Impacto das incertezas da previsão da demanda no planejamento detalhado da produção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impacto das incertezas da previsão da demanda no planejamento detalhado da produção"

Transcrição

1 P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 10, n. 1, p , 2012 Impacto das incertezas da previsão da demanda no planejamento detalhado da produção Demand uncertain impact on materials requirements planning Fábio Favaretto 1 RESUMO: A ocorrência de incertezas no planejamento detalhado da produção é um problema largamente relatado acadêmica e empresarialmente. Estas incertezas são vistas geralmente como inerentes aos processos, e a linha de ação normalmente sugerida é a criação de folgas que absorvam esta incerteza. A principal folga sugerida são os estoques de segurança. O principal objetivo deste artigo é analisar o impacto das incertezas da demanda usadas no planejamento detalhado da produção, em cenários com diferentes estoques de segurança. Para isso será desenvolvido um ambiente controlado que faz a simulação do planejamento detalhado da produção considerando a demanda real e a demanda prevista para o mesmo período, sendo esta última sujeita a incertezas. Foram criados quatro cenários com diferentes estoques de segurança. Como resultado foi encontrado que quanto maior o estoque de segurança utilizado mais insensível fica o resultado do planejamento detalhado aos impactos da incerteza da demanda. Concluiu-se que o planejamento detalhado da produção deve dimensionar seu estoque de segurança (ES), de acordo com o desvio padrão de sua demanda e com o risco a ser assumido de faltas de material em estoque. Palavras-chave: Planejamento da Produção; Incerteza; Simulação; Previsão da Demanda; Estoque de Segurança. ABSTRACT: Each enterprise is subject of uncertain in materials management. Problems in materials requirements planning caused by demand uncertain are largely related in literature. These uncertain are usually seen as part of the process and are treated by using a backlash to absorb this uncertain. Main backlash used are safety stocks, and the more the uncertain, the more the quantity in safety stock. This article main goal is to analyze demand uncertain impact on materials requirements planning, in scenarios with distinct safety stocks. A controlled environment will be created for simulating a material requirements planning using both real demand and uncertain demand. There were created four scenarios with distinct safety stocks. As a result was found that the great the safety stock the more robust are material requirement planning. It can be concluded that material requirement planning must consider a safety stock that balance a material shortage and demand uncertain. Keywords: Material requirements planning; Uncertain; Simulation; Demand management; Safety stock. 1. INTRODUÇÃO Uma decisão é tomada com base nas informações disponíveis. Muitas das decisões da gestão de materiais de uma empresa são tomadas com o auxílio de sistemas de informação, como o ERP (Enterprise Resources Planning) e o MRP (Materials Requirements Planning). Este último executa o planejamento detalhado da produção, que faz a liberação de ordens de produção e compra dos componentes dos produtos de acordo com a demanda prevista e os estoques disponíveis. O atendimento dos prazos de entrega e os custos de produção das empresas dependem em parte do bom resultado deste planejamento. As principais informações utilizadas nas decisões desta etapa do planejamento são relacionadas às seguintes variáveis: demanda, níveis de estoques e tempos de reposição. Caso estas variáveis sejam incertas, o resultado do planejamento pode apresentar erros. 1 Universidade Federal de Itajubá - Instituto de Engenharia de Produção e Gestão

2 102 Favaretto P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 10, n. 1, p , 2012 A ocorrência de incertezas no planejamento detalhado da produção é um problema largamente relatado acadêmica e empresarialmente. A análise dos impactos destas incertezas requer um ambiente controlado (modelo), onde podem ser feitos testes do relacionamento entre causas e consequências. A realização destes testes em condições reais é demorada e pode levar a perdas financeiras das empresas. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um ambiente para análise destes impactos em condições controladas. A gestão de materiais está sujeita a uma série de incertezas. A literatura científica da área explora principalmente as incertezas da demanda e dos tempos envolvidos na gestão de materiais. Estas incertezas são vistas geralmente como inerentes aos processos, e a linha de ação sugerida é a criação de folgas que absorvam esta incerteza. A principal folga sugerida são os estoques de segurança (DOLGUI e PRODHON, 2007), que são uma quantidade de material excedente às necessidades. De forma geral, é sugerido que quanto maiores as incertezas, maiores as quantidades dos estoques de segurança. Essa situação é aceita também nas empresas de produção, onde estes estoques de segurança são largamente utilizados. Sanders e Graman (2009) apresentam uma pesquisa onde mesmo com a utilização de estoques de segurança, os custos da incerteza da demanda acabam prevalecendo sobre a cobertura que eles oferecem. No trabalho de Hur, Mabert e Bretthauer (2004) é apresentada uma forma alternativa de se lidar com as incertezas de demanda através de ajustes na programação da produção em tempo real. Isso não é possível na maioria das empresas, pois o planejamento é normalmente realizado com antecedência e implica na reserva e imobilização de recursos. Estas perdas serão medidas em termos das faltas de materiais e produtos. Caso seja feita a previsão da demanda de um período para determinado valor, é consequentemente feito o planejamento da produção correspondente para atender este valor. Caso o valor previsto não seja correto, houve uma incerteza no planejamento da produção. Se esta o valor previsto for menor que o real, haverá falta de material, atrasando entregas no período e comprometendo as entregas dos períodos posteriores (chama-se este atraso de backlog). Se o valor previsto for maior que o real, haverá produção desnecessária e antecipada, onerando também o sistema. Assim, o problema de pesquisa que trata este artigo é saber o quanto o sistema produtivo é afetado pelas incertezas de demanda. O principal objetivo deste artigo é analisar o impacto das incertezas da demanda usadas no planejamento detalhado da produção com diferentes estoques de segurança. Para isso será desenvolvido um ambiente controlado que faz a simulação do planejamento detalhado da produção considerando a demanda real e a demanda prevista para o mesmo período. A estrutura deste artigo é apresentada a seguir. O artigo se inicia com esta introdução onde é feita uma contextualização da pesquisa e apresentado seu principal objetivo. A segunda seção apresenta uma revisão bibliográfica sobre a presença de incertezas na administração da produção e os métodos de pesquisa utilizados na busca de soluções para este problema. Na sequência é apresentada a metodologia de pesquisa utilizada e logo após é descrito o ambiente de simulação desenvolvido para esta pesquisa. Na quinta seção é feita a descrição e são apresentados os dados obtidos com a realização das simulações. Após é feita a análise destes dados e apresentadas algumas conclusões. 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1. Planejamento detalhado da produção O planejamento da produção normalmente é realizado de forma hierárquica, conforma apresentado por Vollmann et al. (2006) na Figura 1. O planejamento detalhado da produção se inicia após o planejamento mestre da produção, que planeja as quantidades de produtos acabados que devem ser disponibilizadas em determinadas datas. O planejamento mestre não considera o tempo de obtenção dos produtos, apenas sinaliza quando estes devem estar prontos e em qual quantidade. O planejamento mestre da produção também é designado pelo termo em inglês MRP (Materials Requirements Planning) e realiza o planejamento da produção ou compra dos componentes de um produto, considerando os tempos de obtenção (produção ou compra) destes. O mecanismo do MRP é resumido em um quadro chamado registro básico do MRP e apresentado na Figura 2.

3 Impacto das incertezas da previsão da demanda Planejamento estratégico Planejamento mestre Planejamento detalhado Programação Produção Controle Figura 1: Níveis do planejamento hierárquico da produção Fonte: Vollmann et al. (2006) Componente Dias Necessidades brutas Estoque projetado Recebimento de ordens Liberação de ordens Lote = múltiplos de 100 unidades Lead-time = 2 dias Estoque de segurança = 10 unidades Figura 2: Registro básico do MRP As necessidades brutas são impostas pela necessidade de produção de outros itens ou pela demanda do produto. Caso o estoque projetado do período seja suficiente para atender esta necessidade, respeitando o estoque de segurança, não existe a necessidade de recebimento de ordens no período. Caso contrário, uma ordem deve ser liberada com a antecipação do lead-time para que seja então recebida no período necessário. Com este mecanismo, a demanda é atendida e se mantém a menor quantidade de estoque possível Incertezas O tratamento das incertezas de demanda no planejamento da produção possui algumas vertentes. Uma delas é relacionada com o processo de previsão de demanda, como apresentado em Bouzada e Saliby (2009). Nestes casos o objetivo é que o resultado da previsão seja o mais próximo possível da demanda real, evitando assim as incertezas. A vertente analisada nesta revisão da literatura trata de como se proceder com o planejamento da produção visto que algum tipo de incerteza irá ocorrer, pois a demanda é uma variável estocástica. Alguns exemplos destas pesquisas são apresentados na Tabela 1. Tabela 1 - Pesquisas sobre incertezas relacionadas ao planejamento da produção. Trabalho Incerteza Tratamento da incerteza Krajewski, King, Ritzman e Erro na previsão de demanda Somente uma porcentagem das ordens é Wong (1987) recebida a tempo Erro na quantidade entregue, variabilidade Segue uma distribuição normal de probabilidade no tempo de suprimento, refugos e acuracidade de inventário Estoque de segurança Uma proporção da demanda no período do tempo de suprimento Uçkun, Karaesmen e Savas Demanda Segue uma distribuição normal de probabilidade (2008); Marquès, Lamothe, Thierry e Gourc (2012) Kang (2004) Demanda Segue uma distribuição normal de probabilidade Perdas no estoque Segue uma distribuição de probabilidade de Poisson Grabot, Genest, Reynoso- Demanda Lógica fuzzy Castillo e Vérot (2005) Mula, Poler, Garcia (2006) Demanda, capacidade dos recursos e custos Lógica fuzzy Boulaksil (2009) Demanda Definição de política ótima para estoques de segurança

4 104 Favaretto P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 10, n. 1, p , 2012 Nas pesquisas relatadas, a forma de identificação do impacto das incertezas é através de simulações, geralmente feitas para somente um item ou para poucos elos de uma sequência de produção. Isso apresenta resultados parciais, visto que em situações reais quantidades muito maiores de itens estão sujeitos a estas incertezas. Em grande parte as incertezas são tratadas através da aproximação destas por uma distribuição normal de probabilidade, onde existe um valor desejado (média) e uma dispersão conhecida (desvio padrão). Desta forma, é calculada a folga no processo estabelecendo-se uma cobertura desejada. 3. MÉTODO DE PESQUISA Para este artigo foi desenvolvida uma pesquisa do tipo axiomática descritiva. Seguindo as colocações de Morabito e Pureza (2010), a pesquisa axiomática é aquela que trata de modelos de problemas idealizados, produzindo conhecimento sobre o comportamento de algumas variáveis. A pesquisa axiomática descritiva (diferentemente da axiomática normativa), descrevem o comportamento do sistema ou problema modelado. Foi considerado um ambiente de planejamento detalhado da produção onde existem duas situações: uma baseada na previsão e outra que incorpora as incertezas da demanda (simulando dados reais). Essa situação é apresentada na Figura 3. Figura 3 - Concepção do ambiente de simulação. O desenvolvimento do trabalho foi dividido em etapas, apresentadas a seguir: Revisão da literatura. Foi apresentada na seção anterior e permite estabelecer a base para o desenvolvimento das demais etapas. Foi considerado o tema de incertezas na administração de materiais. Definição do ambiente de simulação. Foi criado um ambiente de simulação com as características necessárias para atender o objetivo da pesquisa. Houve a definição da lógica de simulação e das variáveis utilizadas. Realização das simulações e coleta de dados. O ambiente de simulação foi criado e testado. Logo após foram realizadas as simulações e coletados os dados para posterior análise. Análise dos dados. Com os dados obtidos nas simulações foram feitas análises estatísticas que permitiram obter os resultados e conclusões apresentados no final deste trabalho. Para se encontrar o relacionamento entre variáveis foram feitas análises de regressão. O desenvolvimento de cada uma das etapas é detalhado a seguir. 4. AMBIENTE DE SIMULAÇÃO O ambiente de simulação de planejamento detalhado da produção criado é apresentado na Figura 4. Neste ambiente é desenvolvido o planejamento detalhado da produção (registro do MRP) para um determinado componente, em um horizonte de 20 dias. A simulação realizada considera que este horizonte é congelado, ou seja, não é alterado após a sua liberação. A demanda considerada no planejamento é uma média prevista, que na situação real está sujeita a uma incerteza com dispersão (desvio padrão) estabelecida.

5 Impacto das incertezas da previsão da demanda Figura 4 - Ambiente de simulação criado. A lógica da simulação segue a seguinte sequência: É gerado um planejamento e este é congelado (não pode ser alterado). Como resultado, são geradas ordens de produção com datas de liberação e recebimento definidas; São geradas demandas aleatórias, com a mesma média do planejamento e um desvio padrão estabelecido. No registro do MRP esta demanda é chamada de necessidade bruta. Na Figura 4, por exemplo, no Dia 1 a necessidade bruta prevista era de 150 unidades, porém com a adição do erro aleatório ficou como 161 unidades; As novas demandas (ou uma simulação das demandas reais) são confrontadas com as ordens já planejadas e Como resultado são verificadas as faltas que ocorrem no MRP com base em dados reais, consideradas como o não atendimento de uma demanda em determinada data. Estas faltas são compensadas na próxima oportunidade possível. Na Figura 4, ocorreram faltas de materiais nos dias 10, 14 e 18, nos valores de 5, 7 e 23 unidades respectivamente; totalizando uma falta total de 35 unidades. Os parâmetros que podem ser configurados são: Demanda média; Lead-time; Estoque inicial do período de planejamento; Tamanho do lote de reposição e Estoque de segurança. Estes são os parâmetros do planejamento da produção. Para a simulação também é definido o desvio padrão da demanda com erro. 5. SIMULAÇÕES E DADOS GERADOS Para a realização das simulações foram criados cenários que representam diferentes estoques de segurança para a mesma configuração geral do planejamento detalhado. Os parâmetros gerais são:

6 Média das unidades em falta 106 Favaretto P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 10, n. 1, p , 2012 Demanda média: 150 unidades; Lead-time: 1 dia; Estoque inicial: 500 unidades; Tamanho do lote de reposição: 200 unidades. Foram criados quatro cenários com diferentes estoques de segurança, sendo eles de 0, 50, 100 e 150 unidades, respectivamente. Para cada cenário foram simulados 12 diferentes desvios padrão da demanda utilizada, com valores entre 1 e 50 unidades. Isso totaliza 48 experimentos (quatro cenários X 12 desvios padrão), sendo que cada experimento foi repetido 20 vezes utilizando as funções de geração de números aleatórios da planilha eletrônica MS Excel. Os dados foram também coletados em planilha eletrônica através de utilização de macros de programação. O resultado de cada experimento foi registrado através da média dos 20 valores das faltas de material. Estes resultados iniciais foram plotados em um gráfico, que através de análise visual foi decidido que a relação entre as variáveis em estudo deveria ser feita através de uma análise de regressão de ordem múltipla. Foi feita inicialmente uma análise de regressão de segunda ordem (segundo grau) para cada cenário e os resultados anotados. Posteriormente foi feita uma análise de regressão de terceira ordem, e os resultados obtidos foram os mesmos da de segunda ordem, que foi então adotada. Os coeficientes R² obtidos variaram entre 87,5 e 97,6%, indicando que as variáveis utilizadas explicam praticamente toda a variação obtida nos resultados. Todos os resultados obtidos possuem significância válida a níveis inferiores a 1% (P-value). Com análises de regressão foram então geradas equações de segundo grau para explicar a média das faltas de material através da variação do desvio padrão das incertezas (erros) da demanda. Para cada cenário foi gerada uma equação destas, permitindo a geração de um gráfico comparativo para o ambiente simulado, conforme visto na Figura 5. Este gráfico apresenta as curvas resultantes das equações obtidas nas análises de regressão ES = 0 ES = 50 ES = 100 ES = Desvio padrão da incerteza da demanda Figura 5 - Resultados obtidos nas simulações. A Tabela 2 apresenta as equações de regressão obtidas para cada cenário. Tabela 2 - Equações obtidas com a análise de regressão. Cenário ES = 0 ES = 50 ES = 100 ES = 150 Equação Média das faltas = - 0, ,0000 * Desvio padrão do erro + 0,5622 * Desvio padrão do erro² Média das faltas = - 20,24 + 0,0000 * Desvio padrão do erro + 0,2446 * Desvio padrão do erro² Média das faltas = 26,02-4,939 * Desvio padrão do erro + 0,2116 * Desvio padrão do erro² Média das faltas = - 33,67 + 0,0000 * Desvio padrão do erro + 0,08310 * Desvio padrão do erro²

7 Impacto das incertezas da previsão da demanda A seguir os dados apresentados nesta seção serão analisados. 6. ANÁLISE DOS DADOS Como citado anteriormente, quanto maior a incerteza, maior a garantia. O nível do estoque de segurança expressa esta garantia. Não se trata de uma hipótese formal, mas era esperado que quanto maiores as incertezas piores os resultados do planejamento medidos neste artigo através das faltas do estoque. Pode-se observar na Figura 5 que quanto maior o estoque de segurança utilizado mais insensível fica o resultado do planejamento detalhado aos impactos da incerteza da demanda. No cenário com maior proteção ou garantia (ES = 150 unidades), os efeitos da incerteza só começam a se manifestar com desvios padrão próximos de 20 unidades. Isso também significa que, neste cenário, desvios padrão inferiores a este valor não geram faltas de produto, tornando o cenário robusto neste aspecto. Por outro lado, no cenário sem garantia (ES = 0 unidades), os efeitos de falta de estoque começam a se manifestar com desvios padrão substancialmente menores, já a partir de 1 unidade. A utilização de um estoque de segurança pequeno (ES = 50 unidades) já garante a insensibilidade à incerteza da demanda até um desvio padrão igual a 9 unidades. Em outra análise, o patamar máximo de unidades em falta (250 unidades) é atingido com menores incertezas quanto menor for a garantia do estoque de segurança. Para o cenário sem garantia (ES = 0 unidades), este patamar é atingido com um desvio padrão igual a 21 unidades. No cenário com a maior garantia (ES = 150 unidades), o patamar máximo só atingido com um desvio padrão igual a 58 unidades. Na Tabela 1 é observado que todos os coeficientes das equações que não multiplicam o desvio padrão são negativos, à exceção do cenário com ES = 100 unidades. Este coeficiente indica o valor teórico onde a curva cruza com o eixo das faltas, indicando que caso não exista variação ou incerteza na demanda (desvio padrão igual a zero unidade) também não existirá falta no estoque. Isso ocorre pois não faz sentido uma falta negativa e esta foi interpretada como uma situação sem falta. 7. CONCLUSÕES Esta análise permite que uma empresa que tenha este cenário de planejamento detalhado da produção dimensione seu estoque de segurança (ES), de acordo com o desvio padrão de sua demanda e com o risco a ser assumido de faltas de material em estoque. Melhorias nos processos produtivos acarretam aumento de custos e ou investimentos. A justificativa do desenvolvimento desta pesquisa é permitir às empresas que realizam o planejamento detalhado da produção dimensionar as perdas com a falta de qualidade das informações utilizadas neste processo de decisão. Com isso, podem-se balancear os esforços para minimização dos problemas com os resultados que possam obtidos. Trabalhos futuros devem investigar a existência de relação entre as demais variáveis de configuração utilizadas com a falta de estoque, através de uma análise fatorial. AGRADECIMENTO O autor agrade o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais pelos apoios recebidos. REFERÊNCIAS BOULAKSIN, Y.; FRANSOO, J. C.; VAN HALME, E. N. G. Setting safety stocks in multi-stage inventory systems under rolling horizon mathematical programming models. OR Spectrum, v. 31, p , BOUZADA, M. A. C.; SALIBY, E. Prevendo a demanda de ligações em um call center por meio de um modelo de regressão múltipla. Gestão & Produção, v. 16, n.3, p , DOLGUI, A.; PRODHON, C. Supply planning under uncertainties in MRP environments: a state of the art. Annual Reviews in Control, v. 31, p , GRABOT, B.; GENEST, L.; REYNOSO-CASTILLO, G.; VÉROT, S. Integration of uncertain and imprecise orders in the MRP method. Journal of Intelligent Manufacturing, v. 16, p , 2005.

8 108 Favaretto P&D em Engenharia de Produção, Itajubá, v. 10, n. 1, p , 2012 HUR, D.; MABERT, V. A.; BRETTHAUER, K. M. Real-time schedule adjustment decisions: a case study. OMEGA The International Journal of Management Science, v. 32, p , KANG, Y. Information inaccuracy in inventory systems. Tese de doutorado, Massachusetts Institute of Technology, KRAJEWISKI, L. J.; KING, B. E.; RITZMAN, L. P.; WONG, D. S. Kanban, MRP and shaping the manufacturing environment. Management Science, v. 33, n. 1, p , MARQUÈS, G.; LAMOTHE, J.; THIERRY, C.; GOURC, D. A supply chain performance analysis of a pull inspired supply strategy faced to demand uncertainties. Journal of Intelligent Manufacturing, v. 23, n. 1, p , MORABITO, R.; PUREZA, V. Modelagem e simulação. In: CAUCHICK MIGUEL, P. A. (Org.), Metodologia de pesquisa em Engenharia de Produção e Gestão de Operações. São Paulo: Editora Campus, MULA, J.; POLER, R.; GARCIA, J. P. MRP with flexible constraints: A fuzzy mathematical programming approach. Fuzzy Sets and Systems, v. 157, p , SANDERS, N. R.; GRAMAN, G. A. Quantifying costs of forecasts errors: a case study of the warehouse management. OMEGA The International Journal of Management Science, v. 37, p , UÇKUN, C.; KARAESMEN, F.; SAVAS, S. Investment in improved inventory accuracy in a decentralized supply chain. International Journal of Production Economics, v. 113, p , VOLLMANN, T. E.; BERRY, W. L. F.; WHYBARK, D. C.; JACOBS, R. Sistemas de planejamento e controle da produção para gerenciamento da cadeia de suprimentos. Porto Alegre: Bookman, 2006.

ANAIS ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE DECORRENTES DE ERROS NOS REGISTROS DE SAÍDA

ANAIS ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE DECORRENTES DE ERROS NOS REGISTROS DE SAÍDA ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE DECORRENTES DE ERROS NOS REGISTROS DE SAÍDA FABIO FAVARETTO ( fabio.favaretto@unifei.edu.br ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ EVERTON DROHOMERETSKI ( profeverton.d@hotmail.com

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL

XLVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaensch Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Viviane de Senna, Adriano Mendonça Souza, Afonso Valau de Lima Junior, Fernanda Rezer,

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Luis Augusto Moresco Zen. www.otm.com.br

Luis Augusto Moresco Zen. www.otm.com.br Luis Augusto Moresco Zen Local: Brusque Santa Catarina Brasil Infraestrutura: 32.000 m² 1.000 empregados (jan.2013) Produção: 20,1 milhões de produtos e componentes (2012) Ser instrumento para o progresso

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DE CONTROLE NA GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS SUJEITOS A PICOS DE DEMANDA

APLICAÇÃO DA TEORIA DE CONTROLE NA GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS SUJEITOS A PICOS DE DEMANDA APLICAÇÃO DA TEORIA DE CONTROLE NA GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS SUJEITOS A PICOS DE DEMANDA Ricardo Ferrari Pacheco Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós Graduação em Engenharia

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

5.4 Manufacturing Resources Planning

5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning 5.4 Manufacturing Resources Planning O Planejamento dos Recursos de Manufatura (Manufacturing Resourdes Panning, em inglês, ou MRP II) representa um esforço para expandir

Leia mais

ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE GERADOS POR ERROS NOS REGISTROS DE MOVIMENTAÇÕES

ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE GERADOS POR ERROS NOS REGISTROS DE MOVIMENTAÇÕES ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE GERADOS POR ERROS NOS REGISTROS DE MOVIMENTAÇÕES Caroline Peixoto Pedroso (PUCPR) caroppedroso@gmail.com Fabio Favaretto (UNIFEI) professor.favaretto@gmail.com

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional

Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Alexandre Magno Castañon Guimarães Empresas de Gestão Conservadora: Potencial da Previsão de Demanda e Simulação Computacional Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias Agenda 1. Apresentação MRP 2. Estudo de Caso 3. Apresentação da Planilha 4. Primeira rodada de tomada de decisões 5. Próximos passos MRP - Planejamento

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Dimensionamento de Estoque de Segurança de Derivados de Petróleo: Metodologia e um Estudo de Caso

Dimensionamento de Estoque de Segurança de Derivados de Petróleo: Metodologia e um Estudo de Caso Emilia de Vasconcelos Barbetta Dimensionamento de Estoque de Segurança de Derivados de Petróleo: Metodologia e um Estudo de Caso Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Valter Venturelli Controller Zen. www.otm.com.br

Valter Venturelli Controller Zen. www.otm.com.br Valter Venturelli Controller Zen Local: Brusque Santa Catarina Brasil Infraestrutura: 32.000 m² 1.100 empregados (jan.2012) Produção: 20,1 milhões de produtos e componentes (2011) Transformar metais em

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais)

MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) MRP MRP Materials Requirements Planning (Planejamento de necessidades de materiais) Questões-chaves O Que é MRP? MRP quer dizer planejamento das necessidades de materiais, que são sistemas de demanda dependentes,

Leia mais

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção

MS715 Planejamento, Programação e Controle da Produção DISCIPLINA: (considerando que Gestão de Materiais será tratada em outra disciplina - se não, sugere-se uma seção sobre o tema baseada no Capítulo 2 do livro de Corrêa, Gianesi e Caon, 2.001) PROFESSOR:

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes

jul-09 1 FURB Pedro Paulo H. Wilhelm & Maurício C. Lopes 1 Referências Bibliográficas apoio jul-09 2 Referências Bibliográficas apoio jul-09 3 Virtual Empreendimentos Competências Chaves I) COMPETENCIA EMPRESARIAL = espírito empreendedor: ousadia, disposição

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS

RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS RENATO SOARES DE AGUILAR ADEQUAÇÃO DE UM SISTEMA DE PICKING NO ARMAZÉM DE PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PRODUTOS ELÉTRICOS Escola de Engenharia Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de

Leia mais

ACADEMIA DE PP ( PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO)

ACADEMIA DE PP ( PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO) A Academia é o melhor caminho para especialização dentro de um tema no ERP da SAP. Para quem busca uma formação com certificação em Planejamento e Produção, o mais indicado é participar da Academia de

Leia mais

MINIMIZANDO O NÚMERO DE DIFERENTES PADRÕES DE CORTE - UMA ABORDAGEM DE CAMINHO MÍNIMO

MINIMIZANDO O NÚMERO DE DIFERENTES PADRÕES DE CORTE - UMA ABORDAGEM DE CAMINHO MÍNIMO A pesquisa Operacional e os Recursos Renováveis 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN MINIMIZANDO O NÚMERO DE DIFERENTES PADRÕES DE CORTE - UMA ABORDAGEM DE CAMINHO MÍNIMO Maria Cristina N. Gramani Universidade

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações

Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Dimensionamento de equipamentos reservas para subestações Leonardo Labarrere de Souza

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Engenharia do Produto

Engenharia do Produto Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Departamento de Eletrônica Engenharia do Produto Slides elaborados a partir de Rozenfeld et al. (2006) AULA 8 Favor colocar

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini

ERP Entreprise Resource Planning. Fabiano Armellini ERP Entreprise Resource Planning Fabiano Armellini Overview 1) Introdução 2) Histórico 2.1) MRP 2.2) MRP II 2.3) Do MRP II ao ERP 3) Módulos do ERP 3.1) Módulos de supply chain management 3.2) Módulos

Leia mais

Controle da produção baseado em códigos de barras

Controle da produção baseado em códigos de barras Controle da produção baseado em códigos de barras Fábio Favaretto (PUCPR) fabiofav@ccet.pucpr.br Alfredo Iarozinski Neto (PUCPR) alfredo@ccet.pucpr.br Resumo O controle da produção é um processo que tem

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO Eng. Fábio Favaretto, MSC Dep. de Eng. Mecânica da Escola de Eng. de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho,

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

3 Método de Monte Carlo

3 Método de Monte Carlo 25 3 Método de Monte Carlo 3.1 Definição Em 1946 o matemático Stanislaw Ulam durante um jogo de paciência tentou calcular as probabilidades de sucesso de uma determinada jogada utilizando a tradicional

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1. Enquadramento geral O termo job shop é utilizado para designar o tipo de processo onde é produzido um elevado número de artigos diferentes, normalmente em pequenas quantidades

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PRIMEIRA FASE 01 ECONOMIA Definições e conceitos de economia; macroeconomia; microeconomia; a organização econômica; a atividade de produção; a moeda; a formação de preços; economia de mercado: consumo,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

A UTILIZAÇÃO ADEQUADA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP), EM UMA INDÚSTRIA.

A UTILIZAÇÃO ADEQUADA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP), EM UMA INDÚSTRIA. A UTILIZAÇÃO ADEQUADA DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP), EM UMA INDÚSTRIA. KAIHATU, Rodrigo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: rodrigo.hiroshi@hotmail.com

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso

Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso Rafael Paradella Freitas Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Introdução ao Sistema ERP

Introdução ao Sistema ERP Introdução ao Sistema ERP Parte 1- Introdução ao ERP - Benefícios básicos de um sistema ERP - Dificuldades de implantação - ERP e a realidade da pequena empresa brasileira Parte 2 Sistema Genesis-ERP da

Leia mais

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas

Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Medição da qualidade da informação: um experimento na pesquisa em bases de dados científicas Fábio Favaretto (PUCPR) fabio.favaretto@pucpr.br Rosana Adami Mattioda (PUCPR) mattioda@brturbo.com Resumo O

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

MRP - Material Requirement Planning

MRP - Material Requirement Planning MS715 - Planejamento e Controle da Produção Prof. Moretti MRP - Material Requirement Planning Planejamento das Necessidades de Materiais( do inglês, MRP = Material Requirement Planning) é uma técnica a

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE ESTOQUES 1

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE ESTOQUES 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO XIll CAPÍTULO 1 - FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE ESTOQUES 1 OBJETIVO DO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 APRESENTAÇÃO 1 BREVE HISTÓRICO DA ABORDAGEM SOBRE os ESTOQUES 4 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE ESTOQUES

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado Livia Pires Chaves Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

Planejamento Agregado Planejamento Agregado.

Planejamento Agregado Planejamento Agregado. ADM II é o processo de balanceamento da produção com a demanda. Visa compatibilizar os recursos produtivos da empresa com a demanda. Normalmente é projetado para horizontes de tempo de 6 a 12 meses. Planejamento

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini. E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br GESTÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP 2 ERP Planejamento dos Recursos da Empresa 3 CONCEITO DE

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa STRAIGHT MANUFACTURE Consultoria Logística e Industrial Apresentação da Empresa 1 Apresentação pessoal Bruno S. Ferreira Sócio-diretor da Responsável pelas áreas de: Logística Produtividade industrial

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CONTROLE DE ESTOQUES MULTICAMADA EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM USO DA INFORMAÇÃO: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO

RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CONTROLE DE ESTOQUES MULTICAMADA EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM USO DA INFORMAÇÃO: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CONTROLE DE ESTOQUES MULTICAMADA EM UMA CADEIA DE SUPRIMENTOS COM USO DA INFORMAÇÃO: TEORIA E CASO ILUSTRATIVO Aluna: Joana Freire de Carvalho Orientador: Fernanda Maria

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

5.5 Enterprise Resources Planning

5.5 Enterprise Resources Planning 5.5 Enterprise Resources Planning 5.5 Enterprise Resources Planning Enterprise Resources Planning (ERP), significa Planejamento de Recursos do Empreendimento e abrange todas as necessidades de informação

Leia mais