Um Sistema Web para Gerenciamento de Assistência Técnica com Suporte a Smartphones

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Sistema Web para Gerenciamento de Assistência Técnica com Suporte a Smartphones"

Transcrição

1 Um Sistema Web para Gerenciamento de Assistência Técnica com Suporte a Smartphones Luiz Guilherme Bon Ami Teixeira 1, Edson A. Oliveira Junior 2 Resumo. Sistemas de informação são ferramentas fundamentais para automatizar e proporcionar maior agilidade nos processos de uma organização. Em alguns casos é necessário que as informações possam ser acessadas e gerenciadas remotamente por meio de navegadores Web ou dispositivos móveis. Portanto, é fundamental a existência de sistemas que permitam a interação da Web com tecnologias móveis como, por exemplo, no ramo de assistência técnica. Assim, este artigo apresenta o desenvolvimento de um sistema Web para o gerenciamento de solicitações de assistência técnica referente a computadores e peças relacionadas. O sistema foi desenvolvido para a Web usando a tecnologia Java EE 6 e a plataforma Android que proporciona uma interação com tal sistema por meio de um smartphone. Palavras-chave: Android, Aplicação Mobile, Assistência Técnica, Chamados, Java, Sistema Web. Abstract. Keywords: The use of information systems is a fundamental tool to automate and provide greater agility in an organization processes. It is usually necessary that the information can be accessed and managed remotely through web browsers or mobile devices. Therefore, it is essential to have systems that allow interaction between Web technologies and mobile as, for instance, in the field of technical assistance. Thus, this paper presents the development of a Web system for managing repair services for computers and related parts. The system was developed for the Web by using the Java EE 6 platform and Android for providing one interaction with such a system via a smartphone. Keywords: Android, Java, Mobile Application, Repair Service, Technical Assistance, Web System. 1. Introdução Um dos principais desafios da empresa Click Informática situada em Francisco Alves PR é gerenciar a demanda de solicitações de assistência técnica referente a 1 Aluno do curso de especialização em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá (UEM) - Av. Colombo, 5790 Bloco C56 Maringá PR Brasil 2 Departamento de Informática Universidade Estadual de Maringá (UEM) - Av. Colombo, 5790 Bloco C56 Maringá PR Brasil - 1

2 computadores, com qualidade e no menor tempo possível. Visto que a empresa mesmo adotando certas tecnologias não as utiliza para esse fim, atualmente adota processos manuais e obsoletos. Com isso, muitos dos registros das solicitações acabam sendo esquecidos e não atendidos, provocando demora e insatisfação dos clientes. A empresa não possui nenhum sistema para tal gerenciamento e não disponibiliza para os clientes nenhum meio para acompanhar em que situação encontra-se a solicitação realizada. Nesse caso é importante que exista uma interação entre a empresa e seus clientes por meio de um sistema, por meio do qual que o cliente pode acompanhar o andamento da solicitação realizada podendo, assim, saber em que o momento foi concluído o serviço contratado. Além disso, o cliente não precisará efetuar ligações e nem se deslocar até a empresa para saber como está o andamento do serviço solicitado. Este artigo apresenta um sistema Web que tem como finalidade atender às necessidades da empresa, centralizando e gerenciando as solicitações de assistência técnica. Uma aplicação para smartphones também foi desenvolvida para permitir ao cliente acompanhar suas solicitações. Este artigo está organizado da seguinte forma: a Seção 2 apresenta as tecnologias adotadas para o desenvolvimento do sistema proposto; na Seção 3 é apresentado o sistema Web desenvolvido para gerenciar solicitações de assistência técnica, a aplicação mobile e as suas respectivas arquiteturas; a Seção 4 apresenta as lições aprendidas e, a Seção 5 apresenta as conclusões e direções para trabalhos futuros. 2. Tecnologias Adotadas Esta seção apresenta os conceitos fundamentais sobre as tecnologias utilizadas no desenvolvimento do sistema proposto Java Server Faces (JSF) Java Server Faces (JSF) [1] é uma especificação que foi definida por meio do Java Community Process (JCP) [2], uma entidade que tem como objetivo especificar a evolução da linguagem Java de acordo com o interesse do mercado e não apenas da empresa que detém a sua patente. O JSF é um framework de componentes para desenvolvimento Web em Java [3]. Sua arquitetura é baseada no padrão MVC (Model-View-Controller), onde a aplicação é dividida em três camadas: modelo, visão e controlador. O modelo é a camada responsável por fornecer ao controlador o acesso aos dados e representar os objetos de negócio. A Visão é responsável pela interface gráfica com o usuário e controla como os dados são apresentados na tela. Além disso, a visão tem a função de encaminhar as ações do usuário para o controlador. O controlador tem a responsabilidade de realizar a ligação entre o modelo e a visão: interpretam as ações recebidas pela camada de visão, traduz em uma operação para o modelo e por fim retorna uma visualização referente à solicitação [5]. O controle do JSF é realizado por meio de um Servlet chamado Faces Servlet, por um conjunto de manipuladores de ações, observadores de eventos e por arquivos de configuração em XML (extensible Markup Language). O Faces Servlet é a parte responsável por receber todas as requisições realizadas pelos usuários e redirecioná-las para o modelo que, então, retorna uma resposta. Os manipuladores de eventos recebem os dados da camada de visão, acessam o modelo e retornam dados utilizando o Faces 2

3 Servlet. Os arquivos de configuração são responsáveis pelo mapeamento das ações e pela definição das regras de navegação [5]. A camada de visualização do JSF é composta por uma hierarquia de componente onde é possível unir os componentes parar formar as interfaces. Os principais componentes são: formulários, campos de texto, links, botões, painéis, tabelas de dados e campos de senha [4]. Uma das vantagens de JSF é a possibilidade de empresas investirem no desenvolvimento de componentes para tal framework. Esses componentes são recursos adicionais aos padrões definidos pela especificação. Algumas bibliotecas de componentes mais populares são: RichFaces da JBoss, ICEFaces da ICESoft e PrimeFaces [3] O Container Tomcat O Tomcat [6] é um container Web baseado em Java. Foi desenvolvido em código aberto seguindo o projeto Apache Jakarta [7]. Contudo, está sendo mantido como um projeto separado da Apache [8] onde é apoiado e aprimorado por um grupo de desenvolvedores voluntários da JCP. O Tomcat suporta a execução de tecnologias como Java Servlet [9] e Java Server Pages (JSP) [10]. O Tomcat é estável e pode ser utilizado mesmo em um ambiente em produção. Também fornece suporte à tecnologias de apoio relacionadas como: Realms e segurança, JNDI Resources e JDBC Data Sources [11] Hibernate O Hibernate [12] é uma das soluções de Mapeamento Objeto-Relacional (Object Relational Mapping - ORM) existentes no mercado. Pertencente ao grupo JBoss [14], é um framework de código aberto apoiado pela especificação Java Persistence API (JPA) [15]. O Hibernate facilita o desenvolvimento de aplicações que realizam consultas a bancos de dados, evitando o uso de código Structured Query Language (SQL), permitindo o uso de um código SQL-like, chamado Object Query Language (OQL) [13]. A utilização do Hibernate faz com que o programador não se preocupe tanto com as entidades do banco de dados e atente mais para o modelo de objeto e seus comportamentos. O Hibernate também evita que sejam escritos códigos repetidos que tem a mesma funcionalidade, por exemplo, de realizar operações como inserts, selects, updates e deletes em um banco de dados. Além disso, é possível definir buscas complexas em objetos [16]. A configuração do Hibernate é feita com um arquivo XML, geralmente com o nome hibernate.cfg.xml. Nesse arquivo é possível definir qual a configuração do banco de dados a ser utilizada e as suas propriedades, tais como, usuário, senha e ativação da opção para que sejam criadas as entidades do banco de dados automaticamente. Além disso, existe a opção de depuração, como apresentar o código OQL que está gerando. O Hibernate permite usar um sistema de cache de informações, aumentando assim o desempenho das aplicações [16]. 3

4 2.4 MySQL MySQL [17] é um Sistema Gerenciador de Bancos de Dados (SGBD) relacional que utiliza a linguagem padrão SQL. O MySQL é um SGBD já consolidado sendo um dos mais populares SGBDs com código-fonte aberto [18]. O MySQL á uma opção interessante, pois mesmo possuindo uma tecnologia complexa de um banco de dados, seu custo não é elevado. Atualmente, é executado em mais de 20 plataformas incluindo Linux, Windows, Mac Os e IBM, oferecendo uma grande flexibilidade [18]. Destaca-se por suas características de desempenho, escalabilidade e confiabilidade, fazendo com que seja adotado por departamentos de Tecnologia da Informação (TI), desenvolvedores Web e fornecedores de pacotes de softwares [19]. Atualmente, o MySQL é utilizado por empresas renomadas, dentre as quais: a Google, Facebook, Adobe, Yahoo e NASA [18]. 2.5 Spring-Security O Spring-Security [20] é um framework de controle de acesso a dados, facilmente configurável, desenvolvido em Java e de código aberto que visa facilitar o desenvolvimento em Java Enterprise Edition (EE) ao tratar segurança. Esse framework permite as suas configurações em um único arquivo XML, dispensando configurações do container Web utilizado, disponibilizando a aplicação desenvolvida em um arquivo Web Archive (WAR) com suas próprias configurações [21]. O Spring-Security utiliza roles (papéis), para definir a segurança. Assim, a aplicação não precisa de métodos específicos para realizar a autenticação ou autorização do usuário, sendo configurado por meio de arquivo XML. A configuração do framework não é complexa, pois simplesmente são declarados quais são os roles envolvidos. Por exemplo, em uma aplicação pode existir o ROLE_ADMINISTRADOR e o ROLE_USUARIO. Com base nisso, pode-se definir quais os recursos que serão protegidos e quais roles podem acessar cada recurso. Além disso, declara-se como a autenticação será feita [21]. A Figura 1 apresenta um exemplo de um arquivo XML de configuração do Spring-Security. 4

5 Figura 1: Arquivo de configuração do spring security. A seguir são descritas as funcionalidades das principais marcações utilizadas no arquivo de configuração apresentado pela Figura 1 [3]: <http> - sua função é realizar o agrupamento das configurações referentes ao contexto Web do sistema; <intercept-url> - define quais páginas ou diretórios serão seguros, onde o atributo pattern indica a URL a ser protegida e o atributo access os nomes das permissões que terão acesso ao recurso; <form-login> - configura o funcionamento da página de login. Seus atributos têm as seguintes funcionalidades: o definir a URL da página de login do sistema; o ativar o redirecionamento para página de inicial caso o usuário não esteja logado; o definir a URL a ser apresentada após o login; e o definir a URL caso o login não seja realizado com sucesso. <logout> - habilita o recurso de logout para o sistema; <remember-me> - habilita o recurso de login automático; e <autentication-provider> - indica ao Spring Security, quais são os usuários válidos do sistema e suas respectivas permissões. Em conjunto pode ser utilizado o elemento <jdbc-user-service> que permite declarar instruções SQLs que fornecem os dados que o Spring necessita, para realizar autenticação. 5

6 2.6 RESTEasy Com a grande utilização de Web Services com a arquitetura RESTFull [22], foi criada a especificação JAX-RS [23], que tem como foco o uso de classes Java e anotações, para que o desenvolvedor não precise se preocupar com detalhes específicos da plataforma. Um exemplo disso é a implementação dos métodos GET e POST da classe abstrata HttpServlet. A especificação oferece uma forma interessante para a criação de serviços baseados no modelo arquitetural da Web. As principais implementações desta API são: o Jersey que é uma implementação de referência, o JBoss RESTEasy e o Apache CXF [24]. O RESTEasy [25] é a implementação da especificação JSR-311 [26]. Com ele é possível desenvolver serviços RESTFull.,pois permite o mapeamento de requisições HTTP por meio das anotações do JAX-RS. Geralmente, as implementações JAX-RS oferecem um diferencial com relação à especificação [24]. O RESTEasy tem suporte à diversos formatos utilizados na Web, permitindo variar a representação dos recursos disponibilizados pelo web service. Em alguns casos, é necessário escolher o provedor de um determinado formato, por exemplo, entre Jettison e o Jackson para a geração do corpo HTTP no formato JSON. Além disso, a API já conta com suporte à FastInfoSet, YML, XML e JSON [24]. A Figura 2 representa uma classe Java com um exemplo de para disponibilizar o recurso no formato XML. Figura 2: Anotação do RESTEasy. 2.7 Sistema Operacional Android Android SDK O sistema operacional Android [27] é o resultado da união de várias empresas de tecnologia e mobilidade, que tem como objetivo definir uma plataforma única, aberta, com foco na usabilidade e na tecnologia. Tal plataforma busca atender às novas tendências do mercado. O Android possui uma arquitetura flexível capaz de integrar 6

7 aplicações desenvolvidas com as aplicações nativas. Uma característica importante do Android é o fato de ser baseado no kernel 2.6 do Linux, que é o responsável por gerenciar os recursos de hardware como memória, processos, threads, segurança dos arquivos e pastas, além da conectividade e dos drivers [28]. O desenvolvimento de aplicações para o Android é realizado por meio do Android- SDK (Software Development Kit) escrito em Java. O Android-SDK possui um conjunto de bibliotecas para desenvolvimento, aplicativos para compilação e geração dos executáveis, um emulador do sistema operacional. Além disso, foi incluído o Android Virtual Device (ADV) que é um gerenciador dos simuladores Android, com o qual é possível criar um simulador em qualquer versão da plataforma e definir algumas características de hardware como: quantidade de memória, processador e suporte ao teclado [28]. 2.8 Spring for Android 1.0 O Spring for Android 1.0 [29] é uma extensão do Spring Framework, que tem como objetivo simplificar o desenvolvimento de aplicativos Android. A classe RestTemplate é o núcleo do Spring for Android, pois é responsável por fornecer os métodos de retorno e pela configuração do HttpMessageConverter, usado para empacotar os objetos no corpo da requisição HTTP e desempacotar a reposta de volta para os objetos. Assim, é possível implementar um cliente REST para realizar as requisições HTTP RESTFull em aplicações desenvolvidas para Android [30]. 3. O Sistema Web Proposto para Gerenciamento de Assistência Técnica Esta seção apresenta o sistema desenvolvido para apoiar o gerenciamento de solicitações de assistência técnica a computadores, com auxílio de smartphones. O sistema proposto tem como finalidade registrar e organizar esses chamados evitando, assim, a descentralização das informações. As subseções a seguir apresentam a descrição geral da empresa para a qual o sistema foi desenvolvido, como funciona o registro das solicitações atualmente, a modelagem do sistema Web e a modelagem da aplicação mobile que proporciona à interação com o sistema Web. 3.1 Descrição Geral da Empresa A Click Informática é uma empresa que presta serviços de assistência técnica a computadores em geral, situada no município de Francisco Alves PR, há mais de dez anos. Atualmente, conta com três técnicos especializados para realizar as manutenções nos computadores, sendo que um deles tem a função de atender as solicitações externas. Mesmo sendo um município pequeno, a empresa tem uma demanda alta de solicitações por dia, pois presta serviços à repartições públicas como: prefeitura, câmara de vereadores, hospital, posto de saúde e escolas da cidade. 3.2 Registros das solicitações O sistema tem como principal objetivo registrar e organizar de forma centralizada as solicitações de assistência técnica da empresa. Atualmente, a empresa utiliza um simples formulário impresso e preenchido manualmente para registrar as informações referentes às solicitações. Com isso, ocorrem algumas situações críticas para a empresa, por exemplo, falha no registro da 7

8 solicitação, registro em mais de um local, perda e não atendimento das solicitações provocando, desse modo, demora e insatisfação dos clientes. A Figura 3 apresenta o formulário impresso utilizado atualmente, para registrar as solicitações. Figura 3: Formulário impresso de registro das solicitações usado atualmente. O formulário de registro apresentado na Figura 3 possui as seguintes informações: DATA DO CHAMADO que é a coluna utilizada para informar a data no momento que a solicitação foi realizada; NOME onde é informado o nome do cliente; SOLICITAÇÃO (serviço) que apresenta uma pequena lista dos serviços mais comuns e um espaço em branco para informar o serviço que não constar na lista. Dessa forma, o técnico assinala com um X no serviço desejado. A coluna FASE DO SERVIÇO apresenta uma lista de possíveis estados que se pode encontrar a solicitação; e a ultima coluna DATA FIM DOS PROCEDIMENTOS é utilizada para informar a data de conclusão da solicitação. 3.3 Modelagem do Sistema Desenvolvido A Figura 4 apresenta o diagrama de casos de uso do sistema desenvolvido. 8

9 Figura 4: Digrama de casos de uso do sistema desenvolvido. No diagrama apresentado na Figura 4, existem quatro atores que interagem com o sistema. O ator Usuário Web, primeiramente, realiza o caso de uso Cadastrar Usuário por meio de um formulário Web onde deve informar os dados solicitados. Nesse formulário é solicitado um login e uma senha, que serão fundamentais para utilizar o sistema. Depois de cadastrado, o usuário poderá Gerenciar Endereços. Nesse caso de uso ele informa endereços adicionais e realiza a principal função que será o caso de uso Efetuar Solicitação onde informa os dados solicitados para iniciar uma solicitação de assistência técnica. O ator Técnico Web estende Usuário Web podendo, assim, realizar os mesmos casos de uso que foram descritos anteriormente com um diferencial: no Efetuar Solicitação onde poderá escolher para qual usuário a solicitação será aberta. Também pode Gerenciar Solicitações que será o seu principal objetivo dentro do sistema onde é possível realizar todo o gerenciamento das solicitações que foram realizadas pelos usuários. Nesse caso de uso, em específico, é possível fazer as alterações necessárias nas solicitações como, por exemplo, atualização do Status da solicitação podendo variar entre: ABERTO, ANALISANDO, EM DESENVOLVIMENTO, CONCLUIDO e CANCELADO. O técnico também pode Enviar Mensagens entre Técnicos e Administradores. O ator Administrador Web estende Técnico Web que, por sua vez, estende Usuário Web. Sendo assim, o Administrador Web pode realizar todos os casos de uso já descritos. Além disso, tem a opção de Gerenciar Usuário onde é possível excluir, alterar, ativar/desativar e atribuir permissões aos usuários. Também pode Gerenciar Serviço que será utilizado para cadastro dos serviços e Gerenciar Peças que será utilizado para o cadastro das peças. Os serviços e peças cadastrados ficarão disponíveis para serem utilizados nas solicitações. O ator Usuário Mobile é a aplicação desenvolvida para o sistema operacional Android que proporciona o suporte para os usuários que possuem um SmartPhone com a aplicação instalada. Esse usuário pode Consultar Status REST que tem a função de retornar para o Usuário Mobile a situação que se encontra o Status da sua ultima solicitação e Consultar Histórico REST que tem a finalidade de retornar o histórico das solicitações já realizadas. 9

10 Com base no diagrama de caso de uso apresentado na Figura 4, foram propostos dois diagramas de classes que demonstram as estruturas do projeto. A Figura 5 apresenta o diagrama de classes do sistema Web e a Figura 6 apresenta o diagrama de classes da aplicação mobile. Figura 5: Digrama de classes sistema web. Analisando o diagrama de classes apresentado na Figura 5, volta-se que a classe Solicitação é considerada a principal do sistema, pois relaciona as demais, que serão fundamentais para realizar o registro e controle das solicitações. Pode-se observar que a classe Usuário está associada à classe Usuario_Permissao que é utilizada para definir as permissões dos usuários no sistema. Os usuários que possuem permissões de administrador e técnico podem enviar mensagens entre eles, por conta disto, existe uma associação estre Usuário e Mensagem. As classes Consulta_Status_REST e Consulta_Historico_REST são muito importantes, pois disponibilizam os recursos de web service que serão utilizados pela aplicação mobile. 10

11 Figura 6: Digrama de classes aplicação mobile. Analisando o diagrama de classes apresentado na Figura 6, observa-se que a principal classe do diagrama é a ConsultaRestActivity, a qual concentra toda a lógica da aplicação mobile. Possui dois métodos de suma importância: o método consultarstatus(string URL) que recebe como parâmetro a URL que contem o login do usuário e utiliza-se da classe Status para construir o retorno obtido pelo web service do sistema Web. Feito isso, é apresentada uma resposta ao usuário utilizando-se a classe TelaStatus e o método consultahistorico(string URL) que tem a mesma rotina que o consultastatus(string URL), mas utilizando as classes Historico e TelaHistorio. O que os diferencia é o tipo de retorno, sendo que para o primeiro método é uma String e para o segundo, uma List que contém o histórico das solicitações feitas pelo usuário. 3.4 Arquitetura do Sistema Web Para o desenvolvimento do sistema Web proposto foi utilizado o padrão Model- View-Controller (MVC). Esse padrão é utilizado para facilitar a manutenção do sistema, pois as regras de negócio do sistema ficam isoladas da camada de visão. A Figura 7 apresenta o mapeamento objeto-relacional utilizando o Hibernate para a classe Usuario como exemplo de elemento da camada de modelo. 11

12 Figura 7: Mapeamento objeto-relacional da classe usuario utilizando Hibernate. Pode-se observar na Figura 7 a presença de anotações (annotations) que são utilizadas para realizar o mapeamento. A tem a função de definir que a classe mapeada é uma entidade do banco de dados, define que o atributo código será a chave primária da informa a estratégia de geração da chave primária, que nesse caso será gerada é utilizada quando existe a necessidade de definir os detalhes para cada atributo como nome e tamanho máximo. Existe também a presença da que especifica um relacionamento 1:n com a entidade Endereco. A Figura 8 apresenta a camada de persistência de dados onde foi utilizado o padrão de projeto: Data Access Object (DAO) [31]. O principal objetivo desse padrão é separar a camada de acesso de dados das regras de negócio. Uma vantagem dessa abordagem é que a camada de negócio não precisará se preocupar em como fazer a conexão com o banco de dados ou realizar a leitura ou gravação de um arquivo, pois para fazer essas operações somente será necessário solicitar para camada de acesso a dados. É possível observar que a classe apresentada na Figura 8 implementa a interface UsuarioDAO que contém apenas as assinaturas dos métodos referentes às operações em banco de dados, como os métodos sobrescritos que executam as operações de salvar e atualizar. Nota-se também a existência de uma Session, por meio da qual foi possível fazer com que as operações do Hibernate chegassem ao banco de dados. 12

13 Figura 8: Persistência de dados A Figura 9 apresenta a camada de regras de negócio. Essa camada acessa diretamente a camada de acesso aos dados (Data Access Object - DAO), e decide o que deve ser gravado no banco de dados ou quais informações devem ser recuperadas. O método salvar é um exemplo de regra de negócio implementada na classe apresentada na Figura 9, onde ao salvar um novo usuário é definida uma permissão por padrão. Figura 9: Regras de negócio 13

14 Na camada de visão foi utilizado o framework JSF, que facilita o desenvolvimento Web. O primeiro passo para iniciar o desenvolvimento usando o JSF é a criação da classe Bean, conhecida também como Backing Bean que é uma classe Java normal (Plain Old Java Object - POJO). A classe Bean tem como responsabilidade apoiar todo o funcionamento das páginas JSF separando, assim, as regras de funcionamento da página e do layout [3]. Na Figura 10 é possível observar a responsável por realizar o mapeamento entre as classes Bean e as páginas (.xhtml) para que possam ter acesso às propriedades e aos métodos. A utilização indica o tipo de escopo do Bean que mantém os dados do Bean em memória mesmo que a página seja trocada. Figura 10: Backing Bean referente ao usuário. A Figura 11 apresenta a página (.xhtml) do cadastro de usuários, na qual foram utilizados os componentes do JSF em com conjunto com os componentes do Prime faces, que é uma biblioteca de componentes JSF customizados. Para realizar a ligação dos componentes da página com a classe Bean são utilizadas as expressões UEL (Unified Expression Language), um exemplo desta encontra-se na linha 28 da Figura 11, onde o atributo value do componente recebe: #{usuariobean.usuario.nome}. As demais páginas do sistema funcionam da mesma maneira. 14

15 Figura 11: Página (.xhtml) do cadastro de usuários A Figura 12 apresenta a tela para a criação de uma nova solicitação, a qual apresenta, por padrão, uma barra de menu que contem os botões necessários para cada tipo de usuário. Esse menu é montado levando em consideração as regras definidas no Spring Security, portando, somente serão apresentados os botões específicos para cada tipo de permissão. Nessa tela é necessário escolher para qual cliente está sendo aberta a solicitação; informar a descrição do problema; o que será necessário salvar referente aos dados do cliente informado por ele; selecionar o serviço e, caso o cliente solicite ou precise trocar alguma peça, também pode ser informado. Para finalizar a solicitação, basta dar um clique no botão Salvar. Figura 12: Tela para criar uma nova solicitação. 15

16 A Figura 13 mostra a tela para gerenciar solicitações, referente à permissão de acesso de técnico. Nela o técnico tem como principal objetivo realizar todo o gerenciamento dos chamados que foram solicitados pelos usuários e fazer alterações conforme a necessidade. Pode-se observar a presença de vários ícones que têm as funcionalidades de alteração do Status da solicitação, como foi descrito anteriormente no caso de uso Gerenciar Solicitações. 3.5 Arquitetura da Aplicação Mobile Figura 13: Tela do gerenciar de solicitações. A arquitetura da aplicação mobile é bem simples e funciona exatamente como foi descrito no diagrama de classes da Figura 6. A Figura 14 apresenta a implementação da classe ConsultaRestActivity, que concentra toda a lógica de negócio da aplicação. Pode-se observar a utilização de componentes específicos do Android como EditText e o Spinner, que foram usados como variáveis para armazenar os dados que o usuário digitar ou selecionar. O EditText foi utilizado para o login e o Spinner para o tipo de consulta. Existe também um button que ao ser pressionado realiza a consulta ao web service do sistema, utilizando a variável urlpadrao que contém o endereço do servidor. A Figura 15 faz parte da classe ConsultaRestActivity, que apresenta o método consultarstatus(string Url), que utiliza a classe RestTemplate do framework Spring for Android para criar um client e realizar a requisição ao web service do sistema Web. 16

17 Figura 14: Classe ConsultaRestActivity. Figura 15: Método consultarstatus As Figuras 16 e 17 apresentam a aplicação mobile em funcionamento no emulador Android. A Figura 16 é a tela de consulta da aplicação, onde o usuário informa seu login e o tipo de consulta. A Figura 17 apresenta a resposta referente à consulta do status do último chamado do usuário. 17

18 Figura 16: Tela de consulta da aplicação mobile em um emulador Android. Figura 17: Tela de resposta da aplicação mobile em um emulador Android. 18

19 4. Lições Aprendidas 4.1 Uso do Java Server Faces (JSF) O JSF teve um papel importante para o desenvolvimento da interface gráfica do sistema por ser um framework de componentes para o desenvolvimento Web. JSF foi utilizado em conjunto com o Prime Faces que são os componentes JSF customizados. Com essa união foi possível construir as páginas dinâmicas do sistema. Um componente que merece destaque é o Data Table do Prime Faces que, com algumas configurações simples, possibilitou especificar métodos de ordenação e de pesquisa na própria tabela. O JSF conta com um recurso bem interessante, a navegação implícita, que facilita muito a configuração e navegabilidade entre as páginas. Para utilizar-se deste recurso basta informar o nome da página de destino ou informar o caminho completo da página que deseja ser redirecionado, por exemplo, /publico/usuário.xhtml. Isso facilita muito a organização arquitetural da aplicação Web. 4.2 Adoção do Spring Security A utilização do Spring Security proporcionou agilidade para implementar a segurança do sistema Web, pois foram definidos os papéis (roles) dos usuários para o sistema, que são ROLE_ADMINISTRADOR, ROLE_TECNICO e ROLE_USUARIO. Para isso, foi necessário criar uma pasta para colocar as páginas Web referentes à cada tipo de usuário. Por fim, foram definidos no arquivo XML quais roles tinham acesso à cada pasta e cada recurso disponível no sistema, facilitando a definição do papel de cada novo usuário no sistema. Por padrão, ao realizar um novo cadastro o sistema já define automaticamente que esse usuário será do tipo ROLE_USUARIO, o qual poderá ser alterado, caso o usuário venha a ser um técnico ou mesmo um administrador. 4.3 Adoção da Plataforma Android A utilização da plataforma Android para desenvolver a aplicação que disponibiliza suporte a smartphones foi fundamental, pois sua codificação é feita na linguagem Java, a mesma utilizada para desenvolver o sistema Web. Portanto, não foi necessário aprender uma nova linguagem para implementar a aplicação mobile. O Android utiliza arquivos XML para criar o layout das telas, com um plugin disponível para Eclipse [32], o qual permite editar esses arquivos graficamente. Além disso, o Android apresenta uma paleta com os componentes que podem ser arrastados para a tela, facilitando o processo de desenvolvimento da aplicação. É importante destacar que a utilização do framework Spring for Android simplificou o método responsável por fazer as requisições ao web service do sistema Web. 5. Conclusões e Trabalhos Futuros Este artigo apresentou o desenvolvimento de um sistema Web para controle de solicitações de assistência técnica à computadores e o desenvolvimento de uma aplicação mobile utilizando a plataforma Android, que proporcionou integração com o sistema Web por meio de smartphones. Apesar de ser um sistema relativamente simples, proporciona grandes benefícios para a empresa, sendo: agilidade, organização e segurança. O próprio usuário pode realizar a abertura de um chamado no sistema e, em um segundo momento, consultar a 19

20 situação em que se encontra a sua solicitação por um dispositivo móvel. Isso permite maior interação entre os usuários, técnicos e administradores. Assim, o sistema contribui diretamente para um melhor atendimento das solicitações, fazendo com que o usuário fique satisfeito com o serviço e aumentando a credibilidade da empresa. Como direção para possíveis trabalhos futuros tem-se: (i) a necessidade de melhorar o suporte ao smartphone, disponibilizando para o usuário a possibilidade de realizar a abertura de solicitações e, para o técnico, a possibilidade de gerenciamento as solicitações; (ii) implementar o controle financeiro referente as solicitações e o controle de estoque referente às peças utilizadas nas solicitações e. (iii) analisar se o sistema atende outras empresas do mesmo ramo de atividade e disponibilizar o sistema como um serviço. Agradecimentos Primeiramente a Deus, por ter me dado forças para conclusão deste trabalho. Aos meus pais, Luiz Augusto e Fatima, que sempre me incentivaram. Ao meu orientador Professor Dr. Edson A. Oliveira Junior, pelo apoio, incentivo e grande auxílio no desenvolvimento deste trabalho. Referências Bibliográficas [1] Java Server Faces Technology: Disponível em: <http://www.oracle.com/technetwork/java/javaee/javaserverfaces html>. Acesso em: 31 Out [2] Java Community Process: Disponível em: <http://www.jcp.org/en/home/index>. Acesso em: 31 Out [3] LUCKOW, D. H.; MELO A. A. Programação Java para Web, São Paulo: Novatec, 2010 [4] HORSTMANN, CAY; GEARY, DAVID Core JavaServer Faces, 3ª ed, Boston - USA: Prentice Hall, 2010 [5] SIERRA, KATHY; BASHAM, BRYAN. Use a Cabeça! Servlets & JSP, São Paulo: Alta Books, 2008 [6] Tomcat: Disponível em: <http://tomcat.apache.org/>. Acesso em: 03 Nov [7] Apache Jakarta: Disponível em: <http://jakarta.apache.org/>. Acesso em: 03 Nov [8] Apache: Disponível em: <http://www.apache.org/>. Acesso em: 03 Nov [9] Java Servlet Technology: Disponível em: <http://www.oracle.com/technetwork/java/index-jsp html>. Acesso em: 03 Nov [10] JavaServer Pages Technology: Disponível em: <http://www.oracle.com/technetwork/java/javaee/jsp/index.html>. Acesso em: 03 Nov [11] VUKOTIC, Aleksa; GOODWILL, James. Apache Tomcat 7, New York City: Apress, 2011 [12] Hibernate: Disponível em: <http://www.hibernate.org/>. Acesso em: 03 Nov [13] CAELUM, Java para desenvolvimento Web FJ-21: Disponível em: <http://www.caelum.com.br/download/caelum-java-web-fj21.pdf>. Acesso em: 03 Nov [14] JBoss: Disponível em: <http://www.jboss.org/>. Acesso em: 03 Nov [15] Java Persistence API (JPA): Disponível em: <http://www.oracle.com/technetwork/articles/javaee/jpa html>. Acesso em: 03 Nov

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Luis Gustavo Zandarim Soares 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paraná PR Brasil luisgustavo@live.co.uk,

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Ricardo R. Lecheta. Novatec

Ricardo R. Lecheta. Novatec Ricardo R. Lecheta Novatec Copyright 2015 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

PROJETO FINANCEIROWEB GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROJETO FINANCEIROWEB GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO FINANCEIROWEB GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROFº.: FABRICIO LEONARD PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS - MÓDULO V - GOIÂNIA - JUNHO ELABORAÇÃO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM MARÇO / 2015 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA ANALISTA DE SUPORTE 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges

TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges Versão 1.0 TUTORIAL SPRING SECURITY PROGRAMAÇÃO COM FRAMEWORKS Responsáveis: Ana Luíza Cruvinel, Maikon Franczak e Wendel Borges Data: 01/12/2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É SPRING SECURITY?...

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Programação Java para a Web Décio Heinzelmann Luckow Alexandre Altair de Melo

Programação Java para a Web Décio Heinzelmann Luckow Alexandre Altair de Melo Programação Java para a Web Décio Heinzelmann Luckow Alexandre Altair de Melo Novatec Copyright 2010 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Introdução a Servlets

Introdução a Servlets Linguagem de Programação para Web Introdução a Servlets Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta aula os

Leia mais

ruirossi@ruirossi.pro.br

ruirossi@ruirossi.pro.br Persistência Com JPA & Hibernate Rui Rossi dos Santos ruirossi@ruirossi.pro.br Mediador: Rui Rossi dos Santos Slide 1 Mapeamento Objeto-Relacional Contexto: Linguagem de programação orientada a objetos

Leia mais

TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB

TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB TECNOLOGIAS E FERRAMENTAS UTILIZADAS EM UMA ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB Ruan Alves Brandão 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil brandao15@gmail.com

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Programação Web Aula 12 - Java Web Software

Programação Web Aula 12 - Java Web Software Programação Web Aula 12 - Java Web Software Bruno Müller Junior Departamento de Informática UFPR 25 de Maio de 2015 1 Java 2 Java Web Software 3 Servlets Modelo de Trabalho Funcionamento API Java Código

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Programação para Android

Programação para Android Programação para Android Aula 01: Visão geral do android, instalação e configuração do ambiente de desenvolvimento, estrutura básica de uma aplicação para Android Objetivos Configurar o ambiente de trabalho

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados:

Relatório do GPES. Descrição dos Programas e Plugins Utilizados. Programas Utilizados: Relatório do GPES Relatório referente à instalação dos programas e plugins que estarão sendo utilizados durante o desenvolvimento dos exemplos e exercícios, sendo esses demonstrados nos próximos relatórios.

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO Curso Superior de Graduação em ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática Por AUGUSTO CARRICONDE

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Persistência de dados com JPA. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com

Persistência de dados com JPA. Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com Persistência de dados com JPA Hélder Antero Amaral Nunes haanunes@gmail.com O que é persistência? A persistência de dados é o fato de pegar um dado e torná-lo persistente, ou seja, salvar em algum banco

Leia mais

Arquitetura da Aplicação Web (Comunicação Cliente/Servidor)

Arquitetura da Aplicação Web (Comunicação Cliente/Servidor) Desenvolvimento de Sistemas Web Arquitetura da Aplicação Web (Comunicação Cliente/Servidor) Prof. Mauro Lopes 1-31 25 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando

Leia mais

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Software cliente: browser e outros Protocolo HTTP Infraestrutura de transporte

Leia mais

Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink

Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink Vinicius Teixeira Dallacqua Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFTO AE 310 Sul, Avenida

Leia mais

Arquitetura de uma Webapp

Arquitetura de uma Webapp Arquitetura de uma Webapp Arquitetura J2EE Containers e componentes MVC: introdução Frederico Costa Guedes Pereira 2006 fredguedespereira@gmail.com Plataforma J2EE World Wide Web e a Economia da Informação

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

JPA: Persistência padronizada em Java

JPA: Persistência padronizada em Java JPA: Persistência padronizada em Java FLÁVIO HENRIQUE CURTE Bacharel em Engenharia de Computação flaviocurte.java@gmail.com Programação Orientada a Objetos X Banco de Dados Relacionais = Paradigmas diferentes

Leia mais

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB

HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB HIBERNATE EM APLICAÇÃO JAVA WEB Raul Victtor Barbosa Claudino¹, Ricardo Ribeiro Rufino¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil victtor.claudino@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo: Este

Leia mais

MÓDULO Programação para Web 2

MÓDULO Programação para Web 2 MÓDULO Programação para Web 2 Sistemas Web na JEE OBJETIVO DO MÓDULO Arquitetura Web em aplicações JEE Conceitos iniciais Desenvolvimento Web Aplicações web tornam-se mais e mais importantes Mais e mais

Leia mais

Uso de servlets nas aplicações web desenvolvidas para a plataforma java 1

Uso de servlets nas aplicações web desenvolvidas para a plataforma java 1 Uso de servlets nas aplicações web desenvolvidas para a plataforma java 1 Resumo Em uma interação feita em uma aplicação Web existem tarefas que devem ser executadas no servidor, tais como processamento

Leia mais

SIQ GQF Plugin s WEB (Aplicações WEB) Gestão da Qualidade de Fornecedores

SIQ GQF Plugin s WEB (Aplicações WEB) Gestão da Qualidade de Fornecedores SIQ GQF Plugin s WEB (Aplicações WEB) Gestão da Qualidade de Fornecedores Requerimentos do Software Versão para Microsoft Windows/Unix Dezembro 2006 Bem-Vindo ao to SIQ GQF Plugin s WEB - Gestão da Qualidade

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Aula 03 - Projeto Java Web

Aula 03 - Projeto Java Web Aula 03 - Projeto Java Web Para criação de um projeto java web, vá em File/New. Escolha o projeto: Em seguida, na caixa Categorias selecione Java Web. Feito isso, na caixa à direita selecione Aplicação

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Prova Específica Cargo Desenvolvimento

Prova Específica Cargo Desenvolvimento UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD/UFPI Rua Olavo Bilac 1148 - Centro CEP 64.280-001 Teresina PI Brasil Fones (86) 3215-4101/ 3221-6227 ; Internet: www.uapi.edu.br

Leia mais

Anexo I - DAS (Documento de Arquitetura de Software) Concurso de Desenvolvimento de Jogos SEBRAE

Anexo I - DAS (Documento de Arquitetura de Software) Concurso de Desenvolvimento de Jogos SEBRAE Anexo I - DAS (Documento de Arquitetura de Software) Concurso de Desenvolvimento de Jogos SEBRAE 1 Sumário Sumário... 2 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 Propósito... 3 1.2 Escopo... 3 1.3 Referências... 3 2 DIRETRIZES...

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF)

1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF) Sessão Prática II JPA entities e unidades de persistência 1 Criar uma entity a partir de uma web application que usa a Framework JavaServer Faces (JSF) a) Criar um Web Application (JPAsecond) como anteriormente:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Aplicações

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha Desenvolvimento WEB II Professora: Kelly de Paula Cunha O Java EE (Java Enterprise Edition): série de especificações detalhadas, dando uma receita de como deve ser implementado um software que utiliza

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Palavras-chave: clínica de psicologia, Java EE 6, Web Profile, EBJ Lite, sistema de gerenciamento.

Palavras-chave: clínica de psicologia, Java EE 6, Web Profile, EBJ Lite, sistema de gerenciamento. Uma Experiência de Adoção do Java 6 Web Profile no Desenvolvimento de um Sistema para Gerenciamento de uma Clínica de Psicologia Ana Paula Allian 1, Edson A. Oliveira Junior 2 Resumo. Os sistemas de gestão

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Busca Certa Combustíveis

Busca Certa Combustíveis UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Busca Certa Combustíveis por Luma Melo Borges Documento de conclusão da disciplina de Trabalho

Leia mais

Persistindo dados com TopLink no NetBeans

Persistindo dados com TopLink no NetBeans Persistindo dados com TopLink no NetBeans O que é TopLink? O TopLink é uma ferramenta de mapeamento objeto/relacional para Java. Ela transforma os dados tabulares de um banco de dados em um grafo de objetos

Leia mais

JPA Passo a Passo. Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br. Globalcode Open4Education

JPA Passo a Passo. Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br. Globalcode Open4Education JPA Passo a Passo Henrique Eduardo M. Oliveira henrique@voffice.com.br 1 Palestrante Henrique Eduardo M. Oliveira (henrique@voffice.com.br) > Trabalha: Arquiteto JEE / Instrutor Java > Formação: Ciências

Leia mais

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA

Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA Java e Banco de Dados: JDBC, Hibernate e JPA 1 Objetivos Apresentar de forma progressiva as diversas alternativas de persistência de dados que foram evoluindo na tecnologia Java, desde o JDBC, passando

Leia mais

Android Básico Hello World!

Android Básico Hello World! Android Básico Hello World! Instrutor Programador desde 2000 Aluno de doutorado Mestre em informática pelo ICOMP/UFAM Especialista em aplicações WEB FUCAPI marcio.palheta@gmail.com sites.google.com/site/marcio

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android

Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android Desenvolvimento de um aplicativo básico usando o Google Android (Organização do Ambiente) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: ETEC PROF MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Projeto Tiktak. Bárbara Aparecida de Castro Silva Leonardo Santana Oliveira

Projeto Tiktak. Bárbara Aparecida de Castro Silva Leonardo Santana Oliveira Projeto Tiktak Bárbara Aparecida de Castro Silva Leonardo Santana Oliveira MAC0499 - Trabalho de Formatura Supervisionado Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo Orientador: Alfredo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais