SOFTWARE PRODUCTION LINES: AN ORGANAZATION MODEL FOR SOFTWARE FACTORIES FOR THE REUSE OF THE HUMANCOMPUTER INTERFACE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOFTWARE PRODUCTION LINES: AN ORGANAZATION MODEL FOR SOFTWARE FACTORIES FOR THE REUSE OF THE HUMANCOMPUTER INTERFACE"

Transcrição

1 SOFTWARE PRODUCTION LINES: AN ORGANAZATION MODEL FOR SOFTWARE FACTORIES FOR THE REUSE OF THE HUMANCOMPUTER INTERFACE Felipe Rustan Reis de Souza (Universidade Salvador, Bahia, Brasil) - Colaborador: Paulo Caetano da Silva (Universidade Salvador, Bahia, Brasil) - This paper presents a solution to problems related to poor requirements specification, inserting concepts related to software engineering in an organization model of software factories, through an Automation Framework Production Lines with process steps based on flowcharts supported by techniques for the development of Human-Computer Interface, with the goal of improving the efficiency of projects and software products. Key words: Human-Computer Interface - Software Engineering - Software Factories - Flowcharts. LINHAS DE PRODUÇÃO DE SOFTWARE UM MODELO DE ORGANIZAÇÃO DE FÁBRICAS DE SOFTWARE PARA REUSO DA INTERFACE HUMANO-COMPUTADOR Este artigo apresenta uma proposta para solução de problemas relacionados a má especificação de requisitos, inserindo conceitos relacionados a Engenharia de Software em um modelo de organização de fábricas de software, por meio de um Framework de automatização de Linhas de Produção com etapas do processo baseado em fluxogramas apoiados pelas técnicas para o desenvolvimento da Interface Humano-Computador, com o objetivo de melhoria da eficiência de projetos e produtos de Software. Palavras-chave: Interface Humano-Computador - Engenharia de Software - Fábricas de Software - Fluxogramas. 0847

2 Introdução Novas práticas de Engenharia de Software podem garantir a boa qualidade de um projeto de desenvolvimento de software sem afetar o prazo de sua execução. A união dos conceitos de Linhas de Produção de Software (LPS) e Interface Humano-Computador (IHC) (LYNCH & PALMITER, 2002), ambos como áreas afins da Engenharia de Software, pode proporcionar melhorias aos processos de desenvolvimento de software em Fabricas de Software, resolvendo problemas de qualidade do projeto, do produto e prazo para execução do projeto, resultando em um maior índice de acerto no levantamento dos requisitos e também maior rapidez na entrega do produto. 1 Contextualização do problema Em Linhas de Produção de Software o conceito de Fábrica de Software permeia em relação à padronização de todas as etapas da construção de software, que possam ser executadas, buscado uma especialização do profissional que a executa (Eduardo M. F. Jorge, 2011). Nas fábricas de software ou de programas as etapas de análise e projeto não são realizadas pela equipe, então, o programador desenvolve o seu trabalho a partir das especificações existentes em um documento de requisitos previamente elaborado. Nesta técnica de desenvolvimento as possibilidades do produto está em desacordo com o que foi planejado são grandes, pois não há contato direto dos desenvolvedores com a fase de análise e projeto. Os colaboradores envolvidos em um projeto com essa estruturação são passíveis de erros, principalmente erros relacionados ao mau entendimento da necessidade do usuário, este fato acaba sendo agravado pela falta de participação da análise e projeto, como consequência, ao final do trabalho o produto pode não ser entregue de acordo com o que o cliente solicitou. O problema principal a ser abordado neste trabalho diz respeito às Fábricas de Softwares estruturadas por células exemplificado na Seção 2.2, que também possuem problemas, como erros de especificação e de usabilidade, que implicam em retrabalho, o que provoca extrapolação do prazo, logo o problema de qualidade e prazo ficam evidenciados. 1.1 Motivação Atualmente existem técnicas de apoio a gestão de projetos usadas em organizações que operam em forma de fábricas, como o CMMI - Capability Maturity Model Integration e o MPS-Br. Assim como a norma 9126 da ISO que propõe atributos de qualidade para requisitos não-funcionais, com foco no produto, processo e qualidade de uso. Porém, apenas o uso dessas técnicas não garante qualidade ao processo e ao produto. Além disso, o mercado de softwares não é segmentado, pois muitas empresas de desenvolvimento não se especializam em um domínio específico da aplicação e desenvolvem software para qualquer finalidade e para qualquer tipo de cliente. Portanto, ao início de cada projeto é grande a curva de aprendizado para o entendimento do domínio da aplicação. Uma possível solução para lidar com esses problemas é buscar melhoria na especialização e divisão do trabalho, por isso é proposto neste artigo, para a fase de levantamento de requisitos, o uso da abordagem FAST (Family-oriented Abstraction, Specification and Translation) (Weiss e Lai, 1999) a qual separa a engenharia de domínio da engenharia da aplicação proporcionando para a solução de melhoria, a divisão do trabalho. A Engenharia de Domínio é um processo para o desenvolvimento de uma família de aplicações reusáveis em um domínio particular de problema e a Engenharia de Aplicações para a construção de uma aplicação específica da família a partir do reuso de artefatos de software previamente produzidos no processo da Engenharia de Domínio (Leite, A. Girardi, R, 2009). O uso da técnica FAST está sendo proposto conjuntamente com os conceitos Interface Humano- Computador para garantir usabilidade, os conceitos de Marketing tecnológico, para garantir o posicionamento correto da organização em relação ao mercado e o conceito de fábricas de software híbrido (Eduardo M. F. Jorge, 2011), o qual une modelo de organização de fábrica por célula com o modelo por projeto, essa é uma estrutura já utilizada em projetos. Espera-se a otimização dessa 0848

3 estrutura de fábrica de software por meio das melhorias propostas neste artigo. 1.2 Objetivos do Trabalho O objetivo deste trabalho é explorar o uso da abordagem de fábricas de Software híbrida no desenvolvimento de softwares. Especificamente o objetivo deste trabalho é especificar uma ferramenta para ajudar a eliminar problemas relacionados a Linha de Produção de Software, como especificação de requisitos e usabilidade e também reduzir problemas relacionados ao prazo de execução de projetos, causados por requisitos mal especificados. Também será discutido um novo modelo de fabricas de software hibrida estruturada de acordo com os conceitos de marketing e a abordagem FAST. Portanto, para minimizar os problemas citados, uma solução possível é o desenvolvimento de um mecanismo de apoio a LPS. A solução proposta é uma ferramenta de desenvolvimento, que tratará o projeto em termos de sua usabilidade, entendimento e domínio do negócio. Para tal é importante reunir as melhores heurísticas encontradas em soluções relacionadas e às práticas recomendadas pela literatura, é necessário também elaborar um catálogo com informações que possam servir de base para identificar o perfil da organização e também o nível dos usuários, assim espera-se dimensionar o projeto mais próximo dos requisitos que um software precisa possuir para ser aceitável pelos seus usuários. O uso dessa ferramenta pretende auxiliar na redução do tempo das avaliações heurísticas. Espera-se que com a proposta não seja necessário desenvolver um software por completo correndo o risco de ao final ser criticado por uma equipe de profissionais de IHC, ou até mesmo avaliar a cada etapa do desenvolvimento. Além disso, o Engenheiro de Software pode dosar o quanto o sistema precisa ser adaptável ás necessidades do usuário ou se pode ser um sistema de usabilidade genérica com design universal e adaptativo, resultando menos esforço no desenvolvimento de recursos de interface. 2 Conceitos Esta seção tratará dos conceitos envolvidos na proposta apresentada nesse trabalho para resolução dos problemas apresentados na Seção 1. Na Seção 2.1, serão abordados conceitos relacionados à Interface Humano-Computador e Marketing, na Seção 2.2, aqueles relativos às Linhas de Produção de Software. 2.1 Interface-Humano-Computador - IHC Encontra-se na literatura sobre IHC (NIELSEN, 1993) que os projetistas de softwares e profissionais de IHC buscam métodos rápidos e baratos de avaliação de interfaces. Para atender esse objetivo métodos de inspeção de usabilidade foram propostos com a promessa de oferecer informação de usabilidade de modo mais rápido e barato que o tradicional teste de usabilidade(nielsen, 1993). Entre as técnicas mais comuns encontram-se a avaliação heurística (ROCHA & BARANAUSKAS, 2003) e o percurso cognitivo (MACK & NIELSEN, 1994). O percurso cognitivo é uma técnica de inspeção de usabilidade, seu objetivo é avaliar o projeto no que se refere à facilidade de uso. Nessa técnica, o avaliador simula o usuário navegando na interface para executar tarefas típicas. Tarefas mais frequentes como login e cadastro, edição e exclusão de registros são as primeiras a serem analisadas, mas tarefas críticas, como recuperação de erro, também são percorridas. A técnica percurso cognitivo foi desenvolvida para interfaces que podem ser aprendidas de forma exploratória e interfaces que exigem muito treinamento. Avaliação heurística identifica problemas de usabilidade seguindo um conjunto de heurísticas ou diretrizes (guidelines) e baseia-se em melhores práticas definidas por especialistas de IHC, nas quais cada conjunto de elementos gráficos da interface, por exemplo, uma tela de cadastros, seus elementos e seu uso, deve ser analisado pelo seguinte grupo de heurísticas: 0849

4 -Visibilidade do estado do sistema: mantém o usuário informado sobre o estado do sistema através de feedback como mensagens de erro ou de confirmação de uma ação concluída; -Uso de conceitos, vocabulário e processos familiares aos usuários, fazendo correspondência com o mundo real; -Controle e liberdade do usuário: fornece alternativas e saídas de emergência, possibilidades de desfazer uma ação (undo) e refazê-la (redo); -Consistência e padronização: palavras, situações e ações semelhantes devem significar conceitos ou operações semelhantes; -Prevenção de erros: evita que o erro aconteça informando ao usuário as consequências de suas ações; -Reconhecimento em vez de memorização: torna objetos, ações e opções visíveis e compreensíveis; -Flexibilidade e eficiência de uso: oferece caminhos alternativos para uma mesma tarefa, permite que os usuários personalizem ações frequentes; -Design estético e minimalista: evita porções de informações irrelevantes; -Ajuda e documentação: devem ser fáceis de buscar, focadas no domínio e na tarefa do usuário, e devem listar passos concretos a serem efetuados para atingir seus objetivos. Estas heurísticas são relevantes no desenvolvimento de interfaces que se propõem a ser fáceis de aprender e com padrões reconhecidos por testadores de software como importante para se desenvolver um sistema de qualidade que possa ser usado de forma compatível às características dos grupos de usuários. A Figura 1 ilustra o objetivo principal de um projeto de interface genérica, que pode ser usada por níveis distintos de usuários, ou seja, os leigos e os experientes, separados na figura pelas circunferências verde e da azul, com uma pequena interseção que representa uma área em comum de usabilidade que deve ser explorada para alcançar uma interface que possa ser utilizada por qualquer usuário. Figura 1 Divisão dos grupos de usuários. 0850

5 As informações sobre níveis de usuários, perfil de organizações e o conteúdo sobre IHC necessárias neste trabalho estarão disponíveis na solução, que podem ser retiradas da literatura específica que traz o conceito de ciclo de adoção tecnológica (GEOFFREY MOORE, 1999), o qual define que cada cliente consumidor de software tem características próprias relacionadas com a competitividade e concorrência, a depender de qual fase ele está no ciclo de adoção tecnológica, exemplificado na Figura 1.2. Figura 1.2 Divisão do mercado e seus respectivos participantes. As empresas desenvolvedoras de software que buscam maior fatia do mercado consumidor devem passar pelo ciclo de adoção tecnológica desde sua criação. Para conseguir chegar a o mercado principal, a empresa desenvolvedora passa por este ciclo, no qual cada subdivisão possui consumidores com características diferentes no que diz respeito a tecnologia que consome, são eles os inovadores, visionários, pragmáticos e conservadores. A Figura 1.3 mostra algumas características de cada mercado consumidor, na seta amarela pode-se identificar os tipos de usuários, especialista e generalista, e também, apoiantes e ceticos, formando um plano cartesiano com diversos níveis de consumidores, os quadrados vermelhos apontam qual deve ser o foco de uma empresa que desenvolve sistemas. No quadrado tecnologia por exemplo, é informado que consumidores inovadores compram sistema acreditando na tecnologia, os visionários compram acreditando no sistema como um produto e os pragmáticos só compram o software se estiver no mercado principal, já conservadores apenas compram se a organização passar a imagem de companhia, ou seja, segurança no investimento, pois sabe-se que existe uma robustez econômica (GEOFFREY MOORE, 1999). 0851

6 Figura 1.3 Ciclo que mostra as mudanças de características dos consumidores de software. 2.2 Linhas de Produção de Software - LPS A construção de uma LPS possui estratégia similar ao do CMMI definida pela SEI - Instituto de Engenharia de Software (http://www.sei.cmu.edu), e indica que a Engenharia de Software, Gerência Técnica e Gerência Organizacional são as áreas centrais da estratégia de construção de uma LPS. (CLEMENTS e NORTHROP, 2002) afirmam que são três as atividades de construção de uma LPS, desenvolvimento do núcleo do artefato, desenvolvimento do produto e gerência da linha de produção. As Fábricas de Software caracterizam-se por atuarem em apenas uma porção do processo produtivo do software. Neste caso o insumo inicial é uma ordem de serviço acompanhada de toda a especificação do software a ser desenvolvido. Sendo assim, as etapas de modelagem do negócio, análise e projeto do sistema já foram feitas, cabendo à fábrica a execução das etapas de construção, testes e ajustes. Para fábricas organizadas por projetos, os profissionais são alocados nas etapas da construção do software, de acordo com o seu perfil e formação. Esta alocação ocorre na etapa de planejamento efetuado no inicio de cada projeto (Eduardo M. F. Jorge, 2011). A Figura 2 exemplifica a estrutura organizacional de uma fabrica de software orientada por células, na qual existem subdivisões técnicas, célula Java, célula.net, célula de testes, codificação e controle de qualidade. 0852

7 Figura 2 Fábrica de Software estruturada por celulas. Fonte:http://trac.assembla.com/auditMpsbr/ 3 Ferramentas Usadas na Solução Proposta Esta seção discute alguns trabalhos que propõem soluções relacionadas a proposta apresentada neste artigo. Seção 3.1, FAST e na Seção 3.2 o Framework Maker. 3.1 Abordagem FAST A FAST (Family-oriented Abstraction, Specification and Translation) (WEISS, 1999) é uma estratégia de desenvolvimento de família de produtos que proporciona a identificação de características comuns da análise do domínio, as funcões principais da FAST são: identificar o contexto, descrever o domínio, fornecer um conjunto de conceitos fundamentais, identificar as características comuns e variabilidades e identificar e registrar informações úteis durante a fase de análise e projeto. A Figura 3 ilustra a interação das etapas de produção da FAST, o insumo inicial é a análise do dominio que após implementada interage com o ambiente de produção da aplicação onde é desenvolvido o modelo da aplicação e a própria aplicação, o processo continua com o feedback entre a Engenharia de Domínio, Engenharia de Aplicação e o controle de qualidade. 0853

8 Figura 3 Estrutura do FAST. Fonte: (WEISS, 1999) 0854

9 10th International Conference on Information Systems and Technology Management CONTECSI 3.2 Framework Maker O Maker (http://www.softwell.com.br/) é uma ferramenta que possui uma linguagem de programação totalmente visual, possibilitando a rápida construção de sistemas corporativos de pequena, média e alta complexidade. A proposta apresentada neste artigo está baseada em alguns conceitos usados no Framework Maker como o desenvolvimento de softwares baseado em fluxogramas. O Maker abstrai a parte de codificação e implementação, atribuindo o trabalho de desenvolver a solução sob a responsabilidade de um especialista no domínio que analisa o negócio e então começa a desenvolver o fluxograma que servirá de entrada para a ferramenta Maker. A Figura 3.1 mostra a interface gráfica do Maker onde é possível ver no centro da tela um fluxograma que representa todo o processo do software a ser gerado Figura 3.1 Interface gráfica do Framework Maker. Fonte:pt.wikipedia.org 0855

10 4 Ferramenta de Apoio ao desenvolvimento de softwares em Fábricas Híbridas Este trabalho propõe a criação de uma ferramenta, semelhante ao Maker, para ser utilizada em Fábricas de Software híbrida, unindo o modelo por projeto com o modelo de células. Os papéis das células principais é fornecer o apoio a elaboração do percurso cognitivo e caracterização do usuário apartir de informações das entrevistas com os usuários. As células principais também realizarão a análise do domínio de acordo com a abordagem FAST, o papel das sub-células é realizar tarefas relacionadas a engenharia de aplicação, no caso, fazer a montagem dos releases e ajustes de interface. A ferramenta de apoio deverá gerar as telas e os fluxos de navegação para sub-células, nos quais cada tela terá os recursos de IHC implantados. Na ferramenta, o pacote de Geração de Navegação, presente na Figura 4, deve ter como entrada um fluxograma baseado no percurso cognitivo, identificado pelo usuário como o ideal, o sistema de Geração de Navegação retornará páginas HTML interligadas com opções de navegação, que podem ser reaproveitadas automaticamente a partir do catalogo de informações e também de um repositório de componentes comum, como ícones de avançar e voltar, conteúdo auto-explicativo, e assim, posteriormente, sejam acrescentados aos elementos de menor relevância no documento de requisitos. O diagrama ilustrado na Figura 4 descreve brevemente a arquitetura da ferramenta e também o processo de interação dos envolvidos, dos artefatos gerados no projeto e da estrutura organizacional da Fábrica de Software Híbrida. O engenheiro de software da célula de projeto, responsável pelas etapas do ciclo de desenvolvimento do projeto, interage com o Pacote de Engenharia de Aplicação e com o Módulo de Geração de Releases que gera os protótipos. O mesmo engenheiro de software e o analista de negócio da célula de negócio interagem com o Módulo de Gerência de Componentes, Perfil e IHC do Pacote de Engenharia de Domínio que serve para gerenciar os dados e os componentes necessários para que o módulo que gera os releases possa importar e utilizar no projeto. Então os desenvolvedores da sub-célula de projeto fazem a montagem dos releases para serem disponibilizados para os clientes validarem e assim dar continuidade no ciclo incremental do projeto. 0856

11 Figura 4 - Modelo de processo do Framework proposto. 0857

12 A Figura 5 representa como deve ser a estrutura organizacional da Fábrica de Softwares hibrida, mostrando como é a interação das células e sub-células, descrevendo todo o fluxo do processo de desenvolvimento. A célula de gerência de negócios alimenta o processo com as informações necessárias para início do projeto, também interage com as células principais de cada projeto em execução para especificar os detalhes do projeto através de módulos da própia ferramenta, o engenheiro de software na célula de projeto elabora o percurso cognitivo, define o grupo de usuários e especificando aos colaboradores das sub-células qual tipo de perfil pertence o projeto, o ciclo de desenvolvimento termina na sub-célula com os ajustes da solução gerada a partir do módulo de geração de navegação que irá gerar páginas HTML. Figura 5 - Estrutura da Fábrica de Software Hibrida. 0858

13 5 Conclusão e Trabalhos Futuros Este artigo buscou discutir as dificuldades enfrentadas pelas empresas que trabalham com linhas de produção de software. A pesquisa bibliográfica efetuada reuniu as soluções existentes no mercado: IHC, novos modelos de LPS, FAST e conceitos de marketing. Os benefícios esperados com a aplicação da solução proposta são: especialização e divisão do trabalho de equipe, categorizadas em Engenharia do Domínio e a Engenharia da Aplicação, potencializando cada uma dessas divisões da Fábrica de Software utilizada na solução. A solução também proporciona a disseminação da informação e conhecimento, pois todas as células interagem com as informações necessárias de análise e projeto, fazendo que os programadores fiquem envolvidos com o entendimento do negócio apesar da especialização e divisão do trabalho, este envolvimento ameniza as consequências desta separação. Em relação às próximas etapas deste estudo ficam pendentes a etapa de definição dos requisitos e as definições técnicas a respeito das tecnologias que podem ser utilizadas para o desenvolvimento da solução e também da ferramenta que será necessária para gerir os componentes, montar e gerar os releases. Outra etapa que será realizada é o preenchimento dos dados referentes às informações de perfil de clientes, nível dos usuários, heurísticas do IHC e os próprios componentes de tela. 0859

14 9 REFERENCIAS Clements, P. & Northrop, L.Software Product Lines: Practices and Patterns. Boston, MA: Addison-Wesley, Crossing the Chasm: Marketing and Selling High-tech Products to Mainstream Customers(1991, revised 1999) Eduardo M. F. Jorge Estrutura Organizacional Alternativa para Desenvolvimento de Software, em Fábrica de Software Universidade Federal da Paraíba (2011) Leite, A. Girardi, R. (2009) A Process for Multi-Agent Domain and Application Engineering: the Domain Analysis and Application Requirements Engineering Phases, In: 11th International Conference on Enterprise Information Systems (ICEIS 2009), Proceedings of the 11th International Conference on Enterprise Information Systems, Ed. INSTIIC. Milan, Italy. Lynch, G. and Palmiter, S. (2002) Design and Rapid Evaluation of Usable Web Sites, CHI2002 tutorial notes. Mack, R. & Nielsen, J. (1994) Usability Inspection Methods. New York, NY: John Wiley & Sons. Nielsen, J., Usability Engineering, Academic Press, Cambridge, MA,1993. Rocha, H. V. e Baranauskas, M.C. C., Design e Avaliação de Interfaces Humano- Computador, Campinas, SP:NIED/UNICAMP, WEISS, D. M.; LAI, C. T. R. Software product-line engineering: a family-based software development process. Addison-Wesley,

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT Jaqueline Rissá Franco email: jaquerifr@gmail.com Karla Marturelli Mattos Luciano Mathias Doll João Almeida Resumo: Este artigo mostra novas abordagens na

Leia mais

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS

CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CURSO: Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas SÉRIE: 3º Semestre TURNO: Noturno DISCIPLINA: ANÁLISE DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS CARGA HORÁRIA: 60 horas I - Ementa Modelagem de Processos

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

MODELAGEM DE UM SUBSISTEMA IMOBILIÁRIO UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE MODELING A REAL ESTATE SUBSYSTEM USING SOFTWARE PRODUCT LINES

MODELAGEM DE UM SUBSISTEMA IMOBILIÁRIO UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE MODELING A REAL ESTATE SUBSYSTEM USING SOFTWARE PRODUCT LINES MODELAGEM DE UM SUBSISTEMA IMOBILIÁRIO UTILIZANDO LINHAS DE PRODUTO DE SOFTWARE MODELING A REAL ESTATE SUBSYSTEM USING SOFTWARE PRODUCT LINES Silvia Ribeiro Mantuani 1 ; Fernando Henrique Campos 2 ; Vinícius

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências Referências Engenharia de Usabilidade Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Contribuição: Cláudio Márcio de Souza Vicente Gestus Hix, D.; Hartson, H. R. Developing User Interfaces: ensuring usability

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML RESUMO

AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML RESUMO AVALIAÇÃO DE INTERFACES DE FERRAMENTAS CASE PARA ELABORAÇÃO DE DIAGRAMAS DA UML Fábio Junior Alves Ernani Vinícius Damasceno Leandro Pinheiro Bevenuto RESUMO Um dos benefícios oferecidos pelas ferramentas

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Produto de Software Qualidade de Software Um produto de software compreende os programas e procedimentos de computador e a documentação e dados associados, que foram projetados para serem liberados para

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O

PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O PROPOSTA DE MELHORIA DA INTERFACE PARA O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Orientado: Nestor Vicente Soares Netto Orientador: André Luiz Zambalde Co-orientador: Ahmed Ali Abdalla Esmin Roteiro 1.

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina - FACAPE Centro de Engenharia e Ciências Tecnológicas CECT Curso de Ciência da Computação Desenvolvimento

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas

Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas Análise dos procedimentos adotados na integração do desenvolvimento de software com a Interação Humano-Computador em empresas Cristiano Cortez da Rocha, Eduardo Spolaor Mazzanti, Matheus Anversa Viera

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software Daniela Gibertoni¹, Mariana Trevisoli Gervino¹, Júlio C. C. Colombo¹, Fabian Venturini Cabau¹,

Leia mais

Essencial ao Desenvolvimento de Software

Essencial ao Desenvolvimento de Software Documento de Requisitos Essencial ao Desenvolvimento de Software De que se trata o artigo? Apresenta o documento de requisitos de software, destacando-o como um dos principais documentos pertinentes ao

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor Reuso de Software Aula 05 Agenda da Aula Linha de Produtos de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com 19 Março 2012 Padrões arquiteturais Cliente-Servidor

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 9 1 Introdução 1.1. Motivação Ao longo das últimas décadas, observou-se um aumento enorme na complexidade dos sistemas de software desenvolvidos, no número de profissionais que trabalham nesta área, na

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

Levantamento de Requisitos.

Levantamento de Requisitos. FACULDADES INTEGRADAS MATO-GROSSENSES DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS RESUMO Levantamento de Requisitos. Leandro Cícero da Silva Mello. Prof. Jeanine Ferrazza Meyer Metodologia e Técnica de Pesquisa- Levantamento

Leia mais

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software

Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Projeto: Simul-e Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 12.09.2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline 20.10.2015 1.0 Atualização

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução aos Processos de Software: modelos e ciclo de vida de software Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Engenharia de Sistemas de Computador

Engenharia de Sistemas de Computador Engenharia de Sistemas de Computador Sistema é um conjunto ou disposição de elementos que é organizado para executar certo método, procedimento ou controle ao processar informações. Assim, o que é um Sistema????????

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Software Evolução do Software Engenharia de Software Modelo Espiral Software Software Definição Conjunto de instruções que manipulam estruturas de dados (informação) Composição

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais