Palavras-Chave: Religião; História; Memória; Identidade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-Chave: Religião; História; Memória; Identidade."

Transcrição

1 A FÉ CATÓLICA EM CENÁRIOS DE FESTAS & TRADIÇÕES... FOLIA DE REIS E FESTA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO EM JESÚPOLIS E JARAGUÁ- GOIÁS (SÉC. XXI) Ms. Maria Lícia dos Santos 1 A religião pode ser compreendida como inserida dentro de um contexto histórico extremamente amplo e rico em possibilidades de estudos historiográficos, pois liga profano e sagrado, pessoa humana e divindade, indivíduo e comunidade, tempo e eternidade, fé e história. Conseqüentemente, gera um determinado modo de pensar e de se comportar, agindo significativamente na convivência e dando subsídio à tradição que é um padrão de pensamento, comportamento e sensibilidade que se desenvolve através do tempo e se mostra rico em sentido, integrado na realidade e útil à convivência. É sobre a fé e tradição que embala os sonhos e a memória do homem humilde e crédulo do interior de Goiás, que proponho contar. Atenta a essas reflexões procurei compreender as tramas inscritas, sobretudo nos depoimentos que deram sustentação empírica a esta pesquisa em uma proposta voltada ao estudo da construção da memória de pessoas que, em comum, possuem a experiência de terem compartilhado a vivência, a participação nos eventos religiosos. Visando desenvolver uma linha de raciocínio coerente com a proposta da pesquisa, busco subsídio teórico em Almeida; Peter Berge; Maria Clara Machado; Brandão; Durkheim, dentre outros que deram aprofundamento teórico ao trabalho de pesquisa. Palavras-Chave: Religião; História; Memória; Identidade. De acordo com dados do IBGE/2007, Jesúpolis, cidade com aproximadamente mil habitantes recebe, por ocasião dos festejos da Folia de Reis, 29 de dezembro a 6 de janeiro, visitantes de cidades circunvizinhas e outras como Brasília e Goiânia, chegando muitas famílias a alugarem casas para se hospedarem durante os dias de folia. A Prefeitura local organiza a cidade, prepara material informativo e estimula os moradores a montarem barracas para a comercialização de produtos regionais. A Polícia Militar estima participação de cerca de oito mil pessoas nos festejos, superando em quatro vezes a população local. A religiosidade é o motivo principal da criação do povoado, onde se celebrava a Festa do Menino Jesus. Por sugestão do padre José Milanez, a escolha do nome de Jesúpolis, no ano de 1949, ocorreu através de votação, com participação das pessoas que participavam da festa em louvor ao menino Jesus. A palavra Jesúpolis deriva de Jesus devido à devoção e pólis, cidade. Assim, Jesúpolis quer dizer cidade de Jesus, nome este que fez o município estrelar no quadro cidades com nomes exóticos, do programa do Jô Soares, exibido pela Rede Globo, em julho de A devoção que mantém viva a tradição fez com que um antigo residente do lugar, Sr. Galdino (78), batizasse três dos seus nove filhos com os nomes dos reis magos: Gaspar, Melchior e Baltasar. Os moradores de Jesúpolis programam suas vidas para antes ou depois da Folia. Os preparativos iniciam com antecedência, as costureiras ficam lotadas com roupas para serem 1 Mestre em História- UnB; Especialista em Metodologia do Ensino Superior UEG Graduada em História UFG. Professora de História no Instituto Federal Goiano-Campus Ceres-Goiás.

2 2 confeccionadas, muitos vão a Jaraguá fazer compras nas confecções. As mulheres têm que ter roupas, calçados ( botas) e maquiagens novas. Para os homens as botas, os cintos e os chapéus têm que ser novos e vistosos. Os arreios dos cavalos também têm que ser apresentáveis. As mantas que cobrem o dorso do cavalo são coloridas, vermelho ou amarelo ouro. Os fazendeiros se preparam para entregar suas doações, já agendadas previamente. Sacos de arroz e feijão; suínos, aves e bovinos. Em um pouso, como é chamada a festa noturna, consome-se carne de até 10 vacas. A comida é farta, as mesas chegam a medir 10 a 15 metros, com pratos simples, mas feitos com carinho e dedicação pelas cozinheiras e cozinheiros que muitas vezes vêm de longe para doar seu trabalho aos Santos Reis. Várias pessoas trabalham nas festas. Nas beiras das tachas de comida, contam-se causos, tomam pinga com limão, cerveja; cantam e se alegram em um momento ímpar de fé e afetividade que mantêm os laços de parentesco e de amizade. As pessoas criam fama de serem bons ajudantes. Homens, mulheres, crianças, todos trabalham. Preparam as barracas enfeitadas com bandeirolas de papel colorido e cobertas com folhas de coqueiro. O presépio é peça fundamental, berço do menino Jesus, pois é para lá que segue o cortejo acompanhado dos foliões que cantam e carregam a bandeira dos Santos Reis. O cheiro de jasmim exala, misturando com o cheiro das deliciosas comidas quentinhas nas tachas. Sr. Galdino, atencioso depoente, embala a folia com sua voz afinada ao som do velho e estimado violão, acompanhado de seu filho Eduardo Dias, jovem empresário do ramo musical e cantor profissional que anualmente se desloca da cidade de Anápolis onde reside, para participar da Folia de Reis e acompanhar seu pai, revezando com seus irmãos, nas cantorias. Percorrem fazendas, passam noites sem dormir, gastando a voz para cumprir a tradição que mantêm desde sua infância. Ao som de instrumentos musicais os foliões efetuam longas caminhadas levando a bandeira, ornada com as figuras dos três reis magos, à qual tributam especial respeito. Vão liderados pelo mestre e contra-mestre, figuras de relevância dentro da Folia por conhecerem os preciosos versos, preservados de geração em geração por tradição oral. Em Jaraguá a Festa do Divino Espírito Santo também atrai ex-moradores, descendentes e turistas que vêem com o intuito de festejar, tanto pelo aspecto profano, como para cumprir promessas em uma prática de fé religiosa datada de meados do fim do século XVIII, (1737) data em que a cidade foi erigida, nos primórdios da exploração aurífera, e reforçada com a criação da Irmandade do Santíssimo, em 05 de junho de A Festa em Jaraguá é uma ocasião de unidade entre a população. Une o rico e o pobre, adversários políticos, moradores da zona rural e urbana, trazendo alegria, entusiasmo e acima de tudo fé. Fé em melhores dias, em colheitas fartas, em cura de doenças e, na atualidade, de bons negócios no ramo das confecções, nas questões políticas, ponto forte na cultura dos jaraguenses que já foi berço de coronéis, como também oportunidade de rever os amigos, parentes, para relembrar as raízes culturais ou para simplesmente festar. Paralelo aos festejos, tanto em Jesúpolis quanto em Jaraguá, pode-se constatar uma grande diversidade de contos, causos e superstições que mantêm as conversas durante o período em que as pessoas se encontram e travam seus diálogos. Exemplo disso é o caso de uma luz que aparece na região de Pouso Alto, município de Jesúpolis, que segundo os contadores, é sinal de ouro na região. Fatos verdadeiros ou frutos da imaginação humana os causos populares costumam gerar grandes polêmicas entres os habitantes da região. A verdade é que estas estórias ficam nos pensamentos e passam de geração para geração, preservando as identidades. Essa cultura, parte constitutiva do social, dinâmica e plural, deixa rastros, traços de memória por indícios e sinais, não nos deixando órfãos de história. Mesmo diante do quadro de transformações que a modernidade impõe, (Jaraguá, por exemplo, é tida atualmente como a capital goiana das confecções ) é impossível não perceber que o povo

3 3 goiano do interior aprendeu a cultivar a sua memória em pequenos sinais da vida cotidiana, que podem estar traduzidos nos objetos materiais e santos de devoção guardados e cultuados, nos ditos, provérbios e "causos" populares, com os quais procura expressar a sabedoria e as experiências de vida, nas suas relações de compadrio ainda assumidas, nas comemorações dos festejos religiosos e populares nos quais se renovam a fé e o reencontro, nos sabores, quitutes e comidas típicas da região, na preferência pelas antigas modas sertanejas ainda entoadas, nas crenças, nas benzeções, nos curadores, nos chás e remédios caseiros aos quais, freqüentemente, recorrem. Tanto a Folia de Reis quanto a Festa do Divino Espírito Santo, são eventos populares que transcendem o âmbito religioso de suas origens e incorporam aspectos profanos e regionais. Trata-se de expressões agrárias, que tem características próprias, expressas em coreografias, ritmos e canções. Apesar das peculiaridades locais, todos os grupos têmcomo característica de preservação dos versos e danças que trazem em seu bojo reminiscências da história do Brasil Colonial. Como proposta de pesquisa, procurei analisar duas cidades que possuem aspectos que as diferenciam: a história, a economia e a localização geográfica. Entretanto, a tradição das festas religiosas, tece um fio que as unem dentro de perspectivas, anseios, sonhos e permanências, como representações simbólicas de manutenção da cultura popular goiana. Jaraguá, cidade que nasceu no século XVIII, no ciclo da mineração e que vem se desenvolvendo com o estímulo da modernidade. Conhecida por ser a capital das confecções, está situada a 124 quilômetros da capital do Estado e localiza-se na Mesorregião do Centro Goiano e Microrregião de Anápolis, no Vale do São Patrício. Possui uma população de mais de 37 mil habitantes e uma área de 1.888,938 km², tendo assim uma densidade de 19,6 hab./km². A economia de Jaraguá se baseia nas confecções, sendo considerada um dos maiores pólos do Centro-Oeste, gerando cerca de 10 mil empregos na região, atividade que teve início em meados dos anos 80. A localização estratégica da cidade, às margens da Belém-Brasília, favoreceu a penetração de seus produtos no mercado regional. No final dos anos 80 e início dos 90, a abertura comercial e o crescente interesse e consumo de produtos de vestuário importados no país estimulou a produção local. Nos últimos quatro anos, o Sebrae em Goiás já investiu R$ 4 milhões em Jaraguá, no aperfeiçoamento e desenvolvimento do arranjo produtivo local 2.(www.cidades) Jesúpolis, com 52 anos de existência e somente 17 de emancipação política (16/01/1991), quando se desmembrou de São Francisco de Goiás, localiza-se a 101 Km ao norte da capital, possui aproximadamente habitantes. Movida com base econômica na agropecuária, Jesúpolis conta com apenas uma indústria cerâmica (gera 50 postos de trabalho, sendo a maior empregadora depois da prefeitura, com 109 funcionários) e 13 estabelecimentos do comércio varejista legalmente registrados. Dos 602 domicílios, 498 (82,7%) são mantidos com renda familiar de até três salários mínimos, sendo 219 deles (36,3%) administrados com um salário mínimo mensal. O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) registrou 0,721 pontos no ano de 2000, contra 0,776 de Goiás e 0,789 do Brasil. Com relação ao Produto Interno Bruto (PIB), Jesúpolis ocupa a penúltima posição entre os 246 municípios goianos. (www.jornal diáriodonorte) Duas cidades, duas histórias, duas realidades, possibilidades e promessas diversas. A localização geográfica, a demografia, as exigências capitalistas as mantêm distantes em quase todos os aspectos, mas a fé que embala os anseios de seus moradores, as mantém unidas. Considerando a proposta apresentada pela chamada nova história que, segundo Burke (1990), aponta para a perspectiva de que tudo tem uma história, propus realizar uma pesquisa que tome, como plano de observação a memória que se constrói em torno dos eventos culturais, especificadamente aqui propostos, a Folia de Reis na cidade de Jesúpolis e a Festa do Divino Espírito Santo na cidade de

4 4 Jaraguá, além dos registros de memória cultural, que constroem e fazem parte do imaginário dos meus depoentes, especificadamente, moradores das duas cidades do interior goiano. Sobre esse enfoque, consideramos a concepção sustentada pela estudiosa Pasavento, em (...) pensar a cultura como um conjunto de significados partilhados e construídos pelos homens para explicar o mundo. (1995:20). A religião pode ser compreendida como inserida dentro de um contexto histórico extremamente amplo e rico em possibilidades de estudos historiográficos, pois liga profano e sagrado, pessoa humana e divindade, indivíduo e comunidade, tempo e eternidade, fé e história. Conseqüentemente, gera um determinado modo de pensar e de se comportar, agindo significativamente na convivência e dando subsídio à tradição que é um padrão de pensamento, comportamento e sensibilidade que se desenvolve através do tempo e se mostra rico em sentido, integrado na realidade e útil à convivência. A construção da tradição é fruto direto da capacidade humana de selecionar e acumular experiências positivas e de ensiná-las aos semelhantes. A tradição é, então, uma longa corda que une fortemente os diversos componentes de um grupo, mas sem uma força tal que os impossibilite de se mover. E, por sinal, sem a trajetória de cada um, não há como o grupo atado pela corda deslocar-se no caminho que o tempo e o ambiente lhe impõem. A tradição é, pois, o resultado das diversas ações individuais aceitas e reproduzidas pelo meio humano. Essa imitação a faz sobreviver à morte dos inovadores e prolonga-se até onde a conveniência social permitir. A tradição é constituída com respeito à manutenção das experiências positivas dos que já morreram, mas também do bom senso que não deixa que ela se enrijeça e lhe permite eliminar o que não é mais sustentável e incorporar novas ações. Atenta a essas reflexões busquei compreender as tramas inscritas, sobretudo nos depoimentos que deram sustentação empírica a esta pesquisa em uma proposta voltada ao estudo da construção da memória de pessoas que, em comum, possuem a experiência de terem compartilhado a vivência, a participação nos eventos festivos. Essa memória foi investigada, sobretudo, a partir dos depoimentos, buscando apreender o que foi lembrado, melhor dizendo, o que foi escolhido para construir e perpetuar as histórias dessas experiências, e como a memória acaba por oferecer subsídios às identidades desses grupos. Os festejos, tanto a Folia de Reis quanto a Festa do Divino Espírito Santo, são entendidos como uma representação produzida por sujeitos sociais que ainda têm o mundo rural como referência de vida, cujas experiências estão fundadas na sociabilidade comunitária. O conceito de experiência referido é benjaminiano, (Benjamin, 1985), pois permite pensar a tradição como o momento em que o coletivo e o individual se unem, originando uma prática cultural comum aos sujeitos sociais nela envolvidos, capaz, por isso mesmo, de ser transmissível às futuras gerações. Tradição, desse ponto de vista, não são apenas rastros ou restos que, como lembranças, se diluem e se perdem no tempo. Mais que isso, tendo como suporte uma memória, retoma o passado consciente de suas perdas, como colabora Machado (1998), para projetar um futuro cuja identidade cultural seja porta-voz de sua luta para a manutenção da fé que sustenta e mantêm os laços de afetividade, onde o pobre e o rico, ali imbuídos dos mesmos ideais de manutenção dos costumes, sustenta e consolida a memória coletiva. Certeau (1994:189) nos ampara nesta análise quando confirma que a memória é o antimuseu: não é localizável. Dela saem clarões nas lendas. Aí dorme um passado, como nos gestos cotidianos de caminhar, comer, deitar-se onde dormitam revoluções antigas. Os lugares vividos são como presenças de ausências. O que se mostra designa aquilo que não é mais. Os demonstrativos dizem do visível suas indivisíveis identidades. Como vem demonstrando uma prática historiográfica atual, é no cotidiano que a realidade sócio-cultural-histórica, solo sobre o qual descansam nossos objetos, apresenta-se em toda sua riqueza e complexidade. Por isso mesmo, a opção que aqui fiz por um estudo que considerasse a dimensão do cotidiano como ponte para a apreensão de meu objeto de estudo. Corrobora Penin, ao afirmar que (...) a cotidianidade, (...) apresenta-se como o império das representações. No cotidiano, as

5 5 representações nascem e para ali regressam. No cotidiano cada coisa (...) é acompanhada de representações que mostram qual é o seu papel. (Penin1995:26/27) Uma proposta que pretende apreender as representações que moradores das cidades têm de suas experiências deve centrar seu foco sobre as relações cotidianas, pois, como bem lembra Lefebvre,( apud Penin 1995:15), o cotidiano nada mais é que um nível da realidade social, por sinal, dos mais ricos. Baseando-se nesse autor, Penin afirma que,... a vida cotidiana apresenta-se como um nível de totalidade, da mesma forma que são níveis, e podem ser investigados como tal, o biológico, o fisiológico, o psicológico, o econômico etc. (1995:16) A história cultural, tal como a entendemos, tem por principal objeto identificar o modo como em diferentes lugares e momentos uma determinada realidade social é construída, pensada, dada a ler. Uma tarefa deste tipo supõe vários caminhos. Às fontes orais dirigi a disposição de investigar como o trabalho da memória constrói sentidos sobre as experiências vividas, neste processo, a memória subsidia a construção permanente das identidades que marcam o encontro de nosso passado com as relações sociais, culturais e econômicas nas quais vivemos agora que é a intersecção de nossas vidas cotidianas. Sugere ainda Woordward que: Ao afirmar uma determinada identidade, podemos buscar legitimá-la por referência a um suposto e autêntico passado possivelmente um passado glorioso, mas, de qualquer forma, um passado que parece real que poderia validar a identidade que reivindicamos. (Apud Silva, 2000:19/27)). Brito adverte que as fontes documentais não devem ser consideradas como documentos que remetem à verdade do acontecimento. Preferimos vê-las como um outro acontecimento discursivo que, ao construir-se, institui sentidos para aquele. (Apud Swain, 1994:190). Esse tipo de proposição pode ser encontrado, por exemplo, no programa de reflexão proposto pela Análise do Discurso, que encara o discurso como aquilo que constrói a realidade, representandoa. (Orlandi, 1999). A palavra discurso sugere, etimologicamente, a idéia de curso, de correr, de movimento. Em outras palavras, todo discurso é histórico. Somente nele (e por ele) podemos encontrar o passado como foi concebido, construído, vivido. Ele não é tão somente reflexo da realidade à qual se remete. É a única realidade possível de se apreender. No entendimento de Orlandi:...A análise de Discurso concebe a linguagem como mediação necessária entre o homem e a realidade natural e social.(...) O trabalho simbólico do discurso está na base da produção da existência humana. (Idem:15) Assim, trabalhar as fontes como discursos implica concebê-las numa perspectiva que não visa buscar o falso em meio a alguma secreta verdade, separando o joio (falso) do trigo (verdade), como

6 6 pretenderam um dia os metódicos. Parto do princípio de que todo discurso é um trabalho de tradução do real, de busca de sentidos. Este será o entendimento que guiará este trabalho. Lembra Silva, que nenhuma linguagem é neutra, transparente. Em vez disso, a linguagem é encarada como um movimento em constante fluxo, sempre indefinida, não conseguindo nunca capturar de forma definitiva qualquer significado que a precederia e ao qual estaria inequivocadamente amarrada.(silva, 2000:249) Ainda assim, outras dimensões do documento oral foram consideradas. Refiro-me, mesmo que por ora brevemente, à preocupação em dar um tratamento teórico à questão da memória. Como mostrou Ecléia Bosi, baseada nos estudos de Halbwachs,... a lembrança é uma imagem construída pelos materiais que estão, agora, à nossa disposição, no conjunto de representações que povoam nossa consciência atual. Por mais nítida que nos pareça a lembrança de um fato antigo, ela não é a mesma imagem que experimentamos na infância, por que nós não somos os mesmos de então e porque nossa percepção alterou-se e, com ela, nossas idéias, nossos juízos de realidade e de valor. (Bosi, 1994:55). A estreita ligação entre o estudo da memória e o das representações é lembrado por Ecléia Bosi no trabalho já referido:... a memória permite a relação do corpo presente com o passado e, ao mesmo tempo, interfere no processo atual das representações.(idem:9) Em outras palavras, a memória é instrumento que auxilia na constituição de representações que tanto remetem ao passado quanto à realidade atual, configurando sentidos à mesma e interferindo sobremaneira na construção dos processos identitários sempre em andamento. Entendido dessa forma, o trabalho da memória deve ser apreendido em toda a complexidade que marca a estreita relação (passado/presente) que o informa.... a lembrança pura, quando se atualiza na imagem-lembrança, traz à tona da consciência um momento único, singular, não repetido, irreversível, da vida. Daí, também, o caráter não mecânico, mas evocativo do seu aparecimento por via da memória. Sonho e poesia são, tantas vezes, feitos dessa matéria que estaria latente nas zonas profundas do psiquismo.(idem, Ibidem:11) Halbwachs, em seu trabalho sobre a memória coletiva, também argumenta sobre a importância de seu estudo para uma melhor compreensão histórica da sociedade e enfatiza que: (...) Se o que vemos hoje tivesse que tomar lugar dentro do quadro de nossas lembranças antigas, inversamente essas lembranças se adaptariam ao conjunto de nossas percepções atuais. Tudo se passa como se confrontássemos vários depoimentos. É porque concordam no essencial,

7 7 apesar de algumas divergências, que podemos reconstruir um conjunto de lembranças de modo a reconhecê-lo.(1990:25). Atualmente, a elaboração de uma pesquisa história abre um leque de possibilidades interdisciplinares que muito auxilia o profissional da área que se vê, finalmente, livre dos paradigmas da história tradicional, em que era tido como um mero narrador dos acontecimentos passados. Através dessa nova postura, o historiador pode hoje se desvencilhar das antigas e já tão criticadas amarras que por tanto tempo pautaram seu ofício. Refiro-me, principalmente, à ilusão de que no documento se inscreveria uma verdade capaz de ser captada pelo olhar atento e rigoroso do historiador. Sem deixar de reconhecer a importância da fonte documental, sem a qual não haveria trabalho histórico, pode-se hoje interpretá-la com maior abertura, privilegiando os diálogos interdisciplinares, buscando apreender as representações inscritas nas fontes/discursos. Reconhece-se, portanto, com J. Le Goff, (1985:98) que não há história sem documentos. E mais, segundo o mesmo historiador, há que tomar a palavra documento no sentido mais amplo, documento escrito, ilustrado, transmitido pelo som, a imagem ou de qualquer outra maneira, mas considera-se, sobretudo, a necessidade, já lembrada no início desta proposta, de fazer a leitura das fontes fortemente decidida a deixar a pesquisa fluir como uma verdadeira aventura. Na religião, a tradição adquire sentido por desvelar, de um modo determinado, o sentido do presente. A verdade da atualidade se revela na relação que se faz com palavras e imagens da tradição. Acima de tudo está a história com suas relações que têm de visar à integração de fé e vida, de presente e futuro, de sociedade e seu bem-estar para que novas possibilidades se apresentem em formas de pensar e (con)viver. As fontes orais receberam o tratamento de discurso, considerando que, como orienta Thompson (1992:33) lidamos com as pessoas, em um contato próximo de interatividade e estas lança a vida para dentro da própria história e isso alarga seu campo de ação. Dá nomes e referencial e ainda, admite heróis vindos não só dentre os líderes, mas dentre a maioria desconhecida do povo. Dentro dessa compreensão busquei entrevistar moradores e ex-moradores, pessoas que viveram e vivem as experiências para constituição de um corpus documental de fontes orais. Em Jesúpolis, Sr. Galdino, conta que começou a participar das folias quando foi contemplado com um milagre dos Santos Reis. Com 12 anos de idade, levou um coice, de uma novilha, no olho direito, o que fez com que seu olho saísse do globo ocular, além de ter um corte grande na pálpebra. Comovido, conta que: Meu pai, quando viu aquilo, empurrou meu olho de volta ao lugar e deu pontos no corte, sem anestesia nenhuma, pois nós morava na roça, sem nenhum recurso. Daí meu pai prometeu a Santo Reis que se ele curasse meu olho eu ia girar na folia. Não tive nenhum problema no olho. Só ficou a cicatriz. Enxergo perfeitamente. Passei então a girar a folia em todos esses anos. Já teve ano que eu participei de 7 folias. Enfatiza ainda Sr. Galdino, que: Santos Reis é milagroso, mas também é vingativo. Conta que Martinzão teimou em cruzar as bandeiras no giro, aqui mesmo em Jesúpolis, onze dias depois ele morreu, de morte natural, sendo que não estava com nenhum problema de saúde. Todos viram quando Martinzão foi alertado para não cruzar o giro, ele fez chacota e disse que isso era bobagem. As bandeiras não

8 8 podem passar uma pela outra, cruzando, é preciso que o giro seja respeitado. Faz parte das normas. Folia é coisa séria. (depoimento em 3 de agosto/2008) Sobre milagres e punições também outra depoente Terezinha (44) é taxativa em contar. Certa vez meu pai combinou de dar um pouso para a Folia de Reis, contrariando minha mãe que estava se convertendo à religião evangélica. Minha mãe disse que folia era sinônimo de bagunça, de arruaça. Foi nada não, no dia do pouso, um homem apelidado de Cobrinha, matou um outro de apelido Paraibano, em nossa casa, com mais de 10 facadas. Todos falaram ter sido castigo pelas blasfêmias de minha mãe. (depoimento em 31 de agosto/2008) Emocionada, a mesma depoente, conta da comprovação de um milagre, que presenciou no ano passado, relata que: A tia do meu marido, com muita preocupação quanto ao futuro de seu filho que se chama Eliziário, que estava com comportamento muito inadequado, bebendo, fazendo arruaças, fez promessa de ofertar um almoço para Santos Reis para abrir os caminhos do menino. Em menos de um ano, Eliziário se tornou um outro rapaz. Passou no vestibular, começou a levar a vida a sério, parecia outra pessoa. Então, o primo Josué Leite de Bessa, ofereceu a casa, aqui em Jesúpolis, para que o almoço fosse servido e minha tia, que mora em Brasília, veio com Eliziário e doaram ainda um violão e uma viola para Santos Reis. Todos vimos o milagre que aconteceu.(idem) Para Terezinha, o que motiva a tradição, é a religiosidade que passa de pai para filho. Por mais humilde que a pessoa seja, não deixa de ofertar frango, ovos, mandioca, enfim, o que tiver em casa, e a prosperidade passa a reinar naquela residência. O município todo participa e a emoção nas casas visitadas pela folia é fato comprovado. O irmão dela, que está morando nos EUA, fez questão de ouvir pelo telefone, os foliões cantarem. Os presentes se comoveram às lágrimas. Folia de Reis boa é quando tem chuva, pontua Fernanda Bessa. Ninguém se incomoda com o barro, com a água e muito menos com os carros atolados. Assim é que todos acham bom. A chuva é sinônimo de fartura, de boa colheita para o homem do campo. Portanto combina com a fé e devoção nos Santos Reis.(Depoimento em 19 de agosto/2008) Na busca de subsídios para sustentação empírica da presente pesquisa procurei Maria Augusta Barbo de Siqueira, em sua agradável casa construída no século XVIII, localizada na histórica rua das Flores, em Jaraguá. A mesma é presidente da Associação dos defensores do Patrimônio Histórico e Cultural de Jaraguá JÁ e, muito gentilmente, me recebeu para uma conversa sobre a história de Jaraguá, tema que lhe é muito familiar, pois a sua luta é constante para a manutenção e preservação da memória histórica da cidade que tanto ama, além de me dispor de trabalhos escritos por ela. Maria Augusta, em pesquisa realizada sobre a história da Festa do Divino Espírito Santo enfatiza que,

9 9 A primeira referência escrita da festa do Divino em Jaraguá data de 1819, (...) e foi introduzida por padre Silvestre que tomou como referência o mesmo festejo na cidade de Pirenópolis. Era, inicialmente, uma celebração apenas de brancos. Os negros celebravam as datas de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito. Hoje, toda a comunidade se junta para realizar as três festas conjuntamente, não se tendo notícias do ano em que elas se uniram. (Siqueira, texto:s/d) Segundo a mesma autora, a festa foi trazida ao Brasil pelos colonizadores portugueses no século XVI. De acordo com estudiosos, no Século XIII, Portugal e Espanha estavam em guerra e a rainha Isabel, de Portugal, respeitada por suas virtudes de caridade e fé, promete ao Divino Espírito Santo que ofertaria sua coroa à igreja para que a paz fosse promovida entre as duas nações católicas. Atendida em suas orações, a promessa foi cumprida. A coroa foi doada e houve farta distribuição de alimentos aos carentes. Carinhosamente Maria Augusta registra como se dá o acontecimento tão esperado: Toda a cidade se movimenta. Barraquinhas, leilões, novenas e missas acontecem diariamente. (...) a igreja providencia os leilões que são realizados após a missa da noite e a comunidade participa com as prendas, doando-as com muito gosto: lombo, frango e leitoa assados, quitandas, bandejas de frutas, doces e roupas. Estas últimas doadas pelas prósperas confecções da cidade.(idem) Perguntei à Maria Augusta o que ela considera como fator de manutenção e permanência das tradições históricas da cidade de Jaraguá, justificando o retorno constante de seus antigos moradores nas ocasiões dos festejos. Ela respondeu que é a serra, esse bloco compacto que fecha a linha do horizonte e mantêm os jaraguenses unidos. A história da Banda Santa Cecília é de suma importância para enriquecer minha proposta de trabalho, pois representa testemunho vivo das festas, alvoradas e comemorações nestes quase dois séculos de Festa do Divino Espírito Santo em Jaraguá. Fortalecendo a pesquisa sobre a história da Banda Santa Cecília, corrobora Souza, em uma linda homenagem: A Banda que veio do céu: No espaço aberto em frente da capela, grupos de homens se formavam, tristes e angustiados, sem nenhuma esperança de vida, agora que as minas se esgotaram, bateias vazias, ausentes do brilho amarelo das pepitas colhidas nas grutas e grotões existentes na grande e misteriosa serrania que vigiava o povoado. De repente, maviosos sons, vindo das nuvens dispersas nas alturas do céu azul, despertaram a sonolência daqueles homens que, tomando rudes instrumentos rabecas e rabecões, violas, atabaques, trombones e clarinetas, caixas e bumbos, escutando a melodia, contentes, passaram a acompanhar o desconhecido executante que habitava o longínquo azul, onde Deus mora ouvindo o trinar alegre da passarada. Já entusiasmados, silenciada a celeste música, aqueles homens retomando enxadas e enxadões, facões e foices, rasgaram sulcos na terra, neles lançando a sementeira que se transformaria em alimentos, fonte de vida, alegria e prosperidade.

10 10 E quando o suor descia em seus corpos cansados lembravam o estranho e misterioso acontecimento certos de que a coragem e o destemor prevaleciam, se o trabalho e a fé os conduzissem. E se agrupando no adro da velha capela, usando o seu antigo instrumental, recordava a celeste melodia, inspiradora do seu destino, e a música encantada permaneceu entre aquela gente, desde aquela manhã em que a ouviu primeiramente, justamente no dia em que o mundo cristão cultua a memória da menina Cecília, Santa Mensageira de Maria Santíssima. E aquele povo, agradecido e feliz, erguendo os usados instrumentos ao alto proclamou a existência de sua banda musical, que o alegrava nas matinatas, serenatas e festas sociais e religiosas, para sempre. (Souza,1999) O poema, compreendido como documento, muito tem a contar sobre o modo de vida, as dificuldades dos trabalhadores tristes e angustiados com o declínio do ouro, mas que recebem o alento e esperança através das melodias entoadas pela Banda e, decididos, rasgaram sulcos na terra, neles lançando a sementeira que se transformaria em alimentos, fonte de vida, alegria e prosperidade, mostrando a força da agricultura que é ponto alto na produção e economia de Jaraguá. Anualmente comemora-se me Jaraguá, no mês de novembro, o dia de Santa Cecília, padroeira do canto e da música. Em convite do evento que aconteceu no ano de 2001, a programação teve início às 5h, quando a cidade foi acordada com os sons musicais de pistões, clarinetas, flautas, saxofones, tambores...despertando saudades, sonhos, amores... Á noite, na Praça Cristóvão Colombo, praça central da cidade, onde existia um coreto, a Banda encanta a todos com excepcional execução de músicas como Coronel Perez- Dobrado; Estrela do Sul, Czardas, The Lino King, Com te Partiró, Mambo Jambo, Cruzeiro do Sul, No Mercado Persa, Saudade de Vinícius, O Lago dos Cisnes e Súplica. Na ocasião, Jaraguá recebeu também a Banda Musical de Goiânia, que entoou lindas melodias e contribui para tornar a homenagem a padroeira do canto e da música ainda mais alegre e festiva. Conta Maria Augusta que atualmente sessenta e quatro famílias de jaraguenses, residentes em Goiânia, recebem a coroa do Divino Espírito Santo. Tudo começou à cerca de vinte anos, por iniciativa da mesma, que também reside em Goiânia, mas que não esquece os laços de afetividade e tradição que a mantem ligada à sua cidade natal. No início eram um número aproximado de vinte e poucas famílias visitadas e hoje o número de famílias quase triplicou, e segundo Maria Augusta, dá gosto ver a satisfação das famílias em receber a Coroa do Divino Espírito Santo. Os jaraguenses saem de madrugada para chegar a Goiânia onde o ritual começa às 6h30 com alvorada e farto café da manhã, estendendo-se até as 22h30 com encerramento em grandioso e alegre jantar oferecido com muito gosto por um dos jaraguenses visitados. A experiência, segundo a mesma depoente, é cansativa, principalmente a ela, hoje com 71 anos, mas as compensações são grandes diante da fé e alegria das pessoas em manterem suas raízes e tradições. Dessa gente simples, alegre, hospitaleira, que traz seus sonhos embalados aos sons dos instrumentos, dos cantos, da disposição para o trabalho, da doação de bens materiais e de si mesmo

11 11 em nome de uma crença, de uma tradição, que se alegram e dançam nas festas até o raiar do dia, que propus contar. DEPOENTES: Fernanda Bessa (33 anos) Gestora Pública, natural de Jesúpolis. Depoimento em 19 de agosto/2008 Galdino Dias dos Santos (73) artesão, poeta, compositor, instrumentista e embaixador da Folia de Reis e Folia de São Sebastião. A primeira, reerguida por ele, após período de declínio, a segunda, fundada por ele, também chamada de foliinha. Depoimento em 30 de agosto/08. O pai de Sr. Galdino, Sr. Cândido Dias dos Santos e sua mãe Virgínia Francisca de Bessa foram os fundadores da cidade de Jesúpolis. Todos os anos celebravam uma festa em homenagem ao menino Jesus, em sua fazenda Pouso Alto e os festejos passaram a reunir tantas pessoas que realizaram um sonho de construir uma igreja, A fundação de Jesúpolis teve duração de mais ou menos 20 anos sendo de 1948 a A expansão desse povoado começou com a vinda dos nordestinos que aqui chegaram e montaram suas casas de comércio. Maria Augusta Barbo Siqueira (71 anos)- Mestre em Pedagogia; professora aposentada da UCG; Fundadora da Associação do Patrimônio Histórico e Cultural de Jaraguá; Fundadora e Diretora do Educandário Maria Betânia em Goiânia. Terezinha Rodrigues Braga Bessa (35 anos) - professora em Jesúpolis, graduada em Filosofia; especialista em Educação Inclusiva; intérprete em libras; estudante do curso de História na UEG de Jaraguá. Depoimento em 31 de agosto/2008. ARQUIVOS/DOCUMENTOS: Arquivo da Associação dos Defensores do Patrimônio Histórico e Cultural de Jaraguá. A História da Criação de Jesúpolis. Prefeitura Municipal de Jesúpolis, s/d. Maria Augusta Barbo Siqueira. Jaraguá: Festa do Divino Uma Festa de Cores e de Fé. Texto, s/d. Serra de Jaraguá. Transformada pela lei número de 13/01/1998 em Parque Ecológico da Serra de Jaraguá, possui 520 metros de altitude e várias trilhas. Manoel Amorim Felix de Souza A Banda que veio do céu. Autor de Baladas Goianas e Rio Vermelho. Desembargador Jaraguense, referindo-se à Banda Stª Cecília de Jaraguá, primeira banda musical do Estado de Goiás, fundada antes de Publicado no Jornal O Popular dia 05/09/99. REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO ALMEIDA, Jaime de. A Festa. Texto, Brasília: UnB, s/d

12 12 AMARAL, Rita. Festa à Brasileira: sentidos do festejar no país que "não é sério". Tese de Doutoramento em Antropologia Social. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, Brasil, no ano de BENJAMIN, Walter. Experiência e Pobreza. In: Obras escolhidas: magia técnica / arte e política. São Paulo: Brasiliense, BERGER, P. O rumor dos anjos: sociedade moderna e a descoberta do sobrenatural. Petrópolis: Vozes, BRANDÃO, Carlos R. Cavalhadas de Pirenópolis. Um estudo sobre representações de cristãos e mouros em Goiás. Goiânia, Oriente, BOSI Ecléia. Memória e Sociedade. Lembrança de Velhos. 3ª ed., São Paulo: Cia das Letras, BRITO, Eleonora Zicari c. de. Sobre o acontecimento discursivo in Tania Navarro Swain (org.) História no Plural. Brasília: Edunb, BURKE, Peter. Abertura: a nova história, seu passado e seu futuro in A Escrita da História Novas Perspectivas. Trad. Magda Lopes. São Paulo: Unesp, CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. (2 vols), Rio de Janeiro, Edições de Ouro, CERTEAU, Michel. A escrita da história; trad. Maria de Lourdes Menezes; ver. Técnica de Arno Vogel 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, A invenção do cotidiano: arte de fazer. Petrópolis: Vozes, DEUS, Maria Socorro de; SILVA, Mônica Martins da. História das festas e religiosidade em Goiás. Goiânia:AGEPEL/UEG,2002. DURKHEIM, Emile. Les formes élémentaires da la vie réligieuse. Paris, PUF, p HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Vértice/ Editora Revista dos Tribunais, HAMÚ, Daura Rios Pedroso. O Lugar do Padre Silvestre na Memória de Jaraguá. In.Freitas, Lúcia Gonçalves de (org) Cenários da Memória e Identidade Goiana: O caso de Jaraguá. Goiânia: AGEPEL, 2004.

13 13 LE GOFF, Jacques. Documento/monumento in Enciclopédia Einaudi. Vol I, Lisboa, Casa da Moeda/Imprensa Nacional, MACHADO, Maria Clara Tomaz. Cultura popular e desenvolvimentismo no interior das Gerais: caminhos cruzados de um mesmo tempo. São Paulo, FFLCH, USP, Pela fé, a representação de tantas histórias. Estudos de História, Franca, v. 7, n. 1, ORLANDI, Eni Pulccinelli. Análise de Discurso. Princípios e procedimentos. Campinas/São Paulo: Pontes, OZOUF, Mona. La fete révolutionnaire Paris, Gallimard, PASAVENTO, Sandra J. Em busca de uma outra história: imaginando o imaginário In Revista Brasileira de História. Representações. Vol. 15, nº 29, São Paulo:Contexto/ANPUH, PENIN, Sonia. Cotidiano e Escola: a obra em construção. 2ª ed., São Paulo: Cortez, REIS, J. J. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, RIBEIRO, Suzana Barreto.Italianos do Brás Imagens e Memórias., São Paulo: Brasiliense, THOMPSON, Paul A voz do passado História oral. Paz e Terra, VALDEZ, Diane. História da infância em Goiás: séculos XVIII e XIX. Goiânia:AGEPEL/UEG WOODWARD, Kathryn Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual in Tomaz Tadeu da Silva (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis/ RJ: Vozes, SIES com. br. Acesso em 06 de agosto/ Acesso em 08 de agosto/2008.

14 14

A música na Folia de Reis

A música na Folia de Reis A música na Folia de Reis A Folia de Reis, de maneira geral, é totalmente embasada em seus hinos, tendo a música uma importância central e indispensável ao ritual. Suas características e toques já são

Leia mais

Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para nosso coração. Quantas belas lembranças evocam à nossa mente!

Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para nosso coração. Quantas belas lembranças evocam à nossa mente! Círculo de Casais - Dirigentes: Abel e Lourdinha Passos Paróquia são Francisco Xavier Niterói RJ 19/12/03 Comentarista: Chegou o Natal! Natal é palavra eletrizante. Natal é palavra de doce harmonia para

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS CANTATA DE NATAL 2015 ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS 1. O PRIMEIRO NATAL AH UM ANJO PROCLAMOU O PRIMEIRO NATAL A UNS POBRES PASTORES DA VILA EM BELÉM LÁ NOS CAMPOS A GUARDAR OS REBANHOS DO MAL NUMA NOITE

Leia mais

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro

www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Encarte e letras disponíveis em www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais esta inovação da MK Music Uma empresa que pensa no futuro Produção executiva: MK Music / Masterização: Max Motta no MK Studio /

Leia mais

Refletir sobre a data comemorativa do natal.

Refletir sobre a data comemorativa do natal. NATAL ducação Infantil Justificativa O ano está acabando e o natal está chegando. É fundamental ressaltar o verdadeiro significado desta data: o natal não é mera troca de presentes, é momento de confraternização,

Leia mais

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura.

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura. A MÚSICA CAIPIRA E A LITERATURA: do imaginário à representação cultural Meire Lisboa Santos Gonçalves Resumo: As manifestações sobre a tradição e cultura caipira e o seu reconhecimento são temáticas muito

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

COMUNIDADE DO TAQUARAL

COMUNIDADE DO TAQUARAL COMUNIDADE DO TAQUARAL Histórico Taquaral, localizada na região da morraria era uma sesmaria, que originou aos primeiros tempos da fundação da então Vila Maria do Paraguai. É um povoado antigo e tradicional,

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR Folclore Mede-se a inteligência de um povo pela sua capacidade de não só ser gente. Nascemos gente ao acaso, ao natural e transformamos em povo na busca perfeita pelas formas, curvas e cores. São as cores

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família TESTEMUNHAS atores e destinatários do projeto catequese/família Os testemunhos partilhados foram recolhidos a partir de um pequeno questionário realizado, no mês de maio de 2012, junto das famílias dos

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA

A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA A INCORPORAÇÃO DE RELATOS ORAIS COMO FONTES NA PESQUISA HISTÓRICA Carla Monteiro de Souza* Em todos os tempos existem homens, eles existem no seu tempo e continuarão a existir enquanto alguém contar a

Leia mais

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 20 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 20 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 20 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) II CICLO B IDADES: 09/10 1. TEMA: Sono e sonhos. PLANO DE AULA 2. OBJETIVO: As crianças deverão

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Banda Marcial faz alas, na escadaria, tocando para acolher a todos até a entrada do salão.

Banda Marcial faz alas, na escadaria, tocando para acolher a todos até a entrada do salão. Dia 21 de novembro uma homenagem especial pelos 150 anos de nascimento de Madre Clélia. Madre Clélia, festeja na eternidade o dom dos 150 anos de vida. Celebrando o dia 21 de novembro Quero que minhas

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 2 CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 3 CATEQUESE 2 - QUEM SOU EU? Documento 1 CATEQUESE

Leia mais

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria Eduardo José Gomes No ano de 2004 nasceu entre mim e o valoroso Irmão Gilmar Fernandes da Silva, da Loja Mensageiros da Liberdade, a idéia da criação de um trabalho

Leia mais

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS PORTEIRINHA - MG MARÇO DE 2002 INTRODUÇÃO Este dossiê contém as informações sobre as três imagens dos Santos Reis, que pertencem a Igreja de Santos

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 Maria e José levaram Jesus a Jerusalém a fim de apresentá-lo ao Senhor Leituras: Genesis 15, 1-6; 21,1-3; Salmo 104 (105), 1b-2, 3.4-5.6.8-9 (R/ 7a.8a); Carta aos

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

O CARTAZ Jesus é a Fonte da água viva Significado do Cartaz

O CARTAZ Jesus é a Fonte da água viva Significado do Cartaz O CARTAZ Jesus é a Fonte da água viva Significado do Cartaz Completando a coleção do quadriênio junto com o término do Planejamento IELB 2014, temos as imagens menores que apontam para os cartazes anteriores.

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA No Ofício dominical e ferial, desde as Vésperas I do Natal do Senhor até às Vésperas I da Epifania do Senhor, a não ser que haja hinos próprios: HINOS Vésperas Oh admirável

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus.

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus. Anexo 2 Primeiro momento: contar a vida de Jesus até os 12 anos de idade. Utilizamos os tópicos abaixo. As palavras em negrito, perguntamos se eles sabiam o que significava. Tópicos: 1 - Maria e José moravam

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos,

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, PASCOM A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, t e x t o s e i d é i a s p a r a a s matérias! Nossa Senhora da Penha, que sabe o nome de cada

Leia mais

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA

Nº 8 - Mar/15. PRESTA atenção RELIGIÃO BÍBLIA SAGRADA SAGRADA Nº 8 - Mar/15 PRESTA atenção RELIGIÃO! BÍBLIA Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! vai tratar de um assunto muito importante: Religião. A fé é uma questão muito pessoal e cada

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém,

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém, Data: 13/12/2015 Texto Bíblico: Lucas 2:7; 8-20 e Mateus 2:1-12 Versículo para memorizar: Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu único Filho, para que todo aquele que Nele crê não morra,

Leia mais

Começando pela realidade da assembléia, antes de mais nada é preciso perguntar-se: Qual a realidade desta comunidade reunida?

Começando pela realidade da assembléia, antes de mais nada é preciso perguntar-se: Qual a realidade desta comunidade reunida? Agora você vai conhecer dicas indispensáveis para o ministério de música no serviço à liturgia. Mas as orientações aqui apresentadas não dispensam as observações do celebrante. É ele quem preside e, por

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Ciclo da vida. Biologia celular. Populações. Finitude. Temporalidade. Liberdade. Determinismo. Ética. O sagrado.

CONCEITOS A EXPLORAR. Ciclo da vida. Biologia celular. Populações. Finitude. Temporalidade. Liberdade. Determinismo. Ética. O sagrado. CONCEITOS A EXPLORAR H istória Conteúdos e conceitos. Historicidade. Mudança, transformação, simultaneidade e permanência. Alteridade, diversidade e respeito pela diferença. Cultura, sociedade, relação

Leia mais

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913

Rudolf Steiner. Londres, 2 de Maio de 1913 Rudolf Steiner Londres, 2 de Maio de 1913 O Mistério do Gólgota é o mais difícil de se compreender de todos os Mistérios, mesmo para aqueles que alcançaram um estágio avançado no conhecimento oculto. Entre

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Arte e Arquitetura Sacra

Arte e Arquitetura Sacra Arte e Arquitetura Sacra A história da Festa do Divino, considerada uma das festas de caráter popular mais antigas do Brasil, tem a sua origem nas festas religiosas da Europa, mais especificamente na tradição

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

O Espírito de Religiosidade

O Espírito de Religiosidade O Espírito de Religiosidade Pr. Alcione Emerich Como vive um Cristão Salvo contaminado ou infectado pelo Espírito de Religiosidade Hoje será um Culto de Libertação, vamos quebrar esta maldição em nossas

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

EXISTE O INFERNO? Introdução

EXISTE O INFERNO? Introdução EVANGELISMO PESSOAL EXISTE O INFERNO 1 EXISTE O INFERNO? Introdução A. Um dos temas religiosos mais carregados de emoção é o tema do Inferno. Que sucede depois da morte física? Há algo mais além do túmulo

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre.

]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt. Nossas ações durante o ano de 2013. Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. Leitura livre. ]ÉÜÇtÄ wt XávÉÄt Informativo Anual das ações da ESCOLA MUNICIPAL DR. ANTÔNIO RIBEIRO. ANO 2013-1ª EDIÇÃO A equipe gestora está sempre preocupada com o desempenho dos alunos e dos educadores, evidenciando

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

TEXTO BÍBLICO: Lucas 9, 51-52

TEXTO BÍBLICO: Lucas 9, 51-52 LECTIO DIVINA Domingo 27 de Junho de 2010 13º Domingo do Tempo Comum Ano C A tua palavra é lâmpada para guiar os meus passos, é luz que ilumina o meu caminho. Salmo 119,105 Os samaritanos não recebem TEXTO

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

PROJETO solidário nacional em costa canal

PROJETO solidário nacional em costa canal PROJETO solidário nacional em costa canal Nelda Venturín, odn Rede de Coordenação Pastoral Colégios Companhia de Maria Argentina A experiência se desenvolve nos seis Colégios da Companhia de María na Argentina

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

MURAL DEZEMBRO 2015. Compromisso NATAL SOLIDÁRIO. O Natal está chegando e nessa data não podemos esquecer de ajudar quem precisa!!

MURAL DEZEMBRO 2015. Compromisso NATAL SOLIDÁRIO. O Natal está chegando e nessa data não podemos esquecer de ajudar quem precisa!! Compromisso NATAL SOLIDÁRIO O Natal está chegando e nessa data não podemos esquecer de ajudar quem precisa!! Todos os anos os Correios fazem uma ação muito bacana para que as crianças carentes possam ter

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais