Roteiro 1- Conceitos de bancos de dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro 1- Conceitos de bancos de dados"

Transcrição

1 Rteir 1- Cnceits de bancs de dads Objetivs: Detalhar cnceits gerais sbre bancs de dads, bancs de dads relacinais e rientads a bjets; Explrar diferentes tips de bancs de dads existentes na atualidade; Ferramentas necessárias Navegadr, Bibligrafias de livrs da faculdade. Intrduçã Desde a antiguidade, hmem tem prcurad transmitir e dcumentar seu cnheciment, bjets e fats da vida real. Nas cavernas pré-históricas, fram encntrads desenhs de animais, caçadas e cenas d ctidian. Pr mei de símbls que representavam bjets e animais, s habitantes daquelas cavernas eternizavam a sua realidade. O hmem evluiu e sua técnica de representar a realidade pr intermédi de mdels também mudu. Bancs de dads e sistemas de banc de dads sã um cmpnente essencial da vida na sciedade mderna, send facilmente encntrads atividades n ctidian human que envlvem alguma iteraçã cm um banc de dads, cm ir a um banc para depsitar u retirar funds, realizar reservas em htéis, acessar catálg de uma bibliteca virtual, e demais atividades. As interações citadas pdem ser chamadas de aplicações de bancs de dads tradicinais, em que a mair parte da infrmaçã armazenada e acessada é textual u numérica. Cm avanç da tecnlgia alguns nvs tips de infrmações fram também necessitand de aramazenament cm pr exempl Bancs de dads Multimídia, Sistemas de Infrmações Gegráficas (GIS), Sistemas de Data Warehusing, etc. Além diss, técnicas de pesquisa de banc de dads estã send aplicadas à Wrld Wide Web para melhrar a busca pr infrmações necessárias feita pels usuáris que utilizam a internet. A definiçã de banc cnhecida é que um Banc de dads é uma cleçã de dads relacinads. Dads sã fats cnhecids que pdem ser registrads e pssuem significad explícit. Dads pdem ser númers de telefne, endereçs, cidades, enfim, dads que pssuem algum significad implícit. Um banc de dads pde ter qualquer tamanh e cmplexidade, vist que existem infrmações diferentes para situações diferentes cm, pr exempl, um banc de dads para uma lista de nmes e endereçs, uma bibliteca cm mei milhã de entradas rganizadas pr categrias até banc de registr de cntribuintes da Receita Federal para mnitrar frmuláris de impst de renda preenchids pels cntribuintes, cm aprximadamente 100 milhões de cntribuintes. Tda esta infrmaçã precisa ser rganizada e gerenciada de md que s usuáris pssam cnsultar, recuperar e atualizar s dads, quand necessári. Um Sistema Gerenciadr de Banc de dads (SGBD Database Management System) é uma cleçã de prgramas que permite as usuáris criar e manter um banc de dads. Dis tips imprtantes de bancs de dads que pdem ser destacads sã s bancs de dads Relacinais e s Orientads a bjet. Banc de dads Relacinal: representa banc de dads cm uma cleçã de relações, nde cada relaçã pde ser cmparada a uma tabela de valres. Cada linha da tabela representa uma cleçã de valres de dads relacinads. Os nmes da tabela e da cluna sã usads para utilizads para ajudar a interpretar significad ds valres em cada linha. Nrmalmente, cada linha também recebe nme de tupla, cabeçalh de uma cluna é chamad de atribut e a tabela é chamada de relaçã. Banc de dads Orientad a Objet: Cnhecids cm BDO (Banc de dads de Objet), fram prpsts para atender a necessidades de aplicações mais cmplexas, cntend transações de mair duraçã, definiçã de perações fra d padrã e também para atender algumas necessidades dessas aplicações. Este tip de banc de dads tem uma vantagem as bancs relacinais pel fat de ser ttalmente cmpatível cm as definições de dads em linguagens rientadas a bjets cm C++ u Java. Pág 10

2 Tarefas de atividade 1: 1) Cmplete a seguir a tabela cntend s seguintes cnceits: Cnceit Descriçã Dads Banc de dads SGBD Sistema de banc de dads Catálg de banc de dads Independência entre dads e prgramas Visã d usuári DBA Usuári final Transaçã prgramada Sistema de banc de dads dedutiv Objet persistente Metadads Aplicaçã para prcessament de transaçã 2) Quais sã as respnsabilidades d DBA e ds prjetistas de banc de dads? 3) Explique s diferentes tips de usuáris finais de bancs de dads. Detalhe 2 atividades de cada um. 4) Explique as diferenças entre sistemas de banc de dads e sistemas de recuperaçã de infrmações. 5) Pesquise 3 bancs de dads através da internet e classifique-s cm banc de dads relacinal u rientad a bjet, detalhand URL da página principal de cada banc de dads, e para quais tips de aplicações mesm pde ser utilizad. Referências Elmasri, Navathe Sistemas de banc de dads 6ª Ediçã; Apstila - Prjet de Banc de Dads, Campinas - Mng DB - Mysql - PstgreSQL - Oracle - Apache Cassandra - Artig 10 cisas que precisams saber sbre bancs de dads NOSQL - Bancs de dads NOSQL - Pág 11

3 Rteir 2 Cnceits Gerais Objetivs: UC Prjet de Banc de Dads Explrar cnceits gerais de bancs de dads; Arquitetura de bancs de dads: esquemas, categrias de mdels de dads, linguagens e interfaces d banc de dads; Mdelagem de bancs de dads prjets: cnceitual, lógic e físic; Classificaçã ds sistemas gerenciadres de bancs de dads; Utilizar wrkbench para realizar a mdelagem de bancs de dads. Ferramentas necessárias Navegadr, Bibligrafias de livrs da faculdade. Intrduçã Este rteir explra cnceits sbre SGBDs necessáris para entendiment, us e prjet de Bancs de dads. Também explra a instalaçã de algumas ferramentas que serã utilizadas pela unidade curricular a lng d semestre. Arquitetura de Bancs de dads A arquitetura ds SGBDs tem evluíd desde s primeirs sistemas mnlítics, ns quais td sftware GBD era um sistema altamente integrad, até s mais mderns, que têm um prjet mdular, cm arquitetura cliente/servidr. Geralmente em arquiteturas básicas Cliente/Servidr a funcinalidade d sistema é distribuída entre dis tips de móduls: O módul cliente: que nrmalmente é prjetad para executar em uma estaçã de trabalh u cmputadr pessal ferecend interaçã a usuári através de interfaces amigáveis baseadas em menus e indicações visuais. O módul servidr: respnsável pel armazenament ds dads, acess, pesquisa e utras funções. Mdels de dads, esquemas e instâncias Em bancs de dads é cmum us da abrdagem ferecend algum nível de abstraçã de dads. Ist significa que estams suprimind detalhes da rganizaçã e armazenament ds dads, destacand recurss essenciais para um melhr cnheciment desses dads. Um mdel de dads significa uma cleçã de cnceits que pdem ser utilizads para descrever a estrutura de um banc de dads e ferece meis para alcançar a abstraçã desejada. Existem s mdels de dads de alt nível u cnceitual e mdels de dads de baix nível u físics. Mdels de dads de alt nível u cnceitual: ferecem cnceits que sã próxims a mdel cm mits usuáris percebem s dads. Geralmente estes mdels utilizam cnceits cm entidades, atributs e relacinaments. Destes cnceits básics pdems destacar: Entidade: representa um bjet u cnceit d mund real, cm um funcinári u um prjet d minimund (situaçã ampla para um prjet de banc de dads) que é descrit n banc de dads. Em mdelagens simples, pde-se cmparar a nmenclatura entidade à tabela. Atribut: representa alguma prpriedade, cm nme u salári d funcinári. Relacinament: representa uma assciaçã entre uma u entidades, pr exempl, um relacinament trabalha-em entre um funcinári e um prjet. Mdels de dads de baix nível u físics: ferecem cnceits que descrevem s detalhes de cm s dads sã armazenads n cmputadr, cstumam ser vltads para especialistas de cmputadres. Descrevem armazenament ds dads cm arquivs n cmputadr, cm infrmações n frmat de registr, rdenações de registr e caminhs de acess. Pág 14

4 Esquemas Em bancs de dads é imprtante distinguir entre a descriçã d banc de dads e própri banc de dads. A descriçã é chamad esquema de banc de dads (squema database), que é especificad durante prjet de banc de dads e nã se espera que mude cm frequência. Em alguns sftwares utilizads na mdelagem de bancs de dads cstuma utilizar a nmenclatura squema para definir a descriçã de tds s elements que cmpõem banc de dads. Os dads em um banc de dads armazenads em um determinad mment n temp sã chamads de estad u instante d banc de dads u ainda sã chamads de cnjunt atual de instâncias u crrências n banc de dads. O estad d banc de dads é alterad pel simples fat de alteraçã das infrmações cnstantes, cm a inserçã de um nv registr u alteraçã de uma infrmaçã de um registr. O SGBD é parcialmente respnsável para garantir estad de um banc de dads cm válid, u seja, que satisfaça as descrições e restrições especificadas n esquema, também chamads de Metadads. O esquema de um banc de dads às vezes é chamad de intençã e estad de extensã d esquema. Linguagens e interfaces d banc de dads Um SGBD necessita ferecer linguagens e interfaces aprpriadas para cada categria de usuári. Quand um prjet de banc de dads é finalizad e um SGBD é esclhid para implementá-l, primeir pass é especificar esquemas cnceituais e interns para banc de dads e quaisquer mapeaments entre s dis. Em muits cass nã há uma separaçã estrita entre de níveis, entã é utilizada uma linguagem chamada de Linguagem de Definiçã de Dads (Data Definitin Language DDL), e é utilizada pel DBA e prjetistas de banc de dads para definir s dis esquemas. Em SGBDs que mantêm a separaçã entre nível cnceitual e intern, a DDL é utilizada apenas para especificar esquema cnceitual, neste cas, esquema intern d SGBD é definid cm us da Linguagem de Definiçã de Armazenament (Strage Definitin Language SDL). Na mairia ds bancs de dads relacinais nã existe linguagem que utilize SDL. Na realidade s SGBDs relacinais acabam utilizand ttalmente a DDL para definir quaisquer tips de esquemas, e fazem us da linguagem SQL para a realizaçã destas tarefas. Após a definiçã de bancs de dads é necessária a utilizaçã de alg para pder manipular s seus dads, neste cas entra em açã a Linguagem de Manipulaçã de dads (Data Manipulatin Language DML) para estas finalidades, a manipulaçã inclui tarefas de recuperaçã, inserçã, exclusã e mdificaçã ds dads. O mair exempl de linguagem de banc de dads é a linguagem de banc de dads SQL, que representa uma cmbinaçã de DDL, DML e VDL, bem cm as instruções para especificaçã de restrições e demais funcinalidades inerentes de bancs de dads. O ambiente d sistema de banc de dads Um SGBD cnsiste em um sftware cmplex, e para pder explrar seus cmpnentes é necessári representa-l em um diagrama estendid capaz de separar as suas funcinalidades e detalhes de sua implementaçã. Pág 15

5 O banc de dads e catálg d SGBD geralmente sã armazenads em disc. O seu acess é cntrlad pel sistema peracinal (SO) que escalna a leitura/escrita em disc. Um gerenciadr de dads armazenads cntrla acess às infrmações d SGBD, tant para catálg quant para banc de dads. O cmpiladr DDL prcessa as definições de esquema especificadas e armazena as descrições ds esquemas n catálg d SGBD. Uma interface de cnsulta interativa é utilizada pr usuáris casuais d banc de dads, esta interaçã é realizada através de cnsultas analisadas e validadas pr um cmpiladr de cnsulta, e um timizadr de cnsulta é respnsável, cm própri nme diz, pr timizar a cnsulta realizada através de prcediments interns e direcinads a prcessadr de dads em temp de execuçã, nã visíveis a usuári d banc de dads. O pré-cmpiladr é respnsável pr extrair cmands DML de um prgrama de aplicaçã escrit em linguagem de prgramaçã hspedeira (java, C++, PHP), estes cmands sã enviads a cmpiladr DML para serem cmpilads em códig bjet para acess a banc de dads. Pág 16

6 O restante d prgrama é enviad a cmpiladr da linguagem hspedeira, s códigs bjet para cmands DML sã ligads frmand uma transaçã prgramada. Cada execuçã n banc é cnsiderada uma transaçã prgramada. Na parte inferir é encntrad prcessadr de banc de dads em temp de execuçã, respnsável pr executar cmands privilegiads, plans de cnsultas executáveis e transações prgramadas cm parâmetrs em temp e execuçã, trabalhand em cnjunt cm catálg d sistema. Ferramentas, ambientes de aplicaçã e facilidades de cmunicações Nrmalmente, para um prjet de banc de dads é necessári us de ferramentas que facilitem seu planejament, manutençã e implementaçã psterir. Sã utilizadas nrmalmente diversas ferramentas CASE (utilizadas na engenharia de sftware) na fase de prjet ds sistemas de bancs de dads. O SGBD também precisa realizar a interface cm sftware de cmunicações, cuja funçã é permitir que s usuáris em lcais remts d sistema de banc de dads acessem banc de dads pr mei de terminais de cmputadr, estações de trabalh u cmputadres pessais. Alguns SGBD s frnecem ferramentas nativas para realizar seu cntrle e/u manutençã de cnfigurações e infrmações de seus bancs de dads, mas existem também algumas ferramentas que pdem auxiliar n prjet e manutençã de mdels de bancs de dads cm pr exempl a ferramenta Wrkbench (http://www.mysql.cm/prducts/wrkbench). Classificaçã de Sistemas gerenciadres de bancs de dads Váris critéris sã nrmalmente utilizads para classificar s SGBDs; O primeir é mdel de dads n qual SGBD é basead. O principal mdel de dads utilizad cmercialmente é mdel de dads relacinal. O mdel de dads de bjet fi implementad em alguns sistemas cmerciais, mas nã tem seu us generalizad. Os SBDs relacinais estã evluind cntinuamente e incrprand muits ds cnceits que fram desenvlvids ns bancs de dads de bjet, criand uma nva classe chamada de SGBDs bjet-relacinal. Desta frma, primeir critéri é de classificar bancs de dads pel seu mdel de dads: relacinais, bjet, bjet-relacinal, entre utrs. O segund critéri utilizad é númer de usuáris d banc: mnusuári e multiusuári. O terceir critéri é númer de lcais sbre s quais banc de dads está distribuíd: Centralizad: se s dads estiverem armazenads em um únic cmputadr; Distribuíd: nde pde ter banc de dads real e sftware de SGBD distribuíds pr váris lcais, cnectads pr uma rede de cmputadres. Ainda assim, dividids em: Hmgênes: utilizand mesm sftware SGBD em tds s lcais; Hetergênes: utilizad um sftware SGBD diferente em cada lcal. O quart critéri é cust: vist que existem SGBDs de códig abert e prprietáris, prém sempre que se desejar funções avançadas para administraçã u manutençã de grandes quantidade de dads, prcessament paralel, replicaçã, distribuiçã, capacidade móvel, etc, sã parâmetrs que sempre levam em cnsideraçã a adçã de bancs de dads prfissinais à um cust pelas funcinalidades. Pág 17

7 Tarefas: Execute as tarefas teóricas a seguir: 1) Definir s seguintes terms: Cnceit Descriçã Mdel de dads Esquema de banc de dads Esquema cnceitual DDL DML Linguagem Hspedeira Estad de banc de dads Classificaçã de SGBD s 2) Quais sã s critéris utilizads para a classificaçã de um banc de dads? Na sua piniã, qual pde ser cnsiderad um critéri principal, tente explicar. 3) Pesquise 3 ferramentas CASE que pdem ser utilizadas para desenvlviment de prjets de banc de dads u também para utras tarefas de manutençã/prjet/administraçã. Adicine s seus endereçs de web e duas funcinalidades que cada uma permite realizar em um banc de dads. Execute as tarefas teóricas a seguir: 4) Abra sftware Dia e realize a mdelagem cnceitual de um banc de dads para cntrlar veículs que alugam espaç pr temp determinad em um estacinament. O banc de dads deve armazenar s dads ds veículs que pdem ser mts, carrs, caminhões e bicicletas, e também s dads ds clientes que fizeram a lcaçã d espaç. Nmeie arquiv da mdelagem cm rteir2-mdelagem-estacinament. Referências Capítul 2: Elmasri, Navathe Sistemas de banc de dads 6ª Ediçã; Mysql Wrkbench, dispnível em Material dispnibilizad em aula; Pág 18

8 Rteir 3 Mdelagem relacinal Objetivs: Explrar cnceits sbre: Mdelagem de bancs de dads prjets: cnceitual, lógic e físic; Cnceits sbre mdel relacinal: tuplas, atribut, entidades, relacinaments; Ferramentas necessárias Navegadr, Dia, Bibligrafias de livrs da faculdade. Intrduçã Este rteir tem cm bjetiv explrar as prpriedades da elabraçã de mdelagens para bancs de dads baseads n esquema relacinal. Serã explradas as prpriedades de relacinaments vltads para as situaçã 1:1, 1:N e N:N, cm mair fc nestes dis últims. Quand é realizada uma atividade de levantament de dads, estams efetivamente identificand entidades u classes de dads. Em um cntext nã cnhecid de negóci é cmum analista ter dificuldade em determinar quais sã as entidades cmpnentes d sistema prpst. É cmum entã, a tentar efetivar uma mdelagem de um sistema, prjetista d banc tentar encntrar qual será a principal entidade de um sistema, lg é necessári utilizarms alguns recurss: Generalizaçã: Cnsiste em uma abstraçã de um cnjunt de cmpnentes, u seja, utilizar uma classe genérica de dads que pde estar incrprand implicitamente diversas utras classes de dads. Ex: Em uma mdelagem de um banc de dads para uma clínica médica, a entidade médic é na realidade uma generalizaçã para diversas classes de médics cm pediatras, cardilgistas, neurlgista, etc. Desta frma, se fsse analisad superficialmente, seria pssível definir entidades para cada uma destas classes de dads. Figura 1 - Generalizaçã da Classe Médic Cm regra geral, quand frem encntradas entidades que pssuem mesm cnjunt de atributs para descrevê-las, pdems generalizá-las em uma única entidade, mantend sua identidade de subcnjunt através da inserçã de um atribut qualificadr para as crrências de cada uma. Especializaçã: Quand visualizarms a qualificaçã pr atributs que permitirá identificar um grup, uma classe dentr da classe genérica é denminada de Especializaçã. A Visã de Dads na especializaçã é a definiçã de um subcnjunt pertinente a uma entidade através da representaçã efetiva n diagrama de entidades e relacinaments, de frma a permitir entendiment da frmaçã ds dads existentes na realidade. Naturalmente s subgrups que fram identificads gerarã sempre um atribut que qualificará a tds (Generalizaçã), e cas fsse aplicad de frma inversa em uma lcadra de filmes, teríams a seguinte descriçã: Pág 19

9 Figura 2 - Especializaçã Lcadra de Filmes OBSERVAÇÃO: É necessári estar atent a executar prjet cnceitual, pis existem cass em que terems entidades diversas cm nmes distints, mas que na realidade pdem ser generalizadas em uma única, já que cnceitualmente refere-se a um macr bjet, que pr generalizaçã pde absrvê-las integralmente. Exempls: Itens Srvete de limã, maracujá, chclate, mrang, etc Pedid suspens, pedid atendid, pedid pendente Alun suspens, alun trancad, alun cncluíd Generalizaçã Sabr Pedid Situaçã Relacinaments Um relacinament cnsiste em um cnjunt de assciações entre entidades. Um relacinament é express cm us de um verb que pssa identificar a relaçã entre as duas entidades. Pssuem a sua representaçã cm as entidades em um lsang, seus atributs cm uma elipse e cm arestas ligand as entidades a este lsang (que é própri relacinament). N interir d lsang é inserid um verb que explicite fat ( event) que é relacinament. Exempls: Pessas mram em apartaments; Os apartaments frmam cndmínis; Os cndmínis lcalizam-se em ruas, u avenidas; As avenidas e ruas estã em uma cidade; Figura 3 - Cmpnentes de um E-R Estes relacinaments pderiam ser expresss pel diagrama a seguir: Pág 20

10 Figura 4 - Relacinaments send expresss Um cnjunt de relacinaments é uma cleçã de crrências das entidades relacinadas e verb que é utilizad intern a lsang dá a semântica (real significad) a relacinament que será efetuad. Os relacinaments pssuem dis grandes grups, dividids em: Relacinaments Cndicinais: relacinaments que pssuem uma cndiçã, uma qualificaçã para crrerem. Sejam dis elements A e B, pdems afirmar que nem tds s elements de uma entidade A estã ligads cm elements da entidade B. Relacinaments Incndicinais: relacinaments que nã pssuem cndiçã caracterizam-se pr serem brigatóris, u seja, tds s elements de uma entidade estã brigatriamente relacinads cm um element, n mínim, da utra entidade. Vejams alguns exempls: Grau d Relacinament (Cardinalidade) Figura 5 - Representaçã de Relacinaments Cnsiste n númer de crrências de uma entidade que está assciada cm crrências de utra entidade. Pdems ter três situações de graus de relacinaments, descritas a seguir: Relacinament de Um-para-Um: Neste grau de relacinament, cada element de uma entidade relacina-se cm um e smente um element de utra entidade. O relacinament deve ser lid ns dis sentids em que ele se efetua. Lg terems n cas de uma entidade apenas uma única relaçã ns dis sentids. Relacinament de Um-para-Muits: É mais cmum n mund real, send que denminams de relacinament básic entre entidades, entretant pssui características específicas, quant a sentid de leitura ds fats e sua interpretaçã. Um element da entidade A relacina-se cm muits elements da entidade B, mas cada element da entidade B smente pde estar relacinad a um element da entidade A. OBSERVAÇÃO: Este tip de relacinament pde causar dúvidas quant à sua interpretaçã, pis quand lid ns dis sentids resultará em um relacinament de cardinalidade 1:1. Pr ist, cm regra geral deve se tmar que um Pág 21

11 relacinament é d tip Um-para-Muits quand um sentid de leitura ds fats ns apresenta este grau e sentid pst apresenta brigatriamente grau Um-para-Um, ex: Observand gráfic acima, lems: Um departament lta um u váris funcináris. Um funcinári lta smente um departament. Relacinament de Muits-para-Muits: Este tip de relacinament crre quand uma entidade A está assciada a qualquer quantidade de entidades de B e uma entidade de B está assciada a qualquer quantidade de entidades de A. Ex: Seja uma Entidade estudante e uma entidade Unidade Curricular, pdems visualizar a assciaçã cm relacinament Cursa. Figura 6 - Diagrama E-R estudante Analisand este relacinament: Um estudante cursa várias unidades, mas alguns estudantes temprariamente pdem estar cursand smente uma, u nenhuma unidade. Uma unidade é cursada pr váris estudantes, mas eventualmente pdems ter uma unidade que nã pssua nenhum estudante cursand-a, u smente um. Neste cas, pr haver pcinalidades, caracteriza um relacinament cndicinal. O tip de relacinament d exempl anterir caracteriza-se cm um aspect bastante peculiar, mesm pssui atributs. Ist quer dizer que relacinament pssui dads que sã inerentes a fat e nã às entidades. É apresentad a seguir a estrutura das entidades envlvidas, e s atributs que sã inerentes a própri relacinament, u seja, identificam u qualificam relacinament: ENTIDADE ATRIBUTOS RELACIONAMENTOS Estudante Nme d estudante Cm Unidade 1:N Matrícula d estudante Unidade Códig da Unidade Nme da Unidade Cm Estudante 1:N RELACIONAMENTO Cursa ATRIBUTOS Data da Matrícula Turma Pág 22

12 Tarefas: 1. Defina s seguintes terms: Cnceit Descriçã Entidade Atribut Chave primária Relacinament Generalizaçã Especializaçã Execute as tarefas práticas a seguir: 2. Crie a mdelagem cnceitual da seguinte situaçã: 1) Elabrar uma mdelagem de banc de dads para um supermercad que cntrle estque de prduts existentes. A mdelagem deve permitir que sejam cntrladas as seguintes características: a. A infrmaçã sbre tip de prdut (eletrônics, vestuári, laticínis, carnes, pães e massas, bebidas, higiene, utrs). b. A infrmaçã d frnecedr de cada prdut e preç de cmpra; c. A infrmaçã da nta-fiscal de cmpra ds prduts registrand funcinári que recebeu a carga, data e hra de recebiment e númer da nta; 2) Salvar esquema de mdelagem cm rteir3-mdelagem-cnceitual-supermercad; 3. Em seguida transfrme a mdelagem cnceitual para a mdelagem física utilizand wrkbench e detalhand as infrmações ds camps para armazenament cm nme rteir3-mdelagem-fisica-supermercad ; Referências 1) Após cncluir a mdelagem faça a cnexã a banc de dads e aplique a frward-enginner; 2) Salve também arquiv.sql gerad pel wrkbench; Capítul 3: Elmasri, Navathe Sistemas de banc de dads 6ª Ediçã; Material dispnibilizad em aula; Pág 23

13 Rteir 4 - Mdel Relacinal (parte 2) Objetivs: UC Prjet de Banc de Dads Detalhar s cnceits sbre entidades e relacinaments n mdel cnceitual ER; Detalhar as etapas da mdelagem cnceitual e física; Executar levantament de requisits para desenvlviment da mdelagem de bancs de dads; Ferramentas necessárias sftware Dia, sftware Wrkbench, Bibligrafias de livrs da faculdade. Intrduçã Este rteir tem cm bjetiv explrar as prpriedades da elabraçã de mdelagens para bancs de dads baseads n esquema relacinal. Serã incluíds cnceits cmplementares necessáris à mdelagem e representaçã visual de elements e um detalhament sbre as prpriedades de relacinaments. Uma técnica tradicinal e ainda muit utilizada para realizar prjets de banc de dads é cncentrar nas estruturas e restrições de banc de dads durante seu prjet cnceitual. A mdelagem d mdel Entidade-Relacinament (ER) é um mdel de dads cnceitual de alt nível e s seus cnceits sã amplamente utilizads atualmente. O mdel relacinal representa banc de dads cm uma cleçã de relações. Cada relaçã é semelhante a uma tabela de valres, e cada linha representa uma cleçã de valres de dads relacinads. Uma linha representa um fat que nrmalmente crrespnde a uma entidade u relacinament d mund real. Os nmes da tabela e de cluna sã usads para ajudar a interpretar significad ds valres em cada linha. De maneira frmal, uma linha é chamada de tupla, um cabeçalh é chamad de atribut e a tabela é chamada de relaçã. O tip de dad que descreve s tips de valres que pdem aparecer em uma cluna é representad pr um dmíni de valres pssíveis. Dmínis: cnsiste em um cnjunt de valres atômics (indivisíveis). Alguns exempls de dmínis sã: Numers_telefne_nacinal: cnjunt de númers de telefne cm dez dígits válids n Brasil; Cadastr_pessa_física: cnjunt de númers d CPF cm nze dígits. Ns dmínis um tip de dad u frmat é especificad, n cas de númers de telefne pde ser declarad cm uma sequência de caracteres na frma (dd)-dddd-dddd, nde cada d é um dígit numéric (decimal) e s dis primeirs dígits frmam um códig códig de área de telefne válid. Pde-se cncluir entã que um dmíni recebe um nme, tip de dad e frmat. Valres Atômics: cada valr em uma tupla é um valr atômic (nã pde ser decmpst), ele nã é divisível em cmpnentes dentr da estrutura d mdel relacinal básic. Nã sã permitids atributs cmpsts u multivalrads. Ist leva a uma regra adtada em mdelagem relacinal chamada de 1ª frma nrmal, vista mais adiante. Valres NULLS: sã utilizads para representar valres que pde ser descnhecids u nã se aplicam a uma tupla.em mdelagens relacinais é evitad us de valres NULLS, devid a causarem prblemas futurs em cmparações cm utrs valres. Ex: se duas entidades de pessa pssuírem endereç NULL nã significa que pssuem mesm endereç. Para a elabraçã de um prjet de banc de dads sã necessárias algumas etapas: Levantament u análise de requisits: nde s prjetistas entrevistam s usuáris esperads para entenderem e dcumentarem s requisits de dads. Nesta etapa surgem duas necessidades também cnhecidas da engenharia d sftware: s requisits de dads e s requisits funcinais da aplicaçã. O resultad diss tud é a criaçã da mdelagem cnceitual. Prjet Cnceitual: cnsiste em uma descriçã ds requisits de dads ds usuáris e inclui detalhes ds tips de entidade, relacinaments e restrições, tds expresss utilizand cnceits da mdelagem de alt nível. Cm nã trata de detalhes de implementaçã, estes cnceits sã mais fáceis de entender e pdem ser utilizads para a cmunicaçã cm usuáris nã técnics. Pág 24

14 Prjet Lógic u mapeament d mdel de dads: cnsiste na real implementaçã d banc de dads utilizand um SGBD cmercial. Este mapeament geralmente é autmatizad u semiautmatizad em ferramentas de prjet de bancs de dads. Prjet Físic: nde sã detalhadas as estruturas de armazenament internas, rganizações de índices, caminhs de acess e parâmetrs físics d prjet para s arquivs d banc de dads. Sã prjetadas e implementadas perações cm transações que bedecerã a especificações de transaçã de alt nível, u seja, na descriçã d minimund juntamente cm s requisits funcinais. Entidades e atributs: Cnceits O mdel ER descreve s dads cm entidades, relacinaments e atributs. Relembrand estes cnceits: Atributs: prpriedades específicas que descrevem uma entidade. Ex: a entidade funcinári é descrita cm s atributs nme, idade, endereç, salári e carg. Existem tips de atributs envlvids n mdel ER que ajudam a realizar a mdelagem: Atribut cmpsts versus simples (atômics): Atributs cmpsts sã atributs que pdem ser dividids em partes menres, representand atributs mais básics, cm significads independentes, Ex: lgradur: que pde ser subdividid em Cidade, Estad e Cep. Atributs simples sã atributs indivisíveis (atômics), Ex: CPF de uma pessa. Atributs cmpsts pdem ajudar em mdelagens nde nã é necessári especificar subcmpnentes de atributs. Atributs de valr únic versus multivalrads: Atributs de valr únic sã s que pssuem apenas um únic valr para uma entidade em particular, Ex: idade. Atributs multivalrads pdem assumir diverss valres em determinadas situações, Ex: frmaçã_academica. Atributs armazenads verss derivads: em alguns cass, dis(u mais) valres de atributs estã relacinads. Cm exempl sejam s atributs idade e data_nasciment. Sabe-se que idade pde ser calculada através da data atual e d valr da data de nasciment de uma pessa, neste cas atribut idade é cnsiderad um atribut derivad d atribut data_nasciment e data_nasciment é atribut armazenad. Figura 7 - Atribut cmpst Entidade: cnsiste em alg n mund real cm uma existência independente, um bjet cm uma existência física (pessa, carr, funcinári), u um bjet cm uma existência cnceitual (empresa, carg, curs). Tip de entidade: define uma cleçã de entidades que têm s mesms atributs. Cada tip de entidade é descrit pr seu nme e atributs. A cleçã de entidades de determinad tip é agrupada em um cnjunt de entidades, que é chamad de extensã d tip de entidade. Atributs-chave u chave: cnsiste em uma restriçã de exclusividade sbre s atributs. Sã atributs cujs valres sã distints para cada entidade individual n cnjunt de entidades e sã utilizads para identificar cada entidade de maneira exclusiva. Na ntaçã de diagramas ER cada atribut-chave tem seu nme sublinhad dentr da val que representa um atribut. Alguns tips de entidade pssuem mais de um atribut-chave, Ex: um camp registr, de um veícul. Pág 25

15 Figura 8 - atribut chave representad n diagrama ER OBSERVAÇÃO: Um tip de entidade pde nã ter chave e, neste cas, é chamad de tip de entidade fraca. Em ntaçã de diagrama nã há cnceit de chave primária, se dis atributs frem sublinhads separadamente, entã cada um é uma chave pr si só, bservada de frma cmpsta n diagrama. Cnceits cmplementares sbre relacinaments Na mdelagem cnceitual é natural que alguns atributs de entidades sejam, na realidade, relacinaments implícits. Sempre que um atribut de um tip de entidade se refere a utr tip de entidade, existe algum relacinament. Ex: um atribut gerente de uma entidade DEPARTAMENTO refere-se a um funcinári que gerencia departament; um atribut departament_gerenciadr de uma entidade PROJETO refere-se a departament que cntrla prjet; um atribut supervisr de uma entidade FUNCIONARIO refere-se a utr funcinári (aquele que supervisina esse funcinári); atribut departament de FUNCIONARIO refere-se a departament para qual funcinári trabalha, e assim pr diante. N mdel ER, essas referências nã devem ser representadas cm atributs, mas cm relacinaments. À medida que prjet é refinad estes atributs sã cnvertids em relacinaments entre s tips de entidades. Já fram detalhads que relacinaments utilizam nmes de funçã. Cada tip de entidade que participa de um relacinament desempenha nele uma funçã em particular. O nme da funçã significa a funçã que uma entidade participante d tip de entidade desempenha e é sempre identificad cm verbs cm trabalha_para, pr exempl. Restrições de relacinaments: cnsistem em restrições que limitam as cmbinações de entidades que pdem participar n cnjunt de relacinaments crrespndente. As restrições sã determinadas cm base na situaçã d minimund e sã divididas em dis tips: razã de cardinalidade e participaçã. Razã de cardinalidade: especifica númer máxim de instâncias de relacinament em que uma entidade pde participar, e as razões de cardinalidade pssíveis sã 1:1, 1:N, N:1 e N:N. Participaçã: especifica se uma entidade depende dela estar relacinada a utra entidade pr mei d tip de relacinament. Esta restriçã especifica númer mínim de instâncias de relacinament em que cada entidade pde participar, e é também cnhecida cm Cardinalidade Mínima. Existem s tips de restrições de participaçã ttal e parcial. Seja exempl cm as entidades FUNCIONARIO e DEPARTAMENTO e s relacinaments TRABALHA_PARA e GERENCIA Ttal: quand um atribut d relacinament deve participar sempre d relacinament, criand uma cndiçã de existência. Ex: um funcinári sempre trabalha para um departament. Parcial: quand um atribut d relacinament nem sempre é esperad de participar em tdas as instâncias d relacinament. Uma parte d cnjunt de entidades está relacinada a utra. Ex: nem sempre um funcinári deverá gerenciar um departament. Pág 26

16 Ns diagramas ER, a participaçã ttal (u dependência de existência) é exibida cm uma linha dupla que cnecta tip de entidade participante a relacinament, enquant a participaçã parcial é representada pr uma linha simples. Cm n exempl a seguir: Figura 9 - Relacinament cm participaçã ttal de departament Figura 10 - Relacinament cm participaçã parcial Ns relacinaments é muit cmum a geraçã de entidades que nã pssuem atributs-chave própris, recebend nme de tip de entidade fraca. Entidades relacinadas a um tip de entidade fraca sã identificadas pr estarem relacinadas a entidades específicas de utr tip em cmbinaçã cm um de seus valres de atribut, recebend nme de tip de entidade de identificaçã u prprietári (entidade pai u dminante) e relacinament que relacina um tip de entidade fraca a seu prprietári de relacinament de identificaçã d tip de entidade fraca. Ex: Pr exempl, cnsidere tip de entidade DEPENDENTE, relacinad a EMPREGADO, que é usad para representar s dependentes de cada empregad através d relacinament 1:N.Os atributs de DEPENDENTE sã Nme (apenas primeir nme d dependente),datanasc, Sex e Relaçã cm empregad (espsa, marid, filh, sgra, etc.). Dis dependentes de empregads distints pdem ter s mesms valres para s atributs, mesm assim eles ainda serã entidades distintas. Os dependentes serã identificads cm entidades distintas após a determinaçã da entidade empregad cm a qual cada um está relacinad. OBSERVAÇÃO: um tip de entidade fraca sempre tem uma restriçã de participaçã ttal (dependência de existência) cm relaçã a seu relacinament de identificaçã pr nã pder ser identificada sem uma entidade prprietária. Em diagramas ER, tant um tip de entidade fraca quant seu relacinament sã identificads a delimitar suas caixas de lsangs cm linhas duplas. Pág 27

17 Exempl geral de mdelagem ER Cnceitual: Figura 11 - mdelagem de cmpanhia: exempl A Tabela 1 apresenta asa principais figuras que representam s elements em uma mdelagem cnceitual: Símbl Significad Entidade Entidade fraca Relacinament Relacinament de identificaçã Atribut Atribut-chave Atribut multivalrad Atribut cmpst Atribut derivad Participaçã ttal de E2 em R Pág 28

18 Razã de cardinalidade 1: N para E1: E2 em R Tabela 1 - representaçã de elements para mdelagme cnceitual Tarefas: 1) Defina s seguintes terms: Cnceit Descriçã Valr de atribut Instância de relacinament Atribut multivalrad Atribut-chave Valres atômics Atributs derivads 2) O que é uma funçã de participaçã? Qual a imprtância d us de nmes em relacinaments? 3) Dê 4 exempls de atributs multivalrads; 4) Realizar a elabraçã da mdelagem de um banc de dads cnsiderand s temas sugerids. As etapas de elabraçã devem seguir s seguintes passs: a. Definir uma dupla para desenvlviment das tarefas. Os nmes cmpnentes da dupla deverã ser registrads para avaliaçã d rteir. b. Esclher um tema, dispnível em para ser explrad em um prjet de um banc de dads. Realizar levantament ds requisits para as perações realizadas para as perações efetuadas n tema esclhid. c. Obedecer as etapas de tarefas de acrd cm arquiv dispnível em d. Desenvlver a mdelagem cnceitual n sftware dia, identificand as entidades participantes da mdelagem, s atributs que farã partes delas, detalhand quais serã s atributs-chave e em seguida criar s relacinaments entre as entidades. Ns relacinaments detalhe s tips de relaçã que irã cmpr a mdelagem (ttal u parcial). e. Criar n Micrsft wrd a simulaçã ds armazenaments ds dads nas tabelas que fram criadas. f. Desenvlver n wrkbench a mdelagem física e efetuar a Frward engineer para a criaçã das tabelas n mysql. g. N wrkbench acessar painel de query database e criar script.sql para a inserçã e listagem de tds s dads em tdas as tabelas d banc criad. Sugestões de temas: Cntrle de Fabricaçã de srvetes em Srveteria; Imbiliária: cntrle de aluguéis de imóveis; Pág 29

19 Sistema acadêmic: gerenciament de aulas e frequência; Hspital: cntrle de dads de cirurgias em Pacientes; Lja de Ferragem: cntrle de estque; Acadêmic: cntrle de aulas ministradas pr prfessres; Supermercad: cntrle de escalas de hrári de funcináris; Administradra de Cndmíni: cntrle de pagaments de cndmíni e pagaments de funcináris d cndmíni; Venda de equipaments de infrmática: tips de equipaments, nta fiscal de venda e clientes; Fábrica de Bebidas: insums para fabricaçã das bebidas, matéria-prima, equipaments; Transprtadra: cntrle de rtas percrridas pr veículs; Cntrle de Prjets de empresa de desenvlviment; Empresa de Pedágis: cntrle de pagaments ds pedágis pr veículs; Fábrica de Veículs: cntrle de fabricaçã ds veículs, cntrle de peças; Cntrle de Embarques de Aerprt; Cntrle de vendas de entradas de um teatr; Vendas de carnes de um açugue; Cntrle de Cemitéri: cntrle de jazigs, cremaçã, aluguéis e jazigs perpétus. Cntrle Farmacêutic: Cntrle de venda de medicaments, estque de remédis, tip de tarja de medicaments. Cntrle da CEASA: recebiment de frutas, tips de frutas, empregads, caminhões e carregaments. Oficina Mecânica: cntrle de atendiments a clientes e repars em veículs; Salã de Beleza: cntrle de crtes, estque de prduts, cntrle de prfissinais e de atendiments; Cntrle de Plícia: cntrle de suspeits, crimes, investigadres e perações pliciais. Clínica Médica cnveniada: cntrle de atendiment de prfissinais, lista de espera de pacientes, funcináris. Cntrle de events: tips de events, cntrle de fts, prfissinais, lcais e clientes. Cntrle de vendas de Pneus: cntrle de atendiments, marcas e detalhes das características ds pneus, pneus para tips de veículs diferentes; Cntrle de Academia: cntrle de mensalidades de aluns, equipaments, aulas ministradas e cntrle de equipaments; Referências Capítul 7: Elmasri, Navathe Sistemas de banc de dads 6ª Ediçã; Intrduçã a Banc de dads, Osvald Katar Tkai, dispnível em Material dispnibilizad em aula; Pág 30

20 Rteir 5: Mapeament para Relacinal Objetivs: Detalhar s passs para a realizaçã d mapeament d ER e EER para relacinal; Realizar prática de mapeament de camps multivalrads, relacinaments 1xn e nxn; Ferramentas necessárias Navegadr, Dia, Wrkbench, Bibligrafias de livrs da faculdade. Intrduçã Este rteir tem cm bjetiv detalhar e executar s passs para que seja pssível implementar um banc de dads mdelad em frmat cnceitual para frmat a ser utilizad realmente em implementações físicas. Muitas ferramentas utilizam diagramas ER u variações para desenvlver um esquema graficamente, e depis cnvertem de maneira autmática em um esquema de banc de dads relacinal na DDL de um SGBD relacinal específic. Existem algumas etapas a serem seguidas para a realizaçã d mapeament d esquema cnceitual para Relacinal que serã descrits utilizand esquema relacinal empresa descrit a seguir: Figura 12 - Mdelagem cnceitual de empresa Pág 31

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Banco de Dados. DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 2015 (2015/1) 1. Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Banco de Dados. DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 2015 (2015/1) 1. Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim Ifes - Campus Cacheir de Itapemirim Banc de Dads DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcels@ifes.edu.br 2015 (2015/1) 1 Agenda Breve revisã ds Cnceits Básics SQL (Linguagem de Cnsulta Estruturada) Subdivisões da

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Linguagem de. Aula 07. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagem de. Aula 07. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagem de Prgramaçã IV -PHP Aula 07 Prfa Cristiane Kehler cristiane.kehler@canas.ifrs.edu.br Banc de Dads Manipulaçã de Banc de Dads HTML básic códigs cm páginas estáticas HTML + PHP códigs cm páginas

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual Lja Virtual Desenvlviment FrmigaNegócis Orçament: /2012 Cliente: Respnsável: Prjet: Lja virtual Telefne: Frmiga (MG), de de 2012 Intrduçã Segue abaix prjet para desenvlviment de nv website para lja Virtual

Leia mais

Roteiro 3 Modelagem relacional

Roteiro 3 Modelagem relacional Roteiro 3 Modelagem relacional Objetivos: Explorar conceitos sobre: o Modelagem de bancos de dados projetos: conceitual, lógico e físico; o Conceitos sobre o modelo relacional: tuplas, atributo, entidades,

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Administração de Redes Servidores de Aplicação

Administração de Redes Servidores de Aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administraçã de Redes Servidres de Aplicaçã

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas Prcessadr de Text Funcinalidades Avançadas ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 MODELOS...4 Criar Mdels...5 MODELO NORMAL...6 Alterar mdel Nrmal.dtm...7 IMPRESSÃO EM SÉRIE MAILINGS...7 Cartas e mensagens de crrei electrónic...8

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações.

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações. Vensis Assciaçã Vensis ERP Entidades, Sindicats e Federações. Vensis Assciaçã O Vensis Assciaçã é um sistema desenvlvid para entidades cm sindicats, assciações, federações, fundações e utras de natureza

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais