UNIMINAS SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE E PRODUÇÃO DA FÁBRICA BRASILEIRA DE AERONAVES ÉRICA TIAGO MOREIRA SANTOS RAQUEL MAGRI TEMPORAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIMINAS SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE E PRODUÇÃO DA FÁBRICA BRASILEIRA DE AERONAVES ÉRICA TIAGO MOREIRA SANTOS RAQUEL MAGRI TEMPORAL"

Transcrição

1 UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria no 577/2000 MEC, de 03/05/2000 BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE E PRODUÇÃO DA FÁBRICA BRASILEIRA DE AERONAVES ÉRICA TIAGO MOREIRA SANTOS RAQUEL MAGRI TEMPORAL Uberlândia 2008

2 ÉRICA TIAGO MOREIRA SANTOS RAQUEL MAGRI TEMPORAL SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE E PRODUÇÃO DA FÁBRICA BRASILEIRA DE AERONAVES Trabalho de Final de curso submetido à como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Esp. Carlos Henrique de Barros Uberlândia 2008

3 ÉRICA TIAGO MOREIRA SANTOS RAQUEL MAGRI TEMPORAL SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE E PRODUÇÃO DA FÁBRICA BRASILEIRA DE AERONAVES Trabalho de Final de curso submetido à como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Sistemas de Informação. Orientador: Prof. Esp. Carlos Henrique de Barros Banca Examinadora: Uberlândia, 06 de setembro de Dra. Kátia Lopes Silva M.Sc. Sílvio Bacalá Júnior Esp. Carlos Henrique de Barros Uberlândia 2008

4 A todos que se empenharam, disponibilizando grande parte de seu tempo para a concretização do projeto, aos professores e orientadores que nos auxiliaram durante a realização do mesmo.

5 AGRADECIMENTOS Ao professor Carlos Henrique de Barros pelo braço amigo de todas as etapas deste trabalho. À Faculdade de Ciências Aplicadas de Minas () e aos professores da graduação do curso de Sistemas de Informação, por terem proporcionado condições para nosso desenvolvimento pessoal e intelectual. Às nossas famílias, pela confiança e motivação e aos nossos colegas pelo companheirismo e determinação.

6 RESUMO Este trabalho apresenta um projeto para desenvolvimento de um software para o gerenciamento da produção e do estoque da Fábrica Brasileira de Aeronaves, uma indústria situada na cidade de Uberlândia que fabrica aviões agrícolas e executivos. Na elaboração do projeto várias tarefas foram envolvidas como: reuniões com o cliente, estudo das necessidades da empresa, entendimento dos processos dos setores relacionados com a linha de produção, busca de soluções para problemas encontrados e estudos aprofundados para a implementação do software. No desenvolvimento da análise foi utilizado o paradigma orientado a objetos. No projeto foram utilizados vários padrões de projetos e para implementação do software foi utilizada a linguagem Java. Com a implementação do software e futura implantação do mesmo, acredita-se que haja uma significativa redução de custos nos processos atendidos pelo mesmo. Palavras Chave: padrões de projeto, Java.

7 ABSTRACT This paper presents a project for development of software for the management of production and stock of Fábrica Brasileira de Aeronaves, an industry located in the city of Uberlândia which manufactures aircraft agricultural and executives. In preparing the project several tasks were involved as: meetings with the customer, study the needs of the company, understanding the processes of the sectors related to the production line, finding solutions to problems encountered and in-depth studies for the implementation of the software. In the development of the analysis was used paradigm oriented to objects. In this project were used several design patterns and for implementation of the software was used the Java language. Then with the implementation of the software and future deployment of the same, it is believed that there is a significant reduction of costs in proceedings attended by the same. Key Words: design patterns, Java.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Avião Falcão AG Figura 2 Avião Falcão AC Figura 3 Avião Bumerangue EX Figura 4 Prêmio de primeiro lugar na categoria Aeronave Experimental...14 Figura 5 Diagrama de Caso de Uso...24 Figura 6 Detalhe do caso de uso CSU Figura 7 Detalhe do caso de uso CSU Figura 8 Detalhe do caso de uso CSU Figura 9 Detalhe do caso de uso CSU Figura 10 Detalhe do caso de uso CSU Figura11 Detalhe do caso de uso CSU Figura 12 Detalhe do caso de uso CSU Figura 13 Detalhe do caso de uso CSU Figura 14 Detalhe do caso de uso CSU Figura 15 Detalhe do caso de uso CSU Figura 16 Detalhe do caso de uso CSU Figura 17 Diagrama de Classes de Negócio...37 Figura 18 Diagrama de Pacotes (Classes)...41 Figura 19 Classes de Análises...43 Figura 20 Diagrama Controlar Tempo de Produção...52 Figura 21 Diagrama Consultar Tempo de Produção...52 Figura 22 Diagrama Testar Qualidade...53 Figura 23 Diagrama Controlar Estoque...53 Figura 24 Diagrama Emitir Relatório...54 Figura 25 Diagrama Inserir Dados de Compra...54 Figura 26 Diagrama Efetuar Login...55 Figura 27 Diagrama Consultar Funcionário...55 Figura 28 Diagrama Manutenir Funcionário...56 Figura 29 Diagrama Controlar Teste de Vôo...56 Figura 30 Diagrama Cadastrar Fornecedor...57 Figura 31 Diagrama de Seqüência Controlar Tempo de Produção...58 Figura 32 Diagrama de Seqüência Consultar Tempo de Produção...60 Figura 33 Diagrama de Seqüência Testar Qualidade...62

