Gestão Setorial - Consumo e Estoque

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Setorial - Consumo e Estoque"

Transcrição

1 Gestão Setorial - Consumo e Estoque Mario da Silva Oliveira CONSUMO DAS MERCADORIAS VENDIDAS (C.M.V.) custo do consumo de ingredientes ou alimentos necessários para o preparo de um prato ou de um produto, conforme previsto nas fichas técnicas. (Mario da Silva Oliveira) 1

2 1. CMV Custo da Mercadoria Vendida CONSUMO DAS MERCADORIAS VENDIDAS (C.M.V.) custo do consumo de ingredientes ou alimentos necessários para o preparo de um prato ou de um produto, conforme previsto nas fichas técnicas. Quando se compara o custo de um prato (ou produto) ao preço de venda (receita do prato), produzirá um índice percentual de custo que é definido como o índice de CMV do prato (ou produto) e que será objeto de análise e avaliação adiante. Comparando-se o consumo havido no estabelecimento à receita bruta auferida na venda dos pratos obtém-se o Índice de CMV do estabelecimento. Da mesma forma, esse cálculo pode ser identificado por tipo de produtos, grupo de pratos etc. Cada tipo de restaurante tem um parâmetro de referência de CMV. Mas, de uma forma geral, os valores médios de mercado são os seguintes: CMV dos Alimentos Até 20% 25% a 0% Acima de 0% Referência BAIXO MÉDIO ALTO Comparando o CMV à receita bruta, obtemos a seguinte fórmula de cálculo: CMV = CONSUMO DE MATÉRIA-PRIMA RECEITA le Para se determinar o consumo de matéria-prima e compará-lo com a receita auferida, devem-se estabelecer antes de udo, períodos-padrão de observação, programado em: dias, semana, quinzena, mês e ano. Assim, cada índice obtido poderá ser comparado com um outro índice de igual proporção. O CMV será o resultado da avaliação do estoque no período analisado mais as compras realizadas durante esse mesmo período. Ou seja, o montante de estoque levantado no início do período mais as compras realizadas, menos o estoque levantado no final do período de análise. CONSUMO DE MATÉRIA-PRIMA = Estoque Inicial + Compras - Estoque Final 2

3 Com isso, a nossa fórmula de cálculo passa a ser a seguinte: CMV = (ESTOQUE INICIAL + COMPRAS) - ESTOQUE FINAL RECEITA (R$ ,00 + R$ ,00) - R$ ,00 R$ ,00 = R$ ,00 R$ ,00 CMV = 0,2824 ou 28,2% Em que: Consumo de matéria-prima que compõe um prato ou os diversos pratos vendidos é o mesmo que o CMV. Quando comparado esse consumo com a receita auferida, temos o índice de CMV. O estoque final é composto pelo saldo do almoxarifado mais todas as mercadorias que ainda estejam nas áreas de produção, mesmo que tenham sido requisitadas ao almoxarifado e ainda não tenham sido vendidas até o encerramento do período de análise. Sendo assim, constata-se que nem toda a mercadoria requisitada pela cozinha ao almoxarifado é utilizada para a venda. Observa-se, inclusive, que estabelecimentos nos quais a estrutura física de estoque é deficiente prejudicam ou até inviabilizam a apuração do consumo, pois muitos dos produtos são armazenados diretamente nas áreas de produção, dificultando seu controle. Pode-se dizer que a apuração do CMV deve ser a principal meta da gestão do controle de um estabelecimento gastronômico, pois, dentre vários, é o principal índice a ser apurado. Além do consumo de mercadoria vendida, deve-se obter o consumo interno do estabelecimento para a perfeita valoração dos produtos dependidos. A seguir, apresentase a configuração do consumo interno e a apuração do imposto direto: I. Consumo Interno Entende-se por consumo interno de produtos, todo aquele realizado por pessoal interno do estabelecimento, que deve sofrer um controle em separado do CMV, visto que: 1. representa consumo de matéria-prima a ser também controlada; 2. há outros gastos incidentes na elaboração dos produtos ou prestação dos serviços que devem ser considerados;. por vezes, o consumo interno pode ser muito significativo, a ponto de impactar os resultados operacionais;

4 O consumo interno de alimentos e bebidas nos pontos de venda ocorre para atender as seguintes necessidades especiais: 1. promoção de vendas, através de almoço ou jantar, de um funcionário com os clientes em geral; 2. consumo de acionistas, gestores ou funcionários em trabalho extraordinário, plantões ou que estejam em postos de trabalho ininterrupto e que não tenham substitutos durante o expediente do refeitório;. consumo de convidados ou premiados, clientes em potencial, profissionais da mídia, personalidades etc.; 4. consumo de funcionários durante treinamentos e festividades a eles direcionados. Portanto, deve-se gerar controle específico para o consumo interno que periodicamente identifique, de forma clara, os valores apurados sobre a venda de produtos da empresa e o consumo interno. Os seguintes controles devem ser utilizados para avaliar o consumo interno: O resultado das vendas normais mais o consumo interno menos a perda será igual ao consumo real (ou total) que deve ser confrontado com as baixas de estoque. II. Apuração de ICMS e o Emissor de Cupom Fiscal ECF Sem a elaboração de controles de consumo interno de forma específica e separada, tanto o consumo quanto a apuração do custo tornam-se inviáveis. Ocorre que, segundo a legislação, não pode haver nenhum sistema paralelo ao ECF. Assim, a alternativa para minimizar gastos com ICMS, deve-se lançar os itens consumidos como venda, com um desconto de 99,99%, neutralizando praticamente sua receita. Tributa-se somente o valor correspondente a 0,01%, normalmente R$ 0,01 (um centavo de real). Desta forma, mantêm-se as bases para apuração de controles e custos, bem como, do estorno do crédito de ICMS correspondente. Um relatório elaborado a partir desses lançamentos deve demonstrar o total do consumo pelo preço de venda e o total do desconto, por gênero e por finalidade. Sem o lançamento do desconto no ECF, o valor do custo dos produtos relativos ao consumo interno será imputado ao Custo das Mercadorias Vendidas CMV, o que pode distorcer o índice de CMV apurado. le le mais repertório Comanda Tudo o que é consumido internamente deve ser anotado via comanda. Mapa de Vendas Diário e Periódico Nos mapas de venda ou através de mapas de controle específicos, serão lançados os produtos diariamente consumidos com a devida valoração: pelo preço de venda normal, pelo custo do produto, por um percentual do valor de venda etc. 4

5 Controle de estoque Estoque é o local que vai manter por um determinado tempo o material a ser utilizado pela empresa. Uma gestão eficiente de estoque deve ter sob controle os valores financeiros e quantitativos envolvidos. O estoque é parte do investimento no negócio; é CAPITAL empatado que não gera juros. Então, a gestão de estoque cuida de ativos da empresa. O controle do estoque é de suma importância para o bom desempenho funcional e financeiro de qualquer empresa. RECEBIMENTO ESTOQUE PRODUÇÃO CONTROLE ESTOQUE SECO ESTOQUE ÚMIDO SALÃO BAR MATERIAL DE HIGIENE LIMPEZA MATERIAL DE ESCRITÓRIO ADMINISTRAÇÃO Normas de estocagem O processo de armazenamento é extremamente importante e requer aplicação para gerar bons resultados. Assim, as normas de estocagem a serem seguidas são: - o volume de compras deve estar adequado à capacidade de estocagem; - otimiza-se o capital investido através de um giro de estoque rápido; - estoques altos significam maior custo no empate de capital e na necessidade de maior controle; - estoques muito baixos podem significar problemas nos processos de produção e atendimento ao cliente por falta de produto; 5

6 - os produtos estocados não podem perecer, devem ser utilizados dentro de seu prazo de validade; - deve-se dar prioridade àqueles produtos que estão a mais tempo no estoque, ou seja, o primeiro que entra é o primeiro que sai sistema PEPS; - entretanto, antes, deve-se utilizar o produto que vencer primeiro, ainda que comprado depois; esse procedimento chama-se PVPS primeiro que vence é o primeiro que sai; - deve-se padronizar os controles de acordo com a média e potencial de venda de cada setor ou estabelecimento. Gastos não previstos no processo de estocagem podem gerar os chamados custos invisíveis que não são repassáveis ao produto final, resultando em prejuízo. O local de estocagem requer determinadas especificações: - layout que facilite a circulação das pessoas e a organização das mercadorias; - a área de estocagem deve ser mantida limpa e organizada; - acesso limitado a funcionários do setor ou poucas pessoas previamente autorizadas; - iluminação adequada e monitoramento constante do ambiente; - rotatividade do estoque, utilizando-se do sistema PEPS (fifo) e principalmente do sistema PEVS, (ambos citados na pág. anterior); - atenção a itens de alto valor unitário que podem gerar prejuízos se não aproveitados; - para cada tipo de produto deve haver condições próprias de armazenamento; - acondicionamento especial para produtos perecíveis, tais como, equipamentos a frio: câmaras frigoríficas; freezer; congeladores; geladeiras; balcões frigoríficos; - uso de controles efetivos e eficientes. le le mais repertório Controle É uma das funções mais importantes e mais fáceis de serem relegadas a um segundo plano nas atividades empresariais. Está intimamente ligada ao processo de gerenciamento. Na realidade, é uma extensão do processo gerencial. Uma definição prática e funcional de GERENCIAMENTO (GESTÃO) é: usar o que se tem para se fazer o que se quer. Utiliza-se de RECURSOS disponíveis para o fim de atingir objetivos organizacionais. 6

7 PRODUTOS PERECÍVEIS / SEMIPERECÍVEIS / NÃO PERECÍVEIS PRODUTOS PERECÍVEIS são alimentos que possuem nível alto de água em sua composição, por conseguinte um curto tempo de vida útil. Em geral, não se prestam à estocagem. Devem ser consumidos ainda frescos. Sua compra será sempre direta (os produtos seguem diretamente para o setor de produção e não são estocados). saiba mais PRODUTOS SEMIPERECÍVEIS são alimentos que possuem algum tipo de tratamento ou possuem um nível médio de água. Devem ser armazenados em ambiente ventilado e protegidos de insetos e roedores. São: cereais, enlatados, defumados, salgados e embutidos. PRODUTOS NÃO PERECÍVEIS baixíssimo nível de água e conseqüente vida útil maior que os anteriores. Devem seguir as mesmas instruções de armazenagem do semiperecíveis. São: farinhas, açúcar, massas secas, café e outros. Ficha de Prateleira Produto: nome do produto Código: anotar o código do produto previamente definido Unidade: unidade da embalagem (Kg/Litro/pacote de 00Kg) Ficha de Prateleira Máximo: 160,00 Kg Mínimo: 10,00 Kg Ponto de Pedido: 50,00 Kg Data Entrada Saída Estoque atual Data de movimentação do produto Volume de entrada de produtos no estoque Volume de saída de produtos no estoque Saldo atualizado 10/01/ ,00 100,00 15/01/ /01/ ,00 0,00 50,00 20,00 25/01/ ,00 120,00 7

8 Ficha de Estoque Descrição Unidade Código Estoque Estoque Ponto de do Produto Máximo Mínimo Pedido Arroz Kg 100,00 10,00 50,00 Histórico de Consumo Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano ,6 Custo Médio 2,02 Data Destino/ Procedimento 10/01 Recebimento 11/01 12/01 Cozinha Cozinha Nota Fiscal ou Documento 012 Requis Requis Entrada Saída Saldo Custo Unitário 100,00 200,00 R$ 2,02 10,00 10,00 190,00 180,00 Transp Transp Transp Fonte: FONSECA, Marcelo Traldi. Tecnologias gerenciais de restaurantes. SENAC. São Paulo: 2000 Documentação de Estocagem 1. Ficha de prateleira ou ficha Kardex é o instrumento básico de anotação de estoque. Deve ser preenchido a cada variação de estoque. O fato de estar na prateleira facilita o manuseio e a confrontação com o estoque. Com os novos sistemas de informática, a ficha kardex tornou-se dispensável. 2. Ficha de estoque documento que descreve toda a movimentação do produto. Detecta histórico de consumo, movimentações (entrada e saída) e evolução dos preços.. Inventário periódico este trabalho consiste na pesagem e contagem de todos os itens em estoque. Promove a apuração de consumo real pela diferença entre: estoques inicial, estoques final e volume de compras durante um determinado período. Sua constante utilização pode levar a um aprimoramento na apuração dos custos com matérias-primas, pois: 8

9 Embalagem Cód. Produto Massas Tipo Peso Líqu. Uni Est. Inic 202 bucattini Cx 0,500 Kg farfale Cx 0,500 Kg fusilli Cx 0,500 Kg penne Pc 0,500 Kg penne - ziti Cx 0,500 Kg 2 8 penne tricolor Pc 0,500 Kg 1 10 spaguetti barilla Cx 0,500 Kg spaguetti - divela Pc 0,500 Kg pastel Ro 1,000 Kg folhada Ro 1 Us 0 12 Ficha de Estoque Unid: Cx=Caixa /Dz=dúzia /Kg=quilo /La=lata /Lt=litro /Mç=maço /Pc=pacote/Ro= rolo/us=unidade 2ª ª 4ª 5ª 6ª S. D. Compra Semana Est. Final Consumo Quant $ Consumo Unitário $ Total,20,0,20 2,40 2,80,40 4,0 4,50 2,00 4,0 51,20 6,0 41,60 21,60 0,80 20,40 51,60 72,00 12,00 55,90 Totais Total $ 9,40 - controla o desempenho do restaurante durante períodos pré-estabelecidos: semanal/quinzenal/mensal; - a apuração deve ser feita sempre por duas pessoas: uma de A&B e outra da controladoria; - caso haja algum tipo de distorção, deverá ser verificado o motivo e apurado o relatório de consumo; - deve-se desenvolver inventários separados para alimentos e bebidas e por grupos de alimentos. Modelo de planilha de inventário semanal, por grupo de produtos, onde constam: - Código: número de cada produto conforme plano de contas. - Unidade: tipo de unidade utilizada em cada produto, conforme notas fiscais. - Compra da semana: somatório das quantidades recebidas ao longo da semana. - Est. Final: após aferição de estoque (realizado em toda segunda-feira), verificase o valor de estoque conforme indicado em cada produto. - Est. Inic.: estoque Inicial, que é idêntico ao estoque final verificado na semana anterior. - Consumo Quant.: resultado da conta de consumo, ou seja, Consumo = Estoque Inicial + Compras Estoque Final. - $ Unitário = valor unitário lançado no estoque pela média dos valores de aquisição. - Consumo $ Total = consumo da semana ou CMV. 9

10 Requisição de Mercadorias Nº da requisição : Data: 00 / 00 / 00 Horário: Requisitante: Assinatura: Produto Código Unidade Quantidade 4. Requisição de mercadorias é um instrumento de retirada de produtos junto ao almoxarifado. Cada setor que necessite de determinado produto faz a requisição na qual deve constar a assinatura do requisitante e/ou da chefia. 5. Identificação de mercadoria segundo regulamentação, todo produto deve indicar de maneira clara: - nome do produtor; - data de produção e de validade; - números de registro Inscrição Estadual/CCM/CNPJ/da fiscalização sanitária. Produto: Produzido por: Data de Fabricação : / / Data de Validade : / / Identificação de Mercadorias OBS: No caso de produtos produzidos no próprio estabelecimento, este tem a obrigação de identificá-lo (com etiqueta), na qual deve constar um prazo máximo de validade de 6 dias (independente das condições de armazenagem). UTENSÍLIOS material de cozinha e salão Os utensílios (material de uso diário) fazem parte do ativo dos estabelecimentos e, diferentemente dos equipamentos, sofrem perda constante. O manuseio e utilização em serviço, caso não haja controle específico, podem gerar gastos não previstos em grande monta, o que viria onerar o estabelecimento. 10

11 Principalmente quanto aos utensílios de menor tamanho, deve-se ter controle e processos de compra e estoque bem definidos com a mesma organização e dedicação dispensada aos insumos básicos. leitura recomendada Os gestores responsáveis e demais funcionários das áreas de cozinha e salão devem estar envolvidos com preservação dos utensílios utilizados. Assim, além das mercadorias em estoque, é igualmente necessário inventariar os materiais operacionais, tais como: inox, cristais, prataria, louças, porcelanas e enxoval, verificando e controlando as quebras decorrentes da operação e providenciando a reposição dos itens que estiverem aquém do Par Stock. O Par Stock é a quantidade de peças adequada à operação do estabelecimento, levando-se em consideração o giro dos assentos e o ciclo operacional, além do giro de peças em operação e na lavagem. 2. Consumo CONSUMO REAL é o consumo de cada matéria-prima (bruta) efetivamente consumida num determinado período analisado: diário, semanal ou mensal. Trata-se do consumo identificado na planilha de inventário (ficha de estoque). Será comparado com o consumo teórico para que seja possível identificar as diferenças ocorridas no processo operacional como um todo: desde a saída dos diversos produtos do estoque até a venda (entregas dos pratos aos clientes). Verifica-se se a consumo, de uma forma geral, está em acordo com o planejado e as fichas técnicas. CR = Estoque Inicial + Compras Estoque Final Livro: O Restaurante - Conceito e Operação Autor: Walker, John; Lundberg, Donald E ISBN: X Páginas: 66 Formato : 25,5 X 18 Ter sucesso como dono de restaurante exige mais do que uma idéia na cabeça e disposição para o trabalho. É preciso definir um conceito, encontrar um nicho de mercado, elaborar planos de marketing e negócios e contar com recursos financeiros. Este texto cobre todos os aspectos da concepção, abertura e administração de todos os tipos de restaurantes, de uma franquia de fast food a um sofisticado estabelecimento. Oferece a alunos, chefs e empreendedores informação com a qualidade e a abrangência necessárias para alcançar o sucesso em um setor altamente competitivo e lucrativo. 11

12 CONSUMO TEÓRICO é o cálculo do consumo programado de cada matéria-prima (bruta) inserida na elaboração de um prato (que consta nas fichas técnicas), multiplicado pelo número de pratos vendidos no período analisado: diário, semanal ou mensal. CT = Quantidade bruta X Quantidade vendida de pratos (produtos) Comparando o consumo teórico com o consumo real, verificamos que uma certa distorção sempre será encontrada. Porém, não pode ser significativa! Pode-se determinar um índice percentual médio de erro aceitável entre o CR e o CT na ordem de 01% a 10%, dependendo do produto analisado e da eficiência e tempo de trabalho das brigadas. Quando:CT > CR - pode haver uma distorção na análise; - a ficha técnica tem distorção; - a quantidade de produto está menor e conseqüentemente o custo do prato está alto (o cliente está recebendo menos alimento do que efetivamente está pagando); - registraram-se mais vendas do que efetivamente foi vendido (cancelamentos não foram registrados). Quando:CT < CR - pode-se verificar comandas não contabilizadas; - fichas técnicas desatualizadas; - produtos perdidos ou estragados não apontados; - desvio de mercadorias. 12

13 Anotações: bibliografia FONSECA, Marcelo Traldi. Tecnologias gerenciais de restaurantes. SENAC. São Paulo: 2000 JEOLÁS, R.Sollberger e Santos, Elias Gomes. O negócio em alimentos e bebidas. Ponto Crítico. São Paulo: 2000 NINEMEIER, Jack D. Controles para alimentos e bebidas. Instituto de Hospitalidade. Salvador: 2000 TEICHMANN, Ione. Tecnologia culinária. EDUCS. Caxias do Sul: WALKER, John R., LUNDBERG, Donald E. O restaurante: conceito e operação. Bookman. a. Ed. Porto Alegre: 200. ZANELLA, Luiz Carlos. Administração de custos em hotelaria. 2ª ed. EDUCS. Caxias do Sul:

Gestão Setorial - Compras e Recebimento

Gestão Setorial - Compras e Recebimento Gestão Setorial - Compras e Recebimento Mario da Silva Oliveira GESTÃO é um conjunto de conhecimentos codificados cujo foco é a obtenção de resultados ( do inglês, management ). Esses resultados serão

Leia mais

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria Mario da Silva Oliveira O único propósito de um negócio é criar um cliente! (Peter Drucker) O único propósito de um negócio e fazer com que ele retorne! (Walker & Lundberg) 1 1. A Conceituação do Empreendimento

Leia mais

Gestão do Negócio de Alimentação

Gestão do Negócio de Alimentação Mario da Silva Oliveira Constituir um negócio significa dispor de uma determinada soma de dinheiro que será investida nesse negócio, ou seja, possuir um CAPITAL para realizar o investimento. (Mario da

Leia mais

Restaurante por Peso - A diminuição no percentual de lucro nos restaurantes tradicionais fazem o sucesso dos restaurantes por peso; - Vende mais

Restaurante por Peso - A diminuição no percentual de lucro nos restaurantes tradicionais fazem o sucesso dos restaurantes por peso; - Vende mais Restaurante por Peso - A diminuição no percentual de lucro nos restaurantes tradicionais fazem o sucesso dos restaurantes por peso; - Vende mais refeições com preço menor ganhando na quantidade - Esta

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B 1. GERENTE GERAL

CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B 1. GERENTE GERAL CARGOS E PERFIS PROFISSIONAIS DOS FUNCIONÁRIOS DE A&B GERENTE GERAL Sexo: Masculino ou Feminino Idade: entre 25 e 40 anos Escolaridade: ensino superior completo (Administração, contabilidade ou hotelaria)

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

Análise de Resultados

Análise de Resultados Mario da Silva Oliveira Empresas são organizações que ao envolverem recursos humanos, materiais, financeiros e outros em torno de um objetivo, realizam a transformação de bens em valores. Tanto os bens

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Custos Industriais Aula 3 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Uma vez compreendida a terminologia de custos e suas fases durante o processo produtivo, iremos delimitar os

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL

A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL A PRESTAÇAO DE SERVIÇOS EM RESTAURANTES E A QUALIFICAÇAO PROFISSIONAL Junior Heberle 1 Esp Luziane Albuquerque 2 RESUMO Este artigo busca enfocar a questão da qualidade no atendimento nos restaurantes

Leia mais

O CUSTO DE A&B EM UM EVENTO

O CUSTO DE A&B EM UM EVENTO O CUSTO DE A&B EM UM EVENTO Objetivo Conhecer os principais cuidados a serem tomados com a organização de um evento, tendo em vista a manutenção dos custos do evento; Conhecer as formas de cobrança das

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

FORMULÁRIO RELATÓRIO DE DESEMPENHO TÉCNICO NA PESSOA JURÍDICA. Razão Social: Endereço: (Rua/Av, n ) Bairro Cidade Estado CEP

FORMULÁRIO RELATÓRIO DE DESEMPENHO TÉCNICO NA PESSOA JURÍDICA. Razão Social: Endereço: (Rua/Av, n ) Bairro Cidade Estado CEP CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS 6ª REGIÃO PE-AL-PB-RN-CE-PI-MA SEDE DO CRN-6 RUA BULHÕES MARQUES, 19 SL. 803 - BOA VISTA - RECIFE/PE - CEP 50060-050 - FONES: (81) 3222-2495/ 3222-1458 / 3421-8382 FAX:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. Disciplina o recebimento, a armazenagem, a estocagem e a distribuição de materiais pelos almoxarifados da UDESC. O Pró-Reitor de Administração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

MANUAL DO ALMOXARIFADO

MANUAL DO ALMOXARIFADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA BR 349 - Km 14 Zona Rural - Caixa Postal 34

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Roque do Canaã ES

Prefeitura Municipal de São Roque do Canaã ES INSTRUÇÃO NORMATIVA SED Nº 001/2014 Dispõe sobre os procedimentos para aquisição, elaboração de cardápio e distribuição da alimentação escolar da rede pública municipal de São Roque do Canaã. Versão: 01

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Instrução Normativa CGM Nº 003/2013. Ementa: Dispõe sobre os procedimentos de recebimento, armazenagem, distribuição e controle de entradas e saídas de materiais de consumo no Almoxarifado Central da Administração

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 002/2013, DE 22 DE JANEIRO DE 2013.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 002/2013, DE 22 DE JANEIRO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 002/2013, DE 22 DE JANEIRO DE 2013. Versão nº 01 Aprovação em: 22/01/2013 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 010/2013 Unidade Responsável: Departamento de Compras e Patrimônio/Comissão

Leia mais

Operações com Mercadorias Sem Impostos

Operações com Mercadorias Sem Impostos Contabilidade Empresarial Operações com Mercadorias Sem Impostos Profa. Vanda Aparecida Oliveira Dalfior Vanda.oliveira@pitagoras.com.br Curso de Ciências Contábeis - 2º. Período (2º. Semestre/2012) Operações

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES AVALIAÇÃO DE ESTOQUE Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 6 Prof. Rafael Roesler Sumário Avaliação de estoques Métodos para avaliação de estoques Introdução

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE INVENTÁRIO FÍSICO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE INVENTÁRIO FÍSICO 07/02/203 INTRODUÇÃO O Procedimento de Inventário Físico tem por objetivo estabelecer as normas para realização do Inventário Físico utilizado para conferir as quantidades registradas contabilmente e validar

Leia mais

Aula 12. Definição do Orçamento do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni

Aula 12. Definição do Orçamento do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni Aula 12 Definição do Orçamento do Plano de Marketing Profa. Daniela Cartoni Orçamento do Plano de Marketing Em paralelo ao plano de ação, é necessário que a empresa constitua um orçamento de apoio. Na

Leia mais

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais.

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais. Fenícia Gestão ERP Introdução O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua robustez aliada ao alto grau de tecnologia e conhecimento

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe

Curso de Gestão de Restaurantes. Diego Koppe Curso de Gestão de Restaurantes Diego Koppe Conteúdo Definindo o mercado Calcular o preço de venda CMV VPL de venda Impostos e demais encargos Gestão de custos Maximizar lucros e vendas Projeção de vendas

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA Alterações MANUAL DO SISTEMA DE APURAÇÃO DO ICMS RELATIVO AO CUSTO DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS

NOTA EXPLICATIVA Alterações MANUAL DO SISTEMA DE APURAÇÃO DO ICMS RELATIVO AO CUSTO DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS NOTA EXPLICATIVA Alterações MANUAL DO SISTEMA DE APURAÇÃO DO ICMS RELATIVO AO CUSTO DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Versão 1.0.0.2 - Setembro 2009 Foram realizadas alterações no Sistema,

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Registro de Inventário, Saldos em Processo

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Registro de Inventário, Saldos em Processo Registro de Inventário, Saldos em Processo 23/12/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Livro Registro de Inventário...

Leia mais

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO - PARTE III

COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO - PARTE III COMO PREPARAR A EMPRESA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ORÇAMENTO - PARTE III! Como projetar as vendas?! Como distribuir o faturamento ao longo do mês?! Como orçar as despesas de pessoal?! O problema da rotatividade

Leia mais

SOLUÇÕES DE SOFTWARE MISTER CHEF

SOLUÇÕES DE SOFTWARE MISTER CHEF MISTER CHEF Histórico - A MISTERCHEF é uma empresa genuinamente brasileira com 16 anos de experiência e uma ampla especialização na criação e desenvolvimento de soluções para Automação Comercial do Varejo.

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 Índice 1. Abatimentos e descontos comerciais...3 2 1. ABATIMENTOS E DESCONTOS COMERCIAIS Abatimentos Nos casos de Compras: São registrados, os abatimentos e descontos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa)

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua

Leia mais

SCE. Sistema de Controle de Estoque

SCE. Sistema de Controle de Estoque SCE Sistema de Controle de Estoque SCE SISTEMA DE CONTRLE DE ESTOQUES - CADASRO - CFOP Cadastro da Natureza de Operação. - CADASRO Fornecedores Cadastro dos Fornecedores. Inclusão de todos os fornecedores

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

Instrução Normativa nº 02/CI/2013

Instrução Normativa nº 02/CI/2013 Instrução Normativa nº 02/CI/2013 Dispõe sobre os procedimentos de recebimento, armazenagem, distribuição e controle de entradas e saídas de materiais de consumo e permanentes no Almoxarifado da Administração

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

1 Regime de Inventário Permanente

1 Regime de Inventário Permanente 1 Regime de Inventário Permanente... 1 1.1 Primeiro que entra primeiro que sai (PEPS FIFO)... 5 1.2 Média ponderada móvel (Média)... 6 1.3 Último que entra último que sai (UEPS LIFO)... 9 1 Regime de Inventário

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com PORTARIA Nº 176/2007/GBSES

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com PORTARIA Nº 176/2007/GBSES PORTARIA Nº 76/007/GBSES O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE, no uso das atribuições legais, e Considerando a Portaria nº 80 de 08 de outubro de 998, da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da

Leia mais

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros)

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO Composição e Mecanismos de Determinação do Custo do Produto O Custo de cada produto lançado no estoque é composto de matéria-prima consumida (MPC), mão-de-obra diretamente relacionada com a produção (MOD)

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

Sistema de Produção KJewel

Sistema de Produção KJewel Sistema de Produção KJewel O sistema de Produção do Kjewel foi inicialmente desenhado para atender as necessidades de uma indústria joalheira. Todavia, como as características da indústria de jóias são

Leia mais

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br

Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br Administração de Materiais MPU Prof. Wendell Léo w.castellano@ig.com.br 01.A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES No inventário periódico, o controle é feito de períodos em períodos, no momento da apuração do resultado do exercício. Esse intervalo de tempo pode ser semanal, quinzenal,

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

Manual de Logística ISGH

Manual de Logística ISGH Manual de Logística ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Juniana Torres Costa Gerente do Núcleo de Logística ISGH FORMATAÇÃO Comunicação Visual ISGH DATA Novembro de 2014 Manual de Logística ISGH Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.0 - CONCEITO A auditoria de Avaliação de Estoques consiste na conferência e análise da avaliação monetária dos estoques de mercadorias destinadas à comercialização

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz Custeio por Absorção Prof. Laércio Juarez Melz Introdução Método que apropria os custos diretos e indiretos ao produto. Os custos diretos são atribuídos com ajuda de controles específicos: Controle de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

Aqui seus Resultados Aparecem

Aqui seus Resultados Aparecem Aqui seus Resultados Aparecem 2 Evolution Materiais: Controle de Estoque, Compras Gerencia necessidades de compra para reposição de estoque ou para atender à necessidade de um Centro de Custo. Envolve

Leia mais

CHEFE DE COZINHA (M/F)

CHEFE DE COZINHA (M/F) PERFIL PROFISSIONAL CHEFE DE COZINHA (M/F) ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - HOTELARIA, RESTAURAÇÃO E TURISMO - Organizar, coordenar e controlar o funcionamento do serviço de cozinha em estabelecimentos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE RELATO GERENCIAL ESTADO DO ACRE 1. Trata o presente Relato

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

Como reduzir as Perdas de Perecíveis Hortifruti

Como reduzir as Perdas de Perecíveis Hortifruti Como reduzir as Perdas de Perecíveis Hortifruti Diante de um cenário onde empresas buscam eficiência e está cada vez mais preocupada com a redução das perdas, não podemos nos esquecer dos perecíveis que

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais