Almeida, C. (1979) Programas para calculadora de bolso com aplicações em Hidrogeologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Almeida, C. (1979) Programas para calculadora de bolso com aplicações em Hidrogeologia"

Transcrição

1 Almeida, C. (1979) Programas para calculadora de bolso com aplicações em Hidrogeologia Bol. do Museu e Laboratório Mineralógico e Geológico da Fac. de Ciências de Lisboa, vol. 16(1), p

2 Programas para calculadora de bolso com aplicações em hidrogeologia POR C. ALMEIDA ( 1 ) ABSTRACT - Many problems related to hydrogeology that require a lot of time to be solved by normal calculators can now be easily solved by modern programmable pocket calculators. In this paper three programs are presented for the pocket calculator TI The program HIDROQ does calculations related to chemical analysis of ground-water such as: conversions; calculation of errors; calculation of several indexes; etc. - The program INTERP calculates the drawdown in a single point or in every node of a grid, selected by the operator, in an aquifer with several wells pumping at different discharges. The conditions for the application of the Theis formula must be valid. A subroutine solving the Theis formula can ben used for determining its values. - The program CEGEVAP calculates the evapotranspiration by the methods of Thornthwaite, Turc and Coutagne. INTRODUÇÃO O aparecimento, relativamente recente, de calculadoras de bolso programáveis veio permitir a resolução, de forma rápida e cómoda, de muitos problemas que, não justificando o recurso ao computador, implicam, no entanto, muitas horas de cálculo manual acompanhado, por vezes, de consultas de tabelas. Existe já alguma bibliografia sobre este tipo de máquinas mas respeita, quase sempre, a temas gerais, cabendo aos investigadores das diferentes especialidades a divulgação de programas referentes aos assuntos do seu domínio ( 2 ). ( 1 ) Assistente da Faculdade de Ciências. Centro de Geologia. Linha: Recursos Geológicos de Portugal. IMPRENSA PORTUGUESA -PORTO 101

3 É neste sentido que se apresentam três programas destinados para a máquina TI-59, que se julgam de interesse mais imediato. 1. PROGRAMA HIDROQ O programa HIDROQ efectua uma série de cálculos e conversões, essencialmente destinados ao preenchimento e verificação de boletins de análise de águas. Os cálculos que o programa efectua, são os seguintes: - bicarbonato (ppm), a partir da alcalinidade TAC; - Mg, a partir da dureza total e do Ca; - conversão em epm dos valores entrados em ppm; - cálculo de Na+K, a partir do balanço iónico, quando aqueles elementos não são analisados; - cálculo do erro ponderal (comparação entre o resíduo seco determinado e resíduo seco calculado); - cálculo do erro de balanço (só quando Na+K são dados); - ph de equilíbrio a 20ºC, pela fórmula de Langelier; - força iónica; - cálculo dos seguintes índices: rmg/rca; rcl/rhco3 rso4/rcl; ITB ou ITB(-); Kr e SAR; - cálculo das percentagens relativas de Cl+NO3, SO4, HCO3 e de Na+K, Ca e Mg destinadas ao preenchimento do diagrama de PIPER. Os resultados dos cálculos são impressos automaticamente com legenda identificadora, excepto as percentagens, que são impressas sem legenda. ( 2 ) Recentemente foram publicados dois artigos sobre programas aplicados à Hidrogeologia: WARNER, D. L., Yow, M. C. (1979) - Programmable Hand Calculator Programs for Pumping and Injection Wells. Ground Water. Vol. 17, nº 6, pp , Nov.Dez. PICKING, L. W. (1979) - Programming a pocket calculator for solving multiple well, variable pumping rate problems. Ground Water. Vol. 17, nº 2, pp. 2O5-2O7, Março-Abril. 102

4 SÍMBOLOS E FÓRMULAS USADAS ph de equilíbrio a 20ºC (Fórmula de Langelier) ph = 11,38 log (HCO 3 ) log (Ca); (HCO 3 ), expressa como alcalinidade TAC em ppm de CaCO 3 ; (Ca), expresso em ppm de CaO. Erro ponderal erp = Rs Rs' 100 Rs Rs = resíduo seco, a 110ºC (ppm); Rs (resíduo seco, calculado) = Σcatiões+Σaniões-1/2 HCO 3 (ppm); Erro de balanço ΣrCatiões ΣrAniões erb = 100 ( ΣrCatiões + ΣrAniões) / 2 Índice de troca de bases ITB ITB = rcl r( Na + K) rcl se rcl-r(na+k)>0 ITB(-) = rcl r( Na + K) r( SO + HCO + NO se rcl-r(na+k)<0 Índice Kr Kr = [rca.(rhco 3 ) 2 ] 1/3 Índice de absorção de sódio SAR Na SAR = [ ] 1/ 2 ( Ca + Mg) / 2 103

5 Força iónica 1 µ = 2000 ΣZ i. C i onde Z i = carga do ião i e C i a sua concentração em epm. INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO Começa-se por fazer a partição de memória adequada para o programa:b sequência 2 2nd OP 17, após o que o visor deve apresentar o número Feita a operação a calculadora pode receber o programa (2 cartões, 4 lados), após o que se devem seguir os seguintes passos: Procedimento Introduzir Premir Início do programa A Introdução dos dados Rs ppm R/S idem TH ppm de CaCO 3 R/S idem TAC ppm de CaCO 3 R/S idem SO 4 ppm R/S idem Cl ppm R/S idem NO 3 ppm R/S idem Na ppm R/S idem K ppm R/S idem Ca ppm R/S Todos os valores entrados são impressos automaticamente para verificação. Na sequência da entrada de TAC a calculadora imprime, também, o bicarbonato (ppm). Após a entrada dos dados, a máquina inicia os cálculos e imprime os resultados. Se o Na e K não tiverem sido analisados, introduzir 0, 0 nos respectivos lugares. São utilizados os vinte primeiros registos. 104

6 EXEMPLO 1 105

7 2. PROGRAMA INTERP O programa INTERP permite calcular os rebaixamentos verificados numa malha de piezómetros situados num campo de poços. Para que os cálculos sejam válidos, são exigidos os seguintes pressupostos: - que se verifiquem as condições de aplicação da fórmula de THEIS; - que os poços sejam totalmente penetrantes e captem todos do mesmo aquífero. O programa fundamenta-se na lei de sobreposição de rebaixamentos. De acordo com esta, o rebaixamento total provocado pela extracção em N poços é igual à soma dos rebaixamentos individuais, provocados por cada poço: Qi s = Σs i onde s i = W ( ui ) 4πT s i ; rebaixamento provocado pelo poço P i Q i ; caudal de extracção (ou de recarga) do poço P i W(u i ), função de THEIS u i = Sr 2 i 4Tt i r i ; distância do piezómetro ao poço P i T, transmissividade S, coeficiente de armazenamento t i ; tempo de extracção. O domínio a estudar, cujos limites são definidos pelo operador, é decomposto numa malha de quadrados de lado igual a X ( Y= X), valor este igualmente definido pelo operador (Fig. 1). O programa calcula os rebaixamentos verificados nos nós da malha assim constituída. Os poços, que se podem situar, ou não, dentro do domínio referido, são definidos pelas suas coordenadas rectangulares, tempo de extracção em relação ao momento a que se referem os cálculos, e caudal. É importante notar que nenhum poço se pode situar num dos nós da malha pois neste caso haveria uma distância nula o que originaria um disgnóstico de erro, motivado pela existência nos cálculos de um Ln 0 (Ln u com u = 0). 106

8 Fig. 1 Exemplo de malha de piezómetros definida pelas dimensões dos lados ( X, Y) e pelas coordenadas dos extremos do domínio (X 0, Y 0 e X m, Y m ). DISCRIÇÃO DO PROGRAMA Depois de introduzidos os dados, o programa começa por calcular o quadrado da distância entre o piezómetro p i e o poço P j r ij = (X i -X j ) 2 + (Y i -Y j ) 2 que é seguidamente introduzido no cálculo do argumento da função de THEIS: 2 Srij u ij = 4Tt j O valor dessa função, para cada u ij é calculado usando a conhecida aproximação: 2 3 k u u k-1 u W(u) = 0, ln u + u + + L + ( 1). + L 2.2! 3.3! k.k! k k-1 u por sucessivos acréscimos do termo geral ( 1). até que este seja inferior a k.k! um dado valor (no programa este valor é de ). 107

9 Calculado o valor de W(u ij ) determina-se o rebaixamento provocado pelo poço P j : s ij = Q j.w(u 4πT ij ) O programa executa a seguir os mesmos passos para todos os poços acumulando os rebaixamentos parciais e apresentando o resultado final N s =. i s ij j= 1 Passa, em seguida, a executar a mesma rotina para outro ponto da malha. Como variante do programa principal, pode-se calcular o rebaixamento produzido por N poços num só ponto, ou usar a subrorina que calcula a função de THEIS para determinar valores dessa função. OBSERVAÇÃO Muitas vezes os poços são bombeados a caudal variável ou suspendem a sua extracção antes do momento a que se referem os cálculos. O problema pode ser resolvido considerando, em cada caso, tantos poços quantas as variações de caudal. Assim, o rebaixamento provocado por um poço onde se verificaram N variações de caudal, será dado pela expressão: N 2 1 Sr s = ((Qi-Q i-1 ) W(u i )) com u i = 4πT 4T(t - t ) i= 1 Exemplo: Um poço começa a bombear a um caudal de 800 m 3 /dia. Passadas duas horas aumenta o caudal para 1500 m 3 /dia, interrompendo a extracção ao fim de duas horas de bombeamento com este caudal. Passada uma hora retoma a actividade com um caudal de 1000 m 3 /dia. Pretende-se conhecer o rebaixamento ao fim de sete horas contadas a partir do início da actividade. Neste caso temos quatro escalões: Q 1 =800 m 3 /dia; Q 2 =1500 m 3 /dia; Q 3 =0 m 3 /dia; Q 4 =1000 m 3 /dia e t 1 =2/24 dias; t 2 =4/24 dias; t 3 =5/24 dias; t = 7/24 dias i-1 108

10

11

12 Considerando Q 0 = 0 e t 0 = 0 temos: 1 s = 4π T (800.W(Sr2 /4T7/24)+700.W(Sr 2 /4T5/24) 1500.W(Sr 2 /4T3/24)+1000.W(Sr 2 /4T2/24)) INTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO Depois de introduzido o programa na calculadora (1 cartão, dois lados) deve-se seleccionar uma de três opções possíveis: cálculo de rebaixamentos numa malha, tecla A; cálculo de rebaixamentos num só ponto, tecla B; cálculo de valores de W(u), tecla C. A entrada de dados depende da opção escolhida. Estas operações devem obedecer à sequência seguinte: Procedimento Introduzir Premir Selecção do programa opção A A opção B B opção C C Entrada de dados: opção A e B T (m 2 /dia) R/S idem S R/S opção A X 0 (m) R/S idem Y 0 (m) R/S idem X (m) R/S idem X m (m) R/S idem Y m (m) R/S opção A e B N (número de poços) R/S opção A X j (m) R/S idem Y j (m) R/S opção B r j (m) R/S opção A e B t j (dias) R/S idem Q j (m 3 /dia) R/S opção C u R/S Observação: Podem-se usar outras unidades, desde que se mantenha a coerência do conjunto. Após a entrada do último dado inicia-se o cálculo saindo na impressora os resultados. 109

13 EXEMPLO 2 Pretende-se conhecer o rebaixamento produzido num piezómetro situado a 100 m de dis-ância do poço referido no exemplo anterior, ao fim de sete horas de bombeamento. A transmis-ividade do aquífero é de 500 m2/dia e o coeficiente de armazenamento= PROGRAMA CEGEVAP Este programa permite calcular a evapotranspiração potencial pelo método de THORNTHWAITE e a evapotranspiração real usando este método e, ainda, o de TURC e COUTAGNE. Oa dados a introduzir são os seguintes: temperaturas médias, mensais (T); precipitações mensais (P); reserva de água no solo, no início do ano (AS); capacidade de campo (CP); número máximo de horas de sol (N); número de dias do mês (d). FÓRMULAS USADAS Evapotranspiração potencial THORNTHWAITE EVP = K.ε, evapotranspiração potencial, mensal, corrigida; N.d 2 K =, factor de correcção; ε =. (10T/I) a, evapotranspiração potencial, diária, não corrigida (mm); 30 a = 6, I 3 7, I 2 +0,01792.I+0,49239; I = Σi, índice térmico, anual; i = (T/5) 1,514, índice térmico mensal. 110

14 Evapotranspiração real THORNTHWAITE Calculados os valores de EVP para os 12 meses do ano, o programa calcula a evapotranspiração real, anual (EVR). O cálculo é feito, mês a mês, através do balanço entre a precipitação, evapotranspiração potencial e reserva de água no solo, apresentando-se no final a EVR total, como resultado da acumulação das EVRs mensais. O processo seguido pode ser esquematizado no fluxograma seguinte: Evapotranspiração real TURC L = T p +0,005T p 3 EVR = ΣP ( ΣP i ) 0,9 + 2 L i 2 ΣPi Ti 1/2 T p = ΣP i Evapotranspiração real COUTAGNE EVR = P λp 2 λ = 1/(0,8+0,14T) P, precipitação, anual, em metros; T, temperatura média, anual. A fórmula é válida para valores de P dentro dos limites 1/8λ e 1/λ. Se esta condição não se verificar, a calculadora imprime uma legenda paropriada. 111

15 INTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO Depois de dar entrada do programa (1 cartão, 2 lados) devem-se introduzir, nos registos indicados, as seguintes constantes: R 29 : 6, ; R 30 : 7, ; R 31 :0,01792; R 32 : 0, Feita esta inicialização, a máquina encontra-se pronta para efectuar os cálculos. A entrada de dados deve fazer-se, segundo a sequência: Procedimento Introduzir Premir Introdução dos dados Reserva inicial Sto 34 idem Capacidade de campo Sto 35 Início do programa R/S Entrada de dados C idem T 1 a T 12 R/S, a seguir a cada entrada idem P 1 a P 12 R/S, a seguir a cada entrada Após aparecer a legenda N? Introduzir o número máximo de horas de sol do 1º mês e premir R/S. Segue-se a legenda d? Após a qual se introduz o número de dias do 1º mês, premindo R/S. Esta rotina repete-se 12 vezes, mês a mês, ordenadamente. Se se desejar conhecer alguns dos valores que entram nos cálculos, dão-se aqui os seus registos: Precipitação total, anual: R 26 ; T p : R 27 ; I: R 28 ; a : R 33 ; ΣT i :R 37 ;λ:r 38. EXEMPLO 3 Pretende-se conhecer a evapotranspiração real dada pelos métodos anteriormente citados, e referente a um determinado ano civil. Admite-se que, em Janeiro, a reserva de água no solo (AS) é igual à capacidade de campo (CP) e esta é de 150 mm. No quadro abaixo indicam-se os valores a introduzir: temperatura média mensal (T); precipitação (P); número de horas de sol (N); e número de dias do mês (d). Igualmente se indicam os valores de EVP (THORNTHWAITE) e de EVR calculados. 112

16 Jan. Fev. Mar. Abr. Maio Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Anual Temp. média , ,5 23,5 21, Precipit Nº máx. sol 9,7 11,8 11,5 13,2 13,8 14,8 14,1 13,2 12, ,3 9,3 Nº dias mês E.V.P. 23,0 22,9 37,0 48,3 79, ,3 129,4 98,2 69, E.V.R.: THORNTHWAITE 566,1 TURC 654,3 COUTAGNE 745,5 BIBLIOGRAFIA CUSTÓDIO, E. e LLAMAS, M. R. (1976) Hidrologia Subterránea, Tomo I, Ed. Omega, Barcelona. CASTANY, G. (1967) Traité Pratique des Eaux Souterraines, Dunod, Paris. 113

17 APÊNDICE I Listagem do programa HIDROQ LBL PRT CE = SUM = INV STO STO ENG INV STO FIX RTN SUM LBL RCL FIX = = STO / OP = SUM PRT SUM RTN RCL LBL R/S A = PRT FIX INV STO SUM FIX PRT R/S R/S SUM PRT PRT STO SUM R/S PRT = SUM STO = = = STO STO STO SUM CLR SUM R/S X T PRT SBR = SUM SUM CE STO SUM STO R/S SUM PRT SUM OP = STO RCL SUM SBR = RCL STO SUM SBR = CE R/S STO R/S STO PRT SUM SUM PRT SUM R/S OP

18 SBR RCL SBR RCL SBR RCL LBL RCL SBR SBR C IFF RCL C SBR SBR LBL CE D CE B RCL STF RCL RCL OP OP = RCL RCL RCL ( = SBR RCL SBR STO RCL RCL SBR SBR SUM CE RCL CE SBR ) CE OP RCL = OP STO SBR RCL RCL SBR RCL CE SBR OP RCL RCL RCL RCL EQ = B CLR OP SBR = CE SUM RCL SBR RCL SBR RCL RCL SBR = LBL OP CE STO D RCL SBR CE SBR RCL SBR CE RCL OP LOG OP OP RCL ( RCL RCL RCL 115

19 INV SBR RCL GE RCL ( = RCL ) SBR LOG RCL RCL = SBR RCL STO CE = STO X SBR ) CE SBR INV CE X Y = STO OP SBR OP CE RCL OP RCL RCL SBR RCL RCL SBR OP = RCL EE SBR SBR RCL RCL INV SBR SBR PRD CE RCL ( SBR SBR RCL CE CE RCL OP RCL OP OP RCL ) RCL = RCL FIX STO X OP RCL SBR /X CE SBR = RCL CE SBR RCL = RCL SBR RCL RCL RCL OP OP RCL RCL RCL RCL = RCL 116

20 = PRD ML PRD = /X PRD PRD O RCL = PRD FIX PRD PRT RCL PRD FIX PRD PRT ML RCL FIX RCL PRT RCL = FIX FIX PRT PRT CLR RCL INV STF RCL ADV R/S = RST PRT RCL RCL RCL RCL = /X

21 APÊNDICE II Listagem do programa INTERP LBL STO D CP C ( STF R/S RC* EE PRT / R/S STO PRT RCL E R/S X T LBL ) B X STO STF OP LBL LBL = X A STO ( RCL R/S RC* PRT CP XIT ( STO RCL = STO ) RCL STO X = ) π B' OP = R/S RCL /X = RC* X STO = PRD R/S = RCL PRT STO RCL = RCL SBR LBL SUM E = STO IXI STO LBL INV B' STO GE IFF R/S Y X PRT STO OP ST* SBR SBR R/S RCL SUM X PRT RC* LBL STO GE Y X X RCL R/S OP PRT OP STO B' RC* STO STO R/S RCL PRT IFF STO = E R/S LBL PRT LBL SUM

22 X T RCL RCL LNX GE = E' IFF RCL = OP STO RC* STO D RCL LBL E' = CP SUM RCL CP X T RCL RCL X T GE RCL A' GE RCL D' OP = STO SBR RCL LBL STO D' INV ENG STO FIX D RCL INV ENG PRT FIX IFF PRT A' LBL RCL A' INV PRT FIX RCL INV STF PRT INV STO STF CP R/S RCL RST 119

23 APÊNDICE III Listagem do programa CEGEVAP = RCL STO SUM STO RCL RCL STO EQ X STO RCL OP STO OP RCL STO SBR X RCL CP RCL INV RCL X T PRD LBL = STO STO R/S STO PRT ST* LBL STO Y X RCL RC* LBL X EQ ( RC* ( CE OP SBR ) = STO Y X RCL STO = Y X RCL STO ) SUM = CP ST* RCL RCL X T EQ LBL EQ X RC* OP OP SUM S8R Y X SBR RCL X RC* Y X STO SUM LBL 120

24 A RC* OP OP B A LBL SlN STO RCL = STO INV lnv GE ENG LBL lnv B FIX CP STO OP RC* SBR CLR RC* RC* = INV RCL GE OP SIN = SUM PRT OP SUM RCL R/S PRT RCL X T OP STO = INV RCL GE CLR EQ RCL STO OP OP LBL OP OP CLR RC* B R/S O RCL PRT PRT X SUM FIX = FIX PRT ADV PRT X T LBL ST* RCL C RCL ADV EQ RCL ( EQ OP CE 121

25 X OP = CP X T RCL ) INV GE E OP = X = /X GE E RCL RCL X /X RCL = / X OP /X OP RCL R/S = = RST FIX RCL PRT ADV LBL D RCL = FlX = PRT SBR LBL E lnv ENG = INV STO FIX RCL

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS E CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DA FORMAÇÃO CARBONATADA DE VIANA DO ALENTEJO ALVITO

AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS E CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DA FORMAÇÃO CARBONATADA DE VIANA DO ALENTEJO ALVITO AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS E CARACTERIZAÇÃO HIDRÁULICA DA FORMAÇÃO CARBONATADA DE VIANA DO ALENTEJO ALVITO Irene Regina Ramos CANDEIAS (1) ; Mário Lourenço da SILVA (2) RESUMO A formação

Leia mais

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 1. Introdução A avaliação das condições de disponibilidade de água no espaço de solo ocupado pelas raízes das plantas fornece informações

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA BALANÇA ELECTRÓNICA MEDINES JA2

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA BALANÇA ELECTRÓNICA MEDINES JA2 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA BALANÇA ELECTRÓNICA MEDINES JA2 FUNÇÕES PAG. 1. MODELO SEM IMPRESSORA Funções Operativas 2 Preço de produtos pesados 2 Soma de Preços Externos 2 Subtracção de Preços Externos 3

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

Actualização. Versão 5.1.36

Actualização. Versão 5.1.36 Actualização Versão 5.1.36 Julho 2009 2 JURINFOR Rua de Artilharia 1, Nº 79 3º Dtº - 1250-038 LISBOA PORTUGAL Introdução Este documento descreve as características principais adicionadas ao JURINFOR JuriGest.

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

ESTUDOS CLIMÁTICOS COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA. O EXEMPLO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, BRASIL

ESTUDOS CLIMÁTICOS COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA. O EXEMPLO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, BRASIL ESTUDOS CLIMÁTICOS COMO SUBSÍDIO AO PLANEJAMENTO DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA. O EXEMPLO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, BRASIL Hélio Nóbile Diniz * Paulo Ricardo Brum Pereira ** Uriel Duarte ***

Leia mais

SOFTWARE POÇOS TUBULARES VERSÃO 2.0 - UM PROGRAMA VOLTADO PARA MONITORAMENTO. Nelson Roberto Pinheiro Lima 1

SOFTWARE POÇOS TUBULARES VERSÃO 2.0 - UM PROGRAMA VOLTADO PARA MONITORAMENTO. Nelson Roberto Pinheiro Lima 1 SOFTWARE POÇOS TUBULARES VERSÃO 2.0 - UM PROGRAMA VOLTADO PARA MONITORAMENTO. Nelson Roberto Pinheiro Lima 1 Resumo - O software Poços Tubulares na sua versão 1.0 teve como principal objetivo o cadastramento

Leia mais

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS NA REGIÃO DA SERRA DO ENGENHO E ARREDORES, SUDOESTE DO QUADRILÁTERO FERRÍFERO, CONGONHAS MG Viviane Cristina Vieira da Cunha; Breno Alexandre Pereira; Daniela Alcântara Machado,

Leia mais

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas

Leia mais

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Núcleo Ressacada de Pesquisas em Meio Ambiente ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS

Leia mais

MONITORAMENTO DOS POÇOS COM DATALOGGER NO CARIRI, CEARÁ, BRASIL DATALOGGER WELLS MONITORING IN CARIRI, CEARÁ, BRAZIL

MONITORAMENTO DOS POÇOS COM DATALOGGER NO CARIRI, CEARÁ, BRASIL DATALOGGER WELLS MONITORING IN CARIRI, CEARÁ, BRAZIL MONITORAMENTO DOS POÇOS COM DATALOGGER NO CARIRI, CEARÁ, BRASIL Zulene Almada Teixeira 1 *; Sônia Maria de Vasconcelos Silva 2 ; Davi Martins Pereira 3 ; Robson de Araújo Lima 4 ; Resumo O monitoramento

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO 1º Semestre 2010/2011 MEMec, LEAN Ficha da Aula Prática 3: Entrada/saída de dados. Scripts e funções. Estruturas de selecção. Sumário das tarefas e objectivos da aula: 1. Utilizar

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE

DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE ANÁLISE DOS DADOS DE TEMPERATURA PARA DETERMINAÇÃO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DO METODO DE THORNTHWAITE NA BACIA EXPERIMENTAL DO RIACHO GAMELEIRA PE Ana Lígia Chaves Silva José Roberto Gonçalves

Leia mais

SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA

SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA SUBSIDÊNCIA DE TERRENOS POR EXTRACÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA: APLICAÇÃO AO CASO DE ESTUDO DA ZONA INDUSTRIAL DE VIALONGA João Paulo LOBO FERREIRA Núcleo de Águas Subterrâneas, LNEC Luís OLIVEIRA Núcleo de

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO ERLAN SILVA DE SOUSA 1, ROBERTA ARAÚJO E SILVA 2, GIRLENE FIGUEIREDO MACIEL 3, RONES GOMES NUNES 4, FRANK WYLHA LIMA

Leia mais

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1 PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA Luís RIBEIRO 1 RESUMO Nos problemas de poluição de águas subterrâneas, interessa mais a detecção dos valores anormais e o estudo da sua conectividade

Leia mais

Regularização Hídrica em Aluviões- Estudo de Caso no Semi-árido do Nordeste do Brasil

Regularização Hídrica em Aluviões- Estudo de Caso no Semi-árido do Nordeste do Brasil Regularização Hídrica em Aluviões- Estudo de Caso no Semi-árido do Nordeste do Brasil Abelardo A. Montenegro Universidade Federal Rural de Pernambuco, Brasil E-mail: Monte@hotlink.com.br Suzana M. Montenegro

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS Raimundo Mainar de Medeiros 1, Paulo Roberto Megna Francisco 2, Roseane Cristina Silva Oliveira 3, Manoel Francisco

Leia mais

TRABALHAR COM O ANALISADOR DE DADOS - EA-200

TRABALHAR COM O ANALISADOR DE DADOS - EA-200 CASIO Portugal TRABALHAR COM O ANALISADOR DE DADOS - EA-200 Para a família de máquinas FX-9860 e Analisador de Dados EA-200 O equipamento Para realizar experiência de laboratório necessitamos de: - Calculadora

Leia mais

Escola Superior Agrária de Coimbra PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA ÁGUA DO BAIXO VOUGA LAGUNAR

Escola Superior Agrária de Coimbra PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA ÁGUA DO BAIXO VOUGA LAGUNAR Escola Superior Agrária de Coimbra PLANO DE MONITORIZAÇÃO DA ÁGUA DO BAIXO VOUGA LAGUNAR COMPONENTE QUANTIDADE DE ÁGUA RELATÓRIO FINAL -Abril-28 RELATÓRIO FINAL - Monitorização da Água do Baixo Vouga

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

SOFTWARE. Equipamentos de gestão para controlo de acessos

SOFTWARE. Equipamentos de gestão para controlo de acessos SOFTWARE Fácil utilização. Ambiente Windows XP Profissional. Controle individual dos operadores com diferentes níveis de acesso. Registo de todas as entradas, pagamentos, saídas e de anomalias. Informação

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

O sistema de pesagem dinâmica homologado

O sistema de pesagem dinâmica homologado Pesagem Dinâmica O sistema de pesagem dinâmica homologado O mais potente e completo sistema de pesagem dinâmico do mercado. Legalmente homologado para venda. Instrumentação de bordo helper21 Atenção aos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

INDÍCE. Editar o Cabeçalho 3. Programar PLU's 4 Tirar listagem de PLU's 4 Acesso a PLU's já programados 4

INDÍCE. Editar o Cabeçalho 3. Programar PLU's 4 Tirar listagem de PLU's 4 Acesso a PLU's já programados 4 INDÍCE FUNÇÃO PAG. Editar o Cabeçalho 3 Programar PLU's 4 Tirar listagem de PLU's 4 Acesso a PLU's já programados 4 Apagar um PLU da memória 5 Limpar todos os PLU's da memória 5 Tirar o talão 5 Memorizar

Leia mais

Novo Formato TMENU. Instruções

Novo Formato TMENU. Instruções Novo Formato TMENU Instruções Após validação de utilizador e password é exibido o MENU referente às bases de dados disponíveis para acesso: Identificação Civil, Registo Automóvel, Pessoas Colectivas, Registo

Leia mais

Atividade 1.- A água (Maria Manuel da Silva Nascimento e

Atividade 1.- A água (Maria Manuel da Silva Nascimento e Atividade 1.- A água (Maria Manuel da Silva Nascimento e aluna Patricia) Adaptação da SEQUÊNCIA DIDÁCTCA 2 do livro "Tratamento da Informação para o Ensino Fundamental e Médio" de Irene Mauricio Cazorla

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA E ÁGUA SUBTERRÂNEA NO SETOR NORDESTE DA CIDADE DE BELÉM/PA - UM ESTUDO DE CASO.

RELAÇÃO ENTRE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA E ÁGUA SUBTERRÂNEA NO SETOR NORDESTE DA CIDADE DE BELÉM/PA - UM ESTUDO DE CASO. RELAÇÃO ENTRE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA E ÁGUA SUBTERRÂNEA NO SETOR NORDESTE DA CIDADE DE BELÉM/PA - UM ESTUDO DE CASO. Márcia Cristina da Silva Moraes Concluinte do Curso de Meteorologia UFPA Milton

Leia mais

Portal Web de Apoio às Filiadas

Portal Web de Apoio às Filiadas Portal Web de Apoio às Filiadas Manual de Utilizador Externo Titularidade: FCMP Data: 2014-02-03 Versão: 1 1 1. Introdução 3 2. Descrição das Funcionalidades 4 2.1. Entrada no sistema e credenciação de

Leia mais

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo

Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Redes de Monitoramento de Qualidade de Águas Subterrâneas do Estado de São Paulo Geóg. Rosângela Pacini Modesto Companhia Ambiental do Estado de Paulo (CETESB/SMA) Jul 2014 USOS DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

Leia mais

Garmin Swim Manual de Início Rápido

Garmin Swim Manual de Início Rápido Garmin Swim Manual de Início Rápido Setembro 2012 190-01453-54_0B Impresso em Taiwan Introdução AVISO Consulte sempre o seu médico antes de iniciar ou alterar o seu programa de exercícios. Consulte no

Leia mais

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Análise de dados através de tabelas dinâmicas. Conceitos teóricos As Tabelas Dinâmicas são tabelas interactivas que resumem elevadas quantidades de dados, usando estrutura

Leia mais

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187

4200-314 PORTO 1250-102 LISBOA Telef. 22 5512000 Telef. 21 3976961/2 Fax 22 5512099 Fax 21 3962187 Gestão Definição A Gestão determina as características da actividade da empresa no mercado, controlando as relações entre a tesouraria, o potencial e a rotação de produtos, os vendedores, os clientes,

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis 2

Controladores Lógicos Programáveis 2 Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Automação e Controlo Industrial Ano Lectivo de 2004/2005 Controladores

Leia mais

Sistema de Monitoramento de Poços Tubulares

Sistema de Monitoramento de Poços Tubulares Sistema de Monitoramento de Poços Tubulares Pedro Antonio Roehe Reginato 1, Marcos Imério Leão 1, Fernando Pons da Silva 2, Carlos Alvin Heine 3 1 DHH/IPH/UFRGS (imerio@iph.ufrgs.br; pedro.reginato@ufrgs.br)

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE GERADOR FOTOVOLTAICO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE GERADOR FOTOVOLTAICO MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE GERADOR FOTOVOLTAICO Claudia Valéria T. Cabral 1 Lauro de Vilhena B. Machado Neto 2 Delly Oliveira Filho 3 Antônia Sônia Alves C. Diniz 4 1 Doutoranda do Dep. de Eng. Agrícola,

Leia mais

1. Informações. 2. Aprovação da Ata da 6ª CA. 4. Ponto de situação do PORLisboa a 31.05.2013. 5. Outros assuntos

1. Informações. 2. Aprovação da Ata da 6ª CA. 4. Ponto de situação do PORLisboa a 31.05.2013. 5. Outros assuntos 7ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO 2013--062013 06-06 Proposta de Ordem de Trabalhos 1. Informações 2. Aprovação da Ata da 6ª CA 3. Apreciação e aprovação do relatório de execução de 2012 4. Ponto

Leia mais

Termómetros SUHIMPOR

Termómetros SUHIMPOR Termómetros Compromisso com o futuro! MINI TERMÓMETRO com sonda de penetração, adequado para medir a temperatura dos alimentos em estado sólido ou líquido. -GAMA: -50...150ºC -COMPRIMENTO DA SONDA: 120mm

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Sistema GPB Gestão de Pombais

Sistema GPB Gestão de Pombais Sistema GPB Gestão de Pombais Manual Rápido (Versão 07.01) Janeiro de 2007 SITE : WWW.SISTEMAGP.COM EMAIL: GERAL@SISTEMAGP.COM Um produto POMOR Software de Gestão, Lda. Objectivo deste Manual Rápido Com

Leia mais

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica;

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica; Mapas Destinado especialmente aos Utilizadores do GEOPORTAL, nele são descritas e explicadas as diferentes funcionalidades existentes no FrontOffice (GEOPORTAL). O GEOPORTAL é baseado em tecnologia Web,

Leia mais

Catálogo 2015. www.graffart.com.br

Catálogo 2015. www.graffart.com.br Catálogo 2015 Visualização da sinalização Para conseguir uma sinalização perfeita é necessário adequar as dimensões dos sinais às características da edificação e ao seu local de instalação. 150x150 200x200

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

WEB OF SCIENCE - tutorial

WEB OF SCIENCE - tutorial WEB OF SCIENCE - tutorial O QUE É A WEB OF SCIENCE A Web of Science é a designação comum que é dada a um conjunto de bases de dados também conhecidas como «Science Citation Indexes» (Science Citation Index,

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

Módulo 1 IDENTIFICAÇÃO

Módulo 1 IDENTIFICAÇÃO 1 POÇO MANUAL E CISTERNA Poço Manual - Poço escavado, com trado manual ou mecânico, de diâmetro inferior a 0,5 (meio) metro e profundidade máxima de 20 (vinte) metros, com revestimento protetor, geralmente

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE Elfride Anrain Lindner 1 ; Angelo Mendes Massignam 2 ; Daniela

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

Manual de Docência para a disciplina de Algoritmia e Programação 2005/2006 Engenharia Informática, 1º ano José Manuel Torres

Manual de Docência para a disciplina de Algoritmia e Programação 2005/2006 Engenharia Informática, 1º ano José Manuel Torres Manual de Docência para a disciplina de Algoritmia e Programação 2005/2006 Engenharia Informática, 1º ano José Manuel Torres Número de horas do programa: 60 horas Número de horas Semanal: 4 Horas Número

Leia mais

Software Registado e Certificado pela AT GESTÃO DE LAVANDARIAS. mercado exigente! Certificado. Retail Solutions

Software Registado e Certificado pela AT GESTÃO DE LAVANDARIAS. mercado exigente! Certificado. Retail Solutions Certificado Eficiência Eficiência para para vencer... vencer... Num Num mercado mercado exigente! exigente! Software Registado e Certificado pela AT LAVA i Índice Introdução Apresentação da Empresa Pág.

Leia mais

Neste momento a gestão dos automóveis, de grupos de automóveis e de manutenção não são consideradas relevantes para serem suportadas pelo sistema.

Neste momento a gestão dos automóveis, de grupos de automóveis e de manutenção não são consideradas relevantes para serem suportadas pelo sistema. Caso 1 Rent-a-car 1 Enunciado Pretende-se desenvolver um software de suporte a diversas actividades duma empresa de aluguer de automóveis. Este software deve permitir registar contratos de aluguer, entregas

Leia mais

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy ANÁLISE HISTÓRICA DA SÉRIE DE PRECIPITAÇÃO (1931-2010) E O BALANÇO HÍDRICO DE MACEIÓ AL: CICLO HIDROLÓGICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Expedito R. G. Rebello¹; Nadir Dantas de Sales². RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

Capítulo 02. Balanço Hídrico pelo método de Thornthwaite-Mather, 1955

Capítulo 02. Balanço Hídrico pelo método de Thornthwaite-Mather, 1955 Capítulo 02 Balanço Hídrico pelo método de Thornthwaite-Mather, 1955 2-1 SUMÁRIO Ordem Assunto 2.1 Introdução 2.2 Balanço hídrico pelo método de Thornthwaite-Mather, 1955 2.3 Conclusão 2.4 Bibliografia

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO DE TRECHO DE ADUTORA RESULTA EM ECONOMIA DE 50% NA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA CORSAN / SÃO LOURENÇO DO SUL - RS

SUBSTITUIÇÃO DE TRECHO DE ADUTORA RESULTA EM ECONOMIA DE 50% NA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA CORSAN / SÃO LOURENÇO DO SUL - RS SUBSTITUIÇÃO DE TRECHO DE ADUTORA RESULTA EM ECONOMIA DE 50% NA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA CORSAN / SÃO LOURENÇO DO SUL - RS João Ferreira Almeida 1 ; Antonio Comunello Accorsi 2 Resumo Em um sistema de

Leia mais

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 -

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Coordenação de Campo: Roberto Guerra SUMÁRIO

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI ABRIL/2006 CONVÊNIO 09.02.06.00.100.925/2000 CASAN Companhia Catarinense de Águas e Saneamento

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Agosto 2015 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 1 1.2.1. Crédito à Economia... 2

Leia mais

ph de Bancada Guia Seletivo

ph de Bancada Guia Seletivo ph de Bancada Guia Seletivo Use o quadro abaixo para encontrar o melhor Medidor de ph para sua necessidade. Veja páginas 18 a 22 para informações mais detalhadas sobre estes produtos. Veja página número

Leia mais

IMPLANTAÇAO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DA CORROSÃO, LADO ÁGUA, NUMA USINA TERMELÉTRICA DE PEQUENO PORTE

IMPLANTAÇAO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DA CORROSÃO, LADO ÁGUA, NUMA USINA TERMELÉTRICA DE PEQUENO PORTE IMPLANTAÇAO DE UM SISTEMA DE MONITORAMENTO DA CORROSÃO, LADO ÁGUA, NUMA USINA TERMELÉTRICA DE PEQUENO PORTE Antonio Sergio Barbosa Neves Consucal, Av. Guilherme Dumont Villares, 1500, 05640-003, São Paulo,

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007

BOLETIM ESTATÍSTICO MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO Nº7 - DEZEMBRO 2007 BOLETIM ESTATÍSTICO Nº7 - DEZEMBRO 2007 MAIS INFORMAÇÃO/MAIOR CONHECIMENTO/MELHOR DECISÃO EDITORIAL Com a publicação do número correspondente ao último quadrimestre do ano iniciamos também a edição, no

Leia mais

Instruções de Desactivação e Reinstalação do Winavenças

Instruções de Desactivação e Reinstalação do Winavenças Instruções de Desactivação e Reinstalação do Winavenças O Winavenças é activado no computador onde é instalado. Podendo ser activado em vários computadores conforme o numero de chaves adquiridas. Caso

Leia mais

Financiamento: FCT e o Ministry of Scientific Research, Technology and Competency Development da Tunisia

Financiamento: FCT e o Ministry of Scientific Research, Technology and Competency Development da Tunisia Gestão Integrada de Recursos Hídricos em Aquíferos Costeiros. Projecto de Cooperação Científica e Tecnológica entre a FCT e o Ministry of Scientific Research, Technology and Competency Development da Tunisia.

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE JULHO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento JULHO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de 2006,

Leia mais

BRASIL: A ESCASSEZ HÍDRICA E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS

BRASIL: A ESCASSEZ HÍDRICA E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS BRASIL: A ESCASSEZ HÍDRICA E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 Panorama Hídrico O Brasil é muito rico em recursos hídricos......mas

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

Artigo de Revisão Revision Article

Artigo de Revisão Revision Article Artigo de Revisão Revision Article 1 Métodos expeditos de estimativa da concentração Simple methods for estimating the concentration of toxic pollutants inside buildings Recebido para publicação/received

Leia mais

Transição de POC para SNC

Transição de POC para SNC Transição de POC para SNC A Grelha de Transição surge no âmbito da entrada em vigor, no ano de 2010, do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). O SNC vem promover a melhoria na contabilidade nacional,

Leia mais

1 - Imprimir documentos na rede da escola.

1 - Imprimir documentos na rede da escola. 1 - Imprimir documentos na rede da escola. 1.1 - Entrar no sistema interno da escola (escopal.edu) Inserir o seu Nome de Utilizador Inserir a sua Palavra - passe Seleccionar ESCOPAL 1.2 Instalar a impressora

Leia mais

José Geraldo Coura NUCLEBRÃS/CDTN-534

José Geraldo Coura NUCLEBRÃS/CDTN-534 SISTEMA AUXILIAR DE CONTROLE DE PARA METROS DE SEGURANÇA DO REATOR IPR-R1 José Geraldo Coura NUCLEBRÃS/CDTN-534 EMPRESAS NUCLEARES BRASILEIRAS S.A. - NUCLEBRÍS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA NUCLEAR

Leia mais

b) No Brasil, de 2000 a 2010, o ritmo do desmatamento caiu na ordem de 2,6 milhões de hectares por ano.

b) No Brasil, de 2000 a 2010, o ritmo do desmatamento caiu na ordem de 2,6 milhões de hectares por ano. Questão 01) O gráfico abaixo, publicado na revista Veja de 13/06/01, a partir dos dados da Unep, revela uma desaceleração no ritmo de desmatamento das florestas. Veja, São Paulo, nº 73, p. 99, 13 jun.

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL.

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. Liliana Pena Naval* Doutorada pela Universidad Complutense

Leia mais

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a)

Empréstimos de Outras Instituições Financeiras Monetárias a Particulares e Sociedades não Financeiras (a) Peso (b) Variações homólogas (%) Tendência (x100) (c) Média Mensal (%) (d) 10 6 euros Var. 2013 2014 abr-15 mai-15 T9 T6 T3 M9 M6 M3 % Dif. (p.p.) t-1 Empréstimos - -7.9-6.9-6.5-6.7 0.13 3 5-0.6-0.2-0.2

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA 1. INTRODUÇÃO Para obter o grau de Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Uberlândia, o aluno deverá cursar as disciplinas Iniciação

Leia mais

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas Ano Hidrológico de 2001/02

Leia mais