Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "02-11-2010. Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo"

Transcrição

1 Carga horária 25 horas Objectivo (s) Realização de apoio administrativo e logístico, ligada à função de aprovisionamento. Formador: Rui Carvalho Formador: Rui Carvalho 2 1. Ficheiros de armazém Códigos Mercadorias Armazenagens Arquivo 2. Valorimetria das existências Métodos de custeio FIFO LIFO Custo médio ponderado Formador: Rui Carvalho 3 Formador: Rui Carvalho 4 1

2 Este exercício tem como objectivo avaliar os seus conhecimentos. 1.O que entende por aprovisionamento? 2. Quais serão as contas essencialmente movimentadas nos ficheiros armazém? 1 - O aprovisionamento é um processo da relação entre os fornecedores e a empresa, que inclui os respectivos actos de relação com o fornecedor. Ou seja é a função responsável pela aquisição de equipamentos, mercadorias e serviços necessários em cada operação de produção. Formador: Rui Carvalho 5 Formador: Rui Carvalho 6 Classe 3 Inventários Os inventários são bens adquiridos ou produzidos pela empresa e que se destinam à venda ou a fazerem parte da produção. As mercadorias são bens transaccionáveis nas empresas comerciais, enquanto que outros bens aparecem nas classes das empresas. Formador: Rui Carvalho 7 Formador: Rui Carvalho 8 2

3 Esta classe íntegra também os activos biológicos ou seja os animais e as plantas, no âmbito da actividade agrícola, quer consumíveis no decurso do ciclo normal de actividade, quer de produção ou de regeneração. As contas desta classe são: 31 Compras 32 Mercadorias 33 Matérias-primas, subsidiarias e de consumo 34 Prod. Acabados e Intermédios 35 Subprodutos, desperdícios, resíduos e refugos Formador: Rui Carvalho 9 Formador: Rui Carvalho 10 Esta conta destina-se a lançar o custo das aquisições de matérias-primas e de bens aprisionáveis destinados ao consumo ou venda. São lançadas nesta conta em contrapartida da conta 225, as compras cujas facturas não tenham chegado até à data, ou não tenham ainda sido conferidas ou por contrapartida da 221. Facturas em conferencia D) 225 C) 311/221 Esta conta inclui também as despesas adicionais de compras (transportes, seguros, Iva não dedutível). Formador: Rui Carvalho 11 Formador: Rui Carvalho 12 3

4 Abrange as seguintes sub contas: 311 Mercadorias 312 Matérias-primas subsidiárias 313 Activos Biológicos 315 Despesas de Compras 317 Dev. de compras 318 Descontos e abastecimentos em compras Movimentação contabilística Debita-se Compras ao C. Factura (311/312) Despesas de compras (315) Credita-se Dev. de Compras (317) Abatimentos em compras(318) Formador: Rui Carvalho 13 Formador: Rui Carvalho 14 Corresponde aos bens adquiridos pela empresa com o destino a venda desde que sejam objecto de trabalho posterior de natureza industrial. Movimentam-se de acordo com o inventário periódico ou permanente. O artº 12 do DL 158/2009, requer a adopção do sistema de inventário permanente. As entidades a que seja aplicável o SNC ou as normas internacionais de contabilidade adoptadas pela UE, ficam obrigadas a adoptar o sistema de inventário permanente com excepção nos seguintes casos: 1)As entidades que não ultrapassem, durante 2 anos consecutivos, 2 dos 3 limites: - Total do balanço: Rendimentos: 3 Milhões de - Nº Médio de Trabalhadores: 50 Formador: Rui Carvalho 15 Formador: Rui Carvalho 16 4

5 2) As entidades cuja actividade predominante consista na prestação de serviços, considerando-se como tais, as que apresentem no período de um exercício, um CMVMC não exceda , nem 20 % dos custos operacionais. 3) As entidades que se dediquem à: Agricultura, produção animal, apicultura e caça; Silvicultura ou exploração florestal; Indústria piscatória e aquicultura; Pontos de venda a retalho que no seu conjunto não apresentem, no período de um exercício, vendas superiores a , nem vendas globais da respectiva entidade. Formador: Rui Carvalho 17 Formador: Rui Carvalho 18 No inventário permanente é possível apurar a qualquer momento o valor das existências em armazém, o CMVMC e o resultado das vendas. A conta 31 Compras é transitória e o seu saldo é transferido durante o ano para a conta 32 ou 33. Estas contas movimentam-se no inicio e durante o ano. 325 Mercadorias em Trânsito Efectua o registo das mercadorias que ainda não deram entrada na empresa mas que de acordo com as condições de compra, já são de propriedade da empresa. 326 Mercadorias em poder de Terceiros Engloba as mercadorias que se encontram à guarda de terceiros ou as que foram enviadas à designação. Formador: Rui Carvalho 19 Formador: Rui Carvalho 20 5

6 Movimentação Debita-se: Sobras de ofertas Saldo Credor Credita-se: Quebras de ofertas Saldo Devedor As contas 31 e 382 são transitórias e o saldo é transferido periodicamente para a conta 32 ou 33. Ex: Compra da mercadoria x por 6000 e posterior venda por Debita-se : 211) )6.000 Credita-se: se:711) ) Formador: Rui Carvalho 21 Formador: Rui Carvalho 22 No inventário periódico, as contas 31 e 38 são transitórias e o seu saldo é transferido no final do período para a conta 61. Ex: Compra da mercadoria x por 6000 e posterior venda por Debita-se : 211) Credita-se: se:711) A conta 32 Mercadorias Credita-se no final do exercício pelo valor da EI e debita-se a conta 61 CMVMC. Debita-se no final do exercício pelo valor da EF e credita-se a conta 61 CMVMC. Formador: Rui Carvalho 23 Formador: Rui Carvalho 24 6

7 Fórmula Em anexo. CMVMC = EI + Compras+- Reg. Inventários EF Formador: Rui Carvalho 25 Formador: Rui Carvalho 26 A conta 71 Vendas é acumulativa e o seu saldo resulta da soma algébrica das seguintes sub contas: 711 Mercadorias 717 Dev. de vendas 718 Desc. e abatimentos em vendas Movimentação: Debita -se Dev. Vendas 718 Abatimentos em Vendas Credita-se 711 Vendas Formador: Rui Carvalho 27 Formador: Rui Carvalho 28 7

8 Por outro lado, o movimento contabilístico dos descontos em compras e conversas sem iva será: Tabela em anexo. Fórmulas Vendas Líquidas = Vendas Dev. Abatimentos Resultado Bruto das Vendas = Vendas Líquidas Custo das Vendas Formador: Rui Carvalho 29 Formador: Rui Carvalho 30 A sociedade Beta, Lda, dedica-se à comercialização de televisões. É utilizado o Inventário Permanente. Durante o mês de Dezembro realizou, entre outras, as seguintes operações: Dia 2 - Venda a p.p. de 10 tvs W a 200 cada + Iva à taxa de 21 %. Dia 15 Abatimento de 5 % sobre a venda anterior. Regularização de Iva. Dia 1 Compra a prazo de 20 televisões W a 100 cada, com um desconto de revenda de 10 % e Iva à taxa 21 %. Formador: Rui Carvalho 31 Formador: Rui Carvalho 32 8

9 1) 20 Tvs x 100 = Desc. Rev.10 % D) 311 Iva 21 % 378 D) C) 221 Guia entrada 90 Tvs x20 =1.800 D) 321 C) 311 2) 10 Tvs x 200 = C)711 Iva 21 % 420 C) D)111 Guia de Saída 90 x 10 Tvs = 900 D) 611 C) 321 Formador: Rui Carvalho 33 Formador: Rui Carvalho 34 3) Abatimento de 5 %, na venda anterior. 0,05 X 2000 = 100 D) 718 Iva 21 % 21 D) C) D) 612 C) 321 Data Descrição 1 Compra de 20 Tvs Guia de Entrada 2 Venda de 10 TVs Factura Guia de Saída 15 Nota de Credito Abat. De 5 % Guia de Entrada Debito Credito Valor Formador: Rui Carvalho 35 Formador: Rui Carvalho 36 9

10 Em anexo. Estes activos incluem os animais e plantas vivos ou a formação de produtos agrícolas. Esta conta encontra-se repartida nas sub contas: 371 Consumíveis 3711 Animais 3712 Plantas 372 De produção 3721 Animais 3722 Plantas Formador: Rui Carvalho 37 Formador: Rui Carvalho 38 Contabilização Baseia-se no custo de aquisição, se não for possível calcular o justo valor. Se não for possível esse cálculo, a contabilização deste activo é feita ao justo valor menos os gastos destinados no ponto de venda. A valorização posterior está dependente desta valorização inicial. - Se foi feita a custo de aquisição e se não é possível estimar, posteriormente o justo valor são deduzidas as depreciações acumuladas e as perdas por imparidade acumuladas. - Se foi feita a custo de aquisição, e se não é possível estimar o justo valor, a valorização é realizada ao justo valor deduzindo os gastos estimados no ponto de venda. Formador: Rui Carvalho 39 Formador: Rui Carvalho 40 10

11 Existe uma interligação entre os activos biológicos, os produtos agrícolas e os produtos que resultam dos produtos agrícolas, tal como se especifica no quadro seguinte: ACTIVOS BIOLÓGICOS PRODUTO AGRICOLA PRODUTOS RESULTANTES Árvores de fruto Frutos Compotas, marmelada, etc Arbustos Folhas, raízes e Medicamentos, flores decoração, etc Vinha Uvas Vinho, aguardente, doces, etc Vacas Leite e carne Manteiga, queijo, etc Produto Agrícola é um produto colhido dos activos biológicos da empresa que pode ser vendido ou transformado. Formador: Rui Carvalho 41 Formador: Rui Carvalho 42 - Activos Biológicos Consumíveis Operações Descrição Debito Credito Inventário permanente 1 Compras de activos biológicos Transferência de compras Ganhos por aumento de justo valor Custo dos Activos biológicos vendidos Perdas por redução de justo valor Inventário intermitente (Final do Exercício) 1 Transferências das compras de activos biológicos Extensão inicial Extensão final Activos biológicos de produção Operações Descrição Debito Credito Inventário permanente 1 Compras de activos biológicos Transferência de compras Ganhos por aumento de justo valor Custo dos Activos biológicos vendidos Perdas por redução de justo valor Inventário intermitente (Final do Exercício) 1 Transf. de Extensão inicial Transf. de Extensão final Formador: Rui Carvalho 43 Formador: Rui Carvalho 44 11

12 A fazenda do Zé Pedro, comprou recentemente vacas para a produção do leite para venda ao público e para a fábrica de leite. Cada vaca foi comprada por 200 e estava avaliada por 230. A vida útil de cada vaca é de 5 anos. Os encargos anuais (alimentação, vacinação, etc ) atingiram o montante de No final do ano, o justo valor é de 225. A fazenda aplica o método do justo valor. Se não fosse possível estimar o justo valor das cabras aplica-se o método de custo. A fazenda, com a compra das vacas tem como objectivo a produção e posterior venda do leite. Durante o ano de 2010, a fazenda produziu litros de leite, tendo a cargo os seguintes encargos: - Ordenados do pessoal Alimentação das vacas Gastos com os veterinários Formador: Rui Carvalho 45 Formador: Rui Carvalho 46 Preços do leite com base no mercado: Preço Médio: 0,75 Preço no final de 2010: 0, 70 Custo Unitário Estimado no ponto de venda: 0,04 Pretende-se a contabilização das operações anteriores. Custo de produção do leite = : = 0,881 Justo valor = 2000 x 3000 = Data Descrição Debito Credito Valor JAN Aquisição das vacas com ganho com aquisição Transferência Gastos com activos biológicos DEZ Valorização ao justo valor Valorização do leite Custo da produção do leite Formador: Rui Carvalho 47 Formador: Rui Carvalho 48 12

13 Valorização ao justo valor = ( ) x 2000 = Valorização do leite (0,75-0,04 ) x = Aplicando-se o método de custo, em Dezembro de 2010, contabiliza-se a depreciação e qualquer perda por imparidade em substituição do valorização ao justo valor. Como o leite é um produto biológico, é valorizado pelo justo valor menos os custos estimados no ponto de venda no momento da colheita. Esta conta destina-se a registar as quebras as sobras, saídas e entradas por oferta, bem como quaisquer outras variações nas contas de inventários não derivadas de compras, vendas ou consumo. Formador: Rui Carvalho 49 Formador: Rui Carvalho 50 Onde se destacam as seguintes subcontas: 382 Mercadorias 383 Matérias primas, subsidiarias e de consumo 384 Produtos acabados e intermédios 385 Subprodutos, desperdícios, resíduos e refugos 386 Produtos e trabalhos em curso Activos biológicos 382- Mercadorias Esta conta destina-se a servir de contrapartida ao registo de quebras, sobras, saídas e entradas para ofertas, bem como quaisquer outras variações nas contas de existências não derivadas de compras, vendas ou consumo. Formador: Rui Carvalho 51 Formador: Rui Carvalho 52 13

14 382- Mercadorias - Movimentação Debita-se Pelas sobras de existências, por crédito da conta 7842 Ganhos em inventários; Pelo recebimento de ofertas de artigos que sejam inventários, por credito da conta Credita-se Pelas quebras por crédito da conta 6842 Perdas em inventários Quebras; Pela oferta a clientes de existências próprias, por debito da conta 6884 Ofertas e amostras de inventários. 387 Activos Biológicos Esta conta tem como função registar as reclassificações de activos biológicos para inventários. As variações em justo valor são reconhecidas nas contas 664 e 774. Formador: Rui Carvalho 53 Formador: Rui Carvalho 54 Regista as entregas efectuadas relativas às compras cujo preço esteja previamente fixado. Pela recepção da factura, estas verbas devem ser transferidas para as respectivas contas de 221 Fornecedores C/C. Se o preço não estiver previamente fixado, os adiantamentos por conta de compras debitam-se na conta 228 Adiantamentos a Fornecedores. Movimentação Debita-se Pela entrega adiantada ao fornecedor, por crédito da conta 11/22. Credita-se Pela anulação do adiantamento, por débito da conta 2211 Fornecedores c/c Contas gerais ou 225 Fornecedores Facturas em recepção e conferência. Formador: Rui Carvalho 55 Formador: Rui Carvalho 56 14

15 Os gastos são as diminuições nos benefícios económicos durante um período contabilístico, formas ou exfluxos ou depreciação de activos ou na incoerência de passivos, que resultem em diminuições de capital próprio, que não sejam relacionadas com distribuições aos participantes do Capital próprio. Custo das Mercadorias Vendidas e das Matérias Consumidas Esta conta efectua o registo do preço de custo das mercadorias vendidas e das materiais consumidas. A conta 613 recolhe as aquisições de activos biológicos efectuadas durante o ano, transferidas da conta 313 Activos Biológicos. A movimentação desta conta depende do tipo de inventário que a empresa utiliza permanente ou intermitente Formador: Rui Carvalho 57 Formador: Rui Carvalho 58 Registo das entradas Pelo valor global das Compras D- 321 C- 31 Registo das saídas D -612 C 321 Em anexo. CMVMC = Existências Iniciais+ Compras (liquidas) - Extensão final Regularização de existências (38) Formador: Rui Carvalho 59 Formador: Rui Carvalho 60 15

16 A palavra Arquivo é proveniente do Latim e significa dispor, ter cuidado, arrumação das coisas. Definição é um conjunto de documentos fundamentais que independentemente da sua data, forma ou suporte material, produzidos ou recebidos por uma pessoa jurídica, singular ou colectiva, no exercício da sua actividade e conservados a título de prova ou informação. Funções Recolha e tratamento da documentação existente na empresa; Avaliação e selecção de documentos permitindo a sua preservação e se for caso disso a sua destruição; Arrumação da documentação; Conservar e assegurar que o arquivo não se danifique. Formador: Rui Carvalho 61 Formador: Rui Carvalho 62 Qual a Importância do arquivo nos Ficheiros de Armazém? Em anexo. Formador: Rui Carvalho 63 Formador: Rui Carvalho 64 16

17 FIFO (First In First Out), ou seja o primeiro a entrar, o primeiro a sair. As existências estão valorizadas a preços mais recentes. As saídas de armazém são valorizadas aos preços mais antigos. Em épocas de inflação há uma sobrevalorização dos lucros na medida em que as saídas são valorizadas a preços inferiores das existências em épocas de deflação há subvalorização dos lucros. Ex.1 Formador: Rui Carvalho 65 Formador: Rui Carvalho 66 LIFO ( Last In First Out), ou seja o ultimo a entrar, o primeiro a sair. Este método de custeio pressupõe a última mercadoria a entrar é a primeira a ser vendida. Ou seja é o inverso do anterior sistema de custeio. Este sistema especifica que o custo das existências disponíveis (inventário final) é apurado começando pelo inventário inicial e até que sejam obtidas unidades suficientes para cobrir o inventário final. Ex.2 CMP (Custo Médio Ponderado) O sistema das existências baseia-se no custo médio das existências durante o período e é levado em atenção a quantidade e o preço dos bens inventariados sendo atribuído o mesmo custo aos itens iguais. O Custo Médio Ponderado é mais utilizado em empresas que compram grandes quantidades de mercadorias idênticas na sua natureza e são armazenadas num lugar comum. Ex.3 Formador: Rui Carvalho 67 Formador: Rui Carvalho 68 17

18 Esta metodologia distribui equitativamente unidades o custo total das mercadorias disponíveis para venda. O inventário final é determinado através do seguinte procedimento: 1 - O custo do número total de unidades disponíveis para venda = (Inventario inicial + compras) Nº total de unidades disponíveis para venda 2- O número de unidades do inventário final é multiplicado pelo valor do CMP. O inventario inicial e as diversas compras da mercadoria y foram apresentados da seguinte forma: Mês Nº de unidades Preço ( ) Janeiro Fevereiro Julho Agosto Novembro Formador: Rui Carvalho 69 Formador: Rui Carvalho 70 Após uma contagem física efectuada segundo o sistema de inventario permanente considera que 30 unidades do produto y estão disponíveis. Determine o custo do inventário final segundo: FIFO Custo Médio Ponderado FIFO Compras mais recentes 18 unidades x 10 = 180 Compras mais recentes 12 unidades x 11 =132 Total das Unidades 30 unidades Custo total 312 Formador: Rui Carvalho 71 Formador: Rui Carvalho 72 18

19 CMP 18 unidades x 10 = unidades X 11 = unidades x 12 = unidades x 13 = unidades x 14 = Custo Total 951 Em anexo. O custo médio de cada unidade é de 951/79 = 12,04.O custo de 30 unidades disponíveis é calculado = 12,04 x 30 = 361,20 Formador: Rui Carvalho 73 Formador: Rui Carvalho 74 19

Curso EFA: Técnicos/as Administrativas Modulo: Ficheiros de Armazém Formador: Rui Carvalho ANEXOS. Curso de Técnico/ a Administrativa

Curso EFA: Técnicos/as Administrativas Modulo: Ficheiros de Armazém Formador: Rui Carvalho ANEXOS. Curso de Técnico/ a Administrativa ANEXOS Curso de Técnico/ a Administrativa Tabela Classificação Fora da Factura Financeiros Compras D 221 C 782 Vendas D 682 C 221 Na Factura D 311 C 221/782 D 211/ 682 C 71 Fora da Factura Comerciais D

Leia mais

INVENTÁRIOS (IAS 2) Conceitos gerais Mensuração e perdas por imparidade Inventário permanente e intermitente CMVMC e variação da produção

INVENTÁRIOS (IAS 2) Conceitos gerais Mensuração e perdas por imparidade Inventário permanente e intermitente CMVMC e variação da produção AULA 05 INVENTÁRIOS (IAS 2) Conceitos gerais Mensuração e perdas por imparidade Inventário permanente e intermitente CMVMC e variação da produção - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1

Leia mais

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012

Contabilidade Geral. Gestão do Desporto 2011/2012 Contabilidade Geral Gestão do Desporto 2011/2012 OPERAÇÕES CORRENTES 1. Meios Financeiros Líquidos Esta Classe destina-se a registar os meios financeiros líquidos que incluem quer o dinheiro e depósitos

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

GLOSSÁRIO. Capítulo 5 Informação Financeira

GLOSSÁRIO. Capítulo 5 Informação Financeira GLOSSÁRIO Capítulo 5 Informação Financeira Este Glossário foi elaborado unicamente para apoiar os slides do Cap.5 da disciplina de Gestão e destina-se a ser utilizado exclusivamente pelos alunos de Gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4958 Diário da República, 1.ª série N.º 142 23 de julho de 2015 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 218/2015 de 23 de julho Na sequência da publicação do Decreto -Lei n.º 98/2015, de 2 de junho, que transpôs

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014

ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 ANEXO AO BALANÇO E DR 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade PATRIMÓNIO DOS POBRES DA FREGUESIA DE ÍLHAVO 1.2 Sede Av. Manuel da Maia 3830 050 Ílhavo 1.3 NIPC 500876789 1.4 Natureza

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM ECONOMIA

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM ECONOMIA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM ECONOMIA CONTABILIDADE IV - CADERNO DE EXERCÍCIOS Existências ANO LECTIVO 2005/2006 2º SEMESTRE Exercício 24 Durante um determinado mês, a sociedade

Leia mais

Capítulo 2 Decisões de investimento e de financiamento e o balanço

Capítulo 2 Decisões de investimento e de financiamento e o balanço Isabel Lourenço Professora Associada ISCTE-IUL 1 Aulas Teóricas nº 3 e 4 Capítulo 2 Decisões de investimento e de financiamento e o balanço Financial Accounting, Cap. 1 Short, Short, Libby, McGraw Hill

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO- BREVES CONSIDERAÇÕES

IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO- BREVES CONSIDERAÇÕES IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO- BREVES CONSIDERAÇÕES CONTA 243 - IVA Esta subconta destina-se a registar as situações decorrentes da aplicação do Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA).

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

INVENTÁRIO PERMANENTE - 2016 Alteração em Portugal

INVENTÁRIO PERMANENTE - 2016 Alteração em Portugal INVENTÁRIO PERMANENTE - 2016 Alteração em Portugal W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com T: (+351) 231 209 530 Portugal Angola Moçambique Cabo Verde 1987-2015 CentralGest Produção de Software

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilização de Inventários Contabilidade Financeira I Introdução.. Mensuração/Valorimetria de existências. Contabilização de Inventários comerciais 2 Introdução Inventários: bens armazenáveis que foram

Leia mais

Microentidades passam a integrar o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) a partir de 2016

Microentidades passam a integrar o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) a partir de 2016 Microentidades passam a integrar o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) a partir de 2016 Foi publicado no dia 2 de junho, o Decreto-lei n.º 98/2015, que procedeu à transposição da Diretiva n.º

Leia mais

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas

UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas UFCD 6222 - Introdução ao código de contas e normas contabilísticas C O M P I L A Ç Ã O D E M A T E R I A I S Conteúdo programático Código das contas Meios Financeiros Líquidos Contas a receber e a pagar

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

Outros métodos possíveis: Custo médio Custo específico (produtos diferentes) LIFO (não está previsto nas IAS)

Outros métodos possíveis: Custo médio Custo específico (produtos diferentes) LIFO (não está previsto nas IAS) Exercício 11 Questão 1 Verificando-se a existência de lotes, estaremos perante o FIFO ou o LIFO. Na operação nº 2, a mercadoria vendida saíu do lote mais antigo, pelo que o método utilizado é o FIFO. Questão

Leia mais

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social

Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social Organização de Apoio e Solidariedade para a Integração Social ANEXO para as Contas do Ano 2014 1/ IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1 / Designação da entidade: OASIS Organização de Apoio e Solidariedade para

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO

ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO ASSOCIAÇÃO ASSISTÊNCIA DE EIXO Anexo 10 de Março de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 4 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais Políticas Contabilísticas...

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Cotação e tempo esperado de resolução: Grupo 1 Questões de resposta múltipla e verdadeiro ou falso

Cotação e tempo esperado de resolução: Grupo 1 Questões de resposta múltipla e verdadeiro ou falso FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame de 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2009/10 Data: 18 de Junho de 2010 Início: 14:30 Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de

Leia mais

Demonstração dos Resultados

Demonstração dos Resultados Sistemas de Informação bilística e Financeira As demonstrações financeiras CET em Técnicas e Gestão em Turismo 2012/2013 ATIVO Investimentos Inventários e ativos biológicos s a receber Meios financeiros

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano

Contabilidade e Controlo de Gestão. 5. Elaboração do orçamento anual e sua articulação. Contabilidade e Controlo de Gestão. Gestão Turística -3º ano Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Orçamento anual: instrumento de planeamento a curto prazo que permitirá à empresa quantificar os seus objectivos em termos

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Contabilidade Financeira I. Capítulo 6 2014/2015 LG, LFC, LE, LGIL, LGM, LGRH. Resolução dos casos

Contabilidade Financeira I. Capítulo 6 2014/2015 LG, LFC, LE, LGIL, LGM, LGRH. Resolução dos casos Contabilidade Financeira I 2014/2015 LG, LFC, LE, LGIL, LGM, LGRH Capítulo 6 Resolução dos casos Resolução dos casos (*) Caso 6.01 Renova Caso 6.02 Worten Caso 6.03 Logoplaste (*) Os casos foram preparados

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Helena Isidro e Isabel Lourenço Professoras Associadas ISCTE-IUL Aula Teórica nº 10

Helena Isidro e Isabel Lourenço Professoras Associadas ISCTE-IUL Aula Teórica nº 10 Helena Isidro e Isabel Lourenço Professoras Associadas ISCTE-IUL 1 Aula Teórica nº 10 Capítulo 6 Reporte e interpretação do custo das vendas e inventários Financial Accounting, Cap. 4 Short, Short, Libby,

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE

ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ANTÓNIO BALTAZAR MORTAL PROFESSOR ADJUNTO DA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO HOTELARIA E TURISMO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE GLOSSÁRIO DE CONTABILIDADE ANALÍTICA NOVEMBRO 2001 NOTA PRÉVIA O principal objectivo

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

PARTE II - Duração: 2 horas. Leia com atenção as seguintes instruções:

PARTE II - Duração: 2 horas. Leia com atenção as seguintes instruções: PARTE II - Duração: 2 horas Leia com atenção as seguintes instruções: Na folha de respostas escreva o seu nome, o número de membro estagiário e a versão da prova. A não indicação de qualquer um destes

Leia mais

MEMORANDO FASES DE ELABORAÇÃO DO INVENTÁRIO E ELEMENTOS QUE DEVEM CONSTAR DO MESMO AUTARQUIAS LOCAIS DO REGIME SIMPLIFICADO SÍNTESE

MEMORANDO FASES DE ELABORAÇÃO DO INVENTÁRIO E ELEMENTOS QUE DEVEM CONSTAR DO MESMO AUTARQUIAS LOCAIS DO REGIME SIMPLIFICADO SÍNTESE MEMORANDO FASES DE ELABORAÇÃO DO INVENTÁRIO E ELEMENTOS QUE DEVEM CONSTAR DO MESMO AUTARQUIAS LOCAIS DO REGIME SIMPLIFICADO SÍNTESE I - ELEMENTOS QUE DEVEM CONSTAR DO INVENTÁRIO II - FASES E CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados 8.2 O Balanço e a Demonstração de Resultados encontram-se elaborados de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) e demais legislação

Leia mais

Portaria n.º 106/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 106/2011, de 14 de Março Portaria n.º 106/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as entidades do sector não lucrativo, abreviadamente designadas por

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL "AS COSTUREIRINHAS" CAVERNÃES

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL AS COSTUREIRINHAS CAVERNÃES ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL "AS COSTUREIRINHAS" CAVERNÃES ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/12/2014 Nota - 1 Identificação da entidade 1,1 Associação de Solidariedade Social "As Costureirinhas"

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 1 ESTRUTURA E CONTEÚDO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS

Leia mais

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

EXERCÍCIO 3 (Sistema de Inventário intermitente)

EXERCÍCIO 3 (Sistema de Inventário intermitente) EXERCÍCIO 3 (Sistema de Inventário intermitente) Classifique as seguintes operações e apure o custo das mercadorias vendidas, a margem bruta e os resultados líquidos do período, sabendo que as existências

Leia mais

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações

8.2.1 Disposições do Plano Oficial de Contabilidade (POCAL) e Derrogações NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Introdução: As notas que a seguir se apresentam visam facultar aos órgãos autárquicos a informação necessária ao exercício das suas competências, permitindo

Leia mais

Sebenta de Apoio CONTABILIDADE FINANCEIRA I. Humberto Ribeiro hn2r@ipb.pt

Sebenta de Apoio CONTABILIDADE FINANCEIRA I. Humberto Ribeiro hn2r@ipb.pt Sebenta de Apoio CONTABILIDADE FINANCEIRA I Humberto Ribeiro hn2r@ipb.pt NOTA PRÉVIA Este manual não deverá ser entendido como indispensável ao conhecimento das matérias que compõem o programa da disciplina

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação:

2. Regra geral, o IVA não dedutível deve ser registado na conta 68111 : a) Verdadeira; b) Falsa Justificação: 1. A aplicação do princípio da prudência está exclusivamente relacionada com o registo de perdas de imparidade em activos e provisões : a) Verdadeira; b) Falsa 2. Regra geral, o IVA não dedutível deve

Leia mais

Finanças Empresariais 1º semestre

Finanças Empresariais 1º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Finanças Empresariais 1º semestre Caderno de exercícios Luís Fernandes Rodrigues Manuel F Almeida 5º 6º edição 1 Caso 1.1

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

AUDITORIA. Aulas Práticas. Manuel Gregório

AUDITORIA. Aulas Práticas. Manuel Gregório AUDITORIA Aulas Práticas Manuel Gregório EXERCÍCIO 1 Suponha que foi contratado como auditor da empresa Beta para efectuar a auditoria às Demonstrações Financeiras relativas ao exercício de 2007. De acordo

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015

APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 APDP- Associação Protectora Diabéticos Portugal Anexo 2 de Abril de 2015 Índice 1 Identificação da Entidade... 3 2 Referencial Contabilístico de Preparação das Demonstrações Financeiras... 4 3 Principais

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS CONTACTOS DAS ENTIDADES QUE INTEGRAM O Direcção-Geral das Autarquias Locais Morada: Rua José Estêvão,137, 4.º a 7.º 1169-058 LISBOA Fax: 213 528 177; Telefone: 213 133 000 E-mail: helenacurto@dgaa.pt Centro

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados.

Grupo I. de custeio das saídas utilizado no caso de haver mais de um lote entrado em armazém de produtos acabados. Exame de Contabilidade Analítica (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 15/Outubro/2005 VERSÃO A Grupo I 1. Diga qual das afirmações está correcta: a)

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I A natureza da empresa é determinante do tipo de inventários que a empresa possui Contabilidade Financeira I Contabilização de Inventários industriais Os inventários dividem-se em: Matérias-primas, que

Leia mais

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade.

O fundo patrimonial é representado por 10 465,64, encontrando-se realizado na totalidade. 01 -IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE A ASSOCIACAO ENTRE FAMILIA - BRAGANÇA é uma sociedade Anónima, constituída a 13-08-2009, com sede em RUA EMIDIO NAVARRO TRAS IGREJA, BRAGANCA, 5300-210, BRAGANCA, e tem como

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE TÍTULO Introdução à Contabilidade AUTORA Ana Flávia Martins Todos os direitos desta edição são reservados à Angola2learn. É proibida a reprodução total ou parcial por quaisquer

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 1 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DO EXERCÍCIO DE 2009 00. Introdução a) A firma Custódio A. Rodrigues, Lda., designada também por CORPOS Corretagem Portuguesa de Seguros, pessoa colectiva

Leia mais

CASOS PRÁTICOS CONTABILIDADE FINANCEIRA -- I. Caderno nº 2

CASOS PRÁTICOS CONTABILIDADE FINANCEIRA -- I. Caderno nº 2 CASOS PRÁTICOS DE CONTABILIDADE FINANCEIRA -- I Caderno nº 2 Docentes: Carlos Rosa Lopes Daniel Ferreira de Oleveira Pedro Marques Página 1 de 45 CLASSE 3 EXISTÊNCIAS Consideram-se existências todos os

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício Terminado o exercício contabilístico a empresa efectua diversos trabalhos ou operações de fim de exercício contabilístico. Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício

Leia mais

IVA - Renúncia à isenção

IVA - Renúncia à isenção IVA - Renúncia à isenção Determinada empresa tem como objecto social, conforme consta na sua declaração de início de actividade, o CAE 70 120 - Compra, construção e arrendamento, administração e gestão

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SNC

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SNC PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O SNC NOTA IMPORTANTE: Com vista a contribuir para a melhor aplicação do Sistema de Normalização Contabilística, a CNC entendeu divulgar um conjunto que questões que lhe têm

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas para o Sistema Bancário (Adaptado) (Sociedades Administradoras de Compras em Grupo)

ASSUNTO: Plano de Contas para o Sistema Bancário (Adaptado) (Sociedades Administradoras de Compras em Grupo) Anexo à Instrução nº 15/97 ASSUNTO: Plano de Contas para o Sistema Bancário (Adaptado) (Sociedades Administradoras de Compras em Grupo) 1. São efectuados no PCBS os seguintes ajustamentos: 1.1. São criadas

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PRJ - CONTABILIDADE, FISCAL. E CONSULT. GESTÃO, LDA.

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PRJ - CONTABILIDADE, FISCAL. E CONSULT. GESTÃO, LDA. SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA 1 Legislação publicada: - Decreto-Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho: aprova o Sistema de Normalização Contabilística; - Decreto-Lei n.º 159/2009, de 13 de Julho: altera

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE ECONOMIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Exame 2.ª época de Contabilidade Financeira 2.º semestre 2008/09 Data: 19 de Junho de 2009 Início: 12h30m Duração: 2h00m Cotação e tempo esperado de resolução:

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PRODUTOS NA INDÚSTRIA TRANSFORMADORA

A EVOLUÇÃO DOS PRODUTOS NA INDÚSTRIA TRANSFORMADORA A EVOLUÇÃO DOS PRODUTOS NA INDÚSTRIA TRANSFORMADORA O ciclo de fabrico característico abrange as seguintes fases: Compra de matérias e serviços Transformação das matérias-primas em produtos acabados Venda

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2015 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 30 de Maio de 2015

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1

EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO VÍTOR GONÇALVES PROJECTO-EMPREENDEDORISMO ESCS_AULA_4 SLIDE 1 EMPREENDEDORISMO PLANO FINANCEIRO SLIDE 1 Sistemas de Informação na Gestão CONTABILIDADE FINANCEIRA Os sistemas de informação fornecem um conjunto de dados sobre a empresa, que se destina essencialmente

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012, de 2011 e de 2010 ABCD Gonçalves & Tortola S.A. Demonstrações financeiras em Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 7 Demonstrações

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imorocha RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 841

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 841 Directriz de Revisão/Auditoria 841 1 Dezembro de 2001 Verificação das Entradas em Espécie para Realização de Capital das Sociedades ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-6 OBJECTIVO 7-8 PROCEDIMENTOS DE VERIFICAÇÃO

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

Regime de Reavaliações

Regime de Reavaliações Regime de Reavaliações DL 31/98 REAVALIAÇÃO DE BENS - LEGISLAÇÃO Permite aos sujeitos passivos do IRS e do IRC reavaliar os elementos do seu activo imobilizado tangível, afectos ao exercício de uma actividade

Leia mais

Documentos de Prestação de Contas

Documentos de Prestação de Contas Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão de / / ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais