ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO EMPRESARIAL"

Transcrição

1 ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO EMPRESARIAL ADMINISTRATION OF THE WORKING CAPITAL AND MANAGERIAL ECONOMICAL DEVELOPMENT Dilian Evangelista dos santos 1 Edson Oliveira Neves 2 Resumo Neste trabalho desenvolve-se uma explanação sobre um dos temas mais relevantes e delicados dentro da administração financeira, o capital de giro. A administração eficiente do capital de giro é apresentada como um importante instrumento que possibilita o desenvolvimento econômico-financeiro das empresas. Além de permitir a continuidade dos ciclos operacionais, o capital de giro contribui ativamente para dois aspectos - a liquidez e a rentabilidade nos negócios - que possibilitam o exercício das funções empresariais de forma adequada e, consequentemente, infere à organização plenas condições de manter-se competitiva no mercado. Palavras-chave: Capital de giro, Necessidade de Capital de Giro, Liquidez, Rentabilidade. Abstract In this work grows an explanation inside on one of the most important and delicate themes of the financial administration, the working capital. The efficient administration of the working capital is presented as an important instrument that makes possible the economical-financial development of the companies. Besides allowing the continuity of the operational cycles, the working capital it contributes actively to two aspects - the liquidity and the profitability in the businesses - that make possible the exercise of the managerial functions in an appropriate way and, consequently, it infers to the organization full conditions of staying competitive in the market. Keywords: Working Capital, Need for Working Capital, Liquidity and Profitability. 1 Graduanda em Administração pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais Campus Januária (IFNMG), Bolsista Bic Programa de Iniciação Científica. 2 Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais (IFNMG), Mestre em Educação Agrícola, Bacharel em Administração de Empresas e Pública.

2 Introdução A administração do capital de giro é um dos temas mais importantes e delicados dentro da administração financeira. Composto pelas disponibilidades do ativo circulante, contas a receber e o estoque, o capital de giro representa o montante necessário para subsidiar as atividades do dia-a-dia das empresas. Na falta, ou escassez deste, as empresas são obrigadas a recorrer ao capital de terceiros para garantir que haja continuidade em seu ciclo operacional ou que este transcorra de forma adequada. No que se refere à necessidade de capital de giro, as empresas, de acordo com o segmento em que atuam e de suas estratégias de operacionalização, diferem umas das outras. As variáveis são as mais diversas, como os riscos operacionais do negócio, as metodologias utilizadas pelos controllers na administração do capital de giro, dentre outros fatores. Tudo isto faz com que cada empresa tenha sua especificidade e a gestão do seu capital de giro se torne um processo singular. Dessa forma, o quantitativo e as canalizações perfeitas do capital de giro em determinada empresa, pode não ser o mais adequado para conduzir as operações em outra. Uma administração eficiente e eficaz do capital de giro em uma empresa é determinante para que esta consiga exercer suas funções empresariais de forma adequada, dando-lhe condições econômico-financeiras de manter-se no mercado. Por envolver injeção de capital no operacional da empresa e estar relacionado às políticas de estocagem, de vendas, de compras e também o próprio risco operacional do negócio, a administração e planejamento do capital de giro deve ser visto como um importante elemento estratégico dentro da empresa. A escassez de capital de giro por períodos prolongados pode causar consequências devastadoras nas operações da empresa, podendo levá-la à insolvência. Por outro lado, o capital de giro representa um grupo de ativos que não consegue, por si só, trazer grande rentabilidade para a empresa, nem influenciar decisivamente na estrutura patrimonial da entidade, mas é de fundamental importância para se manter a liquidez da empresa e dar-lhe condições de honrar seus compromissos e dar continuidade ao seu ciclo operacional. E, é neste ponto que nasce o grande desafio do administrador financeiro, ou seja, conseguir manter um equilíbrio sustentável entre capital de giro e as inversões de capitais com vistas ao desenvolvimento econômico quando isto não envolva a utilização de capital de terceiros. Do exposto, a proposta desse trabalho é de apresentar a administração eficiente do capital de giro como um importante instrumento que possibilite o desenvolvimento econômico empresarial através da promoção de liquidez e rentabilidade aos negócios. Neste sentido, são apresentados importantes conceitos relacionados ao gerenciamento do capital de giro e demonstrada a sua importância no fomento dos ciclos operacionais das empresas. Capital de Giro O gerenciamento do capital de giro é uma ação essencial quando considerado a saúde financeira das organizações. Estas precisam recuperar os valores despendidos em seus custos e despesas e obter lucro que, por sua vez, representa o sentido maior 2

3 da existência empresarial. Oliveira e Lavor (2003 apud Gitman 1987, p.279) observam que a administração do capital de giro é um dos aspectos mais importantes da administração financeira considerada globalmente. Mesmo em organizações sem fins lucrativos é fundamental a existência de um equilíbrio que permita a continuidade de suas operações. Hoji (2001, p. 109), em uma conceituação do capital de giro diz que este é conhecido também como capital circulante e corresponde aos recursos aplicados em ativos circulantes, que transformam-se constantemente dentro do ciclo operacional.. Já Sousa (2007, p.126), define capital de giro como sendo os recursos necessários para o movimento do dia-a-dia da empresa e destina-se a suprir a defasagem de tempo entre os pagamentos de compras e os recebimentos de vendas. Para Alves et al (1997, p.64) Capital de giro ou capital circulante, significa os recursos no ativo circulante representado, principalmente, pelos grupos: disponível, estoques e créditos a receber. No aspecto gerencial, significa os recursos destinados a financiar o ciclo operacional da empresa. Ferreira e Carbonelle (1997, P.31) comungam com essa definição observando que a administração do capital de giro se ocupa dos ativos circulantes e passivos circulantes. Ativos circulantes representados principalmente, pelas disponibilidades financeiras, estoques e contas a receber. Passivos circulantes pelas obrigações de curto prazo. Conquanto, o processo de compra, de venda, o período relativo ao recebimento das vendas e os pagamentos de débitos de curto prazo, são todos custeados por esse recurso financeiro e que gira constantemente para garantir a continuação das operações empresariais. Qualquer mudança, que por ventura venha a ocorrer, relacionada ao aumento do valor das despesas, alongamento dos prazos para recebimentos, ou diminuição das vendas, envidará uma maior necessidade desse capital e, pode ser determinante para o prosseguimento das atividades normais em uma organização. Necessidade de Capital de Giro (NCG) Conhecer a necessidade de capital de giro é um fator relevante para as tomadas de decisões. Defini-se como necessidade de capital de giro o volume de recursos necessários para que a empresa cumpra todos os seus compromissos nos respectivos vencimentos (SOUSA, 2007, P.96). Ferreira e Carbonelle (1997, p.31) ampliam este conceito observando que as necessidades de capital de giro são as demandas de recursos financeiros que a empresa tem, no sentido de viabilizar suas operações normais e ter assegurado um excedente suficiente para a segurança de liquidez que tenha sido estabelecida.. Dessa forma, observa-se que o nível de capital necessário para uma empresa, depende de um conjunto de fatores que se interligam e relacionam-se com as políticas de compras, políticas de estocagem, políticas de vendas e o risco operacional que cada uma possui. A diminuição dos prazos de recebimento de clientes, e o alongamento dos prazos de pagamentos, permitem a redução da necessidade de capital. Entretanto, para que isso ocorra, vários fatores devem ser analisados em função dos impactos que essa redução é capaz de trazer para a organização. O aumento dos prazos de 3

4 pagamento pode, por exemplo, aumentar as despesas financeiras e, em relação à diminuição dos prazos de recebimento, em muitos casos, existe a possibilidade de comprometimento do grau de competitividade da empresa no mercado. Para Alves et al (1997, p.65) O planejamento do nível de capital de giro depende das projeções dos elementos da estrutura patrimonial. Como o mesmo autor esclarece, a projeção dos valores mínimos desses elementos determinará a necessidade mínima do capital de giro. Para a projeção da necessidade de disponível utilizam-se as informações do fluxo de caixa projetado. Define-se a quantidade de dias de cobertura do fluxo de acordo com a estratégia de risco. A necessidade mensal é definida dividindo-se o total das saídas do fluxo por 30 e multiplicando-se pela quantidade de dias de cobertura. Na política de estocagem são definidos os níveis de estoques, padrões mínimos, o ponto de ressuprimento e a cobertura de estoque. Através desses elementos, projeta-se o valor mínimo do estoque, considerando-se a projeção das vendas para o mês. A política de vendas define o prazo médio para as vendas financeiras. Com base nesse prazo e na projeção mensal do montante das vendas, calcula-se a necessidade mínima. (...) Após projetar a necessidade mínima de cada componente, determina-se o total do capital de giro necessário, considerando-se as condições e políticas definidas (ALVES et al, 1997, p.65 e 67). O risco operacional representa o comprometimento da atividade operacional, em função da relação dinâmica existente entre os diferentes itens que formam o capital de giro. Como observa Alves et al (1997), a relação entre capital de giro e o risco operacional é inversamente proporcional. Quanto maior o volume do capital de giro, menor será o risco operacional e, quanto menor for o capital de giro, maior será risco operacional. Em relação à disponibilidade, um nível baixo de cobertura do fluxo de caixa pode provocar problemas de liquidez e, em conseqüência, prejudicar a atividade operacional. Em relação aos estoques, se a empresa adotar políticas que estabeleçam níveis muito baixos, certamente tal fator prejudicará as vendas, em função da falta de mercadoria e variedade. Em se tratando de créditos, a empresa que reduzir excessivamente os seus prazos de financiamentos e criar restrições ao crédito, provavelmente terá sua receita de vendas enfraquecida. Nesse sentido, entende-se que deva existir um conhecimento amplo sobre as variáveis que compõe o capital de giro, a fim de que seja possível determinar os valores necessários para movimentar as operações da empresa sem contrair riscos que impossibilite uma boa saúde financeira. Determinação da Necessidade de Capital de Giro Quanto à determinação da necessidade de capital de giro, cada empresa possui sua particularidade. Segundo Matarazzo (2010, p.299) a necessidade de capital de giro (NCG) é função de caixa e das vendas de uma empresa. Isso significa que para cada volume de vendas existirá uma NCG. O que implica dizer que cada empresa possui necessidades de capital de giro diferente uma das outras. Ainda segundo o autor, o ativo circulante operacional (ACO) é o investimento que ocorre automaticamente nas atividades operacionais da empresa, enquanto o passivo operacional (PCO) é o financiamento de tais operações. A diferença entre 4

5 investimento e financiamento é quanto a empresa necessita para financiar seu giro, ou seja, a NCG. Saber qual é o capital de giro necessário para financiar as operações da empresa, consiste em uma informação relevante para o administrador tomar as suas decisões. O controller deve estar atento, se suprindo dessas informações importantes a fim realizar investimentos em outros ativos permitindo que os níveis de lucratividade desejados possam ser alcançados. A caracterização deste momento ideal, seria a certeza ou pelo menos a previsão de que a diminuição do capital de giro para investimento em ativos imobilizados, não venha a interferir de modo negativo na liquidez da empresa. Capital Circulante Liquido (CCL) O Capital circulante Liquido (CCL) pode ser utilizado como um importante instrumento para diagnosticar o gral de risco que uma empresa opera em suas atividades, visto que ele representa o quanto a organização possui de ativo líquido, tanto em valor monetário quanto em bens que possam ser convertidos em moeda com rapidez e facilidade, como é o caso do estoque. Segundo Hoji (2001, p.111), a diferença entre o ativo circulante e o passivo circulante é o CCL ou capital de giro líquido. Como lembra o autor, quando a soma dos elementos do ativo corrente, ou seja, tudo que a empresa possui de disponível, é maior do que a soma das dívidas e obrigações que a mesma tem para pagar no curto prazo, o capital circulante líquido (CCL) é positivo. Caso contrario o CCL é negativo. Quando a soma dos elementos do ativo corrente é igual à soma dos elementos do passivo corrente, o CCL é nulo. Oliveira e Lavor (2003, p. 4) observam que um capital circulante líquido igual a zero submete a estrutura financeira da empresa a um certo grau de risco. Por outro lado, um capital de giro negativo submete a empresa a um grau de risco elevado e diretamente proporcional à magnitude desta insuficiência. Liquidez A busca por níveis de liquidez apropriados para as atividades operacionais, ou pelo menos a diminuição do risco de insolvência, representam ações comuns e indispensáveis para as empresas que almejam a manutenção de uma boa saúde financeira. Hoji (2001, p.27) afirma que a liquidez é a capacidade de pagar compromissos de curto prazo. Em sentido amplo, a liquidez é relacionada com as disponibilidades mais os direitos e bens realizáveis no curto prazo. Em sentido restrito, a liquidez é relacionada somente com as disponibilidades. Para Matarazzo (2010, p. 211) a alta liquidez, além de indicar boa situação financeira, pode até ser do aumento da rentabilidade, embora não esteja afastada a hipótese de haver recursos ociosos.. Segundo Prante (2005 apud Marion, 2002, P.83), os índices de liquidez: São utilizados para avaliar a capacidade de pagamento da empresa, isto é, constituem 5

6 uma apreciação sobre se a empresas tem capacidade para saldar seus compromissos considerando longo prazo, curto prazo ou prazo imediato.. Encontra-se a liquidez dividindo-se a soma dos valores que possuímos no curto prazo (ativo circulante), pela a soma do valor dos compromissos a pagar no curto prazo (passivo circulante). (SOUSA, 2007, P.107). Os índices de liquidez se limitam apenas a evidenciar se existe ou não a capacidade de liquidar obrigações, não abrangendo, por exemplo, indicadores importantes como Prazos de Pagamento e Recebimento. Apesar disso, são de grande relevância para o direcionamento dos negócios, por retratarem posições de curto prazo para tomada de decisões, afetando, direta ou indiretamente, outras cadeias de valores da organização. Os recursos circulantes acabam se tornando o pivô da estratégia empresarial, pois são por eles, e baseado neles, que muitas vezes os negócios são encaminhados. Uma das formas mais comumente utilizadas para se analisar o grau de liquidez e risco de uma dada empresa é o seu volume de Capital Circulante Líquido CCL. Quanto maior sua magnitude, maior a margem de segurança e menor o grau de risco. (OLIVEIRA e LAVOR, 2003, P.3). Oliveira e Lavor (2003) ainda observam que o CCL isoladamente é insuficiente para tomada de decisão e que, para isso, é necessário uma verificação mais detalhada dos seus elementos constitutivos. O que, de fato, suprirá os gestores com um conjunto de informações mais amplo permitindo decisões mais acertadas. Rentabilidade A rentabilidade deve ser entendida como a capacidade que a empresa possui de gerar lucro, é a medida do resultado econômico (lucro ou prejuízo) gerado por capital invertido (HOJI, 2001, P.26). Segundo Prante (2005 apud BRIGHAM e HOUSTON, 1999, P.89) o conjunto de índices de rentabilidade é o grupo de índices que mostra os efeitos combinados da liquidez, da gestão de ativos e do endividamento sobre os resultados operacionais. Com esta definição de Prante, fica fácil ter a noção de que a rentabilidade está relacionada com diferentes contas do ativo e passivo. Evidentemente e especialmente, a administração do capital de giro (e de todos os itens de sua configuração) é, também, determinante, para os índices de rentabilidade da empresa. Oliveira e Lavor (2003) observam essa condição ao salientarem que as empresas procuram vantagens competitivas especialmente em condições econômicas mais desafiantes e, este fato, torna mais evidente a importância que se tem de otimizar a gestão do capital de giro. Dessa forma, o gerenciamento eficiente contribui para a melhoria da rentabilidade dos investimentos realizados pela empresa e diretamente para o seu desenvolvimento econômico-financeiro. Alves et al (1997, p.68), enfatiza essa relação entre capital de giro e rentabilidade ao observar que Poder-se-ia pensar que uma boa administração do capital de giro seria manter os níveis dos componentes bem altos, reduzindo assim o risco operacional. No entanto, existe outra variável importante a ser considerada: a rentabilidade do negocio. Os recursos aplicados no circulante são os menos rentáveis para a estrutura patrimonial. Assim sendo, a relação capital de giro x rentabilidade é inversamente proporcional. Quanto maior capital 6

7 de giro menor rentabilidade, quanto menor capital de giro maior rentabilidade (ALVES et al, 1997, P.68). Alves et al (1997, p.69) ainda observa que o administrador financeiro deve gerenciar a relação entre as três variáveis: Capital de giro, Risco operacional, e rentabilidade.. Do exposto, fica claro a necessidade de um ponto de equilíbrio, e chegar a essa condição não é uma tarefa fácil. Não existe uma receita pronta. Cada empresa tem suas particularidades. Todavia o esse caminho passa necessariamente pelo contínuo registro e geração de informações, estudos e uma dose de bom senso dos gestores. Considerações finais É inegável que a administração eficiente do capital de giro traz ótimos resultados a qualquer organização. Essas ações gerenciais configuram importantes instrumentos estratégicos que possibilitam o desenvolvimento econômico empresarial. O capital de giro é um dos aspectos da gestão financeira que mais contribui para a rentabilidade dos negócios e para promoção da liquidez na empresa. E, nesse sentido, cabe ao controller estar atento às diferentes políticas organizacionais que colaboram para a formação deste grupo, como as políticas de estocagem, de vendas, de compras e prazos. Devendo intervir quando necessário, de forma conservadora, resguardando a empresa no que se refere aos riscos operacionais, ou mesmo de forma mais ousada, através de canalizações para investimentos dentro do próprio ciclo operacional. Independente de qual postura o administrador financeiro adote, ele deve levar em conta as especificidades da sua empresa, buscar o equilíbrio entre riscos assumidos e a rentabilidade desejada, além de não ignorar as informações geradas e registradas nos processos internos, pois possibilitam tomadas de decisões acertadas e coerentes com as dinâmicas do mercado, permitindo assim que a empresa consiga desenvolver satisfatoriamente suas atividades e se mantenha competitiva. Referências BRIGHAM, Eugene F. e HOUSTON, Joel F. Fundamentos da Moderna Administração Financeira. Rio de Janeiro: Campus, FERREIRA, Almir S.; CARBONELLl, Edgard M./Estratégia, Crescimento e Administração do Capital de Giro.Caderno de Pesquisa em Administração, V.2,N 5, 2 Sem/97. GIL, Antonio Carlos, 1946-Como Elaborar um Projeto de Pesquisa/Antonio Carlos Gil. -4. Ed Reimpr. -São Paulo: Atlas, GITMAN, Laurence J. Princípios de Administração Financeira. 3 ed. São Paulo: Harbra,

8 HOJI, Masakasu. Administração Financeira: Uma Abordagem Prática. 3 ed. São Paulo: Atlas, MARION, José Carlos. Análise das Demonstrações Contábeis. Contabilidade Empresarial. 2a ed. São Paulo: Atlas, MATARAZZO, Dante C. Análise Financeira de Balanços. 6 a ed. São Paulo: Atlas, MATARAZZO, Dante C. Análise Financeira de Balanços. Abordagem Gerencial. 7 a ed. São Paulo: Atlas, 2010 OLIVEIRA, Anderson. P; LAVOR, Héber. M.. O capital de Giro como Fator Estratégico para o Desempenho Econômico financeiro das Empresas: Um Estudo de Caso. Universidade Federal do Pará, SENAC. DN. Gerência Financeira./Jose do Rego Filho; Leny Alves Rocha; Cláudio Ulysses F. Coelho. Rio de Janeiro: SENAC/DN/DFP, SOUSA, Antonio. Gerência Financeira para Micro e Pequenas Empresas: Um Manual Simplificado/Antonio Sousa. Rio de Janeiro: Elsevier: SEBRAE,

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

2.1. Referencial Histórico sobre o Modelo Tradicional de Liquidez

2.1. Referencial Histórico sobre o Modelo Tradicional de Liquidez 18 2 Modelo de Liquidez Este capitulo tem por objetivo apresentar uma revisão bibliográfica do referencial histórico dos modelos de avaliação empresarial por meio da utilização dos indicadores de liquidez

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO 1 INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO RAFAEL SILVA DE ANDRADE Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA. Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS Graduanda de Ciências Contábeis da UFPA martanubia@bol.com.br Heber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EMPRESA RENNER S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EMPRESA RENNER S.A. UFPA - Análise de Demonstrativos Contábeis I 1 ANA PAULA VIEITA CHARLES OLIVEIRA PIMENTEL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA EMPRESA RENNER S.A. UFPA BELÉM 2007 UFPA - Análise de Demonstrativos Contábeis

Leia mais

O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro

O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro O papel da Controladoria na Administração do Capital de Giro Pablo Ferreira Dias da Silva* Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Administração Financeira e Orçamento Empresarial Matricula:

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

OVERTRADING: UM PASSO A MORTE EMPRESARIAL

OVERTRADING: UM PASSO A MORTE EMPRESARIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR: HEBER LAVOR MOREIRA ALUNO: TAFNES CAROLINE

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Planejamento Financeiro Empresarial

Planejamento Financeiro Empresarial Planejamento financeiro empresarial 1 Planejamento Financeiro Empresarial Hinara Araújo Thé Prof: Héber Lavor Moreira E-mail: heber@peritocontador.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao planejamento financeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LIQUIDEZ: A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LIQUIDEZ: A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LIQUIDEZ: A CAPACIDADE DE PAGAMENTO DAS EMPRESAS JOÃO RICARDO PINTO MACIEL BELÉM 2007 RESUMO O Presente artigo tem o objetivo de enaltecer

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Gestão Empresarial Márlio Lúcio Ribeiro Gomes Coorientador: Prof. Evânio de Carvalho Cruz Universidade do Vale do Sapucaí RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA E A NECESSIDADE DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS Danielle Gomes da Silva Prof.: Luiz Claudio Lopes Alves Rio

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

A visão dos administradores em utilizar a ferramenta contábil para tomada. de decisão

A visão dos administradores em utilizar a ferramenta contábil para tomada. de decisão A visão dos administradores em utilizar a ferramenta contábil para tomada *Solange Ribeiro dos Santos *Alessandra Cristina de Souza *Michel Regis Lopes de Lima *Júlio Cesar Siqueira de decisão birobiro21@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I! Qual a importância do Plano Financeiro em um Business Plan?! Quais os tipos de Planejamento Financeiro utilizados em um Business Plan?!

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO HUGO ISAMU SHINOMIYA JESSICA VALERIA LIMA ANÁLISE DE BALANÇO - FIBAM CIA INDUSTRIAL Belém - PA 2011 2 HUGO

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Aula 5 Contextualização

Aula 5 Contextualização Gestão Financeira Aula 5 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Demonstrativos Contábeis e Análise Financeira Contabilidade é uma ciência aplicada que, por intermédio de uma metodologia específica,

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

Introdução. Graduanda do Curso de Administração - FACISA/UNIVIÇOSA. E-mail: geisesilva_3@yahoo. com.br. 2

Introdução. Graduanda do Curso de Administração - FACISA/UNIVIÇOSA. E-mail: geisesilva_3@yahoo. com.br. 2 APURAÇÃO DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO PARA A PREVENÇÃO DE FALÊNCIA DAS EMPRESAS Geisiane da Silva Sousa 1, Jovelino Márcio de Souza 2, Ana Cláudia da Silva 3 Resumo: Este trabalho teve como objetivo

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

PALAVRAS-CHEVE: Capital de giro, saldo de tesouraria, necessidade de capital de giro.

PALAVRAS-CHEVE: Capital de giro, saldo de tesouraria, necessidade de capital de giro. TÍTULO: ANÁLISE AVANÇADA DE EMPRESAS AUTOR: JOSÉ A MOURA ARANHA CREDENCIAIS: Graduado em Ciências Contábeis com pós-graduação em Perícia Contábil, Financeira e Empresarial, professor na Faculdade Estácio

Leia mais

O REFLEXO DA POLÍTICA DE ESTOQUE NA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO

O REFLEXO DA POLÍTICA DE ESTOQUE NA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO O REFLEXO DA POLÍTICA DE ESTOQUE NA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO Ricardo Wiliam Pinheiro RESUMO Os materiais em estoque representam grande parte do capital das empresas que trabalham com industrialização

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIRO DE UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA REGIÃO SUL DE SC

ANÁLISE DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIRO DE UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA REGIÃO SUL DE SC UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MARINA DE FRANÇA ANÁLISE DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIRO DE UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA REGIÃO SUL DE

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLIE DA DEMONTRAÇÕE FINANCEIRA Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis; 2.1. Análise vertical

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS 1

INDICADORES FINANCEIROS 1 42 INDICADORES FINANCEIROS 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing, produção,

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos

Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos Workshop Rentabilidade e liquidez nas instituições de ensino Guilherme da Nóbrega Milton dos Santos Conteúdo As números fundamentais da gestão econômicofinanceira Compreendendo a liquidez Capital de Giro

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando as transformações sofridas pela contabilidade brasileira a partir do processo de sua harmonização com as normas ano grupo contábil 1 2 3 internacionais de contabilidade,

Leia mais

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional DISCIPLINA: Contabilidade Gerencial CÓDIGO: 2ADM.0 VALIDADE: a partir de agosto de 200 TÉRMINO: Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: aulas Créditos: Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA PARA A ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA X Maria José Oliveira Gomes 1 Luciana Silva Moraes 2

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA PARA A ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA X Maria José Oliveira Gomes 1 Luciana Silva Moraes 2 A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA PARA A ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA X Maria José Oliveira Gomes 1 Luciana Silva Moraes 2 RESUMO A demonstração do fluxo de caixa traz os ingressos e desembolsos de

Leia mais

Análise dinâmica do capital de giro e inflação: um estudo de caso em empresa de recursos hídricos

Análise dinâmica do capital de giro e inflação: um estudo de caso em empresa de recursos hídricos 1 Análise dinâmica do capital de giro e inflação: um estudo de caso em empresa de recursos hídricos Autor FLÁVIO DONIZETE BATISTELLA FEARP - USP Resumo A liquidez de uma companhia é um assunto que há muito

Leia mais

OS INDICADORES DE ATIVIDADES COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Um estudo do caso de uma empresa do setor madeireiro da Região Norte.

OS INDICADORES DE ATIVIDADES COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Um estudo do caso de uma empresa do setor madeireiro da Região Norte. OS INDICADORES DE ATIVIDADES COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Um estudo do caso de uma empresa do setor madeireiro da Região Norte. LUIZ PAULO FARIAS GUEDES Graduando do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Gestão Economica e Financeira: a Aplicação de Indicadores

Gestão Economica e Financeira: a Aplicação de Indicadores Gestão Economica e Financeira: a Aplicação de Indicadores Flaviani Souto Bolzan Medeiros flaviani.13@gmail.com UNIFRA Lissandro Dorneles Dalla Nora lissandro@unifra.br UNIFRA Juliana Andréia Rüdel Boligon

Leia mais

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Adriano Antonio Nuintin Andréa Salvi Carlos Alberto Grespan Bonacim Evandro Marcos Saidel Ribeiro

Leia mais

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Análise dos Demonstrativos Contábeis Professor: Heber Lavor Moreira Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! 1- O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

2.1. Giro dos Estoques O giro dos estoques geralmente mede a atividade, ou liquidez, dos estoques da empresa. Quanto maior for o valor dos estoques, maior será a necessidade de capital de giro da empresa.

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

CÁLCULO DO CAPITAL DE GIRO 1 RESUMO 1.0 INTRODUÇÃO. Pâmela Marcelino Araújo 2 Eurípedes Bastos Siqueira 3

CÁLCULO DO CAPITAL DE GIRO 1 RESUMO 1.0 INTRODUÇÃO. Pâmela Marcelino Araújo 2 Eurípedes Bastos Siqueira 3 CÁLCULO DO CAPITAL DE GIRO 1 Pâmela Marcelino Araújo 2 Eurípedes Bastos Siqueira 3 RESUMO O mercado apresenta alto nível de competitividade e inovações. Segundo dados do Sebrae (2011) uma das principais

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Administração do Caixa

Administração do Caixa Administração do Caixa 1- Introdução 2- O capital circulante 3- Políticas de gerenciamento do capital circulante 4- Gestão do Caixa 5- Gestão de recursos temporariamente ociosos - Títulos Negociáveis 6-

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

Palavras - chave: Capital de giro, pequena empresa, rentabilidade.

Palavras - chave: Capital de giro, pequena empresa, rentabilidade. A gestão do capital de giro nas pequenas empresas no segmento de cosméticos varejista em Divinópolis: Dificuldades e influência na rentabilidade. Claudinei Oliveira Laurindo 1 Kátia Ferreira de Araújo

Leia mais

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito

Aula satélite 4. * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito * Administração do crédito * Demonstrativos financeiros (contabilidade gerencial) * Fontes de recursos e de obtenção de crédito Aula satélite 4 Prof. Cláudio Alves da Silva Administração do crédito Crédito

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR 10 A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR Olegário de Queiroz Muniz Bacharel em Ciências Contábeis Especialista em Recursos Humanos

Leia mais