Mod Tit. - Julho 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mod. 246-2 Tit. - Julho 2015"

Transcrição

1 Mo Tit. - Julho CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE DECO PRO/TESTE Conições Geris e Utilizção, Direitos e Deveres s Prtes Elbors e coro com o Aviso nº 11/2001 e 20/11 o Bnco e Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei nº 133/2009, e 2 e Junho e o Decreto-Lei nº 317/2009, e 30 e Outubro. Definições Emissor: UNICRE Instituição Finnceir e Créito, S.A., com see n Av. António Augusto e Aguir, nº Lisbo, nicre.pt, NIPC , mtricul n Conservtóri o Registo Comercil e Lisbo sob o nº 47147, com ,00 e cpitl socil e regist junto o Bnco e Portugl sob o registo nº 698 O Bnco e Portugl (R. o Ouro, 27, Lisbo) tem o poer e supervisão ctivie UNICRE. Titulr: A pesso que ssume responsbilie pelo uso e mnutenção o Crtão e os seus elementos icionis (PIN, Cóigos Secretos, etc.), bem como pelos vlores evios pel utilizção e/ou titulrie o mesmo. O Titulr poe ser 1º ou 2º Titulr, seno quele pesso em nome qul inicilmente foi emitio o Crtão e este quem, com concorânci o 1º Titulr, solicitou emissão e um outro Crtão, sob mesm Cont-Crtão, pr seu uso pessol em estbelecimentos comerciis erentes o sistem Vis. A responsbilie os Titulres pernte UNICRE é soliári. Crtão: Meio e pgmento que tem ssoci um Cont-Crtão e um linh e créito. Quno o titulr utiliz este crtão n função pr qul foi emitio, ou sej, pr pgmentos ou pr operções e Csh Avnce, está beneficir e um créito conceio pel UNICRE. Cont-Crtão (orvnte Cont ): Registo electrónico s quntis em ívi ou pgs resultntes o uso e/ou titulrie o Crtão ou Crtões ssocios à mesm Cont. As Conts poem ser Singulres (quno têm um Crtão e um Titulr ssocios) ou Colectivs (quno têm mis o que um Crtão e o que um Titulr). A responsbilie sobre s Conts Colectivs é solirimente ssumi pelos vários Titulres mesm. Limite e Utilizção: Limite pecuniário máximo e uso utorizo e que correspone o vlor máximo cumulo que poe scener, em c momento, o montnte totl s operções efectus e in não pgs. O Limite e Utilizção é efinio em função o Crtão e/ou Cont; no cso s Conts Colectivs, o Limite e Utilizção efinio pr Cont conicion o Limite e Utilizção e c Crtão. Csh Avnce: Funcionlie icionl que permite operções e levntmento em numerário créito ns rees e ATMs e os blcões os Bncos erentes o sistem. Csh Avnce em Cont: Funcionlie icionl que permite, trvés e peio em formulário próprio subscrito pelo 1º Titulr, relizção e operções e trnsferênci e inheiro créito pr cont à orem inic pelo Titulr. I - Celebrção, Moificção e Cessção o Contrto 1. Ao subscrever o Contrto e Aesão, o Requerente ere às Conições Geris e Utilizção, Direitos e Deveres s Prtes, que se obrig cumprir. As conições geris o presente contrto regulm o serviço presto trvés o crtão e créito prticulr Deco Pro / Teste. Meio e pgmento trvés o qul UNICRE concee um linh e créito o Titulr, que poerá ser utiliz n quisição e bens e serviços nos terminis e pgmento utomático em qulquer estbelecimento erente às rees interncionis e meios e pgmento, bem como em levntmentos em numerário créito (Csh Avnce) em instituições bncáris e ns rees e cixs utomáticos (ATM) creitos ns rees e sistems interncionis e em pgmentos e serviços efectuos em ATM ou em TPA, com recurso o sistem e pgmentos MB Spot, nomemente pgmentos o esto, crregmento e telemóveis e crregmento e crtões. É competênci UNICRE ecisão tribuição o Crtão, pós qul o Requerente pss ser Titulr, seno-lhe comunic ecisão por vi postl, qul se consier recebi no 7º i pós o seu envio, excepto se o Titulr informr que não recebeu. A UNICRE informrá o Titulr, por correio electrónico ou trvés e SMS, que o Crtão lhe foi tribuío e envio. O Titulr receberá, por vi postl e seprmente: (i) o Cóigo Pessol Secreto (PIN) que lhe permitirá vlir trnscções em comercintes e efectur operções e Csh Avnce e (ii) o crtão físico. Ns trnscções à istânci (por Internet, telefone ou outros) evem ser sempre utilizs s funcionlies e segurnç que estiverem isponíveis e/ou s utenticções que forem solicits. 2. O Titulr poe, sem qulquer encrgo, slvo os que resultem e obrigções fiscis, revogr su eclrção e esão por crt regist com AR irigi à UNICRE (Av. António Augusto e Aguir, nº 122, Lisbo), expei té 14 is e clenário contr t confirmção o Contrto. Aicionlmente, eve no przo e 30 is efectur o pgmento s quntis evis pel utilizção que tenh feito o Crtão, incluino os juros contrtos e os encrgos fiscis evios pel celebrção o contrto. O Titulr pesso singulr obrig-se comunicr à UNICRE qulquer lterção os seus os pessois, esignmente o nome completo, mor complet, profissão e entie ptronl, crgos públicos que exerç, tipo, número, t e entie emitente o ocumento e ientificção. 3. O Crtão é propriee UNICRE e será emitio em nome o Titulr pr seu uso exclusivo, seno pessol e intrnsmissível. O crtão físico eve ser estruío pelo Titulr quno: (i) expirr respectiv t e vlie, (ii) for substituío, (iii) for cncelo efinitivmente ou (iv) logo que o presente Contrto cesse su vigênci. 4. A UNICRE, teno em consierção informções e orem finnceir e comercil, e outrs circunstâncis que consiere relevntes, incluino verificção, n Centrl e Riscos o Bnco e Portugl, solvbilie o Requerente, fixrá e comunicrá o Titulr o Limite e Utilizção vigorr. A UNICRE poerá too o tempo lterr esse Limite e eciirá sobre qulquer peio que o Titulr lhe submet. As lterções o Limite e Utilizção serão comunics por escrito. No cso s Conts Colectivs, o Limite e Utilizção e c um os Crtões emitios é comunico por escrito o 1º Titulr. A UNICRE reserv-se o ireito e não ceitr trnscções que excem o Limite e Utilizção e e, no cso e este ser exceio, cobrr o encrgo pel prestção este serviço icionl referio no Anexo às Conições Geris e Utilizção. 5. A UNICRE poerá, sem prejuízo obrigção o Titulr e efectur o pgmento s quntis e que sej eveor, solicitr por escrito restituição o crtão físico, cncelr o Crtão ou inibir temporrimente o seu uso ou o e lgum s sus fcilies ou serviços:. sem viso prévio, eveno comunicá-lo imeitmente, e por escrito, o Titulr, (i) se tiver ocorrio uso busivo por prte o Titulr, (ii) quno ocorrm funs rzões e segurnç e, nomemente, se for inform ou tiver conhecimento e que ocorreu per ou extrvio, furto, roubo ou flsificção o Crtão, comunicno-o o Titulr e tribuino-lhe um novo Crtão, (iii) se tiver suspeit e utilizção não utoriz ou fruulent ou e qulquer irregulrie e que poss resultr um prejuízo sério pr UNICRE, pr o Titulr ou pr o sistem e crtões, (iv) se o Titulr relizr trnscções ilegis e qulquer nturez; b. se o Contrto cessr, por qulquer form, os seus efeitos; c. se o(s) Titulr(es) violr(em) s conições contrtuis cors e, nomemente, incorrer(em) em mor ou incumprimento s conições e pgmento ívi;. se o Titulr for inibio o uso e cheque; e. cso ocorr lterção relevnte situção ptrimonil o Titulr. 6. O Contrto terá urção inetermin e o Crtão o przo e vlie que for fixo pel UNICRE, poeno est proceer à su renovção ese que o Titulr isso não se tenh oposto nos 30 is que preceem o termo esse przo. O contrto poe ser enuncio too o tempo e por escrito (i) pel UNICRE, neste cso com um pré-viso e ois meses. 7. O Contrto cess utomticmente su vigênci em cso e flecimento o 1º Titulr o Crtão e poe ser resolvio por qulquer s prtes, nos termos geris o Direito. A UNICRE poe, esignmente, resolvê-lo e cncelr e imeito o Crtão meinte comunicção escrit envi o Titulr pr o omicílio convenciono, qul se presume recebi por este no 5º i posterior à su expeição postl, quno o Titulr:. tenh sio eclro insolvente ou eclro juicilmente inbilito ou interito; b. tenh violo reitermente

2 Mo Tit. - Julho o Limite e Utilizção e/ou s conições e pgmento; c. revogue ilegitimmente orens que tenh o e utilizção o Crtão;. tenh presto informções flss ou incorrects no Contrto e Aesão ou respectivs ctulizções; e. por negligênci grve ou olo grosseiro, tenh provoco no à UNICRE ou qulquer outro operor ou interveniente ns operções e pgmento ou créito; f. tenh incumprio obrigção e pgmento os vlores mínimos coros e estes corresponm 2 prestções sucessivs que excem 10% o montnte totl o créito conceio e, pós interpelo pr proceer à regulrizção os vlores em trso em przo e 15 is sob pen e per e benefício o przo ou e resolução o Contrto, não tenh feito esse pgmento; g. não tiver feito qulquer movimento com o Crtão nos 6 meses nteriores à t previst reemissão. A Unicre poe, in, rescinir este Contrto com efeitos imeitos, por mer comunicção escrit irigi o Titulr e sem epenênci e registo postl, quno cesse vigênci o Protocolo existente entre DECO e UNICRE. A resolução o Contrto import o imeito vencimento ívi, que será exigível pel totlie, eveno o Titulr proceer o pgmento integrl e restituir e imeito o crtão físico à UNICRE, pereno o ireito toos os benefícios e reglis ssocios à titulrie e/ou uso o Crtão. 8. A UNICRE poe proceer moificções no clusulo este Contrto ese que ecorrm e exigêncis legis ou relcions com sistems interncionis e regrs e segurnç, s quis serão plicáveis ois meses pós su comunicção por escrito o Titulr. Discorno esss moificções, poerá o Titulr enuncir o Contrto, por comunicção escrit expei no ecurso quele przo continuno ser responsável pelo pgmento integrl à UNICRE e tos s quntis que sejm evis pel emissão e utilizção o Crtão. A não comunicção e iscorânci correspone ceitção esss moificções. A UNICRE poe, por lterções e circunstâncis (vrições e merco, lterções legis ou outrs), moificr s txs e os encrgos referios no Anexo às Conições Geris e Utilizção, seno o Titulr informo moificção por comunicção escrit, nomemente, insert no Extrcto e Cont, e s mesms entrrão em vigor ecorrios pelo menos ois meses sobre t ess comunicção. Alterções tx e câmbio poem ser plics imeitmente e sem pré-viso, seno comunics no Extrcto e Cont subsequente. Os encrgos e TAEG inicos n Fich e Informção Normliz poerão vrir, em consequênci vrição s conições e merco ou e outr rzão tenível, entre o momento subscrição o peio e esão o Crtão e respectiv provção pel UNICRE, cso em que os encrgos e TAEG inicos eixrão e ser plicáveis e os novos encrgos e TAEG serão comunicos conjuntmente com ecisão e provção o Crtão, com inteir slvgur o ireito que ssiste o Titulr e livre revogção o contrto. 9. A tribuição, renovção ou rectivção o Crtão poem ficr epenentes ceitção pelo Titulr e conições contrtuis específics, inicr csuisticmente, nomemente qunto o clenário e/ou grntis que ssegurem o pgmento s quntis evis à UNICRE. II- Uso o Crtão, Encrgos e Form e Pgmento 10. O Titulr eve tomr s precuções equs pr não tornr cessíveis terceiros os seus PIN ou Cóigos Secretos e eve ssinr o crtão físico imeitmente pós su recepção. O Titulr obrig-se não fcultr o seu PIN e/ou Cóigos Secretos terceiros, eveno bster-se e os registr, sob qulquer form, no próprio Crtão ou em qulquer outro suporte cessível terceiros. 11. Pr relizr um trnscção o Titulr eve:. se for presencil, conferir trnscção e introuzir o PIN ou, se for o cso, ssinr o tlão com ssintur igul à que const o Crtão, gurr cópi o tlão e provr su ientie quno lhe for solicito. b. se for não presencil: i. seno por escrito ou por telefone: Inicr n orem e pgmento (i) o nome, (ii) número o Crtão, (iii) t e vlie e (iv) respectivo Cóigo pr Verificção Vlie o Crtão (conjunto os 3 últimos lgrismos impressos no pinel e ssintur). No cso e orem por escrito, eve in (v) ssinr orem com ssintur igul à que const o pinel e ssintur o seu Crtão. ii. em mbientes bertos (Internet, ou outro) utilizr s funcionlies e segurnç isponíveis, seguino s inicções o serviço e pgmentos. A UNICRE poe não ceitr trnscções feits em mbientes bertos se o Titulr não utilizr s funcionlies e segurnç isponíveis. O Titulr poerá in utilizr o crtão sem introução o PIN ns operções esigns e "bixo vlor", ctulmente e vlor igul ou inferior vinte euros (exemplo Portgens, Cbines Telefónics, Estcionmentos), consierno-se nesses csos utorizs s operções relizs com utilizção o crtão, slvo se nteriormente o Titulr tiver comunico per, o extrvio ou roubo o Crtão. 12. No cso e orens pr pgmentos recorrentes, o Titulr eve, sempre que se verifiquem lterções o número, o przo e vlie ou o esto o Crtão, informr o fcto s enties às quis tenh o ess orem. 13. O Titulr não poe revogr ou rejeitr orem e pgmento que tenh o à UNICRE e confirm trnscção e reconhece-se eveor o seu vlor à UNICRE, slvo prov su em contrário:. ns operções em ATMs e Terminis e Ponto e Ven com ou sem Operor, trvés utilizção o PIN, slvo se nteriormente o Titulr tiver comunico per, o extrvio ou o roubo o Crtão; b. o ssinr o tlão; c. o introuzir Ientificção ou o utilizr os elementos que lhe forem fornecios pr o efeito e vlir os elementos compr, ns operções efectus em mbientes bertos. Nos csos e trnscções relizs com inserção o PIN ou os Cóigos secretos, incluino em ATMs, em Terminis e Ponto e Ven sem Operor ou em mbientes bertos, o Titulr reconhece o ébito pel UNICRE os vlores registos electronicmente e trnsmitios à UNICRE, slvo prov su em contrário. 14. A quisquer operções e Csh Avnce são plicáveis os limites e montntes e s txs e os encrgos que constm o Anexo às Conições Geris e Utilizção. 15. Cso o Titulr solicite nulção e orem e pgmento respeitnte trnscções efectus à istânci, ese que com fins que não pertençm o âmbito su ctivie profissionl, e legue que terá hvio utilizção fruulent o Crtão, UNICRE processrá restituição o montnte no przo máximo e 60 is contr t em que o Titulr formule, funmentlmente, tl peio. Nos emis csos e reclmção e trnscções não utorizs, UNICRE, pós respectiv nálise e nos 10 is subsequentes à reclmção, frá o estorno respectivo ou informrá o Titulr o justifictivo p r recusr esse estorno. O Titulr ceit que UNICRE é lhei incientes ou litígios que ocorrm entre si e o estbelecimento one preten usr ou tenh uso o Crtão, nomemente reltivos à qulie os serviços prestos, slvo se referentes recus ilegítim e ceitção o Crtão. A UNICRE não é responsável por problems ou ificules resultntes e eficiêncis no funcionmento e equipmentos ou n trnsmissão electrónic e os, esignmente no que concerne à efectivção trnscção. 16. A UNICRE isponibilizrá menslmente o Titulr (1º Titulr no cso s Conts Colectivs) um Extrcto su Cont, com: (i) s referêncis e os vlores s trnscções feit s, pgs pel UNICRE em nome o Titulr, moe utiliz e, se for o cso, o montnte pós conversão monetári, (ii) os vlores evios à UNICRE pel prestção e serviços, (iii) os vlores respeitntes correcções ou movimentos e estorno quno evios, (iv) os vlores respeitntes nuies, juros, impostos e encrgos evios por serviços solicitos pelo Titulr à UNICRE, (v) os pgmentos que tenhm sio efectuos à UNICRE. O Extrcto poerá ser isponibilizo por correio electrónico ou n áre reserv o Cliente no serviço online. A solicitção express o Titulr, o Extrcto será envio em suporte e ppel. A t limite e pgmento é inic em c Extrcto e Cont. A t e emissão o Extrcto e Cont é inic no Contrto e Aesão o Crtão e em c Extrcto e Cont. O Titulr eve conferir correcção os lnçmentos constntes o Extrcto e Cont e comunicr por escrito à UNICRE, sem trso injustifico e logo que el tenh conhecimento qulquer inexctião té à t limite e pgmento nele inic. Se ecorri ess t for etect um operção e pgmento não utoriz ou incorrectmente execut, o Titulr eve solicitr respectiv rectificção e form iligente e no mis curto espço e tempo que lhe for possível, nunc pós ecorrios 13 meses sobre t o lnçmento. No cso e um operção e pgmento que tenh sio utoriz pelo Titulr sem especificr, no momento ess utorizção, o seu excto montnte e ese que, por outro lo, o seu montnte tenh exceio o que o Titulr poeri rzovelmente esperr e coro com o perfil e espess nteriores e s circunstâncis específics o cso, poe

3 Mo Tit. - Julho o Titulr urnte um przo e oito semns contr t em que o montnte tenh sio ebito presentr o peio o seu reembolso. Em cso e trnscção que o Titulr legue não ter utorizo, UNICRE proceerá em 10 is o estorno o vlor evio ou presentrá o Titulr, no mesmo przo, justifictivo pr recusr esse estorno, informno-o os meios o seu ispor cso não ceite justificção UNICRE. Se, pós efectuo o estorno, UNICRE concluir que trnscção for utoriz pelo Titulr, frá o correspectivo lnçmento ébito. 17. O Titulr eve proceer o pgmento e pelo menos 3% o montnte em ívi, no mínimo e 25, no przo e 20 is pós emissão o Extrcto e Cont, té à t limite e pgmento inic no extrcto e cont. Entre t e fecho o extrcto e cont e t limite e pgmento ecorrerão no mínimo 20 is. N eventulie o Titulr ter Créitos Especiis, o vlor s respectivs prestções poerá crescer, n su totlie, o montnte o mínimo pgr referio nteriormente, seno consiero pr efeitos e cálculo o vlor o slo em ívi. No cso e pgmento prcil o slo Cont que sej igul ou superior o mínimo contrto, sobre o cpitl remnescente que fique em ívi inciirão juros remunertórios à tx contrtul em vigor, que crescem os correspectivos impostos.. A tx e juro remunertóri contrtul é um tx mensl com bse num no e 360 is ssumino meses e 30 is. A convenção e cálculo e juro é e 30/360. Est tx é inic no Anexo às Conições Geris e Utilizção e sempre que sofr lterção est é comunic no Extrcto e Cont, com inicção t e entr em vigor. Informção sobre tx e juro poe in ser obti too o tempo em b. Em cso e não cumprimento obrigção o pgmento mínimo coro, UNICRE poerá exigir, té efectivo pgmento obrigção, juros mortórios e um comissão pel recuperção e vlores em ívi, conforme inico no Anexo às Conições Geris e Utilizção; c. Em cso e mor o Titulr, UNICRE trnsmitirá o fcto o Bnco e Portugl e enties e centrlizção e informções e risco e créito evimente utorizs pel Comissão Ncionl e Protecção e Dos;. A UNICRE reserv-se o ireito e repercutir no eveor, meinte presentção respectiv justificção ocumentl, s espess posteriores à entr em incumprimento que tenhm sio por si suports; e. Encrgos fiscis e montntes em ívi e vlor inferior ou igul 25 euros ou que excem o Limite e Utilizção, evem ser sempre pgos n totlie; f. Quisquer pgmentos efectuos pelo Titulr entre ois extrctos e cont poerão só ter reflexo no extrcto seguinte, sem prejuízo e o Titulr poer solicitr à UNICRE um umento o Limite e Utilizção; g. Os pgmentos prcelres serão imputos, sucessivmente espess, os juros e o cpitl em ívi; h. Se o Titulr optr por efectur os pgmentos pelo Sistem e Débitos Directos, este somente entrrá em vigor quno pssr constr o Extrcto e Cont ; i. Tos s operções não efectus em euros são convertis pr euros pelo Sistem Interncionl sob o qul o Crtão for emitio, poeno o Titulr obter qulquer ltur, trvés os serviços e Apoio o Cliente UNICRE, informção sobre tx e câmbio. O respectivo contrvlor em euros e os encrgos inicos no Anexo às Conições Geris e Utilizção serão ebitos n Cont. 18. Os encrgos que UNICRE poerá cobrr, pr lém os ecorrentes relção e créito isto é, os referios n Clª 17ª são (i) os vlores que fzem prte o Anexo às Conições Geris e Utilizção e in (ii) os encrgos corresponentes serviços vulsos solicitos à UNICRE, e coro com o Preçário em vigor e cessíveis em 19. Pel quisição e quisquer proutos ou serviços opcionis, cessórios ou icionis, que lhe sejm propostos, em conições e exclusivie ou preferenciis, pel UNICRE ou por qulquer prceiro comercil UNICRE, o Titulr pgrá o vlor respectivo, o qul poerá ser lnço ébito n su Cont-Crtão. III - Norms e Segurnç e Comunicções entre UNICRE e o Titulr 20. O Titulr é responsável pel gur, utilizção e mnutenção corrects o Crtão, e por quisquer trnscções resultntes e negligênci grve, esignmente quno pr su relizção o utilizor o Crtão tenh tio necessie e inserir o PIN ou qulquer Cóigo Secreto o Titulr. O Titulr será responsbilizo pelos nos que resultem pr UNICRE ou pr terceiros pelo uso inevio o Crtão se, e lgum form, o permitir ou fcilitr. 21. O Titulr eve comunicr à UNICRE, e imeito e pelo meio mis rápio que lhe for possível logo que tenh conhecimento e sem qulquer trso injustifico, nomemente utilizno os números e contcto inicos no verso o Crtão, n Clª 27ª e em não recepção o Crtão ou o Extrcto e Cont no przo previsto; b. per, furto, roubo ou flsificção o Crtão ou os meios que permitm su utilizção; c. o registo n su Cont e qulquer trnscção que não tenh sio por si efectu. As comunicções prevists no ponto b. everão ser prticips às utories públics competentes, seno fcult à UNICRE respectiv comprovção. Quisquer comunicções o Titulr à UNICRE respeitntes às eventulies referis em b. est Cláusul poerão ser efectus telefonicmente sem prejuízo e, quno plicável, everem ser confirms por escrito e ssins pelo Titulr. A responsbilie o Titulr pelo vlor e trnscções irregulres efectus com o Crtão, em consequênci su per, extrvio, furto ou roubo, (slvo quno o Titulr tenh gio fruulent ou negligentemente ou feito evi comunicção com trso injustifico) cess no momento em que comunicção tiver sio recebi n UNICRE, ou nos Centros Vis existentes pr esse fim, trvés os números e contcto pr o efeito inicos; pels utilizções o Crtão verifics ns 48 hors nteriores à comunicção ess responsbilie não poe ultrpssr - slvo nos csos e olo ou e negligênci grosseir - o vlor, à t primeir operção consier irregulr, o Limite e Utilizção isponível, no limite máximo e 150 euros. 22. A UNICRE é responsável pelo registo incorrecto e qulquer trnscção, nos termos geris e Direito, excepto ocorreno olo ou negligênci o Titulr. Em cso e ifereno entre UNICRE e o Titulr, o ónus prov cbe quem invocr o fcto seu fvor. Em cso e ifereno reltivo operção electrónic não utoriz pelo Titulr, o ónus prov su efectiv relizção cbe à UNICRE, obrigno-se o Titulr prestr su melhor colborção, esignmente prestno-lhe s informções e fcultno cópi os ocumentos que est lhe solicitr, reltivos à operção em cus. 23. No cso e Conts Colectivs, slvo inicção express em contrário, o 1º Titulr representrá os restntes Titulres pr efeitos e recepção e quisquer comunicções, consierno-se ests feits toos os Titulres. 24. Quisquer comunicções e informções que UNICRE remet por escrito o Titulr poerão ser envis pr o enereço postl ou electrónico por este inico. O enereço postl, pr efeitos e citção ou notificção juicil, consier-se ser o omicílio convenciono, eveno qulquer lterção o enereço (postl ou e correio electrónico) ser comunic à UNICRE sob pen e o Titulr ser responsável pel eventul não recepção e comunicções ou informções que lhe tenhm sio envis. Consier-se reliz em suporte e ppel qulquer informção prest o Titulr trvés e mensgem inseri no Extrcto Cont envio em suporte e ppel e consier-se prest por escrito qulquer informção quno inseri no Extrcto e Cont envio em suporte electrónico. 25. O Titulr utoriz UNICRE : (i) pr efeitos o registo s sus orens e Instruções, efectur o registo e o rquivo s comunicções, inepenentemente o seu suporte e cnl, (ii) pr efeitos o registo e utenticção e trnscções, inepenentemente o seu suporte e cnl, sempre que tl sej necessário, trnsferir os os pessois relevntes pr s enties ncionis, comunitáris ou interncionis com s quis UNICRE contrte esses serviços, (iii) contctá-lo por qulquer meio, irectmente ou trvés e enties externs pr tnto contrts ou seleccions pel UNICRE sempre que estej em cus segurnç o crtão o Cliente, o Sistem e Pgmentos ou UNICRE, e (iv) envir-lhe mensgens, qulquer que sej o seu suporte e cnl, respeitntes à ofert e proutos e/ou serviços finnceiros ou outros, incluino à istânci, slvo inicção em contrário inic n Propost e Aesão. O Titulr e UNICRE corm em que o registo informático ou mgnético e su reproução em qulquer suporte - esignmente em ppel - constituem meio e prov s operções efectus meinte os proceimentos previstos ns presentes Conições Geris. A UNICRE fic utoriz proceer, pr efeitos e gestão comercil, incluino e cobrnç e montntes em ívi, à grvção s chms

4 4 5 telefónics, proceeno o seu rquivo e constituino os respectivos registos, mgnéticos ou electrónicos, meio e prov s operções relizs. Cso o Titulr não utorize grvção s instruções trnsmitis telefonicmente à UNICRE, s su instruções pens poerão ser trnsmitis meinte comunicção irigi à UNICRE e evimente ssin, trnsmiti por e-mil, por telecópi ou por crt. Pr quisquer ssuntos relcionos com protecção e os pessois, o Titulr poerá contctr UNICRE pelo telefone inico n Clª 27ª ou e-mil 26. Pr quisquer ssuntos referentes à interpretção, execução, plicção, vlie ou incumprimento o presente Contrto será competente o foro o omicílio o Titulr, poeno UNICRE, situno-se o omicílio convenciono o Titulr n áre metropolitn e Lisbo, optr pelo Tribunl comrc e Lisbo. Em cso e conflito entre UNICRE e o Titulr o crtão, referente à interpretção ou plicção s Conições Geris e Utilizção, DECO, ese que tl lhe sej solicito pelo Titulr, promoverá meição o conflito, eveno UNICRE pronuncir-se no przo e 15 is. Cso o conflito persist, DECO convocrá UNICRE e o Titulr pr comprecerem n see DECO com vist à meição e, justificno-se, rbitrgem o conflito. Se n Preit reunião e meição o conflito não for sno, poerão UNICRE e/ou o Titulr recorrer os meios equos à tutel os seus interessos. 27. Contctos () Serviço Clientes: telefone e fx ; (b) pr prticipção e per, roubo, furto ou extrvio o crtão (7 is por semn, 24 hors/i): (i) Em Portugl, telefone e fx (ii) Emergênci Vis no Estrngeiro, telefone EUA / e fx EUA ANEXO às Conições Geris e Utilizção, Direitos e Deveres s Prtes No âmbito o serviço presto no plno o presente contrto são evis s comissões e encrgos, seguir inicos, constntes o Preçário Unicre, em vigor no momento, publico nos sítios e Internet Instituição e o Bnco e Portugl, o Portl o Cliente Bncário, em toos os locis e tenimento. 1) Encrgos e comissões e utilizção. Ns operções e Csh Avnce créito, incie um tx e 3,95% sobre o montnte peio (máximo e 4 em 4 is nos levntmentos em ATM s), cresci e 2,90 por levntmento, nos ATMs, nos Blcões os Bncos ou em Trnsferênci Bncári reliz pel UNICRE; b. Comissões e Serviço sobre operções efectus n EEE em euros, coro suec e leu romeno: 0,00%. Comissões e serviço sobre operções efectus no resto o muno: 1,7% + 1%; c. Comissão pel recuperção e vlores em ívi por c prestção venci e não pg: 4% o vlor prestção num mínimo e 12,00 e num máximo e 150,00 ou 0,5%, quno c prestção em ívi for superior ,00 ;. Comissão por excesso o Limite e Utilizção no montnte máximo e 9,50 ; e. Encrgos e cobrnç contencios em cso e incumprimento efinitivo: 100,00 ívis té 500 ; 150,00 restntes situções; f. Substituição e crtão peio (grvção e crtão com PIN): 15,00 ; g. Cópi e Extrcto e Cont (2ª vi), peio: 5,00 ; h. Comissão por Alterção Contrtul plicável situções e reestruturção o slo em ívi: 75,00. Ficrão isentos os Clientes que renegociem s conições o contrto e créito no âmbito o DL 227/2012. Nos Termos Tbel Gerl o Imposto e Selo (TGIS) incie Imposto o Selo sobre os vlores inicos ns línes: ), b), c), ), f) e h) (Artº ). Incie IVA sobre os vlores inicos ns línes e) e g) 2) Anuies 1º Titulr: 0,00 Outros Titulres: 0,00 Acresce Imposto o Selo Artº ) Tx e juro A tx e juro remunertóri contrtul nul é e 15,500% e os juros são clculos menslmente (1,292% mensis) crescios e Imposto o Selo (Artºs e TGIS). TAEG 15,2% clcul com bse n TAN inic, exemplo pr um utilizção e créito e Exemplo consierno o reembolso o créito em 12 prestções mensis iguis. Em cso e não cumprimento obrigção o pgmento mínimo coro, poerão ser exigios juros mortórios corresponentes um sobretx nul máxim e três pontos percentuis crescer à tx e juro contrtul. Mo Tit. - Julho 2015

5 Não ssine sem ter lio Fich e Informção Normliz e s Clúsuls que regem este Contrto. 5 5 Preench e ssine Cópi: 1) BI e NIF ou Crtão e Cião e 2) último recibo e vencimento ou último IRS entregue Comprovtivo: mor (recibo águ, luz, telefone) Envie pr Remess Livre Lisbo (não precis e selo) Nº Associo DECO Associo ese / m m / Proução urgente o crtão (encrgo 26 ) OPÇÕES INFORMAÇÕES DO 1º TITULAR Nº Crtão Nome Mor Fiscl () Loclie Cóigo Postl - () Se mor e resiênci for iferente, inique no cmpo reservo informções Nome grvr Telefone E-mil (escrev em miúsculs) B.I. / Crtão Cião Telemóvel INFORMAÇÃO PESSOAL TITULAR SUPLEMENTAR Dt e vlie o Documento e Ientificção Dt e Nscimento NIF (contribuinte) / m m / / m m / Sexo m f Nturlie Ncionlie Desempenh lgum crgo Público? Sim Não Se sim, qul? Hbilitções Escolres: Menos que Escolrie Obrigtóri 12º Ano Curso Méio/ Licencitur/ Mestro Situção Lborl: Contrto przo Cont própri Reformo Efectivo Desemprego Crgo ou Ano e Função (b) missão Nome Empres Mor Loclie INFORMAÇÃO PROFISSIONAL E FINANCEIRA TITULAR SUPLEMENTAR Vencimento Mensl (líquio) Có. Postl - Telefone Empres Encrgos Mensis Fixos (c) (b) Se trblhr por cont própri inique ctivie (c) Incluino prestção/ ren cs/ utomóvel/ outros créitos Até Até Até Até LIMITE DE UTILIZAÇÃO TITULAR SUPLEMENTAR Declro que os os que iniquei são vereiros e correctos, e que UNICRE poe consultr o Bnco e Portugl, ou qulquer outr entie sobre informções comerciis ou e créito. Autorizo que s informções e os os pessois fornecios sejm trtos informticmente e que no cso e não vir ser celebro qulquer contrto, os meus os sejm conservos em registo. Declro in que tomei conhecimento s Conições Geris e Prticulres constntes est propost/contrto que me form previmente comunics, cujo conteúo e lcnce conheço e compreeno e por isso ou o meu totl consentimento por corresponer integrlmente à minh vonte. Declro que me foi previmente entregue FIN cujo conteúo tomei esclrecio conhecimento. Declro que ssintur é váli pr est propost/contrto. Por fvor ssinle cso não estej interesso em receber informção sobre cmpnhs e mrketing irecto. Mo Tit. - Julho 2015 Reservo informções Declro que recebi Fich e Informção Normliz em Mtéri e Créito os Consumiores e que tomei conhecimento s cláusuls que regem o Contrto e Aesão cujo conteúo compreeno e ceito. Assintur o 1º Titulr (igul o BI/CC) Assintur o Titulr Suplementr (igul o BI/CC) Dt m

Mod. 246-1 Tit. - Abril 2016

Mod. 246-1 Tit. - Abril 2016 Mo. 246-1 Tit. - Abril 2016 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE DECO PRO/TESTE Conições Geris e Utilizção, Direitos e Deveres s Prtes Elbors e coro com o Aviso nº 11/2001 e 20/11 o Bnco e Portugl,

Leia mais

Mod. 65 - Emp. - Julho 2015

Mod. 65 - Emp. - Julho 2015 Mod. 65 - Emp. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1.

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1. 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Finnceir de Crédito, S.A. Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Mod. 250-1 Tit. - Abril 2016

Mod. 250-1 Tit. - Abril 2016 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE BANCO PRIVADO ATLANTICO EUROPA Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso n.º 11/2001, de 20 de Novembro, do

Leia mais

Mod. 244-1 Tit. - Abril 2013

Mod. 244-1 Tit. - Abril 2013 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

Exame Nacional de 2006 1. a chamada

Exame Nacional de 2006 1. a chamada 1. Muitos os estuntes que usm mochils trnsportm irimente peso mis pr su ie. 1.1. Pr evitr lesões n colun verterl, o peso e um mochil e o o mteril que se trnsport entro el não evem ultrpssr 10% o peso o

Leia mais

Contrato Adesão cartão SOC. COMERCIAL C. SANTOS - A.ccr.S.2016-03.033

Contrato Adesão cartão SOC. COMERCIAL C. SANTOS - A.ccr.S.2016-03.033 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Financeira de Crédito, S.A. Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO

CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 2560/2001

Leia mais

1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE

1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

1 5 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNIBANCO

1 5 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNIBANCO 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS Mnul de GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Deprtmento/Gbinete Pág. 1/26 FICHA TÉCNICA TÍTULO Gui Prático Abono de fmíli pr crinçs e jovens

Leia mais

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO Fundção d UFPR (Desenvolvimento d Ciênci, tecnologi e d cultur) - FUNPAR Fundo Previdenciário do Município de Pulist Governo do Estdo d Príb Governo

Leia mais

Mod. 248-2 Tit. - Outubro 2015

Mod. 248-2 Tit. - Outubro 2015 Mod. 248-2 Tit. - Outubro 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal,

Leia mais

Mod. 248-2 Tit. - Janeiro 2016

Mod. 248-2 Tit. - Janeiro 2016 Mod. 248-2 Tit. - Janeiro 2016 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal,

Leia mais

Mod. 248-2 Tit. - Maio 2013

Mod. 248-2 Tit. - Maio 2013 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

Mod. 263-2 Tit. - Julho 2014

Mod. 263-2 Tit. - Julho 2014 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

Mod. 217-1 Tit. - Julho 2015

Mod. 217-1 Tit. - Julho 2015 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO

CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO 1 o 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº

Leia mais

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA

OWAlifetime OWAconsult. Resistência ao fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA OWAlifetime OWAconsult Resistênci o fogo FOGO: EN 13501 A NORMA EUROPEIA 2 As norms europeis As Norms Europeis Hrmonizs sobre o Fogo são um conjunto e norms que form ceits por toos os píses Comunie Econômic

Leia mais

Cartão de Crédito Millennium bcp GO!

Cartão de Crédito Millennium bcp GO! FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias UNIÃO EUROPEIA Fundos Estruturis SIME Gui do Beneficiário (Portri n.º 262/2004, de 11 de Mrço) - Introdução 1. Notificção e Contrtção dos Incentivos. 1.1. Notificção 1.2. Contrtção 1.3. Elementos Adicionis,

Leia mais

Mod. 240-1 Tit. - Julho 2013

Mod. 240-1 Tit. - Julho 2013 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO 6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRTOS EMPRESRIIS 6.1 NOT PROMISSÓRI DEC. 57.663/66 Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com NOT PROMISSÓRI

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

1 / 2 Condições de Utilização do Crédito Pessoal

1 / 2 Condições de Utilização do Crédito Pessoal 1 / 2 Condições de Utilização do Crédito Pessoal 1. O Crédito Pessoal é do tipo crédito clássico e só pode ser solicitado pela pessoa singular 1ª Titular de um Cartão emitido pela UNICRE que esteja em

Leia mais

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito.

Endereço Internet: www.millenniumbcp.pt. Cartão de crédito. FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL Cartões de Crédito Gémeos TAP Gold VISA/American Express A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES E FUNDOS PENSÕES o O Gui de Seguros e tem como objectivo principl esclrecer o leitor, em lingugem simples e cessível, cerc dos conceitos, tipos de contrtos e procedimentos n áre dos seguros e fundos de

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Portaria n.º 15/2014 de 24 de Março de 2014

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Portaria n.º 15/2014 de 24 de Março de 2014 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Portri n.º /0 Mrço 0 O Decreto-Lei n.º 8/0, bril, criou inicitiv Licencimento Ze, simplificndo o regime exercício diverss tividd económics,

Leia mais

1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO

1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº

Leia mais

PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO VISA BPC CLASSIC

PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO VISA BPC CLASSIC MOD. 421 I Área de Serviços e Meios de Pagamentos Electrónicos PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO VISA BPC CLASSIC AGÊNCIA CLIENTE TIPO Nº -000000000000 INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome a gravar no cartão

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.plnlto.gov.br/ccivil_03/eis/cp/cp139.htm Pge 1 sur 22 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos EI COMPEMENTAR Nº139, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Mensgem de veto Vigênci Alter

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau Registo inicil Actulizção de ddos Direcção dos Serviços d Reform Jurídic e do Direito Interncionl Questionário Bse de Ddos dos Recursos Humnos d Áre Jurídic d Administrção Públic d Região Administrtiv

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO

PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO MOD. 478 PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO AGÊNCIA CLIENTE TIPO Nº Dia Mês Ano INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome Completo (preencha em letras maiúsculas) Nome a gravar no cartão (máximo de 23 caracteres, incluindo

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada Cartão de Crédito

Ficha de Informação Normalizada Cartão de Crédito FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL CRÉDITO ESPECIAL - CARTÕES VISA A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito

Leia mais

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015

Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 01-DEZ-2015 Preçário CAIXA ECONÓMICA SOCIAL CAIXAS ECONÓMICAS Consulte o FOLHETO E COMISSÕES E ESPESAS ata de Entrada em vigor: 01-EZ-2015 Consulte o FOLHETO E TAXAS E JURO ata de Entrada em vigor: 16-OUT-2015 O Preçário

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

INSTRUÇÕES PEDIDO DE CRÉDITO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO INFORMÁTICO AO ABRIGO DA CAMPANHA A_UNIVERSIDADE_ELECTRÓNICA

INSTRUÇÕES PEDIDO DE CRÉDITO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO INFORMÁTICO AO ABRIGO DA CAMPANHA A_UNIVERSIDADE_ELECTRÓNICA INSTRUÇÕES PEDIDO DE CRÉDITO PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTO INFORMÁTICO AO ABRIGO DA CAMPANHA A_UNIVERSIDADE_ELECTRÓNICA Os impressos que se seguem são parte integrante do processo de pedido de financiamento

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Conta nº. Multicaixa Personalizado Multicaixa não Personalizado Multicaixa Não Personalizado Bankita

Conta nº. Multicaixa Personalizado Multicaixa não Personalizado Multicaixa Não Personalizado Bankita CONTRATO DE ADESÃO CARTÃO DE DÉBITO KEVE MULTICAIXA PARTICULARES Conta nº 1 TIPO DE CARTÃO Agência/ CE/ C&P/ Oil & Gás Multicaixa Personalizado Multicaixa não Personalizado Multicaixa Não Personalizado

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário ONEY - INSTITUIÇÃO FINCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco BPI, Sociedade

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia: Cdstro de Instlções e Sistems de Armzenmento de Derivdos de Petróleo e Outros Combustíveis 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.2. Doc. Identidde: Órgão Expedidor: UF: 1.3.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretri de Acompnhmento Econômico Precer n o 06093/2010/RJ COGAP/SEAE/MF Em 10 de fevereiro de 2010. Referênci: Processo n.º 18101.000028/2010-54. Assunto: Distribuição Grtuit de

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03-08-2015 O Preçário

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO

PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO PROPOSTA DE ADESÃO - CARTÃO DE DÉBITO Rede Ponto 24/ Electron SIMOrede BCI Private BCI Exclusivo DAKI Pronto a Usar Cartão SIMO BCI Cartões de Débito Particulares Agência/ OE Gestor Código da Agência Nº

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 O Preçário completo da Orey Financial, Instituição Financeira

Leia mais

1.2. Endereço Rua Áurea, 219-241: Apartado 2882: 1122-806 Lisboa

1.2. Endereço Rua Áurea, 219-241: Apartado 2882: 1122-806 Lisboa FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1.

Leia mais

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de Comissões e Despesas: 09-Nov-2015

Leia mais

É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado.

É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. de Cooperação Barclays at Work Índice 4. Leasing 5. Seguros IV. Check List V. Contactos I. O Barclays no Mundo Grupo Financeiro com mais de 300 anos

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA GOVERNAMENTAL NÚCLEO CENTRAL DE PARCERIAS COM ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Índice DE INTERESSE PÚBLICO Introdução...

Leia mais

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de Comissões e Despesas: 08-Abr-2014

Leia mais

Cinemática e Dinâmica de Engrenagens 2. Engrenagens Cilíndricas de Dentes Retos

Cinemática e Dinâmica de Engrenagens 2. Engrenagens Cilíndricas de Dentes Retos Cinemátic e Dinâmic e Engrengens. Engrengens Cilínrics e Dentes Retos Pulo Flores José Gomes Universie o Minho Escol e Engenhri Guimrães 04 ÍNDICE. Engrengens Cilínrics e Dentes Retos..... Introução.....

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

Não aplicável (conta não remunerada)

Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta 18-23 Condições de Acesso Clientes Particulares com idades compreendidas entre os 18 e os 23 anos Modalidade Depósito à Ordem Meios de Movimentação Cartão de débito, cheque, ordem de transferência,

Leia mais

A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO B. DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO CRÉDITO

A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO B. DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO CRÉDITO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco Bilbao

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente 1 Proposta de Adesão Particulares Cartão de Crédito Miles & More Gold da Caixa (para residentes no estrangeiro) Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Leia mais

(VAR2) Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Cartão de Crédito BBVA Private. Cartão de Crédito com Período de Free-Float

(VAR2) Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Cartão de Crédito BBVA Private. Cartão de Crédito com Período de Free-Float FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação 1.2. Endereço

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

SEGURO EMPREGADA DOMÉSTICA

SEGURO EMPREGADA DOMÉSTICA SEGURO EMPREGADA DOMÉSTICA Se tem empregada(o) doméstica(o) é legalmente responsável pelas consequências de qualquer acidente que lhe aconteça durante o período de trabalho em sua casa. Porque se trata

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais