O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO"

Transcrição

1 O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO Trabalho apresentado ao módulo Realismo (1960) ou Novo Realismo, como requisito parcial para obtenção do título de especialista do curso de História da Arte Moderna e Contemporânea da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP), sob orientação da profa. Ms. Caroline Schroeder. Gilaine Pagotto RESUMO O presente trabalho trata sobre algumas considerações acerca de conteúdos abordados em sala de aula sobre o Realismo dos anos 1960 (ou Novo Realismo). Pretende-se, contudo, apresentar um discurso sobre o tema em questão, sobretudo nos contextos americano e brasileiro. Por meio de uma explanação verbal e apresentação de algumas imagens, pretendo traçar relações entre algumas características da Arte Pop nesses contextos e alguns artistas inclusive paranaenses. Palavras-chave: Realismo Arte Pop. Estados Unidos. Consumo. Brasil. Ditadura. O Realismo de 1960 ou o Novo Realismo não caracteriza-se como uma representação mimética ou realista do real, é, antes, um compromisso moral com o real, com a consciência da realidade que é representada ; consciência moral (ou ética moral). Trás as centelhas do real, do cotidiano, e tenta trazer novamente a arte para a realidade, como Marcel Duchamp. Cada artista, então, trás sua própria noção da realidade e este não é um pintor, escultor etc., é um artista que vai trabalhar com as coisas que estão no mundo como matéria-prima, consolidando uma nova concepção de espaço/tempo e fusão entre linguagens; aproximação com o real contemporâneo. A imagem da televisão estava sempre muito presente naquela época (massmedia) a paisagem moderna, equipamentos domésticos, objetos de consumo e o tema da sexualidade era sempre muito presente, como O Grande Vidro, de Duchamp, que evidenciava, explorava a questão do desejo (que apesar de ter sido realizada em um tempo outro, ganhou notoriedade nessa época). Ironia, sarcasmo estavam muito presente no contexto artístico da época. A arte americana estava a retratar o consumismo abusivo explorando técnicas e meios mais acessíveis e populares com a intenção de atingir a massa. Enquanto isso, nos anos 1950/60 no Brasil, com a Ditadura, os artistas assumiram uma posição política

2 predominando, portanto, a temática social dos anos Ou seja, algumas peculiaridades dependem do contexto social e político de cada região e há um rompimento com a arte tradicional de até então. Muitos artistas desse contexto fazem referência à história da arte, utilizam cores industriais, exploram padrões de beleza, se apropriam de objetos da própria realidade, de meios midiáticos, trabalham com colagens, sobreposições, evidenciam a precariedade, tratam da repetição da reprodutibilidade, do vazio e assim por diante. Além do mais, de uma maneira geral, são artistas preocupados com a espacialidade da obra que não é mais nem o espaço moderno e nem naturalista; passa a ser um espaço de inserção onde a obra é todo o espaço e não apenas o objeto; de dentro para fora; dados da realidade fixados no trabalho artístico. Alguns artistas americanos destacados aqui nesse cenário pop são: - Jasper Johns (Figura 1): utiliza encáustica, lembrando a arte abstrata, mas com um tema muito banal, de fácil entendimento; se aproxima da ideia de readymades de Duchamp, porém sob reprodução e não como o objeto pronto; apresenta uma aparência popular; - George Segal (Figura 2): constrói uma ideia de situações banais da vida real; fala muito da vida solitária da vida moderna efeito bastante realista (bem parecido com o homem real, mas branco, de gesso). Tema: condição humana nos ambientes urbanos; - Tom Wesselmann (Figura 3): retrata o corpo feminino como objeto representante do erótico, da sexualidade; apropriação de imagens de mulheres em revistas; - Andy Warhol (Figura 4): trabalha repetidamente com as mesmas imagens. Tem um interesse de alcançar a massa, por isso temas do gosto popular e inserção de objetos de massa. A repetição era utilizada por ele não como uma representação, mas como uma afirmação do trauma humano, das quais pode causar um desconforto no espectador (ou uma experiência traumática). Expunha a indiferença que a sociedade lidava com a tragédia. Retratos da morte, de pessoas procuradas pela justiça. Também usava a imagem dele para seu próprio trabalho. Promoveu eventos multimídia. Era um voyeur. Com Marilyn (1967?), volta à representação do real com a apropriação de recursos que não são mais manuais, apropriação da cultura de massa, difusão da mídia, apropriação de dados da realidade (características das vanguardas dos anos 1960). 1 Durante a década de 1960, os artistas brasileiros aderiram apenas à formas e à técnica utilizada na pop art. Imprimiam sua personalidade e opinião crítica às obras, registrando sua insatisfação proporcionada pelo regime militar. Já a pop art americana criticava a alienação e a sociedade de massa, discutia o vazio e a repetição provocada pelas máquinas, utilizando-se de um humor negro. A Nova Figuração foi um movimento da década de 1960, que de forma indireta tratava a pop art, utilizando-se da iconografia urbana e o abuso de cores, uma inovação em relação ao construtivismo. Os artistas tentaram resgatar alguns conceitos da pop art americana, porém esbarraram na ditadura militar e na precariedade do sistema de artes no Brasil que não oferecia condições de pesquisa para os artistas. Sendo assim, eles se restringiam às questões sociais de política e à violência sexual e urbana. In:

3 Figura 1 Figura 2 Bronze pintado (1960) As dançarinas (1971) Figura 3 Figura 4 Banheira Nº 3 (1963) Marilyn (1976 -?) Tendo a Arte Pop, como parâmetro, o retrato de seu tempo como uma arte democrática e acessível, no Brasil as vanguardas e o espaço de inserção a espacialidade da obra de arte passam a criticar a circulação de obras artísticas e passa haver uma postura anti-institucional, uma preocupação com o espaço externo, de inserção, uma apropriação de objetos do real e uma fusão entre as linguagens. Destacam-se nesse contexto: Hélio Oiticica, com os Parangolés2 (Figura 5) e Cildo Meireles, com o Projeto cocacola, de 1970 (Figura 6), por exemplo. Oiticica explorando outros materiais que não a pintura propriamente dita, mas utilizando a cor em outros suportes, desvinculando a relação do objeto artístico e o museu; e Meireles, refletindo também sobre o espaço da obra de arte e colocando-a a disposição através da circulação no tempo e no espaço, fazendo com que o trabalho de arte vá além do objeto em si. Figura 5 Nildo da Mangueira, com Parangolé (1964) Figura 6 Projeto coca-cola (1970) 2 Esse trabalho estava presente na exposição Opinião 65 realizada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAN/RJ), composta por 17 artistas brasileiros e 13 estrangeiros. A exposição destaca-se como uma das principais exposições desse período. Para o crítico de arte Paulo Reis, a mostra representou o momento privilegiado no qual as discussões sobre a volta da figuração tomara corpo pela primeira vez e de forma variada. (REIS, 2006, p. 31). Além disso, a exposição abordava a manifestação dos artistas em relação ao golpe militar de 1964 (In: E, ainda de acordo com o texto, Oiticica foi um dos únicos artistas que conseguiu aproximar-se um pouco da pop art americana. Para REIS, o fato de se apropriar de um ícone (no caso gíria) da cultura de um povo utilizava também o significado da palavra.

4 Subdesenvolvimento, de Waldemar Cordeiro (Figura 7), apresenta uma crítica e uma certa precariedade. Anna Maria Maiolino, com Glu Glu Glu (Figura 8), apresenta um desejo de representação do sujeito representado, uma metáfora política (próxima do fazer de Jasper Johns), pensa no suporte e os anexos sobre ele as sobreposições, um espaço de dentro para fora, de inserção. Outros notórios artistas brasileiros dessa época são: Marcello Nitsche (Figura 9), Claúdio Tozzi (Figura 10), Rubens Gerchman (Figura 11), Wesley Duke Lee (Figura 12), José Roberto Aguilar (Figura 13), entre outros. Figura 7 Susdesenvolvimento (1964) Figura 8 Figura 9 Glu Glu Glu (1967) Figura 11 Policiais identificados na chacina (1968) Mão (1967) Figura 12 Birgitta pensando (1966) Figura 10 Panela de pressão (1968) Figura 13 Série do futebol I (1966) No Paraná, especificamente, a Arte Pop carregava uma certa artesania ainda, bem diferente da Pop Art americana. Suzana Lobo, por exemplo, não lidava com a mesma técnica mercadológica, produzia com pintura, não técnicas gráficas, reproduzíveis ou midiáticas. João Ozório, por sua vez, passando a experimentar novas espacialidades da obra, intervenções pictóricas, uso de tecidos e textos, sob o ponto de vista matérico, textual e sócio-cultural buscando contato com o mundo que está em volta do trabalho e se apropriando de tecidos populares, com referência ao juízo de gosto da massa, como o kitsh,

5 cinema hollywoodiano, telenovelas etc.. Com os Objetos caipiras (por volta de 1970), faz uma crítica social com uma visão caipira da tecnologia, com um espírito de época pop e tropicalista, salienta a carga poética do precário (como uma crítica social ao subdesenvolvimento) e com um resultado estético que não é nem pintura, nem escultura, mas um objeto com inserção de cores e tridimensionalidade. No fim da década de 1960 e início dos 1970, iniciou com mais força a ideia de contracultura, da arte como mercadoria e como subversão das instituições, com os Encontros de Arte Moderna, Artur Barrio, João Moderno e outros artistas e da fusão de linguagens. Rettamozo, com Out-door / arte dor 3, ocupa o espaço urbano (um ponto público da cidade), se apropria da linguagem midiática fazendo uma fusão entre linguagem artística tradicional e linguagem publicitária, refletindo sobre a questão da autoria e da política, estimulando liberdade de expressão ao ocupar um espaço público numa época de repressão. REFERÊNCIAS Sites pesquisados Artistas brasileiros buscavam um processo de comunicação com o intuito de uma intervenção na realidade. Como observou Celso Favaretto, naquele momento eles respondiam a necessidades como articular a produção cultural em termos de inconformismo e desmistificação, vincular a experimentação de linguagem às possibilidades de uma arte participante [...]. O interesse político dos artistas pode ser percebido, por exemplo, no programa da exposição Nova Objetividade Brasileira, apresentada no MAM, em 1967, reunindo trabalhos de artistas do Rio de Janeiro e São Paulo, que definia como uma das prioridades do grupo a tomada de posição em relação aos problemas políticos, sociais e éticos. As sugestões que a Pop Art americana e o Noveau Réalisme francês traziam ao meio artístico brasileiro expandiam as pesquisas direcionadas para a criação das obras em outras dimensões além das estabelecidas pela estética tradicional. Daí o uso intensivo de colagens, das técnicas e cores derivadas do poster, da preocupação com a matéria, o suporte, a questão tridimensional. Para atingir da melhor forma possível o observador e integrá-lo como protagonista da obra, os artistas lançavam mão de um código de signos e imagens provenientes dos meios de comunicação, publicidade e design, que tinham disseminado os sinais gráficos, os caracteres tipográficos, as cores chapadas, logotipos, etc. [...]. O império do terror no governo Médici (1969/74), com censura acirrada, invasões a domicílios, assassinatos e desaparecimento de presos políticos, através da ação dos DOI-CODIS, visando a extinção de qualquer tipo de oposição ao governo militar, foi o principal causador da destruição das atividades da vanguarda nos anos 70. In:

O que é uma instalação?

O que é uma instalação? O que é uma instalação? A arte contemporânea vive, pulsa, voa, viaja e morre. Absorve e constrói o espaço à sua volta ao mesmo tempo que o desconstrói. A desconstrução de espaços, de conceitos e idéias

Leia mais

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Compreendendo as Artes Visuais como área de conhecimento, que busca a formação de um sujeito atuante nos diferentes contextos da sociedade, pretendemos

Leia mais

Paletas. Autorretratos Rembrandt Van Rijn

Paletas. Autorretratos Rembrandt Van Rijn Paletas Autorretratos Rembrandt Van Rijn Resumo A série Paletas traz nesse episódio Autorretratos, do artista Rembrandt Van Rijn (1606-1669), pintor holandês, um dos maiores representantes do estilo barroco:

Leia mais

O vídeo nos processos de ensino e aprendizagem

O vídeo nos processos de ensino e aprendizagem PACC / UAB / UFABC O vídeo nos processos de ensino e aprendizagem Por Lilian Menezes Como dito anteriormente, na linguagem audiovisual as imagens ocupam lugar de destaque e quando começamos a trabalhar

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CURSO DE FORMAÇÃO EM SHIATSU Por Márcia Gregato

UMA EXPERIÊNCIA DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CURSO DE FORMAÇÃO EM SHIATSU Por Márcia Gregato UMA EXPERIÊNCIA DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CURSO DE FORMAÇÃO EM SHIATSU Por Márcia Gregato Introdução Visando possibilitar uma visão global do processo de aprendizagem

Leia mais

Docente: Adriana Severino da Silva Ano: 2013

Docente: Adriana Severino da Silva Ano: 2013 Planejamento Anual de Arte- história da arte ENSINO MÉDIO Docente: Adriana Severino da Silva Ano: 2013 I. INTRODUÇÃO Ensinar história da arte no ensino médio significa fortalecer a experiência sensível

Leia mais

História da Mídia Impressa na Educação

História da Mídia Impressa na Educação História da Mídia Impressa na Educação LUSTOSA, Elem Acadêmica do Curso de Pedagogia Iniciação Científica MACIEL, Margareth de Fátima Doutorado em Educação UNICENTRO - PARANÁ RESUMO Esse texto aborda a

Leia mais

Walter Benjamin e o papel do cinema na sociedade

Walter Benjamin e o papel do cinema na sociedade Walter Benjamin e o papel do cinema na sociedade Em sua obra A Obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica (1936), Walter Benjamin (1892-1940) analisa as novas técnicas da reprodução da arte abordando

Leia mais

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo

Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU) Caroline da Silva Albuquerque (UERJ/EDU) Eixo temático 6: São tantos conteúdos... Resumo 1 A Pesquisa no Processo de Formação de Professores - Relatório da vivência no projeto A leitura no aperfeiçoamento do ensino: uma proposta de pesquisa participante Ana Carolina de Lima Santos (UERJ/EDU)

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

Professora Orientadora: Patricia Fernades de Paiva Marcotti Turma: 7ª série A Disciplina: Artes

Professora Orientadora: Patricia Fernades de Paiva Marcotti Turma: 7ª série A Disciplina: Artes ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: A Arte da Decoupage Professora Orientadora: Patricia Fernades de

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

ODILLA MESTRINER. Dois momentos / Um espaço. Sala Especial do 27 SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional-Contemporâneo

ODILLA MESTRINER. Dois momentos / Um espaço. Sala Especial do 27 SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional-Contemporâneo ODILLA MESTRINER Dois momentos / Um espaço Sala Especial do 27 SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional-Contemporâneo Série: Bonanol I, 1 999, acrílica sobre tela, 80 x TI cm. 08 Série: Bananal

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 Prof. Dr. Vanessa Bortulucce A proposta desta comunicação é realizar uma reflexão acerca dos elementos que constituem a estética

Leia mais

PERSONAGENS: CLEMÊNCIA

PERSONAGENS: CLEMÊNCIA PERSONAGENS: CLEMÊNCIA (a viúva de Alberto, mãe de Mariquinha e Júlia) MARIQUINHA (a filha que ama Felício, mas tem dois outros pretendentes interessados em seu dote) JÚLIA (a irmã de Mariquinha de 10

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX

Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX Maryclea Carmona Maués Neves 1 Quando, onde e quem No início do século XX, a região Amazônica ainda vivia um relativo isolamento do restante do país, reflexo

Leia mais

Tchaikovsky romântico sem solução

Tchaikovsky romântico sem solução Tchaikovsky romântico sem solução Resumo Uma pérola do romantismo na música, Tchaikovsky nos é apresentado aqui juntamente com as grandes peças teatrais que o tornaram imortal. Com uma melodia sensível,

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO Entrevista Cláudia Peixoto de Moura Nós da Comunicação tendemos a trabalhar com métodos qualitativos, porque, acredito, muitos pesquisadores desconhecem os procedimentos metodológicos quantitativos ED

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

PARANGOLEZINHO - Regina Ricci 2007

PARANGOLEZINHO - Regina Ricci 2007 PARANGOLEZINHO - Regina Ricci 2007 1 1 Proposta elaborada com base na obra de Hélio Oiticica, pintor, escultor, performático e artista multimídia que em suas diversas propostas incluiu o Parangolé para

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - ARTE Ensino Médio, 3ª Série POP ART / CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - ARTE Ensino Médio, 3ª Série POP ART / CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES Linguagens, Códigos e suas Tecnologias - ARTE Ensino Médio, 3ª Série POP ART / CARACTERÍSTICAS E MANIFESTAÇÕES ONDE E QUANDO? A partir do fim dos anos 50, simultaneamente, nos Estados Unidos e na Inglaterra.

Leia mais

O FIM DA ESTÉTICA DADAÍSMO E ARTE POP

O FIM DA ESTÉTICA DADAÍSMO E ARTE POP RESUMO O FIM DA ESTÉTICA DADAÍSMO E ARTE POP Susana de Castro Qual a relação entre arte e gosto popular? A obra de Danto nos mostra como a arte pop revolucionou a arte ao aproximar o objeto de arte dos

Leia mais

onde termina uma forma?

onde termina uma forma? onde termina uma forma? Qual o formato da forma? Marcello Nitsche, Bolha amarela, 1967-1968. Náilon, exaustor industrial e chapa galvanizada. 10 25 25 m aprox. É fácil pensarmos na forma de uma cadeira,

Leia mais

Vivência em Quadrinhos Artigo Inscrito no grupo Comunicação e Novas Mídias *

Vivência em Quadrinhos Artigo Inscrito no grupo Comunicação e Novas Mídias * Vivência em Quadrinhos Artigo Inscrito no grupo Comunicação e Novas Mídias * Alberto Ricardo Pessoa Mestre em Artes Visuais UNESP SP Professor do Depto. Comunicação e Artes da Universidade Presbiteriana

Leia mais

REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Tradutor e Intérprete Bacharelado Currículo: LTI 00001

REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Curso de Letras Tradutor e Intérprete Bacharelado Currículo: LTI 00001 REGULAMENTO DE PROJETOS INTERDISCIPLINARES Fundamentação Legal PARECER CNE/CES 492/2001 APROVADO em 03/04/2001 e HOMOLOGADO, com despacho do Ministro em 4/7/2001 e publicação no Diário Oficial da União

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo

Valores Educacionais. Aula 3 Jogo Limpo Valores Educacionais Aula 3 Jogo Limpo Objetivos 1 Apresentar o valor Jogo Limpo. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Jogo Limpo. Introdução Esta aula apresenta definições e sugestões

Leia mais

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA

PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA PROFESSOR: EQUIPE DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA BANCO DE QUESTÕES - EDUCAÇÃO ARTÍSTICA 3ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO - PARTE 1 =============================================================================================

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

como a arte se apropria do mundo?

como a arte se apropria do mundo? como a arte se apropria do mundo? Carlos Zilio, Massificação (João), 1966. Vinílica sobre madeira. 80 145 26 cm. Marilá Dardot, Entre nós, 2006. Instalação. Dimensões variáveis. Rosângela Rennó, Zé Lobato

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina O(s) uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula

Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina O(s) uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Michele Maria do Nascimento Faculdades Metropolitanas Unidas - FMU Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina O(s) uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Sequência Didática: As transformações

Leia mais

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Unidade IV. Ciência - O homem na construção do conhecimento. APRENDER A APRENDER LÍNGUA PORTUGUESA APRENDER A APRENDER DINÂMICA LOCAL INTERATIVA A A Unidade IV Ciência - O homem na construção do conhecimento. 2 A A Aula 39.2 Conteúdos: Anúncio publicitário: A construção de um anúncio publicitário. 3 A A Habilidades: Relacionar linguagem verbal

Leia mais

Palavras-chave: Museu do Minério e das Minas; Educação; Redes Sociais; Redes Digitais; Comunicação Social

Palavras-chave: Museu do Minério e das Minas; Educação; Redes Sociais; Redes Digitais; Comunicação Social O USO DAS REDES DIGITAIS NA CONSTRUÇÃO DA EDUCAÇÃO E DO CONHECIMENTO: A COMUNICAÇÃO DOS NOVOS TEMPOS Case Museu das Minas e do Metal Rede MMM e Midiateca Camila Vieira Dutra¹ Resumo: Este trabalho visa

Leia mais

como a arte pode mudar a vida?

como a arte pode mudar a vida? como a arte pode mudar a vida? LONGE DAQUI, AQUI MESMO 1 / 2 Longe daqui, aqui mesmo 1 Em um caderno, crie um diário para você. Pode usar a escrita, desenhos, recortes de revista ou jornais e qualquer

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Quem é o cidadão que freqüenta os sites de ciência brasileiros

Quem é o cidadão que freqüenta os sites de ciência brasileiros Quem é o cidadão que freqüenta os sites de ciência brasileiros Dayse Lúcia M. Lima Instituto Nacional de Tecnologia INT/MCT Brasil Os portais das agências governamentais se tornaram o espaço preferencial

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais No fim, realizada a viagem do mais complexo (ainda abstrato) ao mais simples e feito o retorno do mais simples ao mais complexo (já concreto) a expressão (...)passa a ter um conteúdo

Leia mais

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS:

DISCIPLINA DE ARTE CONTEÚDOS: DISCIPLINA DE ARTE OBJETIVOS: 6 ano Construir, expressar-se e comunicar-se em artes plásticas e visuais, articulando percepção, memória, imaginação, sensibilidade e reflexão. Desenvolver relação de autoconfiança

Leia mais

O CONTO AFRICANO NA SALA DE AULA: PROPOSTA EDUCATIVA DOS SABERES AFRICANOS E LITERÁRIOS NA SALA DE AULA

O CONTO AFRICANO NA SALA DE AULA: PROPOSTA EDUCATIVA DOS SABERES AFRICANOS E LITERÁRIOS NA SALA DE AULA O CONTO AFRICANO NA SALA DE AULA: PROPOSTA EDUCATIVA DOS SABERES AFRICANOS E LITERÁRIOS NA SALA DE AULA INTRODUÇÃO Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) 1 e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com

Leia mais

8. Feito isso volte a camada onde está a foto da fruta que teve apenas o fundo removido, e selecione a área vazia (o quariculado), crie uma nova

8. Feito isso volte a camada onde está a foto da fruta que teve apenas o fundo removido, e selecione a área vazia (o quariculado), crie uma nova Histórico Pop art (ou Arte pop) é um movimento artístico surgido no final da década de 1950 no Reino Unido e nos Estados Unidos. O nome desta escola estético-artística coube ao crítico britânico Lawrence

Leia mais

Raimundo Cela um mestre brasileiro

Raimundo Cela um mestre brasileiro CARTA DO SETOR EDUCATIVO MAB/FAAP ÀS ESCOLAS Exposição Raimundo Cela um mestre brasileiro Ação Educativa entre 12 de junho e 24 de julho de 2016 Raimundo Cela, Jangada rolando para o mar, 1950. Óleo sobre

Leia mais

Título da Exposição - O Corpo na Arte Africana

Título da Exposição - O Corpo na Arte Africana Título da Exposição - O Corpo na Arte Africana Descrição da exposição A cooperação com os países do continente africano trouxe um efeito positivo inesperado para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Além

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: RELAÇÃO DOCONTEÚDO PARA A RECUPERAÇÃO FINAL DISCIPLINA: ARTE PROFESSORA: Cristiana de Souza DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 Pontos NOTA: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 8º ANO TURMA: A e B ALUNO (A): Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO RELAÇÃO DOCONTEÚDO

Leia mais

A Função Social da Coleção de Cartazes do Museu de Arte Contemporânea MAC USP

A Função Social da Coleção de Cartazes do Museu de Arte Contemporânea MAC USP Temática 2: Direito á informação, Acesso à informação e Inclusão Social A Função Social da Coleção de Cartazes do Museu de Arte Contemporânea MAC USP Lauci Reis Bortoluci guila@usp.br Universidade São

Leia mais

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia E.E. Frontino Guimarães Sala 5 2ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Meire Pereira de França Roseli Fernandes Euquério Lima Realização: Foco Desenvolvimento da

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Vanguardas Históricas I

Vanguardas Históricas I Vanguardas Históricas I As transformações do início do século XX e as vanguardas históricas Os avanços da ciência realizados a partir do século XIX mudaram a percepção da realidade e conduziram, no campo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS IDENTIFICAÇÃO O presente projeto de intervenção está sendo desenvolvido na Escola Municipal Professor

Leia mais

TV UFBA uma experiência em processo Área Temática: Comunicação Marise Berta de Souza Universidade Federal da Bahia (UFBA) Resumo Palavras-chave

TV UFBA uma experiência em processo Área Temática: Comunicação Marise Berta de Souza Universidade Federal da Bahia (UFBA) Resumo Palavras-chave TV UFBA uma experiência em processo Área Temática: Comunicação Marise Berta de Souza Universidade Federal da Bahia (UFBA) Resumo: A comunicação se propõe abordar o espaço de produção de uma televisão universitária,

Leia mais

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Priscila de Macedo Pereira e Souza Resumo: Uma experiência numa escola pública de Goiânia, usando da técnica Sticker Art para

Leia mais

Plano de Patrocínio. PROJETO: Celso Coppio 40 Anos. Realização: PRONAC: 09 0722 PATROCINADORES:

Plano de Patrocínio. PROJETO: Celso Coppio 40 Anos. Realização: PRONAC: 09 0722 PATROCINADORES: Plano de Patrocínio PROJETO: Celso Coppio 40 Anos PRONAC: 09 0722 PATROCINADORES: Realização: o projeto Produzir um livro com os 40 anos de Celso Coppio com uma exposição em seu atelier. Celso Coppio,

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

RESENHA resenha resumo resenha crítica Título: Identificação do resenhista: Referência: Dados sobre o(s) autor(es): Dados sobre a obra: Apreciação:

RESENHA resenha resumo resenha crítica Título: Identificação do resenhista: Referência: Dados sobre o(s) autor(es): Dados sobre a obra: Apreciação: RESENHA Resenha é a apreciação crítica sobre uma determinada obra (livro, artigo, texto, filme, etc.). Trata-se de um breve texto, semelhante a um resumo, que visa comentar um trabalho realizado. Será

Leia mais

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia Anabelly Brederodes Cássio Tavares Resumo O trabalho tem como objetivo refletir sobre a prática de ensino e aprendizagem, como um processo

Leia mais

ENXERGUE O DEFICIENTE VISUAL

ENXERGUE O DEFICIENTE VISUAL ENXERGUE O DEFICIENTE VISUAL Rafael SOARES Emílio MANSUETO Filipe BAXTER Rafael STANGHERLIN Paulo FALABELLA (professor orientador) Centro Universitário de Belo Horizonte Uni-BH, Belo Horizonte, MG Resumo:

Leia mais

Estágio em Comunicação: Processos em grandes veículos 1

Estágio em Comunicação: Processos em grandes veículos 1 Estágio em Comunicação: Processos em grandes veículos 1 Guilherme MILETTA 2 Isabella SARAFYAN 3 Thais GIANNA 4 Rafaela RIBEIRO 5 Beatriz CONSOLIN 6 Ana Carolina ALVES 7 Daniel Ladeira de ARAÚJO 8 ESPM,

Leia mais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Introdução O objetivo deste trabalho é demonstrar como as artes visuais podem ser trabalhadas com visitas a museus e centros culturais. Apresenta

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Além da diversão e arte, o pão: o mercado de trabalho da cultura na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Além da diversão e arte, o pão: o mercado de trabalho da cultura na Região Metropolitana de Belo Horizonte Data de elaboração da ficha: Jul 2007 Fundação João Pinheiro Dados da organização Nome: Fundação João Pinheiro (FJP) Endereço: Alameda das Acácias 70, São Luiz Cep: 31.275-150 Belo Horizonte, MG Site:

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

SÉRIE 7: Trabalho. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Jean-François Millet As respigadeiras 1857 Óleo sobre tela.

SÉRIE 7: Trabalho. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Jean-François Millet As respigadeiras 1857 Óleo sobre tela. 27 The Bridgeman Art Library SÉRIE 7: Trabalho Jean-François Millet As respigadeiras 1857 Óleo sobre tela. 28 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC 09-7945).

Leia mais

EXPERIMENTALISMO ARTÍSTICO E A DÉCADA DE 60 NO BRASIL: POR UM NOVO SENTIDO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL

EXPERIMENTALISMO ARTÍSTICO E A DÉCADA DE 60 NO BRASIL: POR UM NOVO SENTIDO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL EXPERIMENTALISMO ARTÍSTICO E A DÉCADA DE 60 NO BRASIL: POR UM NOVO SENTIDO DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL Izabella Maria da Silva Medeiros 1 ; Paulo Marcondes Ferreira Soares 2 1 Estudante do Curso de Psicologia

Leia mais

O Brasil. na era da ditadura. Memória em foco

O Brasil. na era da ditadura. Memória em foco Foto: Breno Mendes O Brasil na era da ditadura Agradecimento ao site http://memoriasoswaldohernandez.blogspot.com.br/, de onde as imagens e as informações para as legendas foram retiradas. Com a suposta

Leia mais

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Resumo: Este artigo propõe conexões a respeito do design de superfície em estamparia têxtil

Leia mais

Novo Body Active Anti-Estrias - O Boticário 1. Anne Lis Skryzpiec 2 Eveline Soberano 3 Luisa Verena Perine 4 Marcelo Alfonso Schiavini 5

Novo Body Active Anti-Estrias - O Boticário 1. Anne Lis Skryzpiec 2 Eveline Soberano 3 Luisa Verena Perine 4 Marcelo Alfonso Schiavini 5 RESUMO Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação Novo Body Active Anti-Estrias - O Boticário 1 Anne Lis Skryzpiec 2 Eveline Soberano 3 Luisa Verena Perine 4 Marcelo Alfonso

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta

ISSN 2236-0719. Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta ISSN 2236-0719 Organização Ana Maria Tavares Cavalcanti Maria de Fátima Morethy Couto Marize Malta Universidade Estadual de Campinas Outubro 2011 Apresentação de Mesa-Redonda - 5 Carlos Gonçalves Terra

Leia mais

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL ARTES 9 ANO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª GABRIELA DACIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula

Leia mais

Plano de Comunicação: Projeto Tecnologias Sociais Para Empreendimentos Solidários da UNISINOS 1

Plano de Comunicação: Projeto Tecnologias Sociais Para Empreendimentos Solidários da UNISINOS 1 Plano de Comunicação: Projeto Tecnologias Sociais Para Empreendimentos Solidários da UNISINOS 1 Cassandra BRUNETTO 2 Deisi BUENO 3 Marina MARTINS 4 Tatiane FLORES 5 Vera Regina SCHMITZ 6 Universidade do

Leia mais

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a A arte da fotografia Ao longo do tempo, novas formas de arte foram surgindo. Os antigos não conheceram o cinema e a fotografia, por exemplo, que hoje são manifestações artísticas importantes. A proposta

Leia mais

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Jamer Guterres de Mello 1 Resumo Este trabalho pretende demonstrar de que forma as imagens digitais produzem

Leia mais

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1 1. Pateo do Collegio conhecia conhecia 16 18 0 1. Pateo do Collegio gostei gostei 33 0 1 Pateo do Collegio 3% Pateo do Collegio gostei 0% conhecia 53% conhecia 47% gostei 97% Por quê? Aprendi mais sobre

Leia mais

Estética, Filosofia, Cultura e outras Linguagens. Felipe Szyszka Karasek

Estética, Filosofia, Cultura e outras Linguagens. Felipe Szyszka Karasek Estética, Filosofia, Cultura e outras Linguagens Felipe Szyszka Karasek Arte x obras de arte. Como distinguir obras de arte de outras coisas que não são arte? Para estar em um terreno artístico é necessário

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE 1 A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE RESUMO Luciana Gandolfo O objetivo da prática da eutonia é orientar a pessoa a focalizar a atenção em um segmento

Leia mais

UM AYÊ NAGÔ, UM EDUCAR PARA A IGUALDADE RACIAL.

UM AYÊ NAGÔ, UM EDUCAR PARA A IGUALDADE RACIAL. TÍTULO: UM AYÊ NAGÔ, UM EDUCAR PARA A IGUALDADE RACIAL. JUSTIFICATIVA: O projeto: O Ayê Nagô, um Educar Para a Igualdade Racial, foi motivado pela constatação realizada a partir de debates mediados em

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA CEMITÉRIO MUNICIPAL DE AREIA BRANCA Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 768, Areia Branca, Santos,SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UMA AÇÃO EDUCATIVA DO JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO: ECOBRINQUEDOTECA.

AVALIAÇÃO DE UMA AÇÃO EDUCATIVA DO JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO: ECOBRINQUEDOTECA. AVALIAÇÃO DE UMA AÇÃO EDUCATIVA DO JARDIM BOTÂNICO DE SÃO PAULO: ECOBRINQUEDOTECA. Ana Carolina Guglielmello de Andrade ( ¹ ), Aparecida Amaro da Silveira ( ¹ ), Fernanda Miranda Lima ( ¹ ), Tania Maria

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: cultura pop, cultura popular, Pop Art, cultura de massa, indústria cultural.

PALAVRAS-CHAVES: cultura pop, cultura popular, Pop Art, cultura de massa, indústria cultural. A obra de Romero Britto na propaganda sob a influência do Pop Art Carlos Alberto Alves Lima 1 Sônia Maria Dias Andrade 2 Lucio Tadeu Santos Freire 3 Raquel Marques Carriço Ferreira 4 Universidade Federal

Leia mais

A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia

A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia Susane Vasconcelos Zanotti e Adélia Augusta Souto de Oliveira

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

H11 - RECONHECER A LINGUAGEM CORPORAL COMO MEIO DE INTERAÇÃO SOCIAL, CONSIDERANDO OS LIMITES DE DESEMPENHO E AS ALTERNATIVAS DE ADAPTAÇÃO PARA

H11 - RECONHECER A LINGUAGEM CORPORAL COMO MEIO DE INTERAÇÃO SOCIAL, CONSIDERANDO OS LIMITES DE DESEMPENHO E AS ALTERNATIVAS DE ADAPTAÇÃO PARA H11 - RECONHECER A LINGUAGEM CORPORAL COMO MEIO DE INTERAÇÃO SOCIAL, CONSIDERANDO OS LIMITES DE DESEMPENHO E AS ALTERNATIVAS DE ADAPTAÇÃO PARA DIFERENTES INDIVÍDUOS. 01.(JAT) Hoje, tem-se preocupado cada

Leia mais

TRABALHANDO GEOMETRIA COM PAVIMENTAÇÃO NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

TRABALHANDO GEOMETRIA COM PAVIMENTAÇÃO NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 TRABALHANDO GEOMETRIA COM PAVIMENTAÇÃO NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Anderson Pereira Barcelos Universidade Federal do Espírito Santo UFES andersonpbarcelos@hotmail.com Samira Marialves

Leia mais

A Refiguração do Banal

A Refiguração do Banal A Refiguração do Banal As pinturas de Pedro Meyer são talvez um caso, senão único, raro do que identificaríamos hoje como uma pintura figurativa. Essa palavra surge aqui de propósito: indica que elas não

Leia mais

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O piano ou a Aninha

Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O piano ou a Aninha Guia de Discussão Série Eu e meu dinheiro Episódio: O piano ou a Aninha Sumário Sobre a série... 3 Material de apoio... 3 Roteiro para uso dos vídeos em grupos... 4 Orientações para o facilitador... 4

Leia mais

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE Kallenya Kelly Borborema do Nascimento 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: kallenyakelly2@hotmail.com Patrícia Cristina

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura HARRIS, Ana Lúcia Nogueira de Camargo (1) Av. Prof. Almeida Prado trav.2 n o 271 Cidade Universitária 05508-900 São Paulo SP Tel.: (011)

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA)

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Considerações sobre o Programa de Filosofia do Ensino Médio Regular

Leia mais