9 Figura 34 Diagrama de Seqüência Controlar Estoque...63 Figura 35 Diagrama de Seqüência Emitir Relatório...65 Figura 36 Diagrama de Seqüência Inserir Dados de Compra...67 Figura 37 Diagrama de Seqüência Efetuar Login...69 Figura 38 Diagrama de Seqüência Consultar Funcionário...70 Figura 39 Diagrama de Seqüência Manter Funcionário...71 Figura 40 Diagrama de Seqüência Controlar Teste de Vôo...73 Figura 41 Diagrama de Seqüência Cadastrar Fornecedor...74 Figura 42 Diagrama de Pacotes (Projeto)...75 Figura 43 Tela Login...79 Figura 44 Código da Tela de Login...80 Figura 45 Tela Menu de Dados...81 Figura 46 Código da Tela Menu de Dados...81 Figura 47 Tela Funcionários...82 Figura 48 Código da Tela Funcionários...83 Figura 49 Tela Fornecedores...84 Figura 50 Código da Tela Fornecedores...85 Figura 51 Tela Compras...86 Figura 52 Código da Tela Compras...86 Figura 53 Tela Peças...88 Figura 54 Código da Tela Peças...89 Figura 55 Diagrama de Entidade e Relacionamento...91 Figura 56 Código de Configuração Hibernate...94 Figura 57 Código de Configuração do Funcionário...95 Figura 58 Código de Configuração de Peças...95 Figura 59 Modelo de Arquitetura...97 Figura 60 Arquitetura MVC...99 Figura 61 Diagrama de Análise em Nível de Projeto Figura 62 Código Fonte...105

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS CAD Computer Aided Design CEP Código e Endereçamento Postal CNPJ Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica CPF Cadastro de Pessoa Física CSS Cascading Style Sheets DAO Data Access Object EJB Enterprise Java Bean ELU - Experimental Leve de Uberlândia FABE Fábrica Brasileira de Aeronaves HTML Hypertext Markup Language HTTP Hypertext Transfer Protocol JDBC Java Database Connectivity JEE Java Enterprise Edition JSP Java Server Pages JSTL Java Standard Template Library MVC Model View Controller SQL Structured Query Language UML - Unified Modeling Language XML Extensible Markup Language XSTL Extensible Style Sheet Language

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CENÁRIO ATUAL IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS DO TRABALHO Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA PARA A PESQUISA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO ESPECIFICAÇÃO DO PROBLEMA ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Regras de Negócio ANÁLISE E PROJETO INTRODUÇÃO DIAGRAMA DE CASO DE USO Especificação dos Casos de Uso DIAGRAMA DE CLASSES DE NEGÓCIO Especificação das Classes de Negócio DIAGRAMA DE PACOTES Descrição dos Pacotes CLASSES DE ANÁLISE Classe de Fronteira Classe de Fronteira do caso de uso Controlar Tempo de Produção Classe de Fronteira do caso de uso Consultar Tempo de Produção Classe de Fronteira do caso de uso Testar Qualidade Classe de Fronteira do caso de uso Controlar Estoque Classe de Fronteira do caso de uso Emitir Relatório Classe de Fronteira do caso de uso Inserir Dados de Compra Classe de Fronteira do caso de uso Efetuar Login Classe de Fronteira do caso de uso Consultar Funcionário Classe de Fronteira do caso de uso Manter Funcionário Classe de Fronteira do caso de uso Controlar Teste de Vôo Classe de Fronteira do caso de uso Cadastrar Fornecedor Classe de Controle Classe de Controle do caso de uso Controlar Tempo de Produção Classe de Controle do caso de uso Consultar Tempo de Produção Classe de Controle do caso de uso Testar Qualidade Classe de Controle do caso de uso Controlar Estoque Classe de Controle do caso de uso Emitir Relatório Classe de Controle do caso de uso Inserir Dados de Compra Classe de Controle do caso de uso Efetuar Login Classe de Controle do caso de uso Consultar Funcionário Classe de Controle do caso de uso Manter Funcionário Classe de Controle do caso de uso Controlar Teste de Vôo Classe de Controle do caso de uso Cadastrar Fornecedor Classe de Entidade Classe de Entidade do caso de uso Controlar Tempo de Produção Classe de Entidade do caso de uso Consultar Tempo de Produção Classe de Entidade do caso de uso Testar Qualidade Classe de Entidade do caso de uso Controlar Estoque...50

12 Classe de Entidade do caso de uso Inserir Dados de Compra Classe de Entidade do caso de uso Efetuar Login Classe de Entidade do caso de uso Consultar Funcionário Classe de Entidade do caso de uso Manter Funcionário Classe de Entidade do caso de uso Controlar Teste de Vôo Classe de Entidade do caso de uso Cadastrar Fornecedor DIAGRAMAS DE CLASSES DE ANÁLISES DOS CASOS DE USO Diagrama de Classe de Análise do Caso de Uso Controlar Tempo de Produção Diagrama de Classe de Análise do Caso de Uso ConsultarTempo de Produção Diagrama de Classe de Análise do Caso de Uso Testar Qualidade Diagrama de Classe de Análise do Caso de Uso Controlar Estoque Diagrama de Classe de Análise do Caso de Inserir Dados de Compra Diagrama de Classe de Análise do Caso de Efetuar Login Diagrama de Classe de Análise do Caso de Uso Consultar Funcionário Diagrama de Classe de Análise do Caso de Uso Manter Funcionário Diagrama de Classe de Análise do Caso de Uso Controlar Teste de Vôo Diagrama de Classe de Análise do Caso de Uso Cadastrar Fornecedor Diagrama de Classe de Análise do Caso de Uso Controlar Teste de Vôo COMPORTAMENTO DINÂNICO COMPORTAMENTO ESTÁTICO Diagrama de Classes de Projeto Especificação da Classes de Projeto Pacote Controler Pacote Business Pacote Command Pacote ClassesDAO PROJETO DE INTERFACE PERSISTÊNCIA DE DADOS DIAGRAMA DE ENTIDADE E RELACIONAMENTO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL UTILIZANDO HIBERNATE Arquivo de configiração do hibernate Arquivo de mapeamento entre o objeto funcionário e a tabela FUNCIONARIO Arquivo de mapeamento entre o objeto peças e a tabela PECAS ARQUITETURA INTRODUÇÃO Padrão MVC Camada View Camada Controller Camada Model Padrões de Projeto JEE Banco de Dados CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO A - DIAGRAMA DE CLASSES EM NÍVEL DE PROJETO ANEXO B - CÓDIGO FONTE...105

13 12 INTRODUÇÃO 1.1 Cenário atual A FABE surgiu em 1985 com a construção do primeiro ultraleve - o Experimental Leve de Uberlândia (ELU). Por se tratar de um modelo que possuía um bom desempenho e um design inovador, surgiram as primeiras encomendas. Assim iniciou-se a busca por investimentos que viabilizassem a produção de aeronaves em alta escala. Conforme o proprietário da FABE, Erick Nilson Rodrigues da Cunha (2006), para viabilizar uma produção em escala, seria necessária a alocação de um valor expressivo de capital, o que não dispúnhamos naquela época. A solução mais viável foi buscar investimentos. O Grupo Constrular, formado por empresas tradicionais que atuavam no mercado da construção civil em Uberlândia, adquiriu os direitos de fabricação do ELU, que após sofrer pequenas modificações para atender às exigências da legislação que regia a construção das aeronaves UTL (Ultraleves), conseguiu o licenciamento e a autorização para a montagem da sua fábrica, a ASA INDÚSTRIA AERONÁUTICA LTDA.. Segundo Erick, a partir de 1988 foram desenvolvidos novos projetos de aeronaves que desde então são comercializados. Tais projetos são determinados pelos modelos agrícola e executivo. No modelo agrícola encontram-se os aviões Falcão AG-21 (Figura 1) e o Falcão AC-22 Treinador (Figura 2). Na linha executiva encontra-se o modelo Bumerangue EX-25 Cross Contry (Figura 3). Figura 1 Avião Falcão AG-21

14 13 Figura 2 Avião Falcão AC-22 Figura 3 Avião Bumerangue EX-25 Com o Bumerangue EX-25 Erick recebeu o prêmio de primeiro lugar no Projeto Inovador na categoria Aeronave Experimental. Durante a Expo Aero Brasil 2006, a maior feira de aviação geral da América Latina, o Bumerangue EX-25 recebeu o prêmio de Primeiro Lugar na Categoria Aeronave Experimental. (FABE, 2006). O prêmio foi concedido na Expo Aero Brasil de 2006 na cidade de Araras SP. Figura 4.

15 14 Figura 4 Prêmio de primeiro lugar na categoria Aeronave Experimental A necessidade de um sistema de gestão que controlasse o estoque e a produção surgiu com o crescimento da fábrica, pois na área de fabricação e desenvolvimento de aeronaves é de extrema importância um sistema que ofereça o controle total das atividades realizadas na empresa, e que garanta a qualidade e a confiabilidade do produto final. Apesar dos inúmeros sistemas de gestão encontrados no mercado, tais como Vantive e JDEdwards, os proprietários da FABE optaram por um sistema personalizado e que atendesse suas necessidades imediatas, bem com seu orçamento. 1.2 Identificação do problema A Fábrica Brasileira de Aeronaves é uma indústria de aviões situada na cidade de Uberlândia com foco na fabricação de aviões agrícolas e executivos. Atualmente a empresa não possui sistema informatizado para controle de estoque e produção de aeronaves. Todos os processos da empresa são executados manualmente, fato que acarreta informações distorcidas. Diante desse cenário foi proposto à FABE o desenvolvimento de um sistema capaz de possibilitar a gestão informatizada do controle de produção dos

16 15 aviões e do estoque, além de oferecer rotinas informatizadas para controlar os testes dos aviões fabricados. A fábrica não trabalha com estocagem de grandes quantidades de um mesmo item. Muitas peças utilizadas em seu processo de fabricação são fabricadas na própria FABE. A empresa trabalha somente com a quantidade necessária de peças para a produção dos aviões salvo, algumas exceções, as relativas às peças que são comuns a todos os aviões, tais como parafusos, porcas e outras. 1.3 Objetivos do trabalho 1.3.1Objetivo Geral Implementar um aplicativo com suporte a Web para gestão de produção e controle de estoque da Fábrica Brasileira de Aeronaves 1.3.2Objetivos Específicos Para que o objetivo geral seja alcançado, este trabalho apresenta os seguintes objetivos específicos: Implementar o aplicativo em três camadas; Implementar o sistema utilizando a linguagem de programação Java; Utilizar Padrões de Projeto para as camadas; Utilizar uma base dados para armazenamento de dados Utilizar o framework Hibernate para mapeamento objeto-relacional;

17 Justificativa para a pesquisa A FABE é uma empresa nova, mas com grande tradição e respeito no mercado de ultraleves. Com uma equipe técnica experiente e capacitada, a empresa tem se destacado a cada dia, apresentando soluções inovadoras e perfeitamente adequadas à realidade brasileira. A falta de um software de gestão ocasiona processos muito lentos e desordem no almoxarifado, pois as etapas de produção ainda são realizadas manualmente. Com a proposta do projeto esse cenário será corrigido, aumentando consideravelmente o controle de qualidade da FABE. O projeto prevê a utilização da linguagem Java, de vários recursos tecnológicos como: hibernate, struts, banco de dados, arquitetura MVC e a utilização dos seguintes padrões de projeto: Aplication Controler, Front Controler, Business Delegate, Command, DAO (Data Acess Object) e Business Object. Desta forma, o sistema a ser implementado, além de solucionar os problemas apontados, irá contribuir para o crescimento da qualidade na empresa. 1.5 Organização do Trabalho O capítulo 2 apresenta a descrição do problema e as especificações dos requisitos. O capítulo 3 consiste na análise e projeto do sistema, feita através do estudo de casos de uso. São apresentados os diagramas da UML (Unified Modeling Language) e suas respectivas especificações. No capítulo 4 é apresentado o projeto de interface com todas as telas do sistema, suas funcionalidades e trechos de códigos associados a cada uma delas.

18 17 No capítulo 5 encontra-se a persistência de dados. Esse capítulo contém o Diagrama de Entidade e Relacionamentos e a explicação de cada tabela do diagrama. O capítulo 6 refere-se à arquitetura do projeto, apresentando todas as tecnologias utilizadas. No capítulo 7 são apresentadas as conclusões obtidas no trabalho e sugestões para a continuidade do sistema desenvolvido.

19 18 2 ESPECIFICAÇÃO DO PROBLEMA A Fábrica Brasileira de Aeronaves, apesar de trabalhar com tecnologia avançada, não possui um sistema de gestão integrado. Diante desse fato foi proposto junto ao cliente o desenvolvimento de um software que atendesse suas necessidades imediatas. Inicialmente foram feitas reuniões com o responsável pela fábrica e levantadas algumas funcionalidades, as quais são realizadas manualmente e que necessitam ser automatizadas. A principal requisição da empresa foi desenvolver um sistema que controlasse o estoque das mercadorias em seu almoxarifado e que gerenciasse a produção de seus aviões. O controle do almoxarifado é realizado de acordo com a quantidade de peças que entram e saem do estoque, as quais não devem ultrapassar um limite mínimo e máximo, determinado pelo gerente da fábrica. Tanto a falta, quanto o excesso, afetam negativamente o capital da empresa. Também é feito um controle de armazenamento no almoxarifado, onde cada peça será localizada através de um endereço, que é determinado por sala, corredor, estante, prateleira, gaveta e área da gaveta. A partir do momento que uma nova peça chega à fábrica, é realizado um cadastro de acordo com seu endereçamento, quantidade e fornecedor. Já na retirada das peças deverá ser registrado o decréscimo no seu estoque. O gerenciamento da produção é iniciado com a etapa de transformação da matéria prima, ou seja, algumas peças que são utilizadas nesse processo são produzidas na própria fábrica. Esse processo é relacionado diretamente ao controle de estoque, pois ao mesmo tempo em a matéria-prima utilizada será retirada do mesmo, uma nova peça será inserida. Além disso, é preciso que haja um controle do tempo gasto em cada etapa da produção, a quantidade de matéria-prima, o peso de cada peça (se está de acordo com o padrão) e todas as peças que foram ou não utilizadas. É preciso documentar tanto o processo de controle de estoque quanto o de produção, pois é importante para a fábrica armazenar informações relevantes em cada etapa. Essa documentação será utilizada caso ocorra alguma fatalidade, indicando possíveis pontos de falha e para rastrear os dados relacionados a essa

20 19 vulnerabilidade. Assim esse processo facilitará na identificação do problema, e conseqüentemente, na tentativa de sua correção. No processo de compra de peças um técnico analisa a etapa de produção com antecedência e faz uma requisição para seu superior de sessão das peças que serão utilizadas. A partir daí o responsável pelo almoxarifado, com base no estoque já existente, efetua a programação da compra destas peças. O almoxarife faz um processo de cotação com pelo menos três fornecedores com intuito de encontrar um melhor preço. Mesmo que a compra não seja efetuada a FABE deseja manter essas cotações arquivadas para servirem de referências futuras. No momento da entrega das peças é feita uma conferência. Caso uma ou mais peças estejam em desacordo com a nota fiscal de compra, que é o documento que formaliza essa operação, a fábrica emitirá uma nota fiscal de devolução dessas mercadorias para o fornecedor. O mesmo procedimento é realizado quando há peças defeituosas. A fábrica agrupa os fornecedores com base nas cotações. Eles são agrupados nas categorias A, B e C, que são ordenadas por prioridade de compra. Para a separação desses grupos é analisada a qualidade da matéria prima, o custo e a rapidez na entrega. As peças são identificadas por códigos, ou seja, um código que a empresa cria para o controle interno e outro, referente à fábrica que produziu a peça (código de fabricação). As peças estão divididas em grupos e conjuntos. Por exemplo, uma peça usada para construir o flap (uma estrutura da asa do avião), estará no conjunto flap e no grupo asa. Para o almoxarifado é necessária a informação do momento que a peça atingiu o limite mínimo e máximo no estoque. Também é necessário o controle de endereço (sala, corredor, estante, prateleira, gaveta e área da gaveta). Quando chegarem peças novas, as mesmas devem ser cadastradas junto com seu endereço e logo após, as mesmas devem ser guardadas no endereço referenciado. O sistema deverá ter um módulo de produção, o qual apresentará a capacidade de transformar uma peça em um avião produzido. O sistema controlará

21 20 o tempo gasto em cada etapa da produção, a quantidade de matéria-prima utilizada nessas etapas, o peso de cada peça (se estão de acordo com o padrão) e todas as peças que foram ou não utilizadas. A linha de produção do avião é desenvolvida por etapas, as quais possuem características específicas. A primeira etapa de produção tanto dos aviões agrícolas (Falcão) quanto executivos (Bumerangue), é a fase do projeto. Nessa fase os aviões são construídos em um aplicativo CAD, que segundo a definição encontrada, computer-aided Design (CAD), ou desenho auxiliado por computador, é o nome genérico de sistemas computacionais (software) utilizados pela engenharia, geologia, arquitetura, e design para facilitar o projeto e desenho técnicos. No caso do design, este pode estar ligado especificamente a todas as suas vertentes (produtos como vestuário, eletroeletrônicos, automobilísticos, etc.), de modo que os jargões de cada especialidade são incorporados na interface de cada programa. (CAD, 2008). Passada a fase de projetos inicia-se a produção do avião. Essa etapa é separada por várias fases que serão detalhas abaixo. Na etapa de produção a fábrica já é capaz de analisar e fazer o controle de todas as peças que irá utilizar. São definidas quais peças serão produzidas pela FABE e quais serão necessárias comprar. Assim já estarão disponíveis as peças que irão integrar o avião, começando então, a montagem dos conjuntos das peças. Os técnicos montam os conjuntos formando-se os grupos. A partir daí o avião começa a ganhar forma, podendo ser iniciada a etapa de acoplamento dos grupos para terem forma definida. Cumprida essa fase o avião é passado por um teste de peso a fim de verificar sua capacidade. Com isso os acessórios são inseridos e os acabamentos são feitos (pintura e parte elétrica). Após a conclusão de todas as etapas citadas acima o avião passa por uma fase muito importante, a de testes. Nela, o piloto deverá ter em mãos uma planilha de testes. Através dessa planilha ele confere todos os aspectos do avião. Caso algum problema seja identificado, o mesmo deve ser reportado aos responsáveis a fim de que sejam feitas as devidas correções.

22 Especificação de Requisitos Requisitos funcionais Os requisitos funcionais especificam as ações que um sistema deve ser capaz de executar, sem levar em consideração restrições físicas. A seguir são listados os requisitos levantados junto ao proprietário da FABE. Controlar tempo gasto em cada etapa de produção. Consultar tempo de produção. Testar qualidade processo de verificação de qualidade. Controlar estoque controle de endereço de cada peça em estoque. Emitir relatórios. Inserir dados de compra inserção dos dados relativos às compras. Efetuar login processo de login de funcionários. Consultar funcionário consulta de dados de funcionários. Manutenir funcionário descreve o índice de rejeição de cada peça testada. Controlar teste de vôo controle dos testes realizados nas aeronaves. Cadastrar fornecedor cadastramento de funcionário para obter acesso ao sistema Requisitos não funcionais Os requisitos não funcionais descrevem atributos do sistema, bem como atributos do ambiente do sitema. Abaixo, são listados os requisitos nãofuncionas da Fábrica Brasileira de Aeronaves.

23 22 Implementar o sistema utilizando a linguagem de programação Java; Implementar o aplicativo em três camadas; Utilizar Padrões de Projeto para as camadas; Utilizar o banco de dados MySQL; Utilizar o framework Hibernate para mapeamento objeto-relacional; Regras de Negócio As Regras de Negócio referem-se a todas as regras de um sistema. Elas definem como o negócio funciona. No software desenvolvido, inicialmente foi analisado uma Regra de Negócio. A partir de projetos futuros, outras regras serão analisadas de acordo com a necessidade do cliente. Segue a explicação da Regra de Negócio identificada. Login inválido - Caso o usuário erre sua senha 03 vezes, seu login será bloqueado pelo sistema. Os requisitos vistos neste capítulo foram levantados através de entrevistas com o cliente. Os mesmos serão apresentados com maior nível de detalhamento no Diagrama de Caso de Uso e nas especificações dos casos de uso no capítulo seguinte.

24 23 3 ANÁLISE E PROJETO 3.1 Introdução A análise consiste na investigação do problema do cliente e nas atividades necessárias para entender o que deve ser feito. Trata-se de um processo importante, pois um erro ocorrido nessa fase afetará todas as fases seguintes. Segundo Wazlawick (2004, p 21), pode-se dizer que o resultado da análise é o enunciado do problema, e o projeto será a sua resolução. Problemas mal enunciados podem até ser resolvidos, mas a solução não corresponderá às expectativas. A qualidade do processo de análise é importante porque um erro de concepção resolvido na fase de análise tem um custo; na fase de projeto, um custo maior; na fase de implementação, maior ainda; e na fase de implantação do sistema, um custo relativamente astronômico.. Após a fase de análise, vem à elaboração do projeto que é usada na representação do código a ser desenvolvido. O projeto modela a solução e refere-se às atividades de criação. A fase de projeto enfatiza a proposta de uma solução que atenda aos requisitos da análise. Então, se a análise é uma investigação para tentar descobrir o que o cliente quer, o projeto consiste em propor uma solução com base no conhecimento adquirido na análise.. WAZLAWICK, (2004, p 22). Para o desenvolvimento da análise e do projeto, foi utilizada a Linguagem de Modelagem Unificada (UML - Unified Modeling Language) que garantiu a melhor visualização e compreensão dos elementos do sistema. 3.2 Diagrama de Casos de Uso O diagrama de Caso de Uso representa a interação entre os atores, que são os agentes externos ao sistema, e o sistema. Segundo Gilleanes Guedes (2008), o diagrama procura identificar os atores, que utilizarão de alguma forma o sistema e seus serviços. Com base nas informações obtidas nas reuniões com o cliente foi

25 24 possível construir o Diagrama de Caso de Uso do sistema da FABE. Figura 5 Diagrama de Caso de Uso A Figura 5 permite uma visão geral das funcionalidades do sistema. No diagrama são apresentadas as funcionalidades, as quais são detalhadas na especificação do caso de uso. Essas atividades são realizadas pelo ator funcionário, o qual possui acessos restritos a determinadas rotinas do sistema dependendo do seu papel na empresa. Ele pode assumir o papel de operador do sistema ou de gerente.

26 Especificação dos Casos de Uso Para se obter um melhor detalhamento dos Casos de Uso é preciso detalhá-los de acordo com a análise realizada. As especificações dos casos de uso estão apresentadas a seguir. Nome Controlar tempo de produção CSU-01 Este caso de uso descreve o processo de controle do tempo gasto em Sumário uma etapa de produção de uma aeronave. Ator primário: Funcionário Ator (es) secundário(s): - Pré-condição: O funcionário deve estar logado no sistema. Pós-condição: O sistema armazena e exibe os resultados. Fluxo Principal 1.O funcionário seleciona a opção Controlar Tempo de Produção. 2.O sistema disponibiliza as opções possíveis. 3.O funcionário seleciona a etapa de produção a qual deseja efetuar o cálculo do tempo gasto para a mesma. 4.O sistema solicita a data e hora de início e de término da etapa selecionada. 5.O funcionário informa os dados solicitados. 6.O sistema calcula o tempo gasto entre as datas informadas e exibe o resultado. 7.O funcionário confirma os dados. 8.O sistema armazena as informações e exibe uma mensagem de sucesso. 9.O funcionário encerra o caso de uso. Fluxo Alternativo [ ]: Inexistente Fluxo de Exceção [EX01]: Hora inválida a. Caso a hora digitada seja inválida o sistema envia uma mensagem de erro e retornar ao passo 4. Regras de Negócio Associadas Figura 6 - Detalhe do caso de uso CSU-01

27 26 Na Figura 6 é descrito passo a passo o processo de controle do tempo gasto em cada etapa de produção de uma aeronave. Para que o sistema calcule e retorne o tempo gasto é preciso informar a data e hora de início do processo, bem como a data e hora de término do mesmo. A pré-condição para a execução do caso de uso é que o funcionário esteja logado no sistema. Já a pós-condição é o armazenamento e exibição das informações. Nome Consultar tempo de produção CSU-02 Sumário Este caso de uso descreve o processo para estimar o tempo gasto em uma etapa de produção de uma aeronave. Ator primário: Funcionário Ator (es) secundário(s): - Pré-condição: O funcionário deve estar logado no sistema. Pós-condição: O sistema exibe os resultados. Fluxo Principal 1.O funcionário seleciona a opção Consultar Tempo de Produção. 2.O sistema disponibiliza as opções possíveis. 3.O funcionário seleciona a etapa de produção a qual deseja estimar o tempo a ser gasto e confirma. 4.O sistema exibe a estimativa de tempo referente à etapa escolhida. 5.O funcionário encerra o caso de uso. Fluxo Alternativo [ ]: Inexistente. Fluxo de Exceção [ ]: Inexistente. Regras de Negócio Associadas Figura 7 - Detalhe do caso de uso CSU-02 Na Figura 7 é apresentado o processo de estimativa do tempo gasto em cada etapa de produção de uma aeronave. Para que o sistema exiba as informações desejadas o usuário deve escolher uma etapa de produção e assim visualizar os dados referentes à mesma.

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

ESTÁGIO DE DOCÊNCIA II

ESTÁGIO DE DOCÊNCIA II FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Tecnologia - CTC Departamento de Informática - DIN Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação PCC ESTÁGIO DE DOCÊNCIA II Disciplina: Engenharia

Leia mais

Documento de Casos de Uso. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho

Documento de Casos de Uso. MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho Documento de Casos de Uso MC436 Introdução à Engenharia de Software Profª Ariadne Maria Brito Rizzoni Carvalho 1. Índice 2. Introdução 3 3. Descrição dos atores 3 4. Diagrama de caso de uso 4 5. 5.1 5.2

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

PROJETO DA DISCIPLINA. PES II Processo de Engenharia de Software II

PROJETO DA DISCIPLINA. PES II Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET - Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática PROJETO DA DISCIPLINA PES II Processo de

Leia mais

Processo de Engenharia de Software II

Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET Centro de ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo de Engenharia

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert

Sistema Gerenciador de Hotel. Adriano Douglas Girardello. Ana Paula Fredrich. Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Sistema Gerenciador de Hotel Adriano Douglas Girardello

Leia mais

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Diagrama de Casos de Uso Demonstra o comportamento externo do sistema, através de uma linguagem simples. Apresentando o sistema sobre a perspectiva do

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

E&L Controle de Estoque e Materiais. Perguntas Frequentes

E&L Controle de Estoque e Materiais. Perguntas Frequentes E&L Controle de Estoque e Materiais Perguntas Frequentes 1. Qual relatório deve ser tirado para fazer a prestação de contas? Balancete de Materiais por detalhado. Esse relatório está disponível no menu

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.1 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1 TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2 Acesso... 5 2.1 Como realizar um cadastro usuário

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL EDILBERTO SILVA, CLEYCIONE (9245) 2, JONATHAN CAVALCANTE (9288) 2, MARCELO GOMES (9240) 2, NILTON

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Modelagem de Sistema UML Unified Modeling Language (Linguagem de Modelagem Unificada)

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Especificação do Caso de Uso. Manter Cliente. Versão 1.0

Especificação do Caso de Uso. Manter Cliente. Versão 1.0 Especificação do Caso de Uso Manter Cliente Versão 1.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Elaboração do documento Isaque J. Barbosa Índice 1. Manter Cliente 3 1.1 Breve Descrição...

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe:

Versão <1.0> Documento de Requisitos. Documento de Requisitos. Equipe: Versão Documento de Requisitos Documento de Requisitos Equipe: Bruno Harada (bhhc) Edilson Augusto Junior (easj) José Ivson Soares da Silva (jiss) Pedro Rodolfo da Silva Gonçalves (prsg) Raphael

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Assim que o usuário entrar nesta ferramenta do sistema a seguinte tela será exibida:

Assim que o usuário entrar nesta ferramenta do sistema a seguinte tela será exibida: O que é o TDMax Web Commerce? O TDMax Web Commerce é uma ferramenta complementar no sistemas de Bilhetagem Eletrônica, tem como principal objetivo proporcionar maior conforto as empresas compradoras de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

O Processo Unificado: Captura de requisitos

O Processo Unificado: Captura de requisitos O Processo Unificado: Captura de requisitos Itana Gimenes Graduação em Informática 2008 Captura de Requisitos Modelagem do negócio: Visão de negócios Modelo de objetos de negócio de negócio Especificação

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS - OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS Índice 1. INTRODUÇÃO...5 2. MÓDULO DE GESTÃO DE

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP Pouso Alegre MG 2013 SUMÁRIO 1. Introdução.... 6 2. Efetuar Entrada de Material.... 8 2.1. Entrada de Material por Compra.... 8 2.1.1. Cadastro de Empenho...

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A. SUMÁRIO. Acessar o sistema MICROSIGA... 3. Elaborar Solicitação de Compra... 5

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A. SUMÁRIO. Acessar o sistema MICROSIGA... 3. Elaborar Solicitação de Compra... 5 Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul S.A. SANESUL MANUAL OPERACIONAL COMPRAS Gerência de Suprimentos SUP/GESU SUMÁRIO Acessar o sistema MICROSIGA... 3 Elaborar Solicitação de Compra... 5 Gerar Relatório

Leia mais

Figura 1 Diagrama de Casos de Uso do Sistema de Venda

Figura 1 Diagrama de Casos de Uso do Sistema de Venda Campus Cachoeiro de Itapemirim Curso Técnico em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIO 01 SOBRE DIAGRAMA DE SEQUENCIA Exercício 1: construa um

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Cadastramento e compra de vale transporte para o Cartão Metrocard Metropolitano Integrado. Em substituição ao Vale Transporte Temporário de Papel

Cadastramento e compra de vale transporte para o Cartão Metrocard Metropolitano Integrado. Em substituição ao Vale Transporte Temporário de Papel Cadastramento e compra de vale transporte para o Cartão Metrocard Metropolitano Integrado Em substituição ao Vale Transporte Temporário de Papel Acesso para cadastramento da empresa 2 Caso já tenha se

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor H6Projetos Documento de Requisitos Versão 1.3 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2013 1.0 Preenchimento do Capítulo 2 Requisitos Funcionais Evilson Montenegro 26/09/2013 1.1 Preenchimento

Leia mais

Sistema de de Bilhetagem Eletrônica MANUAL MÓDULO PDV

Sistema de de Bilhetagem Eletrônica MANUAL MÓDULO PDV Sistema de de Eletrônica SETRANSP DOTFLEX MANUAL MÓDULO PDV REGIÃO MANUAL METROPOLITANA MÓDULO PESSOA Revisão JURÍDICA 02 / Setembro SBE de 2008 - DOTFLEX Revisão 00 / Março de 2009 MANUAL MÓDULO EMPRESA

Leia mais

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo NTI Núcleo de Tecnologia e Informação Fundação Unirg 1. Introdução A utilização da informática surgiu como uma ferramenta

Leia mais

Manual do Almoxarifado SIGA-ADM

Manual do Almoxarifado SIGA-ADM Manual do Almoxarifado SIGA-ADM DIRETORIA DE GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO(DGTI) MARÇO/2012 Requisição de Almoxarifado Requisições O sistema retornará a tela do menu de Administração. Nela selecione

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto

Plano de Gerenciamento do Projeto Projeto para Soluções Contábeis 2015 Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Brendon Genssinger o e Elcimar Silva Higor Muniz Juliermes Henrique 23/11/2015 1 Histórico de alterações

Leia mais

TOTVS Série 1 Varejo (Simples) - Módulo e-commerce

TOTVS Série 1 Varejo (Simples) - Módulo e-commerce Novo Módulo disponível no TOTVS S1 Varejo: permissão de utilização através de licença específica. Mesmo não adquirindo a licença de uso do módulo ele continuará presente na tela do usuário. 1 Na opção

Leia mais

Título: Controle de Estoque (componente de especificação)

Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Palavras-chave: estoque, inventário, controle Autoria e data: Marcelo Pessôa 02 de junho de 2014 Versão: 1.0 Tecnologia: Independe de tecnologia

Leia mais

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização

WebEDI - Tumelero Manual de Utilização WebEDI - Tumelero Manual de Utilização Pedidos de Compra Notas Fiscais Relação de Produtos 1. INTRODUÇÃO Esse documento descreve o novo processo de comunicação e troca de arquivos entre a TUMELERO e seus

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br GARANTIA ESTENDIDA RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo.

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda em Engenharia Elétrica) Agenda Ciclo de Vida de um Sistema A Fase de Análise Análise Orientada à Objetos Diagramas

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

Escritório Virtual Administrativo

Escritório Virtual Administrativo 1 Treinamento Módulos Escritório Virtual Administrativo Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual e módulo Administrativo do sistema Office 2 3 1. Escritório

Leia mais

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual de Registro de Saída. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual de Registro de Saída Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.0 Dezembro 2010 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO GERAL... 3 2 INTRODUÇÃO AO MÓDULO REGISTRO DE SAÍDA - SIARE... 3 2.1 SEGURANÇA... 4 2.2

Leia mais

NeXT ERP Manual do usuário. Resumo das principais funcionalidades. Dezembro/2009. NeXT Software

NeXT ERP Manual do usuário. Resumo das principais funcionalidades. Dezembro/2009. NeXT Software NeXT ERP Manual do usuário Resumo das principais funcionalidades Dezembro/2009 NeXT Software Página 1 de 33 Índice Iniciando NeXT ERP...3 Tela inicial...3 Interface padrão do NeXT ERP...3 Interface - Cadastro

Leia mais

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado

Elaborado por SIGA-EPT. Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Elaborado por SIGA-EPT Projeto SIGA-EPT: Manual do Usuário Almoxarifado Versão Dezembro - 2009 Sumário 1 Introdução 5 1.1 Entrando no sistema e repassando as opções................... 5 1.2 Administração......................................

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

UNIMINAS DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SATIKA ÓPTICA ARIANE GRACIELE SANTOS SOUZA IRON MARTIM FERREIRA JÚNIOR LUCIANA CAMPOS CARMO

UNIMINAS DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SATIKA ÓPTICA ARIANE GRACIELE SANTOS SOUZA IRON MARTIM FERREIRA JÚNIOR LUCIANA CAMPOS CARMO A UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria no 577/2000 MEC, de 03/05/2000 BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Projeto de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Projeto de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Projeto de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Manual de Integração. TOTVS Colaboração

Manual de Integração. TOTVS Colaboração Sumário TOTVS COLABORAÇÃO... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Pré-Requisitos... 3 1.3 Transação Recepção NF-e Entrada (Fornecedores)... 4 2 TOTVS COLABORAÇÃO 1.1 Introdução Visão Geral A oferta, compreende toda

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

SuperStore Sistema para Automação de Óticas

SuperStore Sistema para Automação de Óticas SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Administrador) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 ACESSANDO O SISTEMA PELA

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Versão 1.0 18/01/2013 Sempre consulte por atualizações deste manual em nossa página. O Cotação Web está em constante desenvolvimento, podendo ter novas funcionalidades adicionadas

Leia mais

InfoMix Tecnologia. Soluções em Tecnologia da Informação

InfoMix Tecnologia. Soluções em Tecnologia da Informação SYSFARM Sistema de Gerenciamento de Farmácias Documento Caso de uso UC 0003 Manter Produto Versão 2. Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 18/09/2009 1.0 Confecção do documento Sandro 20/09/2009

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

Manual de Integração Web Service. Prefeitura de Ituiutaba/MG

Manual de Integração Web Service. Prefeitura de Ituiutaba/MG Manual de Integração Web Service Prefeitura de Ituiutaba/MG 1. INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo apresentar as especificações e critérios técnicos necessários para utilização do Web Service disponibilizado

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Universidade Estadual do Oeste do Paraná Universidade Estadual do Oeste do Paraná Estudo de Requisitos de um software para uma loja de lentes de contato Bruno Eduardo Soares Leonardo Zanotto Baggio Maykon Valério da Silva Cascavel, 10 de Junho

Leia mais

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE

MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE C o n t r o l e E m p r e s a r i a l MANUAL DO USUARIO SISTEMA TOTEM MODULO DE ESTOQUE s i s t e m a s SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITOS... 3 ENTRADA DIRETA DE PRODUTOS... 3 INCLUSÃO DE FORNECEDORES E CLIENTES...

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Processo de Engenharia de Software II

Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET Centro de ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo de Engenharia

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.2

Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.2 Manual TDMax Web Commerce VERSÃO: 0.2 Sumário Visão geral Bilhetagem Eletrônica... 3 1. TDMax Web Commerce... 4 1.1 Requisitos e orientações gerais... 4 2. Acesso... 5 2.1 Interface inicial (Ambiente de

Leia mais

Manual do Módulo. MerchNotas

Manual do Módulo. MerchNotas Manual do Módulo MerchNotas Bento Gonçalves (RS), Agosto de 2010 Índice 1. Introdução... 4 2. Menu Entrada de Notas... 5 2.1. Entrada de Notas (F11)... 5 2.2. Entrada de Notas NFe (F12)... 8 2.3. Apuração

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais