amianto Riscos Associados à Remoção do Vanda Gatinho Graça Divisão de Prevenção e Segurança 23/24-Abril-2012 Auditório Eng.º Victor Matos - Aveiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "amianto Riscos Associados à Remoção do Vanda Gatinho Graça Divisão de Prevenção e Segurança 23/24-Abril-2012 Auditório Eng.º Victor Matos - Aveiro"

Transcrição

1 Riscos Associados à Remoção do amianto Divisão de Prevenção e Segurança Telm.:

2 São nossos objectivos Demonstrar as boas práticas em matéria de prevenção e segurança; Colocar à disposição a informação e a experiência desenvolvidas; Estimular as empresas do sector da construção civil a desenvolver metodologias, regras e procedimentos de trabalho próprios.

3 amianto O QUE É? O amianto ou asbesto é um produto/substância de origem natural, constituída por milhões de fibras muito leves e indestrutíveis. Tem boas propriedades de isolamento térmico, incombustível, resistente a altas temperaturas e de custo reduzido. Utilizado na fabricação de numerosos produtos: chapas, telhas e tubos de fibrocimento, travões e discos para automóveis, produtos têxteis. O passar do tempo aumenta a probabilidade das fibras de amianto se libertarem (degradação dos materiais), bem como os estragos e a intervenção do homem.

4 amianto RISCOS PARA A SAÚDE É pela inalação das fibras existentes em suspensão no ar, (manipulação ou degradação dos materiais) que os efeitos da exposição ao amianto são mais negativos. A exposição ao amianto pode levar uma série de doenças profissionais como a várias formas de cancro(pulmão, cavidade torácica, garganta). Sendo um agente cancerígeno, não existe um valor que possa ser considerado seguro.

5 amianto ENQUADRAMENTO LEGAL Decreto-Lei n.º 101/2005 de 23 de Junho Proíbe a colocação no mercado e a utilização de produtos contendo amianto. Decreto-Lei n.º 266/2007 de 24 de Julho-Define normas de saúde, segurança e bem-estar dos trabalhadores contra os riscos de exposição ao amianto durante o trabalho. Com este diploma é transposta para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/18/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de Março, e revogado o Decreto-Lei n.º 284/89, de 24 de Agosto, a Portaria n.º 1057/89, de 7 de Dezembro e o Decreto-Lei n.º 389/93, de 20 de Novembro.

6 amianto ENQUADRAMENTO LEGAL Principais alterações introduzidas por este diploma : Âmbito de aplicação, que passa a abranger os transportes marítimos e aéreos; Definição mais precisa do conceito de amianto com referência à classificação mineralógica e ao registo do ChemicalAbstractService(CAS); Limitação e proibição das actividades que implicam exposição ao amianto, designadamente a extracção do mesmo, o fabrico e a transformação de produtos de amianto ou que contenham amianto deliberadamente acrescentado; Ao reforço das medidas de prevenção e protecção;

7 amianto ENQUADRAMENTO LEGAL Redução do valor limite de exposição (0,1 fibras por cm3); Metodologia da recolha de amostras e da contagem das fibras para a medição do teor do amianto no ar; Formação específica dos trabalhadores expostos ao amianto e ao reconhecimento de competências das empresas que intervenham nos trabalhos de remoção e demolição.

8 amianto IMPERATIVOS PARA O INÍCIO DOS TRABALHOS Notificação à ACT (entrega do processo e a recepção de autorização) Art.º 3

9 amianto IMPERATIVOS PARA O INÍCIO DOS TRABALHOS

10 amianto IMPERATIVOS PARA O INÍCIO DOS TRABALHOS Elaboração de Plano de Trabalhos Art.º 11 Medidas de segurança e saúde dos trabalhadores; Protecção de pessoas, bens e ambiente; Caracterização dos trabalhos, sua duração e métodos a utilizar; Identificação dos equipamentos a afectar (EPI e outros); Identificação da empresa e técnico responsável e dos recursos humanos; Identificação da empresa encarregue da eliminação dos resíduos.

11 amianto IMPERATIVOS PARA O INÍCIO DOS TRABALHOS Formação específica dos trabalhadores Art.º 16 Propriedades do amianto e efeitos para a saúde; Tipos de produtos ou materiais que o pedem conter; Operações que podem provocar exposição e medidas de prevenção; Práticas profissionais seguras, controlos e equipamentos de protecção; Equipamentos de protecção individual (função, escolha, utilização e limitações); Procedimentos de emergência; Eliminação dos resíduos; Requisitos em matéria de vigilância médica.

12 Plano de Segurança e Saúde PSS Desenvolvimento do PSS Plano de Emergência Interno da Empreitada Plano de Trabalhos Perigos e Riscos da Actividade Vigilância Médica Procedimento Especifico de Segurança Procedimento de Emergência Eliminação de Resíduos.

13 amianto IMPERATIVOS PARA O INÍCIO DOS TRABALHOS Vigilância da saúde Art.º 19 História clinica e profissional do trabalhador; Entrevista com o trabalhador; Avaliação do seu estado de saúde; Exame da função respiratória e RX torácico; Poderão ser solicitados exames complementares específicos.

14 1. Construção de depósito confinado para armazenamento do amianto: embalamento, transporte e armazenagem; 2. Remoção de vinílico com cola contendo amianto; 3. Remoção de chapas de fibrocimento das coberturas de edifícios a demolir;

15 1. Construção de depósito confinado para armazenamento do amianto : embalamento, transporte e armazenagem; Trabalhos de confinamento, de transporte e armazenamento de chapas metálicas com amianto projectado numa das faces, bem como o reensacamento de sacos com amianto. 1) Delimitação e sinalização 2) Montagem de estruturas de apoio (quarto limpo, duche e quarto sujo, sala de formação e laboratório) 3) Trabalhos de construção civil de confinamento/tamponamento total das caves de deposito; 4) Ensacamento das chapas metálicas e dos sacos com resíduos; 5) Limpeza dos ensacados para transporte; 6) Transporte e deposito dos ensacados; 7) Selagem dos locais de deposito das zona mais interior para a exterior; 8) Confinamento total e limpeza das zonas de intervenção.

16 1. Construção de depósito confinado para armazenamento do amianto, embalamento, transporte e armazenagem; Delimitação e sinalização Sinalização à entrada do quarto limpo Laboratório de análises

17 1. Construção de depósito confinado para armazenamento do amianto : embalamento, transporte e armazenagem; Equipamento de recolha de amostras de ar Recolha de amostra de ar no interior Recolha de amostra de ar no exterior

18 1. Construção de depósito confinado para armazenamento do amianto: embalamento, transporte e armazenagem; Trabalhador dirigindo-se para o local de Trabalho. Corte dos plásticos para as chapas de cobertura. Selagem dos sacos dentro dos Big-Bags Selagem dos Big-Bags. Big-Bags prontos para serem transferidos.

19 1. Construção de depósito confinado para armazenamento do amianto: embalamento, transporte e armazenagem; Bomba de ventilação Máscara facial completa Cassete com filtro Filtro de partículas P3 Pilha de alimentação da bomba de ventilação Fato descartável Bomba pessoal de recolha de ar Trabalhador utilizando a cassete de recolha de amostras de ar para análise

20 2. Remoção de vinílico com cola contendo amianto; Trabalhos de remodelação de moradias e espaços exteriores envolventes. 1) Sinalização e delimitação da área exterior; 2) Confinamento Isolamento de todas as ligações com o exterior ; 3) Preparação dos quartos limpo, duche e quarto sujo; 4) Colocação das máquinas (de pressão negativa); 5) Ensaio da instalação das máquinas e correcto isolamento/confinamento; 6) Arrancar o vinílico; 7) Ensacamento, lavagem para descontaminar e remoção para o exterior (produto não friável por isso não perigoso); 8) Remoção da cola com as polidoras pó com cola (resíduo perigoso);

21 2. Remoção de vinílico com cola contendo amianto; 8) Ensacamento do pó com cola, fatos descartáveis utilizados, filtros e outros resíduos perigosos; 9) Lavagem (descontaminação) e remoção dos sacos com resíduos perigosos para o exterior, colocação em Big Bag para o destino final ou provisório; 10) Limpeza/lavagem e descontaminação final da área de intervenção; 11) Análise ao ar para comprovar a descontaminação final do local de intervenção; 12) Após receber os resultados das amostras nos limites permitidos, procede-se à desmontagem dos equipamentos e do confinamento.

22 2. Remoção de vinílico com cola contendo amianto; Confinamento / isolamento de todas as ligações com o exterior. Colocação das máquinas HEPA Filter.

23 2. Remoção de vinílico com cola contendo amianto; Arrancar o vinílico; Ensacamento, lavageme remoção para o exterior (produto não friável por isso não perigoso); Remoção da cola com as polidoras (resíduo perigoso); Ensacamento do pó com cola, fatos utilizados, filtros e outros resíduos perigosos; Remoção da cola com as polidoras. Aspirador com filtro tipo HEPA

24 2. Remoção de vinílico com cola contendo amianto; Lavageme remoçãodos sacos com resíduo perigoso para o exterior e colocação em Big Bag para destino final ou provisório; Limpeza e descontaminação final da área de intervenção; Análise ao ar para comprovar a descontaminação final do local de intervenção; Após os resultados das amostras em condições, procede-se à desmontagem dos equipamentos e do confinamento. Nota: Uma das formas utilizadas para o controlo das fibras em suspensão é a utilização da água (água mais aglutinante de fibra de amianto). Pode usar-se também para fazer pousar as fibras durante a limpeza final e antes de efectuar as amostras finais.

25 2. Remoção de vinílico com cola contendo amianto; Saída dos trabalhadores das zonas contaminadas Unidade Móvel de Descontaminação (UMD) composta por 3 células: 1. Na primeira célula: Câmara contaminada os trabalhadores deverão eliminar os EPI descartáveis (fatos de protecção completos e descartáveis); 2. Na segunda célula: Câmara de descontaminação os trabalhadores deverão lavar-se, estando ainda equipados com a máscara de protecção (já sem os filtros descartáveis) e lavar igualmente a máscara, luvas, botas e capacete; 3. Na terceira: Câmara descontaminada Os trabalhadores deverão vestir as suas roupas normais de trabalho, regressando à zona de intervenção.

26 3. Remoção de chapas de fibrocimento das coberturas de edifícios a demolir; Delimitação e sinalização Unidade Móvel de Descontaminação Aplicação de aglutinante antes da desmontagem

27 3. Remoção de chapas de fibrocimento das coberturas de edifícios a demolir; Zona de trabalhos Identificação Unidade Móvel de Descontaminação

28 3. Remoção de chapas de fibrocimento das coberturas de edifícios a demolir; PT Plano de trabalhos Formação específica FPR Avaliação de riscos Ação Procedimentos de segurança e saúde IPARDC

29 Princípios gerais de segurança nos trabalhos que envolvam amianto Colocação de sinais de aviso indicando o perigo de inalação de poeiras de amianto, a obrigatoriedade do uso de capacete, fato e máscara de protecção. Evitar quedas durante o trabalho de manuseamento do amianto. Usar botas com sola de borracha (antiderrapantes). O derrame de óleos nos pavimentos deve ser evitado. As escadas e os andaimes podem ser perigosos. È necessário que a inspecção dos andaimes ou escadas seja feita com cuidado antes da sua utilização. Tomar atenção às extensões eléctricas e sempre que possível devem estar suspensas e presas com fita adesiva.

30 Princípios gerais de segurança nos trabalhos que envolvam amianto Os combustíveis inflamáveis não são permitidos na área de trabalho. Todo o lixo produzido dentro da área de trabalho deverá ser ensacado e tratado como material contaminado em embalagens devidamente rotuladas. É proibida a utilização de plástico sobre superfícies quentes. Cigarros, isqueiros ou qualquer outra fonte de ignição são proibidos na zona de trabalho. Os trabalhadores devem assegurar-se que todo o equipamento eléctrico está em boas condições, e devidamente ligado à terra. Não varrer nem utilizar ar comprimido para limpar os locais de poeiras de amianto. Todos os trabalhadores terão acesso ao número dos Bombeiros e da Emergência Médica que serão afixados na zona de trabalho.

31 Princípios gerais de segurança nos trabalhos que envolvam amianto Utilizar unicamente aspiradores com filtros especiais. Utilização de métodos húmidos, sempre que possível; Aspiração das poeiras nos pontos de emissão; Incorporação nas fibras de amianto de outros materiais, de forma a prevenir a formação de poeiras; Utilização de um sistema eficaz de renovação de ar.

32 Apontamentos finais A Soares da Costa espera que com a apresentação deste trabalho possa contribuir para a criação de boas práticas na realização de empreitadas que envolvam o manuseamento de produtos e matérias que na sua composição contenham fibras de amianto. Numa realidade conhecida, mas provavelmente ignorada quanto às características estruturais de grande parte dos nossos edifícios, quer públicos quer privados, em que a presença de materiais de compostos fibrosos de amianto é uma constante, impõe-se uma rigorosa avaliação de riscos e definição de medidas de controlo desses mesmos riscos.

33 Julgamos que a competência para a realização destes trabalhos poderá estar instalada nas Entidades Executantes uma vez que incorporam o saber-fazer ao nível da construção de uma edificação ou sua reabilitação e a sua maioria são certificadas em áreas vitais nesta matéria como é o caso dos Sistemas de Gestão de Segurança e Ambiental. As práticas evidenciadas são demonstrativas da capacidade de intervenção da Soares da Costa numa matéria de preocupação nacional e internacional.

34 OBRIGADA Divisão de Prevenção e Segurança Telm.:

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

ISEL MESTRADO DE EDIFICAÇÕES ANEXO II FORMAÇÃO. José Manuel Mendes Delgado - Aluno nº 10 513 - (ANEXO 1) 1

ISEL MESTRADO DE EDIFICAÇÕES ANEXO II FORMAÇÃO. José Manuel Mendes Delgado - Aluno nº 10 513 - (ANEXO 1) 1 ANEXO II FORMAÇÃO José Manuel Mendes Delgado - Aluno nº 10 513 - (ANEXO 1) 1 Índice Páginas 1 - O programa de formação 3 2 Condições mínimas para se começar a trabalhar 3 a 4 3 - O que é o fibrocimento!

Leia mais

Critérios de decisão na escolha dos dispositivos médicos. Departamento da Qualidade na Saúde. Divisão da Qualidade Clínica e Organizacional

Critérios de decisão na escolha dos dispositivos médicos. Departamento da Qualidade na Saúde. Divisão da Qualidade Clínica e Organizacional Amália Espada IACS DA GESTÃO À PRÁTICA CLINICA I. as JORNADAS DE CONTROLO DA INFECÇÃO DO CENTRO HOSPITALAR DO PORTO 8e 9de Novembro de 2010 HOSPITAL DE SANTO ANTÓNIO Auditório Profº Alexandre Moreira Critérios

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho

Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Biotecnologia Enquadramento Normativo da Segurança e Higiene no Trabalho Maria Helena Franco, Alice C. Rodrigues, João Paulo Sousa Direcção de Serviços de Prevenção de Riscos Profissionais (DSPRP), Instituto

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS

DIPLOMA ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEGISLAÇÃO TRANSPOSTA OBSERVAÇÕES IMPORTÂNCIA NO CONTEXTO DO PERH GESTÃO DE RESÍDUOS GESTÃO DE RESÍDUOS Portaria n.º 1127/2009, de 1 de Outubro [Republicada pela Portaria n.º 1324/2010, de 29 de Dezembro] Art.º 121.º da Lei n.º 64- A/2008, de 31 de Dezembro Aprova o Regulamento Relativo

Leia mais

ISEL MESTRADO DE EDIFICAÇÕES ANEXO III PLANO DE TRABALHOS (EXEMPLO DA ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE TRABALHOS)

ISEL MESTRADO DE EDIFICAÇÕES ANEXO III PLANO DE TRABALHOS (EXEMPLO DA ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE TRABALHOS) ANEXO III PLANO DE TRABALHOS (EXEMPLO DA ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE TRABALHOS) José Manuel Mendes Delgado - Aluno nº 10 513 - (ANEXO III) 1 Índice 1 Introdução 4 a 5 2 Características da Empreitada e Organização

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) TÍTULO: Atmosferas explosivas risco de explosão AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 149 (Novembro/Dezembro de 2003) KÉRAMICA n.º 264 (Janeiro/Fevereiro de 2004) INTRODUÇÃO A protecção contra

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

gelo é também usualmente utilizado para contacto com os alimentos de forma a permitir a manutenção das suas condições especiais de conservação.

gelo é também usualmente utilizado para contacto com os alimentos de forma a permitir a manutenção das suas condições especiais de conservação. Agosto 2011 nº 39 Autoridade de Segurança Alimentar e Económica ASAEnews O gelo em contacto com os alimentos Com a chegada do tempo quente usarmos habitualmente gelo para refrigerar bebidas servidas a

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do Diploma: Ministérios das Finanças e da Administração Pública, do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, da Economia e da Inovação, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Sector da Panificação www.campanhaquimicos.eu Avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas Campanha Europeia CARIT Comité dos Altos

Leia mais

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009

[SELO ALIMENTO SEGURO] 08 de Maio de 2009 2 Lista de Verificação Geral Selo Alimento Seguro Lista de Verificação Geral com a finalidade de examinar todos os aspectos relacionados com as instalações, equipamentos, ferramentas, instrumentos utilizados

Leia mais

Cabine de descontaminação. Manual do Proprietário

Cabine de descontaminação. Manual do Proprietário Página 1 de 7 Cabine de descontaminação Manual do Proprietário MARÇO DE 2010 Página 2 de 7 Instruções de segurança Leia atentamente este manual antes de instalar a cabine de descontaminação. Deverá seguir

Leia mais

AMIANTO Risco de Exposição Ambiental/Profissional AMIANTO AMIANTO. 2º Encontro Riscos Ambiente e Qualidade do Ar

AMIANTO Risco de Exposição Ambiental/Profissional AMIANTO AMIANTO. 2º Encontro Riscos Ambiente e Qualidade do Ar AMIANTO Risco de Exposição Ambiental/Profissional 2º Encontro Maria do Departamento de Saúde Ambiental Unidade de Ar e Saúde Ocupacional AMIANTO Amianto é o termo genérico para designar um grupo de seis

Leia mais

DIRECTIVA 2009/148/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/148/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 330/28 Jornal Oficial da União Europeia 16.12.2009 DIRECTIVA 2009/148/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 30 de Novembro de 2009 relativa à protecção dos trabalhadores contra os riscos de exposição

Leia mais

Lavacontentores. Assim, na concepção e construção deste equipamento teve-se em consideração os seguintes elementos relevantes:

Lavacontentores. Assim, na concepção e construção deste equipamento teve-se em consideração os seguintes elementos relevantes: BASRIO Lavacontentores Introdução Memória descritiva Assunto: Cisterna e Câmara de Lavagem Aspecto geral do Lavacontentores Pontos de interesse especiais: Lavagem interna e externa através de jactos de

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GRUAS TORRE 2 DESCRIÇÃO As gruas torre são máquinas utilizadas para elevação de cargas (por meio de um cabo), e transporte dentro de um raio

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE I INTRODUÇÃO Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde (doravante ERS) conferidas pelo artigo 3.º do Decreto-Lei n.º

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS NO POSTO DE TRABALHO

AVALIAÇÃO DE RISCOS NO POSTO DE TRABALHO AVALIAÇÃO DE RISCOS NO POSTO DE TRABALHO Empresa/Estabelecimento: Responsável pela avaliação de riscos: LEGENDA: PA = Pendente de Avaliação; B = Bom; A = Aceitável; D = Deficiente; MD = Muito Deficiente;

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA?

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? INDICE - Enquadramento legislativo PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? - Princípios Gerais da Prevenção - Orientações da directiva estaleiros - O custo dos acidentes - Análise de riscos das

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013 1 INDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Desinfetante para uso geral. Nome comercial: Flash Clean Pop. Empresa: Quimifel Indústria e Comércio de Produtos de Limpeza Ltda. Autorização de

Leia mais

PRIMEIRO A SEGURANÇA. Armazenamento e Manuseamento Seguro de Produtos de Limpeza e de Desinfecção. Seguir as Regras de Segurança:

PRIMEIRO A SEGURANÇA. Armazenamento e Manuseamento Seguro de Produtos de Limpeza e de Desinfecção. Seguir as Regras de Segurança: Seguir as Regras de Segurança: 1. Seguir sempre as recomendações e instruções de aplicação dos produtos de limpeza e de desinfecção. 2. Observar os pictogramas de perigo, as advertências de perigo e as

Leia mais

1. Identificação da substância e da sociedade/empresa. 2. Identificação dos perigos

1. Identificação da substância e da sociedade/empresa. 2. Identificação dos perigos Página 1 de 9 1. Identificação da substância e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Terra siliciosa de Neuburg / Sem outros sinónimos / N.º CAS 1020665-14-8 N.º de registo REACH Em conformidade

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO MANTA PARA LAMINAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO MANTA PARA LAMINAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO MANTA PARA LAMINAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Manta para Laminação Fabricante: Brasolv Indústria Química Ltda Endereço:

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Versão 2.1 (30/01/2014) - Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Sinalização de segurança:

Sinalização de segurança: A Sinalização de Segurança tem por objectivo chamar a atenção, de forma rápida e inteligível, para objectos ou situações que comportem riscos ou possam estar na origem de perigos 1 Significados e a aplicação

Leia mais

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ENQUADRAMENTO LEGAL Face à necessidade da criação de condições legais para a correta gestão dos Resíduos de Construção e Demolição (RCD), foi publicado

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO AN1.13 - DESCRIÇÃO DAS MEDIDAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO ÍNDICE 1. Organização da Segurança... 2 2. Medidas de Segurança de Protecção dos Trabalhadores... 3 3. Sinalização e Equipamentos de Segurança...

Leia mais

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica Plano da Qualidade Empreitada de Estrutura Metálica Obra: Decathlon - Matosinhos Centro de Custo: 09845 Cliente: Omnitrade / Maia & Maia Edição: 01 Data:14-04-2009 Elaborado: Aprovado: pág.. 1/15 ÍNDICE

Leia mais

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213 ECODEPUR DEPURWASH Sistema de Tratamento e v1.2-200213 Reciclagem de Águas de Lavagem ENQUADRAMENTO A água potável é um bem cada vez mais escasso, e deverão ser efectuados todos os esforços para preservar

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Zinco

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Nome do produto: Cloreto de Zinco 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome comercial: Cloreto de Zinco Código interno de identificação do produto: A023 Nome da Empresa: Endereço: Estrada Municipal Engenheiro Abílio Gondin Pereira, 72

Leia mais

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas

Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Controlo das obrigações nas explorações vitícolas Workshop Peso da Régua, 26 de Novembro 2013 Teotónio Manuel Castro teotoniocastro@drapn.mamaot.pt 1 Sumário: Controlo das obrigações nas explorações vitícolas;

Leia mais

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário.

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Somente trabalhadores devidamente treinados e capacitados

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI-FERTIL 20-20-20 + 0,5 MgO + Micros 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMI-FERTIL 20-20-20+ 0,5 MgO

Leia mais

Remoção de Fibrocimento - amianto

Remoção de Fibrocimento - amianto Remoção de Fibrocimento - amianto JOSÉ MANUEL MENDES DELGADO (LICENCIADO) Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Engenharia Civil Edificações Orientador: Licenciado Francisco António Rodrigues

Leia mais

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ Nº. 038/BR REVISÃO: 00 Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código interno de identificação do produto: Nome da empresa: Endereço: HOMOPOLÍMERO DE POLIPROPILENO

Leia mais

Remissões. As 5.º responsável pela área laboral, para efeitos estatísticos.

Remissões. As 5.º responsável pela área laboral, para efeitos estatísticos. Lei Regulamenta A n.º REGULAMENTAÇÃO 35/2004 a Lei de n.º 29 99/2003, de Julho 27 de Agosto, DO que CÓDIGO aprovou o Código DO do TRABALHO valer Assembleia como da geral República da República, decreta,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7

1. INTRODUÇÃO 2 2. OBJECTO 2 3. RESPONSÁVEL DE SEGURANÇA 2 4. MEDIDAS DE PREVENÇÃO 2 ANEXO - LISTA DE VERIFICAÇÕES 7 Directivas Técnicas 01-02/2007 Prevenção de incêndios em hospitais Ficha técnica Número 01-02/2007 Data de publicação MAI 2007 Data última revisão MAI 2008 Revisão obrigatória MAI 2009 Autoria e edição

Leia mais

Nome do Produto: Inseticida Granulado LANDREX PLUS FISPQ N-: 17 Página 1/5 Data da última revisão: 24.05.2015

Nome do Produto: Inseticida Granulado LANDREX PLUS FISPQ N-: 17 Página 1/5 Data da última revisão: 24.05.2015 Página 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa fabricante: Landrin Indústria e Comércio de Inseticidas Ltda. Tel.: XX54-3330-9600 Informação em caso de emergência Tel.: 0800 707 0550 Tel.:

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E GUIA DE APLICAÇÃO DO HACCP PARA EMPRESAS DE DISPENSADORES DE ÁGUAS ENGARRAFADAS WATERCOOLERS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E GUIA DE APLICAÇÃO DO HACCP PARA EMPRESAS DE DISPENSADORES DE ÁGUAS ENGARRAFADAS WATERCOOLERS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DE HIGIENE E GUIA DE APLICAÇÃO DO HACCP PARA EMPRESAS DE DISPENSADORES DE ÁGUAS ENGARRAFADAS WATERCOOLERS - ENGARRAFADORES E DISTRIBUIDORES - 2010 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 7 DEFINIÇÕES

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.Antecedentes--------------------------------------------------------------------------------------3 1.1. Objecto do estudo... 3 1.2. Descrição da obra... 3 1.3. Autor do estudo... 4 2.Tipos de

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia.

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA. EudraLex Normas que regulam os Medicamentos na União Europeia. COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO GERAL DAS EMPRESAS E DA ÍNDUSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 03 de Fevereiro de 2010 ENTR/F/2/AM/an D(2010) 3374 EudraLex Normas que regulam os Medicamentos

Leia mais

Nova Directiva Máquinas 2006/42/CE

Nova Directiva Máquinas 2006/42/CE Nova Directiva Máquinas 2006/42/CE AIMMAP Porto, 2009-11-16 Filipa Lima CATIM Unidade de Segurança de Máquinas Âmbito de aplicação Procedimentos de avaliação de conformidade Anexos Objectivos: Simplificar;

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS SEGURANÇA DE MÁQUINAS SITUAÇÃO PERIGOSA: Toda a situação em que uma pessoa é exposta a um ou mais riscos ou fenómenos perigosos Zona perigosa Toda a zona interior e/ou ao redor de uma máquina, na qual

Leia mais

GUIA. de Boas Práticas. Para manipulação em segurança de Silestone, Dekton, ECO, Sensa, Scalea, Integrity e Prexury by Cosentino

GUIA. de Boas Práticas. Para manipulação em segurança de Silestone, Dekton, ECO, Sensa, Scalea, Integrity e Prexury by Cosentino GUIA de Boas Práticas Para manipulação em segurança de Silestone, Dekton, ECO, Sensa, Scalea, Integrity e Prexury by Cosentino Atualizado com A.St.A. Europe (Agglomerated Stone Association of Europe) THE

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Produto: NITROQUISA 20,5 Pág. 1 de 6 1. Designação de substância/preparação e empresa NITROQUISA 20,5 Adubo granulado Empresa: Agroquisa Agroquímicos, S.A. Rua dos Navegantes, 48-53 1200-732 LISBOA Tel:

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABERTURA DE VALAS OU TRINCHEIRAS 2 DESCRIÇÃO Nos trabalhos realizados em valas ocorrem com frequência acidentes graves e fatais devido principalmente

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Data de preparação 15-Mar-2011 Numero de revisão 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE/EMPRESA Nome do produto Cat No. Sinónimos Utilizações recomendadas CD0020 Produtos químicos de

Leia mais

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V

PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V PREVENÇÃO DA GRIPE A(H1N1)V Gripe A(H1N1)v Quais os sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: RECOMENDAÇÕES Qual o modo de contágio? Pessoa a pessoa através de gotículas quando tosse

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS MÓDULO 8 SEGURANÇA DE MÁQUINAS E UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TRABALHO Formadora - Magda Sousa Decreto-Lei 441/91 Artigo 8.º

Leia mais

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO...

ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 4. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...4 5. ACÇÕES DE MANUTENÇÃO...5 7. RECOMENDAÇÕES DE EXPLORAÇÃO... ÍNDICE 1. OBJECTIVO...2 2. INTRODUÇÃO...2 3. DISPOSIÇÕES LEGAIS APLICÁVEIS...3 3.1. Inspecções de Instalações Eléctricas...3 3.2. Verificação dos eléctrodos de terra...3 3.3. Limpeza, conservação e reparação

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MANUTENÇÃO DE POSTO DE TRANFORMAÇÃO (CABINE ALTA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos de manutenção e reparação em posto de transformação de cabine alta (MT/BT)

Leia mais

SODA CÁUSTICA LÍQUIDA GRAU RAYON

SODA CÁUSTICA LÍQUIDA GRAU RAYON FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ CIA. AGRO INDUSTRIAL IGARASSU Nome do Produto Telefone Fispq nº. Pág. Data SODA CÁUSTICA LÍQUIDA GRAU RAYON (81) 3543.7100 02.003 1/6 02/12/02

Leia mais

556 FL GERADOR DE VAPOR 808 250 178 I556.00. Fábrica de louças e electrodomésticos, S.A. Linha Directa Consumidor

556 FL GERADOR DE VAPOR 808 250 178 I556.00. Fábrica de louças e electrodomésticos, S.A. Linha Directa Consumidor GERADOR DE VAPOR 556 FL Fábrica de louças e electrodomésticos, S.A. Rua Alto de Mirões, nº 249 Zona Industrial Ap. 2041 3700-727 CESAR Portugal Tel. +351 256 850 170 Fax +351 256 850 179 E-Mail: info@flama.pt

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE VENDA PARA PRODUTOS PESTICIDAS DE USO DOMÉSTICO, USO INDUSTRIAL E USO NO HOMEM

AUTORIZAÇÃO DE VENDA PARA PRODUTOS PESTICIDAS DE USO DOMÉSTICO, USO INDUSTRIAL E USO NO HOMEM AUTORIZAÇÃO DE VENDA PARA PRODUTOS PESTICIDAS DE USO DOMÉSTICO, USO INDUSTRIAL E USO NO HOMEM MINUTAS REQUERIMENTO FICHA DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO PROCESSO TÉCNICO 1 Exm. Senhor Diretor-Geral da Saúde

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO (CE) n 1907/2006 - REACH) Data : 11/05/2015 Página 1/6 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (Regulamento REACH (CE) nº 1907/2006 - nº 453/2010) SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP.

Lâminas em PVC-p para selagem de juntas. Isento de chumbo. Isento de plastificantes DOP. Ficha de Produto Edição de janeiro de 2015 Nº de identificação: 07.201 Versão nº 3 Lâminas em PVC-p para selagem de juntas Descrição do produto Lâminas flexíveis em PVC-p, produzidas em perfis específicos

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico n CAS % Classificação e rotulagem - - - -

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico n CAS % Classificação e rotulagem - - - - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: ENZIMAX HTD Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: ENZIMAX HTD Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

1. Requisitos quanto a detecção e sensores

1. Requisitos quanto a detecção e sensores TERMOS DE REFERÊNCIA DO EUROSISTEMA PARA A UTILIZAÇÃO DE MÁQUINAS DE DEPÓSITO, ESCOLHA E LEVANTAMENTO POR INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO, BEM COMO QUALQUER OUTRA INSTITUIÇÃO DA ÁREA DO EURO, QUE INTERVENHAM,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA)

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ASSISTÊNCIA À CONTAGEM EM PT S E SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO E COMANDO IP (ILUMINAÇÃO PÚBLICA) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos diversos relacionados com a

Leia mais

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO

RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO RELATÓRIO HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Florência Loureiro Setembro de 09 Pág. 1 de 11 INDICE 1 -Introdução. 2.-Caracterização do Municipio de Mondim de Basto 3.-Caracterização dos Empreendimentos 3.1-Princípios

Leia mais

Perguntas do Exame de: Segurança Básica

Perguntas do Exame de: Segurança Básica Nome candidato: Perguntas do Exame de: Segurança ásica ódigo de evento: Leia atentamente as instruções apresentadas abaixo! Este exame é constituído por 40 perguntas de escolha múltipla. E seguir a cada

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS)

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) 25 de Novembro de 2008 Cristina Santos; Esmeralda Santos; Fernando Campos INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) DEFINIÇÃO É uma infecção adquirida pelos doentes em consequência dos cuidados e

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Ficha de dados de segurança Data de emissão: 10-04-2015 Versão: 02.00/PRT SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Designação comercial: LGGB 2

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES. Ar Condicionado de Inversor de Sistema FXNQ20A2VEB FXNQ25A2VEB FXNQ32A2VEB FXNQ40A2VEB FXNQ50A2VEB FXNQ63A2VEB

MANUAL DE OPERAÇÕES. Ar Condicionado de Inversor de Sistema FXNQ20A2VEB FXNQ25A2VEB FXNQ32A2VEB FXNQ40A2VEB FXNQ50A2VEB FXNQ63A2VEB MANUAL DE OPERAÇÕES Ar Condicionado de Inversor de Sistema FXNQ20A2VEB FXNQ25A2VEB FXNQ32A2VEB FXNQ40A2VEB FXNQ50A2VEB FXNQ63A2VEB ÍNDICE LER ANTES DE UTILIZAR Nomes e funções das peças...2 Precauções

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

PISCINAS MUNICIPAIS DO PESO DA RÉGUA. Regulamento

PISCINAS MUNICIPAIS DO PESO DA RÉGUA. Regulamento Regulamento PREÂMBULO A prática de actividades físicas e desportivas constitui um factor primordial na promoção da saúde e do bem-estar das populações. Neste sentido, o desporto tem vindo a assumir-se

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA SINAIS DE PROIBIÇÃO Características intrínsecas: Forma redonda; Pictograma negro sobre fundo branco, margem e faixa (diagonal descendente da esquerda para a direita, ao longo do

Leia mais

Legislação sobre Resíduos

Legislação sobre Resíduos Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares

Leia mais

Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar

Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar Sistemas de Gestão da Segurança Alimentar 29 de Setembro de 2006 Rui Almeida ralmeida@consulai.com Rastreabilidade Higiene e Segurança dos Suplementos Alimentares 29 de Setembro de 2006-1 Agenda Introdução

Leia mais

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja

Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Substâncias perigosas: Esteja atento, avalie e proteja Sector da Limpeza Industrial www.campanhaquimicos.eu Avaliação de riscos na utilização de substâncias perigosas Campanha Europeia CARIT Comité dos

Leia mais

I O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL NA UNIÃO EUROPEIA

I O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL NA UNIÃO EUROPEIA NOTA SOBRE A VERIFICAÇÃO DA OBSERVÂNCIA (CONTROLO) DO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES DE UM PRODUTO CUJO NOME É UMA DOP OU UMA IGP I O SISTEMA DE CONTROLO OFICIAL NA UNIÃO EUROPEIA A legislação comunitária em

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores?

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? Perguntas Frequentes Pilhas e Acumuladores 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? É o Decreto-Lei n.º 6/2009, de 6 de Janeiro, que estabelece o regime de colocação

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 31/08/2012 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto Manta Piscina Fabricado por Lwart Química Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis Paulista-SP

Leia mais

Hidróxido de Sódio, pérolas Segundo Regulamento (CE) 1907/2006

Hidróxido de Sódio, pérolas Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Sódio Hidróxido *pérola Hidróxido de Sódio, pérolas Segundo Regulamento

Leia mais

Ficha de dados de segurança conforme 1907/2006/EC (REACH), 453/2010/EC SAIREN A

Ficha de dados de segurança conforme 1907/2006/EC (REACH), 453/2010/EC SAIREN A SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA 1.1 1.2 1.3 1.4 Identificador do produto: Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas:

Leia mais

Higiene do Trabalho. José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira. marques@uma.

Higiene do Trabalho. José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira. marques@uma. Higiene do Trabalho José Carlos Marques Centro de Química da Madeira Departamento de Química Universidade da Madeira Uma 2004 marques@uma.pt http://www.uma.pt/jcmarques Plano Princípios Plano / bibliografia

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança. Cloreto de Sódio

Ficha de Dados de Segurança. Cloreto de Sódio Ficha de Dados de Segurança Cloreto de Sódio 1. Identificação da substância e da empresa 1.1 Identificação da substância ou do preparado Denominação: Sódio Cloreto Segundo Regulamento (CE) 1907/2006 1.2

Leia mais

Benzoato de Sódio Página 1 de 5 FISPQ nº: 001.012 / 31 Ultima Revisão: 01/12/2006

Benzoato de Sódio Página 1 de 5 FISPQ nº: 001.012 / 31 Ultima Revisão: 01/12/2006 Benzoato de Sódio Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Benzoato de Sódio Código do produto : 001.012 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190 : Metalloys

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA (REGULAMENTO CE N.o 1907/2006) Data: 17/02/2010 Página 1/5 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1 IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Identificação da substância/preparação:

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858

v1.8-060312 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL Classe 1 de acordo com a Norma EN858 APRESENTAÇÃO Os Separadores de Hidrocarbonetos, tipo ECODEPUR, Gama DEPUROIL, são equipamentos destinados

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais