FESTA SERRALVES MAI 29 MAI PROGRAMA UM ENTRE MUITOS ENTRADA GRATUITA. Das 8h00 sáb às 24h00 dom BAIXA DO PORTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FESTA SERRALVES 30-31 MAI 29 MAI PROGRAMA UM ENTRE MUITOS ENTRADA GRATUITA. Das 8h00 sáb às 24h00 dom BAIXA DO PORTO"

Transcrição

1 SERRALVES FESTA UM ENTRE MUITOS EM PROGRAMA ENTRADA GRATUITA 40HNONSTOP Das 8h00 sáb às 24h00 dom MAI 29 MAI BAIXA DO PORTO Patrocinador do Serralves em Mecenas do Serralves em

2 Serralves em festa serralves em festa 40 horas non-stop! Das 8 da manhã de sábado à meia-noite de domingo Entrada Gratuita Com a presença de centenas de artistas nacionais e internacionais vindos de todo o mundo, o Serralves em é um dos maiores eventos da cultura contemporânea em Portugal e na Europa. Todos os anos recebe dezenas de milhares de visitantes, de todas as idades, ao longo de 40 horas consecutivas. A programação integra propostas que ilustram a interação das artes visuais com as artes performativas, nas áreas disciplinares da Performance, Música, Dança Contemporânea, Teatro e Cinema, Arquitetura e Ecologia, apresentadas em estreita relação com as atividades desenvolvidas durante todo o ano no Museu e no Parque de Serralves. Um Entre Muitos, o tema que marca esta 12 edição, reforça aquela que é uma das principais singularidades do evento, que propõe uma verdadeira existência coletiva, na qual públicos e artistas partilham lugares e experiências marcantes, como visitar o Museu às duas da manhã, ou dançar no Prado de Serralves madrugada fora! 2 como usar este programa? Este é o seu programa do Serralves em Está organizado pelas seguintes secções: atividades na Baixa do Porto, atividades contínuas e programação no sábado e domingo, em cada hora. Nesta página encontra uma série de informações úteis que não deve deixar de consultar. Na última página, o mapa da ajuda a identificar todos os espaços do Parque de Serralves. Estão distribuídos por todos os espaços assistentes devidamente identificados com t-shirts Serralves em e com um crachá com a indicação INFO. Eles estão preparados para responder às suas questões! Este evento também conta com o apoio de voluntários devidamente identificados, que podem ajudá-lo a usufruir das várias atividades e serviços que propomos para a. a sua opinião é importante! A Fundação de Serralves, em cooperação com o ISAG Instituto Superior de Administração e Gestão, vai realizar durante o Serralves em um estudo de satisfação junto dos visitantes. Contamos com a sua participação! brigada do ambiente A Brigada do Ambiente vai surpreender o público do Serralves em! Um conjunto de voluntários devidamente identificados sensibiliza o público para a importância das árvores e plantas do Parque de Serralves, informando e alertando. Se for surpreendido, sorria! informações úteis A entrada para o Serralves em faz-se este ano por dois portões: pelo portão da Avenida Marechal Gomes da Costa e pelo portão da Rua Bartolomeu Velho, junto à Quinta. Os dois portões abrem às 8h00 de sábado, 30 de maio, e encerram à meia- -noite de domingo, 31 de Maio. Para obter informações pode dirigir-se às Tendas de Acolhimento, que se encontram nas duas Entradas (B1) e (D10). Para qualquer esclarecimento, pode ligar para o número , todos os dias da semana entre as 10h00 e as 19h00. Durante as 40 horas do Serralves em o atendimento é contínuo. Aconselhamos também que consulte o nosso site em ou o site da em Os espaços onde se realizam as atividades e os caminhos de acesso estão identificados com placas colocadas em todo o Parque de Serralves. Nas atividades com lotação limitada o acesso faz-se por ordem de chegada, até ao limite de lotação do espaço. As lotações das atividades estão devidamente assinaladas ao longo do programa. As Visitas Orientadas estão sujeitas a lotação e é necessário levantar uma senha no próprio dia das visitas, a partir das 08h, na tenda de Acolhimento na Entrada da Avenida Marechal Gomes da Costa (B1). As atividades para a infância e juventude estão assinaladas ao longo do programa com X. Por razões de segurança é proibida a entrada com garrafas de vidro. Não é permitida a entrada de animais, à exceção de cães-guia. Para contribuir para uma maior segurança, serão disponibilizadas pulseiras identificativas para as crianças. São distribuídas nas Tendas de Acolhimento nas Entradas (B1) e (D10) e devem ser preenchidas com o nome da criança, do responsável e o respetivo contacto telefónico. Durante o Serralves em, em qualquer situação de emergência, acidente, desaparecimento ou outros, por favor dirija-se: Aos elementos de segurança Prosegur ou PSP presentes no recinto; Aos assistentes devidamente identificados com t-shirts Serralves em e com um crachá com a indicação INFO ; À equipa médica móvel de socorro da Saúde CUF. Contacto de emergência disponível 40 horas non-stop: ; Aos postos de socorro fixos da Saúde CUF, localizados junto à Entrada da Avenida Marechal Gomes da Costa (B1), em funcionamento sábado e domingo das 8h às 24h, e no Prado (E7), em funcionamento durante as 40 horas do Serralves em ; Poderá também contactar os nossos serviços através do telefone restauração Na 12 edição do Serralves em há uma oferta variada de restauração. Todos os pontos de venda estão assinalados no mapa da última página. Os horários de funcionamento são os seguintes: b2 bar do auditório Aberto durante as 40 horas, das 8h de sábado à meia-noite de domingo b3 restaurante do museu Sábado: 8h 11h pequeno-almoço 12h 16 almoço Buffet 16h 19h lanche 20h 24h jantar Buffet Domingo: 8h 11h pequeno-almoço 12h 16 almoço Buffet 16h 19h lanche 20h 22h jantar Buffet d3 casa de chá Sábado e domingo, 10h 24h A Casa de Chá não disponibiliza serviço de mesa nestes dias d3 campo de ténis NOVO: Bar de Gin 10h de sábado 2h de domingo Domingo, 10h 24h b1 clareira das bétulas 9h de sábado 2h de domingo Domingo, 9h 24h e2 alameda dos castanheiros 10h de sábado 2h de domingo Domingo, 10h 24h b4 pátio do ulmeiro Espaço de restauração com esplanada 10h de sábado 6h de domingo Domingo, 10h 24h e6 octógono 10h de sábado 6h de domingo Domingo, 10h 22h e7 prado 10h de sábado 6h de domingo Domingo, 12h 22h e10 maria nordman Espaço de restauração com esplanada 9h de sábado 1h de domingo Domingo, 9h 22h f10 pátio da nogueira Espaço de restauração com esplanada. NOVO: Francesinhas e refeições ligeiras com sopa e salada, Menu Adulto e Menu Criança 12h de sábado 1h de domingo Domingo, 12h 22h vendas Feira da b1 e9 entrada maria nordman 9h às 20h Na Feira da poderá encontrar uma vasta seleção de produtos e merchandising para adultos e crianças, relacionados com Arte Contemporânea, Arquitetura e Paisagem. Feira do Livro b2 pátio da adelina 10h às 20h Na Feira do Livro poderá encontrar uma seleção alargada de publicações de Serralves e de outras editoras nacionais e estrangeiras, sobre arte, arquitetura, fotografia, design e outras temáticas com descontos iguais e superiores a 50%. Feira de Artesanato Urbano e3 alameda dos castanheiros 10h às 22h A Feira de Artesanato Urbano reúne mais de três dezenas de autores nacionais com projetos nas áreas de acessórios pessoais, decoração, joalharia, entre outras. Venha conhecer esta feira de produtos portugueses. Loja de Serralves b2 clareira das bétulas 10h às 24h A Loja de Serralves é um espaço de referência na área do design e criação contemporâneos, onde se oferece o que de mais recente está a ser produzido no mercado nacional, apostando na criatividade e inovação, com especial destaque para as peças de autor das mais variadas tipologias desde acessórios de moda, joalharia, design de moda, decoração e casa, entre outros. Livraria de Serralves b3 museu de serralves 10h às 24h A Livraria é um espaço de referência em edições nacionais e internacionais sobre Arte Contemporânea, Arquitetura, Ambiente e temas correlacionados, nomeadamente História da Arte, Artes Performativas, Fotografia, Cinema, Design, Paisagem e Turismo Cultural. SUPER BOCK CREATIVE EXPERIENCE f9 quinta 30 Maio, 10h às 22h 31 Maio, 10h às 20h Partindo do tema amizade, a Super Bock Creative Experience vai desafiar as pessoas a escreverem mensagens em garrafas e enviarem uma coordenada aos destinatários, para que estes as venham descobrir, numa instalação feita com milhares de garrafas. Os amigos, ao encontrarem a garrafa, são convidados a fotografar e partilhar a mensagem através das redes sociais com uma hashtag que será divulgada durante o Serralves em. Podem depois acrescentar a sua garrafa à escultura, com uma nova mensagem escrita. À noite, as garrafas serão iluminadas com LED's. SER AMIGO FAZ A DIFERENÇA! Porque os Amigos de Serralves são especiais, preparámos um kit exclusivo de boas vindas, desta vez com algumas novidades, para que festeje connosco as 40 horas de! Na Entrada B1, dirija-se ao ponto exclusivo dos Amigos de Serralves (em funcionamento no sábado e domingo, das 9h às 20h) e peça o seu kit. Nestes dias há descontos especiais: 15% nas adesões e renovações a um ano e 25% nas adesões e renovações a três anos. Estes descontos não são acumuláveis com outros em vigor e são válidos para todas as categorias. Ficha Técnica Diretora Geral Odete Patrício Diretora do Museu Suzanne Cotter Diretor do Parque João Almeida Diretora de Recursos e Projetos Especiais Cristina Passos Diretor Comercial de Desenvolvimento e Comunicação Miguel Rangel Diretora Administrativo-Financeira Sofia Castro Música, Dança, Performance, Teatro e Circo Contemporâneo Programação Serviço de Artes Performativas (Cristina Grande e Pedro Rocha) / Produção Executiva Ana Conde Visitas, Oficinas e Teatro para a Infância e Juventude Programação Serviço Educativo (Elisabete Alves e Liliana Coutinho) / Produção Executiva Diana Cruz Circo Contemporâneo, Teatro de Rua e Teatro para a Infância e Juventude Consultor Giacomo Scalisi Produção Executiva Lovers & Lollypops

3 serralves em festa sexta 29 Mai Atividades na Baixa do Porto A Catalogue of Steps filipe braga Lap strap anna maria zinke A CATALOGUE OF STEPS COLEÇÃO CASA DE SERRALVES 2015 DD DORVILLIER A apresentação do projeto na Baixa do Porto e em Serralves tem o apoio da Câmara Municipal do Porto através da PortoLazer apoios: Fundação GDA, direitos dos artistas e Universidade do Porto. Edifício da Reitoria da Universidade do Porto 29 de maio, 15h30 Repete em Serralves no dia 30 de maio às 11h e às 19h30 e no dia 31 de maio às 11h Duração: 4 horas Performance em contínuo (assistência sujeita à lotação do espaço: 50 pessoas em simultâneo) A catalogue of steps Casa de Serralves Collection 2015, projeto performativo da coreógrafa DD Dorvillier, foi desenvolvido durante uma residência na Fundação de Serralves de 19 a 24 de maio. Esta coleção prossegue a sua pesquisa ainda em curso, A catalogue of steps, uma reformulação conceptual dos seus trabalhos criados entre 1990 e 2004, agora transmitidos a um grupo de performers nacionais e estrangeiros. Os bailarinos Katerina Andreou, Jorge Gonçalves, Rémy Héritier, Dinis Machado e Vera Santos aprenderam a coreografia dos fragmentos selecionados o mais fielmente possível, embora abandonando elementos originais como música, iluminação, figurinos e adereços. Este ato de despir não pretende reduzir a dança à sua essência. O que a coreógrafa reclama descobrir e apresentar é o que a dança emite ou ativa, em termos de imagem, de identidade ou de representação, para ver o que dela subsiste, sem o apoio do contexto original das obras. A apresentação na Reitoria da Universidade do Porto transpõe estes fragmentos coreográficos para espaços desse edifício venerável, como a Biblioteca do Fundo Antigo e o Salão Nobre. A visita do público é concebida como uma espécie de percurso ao qual se pode aderir livremente. A coreógrafa DD Dorvillier nasceu em Porto Rico em 1967 e desenvolveu a sua obra e a sua prática na cidade de Nova Iorque a partir de Em 2010 mudou-se para França e continuou a expandir internacionalmente o seu trabalho. Nas suas obras, Dorvillier sempre desafiou as definições pré-estabelecidas de dança. Através de abordagens físicas, filosóficas e conceptuais, as suas coreografias analisam questões de perceção, tradução e significado. Performance BLIND PORTRAITS STEFFI WEISMANN A apresentação do projeto na Baixa do Porto e em Serralves tem o apoio da Câmara Municipal do Porto através da PortoLazer apoios: Universidade do Porto e Goethe Institut Exterior do edifício da Reitoria da Universidade do Porto 29 de maio, 16h00 Duração: 3 horas Steffi Weismann é uma artista de e intermedia suíça a residir em Berlim. O seu trabalho foca-se na exploração das interacções entre linguagem e som e em novos media de comunicação. A Blind Portraits obedece a uma partitura criada por Steffi Weismann: 1 Olhar intensamente cara-a-cara para ele/ela (cerca de um minuto). 2 Fechar os olhos e concentrar-se na imagem interior da pessoa. 3 Desenhar o retrato cego da pessoa com um lápis e pedaço de papel. 4 Abrir os olhos e olhar para o resultado juntos. 5 Assinar o desenho e oferecê-lo a ele/ela. A apresentação destes projetos na Baixa do Porto e no Serralves em tem o apoio de: 3 PHIL MINTON S FERAL CHOIR A apresentação do projeto na Baixa do Porto e em Serralves tem o apoio da Câmara Municipal do Porto através da PortoLazer Largo da Estação de S. Bento / espaço locomotiva 29 de maio, 21h00 Repete em Serralves no dia 30 de maio às 19h A Phil Minton está garantido o estatuto de lenda viva no que se refere ao trabalho artístico com a voz humana. Aos 75 anos, tem uma longa carreira que passou por big bands de jazz, art rock, teatro e ópera experimentais e, principalmente, improvisação livre. É a liberdade o fundamento do seu projeto Feral Choir que iniciou nos anos 1980, quando lhe pediram para realizar workshops para não-cantores no Musik Centrum Stockholm. O projeto Feral Choir implica a participação de não-profissionais numa série de workshops vocais que culminam em s ao vivo. No Porto, os workshops têm lugar no Edifício Axa e as s no Largo da Estação de S. Bento e no Serralves em. Os participantes não são cantores, mas qualquer pessoa que aprecie a liberdade de experimentar e o prazer da descoberta conjunta das possibilidades da voz humana. O Feral Choir Porto tem a sua génese e primeiras apresentações públicas no contexto do Serralves em, mas nele se encerra um potencial de continuidade em aventuras para além desta esfera. Performance LAP STRAP STEFFI WEISMANN A apresentação do projeto na Baixa do Porto e em Serralves tem o apoio da Câmara Municipal do Porto através da PortoLazer apoio: Goethe Institut Próximo da Estação de S. Bento 29 de maio, 22h00 Duração: 20 minutos Na peça Lap Strap, conjuntos de sons e vozes, escuta e pensamento, são apresentados em loops mantendo a ideia das formações de identidades enquanto enxames. Lap vem do verbo em inglês to lap que significa enrolar e este solo cria uma experiência específica de tempo-espaço. O título brinca ainda com a imagem do próprio instrumento um verdadeiro cinto de carpinteiro com equipamento áudio (microfones, processadores de sinal, amplificadores, colunas) que se pode usar e controlar diretamente no próprio corpo. As s de Lap Strap são sempre ligadas ao lugar de apresentação, à audiência e ao contexto. Performance A STRING SECTION COMPANHIA RECKLESS SLEEPERS A apresentação do projeto na Baixa do Porto e em Serralves tem o apoio da Câmara Municipal do Porto através da PortoLazer Av. Dom Afonso Henriques, frente à instalação Metamorfose 29 de maio, 22h30 Repete em Serralves nos dias 30 e 31 de maio às 19h e 30 minutos Alinhado frontalmente, um quinteto de mulheres vestido de negro empunha serrotes que serão usados para destruir gradualmente cinco cadeiras de madeira. O som é mecânico e incerto dependendo da qualidade do movimento de cada intérprete e da sua inscrição física na competição. A String Section é uma peça duracional onde a produção de serradura, a destruição gradual das cadeiras e os resíduos depositados são tão importantes como a própria ação performativa. Trata-se de uma farsa ou a apresentação de um processo de destruição implacável e metáfora do nosso tempo A String Section, a peça mais recente da companhia inglesa Reckless Sleepers, é uma proposta performativa perturbadora e insólita, coreografada e interpretada por Leen Dewilde e as performers Caroline D Haese, Lisa Kendall, Orla Shine, Rachel Rimmer.

4 Serralves em festa 4 ATIVIDADES CONTiNUAS monica sosnowska Stairway [Escada], 2010, Aço pintado, PVC, Col. Gaby and Wilhelm Schürmann, Herzogenrath Filipe Braga exposições MONIKA SOSNOWSKA: ARQUITE- TONIZAÇÃO 30 e 31 de maio, 40 horas non stop Museu b3 Arquitetonização é a primeira exposição em Portugal da escultora polaca Monika Sosnowska (Ryki, Polónia, 1972). Comissariada por Suzanne Cotter, Diretora do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, a exposição foi concebida em diálogo com a arquitetura do Museu de Serralves, desenhado por Álvaro Siza. Ocupando mais de sete das suas maiores galerias, o átrio do Museu e o exterior Pátio da Adelina, numa progressão de instalações e objetos criados entre 2003 e a atualidade, a exposição revela, de forma impressionante, o percurso de uma artista cujo pensamento está intrinsecamente ligado à escultura. Entre as obras incluídas encontram-se antigas estruturas de corredores e pavilhões que criam rotas espaciais alternativas dependentes dos movimentos do observador, intervenções autónomas que aludem ao colapso e ao fragmento e grandes peças em ferro forjado constituídas por elementos estruturais usados na construção de edifícios numa escala de um para um, fundidos em formas suspensas, pendentes e móveis no espaço, produzindo um efeito espetacular. Propostas espaciais em menor escala, tanto abstratas como funcionais, mostram a atenção de Sosnowska aos detalhes de materiais e formas, ao mesmo tempo investigativos e profundamente humanos. Nascida em 1972 na Polónia e a viver atualmente em Varsóvia, Sosnowska tem olhado consistentemente para a linguagem da arquitetura enquanto forma expressiva e tem desafiado as possibilidades da escultura enquanto algo inerentemente feito e não apenas produzido. O facto de as suas esculturas recentes serem comparadas à obra de Richard Serra e Vladimir Tatlin atesta a ambição física de muitos trabalhos. Espaços labirínticos que evocam a contenção institucional, estruturas em aço torcidas e comprimidas e móveis outrora funcionais dobrados numa tensão burlesca aludem a comunidades e histórias, bem como aos corpos e ideais que os sustentavam. PODE O MUSEU SER UM JARDIM? OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES 30 e 31 de maio, das 8h à meia-noite Museu b3 Pode um museu ser um jardim?, exposição comissariada por João Ribas, Curador Sénior e Diretor Adjunto do Museu de Serralves, aborda relações concetuais e históricas entre o jardim e o museu. Enquanto algumas obras provenientes da Coleção de Serralves versam diretamente ideias de paisagem e natureza desde o uso de materiais naturais ao movimento das plantas, outras tratam o jardim como uma metáfora expandida do modo como vemos o mundo. Para esta exposição, junto destas obras da Coleção, são plantados no Museu trabalhos de Hans Haacke e Louise Lawler, quais novas espécies que crescem ao lado do jardim bem cuidado que a coleção de um museu representa. Tal como um jardim, a exposição Pode um museu ser um jardim? foi mudando com as estações do ano: de 6 fevereiro a 26 de abril a exposição apresentou um determinado conjunto de obras. A partir de 29 de abril outras obras tomaram o seu lugar no espaço do Museu. Relacionando o espaço exterior do jardim com o espaço interior do museu, a exposição reflete também o cenário único do Parque de Serralves, concebido por Jacques Gréber, e a arquitetura do Museu de Serralves, desenhado por Álvaro Siza. Pode um museu ser um jardim? encara o museu como um lugar de deambulação e devaneio, nele delineando novos caminhos e o ato de caminhar como uma prática estética e contemplativa. UM REALISMO COSMOPOLITA: O GRUPO KWY NA COLEÇÃO DE SERRALVES 30 e 31 de maio, das 8h à meia-noite Museu b3 A exposição Um Realismo Cosmopolita: o Grupo KWY na Coleção de Serralves, comissariada por Catarina Rosendo, apresenta uma seleção de obras e publicações de artista da Coleção de Serralves que integraram o grupo KWY, bem como de artistas portugueses e estrangeiros que colaboraram no projeto editorial KWY, como António Areal, François Dufrêne, Raymond Hains, Bernard Heidsieck, Yves Klein e Jorge Martins. A partir de finais dos anos 1950, o grupo KWY foi responsável pela abertura da arte portuguesa ao contexto internacional e deu impulso a um dos períodos mais estimulantes da cultura europeia do século XX. Constituído pelos artistas portugueses Lourdes Castro, René Bertholo, António Costa Pinheiro, João Vieira, José Escada e Gonçalo Duarte, pelo búlgaro Christo e pelo alemão Jan Voss, o grupo congregou- -se em Paris em torno da edição da revista KWY, publicada entre 1958 e Caracterizados pela ausência de manifesto artístico ou de um grande programa teorizador, os doze números da revista registam as mudanças artísticas e sociais ocorridas na época e atestam a força com que a realidade, os acontecimentos quotidianos e o imaginário visual das grandes cidades irrompem no espaço da arte. Extrapolando a atividade editorial do grupo para as colaborações com outras revistas do mesmo período (como a Daily-Bul e a Sens Plastique) e cruzando estas com as pinturas, desenhos, instalações e objetos produzidos pelos seus membros, a exposição adota uma cronologia mais ampla do que a da revista homónima e oferece a visão de um contexto internacional de circulação de ideias e dos vários cruzamentos verificados entre a Nova Figuração portuguesa e o Nouveau Réalisme, o espírito Fluxus, o grupo espanhol El Paso e as experiências letristas e da poesia sonora, entre outras manifestações que questionaram a tradição artística modernista e reivindicaram a presença da arte no centro dos acontecimentos socioculturais do seu tempo. CASA DE SERRALVES: O CLIENTE COMO ARQUITETO 30 e 31 de maio, das 8h à meia-noite A Biblioteca de Serralves guarda uma parte substancial do arquivo de Carlos Alberto Cabral, Conde de Vizela e primeiro proprietário da Casa de Serralves, nomeadamente a sua correspondência com Jacques-Émile Ruhlmann, Charles Siclis e Jacques Grebèr, arquitetos de Paris que contribuíram para o desenho da Casa de Serralves, cujo projeto e obra foram conduzidos pelo arquiteto portuense José Marques da Silva. Num processo que corre aproximadamente de 1925 a 1942, é possível compreender que a forma da Casa de Serralves não nasce do gesto esclarecido de nenhum dos seus muitos arquitetos e que, pelo contrário, a ambição e as expectativas de Carlos Alberto Cabral contribuíram de forma decisiva para o que foi o resultado final, próximo do que hoje conhecemos. Na exposição Casa de Serralves: o Cliente como Arquiteto, comissariada por André Tavares, é possível descortinar os passos sucessivos desse processo, compreendendo até que ponto o cliente terá conduzido a conceção da arquitetura da casa. Passo a passo, entre desenhos, correspondência, fotografias e maquetas que apresentam estados intercalares da obra, será possível dar a conhecer de uma forma explícita os sobressaltos da criação arquitetónica e a influência decisiva de Carlos Alberto Cabral. instalação / música THE RELIGION OF TOXINS Marc Behrens Parceiro: Crónica 30 e 31 de Maio, das 10h às 24h Janela da Capela f2 Lotação: 15 pessoas O São João é a mais emblemática festa da cidade do Porto, baseada nos ritos pagãos dos tempos da ocupação romana e mais tarde engolida pela agenda Católica. Thaipusam é uma festividade religiosa hindu celebrada pelos Tamil em doze países asiáticos e africanos, e um pouco por todo o mundo por comunidades de expatriados. Para além da parte ritualística (relacionada com o manjerico e com saltar fogueiras), o São João é caracterizado pela inebriação colectiva com bebidas espirituosas por entre bailes até ao sol nascer. No século XX, um empreendimento capitalista transformou as propriedades auditivas da festividade através da introdução dos martelos de plástico, que acrescentou mais uma forma de purgar negatividades ao evento. O Thaipusam prende-se, em génese, com a celebração da derrota do demónio Soorapadam pela lança do deus Murugan, e decorre durante vários dias com danças, rituais de modificação corporal demonstrações de devoção arrebatadoras. Algumas semanas antes das festividades, os devotos praticam uma dieta específica e uma série de castigos autoinfligidos como meio para atingir o estado de transe, fumando, também, dezenas de cigarros durante a procissão de 15 quilómetros até aos templos de Batu. A Música, assim como as substâncias químicas, determinam ambas as celebrações, através da alteração dos estados de espírito e físicos, e do próprio sistema cerebral. As toxinas contidas nas substâncias ingeridas alienam e libertam o corpo das suas rotinas. Em ambos os casos, trata-se de uma experiência colectiva. Ainda que o Thaipusam seja, em certa medida, uma experiência violenta, ambas as festividades geram paz e permitem o reposicionamento do indivíduo na sociedade e no seu percurso de vida alguns quase inconsciente e trivialmente, outros de forma puramente espiritual. PHONOPTICON SONOSCOPIA Parceiro: Sonoscopia 30 de Maio, das 10h às 02h 31 de Maio, das 10h às 24h Casa de Serralves Sala de Mármore f2 Phonopticon é um modelo de criação e representação sonora coletiva inspirado na arquitetura do Panopticon, um edifício projetado por Jeremy Bentham no século XVIII, onde uma torre central tem uma visão de 360 graus sobre celas de prisioneiros dispostas em círculo. Conceptualmente, porém, as ideias de controlo e poder contidas no Panopticon são substituídas nesta instalação na Casa de Serralves por representações sonoras, livres e abstratas na sua essência, que encontram diferentes significados nos processos de reflexão individual desencadeados em cada ouvinte. Durante o Serralves em os artistas criadores da instalação irão ativá-la em momentos performativos, no dia 30 de maio às 18h30 e 23h e no dia 31 de maio às 15h30 e 22h. O Phonopticon é um espectáculo onde são exploradas novas formas de expressão nas áreas da composição, interpretação e espacialização electroacústica, recorrendo à construção de novos instrumentos acústicos e electrónicos como elemento fulcral em todo o processo de criação. Em termos cénicos, o Phonopticon reúne no centro uma série de fontes sonoras (instrumentos acústicos, eléctricos e altifalantes) que podem ser visualizadas por toda a audiência, disposta concentricamente. A audiência é ainda envolvida por um conjunto de altifalantes dispostos nos limites do círculo envolvente. A composição, interpretação e desenvolvimento dos novos instrumentos é da responsabilidade de Alberto Lopes, Alexandre Soares, Carlos Guedes, Filipe Lopes, Gustavo Costa, Henrique Fernandes, José Alberto Gomes, Ricardo Jacinto, Rui Dias e Rui Penha, numa produção da associação Sonoscopia.

5 atividades contínuas 5 DIVISOR / 4 Pedro Tudela & Miguel Carvalhais Parceiro: Crónica 30 de Maio, das 10h às 02h 31 de Maio, das 10h às 24h Capela da Casa de Serralves f2 Lotação: 30 pessoas Divisor / 4 é uma instalação sonora criada especificamente para o Serralves em 2015 e para o espaço da Capela da Casa de Serralves. A instalação estará patente todo o fim de semana e, no local, serão apresentados três concertos que utilizam a sua infraestrutura. instalação / música / Cinema colours COLLECTIF NOMINO E 30 de Maio, das 10h às 02h 31 de Maio, das 10h às 24h Casa de Serralves Sala de Bilhar f2 Lotação: 30 pessoas Os membros do coletivo Nominoë têm em comum o interesse pelo cinema experimental e em particular o cinema dito «expandido». Aliando a materialidade da película e o seu modo de difusão original (a projecão) as suas s afastam-se das normas do desenrolar linear das sessões de cinema clássico, fazendo explodir a sua unidade temporal e espacial. Nominoë estende os seus meios de intervenção ao conjunto do dispositivo cinematográfico. Afasta-se igualmente dos modos de produção habituais dos filmes: as imagens são realizadas sem câmara, a rodagem desaparece em favor do próprio ato de projeção. O projecionista transforma-se em intérprete. A sua ação e dos restantes membros do coletivo orquestram os acontecimentos. Na seu trabalho recente Colours, o coletivo utiliza meios simples de investigação artística dos processos aditivos das cores e da visão tricromática, inspirados pelas famosas experiências com cores de James Clerk Maxwell. Tal como a imagem, o sistema de som é constituído por três colunas de som distribuídas no espaço. Tal como em trabalhos anteriores, Colours propõenos uma abordagem direta à luz e ao som: o espectador é assim imerso numa intensa experiência de sensações. fotografia UMA PESSOA, TRÊS ROSTOS X Parceiro: Olhares 30 e 31 de Maio, das 10h às 13h e das 14h às 18h Clareira dos Teixos c4 Como seriamos se o nosso rosto fosse simétrico? Reconhecer-nos-íamos? O Olhares traz ao Serralves em uma experiencia fotográfica que irá revelar os três rostos que cada pessoa tem: o rosto normal, o rosto resultante da simetria do seu lado direito e o resultante da simetria do seu lado esquerdo. QUE GRANDE LATA! X Parceiro: Instituto Português de fotografia 30 e 31 de Maio, das 10h às 19h Maria Nordman e9 Que Grande Lata! é um projeto de dinamização cultural do Instituto Português de Fotografia que procura levar até ao grande público um conjunto de experiências fotográficas para todos os curiosos em matéria de fotografia! Numa carrinha transformada em laboratório digital, câmara pinhole e espaço de criatividade, os participantes são desafiados a experimentar diferentes abordagens ao mundo da fotografia. RETRATOS COM CALEIDOSCÓPIO X Parceiro: Fotoadrenalina 30 de Maio, das 10h30 às 13h30 e das 15h às 18h30 31 de Maio, das 10h30 às 13h30 e das 15h às 18h Clareira dos Teixos c4 Propõem-se às pessoas que façam o seu retrato com a sua câmara fotográfica ou o seu smartphone, com a utilização um caleidoscópio que divide a imagem em milhares de partes. A ideia é que as pessoas levarem um retrato seu, dos amigos ou da família com esta nova técnica de fotografar em caleidoscópio. No facebook haverá a construção de um mural de cores e padrões com as fotos publicadas por todas as pessoas. oficinas PLANTARIUM X 30 e 31 de Maio, das 9h às 19h Bosque das Faias d1 Orientação: Mundo Científico Educação e Divulgação Científica, Lda Com lupas e pinças vamos viajar pelo mundo fascinante das plantas: picos, cores, sabores e aromas, tantas curiosidades se desvendam quando tudo é ampliado! Musgos, fetos ou plantas tintureiras, nada faltará neste mostruário vegetal. DESENHARIUM X 30 e 31 de Maio, das 9h às 19h Bosque das Faias d1 Orientação: Andreia Coutinho, Dina Marques, Magda Silva, Rita Faustino Hoje vamos fazer um desenhárium! O museu coleciona obras de arte. O parque coleciona plantas. E se o museu pode ser um jardim, que novas espécies poderemos encontrar? Depois de uma linha vem uma forma e ups o que é? Como se chama? Como se fez? Os desenhos inventados saltam para um desenhárium. E então, é preciso que as suas histórias sejam bem contadas e devidamente catalogadas!!! EU NO MUNDO / O MUNDO EM MIM X 30 e 31 de Maio, das 10h às 19h Clareira das Azinheiras a3 Orientação: André Rodrigues, Marco Ramos, Melissa Rodrigues, Paulo Jesus, Sónia Borges, Raquel Correia, Raquel Sambade, Rita Roque Ideias, sonhos, memórias, histórias, segredos Um mundo inteiro que cabe dentro da nossa cabeça. O que está dentro da tua cabeça? E à nossa volta o que há, do que gostamos? Convidamos-te a desenhar o mundo dentro da tua cabeça e o mundo à sua volta. Vamos construir uma instalação onde todos os mundos têm lugar! Traz o teu! ESCULTURAS EMARANHADAS X 30 e 31 de Maio, das 10h às 19h Clareira das Azinheiras a3 Orientação: Ana Martins, Carlos Carvalho, Inês Caetano, Joana Mendonça Linhas que se dobram e voltam a dobrar, triângulos e quadrados que se torcem iremos entrelaçar. Inspirados na obra da artista Monika Sosnowska vamos construir estruturas cheias de movimento e torções, esculturas emaranhadas com múltiplas utilizações. Na cabeça, na mão, no teto ou no chão, não há limites na dimensão nem na utilização. AVENTURAS PELO MUNDO MICROSCÓPICO X 30 e 31 de Maio, das 10h às 19h Clareira das Azinheiras a3 Orientação: Mundo Científico Educação e Divulgação Científica, Lda Nesta oficina os participantes são convidados a ver o invisível! Escamas de borboletas, olhos de insetos, células vegetais e animais são algumas das observações que poderás fazer. MINIZINES X 30 e 31 de Maio, das 10h às 19h Sala do Serviço Educativo do Museu b3 Orientação: Cristina Camargo, Ivone Anes, Joana Nascimento, Sofia Santos Serralves reúne muitos lugares, muitos artistas, muitas ideias, muitas pessoas, cada um com as suas histórias. Todos descobrimos e imprimimos, aqui, um bocadinho de nós. O espaço desta oficina reúne folhas para minizines de que nos podemos apropriar para contar a nossa história, com desenhos, carimbos e colagem. No final, podemos levar esta história para que conheça outros lugares. Um entre muitos será o minizine de cada um. UM PEDAÇO ENTRE MUITOS! X 30 e 31 de Maio, das 10h às 19h Maria Nordman e9 Orientação: Catavento, Projetos Educativos De pedaço em pedaço vem criar uma manta gigante para cobrir e colorir o jardim de Serralves. Com a tua criatividade personaliza o teu pedaço e vem juntá-lo a muitos outros para se criar uma peça única montada por todos. NO PARQUE DAS BRINCADEIRAS X 30 e 31 de Maio, das 10h às 19h Maria Nordman e9 Orientação: Mundo Científico Educação e Divulgação Científica, Lda Construir e inventar faz parte das brincadeiras de um dia em festa. Com materiais simples e improváveis, vamos manipular, experimentar e construir objetos curiosos que escondem um verdadeiro mundo cheio de ciência. ANIMALARIUM X 30 e 31 de Maio, das 10h às 19h Celeiro f10 Orientação: Mundo Científico Educação e Divulgação Científica, Lda Aranhas, pombos, sapos e escaravelhos, todos serão protagonistas de uma grande aventura animalesca: debaixo de um banco de jardim, no canteiro da varanda, tantos pequenos refúgios vitais à Biodiversidade urbana! Observar, focar, pipetar, testar, não existirão mãos para tantas tarefas naturalistas! CANTA-ESPÍRITOS X 30 e 31 de Maio, das 11h às 13h e das 15h às 18h Clareira da Presa d5 Orientação: Oficina Arara A Oficina Arara vem, uma vez mais, apresentar uma instalação inspirada nos objetos e rituais de cariz popular, os tradicionais cata-ventos e espanta- -espíritos, que será montada com a participação de todos os que desejem, através de uma oficina paralela. Nela serão construídos artefactos ao longo dos dois dias da e deles nascerão os frutos de uma árvore que o vento animará e orientará na sua imprevisibilidade motora. O som, o movimento e a forma de toda esta estrutura cumulativa, será por fim um céu a contemplar, um espanta-bichos-de-encantar. RÁDIO JÁ! X 30 de Maio, das 15h às 20h 31 de Maio, das 11h às 13h e das 17h às 20h Junto à janela da biblioteca c3 Orientação: Rádio Manobras Numa banca monta-se um posto de rádio. Tudo pronto! Faça aqui e agora um programa de rádio. À mesa do microfone ou com um gravador em punho, apontamos os ouvidos às coisas e aos acontecimentos: ao som do palheiro; à música das árvores; às palavras teatrais e passantes. Fazemos edições, composições, comentários, sondagens. O que surtir será editado e publicado na hora. Em suma, usufruímos do que acontece, descobrimos filões vibrantes no turbilhão da festa, e damos-lhe expressão com o que temos à mão. FIMPALITOS X parceiro: FIMP 30 de Maio, das 10h30 às 13h30 e das 15h às 18h Janela da Nesta brincadeira levada muito a sério caberá a cada construtor/autor, a partir de materiais provenientes de antigas cenografias de várias estruturas de teatro da cidade do Porto como Assédio, As Boas Raparigas..., Teatro de Marionetas do Porto, Ensemble, Teatro de Ferro, FITEI, etc., desenvolver e personalizar o seu Fimpalito. Com o apoio da equipa de construtores do festival, todos os participantes podem construir e manipular uma marioneta. No final de cada turno de construção os Fimpalitos acabados de nascer aprendem a caminhar e partem juntos em parada pelas alamedas do parque. visitas orientadas AOS ESPAÇOS ARQUITETÓNICOS 30 e 31 de Maio, às 11h, 16h30 e 18h30 Ponto de encontro: Entrada b1 Orientação: Bernardo Amaral e João Almeida e Silva tenda de acolhimento, na Entrada) A Casa de Serralves e o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, desenhada pelo Arquiteto Álvaro Siza Vieira, assim como o seu entorno paisagístico, foram classificados como Monumento Nacional no ano de As visitas aos espaços arquitetónicos dão a conhecer este património comum e chamam a atenção para os diálogos harmoniosos criados entre a arquitetura da Casa, a arquitetura do Museu e o desenho dos Jardins envolventes. AO PARQUE 30 e 31 de Maio, às 10h30, 17h30 e 19h Ponto de encontro: Entrada b1 Orientação: Anabela Pereira tenda de acolhimento, na Entrada) O percurso no Parque de Serralves possibilita o reconhecimento do valor paisagístico, ecológico e estético de um lugar com características singulares, vocacionado para experiências e aprendizagens múltiplas. ÀS EXPOSIÇÕES 30 e 31 de Maio, às 12h30, 15h30 e 18h30 Ponto de encontro: Hall do Museu b3 Orientação: Cristina Alves, Rita Martins e Samuel Silva tenda de acolhimento, na Entrada) Uma visita que pretende introduzir o visitante ao Museu de Arte Contemporânea de Serralves, à história da sua coleção e às exposições temporárias patentes no Museu. Construída de forma dialogante, esta visita destinada a todos os públicos constitui uma excelente oportunidade tanto para quem visita o museu pela primeira vez como para quem já nos conhece e pretenda uma apresentação e visita geral de todas as exposições que se encontram nas galerias do Museu. ÀS ESCULTURAS DO PARQUE 30 e 31 de Maio, às 10h30 Ponto de encontro: Entrada b1 Orientação: Cristina Alves e Rita Martins tenda de acolhimento, na Entrada) A coleção do Museu de Arte Contemporânea não está só guardada nos seus acervos ou exposta nas galerias de exposição. Nos 15 anos de existência deste museu, foi também construída uma coleção de esculturas concebidas para o Parque de Serralves, com as quais os visitantes se podem cruzar cada vez que passeiam pelos seus jardins. Umas mais escondidas do que outras, expostas em campo aberto, envoltas nas árvores ou rodeadas pela vegetação dos jardins, esta visita levar-nos-á por um percurso no Parque em busca das suas esculturas. À DESCOBERTA DAS PLANTAS EXÓTICAS ORNAMENTAIS DO PARQUE 30 e 31 de Maio, às 10h30 Ponto de encontro: Entrada b1 Orientação: CIBIO / InBIO tenda de acolhimento, na Entrada) Com grande presença no Parque, estas plantas oriundas de todos os cantos do planeta encontram em Serralves as condições ideais para sobreviver e prosperar fora do seu meio natural. O Arboreto acolhe um conjunto significativo destas plantas, de grande beleza cénica. À DESCOBERTA DAS PLANTAS NATIVAS DO PARQUE 30 e 31 de Maio, às 16h30 Ponto de encontro: Entrada b1 Orientação: CIBIO / InBIO tenda de acolhimento, na Entrada) Estão espalhadas um pouco por todo o Parque, mas é na Mata, um dos seus espaços mais rústicos, que as plantas nativas de Portugal têm maior presença. É o ponto de partida ideal para descobrir estas plantas tão especiais para a preservação da nossa biodiversidade e para aprender mais sobre as suas características e curiosidades. A FAUNA SILVESTRE 30 e 31 de Maio, às 9h e 19h Ponto de encontro: Entrada b1 Orientação: CIBIO / InBIO tenda de acolhimento, na Entrada No Parque de Serralves residem mais de 60 espécies de mamíferos, aves, répteis e anfíbios, para além de um vastíssimo número de espécies de invertebrados. Propõe-se uma visita guiada pelo Parque à procura destes animais. As exposições Pode um Museu ser um Jardim? Obras da Coleção de Serralves e Um realismo Cosmopolita: o Grupo KWY na Coleção de Serralves integram o projeto Serralves - Património Classificado cofinanciado por:

6 Serralves em festa sábado 30 Mai 6 une aventure 08h00 visita orientada VISITA A DE HORAS Orientação: João Almeida e Ana Luísa Oliveira Ponto de partida: Entrada b1 Duração: 2 horas A marcar o início do Serralves em esta visita parte à descoberta do Parque de Serralves que, pelas primeiras horas da manhã, se revela aos visitantes ainda iluminado pela suave e doce luz do amanhecer. Uma experiencia inesquecível a não perder. 10h30 BREVE RELATO DE UM DESAPARECIMENTO Ben Evans Parceiro: NEC Arboreto f3 Repete às 15h30 Duração: 3 horas Como visitante do Serralves em, estás convidado a serpentear pelos jardins, a ouvir a descrição de uma figura talvez emergindo da paisagem, caminhando ao teu lado, tornando-se visível e desaparecendo novamente. Alguém, em seguida, começa a descrever-te a ti mas ele está enganado. Ele confundiu- -te com outra pessoa. Ou não? Este trabalho do artista Ben Evans joga com presenças que são reais mas apenas imaginadas, comportamentos previstos e nunca realizados, concretizados e depois esquecidos. A fragilidade desta obra aponta para o poder dessas forças impercetíveis que guiam os nossos movimentos. Ben Evans (1982) é originário dos EUA mas a maior parte de seu trabalho atual é criado e apresentado na Europa. Evans trabalha os meios da, da instalação e da escrita. Os seus solos e projetos colaborativos tiveram lugar no palco, dentro de fotografias e vídeos, através da internet, em museus, ao longo de cidades e espaços públicos exteriores. AÇÃO Filipa Moutinho Parceiro: Escola Superior Artística do Porto Passeio da Levada f6 Repete às 14h30 e no dia 31 de maio às 10h30 e 14h30 Duração: 2 horas e meia Lotação: 10 pessoas Esta propõe uma reflexão sobre a atual qualidade da comunicação entre indivíduos. Apesar das infinitas possibilidades tecnológicas que temos à nossa disposição para nos fazermos ler e ouvir, estaremos de facto a relacionarmo-nos mais e melhor? Ação propõe que esqueçamos, por momentos, computadores, telemóveis e redes sociais, para regressarmos a uma forma simultaneamente lúdica e arcaica de comunicação: o telefone composto por dois copos e um fio. As conversas entre estranhos, curtas e interrompidas, podem desafiar qualquer ordem lógica, mas devem aproximar quem se dispuser a regressar à infância. A desordem torna-se aqui o fio condutor. O HOMEM DOS BALÕES X João Lizardo Percurso com partida no Pátio do Ulmeiro B3 Repete às 19h e no dia 31 de maio às 10h30 e 19h e meia Por vezes, uma profissão consome ou destrói progressivamente o corpo do indivíduo. Incontáveis repetições de movimentos provocam artroses nos trabalhadores fabris. Músicos de orquestra vão ensurdecendo devido à proximidade dos trompetistas. A ausência de gravidade e de exercício diminui a massa óssea dos astronautas. Paradoxalmente, o desgaste sofrido em consequência do desempenho da profissão acaba por deixar o corpo incapacitado de exercer essa mesma atividade. Outras vezes, porém, só um corpo assim transformado pela atividade é capaz de a desempenhar com excelência. É esta a base a partir da qual se concebeu um conjunto de s para o Serralves em. Em 2010 O Jardineiro era a figura ilustrativa de uma fusão genética completa. A Senhora das Limpezas, apresentada em 2013, representava uma metamorfose pela qual se fundem o indivíduo/trabalhador e o seu material/ferramenta. O Homem dos Balões, a terceira e última figura deste conjunto, reflete a tragédia do indivíduo/trabalhador que se vê impedido de exercer a sua atividade pelo próprio objeto da sua profissão. João Lizardo desenvolve projetos artísticos que combinam artes visuais e artes performativas, envolvendo muitas vezes a participação do público (especialmente do público mais jovem). Tem apresentado o seu trabalho em Museus, Teatros, Galerias e Serviços Educativos de várias instituições por todo o país. solo para clown CHEIO X Filipa Francisco e Thorsten Grüetjen Repete às 17h30 e no dia 31 de maio às 11h30 e 18h Um carrinho parceiro e cúmplice que guarda alguns objetos que se transmutam e ganham identidade própria. Um intérprete que se transforma em clown. Objetos que são manipulados e utilizados de forma absolutamente inesperada: podem tubos transformar-se em parceiro de um pas de deux? Pode um saco de papel ter peso suficiente para ser o fio condutor de um espetáculo? Cheio é uma criação artística de Filipa Francisco e Thorsten Gruetjen que cruza as linguagens do teatro-circo e da. É um espetáculo que parte da improvisação das técnicas utlizadas nas s do teatro- -circo (o malabarismo, a manipulação de objetos ou a interação com o público), desenhando novos movimentos coreográficos. Em Cheio tudo pode acontecer! Filipa Francisco, coreógrafa e performer, e Thorsten Grüetjen, artista circense (também conhecido por Tosta Mista o Malabarista) apresentam um espetáculo sem palavras, para todas as idades! 11h00 O vendedor de Pássaros Erva Daninha Arboreto f3 Repete às 16h e no dia 31 de maio às 11h e às 16h Duração: 20 minutos Um vendedor ambulante anuncia a sua chegada, instala-se e está pronto a atuar. Passeia-se, prendendo a atenção na beleza das suas raridades. Equilibra as suas gaiolas alimentando o sonho de ter asas. Manipula os seus objetos, que voam de mão em mão, contemplando a liberdade. Uma reflexão sobre a liberdade. O aprisionamento das coisas belas. Guardamos o que amamos. Prender ou proteger? O vendedor de pássaros surge de uma vontade de dar continuidade à exploração de projetos de circo contemporâneo no espaço público. Encontra a sua inspiração nos ofícios ambulantes, quer na forma quer no conceito. Nesta peça são exploradas as temáticas do nomadismo, da incerteza, do risco, da dureza da rua, da liberdade que em grande parte se cruzam com a própria natureza da criação artística circense. recital de poesia POEMAS PARA BOCAS PEQUENAS X Margarida Mestre Sala de projeto do Museu b3 Repete no dia 31 de maio às 11h Público-alvo: dos 3 aos 5 anos Lotação: 75 pessoas Um recital para público infantil onde através de simples formas sonoras, espaciais e visuais que, ora enquadram, ora escondem, ora revelam palavras faladas ou cantadas, se propõe o ato de cheio o vendedor de pássaros julieta guimarães os emigrantes

7 sábado 30 mai 7 pensar e de sentir poesia. Construída a partir de poemas de autores portugueses e de visitas ao cancioneiro popular, faremos uma viagem plena de experiências musicais e sensoriais, centrada em temáticas que fazem parte do nosso mundo e de questões como a vivência em família, a casa, o corpo, os ciclos da natureza, o espaço, o desconhecido; e as coisas que não gostamos de fazer ou aquelas que nos dão que pensar... cinema cinema de ANIMAÇÃO Parceiro: Casa da Animação Auditório b2 Lotação: 250 pessoas Este ano a Casa da Animação propõe uma seleção de filmes maioritariamente feitos com recurso ao desenho animado, demonstrando a diversidade de formas que esta técnica possibilita. Esta seleção põe em jogo a capacidade que o cinema de animação tem de assumir histórias e personagens que só a sua liberdade de expressão visual permite. Elefantes, zebras, pássaros, girinos, a chuva, ventos fortes, o ar são alguns dos muitos e surpreendentes ingredientes desta sessão, que apresenta os filmes seguintes: Anatole e a sua Pequena Caçarola, de Eric Montchaud; Zebra, de Julia Ocker; A Bicicleta do Elefante, de Olesya Schukina; "Cantos dos Quatro Caminhos, de Nuno Amorim; Viagem na Chuva, de Wesley Rodrigues; Johnny Express, de Kyungmin Woo; Dois Amigos, de Natalia Chernysheva; Sair de Casa, de Joost Lieuwma; Vento, de Robert Lobel e A Minha Mãe é um Avião, e Yulya Aronova. A CATALOGUE OF STEPS COLEÇÃO CASA DE SERRALVES 2015 DD Dorvillier A apresentação do projeto na Baixa do Porto e no Serralves em tem o apoio da Câmara Municipal do Porto, através da PortoLazer apoios: Fundação GDA, direitos dos Artistas e Universidade do Porto Casa de Serralves 1º andar f2 Repete às 19h30 e no dia 31 de maio às 11h Duração: 2 horas e meia Performance em contínuo (assistência sujeita à lotação do espaço: 30 pessoas em simultâneo) Estreia nacional de A Catalogue of Steps Coleção Casa de Serralves 2015, peça da coreógrafa norte-americana DD Dorvillier desenvolvida durante uma residência artística na Fundação de Serralves. A Coleção Casa Serralves 2015 inspira-se na espantosa arquitetura da própria Casa e em especial no modo como os espaços interiores e exteriores interagem, estimulando a imaginação e o espírito. música eletrónica ENSEMBLE DE MÚSICA ELECTROACÚSTICA DA ESART Parceiro: ESART (Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco) O Ensemble de Música Eletroacústica é uma formação constituída por alunos do curso de Música Eletrónica e Produção Musical da Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco. Criado em 2007, tem como objetivo a exploração de novas linguagens de criação musical coletiva com meios eletrónicos e eletroacústicos, recorrendo a vários tipos de recursos técnicos como sintetizadores, controladores, computação física, instrumentos e processadores virtuais, comunicação por rede, etc. Grande parte destes recursos são construídos ou programados pelos próprios alunos. A direção artística está a cargo de Rui Dias. 11h30 exposição VISITA ORIENTADA PARA FAMÍLIAS À EXPOSIÇÃO ARQUITETONIZA- ÇÃO: MONIKA SOSNOWSKA X Ponto de encontro: Entrada b1 Orientação: Sónia Borges tenda de acolhimento, na Entrada) Um museu é um espaço aberto a todas as pessoas, de todas as idades. Formamse belas memórias de visitas a museus quando, de forma simultaneamente lúdica, curiosa e atenta, os visitamos em família (seja esta como for, tenha ela a forma que tiver). Propomos por isso uma visita destinada tanto aos mais pequenos como aos mais graúdos, à exposição da artista polaca Monika Sosnowska, tendo por base as folhas de atividades para famílias que o Serviço Educativo do Museu de Arte Contemporânea de Serralves produz para explorar, em família e ao longo de todo o ano, cada exposição patente no museu. 12h00 VÁRIOS PALMOS DE ESTUPIDEZ Projecto EZ Parceiro: Festival Imaginarius, Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Percurso com partida no Celeiro F10 Repete no dia 31 de maio às 12h Um Palmo é a medida que equivale a 8 polegadas ou 22 centímetros. A EstupideZ saudável que todos temos dentro de nós equivale a muito mais palmos do que pensamos. Vários Palmos de EstupideZ acompanham-nos nesta aventura, onde o lixo e as limpezas são a chave deste conflito. Um tema de e para todos... O Projeto EZ reúne um grupo de profissionais que trabalha projetos de animação itinerantes e que se distingue pela criação de veículos teatrais onde a audácia, a crítica e o humor se fundem na cenografia e no. UNE AVENTURE Companhia La Boca Abierta Repete no dia 31 de maio às 16h30 A companhia La Boca Abierta é o espaço de encontro das artistas Anne Kaempf e Lior Shoov, duas mulheres inseparáveis e profundamente diferentes. Duas artistas que se encontraram uma com a outra: Anne, uma artista de Paris e Lior, uma jovem artista viajante israelita. Duas irmãs ou duas amigas? É o confronto das diferenças que alimenta este duo. O palco está vazio. A única força é o seu trabalho artístico. O essencial é a sua presença e a improvisação que geram surpresas e novos movimentos. Anne e Lior são graciosas, intensas e divertidas. La Boca Abierta deixa o ar, a música e as suas palavras saírem livremente. 12h30 música jazz WHAM, SLAM, SPLASH & BAM! Orquestra de Jazz da EPME Parceiro: EPME (Escola Profissional de Música de Espinho) Em toda a história do Jazz ninguém tocou tão alto e tão vigorosamente como Buddy Rich. O melhor baterista do mundo liderou a sua Bigband e foi um dos responsáveis pelo ressurgimento deste tipo de ensemble. Numa época em que o Jazz começava a ser destronado em favor de formas e conteúdos mais simplistas, Buddy associou o seu groove indomável a melodias um pouco mais atrativas e, sem comprometer a qualidade dos arranjos ou da, ajudou a tornar o Jazz menos oblívio junto de uma geração mais jovem. A Orquestra de Jazz da EPME vai associar-se ao baterista Michael Lauren, nova-iorquino de nascença e pedagogo no departamento de Jazz da ESMAE, num tributo a Buddy Rich e interpretar alguns dos sucessos que marcaram a sua carreira. 13h30 WE ARE ALL STORIES IN THE END RICARDO AMBRÓZIO parceiro: Balleteatro Escola Profissional Repete a 31 de maio às 15h00 Duração: 30 minutos Intrigado pelo acaso e as diferentes possibilidades de encontros efémeros, Ricardo Ambrózio vai tecer uma colcha de retalhos entre diferentes histórias, jogando com o poder exercido pelos performers e a sua batalha pelo foco do público. Desenvolvido a partir de uma pesquisa com os alunos do 2 ano do curso de Dança do Balleteatro Escola Profissional, em 2015, We are all stories in the end nasce de histórias trazidas pelos alunos, dissecadas à sua essência e transformadas em movimento. 14h00 SIMÃO COSTA Parceiro: Shhpuma Auditório b2 Duração: 15 minutos Lotação: 250 pessoas O trabalho a solo de Simão Costa constitui-se, acima de tudo, como uma investigação dos limites sónicos do instrumento clássico por excelência, o piano. Através da sua manipulação extensiva e exaustiva, complementada pelo recurso a altifalantes transdutores, a um laptop e à mais diversa parafernália, o músico lisboeta opera uma completa transfiguração das suas propriedades sejam timbrais ou dinâmicas e das suas potencialidades. Com uma sólida formação clássica, Simão Costa desenvolve um trabalho que se estende a projetos de cariz transdisciplinar e interdisciplinar envolvendo música, vídeo, fotografia, dança, cinema, teatro e novo circo. Privilegiando o interface e cruzamento entre ciência, arte e tecnologia, o seu espetáculo no Serralves em festa, será, assim, mais do que um concerto, uma pequena totalidade performativa na qual conceitos como o de instalação, soundart, e arte visual se confundem e interpenetram, engendrando um novo quadro de referências e classificações. 14h30 AÇÃO Filipa Moutinho Parceiro: Escola Superior Artística do Porto Passeio da Levada f6 Repete no dia 31 de maio às 10h30 e 14h30 Duração: 4 horas e meia (10 em simultâneo) visita orientada PERCURSO PELA EXPOSIÇÃO PODE O MUSEU SER UM JARDIM? OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES Orientação de Samuel Silva Ponto de encontro: Hall do Museu b3 tenda de Acolhimento, na Entrada) As grandes janelas do Museu de Arte Contemporânea de Serralves permitem que, durante todo o ano, a nossa imaginação se passeie entre as galerias do Museu e os jardins de Serralves. Esta exposição de obras da Coleção de Serralves explora esta ligação, propondo que experimentemos o espaço do museu como se fosse o espaço de um jardim, um lugar onde a natureza e a cultura se encontram e se cruzam com o prazer, a atenção e a descontração, os afetos e a imaginação. É a caminhar por estas veredas que este percurso nos convida. 15h00 conversa participativa CONVERSA COM A COREÓGRAFA EMMANUELLE HUYNH Sala de Projeto do Museu b3 Lotação: 70 pessoas Emmanuelle Huynh (1963) é uma coreógrafa franco-vietnamita que tem desenvolvido um extenso trabalho como bailarina, coreógrafa e pedagoga. Refundou o projeto pedagógico da Escola Superior do CNDC de Angers e esteve na origem do mestrado em Dança, Criação e Performance da Universidade Paris 8 Saint-Denis e da Escola Superior das Belas Artes em Angers. O seu trabalho em dança cruza áreas tão diversas como a astrofísica, as artes plásticas, a música, a literatura Herberto Hélder, por exemplo e a arte floral japonesa do Ikebana. Nesta conversa Huynh vai falar sobre as repercussões sociais da sua prática, revelando as relações que tece entre a experiência artística e o campo das relações sociais. PZ Parceiro: Meifumado Depois de Anticorpos (2005) e Rude Sofisticado (2012), e após o lançamento dos singles Cara de Chewbacca e Tu És a Minha Gaja num vinil de 7 polegadas em colaboração com db no início deste ano, aterrou recentemente o terceiro álbum de originais deste artista pz-generis que tem vindo a conquistar um espaço muito próprio na música nacional com as suas letras descomplexadas, provocantes e desconcertantes, onde a ironia e o non-sense são armas que desarmam. Em contraste com a sua voz surge uma base eletrónica, tocada e programada pelo próprio, ritmos que vão do hip-hop ao techno/house entre outros géneros musicais. As Mensagens da Nave- Mãe são 12 temas que, entre solos de sintetizadores traumáticos, beats saltitantes, nos transportam para um mundo 100% Natural repleto de Bestas, comandado pelo Dinheiro, que nos deixa com a Neura enquanto damos uma Trinca na Chamuça. CARNAVAL SILENCIOSO Companhia Andaime Parceiro: FITEI Percurso com partida no Octógono E6 Repete a 31 de maio às 16h30 Não é carnaval, mas um bloco tradicional, com pessoas fantasiadas, confetes e serpentinas que caminha pelo parque em silêncio. Todos dançam a mesma música. A Companhia Andaime foca o trabalho na autonomia do intérprete dentro do jogo cénico e na sua relação com os espectadores. Das preocupações da Companhia destacam-se a construção de uma dramaturgia assente na pesquisa sobre e o espaço urbano. SINTOMA Parceiro: Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto Duração: 2 horas Sintoma é um grupo de investigação, prática artística e experimentação em Performance ou Live Art, constituído por estudantes de vários graus de ensino da licenciatura ao doutoramento, com coordenação de Rita Castro Neves, que integra a Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP). Nascido do desejo de ver esta área aprofundada nesta instituição artística, o grupo abrese à experimentação pela prática, aprofundando temas e processos da Performance Art em projetos individuais e em colaboração. No Serralves em, o Sintoma propõe um programa de várias apresentações públicas dos artistas Angelina Nogueira, Carolina Grilo Santos, Helena Ferreira, Mayara Dorada, Rebecca Moradalizadeh, Regina Costa, Dori Nigro e Paulo Emílio / Coletivo Tuia de Artifícios. A documentação-fotografia e vídeo são da autoria de Alexandra Ramos e Filipa Seixas.

8 sábado 30 mai 8 DANÇA CONTEMPORÂNEA OS EMIGRANTES Joana Providência Parceiro: Academia Contemporânea do Espetáculo Repete no dia 31 de maio às 13h Duração: 20 minutos Este projeto desenvolve-se em torno do universo do pintor Magritte, cujas obras contaminam e moldam o seu horizonte plástico. A emigração é aqui o tema fulcral, que leva milhares de pessoas em todo o mundo a deixar o seu país, por razões tão diversas como a guerra, a procura de trabalho, a perseguição política ou simplesmente a procura de uma vida melhor. O trabalho de interpretação deste projeto assentou sobretudo num corpo físico, na construção de partituras de movimento e no desenvolvimento de ideias de composição coreográfica que dão corpo a uma série de palavras-chave da emigração, fortemente articuladas com o espaço, som e luz. música eletrónica DIVISOR / 4 Pedro Tudela & Miguel Carvalhais Parceiro: Crónica Capela da Casa de Serralves f2 Repete no dia 30 de maio às 22h e no dia 31 de maio às 15h Duração: 30 minutos Lotação: 30 pessoas 15h30 BREVE RELATO DE UM DESAPARECIMENTO Ben Evans Parceiro: NEC Arboreto f3 Duração: 3 horas 16h00 visita orientada PERCURSO PELA EXPOSIÇÃO UM REALISMO COSMOPOLITA: O GRUPO KWY NA COLEÇÃO DE SERRALVES Orientação de Samuel Silva Ponto de encontro: Hall do Museu b3 Repete no dia 31 de maio às 16h tenda de Acolhimento, na Entrada) Esta visita leva-nos a conhecer uma exposição que apresenta obras pertencentes à Coleção de Serralves dos artistas portugueses e estrangeiros que gravitavam em torno do projeto editorial KWY (nome formado pelas três letras que não fazem parte do alfabeto português), uma revista publicada em Paris, entre 1958 e Em finais dos anos 1950 e princípios dos anos 1960, o Grupo KWY foi responsável pela abertura da arte portuguesa ao contexto internacional. O aspeto que melhor o caracterizava era a franca adesão às novas linguagens figurativas que, sob a égide da reconstrução económica do pós-guerra, impulsionou um dos períodos mais estimulantes da cultura europeia do século XX. O vendedor de Pássaros Erva Daninha Arboreto f3 Repete no dia 31 de maio às 11h e às 16h Duração: 20 minutos OZO Parceiro: Shhpuma Auditório b2 Duração: 30 minutos Lotação: 250 pessoas O que acontece quando um pianista clássico, que gosta de jazz e de música improvisada (Paulo Mesquita) se junta a um baterista proveniente da pop, mas com um especial interesse pelo experimentalismo eletroacústico (Pedro Oliveira)? Acontece o que ouvimos neste tão surpreendente quanto cativante disco de estreia do duo OZO. Não se pense, porém, que o que apresentam é o simples cruzamento do que já antes faziam: a música resultante demarcase da especialização de Mesquita na linguagem e nos processos de certa música erudita americana ou do que ouvimos de Oliveira com o já bem conhecido grupo Peixe:Avião e na sua colaboração com Old Jerusalem. É outra coisa, tão outra que desafia quaisquer catalogações. O foco está no ritmo mas se, por vezes, parece que estamos a ouvir The Bad Plus, não se trata propriamente de jazz. Os temas seguem o formato da canção, mas se tal significa que há afirmativas abordagens melódicas, o destaque vai para o trabalho harmónico. Por sua vez, os desenvolvimentos narrativos e a permanente dramatização sonora remetem-nos para Erik Satie e para os impressionistas e, no entanto, trata-se de algo que só poderia existir nos dias de hoje. O que é então? É OZO e basta dizer isso 16h30 cinema ARTMOVIE PEDRO PORTUGAL E ADRIANA ALCÂNTARA Sala de Projeto do Museu b3 Duração: 48 minutos Artmovie é um filme sobre a ocorrência da representação da arte no cinema. Desde que no princípio do século XX o cinema destronou a pintura como a forma mais aperfeiçoada de representar o mundo, esta não teve até hoje a oportunidade de resgatar o que o cinema lhe subtraiu: a imagemmovimento. ARTMOVIE é um mashup sobre como o cinema estabeleceu, ao longo da sua própria história, uma imagem do que é a arte e os artistas. Uma complexa montagem condensa cenas de mais de 300 filmes onde a arte é roubada, falsificada, destruída, execrada, admirada, vendida, comprada, humilhada, ridicularizada, apresentada como heroica, sinónimo de liberdade ou símbolo de poder. TELEFON Steffi Weismann & Annette Krebs apoio: goethe institut Casa de Serralves Sala Hexagonal f2 Duração: 25 minutos Desde 2005, Weismann e Krebs têm criado conjuntamente s audiovisuais neodadaístas enquanto duo Telefon. Usam objetos sonoros, altifalantes, vídeo e textos combinando fontes analógicas e digitais. O projeto tem conhecido novo ímpeto pela reunião das duas artistas para a criação de novas s que têm vindo a reativar Telefon. DANÇA CONTEMPORÂNEA MEMÓRIA SIAMESA E OPERATION LADYBUG Ginasiano Repete no dia 31 de maio às 10h30 Duração: 30 minutos O Ginasiano apresenta este ano duas peças no Serralves em. Memória Siamesa é da autoria de Isabel Ariel e teve como ponto de partida o imaginário do duplo, do gémeo, e reflete sobre a memória como reconhecimento, sobre a identificação com o irmão, um eu que não se conhece sem o nós. Memória Siamesa é sobre a irmandade do corpo. A outra peça, Operation Ladybug, coreografada por Elisabeth Lambeck, partiu de uma reflexão com as alunas do Ginasiano em torno da ideia de como lidamos com o excesso de informações sobre a violência nos meios de divulgação. A sensação de um perigo que se vai aproximando e que a qualquer momento poderá bater à nossa porta. Como é que o nosso cérebro, coração e corpo processa e filtra esta onda de realidade violenta que observamos diariamente nos noticiários? 17h00 OS PRÍNCIPES parceiro: Boom Chicka Boom Os Príncipes são Maria Mónica e Jorge Queijo. Reinaldo é o disco de estreia, um registo íntimo e sincero, feito da cumplicidade que une este casal de músicos sediados no Porto e que decidiu registar os sons e a música que fazem parte do seu quotidiano em comum. O resultado é uma mistura eclética de indie rock e pop sónico. Maria Mónica é ilustradora e colabora com diversos coletivos musicais, onde se destacam os trabalhos realizados para a Porta- Jazz. Jorge Queijo é um músico do Porto, percussionista de diferentes espectros, como os Torto, os Tubab com Sérgio Carolino ou o duo SSS-Q com a trompetista Susana Santos Silva. São ainda responsáveis pela direção musical do Ensemble de Gamelão, da Casa da Música. 17h30 exposição VISITA GUIADA EM LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA à Exposição Monika Sosnowska: Arquitetonização Orientação: Susana Tavares, Laredo, Associação Cultural Ponto de encontro: Hall do Museu b3 tenda de Acolhimento, na Entrada) Numa parceria com a Laredo, Associação Cultutal, o Museu de Serralves passou a disponibilizar, a partir de Maio, uma visita guiada por mês, orientada em Língua Gestual Portuguesa e destinada à comunidade surda, com o objetivo de tornar as exposições e os espaços da Fundação de Serralves mais acessíveis a este público. Sendo o Serralves em um evento manifestamente inclusivo, esta visita realiza-se também durante a, tendo como objeto a exposição Monika Sosnowska: Arquitetonização. solo para clown CHEIO X Filipa Francisco e Thorsten Grüetjen Repete no dia 31 de maio às 11h30 e 18h 18h00 vídeo JEMIMA STEHLI Sala de Projeto do Museu b3 Duração: 6 horas e 53 minutos Jemima Stehli, uma artista que trabalha entre Londres e Lisboa desde 2008, apresenta no Serralves em dois trabalhos em vídeo. O primeiro, com 1 hora e 33 minutos, é Set-up, sound check, end PAUS: Leiria 2/10/2010. Composto por três sequências contínuas, este vídeo capta todos os momentos, à exceção do próprio concerto, duma apresentação ao vivo da banda PAUS. É possível ver a banda a montar os seus instrumentos, fazendo a ponte com o sound check, no qual se ouvem as canções e, por fim, o ruído das arrumações, das brincadeiras intimistas e dos entoares ébrios. Toda a peça foi filmada à mão, de forma a proporcionarnos um ponto de vista único, à medida que a câmara se move para enquadrar a imagem e, concomitantemente, o som. O segundo vídeo, «Deixe me Ser, 5 hours 20 mins PAUS 15th January 2011, tem 5 horas e 20 minutos, que resumem um dia de trabalho em estúdio com os PAUS. Foi aqui que o tema Deixa-me Ser foi gravado e, posteriormente, editado como single. Stehli clarifica que este vídeo faz parte de um projeto maior, um trabalho em que filmou todo o processo de composição da banda e a gravação do seu primeiro longaduração. «Ao todo, falamos de cerca de 50 horas de filmagens em tempo real.» Para conseguir elaborar este trabalho, Stehli teve de se tornar invisível; a banda não a poderia ver ou sentir enquanto trabalhava. Isto tornou-se num ato de resistência física e artística, uma vez que manteve uma posição de observador mudo nesta descoberta e repetição do trabalho dos PAUS. música jazz THE PYRAMIDS & GUESTS Prado e7 The Pyramids é um coletivo de jazz fundado nos Estados Unidos em Os membros fundadores conheceram-se enquanto estudantes no mítico Antioch College, onde Cecil Tylor lecionava, e conhecido pelo espírito liberal e linhas de pensamento político progressistas e ativistas. Ainda estudantes, os membros originais da banda embarcaram numa odisseia cultural, primeiro pela Europa e depois em África, onde estudaram cultura africana, ouviram e tocaram com mestres musicais na Etiópia, Quénia e Gana. Os The Pyramids tornaram-se um dos primeiros ensembles afroamericanos a explorar a música dos seus antepassados em África, isto muito antes da world music se tornar uma moda no ocidente. O grupo separou-se em 1977, mas reuniu-se de novo em 2007 e acaba de lançar um novo álbum, Otherworldy (em português, de outro mundo ). É o carácter extraordinário dos The Pyramids que inspira o desafio que Serralves lança para a colaboração da banda com cinco jovens músicos portugueses que, com percursos diferentes, têm granjeado contributos fundamentais para a vitalidade do jazz e da em território nacional: Angélica Salvi, Gabriel Ferrandini, Gil Dionísio, João Guimarães e Pedro Sousa juntaram-se aos The Pyramids para sessões de trabalho e ensaios que agora culminam num concerto inédito no prado de Serralves. 18h30 Música experimental PHONOPTICON Sonoscopia Casa de Serralves Sala de Mármore f2 Repete às 23h e no dia 31 de maio às 15h30 e às 22h 19h00 O HOMEM DOS BALÕES X João Lizardo Percurso com ponto de partida no Pátio Ulmeiro B3 Repete no dia 31 de maio às 10h30 e 19h e meia dança / A STRING SECTION Companhia Reckless Sleepers A apresentação deste projeto na Baixa do Porto e no Serralves em tem o apoio da Câmara Municipal do Porto através da PortoLazer Repete no dia 31 às 19h na Casa de Serralves PHIL MINTON S FERAL CHOIR A apresentação deste projeto na Baixa do Porto e no Serralves em tem o apoio da Câmara Municipal do Porto através da PortoLazer 19h30 A CATALOGUE OF STEPS COLEÇÃO CASA DE SERRALVES 2015 DD Dorvillier A apresentação do projeto na Baixa do Porto e no Serralves em tem o apoio da Câmara Municipal do Porto, através da PortoLazer Parceiro: Fundação GDA, direitos dos Artistas e Universidade do Porto Casa de Serralves 1º andar f2 Repete no dia 31 de maio às 11h Duração: 2 horas Performance em contínuo (assistência sujeita à lotação do espaço: 30 pessoas em simultâneo)

9 sábado 30 mai 9 the pyramids phonopticon A String Section hallali ou la 5e de beeethov' ian grandjean 20h00 PEGA MONSTRO Parceiro: Filho Único Pega Monstro é o duo de rock lisboeta das irmãs Maria (voz e guitarra) e Júlia Reis (bateria), afiliado à Cafetra Records. O aguardado segundo álbum da banda já está gravado e já tem nome, Alfarroba, e sairá em Julho próximo na editora londrina Upset The Rhythm (John Maus, Future Islands, Deerhoof, No Age). O novo disco sucederá ao igualmente celebrado e vilipendiado homónimo longa-duração de estreia de 2012; magnífica coleção de canções onde as melodias seduziam, as líricas fascinavam e a atitude que as entregava no limão fazia acreditar que estávamos num lugar que desde o começo fora criado para um puro acontecer, como dizia o poeta. 21h00 música pop experimental BRANCHES Pedro Rios Parceiro: Wasser Bassin Branches é o projeto a solo de Pedro Rios. Desde 2006 tem lançado inúmeros discos nos formatos menos usuais (K7s, CD-Rs e mp3) em gravações caseiras, nas quais explora as possibilidades de sintetizadores baratos, guitarras solarengas e o ocasional sentimento mais pop. música ENSEMBLE GAMELÃO Parceiro: Casa da Música Frente à Casa de Serralves f2 É possível dar mundo novo a um instrumento milenar, quase sacralizado na cultura indonésia. Não há aqui blasfémia, mas antes sensibilidade para reinterpretar um corpo vivo, recetivo à criação, feito de módulos de percussões. Sem repudiar a ascendência javanesa do gamelão da Casa da Música, este ensemble apresenta um repertório inédito, igualmente possante e envolvente. A sonoridade é geneticamente distintiva, acusa as origens, mas o que se propõe surge da fusão de estilos musicais contemporâneos, designadamente rock, jazz e música improvisada. Esta é, afinal, a morfologia de um grupo constituído por músicos com registos artísticos diversos. 22h00 circo contemporâneo HALLALI OU LA 5E DE BEETHOV Companhia Les PHILÉBULISTES Clareira das Azinheiras a3 Repete no dia 31 de maio às 22h Lotação: 1000 pessoas Hallali ou la 5e de Beethov, o segundo espetáculo da companhia Les Philébulistes, é uma experiência vertiginosa e surreal onde o tempo está constantemente em aceleração. Incluindo uma gigantesca estrutura espacial com seis trapezistas, Hallali ou la 5e de Beethov baseia-se numa pesquisa sobre o movimento acrobático. Um espetáculo que evoca os fundamentos do circo (a ficção do voo, a fuga, a suspensão do tempo), conservando um conteúdo poético e estético e que inaugura uma nova técnica acrobática baseada na invenção de uma estrutura coreana de trapézio com 18m de altura e que gira sobre si própria. Uma criação de Maxime Bourdon encenada por Jérôme Thomas. música eletrónica / improvisada BOB OSTERTAG É difícil sumarizar a obra de Bob Ostertag. Compositor, performer, historiador, sociólogo, construtor de instrumentos, jornalista, teórico, ativista, instrutor de kayak, é atualmente professor de Estudos Tecnoculturais e Música na Universidade da Califórnia. Publicou mais de duas dezenas de CDs, dois filmes e DVDs e três livros. Os seus textos sobre política atual têm sido publicados nos vários continentes. As primeiras gravações de Ostertag no final da década de 1970, registam o trabalho com sintetizadores. Recentemente, Ostertag tem regressado a estes instrumentos, nomeadamente aos sintetizadores modulares analógicos como o Buchla ou o Serge, mas também usando sintetizadores digitais como o Aalto, com o qual gravou o seu mais recente trabalho «Open Up and Say Aahh. visita orientada VISITA NOTURNA ÀS EXPOSIÇÕES Orientação de Pedro Cachapuz Ponto de encontro: Hall do Museu b3 Repete no dia 31 de maio às 22h tenda de Acolhimento, na Entrada) À noite, quando o Museu já parece querer sossegar e os concertos se intensificam no Parque de Serralves, abrem-se as portas a uma caminhada pelas galerias do Museu e a olhar, com outra luz, talvez mais intimista, as obras aí expostas. música eletrónica DIVISOR / 4 Pedro Tudela & Miguel Carvalhais Parceiro: Crónica Capela da Casa de Serralves f2 Repete no dia 31 de maio às 15h Duração: 30 minutos Lotação: 30 pessoas música eletrónica TAM LIVE ACT Parceiro: Wasser Bassin A produzir música desde o início do século XXI, o Sr. Tam decidiu começar a sua própria editora em 2010 o que presentemente faz dele um fundador, editor e músico da Wasser Bassin. Musicalmente falando, Tam gosta de tudo um pouco e não se prende com nada: chuva fria, dias solarengos, alegria e melancolia são todas elas fontes inspiradoras. Oops, isto não é sobre música! Mas também, para que servem as descrições, quando, em breve, poderemos escutar com os nossos próprios ouvidos? 22h30 CRIBLES/LIVE PORTO Emmanuelle Huyhn Música de Iannis Xenakis, Persephassa, interpretada pelo Ensemble de Percussão Drumming, dirigido por Miguel Bernat Uma co-produção da Fundação de Serralves e da COMPANHIA INSTÁVEL com o apoio TransARTE Auditório b2 Repete no dia 31 de maio às 17h e às 22h30 Lotação 250 pessoas Centrada no significado atual assumido pela memória, transmissão e incorporação da partitura coreográfica do ponto de vista discursivo e prático, a peça Cribles/Live Porto, coreografada por Emmanuelle Huynh, assume-se como um exercício singular de recriação pelo envolvimento de um novo coletivo de bailarinos portugueses, constituído exclusivamente para este contexto, a que se junta o Ensemble Drumming, dirigido por Miguel Bernat. Cribles/ Live Porto une nove intérpretes e seis músicos em palco, apoiados sobre uma sólida composição coreográfica que tem como protagonista a obra Persephassa de Iannis Xenakis. Os bailarinos serão Ana Jezabel, Catarina Feijão, Cristiana Rocha, Dinis Santos, Duarte Valadares, José Meireles, Oirana Moraes, Renato Vieira e Sara Bernardo. A direção da peça está a cargo de Ayşe Orhon. Este projeto tem o apoio do programa TransARTE. Fundado pelo Institut Français, este programa promove a circulação e a promoção de formas criativas nascidas da hibridação de processos e de disciplinas artísticas, que expandem os limites atuais da arte contemporânea. Concebido como um label, este programa inovador foi lançado em 2012 na Europa e na América Latina e está a atravessar uma fase de grande desenvolvimento com muitos parceiros a nível mundial. 23h00 PHONOPTICON Sonoscopia Casa de Serralves Sala de Mármore f2 Repete no dia 31 de maio às 15h30 e às 22h 23h30 música eletrónica ATILLLA Parceiro: Amplificasom Atillla é o alter ego de Miguel Béco de Almeida que surgiu em 2012 e tem vindo progressivamente a afirmar-se como uma das forças na eletrónica portuense, com um arsenal sonoro que vagueia entre o drone, o industrial e o techno, munido sempre da mordacidade do Black Metal. Após quatro EP s lançados online, lançou recentemente o seu primeiro longa-duração, V, muito bem recebido pela crítica e com o qual se afirmou como uma forte promessa na música eletrónica nacional. Apresenta-se ao vivo desde 2014 com o apoio visual de Guida Ribeiro e ocasionalmente Paulo Catumba na bateria. Já fez as honras de abrir para nomes como Vessel (UK) e Tim Hecker (Can) e em breve para Gazelle Twin (UK).

10 Serralves em festa DOmingo 31 Mai the pop group Chiara Meattelli & Dominic Lee paus & jemima stehli ninos du brasil FESTA NO PRADO 00h00 THE POP GROUP Prado e7 The Pop Group são reconhecidos internacionalmente como uma das bandas pioneiras da cena post-punk. Formados em 1977, fizeram furor com as suas s ao vivo verdadeiramente incendiárias. A sua estética foi descrita como uma fusão agressiva de funk, noise, dub, free jazz, proto-punk e de poesia pós-beat generation. Mark Stewart, o proeminente vocalista, era conhecido pelas letras fervorosas, influenciadas pela vanguarda de esquerda, filosofia existencialista e propaganda agit-prop. As ondas de influência e inspiração que partiram deste grupo britânico, cuja primeira encarnação não durou mais do que quatro anos e três álbuns, fizeram-se sentir nos desenvolvimentos das vanguardas musicais dos anos 1980, e foram citadas por Nick Cave, Thurston Moore dos Sonic Youth ou Mike Watt dos Minutemen. Após desentendimentos internos e disputas legais, os The Pop Group separaram- -se em 1981, deixando como lastro temas como "She Is Beyond Good and Evil" ou We Are All Prostitutes. Os membros da banda espalharam-se por diversos projetos como Pigbag, Maximum Joy, The Slits ou Rip Rig + Panic. Mark Stewart encetou várias parcerias com o pelotão de dub da On-U Sound, nomeadamente no projeto Mark Stewart & The Maffia (que os portuenses tiveram a oportunidade de ver em 2007 no Auditório de Serralves). Em 2010, os The Pop Group reuniram-se para concertos ao vivo e marcaram presença em alguns dos mais importantes festivais europeus como o All Tomorrows Parties (ATP) ou o Primavera Sound em Barcelona. Já em 2015, no passado mês de Fevereiro, lançaram um novo álbum, Citizen Zombie, 35 anos depois do último trabalho de originais, de O disco, produzido pelo reconhecido Paul Epworth, um fã de longa data da banda, conta com os membros originais Mark Stewart (letras / voz), Dan Catsis (baixo), Gareth Sager (guitar) e Bruce Smith (bateria). O concerto em Serralves acontece depois de uma série de concertos no Japão, na Nova Zelândia, na América do Norte e no Reino Unido. 01h30 PAUS & JEMIMA STEHLI Prado e7 PAUS nasce duma ideia de Hélio Morais (dos If Lucy Fell e Linda Martini) e Joaquim Albergaria (ex- -Vicious 5). A ideia pode resumir-se simplesmente à vontade deste dois bateristas tocarem juntos, de forma instintiva e sem olhar a regras. Unidos pelo mesmo bombo numa bateria siamesa, recrutam Makoto Yagyu e João Pereira (companheiros nos If Lucy Fell) para se juntarem na aventura com um baixo corpulento e múltiplos sintetizadores. Mais recentemente, Pereira cederia o seu lugar a Fábio Jevelim (companheiro de Yagyu nos Riding Pânico). Abdicando de, ou mesmo evitando, protocolos criativos de projetos anteriores ou paralelos, os quatro membros da banda deixam- -se intoxicar pelas empatias espontâneas, pelo turbilhão de emoções, encontrando um espaço que lhes é muito particular. É esta intensidade que vemos evocada em letras onde ser, sentir ou querer surgem em destaque; uma energia que se vive também nos concertos, transportada do palco para o público. As experiências ao vivo são sempre poderosas e, juntamente com a originalidade das sonoridades exploradas, contribuíram de forma substancial para a ascensão meteórica da banda desde que surgiu em 2010, com o lançamento do primeiro álbum, PAUS, em A colaboração com a artista britânica Jemima Stehli surge como herança de projetos de Stehli com os If Lucy Fell, trabalhos que problematizavam relações entre sujeito e objeto, entre a imediatez da ação e a sua mediação quer na fotografia quer em filme. Esta colaboração com PAUS para o Serralves em segue esta mesma linha operativa: a filmagem de Stehli, ou seja o seu olhar, é colocada em palco simultaneamente com a atuação da banda (através duma projeção vídeo) e simultaneamente com a própria ação de filmar. 03h00 música eletrónica NINOS DU BRASIL Prado e7 Os Ninos du Brasil são, na verdade, italianos. Mas só recentemente foi revelada a identidade do duo por trás do projeto: Nicolò Fortuni e Nico Vascellari, artistas e músicos com backgrounds nas artes visuais, e no punk hardcore, deixam-se inspirar pela humidade febril e sobrecarga sensorial da música do carnaval brasileiro. Vão temperando camadas densas de percussão propulsiva com drones eletrónicos, efeitos e vozes tribalistas com resultados marciais e hipnóticos, numa mistura inusitada de noise, batucada, samba e eletrónica. A homenagem do duo ao universo da música de percussão brasileira é especialmente sentida na intensidade física das apresentações ao vivo (seja num squat na Bélgica ou na Bienal de Arquitetura de Veneza) com as quais, invariavelmente, alimentam um rasto de festas míticas. 04h00 dj set DON T DJ VS. MR. MUECK (SALON DES AMATEURS / DISKANT) apoio: Goethe Institut Prado e7 Duração: 2 horas Encontro de dois músicos e DJs companheiros de várias aventuras, como sejam a residência de DJs Salon des Amateurs em Düsseldorf, a editora Diskant ou a participação no trio The Durian Brothers. O resultado: uma unidade de controlo kraut que mistura o sintético com a madeira, aliada a um imperialismo utópico da cultura experimental que nos conduzem por padrões repetitivos complexos e formas abertas; uma explosão de ritmos frenéticos que confundem o ancestral e o futurista, desencadeando a dança compulsiva numa fusão excêntrica do ritualístico e físico com o cerebral. 10h00 teatro UM MANTO AZUL PROTEGENDO A TERRA Zeferino Mota Parceiro: Universidae do Autodidacta e da Terceira Idade do Porto Repete às 11h e 12h Lotação: 50 pessoas 10 Um grupo de anciãos celebra uma velha utopia, aquela que recusa o poder, o dinheiro e a violência, e, por sua vez, celebra o respeito pelo outro, o amor à natureza e à vida simples. Envolvidos por desenhos que reproduzem as obras de antigos naturalistas, através de palavras, de músicas, de gestos, recriando pequenas parábolas habitados por lobos, cotovias, lebres e estrelas, louvam a força que é capaz de dizer ao pior opressor: podes matar-me mas não conseguirás destruir o meu ideal que guardo no mais fundo do ser. Um manto azul protegendo a terra é uma forma de manifestarmos a nossa ternura pela ternura de Francisco de Assis. 10h30 AÇÃO Filipa Moutinho Parceiro: Escola Superior Artística do Porto Passeio da Levada f6 Repete às 14h30 Duração: 2 horas e meia O HOMEM DOS BALÕES X João Lizardo Percurso com ponto de partida no Pátio Ulmeiro B3 Repete às 19h e meia DANÇA CONTEMPORÂNEA MEMÓRIA SIAMESA E OPERATION LADYBUG Ginasiano Duração: 30 minutos 11h00 O vendedor de Pássaros Erva Daninha Arboreto f3 Repete às 16h Duração: 20 minutos recital de poesia POEMAS PARA BOCAS PEQUENAS X Margarida Mestre Sala de projeto do Museu b3 Lotação: 75 pessoas

11 domingo 31 mai 11 A CATALOGUE OF STEPS COLEÇÃO CASA DE SERRALVES 2015 DD Dorvillier A apresentação do projeto na Baixa do Porto e no Serralves em tem o apoio da Câmara Municipal do Porto, através da PortoLazer apoios: Fundação GDA, direitos dos Artistas e Universidade do Porto Casa de Serralves 1º andar f2 Duração: 2 horas e meia Performance em contínuo (assistência sujeita à lotação do espaço: 30 pessoas em simultâneo) música erudita APRENDIZES DE FAZEDORES DE MÚSICA Academia de Música de Costa Cabral À semelhança de edições anteriores do Serralves em, a Academia de Música de Costa Cabral apresenta alguns dos seus diversos grupos de câmara (quintetos de metais, quarteto de saxofones, quarteto de clarinetes, quarteto de trombones) e trabalhos de composição elaborados pelos seus alunos no âmbito das disciplinas de Análise e Técnicas de Composição e de Teoria e Análise Musical. O repertório a apresentar abrange géneros e épocas musicais muito diferentes, assim como linguagens mais contemporâneas com fortes influências do tango, do jazz e da música pop. cinema ADEUS, PAI Luís Filipe Rocha Parceiro: Cinemateca Portuguesa, Museu do Cinema Auditório b2 e 25 minutos Lotação: 250 pessoas Realizado nos Açores, a partir de um argumento original de Luís Filipe Rocha, Adeus, Pai conta a relação de um rapaz de treze anos com o seu pai. Uma relação relativamente distante, porque o pai se dedica sobretudo à carreira. Mas um dia, os dois partem juntos de férias para os Açores, onde finalmente se aproximam. É então que o pai revela ao filho que tem uma doença mortal. Com João Lagarto, José Afonso Pimentel e Adriana Aboim. teatro UM MANTO AZUL PROTEGENDO A TERRA Zeferino Mota Parceiro: Universidae do Autodidacta e da Terceira Idade do Porto Repete às 12h Lotação: 50 pessoas 11h30 solo para clown CHEIO X Filipa Francisco e Thorsten Grüetjen Repete às 18h exposição VISITA ORIENTADA PARA FAMÍLIAS À EXPOSIÇÃO PODE O MUSEU SER UM JARDIM? OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES X Ponto de encontro: Entrada b1 Orientação: Sónia Borges tenda de acolhimento, na Entrada) Um museu é um espaço aberto a todas as pessoas, de todas as idades. Formamse belas memórias de visitas a museus quando, de forma simultaneamente lúdica, curiosa e atenta, os visitamos em família (seja esta como for, tenha ela a forma que tiver). Propomos por isso uma visita destinada tanto aos mais pequenos como aos mais graúdos, à exposição Pode o Museu ser um Jardim?, tendo por base as folhas de atividades para famílias que o Serviço Educativo do Museu de Arte Contemporânea de Serralves produz para explorar, em família e ao longo de todo o ano, cada exposição patente no museu. 12h00 VÁRIOS PALMOS DE ESTUPIDEZ Projecto EZ Parceiro: Festival Imaginarius, Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Percurso com ponto de partida no Celeiro F10 teatro UM MANTO AZUL PROTEGENDO A TERRA Zeferino Mota Parceiro: Universidae do Autodidacta e da Terceira Idade do Porto Lotação: 50 pessoas 13h00 DANÇA CONTEMPORÂNEA os EMIGRANTES Joana Providência Parceiro: Academia Contemporânea do Espetáculo Duração: 20 minutos 14h00 música erudita QUARTETO DE CORDAS DE MATOSINHOS Parceiro: Câmara Municipal de Matosinhos Sala de Projeto do Museu b3 Duração: 33 minutos O Quarteto de Cordas de Matosinhos (QCM) é agora um dos ECHO Rising Stars, e como tal realiza em uma tournée em algumas das mais importantes salas de concerto europeias, como o Barbican em Londres, o Concertgebouw em Amesterdão e o Muzikverein em Viena. Criado através de uma iniciativa da Câmara Municipal de Matosinhos e aclamado como um caso singular de excelência no panorama musical português (Diana Ferreira, Público, 2010), o QCM estabeleceu-se como um conjunto de referência em Portugal, apresentando-se na maioria dos festivais e salas de concerto nacionais, e colaborando também com alguns dos mais destacados músicos portugueses, como Pedro Burmester, António Rosado, Miguel Borges Coelho, António Saiote, Paulo Gaio Lima e Pedro Carneiro. No Serralves em apresenta o seguinte programa: Caged Symphonies (2007), de Vasco Mendonça; Rondo for string quartet (1906), de Anton Webern; L Homme Desarmé (2013), de Eurico Carrapatoso. GHETTHOVEN Parceiro: Biruta My Sadistic World é uma ode ao real afundado na faceta completa e individual de Igor Ribeiro. É real pelas emoções que só pertencem ao artista, mas ao mesmo tempo, conectado com tudo o que o rodeia e que o faz contestar, sentir e indagar o seu próprio meio. My Sadistic World é o primeiro grupo de canções em formato EP de Ghetthoven e representa um marco do Neo-R n B e do Neo-Soul em Portugal. Amor e ódio, sadismo, passos curtos e longos, altruísmo e aprendizagem são alguns dos vértices que se podem encontrar neste primeiro EP de Ghetthoven, preenchido pelas suas constantes experiências pessoais. É fácil estranhar e tentar rejeitar aquilo que é novo e diferente, mas tal como tantas outras realidades, é normal que fiquemos absortos dentro de algo tão fascinante como são estas músicas. Isto é apenas um início... 14h30 música improvisada GIL DIONÍSIO Casa de Serralves f2 Violinista auto didata, Gil Dionísio é um músico da cena da música improvisada e experimental lisboeta. Apreciador da liberdade criativa e conceptual, oscila entre formações que vão do jazz (do free americanizado ao altamente livre e experimental ou ao um jazz-quase-étnico, como os In Loko de Carlos Barretto) a grupos de puro noise como os Aye-Aye. Faz igualmente parte da banda CRIATURA de Edgar Valente, do duo NEIGHBOURS com o António Duarte, do duo em nome próprio com Joana Guerra e dos Pás de Problème. É co-fundador do Coletivo Jaime Augusto, um coletivo curador e de intervenção artística, e programador de um festival de música improvisada, o ASDAFSKJ. Entre 2012/2013, aprofundou o trabalho na área da educação e na da criação artística para a infância, daí resultando uma pesquisa sobre sistemas educativos e sobre o papel da arte e da filosofia para crianças com o consequente desenvolvimento de oficinas e trabalhos nesta vertente, nomeadamente com o Teatro do Silêncio, do qual faz parte. AÇÃO Filipa Moutinho Parceiro: Escola Superior Artística do Porto Passeio da Levada f6 Duração: 2 horas e meia visita orientada PERCURSO PELA EXPOSIÇÃO ARQUITETONIZA- ÇÃO: MONIKA SOSNOWSKA Orientação de Samuel Silva Ponto de encontro: Hall do Museu b3 tenda de Acolhimento, na Entrada) Monika Sosnowska: Arquitetonização é a primeira grande exposição da artista polaca Monika Sosnowska (1972), concebida de forma a criar um diálogo singular com os espaços das galerias do Museu e revelando a sua arquitetura de uma forma inusitada. Este percurso é também ocasião para, com as suas peças escultóricas, abordarmos a transformação das cidades e das sociedades, o modernismo europeu e soviético e o modo como a prática escultórica de Sosnowska, qual Alice no País das Maravilhas, desafia os nossos sentidos e a perceção do espaço onde nos encontramos. 15h00 OOBVIOENLOU- QUECE João Guimarães Museu Sala 10 b3 Lotação: 300 pessoas João Guimarães é um músico do Porto, mais conhecido por tocar saxofone. Aqui, João trará consigo muitos mais instrumentos do seu trabalho e apresentará ideias que estão na sua oficina há já algum tempo mas que nunca saíram. Oobvioenlouquece é um projeto que nunca saiu do meio informático, tendo sido mantido até agora nessa plataforma. No Serralves em, João Guimarães, apresentar-se-á a solo, pela primeira vez, desafiando o desafio. WE ARE ALL STORIES IN THE END RICARDO AMBRÓZIO parceiro: Balleteatro Escola Profissional Duração: 30 minutos música eletrónica DIVISOR / 4 Pedro Tudela & Miguel Carvalhais Parceiro: Crónica Capela da Casa de Serralves f2 Duração: 30 minutos Lotação: 30 pessoas leitura participativa LEITURAS DE TEATRO Nuno Carinhas e Nuno M. Cardoso Parceiro: Teatro Nacional S. João Duração: 3 horas Pequeno périplo pelo universo iconográfico e editorial do TNSJ através da exposição de cartazes de espetáculos e de leitura participativa de excertos de peças editadas como: Antígona de Sófocles, O Avarento e D. João ou o Banquete de Pedra de Molière, Emilia Galotti de Lessing, Woyzeck de Büchner, Os Europeus de Barker, O Concerto de Gigli de Murphy, O Café de Godoni, Platónov, O Tio Vânia e o Cerejal de Tchékhov, O Saque de Orton ou Ubu de Jarry. música jazz / improvisada ORQUESTRA DE SOPROS DA ESMAE DIRECÇÃO: ANTÓNIO SAIOTE Parceiro: ESMAE (Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo) Prado e7 Uma Orquestra de Sopros no Serralves em? Como? A Orquestra de Sopros da ESMAE na? Como assim? A que devemos essa ousadia? Qual o propósito? Com ela é como se, de repente, já não encontrássemos utilidade nenhuma em distinguir a música com termos como «popular» e «erudita». Exatamente isso! Chega de etiquetas! Esta Orquestra de Sopros, tal como os Venda africanos nos ensinaram, afirma-nos que toda a música é popular na medida em que, sem se associar às pessoas, ela não pode passar o testemunho nem dotar de sentido aquilo que produz. Querem apostar como isto é verdade? Apareçam cedo, relaxem e deixem os ouvidos encantarem-se com a ementa sonora que agora vos propomos. Maestro!... 15h30 PHONOPTICON Sonoscopia Casa de Serralves Sala de Mármore f2 Repete às 22h 16h00 música jazz / improvisada GABRIEL FERRANDINI E PEDRO SOUSA Gabriel Ferrandini (bateria) e Pedro Sousa (saxofone) são dois dos mais altos expoentes de uma nova geração de músicos portugueses em sintonia com uma abordagem verdadeiramente criativa e sem barreiras da música e de tudo o que esta pode ser e transmitir. Ao vivo, as prestações do duo têm deixado um rasto de admiração e rendição incondicionais: é todo um corpo de energia e som que é transmitido à audiência, um sopro vital que se sente e respira em cada movimento, em cada segundo de som produzido por esta prodigiosa dupla, numa rara demonstração da capacidade comunicativa das características mais primordiais da música enquanto força de comunhão de artistas e público durante um momento irrepetível. Recentemente, pudemos comprovar toda a genialidade eletrizante deste magnífico duo em

12 domingo 31 mai 12 concertos como os que deram com o contrabaixista sueco Johan Berthling ou o incontornável guitarrista bélico dos Sonic Youth, Thurston Moore. visita orientada PERCURSO PELA EXPOSIÇÃO UM REALISMO COSMOPOLITA: O GRUPO KWY NA COLEÇÃO DE SERRALVES Orientação de Samuel Silva Ponto de encontro: Hall do Museu b3 tenda de Acolhimento, na Entrada) O vendedor de Pássaros Erva Daninha Arboreto f3 Duração: 20 minutos FILIPE FELIZARDO Parceiro: Shhpuma Sala de Projeto do Museu b3 Filipe Felizardo nasceu e vive em Lisboa. Trabalha em música e artes visuais. Dedica-se à guitarra elétrica, com preferência para construções muito pessoais sobre o imaginário sonoro dos blues e do drone. Depois de Guitar Soli for the Moa and the Frog, na Shhpuma, e Volume II - Sede e Morte, na editora three:four, está de momento em misturas do seu quarto disco, o duplo LP Volume IV - The Invading Past & Other Dissolutions, para lançamento na editora Three:Four. Sobre a sua música, a revista The Wire disse: A monstrous ghost of Takoma music. 16h30 CARNAVAL SILENCIOSO Companhia Andaime Parceiro: FITEI Percurso com ponto de partida no Octógono E6 UNE AVENTURE Companhia La Boca Abierta 17h00 música improvisada PHIL MINTON & BOB OSTERTAG Casa de Serralves Sala Hexagonal f2 Phil Minton é um dos nomes maiores da improvisação vocal e da experimentação livre com a voz a nível mundial. Nos anos 1960 integrou vários projetos nas áreas do rock e do jazz, e iniciou a sua longa colaboração com a orquestra de Mike Westbrook. Nos anos 1970 integrou vários projetos de teatro experimental e formou os primeiros grupos de improvisação vocal, nomeadamente com Maggie Nicols e Julie Tippets. Desde então, tem aparecido ao lado dos grandes nomes da improvisação mundial como Fred Frith, Derek Bailey, John Butcher, Roger Turner, Veryan Weton, Jon Rose ou Bob Ostertag. Minton e Ostertag têm colaborado de forma consistente durante décadas. Entre os projetos mais memoráveis encontramos o ensemble dos anos 1990, Say No More, e a sua série de iterações tendo como base as possibilidades das relações entre improvisação, gravação, manipulação com samplers e a ao vivo. Para além de encontros em vários contextos de improvisação, Ostertag e Minton colaboram num dos mais recentes projetos do primeiro, «A Book of Hours». CRIBLES/LIVE PORTO EMmanuelle Huyhn Música de Iannis Xenakis, Persephassa, interpretada pelo Ensemble de Percussão Drumming, dirigido por Miguel Bernat Uma co-produção da Fundação de Serralves e da COMPANHIA INSTÁVEL com o apoio TransARTE Auditório b2 Repete às 22h30 Lotação 250 pessoas 18h00 KONSTRUKTION #1 Annette Krebs Sala de Projeto do Museu b3 Annette Krebs é conhecida como figura destacada da cena musical experimental em Berlim, nomeadamente na exploração da guitarra. Vemo-la frequentemente ao lado de músicos como Robin Hayward, Toshimaru Nakamura ou Rhodri Davis. O seu trabalho incide principalmente na área de contornos mais flexíveis entre a composição e improvisação. A investigação sobre o som, estrutura, mistura de materiais e espaço conduziu-a às suas originais transformações da guitarra segundo diferentes métodos, por vezes ampliados por níveis elevados de amplificação. Também usa frequentemente como material musical o som de mesas de mistura, fitas magnéticas, frequências de rádio e objetos vários. Trabalha igualmente na área da composição eletroacústica, usando fragmentos de ruídos, palavras e frases, desconstruindo-os, reconstruindo- -os e fundindo-os em paisagens abstratas e surreais. Recentemente, Annette Krebs tem vindo a desenvolver a criação do seu próprio instrumento, uma assemblage modular de materiais, cordas, objetos, tecnologia e programação. música improvisada SSS-Q Parceiro: Wasser Bassin Passeio da Levada f6 É preciso não refletir, não organizar e não poluir sonicamente, a não ser que seja esse o desejo imediato. Sem um horizonte à vista e vagueando por caminhos extensos entre o free-jazz e o experimentalismo não conceptual, trompete e bateria relacionam-se numa intimidade musical orgânica. Os SSS-Q são dois músicos residentes no Porto (Susana Santos Silva e Jorge Queijo), com experiências musicais ecléticas e formas singulares de sentir o mundo. MEDEIROS/LUCAS Parceiro: Lovers And Lollypops Mar Aberto é a crónica de viagem de dois Quixotes entre os mares do Atlântico e as costas do Mediterrâneo. Dois patéticos marinheiros que confundem o Ilhéu das Cabras com Lepanto. Confundem Galateia com Sereia. Buscam todas as Sereias do mundo antes de perceberem que elas são naufrágio. Seguem oráculos de um Búzio que lhes valem chicotadas no convés e combatem batalhas sangrentas que só lhes aumentam febres e paixões, a uma senhora que é a da Boa Morte. O regresso é máculo e sem fortunas, nem as do corpo nem as do espírito. Os dois marinheiros em «Mar Aberto» são Carlos Medeiros e Pedro Lucas, réus convictos de trocar as voltas às tradições atlânticas. Roubaram palavras a outros, que as usam melhor, e deram- -lhes melodias da marinhagem que nunca fizeram. Mestiçaram-nas ainda com outras culturas: um Magrebe imaginado, uma Andalúzia siamesa de um Algarve e várias Áfricas que deixaram de ser colónia. solo para clown CHEIO X Filipa Francisco e Thorsten Grüetjen 19h00 O HOMEM DOS BALÕES X João Lizardo Percurso com ponto de partida no Pátio Ulmeiro B3 e meia A STRING SECTION Companhia Reckless Sleepers A apresentação deste projeto na Baixa do Porto e no Serralves em tem o apoio da Câmara Municipal do Porto através da PortoLazer Casa de Serralves Sala Hexagonal f2 música pop / africana MARK ERNESTUS NDAGGA RHYTHM CE Prado e7 e meia Mark Ernestus é mundialmente conhecido como o fundador da mítica loja de discos Hard Wax, que em 1989 lançou as fundações da cena da música eletrónica de dança em Berlim. Enquanto criador, começou como metade do duo Basic Channel a trabalhar um som híbrido, entre o techno e o dub, continuando depois a expandir a vertente reggae do trabalho com o projeto Rhythm & Sound. O duo fundou também o influente estúdio de gravação de vinil Dubplates & Mastering. Já os ouvintes mais ligados ao espectro da World Music terão ouvido falar de Ernestus pelas suas remisturas de músicas do arquiteto do Afrobeat, Tony Allen, e dos rockers de Kinshasa, Konono No.1, ou pela compilação dedicada ao Shangaan Electro da África do Sul, que ajudou a produzir. Discretamente, Ernestus tem alimentado um interesse particular pelos Mbalax e Sabar, géneros de música de dança popular no Senegal e na Gâmbia, marcados pela percussão fulgurante no sabar, nos talking drums e pelos sintetizadores a imitar marimbas. Esta investigação conduziu-o a sessões de gravação com vários músicos daquela região sendo a secção rítmica base realizada pelos percussionistas de sabar do clã Jeri-Jeri. Entretanto, o projeto evolui para se consolidar num grupo mais pequeno de músicos com quem Ernestus intensificou a colaboração, realizando tournées pela Europa e gravando novos temas. Ultrapassando limitações e expectativas iniciais, o grupo tem revelado a sua enorme força e energia ao vivo em festivais e clubes europeus. À incrível presença em palco do cantor/mc Mbene Diatta Seck, do mestre de talking drums Modou Mbaye e da bailarina Wore Mboup, juntam-se personagens veteranas como o tocador de sabar Bada Seck, o guitarrista Assna Ndoye Cisse que tocou ao lado de Baaba Maal durante 30 anos e outras figuras emergentes da cena de Dakar. 19h30 FOUNTAIN Steffi Weismann apoio: Goethe Institut Lotação: 10 minutos Fountain é uma para cinco performers, dez copos de plástico e uma garrafa de litro e meio de água. O número de pessoas e de copos pode aumentar na medida em que membros do público podem juntar-se a esta escultura viva. Fountain é uma sobre a escassez de recursos e os processos de circulação. É uma escultura sonora viva um exemplo de musical de ready-made. Fountain é capaz de oferecer uma massagem sonora a uma audiência numerosa com meios económicos e pela experiência de partilha. Os performers convidados são Helena Ferreira, António Lago, Pedro Sousa Pereira, Inês Vicente, Fernando Sebastião e Hugo de Almeida Pinho. 20h00 GINGER & THE GHOST Parceiro: Bodyspace Missy e Daniel são australianos e encontraram nos Ginger & the Ghost o veículo perfeito para concretizarem todas as suas fantasias sonoras e visuais. A sua pop futurista e fantasista tem vindo a gerar um burburinho suficiente para acreditarmos que serão um nome mais do que celebrado nos próximos tempos. Até que o disco de estreia chegue finalmente até nós, urge celebrar a intensidade das suas atuações ao vivo. 21h00 música rock / jazz PEIXE Parceiro: Turbina Pedro Cardoso (Peixe) nasceu no Porto e estudou guitarra clássica no Conservatório de Música, guitarra Jazz na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE) e pintura na Faculdade de Belas Artes do Porto (FBAUP). Foi guitarrista da banda Ornatos Violeta, hoje considerada uma das mais importantes bandas portuguesas de sempre e que marcou de forma incontornável, a chamada música moderna portuguesa. Em 2002, após a separação dos Ornatos, formou a banda de rock Pluto e a banda de jazz DEP foi o ano da edição de Joyce Alive com o grupo Zelig e mais tarde, em 2012, lança Apneia, o seu primeiro álbum a solo. Foi também o criador da OGBE (Orquestra de Guitarras e Baixos Elétricos), projeto que dirige e que conta com o apoio do serviço educativo da Casa da Música, com quem colabora regularmente quer como formador quer como músico. Durante o seu percurso musical, colaborou com vários músicos e agrupamentos, tais como Dead Combo, Drumming, Remix Ensemble, Carlos Bica, Maria João, Perico Sambeat e David Fonseca, bem como na criação de bandas sonoras para o Teatro Bruto. Motor é o seu segundo registo a solo, editado em Março de A MESA Ana Renata Polónia e teresa santos Parceiro: DesNORTE Sala de Projeto do Museu b3 Duração: 20 minutos Esta nasce da reflexão sobre o momento da refeição, enquanto gerador emocional. Da herança familiar à solidão contemporânea, dos gestos mais primitivos aos rituais mais simbólicos, passando pelos objetos que lhe fomos adicionando, a MESA surge como um espaço de complexa definição, onde todos somos atores constantes. A narrativa procura o espaço performativo para cada momento implícito nesta dinâmica, o que nos transporta para possíveis quadros imaginários que se traduzem em emoções reais. Elemento plano que sustenta na sua horizontalidade todos os objetos e ações que definem uma refeição, a MESA é omnipresente desde a sua confeção à sua partilha, tendo ritualizado progressivamente este ato animal num momento social. É por si um espaço que se transfigura ao sabor dos corpos que sobre ele atuam, permitindo o enfoque de diferentes perspetivas. O que o define? Que movimentos acolhe? Que interações nos suscita? Esta é uma análise subversiva sobre o espaço quotidiano que transporta sobre ele a evolução de uma sociedade. ORA COGAN Parceiro: Bodyspace A canadiana Ora Cogan continua a ser um dos segredos mais bem guardados da música folk da atualidade. O seu novo disco, Crystallize, que deverá ser lançado ainda durante 2015, poderá muito bem acabar de vez com esse estatuto, para felicidade de quem a quiser descobrir. Neste concerto, Ora Cogan apresenta as canções do novo disco, assim como alguns temas de outros discos da sua já extensa discografia. 22h00 visita orientada VISITA NOTURNA ÀS EXPOSIÇÕES Orientação de Pedro Cachapuz Ponto de encontro: Hall do Museu b3 tenda de Acolhimento, na Entrada)

13 domingo 31 mai 13 instalação / música PHONOPTICON Sonoscopia Casa de Serralves Sala de Mármore f2 circo contemporâneo HALLALI OU LA 5E DE BEETHOV Companhia Les PHILÉBULISTES Clareira das Azinheiras Nameless Natures centra-se na imagem e no seu enquadramento entre registo, documento e ação. Apela também a conceitos de provocação para uma composição performativa e paralelamente aos conceitos filosófico-existenciais de resistência, persistência, caos e excesso. O mover-se do corpo (performer) num campo de visão (espectador) gera uma sequência de fotogramas do visível possível e de um vasto invisível transgressor e transcendente. Sem rosto. De costas para o olhar. Assim, como explodir uma composição a partir de premissas de enquadramento e desenquadramento, de pôr e dispor, de montagem, partindo de uma não visibilidade? Qual a natureza da imagem que mesmo assim persiste, porque e como é criada, e o que se consegue reter? 22h30 CRIBLES/LIVE PORTO Emmanuelle Huyhn Música de Iannis Xenakis, Persephassa, interpretada pelo Ensemble de Percussão Drumming, dirigido por Miguel Bernat Uma co-produção da Fundação de Serralves e da COMPANHIA INSTÁVEL com o apoio TransARTE Auditório b2 Lotação 250 pessoas 23h00 cinema/música LICHENS & ROSE KALLAL Museu b3 Lotação: 300 pessoas Natural do Canadá e a residir em Nova Iorque, a artista visual e sonora Rose Kallal desenvolve originais s e instalações com projeções simultâneas de loops de 16mm e som realizado com sintetizadores modulares e elementos percussão. As projeções combinam padrões repetitivos, formas geométricas e animações com sonoridades que ecoam minimalismo, música ambiental e drones. Lichens é um artista e multi-instrumentista de Nova Iorque que conhecemos de trabalhos a solo e de várias colaborações (com Ben Russell, Tarek Atoui, Ben Vida, Alan Licht, Doug Aitken, Lee Ranaldo, Kevin Martin, Tyondai Braxton, Genesis P-Orridge, Patrick Smith, entre outros). O principal foco do seu trabalho tem sido a combinação da sensibilidade de sistemas analógicos modulares com a natureza orgânica da expressão vocal. Um dos principais encontros entre Kallal e Lichens aconteceu na Participant Inc. em Nova Iorque, numa ao vivo no contexto da instalação de Kallal, Start Begin Feel Again, que partilha da mesma base operacional da apresentada em Serralves. Quatro loops de filmes projetados em sobreposição e a velocidades diferentes criam um fluxo de padrões repetidos e motivos em constante estado de reconfiguração, tanto visual como sonoro, abrindo assim espaço para o acaso e para relações alquímicas entre som e imagem: processos de transmutação entre a forma e o informe. NAMELESS NATURES Joana Von Mayer Trindade Interpretação: Lee Meir e Bruno Senune Parceiro: Teatro Municipal do Porto Rivoli Sala de Projeto do Museu b3 Duração: 35 minutos Lotação: 50 pessoas música eletrónica THE DURIAN BROTHERS apoio: Goethe Institut The Durian Brothers é um trio de Düsseldorf que nasceu e cresceu no contexto do club Salon des Amateurs. Membros do coletivo são conhecidos do público de outros projetos que também exploram o território entre a e a música de dança, aproximando-se mais de um ou do outro polo: Institut Für Feinmotorik, Antonelli Electr., Repeat Orchestra, Don t DJ. Os instrumentos e recursos técnicos usados pelos The Durian Brothers para criar música de dança são muito pouco convencionais. Daí resulta que também os sons por eles criados pertençam a um mundo muito próprio mas nem por isso menos sedutor. As invulgares proezas deste trio fazem-se com gira-discos modificados, sequenciadores e efeitos vários de onde nascem polirritmias luxuriantes e texturas evocativas de paisagens das latitudes mais quentes de África, Ásia ou Médio Oriente. Não será demais falar em magia quando se testemunha como os sons analógicos de máquinas alteradas são transformados em movimento orgânico e ritmos que, compulsivamente, apelam à dança. 23h15 música rock experimental COCLEA Parceiro: Shhpuma Ouvir a música de Coclea, o projeto a solo de Guilherme Gonçalves, leva-nos a compreender melhor o contributo que deu para os Gala Drop: a ele muito deve ainda hoje, após a sua saída o psicadelismo daquela banda de Lisboa que conta com a participação de Jerry the Cat (Jerrald James) e já colaborou com Ben Chasny, dos Six Organs of Admittance e dos Comets on Fire. Mais do que isso, permite-nos circunscrever o seu universo musical próprio, que não é propriamente o dos cruzamentos galadropianos, mais plausíveis de ouvir do que de enunciar, entre dub, techno de Detroit, disco, funk and jazz. Coclea traz as mundividências sonoras da kosmische musik de um Manuel Gottsching (Ash Ra Tempel, Ashra) e de um Edgar Froese (Tangerine Dream) para uma música guitarrística que tem as características malhas cerradas de Vini Reilly como referência mais remota e os blues distorcidos de Loren Connors como mediadores. O que ouvimos os sintetizadores fazer na fação interestelar do krautrock faz Gonçalves com uma imensa panóplia de pedais de efeitos e processadores eletrónicos, mas sempre tendo uma seis-cordas como utensílio principal. É como se a densidade gasosa da cauda de um cometa se dissipasse para deixar ver uma superfície limpa, brilhante e transparente de cristais. CRIBLES/LIVE PORTO marc domage MARK ERNESTUS NDAGGA RHYTHM CE lichens & rose kallal

14

15 SERRALVES EM FESTA JUNTOS A CELEBRAR A ARTE CONTEMPORÂNEA

16 COMO CHEGAR A SERRALVES au to c arro Linha 201 Sá da Bandeira-Viso (Sábado e Domingo das 05h30 às 21h30) Linha 203 Marquês-Castelo do Queijo (Sábado e Domingo das 06h00 às 21h00) Linha 207 Campanhã-Foz (Sábado das 06h00 às 15h30) Linha 502 Bolhão-Matosinhos Mercado (Sábado e Domingo das 06h00 às 00h30) A Marechal Gomes da Costa. De seguida virar à esquerda na Rua Afonso de Albuquerque e seguir pela 1ª à esquerda em direção ao Largo D. João III. Estacionar. sta Co da s e om lg ha c are.m Av Coordenadas GPS Latitude N Longitude W Das 13h30 de Sábado à 01h00 de Domingo; Contacto para reservas: /511/524 ou por para Domingo das 13h30 às 24h00, Ru F G ad AMIGOS es er BOSQUE DAS FAIAS ra FEIRA DA FESTA 1 lve s PARTERRE LATERAL SAÍDA DE EMERGÊNCIA CASA E CAPELA FEIRA DO LIVRO ALAMEDA DOS LIQUIDÂMBARES 2 PÁTIO DA ADELINA FRENTE DA CASA JANELA DA BIBLIOTECA MUSEU ROSEIRAL FEIRA DE ARTESANATO URBANO stro TÉNIS oão de C a CLAREIRA DAS AZINHEIRAS SAÍDA DE EMERGÊNCIA PARTERRE CENTRAL BIBLIOTECA 3 ALAMEDA DOS CASTANHEIROS PÁTIO DO ULMEIRO ARBORETO CLAREIRA DOS TEIXOS Rua D.J Vaivém STCP: Ligação Casa da Música Serralves Casa da Música (Sujeito a tarifário, com frequência de 30 minutos) E INMAÇÕES ACOLHIMENTO AUDITÓRIO Contacto para Informações e reservas: ou Comboios longo-curso e regional: Alfa Pendular e Intercidades (Linha do Norte), Inter-Regionais e Regionais (Linhas do Minho e do Douro). Condições especiais para grupos. D CLAREIRA DAS BÉTULAS Comboios urbanos do Porto: Linhas de Braga, Guimarães, Aveiro e Caíde Ao diurno frequências entre 15 e 45 minutos. Ao noturno frequências entre 30 e 40 minutos. 4 Saia na estação de Campanhã e utilize as linhas de Metro (consulte acima as indicações). 20% Desconto na Classe Turística/2ª Classe au to c arro grat u ito CLAREIRA DA PRESA 5 OCTÓGONO o Consulte o tarifário em ou ligue / ENTRADA PARKING SAÍDA DE EMERGÊNCIA rg La Outras linhas da Rotunda da Boavista para Serralves: 201, 203, 502 e 504. CAMINHO DA PRESA III Compre o seu bilhete antecipadamente e usufrua de descontos nos serviços Alfa Pendular e Intercidades, mediante a apresentação do comprovativo de Serralves: 25% Desconto na Classe Conforto/ 1ª Classe o oã D.J Complementa a linha 203 e garante uma frequência de 15 minutos entre a Boavista e Serralves, entre as 13h30 e as 21h. Sujeito a tarifário. PASSEIO DA LEVADA Na aquisição de bilhetes de ida e volta com destino às estações de Porto Campanhã ou Vila Nova de Gaia. Consulte acima as indicações da ligação direta da Casa da Música a Serralves nos vaivéns disponíveis e de outras linhas STCP da Rotunda da Boavista para Serralves. Deverá levantar o seu comprovativo na receção de Serralves para este efeito. Será necessário comprovar que viajou para Serralves em comboios Alfa Pendular e Intercidades, mediante a apresentação de um título de transporte válido. Consulte o tarifário em c arro Na Avenida da Boavista, seguindo no sentido este-oeste, virar à esquerda na Avenida Para mais informações consulte ou Celebre o Serralves em com o Ambiente, venha de transportes públicos! Media Media Media Media Partners Media Partners Partners Partners Partners Apoios Apoios Apoios Apoios Apoios ERACENÁRIO ERACENÁRIO ERACENÁRIO ERACENÁRIO ERACENÁRIO es an E VIAJE EDRO NO T HELICÓPES EM FESTA SERRALV MARIA NORDMAN rto em todo o Parque FEIRA DA FESTA Ba Das 06h00 à 1h30, sábado e domingo. Cobertura a Ru Com destino à Casa da Música utilize as linhas: (A) Azul; (B) Vermelha; (C) Verde; (D) Amarela (faça transbordo na Estação da Trindade); (F) Laranja e (E) Violeta. 8 o metro Caso não possua o seu bilhete de Serralves no ato de aquisição do título de transporte, poderá igualmente usufruir destas condições. Para o efeito deverá comunicar que pretende viajar ao abrigo de acordo de cooperação entre a Fundação de Serralves e a CP e apresentar o bilhete de Serralves na viagem de regresso. Se não o apresentar no seu regresso, será considerado cliente sem título de transporte válido. 7 JARDIM DAS AROMÁTICAS Troço não aconselhado a cadeiras de rodas elh Serralves (em frente ao Portão da Marechal Gomes da Costa) PRADO uv Rotunda da Boavista (em frente à Casa da Música) Percurso aconselhado a pessoas com mobilidade reduzida e lom 3 Locais de Paragem: Aliados (em frente ao McDonalds) il E Condições para obter o desconto CP: Válido para os comboios Alfa Pendular e Intercidades, mediante a apresentação do título CP em curso de validade. Desconto aplicável para o período compreendido entre os 5 dias anteriores e os 5 dias posteriores à data de validade do título de transporte. 6 ag Ru do u ro az u l Sábado e Domingo das 9h às 19h, com frequência de 30 em 30 minutos Os autocarros da Douro Azul ao serviço do Serralves em estão identificados. EFFE EFFE EFFE LABEL EFFE EFFE LABEL LABEL LABEL LABEL C ENTRADA c omboio Linha 504 Boavista-Norteshopping (Sábado e Domingo das 06h00 à 01h00) B QUINTA SUPER BOCK CREATIVE EXPERIENCE 9 ENTRADA INMAÇÕES PÁTIO DA NOGUEIRA CELEIRO ar de patam oferece l inja o se at ouro Azu gem e u q ia D a re av Semp isitantes, ante um tero 0v cóp visit espetivo os no heli ours, r t t u li o a min l/he de 10 ouroazu o fim de da D alizar n ta. a re na da Fes se m a Neste Serralves em alimente os ecopontos: separe os resíduos! Apoio Apoio Apoio Apoio Apoio Corretora Corretora Corretora Corretora Corretora Oficial Oficial Oficial Oficial Oficial Parceiro Parceiro Parceiro Parceiro Parceiro Serviços Serviços Serviços Serviços Serviços Médicos Médicos Médicos Médicos Médicos Oficiais Oficiais Oficiais Oficiais Oficiais Patrocinador Patrocinador Patrocinador Patrocinador Patrocinador dodo Serralves do Serralves doserralves doserralves Serralves emem em em em Mecenas Mecenas Mecenas Mecenas Mecenas dodo Serralves do Serralves doserralves doserralves Serralves emem em em em

Artes performativas Uma, duas, três pêras no meu cestinho! Para famílias com crianças a partir dos 3 anos Uma estória com canções e baile para Todos

Artes performativas Uma, duas, três pêras no meu cestinho! Para famílias com crianças a partir dos 3 anos Uma estória com canções e baile para Todos Programa de Atividades: Música Balada de frutas Para famílias com crianças a partir dos 6 anos Oficina com palavras e música Vamos à descoberta! Se a fruta falasse, o que teria ela a dizer? Vamos ouvir!

Leia mais

MUSEU DA MARIONETA um mundo de histórias! SERVIÇO EDUCATIVO 2015/16 MUSEUDAMARIONETA.PT

MUSEU DA MARIONETA um mundo de histórias! SERVIÇO EDUCATIVO 2015/16 MUSEUDAMARIONETA.PT MUSEU DA MARIONETA um mundo de histórias! SERVIÇO EDUCATIVO 2015/16 MUSEUDAMARIONETA.PT O programa educativo 2015 / 2016 do Museu da Marioneta pretende dar a conhecer o espólio do museu e o vasto universo

Leia mais

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 FÉRIAS DE VERÃO. www.museuberardo.pt/ferias

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 FÉRIAS DE VERÃO. www.museuberardo.pt/ferias Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 www.museuberardo.pt/ferias 29 junho 3 julho 2 Verão modernista Pinturas cubistas, pinturas abstratas, pinturas surrealistas, pinturas expressionistas, pinturas

Leia mais

FÉRIAS DE VERÃO 2014

FÉRIAS DE VERÃO 2014 FÉRIAS DE VERÃO 2014 O Museu da Carris oferece ateliers didáticos, interdisciplinares e criativos, que vão motivar as suas crianças durante o período de férias de Verão! Há muito para aprender, descobrir

Leia mais

PRESSRELEASE VERÃO EM SERRALVES OFICINAS PARA CRIANÇAS. 6 de Julho 4 de Setembro 2009 09h30-12h30 e 14h00-17h00

PRESSRELEASE VERÃO EM SERRALVES OFICINAS PARA CRIANÇAS. 6 de Julho 4 de Setembro 2009 09h30-12h30 e 14h00-17h00 VERÃO EM SERRALVES OFICINAS PARA CRIANÇAS 6 de Julho 4 de Setembro 2009 09h30-12h30 e 14h00-17h00 O programa de Verão no Museu e Parque de Serralves convida os mais novos a participar num conjunto de actividades

Leia mais

turismo industrial AGENDAMarinhaGrande GUIA CULTURAL APRESENTAÇÃO OFICIAL Circuitos Industriais Marinha Grande

turismo industrial AGENDAMarinhaGrande GUIA CULTURAL APRESENTAÇÃO OFICIAL Circuitos Industriais Marinha Grande 11.MARÇO.2013 25 anos da elevação a cidade APRESENTAÇÃO OFICIAL Circuitos Industriais Marinha Grande turismo industrial Marinha Grande www.cm-mgrande.pt MARÇO 2013 AGENDAMarinhaGrande GUIA CULTURAL DESTAQUE

Leia mais

Nesta edição, poderá consultar o programa de Oficinas de páscoa e primavera e escolher entre 13 propostas diferentes.

Nesta edição, poderá consultar o programa de Oficinas de páscoa e primavera e escolher entre 13 propostas diferentes. O ficinas Sazonais P E L O U R O D A I N O V A Ç Ã O E Procurando alargar as atividades de educação ambiental aos períodos de férias escolares, em particular às famílias, o Pelouro da Inovação e Ambiente

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades Objetivos Atividades Responsáveis Datas Recursos Avaliaçõe s Promover o convívio entre os elementos da comunidade educativa Proporcionar momentos de alegria e partilha Recepção

Leia mais

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia)

Horários: 10h30 12h30 / 15h00 20h00 (com marcação prévia) MUSEU DO CARRO ELÉTRICO Inaugurado em 1992, o Museu do Carro Elétrico nasceu da dedicação e voluntarismo de um pequeno grupo de entusiastas e apaixonados por este meio de transporte coletivo, impulsionados

Leia mais

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto Museu Nacional de Soares dos Reis Porto 4 Museu Nacional de Soares dos Reis APRESENTAÇÃO O Museu ocupa, desde 1940, o Palácio dos Carrancas, construído nos finais do séc. XVIII para habitação e fábrica

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

SERVIÇO DE PÚBLICOS E DESENVOLVIMENTO CULTURAL DIRECÇÃO DA CULTURA DA SCML

SERVIÇO DE PÚBLICOS E DESENVOLVIMENTO CULTURAL DIRECÇÃO DA CULTURA DA SCML SERVIÇO DE PÚBLICOS E DESENVOLVIMENTO CULTURAL DIRECÇÃO DA CULTURA DA SCML Largo Trindade Coelho 1200-470 Lisboa Tel. 213 235 233/824/065 www.scml.pt/ www.museu-saoroque.com info@museu-saoroque.com Transportes

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA JARDIM DE INFÂNCIA Nº1 PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular

Leia mais

Histórias com sombras

Histórias com sombras Histórias com sombras Oficina de planificação, preparação e apresentação de um teatro de sombras Descobrir as técnicas para construção de um teatro de sombras, é a proposta desta oficina, em que as crianças

Leia mais

Programacao. programacao de aniversario

Programacao. programacao de aniversario Programacao programacao de aniversario Teatro de Tabuas comemora 13 anos com temporada em Campinas Duas estruturas itinerantes estarao em atividade O grupo Teatro de Tábuas, sediado na cidade de Campinas,

Leia mais

AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014 O Agrupamento de Escolas N.º2 de Abrantes tem como um dos seus objetivos a plena integração na comunidade de que faz parte. Surge assim como natural a divulgação das

Leia mais

Informar, surpreender, inovar, provocar são intenções da programação do Serviço Educativo da Fundação de Serralves no âmbito das artes visuais, da

Informar, surpreender, inovar, provocar são intenções da programação do Serviço Educativo da Fundação de Serralves no âmbito das artes visuais, da PROGRAMA 2007-2008 Informar, surpreender, inovar, provocar são intenções da programação do Serviço Educativo da Fundação de Serralves no âmbito das artes visuais, da arquitectura e do ambiente. Espaço

Leia mais

b. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade.

b. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de vida sustentável. b. Promover a contribuição das artes e humanidades,

Leia mais

- Visitas orientadas Público-alvo: público geral

- Visitas orientadas Público-alvo: público geral Criado em 2006, o Serviço Educativo do Museu de Santa Maria de Lamas (MSML) tem desenvolvido um conjunto de actividades pedagógicas e lúdicas, no sentido de divulgar o património integrado no seu vasto

Leia mais

as s FESTIVAL DE ARTES

as s FESTIVAL DE ARTES as s ARTES MÚSICA WORKSHOPS SOLIDÁRIO FESTIVAL DE ARTES Festival ASAS Apresentação: ATB e Município de Penela Conceito Método Objetivos Cronograma/programação Projetos de intervenção social A região de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

GÔDA. dobrar. GôDA Teatro. Público Geral. Sessões especiais para a Infância e Público Sénior

GÔDA. dobrar. GôDA Teatro. Público Geral. Sessões especiais para a Infância e Público Sénior GôDA Teatro Público Geral Sessões especiais para a Infância e Público Sénior GÔDA O que se esconde por detrás de uma porta antiga e enferrujada? O que se guarda por entre papéis e as fotografias velhas?

Leia mais

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio.

Os pequenos nadas. Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. Os pequenos nadas Uma criação de Anton Coimbra e Nuno Pinto. Produçao de Último Comboio. "Teatro artesanal (...) Tudo em vista: a máquina de cinema minúscula, que eles resgataram do desmantelamento, os

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO MUSICAL Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

QUARTO LUGAR DE ABRIGO, IDENTIDADE, EVASÃO PROJETO COM ESCOLAS 2011-2012

QUARTO LUGAR DE ABRIGO, IDENTIDADE, EVASÃO PROJETO COM ESCOLAS 2011-2012 QUARTO LUGAR DE ABRIGO, IDENTIDADE, EVASÃO PROJETO COM ESCOLAS 2011-2012 O homem não pode escapar à preensão da sua própria cultura, a qual mergulha até às raízes do seu sistema nervoso, modelando a sua

Leia mais

Programa Educativo 2014 2015 Público Escolar Museu das Comunicações

Programa Educativo 2014 2015 Público Escolar Museu das Comunicações Programa Educativo 2014 2015 Público Escolar Museu das Comunicações Visitas guiadas às exposições Exposições Permanentes Vencer a Distância - Cinco Séculos de Comunicações em Portugal Horários: 3ª a 6ª

Leia mais

15h: UMA AVENTURA PELO SISTEMA SOLAR (infantil - nova!) 17h: PLANETAS DO UNIVERSO 19h: POR DENTRO DO SOL

15h: UMA AVENTURA PELO SISTEMA SOLAR (infantil - nova!) 17h: PLANETAS DO UNIVERSO 19h: POR DENTRO DO SOL PROGRAMAÇÃO AGOSTO 2009 NOVOS HORÁRIOS! SÁBADOS: SESSÕES ÀS 15h, 17h E 19h 15h: UMA AVENTURA PELO SISTEMA SOLAR (infantil - nova!) 17h: PLANETAS DO UNIVERSO 19h: POR DENTRO DO SOL DOMINGOS: SESSÕES ÀS

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES. Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES

PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES. Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES Vale Mourão 2014 / 2015 PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular que permitirá

Leia mais

Aldeia de Santa Margarida

Aldeia de Santa Margarida Aldeia de Santa Margarida Agenda Cultural Cultural Edição Especial - Nov Dez 2013 Agenda Cultural Propriedade: Junta de Freguesia de Aldeia de Santa Margarida Edição Especial Nov. Dez. 2013 Distribuição

Leia mais

Sala: 3 anos (1) Educadora: Isabel Ferreira

Sala: 3 anos (1) Educadora: Isabel Ferreira Sala: 3 anos (1) Educadora: Isabel Ferreira SETEMBRO A Escola as Cores (cont.) Estabelecer relações com os outros e conhecer as regras e os comportamentos sociais na sala; Utilizar de forma adequada os

Leia mais

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES PROJETO: CHUVA DE CORES

COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES PROJETO: CHUVA DE CORES COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ-ESCOLAR PROJETO EDUCATIVO / PLANO DE ATIVIDADES PROJETO: CHUVA DE CORES INTRODUÇÃO «Será a emergência do sentido e conteúdo curricular que permitirá distinguir e recriar

Leia mais

ANALISAR OBJECTOS ARTÍSTICOS

ANALISAR OBJECTOS ARTÍSTICOS ANALISAR OBJECTOS ARTÍSTICOS Um dos aspectos essenciais à história da arte, à antropologia e à museologia, a análise de objectos artísticos e antropológicos é o tema deste workshop em 10 sessões, orientado

Leia mais

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças tradicionais nas quais a saia tem forte papel expressivo, o

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva Lisboa

Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva Lisboa Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva Lisboa 18 Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva APRESENTAÇÃO Instalado no Palácio

Leia mais

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos

WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos VERÃO 2011 WORKSHOPS Jovens dos 12 aos 15 anos Oficina de BD Neste workshop não se faz apenas banda desenhada: faz-se um fanzine de banda desenhada! Vamos criar uma história com base no teu imaginário

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 Preparado para mais um Serralves em Festa? É já nos dias 2 e 3 de Junho que se realiza mais uma edição do Serralves

Leia mais

Despertar os sentidos!

Despertar os sentidos! Despertar os sentidos! Tudo o que conhecemos chega-nos, de uma forma ou de outra, através de sensações sobre as realidades que nos rodeiam. Esta consciência sensorial pode e deve ser estimulada! Quanto

Leia mais

AEC ALE EXPRESSÃO PLÁSTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE EXPRESSÃO PLÁSTICA. Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO AEC ALE EXPRESSÃO PLÁSTICA Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa Braga

Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa Braga Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa Braga 1 Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa APRESENTAÇÃO Edifício de traça actual, construído de raiz, implantado no centro histórico de Braga, na proximidade

Leia mais

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 ANIVERSÁRIOS. www.museuberardo.pt/educacao/atividades/aniversarios

Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 ANIVERSÁRIOS. www.museuberardo.pt/educacao/atividades/aniversarios Envolver Programa do Serviço Educativo 2014-2015 www.museuberardo.pt/educacao/atividades/aniversarios 4-6 anos / Duração média: 2 horas a 2 horas e 30 minutos 2 MAGIA NO MUSEU Há magia no ar! As obras

Leia mais

VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS

VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS A Secção Regional do Norte da Ordem dos Arquitectos (OASRN) convida todas as Instituições de Ensino da Região Norte, a participar na 2ª edição

Leia mais

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda

Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda Atlas Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda a turma crie categorias de classificação. Grupos então

Leia mais

Fica o convite para mais um ano de experiências interativas e sensoriais num Museu que é de todos e para todos.

Fica o convite para mais um ano de experiências interativas e sensoriais num Museu que é de todos e para todos. Antigo espaço de encontro e de comunicação em torno do comércio e das mercadorias, a Alfândega é agora a casa do Museu dos Transportes e Comunicações, que tem vindo a construir e a solidificar uma relação

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades Ano letivo O constitui-se como um documento orientador das actividades desenvolvidas 2014/2015 ao longo do ano lectivo. Desta forma, nas páginas que

Leia mais

Período: Matutino. 1º semestre/2013. Professora: Lara Fernandes Moreira. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo

Período: Matutino. 1º semestre/2013. Professora: Lara Fernandes Moreira. Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Memórias de um Grupo 3 Período: Matutino 1º semestre/2013 Professora: Lara Fernandes Moreira Coordenadora Pedagógica: Júlia Souto Guimarães Araújo Baú de guardados (Alice Ruiz) Trago, fechado no peito,

Leia mais

Programa de Férias verão 2013

Programa de Férias verão 2013 Programa de Férias verão 2013 Data: 3 de Junho 2013 Assunto: Programa de Férias de Verão Caros pais, Vimos, por este meio, dar-lhes a conhecer o Programa de Férias de Verão que será oferecido às crianças

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor As profissões Introdução Preparação da visita A Casa Inacabada é um dos espaços que faz parte da exposição

Leia mais

SERVIÇO EDUCATIVO APRESENTAÇÃO

SERVIÇO EDUCATIVO APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O Serviço Educativo foi concebido com a missão de ressignificar o Museu da CARRIS como lugar de vivência coletiva, diálogo e partilha de múltiplas vozes, como território de reflexão e experimentação

Leia mais

O Dia Mundial da Poesia comemora-se a 21 de março, tendo sido criado na 30ª Conferência Geral da UNESCO realizada a 16 de novembro de 1999.

O Dia Mundial da Poesia comemora-se a 21 de março, tendo sido criado na 30ª Conferência Geral da UNESCO realizada a 16 de novembro de 1999. O Dia Mundial da Poesia comemora-se a 21 de março, tendo sido criado na 30ª Conferência Geral da UNESCO realizada a 16 de novembro de 1999. A data visa fazer uma reflexão sobre a livre criação de ideias

Leia mais

SERVIÇO EDUCATIVO DA EXPO CELEBRAR OEIRAS

SERVIÇO EDUCATIVO DA EXPO CELEBRAR OEIRAS SERVIÇO EDUCATIVO DA EXPO CELEBRAR OEIRAS A Expo Celebrar Oeiras passado, presente e futuro, que irá estar patente ao público entre Maio e Dezembro, procura dar a conhecer aos visitantes o desenvolvimento

Leia mais

SINOPSE DA ACTIVIDADE:

SINOPSE DA ACTIVIDADE: LOCAL: Bib. da Penha de França NOME DA ACTIVIDADE: Histórias divertidas_oficina SINOPSE DA ACTIVIDADE: A partir de um jogo de cartões com personagens, locais e objetos mágicos, serão construídas histórias

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

Retratos de Trabalho

Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho é uma exposição fotográfica organizada pela Cidade das Profissões e pelo Museu da Indústria do Porto que convida a comunidade do Porto a revisitar profissões e

Leia mais

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008 Programa do Serviço Educativo Museu Municipal i de Óbidos 2.º Semestre 2008 Programa Semestral Mês Dias Título Público-alvo Agosto Quintas, Sextas, Sábado No Ateliê do Pintor um Tesouro Escondido Crianças

Leia mais

agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça

agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça agenda de novembro Feltros do mundo. Arquitecturas de cabeça :: EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS Feltros do Mundo. Arquitecturas de Cabeça Inserida no âmbito das actividades promovidas em S. João da Madeira a propósito

Leia mais

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf A voz ao seu alcance! Software de comunicação aumentativa e alternativa para smartphone e tablet Projeto co financiado

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

Ateliers de Verão Câmara Municipal do Barreiro

Ateliers de Verão Câmara Municipal do Barreiro Programação de Actividades Julho 02 (4ª) 15h00 Edifício Américo Marinho Hum! Hum! Hum! Que delícia!, sessão I 04 (6ª) 15h00 Auditório Municipal Augusto Cabrita Atelier de Movimento, sessão I 07 (2ª) 15h00

Leia mais

Viseu veste-se de luz e reforça programação no Natal

Viseu veste-se de luz e reforça programação no Natal Viseu veste-se de luz e reforça programação no Natal Investimento municipal ascende em 2014 a 100 mil euros. Montepio Geral será o patrocinador da temporada, com um apoio de 50 mil A cidade-jardim será

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento A organização Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos para a programação de 2014 do projeto Plateias Hospitalares

Leia mais

Criança faz arte? ISTA. Gratuito! PROJETO EXPOSIÇÃO DE ARTE PALESTRAS VÍDEOS WEBSITE REDE SOCIAL MINISTÉRIO DA CULTURA APRESENTA

Criança faz arte? ISTA. Gratuito! PROJETO EXPOSIÇÃO DE ARTE PALESTRAS VÍDEOS WEBSITE REDE SOCIAL MINISTÉRIO DA CULTURA APRESENTA Criança faz arte? MINISTÉRIO DA CULTURA APRESENTA PROJETO ART EIRA ISTA EXPOSIÇÃO I - T - I - N - E - R - A - N - T - E 1 EXPOSIÇÃO DE ARTE PALESTRAS VÍDEOS WEBSITE REDE SOCIAL Gratuito! Elias Rodrigues

Leia mais

RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016

RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016 RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016 1. Introdução Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos

Leia mais

ESAP Júnior ESAP - Edifício de S. Domingos Inscrições até 27 de Junho

ESAP Júnior ESAP - Edifício de S. Domingos Inscrições até 27 de Junho ESAP Júnior ESAP - Edifício de S. Domingos Inscrições até 27 de Junho Vem experimentar, conhecer e divertir-te nas diversas atividades artísticas que a ESAP Júnior te quer proporcionar. Vem conhecer a

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

CENTRO DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES Plano Anual de Actividades

CENTRO DE ACTIVIDADES DE TEMPOS LIVRES Plano Anual de Actividades Clube Metodologia Atividades Objetivos Descobrir o Mundo Este clube é anual, tendo a duração de 1h30m.Pretende- se com este clube que os jovens explorem as culturas de alguns países, através de jogos,

Leia mais

Difusão Nacional e Públicos da Dança. parta da comunidade o propósito do debate, da. comunicação, da propositura, da iniciativa de pensar a

Difusão Nacional e Públicos da Dança. parta da comunidade o propósito do debate, da. comunicação, da propositura, da iniciativa de pensar a Difusão Nacional e Públicos da Dança Contemporânea Neste Dia Internacional da Dança, é muito relevante que parta da comunidade o propósito do debate, da comunicação, da propositura, da iniciativa de pensar

Leia mais

agenda de junho férias de verão no museu

agenda de junho férias de verão no museu agenda de junho férias de verão no museu :: um chapéu por um sorriso Moda solidária no Museu da Chapelaria O Museu da Chapelaria comemora o seu terceiro aniversário no mês de Junho e a data vai ser assinalada

Leia mais

Newsletter. Novembro 2013 NÚMERO 01

Newsletter. Novembro 2013 NÚMERO 01 Newsletter Novembro 2013 NÚMERO 01 lançamentos NOVEMBRO 2013 grácio editor lançamentos www.ruigracio.com Virtudes do Perspetivismo Manuel Maria Carrilho O perspetivismo em quatro textos de referência abrindo

Leia mais

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS.

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. CIRCUITO GANDARELA DE MINAS - AGENDA AGOSTO TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. É necessário chegar com uma hora de antecedência para garantir os ingressos. 03 E 04 DE AGOSTO - SÁBADO E DOMINGO O CONTO

Leia mais

Museu dançante. sumário. grande sala sala paulo figueiredo 01. 02 grande sala. 01. grande sala sala paulo figueiredo Museu dançante 08.

Museu dançante. sumário. grande sala sala paulo figueiredo 01. 02 grande sala. 01. grande sala sala paulo figueiredo Museu dançante 08. 02 grande sala grande sala sala paulo figueiredo 01 Museu dançante sumário 01. grande sala sala paulo figueiredo Museu dançante 08. 09. 10. 12. projeto parede Círios perfil contemporâneo Black bloc agenda

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades Ano letivo O Plano Anual de Actividades constitui-se como um documento orientador das actividades desenvolvidas 2015/2016 ao longo do ano lectivo. Desta forma, nas páginas que

Leia mais

Pré-Projeto de Educação Ambiental

Pré-Projeto de Educação Ambiental Pré-Projeto de Educação Ambiental Vamos Descobrir e Valorizar o Alvão Ano 2014/15 Centro de Informação e Interpretação Lugar do Barrio 4880-164 Mondim de Basto Telefone: 255 381 2009 ou 255 389 250 1 Descobrir

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1 PROJECTO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano lectivo de 2011/2012 1 Índice 1-INTRODUÇÃO... 1 2-PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 2 3-ÁREAS DE CONTEÚDO... 4 3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cascais Plano Anual de Atividades 2014/2015 ANEXO 1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º CICLO

Agrupamento de Escolas de Cascais Plano Anual de Atividades 2014/2015 ANEXO 1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º CICLO ANEO 1 DEPARTAMENTO DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º CICLO 0 1º Período A CAF (Componente de Apoio à Família 2 primeiras semanas de setembro e interrupção do Natal) será acionada de acordo com resposta dos Encarregados

Leia mais

Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum

Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum Um Museu Super Divertido Boston Children s Museum É só entrar e ver a alegria das crianças escorregando, subindo e descendo por uma escultura de madeira que mais parece um trepa trepa gigante. É incrível!

Leia mais

ALGUNS BREVES TEXTOS SOBRE A LIBERDADE. Performáticos07 ESTAL

ALGUNS BREVES TEXTOS SOBRE A LIBERDADE. Performáticos07 ESTAL ALGUNS BREVES TEXTOS SOBRE A LIBERDADE Performáticos07 ESTAL IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR DO PROJECTO Estal Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa www.estal.pt Rua de Sto. Amaro nº 34 1200-803 Lisboa

Leia mais

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Jane Lino Barbosa de Sousa janeufpa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

CIRCUITO DE VISITAÇÃO E PASSEIO CICLÍSTICO

CIRCUITO DE VISITAÇÃO E PASSEIO CICLÍSTICO Campos dos Goytacazes - UENF UFF/ESR Quinta-feira 02/07/2015 19h às 20h Orquestra de Violões Coordenação: Victor Matos (IFF) Resumo: Orquestra de violões formada por alunos do IFF/Campos, e apresentam

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Bibliotecas Municipais do Porto

Bibliotecas Municipais do Porto Bibliotecas Municipais do Porto Biblioteca Pública Municipal do Porto Biblioteca Municipal Almeida Garre Programação para Crianças e Jovens Verão 2013 O Pelouro do Conhecimento e Coesão Social da Câmara

Leia mais

Gabinete de Comunicação Nota de Imprensa n.º 112, de 13 de outubro de 2014. 1. Projeto Eco-Escolas

Gabinete de Comunicação Nota de Imprensa n.º 112, de 13 de outubro de 2014. 1. Projeto Eco-Escolas Gabinete de Comunicação Nota de Imprensa n.º 112, de 13 de outubro de 2014 1. Projeto Eco-Escolas O início do ano letivo escolar 2014/2015 fica desde já marcado, a nível ambiental, pela atribuição de 19

Leia mais

SEMANA DO DESPORTO SEMANA DA NATUREZA COM PRAIA

SEMANA DO DESPORTO SEMANA DA NATUREZA COM PRAIA Dia 16 de Junho - segunda -feira 17 de Junho - terça -feira 18 de Junho -quarta -feira 19 de Junho - quinta -feira 20 de Junho - sexta -feira SEMANA DO DESPORTO TPC/Atelier do Saber " desporto?? Jogos??

Leia mais

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4.

Índice 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. Índice 1. Introdução... p.2 2. Orientações programáticas do 1º Ciclo do Ensino Básico... p.4 2.1. Finalidades... p.4 2.2. Princípios Orientadores... p.4 2.3. Propostas de operacionalização curricular...

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

02-07-2015 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA. Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social

02-07-2015 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA. Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social 1 A FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA Estabelecida em 1963 por Vasco Maria Eugénio de Almeida Missão:

Leia mais

Natal Fundão 2015. O Município do Fundão irá promover, até dia 6 de janeiro, um conjunto de iniciativas denominado Natal Fundão 2015.

Natal Fundão 2015. O Município do Fundão irá promover, até dia 6 de janeiro, um conjunto de iniciativas denominado Natal Fundão 2015. Natal Fundão 2015 O Município do Fundão irá promover, até dia 6 de janeiro, um conjunto de iniciativas denominado Natal Fundão 2015. Este ciclo contará com a Casa do Pai Natal, várias Casas Temáticas,

Leia mais

PROGRAMA BLX > FAMÍLIAS_NOVEMBRO 2015. Atividades do mês

PROGRAMA BLX > FAMÍLIAS_NOVEMBRO 2015. Atividades do mês Atividades do mês LOCAL: Bib. Belém DATA: 7 nov às 16H00 NOME DA ACTIVIDADE: Oficina Vento Ilustrado por Marina Palácio SINOPSE DA ACTIVIDADE: Sobre leituras invisíveis. Superar a dificuldade de desenhar

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

E S C O L A S E C U N D Á R I A D A T R O F A 13 DE FEVEREIRO H I S T Ó R I A E C U L T U R A D A S A R T E S A NO L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5

E S C O L A S E C U N D Á R I A D A T R O F A 13 DE FEVEREIRO H I S T Ó R I A E C U L T U R A D A S A R T E S A NO L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 E S C O L A S E C U N D Á R I A D A T R O F A VISITA DE ESTUDO A LISBOA 13 DE FEVEREIRO H I S T Ó R I A E C U L T U R A D A S A R T E S A NO L E T I V O 2 0 1 4 / 1 5 R E L AT Ó R I O D E V I S I TA D

Leia mais