Análise da cadeia de suprimentos da indústria de laticínio da Zona da Mata Mineira: Integração das empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da cadeia de suprimentos da indústria de laticínio da Zona da Mata Mineira: Integração das empresas"

Transcrição

1 Análise da cadeia de suprimentos da indústria de laticínio da Zona da Mata Mineira: Integração das empresas Resumo José Geraldo Vidal Vieira, Msc. - Universidade de São Paulo Leonardo Junqueira Lustosa, PhD. - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Hugo Y. Yoshizaki, Dr. - Universidade de São Paulo Este artigo tem o objetivo de analisar a cadeia de suprimentos de laticínios independentes (i.é não associados a grandes marcas multinacionais), tendo como foco os processos propostos por Lambert and Cooper (2000). Para o estudo foi escolhida a região da Zona da Mata Mineira, segunda maior bacia leiteira do Estado de Minas Gerais. O artigo enfatiza o relacionamento nos elos estratégicos da cadeia de laticínios, além de discutir a viabilidade de a empresa focal (laticínio) gerenciar a cadeia. Conclui-se que se as indústrias dessa região tivessem uma parte de seus processos-chave gerenciados, poderiam ser mais competitivas no mercado regional e nacional. Palavras Chaves: mento da Cadeia de Suprimentos, Laticínios. Analyzing the supply chain of the dairy industry of the Zona da Mata Mineira: Integration of the firms Abstract The objective of this paper is to analyze the supply chain of Brazilian independent (i.e. non associated to large multinational brands) dairy industry, focusing on Lambert and Cooper s processes. The empirical study took place in the Zona da Mata Mineira that has the second largest dairy industry of the State of Minas Gerais. The analysis stresses the relationships at the strategic links of the supply chain, and comments on the feasibility of the focal firm (dairy) playing the main role in a potential supply chain management. The research concluded that the management of the strategic processes would enhance the independent dairies competitiveness in the regional and national market. Key Words: Supply chain management, Dairy. Copyright

2 1. Introdução O modelo estrutural proposto por Lambert e Cooper (2000) para o gerenciamento da cadeia de suprimento (Supply Chain Management SCM) evidencia as vantagens da integração de todos os negócios chaves e os processos gerenciados envolvidos desde a matéria-prima que origina o produto até o consumidor final, incluindo os serviços e informações que adicionam valor para os consumidores e outros diretamente envolvidos. Este trabalho tem como premissa que, para manter a competitividade dos laticínios independentes (não associados às grandes marcas, geralmente multinacionais) na região da Zona da Mata Mineira, não basta aumentar a eficiência das empresas isoladamente, pois os ganhos de competitividade não estão restritos à sua gerência interna, mas sim, na cadeia como um todo (VILELA, BRESSAN e CUNHA, 2001). Crescentemente, os laticínios independentes regionais competem com grandes empresas de atuação nacional e internacional que apresentam maior integração vertical ou que, pelo porte, são capazes de comandar toda a cadeia de suprimentos em diversos aspectos chave. Logo, a idéia do SCM parece permitir uma melhor integração dos produtores de leite, fornecedores, laticínios e canais de comercialização na busca de melhor posição nesse ambiente competitivo. O objetivo deste trabalho foi aplicar o modelo estrutural de Lambert e Cooper (2000) na análise das cadeias dos laticínios independentes e avaliar as formas de gerenciamento dos seus processos, buscando identificar problemas e oportunidades de melhorias. Tais melhorias são necessárias para alcançar ganhos estratégicos na competitividade da cadeia - aspecto vital para seus membros ameaçados num mercado que, progressivamente, se torna menos regionalizado. O artigo está dividido nas seguintes partes: contexto da indústria de laticínios e a motivação para o estudo, metodologia da pesquisa, apresentação e análise dos casos e conclusões. 2. Contextualização da Indústria de Laticínios e a motivação para o estudo A cadeia de laticínios brasileira participa de uma importante parcela dos negócios agrícolas nacionais. Embora o Brasil esteja na quinta posição dos maiores países produtores de leite in natura, sua produtividade ainda é baixa e o porte dos produtores pequeno em relação aos de países mais produtivos. Sem entrar no mérito dos subsídios, diretos e indiretos, nesses outros países, o flagrante atraso tecnológico dos membros produtores e gerencial dos diversos elos Copyright

3 da cadeia dos laticínios (Primo, 2001:122) estão, indubitavelmente, na base dessa disparidade de produtividade. O Estado de Minas Gerais é o principal produtor de leite do Brasil com aproximadamente 30% da produção nacional (TERRA VIVA, 2001). Dentro do Estado destaca-se a região da Zona da Mata como a segunda maior produtora de leite do e onde se concentra cerca de 28% do total de laticínios sob algum tipo de registro de inspeção do Estado (SEBRAE, 1997). A indústria de laticínios é uma tradição na Zona da Mata e, apesar do declínio de sua importância relativa na economia da meso-região, é ainda um importante empregador local de elevado impacto social por fixar o homem no campo. Na cadeia agro-industrial do leite, a produção de laticínios responde por 31% do emprego formal (Gallinari et al. 2002). 3. Metodologia da Pesquisa Dados os objetivos ainda largamente exploratórios, em função de bibliografia e dados secundários escassos quanto ao gerenciamento da cadeia de laticínios (Jank, Farina e Galan, 1999; Primo, 2001), utilizou-se o método de estudo de casos, por meio de entrevistas semiestruturadas. Como base teórica utilizou-se a estrutura de Lambert e Cooper (2000) como o modelo mais adequado para análise dos processos de negócios na cadeia de suprimentos, pois é um modelo simples, genérico e abrangente. O modelo é composto de três elementos estruturais, conforme a Figura 1, a saber: (a) estrutura de rede, (b) processos e (c) componentes gerenciais. A. Estrutura da rede: os membros que integram as firmas e a topologia de suas ligações B. Processos relacionados aos negócios da cadeia: quais os processos que criam elos importantes entre os membros da cadeia C. Componentes gerenciais: qual o nível de integração e de gerenciamento que cada processo deverá ter Fonte: Lambert e Cooper, In Vieira e Lustosa, Figura 1 - Estrutura conceitual de gerenciamento da cadeia de suprimentos Outros detalhes da estrutura serão apresentados juntamente com as análises. O universo da pesquisa é composto por 242 empresas da Zona da Mata que processam leite e derivados (queijos, requeijão, manteiga, leite fluido e bebida láctea, entre outros). A amostra foi selecionada dentre cerca de 50 de empresas da meso-região que possuem registro no Serviço de Inspeção Federal (SIF). O registro no SIF permite às empresas comercializarem seus produtos em outras regiões do país, representando, portanto, empresas Copyright

4 que, em maior ou menor grau, competem com outras fora da meso-região. Dado o elevado número de empresas cadastradas no SIF e a necessidade de uma estrutura gerencial formal mínima, onde os processos possam ser facilmente identificados, utilizaram-se os seguintes critérios de conveniência adicionais. Volume mínimo de leite processado ( litros/dia), assegurando que essas empresas representariam uma capacidade produtiva elevada, com um mínimo de organização dos processos a serem analisados. Algum espalhamento geográfico na meso-região, pois trata-se de produtos perecíveis e, consequentemente, de custo de comercialização sensível à distância geográfica do mercado. Esses critérios foram responsáveis pela redução da amostra para apenas 10 empresas. Destas, oito (que contribuem com aproximadamente 64% do total do leite processado na meso-região) concordaram em participar do estudo e foram identificadas como empresas L1 a L8. 4. Estudo dos casos: apresentação e análise dos dados 4.1. Dados gerais das empresas A seguir são apresentados alguns aspectos de cada uma das empresas dando ênfase ao que se refere à produção de leite Longa Vida (LLV), manteiga, queijos e similares, ou seja, sem considerar os aspectos ligados à produção de leite pasteurizado ensacado e à bebida láctea. O Quadro 1 mostra, de forma resumida, algumas características das empresas. Empresas L1 L2 L3 L4 L5 L6 L7 L8 Ano de fundação Número de produtos Foco da Empresa quanto à Média/ Alta Baixa perecibilidade dos produtos* Alta Alta Média Baixa Baixa Baixa Capacidade de Produção Volume Processado *Definido a partir dos principais tipos de produtos (que respondem pelo maior volume de produção) das empresas. Fonte: Vieira, Quadro 1 - Características gerais das empresas. Pode-se verificar que são empresas de pequeno a médio porte, com capacidade de produção entre litros/dia a litros/dia, sendo a maioria trabalhando no limite de sua capacidade. A diversificação da produção também trás importantes características das empresas, conforme apresentado a seguir. - Há concentração na linha de produtos de baixas e médias perecibilidade, fato esse observado nas L2, L3, L6, L7 e L8. Como conseqüência tem-se: produção em maior escala, diversificação dos queijos e aumento dos estoques reguladores. Essas são empresas antigas Copyright

5 que, segundo os entrevistados, preferem os produtos de baixa perecibilidade que podem ser estocados (facilitando o ajuste entre demanda e a oferta variável de leite) e possuem maior valor agregado, além de favorecer a logística na distribuição e na armazenagem. - Produtos de alta perecibilidade como queijos frescos, não são prioridades de fabricação pela maioria das empresas da amostra, pois representam um nicho de mercado onde competem com empresas menores que atendem mercados locais com vantagens logísticas. Exceções são a L4, por se tratar de uma empresa tradicional na produção de queijos frescos e da L1, por ter encontrado uma boa oportunidade no mercado de baixa renda fluminense. - O elevado número de produtos das L3 e L6 mostra estratégia de diversificação com elevada economia de escopo, enquanto que a L7 e L8 se concentram na escala de multiproduto (produção em escala com economia de escopo). O Quadro 2 mostra a atuação das empresas por estados da Federação. Mercado/Empresa L1 L2 L3 L4 L5 L6 L7 L8 Rio de Janeiro 95% 7% 90% 65% 0% 65% 70% 60% Minas Gerais 0% 3% 3% 35% 100% 15% 12% 10% Espírito Santo 0% 0% 0% 0% 0% 5% 18% 10% São Paulo 5% 5% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Norte e Nordeste e Centro-Oeste 0% 85% 7% 0% 0% 15% 0% 20% Fonte: Vieira, Quadro 2 - Distribuição geográfica dos mercados das empresas. Pode-se verificar que o Estado do Rio de Janeiro (com exceção da L2 e L5) contribui com 74,16% do mercado consumidor das oito empresas. Isso se justifica, principalmente, pela proximidade e pelo porte do mercado consumidor (facilitando a distribuição dos produtos de alta e média perecibilidade). Muito dessa distribuição do mercado é explicada pelo fato de haver uma concentração de produção de leite numa faixa que se inicia na Zona da Mata e no Sul/Sudoeste de Minas e se estende para noroeste até Goiás. Localizada na extremidade sul dessa faixa, é natural que, como exportadora de leite e derivados, a Zona da Mata privilegie o atendimento do Rio de Janeiro e Espírito Santo, ficando para as demais meso-regiões dessa faixa os demais mercados importadores. Fogem a essa regra, a L2 que se especializa num tipo de queijo muito apreciado no Norte e Nordeste, a L5 que conseguiu oportunidade importante no Estado. Os clientes são na maioria redes de supermercados e varejistas em geral. Com exceção das L4, L5 e L8, as demais empresas são auxiliadas por centros de distribuição localizados estrategicamente com intuito de facilitar a distribuição. O Quadro 3 mostra as empresas e seus principais mercados consumidores. Copyright

6 Mercado/Empresa L1 L2 L3 L4 L5 L6 L7 L8 Supermercados 80% 70% 90% 70% 88% 55% 90% 90% Pequeno Varejo 20% 30% 8% 28% 10% 12% 9% 8% Loja própria % 2% Mercado Institucional* 0% 0% 2% 2% 2% 33% 0% 0% *Empresas que utilizam os derivados do leite como subproduto para a fabricação de outros alimentos. Fonte: Vieira, Quadro 3 - Principais canais de comercialização. Nota-se que 79,13% das vendas agregadas são destinadas às redes supermercadistas. Isso se justifica pelo elevado poder de compra dessas redes. Confrontando os dados dos Quadros 1, 2 e 3, verifica-se que o mix de produtos da L6 permite maior abrangência geográfica e segmentação do mercado (com elevado volume de vendas para outras indústrias alimentícias) e menor oscilação dos estoques de produtos acabados Aplicação e Análise da Estrutura de Lambert e Cooper Estrutura da rede A estrutura da rede é composta pelos membros primários No caso dos laticínios, varejistas, coletadores de leite, cooperativas de leite de várias microregiões próximas, produtores rurais, fornecedores de insumos para os laticínios, fontes de técnicos especializados, serviços de assistência técnica em laticínios, entre outros e pelos membros de apoio - bancos, empresas de informática, fornecedores de materiais diversos de almoxarifado, fornecedores de equipamentos diversos, de assistência técnica e de manutenção, entre outros. A cadeia é relativamente curta: de forma geral, a empresa focal (o laticínio) se situa numa posição horizontal central e a dimensão vertical (número de empresas na camada de fornecedores considerada), tanto na primeira camada de fornecedores (principalmente de leite), quanto na de clientes (varejistas) chega a dezenas de membros. A Figura 2 mostra uma cadeia genérica da empresa de laticínios. Copyright

7 Banco de Sêmen Produtos Agropecuários Profissionais Liberais Transporte Órgão Público Suporte técnico Transporte Produtos Veterinários Pecuária Cooperativas Laticínios Queijos Manteiga Iogurtes etc Centro de Distribuição Varejistas Máquinas Implementos Ração e Insumos Empresas Especializadas Laboratório Insumos em geral Fonte: Vieira e Lustosa, Figura 2 - Cadeia da Indústria de Laticínios. Tanto a posição horizontal do laticínio na cadeia, como a dimensão vertical das suas camadas de fornecedores e clientes podem variar em função da estratégia de verticalização da empresa. Pode terceirizar parte da sua produção para outros laticínios, ou prestar serviços para outras empresas. Pode fabricar sua matéria prima (fermentos, ingredientes) como também ter produção de leite em fazendas da própria empresa. Além disso, o laticínio, que tem seu próprio varejo e compra matéria-prima básica de outras empresas, tem uma posição na cadeia diferente daquele que terceiriza suas vendas para empresas de distribuição independentes e compra o leite diretamente de produtores. Assim, o laticínio pode ter seu foco no desenvolvimento de novos produtos, na estratégia de produção, na distribuição e nas vendas, no relacionamento com fornecedores e clientes, ou na compra do leite. Dimensão horizontal das camadas: (A) à montante - Além dos fornecedores de leite, a primeira camada é representada em grande parte pelos fornecedores de insumos para laticínios. Estes fornecedores variam desde o fabricante da própria matéria-prima até o fornecedor que compra de outro fabricante que, por sua vez, é cliente de fornecedor de matéria-prima (geralmente importada). Logo, horizontalmente, a cadeia do laticínio varia de uma a três camadas de fornecedores. Os outros integrantes da primeira camada (laboratórios, cooperativas, transportadores, entre outros) têm menor participação na cadeia, agregando apenas pequenas parcelas do valor, porém são importantes em alguns processos gerenciáveis devido ao seu importante impacto em aspectos críticos para o consumidor. Os produtores de leite com predomínio, na meso-região estudada, dos produtores nãoespecializados (que ainda utilizam tecnologias rudimentares e estão gradativamente dando Copyright

8 espaço aos especializados), constituem membros da terceira, ou da segunda camada de fornecedores dependendo da existência de uma cooperativa ou, mais raramente, uma empresa, que faça a coleta. O gerenciamento de diversos processos importantes nessa camada apresenta alta complexidade por ser a pecuária de leite uma atividade extensiva com muitas variáveis que dependem não só do gerenciamento direto da pecuária como também do gerenciamento da agricultura para alimentação animal, constituindo camadas de nível superior. A produção de rações faz parte de outras cadeias produtivas, como a da carne bovina e a do frango, que, ao longo dos anos, têm episodicamente tido influência na cadeia em estudo. (B) à jusante A primeira camada é representada, tipicamente, pelos CD s e empresas atacadistas que entregam os produtos aos varejistas. A dimensão vertical dessa camada é determinada pelo volume de produtos e raio de ação da distribuição e pela estratégia de comercialização como a L7 e L8, que possuem lojas próprias. Embora tenham nesse varejo pequena parcela da venda total, têm a oportunidade de aprender no contato direto com os consumidores finais (como detalhes de vendas, melhor disposição dos produtos na gôndola, definição de promoções, desenvolvimento de marketing direto, obtenção de críticas e sugestões sobre o lançamento de um novo produto e sobre produtos que precisam ser melhorados para ter uma boa aceitação no mercado). As empresas que têm lojas próprias, assim como aquelas que possuem produção da matéria-prima, são exemplos de empresas com maior nível de integração vertical existentes na amostra estudada. A segunda camada é tipicamente representada pelas redes supermercadistas, casas de frios, padarias e outras indústrias de alimentos. A verticalização do laticínio até essa camada é complexa por normalmente exigir a comercialização uma diversidade de outros produtos complementares do ponto de vista do consumidor. As empresas dessa camada fazem parte de muitas outras cadeias de produção, não só agro-industrial, como industrial também. Os supermercados também podem fazer parte da primeira camada de clientes, geralmente quando a proximidade geográfica faz com que a venda direta seja até mais simples do que a utilização de intermediários Processos gerenciais Na estrutura de Lambert e Cooper, a identificação dos processos gerencias procura, explicar os tipos de ligações existentes entre os membros da cadeia. A empresa focal pode, se o processo for crítico, gerenciá-lo. Poderá simplesmente monitorá-lo se o processo já estiver sendo adequadamente gerenciado, ou então, simplesmente não gerenciá-lo, quando não Copyright

9 houver razão para tal. Assim serão analisados os processos considerados por Lambert e Cooper com adaptações para as empresas estudadas, conforme mostra o Quadro 4. Processos/Empresa L1 L2 L3 L4 L5 L6 L7 L8 Relacionamento com o Não cliente SAC Não Não Não Não Não Não Previsão de Demanda Não Não Não Não Não Não Não Monitora Atendimento ao Pedido Não Manufatura Suprimento de insumos Não Não Não Não Não Não Não Não Aquisição de leite Monitora Monitora Monitora Monitora Monitora Monitora Monitora Comercialização/Lançamento de produtos Não Não Monitora Monitora Monitora Retorno Não Não Monitora Monitora Monitora Fonte: Vieira, Quadro 4 - Processos gerenciados, monitorados e não-gerenciados pelas empresas. O Quadro 4 mostra que, em geral, as empresas gerenciam e monitoram os mesmos processos. Destacam-se os seguintes processos: Relacionamento com o cliente: embora a maioria das empresas relate que a cada dia as negociações de vendas com os grandes varejistas estão cada vez mais difíceis, por causa da negociação do preço x quantidade de produto, verificou-se que as vendas ainda se concentram nas redes supermercadistas, sendo o pequeno varejo uma relevante e crescente alternativa de comercialização. Segundo alguns entrevistados, as negociações são críticas porque os supermercados (em posição virtualmente oligopsônica) fazem seus pedidos por meio de cotações de preços. Os entrevistados revelaram que o maior problema é manter os clientes e, não, conquistar novos, pois o mercado é muito sensível às oscilações de preços, o que facilita a entrada e saída de produtos de várias praças. Em geral, a maioria das empresas negocia com os seus clientes-chave as vendas, promoções, vendas mal sucedidas, trocas e condições diferenciadas em datas especiais como o aniversário da empresa varejista. Apesar das dificuldades de negociação, todos preferem reter os supermercados como cliente por serem eles que melhor garantem a colocação de seus produtos. Por outro lado, pela flexibilidade de negociação, o pequeno varejo privilegia a compra de empresas da região que têm bom padrão de qualidade de seus produtos e que conseguem atender aos seus pedidos em quantidades e tempos satisfatórios. Copyright

10 A falta de colaboração entre os varejistas e os laticínios, principalmente no repasse de informações sobre a qualidade dos produtos, previsão de vendas, necessidade de melhor apresentação dos produtos na gôndola e outros aspectos de marketing dos produtos, dificultam o gerenciamento deste elo impedindo a obtenção de importantes benefícios de um relacionamento mais estável e próximo. Serviço de atendimento ao cliente (SAC): É feito via Internet, via teleatendimento, ou por carta endereçada à sede das empresas. Foi feita uma pesquisa para observar como é feito o SAC pelas empresas. O objetivo foi medir o tempo de atendimento e a qualidade da informação prestada ao consumidor final. Para tanto, foram selecionados alguns consumidores freqüentes e pediu-se que entrassem em contato com as empresas, via ou telefone e fizessem duas perguntas-chave à cada empresa. O resultado dessa pesquisa está resumido no Quadro 5. Eu sempre compro do produto Eu gostaria de receber informações sobre como é feito o Empresa x*, porém não o encontro mais! produto y* e como eu posso utilizá-lo na cozinha. L1 Atendeu à solicitação do cliente Ficou de retornar a ligação, mas não entrou em contato novamente. L2 Ligar para o celular do representante No momento não teria ninguém para dar informações L3 Deixou o cliente esperando na linha. Ficou de retornar a ligação, mas não entrou em contato novamente. L4 Pediu para ligar para outro número. Pediu para ligar para outro número. L5 Atendeu à solicitação do cliente Atendeu à solicitação do cliente L6 Ligar para o celular do representante Ficou de mandar a resposta pelo correio, mas não respondeu. L7 Atendeu à solicitação do cliente Mandou a resposta pelo correio L8 Ninguém atende. Várias ligações e sempre pedindo para ligar mais tarde. *produtos genéricos fabricados pelas empresas. Fonte: Vieira, Quadro 5 - Argumentos apresentados ao SAC pelas empresas. Nota-se pelo Quadro 5 que, em geral, as empresas não seguem às normas de SAC. Os resultados mostram que 75% das empresas parecem não se preocupar em atender bem ao consumidor final. Ou seja, SAC parece ser visto mais como uma questão burocrática do SIF do que uma questão estratégica na construção da reputação da marca e na melhoria do produto, elementos básicos para a fidelização do cliente. Previsão de Vendas (Demanda): Como não há planejamento colaborativo em relação às previsões de vendas entre os clientes e os laticínios, os estoques das empresas variam de acordo com as vendas e a oferta de produto. Logo há períodos em que as empresas têm elevado estoque e, em outros, há falta de produtos para atender a demanda. Em se tratando de produtos perecíveis, este processo é de importância estratégica para as empresas. Embora o CD informe a previsão de vendas para a semana seguinte, em determinados períodos com Copyright

11 elevado estoque, é preciso fazer promoções repentinas, o que evidencia uma assimetria informacional neste elo. Como se constata do Quadro 4, apenas uma empresa monitora esse processo; nas demais esse não é gerenciado ou monitorado. Os promotores de vendas (responsáveis por administrar o espaço de gôndola nos supermercados destinado a sua empresa) talvez sejam os responsáveis pela melhoria do monitoramento desse elo. Atendimento de pedidos: Com a utilização de CD s localizados estrategicamente, a maioria das empresas atende grande parte dos pedidos de seus clientes nos prazos e quantidades combinados. Porém, este processo ainda é muito pouco gerenciado quando comparado com indústrias maiores como multinacionais do setor de alimentos, que aproveitam da tecnologia de informação recursos que facilitam a comunicação de dados, o controle de estoque e o sistema de distribuição. Além disso, com o crescente aumento do mercado consumidor, a freqüência das entregas tem aumentado numa proporção que foge ao gerenciamento da distribuição dos produtos. A gerência desse processo depende muito do relacionamento com o cliente, da previsão de demanda que, conforme visto, não são adequadamente gerenciados. Manufatura: Quanto ao gerenciamento interno da manufatura, é feito controle de qualidade desde a matéria-prima até os produtos acabados, além de balanços na produção e variados cálculos numéricos para melhorar a produtividade na fábrica. Contudo, esses processos internos são gerenciados de forma independente e, não, num sistema integrado de planejamento e controle. Outro fator importante e observado em empresas da amostra é a falta de mão-de-obra qualificada, o que sugere constantes perdas de eficiência na produção. Na maioria das vezes os funcionários são contratados sem experiência e treinados nas próprias empresas. Suprimentos: Quanto ao suprimento de insumos em geral, o processo tem como base previsões intuitivas das necessidades de reabastecimento. As empresas não gerenciam, ou monitoram esse processo por confiar na gerência de seus fornecedores. Por ser óbvio, o suprimento de leite é um processo sempre identificado, porém o seu gerenciamento é desprezado pela maioria das empresas. Algumas empresas recebem o leite diretamente de produtores, enquanto outras recebem a matéria prima de cooperativas de produtores, conforme mostra a Figura 2. O gerenciamento do fornecimento é tão mais complexo quanto Copyright

12 menores e menos especializados forem os fornecedores. Há uma clara tendência de especialização dos produtores de concentração da produção de leite o que deverá permitir um melhor gerenciamento. Comercialização e Desenvolvimento de um novo produto: Em geral, as empresas não procuram saber se os seus produtos seriam bem recebidos pelos consumidores. A maioria delas cria novos produtos e os colocam no mercado com base nas necessidades de diversificação, no excesso de matéria-prima e melhor relação custo benefício (melhor aproveitamento do leite e de insumos). Algumas empresas não lançam produtos freqüentemente e as que procuram a diversificação são aquelas que mais gerenciam esse processo, como no caso das L1, L3, L5, L6 e L7. Observa-se que, o desenvolvimento de novos produtos é melhor gerenciado do que a sua comercialização. Algumas das empresas preferem esperar o lançamento do produto do concorrente para copiar e lançar o seu. Algumas empresas não lançavam novos produtos há mais de três anos e freqüentemente, os novos produtos são empurrados por fornecedores de materiais e de tecnologia, sendo que a empresa apenas monitora o processo de lançamento. Segundo os entrevistados pouco se tem feito para a divulgação da marca, para expor os processos de fabricação internos às empresas da cadeia e, menos ainda, para atingir o cliente de segunda camada (varejista ou consumidor). O pouco investimento que se faz em marketing é direcionado aos supermercados. Retorno de produtos acabados: Segundo a maioria das empresas, o retorno de produtos acabados é em torno de 2% e é aproveitado na produção de queijo fundido ou queijo ralado. O reprocessamento do retorno seria uma alternativa das empresas em re-aproveitar parte dos produtos que têm algum tipo de defeito. Os produtos que apresentam maior retorno são os queijos maturados, devido ao seu acúmulo de estoque (com data de validade avançada) nas fábricas ou nos supermercados e, ao transporte e armazenamento inadequado Elos de processos gerenciados, monitorados, não-gerenciados e não-membros. A Figura 3 mostra, de forma genérica, as diferentes ligações (gerenciadas, monitoradas, não-gerenciadas e com não-membro) na cadeia estudada. Copyright

13 3º Camada fornecedor 2º Camada fornecedor 1º Camada fornecedor 1º Camada cliente 2º Camada cliente 3º Camada cliente Banco de Sêmen Veterinári Fornecedor Produtor Fornecedor Órgão Público Transporte Cooperativa Outros Laticínios Laticínio Institucional Loja Própria Mercado Padaria Casa de Frios C o n s u m i d o r Ração Outros Insumos Fornecedor Laboratório Externo Fornecedor Fazenda Laboratório Interno Outros Laboratório Outras indústrias de alimento Centro de Distribuição Outros CDs Supermercado F i n a l Empresa Focal Membro da cadeia Não Membro Monitora Não-gerencia Não-membro Fonte: Adaptada de Lambert e Cooper, Figura 3. Tipos de Elos da cadeia estudada. Os elos mais importantes e que têm o seu relacionamento crítico com a Empresa Focal (EF), no caso o laticínio, são aqueles que devem ser melhores gerenciados. Neste caso, percebe-se que são a maioria dos elos com quem a EF tem relação direta. O relacionamento com os membros extremos da cadeia geralmente não é considerado importante pela EF. O elo de relacionamento direto da EF (p. ex. através do SAC) com o consumidor final não tem sua importância reconhecida pela maioria das empresas. A Figura 3 também apresenta elos (não-membros) que, embora não façam parte da cadeia, podem influenciar de forma negativa a EF, como no caso do relacionamento das redes supermercadistas com outras empresas de alimentos. Assim, por exemplo, uma nova regra de comercialização estabelecida por essas empresas com os supermercados pode se refletir em mudanças relevantes para os laticínios. A figura ainda mostra o elo (monitorado) com os outros laticínios, que têm crescido muito no tocante à troca de informações e ao desenvolvimento de parcerias e ações colaborativas. Copyright

14 Componentes gerenciais Na estrutura de Lambert e Cooper, os componentes gerenciais determinam o nível de integração e gerenciamento dos processos na cadeia. Assim, quanto mais componentes existirem e quanto mais forte a sua sinergia com os processos, mais efetivo será o gerenciamento da cadeia. A seguir serão descritos os principais componentes identificados na cadeia, de acordo com (Vieira, 2002). Assistência técnica ao produtor: Importante na integração das empresas com os fornecedores de leite. A estrutura da pecuária de leite nas fazendas da Zona da Mata, ainda é arcaica, carece de investimentos e adequação às condições das empresas. Assim, alguns laticínios desenvolvem junto aos produtores programas de assistência técnica-veterinária, por meio dos agrônomos e técnicos agrícolas que orientam o produtor na melhoria de sua pecuária. Planejamento colaborativo: as L6, L7 e L8, que produzem produtos tipo longa vida e queijo ralado têm forte parcerias com outras empresas de laticínios, no que tange ao envase desses produtos. Esta crescente parceria entre as indústrias e empresas tem levado ao constante planejamento em conjunto de suas diversas operações na cadeia. Controle de qualidade dos processos: grande parte do controle da qualidade ainda está restrita às operações internas das fábricas; pelo menos este é o maior enfoque dos órgãos de fiscalização. É também uma das maiores preocupações dos técnicos e gerentes das empresas, pois a qualidade se reflete na melhoria da produtividade, reduz perdas e contribui para medir a vida útil de prateleira do produto. A granelização da matéria prima foi um dos mais importantes progressos de melhoria de qualidade nos processos à montante do laticínio. Falta, entretanto, maior atenção na parte à jusante. O maior controle da manipulação, melhores embalagens e disposição das cargas na distribuição reduziriam as reclamações e devoluções aumentando a satisfação dos consumidores finais Relações de Mercado O Quadro 6 mostra a relação entre os membros participantes a jusante da cadeia. A seguir serão descritas as principais relações dentro do proposto no artigo (veja Vieira 2002 para descrição completa das relações). Copyright

15 Relação Empresas CD Supermercado Consumidores Empresas 1 x 1 1 x 2 1 x 3 1 x 4 CD 2 x 1 2 x 2 2 x 3 2 x 4 Supermercado 3 x 1 3 x 2 3 x 3 3 x 4 Consumidores 4 x 1 4 x 2 4 x 3 4 x 4 Fonte: Vieira, Quadro 6 - Relações de mercado. 1) Relação 1 x 3 (Empresa x Supermercado) Relação 3 x 1 (Supermercado x Empresa): Por ser quem dá forma ao produto, o laticínio parece ser quem teria melhores condições para gerenciar os elos da cadeia. Embora o poder dos supermercados seja muito maior e crescente em pequenas cidades, eles não reúnem condições para gerenciar a cadeia, pois têm dimensão vertical muito grande à montante (trabalham com milhares de outros itens e dezenas ou centenas de fornecedores). Como visto na pesquisa o relacionamento é unilateral. Ora as empresas não atendem os pedidos nas quantidades e tempo desejados, ora o varejo privilegia o preço e a qualidade dos produtos. Fortalecendo a relação com os clientes o laticínio poderia dificultar a entrada de concorrentes. O conhecimento da potencialidade dos clientes e o desenvolvimento de suas capacidades competitivas passaram a ser tarefa das empresas. 2) Relação 1 x 4 (Empresa x Consumidor) Relação 4 x 1 (Consumidor x Empresa): A maioria das empresas não conhece o consumidor final. As empresas não aproveitam a oportunidade para se expor com serviços de atendimento direto ao consumidor e conquistar sua fidelidade e obter um feedback sobre o produto que sirva para orientar a estratégia de marketing. Para o consumidor final a associação da marca à qualidade parece ser muito forte. A fidelidade do cliente imediato e, principalmente, do consumidor final à marca pode elevar o poder da empresa na cadeia. Os consumidores parecem comprar por marca, preço e, não, pela qualidade em si mesma. Na maioria das vezes, os consumidores compram por impulso. Logo uma atenção direta aos consumidores através de um sítio na Internet, disponibilizando serviços de atendimento on line (receitas e dúvidas de consumo dos produtos), viabilizando cadastro para saber o perfil de consumo como locais de preferência para compra, entre outros, seria uma alternativa perfeitamente viável na divulgação do produto, mas não dispensa a visibilidade na gôndola. 3) Relação 3 x 4 (Supermercado x Consumidor) Relação 4 x 3 (Consumidor x Supermercado): Nesta relação têm maior importância o preço, o marketing dos produtos e os serviços que estes proporcionam ao consumidor. Os supermercados nem sempre repassam Copyright

16 para os consumidores, na mesma proporção, os ganhos oferecidos pelas promoções dos laticínios. O marketing dos produtos não é de interesse dos supermercados, pois não há fidelidade à marca, salvo marcas tradicionais. Estas têm maior espaço de gôndola, pois sua a contribuição para vendas é maior e têm consumidores fiéis. As linhas de fracionados e fatiados são oferecidas pelos supermercados que colocam sua etiqueta mascarando a marca do produto. 5. Conclusão Conclui-se que é preciso maior conscientização dos membros da cadeia, em especial a Empresa Focal (o laticínio), para o investimento em marketing e gerenciamento de processoschave, visto que a maior parte do valor agregado do produto está diretamente relacionando à cadeia dos lácteos (em especial aos processos a jusante da cadeia) e não somente ao laticínio em si (como no processo de manufatura). O pequeno poder junto aos varejistas, em particular aos supermercados, parece também inibir as iniciativas dos laticínios para assumir o controle gerencial da cadeia. De outro lado, o grande número de fornecedores e a pouca diferenciação dos produtos oferecidos pelos laticínios tornam desinteressante para os varejistas assumir o gerenciamento da cadeia. Há indicações de que há potencial para ganhos na cadeia por meio da gestão integrada dos processos que perpassam as empresas. As redes supermercadistas teriam ganhos por meio da integração com fornecedores reduzindo os custos de transação e, sendo elas o grupo de clientes diretos mais importantes para competir com as grandes multinacionais (mais aptas para essa integração), o SCM pode ser de vital importância para os laticínios independentes. Assim, o estudo indicou que há potencial para melhoria da cadeia por meio de um gerenciamento mais efetivo de seus processos com o laticínio ocupando a posição central. Para isso a construção de uma marca que o consumidor final reconheça e associe à qualidade é fundamental, pois sem ela os laticínios independentes estarão condenados a competir em preço entre si. Tal competição impede que a remuneração dos membros ao longo da cadeia. Referências bibliográficas GALINARI, R., CAMPOS, B., LEMOS, M. B., SANTOS, F. & BIAZZI E.: Tecnologia, especialização regional e produtividade: um estudo da pecuária leiteira em Minas Gerais. X Seminário sobre a Economia Mineira Diamantina, 18 a 22 de junho de LAMBERT, D. M. e COOPER, M. C.: Issues in Supply Chain Management. Industrial Marketing Management. Vol. 29, pp New York: JANK, M. S., FARINA, E. M. Q., GALAN, V. B.. O Agribusiness do leite no Brasil. São Paulo: Milkbizz, PRIMO,W. M.. Restrições ao desenvolvimento da indústria brasileira de laticínio In: Duarte Vilela, Matheus Copyright

17 Bressan, Aércio S. Cunha (Editores). Cadeias de Lácteos no Brasil: restrições ao seu desenvolvimento. Brasília: MCT/CNPq, Juiz de Fora: Embrapa Gado de Leite, p. SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: Diagnóstico da Indústria de Laticínios do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: SEBRAE-MG, p. TERRA VIVA Emp. E Consultoria Emp. Ltda: Banco de dados. Capturado em 05 novembro, Disponível na Internet VIEIRA, J. G. V.: mento da cadeia de laticínios: uma oportunidade para as empresas da Zona da Mata de Minas Gerais. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, VIEIRA, J. G. V., LUSTOSA, L. J.. Gestão da Cadeia de Suprimento de um Laticínio: Um Estudo de Caso. Anais do XXI Congresso Nacional de Engenharia de Produção. Salvador/BA, VILELA, D.; BRESSAN, M. & CUNHA, A. S. (ed.). Cadeia de lácteos no Brasil: Restrições ao seu desenvolvimento. Brasília: MCT/CNPq, Juiz de Fora: Embrapa Gado de Leite, p. Copyright

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de

no SRM do que no CRM está na obtenção da certificação de qualidade ISO 9001. Para que o Fabricante de Cilindros mantenha o referido certificado de 81 8 Conclusões O último capítulo da dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações de estudos futuros. A presente dissertação teve como objetivos propor um modelo,

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE RAÇÕES Agosto/15 Análise de Competitividade Rações Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da competitividade

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio FEA Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios Sergio Rodrigues Bio Centro Breve Apresentação USP 6 campi, 5.000 profs. 60.000 alunos Cerca de 30% da produção científica

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 O Conseleite foi criado originalmente em

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A produção de leite no Brasil envolvia quase 1,8 milhão de estabelecimentos produtores, segundo

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

As Interações entre os Agentes da Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte no Brasil: implicações para a sustentabilidade Dr. Guilherme Cunha Malafaia

As Interações entre os Agentes da Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte no Brasil: implicações para a sustentabilidade Dr. Guilherme Cunha Malafaia As Interações entre os Agentes da Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte no Brasil: implicações para a sustentabilidade Dr. Guilherme Cunha Malafaia Embrapa Gado de Corte Estrutura da Apresentação A Estrutura

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Este documento representa a contribuição da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP), através

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí IV Jornada Científica 06 a 09 de dezembro de 2011 O SISTEMA LOGÍSTICO DO MILHO EM UM ARMAZÉM GRANELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ: UM ESTUDO DE CASO Luiz

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA

2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA 2 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA 2.1 CONCEITO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Para que hoje o conceito de Cadeia de Suprimentos fosse tão largamente explorado e aplicado, vários fatores

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Fatores de pressão da mudança do papel da logística com enfoque na DrogaFuji

Fatores de pressão da mudança do papel da logística com enfoque na DrogaFuji Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação - FACE ADM Departamento de Administração Administração de Recursos Materiais Fatores

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado Plano de Direcionamento Conhecimento de Mercado Conhecimento de Mercado É necessário conhecer o mercado para que sejam desenvolvidos produtos que atendam as necessidades e expectativas dos clientes. Segmentação

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Módulo 18 Avaliando desempenho

Módulo 18 Avaliando desempenho Módulo 18 Avaliando desempenho Raimar Richers definiu marketing como sendo entender e atender os clientes. Esta é uma definição sucinta e feliz que podemos usar para definir avaliação de desempenho como

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos Módulo 6 Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos A organização traduzindo a missão em resultados Missão Por que existimos?

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC Dr. José Luiz Viana Coutinho Município: Jales Município: Jales Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Componente Curricular:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Supply Chain Management. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção

Supply Chain Management. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Supply Chain Management MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@ifsp.edu.br Mestre em Engenharia de Produção Abrange o planejamento e gerenciamento de todas as atividades envolvidas no sourcing &

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro. A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para crescerh@crescerh.com.br e/ou realizar cadastro no site Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho para Agrônomia. Prof. Antonio Domingos Padula 21/10/2011

Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho para Agrônomia. Prof. Antonio Domingos Padula 21/10/2011 Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Escola de Administração - EA Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios - CEPAN Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho

Leia mais