Festa do Divino, de Planaltina Reinvenção de uma tradição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Festa do Divino, de Planaltina Reinvenção de uma tradição"

Transcrição

1 Brasil Festa do Divino, de Planaltina Reinvenção de uma tradição Introdução O Distrito Federal, território de 5.814km2, foi nos anos 50 destinado à construção de Brasília, nova capital da República Federativa do Brasil. Incorporou à sua jurisdição cidades que pertenciam ao estado de Goiás. Arraigadas a estruturas rurais e isoladas até da capital estadual, Goiânia, as cidades lidaram repentinamente com o progresso urbano imposto pela construção de Brasília. Concebida nos parâmetros da arquitetura modernista para ser centro administrativo do Estado brasileiro, a nova capital dirige-se para o progresso e para uma sociedade construída em moldes europeus com conotações de desenvolvimento. A negação dos princípios artísticos e históricos que a precederam, somada à intenção política do desbravamento e à idéia da modernização, deixou nas populações preexistentes do Distrito Federal (DF) a imagem de que a ocupação urbana da região começa com a construção da cidade, nos anos 60. Ainda não amplamente estudada, sua força como pólo irradiador de religião, educação e justiça para as estruturas rurais das localidades que a partir de sua

2 Festa do Divino, de Planaltina. Reivenção de uma tradição delimitação foram incorporadas à sua área é sentida não só nas construções de pequenas moradias que imitam as linhas arrojadas de ministérios e palácios do Plano Piloto 1, mas em todo um imaginário criado pelo desejo de ser moderno como a capital. Ao se buscar a imagem de desenvolvimento e progresso para a sede do governo, relegou-se a memória das cidades como se a história da região fosse escrita a partir da construção de Brasília. A visão contemporânea que prevalece na metrópole de assimilação capitalista redefine o mapa simbólico da região. A festa Esta comunicação faz a etnografia de uma festa tradicional de Planaltina, município a 40km do Plano Piloto. Atrelada à agropecuária e aos latifúndios, tenta apagar seu passado e construir nova identidade, espelhando-se numa realidade desenvolvimentista que a fragmenta socialmente. O primeiro contato pesquisadora x fenômeno deu-se em maio de 1999, quando se planejava que um grupo de estudantes de Música observasse a procissão de encerramento da Festa do Divino, em Planaltina. Tendo como ápice Pentecostes (data religiosa comemorada sete semanas após o domingo de Páscoa), as homenagens ao Divino Espírito Santo são bastante populares na região centro-oeste. Estabelecida no séc.xiv pela rainha Isabel, de Portugal, como época de devoção, a comemoração chegou ao Brasil no séc.xvi (Cascudo, 1954), sendo logo inserida no calendário religioso da Colônia. É a festa de um imperador (criança ou adulto), sua corte de auxiliares e os homenageados que dão suporte econômico ao evento. Em nome do imperador, duas folias saem para anunciar a festa (Reily, 1995). Uma vai a cavalo, com grupos de homens que percorrem fazendas e arredores pedindo auxílio para a comemoração. Herdeiros de antigas irmandades religiosas que tinham no Espírito Santo o padroeiro, cavaleiros, músicos e cantores carregam a 1 Plano Piloto: território onde se construiu Brasília, semelhante ao desenho de uma aeronave. 2

3 bandeira-símbolo do Divino. Durante semanas, até o dia de Pentecostes, são recepcionados por toda a parte. A outra folia vai a pé, em procissão pelas ruas. Depois de uma missa, ponto alto das comemorações, o cortejo -à frente o imperador e seus auxiliares- segue visitando casas. Em atitudes de generosidade e submissão ao Espírito Santo, os donos das casas lhes oferecem farta refeição matinal. Para completar a festa, as duas folias se juntam num grande banquete, engrandecido pelas doações recolhidas nas peregrinações. A festividade tradicional apresenta diferentes momentos, em vários dias. Em Planaltina, porém, alguns caíram em desuso, restando a base. A Festa do Divino naquela cidade, como em muitas do Brasil, é um festival de abundância, oportunidade em que o povo expõe e consome os produtos do seu trabalho. É preciso que haja fogos, muita comida, procissão, leilões de prendas etc. Na religiosidade popular, o Espírito Santo é sabedoria, guia, leme e fio condutor da vida, além de mistério. É força benéfica e simbólica da fertilidade. A bandeira vermelha com uma pomba branca, um de seus ícones mais conhecidos, é o centro do cerimonial. É beijada e venerada. Visita as casas e somente pode sair delas por onde entrou. Por devoção ao Divino Espírito Santo são feitos muitos gastos; exagera-se na alegria de dar, receber ou retribuir. É também uma festa predominantemente masculina. As mulheres fazem as comidas, nas casas. Os homens vão à rua como foliões. Observe-se quão sugestiva é a figura do imperador, que prescinde de uma imperatriz. A reafirmação anual de seu império, a submissão à igreja e o apagar de seus vestígios transferindo a outro o poder podem ser vistos como alusão à continuidade da vida que se eterniza pela procriação dos que sobrevivem à morte (Etzel,1995: 81). Além disso, a música. É preciso haver música. Uma festa sem música não tem vida! No trabalho de observação percebeu-se como e quando cada gênero musical era executado e como se relacionava com o conjunto da festa. De madrugada, os fogos começavam a ecoar. Às 6h da manhã a procissão já se organizara no pátio de um colégio. Hinos e canções lentas executadas pela banda de música davam sentido ao cortejo que seguia também lentamente pelas ruas do centro histórico em direção à igreja de São Sebastião, a mais antiga da cidade. Oficiou-se uma missa com a participação de 3 Actas del III Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

4 Festa do Divino, de Planaltina. Reivenção de uma tradição todos. Interessante notar que os componentes da banda acomodaram-se para assistir à missa, deixando a função musical da cerimônia para um conjunto de duas guitarras, teclado, duas moças que faziam o vocal e o padre, que iniciava todas as músicas e as cantava junto com elas. Um repertório musical diferenciado passou a ser executado. Canções de conteúdo religioso com ritmos à moda dos anos 60 e 70, sucesso do ie-iê-iê entre os jovens 2. Depois os presentes saíram em peregrinação, à frente o imperador e a bandeira do Divino, que entrava abençoando as casas e os doentes, enquanto lhes serviam um café com produtos da terra. A banda de música colocou-se entre o séquito do imperador e o povo, retomando seu papel de liderança no cortejo. Um terceiro tipo de repertório dominou musicalmente o momento: marchas, valsas, dobrados e maxixes, tradicionalmente executado por este tipo de conjunto. Na peregrinação, à proporção que o cortejo se distanciava do centro histórico, a banda era substituída por outro instrumental, um trio elétrico 3. Em cima do caminhão de som estavam o padre (agora sem batina) e as moças que haviam cantado na missa. Suas atitudes assemelhavam-se às dos modernos ídolos da canção religiosa no Brasil, com coreografias e exortações 4. Além de tentarem equilibrar-se no carro de som, padre e moças diziam mensagens de regozijo que eram repetidas pelas pessoas e cantavam canções religiosas semelhantes às românticas ou ao gospel. Às 13h a procissão chegou à praça da igreja matriz e encontrou-se com o cortejo dos cavaleiros que vieram do campo e haviam participado das peregrinações nas fazendas. Vestidos à moda dos cowboys americanos, galopavam pelas ruas como que se anunciando. 2 Reinterpretação do gênero de rock feito pelos Beatles, e que tem no cantor Roberto Carlos seu representante mais significativo. 3 Trio Elétrico é a designação do instrumental típico do carnaval da Bahia. Montados em cima de um caminhão equipado com possantes caixas de som, percorrem as ruas seguidos pelos foliões. A possibilidade de ampliação do som destes equipamentos foi depois imitada por políticos, agencias de propaganda e hoje pelas igrejas para chamar os fiéis. 4 A igreja católica no Brasil vem também adotando a mesma extratégia das igrejas evangélicas com relação a sua liturgia; shows utilizando gêneros pop com letras religiosas, cultos performáticos e até compra de canais de televisão. 4

5 A catedral era grande e moderna. Ficava no meio de uma grande praça que estava cheia de barracas enfeitadas, onde aconteceu o tradicional banquete. Com o descanso da banda e a parada do carro de som, apareceram as duplas caipiras profissionais que têm público nas redondezas, para animar um churrasco que se estendeu pela noite. Analisando o ritual, pode-se dizer que é cumprido para garantir a participação de todos. A arena de sua ação espalha-se pela cidade com as folias, a procissão e a missa ao ar livre, o café da manhã generoso e o banquete. Um olhar mais avisado detecta que a participação tem diferentes níveis. À proporção que se observam os detalhes, as interações descortinam a verdade. Somente algumas dezenas de pessoas têm acesso às residências. Os donos da casa, o imperador e seu séquito e os convidados especiais são preferenciais. Mesmo que as comidas circulem entre os que não tiveram acesso ao altar do Divino, armado no interior das casas com mesas postas, os menos conhecidos ficam num outro círculo de vivência; do lado de fora, à espera das guloseimas servidas em bandejas, menos fartamente. Existe outro círculo de participação na festa mais afastado do imperador, obviamente marginal em relação ao centro político e eclesiástico do evento. Eles vêm apenas para se alimentar e trazem sacos plásticos para guardar e levar para casa o que conseguem. O imperador não pode ser um qualquer. A escolha sensata revela alguém de poder aquisitivo e influência política, pois é ele quem "banca as despesas". E quanto mais dinheiro der, maior será o sucesso da festa. Na prática isto se traduz em muita disputa política entre os indicados para ocupar o cargo. Afinal a cidade recebe anualmente uma verba destinada à organização do evento. Na ocasião, além de pertencer a uma das famílias tradicionais o imperador é integrante de um clube de serviço local. Os estilos musicais da festa, os diferentes conjuntos que se exibiram intrigaram os observadores. Independentemente dos motivos práticos que estivessem por trás de tanta diversidade 5, os repertórios pareciam bricolagem de diferentes épocas e gêneros 5 O descanso dos grupos musicais, por exemplo. 5 Actas del III Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

6 Festa do Divino, de Planaltina. Reivenção de uma tradição musicais. A história da formação da cidade, sua inserção no Distrito Federal e sua condição de cidade-satélite 6 pode esclarecer muita coisa. A cidade Planaltina e outras localidades mineiras e do sul goiano viveram o apogeu no séc.xviii. Inserem-se no contexto brasileiro pós-mineração, que tem bases na agricultura e na pecuária, como elementos estruturadores da economia; e na doação de lotes de terra (sesmarias) pela coroa portuguesa, para incentivar a formação de povoamentos. Originalmente, Planaltina apresentava configuração rural constituída de pequenas propriedades, gado e agricultura de subsistência. Pela tradição, seu núcleo formador data de 1790, quando se fixou à beira de um riacho um ferreiro descendente de bandeirantes, vindo de uma mina nos arredores e perito em consertar e manusear armas. Daí a região vir a ser denominada Mestre D'Armas 7. Interessante a saga do início de seu núcleo urbano, estruturado na construção de uma igreja. Em 1811, assolados por uma epidemia, os fazendeiros fizeram promessa de doar terras para se construir uma capela devotada a São Sebastião, em troca do restabelecimento da saúde de seus habitantes. Mestre D'Armas, depois chamada Planaltina, esteve sob jurisdição de outros distritos, passando à categoria de município em Os primeiros registros de conformação urbana datam de 1892, com a visita da comissão responsável pela demarcação da área onde seria implantada Brasília 9. No séc.xix, as fazendas de gado nos arredores do pequeno núcleo em torno da igreja faziam da exportação do charque e do beneficiamento do couro as principais fontes de renda. A tradição oral conta que em 1926 a população voltou a ser ameaçada. 6 Cidade-satélite: formada a partir da construção de Brasília. 7 Existe nos arredores da cidade um marco e uma escola com este nome. 8 Até 1859 a localidade pertencia a Luziânia, quando se elevou à categoria de distrito. Em 1891 torna-se vila e adquire independência. 9 A Comissão Cruls utilizou Planaltina como apoio para as pesquisas; hospedou-se onde hoje é a sede do Museu Histórico. 6

7 Quarenta dias de chuva fecharam as empresas de curtume e charque e geraram desemprego. A maioria dos habitantes se deslocou novamente para o campo. A cidade entrou então num período de "letargia". Nem mesmo a construção da capital de Goiás (Goiânia) trouxe reflexos de desenvolvimento. Cidades mais próximas desempenharam melhor o papel de base para o abastecimento de infra-estrutura de saúde e educação para as populações que ali se fixavam. As precárias estradas que se dirigiam à nova capital sequer passavam por Planaltina, contribuindo para a imagem de um lugar perdido no planalto, sem ligações com o progresso. Em meio à década de 50, a cidade é lembrada. Na delimitação feita pelo governo federal, do quadrilátero que abrigaria o novo Distrito Federal, Planaltina estava incluída 10. Mas este fato só teve mesmo conseqüências administrativas. A construção de Brasília trouxera poucas mudanças. Na primeira década pós-inauguração da capital, os incentivos dirigiam-se somente para as cidades que cresciam mais perto do Plano Piloto. As de herança goiana permaneciam recolhidas em suas estruturas oligárquicas, e quase nenhum investimento foi realizado até que o fluxo migratório da expectativa de emprego que a nova capital gerava fez surgir inúmeros agrupamentos humanos marginalizados que passaram a constituir problema econômico e social. A transformação de Planaltina em região administrativa do DF conduziu à necessidade de expansão do seu núcleo inicial. Em 1966 foi elaborado um plano de urbanização que orientou seu crescimento, adequando-a à condição de cidade-satélite de Brasília. Tinha como objetivo conceber uma nova vila modernizada para atender às exigências dos tempos. Apesar de seguir a arquitetura modernista, o plano protegia o núcleo original com casas de adobe, estrutura de madeira e telha de cerâmica. Apresentando condições de desenvolvimento independentes, a Planaltina de herança 10 Em 1945, retomada a idéia da construção da capital federal no interior do país, a cidade hospedou uma nova comissão (Poli Coelho), que confirmou a localização determinada pela Comissão Cruls. Em 1955 delimitou-se o terreno do DF, que abrangeria quase toda Planaltina. A parte de Goiás é conhecida como Brasilinha. 7 Actas del III Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

8 Festa do Divino, de Planaltina. Reivenção de uma tradição goiana agregava a si o tecido urbano moderno, com áreas diferenciadas destinadas a comércio, residências e a um centro de vivência como coração da cidade. Na prática, a união entre o tecido urbano de herança goiana e a nova proposta representam desagregação social e desvalorização da cultura preexistente à construção da capital, causando a segregação de seu núcleo antigo e criando a idéia de que representa vestígios de um passado que a população quer esquecer. No plano diretor de 1966 há distinção entre raízes goianas e a nova cultura das cidades que se propunha seguir, construindo-lhes a memória com base nas referências históricas pós-brasília. Isto se traduz na segregação dos setores: de um lado, umas poucas famílias que tendem manter suas tradições como símbolo de seu poder; de outro, as tentativas de modernização e crescimento do novo setor nos modelos da classe média da capital. Os habitantes da parte nova de Planaltina, com distantes ligações culturais e cronológicas com a antiga, associam antigo a passado, sem significados de identidade. O desconhecimento da riqueza material e espiritual da Planaltina antiga reflete a negação da história do centro-oeste como relevante em termos nacionais. Segundo depoimentos, na época, mesmo contra os desejos dos moradores do centro histórico, as Festas do Divino desapareceram. Diz-se, por falta de interesse da população ou ausência de apoio. Possivelmente, detalhes da antiga comemoração estão esquecidos ou foram retirados da festa atual, só retomada após a eleição direta para governador do DF (período ), que trouxe de volta a oligarquia goiana ao poder. Na festa de Planaltina, chamava a atenção a quantidade de camisetas e bonés com as cores do Divino (vermelho e branco), mas com propagandas de famílias ou políticos locais. Como se outras intenções fossem acrescentadas à festa, legitimando os propósitos de um representante das famílias pelo uso de propaganda em festas populares. Tal recurso tem sido usado por lideranças políticas do Brasil, nas últimas décadas. As cidades ao redor da capital federal não são exceção. A nova administração de Brasília adota também a política de atração das populações de outras regiões do país, provocando o adensamento urbano desorganizado. Planaltina viu mais uma vez aumentar sua população e serem criados bairros populares e 8

9 grupos humanos excluídos de participação social 11. No setor tradicional, uma população com raízes goianas que não reconhece as manifestações da Planaltina candanga 12. Só seu passado colonial reflete a herança goiana e constitui patrimônio da comunidade. A idéia de preservação tem gerado sentimentos de hostilidade nas novas áreas construídas. Naquela manhã, notava-se que à procissão que chegava na praça da Igreja mais antiga, juntavam-se mais dois grupos que esperavam-na em duas ruas perpendiculares. Soube-se depois que tratava-se dos fiéis moradores dos dois setores mais modernos e que esperavam o momento de juntarem-se ao cortejo. Assim ficou claro que o setor tradicional mantinha a hegemonia da festa naquele ano. Conclusão A Festa do Divino, de Planaltina, envolve elementos religiosos e seculares que se combinam. Reune trabalhadores rurais dispersos em espaço urbano oposto ao de seu cotidiano. Comparada a outras similares, como à de Pirenópolis-Goiás e às do interior de São Paulo, estudadas por Reily (1992), é menos exuberante. Muito da exuberância pode ter desaparecido na temporária estagnação. Caracteristicamente, porém, pretende reconciliar a cidade com seu contraditório sistema de valores. É também a síntese de momentos relevantes da história goiana, tendo como centro a revivência de uma época considerada de ouro, mas confirma que a ocupação urbana do DF e a nova história planaltinense começa com a construção de Brasília, criando o estigma do atraso nas outras cidades. Revela o que a população tenta esquecer, e aquela seria a ocasião para juntar-se e criar uma imagem poderosa de solidariedade entre os habitantes. A procissão, que começa no centro velho e desloca-se para a praça moderna, é uma metáfora de sua história. O Espírito Santo é guia, leme e fio condutor da vida, mesmo quando a modernidade transfere valores, símbolos e poderes de uma esfera 11 Planaltina tem hoje o maior índice de violência do DF. 12 Candango é o termo que designa os primeiros operários da construção civil de Brasília. Depois passou a designar os nascidos no Distrito Federal. 9 Actas del III Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

10 Festa do Divino, de Planaltina. Reivenção de uma tradição religiosa para outros códigos e linguagens. Ali, cada parte da história e de cada grupo de pessoas se festejava. As famílias representantes das oligarquias locais sentem-se orgulhosas da retomada do poder e se mostram na frente da procissão, engrandecendo a corte, o imperador e a banda de música; corporação que reforça a presença do poder. A multiplicidade de gêneros musicais é prova de como a população articula sua imagem de cidade. A música executada na missa é sugestiva, a mesma que circulava nas igrejas brasileiras nos fins das décadas de 60 e 70, quando o Concílio Vaticano II se reuniu sob a liderança de João XXIII e propôs uma reforma da liturgia católica. Comprovando a grande distância entre povo e igreja, a reunião propõe a participação de fiéis laicos na liturgia. As missas passam a ser ministradas na língua vernácula e a serem momentos de reflexão crítica de problemas sociais, num resgate dos preceitos originais do cristianismo. A modernização da igreja incluía a música liturgica, que deveria aproximar-se mais das músicas populares. Não se deve esquecer que foi nessa época em que iê-iê-iê dominou o mercado brasileiro. Data da mesma época, a primeira missa em português, que teve música de fundo ao estilo Jovem guarda. Tudo se deu logo após a inauguração de Brasília, quando Planaltina recebia fluxos de modernidade de um plano diretor que regulava espaços e promovia qualidade de vida para sua classe média. Relevante mencionar a transformação de detalhes do evento em função do alcance dos programas de música e dança country na TV. A folia a cavalo, que tem cavaleiros com camisas quadriculadas, calças jeans, botas, lenço e chapéu americano e um trio elétrico que mistura novas formas de religiosidade popular com a música axé. O incremento das comunicações que circulam além dos limites culturais desmantela as velhas formas de marginalização e dominação e cria formas de democratização e multiplicidade cultural. O banquete é prêmio das festividades, é satisfação das necessidades abundantemente saciadas. 10

11 Referências Brandão, Carlos Rodrigues Memória do Sagrado, Ed. Paulinas, S. Paulo A Cultura na Rua, Papirus Editora, Rio. Cascudo, C Dicionário do folclore brasileiro, Edições de Ouro, Rio de Janeiro. Etzel, Eduardo Divino-simbolismo no folclore e na arte popular, Kosmos Editora, Rio de Janeiro. Martins, Ana Maria Aragão e outros Ruas de Planaltina. Inventário do patrimônio cultural de Planaltina, Governo do Distrito Federal. Silva, Jonas Correia da Planaltina -suas bandas de música e seus compositores, Monografia apresentada no Curso de Especialização em Música da UnB. Teixeira, Sérgio Alves O recado das festas, MEC, INF. Turner, Victor Dramas, Fields and Metaphors, Cornell University Press. Reily, Suzel A "Political Implications of Musical Performance", en The World of Music, 37 (2). 11 Actas del III Congreso Latinoamericano de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular

Memória e modernidade numa festa popular do cerrado. Mércia Pinto. Introdução

Memória e modernidade numa festa popular do cerrado. Mércia Pinto. Introdução Memória e modernidade numa festa popular do cerrado. Mércia Pinto. Introdução Esta comunicação faz a etnografia da Festa do Divino Espírito Santo, festividade tradicional de Planaltina, município a 40

Leia mais

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão 13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão Festa popular, que acontece de 12 a 29 de maio de 2012 no Espaço Cachuera!, apresenta tradição

Leia mais

Arte e Arquitetura Sacra

Arte e Arquitetura Sacra Arte e Arquitetura Sacra A história da Festa do Divino, considerada uma das festas de caráter popular mais antigas do Brasil, tem a sua origem nas festas religiosas da Europa, mais especificamente na tradição

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUIUNA MG

PREFEITURA MUNICIPAL DE IPUIUNA MG IPAC/MG INVENTÁRIO DE PROTEÇÃO DO ACERVO CULTURAL Ipuiuna Minas Gerais Brasil BENS IMATERIAIS Celebrações Código: BI-01 1. Município: Ipuiuna. 2. Distrito/Povoado: Sede. 3. Designação: Festa de São Benedito

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA PROGRAMA Nº- 042 PALCO SOBRE RODAS Projeto inspirado no clássico modelo de teatro itinerante, através da montagem de um palco móvel que percorre os bairros da cidade, levando cultura. Levar o Palco sobre

Leia mais

Israel Operadora. Autoridade no Turismo Religioso. Peregrinações Religiosas no Brasil

Israel Operadora. Autoridade no Turismo Religioso. Peregrinações Religiosas no Brasil Israel Operadora Autoridade no Turismo Religioso Peregrinações Religiosas no Brasil Nossa Especialidade A Israel Operadora, empresa do Grupo Skill Supertravel é especializada em turismo religioso. Com

Leia mais

Gruta Nossa Senhora de Lourdes Parque Passo Velho do Afonso

Gruta Nossa Senhora de Lourdes Parque Passo Velho do Afonso Serra Gaúcha Brasil Gruta Nossa Senhora de Lourdes Parque Passo Velho do Afonso Histórico Religiosidade A religiosidade cultuada pelos imigrantes italianos ainda tem forte presença em Nova Araçá. O município

Leia mais

24 junho a.c 1545-1563 1584 1627 1641 1769 1808 1950. Acontecimento 1641 Ano da proibição do uso de fogueiras e fogos de artifício.

24 junho a.c 1545-1563 1584 1627 1641 1769 1808 1950. Acontecimento 1641 Ano da proibição do uso de fogueiras e fogos de artifício. Salvador da Bahia Leitura: atividades RESPOSTAS Pula a fogueira, João! 1. 24 junho a.c 1545-1563 1584 1627 1641 1769 1808 1950 Data Acontecimento 1641 Ano da proibição do uso de fogueiras e fogos de artifício.

Leia mais

Corpus Christi e suas manutenções para a festividade litúrgica

Corpus Christi e suas manutenções para a festividade litúrgica Corpus Christi e suas manutenções para a festividade litúrgica Juliane Shizuko Milena Balbi Thélio Bonesio Gonçalves INTRODUÇÃO Considerando a representatividade que a tradicional procissão de Corpus Christi

Leia mais

TUDO COMEÇOU... Após alguns meses...

TUDO COMEÇOU... Após alguns meses... TUDO COMEÇOU... Muitas pessoas participaram pra que a igreja São José Operário existisse, no início a irmã Catarina saiu de casa em casa convidando os moradores do bairro pra participar de um culto dominical,

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo

A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo A urbanização contemporânea de Campinas e o processo de constituição da região do Jardim Campo Belo Helena Rizzatti Fonseca helena.fonseca@ige.unicamp.br IG/UNICAMP Palavras-chave: urbanização, periferização,

Leia mais

COMUNIDADE DO TAQUARAL

COMUNIDADE DO TAQUARAL COMUNIDADE DO TAQUARAL Histórico Taquaral, localizada na região da morraria era uma sesmaria, que originou aos primeiros tempos da fundação da então Vila Maria do Paraguai. É um povoado antigo e tradicional,

Leia mais

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS PORTEIRINHA - MG MARÇO DE 2002 INTRODUÇÃO Este dossiê contém as informações sobre as três imagens dos Santos Reis, que pertencem a Igreja de Santos

Leia mais

FORMULARIO DE QUALIFICAÇÃO DE EVENTOS TURÌSTICOS 2014

FORMULARIO DE QUALIFICAÇÃO DE EVENTOS TURÌSTICOS 2014 FORMULARIO DE QUALIFICAÇÃO DE EVENTOS TURÌSTICOS 2014 Município : Araçaí... Categoria... Tipo... Nome do Evento.: Festa de São Sebastião... Sigla... Local do Evento: Ginásio Poliesportivo Mineirinhos...Sigla...

Leia mais

RIF Ensaio Fotográfico

RIF Ensaio Fotográfico RIF Ensaio Fotográfico Salve Jorge! Devoção popular em vermelho e branco... Em reza e samba Diego Dionísio 1 1 Graduado em Comunicação Social. Técnico de inventário do Patrimônio Imaterial na América Latina

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

A Festa do Divino Espírito Santo de Lagoinha: devoção, manifestação e

A Festa do Divino Espírito Santo de Lagoinha: devoção, manifestação e A Festa do Divino Espírito Santo de Lagoinha: devoção, manifestação e comunicação Francisco Diogo de Carvalho 1 Introdução Para entender como a Festa do Divino de Lagoinha se mantém como forma de resistência

Leia mais

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR

Amone Inacia Alves Graduada em História - UESB Especialista em Ciência Política - IBPEX Mestre em Sociologia das Organizações - UFPR Folclore Mede-se a inteligência de um povo pela sua capacidade de não só ser gente. Nascemos gente ao acaso, ao natural e transformamos em povo na busca perfeita pelas formas, curvas e cores. São as cores

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS I FEIRA GASTRO-CULTURAL DE RIO DOCE MG De 24/09 à 01/10/2011, o município de Rio Doce abrigará a I Feira Gastro-Cultural que movimentará a cultura, a arte e a culinária no interior na zona da mata mineira.

Leia mais

Rituais de festa em uma morte anunciada. anos. Filha de Maria Dias da Silva, mãe solteira, lavadeira, vendedora de lenha, entre outros serviços

Rituais de festa em uma morte anunciada. anos. Filha de Maria Dias da Silva, mãe solteira, lavadeira, vendedora de lenha, entre outros serviços Rituais de festa em uma morte anunciada Profª Drª Temis Gomes Parente Universidade Federal do Tocantins Campus de Porto Nacional - TO. Email: temis.parente@uol.com.br No dia 29 de maio de 2004, em Natividade-

Leia mais

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva

SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva 1 SÃO JOÃO/CAÔ: FESTA RELIGIOSA DOS XUKURU DO ORORUBÁ (PESQUEIRA-PE) Edson Silva Mulheres, crianças, jovens e homens xukurus, muitas pessoas curiosas se concentram por volta da três horas da tarde do dia

Leia mais

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 A DEVOÇÃO AO DIVINO ESPÍRITO SANTO, EM PELOTAS, RS, BRASIL REGINA LUCIA

Leia mais

Os participantes da Congada cantam e dançam, homenageando de forma especial, São Benedito. E é uma festa que cumpre também um papel auxiliar no

Os participantes da Congada cantam e dançam, homenageando de forma especial, São Benedito. E é uma festa que cumpre também um papel auxiliar no Congada Congada É um misto de tradições cristãs, pagãs e africanas, onde os participantes, cantando e dançando numa mistura religiosa e profana tão típicas deste país homenageiam de forma especial São

Leia mais

IV SEMINARIO DE POVOS INDIGENA E SUSTENTABILIDADE SABERES TRADICIONAL E FORMAÇAO ACADEMICA ARLEM BARBOSA DOS SANTOS

IV SEMINARIO DE POVOS INDIGENA E SUSTENTABILIDADE SABERES TRADICIONAL E FORMAÇAO ACADEMICA ARLEM BARBOSA DOS SANTOS IV SEMINARIO DE POVOS INDIGENA E SUSTENTABILIDADE SABERES TRADICIONAL E FORMAÇAO ACADEMICA ARLEM BARBOSA DOS SANTOS DIAGNOSTICO SOCIO-ECONOMICO DA COMUNIDADE SÃO JORGE/RR: UMA EXPERIENCIA ACADEMICA Trabalho

Leia mais

Concurso Música Tema da Festa da Uva 2016 REGULAMENTO Página 2 de 6

Concurso Música Tema da Festa da Uva 2016 REGULAMENTO Página 2 de 6 REGULAMENTO Página 1 de 6 1. OBJETIVO 1.1 O concurso tem como objetivo a produção e escolha da Música Tema da Festa da Uva 2016 para utilização como peça publicitária de divulgação e convite para a Festa

Leia mais

Valéria Carrilho da Costa

Valéria Carrilho da Costa A FOLIA NA ESCOLA: ENTRE CORES E CANTOS Valéria Carrilho da Costa gmacala@netsite.com.br Prefeitura Municipal de Uberlândia E.M. Profª Maria Leonor de Freitas Barbosa Relato de Experiência Resumo O projeto

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096 Eventos Culturais PROGRAMA Nº - 096 Levar cultura à população através de shows musicais, espetáculos teatrais, poesia, oficinas de teatro, música, artesanato, artes plásticas e outros. Contratar empresas

Leia mais

CMCJ/DF e Circuito da Criança curtem o Cirque du Soleil

CMCJ/DF e Circuito da Criança curtem o Cirque du Soleil Brasília, 22 de agosto de 2013 CMCJ/DF e Circuito da Criança curtem o Cirque du Soleil No dia 9 de agosto, as crianças e adolescentes do Centro Marista Circuito Jovem e Centro Marista Circuito da Criança

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras;

Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras; Objetivos Estudar as heranças formativas que caracterizam a grande maioria das festas brasileiras; Estruturar o profissional de eventos para compreender os mecanismos formadores da identidade festiva do

Leia mais

DIÁRIO Ano 1 n 01 Cachoeiro de Itapemirim e Região Sul. DIÁRIO Ano 1 n 259 Cachoeiro de Itapemirim e Região Sul SUPLEMENTO ESPECIAL

DIÁRIO Ano 1 n 01 Cachoeiro de Itapemirim e Região Sul. DIÁRIO Ano 1 n 259 Cachoeiro de Itapemirim e Região Sul SUPLEMENTO ESPECIAL SEXTA-FEIRA, 01/04/2011 DIÁRIO Ano 1 n 01 Cachoeiro de Itapemirim e Região Sul www.aquies.com.br»» @folhadocaparao»» facebook.com/grupofolhadocaparao QUARTA-FEIRA, 15/02/2012 DIÁRIO Ano 1 n 259 Cachoeiro

Leia mais

15 DE MARÇO _ 5ª FEIRA

15 DE MARÇO _ 5ª FEIRA FESTAS DE S. JOSÉ - COMEMORAÇÕES DO FERIADO MUNICIPAL 2012 DE 15 A 19 DE MARÇO PROGRAMA 15 DE MARÇO _ 5ª FEIRA 10H00 ÀS 16H00 - CELEBRAÇÃO DOS 865 ANOS DA RECONQUISTA CRISTÃ DE SANTARÉM POR D. AFONSO HENRIQUES

Leia mais

JF Folia 2011 10 anos

JF Folia 2011 10 anos JF Folia 2011-10 anos A Bahia é aqui! Uma festa diferente, uma micareta que Juiz de Fora nunca viu. Essa é a promessa do JF Folia edição 2011, que este ano completa 10 anos de folia, ininterruptos. A festa

Leia mais

PROGRAMAÇÃO / FALAS DA APRESENTAÇÃO

PROGRAMAÇÃO / FALAS DA APRESENTAÇÃO PROGRAMAÇÃO / FALAS DA APRESENTAÇÃO 1 de junho de 2015 (segunda-feira) Leitura da sutra sagrada Chuva de Néctar da Verdade (30 ) 00:00 - Hino Sagrado É Primavera! (5 ) Maravilhosos filhos de Deus boa tarde

Leia mais

O SAGRADO E O PROFANO: PERFORMACE RITUALÍSTICA EM PIRENÓPOLIS

O SAGRADO E O PROFANO: PERFORMACE RITUALÍSTICA EM PIRENÓPOLIS 1 O SAGRADO E O PROFANO: PERFORMACE RITUALÍSTICA EM PIRENÓPOLIS Maria Cristina de Freitas Bonetti 1 Resumo Este ensaio trata de uma manifestação da Religiosidade Popular em Pirenópolis, Goiás; objetiva

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

FORMULARIO DE QUALIFICAÇÃO DE EVENTOS TURÌSTICOS 2014

FORMULARIO DE QUALIFICAÇÃO DE EVENTOS TURÌSTICOS 2014 FORMULARIO DE QUALIFICAÇÃO DE EVENTOS TURÌSTICOS 2014 Município: MORRO DA GARÇA/MG Categoria... Tipo... Nome do Evento: FESTA DA LAVOURA DE MORRO DA GARÇA Sigla: FLMG Local do Evento: PRAÇA SÃO SEBASTIÃO

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos,

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, PASCOM A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, t e x t o s e i d é i a s p a r a a s matérias! Nossa Senhora da Penha, que sabe o nome de cada

Leia mais

Coleção Liturgia e Música Coordenação editorial: Frei Joaquim Fonseca, OFM

Coleção Liturgia e Música Coordenação editorial: Frei Joaquim Fonseca, OFM INTRODUÇÃO ao canto gregoriano Coleção Liturgia e Música Coordenação editorial: Frei Joaquim Fonseca, OFM 1. Cantando a missa e o ofício divino, Joaquim Fonseca, OFM 2. Música brasileira na liturgia (vol.

Leia mais

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil.

Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. Reflexões socioantropológicas sobre festa, religião e cidade no Brasil. PEREZ, Léa Freitas. Festa, religião e cidade. Corpo e Alma do Brasil. Porto Alegre: Medianiz, 2011, 211p. Mauro Dillmann 1 Gilberto

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER,

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, Adriana UNIPLAC adriana.kremer@bomjesus.br GT: Educação Popular/ n.06 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

Congado de Uberlândia ] livro 01/02

Congado de Uberlândia ] livro 01/02 Congado de Uberlândia ] livro 01/02 1 2 Trocar foto >> sumário 3 livro 01/02 1. Introdução 1.1 Apresentação 1.2. Pesquisa: reconhecimento dos sujeitos 1.2.1. Metodologia Geral 1.2.2. Metodologia dos Inventários

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Localização R$ % SE Cultura Gestão, manutenção Administração de pessoal 576 servidores DF 48.000.000 32,93 SE Cultura Cultura EP (PEDF) Reforma de

Localização R$ % SE Cultura Gestão, manutenção Administração de pessoal 576 servidores DF 48.000.000 32,93 SE Cultura Cultura EP (PEDF) Reforma de Localização R$ % SE Cultura Gestão, manutenção Administração de pessoal 576 servidores DF 48.000.000 32,93 SE Cultura Cultura EP (PEDF) Reforma de edificações e espaços culturais 1.500 m2 DF 6.996.819

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sousa Fundação Municipal de Cultura Sandoval Silva de Assis

Prefeitura Municipal de Sousa Fundação Municipal de Cultura Sandoval Silva de Assis 12 a 14 DE JULHO 2013 I - INTRODUÇÃO: A FUNDAÇÃO MUNICÍPAL DE CULTURA DE CULTURA, apresenta o projeto Festival Sertanejo da Canção, que será realizado nos dos dias 12, 13 e 14 de Julho de 2013 com a finalidade

Leia mais

PÁU DA BANDEIRA. Izaura Lila Lima RIBEIRO (1); Nayana de Castro CUNHA (2); Rafaelle Almeida ARAGÃO (3)

PÁU DA BANDEIRA. Izaura Lila Lima RIBEIRO (1); Nayana de Castro CUNHA (2); Rafaelle Almeida ARAGÃO (3) PÁU DA BANDEIRA Izaura Lila Lima RIBEIRO (1); Nayana de Castro CUNHA (2); Rafaelle Almeida ARAGÃO (3) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE, Rua Monsenhor Salazar, 1004,

Leia mais

Grupo Gay da Bahia. Regras Básicas para a realização de uma Parada do Orgulho Gay.

Grupo Gay da Bahia. Regras Básicas para a realização de uma Parada do Orgulho Gay. Grupo Gay da Bahia Rua Frei Vicente, 24 _ Pelourinho 40010025 Salvador, Bahia, Fones (71) 3322 2552 99894748 Regras Básicas para a realização de uma Parada do Orgulho Gay. 01 A presença de Gays [ de alguma

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO.

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA 2012 TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. POR QUE TRABALHAR LUIZ GONZAGA? Luiz Gonzaga é um mestre da música. Foi ele

Leia mais

ENTRE RAMOS A EXPERIÊNCIA DE REALIZAÇÃO DE UM ESTUDO COREOGRÁFICO SOBRE FESTA E FÉ

ENTRE RAMOS A EXPERIÊNCIA DE REALIZAÇÃO DE UM ESTUDO COREOGRÁFICO SOBRE FESTA E FÉ ENTRE RAMOS A EXPERIÊNCIA DE REALIZAÇÃO DE UM ESTUDO COREOGRÁFICO SOBRE FESTA E FÉ Jéssica Ribeiro Dias 1 Renata de Lima Silva (orientadora) 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar elementos

Leia mais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais

Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Os templos religiosos e a formação das Minas Gerais Sou apenas uma rua na cidadezinha de Minas. Cruz da Igreja de N. Sra do Carmo Ouro Preto Minas há muitas. Provavelmente a Minas que mais nos fascina

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Goiânia, 24 de outubro de 1962. Na

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

O GRUPO PROCURAM INSTIGAR AS PESSOAS PARA NOSSA REALIDADE SOCIAL E AMBIENTAL

O GRUPO PROCURAM INSTIGAR AS PESSOAS PARA NOSSA REALIDADE SOCIAL E AMBIENTAL PORTFOLIO O GRUPO O GRUPO Fruto de pesquisas sonoras com materiais alternativos como lixo e sucata, o grupo VIDA SECA se forma em 2004, relendo ritmos brasileiros, africanos e latino-americanos, com influências

Leia mais

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares.

Palavras-chave: Etnocenologia, Folias do Divino, Ritos espetaculares. O mestre morreu. Viva o novo mestre. Jorge das Graças Veloso Programa de Pós-Graduação em Artes VIS/IdA UnB. Professor Adjunto Doutor em Artes Cênicas UFBA. Ator, diretor, dramaturgo, professor/unb. Resumo:

Leia mais

Primeiro Disco Com 12 faixas,

Primeiro Disco Com 12 faixas, Bande Dessinée Misto de retrô e contemporâneo, a Bande Dessinée trouxe nos ares para a cena musical Pernambucana. Marcada por influências da música francesa e inspirada no universo da música pop dos anos

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina ÍNDICE Encontro de Mulheres Guarani do Litoral Norte do Estado de São Paulo Organização: Selma A. Gomes Projeto gráfico: Irmãs de Criação Fotos: Carlos Penteado Publicado com o apoio da CAFOD Novembro

Leia mais

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino

Arte Africana. 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino Arte Africana 7º Ano 4º Bimestre Artes Professor Juventino África O Brasil é um país mestiço, nossa cultura é composta de uma mistura de etnias. Parte relevante de nossa raiz cultural é o povo africano,

Leia mais

Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira.

Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira. INCENTIVO À CULTURA Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira. Por isso criamos o projeto MPB pela MPE. Ao

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PRELIMINAR FORTALECIMENTO E EXPANSÃO DA DOUTRINA E DA PRÁTICA UMBANDISTA

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PRELIMINAR FORTALECIMENTO E EXPANSÃO DA DOUTRINA E DA PRÁTICA UMBANDISTA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PRELIMINAR FORTALECIMENTO E EXPANSÃO DA DOUTRINA E DA PRÁTICA UMBANDISTA MARÇO/2013 1-APRESENTAÇÃO 2-OBJETIVO 3-JUSTIFICATIVA 4-PLANEJAMENTO PRELIMINAR 4.1-VERTENTE DO CONHECIMENTO

Leia mais

Densidade de ocorrências de mortes violentas

Densidade de ocorrências de mortes violentas de mortes violentas Temporalidade e espaços dos homicídios dolosos na capital paulista Sérgio Adorno* No Município de São Paulo, a distribuição de ocorrências de homicídio doloso, segundo o período do

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

Comemorando o 1º Congresso Internacional da JAC realizado em Lourdes (França) por ocasião de seu 1º aniversário.

Comemorando o 1º Congresso Internacional da JAC realizado em Lourdes (França) por ocasião de seu 1º aniversário. Comemorando o 1º Congresso Internacional da JAC realizado em Lourdes (França) por ocasião de seu 1º aniversário. A JUVENTUDE AGRÁRIA CATÓLICA (JAC) É um movimento organizado para os jovens rurais, visando

Leia mais

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113.

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113. O RURAL E O URBANO 1 - AS DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO 1 Desde o final do século passado, a modernização, a industrialização e informatização, assim como a crescente urbanização, levaram vários pesquisadores

Leia mais

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DESANTA CATARINA IFSC-CAMPUS JOINVILLE CURSO DE ASSISTENTE EM PRODUÇÃO CULTURAL-PRONATEC TURMA 1 2013 PLANO COREOGRÁFICO TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA CARLOS

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

Os festejos da Igreja Imaculada Conceição: espaço de religiosidade, sociabilidade e diversão (Ponta Grossa, 1924-1955)

Os festejos da Igreja Imaculada Conceição: espaço de religiosidade, sociabilidade e diversão (Ponta Grossa, 1924-1955) 1 Os festejos da Igreja Imaculada Conceição: espaço de religiosidade, sociabilidade e diversão (Ponta Grossa, 1924-1955) Denise Pereira Orientadora: Profa Dra Maria Luiza Andreazza No final do século XX,

Leia mais

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura.

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura. A MÚSICA CAIPIRA E A LITERATURA: do imaginário à representação cultural Meire Lisboa Santos Gonçalves Resumo: As manifestações sobre a tradição e cultura caipira e o seu reconhecimento são temáticas muito

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

PROJETO RELATÓRIO DE ATIVIDADES MAIO/JUNHO/JULHO/AGOSTO DE 2013. Goiás, setembro de 2013.

PROJETO RELATÓRIO DE ATIVIDADES MAIO/JUNHO/JULHO/AGOSTO DE 2013. Goiás, setembro de 2013. PROJETO RELATÓRIO DE ATIVIDADES MAIO/JUNHO/JULHO/AGOSTO DE 2013 Goiás, setembro de 2013. APRESENTAÇÃO O Projeto FICA na Comunidade é uma iniciativa do IDESA em parceria com a SECULT - Secretaria de Estado

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO LITERÁRIO CONTOS DE SÃO JOÃO MARCOS

REGULAMENTO CONCURSO LITERÁRIO CONTOS DE SÃO JOÃO MARCOS REGULAMENTO CONCURSO LITERÁRIO CONTOS DE SÃO JOÃO MARCOS Com o objetivo de incentivar a produção literária fluminense o Parque Arqueológico e Ambiental de São João Marcos, em Parceria com a Editora Cidade

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITO SANTENSE

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITO SANTENSE 1º CAMPORI ONLINE ASSOCIAÇÃO ESPÍRITO SANTENSE A P R E S E N T A Ç Ã O Querido Desbravador é com muita alegria que estamos realizando pela 1ª vez em nossa Associação um Campori Online. É uma inovação que

Leia mais

PARÓQUIA SÃO JOSÉ - MATRIZ DE RIBEIRÃO PIRES CALENDÁRIO PAROQUIAL DE PASTORAL ANO 2014

PARÓQUIA SÃO JOSÉ - MATRIZ DE RIBEIRÃO PIRES CALENDÁRIO PAROQUIAL DE PASTORAL ANO 2014 PARÓQUIA SÃO JOSÉ - MATRIZ DE RIBEIRÃO PIRES CALENDÁRIO PAROQUIAL DE PASTORAL ANO 2014 Objetivo A partir das Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil e do 7º Plano Diocesano de Pastoral (2013-20150,

Leia mais

Release do Espetáculo

Release do Espetáculo Forró Floreado Release do Espetáculo O espetáculo Forró Floreado, do Trio Sinhá Flor, tem uma proposta estética bem definida: apresentar ao público o gênero forró sob uma perspectiva feminina. Essa proposta

Leia mais

197º Festa do Divino Espírito Santo 2015 Imperador: João Geraldo Costa Pina

197º Festa do Divino Espírito Santo 2015 Imperador: João Geraldo Costa Pina 197º Festa do Divino Espírito Santo 2015 Imperador: João Geraldo Costa Pina Programação: 05 de abril - Domingo de Páscoa 12h - Saída da Coroa e tocata com a Banda Phôenix na frente da Matriz 20h - Missa

Leia mais

www.ssoar.info Rancho Kalunga no Vão de Almas Magalhães, Nancy Alessio; Koyanagi, Raquel

www.ssoar.info Rancho Kalunga no Vão de Almas Magalhães, Nancy Alessio; Koyanagi, Raquel www.ssoar.info Rancho Kalunga no Vão de Almas Magalhães, Nancy Alessio; Koyanagi, Raquel Veröffentlichungsversion / Published Version Zeitschriftenartikel / journal article Empfohlene Zitierung / Suggested

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

PARÓQUIA SÃO MATEUS CALENDÁRIO 2014

PARÓQUIA SÃO MATEUS CALENDÁRIO 2014 Dia Dia da JANEIRO COM MARIA CONSTRUIR A PAZ 31 MISSA NA SÃO MATEUS 20H 01 Quarta SOLENIDADE DA SANTA MÃE DE DEUS, MARIA/ MISSA NA CAPELA SANTO ANTONIO 10H 2 MISSA NA SÃO MATEUS 19H30 3 HORARIO NORMAL

Leia mais

AS MANIFESTAÇÕES SOCIOCULTURAIS NA FESTA DE SANTOS REIS: comunidade Cruzeiro dos Martírios no município de Catalão (GO)

AS MANIFESTAÇÕES SOCIOCULTURAIS NA FESTA DE SANTOS REIS: comunidade Cruzeiro dos Martírios no município de Catalão (GO) 1 AS MANIFESTAÇÕES SOCIOCULTURAIS NA FESTA DE SANTOS REIS: comunidade Cruzeiro dos Martírios no município de Catalão (GO) SILVA, Juliana Martins. Pós-Graduanda em História Social/ UFU/. E-mail: julyanamartins.silva@yahoo.com.br

Leia mais

Como chegar Gestão Estatísticas Festas Populares. Geografia História Pontos Turísticos Tradição Util Pública. Dia da Carpição

Como chegar Gestão Estatísticas Festas Populares. Geografia História Pontos Turísticos Tradição Util Pública. Dia da Carpição Como chegar Gestão Estatísticas Festas Populares Geografia História Pontos Turísticos Tradição Util Pública Dia da Carpição O Dia da Carpição, que acontece no mês de agosto no Distrito de São Francisco

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA JORNADA DE ORAÇÃO 2010 MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA Apresentação do santuário de NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO (Padroeira do Haiti) Porto Príncipe, República do Haiti Jornada Mundial de Oração 10

Leia mais

Os Símbolos Nacionais

Os Símbolos Nacionais Os Símbolos Nacionais Falar das origens das bandeiras, dos hinos, dos brasões de armas e dos selos não é tarefa fácil uma vez que o homem sempre tentou registrar seu dia a dia, seus feitos, sua passagem

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais