Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adaptações. Estruturais. Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR"

Transcrição

1 Adaptações EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Márcio Oliveira de Souza Estruturais Funcionais em Repouso Funcionais em Exercício EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO NA FREQUÊNCIA CARDÍACA 45 ATIVIDADE SIMPÁTICA PARA O CORAÇÃO 42±5 FC (bat.min -1 ) Alta intensidade Baixa intensidade Heart Rate (bpm) IHR 38±3 ST VT 369±5 34±3 IHR 299±3 ST VT 358±4 329±4 287±3 28 HT LT 25 ENTARY TRAINED NEGRÃO et al. (199 ) VOLUME SISTÓLICO LEI DE FRANK-STARLING VOLUME DIASTÓLICO FINAL DISTENSÃO DO MIOCÁRDIO VOLUME SISTÓLICO FINAL TENSÃO GERADA CONTRATILIDADE CONTRATILIDADE

2 TF E HIPERTROFIA MIOCÁRDICA DÉBITO CARDÍACO E PRESSÃO ARTERIAL PRESSÃO ARTERIAL= DC X Atleta de endurance Sedentário Atleta de força Débito cardíaco Frequência cardíaca Bat./min Volume sistólico ml/bat. EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO DEBITO CARDÍACO AERÓBIO VS x FC = DC EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO NO DÉBITO CARDÍACO TREI ATLETA FORÇA VS x FC = DC 4 2 FC VS DC WILMORE E COSTILL, 1994 TREINAMENTO DE FORÇA VS FC DC COR ALT EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO NA RESISTÊNCIA VASCULAR PERIFÉRICA TREI ATLETA Fisman et al. Am.J.Cardiol. 79:355-9,1997 WILMORE E COSTILL, 1994

3 TREINAMENTO DE FORÇA EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO NA PRESSÃO ARTERIAL 35 3 COR ALT Média de 24 Horas (unidades) PAM -Repouso () TR C () PAS PAM PAD Fisman et al. Am.J.Cardiol. 79:355-9,1997 (Jovens Normotensos) Pré - treino Pós - treino TREINAMENTO DE FORÇA () PAS PAM PAD COR ALT EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO PRESSÃO ARTERIAL Normotenso: AERÓBIO - DC x = PA FORÇA - DC x = PA Fisman et al. Am.J.Cardiol. 79:355-9,1997 EFEITO DO TF NA FUNÇÃO CARDÍACA EM REPOUSO DÉBITO CARDÍACO FREQUÊNCIA CARDÍACA VOLUME SITÓLICO EFEITO DURANTE O EXERCÍCIO PRESSÃO ARTERIAL

4 FREQUÊNCIA CARDÍACA ENTARY TRAINED 55 5 VAGAL EFFECT VAGAL EFFECT HR (bpm) 45 4 SYMPATHETIC EFFECT SYMPATHETIC EFFECT 35 3 Rest Rest NEGRAO et al. (199 ) VOLUME SISTÓLICO DÉBITO CARDÍACO Mc Ardle PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA RESPOSTA AO EXERCÍCIO RESISTIDO 2 () 2 15 Pré Pós Levantador Novato REP WATTS Adaptado de Fleck & Dean. J. Appl. Physiol. 63:116-2, Hoof et al.am.j.cardiol. 63:945-9,1989

5 RESPOSTA AO EXERCÍCIO RESISTIDO DOENÇA CARDIOVASCULAR NO BRASIL () Pós Pós ,5 (% de 1 RM) Principais Causas de Morte no Brasil (1997) Total de mortes Doenças Cardiovasculares (28%) Causas Externas (13%) Neoplasias (12%) Infecciosas ( 5%) Endócrinas 3871 ( 4%) Sale et al. Can. J. Appl. Physiol. 19:6-74, HIPERTENSÃO ARTERIAL PA= DC X HIPERTENSÃO ARTERIAL Débito cardíaco Frequência cardíaca Bat./min Volume sistólico ml/bat. Resistência Vascular Periférica Vaso normal Hipertensão HIPERTENSÃO ARTERIAL Aumento mantido da pressão arterial acima do normal e/ou uso de medicamento anti-hipertensivo. PRESSÃO ARTERIAL RISCO DE LESÃO DE ÓRGÃOS-ALVO PA SISTÓLICA PA DIASTÓLICA NORMAL <13 <85 LIMÍTROFE HIPERT. LEVE HIPERT. GRAVE CORAÇÃO CÉREBRO RIN VASOS

6 HIPERTENSÃO ARTERIAL - IM - AVC ISQUÊMICO PRESSÃO ARTERIAL E AVC HEMORRÁGICO PLACA DE GORDURA LESÃO POR ATRITO ROMPIMENTO DO VASO PA PA Qual a causa da hipertensão? Hipertensão Primária ou Essencial Sem causa conhecida (95% dos casos) O EXERCÍCIO FÍSICO REDUZ A PRESSÃO ARTERIAL DE HIPERTENSOS? Hipertensão Secundária Consequência de outra doença CASOS DE HAS P/ 1. HOMENS / ANO Atividade Física 97,8 9 82, <5 2+ EXERCÍCIO (KCAL/SEMANA) Incidência de hipertensão PREVENÇÃO Paffenbarger et al. Annals of Medicine. 23:319-27, 1991 TREINAMENTO FISICO E HIPERTENSÃO ARTERIAL PA EFEITO SOBRE A MEDIDA CLÍNICA B Tempo em meses PAS PAD Jennings et al., J. Hypertension 1996, 4 (suppl 6) S659-61

7 FC VS DC FC CONT/ALTA/BAIXA 3 fc cont/5% /8% PA AO LONGO DAS SESSÕES DE TREINAMENTO PAD PAM (P<,5) PA Ratos SHR Cont. Alta Baixa PAS PAD PAM Véras-Silva et al. (1997) INTENSIDADE FC BPM PAS PAM PAD VO2 Ml/kg/min Humanos Cont. 5% 8% VO2 MAX Rogers et al. J. (1996) MECANISMOS PRESSÃO ARTERIAL DÉBITO CARDÍACO RATOS SHR DC (ml/min) 2 1,6 1,2,8,4 (.ml.min.1g) ALTA BAIXA ALTA BAIXA DÉBITO CARDÍACO RESISTÊNCIA VASCULAR PERIFÉRICA FC (BPM) ALTA BAIXA,8,6,4,2 VS (ml.bat -1.1g -1 ) ALTA BAIXA Véras-Silva et al. Am. J. Physiol. 273 (Heart Circ. Physiol.):H , 1997 DÉBITO CARDÍACO - HUMANOS DÉBITO CARDÍACO - FATORES NEURAIS () pré 6 meses 12 meses PAS PAM PAD HIPERTENSOS IDOSOS Débito Cardíaco Frequência Cardíaca Volume Sistólico HR (bpm) TÔNUS SIMPÁTICO ST ST ST VT VT VT SHRS SHRT Seals & Reiling, 1991 Hypertension, 18: Gava et al, Hypertension 1995; 26(part 2):

8 RESISTÊNCIA VASCULAR PERIFÉRICA ANS PA= DC X PA RESITÊNCIA VASCULAR PERIFÉRICA RESPOSTA VASODILATADORA 6 5 Fluxo sanguíneo 4 do antebraço 3 ml/min/1ml de tecido Tempo - segundos (pós oclusão) Pré-treino Pós-treino Higashi et al. 1999, Hypertension; 33 (pt 2): RESISTÊNCIAVASCULAR PERIFÉRICA FATORES LOCAIS SUMÁRIO Com Óxido Nítrico Fluxo sanguíneo do antebraço ml/min/1ml de tecido sem Óxido Nítrico Pré-treino Pós-treino Tempo - segundos (pós oclusão) Adaptado: Higashi et al. 1999, Hypertension; 33 (pt 2): PA DC FC Bradicardia de repouso VS Pouca modificação ANS Vasodilatação Fatores locais Inverter ordem EXERCÍCIOS RESISTIDOS EFICIÊNCIA PRESSÃO ARTERIAL 11 ESTUDOS (14 TR e 12 CO) Amostra - Homens e mulheres NT e HT Com e sem drogas Treino 6 a 3 semanas 2 a 5 vezes/sem 3 a 9% CVM 1 a 4 séries 6 a 14 exercícios 2 a 6 min META - ANÁLISE RESULTADO PAS repouso - 2% 3 ± 3 PAD repouso - 4% 3 ± 2 Adaptado de Kelley & Kelley Hypertension 35:383, 2. PAS () PAD () HT 9 sem - 3xsem 3 s - 2 a 25 rep -4% CVM - 1 exe Adaptado de Harris Holly. e Med. Sci. Sports Exerc. 19:246-52, 1987.

9 EFICIÊNCIA PRESSÃO ARTERIAL 14 1 PAS sentado () PAD sentado () TREINAMENTO FÍSICO NA REABILITAÇÃO CARDÍACA PAS 24 horas () PAD 24 horas () NT e HT - 48 s 3xsem 12rep 6exe 7-9%CVM Hoof et al. Int.J.Sport Med 17:415-22,1996 Doença da Artéria Coronária (DAC) Doença Isquêmica do Coração (DIC) Insuficiência Coronariana (IC) DAC OBSTRUÇÃO CORONÁRIA MORTES 1% no Brasil 15% nas grandes cidades (SP, RJ, Florianópolis, Porto Alegre, etc), Normal Ocluída EVOLUÇÃO DA PLACA DE ATEROMA CONSEQUÊNCIAS DA PLACA DE ATEROMA Cresce lentamente 5% 7% 7% Repouso - OK Esforço - falta sangue - Dor - ECG - Repouso (isquemia) (angina) 5% 7% Vaso contrai espasmo 8-9 % Falta sangue - Dor - ECG - Remédio (isquemia) (angina) Hospital 5% Solta o trombo (obstrui vaso menor) 1 % Falta sangue - INFARTO - Dor - Morte Súbita (isquemia total) Muito forte

10 Fluxo Miocárdio (ml/min) ISQUEMIA Normal Lesão 5% Lesão 75% Lesão 9% Duplo Produto (FC X PA) isquemia EFEITOS DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO NA CIRCULAÇÃO CORONÁRIA 5% 3% Aumenta o vaso vasodilatação Forma novos vaso angiogênese Vasodilatação Coronariana DUPLO PRODUTO Fluxo Coronariano (ml/min/1g) CONTROLE TREINADO Basal Adenosina (FC x PAS x 1-3 ) CARGA 1 CARGA 2 Pré Pós Laughin. JAP 58:468-76,1985 Ehsani et al. Circulation 64: ,1981 ISQUEMIA DESNÍVEL SEGMENTO ST (mm) CARGA 1 CARGA 2 Pré Pós Diminui isquemia para determinada carga Ehsani et al. Circulation 64: ,1981

FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO

FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO RESPOSTAS CARDIOVASCULARES FC VS DC RVP PAS PAM PAD DP TIPO DE EXERCÍCIO Dinâmico ou Isotônico Estático ou Isométrico Contração muscular e movimento

Leia mais

Doenças cardiovasculares e exercício. Prof. Márcio Oliveira de Souza marciofisiol@yahoo.com.br

Doenças cardiovasculares e exercício. Prof. Márcio Oliveira de Souza marciofisiol@yahoo.com.br Doenças cardiovasculares e exercício Prof. Márcio Oliveira de Souza marciofisiol@yahoo.com.br Fatores de risco modificáveis TROCAR FIGURAS Hipertensão Obesidade (PA >140/90 mmhg) (IMC >30 kg/m2) Sedentarismo

Leia mais

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Hipertensão Arterial - Exercício Hipertensão Arterial

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 www.avaliacaoja.com.br Prof. Me Alexandre Rocha

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

Journal of Applied Physiology Outubro 2009

Journal of Applied Physiology Outubro 2009 INFLUÊNCIA DO COMANDO CENTRAL E ATIVAÇÃO DE AFERÊNCIAS MUSCULARES SOBRE A VELOCIDADE DO SANGUE NA ARTÉRIA CEREBRAL ANTERIOR EM RESPOSTA A EXERCÍCIO DE PANTURRILHA EM HUMANOS Lauro C. Vianna 1,2, Claudio

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

Espécie humana: evoluiu de/para AF diária e dieta rica em fibras vegetais, desenvolvendo uma extraordinária capacidade funcional de reserva

Espécie humana: evoluiu de/para AF diária e dieta rica em fibras vegetais, desenvolvendo uma extraordinária capacidade funcional de reserva Espécie humana: evoluiu de/para AF diária e dieta rica em fibras vegetais, desenvolvendo uma extraordinária capacidade funcional de reserva Sujeitos VO 2 Max. (ml.min - ¹) Freqüência Cardíaca Volume Sistólico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO

FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO TIPO DE EXERCÍCIO Dinâmico ou Isotônico Estático ou Isométrico Contração muscular e movimento articular Contração muscular sem movimento articular

Leia mais

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani

II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste. Dr. Maurício Milani Teste ergométrico II Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Centro-Oeste Dr. Maurício Milani 15/08/2009 Teste ergométrico Método para avaliar a resposta cardiovascular ao esforço físico

Leia mais

Como Avaliar o Teste Ergométrico Para a Prática de Exercício. Profa. Dra. Cláudia L. M. Forjaz Escola de Educação Física e Esporte

Como Avaliar o Teste Ergométrico Para a Prática de Exercício. Profa. Dra. Cláudia L. M. Forjaz Escola de Educação Física e Esporte Como Avaliar o Teste Ergométrico Para a Prática de Exercício Profa. Dra. Cláudia L. M. Forjaz Escola de Educação Física e Esporte cforjaz@usp.br ROTINA DO CLIENTE Avaliação condição de saúde condição física

Leia mais

Bases fisiopatológicas das principais doenças cardíacas. Lígia M Antunes-Correa antunes-correa@hotmail.com

Bases fisiopatológicas das principais doenças cardíacas. Lígia M Antunes-Correa antunes-correa@hotmail.com Bases fisiopatológicas das principais doenças cardíacas Lígia M Antunes-Correa antunes-correa@hotmail.com Doenças crônicas não transmissíveis - DCNT As DCNT são um problema de saúde global e uma ameaça

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

Fisiologia do Esforço

Fisiologia do Esforço Fisiologia do Esforço Curso PEB Educação Física 8º Semestre 2008/09 Capítulo IV Sistemas Fisiológicos de Suporte 2. Adaptações Cardiovasculares 2.1. O sistema Cardiovascular 2.2. Regulação Cardiovascular

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm).

ESTRUTURA FREQUÊNCIA CARDÍACA 09/06/2013. O número de batimentos cardíacos por unidade de tempo, geralmente expresso em batimentos por minuto (bpm). Revisar alguns conceitos da fisiologia cardiovascular; Revisar alguns conceitos da fisiologia do exercício do sistema cardiovascular; Estudar as adaptações do treinamento aeróbico e de força no sistema

Leia mais

Reabilitação Cardíaca A reabil

Reabilitação Cardíaca A reabil Reabilitação Cardíaca Reabilitação Cardíaca A reabilitação cardiovascular (RCV) pode ser conceituada como um ramo de atuação da cardiologia que, implementada por equipe de trabalho multiprofissional, permite

Leia mais

Riscos e Benefícios do Exercício de Força...

Riscos e Benefícios do Exercício de Força... Riscos e Benefícios do Exercício de Força... Tratamento da Hipertensão Medicamentoso + Não Medicamentoso Anti-hipertensivos Mudanças dos hábitos de vida Recomendação de Exercícios Físicos para Prevenção

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

17/08/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Exercício e CORONARIOPATA

17/08/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Exercício e CORONARIOPATA Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Exercício e CORONARIOPATA 1 DEFINIÇÃO CORONARIOPATIA? Patologia associada à

Leia mais

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO Profa. Dra. Monica Akemi Sato Pressão Arterial O que é? É a força exercida pelo sangue sobre as paredes do vaso, sofrendo mudanças contínuas durante todo o tempo,

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Preparo Físico Termo geral usado para descrever a habilidade para realizar trabalho físico. A execução de trabalho físico requer: - funcionamento cardiorrespiratório - força muscular

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial

Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial 89 Exercício físico, hipertensão e controle barorreflexo da pressão arterial Carlos Eduardo Negrão, Maria Urbana P. Brandão Rondon Resumo O exercício físico agudo e crônico, desde que adequadamente planejado

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS

ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia 65 ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO E A EFICÁCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA EM IDOSOS RESUMO Sônia Darque do Nascimento Brandão Thomaz Décio Abdalla

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

PA = DC x RVP. Coração Débito Cardíaco 01/05/2014 CIRCULAÇÃO SISTÊMICA CIRCULAÇÃO PULMONAR HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Cava. Pul.

PA = DC x RVP. Coração Débito Cardíaco 01/05/2014 CIRCULAÇÃO SISTÊMICA CIRCULAÇÃO PULMONAR HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Cava. Pul. HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA CIRCULAÇÃO SISTÊMICA Pressão Ao 98 90 60 18 12 6 3 mm Hg Cava Prof. Moacir Leomil Neto M.V. Msc. PhD. PUC Minas campus Poços de Caldas VESP Especialidades Veterinárias Pressão

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular (Hemodinâmica) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação:

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação: TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA Observação: Exposição dos temas livres TL 01 a TL 21 sexta de 08h as 12h, com apresentação 09:45h Exposição dos temas livres TL

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO CONCORRENTE E DO DESTREINAMENTO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL DE MULHERES HIPERTENSAS

EFEITO DO TREINAMENTO CONCORRENTE E DO DESTREINAMENTO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL DE MULHERES HIPERTENSAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA EFEITO DO TREINAMENTO CONCORRENTE E DO DESTREINAMENTO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL DE MULHERES HIPERTENSAS

Leia mais

Riscos e Benefícios do Exercício de Força...

Riscos e Benefícios do Exercício de Força... Riscos e Benefícios do Exercício de Força... HAS - Visão Atual É uma doença crônico-degenerativa de natureza multifatorial, na grande maioria dos casos, assintomática, que compromete fundamentalmente o

Leia mais

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

Pesquisador em Ciências do Esporte Celafiscs 1990 Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU - 2003 Mestrando

Pesquisador em Ciências do Esporte Celafiscs 1990 Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU - 2003 Mestrando Cardiopatias e exercício Prof. Nivaldo Higajo Pesquisador em Ciências do Esporte Celafiscs 1990 Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU - 2003 Mestrando em Fisiologia

Leia mais

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca Protocolo de Choque no Pósoperatório de Cirurgia Cardíaca Acadêmico Lucas K. Krum Prof. Dr. Mário Augusto Cray da Costa Choque no pós operatório da CC Função miocárdica declina nas 6 a 8 horas iniciais

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

Atividade Física e Cardiopatia

Atividade Física e Cardiopatia AF e GR ESPECIAIS Cardiopatia Atividade Física e Cardiopatia Prof. Ivan Wallan Tertuliano E-mail: ivantertuliano@anhanguera.com Cardiopatias Anormalidade da estrutura ou função do coração. Exemplos de

Leia mais

REABILITAÇÃO CARDÍACA

REABILITAÇÃO CARDÍACA REABILITAÇÃO CARDÍACA Reabilitação cardíaca Reabilitação de pacientes cardíacos: atividades necessárias para assegurar as melhores condições físicas, sociais e mentais possíveis, de maneira que eles sejam

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA ENVELHECIMENTO Prof. Hassan Mohamed Elsangedy hassanme20@hotmail.com Hassan M. Elsangedy, MS. Especialização em Fisiologia do Exercício - 2009 1 INCIDÊNCIAS Hassan M. Elsangedy,

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

por Jayson Eduardo Corrêa Orientador Prof. Osni Jacó da Silva

por Jayson Eduardo Corrêa Orientador Prof. Osni Jacó da Silva COMPARAÇÃO DA APTIDÃO FÍSICA EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA QUE RECEBEM DUAS OU TRÊS SESSÕES DE EXERCÍCIOS SEMANAIS por Jayson Eduardo Corrêa Orientador

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO COM NATAÇÃO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR DE RATOS NORMOTENSOS RESUMO

EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO COM NATAÇÃO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR DE RATOS NORMOTENSOS RESUMO 7 CDD.20.ed. EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO COM NATAÇÃO SOBRE O SISTEMA CARDIOVASCULAR DE RATOS NORMOTENSOS Alessandra MEDEIROS * Rosana Maria GIANOLLA* Luciana Mara Pinto KALIL* Reury Frank P. BACURAU*

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com alexandre.rocha.944 ProfAlexandreRocha @Prof_Rocha1 prof.alexandrerocha Docência Docência Personal Trainer

Leia mais

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Universidade Federal Fluminense Depto. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Profa. Elisabeth Maróstica HIPERTENSÃO ARTERIAL Doença cardiovascular mais comum

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Quem é o Idoso? ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS)

Leia mais

PAUL.SSII.renatocosta.net/MOD 5.2 5.3

PAUL.SSII.renatocosta.net/MOD 5.2 5.3 PAUL.SSII.renatocosta.net/MOD 5.2 5.3 1 DEFINIÇÃO Excesso de [glicose ] no sangue HIPERGLICEMIA Factores hereditários Factores genéticos Factores comportamentais Factores ambientais Que tipos de diabetes

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

Atividade Física e Hipertensão Arterial Sistêmica. Profa. Dra. Bruna Oneda

Atividade Física e Hipertensão Arterial Sistêmica. Profa. Dra. Bruna Oneda Atividade Física e Hipertensão Arterial Sistêmica Profa. Dra. Bruna Oneda professora@brunaoneda.com.br www.brunaoneda.com.br Hipertensão arterial sistêmica Síndrome multicausal e multifatorial caracterizada

Leia mais

Dissecção Aguda da Aorta

Dissecção Aguda da Aorta Dissecção Aguda da Aorta SD de Dissecção Aguda da Aorta PAM não invasiva, monitorização cardíaca, débito urinário, acesso IV com Gelco 14(02). Se choque / ICC ou hipotensão instalar Swan-Ganz para PCP,

Leia mais

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP Tomografia Técnica baseada em radiografia com uso colimadores para restringir feixes Realizada na mesma fase do ciclo cardíaco

Leia mais

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR Uma viagem a quatro mãos Doença coronária Uma das principais causas de morte no mundo ocidental Responsável por 1 em cada 6 mortes nos E.U.A. 1 evento

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio

BE066 - Fisiologia do Exercício. Consumo Máximo de Oxigênio BE066 - Fisiologia do Exercício Consumo Máximo de Oxigênio Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos Conceituar Consumo Máximo de Oxigênio Descrever os Fatores que influenciam o VO2max Meios para determinação

Leia mais

Efeito agudo tardio de diferentes intensidades de esforço sobre os valores da pressão arterial durante o sono

Efeito agudo tardio de diferentes intensidades de esforço sobre os valores da pressão arterial durante o sono Artigo Original Efeito agudo tardio de diferentes intensidades de esforço sobre os valores da pressão arterial durante o sono Acute effect of different intensities of stress on the values of blood pressure

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

Introdução ao Sistema Cardiovascular Propriedades da Fibra cardíaca Regulação da FC: Efeitos do Exercício. Lisete C. Michelini

Introdução ao Sistema Cardiovascular Propriedades da Fibra cardíaca Regulação da FC: Efeitos do Exercício. Lisete C. Michelini Introdução ao Sistema Cardiovascular Propriedades da Fibra cardíaca Regulação da FC: Efeitos do Exercício Lisete C. Michelini Para que serve o Sistema Cardiovascular? Organismos Unicelulares (não necessitam

Leia mais

Consumo Máximo de Oxigênio

Consumo Máximo de Oxigênio Consumo Máximo de Oxigênio Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Consumo Máximo de Oxigênio VO2max BE066 Sistema Portátil K4b 2 BE066 VO2max Definição: É a razão máxima de O2 que uma pessoa pode absorver,

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

Respostas cardiovasculares decorrentes de um programa de treinamento físico misto, musculação e aeróbio: um estudo de caso

Respostas cardiovasculares decorrentes de um programa de treinamento físico misto, musculação e aeróbio: um estudo de caso PERQUIRĔRE Revista do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão do UNIPAM (ISSN 186-6399) Patos de Minas: UNIPAM, n. 7, vol. 1: 72-82, ago. 21 Respostas cardiovasculares decorrentes de um programa

Leia mais

Atividade Física e Hipertensão Arterial Sistêmica. Profa. Dra. Bruna Oneda

Atividade Física e Hipertensão Arterial Sistêmica. Profa. Dra. Bruna Oneda Atividade Física e Hipertensão Arterial Sistêmica Profa. Dra. Bruna Oneda professora@brunaoneda.com.br www.brunaoneda.com.br Hipertensão arterial sistêmica Síndrome multicausal e multifatorial caracterizada

Leia mais

ERC07 CADERNO 1 EDUCADOR FÍSICO REABILITAÇÃO CARDÍACA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA AGENDA

ERC07 CADERNO 1 EDUCADOR FÍSICO REABILITAÇÃO CARDÍACA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA AGENDA EDUCADOR FÍSICO REABILITAÇÃO CARDÍACA ERC07 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

Índice Remissivo do Volume 91-2008

Índice Remissivo do Volume 91-2008 Por Assunto A Acidente cerebrovascular/complicações Acidente vascular na doença de Chagas, 306 Abscesso Opção para tratamento de abscesso aórtico, 72 Acesso radial Acesso ulnar Angioplastia primária pelo

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO E AS VALÊNCIAS FÍSICAS RELACIONADAS À SAÚDE

EXERCÍCIO FÍSICO E AS VALÊNCIAS FÍSICAS RELACIONADAS À SAÚDE DISCIPLINA: Educação Física II CARGA HORÁRIA: 40hs PROFESSOR(A): Paulo Fernando Mesquita Junior paulo.junior@ifc-sombrio.edu.br EXERCÍCIO FÍSICO E AS VALÊNCIAS FÍSICAS RELACIONADAS À SAÚDE APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR E RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR E RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR E RESPIRATÓRIA RIA Daniel Godoy Martinez E-mail: danielgmartinez@usp.br Juíz de Fora-MG 2009 FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR E RESPIRATÓTIA Coração Sistema Cardiovascular Sistema Respiratório

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

Riscos e Benefícios. Ms. Sandro de Souza

Riscos e Benefícios. Ms. Sandro de Souza Riscos e Benefícios Ms. Sandro de Souza HAS - Visão Atual É uma doença crônico-degenerativa de natureza multifatorial, na grande maioria dos casos, assintomática, que compromete fundamentalmente o equilíbrio

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Aula prática - ECG Aula prática Medida de PA Conceitos e funções do

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

EFEITO DAS DROGAS NO CORAÇÃO

EFEITO DAS DROGAS NO CORAÇÃO EFEITO DAS DROGAS NO CORAÇÃO Dra. Ana Paula Cabral Ramidan 2º CURSO DE FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES EM PREVENÇÃO ÀS DROGAS CORAÇÃO FONTE: http://www.google.com/imgres?imgurl=http://1.bp.blogspot.com/-hrgazxrptx4/tu8antmk2ai/aaaaaaaake0/mkgmvoud1fa/s1600/coracao.jpg&imgrefurl=http://toinhoffilho.blogspot.com/2011/12/cienciasvale-apensa-saber-coracao-uma.html&usg=

Leia mais

Café Doença Cardiovascular

Café Doença Cardiovascular Café e Doença Cardiovascular Dr. Miguel A. Moretti Coordenador de Pesquisa Médica da Unidade de Café e Coração miguel.moretti@incor.usp.br Café e Doenças Cardiovasculares Consumo per capita anual EUA 3,8

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física Marcos Abibi Tavares da Cunha Petrous André Monteiro Cesário RESPOSTAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

EFEITO HIPOTENSOR PÓS-EXERCÍCIO RESISTIDO EM HIPERTENSOS E SEUS MECANISMOS ENVOLVIDOS

EFEITO HIPOTENSOR PÓS-EXERCÍCIO RESISTIDO EM HIPERTENSOS E SEUS MECANISMOS ENVOLVIDOS EFEITO HIPOTENSOR PÓS-EXERCÍCIO RESISTIDO EM HIPERTENSOS E SEUS MECANISMOS ENVOLVIDOS Jucyara da Silva Coelho 1 ; Roberta Rocha Férrer Pompeu 2 Educadora Física Faculdade de Saúde, Ciências Humanas e Tecnológicas

Leia mais

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves Tratamento da Insuficiência Cardíaca Profª Rosângela de Oliveira Alves Insuficiência Cardíaca Causas Insuficiência miocárdica Regurgitação valvular l Disfunção diastólica Sinaisi congestão e edema débito

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE MARCOS ANTONIO MARINO COORDENADOR DEPARTAMENTO DE HEMODINÂMICA, CARDIOLOGIA E RADIOLOGIA VASCULAR INTERVENCIONISTA CONFLITO DE INTERESSES

Leia mais

30/07/2013. Ecocardiografia: PAPs = 64 mmhg VRT = 4,6 m/s Derrame pericárdico = ausente TAPSE = 2,8 cm

30/07/2013. Ecocardiografia: PAPs = 64 mmhg VRT = 4,6 m/s Derrame pericárdico = ausente TAPSE = 2,8 cm Hipertensão Arterial Pulmonar Idiopática (HAPI) Caso Clínico IV Curso Nacional de Circulação Pulmonar 28-2929 de Junho de 2013 - São Paulo SBPT Hugo Hyung Bok Yoo Pneumologia Jun/2010:, 39 anos, mecânico,

Leia mais

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Tipos de Drogas Utilizadas em UTI Drogas Vasoativas; Sedação e Analgesia: Antibióticos; Medicamentos especiais: Imunoglobulinas,

Leia mais

VARIAÇÃO CARDIOVASCULAR DECORRENTE DE TREINAMENTO COM ISOSTRETCHING

VARIAÇÃO CARDIOVASCULAR DECORRENTE DE TREINAMENTO COM ISOSTRETCHING Resumo VARIAÇÃO CARDIOVASCULAR DECORRENTE DE TREINAMENTO COM ISOSTRETCHING Marília Felipe Bezulle 1, Fátima Aparecida Caromano 1, Tatiana Affonso Calisse 1, Priscila de Souza 1, Jecilene Rosana Costa-Frutuoso

Leia mais

Teste ergométrico: e teorema de Bayes

Teste ergométrico: e teorema de Bayes Teste ergométrico: Conceitos básicos b e teorema de Bayes Prof. Dr. Tales de Carvalho (SC) Doutor em Medicina pela USP (Área de Patologia); Professor da Universidade do Estado de Santa Catarina; Diretor

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA

8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA 8º Congresso de Pós-Graduação INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO FÍSICO AERÓBIO SOBRE A PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA DE SUJEITOS COM DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA Autor(es) TAIS MENDES DE CAMARGO Co-Autor(es) ESTER

Leia mais