A ATUAÇÃO DO VISITADOR DO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS (2012)¹

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ATUAÇÃO DO VISITADOR DO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS (2012)¹"

Transcrição

1 A ATUAÇÃO DO VISITADOR DO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS (2012)¹ VIERA², Géssica Bordin; MACHADO², Rafaela Oliveira; PASIN³, Juliana Saibt Martins. 1 Trabalho de Pesquisa - UNIFRA 2 Acadêmicas do curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil 3 Fisioterapeuta docente do curso de Fisioterapia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil. RESUMO O Primeira Infância Melhor (PIM) é uma política desenvolvida no Rio Grande do Sul (RS), cujo objetivo é orientar as famílias, a partir de sua cultura e experiências. O Visitador é a pessoa que atua diretamente com estas, através de visitas semanais que busquem auxiliá-las a orientar o desenvolvimento infantil. Dessa forma, o presente estudo teve como objetivo descrever a atuação do visitador no programa do PIM, na cidade de Santa Maria, RS. Esta pesquisa caracterizou-se por possuir metodologia descritiva tendo como base a procura de artigos na base de dados Bireme e Google Schoolar utilizando-se o descritor Primeira Infância Melhor e no site do programa. A literatura descreve as atividades desenvolvidas pelos visitadores do PIM que ocorrem em outras localidades, porém há falta de artigos que abordem o PIM Santa Maria. Palavras-chave: Primeira Infância Melhor; Visitador; Santa Maria; Desenvolvimento infantil. 1. INTRODUÇÃO O Programa Primeira Infância Melhor (PIM) integra a política de governo do Estado do Rio Grande do Sul. Desenvolvido desde 2003, constitui um programa institucional de ação socioeducativa que abrange famílias com crianças de zero até seis anos e gestantes em situação de vulnerabilidade social. O programa foi criado com base na metodologia do Projeto cubano Educa a tu Hijo do Centro de Referencia Latinoamerica para La Educación Preescolar (CELEP); estando voltado para o desenvolvimento das capacidades físicas, intelectuais, sociais e emocionais das crianças atendidas (PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR, 2012). 1

2 Seu caráter intra e intersetorial integram as Secretarias Estaduais da Educação, da Cultura, do Trabalho e Desenvolvimento Social e da Saúde, sendo esta a responsável pela coordenação do Programa. O programa foi adaptado para a realidade do Rio Grande do Sul, tendo como objetivo orientar as famílias, a partir de sua cultura e experiências, para que promovam o desenvolvimento integral de suas crianças desde a gestação até os seis anos de idade (CARVALHO, SANTOS, 2011). O desenvolvimento infantil adequado é uma necessidade e um direito de toda criança. para que esse direito seja exercido é que o visitador do PIM insere-se no contexto familiar para orientar as famílias sobre como auxiliar o desenvolvimento das crianças, através de atividades lúdicas. O Visitador é a pessoa que atua diretamente com as gestantes, famílias e/ou cuidadores e suas crianças, nas comunidades vinculadas ao Programa, por meio de atividades específicas. As famílias recebem do Visitador orientações semanais visando à promoção das habilidades/capacidades das crianças e/ou gestantes, em seu contexto cultural. Dessa forma, o presente estudo teve como objetivo descrever a atuação do visitador no programa Primeira Infância Melhor (PIM), na cidade de Santa Maria, RS. 2. METODOLOGIA Esta pesquisa caracterizou-se por possuir metodologia descritiva tendo como base a procura de artigos na base de dados Bireme e Google Schoolar utilizando-se o descritor Primeira Infância Melhor e no site do programa. Posteriormente as experiências relatadas nestes artigos foram comparadas com as vivenciadas pelas autoras deste estudo, como visitadoras na comunidade Nova Santa Marta, na cidade de Santa Maria, RS. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram encontrados dois artigos na base de dados Bireme, a partir do descritor Primeira Infância Melhor. Destes artigos somente um estava disponível para a visualização integral. A partir da busca no Google Schoolar foram selecionados 5 artigos. Dos artigos disponibilizados no site do programa foi selecionado 1 artigo. Na cidade de Santa Maria, RS o PIM atende a comunidade Nova Santa Marta, priorizando os Bairros Alto da Boa Vista e Pôr do Sol, totalizando em média 400 famílias. Os visitadores são acadêmicos do Centro Universitário Franciscano-UNIFRA, dos cursos de Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Nutrição, Serviço Social, Pedagogia, Psicologia, Enfermagem. O que difere da maioria dos outros municípios onde Os Visitadores, 2

3 profissionais em sua maioria com nível médio de formação, são uma ponte entre a família e a equipe da rede municipal de serviços (ZORZAN, 2011). Segundo, Marin e Ottonell (2008), relatam em seu estudo que as visitadoras do PIM que trabalham diretamente com as mães das crianças de 0 a 6 anos de idade, o que vai de encontro ao objetivo do trabalho do visitador é orientar a atividades que estimulem o desenvolvimento integral e o crescimento saudável e feliz da criança, através do contato direto com a família. Para Scherer (2009), o papel do visitador é orientar as famílias por meio de atividades específicas, quanto às formas adequadas de estimulação das crianças de zero a três anos, conforme suas necessidades. As crianças de três a seis anos são atendidas juntamente com seus pais, em grupo, na própria comunidade. O mesmo ocorre na cidade de Santa Maria com as visitas que são realizadas. Esse trabalho realizado diretamente com as famílias, orienta e capacita as famílias e/ou os cuidadores para que sejam realizadas atividades de estimulação para o desenvolvimento integral da criança, desde a gestação. Visando sempre o desenvolvimento integral da criança (CARVALHO e SANTOS, 2011). O visitador, sendo a pessoa que irá trabalhar no Programa, em contato com as famílias, visitando e orientando sobre o desenvolvimento infantil aquelas que se encontram em situação de pobreza, necessita de um olhar humanizado e integral da situação que cerca a família (KAISER e FREITAS, 2010). Dessa forma, o visitador usufrui de capacitações, reuniões semanais com o seu monitor, utilizando guias, que auxilia nos seus conhecimentos, abordagens e condutas para cada fase, desde a gestação até seis anos de idade. As atividades buscam desenvolver todas as capacidades e habilidades, como escrever, caminhar, entre outras, de acordo com cada faixa etária. Podendo ser realizadas através de brincadeiras, orientações, conversas. A partir disto se constrói um vínculo entre visitador e família, apostando nesta como educadora primária de suas crianças (CAMPOS e CAMPOS, 2009). As primeiras visitas tem como objetivo, fazer com que os visitadores conheçam, estabeleçam vínculo para que esta família tenha confiança no trabalho deste. Posteriormente a isto, é preenchido um CENSO para identificar essa família, e inseri-la em um banco de dados. A cada três meses deve ser preenchido um acompanhamento do desenvolvimento desta criança, de seus ganhos, dificuldades e como a família está percebendo esses avanços e se está cooperando ou não com esse trabalho. É nas visitas domiciliares que a visitadora tem a oportunidade de sensibilizar gestantes, pais e cuidadores não conseguem cuidar da criança, pois em muitos casos, também sofreram negligências, maus tratos e abusos na infância. Segundo KAISER e FREITAS, 2010, o visitador deve atuar diretamente com as gestantes, pais ou cuidadores e 3

4 crianças nas comunidades vinculadas ao Programa, por meio de atividades específicas, estimulação para o desenvolvimento infantil. O trabalho é desenvolvido com gestantes e crianças de 0 a 6 anos, na residência das famílias, semanalmente e cada visitador tem como responsabilidade 20 famílias. A duração das visitas são de 30 minutos e são divididas entre fazer atividades para ser realizada com a criança, aumentar ou criar vínculo entre a família e esta criança e deixar uma atividade para que a família faça durante o resto da semana até a próxima visita. O objetivo das visitas domiciliares na gestação é orientar e informar a futura mãe sobre as características desse período do ciclo vital (SCHNEIDER,2010). As faixas etárias possuem suas próprias particularidades, por exemplo, no período de 0 a 3 anos, percebe-se grande evolução no desenvolvimento motor, na fala e na linguagem. Nesta fase, a criança apresenta uma grande plasticidade cerebral, sendo o cérebro capaz de realizar novas funções, formando de maneira duradoura e sob pressão do meio uma vasta rede de conexões. Por isso, quanto mais a criança for estimulada, desafiada e questionada nesta faixa etária, maior será a rede de conexões elaboradas em seu cérebro. O período de 3 a 6 anos é ideal para trabalhar a socialização. Nesta fase, as crianças cadastradas no PIM participam de encontros grupais onde o principal objetivo é possibilitar um processo de humanização, através do qual a criança vai adquirindo maior capacidade para mover-se, coordenar, sentir, pensar e interagir com outros e com o meio que a rodeia. Através das brincadeiras, irá aprender regras, limites e outras atitudes que são indispensáveis para viver em sociedade. A partir disso, fica-se evidente que a falta de publicações sobre a atuação do visitador na cidade de Santa Maria, dificulta a divulgação do programa, bem como, a credibilidade do mesmo. 5. CONCLUSÃO Devido a existência de uma política estadual para o desenvolvimento das práticas pelos visitadores do PIM, as atividades executadas por esses profissionais são padronizadas por todo Estado, respeitando as particularidades de cada família. A literatura descreve as atividades desenvolvidas pelos visitadores do PIM que ocorrem em outras localidades assim como em Santa Maria; de forma a estimular o desenvolvimento integral das crianças. Dessa forma, a partir das experiências proporcionadas pelas práticas, o visitador do PIM aprende a trabalhar em equipe, consegue ter um novo olhar sobre as pessoas e abranger todos os cuidados que essa família necessita para auxiliar no desenvolvimento de suas crianças. Portanto, as considerações 4

5 apresentam-se como possibilidades para futuros estudos e pesquisas que tenham como intencionalidade aprofundar este tema, principalmente no referido município. REFERÊNCIAS CAMPOS, Rosânia. CAMPOS, Roselane Fátima. A educação das famílias pobres como estratégia política para o atendimento das crianças de 0. 3 anos: uma análise do Programa Família brasileira Fortalecida Pro-Posições, Campinas, v. 20, n. 1 (58), p , jan./abr CARVALHO, Andrea Leusin; SANTOS, Marília Ache Carlotto Brum. O visitador do PIM como ferramenta para a detecção precoce da surdez na primeira infância. Primeira Infância Melhor. Abr Disponível em: Acessado em: 14 Jul KAISER, Dagmar Elaine; FREITAS, Talita Cristiane Sutter. Programa primeira infância melhor: percepções do visitador. Cienc Cuid Saude 2010 Jan/Mar; 9(1): MARIN, Solange; OTTONELLI, Regina Janaina. Medida Multidimensional da Pobreza: um exercício em Palmeira das Missões RS; REDES, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 3, p , set/dez PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR. Quem Somos? Disponível em: Acessado em: 14 Jul SCHERER, C. O processo de implementação do Sistema Único de Assistência Social no Município de Entre-Ijuís/RS junto à proteção integral das crianças e adolescentes. Revista Textos & Contextos Porto Alegre v. 8 n.2 p jul./dez SCHNEIDER, Alessandra. Percepções sobre visitas domiciliares na gestação e no primeiro ano de vida do bebê: um estudo com mães no programa primeira infância melhor. Dissertação (mestrado psicologia clínica) Programa de pós-graduação em psicologia mestrado em psicologia clínica. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, ZORZAN, Scheila Paula. Programa Primeira Infância Melhor: um exemplo de boas práticas em Educação Revista Educação por Escrito PUCRS, v.2, n.1, jun

PROPAGANDA INSTITUCIONAL

PROPAGANDA INSTITUCIONAL PROPAGANDA INSTITUCIONAL O QUE É - Programa Estadual Intersetorial. - Ação Socioeducativa. - Implantado em 2003. - Política Pública Estadual pela Lei 12.544/06. Comitê Gestor do PIM: Secretarias de Estado

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1

A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1 A RELEVÂNCIA DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NO PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR 1 BERNARDON, Andressa Corrêa 2 ; RAMOS, C. Marília 3 ; LEAL, Francine Ziegler 4 ; TRINDADE, Tatiana Siqueira 5 ; PRESTES,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR SERVIÇOS CNT/OPAS

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR SERVIÇOS CNT/OPAS 1. Antecedentes / Justificativa: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR SERVIÇOS CNT/OPAS A Constituição Federal de 1988 e a LOAS- Lei Orgânica de Saúde, constituem referência aos processos de implantação do

Leia mais

INSTITUCIÓN: Programa Primeira Infância Melhor. Departamento de Ações em Saúde Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul

INSTITUCIÓN: Programa Primeira Infância Melhor. Departamento de Ações em Saúde Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul EXPERIENCIA PRESENTADA EN FORMATO PÓSTER: Primeira Infância Melhor Fazendo Arte: Relato de experiência da Política Pública do Estado do Rio Grande do Sul/ Brasil na formação lúdica de visitadores domiciliares

Leia mais

V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação

V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação 520 V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação Política de Atendimento à Primeira Infância: formação e desempenho do Visitador no Programa Primeira Infância Melhor Carolina de Vasconcellos Drügg, Marta Luz

Leia mais

CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA

CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA Janaina de Fátima Poteriko 1 ; Ana Lucia de Sá Yamazaki 2 RESUMO: O desenvolvimento

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM

Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM Por que Investir na Primeira Infância Os retornos dos investimentos no desenvolvimento da primeira infância são altos, na medida em que

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança

Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança Recurso apresentado contra Projeto aprovado em Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

Apoio às políticas públicas já existentes;

Apoio às políticas públicas já existentes; Uma voz complementa a outra, um sorriso cativa o próximo e é nesse pensamento que o Instituto Mundo Melhor, organização sem fins lucrativos liderada pelo Grupo MM Mercadomóveis, trabalha com projetos sociais

Leia mais

ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR

ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR 699 ESTIMULAÇÃO DE BEBÊS E ATUAÇÃO DO PSICOLOGO ESCOLAR Uliane Marcelina de Freitas Almeida (Unifran) Tatiana Machiavelli Carmo Souza (Unifran) INTRODUÇÃO O seguinte estudo teve início através de um primeiro

Leia mais

Levantamento dos Programas de Atendimento à Primeira Infância no Rio de Janeiro. www.ciespi.org.br

Levantamento dos Programas de Atendimento à Primeira Infância no Rio de Janeiro. www.ciespi.org.br Levantamento dos Programas de Atendimento à Primeira Infância no Rio de Janeiro Foram utilizadas as seguintes categorias para o levantamento: executores, objetivos e público-alvo. Espaço de Desenvolvimento

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento Mostra de Projetos 2011 Terceira Idade e Movimento Mostra Local de: Campina Grande do Sul Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

Pesquisa ação: Um Instrumento utilizado por uma equipe multiprofissional em saúde para capacitação de professores na educação infantil.

Pesquisa ação: Um Instrumento utilizado por uma equipe multiprofissional em saúde para capacitação de professores na educação infantil. Pesquisa ação: Um Instrumento utilizado por uma equipe multiprofissional em saúde para capacitação de professores na educação infantil. Aline Alessandra Irano Anaí Ramos Vieira Francielli Viana Mota Laura

Leia mais

ORIENTADORES FAMILIARES: (RE)APROXIMANDO A FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL. RESUMO

ORIENTADORES FAMILIARES: (RE)APROXIMANDO A FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL. RESUMO ORIENTADORES FAMILIARES: (RE)APROXIMANDO A FAMÍLIA DA EDUCAÇÃO INFANTIL. Márcia Florencio de Souza 1 - CIEDS Nathacha Monteiro Ferreira 2 - CIEDS RESUMO No município do Rio de Janeiro, o Programa Piloto

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Casa de Apoio a Pacientes com Câncer

Mostra de Projetos 2011. Casa de Apoio a Pacientes com Câncer Mostra de Projetos 2011 Casa de Apoio a Pacientes com Câncer Mostra Local de: Maringá Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Rede Feminina de Combate ao Câncer - Regional

Leia mais

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Flávia J.Rodrigues de Sá Pinheiro de Melo Assistente Social Especialista em Saúde Mental e Moléstias Infecciosas - Unicamp Serviço Atenção

Leia mais

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor -

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor - Gestão de Pessoas - Saúde do Servidor - Promoção de Saúde e Bem-Estar Desenvolve programas destinados à prevenção de doenças, à promoção de saúde e de qualidade de vida. Realiza campanhas, palestras e

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

PIM PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR

PIM PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR PIM PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR O que é o PIM? O Programa Primeira Infância Melhor - PIM integra a política de governo do Estado do Rio Grande do Sul, sob a coordenação da Secretaria da Saúde e apoio das

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

EQUIPE DE PROFISSIONAIS CEPEC Centro de Estudos e Pesquisas Clínicas de São Paulo.

EQUIPE DE PROFISSIONAIS CEPEC Centro de Estudos e Pesquisas Clínicas de São Paulo. Dra. Miriam Serrano de Freitas Terapeuta Ocupacional especializada em Síndrome de Down serrano.miriam@gmail.com Data de nascimento:07/05/1986 Endereço: Morishigue Akagui, 51 Telefone para contato: (11)

Leia mais

EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO O atendimento na creche e o PIM Porto Alegre/RS Março/2015 Secretaria de Educação Básica É direito dos trabalhadores urbanos e rurais à assistência gratuita

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

TRABALHO EDUCATIVO POSTURAL: PREVENÇÃO EM PRÉ-ESCOLARES

TRABALHO EDUCATIVO POSTURAL: PREVENÇÃO EM PRÉ-ESCOLARES TRABALHO EDUCATIVO POSTURAL: PREVENÇÃO EM PRÉ-ESCOLARES KRANN, Ana Carolina; MACHADO, Bruna; PESSOTA, Carla; RIBEIRO, Daniela; VIERA, Géssica; BRAUNER, Greice; GASPARETTO, Andriele; FLECK, Caren. Trabalho

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Educação Para O Sistema

Educação Para O Sistema QUALIHOSP 2012 Educação Para O Sistema Marcos Roberto Ymayo Pedro Felix Vital Jr Objetivos História Programas de ensino Mercado local, desafios e realidade Perfil do profissional Vocação institucional

Leia mais

PROJETO SABER PARA CUIDAR DOENÇA FALCIFORME NA ESCOLA. Cristiane Miranda Rust cristiane@nupad.ufmg.br

PROJETO SABER PARA CUIDAR DOENÇA FALCIFORME NA ESCOLA. Cristiane Miranda Rust cristiane@nupad.ufmg.br PROJETO SABER PARA CUIDAR DOENÇA FALCIFORME NA ESCOLA Cristiane Miranda Rust cristiane@nupad.ufmg.br Incidência da DF: Brasil MA 1:1400 PE 1:1400 BA 1:650 RO 1:13000 GO 1:1800 MS 1:4000 SP 1:4000 MG 1:1400

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO 2011 CURSO RESPONSÁVEL PELO PROJETO

PROJETOS DE EXTENSÃO 2011 CURSO RESPONSÁVEL PELO PROJETO ATENÇÃO À CRIANÇA (S) DE EXECUÇÃO E FREQUÊNCIA Projeto Sorriso Visa proporcionar às crianças internas e usuárias do PSF do Crianças da Casa de Passagem e do PSF Santa Rita bairro Santa Rita o conhecimento

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

TEATRO INFANTIL: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA BUSCA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA 1

TEATRO INFANTIL: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA BUSCA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA 1 TEATRO INFANTIL: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA NA BUSCA DA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA 1 CHIAPINOTO, Andréia Moro²; GUNSCH, Fernanda Beatriz Strickler²; KASTEN, Jocelaine²; PASETTO, Luciane Zamberlan²;

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

A RELAÇÃO DA NATAÇÃO COM O CONTEÚDO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A RELAÇÃO DA NATAÇÃO COM O CONTEÚDO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A RELAÇÃO DA NATAÇÃO COM O CONTEÚDO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL Patrícia Ribeiro¹; Guilherme

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

ATIVIDADES DE ENSINO

ATIVIDADES DE ENSINO RELATÓRIO DE 2006 Em 2006 o Vila Fátima ampliou suas instalações físicas, possibilitando assim uma melhor organização das atividades de ensino-serviço. Contudo, esta ampliação não será suficiente, caso

Leia mais

Conta Bancária Banco: Banco do Brasil Nº Conta Corrente: 39.684-2 Nº Agência:2803-7

Conta Bancária Banco: Banco do Brasil Nº Conta Corrente: 39.684-2 Nº Agência:2803-7 1. IDENTIFICAÇÃO Abrangência do Projeto: (X) Estadual ( ) Regional ( ) Intermunicipal (no mínimo três municípios) 1.1. Dados Cadastrais do Proponente Entidade Proponente: Vida Promoção Social (VPS) CNPJ:

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL EM CUBA: UM OLHAR PANORÂMICO

EDUCAÇÃO INFANTIL EM CUBA: UM OLHAR PANORÂMICO EDUCAÇÃO INFANTIL EM CUBA: UM OLHAR PANORÂMICO Magda Carmelita Sarat Oliveira (Unicentro) O presente trabalho baseia-se num relatório preparado a partir de uma viagem de caráter científico e profissional,

Leia mais

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO. Módulo V. A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO. Módulo V. A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO Módulo V A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos Alexsandro da Silva Solange Alves de Oliveira Mendes EDUCAÇÃO INFANTIL Continuidade e Ampliação

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

Pós-Graduação Especialização em Psicomotricidade e/ou Educação Infantil. Local: Avenida Pereira Rego, 1545, Centro, Candelária

Pós-Graduação Especialização em Psicomotricidade e/ou Educação Infantil. Local: Avenida Pereira Rego, 1545, Centro, Candelária Pós-Graduação Especialização em Psicomotricidade e/ou Educação Infantil Local: Avenida Pereira Rego, 1545, Centro, Candelária Carga horária: 360 horas Resolução 01/2007 CES/CNE/MEC: "Art. 5. Os cursos

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professora: Juliana Petrocelli Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A REALIZAÇÃO DE UM CURSO PARA GESTANTES (2012) 1

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A REALIZAÇÃO DE UM CURSO PARA GESTANTES (2012) 1 RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A REALIZAÇÃO DE UM CURSO PARA GESTANTES (2012) 1 MATTOS, Luísa dos Santos de 2 ; ALMEIDA, Jéssica de Cassia Marques de 3 ; CARVALHO, Vanessa Franco de 3 ; MARQUES, Letícia Amico

Leia mais

Juventude com Arte, Saúde e Cidadania Autores: Ellen da Silva Mourão; Giovanna Grasiane de Sousa; Preceptora de Serviço: Maria Regina de Paula Fagundes Netto; Preceptora Acadêmica: Lêda Maria Leal de Oliveira.

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

O PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR NO RIO GRANDE DO SUL: UMA AVALIAÇÃO À LUZ DA ABORDAGEM DAS CAPACITAÇÕES RESUMO

O PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR NO RIO GRANDE DO SUL: UMA AVALIAÇÃO À LUZ DA ABORDAGEM DAS CAPACITAÇÕES RESUMO 286 O PROGRAMA PRIMEIRA INFÂNCIA MELHOR NO RIO GRANDE DO SUL: UMA AVALIAÇÃO À LUZ DA ABORDAGEM DAS CAPACITAÇÕES Melody de Campos Soares Porsse 1 Solange Regina Marin 2 Janaina Ottonelli 3 Sirlei Glasenapp

Leia mais

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO SANTOS, Fernanda Costa 1 PEREIRA, Bruna Kely da Silva 2 CANEDO, Samara Rodrigues

Leia mais

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NO ENSINO REGULAR: INVESTIGAÇÃO DAS PROPOSTAS DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DESENVOLVIDAS POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO DA EENAV GT 07 Educação Matemática, avaliação

Leia mais

SIBSA - 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E AMBIENTE ABRASCO/GT Saúde&Ambiente, Belo Horizonte, outubro 2014

SIBSA - 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E AMBIENTE ABRASCO/GT Saúde&Ambiente, Belo Horizonte, outubro 2014 1 SIBSA - 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E AMBIENTE ABRASCO/GT Saúde&Ambiente, Belo Horizonte, outubro 2014 Estratégias de educação e sensibilização para minimização de danos no pós enchente em áreas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

A GINÁSTICA NO CONTEXTO DOS PLAYGROUNDS

A GINÁSTICA NO CONTEXTO DOS PLAYGROUNDS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 A GINÁSTICA NO CONTEXTO DOS PLAYGROUNDS Marcela Garcia de Santana 1 ; Eduardo Rafael Llanos Parra 1 ; Vânia de Fátima Matias de Souza 2 RESUMO: O presente

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

Projeto de Apoio ao Crescimento Econômico com Redução das Desigualdades e Sustentabilidade Ambiental do Estado do Ceará

Projeto de Apoio ao Crescimento Econômico com Redução das Desigualdades e Sustentabilidade Ambiental do Estado do Ceará Projeto de Apoio ao Crescimento Econômico com Redução das Desigualdades e Sustentabilidade Ambiental do Estado do Ceará Programa para Resultados - PforR IPECE 16/10/2014 Estrutura Geral das Áreas de Atuação

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES Renata Cristina de L. C. B. Nascimento Mestranda do Curso de Mestrado em Educação da UNEMAT, Departamento de Pedagogia da UNEMAT/Cáceres

Leia mais

Laura Prestes Médica pediatra atuando no Programa Saúde da Família da Prefeitura de Bagé.

Laura Prestes Médica pediatra atuando no Programa Saúde da Família da Prefeitura de Bagé. PROJETO ARTESÃOS DA SAÚDE: UMA REALIDADE COMUNITÁRIA NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA DO POSTO FLORESTA DE BAGÉ HEALTH ARTISANS PROJECT: A COMMUNITARIAN REALITY IN THE FAMILY HEALTH CARE PROGRAM FROM POSTO

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES. O PEDAGOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL: LIMITES, DESAFIOS E POSSIBILIDADES. ALAN ROBERTO FRUHLING 1 ELENITA CONEGERO PASTOR MANCHOPE 2 FABIANE ANDRÉIA FELDKIRCHER 3 LURDES TEREZINHA SPIES ULLMANN 4 MAYSA REGINA

Leia mais

PROJETO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE/CE INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO IDT PROJETO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL ORIENTAÇÃO PARA O TRABALHO São ações pontuais ou estruturadas de curta duração que acontecem

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC

Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Servico de Acolhimento em Familia acolhedora ISABEL BITTENCOURT ASSISTENTE SOCIAL PODER JUDICIÁRIO SÃO BENTO DO SUL/SC Serviço de Família acolhedora definição Serviço que organiza o acolhimento de crianças

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Brinquedoteca - Espaço Criativo e de Vivências Lúdicas Resumo Em pediatria, a hospitalização em decorrência

Leia mais

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1

DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES: O QUE ISTO TEM A VER COM SUSTENTABILIDADE? 1 O conceito de sustentabilidade Em 1987, o Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento,

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor Missão Promover e realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação pública e que fomentem o desenvolvimento social de comunidades de baixa renda. Visão Ser referência como fundação

Leia mais

A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA.

A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM NO PROCESSO ASSISTENCIAL À FAMÍLIA DE RECÉM-NASCIDO DE RISCO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. Diniz, Alice Teixeira 1 ; Medeiros, Rita de Cássia Noronha 1 ; Rolim, Karla Maria Carneiro

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL VIII Jornada de Estágio de Serviço Social VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE COMO CAMPO DE ESTÁGIO PARA O SERVIÇO SOCIAL ALMEIDA, Mayara Rodrigues 1 ARAÚJO, Sâmela Keren de Carvalho 2 CARVALHO, Sherryl Cristina

Leia mais

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 -RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 Monografias e Artigos (Ordem Alfabética dos Alunos, Orientador (a), Título e Resumo) Ana Cristina Fonseca

Leia mais

DOCUMENTO NORTEADOR PARA COMISSÕES DE AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSO DE PEDAGOGIA

DOCUMENTO NORTEADOR PARA COMISSÕES DE AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSO DE PEDAGOGIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DO ENSINO DE PEDAGOGIA

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM ATENDIMENTOS COM IDOSOS NO PROGRAMA MELHOR EM CASA

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM ATENDIMENTOS COM IDOSOS NO PROGRAMA MELHOR EM CASA RELATO DE EXPERIÊNCIA EM ATENDIMENTOS COM IDOSOS NO PROGRAMA MELHOR EM CASA Aryostennes Miquéias da Silva Ferreira*; Marcíllia Poncyana Félix Bezerra** *Programa Melhor em Casa Pombal/PB aryostennes@hotmail.com;

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Gravidez na adolescência e impactos no desenvolvimento infantil. Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams Novembro de 2013

Gravidez na adolescência e impactos no desenvolvimento infantil. Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams Novembro de 2013 Gravidez na adolescência e impactos no desenvolvimento infantil Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams Novembro de 2013 LAPREV Violência(Família e Escola) Pesquisa Ensino Intervenção/Consultoria/Capacitação

Leia mais

RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE - RIMS - Projeto HMIPV/SMS Ênfase Saúde da Criança

RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE - RIMS - Projeto HMIPV/SMS Ênfase Saúde da Criança RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE - RIMS - Projeto HMIPV/SMS Ênfase Saúde da Criança Projeto HMIPV/SMS O HMIPV presta atendimento especializado em diversas áreas, em nível secundário e terciário.

Leia mais

o Movimento do corpo Infantil: uma linguagem da criança

o Movimento do corpo Infantil: uma linguagem da criança o Movimento do corpo Infantil: uma linguagem da criança Marynelma Camargo Garanhani Lorena de F. Nadolny Universidade Federal do Paraná Curitiba Resumo: Educadores e professores encontram-se em um processo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA

PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA PROGRAMA MÃE CORUJA DO IPOJUCA Às gestantes do Ipojuca O Programa Mãe Coruja é uma grande conquista das mulheres de Pernambuco. E no Ipojuca, um avanço da administração municipal em busca de melhor assistir,

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A INCLUSÃO EDUCACIONAL DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A INCLUSÃO EDUCACIONAL DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo Ana Flávia Hansel 1 - UNICENTRO Angélica Gonçalves 2 - UNICENTRO Grupo de Trabalho Educação da Infância

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS PEDAGÓGICAS PARA UMA PRÁTICA ALIMENTAR SAUDÁVEL NA ESCOLA PÚBLICA 1

AÇÕES EDUCATIVAS PEDAGÓGICAS PARA UMA PRÁTICA ALIMENTAR SAUDÁVEL NA ESCOLA PÚBLICA 1 AÇÕES EDUCATIVAS PEDAGÓGICAS PARA UMA PRÁTICA ALIMENTAR SAUDÁVEL NA ESCOLA PÚBLICA 1 SACCOL, Ana Freitas³; WINTER, Claudia Cristina 5 ; BERTOLDO, Janice Vidal 2 ; PASETTO, Luciane Zamberlan 4 ; FLORÊS,

Leia mais