CURSO DE AGRICULTURA ORGÂNICA ONLINE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE AGRICULTURA ORGÂNICA ONLINE"

Transcrição

1 CURSO DE AGRICULTURA ORGÂNICA ONLINE Este é curso completo sobre agricultura orgânica. Você vai ficar sabendo tudo sobre a Proteção de Plantas, Defensivos Alternativos e Naturais Esta aula está dividida em lições. Nesta primeira parte, mostramos as alternativas para a proteção das plantas na agroecologia e agricultura orgânica. Bom estudo, conte conosco se tiver alguma dúvida! Eng. Agr. Silvio R. Penteado Obs. É proibido a reprodução parcial ou total de textos em publicações, revistas, jornais, etc., sem autorização expressa do site: 14º AULA: CONCEITOS E FUNDAMENTO DA PROTEÇÃO DE PLANTAS NO SISTEMA ORGÂNICO PROTEÇÃO DE PLANTAS FUNDAMENTOS QUESTÕES Porque não utilizamos agrotóxicos? É possível controlar as pragas e doenças em culturas econômicas, como tomate e batata? Quais são os fundamentos de manejo do solo para uma planta sadia? NESTA AULA SERÁ ABORDADO Os fundamentos da proteção de plantas no sistema orgânico. Medidas auxiliares e básicas para a proteção das plantas. Principais pragas e doenças que afetam as plantas. As principais medidas de proteção.

2 1ª LIÇÃO: A PROTEÇÃO DE PLANTAS NO SISTEMA ORGÂNICO NESTA AULA SERÁ ABORDADO Conceitos de proteção de plantas no sistema orgânico. Teoria da trofobiose, como a planta fica sujeita e favorece a ocorrência de pragas e doenças. Como tornar uma planta mais resistente. 1. CONCEITO DE CONTROLE NO SISTEMA ORGÂNICO A agricultura orgânica não emprega os agrotóxicos para o controle dos insetos nocivos e patógenos que podem causar prejuízos para as plantas. O princípio é obter uma planta resistente e a presença de elevada população de inimigos naturais. Como fatores prepoderantes para manter a saúde da planta e baixa ocorrência de pragas e doenças, estão a a preservação do meio ambiente, adequado manejo do solo, nutrição equilibrada e cultivo adaptado às condições locais. Estes preceitos estão baseados na teoria de Francis Chaboussou (1987), que afirma que qualquer adubação que deixe a planta em sua condição fisiológica ótima, oferece-lhe o máximo de resistência ao ataque de fitomoléstias. Para o mesmo pesquisador insetos e fungos não são a causa verdadeira das moléstias das planta elas só atacam as plantas ruins ou cultivadas incorretamente, por isso quando são seguidos os princípios orgânicos, há redução significativa de danos causados por insetos ou microrganismos. No entanto, se cumprindo todos os preceitos orgânicos, ocorrerem ataques de insetos nocívos ou patógenos, há alternativas para substituir os agrotóxicos, por produtos de baixo custo e que não afetam a saúde do homem e nem causam desequilíbrio na natureza. Neste caso, o princípio de atuação destes produtos alternativos não é erradicar os insetos ou microrganismos nocivos, mas aumentar a resistência da planta.o produtor deve tirar as dúvidas, conhecer dosagens, época de aplicação e métodos para produzir o seu próprio defensivo natural. Há grande vantagem em produzir alimentos orgânicamente, sem agrotóxicos, são sadios, saborosos e de elevada cotação comercial.

3 Prof. Silvio R. Penteado 2. PRINCÍPIOS DE RESISTÊNCIA DAS PLANTAS Segundo o cientista francês Francis Chaboussu, as plantas acumulam seus nutrientes de reservas, na forma de proteínas, através do processo de sintese chamado de Proteossíntese. Esse princípio faz parte da Teoria da Trofobiose, na qual a adubação desequilibrada e o manejo inadequado tornam disponíveis alimentos para as pragas na seiva, favorecendo o ataque nas plantas. Conforme essa teoria, as plantas rústicas e bem manejadas sofrem menor ataque de pragas e doenças. TEORIA DA TROFOBIOSE: Nos períodos climáticos desfavoráveis ou quando são empregados excessos de nutrientes solúveis e agrotóxicos, são liberados na seiva das plantas radicais livres (aminoácidos, açucares etc) que são alimentos prontamente disponíveis para os insetos nocivos e patógenos.

4 Prof. Silvio R. Penteado Os organismos patogénicos, dependem de substâncias solúveis, como açúcares e aminoácidos livres. Essa manifestação é resultado do desequilíbrio - excesso ou carência de nutrientes, tais como nitrogênio, potássio, entre outros ou ainda pelo uso indiscriminado de agrotóxicos. Esta ocorrência é uma nítida manifestação de desequilíbrio químico biodinâmico no vegetal. A ocorrência descrita acima é chamada de proteólise, isto é, há uma quebra do processo metabólico de formação de proteínas, com liberação de aminoácidos. Quando são aplicadas as caldas fertiprotetoras, os nutrientes da sua composição, penetram na planta e estimulam a formação de proteínas, isto é, retiram os aminoácidos disponíveis, transformando-os em substâncias não assimiláveis (proteínas) pela maioria dos insetos e patógenos, estimulando o processo que favorece a resistência da planta, a proteossíntese. As caldas Bordalesa, Sulfocálcica e Viçosa se inserem neste contexto de fertiprotetoras das plantas, pois, além terem efeito repelente e biocida, não afetam os mecanismos de defesa natural das plantas, como os agrotóxicos em geral. Ao contrário, atuam como fertilizante, fornecendo cálcio, cobre e enxofre, estimulando os processos de síntese de proteína (proteossíntese). No entanto, nem sempre os resultados surgem nas primeiras aplicações, porque as plantas estão saturadas com elementos químicos e os patógenos com elevada resistência.

5 2ª LIÇÃO: CONHEÇA OS DEFENSIVOS AGRÍCOLAS NESTA LIÇÃO SERÁ ABORDADO Conceitos de proteção de plantas no sistema orgânico. Teoria da trofobiose, como a planta fica sujeita e favorece a ocorrência de pragas e doenças. Como tornar uma planta mais resistente. 1. HISTÓRICO DOS DEFENSIVOS AGRÍCOLAS De forma geral, apenas as técnicas preventivas não são suficientes para garantir a saúde das plantas nos cultivos, principalmente em função de variações climáticas bruscas e/ou quando o sistema de produção ainda não está totalmente equilibrado. Nestes casos, lançamos mão de produtos naturais (verdadeiramente defensivos por não agredirem o homem ou ambiente). Os inseticidas naturais podem ser preparados a partir de plantas ou minerais não tóxicos à saúde humana e ao ambiente. O combate às pragas da lavoura, que pode ser necessário para assegurar a integridade das colheitas, pode acarretar efeitos negativos quando realizado com emprego inadequado de defensivos agrícolas. Entre as piores conseqüências do uso desses produtos se enumeram a agressão ao meio ambiente (ar, água, solo, flora e fauna), contaminação de alimentos, prejuízos para a saúde de quem os manipula e a progressiva resistência aos agrotóxicos pelos seres-vivos que se pretende eliminar, exigindo emprego de pesticidas cada vez mais potentes e em quantidades maiores. Como o próprio nome sugere ( cida = que mata), os defensivos agrícolas são substâncias ou misturas, naturais ou sintéticas, usadas para destruir plantas, animais (principalmente insetos), fungos, bactérias e vírus que prejudicam as plantações. São classificados em várias categorias: acaricidas, para eliminar ácaros; germicidas, que destroem microorganismos patogênicos e embriões; fungicidas, que eliminam fungos; herbicidas, que combatem ervas daninhas que brotam no meio de certas culturas e prejudicam seu desenvolvimento; raticidas; formicidas; cupinicidas e outros. Já na época neolítica, cerca de 7000 anos a.c., a ocorrência de pragas já se constituía séria preocupação. Os métodos, mais naturais, restringiam-se à seleção de sementes de plantas mais resistentes às pragas agrícolas. Os profetas do Antigo

6 Testamento mencionam nuvens de gafanhotos que destruíam lavouras inteiras, como a que se abateu sobre as margens do Nilo no século XIII a.c. Mas somente a partir dos séculos XVI e XVII começaram os estudos científicos referentes às pragas e meios de combatê-las. Os primeiros combates em larga escala que obtiveram sucesso foram realizados na Europa, de 1840 a 1860, utilizando as caldas Bordalesa e Sulfocálcica contra o míldio da videira e outros fungos. Em 1942, o patologista suíço Paul Müller descobriu as propriedades inseticidas de um composto organoclorado já sintetizado em 1874, que passou a ser conhecido como DDT. Pesquisas com gases venenosos, realizadas pelos alemães durante a segunda guerra mundial, levaram à descoberta de inseticidas ainda mais poderosos, os compostos organofosforados. Surgiu daí a ilusão de que se poderia usar inseticidas cada vez mais fortes e deter para sempre o avanço das pragas. Na verdade, não se levou devidamente em conta dois obstáculos: a possibilidade de que as próprias pragas desenvolvessem defesas naturais; a cada ano, o crescente número de pragas resistentes a todos os defensivos conhecidos e os danos ao meio ambiente, que acabam por afetar o homem. 2. CLASSIFICAÇÃO DOS DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Os defensivos agem por contato, envenenamento, asfixia ou repelência. Podem ser de origem vegetal, animal, mineral e produtos orgânicos de síntese. Dentre os inseticidas de origem vegetal, destacam-se os alcalóides de veratrina, anabasina, nicotina, nornicotina, piretrinas, rianodina e rotenona. Os de origem animal incluem, por exemplo, as toxinas elaboradas com Bacillus thuringiensis contra lagartas, baculovírus contra a lagarta da soja e dezenas de outros produtos utilizados com sucesso no controle biológico. No campo do controle biológico, também é feita criação e disseminação de machos esterilizados. Embora sexualmente potentes, esses insetos são estéreis, de modo que os ovos postos pelas fêmeas são estéreis também. Os inorgânicos ou de origem mineral, muito usados até a década de 1950, incluem cloretos de mercúrio, arseniatos de chumbo, de cálcio, de sódio, e de alumínio, acetoarsenito de cobre, arsenito de sódio e de bário, criolita e selênio. Os defensivos orgânicos de síntese abrangem os seguintes conjuntos: organoalogenados (DDT, BHC, lindano, clordane, heptacloro, aldrin, dieldrin, endrin, etc.); organofosforados (azinfos, malation, paration, forato, oxidemetonmetilo, etc.); sulfonas e sulfonatos (tetrasul, tetradifon, fenizon etc.); e os carbamatos (carbaril, isolane etc.). Grande parte é de uso banido ou proibido nos países desenvolvidos e no Brasil, como é o caso do DDT, BHC, paration e cianetos. Os fungicidas são produtos especialmente ativos que destroem fungos ou paralisam seu crescimento. São aplicados nas folhas e frutos em crescimento, frutas

7 colhidas, sementes e no próprio terreno cultivado. A aplicação é feita principalmente por aspersão, em tanques acionados por trator. Os fungicidas são misturas de água com cal, enxofre e sulfato de cobre que podem ser preparados na propriedade, como é o caso da calda bordalesa, viçosa ou sulfocálcica. Já os germicidas, são substâncias químicas suficientemente fortes para matar os germes por contato. Os anti-sépticos inibem o crescimento das bactérias e os desinfetantes matam os microrganismos produtores de moléstias (Etda,2006). 3. OS RISCOS DOS DEFENSIVOS CONVENCIONAIS O emprego dos defensivos na agricultura, e também na região urbana, oferece grande risco ao homem e ao meio ambiente. Seus efeitos geralmente não podem ser circunscritos à área de aplicação e são sentidos em toda a natureza. Portanto, devem ser aplicados com parcimônia e orientação técnica. Por exemplo, muitos produtos perigosos são utilizados como inseticida doméstico contra insetos transmissores de doenças infecciosas, tais como aerossóis caseiros e a popular naftalina (á base de DDT). Às vezes o homem, na ânsia de solucionar o problema, desequilibra sistemas biológicos inteiros e acaba agravando situações que pretendia remediar. Os defensivos podem destruir conjuntamente pragas e insetos benéficos, sobretudo devido à tendência dos seres nocivos em se tornarem mais resistentes. Um fato ocorrido no Brasil, na década de 1980, veio a comprovar esse fato: aplicações em massa nas grandes plantações, visando erradicar a lagarta-da-soja, eliminaram também seus predadores naturais. Os resíduos de defensivos também provocam contaminação em nível planetário, como se verificou na Antártica, onde foram detectados vestígios de DDT em focas e pingüins. Os organoclorados agem sobre o sistema nervoso, modificam atividades metabólicas e favorecem o desenvolvimento do câncer. O planeta Terra não tem mais condições de absorver milhares e milhares de toneladas de produtos petroquímicos perigosos atualmente usados na agricultura convencional. É de conhecimento geral que tais produtos geram uma série de problemas de saúde. Os inseticidas sintéticos originários da indústria petroquímica matam insetos e larvas indiscriminadamente, poluem o ambiente, intoxicam operadores, seus familiares, consumidores e, portanto, têm sido substituídos no mundo todo. Não obstante serem extremamente tóxicos, a patente da fórmula encarece o produto para o produtor que por sua vez, não disponibilizará do inseticida sempre que necessário. Consequentemente, o controle dos insetos nocivos não é feito de maneira adequada.

8 Não raro, a patente da fórmula dos inseticidas é protegida por órgão fiscal do governo. Em outras palavras, este tipo de proteção oficializa o monopólio sobre a venda desses produtos altamente tóxicos que afetam toda a população. Outro problema relacionado ao uso incorreto de inseticidas é a aquisição de resistência aos venenos por insetos nocivos. Os insetos são dotados de complexo mecanismo de defesa, capacitando-os a desenvolver resistência em apenas três gerações. Após este curto período de tempo, surgem novas variedades de insetos resistentes. Este contínuo processo de seleção acelera o desenvolvimento de novas fórmulas patenteadas. Em 1988, já haviam sido registrados no E.P.A. (Environment Protection Agency) cerca de produtos químicos para uso na agricultura. A cada ano surgem venenos mais poderosos: inseticidas e fungicidas que antes controlavam problemas na ordem de 1,0 a 2,0 kg por hectare foram atualmente substituídos por outros utilizados em doses de apenas 200 g por hectare. Os novos produtos desenvolvidos são cerca de 10 vezes mais venenosos do que aqueles anteriormente utilizados. Porém, são apresentadas pelas multinacionais como sendo mais seguros ao meio ambiente simplesmente por que são utilizados em quantidades menores. Contudo, neste caso é que são extremamente agressivos, pois em pequenas doses apresentam o mesmo efeito demonstrado por produtos anteriores, quando utilizados em quantidades superiores. (Junho de 2000 Engº Agrº José Luiz M. Garcia-M. Sc. Horticultura Michigan State University). 4. EFEITOS NOCIVOS DOS INSETICIDAS SINTÉTICOS Poluição ambiental. Danos à saúde devido aos níveis elevados (ou mesmo baixos) de resíduos. Destruição indiscriminada de insetos sem nenhuma consideração sobre seu papel no meio ambiente, muitas vezes benéfico, como no caso dos inimigos naturais. Envenenamento de animais de sangue quente como pássaros, gado, criação em geral e pessoas que tenham contato com os mesmos. Desenvolvimento de resistência em insetos. Ressurgimento de certas pragas secundárias e/ou principais que estavam sendo anteriormente controlada por insetos destruídos pelo agrotóxico. Este desaparecimento significa menos concorrência, corroborando com o surgimento de novas pragas.

9 Prof. Silvio R. Penteado

10 3ª LIÇÃO: PROTEÇÃO NATURAL DAS PLANTAS NESTA LIÇÃO SERÁ ABORDADO Como deixar as plantas resistentes contra as pragas e doenças. Conceitos e fundamentos da proteção natural das plantas, sem o emprego de defensivos Medidas auxiliares de proteção. Manejo adequado para aumentar a resistência das plantas. 1. CONCEITOS E PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Num sistema de produção agroecológico o passo inicial é implantar a cultura num solo sadio, rico em micro e macrorganismos, além de matéria orgânica. Tais fatores favorecem a biovida e equilíbrio no ambiente. Num solo adequado, as plantas crescem saudáveis, pois encontram permeabilidade para ar e água, possuem pleno desenvolvimento do sistema radicular, retém e liberam nutrientes, sem formação de radicais livres. Contudo, mesmo quando são adotados todos os princípios da agroecologia, dependendo das condições climáticas desfavoráveis e do estado da planta, podem ocorrer situações favoráveis ao ataque de insetos-nocivos e patógenos. Neste caso, deve-se em primeiro lugar, manter o equilíbrio nutricional da planta e caso haja necessidade, empregar defensivos alternativos e naturais. Assim sendo, esta opção somente deve ser utilizada quando ocorrer níveis de insetos-nocivos ou patógenos em condições de causar dano econômico. O princípio de atuação dos produtos alternativos não deve ser erradicar insetosnocivos ou patógenos, mas sim fornecer a resistência à planta, ativando os mecanismos de defesa, estimulando a proteo-síntese (redução dos radicais livres) e tornando os tecidos mais rústicos e resistentes. Nas normas para a produção orgânica, há alternativas para substituir os agrotóxicos por produtos de baixo custo e que não afetam a saúde do homem e nem causam desequilíbrio na natureza. 2. PROCEDIMENTOS RECOMENDÁVEIS NA PROTEÇÃO DE PLANTAS Antes de qualquer intervenção com produto, é necessária a conjugação dos fatores para promover resistência e proteção das plantas. Para manejo adequado e aumento da resistência das plantas, o produtor deve tomar os seguintes cuidados:

11 Ter conhecimento geral da cultura (ciclo, exigências edafoclimáticas); pragas de ocorrências importantes e métodos alternativos mais indicados. Avaliar ocorrência e desenvolvimento da população de pragas e doenças em relação ao clima. As dosagens dos produtos alternativos em função das condições climáticas. Fazer identificação, levantamento e monitoramento das pragas e doenças. Gerenciamento de dados e ação rápida. Avaliar a eficiência de cada procedimento de combate. Fazer somente intervenção com defensivos alternativos quando a presença do insetopraga ou patógenos atingir o nível de dano econômico. Conhecer dosagens, época de aplicação e métodos para produzir o seu próprio defensivo natural. Os produtos obtidos organicamente, sem agrotóxicos, são sadios, saborosos e de elevada cotação comercial. Fazer controle rígido sobre adubação e nutrição das plantas, mesmo que empregado somente adubos orgânicos. Níveis elevados de um ou outro nutriente na planta são fatores de desequilíbrio dos mecanismos de defesa, e ainda promovem liberação dos radicais livres. 3. MEDIDAS AUXILIARES DE PROTEÇÃO DE PLANTAS O segredo da resistência é ter plantas fortes. Para tanto, o ambiente deve estar em equilíbrio, com a presença de inimigos naturais das pragas, disponibilidade de água e solo bem preparado, tratado, vivo e bem adubado. Essas condições funcionam como medidas preventivas contra pragas e doenças. Os procedimentos considerados como medidas auxiliares de proteção das plantas são apresentados a seguir: Escolher espécies e cultivares adaptadas ou resistentes às condições de clima e solo existentes na propriedade (germoplasma adequado). Emprego de mudas e sementes comprovadamente sadias. Tratamento de sementes com produtos alternativos, como micro-nutrientes e biofertilizantes. Retardar ou adiantar épocas de plantio visando obter períodos de cultivo mais favoráveis.

12 Adotar um espaçamento adequado, mais amplo para evitar umidade excessiva e a ocorrência de doenças fúngicas e bacterianas. Os plantios muito adensados favorecem doenças como a antracnose, requeima e podridão. Evitar solos encharcados e excesso de irrigação, os quais favorecem doenças de raízes, assim como murchas bacterianas, requeima e outras. Eliminar plantas hospedeiras de pragas e moléstias, principalmente aquelas vetores de fitopredadores. Fazer inspeção semanal, eliminando as plantas com pragas, viroses ou murchas. Combate a insetos vetores de doenças, principalmente na fase de mudas (pulgão e tripes). No caso de mudas deve-se prevenir o ataque com a instalação dos canteiros em telados. Instalação de cercas-vivas. As faixas de cercas-vivas funcionam como corredores de refúgio ou nichos de preservação dos inimigos naturais, podendo ser empregadas plantas silvestres medicinais. Formação de quebra-ventos para fazer o isolamento da cultura, para prevenir ventos fortes e a disseminação de doenças, principalmente as bacterianas. Para grandes áreas devem ser instaladas árvores altas, enquanto em pequenas o plantio de capim napier ou camerum é muito recomendada, em torno da área cultivada ou entre as linhas de cultivo. Manter a planta suprida com os micronutrientes essenciais, como boro, zinco, manganês, magnésio e molibdênio. A presença de ervas nativas e plantas com flor favorecem a permanência de inimigos naturais. Fazer adequado controle das ervas nativas: limpar as faixas junto aos caules das plantas e mantendo-se a vegetação nativa nas entrelinhas de plantio. Fazer a roçada ou capinas das entrelinhas de forma alternada. Plantio em faixas, bordadura ou consorciação de culturas, com base em princípios alelopáticos. Inclusão de plantas benéficas e plantas repelentes. Promover uma boa aeração da planta (retirar folhas e brotações em excesso), reduzindo as condições favoráveis para o desenvolvimento de fungos patogênicos.

13 Rotação de culturas e biodiversidade de cultivos (evitar a mono-cultura): alternar espécies diferentes em cada área para evitar as pragas e doenças da planta anterior. Para evitar as doenças bacterianas em plantas susceptíveis, como as solanáceas, devem ser plantadas sempre em terras novas ou depois de longas rotações (03 a 04 anos), tendo bastante cuidado com a água de irrigação. Tratamento preventivo com defensivos que aumentem a resistência das plantas nos períodos críticos, como biofertilizantes, caldas sulfuradas, extratos de plantas, caldas cúpricas (Bordalesa ou Viçosa), etc. Cuidados com a colheita e manuseio dos frutos em condições de umidade alta. Fazer a colheita dos frutos em período seco do dia. Fazer o tratamento de acordo com as condições climáticas. O excesso de chuvas altera o equilíbrio químico (maior teor de nitrogênio e difusão de nutrientes), físico (menor aeração do solo) e biológico (menor taxa de respiração), reduz a proteosíntese e as plantas ficam mais suscetíveis, deverá haver maior rigor nos tratamentos. Nas estiagens, com solo pouco oxigenado, há déficit de água e ar para a proteosíntese. Nestas condições excesso de pulverizações podem até ser prejudiciais por ativar as plantas sem que elas tenham condições de absorver e metabolizar os nutrientes. 4. INFLUÊNCIA DOS NUTRIENTES NA SANIDADE DAS PLANTAS Tanto o excesso como a deficiência dos nutrientes minerais, pode favorecer a ocorrência de pragas e doenças. O importante é manter a planta sempre em equilíbrio nutricional. Veja os principais efeitos dos nutrientes nas plantas: Cobre: Elemento importante nos mecanismos de defesa da planta às doenças. Potássio: aumenta a resistência contra pragas e doenças e aos fatores climáticos adversos. Zinco: um dos elementos que a planta apresenta maior deficiência. Indispensável para boas produções. Enxofre: estimula a formação de sementes e favorece o crescimento vigoroso das plantas. Magnésio: componente da molécula da clorofila. Auxilia a absorção e translocação de fósforo na planta e ativa as reações enzimáticas.

14 Manganês: pode aumentar a resistência da planta às doenças, devido aos níveis mais elevados de ligninas e de compostos fenólicos. Boro: elemento responsável pelo transporte de açúcares, formação das paredes celulares, sua falta pode favorecer o ataque de pragas, como da lagarta do cartucho do milho. Cálcio: fortalece e dá resistência aos tecidos. Sua falta pode provocar doenças fisiológicas como podridão apical no tomate, bitter pit em maçãs, etc. Nitrogênio: O nitrogênio é um dos nutrientes que devem ter controlado o seu teor nas plantas. Á seguir apresentamos algumas doenças causadas por excesso de nitrogênio nas plantas: Alternaria >Fumo, Tomate Botrytis >Videiras, Morango Erwinia >Batata Erysipha, oídio >cereais e Frutas Peronospora >Alface, Videira Pullinia >Cereais Pseudomonas >Feijão, Pepino, Couve Verticilium >Tomate, Algodão 5. INFLUÊNCIA DO MANEJO DO SOLO Na agricultura ecológica o controle de insetos, ácaros, fungos, bactérias e viroses é feito basicamente através de medidas preventivas, tais como: 1) Plantio na época correta e com variedades adaptadas ao clima e ao solo da região; 2) Adubação orgânica, através de compostos de restos de culturas, materiais vegetais e estercos enriquecidos com fosfatos naturais, adubos minerais de lenta liberação de nutrientes e micronutrientes; 3) Rotação de culturas e adubação verde; 4) Cobertura morta e plantio direto; 5) Consorciação de culturas e manejo seletivo do mato; 6) Uso de quebra-ventos e cercas-vivas. 7) Solo com boa aeração, permitindo o desenvolvimento norma do sistema radicular. 8) Fornecimento de boro e zinco no solo e nas fases iniciais de crescimento da planta.

15

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/hortalicas... Página 1 de 6 Olericultura Produção Orgânica de Hortaliças Nome Hortaliças : Produção Orgânica Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

Exercício de Biologia - 3ª série

Exercício de Biologia - 3ª série Exercício de Biologia - 3ª série 1- A poluição atmosférica de Cubatão continua provocando efeitos negativos na vegetação da Serra do Mar, mesmo após a instalação de filtros nas indústrias na década de

Leia mais

O homem transforma o ambiente

O homem transforma o ambiente Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O homem transforma o ambiente Vimos até agora que não dá para falar em ambiente sem considerar a ação do homem. Nesta aula estudaremos de que modo as atividades humanas

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Universidade Federal de Viçosa Departamento de Biologia Animal BAN 160 Entomologia Geral Manejo Integrado de Pragas Prof. Eliseu José G. Pereira eliseu.pereira@ufv.br O que é? Exemplos Organismo Praga

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

"O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia"

O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia "O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia" Brixius, Leandro* Praticar a agricultura ecológica, como vem defendendo durante décadas, e continuar espalhando o conhecimento

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO

ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO ANÁLISE DA REDE METEOROLÓGICA DA BAHIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NO SEMIÁRIDO BAIANO Selma Barbosa Bastos Universidade Estadual de Feira de Santana selmabbastos@gmail.com Manuel Cabalar

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Diretoria de Graduação e Educação Profissional COAGO Coordenação do Curso Técnico em Agropecuária 1º PERÍODO AGROECOLOGIA

Leia mais

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes Manejo de pragas Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes O que é uma praga? *Inseto que cause danos diretos (ex. lagarta que se alimente das folhas de couve) O que é uma praga? * Inseto que cause danos

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 9º 3º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração A UU L AL A Respiração A poluição do ar é um dos problemas ambientais que mais preocupam os governos de vários países e a população em geral. A queima intensiva de combustíveis gasolina, óleo e carvão,

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO

PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO CONSULTORIA: OFICINAS DE BASE AGROECOLÓGICA NAS COMUNIDADES DE URUCURITUBA E TAPARÁ GRANDE, Município de Santarém, Pará, Brasil. CONSULTOR:

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br

Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br MILHO VERDE ORGÂNICO: PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA Silvia Antoniali 1 Eng. Agr., Dr., PqC da UPD de Araçatuba do Polo Regional Extremo Oeste/APTA santoniali@apta.sp.gov.br Neli Cristina B. Santos Eng. Agr.,

Leia mais

Uso de agrotóxicos, seus efeitos para a saúde e o ambiente e o uso de outras alternativas

Uso de agrotóxicos, seus efeitos para a saúde e o ambiente e o uso de outras alternativas Uso de agrotóxicos, seus efeitos para a saúde e o ambiente e o uso de outras alternativas Maria Irani Fernandes Moreira 1 e José Robério de Sousa Almeida 2 1 Aluna da Faculdade de Filosofia Dom Aureliano

Leia mais

Classificação dos processos sucessionais

Classificação dos processos sucessionais SUCESSÃO ECOLÓGICA A SUCESSÃO ECOLÓGICA PODE SER DEFINIDA COMO UM GRADUAL PROCESSO NO QUAL AS COMUNIDADE VÃO SE ALTERANDO ATÉ SE ESTABELECER UM EQUILÍBRIO. AS FASES DISTINTAS DA SUCESSÃO ECOLÓGICA SÃO:

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um:

Quiz 6 a Série. 1. Um cientista estudou o conteúdo do estômago de um animal e descobriu que nele só havia plantas. Este animal deve ser um: Quiz 6 a Série Professora: Alexsandra Ribeiro Instruções: Olá queridos alunos e alunas! O quiz é mais uma ferramenta que nos possibilita saber se realmente você está entendendo o conteúdo abordado em sala

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento - Campo Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Nota: Os itens grafados em Negrito, Itálico e Sublinhado

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02

CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 CIÊNCIAS - 6ª série / 7º ano U.E - 02 A crosta, o manto e o núcleo da Terra A estrutura do planeta A Terra é esférica e ligeiramente achatada nos polos, compacta e com um raio aproximado de 6.370 km. Os

Leia mais

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas

Projeto 10.000 Hortas na á frica. Projecto de hortas Projeto 10.000 Hortas na á frica Projecto de hortas w w w. s l o w f o o d f o u n d a t i o n. c o m As hortas são um sistema em contínua evolução que responde às solicitações: do ambiente externo, das

Leia mais

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos.

Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Prof. José Roberto e Raphaella. 6 anos. Solo É a camada mais estreita e superficial da crosta terrestre, a qual chamamos habitualmente de Terra. Essa parte da crosta terrestre esta relacionada à manutenção

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DOZE PRINCÍPIOS PARA MAXIMIZAR O ESTOQUE DE CARBONO E A PROTEÇÃO AMBIENTAL NAS FLORESTAS DA AMAZÔNIA Baseados nos estudos do Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais

Leia mais

ADN. Ficha de Trabalho. 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN?

ADN. Ficha de Trabalho. 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN? Pág 1 ADN Ficha de Trabalho 1 - Identifique algumas das aplicações das análises de ADN? R: As aplicações são efectuadas em: Medicina Forense, testes de ADN e Engenharia genética. 1- Quais as potencialidades

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

Componente curricular: Fundamentos de Agroecologia. Curso: FIC -Produção de Alimentos Orgânicos Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Fundamentos de Agroecologia. Curso: FIC -Produção de Alimentos Orgânicos Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Fundamentos de Agroecologia Curso: FIC -Produção de Alimentos Orgânicos Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Fundamentos de Agroecologia 1. Agricultura orgânica no Mundo, Brasil

Leia mais

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho CONFIRA OS ATRATIVOS DA VERSÃO SPORT DA FORD RANGER PAG. 16 Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho 00102 810001 771806 9 Revista Produz - Ano XI Nº 102 2015 R$

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

Comida suficiente e nutritiva. 25 Introdução. Comida 25 - Introdução

Comida suficiente e nutritiva. 25 Introdução. Comida 25 - Introdução Comida 25 - Introdução 63 4 Comida suficiente e nutritiva 25 Introdução Existem vários sistemas simples e de baixo custo que podem melhorar a segurança alimentar e a nutrição. Estes incluem, por exemplo,

Leia mais

PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS2007/UFG

PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS2007/UFG UFG-PS/7 PROVAS DA SEGUNDA ETAPA PS7/UFG Esta parte do relatório mostra o desempenho dos candidatos do grupo na prova de Biologia da ª etapa do PS7. Inicialmente, são apresentados os dados gerais dos candidatos

Leia mais

Que ambiente é esse?

Que ambiente é esse? A U A UL LA Que ambiente é esse? Atenção Leia o texto abaixo: (...) Florestas bem verdes, cortadas por rios, lagos e corixos. Planícies extensas, que se unem ao horizonte amplo, cenário para revoadas de

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO AGRICULTURA NATURAL/ORGÂNICA COMO INSTRUMENTO DE FIXAÇÃO BIOLÓGICA E MANUTENÇÃO DO NITROGÊNIO NO SOLO. UM MODELO SUSTENTÁVEL DE MDL Dr. Fernando Augusto

Leia mais

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que Exercícios Evolução - parte 2 Professora: Ana Paula Souto Nome: n o : Turma: 1) Selecione no capítulo 7 duas características de defesa de plantas. a) DESCREVA cada característica. b) Para cada característica,

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

Sementes e Mudas Orgânicas

Sementes e Mudas Orgânicas Sementes e Mudas Orgânicas Cenário atual e desafios para o futuro Eng Agr Marcelo S. Laurino Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão da Produção Orgânica de São Paulo BioFach América

Leia mais

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC)

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) ÍNDICE 1. Gestão da Propriedade...03 2. Gestão Ambiental...04 3. Material Propagativo (Sementes, mudas e estacas)...05 4. Localização e Implantação de Cafezais...06

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Abacaxi. Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. A Cultura do Abacaxi. Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 7 10/16/aaaa 11:31 Fruticultura A Cultura do Abacaxi Nome Cultura do Abacaxi Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações resumidas sobre a Cultura

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES

TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES TRATAMENTO QUÍMICO DE RESÍDUOS AGRÍCOLAS COM SOLUÇÃO DE URÉIA NA ALIMENTAÇÃO DE RUMINANTES INTRODUÇÃO Onaldo Souza 1 Mariah Tenório de Carvalho Souza 2 Izabele Emiliano dos Santos 3 Cereal é a denominação

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

Atividade agropecuária e o meio ambiente

Atividade agropecuária e o meio ambiente Atividade agropecuária e o meio ambiente Paula Janaina da Rosa Louro servidora pública do Ministério Público da União 1.Considerações Iniciais A atividade agropecuária abrange a agricultura e a criação

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Capítulo 2 - Poluição

Capítulo 2 - Poluição Capítulo 2 - Poluição Biologia e bioquímica da poluição Poluição Ar Água Solo Ciências do Ambiente Prof. Alessandro de Oliveira Limas Biologia e bioquímica da poluição Caracterização da poluição Alteração

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Fogo. Melhor prevenir que apagar incêndios

Fogo. Melhor prevenir que apagar incêndios Fogo. Melhor prevenir 1 2 Fogo. Melhor prevenir Uso do fogo na Pré-história Há milhares de anos, o homem descobriu o fogo. Aos poucos, aprendeu maravilhas: iluminar cavernas, afastar o medo do escuro,

Leia mais

Padrão de Desempenho 6 V2

Padrão de Desempenho 6 V2 Introdução 1. O Padrão de Desempenho 6 reconhece que a proteção e a conservação da biodiversidade, a manutenção dos serviços dos ecossistemas e o manejo sustentável dos recursos naturais vivos são fundamentais

Leia mais

Alguns componentes da membrana plasmática estão representados na figura abaixo.

Alguns componentes da membrana plasmática estão representados na figura abaixo. Prova de Biologia 1 a Questão: (1,0 ponto) Alguns componentes da membrana plasmática estão representados na figura abaixo. Identifique a estrutura que está indicada pela seta e cite três atividades celulares

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO

AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO ENCARNITA SALAS MARTIN * INTRODUÇÃO AGROTÓXICOS: INTOXICAÇÕES PROJETO REBÔJO Agrotóxicos, defensivos agrícolas, praguicidas, pesticidas ou biocidas, são denominações de substâncias químicas naturais ou

Leia mais

Controle Fitossanitário na Cana de Açúcar : Formação do Grupo de. Dib Nunes Jr.

Controle Fitossanitário na Cana de Açúcar : Formação do Grupo de. Dib Nunes Jr. Gestão do Controle Fitossanitário na Cana de Açúcar : Formação do Grupo de Combate ao Mato. Dib Nunes Jr. O QUE É O GRUPO DE COMBATE AO MATO (GCM)? GESTÃO DO CONTROLE DO MATO É UMA ESTRATÉGIA OPERACIONAL

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado.

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. 136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. Em relação às regiões marcadas na figura, observa-se que A) a existência de áreas superáridas,

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1A

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1A CADERNO DE EXERCÍCIOS 1A Ensino Médio Ciências Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Identificar a função dos órgãos do corpo humano. H30 2 Mecanismos de integração do corpo humano

Leia mais

DOSSIER INFORMATIVO. Descodificar o conceito dos antioxidantes

DOSSIER INFORMATIVO. Descodificar o conceito dos antioxidantes DOSSIER INFORMATIVO Descodificar o conceito dos antioxidantes 1 QUADRO RESUMO aos antioxidantes ajudam o organismo a combater os efeitos nefastos dos radicais livres; aos radicais livres são elementos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO ADMINISTRAÇÀO DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO PROF: NAZARÉ FERRÀO TURMA: 7-ADN-1 I. MEIO AMBIENTE CONCEITOS MEIO AMBIENTE Tudo o que cerca o ser vivo,

Leia mais

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas

Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Geramos valor para a Natureza Alternativas Biológicas para o Combate de Pragas Agrícolas Simone Aguiar & Henrique Joaquim Agosto, 2014 MUSAMI Operações Municipais do Ambiente, EIM, SA Índice Agricultura

Leia mais

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Evaldo Kazushi Takizawa Engenheiro Agrônomo Ceres Consultoria Agronômica /GBCA 1 Temas Considerações iniciais.

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO CENTRO DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II

CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO CENTRO DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II CORPO DE BOMBEIRO MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DIRETORIA DE ENSINO E INSTRUÇÃO CENTRO DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II Questão 01 - O esquema a seguir representa, de forma simplificada,

Leia mais

Áreas degradadas. Áreas degradadas conceitos e extensão

Áreas degradadas. Áreas degradadas conceitos e extensão Áreas degradadas Áreas degradadas conceitos e extensão Conceituação e caracterização de áreas degradadas O ecossistema que sofreu alterações relativas à perda da cobertura vegetal e dos meios de regeneração

Leia mais

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Ecologia Geral CICLOS BIOGEOQUÍMICOS 98-99% dos organismos são constituído por: -Sódio (Na) -Potássio (K) -Magnésio (Mg) -Cloro (Cl) -Carbono (C) -Hidrogênio (H -Nitrogênio (N) -Oxigênio (O) 1-2% restante:

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas.

Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas. Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas. O que é? O que estuda? Qual a sua importância? HISTÓRICO Homem primitivo

Leia mais

Legislação ambiental 1: uso regular

Legislação ambiental 1: uso regular Os testes tribológicos foram conduzidos em um equipamento específico para este tipo de análise, porque trabalha com pequenas quantidades de materiais (peça, ferramenta e fluído de corte). Tal equipamento

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL UFRGS FISIOLOGIA VEGETAL 1. (Ufrgs 2015) A coluna à esquerda, abaixo, lista dois hormônios vegetais; a coluna à direita, funções que desempenham. Associe adequadamente a coluna direita com a esquerda.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015.1 TRABALHO DE PESQUISA OBJETIVOS: Promover a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

Identificação. v Nome: Data: / / SIMULADO Nº 13

Identificação. v Nome: Data: / / SIMULADO Nº 13 Identificação v Nome: Data: / / SIMULADO Nº 13 1. Quanto mais desenvolvida é uma nação, mais lixo cada um de seus habitantes produz. Além de o progresso elevar o volume de lixo, ele também modifica a qualidade

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 7º ANO

CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 7º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 1º BIMESTRE 7º ANO 2010 PROVA DE CIÊNCIAS 7º ANO Questão 1 A idade

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro.

O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. O uso de pó de rocha fosfática para o desenvolvimento da agricultura familiar no Semi-Árido brasileiro. Maíra Leão da Silveira Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Francisco Mariano da Rocha

Leia mais