UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS CLAUDIO DECKER JUNIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS CLAUDIO DECKER JUNIOR"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS CLAUDIO DECKER JUNIOR GESTÃO DE ESTOQUES ATRAVÉS DO PONTO DE PEDIDO EM UMA REVENDA INTEGRADA DE MOTORES ELÉTRICOS JOINVILLE - SC - BRASIL 2011

2 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS CLAUDIO DECKER JUNIOR GESTÃO DE ESTOQUES ATRAVÉS DO PONTO DE PEDIDO EM UMA REVENDA INTEGRADA DE MOTORES ELÉTRICOS Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas Orientadora: Dra. Daniela Becker JOINVILLE - SC - BRASIL 2011

3 3 CLAUDIO DECKER JUNIOR GESTÃO DE ESTOQUES ATRAVÉS DO PONTO DE PEDIDO EM UMA REVENDA INTEGRADA DE MOTORES ELÉTRICOS Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Dra. Daniela Becker Co-orientador: Dr. Lírio Nesi Filho Membro: Msc. Valdésio Benevenutti Joinville, 07 de Novembro de 2011

4 4 AGRADECIMENTOS Gostaria de em primeiro lugar agradecer a Deus, por se fazer presente em Cada dia da minha existência, que aprendi a respeitá-lo em cada gesto de um irmão. Ele que me inspira a querer viver seus mandamentos, amando ao próximo como a mim mesmo. Agradecer a meus pais, Claudio Decker e Lilia Maria de Souza Decker e ao meu irmão Guilherme Decker, e minha esposa, que especialmente, estão convivendo comigo há muito tempo, meus pais, que com todo amor e carinho me ensinaram o que é bom, o que é certo, me apoiaram em momentos difíceis da vida, como quando não se passa no 1º vestibular, mas também nas alegrias das conquistas, emprego, faculdade. Também agradeço hoje a pessoa que Deus colocou no meu caminho e que prometi amar e respeitar até que a morte nos separe, Minha Esposa Daniela Mara da Silva Decker, que me ama muito para me aturar em todos os dias que estamos juntos, o começo difícil da faculdade, onde era preciso deixar de curtir um fim de semana para estudar, a alegria do casamento, viagem, festa, convívio Enfim, momentos únicos da nossa vida.. Também tenho muito a agradecer a grandes amigos que fizeram, fazem a vão fazer parte da minha história, amigos de verdade, que sei que posso contar, aqueles que estavam junto desde a coordenação do Grupo de Jovens, nos tempos da AJS, muitos nomes para se lembrar, um tempo de muito crescimento, e amadurecimento, e aprendizado mútuo. Aos familiares que nos acompanham, alguns mais próximos, como Sr. Valério e Dona Eva, Milena, Guilherme e a cunhada Paula, outros um pouco mais distantes, mas todos Fazem parte da minha história, dos cinco anos de universidade, perguntando quando ia se formar, se tava indo bem. Essa conquista é para todos vocês. Não poderia deixar de lembrar também daqueles que sabem o sofrido que foi alcançar Esse objetivo, meus colegas, inicialmente em 2007, e agora podendo chamá-los de Amigos E por fim, aos nossos mestres, fonte da sabedoria para que se pudesse alcançar esse tão sonhado objetivo, e muito especialmente a Dra. Daniela Becker, minha orientadora,e o Dr. Lírio Nesi Filho, meu co-orientador, que nessa jornada se mostraram pacientes e dedicados na orientação do trabalho. E finalmente, muito obrigado a todos que de alguma forma participaram dessa conquista, Espero que continuemos juntos buscando tantas mais em nossa vida Obrigado!

5 5 CLAUDIO DECKER JUNIOR GESTÃO DE ESTOQUES ATRAVÉS DO PONTO DE PEDIDO EM UMA REVENDA INTEGRADA DE MOTORES ELÉTRICOS RESUMO O ambiente de negócios em que as organizações estão inseridas, está cada vez mais competitivo e complexo, é necessário atender bem, ter bom preço e ótimos prazos de entrega para que se consiga manter clientes fiéis e satisfeitos. Dentro desta nova realidade tem-se buscado atender de forma eficiente e eficaz toda a gama de clientes da organização a fim de satisfazê-los. E para uma empresa do segmento de revenda de motores elétricos de uma marca nacional, ter estoque disponível de produtos é essencial para que se consiga atender bem, com disponibilidade e variedade de produtos, para que o cliente lembre da empresa numa próxima compra. Deste modo, este trabalho tem por objetivo identificar quais itens são relevantes no estoque, e quais muitas vezes considerados importantes, não agregam valor para o cliente, para que se possa reduzir o estoque sem deixar de atender as demandas de mercado. Com o auxílio da revisão bibliográfica e informações obtidas com as pessoas envolvidas no processo de suprimentos da empresa, buscou-se retratar a situação atual dos estoques, através do qual elencou-se os itens que realmente devem ser mantidos, e os que talvez se poderia manter com menor volume, propondo melhorias na gestão de estoques. Para tal, foram levantados dados do sistema de gestão da empresa afim de mensurar os estoques existentes. Posteriormente utilizando-se das ferramentas de classificação ABC e classificação de acordo com a freqüência XYZ interagindo as duas numa matriz, foi possível estudar e calcular os estoques de segurança. Utilizando depois, o método do ponto de pedido, onde são criadas regras de reabastecimento e tamanhos de lote, conseguiu-se determinar quais itens devem ser comprados e quais devem ser comercializados para que depois se adéque ao modelo proposto. Pode-se por fim, concluir que a utilização das ferramentas propostas no estudo trazem melhorias no desempenho do faturamento, e na gestão adequada dos estoques da empresa. PALAVRAS-CHAVE: gestão; estoques; classificação ABC; classificação XYZ; ponto de pedido; estoque de segurança.

6 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Padrão de Demanda Regular.. 16 Figura 2 Padrão de demanda irregular.. 16 Figura 3 Curva ABC (Pareto) Figura 4 Curva Dente de Serra. 20 Figura 5 Faturamento da empresa relacionado com a venda de motores elétricos.. 27 Figura 6 Gráfico da Curva ABC Figura 7 Ponto de Pedido na Simulação... 38

7 7 LISTA DE TABELAS Tabela 01 Modelo de Classificação ABC versus XYZ 19 Tabela 02 Classificação de acordo com a participação nas vendas.. 28 Tabela 03 Percentual dos itens na Classificação ABC. 28 Tabela 04 Classificação ABC Tabela 05 Percentual de Estoques do Período Analisado (ABC) 31 Tabela 06 Classificação de acordo com a freqüência nas vendas 32 Tabela 07 Classificação XYZ...32 Tabela 08 Percentual de Estoques no Período Analisado (XYZ). 33 Tabela 09 Classificação ABC versus XYZ.. 34 Tabela 10 Grau de Risco.. 34 Tabela 11 Ponto de Pedido.. 36 Tabela 12 Simulações de Estoque Tabela 13 Estoques Simulados - Excessos e Necessidades.. 38 Tabela 14 Comparativo Simulado versus Real. 39

8 8 LISTA DE ABREVIATURAS C CM CLM ES GR PP TR UAN Consumo Normal da Peça Consumo Médio Council of Logistics Management (Conselho de Gestão Logística) Estoque de Segurança Grau de Risco Ponto de Pedido Tempo de Reposição Unidade de Alimentação e Nutrição

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA LOGÍSTICA GERENCIAMENTO DE ESTOQUES TIPOS DE DEMANDA Demanda Espacial versus Demanda Temporal Demanda Dependente versus Independente Demanda Regular versus Demanda Irregular ANÁLISE DA DEMANDA Classificação ABC Classificação entre Volume e Freqüência MODELO POR PONTO DE PEDIDO Ponto de Pedido Tempo de Ressuprimento Estoque de Segurança Cálculo do Estoque de Segurança METODOLOGIA ESTUDO DE CASO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ESTUDADA Setor de Vendas e Engenharia... 25

10 SITUAÇÃO ATUAL Análise da Demanda com relação ao Volume de Vendas Análise da Demanda com Relação a Freqüência de Vendas RESULTADOS OBTIDOS Estoque de Segurança Ponto de Pedido CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 42

11 11 1 INTRODUÇÃO O mercado cada vez mais globalizado exige um desempenho diferenciado para que cada organização possa sustentar-se frente aos desafios que se apresentam. Desafios estes que só podem ser superados através da redução constante dos fatores que não agregam valor e que possibilitam a perda da oportunidade de não atender os clientes. Para uma empresa que trabalha na busca de atender eficientemente e com agilidade seus clientes, estar com o item de desejo do cliente em estoque é um fator primordial para a efetivação da negociação. A meta de uma organização que visa atender, dentre uma de suas linhas de produtos, o mercado industrial no ramo de motores elétricos, é ter a maior disponibilidade possível de itens em estoque para que aconteça o atendimento imediato do cliente, ou no menor tempo possível. Disponibilidade, portanto para Bowersox e Closs (2001), é um ponto base do sistema logístico, e significa a capacidade de ter o produto no momento em que é desejado pelo cliente. Muitas vezes, a efetivação da negociação se dá pelo fato do atendimento imediato, onde o cliente possui a necessidade e o fornecedor o atende no ato de sua necessidade. Portanto para que isso ocorra à forma mais comumente utilizada é a armazenagem de estoque antecipando o pedido do cliente. A exigência dos clientes pelo pronto atendimento aumenta quando se fala em produtos que são considerados itens básicos do portfólio. A variedade desse portfólio é um fator determinante para os clientes, que facilita a busca pela mesma empresa no momento do cliente realizar seus pedidos. Para Pozo (2009), uma empresa pode alcançar uma posição de superioridade duradoura sobre os concorrentes através da logística. As bases do sucesso estão muito além da boa estrutura organizacional. A vantagem competitiva fundamenta-se, primeiramente, na capacidade de a empresa diferenciar-se de seus concorrentes aos olhos dos clientes e, em segundo lugar, pela capacidade de operar a baixo custo e, portanto, oferecendo maior satisfação ao cliente e proporcionando melhor retorno ao negócio. Combinar os dois fatores, alta disponibilidade e variedade de itens de estoque, são essenciais para a diferenciação das empresas, porém para que isto ocorra a organização terá de dispor de investimentos, que se o fizerem de maneira incorreta acarretará prejuízos muitas vezes prejudiciais até ao desenvolvimento da organização. Além disto, pode-se citar o fato da sustentabilidade física, que impossibilita manter um estoque infinito de oportunidades diante do mercado que se projeta cada vez mais enxuto, mesmo no quesito espaço físico.

12 12 Para tanto, é imprescindível a definição das quantidades de cada item no estoque, a fim de disponibilizar o menor estoque possível de itens sem prejudicar o pleno atendimento da demanda de mercado. O ponto chave será de que forma serão gerenciadas as aquisições dos itens, de forma sistêmica, eficaz e com agilidade, baseadas por métodos quantitativos, e não permanecer na dependência da experiência dos profissionais envolvidos. Pretende-se então, utilizar como base de estudo as classificações ABC e XYZ, e seu cruzamento, buscando identificar os comportamentos dos diferentes produtos relacionando a quantidade vendida e a freqüência destas vendas, para que possa se definir os itens que necessitam realmente de estoques e os itens que podem ficar com estoques menores. O principal objetivo deste estudo é identificar quais itens são relevantes no estoque, e quais muitas vezes considerados importantes, não agregam valor para o cliente, para que se possa reduzir o estoque sem deixar de atender as demandas de mercado. Definiu-se então como objetivos específicos: determinar o estoque de segurança dos itens, calcular o ponto de pedido para cada produto e criar regras para o dimensionamento do tamanho do lote de reposição. Para este estudo delimitar-se-á os motores elétricos vendidos no ano de 2010, e com isso buscar-se-á implementar um sistema de reposição do estoque. Os fornecedores trabalham com um lote mínimo de compra, então não será possível trabalhar esta informação, o que pode ser dimensionado é a quantidade de lotes comprados. Apresenta-se, então, a estrutura do trabalho para uma melhor compreensão do estudo que segue. O capítulo um apresenta a introdução do estudo, estando descritos o tema, o problema, os objetivos, a justificativa e como o estudo será delimitado. O capítulo dois fundamenta a teoria que será utilizada no desenvolvimento do estudo, a pesquisa dos dados, o desenvolver do trabalho, que embasará a tomada de decisão e a resolução do problema. No terceiro capítulo será apresentada a metodologia utilizada na pesquisa para coleta e posterior análise dos dados. O quarto capítulo apresenta a empresa, ilustra o problema encontrado na situação atual, apresenta os resultados obtidos com as ferramentas aplicadas e os resultados alcançados. As considerações finais são apresentadas no quinto capítulo, onde mostra-se os resultados obtidos com o estudo para o objetivo específico e geral. Por último o trabalho é finalizado com as referências bibliográficas utilizadas.

13 13 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O cenário econômico atual que se configura diante das organizações, mostra com clareza que cada vez mais a gestão de suas atividades são de suma importância para os resultados obtidos num futuro muito próximo. Tendo em vista todas as atividades de gerenciamento, a Logística, ou gestão da cadeia de suprimentos, é hoje uma peça chave dentro das organizações para que as mesmas obtenham cada vez melhores resultados com menores níveis de estoques e sem perder tempo com atrasos em função de variações de demanda (SERIO, SAMPAIO e PEREIRA, 2007). 2.1 LOGÍSTICA Desde as épocas mais antigas da história documentada da humanidade, as mercadorias mais necessárias não eram feitas perto dos lugares nos quais eram mais consumidas, nem estavam disponíveis nas épocas de maior procura (BALLOU, 2006). Observa-se portanto que a Logística existiu sempre dentro da sociedade, porém, hoje as proporções que sua evolução tomou dentro dos mercados internacionais e do avanço da globalização refletem sua real importância. Pode-se definir portanto como Logística as atividades relacionadas com o fluxo e transformação de mercadorias desde o estágio de matéria-prima até o usuário final, bem como seus respectivos fluxos de informação (BALLOU, 2006). Para Chopra e Meindl (2003), a logística ou cadeia de suprimentos engloba todos os estágios envolvidos no atendimento de um pedido de um cliente. E a cadeia de suprimentos não inclui apenas fabricantes e fornecedores, mas transporte, depósitos e os próprios clientes. Por fim, assume-se como uma definição para logística aquela promulgada pelo Council of Logistics Management (CLM apud BALLOU, 2006), em que a logística é o processo de planejamento, implantação e controle de fluxo eficiente e eficaz de mercadorias, serviços e das informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o propósito de atender às exigências dos clientes. Outro ponto a se analisar dentro da cadeia de suprimentos é o valor global gerado. Para Chopra e Meindl (2003), o valor gerado por uma cadeia de suprimentos é a diferença entre o valor do produto final para o cliente e o esforço realizado pela cadeia de suprimentos para atender seu pedido. A logística, portanto, trata da criação de valor, para clientes e fornecedores da organização. Esse valor pode ser mensurado em termos de tempo e lugar. Observa-se esse tipo de situação

14 efetivamente, por exemplo no segmento da saúde, onde se o medicamento não estiver quando (tempo) e onde (lugar) os pacientes necessitarem, eles, os clientes não ficarão satisfeitos GERENCIAMENTO DE ESTOQUES A atividade de gerenciamento de estoques está diretamente relacionada à cadeia de suprimentos. Para Pozo (2009) o maior desafio está em manter os níveis de estoques baixos e ao mesmo tempo proporcionar a disponibilidade desejada pelos clientes. Cita-se novamente o exemplo da saúde, gerir medicamentos não se torna uma tarefa fácil onde pode-se deparar com um número estimado de itens diferentes disponíveis para médicos e enfermeiros, tendo como compromisso não permitir a ocorrência de stockout, sinônimo de morte, perdas ou fracasso organizacional (PORTELA, 2006). Para Ballou (2006) um objetivo primário do gerenciamento de estoques é garantir que o produto esteja disponível no tempo e quantidades necessárias. É também equilibrar a disponibilidade dos produtos com o custo gerado desta disponibilidade. No presente estudo, a empresa tem um setor responsável por gerenciar as atividades relacionadas ao estoque, o setor de compras, que para Dias (1993) tem a função de suprir as necessidades de materiais, planejando de forma quantitativa o reabastecimento correto e com as respectivas quantidades. Pozo (2009) considera o setor de compras como responsável preponderante nos resultados da organização, pois tem como objetivo suprir as necessidades da organização com os recursos materiais para seu perfeito desempenho atendendo as demandas do mercado. 2.3 TIPOS DE DEMANDA Para que seja possível um correto gerenciamento dos estoques, faz-se necessário compreender os desafios que estão relacionados a esta gestão. Um ponto inicial e fundamental é compreender os tipos de demandas. Ballou (2006) classifica as demandas em 6 tipos principais que serão brevemente apresentadas a seguir Demanda Espacial versus Demanda Temporal Preocupações sobre o tempo com relação aos níveis de demanda são comuns. A variação da demanda de acordo com o tempo é resultado do crescimento ou decrescimento nas taxas de vendas, ou outro fator considerado (BALLOU, 2006). Portanto, o especialista necessita saber onde e quando

15 15 essa demanda vai ocorrer. A localização espacial da demanda é essencial para planejar a localização de armazéns, centros de distribuição. Por exemplo, para Tubino et al (1997) em Unidades de Alimentação e Nutrição (UANs) o dimensionamento de estoques se faz por categoria de gênero alimentício de acordo com sua perecibilidade. Os gêneros não perecíveis, são os que não se deterioram com tanta facilidade e suportam processos de estocagem mais prolongados. Já os gêneros semi-perecíveis são intermediários entre os dois gêneros acima. Os gêneros não perecíveis e os semi-perecíveis são estocados em despensa e/ou almoxarifado. Portanto, percebe-se que é fundamental saber as necessidades de cada poduto e onde os mesmo serão utilizados Demanda Dependente versus Independente Para Bowersox e Closs (2001) a demanda de um determinado item é considerada independente quando não se relaciona com a demanda de outro item. Em um caso onde a demanda provém de diferentes clientes, que em suma realizam compras individuais de produtos como uma fração do volume total comercializado pela empresa, configura-se portanto uma demanda independente. Para este tipo de demanda os modelos estatísticos apresentam bons resultados de previsão (BALLOU, 2006). Itens de demanda dependente resultam de padrões influenciados e não aleatórios, dependem de outras demandas de outros itens de um determinado programa de produção (BALLOU, 2006). Em alguns casos não se classifica a demanda como dependente ou independente, como é o caso citado por Tubino et al (1997) com relação a classificação de demanda para os itens relacionados a Unidades de Alimentação e Nutrição (UANs) não é praxe nesses tipos de serviços a classificação dos itens à serem estocados em itens de demanda dependente ou de demanda independente, tendo em vista que os itens a serem estocados são alimentos e podem ser de gênero perecível ou não, para tanto não se enquadra nesse tipo de classificação Demanda Regular versus Demanda Irregular Quando a demanda segue um padrão de variabilidade em função do tempo pode-se chamá-la de demanda regular. Este tipo de demanda pode ser previsto com maior facilidade utilizando matemática simples, sem necessidade de grandes arranjos matemáticos, para isto as variações aleatórias devem constituir uma pequena parte da variação restante pelo passar do tempo. Para Ballou (2006) os padrões de demanda podem ser divididos em componentes de tendência, sazonais ou aleatórios. A Figura 1 mostra um gráfico de demanda regular.

16 16 Tempo Figura 1 Padrão de Demanda Regular Fonte: Ballou, 2006 Para Ballou (2006), quando a demanda de determinados itens é intermitente, em função do baixo volume geral e da incerteza quanto a quando e em que nível essa demanda ocorrerá, a série de tempo é chamada Irregular. Lemos (2006), diz também, que a demanda irregular é extremamente difícil de prever e ocorrem por diversos motivos: quando o padrão de demanda é dominado por grandes pedidos de clientes não-frequentes; a demanda pode ser derivada da demanda de outros produtos ou serviços; o padrão de demanda pode ser um resultado de dados espúrios ou eventos especiais; entre outros. A Figura 2 mostra um exemplo do comportamento desta demanda. Tempo Figura 2 Padrão de demanda irregular Fonte: Adaptado Ballou, 2006.

17 ANÁLISE DA DEMANDA A maioria das empresas trabalha com uma grande diversidade de produtos tornando-se difícil para o setor administrativo manter um padrão único de planejamento e controle de estoques. Dar o mesmo grau de atenção a todos os itens não é uma prática recomendável, uma vez que cada um possui suas peculiaridades como custo, demanda, prazo de entregas e alternativas de fornecimento. Dessa maneira, um tipo de controle adequado para um produto pode ser inadequado para outro, acarretando em falta de material ou estoque excessivo no almoxarifado central. (LOURENÇO e CASTILHO, 2006). A presença de grandes estoques de alguns materiais e a escassez de outros, é talvez um dos pontos que mais afligem os profissionais envolvidos com o processo gerencial. Lourenço e Castilho (2009) dizem, por exemplo, que isso se torna ainda mais expressivo em um ambiente hospitalar, observando-se que tais situações podem levar os clientes, pacientes, a situações de extremo estresse. Para tal se viabiliza a importância de uma análise verdadeira da demanda, para a empresa estudada serão levados em consideração todos os itens em estoque das famílias dos motores elétricos comercializados com relação ao volume total de vendas e também com que freqüência esses itens foram vendidos Classificação ABC Segundo Tubino (2000), a classificação ABC, ou curva de Pareto, é um método de diferenciação dos estoques segundo sua maior ou menor abrangência em relação a determinado fator, consistindo em separar os itens por classes de acordo com sua importância relativa. A utilização da curva ABC é extremamente vantajosa, porque se pode reduzir as imobilizações em estoques sem prejudicar a segurança, pois ela controla com mais rigidez os itens de classe A e, mais superficialmente, os de classe C (POZO, 2009). Não há uma regra prédeterminada para classificar os itens em A, B, ou C, o comum é utilizar os seguintes valores: para a classe A, 80% dos itens, para a classe B, 15% dos itens, e por fim, a classe C, configura-se como 5% dos itens (Figura 3). A partir disto analisa-se que uma pequena quantidade de itens representa grande parte do valor vendido (POZO, 2009). Tubino et al (1997), por exemplo, definem que no serviço de alimentação os itens A representam 20% do estoque de gêneros e são responsáveis por aproximadamente 60% do investimento, encontram-se alocados aqui os gêneros alimentícios considerados perecíveis; os itens B representam 30% do estoque de gênero mas são responsáveis por aproximadamente 30% do investimento e por último os itens C que representam 50% do estoque de gêneros mas somente 10% do investimento.

18 18 Figura 3 Curva ABC (Pareto) Fonte: Adaptado Pozo, Classificação XYZ Para se fazer a identificação dos itens com maior ou menor freqüência de saídas em um determinado período de tempo utiliza-se a classificação XYZ. Para Lourenço e Castilho (2009), a classificação XYZ avalia a criticalidade ou imprescindibilidade do material no desempenho das atividades realizadas. Os itens com comportamento regular ou contínuo são classificados com itens X e os itens com comportamento irregular ou demanda baixa como itens Z. Os itens classificados como Y, são caracterizados de acordo com a estratégia utilizada pela organização. Essa classificação acontece através de análises estatísticas em certo período de tempo que permita verificar a curva completa de comportamento de demanda (SCHÖNSLEBEN, 2007) Classificação entre Volume e Freqüência Na Tabela 1 é apresentado o cruzamento entre a classificações ABC e XYZ, possibilitando obter uma classificação de volume versus freqüência.

19 19 A natureza da demanda ao longo do tempo desempenha papel significativo na determinação de como controlar os níveis de estoque (BALLOU, 2006). Para tanto, a definição dos níveis de estoque deve ser realizada com base na posição de cada item na tabela. Decisões referentes a estoques de segurança, por exemplo, também deve-se levar em consideração, o lugar ocupado pelo item na matriz. Tabela 1 Modelo de Classificação ABC versus XYZ Fonte: Schönsleben, MODELO POR PONTO DE PEDIDO O modelo de controle de estoques por ponto de pedido consiste em estabelecer uma quantidade de itens em estoque, chamada de ponto de pedido ou de reposição, que quando atingida, dá partida ao processo de reposição do item em uma quantidade preestabelecida (TUBINO, 2000). Kunigami e Osório (2009) em seu estudo, por exemplo, também se utilizaram do modelo por ponto de pedido para a gestão de estoques de uma montadora automobilística. Já Santos e Rodrigues (2006) não puderam utilizar o mesmo método no estudo de caso da gestão de estoques de uma indústria química, em função dos diferentes padrões de demandas e de itens apresentados. A determinação da quantidade de estoque mantida no ponto de pedido deve ser suficiente para atender à demanda pelo item durante seu tempo de ressuprimento, mais um nível de estoque de segurança ou reserva, que serve para absorver as variações na demanda durante o tempo de ressuprimento e/ou no próprio tempo ressuprimento (TUBINO, 2000).

20 20 Na Figura 4 pode-se visualizar o modelo, onde o eixo das abscissas representa o tempo decorrido para o consumo, e o eixo das ordenadas a quantidade em unidades da peça em estoque no intervalo de tempo. Também observa-se o estoque de segurança, o ponto de pedido e o tempo de reposição do item no estoque. Figura 4 Curva Dente de Serra. Fonte: Adaptado Dias, Ponto de Pedido Para Pozo (2009) o ponto de pedido é a quantidade de peças que tem-se em estoque e que garante que o processo produtivo não sofra problemas de continuidade, enquanto aguarda-se a chegada do lote de compra, durante o tempo de reposição. Isso quer dizer que quando um determinado item de estoque atinge seu ponto de pedido deve-se fazer o ressuprimento de seu estoque, colocando-se um pedido de compra. Para o cálculo do Ponto de Pedido utiliza-se a Equação 1: PP = (C X TR) + ES ( 1 ) Onde tem-se: PP = Ponto de Pedido; C = Consumo normal da peça; TR = Tempo de Reposição; ES = Estoque de Segurança.

21 Tempo de Ressuprimento O tempo de Ressuprimento ou tempo de reposição, deve ser considerado como o espaço de tempo que transcorre desde o momento da constatação da necessidade de repor o item até a efetiva entrada do item no estoque, e resulta da soma de quatro tempos parciais: o tempo de preparação da ordem de reposição, o tempo de preparação da operação de compra ou fabricação, o prazo de entrega da fabricação interna ou externa e o tempo gasto com o transporte e recepção do lote. Quanto mais demorado for este tempo, maior o nível do ponto de pedido e maiores os estoques médios mantidos pelo sistema (TUBINO, 2000). Para Dias (1993), umas das informações básicas para o cálculo do estoque mínimo, é o tempo de ressuprimento ou reposição, e define este como o tempo gasto entre a verificação de que o estoque precisa ser reposto e a chegada efetiva do material no almoxarifado da empresa. Esse tempo pode ser desmembrado em três partes: emissão do pedido, preparação do material a ser entregue e o transporte Estoque de Segurança Para Dias (1993), a determinação do estoque mínimo é também uma das mais importantes informações para a administrar estoques. O estoque mínimo ou também chamado de estoque de segurança, é a quantidade mínima que deve existir de estoque, que se destina a cobrir eventuais atrasos no ressuprimento, objetivando a garantia do funcionamento ininterrupto e eficiente do processo produtivo, sem o risco de faltar, ou ainda na caso de uma revenda, ter disponibilidade e variedade do item. Segundo Pozo (2009), o estoque de segurança é uma quantidade mínima de peças que tem que existir no estoque com a função de cobrir as possíveis variações do sistema, que podem ser desde eventuais atrasos no tempo de fornecimento, rejeição do lote de compra ou mesmo aumento da demanda do produto. Quanto maiores às variações de demanda, maiores deverão ser os estoques de segurança do sistema. Na realidade, os estoques de segurança agem como amortecedores para os erros associados ao lead time interno ou externo dos itens. Esses erros fazem com que as demandas e os tempos de ressuprimento se tornem muito variáveis, impossibilitando o funcionamento do modelo de controle de estoques sem segurança (TUBINO, 2000).

22 Cálculo do Estoque de Segurança Para Pozo (2009), o Método do Grau de Risco é um modelo simples e fácil de utilizar para o cálculo do estoque de Segurança, pois não requer grandes conhecimentos matemáticos. Trata-se da multiplicação do consumo médio do item em um determinado período por um fator de risco, que é um valor percentual atribuído pelo administrador em função da sua sensibilidade de mercado e informações que colhe junto a vendas e suprimentos. E o consumo médio do produto ou item, se dá através da média aritmética das vendas do período em estudo. Para o cálculo do estoque de segurança no presente estudo utilizar-se-á a Equação 2: ES = CM X GR ( 2 ) Onde tem-se: ES = Estoque de Segurança; CM = Consumo Médio; GR = Grau de Risco Lote de Reposição O melhor lote de reposição, ou lote econômico,segundo Tubino (2000), é aquele que consegue minimizar os custos totais envolvidos. Pode ser vista também, como a quantidade de material necessária solicitada pelo comprador para determinado item, o qual está sujeito a política de estoques de cada organização. Para Bowersox e Closs (2001), o princípio que rege a determinação de lotes de compra visa o equilíbrio entre o custo de manutenção de estoque e o custo de emissão e colocação de pedidos a fornecedores.

23 23 3 METODOLOGIA Este capítulo tem por objetivo ilustrar os procedimentos utilizados neste trabalho, para deixar claro ao leitor de que forma conseguiu-se obter posteriormente os resultados que aqui serão apresentados. Segundo Gil (2002) a organização da metodologia varia conforme as peculiaridades de cada estudo. Para Gil (2002) pesquisa é definida como o procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Existem diversas razões para se realizar uma pesquisa, para Gil (2002), elas podem ser classificadas em dois grandes grupos: as pesquisas com razões de ordem intelectual, onde decorrem do desejo de conhecer pela própria satisfação de conhecer, e as pesquisas com razões de ordem prática, onde decorrem do desejo de conhecer para fazer algo de maneira mais eficiente ou eficaz. Do ponto de vista da classificação as pesquisas podem ser vistas de duas formas, baseada em seus objetivos, ou ainda baseada em seus procedimentos técnicos utilizados (GIL, 2002). Na classificação da presente pesquisa, de acordo com seus objetivos ela está classificada como exploratória, pois objetiva proporcionar uma maior familiaridade com o problema, no qual a gestão de estoques de motores elétricos de uma forma mais efetiva, tornando o problema mais explícito. Porém se visualizada de maneira técnica pode-se citá-la como uma pesquisa ação, pois ao desenrolar de seu desenvolvimento ocorreu um estudo aprofundado da problemática envolvida na gestão ideal de estoques, de forma a reduzir custos e melhorar o atendimento aos clientes, associando ao fim uma proposta de ação contrária a dificuldade encontrada, baseando-se também em estudo bibliográfico de artigos científicos e publicações em revistas científicas para se obter uma resolução adequada ao problema estudado. Para se planejar uma pesquisa ação há diferenças significativas com relação a outros tipos de pesquisa. Segundo Gil (2002), existe uma flexibilidade maior em relação ao planejamento das etapas de pesquisa, principalmente no que diz respeito a participação efetiva dos pesquisadores e dos grupos interessados nos resultados, os mesmos estão presentes em diversos momentos da pesquisa. Então, o delineamento da Pesquisa ação se inicia com a fase exploratória, para isso delimitou-se um campo de investigação, ficou definido o acompanhamento ativo das atividades de gestão de estoques e seus pormenores para poder-se familiarizar com as situações e atividades envolvidas. Com o decorrer do tempo desta fase, procurou-se observar de que maneira aconteceria a coleta de dados, a próxima etapa da pesquisa ação. Nesta fase coletou-se informações dos participantes ativamente envolvidos no processo de gestão de estoques da empresa, foram

24 24 realizadas entrevistas não formais, bem como coleta de dados advindos de relatórios do sistema de gestão integrada da empresa, o que possibilitou elencar dados como faturamento dos motores, o quanto os motores elétricos representam do faturamento da empresa. Com esses dados em mãos passou-se a fase de análise e interpretação de dados, nessa etapa tabulou-se os diversos dados para se conseguir uma interpretação da real situação, de quanto realmente os motores elétricos giram nos estoques, quais motores são vendidos e com que freqüência, quais ficam em estoque e não validam sua presença em estoque, com isso criou-se tabelas e gráficos que possibilitaram uma real análise de como se gerencia atualmente os estoques. Para essas análises também foram utilizadas as curvas ABC, ou de Pareto, bem como a classificação XYZ. Para estas análises foram utilizados o próprio Sistema de Gestão Integrado da Empresa, New Age, software ERP utilizado pela empresa, e também o Microsoft Excel. Depois da análise e interpretação dos dados elaborou-se uma planilha eletrônica para melhorar o processo de gestão dos estoques de motores elétricos da empresa. Neste contexto ainda buscou-se formalizar um modelo para aplicar na empresa, de forma a tornar viável sua aplicação otimizando a tarefa de compras e reposição de motores elétricos no estoque da empresa.

25 25 4 ESTUDO DE CASO No capítulo que segue será apresentada a empresa estudada, as condições atuais dentro do escopo do trabalho, a aplicação das ferramentas utilizadas no estudo e análise dos resultados obtidos com o estudo. 4.1 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA ESTUDADA A empresa estudada foi fundada em 1º de janeiro de 1983, na cidade de Luzerna, próxima a Joaçaba, estado de Santa Catarina, e ingressou no mercado como Revenda Integrada de uma marca nacional de motores elétricos, emprega hoje tecnologia de ponta, investindo constantemente no aperfeiçoamento técnico de seus colaboradores. A empresa destaca-se pelo potencial utilizado nas atividades de engenharia, fabricação, vendas técnicas e assistência técnica. Tem por objetivo fornecer aos seus clientes soluções em produtos elétricos desde motores elétricos, passando por acionamentos e vários itens e componentes elétricos, com qualidade e desempenho diferenciados no mercado em que atua. A empresa foi se especializando e se desenvolvendo junto com seus colaboradores, e tem por política fornecer produtos e soluções elétricas industriais que atendam as expectativas dos nossos clientes, comprometidos com a melhoria contínua da qualidade, qualificando e desenvolvendo constantemente os colaboradores. Hoje a empresa conta com a certificação ISO 9001 e tem como diferencial seus colaboradores, que possuem vasta experiência em montagem, fabricação e vendas técnicas no segmento elétrico. Hoje a empresa conta com seis filiais em Santa Catarina, situadas em Joinville, Chapecó, Caçador, Joaçaba, Blumenau e São Bento do Sul, e uma em Curitiba, no Paraná, e a Matriz da empresa se encontra em Luzerna, também Santa Catarina Setor de Vendas e Engenharia Outro diferencial está na equipe de profissionais que possui ampla experiência em montagens elétricas em usinas hidroelétricas, projetos e montagens elétricas industriais de alta e baixa tensão. A empresa estudada projeta e fabrica painéis de comando e proteção, sistemas supervisórios com Comando Lógico Programável, bem como sua montagem, além de prestar

26 26 serviços de manutenção, recuperação e assistência técnica de geradores, motores, transformadores e equipamentos de automação. Na filial de Joinville, norte do estado, onde o estudo aconteceu a empresa conta com uma equipe de seis vendedores técnicos e um gerente de vendas, e uma equipe de Engenharia Aplicada de oito pessoas. Ao todo a empresa conta com cerca de 250 colaboradores. Em Joinville sua planta se divide em 20 m² para a área administrativa de vendas e cerca de 550 m² para os estoques de materiais. Dentre o total faturado no ano de 2010, as vendas de motores elétricos representaram 48,92% desse valor. Escolheram-se então as famílias de motores elétricos para o estudo aqui apresentado, tendo em vista o valor considerável que representam para o faturamento da empresa. 4.2 SITUAÇÃO ATUAL A área de suprimentos, juntamente com a gerência é a encarregada de planejar e controlar os estoques dos itens comprados, definindo os tamanhos dos lotes, a forma de reposição e os estoques de segurança do sistema. O gerente retira um relatório semanal do acompanhamento dos motores elétricos vendidos e busca gerenciar os estoques de forma a garantir o atendimento aos clientes sempre buscando reduzir os itens desnecessários em estoque, tendo em vista que a empresa possui contratos fechados de fornecimento de motores com outras empresas, é imprescindível a manutenção adequada dos estoques. Porém pode-se perceber que haviam alguns problemas por falta de materiais e estoques furados, e também da venda errônea de alguns itens por parte dos vendedores. Salienta-se que a empresa estudada é uma filial do grupo, a hierarquia da empresa nos remete a um setor geral de suprimentos responsável pelas compras de todas as outras unidades. Esse portanto é um fator importante a ser analisado na hora de se prever alguns prazos, tendo em vista que para se ganhar nos preços de compra o setor geral de suprimentos segura a compra para formar pedidos maiores aos fornecedores, e conseguir maiores descontos. Portanto um fator essencial para a manutenção dos estoques hoje é a experiência do gerente em fazer os pedidos de compra nos tempos certos. O que se percebeu com a análise realizada é que cada vez mais o gerente procura atender o cliente com o que possui em estoque o que muitas vezes se torna difícil pelos inúmeros fatores diferentes que influenciam o fornecimento de um motor elétrico. Outro ponto é que o prazo médio de atendimento do pedido é de 30 dias.

27 27 Observa-se também, que a verificação semanal acaba não atendendo totalmente os requisitos para uma boa gestão. Muitas vezes acaba ocorrendo uma venda de um pacote de motores e o gerente acaba não observando, o que pode acarretar a falta de disponibilidade do item até a próxima verificação. Os vendedores também são responsáveis pela falta de itens, pois deveriam observar que a cada venda o estoque reduz, e alertar o gerente ou emitir uma solicitação de compra para o gerente. Porém quando isso não acontece o sistema falha e a falta de disponibilidade acaba prejudicando as vendas e conseqüentemente o faturamento da empresa Análise da Demanda com relação ao Volume de Vendas A Figura 5 relaciona o volume mensal das vendas de motores com o faturamento total da empresa, de onde se observa em média cerca de 49% do faturamento da empresa está relacionado a linha de motores elétricos. Pode-se verificar como a demanda de motores é variável, mesmo se comparada aos itens vendidos pela empresa. R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 FATUR. MOTORES FATUR. GERAL R$ ,00 R$ ,00 R$ - jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 Figura 5 Faturamento da empresa relacionado com a venda de motores elétricos Fonte: Primária Para a análise da demanda dos itens relacionando com o volume de vendas utilizou-se a Curva ABC como ferramenta de estudo. Todos os motores elétricos vendidos no período analisado, de Janeiro a Dezembro de 2010, foram classificados de acordo com a sua representatividade nas vendas do mesmo período.

28 28 Pela regra de Pareto, pode-se classificar esses itens em 3 categorias, itens A, B ou C. Pelo qual os itens classificados como A, são cerca de 20% dos itens que representam 80% do faturamento, os itens B representam em torno de 30% dos itens para 15% do valor faturado, e os outros 50% dos itens para cerca de 5% do valor faturado são alocados em C. Esses critérios estabelecidos para a Curva ABC não são uma regra, mas para o estudo apresentado foram mantidos os índices conforme a Tabela 2. Tabela 2 Classificação de acordo com a participação nas vendas Classificação de acordo com a participação nas vendas Fonte: Primária A 80% B 15% C 5% Através da Classificação estabelecida pela curva ABC, utilizando-se da ferramenta Microsoft Excel, tabulou-se os dados e foram encontrados os seguintes percentuais de itens de acordo com a classificação ABC conforme a Tabela 3. Tabela 3 Percentual dos itens na Classificação ABC Classificação % Itens Vendidos A 33% B 33% C 34% Fonte: Primária Como pode-se observar cerca de 33% dos itens vendidos em 2010 são A, 33% dos itens vendidos no período são classificados com B, e por fim, foram classificados como C cerca de 34% dos itens faturados em A Tabela 4, é uma parte da planilha onde tabulou-se os dados de vendas do período e através dela ocorreu a Classificação ABC dos itens.

29 29 Tabela 4 Classificação ABC Fonte: Primária A partir da Tabela 4 é que foi possível criar a Curva de Pareto, ou Curva ABC, e através da Tabela 2, 3 e 4 criou-se a Figura 6 a fim de uma melhor visualização da situação atual que a empresa atravessou durante o ano de 2010.

30 30 % Itens Figura 6 Gráfico da Curva ABC Fonte: Primária Observando-se portanto a Curva ABC, verifica-se que no estudo apresentado a situação dos estoques da empresa não está tão próxima àquela citada por Pareto, onde 20% dos itens refletem 80% do faturamento. Para complementar os dados encontrados com a curva ABC buscou-se então mensurar os itens em estoque no período analisado com a Classificação ABC, os itens A representaram ao fim do período 41,38% de itens em estoque, os itens B representavam ao final do período estudado 22,03%, e os itens C, por fim, representavam 36,59%. Observa-se portanto um desbalanceamento nos estoques, tendo em vista que os itens C estão em maior volume do que itens B. A Tabela 5 ilustra essas informação.

31 31 Tabela 5 Percentual de Estoques do Período Analisado (ABC) % Estoque do Período (ABC) A 41,38% B 22,03% C 36,59% Fonte: Primária Porém, apenas a curva ABC não se torna totalmente suficiente para se buscar a real situação dos estoques da empresa. Por exemplo, observando-se que os motores elétricos tem diferentes tamanhos e valores, se um motor de 300 HP é vendido uma vez no ano, seu valor é equivalente a venda de 10 motores de 3 HP Análise da Demanda com Relação a Freqüência de Vendas Para se analisar a demanda com relação a freqüência com que o item foi vendido, utilizou-se o método XYZ, que classifica os itens de acordo com sua representatividade na freqüência de vendas no período analisado, de Janeiro a Dezembro de Os itens então foram classificados na planilha eletrônica de acordo com os que mais foram comercializados para os menos comercializados. Para que isso ocorresse portanto o item poderia receber como pontuação máxima 12 pontos, que é o período estipulado do estudo, em meses. A partir disso se ordenaram os itens de acordo com a maior para a menor pontuação recebida. Entendeu-se também que todo o período analisado deveria ter o mesmo peso, ou seja, juntamente com a gestão da empresa, observa-se que o período como um todo mostra a realidade do nicho de mercado que a empresa está inserida, portanto se o motor foi vendido apenas em Janeiro e depois em Dezembro a sua presença em estoque deve ser relevante. Através da ponderação, considerando 12 pontos com 100% foi possível obter os demais percentuais referentes aos 443 códigos de motores elétricos diferentes vendidos no período analisado. A Tabela 6 demonstra os índices de itens X, Y e Z que foram adotados pela empresa estudada. Esses índices vão de encontro ao que a empresa espera atingir para os próximos períodos, seus objetivos com as vendas de motores elétricos, juntamente com a gestão estratégica da organização.

32 32 Tabela 6 Classificação de acordo com a freqüência nas vendas Classificação de acordo com a Freqüência nas vendas X 30% Y 15% e < 30% Z < 15% Fonte: Primária A Tabela 7 representa uma pequena parte de toda a planilha eletrônica pelo qual aconteceu a Classificação XYZ dos itens estudados de acordo com os percentuais estabelecidos na Tabela 6. Na Tabela 7 verificou-se a freqüência de venda dos itens a cada mês, se o item foi comercializado recebeu 1 e se não, recebeu 0 no mês indicado. Tabela 7 Classificação XYZ Fonte: Primária

33 33 Através da Classificação XYZ, de todos os itens comercializados no período estudado, 56 itens foram considerados X, 142 foram classificados como Y, e por fim, como itens Z foram classificados 245 itens. Para ser classificado como X o item precisou ser vendido ao menos em 4 meses do período estudado, já para ser considerado Y, o item foi vendido ao menos em 2 períodos do ano, e para ser um item Z, o item foi comercializado ao menos 1 vez durante o período de 12 meses utilizado como para o estudo. Efetuou-se então em seguida, a comparação com os itens mantidos em estoque no final do período analisado, para se verificar possíveis falhas de dimensionamento. A Tabela 8, a seguir, mostra a comparação. Tabela 8 Percentual de Estoques no Período Analisado (XYZ) % Estoque do Período (XYZ) X 15,20% Y 28,22% Z 56,58% Fonte: Primária Pode-se observar, por exemplo, que os itens classificados como X, que venderam ao menos 4 vezes no período analisado, representavam ao fim do período apenas 15,20% dos itens mantidos em estoques, já os itens que participaram menos nas vendas, itens Y e Z, possuem uma margem bem superior de participação nos estoques. Percebe-se então, aqui a caracterização de falha no dimensionamento dos estoques Classificação ABC versus Classificação XYZ Para se obter uma visualização mais completa da situação dos estoques da empresa estudada efetuou-se o cruzamento entre as duas classificações. Esse cruzamento ajudará na compreensão do perfil de venda dos produtos, auxiliando então, na compra dos itens, de como se dará as necessidades de cada perfil. A Tabela 9 ilustra as combinações entre as classificações ABC e XYZ em percentual de representatividade, em número de itens os grupos ficaram distribuídos da seguinte forma: grupo AX, 43 itens, grupo AY, 49 itens, grupo AZ, 54 itens. Para o grupo BX, 13 itens, BY, 57 itens e BZ, 76 itens, o grupo CX não possui item, o CY, 37 itens e por fim o grupo CZ, 114 itens.

34 34 Tabela 9 Classificação ABC versus XYZ. MATRIZ MULTICRITÉRIO - PERCENTUAL A - VOLUME ALTO B - VOLUME MÉDIO C - VOLUME BAIXO X - DEMANDA CONTÍNUA 9,71% 2,93% 0,00% Y - DEMANDA REGULAR 11,06% 12,87% 8,35% Z - DEMANDA IRREGULAR 12,19% 17,16% 25,73% Fonte: Primária 4.3 RESULTADOS OBTIDOS Na seção que segue serão apresentados os resultados obtidos com o decorrer do estudo, através do qual buscou-se alinhar o objetivo geral e os específicos do trabalho com melhorias reais para a gestão de estoques da empresa estudada Estoque de Segurança Apresentou-se ao gestor da unidade de Joinville, juntamente com o setor de suprimentos, os resultados obtidos com a Classificação ABC e XYZ. Considerando então as estratégias adotadas pela empresa, que prezam pela disponibilidade e variedade de itens em estoque para conseguir suprir as demandas de seus clientes, formulou-se a Tabela 10, que demonstra o grau de risco de cada grupo da matriz ABC versus XYZ, no qual foi estabelecida em conjunto com o gestor e a equipe de suprimentos da empresa. Tabela 10 Grau de Risco MATRIZ MULTICRITÉRIO - NÚMERO DE ITENS VOLUME A - 80% do B -15% do C -5% do FREQUÊNCIA Volume Volume Volume total Total Total X - Vendido no mínimo em 4 meses Y - Vendido no máximo em 4 meses Z - Vendido no mínimo em 1 mês Fonte: Primária 1 1 1

35 35 Esse fator será multiplicado pelo consumo médio do item, esse consumo médio foi encontrado através da média aritmética dos 12 meses do período em estudo. Então, para o cálculo do estoque de segurança, multiplicou-se o consumo médio pela grau de risco do item, através de seu grupo. Portanto para os itens que pertencem ao grupo AX, AY, BX, e BY, o grau de risco ficou como 2, e seus estoques de segurança foram obtidos através da multiplicação de seu consumo médio por 2. E para os itens dos demais grupos, AZ, BZ, CX, CY e CZ, o fator ficou como 1, portanto seu estoque de segurança ficou definido como a média multiplicada por Ponto de Pedido Para se estipular o Ponto de Pedido primeiramente é necessário saber os tempos de reposição de cada item, no caso para os motores elétricos, o prazo é de 1 mês, para a grande maioria dos itens, e alguns casos mais especiais onde o prazo de entrega fica para 2 meses. Para a definição do ponto de pedido utilizou-se a Equação 1. Para se ter um melhor entendimento será feito o cálculo do ponto de pedido do item como exemplo. Para começar, portanto, é necessário calcular o estoque de segurança, utilizando a Equação 2, tem-se que o estoque de segurança será a média aritmética do consumo do item no período analisado multiplicado pelo grau de risco do seu grupo na Tabela 10. O consumo médio do item foi de 2 peças por mês, e pela Tabela 11 o item pertence ao grupo AX, onde o grau de risco é 2. Portanto o estoque de segurança para este item será: ES = 2 X 2 ES = 4 peças. substituindo na Equação 1 tem-se: PP = (2 X 1) + 4 PP = 6 peças.

36 36 Por fim, para o item , o ponto de pedido fica definido como sendo 6 peças, ou seja, quando o estoque chegar em 6 peças deve-se emitir a ordem de compra para a reposição do estoque, e em um prazo de 1 período, 30 dias, o material estará sendo recebido na empresa. Esse exemplo demonstrou como funciona para um item de grau de risco 2, para os outros grupos com grau de risco 1, o cálculo ocorre da mesma forma. Desta forma, utilizando a planilha eletrônica foram calculados os pontos de pedidos para todos os itens conforme a Tabela 11. Tabela 11 Ponto de Pedido Fonte: Primária Quantidade de Reposição As quantidades a serem recolocadas nos estoques podem variam de acordo com a quantidade mínima de lotes aceita pela fornecedor da empresa. Para o presente estudo o lote de reposição de compra é a quantidade mínima de 1 peça, ou seja, o comprador pode solicitar uma peça, um motor elétrico, junto ao fornecedor, que em 30 dias estará disponível na empresa. Pode-se então contextualizar o esquema em duas regras: a) Se o lote mínimo de compra for maior do que a diferença entre o estoque no momento da compra e o ponto de pedido mais o consumo médio, comprar apenas um lote da peça (um item). b) Se o lote mínimo de compra não for maior do que a diferença entre o estoque no momento da compra e o ponto de pedido mais o consumo médio, comprar o número de lotes necessário até atingir esta quantidade.

37 37 Portanto o mais importante para o comprador é verificar a quantidade que deve ser comprada para se adequar os estoques da empresa, já que o fator tempo de reposição, já está presumidamente incluído no processo de compra, e quando o item for entregue na empresa, em 30 dias, o estoque estará novamente adequado a atender as demandas do mercado Simulações de Níveis de Estoque Após todas as ponderações e os cálculos de estoques de segurança, ponto de pedido, tempo de reposição e lote de reposição dos motores elétricos, se faz necessário simular alguns situações para verificar os possíveis resultados. A Tabela 12 demonstra uma parte da planilha eletrônica na qual os resultados a serem apresentados foram extraídos. Tabela 12 Simulações de Estoque Fonte: Primária Para tanto, iniciou-se considerando o nível de estoque no período estudado, igual ao ponto de pedido dos itens, ou seja, desta forma tem-se uma situação ideal, pois durante o período analisado é extremamente comum ocorrer variações na demanda do mercado, e conseqüentemente os estoques da empresa sofreriam variações, e apenas esse nível de estoque não conseguiria manter o fluxo de atendimento da empresa. Porém, com essa simulação seria possível conseguir um nível de estoques cerca de 24% menor do que o encontrado verdadeiramente no período estudado. Observando esta simulação, pode-se perceber que é possível chegar próximo disso, pois o fato de que não existirem lotes mínimos de compras para os itens facilita o momento de adequar os estoques com a necessidade de, por exemplo, apenas uma peça. A Figura 7 ilustra o ponto de pedido do exemplo do item

38 38 Figura 7 Ponto de Pedido na Simulação Fonte: Primária Outra simulação aconteceu da seguinte forma, assumindo como o estoque do final do período estudado, ou seja do fim de 2010, como o estoque inicial da simulação, então desse estoque retirou-se os excessos, ou seja, itens que estavam acima do valor do ponto de pedido. E após esse cálculo, adicionaram-se todas as reposições necessárias para que os itens atingissem seus pontos de reposição ou pedido. Através deste cálculo observou-se que o estoque ficaria apenas 7% acima do nível do estoque real ao final do período. Aqui observa-se uma situação crítica, onde considera-se que no período de reposição não tenha ocorrido nenhuma venda. A Tabela 13 ilustra os valores obtidos entre os excessos e as necessidades para o ponto de pedido. Tabela 13 Estoques Simulados Excessos e Necessidades Fonte: Primária

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS MARCUS VINICIUS MARTIM

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS MARCUS VINICIUS MARTIM UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS MARCUS VINICIUS MARTIM BALANCEAMENTO DE ESTOQUES ATRAVÉS DE SISTEMA DE REPOSIÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA Em qualquer empresa que atua na comercialização de produtos, o estoque apresenta-se como elemento fundamental. No ramo farmacêutico, não é diferente, sendo o controle

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Rodrigo Arozo O processo de gestão de estoques pode ser decomposto em quatro aspectos básicos: as políticas e modelos quantitativos utilizados, as questões

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Classificação de Materiais

Classificação de Materiais Classificação de Materiais A classificação de materiais é o processo de aglutinação de materiais por características semelhantes. O sucesso no gerenciamento de estoques depende, em grande parte, de bem

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

Armazenagem e movimentação de materiais

Armazenagem e movimentação de materiais V I R T U A L Armazenagem e movimentação de materiais Lote econômico e estoque de segurança GESTÃO DE LOGÍSTICA Professor: Wilson Luigi Silva Mestre em Administração Apresentação da unidade Uma vez determinada

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Lucélia Costa Oliveira¹; Mário Luiz Viana Alvarenga² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção e bolsista do

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Sistemas de Gestão de Estoques

Sistemas de Gestão de Estoques CONCEITOS BÁSICOSB Prof. João Carlos Gabriel - Aula 3 1 CONCEITOS BÁSICOSB PP = Ponto de pedido ou ponto de ressuprimento ou ponto de reposição é o instante (a quantidade) no qual se faz um pedido de compra

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras RP1102 Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE COMPRAS EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS NO BRASIL Coordenadores Paulo Tarso

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais