Vicente nasceu na cidade de Guimarães em 1466. É considerado o primeiro grande dramaturgo português, além de poeta. Enquanto homem de teatro, parece ter também desempenhado as tarefas

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

Proposta de Trabalho para a Oficina de Iniciação Teatral

Proposta de Trabalho para a Oficina de Iniciação Teatral Proposta de Trabalho para a Oficina de Iniciação Teatral O teatro promove oportunidades para que adolescentes e adultos conheçam observem e confrontem diferentes culturas em diferentes momentos históricos,

Leia mais

Clube de Teatro Escola EB - 2,3 de Perafita

Clube de Teatro Escola EB - 2,3 de Perafita 1 Clube de Teatro Escola EB - 2,3 de Perafita Ana Moreira, Coordenadora O Clube de Teatro da Escola E.B. 2,3 de Perafita apresentou-se em cena nos dias 21 e 24 de Maio, com o seu mais recente trabalho

Leia mais

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças >>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico as nossas cidades retratadas por crianças ----------------------------------------------------------- departamento de promoção da arquitectura educação pela arquitectura

Leia mais

...Divertido e lúdico, com cenas de pura poesia circense. JORNAL O GLOBO / REVISTA RIO SHOW

...Divertido e lúdico, com cenas de pura poesia circense. JORNAL O GLOBO / REVISTA RIO SHOW APRESENTA ...Divertido e lúdico, com cenas de pura poesia circense. JORNAL O GLOBO / REVISTA RIO SHOW ...Surpreendente a forma como, magnetizada a platéia assiste à peça... CLASSIFICAÇÃO REVISTA VEJA

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro Questões emergentes nos contextos científico, ético, social e legal

Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro Questões emergentes nos contextos científico, ético, social e legal Procriação Medicamente Assistida: Presente e Futuro Questões emergentes nos contextos científico, ético, social e legal Senhor Secretário de Estado da Saúde, Dr. Leal da Costa, Senhora Secretária de Estado

Leia mais

de Let s do it (Let s Fall in Love)

de Let s do it (Let s Fall in Love) SINGLE SINGERS BAR ( ) Os alemães em Berlim, fazem Como em Amesterdão Em Bombaim fazem Em Goa, Diu e Damão Galegos, bascos, catalães fazem Em França, em São Francisco e em Guimarães fazem Façamos, amor

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

O FIM ÓPERA ÍNTIMA de Carlos Marecos, sobre «O Fim, "história dramática" em 2 quadros», de António Patrício (1878-1930)

O FIM ÓPERA ÍNTIMA de Carlos Marecos, sobre «O Fim, história dramática em 2 quadros», de António Patrício (1878-1930) O FIM ÓPERA ÍNTIMA O FIM ÓPERA ÍNTIMA de Carlos Marecos, sobre «O Fim, "história dramática" em 2 quadros», de António Patrício (1878-1930) Música Carlos Marecos Libreto e Encenação Paulo Lages Direcção

Leia mais

Museu de Arte Sacra da Sé

Museu de Arte Sacra da Sé 1 Museu de Arte Sacra da Sé Algumas notas sobre a história deste Museu e também sobre a filosofia que presidiu ao actual projecto museológico Fig.1 Museu de Arte Sacra de Évora - Exterior 1. Sua história

Leia mais

6 Estimular a Criatividade

6 Estimular a Criatividade OZARFAXINARS N.2 DEZEMBRO 2005 121 6 Estimular a Criatividade Como aspecto menos valorizado pela Escola, a criatividade pode estimular novas formas de o jovem se relacionar com o mundo, desenvolvendo atitudes

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

METODOLOGIA DE ANÁLISE

METODOLOGIA DE ANÁLISE METODOLOGIA DE ANÁLISE DE OBRAS DE TEATRO / MÚSICA MARIA JOÃO SERRÃO [ ] Título Metodologia de Análise de Obras de Teatro / Música Autor Maria João Serrão Editor Escola Superior de Teatro e Cinema Sebentas

Leia mais

Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos. Ateliê "Animais do Mundo" (Pré-escolar) - 48 alunos:

Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos. Ateliê Animais do Mundo (Pré-escolar) - 48 alunos: Oficinas Pedagógicas: Mosteiro dos Jerónimos Ateliê "Animais do Mundo" (Pré-escolar) - 48 alunos: Era uma vez um rei chamado Manuel I que gostava de animais... Através da história deste Mosteiro, iremos

Leia mais

Nome: Paulo João Freire Afonso Companhia/Grupo/Teatro: Os Pequenos Vagabundos (teatro pobre, teatro rico) Questões

Nome: Paulo João Freire Afonso Companhia/Grupo/Teatro: Os Pequenos Vagabundos (teatro pobre, teatro rico) Questões Ficha de Identificação Nome: Paulo João Freire Afonso Companhia/Grupo/Teatro: Os Pequenos Vagabundos (teatro pobre, teatro rico) Questões 1. Como define ou caracteriza os objectos artísticos que realiza

Leia mais

Caro programador: Polichinelo sensibiliza para a diferença, para o respeito pelo outro. Uma peça de teatro que estimula a imaginação e a criatividade

Caro programador: Polichinelo sensibiliza para a diferença, para o respeito pelo outro. Uma peça de teatro que estimula a imaginação e a criatividade Caro programador: Polichinelo sensibiliza para a diferença, para o respeito pelo outro. Uma peça de teatro que estimula a imaginação e a criatividade com a criação de um mundo de magia e fantasia. Sinopse

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

O ESPECTACULO VAI ATE SI!!

O ESPECTACULO VAI ATE SI!! O ESPECTACULO VAI ATE SI!! Espectaculos Novo Circo Companhia xpto PERFORMANCE DE FOGO Espectáculo FOGO BODY PAINTING FOGO ANIMAÇÃO / RECEPÇÃO MALABARISMO LUMINOSO O.A.N.I. Espectáculo Estrutura Itinerante

Leia mais

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade

Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade Gravidez na adolescência: narrativas da paternidade ANTÓNIO MANUEL MARQUES IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE SAÚDE, CULTURA E SOCIEDADE Portalegre, Julho 2008 Tópicos Gravidez na adolescência e paternidade

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Sessão Pública: Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Auditório Novo da Assembleia da República 19 de Janeiro de 2011 Apresentação Pública do Exame

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA

PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA OLHAR PARA VER OBJECTIVOS O desafio passa por analisar o meio construído segundo as suas

Leia mais

" A história URCA MARCA DA NOSSA TERRA

 A história URCA MARCA DA NOSSA TERRA " A história URCA MARCA DA NOSSA TERRA A União Recreativa e Cultural da Abrunheira, faz parte da identidade desta Abrunheira contemporânea. Desde que existe, tem marcado todos os acontecimentos da nossa

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS.

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. CIRCUITO GANDARELA DE MINAS - AGENDA AGOSTO TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. É necessário chegar com uma hora de antecedência para garantir os ingressos. 03 E 04 DE AGOSTO - SÁBADO E DOMINGO O CONTO

Leia mais

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS Ismael Scheffler Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Processo de criação, dramaturgia, pesquisa sonora e corporal. Introdução Em março de 2006, estreou

Leia mais

Conhecer, sentir e viver a Floresta

Conhecer, sentir e viver a Floresta Projeto de Sensibilização e Educação da População Escolar Conhecer, sentir e viver a Floresta 2011-12 Floresta, Fonte de Vida Guia das Atividades - - Dia de S. Martinho, Castanhas e Castanheiros - Dia

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR T E A T R O LEIA COM ATENÇÃO 01. Ao receber este caderno de prova verifique se contém 20 questões. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala

Leia mais

Código de Contratos Públicos. Dois anos de vigência. Ordem dos Engenheiros, 3 de Fevereiro de 2011

Código de Contratos Públicos. Dois anos de vigência. Ordem dos Engenheiros, 3 de Fevereiro de 2011 BASTONÁRIO Código de Contratos Públicos. Dois anos de vigência Ordem dos Engenheiros, 3 de Fevereiro de 2011 Exmo Sr. Presidente da Região Sul, Engº. Carlos Mineiro Aires Exmo. Senhor. Presidente do InCI,

Leia mais

O PATO SELVAGEM Texto: Henrik Ibsen Encenação: Gonçalo Amorim

O PATO SELVAGEM Texto: Henrik Ibsen Encenação: Gonçalo Amorim Comunicado de Imprensa TEATRO HELENA SÁ E COSTA O PATO SELVAGEM Texto: Henrik Ibsen Encenação: Gonçalo Amorim 1 a 5 de Julho 2015 Quarta a Sábado 21h30 Domingo 18h00 Ensaio de Imprensa: 29 de junho 2015,

Leia mais

SERVIÇO EDUCATIVO APRESENTAÇÃO

SERVIÇO EDUCATIVO APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O Serviço Educativo foi concebido com a missão de ressignificar o Museu da CARRIS como lugar de vivência coletiva, diálogo e partilha de múltiplas vozes, como território de reflexão e experimentação

Leia mais

COMPANHIADEACTORES ATELIER DE EXPRESSÃO ARTÍSTICA

COMPANHIADEACTORES ATELIER DE EXPRESSÃO ARTÍSTICA COMPANHIADEACTORES ATELIER DE EXPRESSÃO ARTÍSTICA em LISBOA ESPECTÁCULO FINAL 28 de Junho de 2006 Página 1/7 COMPANHIADEACTORES ATELIER DE EXPRESSÃO ARTÍSTICA Juvenil Local: TEATRO DO CAMPO ALEGRE PORTO

Leia mais

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio.

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. Os pequenos nadas Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. "Teatro artesanal (...) Tudo em vista: a máquina de cinema minúscula, que eles resgataram do desmantelamento, os

Leia mais

Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14)

Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14) PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14) O desenvolvimento das relações de cooperação entre Portugal e os países africanos de língua

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador 1. Você já fugiu de casa? Para onde foi? O que aconteceu? 2. Qual foi a maior festa que sua família já celebrou? Explique. 3. Você é do tipo mais caseiro, ou gosta

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

Ao Alcance de Todos 2015

Ao Alcance de Todos 2015 Ao Alcance de Todos 2015 Editorial Mecenas Serviço Educativo Apoio Institucional No ano em que a Casa da Música comemora o seu décimo aniversário, Ao Alcance de Todos é a imagem mais visível de um trabalho

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

CATÁLOGO DE ATIVIDADES

CATÁLOGO DE ATIVIDADES 2015 CATÁLOGO DE ATIVIDADES 2 1 1 Fotografia da Capa: Architectural Concepts By Roman Vlasov com Wendy F. Strange In 3dfirstaid Visual Architecture INTRODUÇÃO A SENTIDO DIRECTO desenvolve, de forma sistemática,

Leia mais

Educação Musical Professor Hector Teixeira

Educação Musical Professor Hector Teixeira SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO SERVIÇO TÉCNICO DE ACTIVIDADES OCUPACIONAIS CENTRO DAS ACTIVIDADES OCUPACIONAIS DE SÃO VICENTE PLANO ANUAL EDUCAÇÃO

Leia mais

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família TESTEMUNHAS atores e destinatários do projeto catequese/família Os testemunhos partilhados foram recolhidos a partir de um pequeno questionário realizado, no mês de maio de 2012, junto das famílias dos

Leia mais

CONTEÚDO ANUAL 2016 OBJETIVOS GERAIS:

CONTEÚDO ANUAL 2016 OBJETIVOS GERAIS: CONTEÚDO ANUAL 2016 SEGMENTO: Ensino Fundamental I SÉRIE: 1º ano OBJETIVOS GERAIS: Criar condições para o desenvolvimento integral das crianças, considerando as possibilidades de aprendizagem que apresentam,

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Metodologias de intervenção:

Metodologias de intervenção: Metodologias de intervenção: Algumas estratégias de intervenção Na intervenção directa com as crianças tenta-se reflectir o clima institucional da Casa da Praia. A dinâmica do funcionamento em Equipa,

Leia mais

O início de ano é boa altura para virar a página e fazer o que sempre desejou

O início de ano é boa altura para virar a página e fazer o que sempre desejou Abraçar novo ano com determinação Jornal Metro, 10 de Janeiro de 2006 O início de ano é boa altura para virar a página e fazer o que sempre desejou A mudança de ano pode dar um empurrão na mudança de atitude.

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 4/CONT-I/2012

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 4/CONT-I/2012 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Deliberação 4/CONT-I/2012 Participação de Bruno Perdigão contra a publicação da Sociedade Protetora dos Animais O Zoófilo Lisboa 16 de

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

Texto a ser submetido ao Prêmio VivaLeitura 2014 UM OLHAR NEGRO: RELATO DA EXPERIÊNCIA DO PONTO DE CULTURA SANTA BÁRBARA

Texto a ser submetido ao Prêmio VivaLeitura 2014 UM OLHAR NEGRO: RELATO DA EXPERIÊNCIA DO PONTO DE CULTURA SANTA BÁRBARA Texto a ser submetido ao Prêmio VivaLeitura 2014 UM OLHAR NEGRO: RELATO DA EXPERIÊNCIA DO PONTO DE CULTURA SANTA BÁRBARA JUSTIFICATIVA Desde 1996, o trabalho social voluntário, voltado para crianças e

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO Dia Mundial da Erradicação da Miséria reconhecido pelas Nações Unidas como Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza Junho de 2013 CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Suspensão da eficácia do acto. Prova testemunhal. Lei Básica.

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Suspensão da eficácia do acto. Prova testemunhal. Lei Básica. Processo n.º 23/2015. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: A. Recorrido: Secretário para a Segurança. Assunto: Suspensão da eficácia do acto. Prova testemunhal. Lei Básica. Data

Leia mais

Ao Conselho de Administração da SGAL

Ao Conselho de Administração da SGAL Ao Conselho de Administração da SGAL Dirigimo-nos a vossas excelências enquanto proprietários e residentes no empreendimento por vós comercializado Colina São João de Brito, sito na urbanização Alto do

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

- Visitas orientadas Público-alvo: público geral

- Visitas orientadas Público-alvo: público geral Criado em 2006, o Serviço Educativo do Museu de Santa Maria de Lamas (MSML) tem desenvolvido um conjunto de actividades pedagógicas e lúdicas, no sentido de divulgar o património integrado no seu vasto

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais

FERNANDO LEAL DA COSTA: "FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL" 1

FERNANDO LEAL DA COSTA: FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL 1 FERNANDO LEAL DA COSTA: "FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL" 1 FERNANDO LEAL DA COSTA: "FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL" "Fiscalização e punição dos infractores

Leia mais