INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CALNEY MARTINS GERHARDT PEREIRA JUNIOR GLÁUCIO PORCIDES CZEKAILO SLB SISTEMA PARA LOJA DE BRINQUEDOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CALNEY MARTINS GERHARDT PEREIRA JUNIOR GLÁUCIO PORCIDES CZEKAILO SLB SISTEMA PARA LOJA DE BRINQUEDOS"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CALNEY MARTINS GERHARDT PEREIRA JUNIOR GLÁUCIO PORCIDES CZEKAILO SLB SISTEMA PARA LOJA DE BRINQUEDOS PARANAGUÁ 2011

2 CALNEY MARTINS GERHARDT PEREIRA JUNIOR GLÁUCIO PORCIDES CZEKAILO SLB Sistema para Loja de Brinquedos Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso Técnico de Informática do Instituto Federal do Paraná Campus Paranaguá, como requisito parcial de avaliação. Orientador: Gil Eduardo de Andrade PARANAGUÁ 2011

3 FOLHA DE APROVAÇÃO CALNEY MARTINS GERHARDT PEREIRA JUNIOR GLÁUCIO PORCIDES CZEKAILO SLB SISTEMA PARA LOJA DE BRINQUEDOS Trabalho aprovado como requisito parcial para obtenção de aprovação, ao Curso Técnico de Informática, do Instituto Federal do Paraná, formada pela seguinte banca examinadora: Orientador: Profº. Gil Eduardo de Andrade Profº. Roberto Teixeira Alves Profº. Emílio Rudolfo Fey Neto Paranaguá, 4 de julho de 2011

4 Dedicamos este trabalho aos nossos pais e amigos, que sempre estiveram ao nosso lado dando-nos forças e aconselhamentos.

5 AGRADECIMENTOS À Deus primeiramente por estar conosco em todos os momentos, pela vida que nos concedeu e por podermos realizar este estudo para a conclusão de mais esta etapa. Aos pais, que compartilham os nossos ideais, incentivando-nos a prosseguir em todos os momentos da vida. Ao orientador Profº. Gil Eduardo de Andrade, pela excelente orientação fornecida durante a realização deste trabalho. À família, que sempre ao lado estiveram incentivando e orando para a conclusão deste trabalho. Aos professores e coordenadores do curso técnico em informática do Instituto Federal do Paraná Campus Paranaguá que nos ajudaram a crescer nesta jornada. Aos formandos técnicos em informática da nossa turma, quem compartilhamos alegrias, desesperos e companheirismo ao decorrer do curso. A Cássia Maria Porcides Czekailo, que nos tranquilizou momentos antes da defesa deste documento. Ao Wladimir Czekailo, que prontamente esteve atendendo a todas as necessidades. Ao Glauber Porcides Czekailo, que sempre esteve presente e com sábias palavras contribuiu com este estudo.

6 O sucesso é uma consequência e não um objetivo (Gustave Flaubert, Escritor Francês).

7 RESUMO Sistema para Loja de Brinquedos ou simplesmente SBL, este é o nome do software implementado para este trabalho de conclusão de curso. Contando com o apoio e suporte oferecido pela linguagem Java e a SQL (duas linguagens muito utilizadas para a programação nos dias atuais), o SBL foi criado através de pesquisas em sites e livros. Por fim, o software foi desenvolvido para a informatização de estabelecimentos direcionados à loja de brinquedos, pois devido a conversas e discussões foi considerada certa deficiência neste setor. O programa busca otimizar toda a parte de vendas da loja, pela informatização do local onde é instalado. Ele proporciona ainda, garantia na consistência dos dados cadastrados, utilizando-se de uma base de dados integrada, gerenciada pelo próprio sistema. Também é de constar que foi usado de diversos conhecimentos, e baseado em estudos, o sistema para loja de brinquedos foi desenvolvido seguindo diversos diagramas e modelos pré-fabricados, adquiridos através do estudo desta deficiência. Palavras-chave: Tecnologia. Informatização. Software.

8 ABSTRACT Sistema para Loja de Brinquedos or just SBL, this is the name of the software implemented for this work of course completion. With the help and support offered by the Java language and SQL (two widely used languages for programming these days), the SBL was created by searching websites and books. Finally, the software was developed for the computerization of businesses aimed at the toy store, because due to conversations and discussions was considered certain deficiency in this sector. The program seeks to optimize every part of store sales for the computerization of where it is installed. It also provides, in ensuring consistency of data entered, using an integrated database, managed by the system itself. It is also noted that was used in many knowledge-based studies, the sistema para loja de brinquedos was developed following several diagrams and pre-made templates, acquired through the study of disability. Keywords: Technology. Computerization. Software.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1. Imagem do STARUML Figura 2. Exemplo entidade-relacionamento Figura 3. Exemplo de diagrama relacional Figura 4. Exemplo implementação banco de dados Figura 5. Exemplo Caso de Uso Figura 6. Exemplo diagrama de classes Figura 7. Exemplo diagrama de sequência Figura 8. Exemplo diagrama de colaboração Figura 9. Exemplo implementação do sistema... 24

10 LISTA DE SIGLAS SLB Sistema para Loja de Brinquedos TCC Trabalho de Conclusão de Curso CPF Cadastro de Pessoas Físicas RG Registro Geral PHP Personal Home Page SGBD Sistema Gerenciador de Banco de Dados DEC Digital Equipment Corporation IFPR Instituto Federal do Paraná MVC Model View Controler

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVO PRINCIPAL OBJETIVO ESPECÍFICO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ÁREA LÓGICA Free Java Linguagem SQL Netbeans Flamerobin Firebird Staruml Brmodelo ÁREA FÍSICA METODOLOGIA BANCO DE DADOS Modelo entidade-relacionamento Modelo relacional Implementação do banco de dados SISTEMA Diagrama de casos de uso Diagrama de classes Diagrama de sequência Diagrama de colaboração Implementação do sistema ESTUDO DE VIABILIDADE DOCUMENTO DE ARQUITETURA ÁREA LÓGICA Cadastro Consulta Venda Compra Relatórios ÁREA FÍSICA CONCLUSÕES E RESULTADOS REFERÊNCIAS APÊNDICE... 31

12 1 1 INTRODUÇÃO Para a criação de um trabalho de conclusão de curso é necessário à manifestação de pensamentos voltando-os para uma deficiência encontrada em algum setor, onde está precisando de inovações. Toda empresa, seja ela grande ou pequena, tem suas portas abertas para a entrada de novas ideias que possibilitem agilizar as vendas e melhorar o atendimento ao cliente. Sabemos que cada vez mais o mundo está se informatizando e numa reta paralela a esta existe o consumismo, algo que necessita da criatividade permanente dos empresários. Dessa maneira a empresa necessita de um software atualizado e no formato mais globalizado para organizar e trazer melhores benefícios a todos os envolvidos. A informática não pode ser tratada como algo novo, onde não poderá ser usada pela sua complexidade. Se colocada em um contexto informal pode-se dizer que ela veio para ficar. A atitude proposta é a informatização, palavra correta para a providência a ser tomada. Um bom exemplo é o celular, um aparelho lançado no mercado há tanto tempo e que hoje é uma tecnologia presente e necessária no diaa-dia. A menos de duas décadas o método do caderninho era o mais utilizado para o controle de caixa nas lojas. O SLB (Sistema para Loja de Brinquedos) propõe de uma forma simples a atualização, sabendo que a informática vem se desenvolvendo aceleradamente e a exigência de clientes e comerciantes é cada vez maior. O software foi concluído e customizado para encaixar-se a uma loja que necessite de um controle de vendas. Este sistema tem o objetivo de auxiliar a loja, porque agilizará as venda dos produtos, passando facilmente os dados na interface para um melhor manuseio do mesmo, contando que todo o suporte para manipulação de clientes, funcionários e produtos ficam em ícones de fácil acesso. Dentro das funcionalidades do sistema, tem-se a emissão de relatórios de controle de caixa, consultas a dados cadastrados e edição de itens armazenados anteriormente.

13 2 Acredita-se que esse investimento irá contribuir para o bom andamento da loja, acarretando na melhoria de todos os setores, principalmente o financeiro.

14 3 2 JUSTIFICATIVA As empresas informatizadas, porém desatualizadas são o alvo do SLB. Esse programa tem todo um suporte para substituir o antigo software de forma satisfatória. Sendo que o sistema foi produzido para formatizar e transformar toda a estrutura organizacional de uma loja de brinquedos. O sistema propõe auxilio para a manutenção de cadastro dos clientes, funcionários, fornecedores, compras, vendas, visando à informatização que é tão necessária nos dias atuais. Através do programa será possível armazenar todas as informações passadas pelo software, sendo possível solucionar problemas que todas as empresas (não informatizadas) enfrentam, como: saber se algum produto se encontra em estoque, se já foi vendido, e qual foi seu destino.

15 4 3 OBJETIVOS Os objetivos do sistema se dividem em principal e específicos, como apresentado nas seções a seguir. 3.1 OBJETIVO PRINCIPAL Desenvolver um software que possa satisfazer o usuário realizando as funções na compra e venda de uma loja de brinquedos, e que de uma forma simples, satisfaça tanto os clientes, como o comerciante/usuário do sistema. 3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Melhorar a qualidade na manipulação do caixa e a eficiência no controle de estoque da loja. Trazer comodidade para o usuário do sistema através de pesquisas que envolvam dados como nomes e mostrem simultaneamente o CPF, RG, entre outros. Agilizar o processo necessário no ato de uma compra ou venda, visto que o software conta com um sistema de cadastro muito simples e bem desenvolvido, com relatórios, e a manipulação que seria a exclusão e edição de dados cadastrados existentes. Obter resultados positivos devido às funcionalidades do sistema e atuar em uma união de layout bem projetado requeridas pelo usuário. Atender as necessidades de um comércio onde sua área administrativa precisa de melhorias.

16 5 4 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo são apresentadas as áreas da informática que o trabalho abrange. Foi necessário à utilização de dois grupos, sendo eles: a área lógica (software) que são todas as ferramentas utilizadas para a fundamentação do sistema; A área física (hardware) que são os computadores com conexão ao servidor e as redes, com seus roteadores e cabos que podem ser criadas; 4.1 ÁREA LÓGICA A área lógica cuida de toda a movimentação ocorrente no sistema, tanto nos dados cadastrados como nos editados e excluídos. A implementação desta parte do sistema utiliza linguagens de programação e os softwares necessários para que haja uma comunicação entre o SLB e o banco de dados. Já existia uma linguagem de programação quando foi criado o primeiro software, ou seja, é necessário para a implementação de um software uma linguagem para configurar as funcionalidades do programa. Depois de criados os códigos fontes dos softwares, eles são classificados em três grupos, podendo ser free, Open Source ou pago. O SLB utiliza a linguagem Java juntamente com a linguagem usada pelo banco de dados, a linguagem SQL. Para manipular essas linguagens, ferramentas foram necessárias, e de concordância geral dos membros da equipe, para a linguagem Java foi escolhido à ferramenta NETBEANS, e na linguagem SQL a ferramenta FLAMEROBIN, tendo o banco de dados criado através do FIREBIRD e para a criação de diagramas a ferramenta STARUML e BRMODELO. Grande parte destas ferramentas utilizadas no projeto segue a classificação free.

17 Free De acordo com Silveira (2010, p.5-6), este movimento é um compartilhamento do conhecimento tecnológico que começou nos anos 1980 e foi tomando a informática, principalmente a rede mundial de computadores. Seus maiores opositores são megaempresas que vivem exclusivamente da venda de softwares, pois a liberação gratuita deles acaba atingindo estas vendas, podendo causar prejuízos gigantescos. O software livre baseia-se em um modelo completamente diferente dos softwares pagos. A liberdade de usar e desenvolver o programa são a essência deste modelo. Roberto Hexsel, da Universidade Federal do Paraná, descreveu o modelo de utilização e desenvolvimento da tecnologia da informação do software livre (Roberto Hexsel In Silveira (2010, p.10)): O movimento de publicação de Software Livre ganhou notoriedade nos últimos anos. Este modo de produção de software tem resultado em produtos de excelente qualidade e grande penetração em certos nichos do mercado mundial de software. A característica mais importante do software livre é a liberdade de uso, cópia, modificações e redistribuição. Esta liberdade é conferida pelos autores do programa e é efetivada através da distribuição do código-fonte dos programas, o que os transforma em bens públicos, disponíveis para utilização por toda a comunidade e da maneira que seja mais conveniente a cada indivíduo. A liberdade para usar, copiar, modificar e redistribuir software livre lhe confere uma série enorme de vantagens sobre o software proprietário. A mais importante delas é a disponibilidade do código-fonte, porque isto evita que os usuários se tornem reféns de tecnologias proprietárias. Além desta, as vantagens técnicas são também consideráveis. A comunidade de desenvolvimento de software livre está espalhada pelo mundo todo e seus participantes cooperam nos projetos através da Internet. Estimasse que participam desta comunidade mais de 100 mil programadores e projetistas, com a grande maioria deles trabalhando voluntariamente em um ou mais projetos. Estimase também que existem mais de 10 milhões de usuários regulares de sistemas operacionais e aplicativos distribuídos como software livre. Recentemente, empresas como IBM e Hewlet-Packard passaram a investir no desenvolvimento de software a ser distribuído livremente, bem como em serviços para usuários de software livre.

18 Java De acordo com Lemay e Cadenhead (2001, XV), a linguagem Java inicialmente foi estabelecida como uma tecnologia para aprimorar sites da Web, e ainda nos dias de hoje ela é usada para este propósito. O site de pesquisa Alta Vista relata que mais de 13 milhões de páginas da Web tem um programa Java. Porém, cada nova versão reforça os seus recursos de linguagem de programação de uso geral para outros ambientes além dos navegadores da Web. A linguagem de programação Java também é muito usada em servidores de internet, middleware, assistentes digitais pessoais, dispositivos incorporados e muitos outros ambientes. (LEMAY E CADENHEAD, 2001, XV). Esta linguagem tem suas bases diferenciadas da linguagem C, sabendo que C é uma linguagem com uma programação estrutural, a linguagem Java conta com a programação orientada a objetos. Este é o principal motivo de muitos sistemas criados atualmente contarem com a linguagem Java para sua programação. De acordo com Lemay e Cadenhead (2001, p.26), a programação orientada a objetos aborda quatro tópicos principais, sendo eles: primeiro, a organização de programas em classes. Segundo, a definição de uma classe através de seus atributos e como ela deve se comportar. Terceiro, a interligação das classes de maneira que uma classe herde a funcionalidade de outra. Quarto, a vinculação de classes através de pacotes e interfaces. Para que se entendam esses conceitos basta saber basicamente o que é objeto e classe. Classe é um modelo usado para criar um objeto, sendo assim, todo objeto criado a partir da mesma classe terá recursos semelhantes. Objeto é um elemento autocontido de um programa de computador que representa um grupo relacionado de recursos e é projetado para executar tarefas.

19 8 Percebe-se que a programação orientada a objetos é modelada de acordo com a observação que no mundo físico (o que vivemos), os objetos são contidos de muitos outros objetos, e que existem classes que reúnem os recursos de um conjunto de objetos. (LEMAY;CADENHEAD, 2001, p.26) Simulando o mundo real, é possível raciocinar de uma forma que garante segurança no momento da programação de sistemas, proporcionando que os softwares que não contenham muitos erros, quando desenvolvido na linguagem Java. Assim, a linguagem Java, devido à procura e toda a sua estrutura, está em alta com todo o design que pode ser construído graças às regalias que a linguagem oferece Linguagem SQL De acordo com Davis e Phillips (2008, p.135), a linguagem SQL é uma linguagem utilizada pela maioria dos bancos de dados, tais como MYSQL, ORACLE ou MICROSOFT SQL SERVER. Ela foi desenvolvida com o propósito de recuperar, acrescentar e manipular dados que estejam alocados em bancos de dados. (DAVIS E PHILLIPS, 2008, p.135). Sua história é iniciada de acordo com Kline, Kline e Hunt (2010, p.1) no início dos anos 70, com o trabalho do Dr. E. F. Codd no desenvolvimento de um produto chamado SEQUEL (Structured English Query Language) que é nada mais que um método padronizado para acessar e manipular dados em um banco de dados relacional. (KLINE; KLINE; HUNT, 2010, p.1).

20 9 A linguagem SQL é uma linguagem para o banco de dados, sendo implementada de forma muito diferente das linguagens comuns (como C e Java), sua grande diferença é que ela não segue um padrão para seu uso, claro que os códigos SQL são criados com muita organização, porém a linguagem não foi feita para criar programas, mas sim para ajudar sistemas que necessitam de um banco de dados e por meio dos comandos SQL, esses dados possam ser armazenados de forma segura e organizada. Nesta linguagem, os comandos básicos são os de criação de tabelas, armazenamento de dados e visualização dos dados cadastrados, após os dados cadastrados em seu devido local, é possível manipulá-los, isto é, apagá-los e alterálos, também podendo ser possível a exclusão de atributos e da própria tabela. A Existe a presença da linguagem SQL numa imensa quantidade de sistemas, porém ela pode estar de uma forma embutida, ou visível. Caso for embutida, é porque os programadores do sistema implementaram seu programa mascarando os comandos em SQL, e caso for visível o usuário terá que digitar comandos diretamente Netbeans De acordo com o site da ferramenta, o NETBEANS pode ser classificado como um ambiente de desenvolvimento integrado award-winning disponível para diversos sistemas operacionais, sendo eles: Windows, Mac, Linux e Solaris. Ele consiste em um IDE de código aberto e uma plataforma que permite que os seus usuários criem de forma rápida aplicativos web, corporativos, desktop e aplicações utilizando a plataforma Java, PHP, JavaScript e Ajax, Groovy e Grails, e C/ C++. Todo o projeto NETBEANS é apoiado por uma comunidade de programadores, assim, oferecendo uma extensa documentação e recursos de treinamento, com diversos plug-ins.

21 10 Como apresentado nos parágrafos antecessores, o NETBEANS conta com diversos desenvolvedores do sistema, isto traz atualizações frequentes, remoção de erros, e um software mais organizado para implementação. A versão mais atualizada para o dia atual é a 7.0 (25 de maio de 2011). Com ele é possível criar, testar e eliminar erros, e ao decorrer da programação o próprio NETBEANS vai testando os códigos, caso alguma sintaxe esteja errada, em uma pequena quantidade de tempo (relativo a velocidade do computador) a linha ficará sublinhada em vermelho, e ao seu lado é apresentado a possível solução para o problema apresentado. Outro elemento muito utilizado na implementação de códigos é o suporte para a criação de interfaces gráficas que o NETBEANS oferece, com as funcionalidades bem apresentadas, sistemas podem ser implementados de maneira segura, e se aproveitado ao máximo as condições proporcionadas, pode ser obtido um design bem personalizado Flamerobin O FLAMEROBIN é uma ferramenta opensource usada para criar e manipular SGBD s (sistemas gerenciadores de bancos de dados). E contando com um editor SQL, é permitido que conteúdos possam ser visualizados na forma de árvores. Com um suporte para a implementação da linguagem SQL, a ferramenta FLAMEROBIN possui um sistema para correção de erros que funciona em duas etapas, logo após a implementação do código, primeiramente o botão execute é selecionado, o software irá buscar os erros e mostrá-los nas statistics, caso tudo esteja funcionando corretamente uma mensagem é apresentada uma mensagem azul, caso contrário uma mensagem com os erros em vermelho serão identificadas.

22 11 Se a mensagem azul foi exibida o próximo botão é o commit e após selecionado, o FLAMEROBIN calcula os itens e simultaneamente vai adicionando os dados Firebird Como diz Rodrigues (2010, p.3), o FIREBIRD é um banco de dados Cliente/Servidor poderoso, sendo compatível com SQL-ANSI-92, e foi desenvolvido em meados de 1985 para ser transformado independente de plataformas e de sistemas operacionais. Para desenvolver o FIREBIRD, uma equipe de engenheiros da DEC (Digital Equipment Corporation) se uniu e implementou a ferramenta. Tendo como nome inicial de GROTON em sua história, o FIREBIRD sofreu várias alterações até finalmente em 1986 ser chamado de INTERBASE iniciando na versão 2.0. Nesta época a principal ideia dos engenheiros da DEC era desenvolver um SGBDR (Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacionais) que atendesse as necessidades do utilizador e oferecesse benefícios não encontrados em outros da época. Dispensa maiores estruturas para sua utilização, basta instalar o software e utilizá-lo, sem interferências frequentes de profissionais especializados na manutenção do banco de dados de produção. Acompanhando tudo isso, ele dispensa o uso de servidores altamente equipados, usando pouco espaço em disco para sua instalação. Utilizando também pouca memória em situações normais de uso, reduzindo consideravelmente os custos que seriam gastos com o projeto em uma empresa. Ao longo do seu desenvolvimento, foram introduzidas muitas características, sendo algumas delas: o acesso nativo a drivers JDBC; o sombreamento do banco de dados; o sistema de eventos; a replicação. Outra grande vantagem é o suporte multi-plataforma, ou seja, funciona em vários sistemas operacionais, sendo os principais deles: o Linux; o Windows; o Solaris. (RODRIGUES, 2010, p.3)

23 Staruml Segundo o help da ferramenta, o STARUML é um projeto opensource criado para o desenvolvimento UML rápido, flexível e extensivo. Ele roda perfeitamente em plataformas Win32, e por oferecer diversos recursos é uma ferramenta muito usada para o desenvolvimento de modelos UML. O programa é totalmente escrito em inglês, e mesmo que isso possa ser um ponto negativo, ele conta com muitas imagens que auxiliam no momento da aplicação dos conceitos UML. O STARUML foi criado com um design parecido com o NETBEANS tendo muitas funcionalidades, sendo elas: diagramas de classes, diagramas de casos de uso, diagramas de sequência, diagramas de colaboração entre outros, sendo completa para construir esses modelos. Figura 1. Imagem do STARUML

24 13 Como visto na página anterior, um diagrama pode ser rapidamente criado, tendo as ações para a criação ao lado esquerdo e os tipos de diagramas ao superior direito. Após o termino é possível à impressão direta do diagrama, ou a conversão para XMI ou JPG. O STARUML também suporta arquivos que sejam Framework, Model Fragment (que pode ser criado a partir do próprio STARUML), Rational Rose e XMI Brmodelo De acordo com o manual disponível na ferramenta, o BRMODELO é um freeware voltado para a modelagem de dados em banco relacional que implementa exatamente os conceitos de criação de modelos de uma forma simples, clara e de fácil assimilação. Foi desenvolvido como trabalho de conclusão de pós-graduação e tem como base a metodologia defendida por Carlos A. Heuser, autor do livro Projeto de Banco de Dados. Não foi criado com a finalidade de superar demais softwares da área, mas sim para ser utilizado na área acadêmica onde é muito utilizado pelas mais diversas faculdades e universidades, inclusive por vários alunos do IFPR Campus Paranaguá, no qual lecionamos. 4.2 ÁREA FÍSICA A área física traz para alguns sistemas a acessibilidade, sendo instalado softwares em diversas máquinas e nelas criada uma rede interna. A comunicação com o banco de dados é estabelecida e havendo esta conexão, o usuário pode ter vários pontos de acesso ao banco de dados.

25 14 5 METODOLOGIA No desenvolvimento deste documento foram usados diversos conceitos aprendidos ao decorrer do curso, a metodologia aplicada é baseada nas matérias e pesquisas realizadas no Ensino Médio do Instituto Federal do Paraná. A metodologia proposta descreve como o sistema foi implementado e quais foram suas etapas de desenvolvimento. Sabendo que são necessários recursos da computação, como linguagens de programação e ferramentas para o desenvolvimento do software. As etapas da metodologia proposta consistem em: aprofundar os estudos do banco de dados, junto com sua modelagem e implementação; aprofundar os estudos sobre a modelagem e implementação do sistema; Diagramas foram modelados e o banco de dados foi desenvolvido para formar todas as classes e funções do sistema. 5.1 BANCO DE DADOS O banco de dados de qualquer programa é considerado a base para que suas funções sejam válidas. No SLB o banco de dados foi utilizado para armazenar dados de uma forma limpa e organizada, funcionando de forma simples e rápida neste armazenamento. Os itens podem ser cadastrados e manipulados, caso solicitada à visualização, o banco realiza através de comandos previamente implementados, as respostas adequadas para a devida situação. No desenvolvimento do banco de dados do SLB foi previamente necessário à criação dos modelos. Esta é a etapa primordial de qualquer sistema.

26 15 Os modelos criados foram de entidade-relacionamento e relacional, ambos modelados pela ferramenta BRMODELO e contidos na parte de apêndice do documento Modelo entidade-relacionamento Neste diagrama estão contidas as entidades do sistema, os atributos necessários e os relacionamentos das entidades. Entendendo que as entidades são os objetos do sistema, os relacionamentos são as ligações entre os objetos e os atributos são as propriedades que formam as características do objeto. Cada item tem uma determinada forma para seguirem um padrão de organização durante a aplicação da modelagem. Figura 2. Exemplo entidade-relacionamento Ferramenta: BRMODELO Site: Acesso em: 08/05/2011

27 16 Na página anterior foi visto um exemplo de modelo entidade-relacionamento, sendo apresentados a entidade como retângulo, os atributos como traços ligados a entidade, sendo que os traços com a ponta azul apresentam a primary key, isto significa que é o elemento onde cada um se difere do outro. O relacionamento como losango ligando uma entidade a outra. A cardinalidade sendo exposta pela imagem entre o relacionamento e a entidade, indica quantas ocorrências de uma entidade participam no mínimo e no máximo do relacionamento. As cardinalidades tem um sistema padrão para a sua modelagem, podendo ser: (1,1) por exemplo: em uma loja uma pessoa pode ser no mínimo um cliente, e todo cliente é uma pessoa. (1,n) por exemplo: uma seção possui nenhum ou muitos funcionários dentro de uma empresa, porém, todo funcionário pertence a uma seção; (n,n) por exemplo: um fornecedor fornece muitos produtos para loja e os produtos são fornecidos por muitos fornecedores. No SLB o diagrama entidade-relacionamento foi implementado, as tabelas que o banco de dados contém estão retratadas junto com seus atributos. Ao estudar a situação de uma loja, foi julgado que era necessário para que, se realizada uma compra ou venda, quais os dados eram precisos para a manipulação de clientes, funcionários, fornecedores e produtos. Através deste modelo foi iniciado a criação do modelo relacional do sistema, para maior segurança e melhores resultados Modelo relacional Neste modelo é apresentado um conjunto de tabelas com diversos atributos. As tabelas ficam organizadas de modo padrão. Com base no modelo entidaderelacionamento, basta pensar que as relações que contém atributos se tornaram uma tabela necessária para que os dois tenham a conexão adequada, por isto sua construção é feita após a conclusão do modelo entidade-relacionamento.

28 17 Figura 3. Exemplo de diagrama relacional Ferramenta: BRMODELO site: Acesso em: 10/05/2011 Na imagem acima se pode observar a presença da primary key como a chave dourada e a foreign key chave prateada, também se nota a criação da tabela Compra. Na tabela que foi criada pela relação (Compra), existe a presença das primary key das duas tabelas, porém, com um nome diferenciado (foreign key), pois a tabela/relação também terá uma primary key. A foreign key é uma herança do relacionamento que foi obtido. Para o início da modelagem do banco de dados do sistema, o modelo relacional foi criado e graças a ele o banco de dados suporta o armazenamento de compras, vendas e dados cadastrados. Este modelo está no apêndice Implementação do banco de dados Para que fosse dado o início na implementação do banco de dados, primeiramente a escolha da ferramenta era necessária. Foi decidido que a ferramenta FLAMEROBIN era a mais adequada pelo motivo familiarização com a mesma.

29 18 Figura 4. Exemplo Implementação banco de dados. Ferramenta: FLAMEROBIN Para que o programa funcione corretamente, a base de dados deve ser estabelecida. No SLB, o FLAMEROBIN que é uma ferramenta manipuladora de banco de dados se comunica com o FIREBIRD que é o banco de dados em si. Usando esta comunicação foram criadas tabelas para a inserção futura de dados, toda tabela contém atributos, com suas características, diferindo para que não haja confusão dos dados. Para a criação destas tabelas os modelos já apresentados nos tópicos acima (relacional e entidade-relacionamento) foram estudados para a criação do banco de dados. A linguagem SQL é indispensável para a produção do software tratado neste projeto, pois entra em conexão com a linguagem Java através do NETBEANS, ferramenta já citada em tópicos anteriores. Apesar do acesso através da plataforma Java, é necessário à criação de um banco de dados que pode ser manipulado por outras ferramentas, como o FLAMEROBIN (também já discutido). Porém este processo de conexão irá passar despercebido pelos usuários, pois todos os comandos para o processo já foram implementados.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Alcides Vaz da Silva 1 Luiz Gustavo Galves Mählmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo apresenta o projeto de desenvolvimento de um Sistema de Informação

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS

CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS CONFIGURAÇÃO DE REDE SISTEMA IDEAGRI - FAQ CONCEITOS GERAIS Servidor: O servidor é todo computador no qual um banco de dados ou um programa (aplicação) está instalado e será COMPARTILHADO para outros computadores,

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

Ajuda do Sistema Aquarius.

Ajuda do Sistema Aquarius. Ajuda do Sistema Aquarius. Esta ajuda é diferenciada da maioria encontrada nos sistemas de computador do mercado. O objetivo desta ajuda é literalmente ajudar o usuário a entender e conduzir de forma clara

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente:

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente: ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS Unidade IV DEFINIR A MELHOR SOLUÇÃO DE BANCO DE DADOS PARA AS NECESSIDADES DA EMPRESA.1 O uso das tecnologias.1.1 O software livre 1 A tecnologia de banco de dados, assim

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Guia de início rápido do Powersuite

Guia de início rápido do Powersuite 2013 Ajuste e cuide do desempenho de seu computador com um aplicativo poderoso e ágil. Baixando e instalando o Powersuite É fácil baixar e instalar o Powersuite geralmente, demora menos de um minuto. Para

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATIVIDADES COMPLEMENTARES DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Emerson Barros de Meneses

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

CENTRAL DE SERVIÇOS APOIADA EM SOFTWARE LIVRE

CENTRAL DE SERVIÇOS APOIADA EM SOFTWARE LIVRE CENTRAL DE SERVIÇOS APOIADA EM SOFTWARE LIVRE Juliano Flores Prof. Wagner Walter Lehmann Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI0034) Prática do Módulo

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO Flávio Luis de Oliveira (flavio@celepar.pr.gov.br) Helio Hamilton Sartorato (helio@celepar.pr.gov.br) Yuri

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Administração pela Web Para MDaemon 6.0

Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos Reservados. Os nomes de

Leia mais

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Roosewelt Sanie Da Silva¹ 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rodovia

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica ANÁLISE DA APLICABILIDADE DE SOFTWARE LIVRE NAS INSTITUIÇÕES DO ESTADO DE GOIÁS E A INCLUSÃO DIGITAL Daniel Seabra 1,4 e Ly Freitas Filho 1,4 RESUMO Este estudo tem o intuito de auxiliar os gestores organizacionais

Leia mais

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon MDaemon GroupWare plugin para o Microsoft Outlook Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon Versão 1 Manual do Usuário MDaemon GroupWare Plugin for Microsoft Outlook Conteúdo 2003 Alt-N Technologies.

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Certificado Digital A1

Certificado Digital A1 Abril/ Certificado Digital A1 Geração Página 1 de 32 Abril/ Pré requisitos para a geração Dispositivos de Certificação Digital Para que o processo de instalação tenha sucesso, é necessário obedecer aos

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESTRELA TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISTEMA DE LOCADORA. Rodrigo Luiz da Rosa

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESTRELA TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISTEMA DE LOCADORA. Rodrigo Luiz da Rosa ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESTRELA TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISTEMA DE LOCADORA Rodrigo Luiz da Rosa Estrela 2012 EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação TÍTULO: SISTEMA DE LOCADORA AUTOR:

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Manual de Configuração de Ambiente para Utilização do Login via Certificado Digital no Cadastro Web

Manual de Configuração de Ambiente para Utilização do Login via Certificado Digital no Cadastro Web Manual de Configuração de Ambiente para Utilização do Login via Certificado Digital no Cadastro Web AÇÕES IMPORTANTES Ao tentar acessar o Cadastro Web por meio da certificação digital, é fundamental realizar

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Shop Control 8 Pocket. Guia do usuário

Shop Control 8 Pocket. Guia do usuário Shop Control 8 Pocket Guia do usuário Abril / 2007 1 Pocket O módulo Pocket permite fazer vendas dos produtos diretamente em handhelds Pocket PC, pelos vendedores externos da empresa. Os cadastros (clientes,

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL EDILBERTO SILVA, CLEYCIONE (9245) 2, JONATHAN CAVALCANTE (9288) 2, MARCELO GOMES (9240) 2, NILTON

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA

MANUAL PARA USO DO SISTEMA Clínicas Odontológicas MANUAL PARA USO DO SISTEMA (GCO) GERENCIADOR CLÍNICO ODONTOLÓGICO SmilePrev Versão 2.0 SmilePrev Clínicas Odontológicas www.smilepev.com 2008 REQUISITOS BÁSICOS DO SISTEMA HARDWARE

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation GMP Corporation Gerenciador de Multi-Projetos Manual do Usuário 2000 GMP Corporation Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 24/08/2004 1.0 Versão inicial do documento Bárbara Siqueira Equipe

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA Profa. Reane Franco Goulart Administrador de banco de dados O Administrador de banco de dados (DBA - DataBase Administrator) é responsável por manter e gerenciar bancos

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ALEXANDRE PRADO BARBOSA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ALEXANDRE PRADO BARBOSA Relatório

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Prof. Érick de S. Carvalho LabBD2Aula01A 1

UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Prof. Érick de S. Carvalho LabBD2Aula01A 1 Aula 01 (Aula Inicial) Esta é a primeira aula do semestre e o primeiro contato entre: os alunos, o professor e a disciplina. Vamos conhecer o Professor, sua experiência e capacitação em lecionar esta disciplina;

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais