São as maiores células do organismo e seu volume pode variar muito durante um período de balanço energético calórico positivo. (SCORZA et all,2008) O

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "São as maiores células do organismo e seu volume pode variar muito durante um período de balanço energético calórico positivo. (SCORZA et all,2008) O"

Transcrição

1 1 Eletrolipólise e Carboxiterapia para redução de gordura localizada Marcela Alves Lucio¹ Dayana Priscila Maia Mejia² Pós-graduação em Reabilitação em Dermato Funcional Faculdade Cambury Resumo A gordura localizada pode aparecer mesmo em pessoas sem excesso de peso. A unidade anatômico-funcional do tecido adiposo é o adipócito. Os adipócitos são as maiores células do organismo e seu volume pode variar muito durante um período de balanço energético calórico positivo. A eletrolipólise é destinada ao tratamento das adiposidades e ao acúmulo de ácidos graxos localizados, através da aplicação de vários pares de agulhas de acupuntura no tecido subcutâneo, ligadas a corrente de baixa intensidade. O uso da eletrolipólise se mostrou eficaz para a redução de adiposidade localizada. A Carboxiterapia constitui-se de uma técnica onde se utiliza o gás carbônico medicinal (Dióxido de Carbono ou CO2) injetado no tecido subcutâneo, estimulando assim efeitos fisiológicos como melhora da circulação e oxigenação tecidual. Consiste na infusão controlada de gás carbônico medicinal na pele e no tecido adiposo com o objetivo de aumentar a perfusão tecidual periférica. O gás carbônico não causa efeitos adversos e/ou secundários no tecido conectivo e estrutura nervosa, pois, a quantidade utilizada é inferior a produzida pelo organismo. Ambos os tratamentos apresentados são invasivos, realizados apenas por profissionais capacitados. A Eletrolipólise e Carboxiterapia podem ser aplicados associados com outros tratamentos, para obtenção de resultados rápidos e eficazes. Palavras-chaves: Eletrolipólise, Gordura localizada, Carboxiterapia. 1.0 Introdução Existem muitos métodos de conseguir perder gordura corporal, seja com exercícios, dietas, massagens modeladoras ou cirurgias. Mas hoje em dia já existem técnicas invasivas, através de aparelhos, que não necessitam de intervenção cirúrgica, que auxiliam na diminuição de gordura localizada. Este estudo aborda duas técnicas de fisioterapia dermatológica invasiva que são de grande auxilio para tal. São: a Eletrolipólise e a Carboxiterapia. O excesso de adiposidade corporal e a ação hormonal podem levar ao acúmulo de tecido gorduroso em determinadas partes do corpo. No homem, o local mais acometido é o abdômen e na mulher é a região do quadril. (GUIRRO &GUIRRO, 2002). O tecido adiposo é uma forma especializada do tecido conjuntivo, formado por células chamadas de adipócitos. O excedente das reservas nutricionais resultante de uma ausência de equilíbrio entre a ingestão de nutrientes e a necessidade diária de nutrientes fica contido no interior dos adipócitos sob a forma de triglicerídeos(scorza e BORGES,2008) A função primordial do tecido adiposo é a de ser o principal deposito de ácidos graxos, sob a forma de triglicerídeos, sendo este o maior reservatório energético. A unidade anatômicofuncional do tecido adiposo é o adipócito. (SCORZA et all,2008) A gordura corporal que foi armazenada é a fonte mais abundante de energia potencial do corpo e para que ela seja disponibilizada é necessário que ocorra a lipólise (ASSUMPÇÃO, 2006). 1 Pós-graduanda em Fisioterapia em Dermato Funcional. Biocursos Manaus-AM. ²Orientadora, MSc. em Aspectos Bioeticos y Jurídicos de La Salud pela Universidad Del Museo Social Argentino, docente do Biocursos, Manaus AM.

2 São as maiores células do organismo e seu volume pode variar muito durante um período de balanço energético calórico positivo. (SCORZA et all,2008) O excesso de gordura pode existirmesmo em pessoas sem excesso de peso, o que explica a presença de gordura localizada mesmo em mulheres aparentemente magras. (AZEVEDO et al, 2008) O tecido adiposo representa um reservatório de energia, principalmente em períodos de jejum prolongado, para proteção contra o frio ou quando o organismo esta sujeito a atividade física. A eletrolipólise é uma técnica destinada ao tratamento das adiposidades e acumulo de acisos graxos localizados (ASSUMPÇÃO et all,2006) o tecido adiposo é constituído basicamente por lipídeos e que contém ou são derivados de ácidos graxos sob a forma de triglicerídeos, onde cada triglicerídeo é constituído por 3 moléculas de ácidos graxos esterificado sem glicerol. O aumento do AMPc por meio da ação do CO2, ativando a Adenilciclase, resulta numa ação lítica sobre o tecido adiposo(scorza e BORGES,2008) A eletrolipólise é uma técnica destinada ao tratamento das adiposidades localizadas, através da aplicação de vários pares de agulhas de acupuntura no tecido subcutâneo, ligadas a corrente de baixa intensidade(garcial et all,2006) O excesso de adiposidade corporal e a ação hormonal podem levar ao acúmulo de tecido gorduroso em determinadas partes do corpo. No homem, o local mais acometido é o abdômen e na mulher é a região do quadril. A gordura localizada pode aparecer mesmo em pessoas sem excesso de peso, o que explica a presença de adiposidade mesmo em mulheres aparentemente magras (GUIRRO &GUIRRO, 2002). A eletrolipoforese consiste em aplicar, por meio de agulhas finíssimas corrente elétrica logo abaixo da pele, na junção derme-hipoderme. O aparelho utiliza uma corrente elétrica bidirecional com pulsos de baixa frequência, curta duração e componente galvanica nula, aplicada por meio de eletrodos percutâneos.(azevedo et al, 2008) As principais indicações da eletrolipoforese são gordura localizada, lipodistrofiaginóide, lipodistrofia localizada e após lipoaspiração, como complemento da cirurgia. São consideradas contra-indicações da terapia os casos de insuficiência cardíaca, insuficiência renal, paciente com marcapasso, trombose venosa profunda, estado epilético, gravidez, áreas tumorais, em pacientes em uso de anticoagulantes e corticosteróides, dermatites, dermatoses, feridas.(assumpção,2006) O processo de eletrolipólise é considerado invasivo aliado a efeitos sistêmicos devido ao longo tempo de duração de 50 minutos(guirro,2002) Em 1932, na Estação Termal do Spy de Royat, na França, o CO2 foi utilizado em portadores de arteriopatias periféricas. Os pacientes eram submetidos a banhos secos ou de imersão em água carbonada. Em 1953, após 20 anos de experiência, o cardiologista Jean Baptiste Romuef publicou os resultados do uso terapêutico por via subcutânea(ferreira et all) Carboxiterapia constitui-se de uma técnica onde se utiliza o gás carbônico medicinal (Dióxido de Carbono ou CO2) injetado no tecido subcutâneo, estimulando assim efeitos fisiológicos como melhora da circulação e oxigenação tecidual.o CO2 é um gás inodoro, incolor, e atóxico. É o produto endógeno natural do metabolismo das reações oxidativascelulares, produzido no organismo diariamente em grandes quantidades e eliminado pelos pulmões durante a respiração(scorza e BORGES,2008) A carboxiterapia tem eficácia comprovada sobre a melhora da elasticidade cutânea, adiposidade localizada e as arteriopatias, por meio de seu efeito vaso motor com melhora da circulação local e da perfusão tecidual e reorganização das fibras elásticas e colágenas. O efeito Bohr no tecido proporciona aumento da temperatura local e como consequência aumento da microcirculação local e aumento da drenagem veno-linfática, devido à afinidade do CO2 pela hemoglobina e aumento da pressão parcial de oxigênio resultando numa melhora 2

3 3 da captação do oxigênio para os tecidos, ou seja, ocorre uma hiperoxigenação do tecido. (PACHECO et all,2011). A carboxiterapia tem sido empregada para correção de irregularidades pós lipoaspiração, ou mesmo, no pré-operatório para melhorar a vascularização de retalhos cirúrgicos(rousso et all,2013) Segundo COFFITO(2012), publicou o acordão nº293/2012 que regulariza a prática da Carboxiterapia por profissionais fisioterapeutas, desde que sob algumas condições: apresentar documentos que comprovem a devida habilitação para atuar com a técnica, ter concluído curso teórico-prático de primeiros socorros, ter contrato com serviço de emergência/urgência que garanta a remoção do cliente para unidades especializadas e aplicar princípios de biossegurança no local de trabalho. Especialistas da área afirmam que não existem muitas contra-indicações e que também não existem importantes reações adversas sistêmicas descritas sendo, portanto, um método seguro, de fácil execução e amplamente utilizado na Europa, México e EUA. (CORRÊA et all,2008) 2.0 Eletrolipólise A eletrolipólise é uma técnica destinada ao tratamento das adiposidades e acúmulos de ácidos graxos localizados. Caracteriza-se pela aplicação de microcorrente especifica de baixa frequência que atua diretamente no nível dos adipócitos e dos lipídeos acumulados, que consequentemente produz sua destruição e favorece sua posterior eliminação(scorza et all) A estimulação elétrica provoca diversas modificações fisiológicas no adipócito, dentre elas, o incremento do fluxo sangüíneo local, aumentando o metabolismo celular e facilitando a queima de calorias(garcial et all,2006) O fluxo da corrente elétrica através do tecido conjuntivo desenvolve uma diferença de potencial de ação entre os eletrodos que é proporcional à resistência elétrica do tecido. Esta diferença de potencial altera a permeabilidade da membrana celular, por meio da alteração da sua polarização.(azevedo et al, 2008) Quando se utiliza uma corrente especifica de baixa freqüência durante a eletrolipólise, produz-se uma estimulação do sistema simpático, e como conseqüência ocorre à liberação de catecolaminas com aumento do AMP cíclico (adenosinamonofosfato) intraadipocitário, e aumento da hidrólise dos triglicerídeos. Em conjunto, e como conseqüência de todos os efeitos mencionados, se induz um aumento do catabolismo local, que se traduz clinicamente em uma redução do panículo adiposo. (FREDERICO) Na aplicação utiliza-se agulha de acupuntura no tecido subcutâneo, a fim de servirem como condutoras da corrente elétrica que irá estimular a lipólise. O campo elétrico que se origina entre as agulhas, provoca em nível local uma série de manifestações fisiológicas que são responsáveis pelo fenômeno da eletrolipólise. (SCORZA et all,2008) A passagem da corrente elétrica entre os tecidos provoca calor localizado (hiperemia), o que causa uma reação antiinflamatória e vasodilatadora; com o incremento da circulação,são intensificadas as trocas celulares, a nutrição,a eliminação de toxinas e produtos da degradação de gordura. O estímulo elétrico da corrente de baixa freqüência promove o estímulo de fibrilas do tecido conjuntivo, o que resulta na melhora da tonicidade da pele (AZEVEDO et al, 2008) O procedimento deve ser associado a um balanço calórico negativo para que os ácidos graxos disponibilizados pela eletrolipólise sejam utilizados como fonte de energia (ASSUMPÇÃO,2006). A eletroestimulação associada às agulhas de acupuntura no tratamento da adiposidade abdominal tem uma ação sistêmica. As correntes galvânicas têm três ações: ação antiinflamatória, por resposta metabólica e por diminuição de edemas; ação vasodilatadora,por estimulação dos nervos e vasos e, enfim, hidrolipolítica. A destruição dos

4 4 adipócitos estaria vinculada aos produtos tóxicos que se formam no contato dos eletrodos. (AZEVEDO et al, 2008) A ação da eletrolipoforese na lipólise estimula a ação do Sistema Nervoso Autonômico Simpático, ocasionando a liberação de catecolaminas, que ativam os receptores adrenérgicos, levando à liberação de adenilatociclase, ocorrendo a conversão intracelular de ATP em AMP cíclico, levando à lipólise. Os objetivos do tratamento com eletrolipólise são o aumento da atividade celular, lipólise dos tecidos, incremento da circulação sanguínea, linfática e otimização do metabolismo(azevedo et al, 2008) 2.1 Efeito Fisiológico Efeito Joule: descreve uma corrente elétrica que ao circular pelo condutor, realiza um trabalho que produz calor ao atravessar o mesmo. O aumento de temperatura, que é produzida na eletropoforose, não atinge tecido orgânico, visto que se trata de uma corrente com uma intensidade muito pequena, porém, suficiente para contribuir para instalação de uma vasodilatação e consequente aumento de fluxo na região. Desta forma é estimulado o metabolismo celular local, ou seja, facilita a queima de calorias e melhora o trofismo celular (SORIANO et all,2000) O segundo efeito é o efeito eletrolítico, no qual a eletrolipólise gera um campo elétrico que induz o movimento iônico promovido pela passagem da corrente elétrica no tecido, modificando a polaridade das membranas e consumindo energia celular. (BORGES e GARDENGHI) A ação hidro-lipolítica da corrente se inicia com a estimulação do sistema nervoso simpático, provocando a liberação dos hormônios epinefrina e noraepinefrina pela supra-renal. Ambos se ligam aos receptores beta-adrenérgicos presentes na membrana celular dos adipócitos, provocando reações bioquímicas que vão culminar com a ativação da enzima triglicerídeo lipase sensível a hormônio, a qual hidrolisa os triacilgliceróis(garcial et all,2006) O terceiro é o efeito circulatório, com o ligeiro aumento da temperatura provocado pelo efeito joule, produzirá uma vasodilatação ativando a microcirculação, e com isso as fibras de tecido conjuntivo subcutâneo são também favorecidas, devido à drenagem linfática e sanguínea que ocorre no local estimulado. (BORGES e GARDENGHI) O outro efeito neuro-hormonal é gerado a partir da estimulação elétrica de baixa freqüência que produz uma estimulação artificial no sistema nervoso simpático, e com isso ocorrerá à liberação de catecolaminas (adrenalina e noradrenalina) com o aumento do AMP cíclico intradipocitário, e aumento da hidrólise dos triglicerídios potencializando a lipólise dos triglicerídeos em glicerol e ácidos graxos. (BORGES e GARDENGHI) Como resultado, há liberação de glicerol e ácidos graxos. Os ácidos graxos livres são transportados pela albumina no plasma até as células, onde são oxidados para a obtenção deenergia. O glicerol, por sua vez, é transportado pelo sangue até o fígado e pode ser usado para formar triacilglicerol(garcial et all,2006) Além disso, em elevados níveis plasmáticos de insulina e glicose, a triglicerídeo lípase sensível a hormônio torna-se inativa, acarretando na não-hidrólise dos triacilgliceróis(garcial et all,2006) A ação lipolítica deste tipo de eletroestimulação inicia-se com a estimulação do sistema nervoso simpático, onde duas enzimas lipolíticas principais Lipase sensível a hormônio (LSH) e lipoproteína lipase (LPL) atuam respectivamente no interior do adipócito e nas lipoproteínas ricas em triglicérides (TG). A ação

5 5 da LSH causa liberação do glicerol livre e ácido graxo livre (AGL) na circulação sistêmica. A LPL atua liberando o glicerol e ácido graxo (AG) na circulação principalmente pela ação sobre as lipoproteínas de densidade muito baixas. O ácido graxo é captado pelo tecido adiposo produzindo TG. Os AGL são captados pelo músculo e fígado pra serem oxidados (obtenção de energia), parcialmente oxidação (produção de corpos cetônicos) ou resterificados pra formarem triglicérides novamente.(borges e GARDENGHI) Essas mudanças fisiológicas organismo ocorrem devido ao efeito Joule que pelo trabalho produz calor, estimulando o metabolismo celularlocal, facilitando a queima de calorias; o efeito eletrolítico pela geração de um campo elétrico induzindo o movimento iônico e modificando a polaridade da membrana celular, o que faz aumenta o consumo de energia pela célula; efeito circulatório pelo aumento da temperatura ocorre uma vasodilatação, ativando a microcirculação, o que favorece a drenagem linfática e sanguínea local; efeito neurohormonal no qual ocorre uma estimulação artificial do sistema nervoso simpático resultando no aumento da hidrólise de triglicerídeos.( REMLINGER et all,2009) 2.2 Técnica de aplicação A técnica de aplicação empregada com a eletrolipólise foi com o uso de 8 agulhas de acupuntura por sessão, fazendo a função de eletrodo, medindo 60 mm de comprimento por 0,3 mm de diâmetro, introduzidas ao nível do panículo adiposo subcutâneo da região abdominal, respeitando-se uma distância de 5 cm entre elas. (FREDERICO) O aparelho de eletrolipólise foi regulado com freqüência de 15Hz, com tempo ON de 50ms e tempo OFF de 50ms; temporizador de 20 minutos para onda C e 10 minutos para onda E; a intensidade foi regulada de acordo com a tolerância da paciente. Preconizou-se a freqüência de 15Hz por proporcionar menor desconforto às pacientes e, também, por esta freqüência ser indicada em tratamentos que objetivam a nutrição celular e o tratamento dos estágios I, II e III da adiposidade localizada. (AZEVEDO et al, 2008) Nesta técnica, aplica-se uma microcorrente de baixa freqüência (por volta de 20Hz), que atua nos adipócitos, produzindo sua desnutrição e favorecendo sua posterior eliminação. A eletrolipólise se aplica por meio de finíssimas agulhas implantadas no panículo adiposo ou por intermédio de eletrodos sobre a superfície cutânea(franken et all,2011) A eletrolipólise é uma técnica destinada ao tratamento das adiposidades localizadas, através da aplicação de vários pares de agulhas de acupuntura finas (0,25) e longas (5 a 15 cm) no tecido subcutâneo, ligadas a uma corrente elétrica de baixa intensidade e baixa freqüência (em torno de 25 Hz). Sendo que a onda é alternada, quadrada que atuam diretamente na membrana dos adipócitos e dos lipídios acumulados, que conseqüentemente produz sua destruição e favorece sua posterior eliminação. È também chamado de eletrolipoforese. (BORGES e GARDENGHI) Cada sessão levou, em média, 50 minutos, sendo 20 minutos para preparação da paciente, colocação das agulhas, e 30 minutos para o uso do equipamento de eletrolipólise. (AZEVEDO et al, 2008) As agulhas utilizadas para a técnica foram do tipo descartável, utilizadas emacupuntura e fabricadas em aço inoxidável e esterilizadas com óxido de etileno. O tamanho utilizado foi de 0,25mm x 30mm. (AZEVEDO et al, 2008) O tratamento com a eletrolipólise, portanto, precisa ser acompanhado necessariamente de dieta e/ou exercícios físicos, para que os ácidos graxos sejam utilizados como fonte de

6 6 energia. Se o paciente não tiver um balanço calórico negativo, eles não são consumidos e retornam para o meio intracelular(garcial et all,2006) 3.0 Carboxiterapia Na década de 30 na Itália e na França, a administração do CO2 pela via subcutânea tornou-se terapêutica freqüente, o que colaborou para a criação das Sociedades Italiana e Americana de Carbossiterapia, as quais elaboraram estudos multicêntricos confirmando o método na terapêutica nas disfunções estéticas (BRANDI, ET AL, 2001). O uso medicinal do dióxido de carbono (CO2) não é novo. Em 1932, na Estação Termal do Spy de Royat, na França, o CO2 foi utilizado em portadores de arteriopatias periféricas. Os pacientes eram submetidos a banhos secos ou de imersão em água carbonada. Em 1953, após 20 anos de experiência, o cardiologista Jean Baptiste Romuef publicou os resultados do uso terapêutico por via subcutânea. O tema permaneceu por quatro décadas no esquecimento, sendo retomado nas décadas de 1980 e 1990, com alguns trabalhos direcionados para a cirurgia vascular.(ferreira et all) Consiste na infusão controlada de gás carbônico medicinal na pele e no tecido adiposo com o objetivo de aumentar a perfusão tecidual periférica. Há um aumento de fluxo induzido pela hipercapnia local e maior disponibilidade do oxigênio tissular, pois a hemoglobina tem maior afinidade pelo o gás carbônico. Além disso, melhora os parâmetros da microcirculação sem oferecer toxicidade. (SCORZA et all,2008) Para Brandi, et al (2001) em sua pesquisa com o uso por injeção subcutânea de CO2, verificou o aumento da perfusão tecidual, aumento da pressão parcial de oxigênio e redução da circunferência (efeito lipolítico). Realizaram avaliações histopatológicas das áreas tratadas, ficando evidente: aumento da espessura da pele, fratura da membrana do adipócito e preservação total do tecido conectivo, incluindo-se estruturas vasculares e nervosas. O gás carbônico não causa efeitos adversos e/ou secundários no tecido conectivo e estrutura nervosa, pois, a quantidade utilizada é inferior a produzida pelo organismo. Portanto, os sintomas secundários da carboxiterapia são: dor local, pequenos hematomas ou equimoses que desaparecem em 30 minutos, podendo ocorrer um aumento da temperatura local devido à velocidade do fluxo limiar do paciente. (BRANDI at all,2001) O gás carbônico é um metabólico presente na circulação sanguínea, e a quantidade de gás injetado durante o tratamento está abaixo do volume produzido pelo organismo. Além disso, pacientes submetidos a injeções subcutâneas de CO2 não mostraram nenhum dano em seu tecido conectivo, vascular e estrutura nervosa(scorza e BORGES,2008) Segundo Brandi et all,(2001) durante o procedimento, ocorre um aumento de fluxo induzido pela hipercapnia local e maior disponibilidade do oxigênio tissular, já que a hemoglobina tem maior afinidade pelo o gás carbônico. O adipócito recebe os ácidos graxos que foram acondicionados em quilomícrons. Estes quilomícrons entram nacirculação venosa e são eliminados na periferia pela hidrólise do triacilglicerol catalisado pela enzima lipoproteína lípase (LPL). A hidrólise do triacilglicerol armazenado é ativada pelos hormônios lipolíticos (Adrenalina e Noradrenalina) quepor sua vez ativam a Adenil-ciclase, para formar AMP cíclico (AMPc) que irá ativar a lípasehormônio-sensível na hidrólisedotriacilglicerol para então liberar ácidos graxos livres e glicerol do adipócito e caírem na circulação capilar. (SCORZA e BORGES,2008) O dióxido de carbono é transportado no sangue fisicamente dissolvido, quimicamente combinado a aminoácidos de proteínas séricas, e como íons bicarbonato. É aproximadamente 20 vezes mais solúvel no plasma que o oxigênio. Cerca de 5 a 10% do dióxido de carbono total transportado pelo sangue é fisicamente dissolvido(levitzky,2004)

7 7 O mecanismo de ação do gás carbônico é, sobretudo, na microcirculação vascular do tecido conectivo, promovendo uma vasodilatação e um aumento da drenagem veno-linfática. Com a vasodilatação, melhora-se o fluxo de nutrientes, entre eles, as proteinases necessárias para remodelar os componentes da matriz extracelular e para acomodar a migração e reparação tecidual(corrêa et all,2008) Segundo Scorza(2008)A carboxiterapia é considerada uma técnica segura, mas devemos atentar para algumas contraindicações: infarto agudo do miocárdio, angina instável, insuficiência cardíaca, hipertensão arterial, tromboflebite aguda, gangrena, infecções localizadas, epilepsia, insuficiência respiratória, insuficiência renal,gravidez, distúrbios psiquiátricos 3.1 Efeito Bohr Outros mecanismos de atuação incluem fratura direta da membrana adipocitária e alteração na curva de dissociação da hemoglobina com o oxigênio (efeito Bohr), promovendo assim uma verdadeira ação lipolítica oxidativa. (CORRÊA atall,2008) A afinidade da hemoglobina pelo oxigênio depende do ph do meio, a acidez estimula a liberação de oxigênio diminuindo assim esta afinidade. Além disso, o aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2) no meio também abaixa a afinidade por oxigênio. A presença de níveis mais altos de CO2 e prótons (H+) nos capilares de tecidos em metabolismo ativo promove a liberação de O2 da hemoglobina, o efeito recíproco ocorre nos capilares dos alvéolos do pulmão, a alta concentração de O2 libera CO2 e H+ da hemoglobina. (SCORZA e BORGES,2008) É analisado pela curva de dissociação da oxiemoglobina em resposta às alterações das concentrações de CO2 e de íons de hidrogênio (H+). Quanto mais gás carbônico nós disponibilizamos no tecido, mais hemoglobinas carreadas com oxigênio (HbO2) vão chegar,por via circulação sanguínea. Pelo fato de a hemoglobina ter maior afinidade com a molécula de CO2 vai ocorrer liberação da molécula de O2 para os tecidos e captação da molécula de CO2 que será transportada e eliminada pela expiração, isso caracteriza o efeito Bohr. A presença de níveis altos de CO2(proporcionada pela carboxiterapia) e íons de H+ potencializam as reações químicas que ocorrem dentro dos eritrócitos e, consequentemente, o aporte de O2 tecidual.(scorza &JAHARA,2010) Conforme Levitzky (2004), explicado pelo fato da desoxiemoglobina ser um ácido mais fraco que a oxiemoglobina, isto é, a desoxiemoglobina aceita mais prontamente o íon hidrogênio liberado pela dissociação do acido carbônico e,consequentemente, permite que mais dióxido de carbono seja transportado sob aforma de íon bicarbonato. A associação de íons de hidrogênio com aminoácidos dahemoglobina diminui a afinidade da hemoglobina pelo oxigênio. Com o aumento datemperatura e da concentração de CO2 que causa uma alteração estrutural na Hb,que libera mais O2 para o plasma e, com isso para os tecidos. (LEVITZKY,2004) Quando ocorre a diminuição do ph sanguíneo a curva desvia para a direita e com isso diminui afinidade da hemoglobina pelo oxigênio e quando aumenta o ph sanguíneo ocorre o aumento na afinidade da hemoglobina pelo O2. Quando ocorre uma alcalinidade no tecido a curva desvia para a esquerda; já uma acidez a curva desvia para a direita e isto melhora a captação do oxigênio nos pulmões e facilitam a liberação nos tecidos (NAKAGAWA; BARBABÉ, 2006) De acordo com Scorza e Borges(2008), ocorre um aumento significativo da concentração de oxigênio (O2) local após a infusão subcutânea de CO2, assim ocorre um aumento da pressão parcial de O2. Há diminuição da afinidade da hemoglobina pelo O2 na presença de gás

8 8 carbônico disponibilizando mais oxigênio às células, favorecendo o metabolismo dos tecidos da região tratada (potencialização do efeito Bohr). O monóxido de carbono interfere com a função de transporte de O2 do sangue ao combinar-se com a Hb para formar carboxihemoglobina. O CO2 possui 240 vezes mais afinidade pela Hb do que o O2(PACHECO et all, 2011) O efeito da PCO2 pode ser atribuído a sua ação sobre a concentração de H+. Um desvio para a direita significa mais descarregamento de O2 a uma dada Po2 em um capilar tecidual. Um músculo exercitando-se é acido hipercarbico e quente e ele se beneficia com o descarregamento aumento de O2 dos seus capilares(pacheco et all, 2011) O efeito Bohr refere-se ao deslocamento da curva de saturação da hemoglobina e ao subsequente aumento da pressão causado pelo aumento da tensão de CO2 (PCO2)(PACHECO et all, 2011) 3.2 Efeitos fisiológicos A resposta inflamatória diante uma agressão física é imediata e atua no sentido de destruir, diluir ou bloquear o agente agressor, mas, por sua vez, desencadeia uma série de eventos no tecido conjuntivo vascularizado, inclusive no plasma, nas células circulantes, nos vasos sangüíneos e nos componentes extra vasculares do tecido conjuntivo, com o objetivo de cicatrizar e reconstituir o tecido lesado.(scorza E BORGES,2008) Segundo Scorza e Borges (2008), após o trauma provocado pela agulha e a injeção de gás, há um processo inflamatório e migração dos fibroblastos para a região agredida e sua posterior proliferação estimulando a síntese de colágeno e de outras moléculas do tecido conjuntivo, como a fibronectina,glicoproteína encontrada no sangue, associada a vários processos biológicos como adesão e diferenciação celular, reparação de tecidos, servindo como substrato para enzimas fibrinolíticas e da coagulação. O CO2 é um potente vasodilatador, ocasionando aumento do fluxo sanguíneo no local de sua aplicação. Com a infusão do gás, ocorre uma distenção tecidual, com um importante aumento da concentração de oxigênio local. Além disso, provoca ativação de barorreceptores28, corpúsculos de Golgi e Paccini devido a esta distenção tecidual e conseqüente liberação de substâncias alógenas quais sejam a bradicinina, catecolamina, histamina e serotonina. (SCORZA E BORGES,2008) Scorza e Borges (2008) comprovaram que há um aumento da espessura da derme, evidenciando estimulo à neocolagenase, provocado pela Carboxiterapia, também a preservação total do tecido conjuntivo, bem como estruturas vasculares e nervosas, ou seja, um rearranjo das fibras colágenas. 3.3 Técnica de aplicação A prática de carboxiterapia no tratamento de gordura localizada também envolve a injeção de soro fisiológico no local a ser tratado antes da injeção do gás. O soro fisiológico em contato com o gás carbônico forma uma reação química(co2 + H2O _ H2CO3 _ H+ + HCO3), com liberação de íons H+, proporcionando um meio ácido no local da aplicação. Essa acidez tecidual confere um aumento da oxidação lipídica através da ativação das lipoproteínas lípases (LPL),potencializando o poder de queima da gordura(scorza e BORGES,2008) Na técnica de carboxiterapia, infundimos o gás carbônico por meio de uma agulha fina no tecido subcutâneo. O organismo, por causa da lesão provocada pela agulha e pelo gás, desencadeia um processo inflamatório com o objetivo de cicatrizar e reconstituir o tecido lesado.decorrente do processo de reparação, ocorre proliferação de vasos sanguíneos (Angiogênese) e fibroblastos (Fibrogênese).Segundo alguns autores, no local de infusão do

9 9 sanguíneo.(scorza & JAHARA,2010) Segundo Scorza e Borges(2008), o fluxo e o volume total de gás infiltrado usados na carboxiterapia são controlados com equipamentos apropriados. Existe um aparelho que foi elaborado para administração subcutânea do CO2, com total controle sob a velocidade e volume de gás infiltrado. Tem aprovação nas normativas da Comunidade Européia desde 2002 (CE 0051). É descrito como dispositivo médico, classe IIb, apresenta padrões de qualidade e segurança e tem aprovação de comercialização e uso pelo FDA americano como equipamento de uso médico ambulatorial. O aparelho liga-se a um cilindro de ferro por meio de um regulador de pressão de gás carbônico e é injetado por via de um equipo (sonda) com uma agulha pequena (agulha insulina- 30 G1/2) diretamente através da pele do paciente. (SCORZA e BORGES,2008) O soro fisiológico pode potencializar o efeito lipolítico da carboxiterapia, por proporcionar um meiomais ácido pela formação de íons de hidrogênio (H+). Em contato com o gás carbônico, o soro forma uma reação química com a liberação de íons hidrogênio, responsável pela acidez do meio, aumentando o poder de queima na região. (SCORZA e BORGES,2008) Com o auxílio de uma seringa, injeta-se em torno de 1ml de soro fisiológico por ponto, distribuídos por toda a área aleatoriamente e em seguida aplica-se o gás carbônico.(scorza e BORGES,2008) Estudos de Scorza e Borges(2008) mencionam que os efeitos secundários apresentados pela carboxiterapia se limitam em dor no local da)aplicação, bem como pequenos hematomas ou equimoses devido às várias punturas e sensação de crepitação devido à formação de umenfisema local que desaparece no máximo em 30 minutos. Scorza e Borges(2008), na sua pratica relatou que no momento e após a aplicação do gás, houve aumento da temperatura no local da aplicação do gás, hiperemia e dor localizada, ambas de curta duração. Também relatou que há uma sensação de ardor e peso/fadiga no membro onde foi infundido o gás carbônico logo após sua aplicação. No Brasil, atualmente, existem diversas marcas e modelos de aparelhos, registrados pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e sua aplicação oferece conforto e segurança. (SCORZA e BORGES,2008) De acordo com Scorza e Borges (2008), se encontram aparelhos com parâmetros de 20 e 80 ml/min. Mas também, há equipamentos que disponibilizam fluxos até 150 ml/min. Com relação ao volume total administrado, este gira em torno de 600 ml a 1000 ml, podendo atingir 3000 ml nos casos de grandes depósitos de gordura. 4.0 Metodologia A pesquisa foi realizada por meio de revisão bibliográfica de caráter avaliativo e abordagem descritiva composta de livro de acervo particular, através de artigos publicados, compreendidos entre os anos 2000 a Também foram realizadas pesquisas em sites de busca Scielo, Bireme, Fisiowebgates, Biblioteca virtual da saúde, Google scholar, e sites específicos de publicação científica com as seguintes palavras chaves :Eletrolipólise, gordura localizada,carboxiterapia. Nos quais as publicações encontradas foram analisadas de acordo com o conteúdo e palavras chaves correlacionadas com este estudo. Os critérios para inclusão dos artigos para o estudo de revisão de literaturas foram os que se enquadraram na data proposta, e os que se relacionavam eletrolipólise e carboxiterapia como meio de tratamentopara a sintomatologia prescrita. Para realizar o estudo foram excluídos artigos de experimentação animal. Também foram excluídos publicações que não estavam na data proposta e os que não possuíam literatura que pudessem correlacionar com o estudo.

10 Discussão De acordo com Azevedo et all(2008), os resultados obtidos na cirtometria em seus estudo mostrou que a eletrolipólise sendo associada ou não ao trabalho aeróbico apresenta resultados favoráveis ao término de 10 sessões. (AZEVEDO et al, 2008) Segundo Garcial et all, (2006), o uso da eletrolipólise se mostrou eficaz para a redução de adiposidade localizada provenientes de seqüela pós-lipoaspiração, uma vez que houve redução de 19,86% do tecido adiposo local e melhora significativa no aspecto estético daregião afetada E, atestou que a microcorrente pode ser utilizada como instrumento potencializado da eletrolipólise com agulhas.(garcial et all,2006) De acordo com Borges e Gardenghi,o método percutâneo mostrou uma maior eficácia que comparados ao método transcutâneo, que apresentou resultados mais discretos. E que associado a uma atividade física e/ou dieta, a eletrolipólise tem melhores resultados. Confirmando que eletrolipólise é eficaz na redução das adiposidades abdominais localizadas.o sistema neuro-hormonal influi sobre a lipólise: a estimulação do sistema simpático à ativa, enquanto a estimulação parassimpática diminui. (FREDERICO)Devido à melhora do caráter lipídico gerado pela eletrolipólise, pode-se concluir que há diminuição de risco cardiovascular, uma vez que o LDL-colesterol diminui e o HDL colesterol aumenta, gerando uma menor afinidade dos vasos pelas placas ateroscleróticas, também pode ser detectado discreta redução da massa corporal, diminuição da perimetria da região tratada e do índice de massa corporal(frederico) Segundo Assumpção (2006), tendo em vista que a eletrolipólise é realizada com aparelhos que emitem correntes de baixa frequência, a TENS é considerada um recurso eficaz para a realização desta técnica. No trabalho realizado por Brandi, et al (2001), a carboxiterapia foi utilizada em 48 mulheres com idade de 24 a 51 anos de idade, e os resultados apontaram uma redução na circunferência da gordura localizada em coxa, joelho e/ou abdômen submetidas ao gás carbônico e melhora da microcirculação e na ação lipolítica, um aumento no fluxo sanguíneo e pressão arterial femoral, bem como, uma melhoria nos perímetros e teste ergométrico. Segundo os estudos de Corrêa et all(2008)foi demonstrado que o uso da carboxiterapia no FEG obteve respostas positivas. Istopode ser confirmado através da análise estatística onde 40,47% apresentaram a redução dos graus do FEG. Outro aspecto relevante foi à melhora de 33,78% na escala analógica visual da dor, sendoassim favorável ao comprometimento das participantes para conclusão dos estudos. Verificamos que a técnica de carboxiterapia é considerada um recurso seguro, sem efeitos adversos ou complicações importantes, tanto locais, como sistêmicas, visto que o produto comumente utilizado (CO2) possui cerca de 99,9% de pureza, próprio para uso terapêutico. (SCORZA e BORGES,2008) A utilização se estende da celulite (lipodistrofiaginoide) à flacidez e estrias, às cicatrizes inestéticas e ao tratamento complementar nas lipoaspirações para reduzir as irregularidades e diminuir o aspecto "enrugado" da pele, pela melhora da elasticidade cutânea. Esses benefícios decorrem da promoção de vasodilatação arteriovenosa local, do aumento do fluxo sanguíneo regional, do aumento das drenagens sanguínea e linfática e da lipólise, resultando, por conta dessas ações, maior disponibilidade de oxigênio para o tecido, aumento no turnover de colágeno e redução da quantidade de tecido adiposo. (FERREIRA et all) Segundo Brandi etall(2001), em seus estudos, mostrou que através de injeção de gás carbônico, há um aumento da perfusão tecidual, aumento da pressão parcial de oxigênio (PO2) e a redução da circunferência das áreas tratadas. Bem como aumento da espessura da

11 11 pele, fratura da membrana do adipócito e preservação total do tecido conjuntivo, incluindo estruturas vasculares e nervosas. A técnica de carboxiterapia é considerada um recurso seguro, sem efeitos adversos ou complicaçõesimportantes, tanto locais, como sistêmicas, visto que o produto comumente utilizado (CO2) possui cerca de 99,9% depureza, próprio para uso terapêutico.(scorza e BORGES,2008) Corrêa et all(2008) acredita que a carboxiterapia é uma terapia segura e sem grandes contra indicações, constituindo-se portanto, num recurso fisioterapêutico dermato-funcional ao alcance daqueles que possuem capacidade técnica para o manuseio do equipamento e do gás carbônico. 6.0 Conclusão Existem muitos tratamentos com o objetivo de diminuição de medidas corporais. Com o passar dos anos descobriram técnicas para dar um auxilio na perca do excesso de gordura corporal. Ambos os tratamentos apresentados são tratamentos invasivos, realizados por profissionais capacitados. De acordo com evidências apresentadas a eletrolipólise mostra-se eficaz para diminuição de gorduras localizadas, além de outras patologias como fibroedemageloide, e em pós- cirúrgicos de lipoaspiração auxiliando na correção de contornos corporais. A Carboxiterapia, conforme resultados de trabalhos realizados, também é uma técnica que tem apresentado excelentes resultados destruindo o tecido adiposo, realizando assim diminuição na gordura corporal. A pesquisa realizada foi focada para diminuição de gordura corporal, mas as pesquisas também apontam a carboxiterapia eficaz para outras afecções, como estrias, FEG, para rejuvenescimento, rugas, entre outros. Observa-se que o paciente realiza o tratamento com a terapia que lhe causa menos dor e desconforto, ou fazem uma terapia combinada, revezando sessões com Eletrolipólise e/ou a Carboxiterapia. E também utilizando a eletrolipólise para diminuição de medidas,e a carboxiterapia para, por exemplo, estrias. Os estudos apontam que ainda é escassa a existência de obras literárias abordando sobre os assuntos explorados, sendo necessários mais pesquisas abrangendo os métodos. Podemos também ressaltar, que o método de Eletrolipólise e Carboxiterapia podem ser aplicados associados com outros tratamentos dermatológicos,uma dieta balanceada e exercícios físicos específicos, para obtenção de resultados rápidos e eficazes. Referências ASSUMPÇÃO, A.C.; SOUZA, A.; MÁXIMO, L.; CARDOSO, M.C.; BORGES, F.S. Eletrolipólise (Eletrolipoforese) In: Borges,F.S. Dermato-Funcional: Modalidades Terapêuticas nas Disfunções Estéticas. São Paulo: Phorte, 2006 AZEVEDO,Carla; ZANIN,Érica; TOLENTINO,Thaís; CEPEDA,Christina;BUSNARDO,Viviane. Estudo comparativo dos efeitos da eletrolipólise por acupontos e da eletrolipólise por acupontos associada ao trabalho aeróbico no tratamento da adiposidade abdominal grau i em indivíduos do sexo feminino com idade entre 18 e 25 anos. RUBS, Curitiba, v.1, n.2, p.64-71, mai./ago BORGES,Ludmilla;GARDENGHI,Giulliano.ELETROLIPÓLISE NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA. BRANDI et al. Carbon dioxide therapy in the treatment of localized adiposities: Clinical study and histopathological correlations.aesthplastsurg

12 12 COFFITO Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Acórdão nº. 293 de 16 de junho de CORRÊA, Michele; GONTIJO, Érika; TONANI,Renata; REIS,Márcia;BORGES, Fábio.Análise da eficácia da carboxiterapia na redução do fibro edema gelóide: estudo piloto.revista Fisioterapia Ser- ano 3-Nº FERREIRA Lydia; SILVAEdina; JAIMOVICH Carlos; CALAZANSDenis; SILVA Edgard; FURTADO Fabianne; COSACOgnev; NADER Pedro;CORRÊA Wanda. Carboxiterapia: buscando evidência para aplicação em cirurgia plástica e dermatologia FRANKEN, Flávia; PONTEL, Debora C.; HANSEN, Dinara. A ELETROLIPÓLISE E SEUS EFEITOS LIPOLÍTICOS: UMA REVISÃO FREDERICO,Michel. Estudo em aparelho de eletrolipólise para verificação de mudanças bioquímicas através de exame urinário e sanguíneo.rio de Janeiro GARCIAL,Paula; GARCIAL,Fernanda, BORGES,Fábio. O uso da eletrolipólise na correção de assimetria no contorno corporal pós-lipoaspiração: Relato de caso.revista Fisioterapia Ser Ano 1 nr 4 out/nov/dez GUIRRO,E.C.O.; GUIRRO, R.R.J. Fisioterapia Dermato-Funcional: Fundamentos, Recursos e Patologias. 3.ed. São Paulo LEVITZKY, Michael G. Fisiologia pulmonar. 6.ed. São Paulo: Manole, NAKAGAWA, Naomi Kondo; BARNABÉ, Viviani. Fisioterapia do sistema respiratório. São Paulo: Sarvier, PACHECO, Tuane; FABRIS, Lissiane; PAVEI, Alice;FERREIRA,Karina. EFEITOS DA CARBOXITERAPIA SOBRE O FIBROEDEMA-GELÓIDE NA REGIÃO POSTERIOR DE COXA.2011 REMLINGER,Martinella, VITCHEMECH, Elisabete; VILLANOVA Virgínia; Martignago Cintia; REBONATO Thaiza; MEDEIROS Tatiana; DEON Keila. ELETROLIPÓLISE COMO RECURSO FISIOTERAPÊUTICO NA REDUÇÃO DE ADIPOSIDADE LOCALIZADA.Paraná,2009 ROUSSO Claire; MACHADO Carolina ; SCHUTZ Gustavo. Efeitos Estéticos da aplicação da Carboxiterapia sobre o tegumento: uma revisão sistemática.santa Catarina.2013 SCORZA,Flávio; FIGUEIREDO,Milenna; LIAO,Claudia; BORGES,Fábio. Estudo comparativo dos efeitos da eletrolipólise com uso de TENS modo Burst e modo normal no tratamento de adiposidade localizada abdominal. Ensaios e Ciência: CiênciasBiológicas; Agrárias e da Saúde. Vol.XIINº.2, SCORZA, Flávia; BORGES, Fábio. Carboxiterapia: uma revisão. Revista Fisioterapia Ser-ano3, Nº SCORZA, Flávia Aceso;JAHARA,RodrigoSoligo.Carboxiterapia.São Paulo.Phortes,2010 SORIANO, M. C.D.; PÉRE S.C;,BAQUES, M.I.C. Eletroestética Profissional Aplicada: Teoria y Práctica para lautilización de Corrientes em Estética. Espanha. Sorrisa, 2000.

CARBOXITERAPIA, CARBOTERAPIA, CARBOSSITERAPIA, CARBOXITHERAPY, CARBOXIDTERAPIA. CARBON DOIXIDE THERAPY, etc.

CARBOXITERAPIA, CARBOTERAPIA, CARBOSSITERAPIA, CARBOXITHERAPY, CARBOXIDTERAPIA. CARBON DOIXIDE THERAPY, etc. CARBOXITERAPIA Permanentemente recibo e-mails de colegas e principalmente dos meus alunos perguntando sobre a Carboxiterapía. Um procedimento de moda e muito utilizado no mundo inteiro. Vamos então fazer

Leia mais

O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000).

O termo celulite foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000). O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000). Desde então alguns termos são utilizados para designá-la,

Leia mais

ELETROLIPÓLISE NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA

ELETROLIPÓLISE NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA ELETROLIPÓLISE NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL: UMA REVISÃO DE LITERATURA Ludmilla Carla de Castro Borges 1 ; Giulliano Gardenghi 2. Resumo O excesso de adiposidade corporal e a ação hormonal

Leia mais

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples FIBRO EDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O FEG é uma disfunção localizada que afeta a derme e o tecido subcutâneo, com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante. FASES DO FEG Primeira fase:

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição Produto INCI Definição SLIMBUSTER H Water and Butylene Glycol and PEG-40 Hydrogenated Castor Oil and Ptychopetalum Olacoides Extract and Trichilia Catigua Extract and Pfaffia sp Extract Biocomplexo anticelulítico

Leia mais

TROCA E TRANSPORTE DE GASES

TROCA E TRANSPORTE DE GASES TROCA E TRANSPORTE DE GASES Difusão dos gases através da membrana respiratória Unidade Respiratória Cada alvéolo: 0,2 mm Parede Unidade respiratória: delgada Capilares Membrana Respiratória ou Membrana

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA

TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA TRATAMENTO COM ELETROLIPOFORESE PARA FIBRO EDEMA GELÓIDE EM REGIÃO GLÚTEA RINALDI, C. L.W.; SPESSATO, L. C. Resumo: O objetivo do presente estudo foi avaliar o benefício da eletrolipoforese no tratamento

Leia mais

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br

Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br Profa. Alessandra Barone www.profbio.com.br Digestão de lipídeos A maior parte de nossa ingestão de lipídeos é feita sob a forma de triacilgliceróis Hidrólise inicia-se pela ação da lipase lingual, ativada

Leia mais

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada.

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. Produto INCI Definição Propriedades SLIMBUSTER L Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. - Diminui a gordura localizada

Leia mais

Prof Me Alexandre Rocha

Prof Me Alexandre Rocha Prof Me Alexandre Rocha alexandre.personal@hotmail.com www.professoralexandrerocha.com.br login: profrocha e senha: profrocha www.avaliacaoja.com.br www.professoralexandrerocha.com.br 1 Função O propósito

Leia mais

Biologia. Sistema circulatório

Biologia. Sistema circulatório Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório.

Leia mais

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. L.A.S.E.R. Introdução Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. Introdução Em 1900 o físico alemão Max Planck apresentou uma explanação

Leia mais

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular

Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral Sistema Cardiovascular Hermann Blumenau Complexo Educacional Curso: Técnico em Saúde Bucal Anatomia e Fisiologia Geral! Sistema Cardiovascular! Professor: Bruno Aleixo Venturi! O sistema cardiovascular ou é composto pelo coração

Leia mais

Principais propriedades físicas da água.

Principais propriedades físicas da água. BIOQUÍMICA CELULAR Principais propriedades físicas da água. Muitas substâncias se dissolvem na água e ela é comumente chamada "solvente universal". Por isso, a água na natureza e em uso raramente é pura,

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta Questão 1 Uma enzima, extraída da secreção de um órgão abdominal de um cão, foi purificada, dissolvida em uma solução fisiológica com ph 8 e distribuída em seis tubos de ensaio. Nos tubos 2, 4 e 6, foi

Leia mais

TREINAMENTO TÉCNICO BIOTHERMIC

TREINAMENTO TÉCNICO BIOTHERMIC TREINAMENTO TÉCNICO BIOTHERMIC BIOSET Indústria de Tecnologia Eletrônica Ltda. EPP Av. 55, 1212 -Jardim Kennedy - Rio Claro SP - CEP 13501-540 SAC: (19) 3534-3693 www.bioset.com.br CNPJ: 68.099.431/0001-90

Leia mais

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II

ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II NESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP ESTUDO DA FARMACOLOGIA Introdução - Parte II A Terapêutica é um torrencial de Drogas das quais não se sabe nada em um paciente de que

Leia mais

C 5 H 12 O álcool 88g/mol. x 12,5g x = 9,94g 5CO 2 + 5H 2 O

C 5 H 12 O álcool 88g/mol. x 12,5g x = 9,94g 5CO 2 + 5H 2 O Questão 1 O esquema abaixo mostra compostos que podem ser obtidos a partir de um alceno de fórmula molecular C 5 H 10. A seguir, responda às questões relacionadas a esse esquema, considerando sempre o

Leia mais

Sistema Respiratório Introdução

Sistema Respiratório Introdução Introdução Nesse caso, o termo respiração é empregado incluindo as trocas gasosas através do corpo e as trocas gasosas nas células dos diferentes tecidos. As trocas gasosas são realizadas através da superfície

Leia mais

Reologia e Mecanismos de Edema

Reologia e Mecanismos de Edema Conceitos Reologia é o estudo do fluxo. Um aspecto importante a ser considerado é a viscosidade sanguínea, que diz respeito à maior ou menor facilidade de fluxo, maior ou menor atrito durante o fluxo sanguíneo.

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

Tratamento com Bandagens e Cosméticos

Tratamento com Bandagens e Cosméticos Tratamento com Bandagens e Cosméticos Argilaterapia A argila é uma terra especial que absorve os princípios vitais do sol, da água e do ar, constituindo-se em um poderoso agente de recuperação física.

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

Procedimentos Estéticos

Procedimentos Estéticos Abaixo estão relacionados os procedimentos realizados pelo profissional biomédico habilitado em biomedicina estética de acordo com as resoluções e normativas vigentes do Conselho Federal de Biomedicina

Leia mais

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES 1 Copyright 2014 por Publicado por: Diabetes & Você Autora: Primeira edição: Maio de 2014 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta apostila pode

Leia mais

Acórdão nº. 293 de 16 de junho de 2012.

Acórdão nº. 293 de 16 de junho de 2012. Imprimir Acórdão nº. 293 de 16 de junho de 2012. D.O.U nº 120, Seção I, em 03/07/2012, páginas 127 e 128. O PLENÁRIO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONTROLE E INTEGRAÇÂO

CONTROLE E INTEGRAÇÂO CONTROLE E INTEGRAÇÂO A homeostase é atingida através de uma série de mecanismos reguladores que envolve todos os órgãos do corpo. Dois sistemas, entretanto, são destinados exclusivamente para a regulação

Leia mais

Questão 23 A asparagina ou ácido aspartâmico (fórmula abaixo) é um aminoácido não essencial que apresenta isomeria óptica.

Questão 23 A asparagina ou ácido aspartâmico (fórmula abaixo) é um aminoácido não essencial que apresenta isomeria óptica. QUÍMICA Questão 21 A irradiação é uma técnica utilizada na conservação de alimentos para inibir a germinação, retardar o amadurecimento e destruir bactérias patogênicas. Os isótopos césio 137 e cobalto

Leia mais

Biologia. 8 o ano. Caderno 2

Biologia. 8 o ano. Caderno 2 Biologia 8 o ano Caderno 2 Módulos 7 e 8 1 A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do grau de acidez do meio. Observe o gráfico e responda: Qual curva representa o local da ação da

Leia mais

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS

GLICOCORTICÓIDES PRINCIPAIS USOS DOS FÁRMACOS INIBIDORES DOS ESTERÓIDES ADRENOCORTICAIS GLICOCORTICÓIDES - Hormônios esteroidais: Hormônios sexuais e Hormônios do Córtex da Adrenal. - Hormônios do Córtex da Adrenal: o Adrenocorticosteróides [glicocorticóides e (cortisol) e Mineralocorticóides

Leia mais

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto)

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Tecido Sanguíneo Visão Geral Tecido conjuntivo líquido Circula pelo sistema cardiovascular Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Defesa imunológica (Leucócitos) Trocas

Leia mais

O CICLO DO ERITRÓCITO

O CICLO DO ERITRÓCITO O CICLO DO ERITRÓCITO Rassan Dyego Romão Silva Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil rassandyego@hotmail.com Orientador: Amarildo Lemos Dias de Moura RESUMO: Os eritrócitos são discos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS

A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS USE OF BANDAGE CRYOTHERAPYIN ABDOMINAL ADIPOSITY IN WOMEN BETWEEN 25 AND 30 YEARS Caroline Romano -carol.romano.93@gmail.com

Leia mais

Introdução a eletroestética

Introdução a eletroestética Agentes físicos: Introdução a eletroestética -Corrente elétrica, ondas eletromagnéticas, ondas ultrasônicas -Calor -Luz -Água -Movimento Interação dos agentes físicos (aparelhos) x tecido biológico (pele/corpo

Leia mais

3ª Série / Vestibular

3ª Série / Vestibular 3ª Série / Vestibular 01. Uma característica típica de todo o tecido conjuntivo é: (A) apresentar células em camadas unidas; (B) apresentar poucas camadas de células; (C) apresentar muito material intersticial;

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA

RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA RESPOSTAS RENAIS A UMA DIETA HIPERPROTEICA Marcos José Andrade Lima Universidade Federal da Paraíba Faculdade Integrada de Patos marcosandrade.saude@hotmail.com Introdução O aparelho excretor tem a função

Leia mais

Histologia e Genética

Histologia e Genética Histologia e Genética Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo Sistema ABO Sistema RH Sistema MN Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo O sangue é o sistema de transporte interno de todos os vertebrados e de vários

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Aula 01 Organização

Leia mais

CURSO DE MASSAGEM MODELADORA

CURSO DE MASSAGEM MODELADORA CURSO DE MASSAGEM MODELADORA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti Tecido Adiposo Composto por: Adipócitos; Células endoteliais; Macrófagos; Células do estroma vascular; Fibroblastos; Pré-

Leia mais

Perfil Lipídico. Prof. Fernando Ananias FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS

Perfil Lipídico. Prof. Fernando Ananias FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS Perfil Lipídico Prof. Fernando Ananias FUNÇÃO DOS LIPÍDIOS Maior reserva corporal de energia tecidos muscular e subcutâneo Proteção contra traumatismo: 4% Isolamento térmico Transportadores de vitaminas

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA III

FISIOLOGIA HUMANA III FISIOLOGIA HUMANA III UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Profª Drª Silvia Aparecida Pieta Interação dos sistemas nervoso e endócrino Os sistemas nervoso e

Leia mais

Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física?

Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física? Fisiologia Humana QUESTÕES INICIAIS 1 2 3 Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física? Qual a importância dos conhecimentos

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

APARELHO EXCRETOR HUMANO

APARELHO EXCRETOR HUMANO Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Aparelho Excretor Humano APARELHO EXCRETOR HUMANO O descarte dos produtos indesejáveis e a regulação hidrossalina

Leia mais

CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO

CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO CAP. 08: TECIDO ÓSSEO E SISTEMA ESQUELÉTICO CAP. 09: TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CAP. 10: SISTEMA IMUNITÁRIO E LINFÁTICO 1. A Figura I corresponde a uma etapa da ação da vitamina K no processo de

Leia mais

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO

BIOLOGIA SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO BIOLOGIA Prof. Helder SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO 1. Anatomia do Sistema Respiratório O oxigênio do ar deve chegar aos alvéolos e passar para o sangue, fazendo o gás carbônico o caminho inverso. O caminho

Leia mais

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS Autora: Márcia de Fátima Ferraretto Pavan Resumo: Diabetes mellitus é uma doença crônica e está associada a complicações que comprometem

Leia mais

Cartilha. pela Saúde da Mulher

Cartilha. pela Saúde da Mulher Cartilha pela Saúde da Mulher Cólica Menstrual Excesso de Gorduras no Sangue A cólica menstrual ou dismenorreia é uma dor abdominal provocada pelas contrações uterinas que ocorrem durante a menstruação.

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

CARBOXITERAPIA E MICROAGULHAMENTO

CARBOXITERAPIA E MICROAGULHAMENTO CARBOXITERAPIA E MICROAGULHAMENTO ESTIMULANDO A REGENERAÇÃO NA PELE Dra. Sandra Barbosa Fisioterapeuta Mestre em Ciências Médicas Especialista em Biomecânica Diretora Técnica do Spaço Dosha DEFINIÇÃO Técnica

Leia mais

41 Por que não bebemos água do mar?

41 Por que não bebemos água do mar? A U A UL LA Por que não bebemos água do mar? Férias no verão! Que maravilha! Ir à praia, tomar um solzinho, nadar e descansar um pouco do trabalho. Enquanto estamos na praia nos divertindo, não devemos

Leia mais

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma)

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) Introdução A função básica do sistema cardiovascular é comunicação das células entre si, produzindo um fluxo, e com o meio externo, havendo uma integração

Leia mais

GABARITO DEFINITIVO DA IX OBB (1ª FASE)

GABARITO DEFINITIVO DA IX OBB (1ª FASE) (1/5) Resolução Comentada OBB IX Fase 1 GABARITO DEFINITIVO DA IX OBB (1ª FASE) 1 A B C D E 11 A B C D E 21 A B C D E 2 A B C D E 12 A B C D E 22 A B C D E 3 A B C D E 13 A B C D E 23 A B C D E 4 A B C

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Alburex 20 albumina humana APRESENTAÇÃO Alburex 20: embalagem contendo 1 frasco-ampola com 50 ml de solução hiperoncótica de albumina humana para infusão (20%). VIA INTRAVENOSA

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL.

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL. 11 PROVA DE BIOLOGIA Q U E S T Ã O 1 6 Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Partícula de LDL (Lipoproteína de baixa densidade) Receptores de LDL Endossomo

Leia mais

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente.

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente. ZONA DE SOBREVIVÊNCIA Hipotermia HOMEOTERMIA Homeotermia (HOMEOSTASIA) Hipertermia ou Homeostasia Termogênese Termoneutralidade Zona de Conforto Térmico Temperatura corporal TI TCIn Zona de TCS Termoneutralidade

Leia mais

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares;

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares; INTRODUÇÃO AO METABOLISMO Metabolismo é o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. O metabolismo tem quatro

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21 Questão 21 QUÍMICA A irradiação é uma técnica utilizada na conservação de alimentos para inibir a germinação, retardar o amadurecimento e destruir bactérias patogênicas. Os isótopos césio 137 e cobalto

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Departamento de Fisiologia Curso: Educação Física NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Aluno: Anderson de Oliveira Lemos Matrícula: 9612220 Abril/2002 Estrutura de Apresentação Líquidos Eletrólitos Energia

Leia mais

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO Prof. Esp.* ANDRÉ LEONARDO DA SILVA NESSI Prof. Ms.**AIDE ANGÉLICA DE OLIVEIRA Prof. Dra.*VILMA NATIVIDADE *Universidade Anhembi

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II Respiração Celular 1º estágio: GLICÓLISE 2º estágio: CK Ciclo de Krebs 3º estágio:

Leia mais

Sistema Cardiovascular

Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular O sistema cardiovascular é responsável pela circulação do sangue. O sangue transporta: nutrientes obtidos na digestão; Oxigênio; Gás carbônico; Resíduos; Hormônios. Vasos Sanguíneos

Leia mais

PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS

PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS PROJETO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL NA SAÚDE DA MULHER NA ASSISTÊNCIA DE MULHERES ACOMETIDAS POR RUGAS MAIA, Ingrid Vanessa E. 2 RAMALHO, Jéssica Soares 2 FERREIRA, Luana de Lima 2 JUNIOR, Paulo Sergio

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino

SISTEMA DIGESTÓRIO. Quitéria Paravidino SISTEMA DIGESTÓRIO Quitéria Paravidino PROCESSOS DIGESTÓRIOS Ingestão:captar alimento pela boca; Mistura e movimentação do alimento:contrações musculares misturam o alimento e as secreções e movimentam

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

O que é a Terapia das Pedras? Terapia das Pedras. O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras?

O que é a Terapia das Pedras? Terapia das Pedras. O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? O que é a Terapia das Pedras? Terapia das Pedras Professora: Debora Clinicamente é a aplicação de termoterapia, usando-se pedras aquecidas de efeito permanente e alternando com pedras extremamente frias.

Leia mais

de sede é tão fraco, encia, 37% dos seres humanos a confunde com a fome? imperceptível retardará o metabolismo em aproximadamente 3%. de Washington.

de sede é tão fraco, encia, 37% dos seres humanos a confunde com a fome? imperceptível retardará o metabolismo em aproximadamente 3%. de Washington. Você sabia que O O mecanismo da sensação de sede é tão fraco, que com freqüencia encia, 37% dos seres humanos a confunde com a fome? Ainda mais, uma desidratação imperceptível retardará o metabolismo em

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS

ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS ANÁLISE FUNCIONAL DO FITNESS Sobre a Avaliação: O profissional conecta os sensores nos dedos do cliente para que possam captar os sinais do sistema nervoso e enviá-los ao computador, gerando resultados

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Profs. Nolinha e Thomaz

Profs. Nolinha e Thomaz 1 TREINAMENTO DE QUESTÕES DISCURSIVAS () Profs. Nolinha e Thomaz QUESTÃO 01 Um pesquisador realizou um experimento para verificar a influência da bainha de mielina na velocidade de condução do impulso

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo corresponde a um Estímulo que provoca uma resposta do sistema neurohormonal. Como funciona

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino-I

Fisiologia do Sistema Endócrino-I Curso Preparatório para Residência em Enfermagem-2012 Fisiologia do Sistema Endócrino-I Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam

Leia mais

Por não serem solúveis na água, os lípidos circulam no plasma sob a forma de lipoproteínas. Os ácidos gordos livres circulam ligados à albumina.

Por não serem solúveis na água, os lípidos circulam no plasma sob a forma de lipoproteínas. Os ácidos gordos livres circulam ligados à albumina. LIPOPROTEÍNAS E DISLIPIDÉMIAS Por não serem solúveis na água, os lípidos circulam no plasma sob a forma de lipoproteínas. Os ácidos gordos livres circulam ligados à albumina. Transporte dos lípidos Classificação

Leia mais

UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE

UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE 1-O iodo-132, devido à sua emissão de partículas beta e radiação gama, tem sido muito empregado no tratamento de problemas na tireoide. A curva abaixo ilustra o decaimento

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza Patologia por imagem Abdome ProfºClaudio Souza Esplenomegalia Esplenomegalia ou megalosplenia é o aumento do volume do baço. O baço possui duas polpas que são constituídas por tecido mole, polpa branca

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E O que não é assimilado pelo organismo O que o organismo não assimila, isto é, os materiais inúteis ou prejudiciais ao seu funcionamento, deve ser eliminado.

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

SOMAVERT pegvisomanto. APRESENTAÇÕES Somavert 10 mg ou 15 mg, pó liofilizado injetável, em embalagens contendo 30 frascos-ampola + 30 frascosampola

SOMAVERT pegvisomanto. APRESENTAÇÕES Somavert 10 mg ou 15 mg, pó liofilizado injetável, em embalagens contendo 30 frascos-ampola + 30 frascosampola SOMAVERT pegvisomanto I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Somavert Nome genérico: pegvisomanto APRESENTAÇÕES Somavert 10 mg ou 15 mg, pó liofilizado injetável, em embalagens contendo 30 frascos-ampola

Leia mais

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO ATRAVÉS DOS SENTIDOS TEMOS A CAPACIDADE DE PERCEBER O AMBIENTE EXTERNO AO NOSSO ORGANISMO. ISSO É POSSÍVEL DEVIDO

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções.

INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA (IRC) Os Rins e suas funções. Possuímos dois rins que têm cor vermelho-escura, forma de grão de feijão e medem cerca de 12 cm em uma pessoa adulta.localizam-se na parte posterior

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Reduz a acumulação de gordura durante a adipogênese. Reduz o tamanho de adipócito com efeito de lipólise.

Reduz a acumulação de gordura durante a adipogênese. Reduz o tamanho de adipócito com efeito de lipólise. ADIPO-TRAP Adipo-Trap a planta carnívora que remodela o corpo. 1. Introdução In Vitro Reduz a acumulação de gordura durante a adipogênese. Reduz o tamanho de adipócito com efeito de lipólise. Ensaio Clínico

Leia mais

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda.

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda. O USO DA CRIOTERAPIA NAS LESÕES AGUDAS DE TECIDO MOLE RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o organismo responde através do mecanismo de inflamação e o uso da crioterapia vai amenizar

Leia mais