A ANTROPOLOGIA DA PERFORMANCE E A FESTA DE MÚSICA ELETRÔNICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ANTROPOLOGIA DA PERFORMANCE E A FESTA DE MÚSICA ELETRÔNICA"

Transcrição

1 A ANTROPOLOGIA DA PERFORMANCE E A FESTA DE MÚSICA ELETRÔNICA Fernando Augusto Violin Prof. Celso Vianna Bezerra de Menezes (Orientador) RESUMO Os eventos de música eletrônica contemporâneos denominam-se festas rave. As raves são festas de música eletrônica que duram mais de 12 horas e se realizam longe dos centros urbanos. Originalmente do estado de Goa, na Índia, foi na região de Trancoso, na Bahia, que começou a cena das raves no Brasil. Seus personagens são, normalmente, jovens entre 18 e 30 anos de idade, de diferentes estilos de vida. Nessas festas, nas quais se misturam diferentes estilos de vida, há um objetivo comum: o de curtir a festa e a música eletrônica, através de um sentimento de bem-estar denominado de vibe entre os participantes. Entendendo-se que os eventos rituais são momentos excepcionais da vida social de uma sociedade por expressarem os conflitos sociais de uma forma dramatizada, torna-se relevante caracterizar os eventos de música eletrônica em Londrina fazendo parte do fenômeno mundial das festas rave que dramatizam, através de um cenário simbólico, um contexto diferente do cotidiano de seus personagens. Palavras-chave: ritual, festas rave, música eletrônica. 762

2 Introdução Entendendo-se que os eventos rituais são momentos excepcionais da vida social de uma sociedade e por expressarem os conflitos culturais de uma forma dramatizada (TURNER, 1974, 2005), torna-se relevante caracterizar os eventos de música eletrônica em Londrina fazendo parte do fenômeno mundial das festas rave, o que proporciona uma forma de relação entre seus participantes num contexto fora do cotidiano. Esses festivais tornaram-se fenômenos sociais relevantes no mundo todo por fatores que se ligam às suas excentricidades como reunir em grandes eventos mais de 20 mil pessoas movendo-se ao som da música eletrônica. Assim, um conhecimento construído numa relação próxima e de dentro desses eventos, orientado por reflexões teóricas antropológicas, pode trazer uma perspectiva diferente de se pensar sobre os eventos de música eletrônica daquelas formadas através da divulgação pelas mídias que, frequentemente, somente os revelam quando há casos de apreensão de drogas, por exemplo, ou quando acontece algo que seja conflituoso com alguma norma ou lei. Aqui, observa-se a singularidade do significado do evento e a cultura recriada e produzida pelos freqüentadores que vão às festas eletrônicas à procura de algo diferente das outras. Neste artigo, propõe-se evidenciar a música eletrônica e a dança como dois elementos que sintonizam a relação dos participantes das rave através dos estudos científicos de alguns autores contemporâneos. A partir da relação entre a música e a dança, observam-se as festas rave como eventos excepcionais do cotidiano de seus participantes relacionando-as ao pensamento de Victor W. Turner (1974, 2005) sobre os eventos rituais. 763

3 Para a compreensão do universo cultural das rave, o pesquisador mergulha nesse contexto e vivencia as emoções que fazem parte desse mundo. Ao mesmo tempo, deve manter uma relação de estranhamento e distanciamento com o objeto para que possa refletir sobre ele. Para conhecer sobre os eventos, os textos e fontes de informação da internet foram consultados. Através dela pode-se ter um contato com os eventos que serão realizados, assim como supostos freqüentadores que se reúnem na rede de relacionamento virtual orkut (www.orkut.com) através de uma comunidade virtual da festa em que todas as informações necessárias para freqüentá-las estão disponíveis. A partir da internet como uma fonte de coleta de dados, a pesquisa torna-se espaço para a reflexão do mundo virtual como um campo de estudo de relacionamento entre grupos, em que algumas reelaborações de conceitos antropológicos devem ser pensadas, como o de campo e a interação entre o pesquisador e o pesquisado. (DORNELLES, 2004) O surgimento de uma nova cena As rave são festas de música eletrônica que duram mais de 12 horas e são realizadas longe dos centros urbanos. Durante os anos 1970, o movimento hippie norte-americano sofreu fortes repressões por grande parte da sociedade tradicional, principalmente quanto ao uso deliberado de drogas sintéticas como o LSD, fazendo com que essas pessoas migrassem para outras regiões do planeta expandindo a cultura hippie pelo mundo. Na Índia, em Goa, nessa época, havia uma tolerância maior às diversidades culturais e a região recebia estrangeiros do mundo todo que se encontravam onde uma cultura espiritualizada era vivenciada por adeptos aos ideais hippies, antropólogos, músicos e místicos celebrando suas festas em lugares de paisagens naturais, ao som do rock psicodélico. Nos anos de 1980, a música eletrônica oriunda da Europa foi introduzida 764

4 nesse meio, mesclando-se com a psicodelia e a espiritualidade da cultura da região. Junto com essas festas em Goa, que logo se espalham pelo mundo, surge o estilo musical psy-trance, o mais tocado nos eventos de música eletrônica durante anos, que se caracteriza pela batida rítmica entre 135 e 165 bpm (batidas por minuto) e uma melodia composta com de sintetizadores e programas musicais digitalizados que permitem ao DJ produzir músicas interminavelmente. No Brasil, foi na região de Trancoso, na Bahia, que começou a cena das festas rave, quando no final da década de 1980 recebeu estrangeiros que freqüentavam essas festas em outros lugares do mundo e vieram para o Brasil em busca de paisagens naturais belas para a realização dos eventos. Na década seguinte, apareciam as primeiras festas no estado de São Paulo, popularizando-se pelo país no final do século XX e começo do XXI, reunindo nos festivais mais de 20 mil pessoas que ocorriam ao longo do ano nas principais metrópoles do país. (CAVALCANTI, 2005) A cena de um ritual festivo Um autor que se destaca na análise da música eletrônica é Julián Jaramillo-Arango (2005) que em sua tese de doutorado, Homens, Máquinas e Homens-Máquina: O surgimento da música eletrônica (2005), examina o surgimento da música eletrônica no começo da década de Arango faz um estudo histórico sobre o entorno tecnológico da música no século XX e sobre o desenvolvimento de ferramentas fabricadas de forma industrializadas resultando no processo social de incorporação dessas tecnologias. Seu trabalho ajuda a pensar o processo histórico do surgimento da música eletrônica, bem como a forma como novas tecnologias foram incorporadas ao processo social e à música, resultando, hoje em dia, numa nova maneira de vivenciar a música e um transe coletivo. 765

5 Tiago Coutinho Cavalcanti (2005), na sua dissertação de mestrado extremamente detalhada do universo das festas rave, O êxtase urbano: Símbolos e Performances dos festivais de música eletrônica (2005), apresenta como objeto de pesquisa os festivais de música eletrônica fruto de dados etnográficos recolhidos durante dois anos. Neste trabalho, o foco no corpo é o fio condutor da pesquisa, pois é através dele que os indivíduos atingem o estado esperado de êxtase durante a festa: O jogo de sentidos trabalha com os diferentes sentidos humano a fim de harmonizar e tornar inteligíveis e experimentáveis os elementos simbólicos que ressaltam o caráter experiencial do evento. A música estimula a audição com sons repetitivos e não convencionais. O lugar e a decoração trabalham a visão do participante e o consumo de psicoativos ordena este jogo de sentidos interligando elementos aparentemente incompatíveis num jogo de percepções. Este particular uso do corpo coincide ainda com movimentos de propagação do individualismo e da expansão da lógica econômica em contextos pósmodernos. (2005, p. 4) Seu estudo mostra o quanto o universo simbólico criado pelos eventos de música eletrônica age sobre a pessoa frequentadora, mais precisamente sobre seus sentidos. É através das sensações corporais que as pessoas experimentam um estado diferente da mente e da realidade, seja no uso de psicoativos sintéticos como o LSD e o ecstazy, ou na interação com a música eletrônica. Como dito anteriormente, as festas rave são aquelas que duram mais de 12 horas e se realizam longe do perímetro urbano, embora seus atores sejam jovens urbanos impulsionados pela música eletrônica. Seus personagens são, normalmente, jovens de 18 a 30 anos de idade com diferentes estilos de vida. Nas festas, as diferenças convergem para um 766

6 objetivo comum: o de curtir a festa e a música eletrônica, através de um sentimento de bem estar denominado de vibe 347 entre os personagens. Para a curtição, diversos elementos simbólicos são sintetizados dentro do espaço da festa de forma a integrar o fenômeno numa cultura que se moldou através de fragmentos culturais de diferentes lugares do mundo. Assim, encontra-se na decoração da festa, nas camisetas e nas tatuagens dos freqüentadores figuras de deuses indianos que lembram o contexto em que surgiu esse tipo de festa (Índia). A dança caracteriza-se pelo ato coletivo no espaço entre a música eletrônica com a pista de dança, ocupada pelas pessoas, embora ocorram danças individuais, ou em grupos, espalhados pelo local da festa. A pista de dança é formada por um espaço onde o DJ fica em cima de um palco com suas aparelhagens eletrônicas de frente para o público que se aglomera na frente do palco o mais perto possível para dançar e assistir ao live (apresentação do artista DJ). Essa estrutura do espaço é encontrada nas antigas casas noturnas européias onde tocavam música disco, apontada por alguns pesquisadores da música eletrônica como um dos primeiros estilos musicais a usar uma tecnologia eletrônica na composição sonora 348. Vale lembrar, também, os grandes festivais de rock psicodélico realizados na década de 1960 nos Estados Unidos que atraiam milhares de pessoas na frente de um palco onde bandas musicais se apresentavam. O Woodstock, realizado em 1969, é o maior exemplo desse fenômeno que espalhou para o mundo a cultura do rock pisicodélico. Porém, nas rave em questão, a música eletrônica é tocada em lugares abertos em contato com a natureza e o público dança embaixo de uma tenda. 347 Vibe é uma categoria nativa das rave para uma experiência desejada na festa. É expressão de comunhão, um compartilhar de boas sensações e emoções entre os participantes. (ABREU, 2007, p. 7) 348 Para maiores detalhes sobre a tecnologia eletrônica na produção musical ver Arango (2005), Ferreira (2008) e Gohn (2007). 767

7 A dança, nesse lugar, é livre. Cada pessoa dança da maneira que quiser e manifesta através do corpo a sua curtição. Além de ser motivada pela música eletrônica, a dança é, na maioria das vezes, sustentada pelo uso de psicoativos químicos como o LSD (os chamados doces ) e o ecstasy (denominados de balas ) produzidos através de uma tecnologia química que sintetiza a substância química num papel com figuras psicodélicas, no LSD, e num comprimido contendo uma marca desenhada no ecstasy. As figuras nos doces e as marcas nas balas servem para informar o tipo que caracteriza aquele psicoativo. Nota-se, também, o uso de maconha, consumida quase sempre em grupos de duas ou mais pessoas. Essas drogas, dentro desse contexto, junto com a música e a dança, simbolizam o objetivo comum de seus freqüentadores ao proporcionar aos usuários momentos de prazer, êxtases ou simplesmente curtição. Assim, muitas vezes, a dança é marcada por um transe que se mantém através das viagens provocadas pelos psicoativos como também impulsionada pela corrente elétrica da música eletrônica. Pedro Peixoto Ferreira expõe seu pensamento sobre a música eletrônica em Algumas considerações sobre o estudo das relações entre música eletrônica e xamanismo (2005) e em Transe Maquínico: Quando som e movimento se encontram na música eletrônica de pista (2008). De maneira geral, seu estudo analisa a música eletrônica de pista e examina um fenômeno observado nas casas noturnas. Seu objeto de estudo não é propriamente as pessoas ou a música, mas sim a relação entre elas, a relação entre som (música) e movimento (dança). Para ele, a música eletrônica de pista é desenvolvida pela necessidade do movimento, assim, desde os anos de 1970, quando começaram a aparecer os primeiros sintetizadores eletrônicos, os DJS tinham nas mãos ferramentas para produzir um estilo de música que se adaptava ao movimento dançante das casas noturnas. 768

8 Segundo esse autor, hoje em dia, essa relação entre música eletrônica e dança cria um tipo de transe-maquínico quando o som captura o movimento da dança e a dança de um corpo coletivo de pessoas se transforma num coletivo-sonoro-motor (FERREIRA, 2005, 2008). O trabalho de Ferreira propõe a análise de um fenômeno com o uso de novos conceitos. Apesar de analisar o fenômeno de pista, dentro das boates noturnas, não há muita diferença com o que acontece nas rave. Nos eventos de música eletrônica, o mesmo fenômeno maquínico acontece. Pessoas se embalam nas danças motivadas pela música eletrônica, alcançando um tipo de transe-maquínico ininterrupto. Carolina de Camargo Abreu 349 (2007) sugere que a festa rave possa ser vista como um teatro do ritual, segundo a perspectiva sugerida de Victor Turner sobre um ritual: Conforme caracteriza Turner (1982), os rituais que predominam em sociedades préindustriais estão associados a ritmos cíclicos, biológicos e sócio-estruturais, e integram-se centralmente ao processo social total, produzindo símbolos que evocam significados intelectuais e emotivos comuns a todos os membros do grupo. Em sociedades onde a esfera do trabalho separa-se da atividade ritual, tal como nas sociedades industriais, surge a esfera do lazer como campo privilegiado para os processos liminares de produção simbólica. Na esfera do lazer ou entretenimento, marginal às arenas centrais da economia e política, a liminariedade caracterizada nesse contexto por Turner como liminóide se dá por manifestações plurais, fragmentárias, e experimentais que ocorrem nas interfaces e interstícios do conjunto de instituições centrais. Essas manifestações já 349 ABREU, Carolina de Camargo. Experiência trance da rave: entre o espetáculo e o ritual. São Paulo, Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de São Paulo. (versão preliminar formato FAPESP) 769

9 não têm a obrigatoriedade típica dos rituais, mas caracterizam-se como atividades de adesão voluntária, optativa e individual. (2007, p. 4) Abreu (2007) evidencia a dança na rave como a linguagem universal de comunicação, atuação e produção de sentido privilegiada que, sustentada pelos impulsos elétricos da música eletrônica e pelo incentivo de psicoativos químicos, torna-se coletiva e bomba a energia para a transcendência a outros universos paralelos. No dia 21 de Junho de 2009, foi realizado no sítio Lima, em Londrina, o evento de música eletrônica Adrenaline presenciado pelo autor como um participante. Observou-se que havia uma variedade de pessoas comportando-se de maneira diferente, mas ao mesmo tempo unidas em busca de um objetivo, o de alcançar o êxtase e um estado alterado da mente e do corpo através das suas performances. Estas se caracterizavam pelas danças com movimentos corporais repetitivos, malabarismos e saltos de um bungee jump improvisado para a festa. Essas performances, da maioria das pessoas presentes, eram acompanhadas pelo uso de psicoativos químicos e da maconha. Os eventos de música eletrônica em Londrina caracterizando-se como parte do fenômeno mundial das festas rave, pode ser pensado como em Abreu (2007), onde esses eventos apresentam características rituais contemporâneas na esfera do lazer e rompem com a normalidade do cotidiano, sendo um teatro do ritual em que a música e a dança praticadas pelos indivíduos presentes são símbolos que ressaltam sua cultura. A teoria da Antropologia da Performance nos ajuda a entender o fenômeno contemporâneo das festas rave como eventos que transcendem o cotidiano e apresentam-se exclusivos, fora do tempo. 770

10 Victor W. Turner (1974, 2005), antropólogo, analisa os rituais do povo Ndembu do noroeste da África explorando as estruturas simbólicas e seus aspectos semânticos. No livro O Processo Ritual (1974), o antropólogo trabalha com conceitos que, para ele, caracterizam fases num ritual, como o de liminaridade. Esse conceito visa explicar de que forma um evento ritual caracteriza-se por um momento excepcional da estrutura social de uma sociedade estando à margem das normas e ordens tradicionais da sociedade (TURNER, 1974). Turner assim define a liminaridade: Os atributos de liminaridade, ou de personae (pessoas) liminares são necessariamente ambíguos, uma vez que esta condição e estas pessoas furtam-se ou escapam à rede de classificações que normalmente determinam a localização de estados e posições num espaço cultural. As entidades liminares não se situam aqui nem lá; estão no meio e entre as posições atribuídas e ordenadas pela lei, pelos costumes, convenções e cerimonial. Seus atributos ambíguos e indeterminados exprimem-se por uma rica variedade de símbolos, naquelas várias sociedades que ritualizam as transições sociais e culturais. Assim, a liminaridade freqüentemente é comparada à morte, ao estar no útero, à invisibilidade, à escuridão, à bissexualidade, às regiões selvagens e a um eclipse do sol ou da lua. (1974, p.117) A partir desses conceitos e da idéia de Abreu (2007), entende-se que as festas rave em Londrina possam sugerir um momento excepcional do cotidiano dos seus participantes proporcionando momentos de êxtase e prazer coletivo num ritual festivo de lazer que, por sua vez, depende da realização de empresas de eventos interessadas no mercado econômico que as festas geram. Dessa forma, para experimentar as sensações que o 771

11 universo das rave proporciona, os participantes devem pagar por sua entrada na festa, bem como aquilo que consomem durante ela toda. Por fim, entendemos que o mundo das festas rave torna-se palco de festividade dançante e experiências ligadas à música eletrônica que, até chegar como ela é nos dias de hoje, passou por um processo que acompanhou o desenvolvimento de novas tecnologias. Esses eventos envolvem diversos elementos simbólicos que excitam os sentidos como a dança e a música eletrônica, fazendo seus participantes experimentarem uma realidade alternativa de sensações no atual contexto sócio-cultural. As considerações deste artigo, considerações provisórias pois que refletem o estágio inicial de nossa pesquisa, visam a refletir sobre os próximos festivais de música eletrônica na cidade de Londrina e região nos anos de 2010 e

12 Referências bibliográficas ABREU, Carolina de Camargo. Experiência trance da rave: entre o espetáculo e o ritual. São Paulo, Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de São Paulo. ARANGO, Julián Jaramillo. Homens, Máquinas e Homens-Máquina: O surgimento da música eletrônica. Dissertação de Mestrado, Multimeios, Universidade Estadual de Campinas, CAVALCANTI, Tiago Coutinho. O êxtase urbano: símbolos e performances dos festivais de música eletrônica. Dissertação de Mestrado, Antropologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, DORNELLES, Jonatas. Antropologia e internet: quando o campo é a cidade e o computador é a rede. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 10, n.21, p , FERREIRA, Pedro Peixoto. Algumas considerações sobre o estudo das relações entre música eletrônica e xamanismo. Apresentação ao Núcleo de Transformações Indígenas, UFRJ, Rio de Janeiro, Transe Maquínico: Quando som e movimento se encontram na música eletrônica de pista. Horizontes Antropológicos, n.29, Porto Alegre, 2008, p GOHN, Daniel. Aspectos Tecnológicos da Experiência Musical. Músicahodie, Vol. 7- nº 2, 2007, p TURNER, Victor. O processo ritual. Petrópolis: Vozes, Floresta de símbolos. Niterói: Editora UFF,

EXPERIÊNCIAS SENSORIAIS NAS FESTAS DE MÚSICA ELETRÔNICA: PERFORMANCE, TECNOLOGIA E RITUAL

EXPERIÊNCIAS SENSORIAIS NAS FESTAS DE MÚSICA ELETRÔNICA: PERFORMANCE, TECNOLOGIA E RITUAL EXPERIÊNCIAS SENSORIAIS NAS FESTAS DE MÚSICA ELETRÔNICA: PERFORMANCE, TECNOLOGIA E RITUAL Fernando Augusto Violin Orientador: Prof. Dr. Celso Vianna Bezerra de Menezes RESUMO Com base numa pesquisa de

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS RAVES COMO EVENTO ARTÍSTICO, CULTURAL E DE LAZER E A MÍDIA NEGATIVA

IMPORTÂNCIA DAS RAVES COMO EVENTO ARTÍSTICO, CULTURAL E DE LAZER E A MÍDIA NEGATIVA IMPORTÂNCIA DAS RAVES COMO EVENTO ARTÍSTICO, CULTURAL E DE LAZER E A MÍDIA NEGATIVA Autores: MARIA EDUARDA LIMA BRITO XERITA MAUX, DYLCE BASÍLIO CAVALCANTI DE MENEZES E KILMA MARIA PONTES FERRAZ Introdução

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

TECHNO-XAMANISMO COMO ESTILO DE VIDA NUMA CULTURA UNIVERSAL

TECHNO-XAMANISMO COMO ESTILO DE VIDA NUMA CULTURA UNIVERSAL Universidade Candido Mendes Instituto de Humanidades Relações Internacionais Imagem e Comunicação Ana Lattanzi TECHNO-XAMANISMO COMO ESTILO DE VIDA NUMA CULTURA UNIVERSAL Renan Reis de Souza Junho de 2007

Leia mais

PROJETO MÚSICA NA ESCOLA

PROJETO MÚSICA NA ESCOLA Rede Salesiana de Escolas. Entusiasmo diante da vida. PROJETO MÚSICA NA ESCOLA Escola: Nossa Senhora Auxiliadora Níveis de Ensino: Fundamental II Coordenação Pedagógica: Maria das Graças L. N. Ferreira

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA

A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA A LINGUAGEM MUSICAL DO MUSICOTERAPEUTA Rita Bomfati. UNESPAR- FAP ritabomfati1@gmail.com Resumo: A importância da formação musical do musicoterapeuta (conhecimento de ritmos e instrumentos, história da

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

1.Quem é e o que faz o ícone. musical de nossa era: o DJ?

1.Quem é e o que faz o ícone. musical de nossa era: o DJ? 1.Quem é e o que faz o ícone musical de nossa era: o DJ? Quem é e o que faz o ícone musical de nossa era: o DJ? Nos dias de hoje, quando você pensa em um artista descolado e muito poderoso, esse cara pode

Leia mais

A música é uma linguagem universal,

A música é uma linguagem universal, A música é uma linguagem universal, mas com muitos dialetos que variam de cultura para cultura, envolvendo a maneira de tocar, de cantar, de organizar os sons (...), segundo Nicole Jeandot (1990). Para

Leia mais

O Manifesto do Samba Rock

O Manifesto do Samba Rock O Manifesto do Samba Rock Por José Xavier Introdução O samba rock é dançado nas periferias da capital paulista desde meados dos anos 60. Essa cultura propagada por dançarinos entusiasmados ao longo de

Leia mais

APRESENTAÇÃO O CURSO

APRESENTAÇÃO O CURSO APRESENTAÇÃO A cena de música eletrônica tem crescido muito. Se apresentar-se como DJ já era considerada uma forma de expressão artística, ainda que desvalorizada, com o passar do tempo isto está mudando.

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

Marcos de Aprendizagem Música. Eixo Competência Conteúdos Habilidades

Marcos de Aprendizagem Música. Eixo Competência Conteúdos Habilidades Apreciação e Percepção Musical Alcance progressivo do desenvolvimento auditivo musical, rítmico, melódico, harmônico e tímbrico e a memória musical nos processos de apreciação e percepção. Som e suas propriedades

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular INTRODUÇÃO A música do século XX foi marcada por grandes inovações em estruturações e outros procedimentos. As estruturações passaram a ter formas cada vez mais livres como na poesia sem metro ou rima;

Leia mais

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DESANTA CATARINA IFSC-CAMPUS JOINVILLE CURSO DE ASSISTENTE EM PRODUÇÃO CULTURAL-PRONATEC TURMA 1 2013 PLANO COREOGRÁFICO TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA CARLOS

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

MÚSICA NA ESCOLA: EXPRESSÃO SILENCIADA

MÚSICA NA ESCOLA: EXPRESSÃO SILENCIADA MÚSICA NA ESCOLA: EXPRESSÃO SILENCIADA Autora: Patrícia Fernanda Carmem Kebach 1 Resumo: Este artigo pretende abordar a importância de se trabalhar a educação musical, tanto em ambientes formais, quanto

Leia mais

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Programa Sonora Eletrônica 1 Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO O uso e a produção áudio-visual no jornalismo hoje, não depende mais exclusivamente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens

PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO. Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens PROGRAMAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO Concerto encenado em classe de conjunto: estudo sobre perceções e aprendizagens Ana Estevens, nº 120138001 Trabalho realizado na Unidade Curricular de Processos de Experimentação

Leia mais

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil.

Palavras-chave: escrita musical, histórias infantis, conto sonoro. Seminário do 16 O. COLE vinculado: V Seminário Linguagens em Educação Infantil. O Conto Sonoro, uma forma de explorar a escrita musical. Renata de Oliveira Pavaneli Frederico, Escola de Educação Infantil Casa da Gente Campinas-SP. musicamed@directnet.com.br reoliveirafred@gmail.com

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

Plano de negócios da festa Club Noir Dance Party

Plano de negócios da festa Club Noir Dance Party 1 2 Missão Transportar os frequentadores para um novo estado de espírito longe dos problemas cotidianos, onde possam escutar boa música, encontrar os amigos e conhecer gente bonita. Visão Criar a melhor

Leia mais

Aula 4 - Design Moderno e Contemporâneo 1920-Atualmente. professor Rafael Hoffmann

Aula 4 - Design Moderno e Contemporâneo 1920-Atualmente. professor Rafael Hoffmann Aula 4 - Design Moderno e Contemporâneo 1920-Atualmente professor Rafael Hoffmann Art Déco (1923-1938) Art Déco - Fim da Primeira Guerra. - Retorno a normalidade. - Tempos de paz e prosperidade. - Celebra

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 02/03/2015 15:40

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 02/03/2015 15:40 //5 5: Centro de Ciências da Educação, Artes e Letras Curso: 8 Teatro (Noturno) Currículo: / ART.9.- História do Teatro I Ementa: Teatro Grego, Teatro Romano, Teatro Medieval: textos dramáticos, espetáculos,

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / à / ÁREA DO CONHECIMENTO: Música CARGA HORÁRIA: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DA I UNIDADE - Conhecer e criar novas melodias. - Desenvolver

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS

Planificação MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS MÚSICA TIMORENSE NO 2.º CICLO: APRENDIZAGENS ARTÍSTICAS E CULTURAIS Sessão n.º 1 1- Apresentação do projeto: objectivos e finalidades; 2- Apresentação dos objetivos e finalidades; 3- Música Timorense (He-le-le);

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81 Períodos de inscrições: no sítio http://www.concurso.ufjf.br a) Primeiro período: das 09h do dia 11/05/2009 até as 14h do dia 29/05/2009; b) Segundo período: das 09h do dia 22/06/2009 até as 14h do dia

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1 DO ENSINO BÁSICO CE 1 CE 5 CE 8 CE 12 CE 14 Interpretação e comunicação

Leia mais

V Encontro de Pós-Graduandos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP - EPOG

V Encontro de Pós-Graduandos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP - EPOG V Encontro de Pós-Graduandos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP - EPOG FFLCH/ USP São Paulo, 23 a 26 de novembro de 2010. Título proposta: Transe audiovisual das celebrações rave:

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

Maria de Lurdes Barros da Paixão 1 Universidade Estadual de Santa Cruz UESC-BA

Maria de Lurdes Barros da Paixão 1 Universidade Estadual de Santa Cruz UESC-BA O En(tre) lugar da Dança Contemporânea na Bahia e no Recife: A pesquisa sobre as reelaborações estéticas coreográficas do Balé Folclórico da Bahia e do Grupo Grial de Dança. Maria de Lurdes Barros da Paixão

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE DE CARA LIMPA COM A NATUREZA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE DE CARA LIMPA COM A NATUREZA PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO E MEIO AMBIENTE DE CARA LIMPA COM A NATUREZA Cuiabá- 2009 I - Apresentação Este Programa pretende sensibilizar a sociedade cuiabana para

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

APRESENTAÇÃO O CURSO

APRESENTAÇÃO O CURSO APRESENTAÇÃO A cena de música eletrônica tem crescido muito. Se apresentar como DJ já era considerada uma forma de expressão artística, ainda que desvalorizada, com o passar do tempo isto está mudando.

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (5 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Conhecer diferentes termos espaciais (em pé, deitado, em cima, em baixo, à frente, atrás, dentro, fora ) Descrever itinerários diários (exemplos:

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

7 Ecstasy : A bala das sensações?

7 Ecstasy : A bala das sensações? 7 Ecstasy : A bala das sensações? A droga está sempre envolvida nos movimentos de vanguarda dos jovens, talvez pela vontade natural do jovem de experimentar uma p... de coisas, de conhecer, o fato de ser

Leia mais

450 ano da Música no Rio de Janeiro na Sala de Aula

450 ano da Música no Rio de Janeiro na Sala de Aula 450 ano da Música no Rio de Janeiro na Sala de Aula Caderno do professor Criado a partir da Cartilha Piano Brasil VII do maestro Ricardo Prado (gentilmente cedida por Cíntia Pereira-Delphos Produções www.delphosproducoes.com)

Leia mais

O trabalho com a linguagem audiovisual na sala de aula

O trabalho com a linguagem audiovisual na sala de aula O trabalho com a linguagem audiovisual na sala de aula Marília Franco 1 Quando a criança chega ao espaço da educação formal já traz, impregnados no seu comportamento cultural, os resíduos dessa história

Leia mais

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21

19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA. A Humanidade no século 21 19º CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICODRAMA A Humanidade no século 21 DIRETORA NATÁLIA GIRO EGOS AUXILIARES MAHER HASSAN MUSLEH E WENDY PRADO Introdução: Relacionar-se com o outro é uma condição essencial para

Leia mais

Arte e Cultura na Escola

Arte e Cultura na Escola SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT Arte e Cultura na Escola GESTÃO: MUNICÍPIO: 2001-2004 IMPERATRIZ PREFEITO: Jomar Fernandes Perereira Filho ÓRGÃO RESPONSÁVEL:

Leia mais

Música quase por acaso. Série Matemática na Escola

Música quase por acaso. Série Matemática na Escola Música quase por acaso Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir o conceito de probabilidade de transição; 2. Introduzir Cadeias de Markov; 3. Usar matrizes, estatística e probabilidade para compor

Leia mais

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido.

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido. 1 Introdução As demências, principalmente a do tipo Alzheimer, vêm despertando interesse no meio acadêmico. Os diferentes saberes como a Medicina, a Psicologia, a Antropologia, a Sociologia entre outros,

Leia mais

Tribos Urbanas: metáfora ou categoria? 1. Selvagens, desajustados?

Tribos Urbanas: metáfora ou categoria? 1. Selvagens, desajustados? Tribos Urbanas: metáfora ou categoria? 1 Selvagens, desajustados? Quando a imprensa noticia certo tipo de ocorrência, geralmente envolvendo grupos de jovens ou adolescentes enfrentamentos entre bandos

Leia mais

DIFERENTES PERCEPÇÕES

DIFERENTES PERCEPÇÕES 1 RESUMO DO TRABALHO DIFERENTES PERCEPÇÕES Colégio Londrinense Alunas: Isadora Ferreira Pelisson Raquel Maria de Barros Orientadora: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Os olhos são considerados uns dos principais

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

HALLOWEEN UM RITUAL SATÂNICO!

HALLOWEEN UM RITUAL SATÂNICO! HALLOWEEN UM RITUAL SATÂNICO! ABRA OS OLHOS! SATANISMO É REAL! HALLOWEEN NÃO É UMA FESTA INOCENTE! HALLOWEEN É UM CULTO A SATANÁS! PALAVRAS DE SABEDORIA HALLOWEEN autor:autor: Anthony Colima, Tradução:

Leia mais

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira Produção de DANÇA de Autoria Brasileira 1. CONTEXTO A Dança Brasileira vive hoje um novo contexto. Estão ocorrendo mudanças significativas no modo como artistas arquitetam suas criações e essas transformações

Leia mais

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão

13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão 13 Festa do Divino Espírito Santo em São Paulo promove intercâmbio cultural e religioso com São Luís do Maranhão Festa popular, que acontece de 12 a 29 de maio de 2012 no Espaço Cachuera!, apresenta tradição

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 12 de março de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS Jardim I Senhores pais ou responsáveis Iniciamos esta semana os projetos pedagógicos do 1 Trimestre letivo. As turmas de Jardim

Leia mais

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínio das atitudes e valores Domínio Cognitivo Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014 Docente: Graça Silva Turma: 6.º A Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínios de Avaliação Instrumentos

Leia mais

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC.

1 Acadêmico, formando do Curso de Licenciatura com Habilitação em Música da UDESC. 2 Professora Mestra do Departamento de Música da UDESC. 1 O ensino de música extracurricular na Escola Técnica Federal em Florianópolis/SC: relato de experiência sobre uma oficina de improvisação musical realizada Maycon José de Souza 1 Universidade do Estado

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

Coordenadoria de Educação. I CADERNO DE APOIO PEDAGÓGICO 2010 Música Professor (a) África do Sul 1º. ao 3º. ano

Coordenadoria de Educação. I CADERNO DE APOIO PEDAGÓGICO 2010 Música Professor (a) África do Sul 1º. ao 3º. ano I CADERNO DE APOIO PEDAGÓGICO 2010 Música Professor (a) África do Sul 1º. ao 3º. ano Eduardo Paes Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro Profª Claudia Costin Secretária Municipal de Educação Profª Regina

Leia mais

Corpos novos e velhos: ritual e dança Asuriní em contexto

Corpos novos e velhos: ritual e dança Asuriní em contexto IV Reunião Científica de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas 1 Corpos novos e velhos: ritual e dança Asuriní em contexto Alice Villela (UNICAMP) GT Pesquisa em dança no Brasil: processos e investigações

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA

APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA APONTAMENTOS SOBRE A DISCIPLINA DE PERCEPÇÃO MUSICAL NO ENSINO SUPERIOR DE MÚSICA Luiz Rafael Moretto Giorgetti Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP (Ex-aluno) e-mail: rafael_giorgetti@hotmail.com

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Encontro Internacional de Antropologia e Performance - EIAP. Texto-Fala. Realização NAPEDRA São Paulo. 25 de setembro a 01 de outubro de 2011

Encontro Internacional de Antropologia e Performance - EIAP. Texto-Fala. Realização NAPEDRA São Paulo. 25 de setembro a 01 de outubro de 2011 Encontro Internacional de Antropologia e Performance - EIAP Texto-Fala Realização NAPEDRA São Paulo. 25 de setembro a 01 de outubro de 2011 Experiência da rave: entre o espetáculo e o ritual Carolina de

Leia mais

18. TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA, CAMPUS II CURITIBA

18. TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA, CAMPUS II CURITIBA - Entrevista OBS: A prova poderá ser interrompida a qualquer momento a critério da banca examinadora. Violino Mecanismo em Sol Maior, em três oitavas (escala, os 7 arpejos, terças e cromática) de cor;

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças

Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças Saiando Calcado na pesquisa de campo sobre figuras femininas relevantes dentro de suas comunidades e em cujo cotidiano estão presentes danças tradicionais nas quais a saia tem forte papel expressivo, o

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O desafio da interação no ensino-aprendizado de língua estrangeira no curso on-line da Evesp e nos presenciais CEL e Early Bird

O desafio da interação no ensino-aprendizado de língua estrangeira no curso on-line da Evesp e nos presenciais CEL e Early Bird O desafio da interação no ensino-aprendizado de língua estrangeira no curso on-line da Evesp e nos presenciais CEL e Early Bird Sandra Regina Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO As necessidades humanas estão diretamente

Leia mais

Preparação Corporal para Dança Iniciação ao Piano e Teclado Página 1 de 5

Preparação Corporal para Dança Iniciação ao Piano e Teclado Página 1 de 5 Preparação Corporal para Dança Trabalha as noções básicas do corpo com relação à dança, abordando aspectos físicos e estéticos da linguagem do movimento. 11/11 (Terça-feira) Iniciação ao Piano e Teclado

Leia mais

Xirê: uma performance corporal de restauração da energia vital

Xirê: uma performance corporal de restauração da energia vital Xirê: uma performance corporal de restauração da energia vital Tatiana Maria Damasceno Universidade Federal do Rio de Janeiro Professora assistente do Departamento de Arte Corporal Resumo: Axé, energia

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais