A GESTÃO E CONTROLE DE ESTOQUES NO SEGMENTO CALÇADISTA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DA REGIÃO DO VALE DO RIO DOS RINOS NO RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO E CONTROLE DE ESTOQUES NO SEGMENTO CALÇADISTA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DA REGIÃO DO VALE DO RIO DOS RINOS NO RS"

Transcrição

1 ISSN A GESTÃO E CONTROLE DE ESTOQUES NO SEGMENTO CALÇADISTA: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DA REGIÃO DO VALE DO RIO DOS RINOS NO RS Rafael Mozart da Silva, Eliana Terezinha Pereira Senna, Guilherme Bergmann Borges Vieira, Luiz Afonso Santos Senna (UFRGS / Centro Universitário Univates / UCS / Universidade Federal do Rio Grande do Sul) Resumo: Este trabalho apresenta um estudo de caso realizado em uma empresa do segmento calçadista com sede na região do vale dos sinos e que atua em diferentes mercados no Brasil e da Europa. O estudo contempla uma abordagem das práticas relacionadas à gestão de estoques de matéria-prima e o processo de controle de estoque utilizado pela área de almoxarifado da empresa. Os resultados da pesquisa apontam que é possível realizar uma correlação entre as práticas adotadas pela empresa que atua em um mercado com alta competitividade e o referencial teórico utilizado como fonte de consulta e base conceitual sobre a gestão de estoques. Como contribuição este estudo possibilitou também uma adequada compreensão e forneceu subsídios para a empresa melhorar o processo de controle de estoque. Palavras-chaves: Gestão de Estoques; Almoxarifado; Inventário

2 1. Introdução Conforme Moura (2004), o gerenciamento de estoques corresponde a uma das atividades básicas deste fluxo de processos logísticos e vem tornando-se cada vez mais importante dentro das empresas, por contribuir para o andamento de toda a cadeia de suprimentos, além de representar um indicador de custo e não mais uma estratégia de mercado, como era no passado, podendo ainda, quando gerenciado de forma eficiente, contribuir para colocar a empresa em destaque, permitindo enfrentar a concorrência existente no mercado. Para Wanke (2008), as empresas estão buscando cada vez mais garantir uma determinada disponibilidade de produto com o menor nível de estoque possível, pois a importância da gestão de estoques para a logística e para o gerenciamento da cadeia de suprimentos têm se tornado cada vez mais evidente nos meios acadêmicos e empresarial. Taylor (2008) acredita que, o tema gerenciamento de estoques pode representar um desafio para a maioria das organizações, pois poucas empresas estão preparadas para lidar com as novas pressões impostas às suas cadeias de suprimentos. Segundo o autor, não existe nenhuma quantidade de estoque capaz de evitar a escassez, ou seja, definir seus níveis é basicamente uma questão de gerenciamento de riscos, desta forma, uma boa gestão de estoques passa a exigir um conjunto de atitudes complexas e um controle contínuo dos procedimentos adotados e deve ser adaptada de acordo com as necessidades e exigências de cada setor em consenso com as especificidades de cada empresa. O objetivo deste trabalho foi verificar as práticas relacionadas à gestão de estoques de matéria-prima adotadas por uma empresa do setor calçadista da região do Vale dos Sinos do estado do Rio Grande do Sul. 2. Gestão de Estoques Para Moura (2004), o estoque representa um conjunto de bens armazenados com características próprias, e que atende as necessidades da empresa. Conforme Wanke (2008), o estoque aparece na cadeia de suprimentos sob o formato de matérias-primas, produtos semiacabados e produtos acabados e podem ser caracterizados por diferentes atributos como: peso, volume, variações de vendas, giro, custo adicionado e nível de serviço exigido, os quais podem ser chamados de características de produto e demanda. 2

3 Os estoques conforme Ballou (2008), promovem a disponibilidade dos produtos de maior demanda, permitindo flexibilidade à produção e logística em uma busca de métodos que beneficiem a produção e distribuição de mercadorias, para suprir a impossibilidade de produzir instantaneamente ou garantir prazos de entrega a todos os clientes. A administração ou gestão de estoques é vista como responsável pelo planejamento e controle do estoque, desde o estágio da matéria-prima até o produto acabado entregue aos clientes, sendo assim, uma correta administração de estoques se torna essencial para a lucratividade de uma empresa (ARNOLD, 1999). Conforme Ching (2009), quando foi criada, a gestão de estoques era vista como uma forma de reduzir custos totais associados com a aquisição e gestão de materiais, sendo que diferentes estágios do estoque eram gerenciados normalmente por diferentes departamentos, porém atualmente as organizações exigem estratégias mais proativas, pois passam a ser baseadas nas necessidades dos clientes. A conquista dos resultados esperados na gestão de estoques deve-se em grande parte, ao controle contínuo dos materiais mantidos em estoque, e para isso, podem ser desenvolvidos diversos métodos que permitam o acompanhamento, como forma de identificar as variações existentes e promover melhorias Sistema de Classificação ABC De acordo com Moura (2004), um dos métodos mais conhecidos e aplicados nas indústrias, como forma de classificação e controle de estoques, é o Sistema de Classificação ABC ou Método de Pareto, que segue o princípio de que nem todos os itens devem receber o mesmo tratamento. Este conceito afirma que, pequenos fatores podem ser responsáveis por grandes proporções, ou seja, poucos itens dentro dos estoques são responsáveis pelo maior volume de dinheiro. O Método de Pareto divide os itens em categorias A, B, C, devido à representatividade de cada um em relação aos investimentos mais significativos para a gestão financeira dos estoques: Classe A: materiais de grandes valores financeiros e pequenas quantidades físicas; Classe B: materiais cujos valores financeiros e quantidades físicas se inserem numa categoria intermediária entre A e C ; Classe C: materiais de pequenos valores financeiros e grandes quantidades físicas. 3

4 Figura 1: Curva ABC porcentagem de valor & itens Fonte: Arnold (1999, p. 287) Conforme mostrado na Figura 1, acredita-se que, os itens de Classe A devem compreender os produtos de alto valor, que correspondem 20% em quantidade e são responsáveis por 80% das vendas anuais, os itens de Classe B incluem produtos que representam 30% em quantidade e são responsáveis por aproximadamente 15% do valor das vendas, e os produtos Classe C de baixo valor agregado, equivalem a 50% da quantidade e não representam mais do que 5% das vendas anuais (ARNOLD, 1999; BERTAGLIA, 2003) Inventário Físico Dias (1996), acredita que, para obter boa organização nas atividades que envolvem a administração de materiais de um almoxarifado, é importante a precisão nos registros de estoque, de forma que toda a movimentação dos itens estocados fique registrada em documentos de controle do próprio almoxarifado. Para obter essa precisão Dias (1996), acrescenta que devem ser efetuadas contagens físicas periodicamente a fim de verificar fatores como: Divergências de valor, entre o estoque físico e o estoque contábil; Divergências entre as quantidades registradas e as quantidades reais existentes; Levantamento e apuração do valor total do estoque para constar em balanços ou balancetes. Para Gurgel (2000), os inventários, muitas vezes são erroneamente executados, pois a administração frequentemente subestima sua importância, e os próprios funcionários destinados à gestão dos estoques, apresentam pouco interesse neste tipo de fiscalização, que atua como um controlador de suas próprias atividades, gerando como consequências, uma execução mal 4

5 preparada e a obtenção de inventários que não inspiram confiança. Para obter a confiabilidade do processo, o autor cita três formas distintas de realização de inventários: Determinação de consumo: trata-se do levantamento dos materiais existentes no estoque, para fazer comparação com o estoque inicial, a fim de obter o consumo da empresa no período determinado; Confirmação: É um serviço de auditoria para promover um controle de consumo histórico, apresentado pelos valores das requisições; Rotativo: Refere-se a um serviço permanente para confirmação e controle de existências físicas. Permite controlar com maior cuidado e, portanto, torna-se interessante em estoques de grande rotatividade e que possuem altos valores. Dias (1996), defende a ideia de que independente do tipo de inventário realizado é necessária à contagem do estoque pelo menos duas vezes, por equipes diferentes, sendo que a segunda equipe não deve ter a informação da primeira contagem para não haver nenhum tipo de influência nos resultados Método de Revisão Periódica e Contínua O método de revisão periódica consiste em revisar os estoques de maneira fixa, periódica e regular, sendo que um novo pedido é colocado no final de cada revisão, e o número de período entre os pedidos é previamente definido. É um modelo de controle de estoques, que considera as variações da demanda e do tamanho do lote, mas o período de revisão deve ser mantido como fixo (BERTAGLIA, 2003). Conforme Ching (2009), o método de revisão ou reposição periódica, não possui a existência de restrições vistas em outros métodos que funcionam apenas para itens individuais ou consideram variações nos períodos. O método de revisão contínua, também chamado de sistema de ponto de pedido, baseia-se na avaliação de quantidades, sempre que ocorre a saída de um determinado item do estoque, seja por consumo ou simples retirada do estoque, visando identificar o momento de fazer a reposição do item. Deve ser escolhido um período para avaliação, podendo ser diário ou semanal, de acordo com o tipo de consumo, mas não é necessária a preocupação com a fixação do período como no modelo de revisão periódica, e sim com a frequência das revisões (BERTAGLIA, 2003). Para promover a revisão contínua, pode ser utilizada a seguinte fórmula: 5

6 Figura 2: Revisão Contínua Fonte: Adaptado de Bertaglia (2003) Conforme apresentado na Figura 2, o método de revisão contínua é representado pela sigla Pe caracterizado pela posição de estoque do item em unidades. Para obter este resultado, são necessárias as seguintes informações: Qe = Quantidade disponível em estoque para uso Rp = Recebimentos programados Qa = Quantidades comprometidas ou alocadas De acordo com Bertaglia (2003), deve ser considerado como posição de estoque, apenas o disponível, com entregas e pedidos firmes, sem incluir os estoques comprometidos mesmo que estes ainda não tenham sido consumidos. 2.2 Indicadores de Desempenho de Estoques Para Bertaglia (2003), a relevância da utilização de indicadores para medir o desempenho dos estoques, com base em dois aspectos fundamentais: a administração moderna enfatiza a redução de estoques, e as alterações em seus níveis geram forte impacto nas finanças das empresas Giro de estoques O Giro de estoque corresponde ao número de vezes em que o estoque é consumido durante um determinado período, normalmente um ano. É um indicador calculado com base na relação do volume de vendas do ano, dividido pelo capital médio investido em estoque, sendo que a obtenção de um alto índice de giro de estoque pode sugerir um alto retorno de capital (BERTAGLIA, 2003). As fórmulas para o cálculo do giro de estoque são: 6

7 Figura 3: Giro de Estoque Fonte: Adaptado de Bertaglia (2003) Conforme consta na Figura 3, o giro de estoque pode ser obtido em valor monetário, quando são aplicados na equação, valores gerados com as vendas anuais e estoque médio, e pode ser obtido em unidades, quando é calculado através do volume em unidades das vendas anuais e do estoque médio. Moura (2004) acredita que nas indústrias há um giro de materiais e outro de produto, em que os materiais giram pela aplicação nos produtos e os produtos giram pelas vendas. Para Bertaglia (2003), As empresas utilizam frequentemente esse indicador para comparar seu desempenho ao de organizações similares, e algumas vezes adotam prerrogativas diferentes para o cálculo de giro de estoque, como a utilização da classificação por famílias de produtos, por produtos ou pela classificação ABC. Ballou (2008) complementa que, tanto o giro de estoques especificado para classes diferentes de produtos, quanto o que considera o estoque inteiro, são frequentemente utilizados, sendo que a aceitação desse giro de medição se deve à pronta disponibilidade de dados obtidos através dos balanços financeiros da empresa e à simplicidade do próprio giro de estoque Cobertura de estoque De acordo com Bertaglia (2003), a cobertura de estoque é um indicador de desempenho, obtido normalmente em número de semanas ou meses, que está relacionado com a taxa de uso do item e baseado no cálculo do tempo de duração do estoque, caso não haja um ressuprimento. A fórmula para cálculo da cobertura de estoque é a seguinte: Figura 4: Cobertura de Estoque Fonte: Adaptado de Bertaglia (2003) Conforme a Figura 4, a cobertura de estoques é gerada através da divisão da quantidade do estoque médio pela quantidade da demanda. 7

8 2.2.3 Acurácia do Estoque A acurácia dos estoques é determinada pela relação entre a quantidade física de produtos ou mercadorias existentes, obtida através da contagem do estoque e a quantidade teórica, obtida através das informações existentes nos registros de controle de entrada e saída de material. Quando as duas quantidades são as mesmas, pode-se dizer que o estoque apresenta uma acurácia igual a 100% (BERTAGLIA, 2003). Figura 5: Acurácia de Estoque Fonte: Adaptado de Bertaglia (2003) A Figura 5 apresenta o cálculo utilizado para obter o valor da acurácia de estoques. Bertaglia (2003), afirma que, manter a acurácia dos estoques em nível elevado, proporciona à empresa vantagens significativas como o nível de serviço adequado ao cliente e a garantia da disponibilidade de material para a produção. 3. Metodologia de Pesquisa O estudo de caso apresenta-se como forma de delineamento de pesquisa, pois conforme define Gil (2002), caracteriza-se pelo estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos, de forma que permita seu amplo e detalhado conhecimento. A unidade de análise escolhida para a realização da pesquisa é uma indústria que atua no segmento calçadista da região do Vale dos Sinos no Estado do Rio Grande do Sul, e têm como foco de análise, as áreas responsáveis pelo planejamento do processo produtivo e gestão de estoques de produtos acabados, através dos funcionários envolvidos nos processos e suas respectivas funções. O método utilizado para a análise dos dados obtidos através da pesquisa foi a análise de conteúdo, que de acordo com Collis e Hussey (2005), é um método formal que visa analisar dados qualitativos, podendo ser uma maneira de converter sistematicamente texto ou outras formas de comunicação como áudio e vídeo, em variáveis numéricas de acordo com unidades de códigos que são pré-construídas pelo pesquisador. 4. Estudo de Caso 8

9 A empresa onde foi realizado o estudo de caso foi fundada no ano de 1990, por um casal gaúcho, visando atuar no segmento calçadista. Inicialmente foi criada uma marca de calçados femininos, e em parceria com designers da Europa, a empresa passou a desenvolver modelos de calçados, que despertaram o interesse de marcas de forte atuação no mercado mundial. A empresa possui atualmente uma média de vendas de 120 mil pares mensais, porém deste total, apenas 22% é produzido em sua fábrica própria. O restante da produção é distribuído entre as outras quatro fábricas terceirizadas localizadas no Brasil, três delas em cidades da região do Vale dos Sinos no Rio Grande do Sul e outra localizada no Ceará. Estas quatro fábricas correspondem a 36% do total da produção, enquanto que em média 42% dos calçados vendidos, são produzidos em uma única fábrica na China. O Setor calçadista brasileiro compõe uma quantidade considerável de empresas que necessitam de práticas de gerenciamento de estoques para conduzir suas atividades. De acordo com dados do ano de 2010 disponibilizados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) existem mais de empresas calçadistas no Brasil, que produzem aproximadamente 665 milhões de pares de calçados ao ano. A região do Vale dos Sinos é uma das regiões que mais obtém destaque no setor calçadista, pois através de pesquisa realizada no ano de 2007 pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), MDIC e Associação Brasileira das Indústrias de calçados (ABICALÇADOS), praticamente todas as 18 cidades que compõem a região, atuam no setor, estimando em torno de empresas de calçados e componentes. 4. Aplicação do Estudo de Caso Aborda- se neste tópico as informações obtidas através da análise de registros internos da empresa estudada, da análise feita através da observação participante e da entrevista em profundidade realizadas na própria empresa. A entrevista foi realizada com o gerente da área de almoxarifado e buscou-se através das questões elaboradas, a descrição dos processos de recebimento de matéria-prima, armazenagem, organização do almoxarifado e distribuição interna dos materiais. As respostas obtidas com a entrevista foram transcritas de forma parcial, sendo estas analisadas e interpretada pelos pesquisadores. Apresenta-se abaixo o Quadro 1 que contém as perguntas realizadas durante a entrevista. 9

10 Bloco 1 Gerente de Almoxarifado 1 Quem são as pessoas envolvidas nas atividades relacionadas ao estoque? Como funciona o processo de recebimento de mercadoria? É feito algum tipo de conferência no 2 ato do recebimento? Onde ficam registradas as quantidades de materiais existentes? É utilizado algum tipo de 3 planilha ou sistema operacional? Quais os critérios utilizados para a organização dos materiais dentro do almoxarifado? É 4 utilizado algum tipo de codificação? 5 Existe algum tipo de cuidado para a conservação dos materiais mantidos em estoque? Como é feita a movimentação dos materiais dentro do almoxarifado? Quem são as pessoas 6 autorizadas a entrar no almoxarifado? Qual o tempo aproximado que os materiais permanecem estocados? É feita a utilização de 7 inventário físico ou outro tipo controle para obter a precisão dos materiais em estoque? Com que frequência? 8 De que forma os materiais são liberados para o processo produtivo? Para quem é feita a entrega? Tabela 1: Bloco de Perguntas Fonte: Elaborado pelos autores 4.1 Almoxarifado O estoque de matéria-prima da empresa em estudo pode ser encontrado no almoxarifado, que está subdividido em dois setores, os quais serão chamados de setor A e setor B. O setor A está destinado a armazenagem de materiais para amostras e materiais de escritório e possui uma grande variedade de itens em pequenas quantidades, e o setor B, está destinado à armazenagem de produtos para os pedidos de produção e possui maior espaço para a estocagem dos materiais, que podem ser encontrados em grandes quantidades. Essa divisão do almoxarifado em dois setores foi realizada no ano de 2010, após a ocorrência de falta de alguns materiais, que haviam sido comprados para pedidos de produção e acabavam sendo retirados do estoque para a utilização em amostras, provocando atrasos em muitos pedidos, que não possuíam a quantidade de materiais suficientes para sua produção. A empresa emprega seis pessoas no almoxarifado mais o gerente da área, considerando os setores A e B. O quadro de pessoas com as atividades, esta composto da seguinte forma: Marcelo e Silveira (auxiliares de almoxarifado): atuam no setor A. São responsáveis pelo recebimento das amostras vindas dos fornecedores, pela organização dos itens nas prateleiras, deslocamento dos materiais dentro do almoxarifado e entrega às pessoas destinadas, auxiliando o setor de desenvolvimento na procura de materiais que possam ser utilizados nos novos modelos de calçados; Diogo e Jonas (auxiliares de almoxarifado): atuam no setor B. São responsáveis por acompanhar o processo de descarregamento das mercadorias, fazendo o recebimento e 10

11 suas devidas conferências. Fazem parte de suas atribuições, a organização dos materiais nas prateleiras, movimentação e a entrega de matéria-prima aos setores de produção; Diego (almoxarife): atua nos setores A e B, e é encarregado pelo lançamento das notas fiscais no sistema operacional. É responsável ainda, pelo controle dos produtos químicos e recebe as solicitações de materiais via sistema pelos funcionários do setor administrativo que fazem as solicitações de materiais de escritório; Daniel (coordenador de Almoxarifado): atua nos setores A e B, sendo responsável pela emissão de notas fiscais em casos de empréstimos, consignação ou apenas transporte de materiais para as fábricas terceirizadas. É ele quem emite os relatórios contábeis, relatório detalhado dos materiais que entram diariamente no almoxarifado, relatório de consumo de materiais por setor, atualiza as planilhas de controle e supervisiona as atividades dos outros funcionários do almoxarifado. Os materiais são entregues geralmente as pessoas do almoxarifado responsáveis pelo recebimento e, em alguns casos, quando se trata de um pequeno volume, é entregue na recepção. Nos casos em que ocorre a entrega na recepção, não existe nenhum tipo de conferência no ato do recebimento. A recepcionista apenas assina a nota fiscal ou o vale e avisa os responsáveis da chegada da mercadoria. Quando os materiais são entregues diretamente aos responsáveis por essa função, eles acompanham o descarregamento da mercadoria, procuram a ordem de compra correspondente à entrega e fazem a conferência, comparando informações da ordem de compra com as informações da nota fiscal, dando atenção à referência do produto, cores e quantidades. Após a conferência dos materiais e liberação do entregador, é dada a entrada da mercadoria no sistema operacional, onde é feita a inclusão do produto, com sua descrição e quantidades apresentadas na nota fiscal. Em seguida, é feita a separação das vias que serão enviadas à contabilidade, financeiro e setor de compras. É realizada uma segunda conferência por parte do comprador, que registra a entrada da nota em sua planilha de controle. O almoxarifado está localizado próximo a uma das recepções da fábrica, facilitando as entregas de amostras ou pedidos de baixo volume ou quantidade, porém encontra-se longe do portão de entrada, que é por onde devem entrar as mercadorias de maior tamanho ou volume. A entrada principal dificulta o acesso dos caminhões por ter um pequeno espaço para a movimentação de veículos, sendo necessária a permanência de apenas um caminhão por vez. 11

12 Após descarregar as mercadorias no portão principal da fábrica, é preciso carregá-las até o almoxarifado, em um trajeto de aproximadamente 30 metros em um corredor com 2 metros de largura, que serve como uma extensão do setor de expedição da empresa, onde são empilhadas uma grande quantidade de caixas prontas para o embarque, o que dificulta a passagem de grandes lotes de matéria-prima. Todos os materiais recebidos devem ser encaminhados imediatamente à armazenagem, ou à produção, caso já tenham sido solicitados, pois como são feitas diversas entregas durante um único dia, existe um cuidado para manter a organização do local, evitando que as entregas fiquem acumuladas na entrada do almoxarifado ou espalhadas pelos corredores. Em casos de mercadorias já aguardadas na produção, é possível identificá-las com facilidade, pois no momento em que surge a necessidade de determinado material em um dos setores da empresa, o encarregado pelo setor faz a solicitação a um dos funcionários do almoxarifado, que anota em uma planilha eletrônica. Sendo assim, quando a mercadoria é recebida, é feita a entrega ao solicitante. Os materiais são, de forma geral, guardados em prateleiras com uma altura mínima de cinquenta centímetros do chão e são distribuídos de acordo com a sua utilização: aqueles que possuem utilização frequente encontram-se dispostos nas prateleiras da frente e em altura de fácil acesso e, os materiais que caíram em desuso ou possuem baixa utilização, passam a ser guardados nas prateleiras mais altas e ficam normalmente mais ao fundo do almoxarifado. Os materiais de escritório ficam nas prateleiras laterais e possuem acesso facilitado. Materiais como saltos, solas e palmilhas ficam separados de acordo com suas referências e em seguida por tamanhos e, podem ser encontrados nas prateleiras mais baixas. Os metais e enfeites são guardados em pequenas caixas e separados por categorias, por exemplo: fivela, argola, passador, ilhós e rebite. Após, são separados por tamanhos e em seguida por cores ou banhos como: ouro, níquel, grafite e ouro velho. Os couros são separados por artigos como: kid suede, verniz e metalizados e, a partir daí são separados por cores. Os tecidos e sintéticos são separados da mesma forma, de acordo com cores, texturas ou estampas. Cada grupo de materiais possui sua referência ou demais informações de forma visível para facilitar a localização. Os couros, por exemplo, são todos etiquetados com o nome e cor do artigo. 12

13 Figura 6: Armazenagem de couros, tecidos e sintéticos Fonte: Empresa (2011) Como pode ser verificada na Figura 6, a forma de armazenagem de materiais como: couros, tecidos e sintéticos, são organizados nas prateleiras, cada um com sua devida identificação. Os materiais em si não são codificados, apenas as prateleiras são numeradas de acordo com a classificação dos materiais estipulada pelos funcionários do próprio almoxarifado, dando origem a um código interno de localização. O código de localização consta no cadastro de cada item existente no sistema operacional, desta forma ao consultar um item no sistema, é possível verificar com facilidade onde está localizado dentro do estoque. Este forma de localização através da codificação das prateleiras é utilizada para todos os materiais do almoxarifado com exceção dos metais e enfeites que são identificados através de catálogos numerados, onde é colocada uma peça de cada referência existente no almoxarifado com sua devida identificação. O almoxarifado possui um total de 44 catálogos com aproximadamente 10 páginas cada um e cada uma das páginas, possui de 12 a 16 modelos de peças diferentes, que são armazenados em uma mesma caixa identificada por um número. O ambiente do almoxarifado é climatizado, a fim de manter uma temperatura adequada à conservação dos materiais, pois alguns itens exigem cuidados especiais como as solas de couro que precisam ser guardadas em caixas fechadas para evitar a exposição à luz ou calor, para não sofrerem avarias na cor. Os metais são sempre enrolados em plástico-bolha, ou em alguns casos, plásticos comuns e são colocados dentro de pequenas caixas de plástico. Alguns couros, principalmente envernizados são enrolados ao contrário (lado avesso) e cobertos com plásticos para evitar o aparecimento de riscos ou manchas. 13

14 O almoxarifado dispõe de equipamentos básicos que viabilizem a retirada e armazenamento de matéria-prima. O setor A não necessita de equipamentos para transporte, pois aloca pequenos volumes e quantidades, portando possui apenas escada e ganchos de metal que permitem a retirada de materiais colocados no alto das prateleiras. Já no setor B, além das escadas e ganchos, existem dois carrinhos impulsionados manualmente, que permitem a movimentação dos produtos maiores e mais pesados, que auxiliam também no transporte da matéria-prima desde o seu descarregamento feito no portão de entrada principal da fábrica até a entrada do almoxarifado. O setor B possui ainda uma balança industrial para a pesagem de alguns materiais como: solas e pregos. A empresa procura manter a organização constante do almoxarifado, por tal motivo o acesso a esta área fica restrito aos quatro funcionários que trabalham no próprio setor. A porta do almoxarifado é mantida sempre fechada e possui uma abertura com uma espécie de balcão para a entrega dos materiais, a fim de evitar a entrada de pessoas não autorizadas. Eventualmente, pessoas do setor do desenvolvimento, necessitam entrar no almoxarifado para escolher algum material para ser utilizado nas amostras, mas são sempre acompanhadas por um dos funcionários que indicam a localização dos materiais. Durante a jornada diária de trabalho, existe a permanência de pelo menos um dos funcionários dentro do almoxarifado e durante o período da noite a porta do setor é chaveada e a chave encontra-se com coordenador do setor. No almoxarifado considerando os setores A e B consta uma quantidade aproximada de 12 mil itens, sendo que a maioria dos materiais utilizados no processo produtivo permanece estocada num período de até sete dias. Materiais de escritório e alguns materiais que são utilizados para a maioria dos pedidos como: caixas de papelão, caixas individuais e papel de seda, são comprados em grande quantidade, normalmente uma vez a cada mês, portanto esse tipo de produto pode apresentar maior tempo de permanência dentro do almoxarifado, devido ao seu alto volume de compras. Em virtude disso, é possível perceber uma grande variação no número total de itens, seja para mais ou para menos no decorrer de trinta dias. Como o foco do trabalho é o estoque de matéria-prima, pode ser verificado que em geral, a empresa trabalha com a política de puxar estoque, pois mesmo não tendo informações de demanda real nos pedidos de mercado interno, é feita uma previsão de vendas e envio de um pedido com quantidade determinada à produção. Para os setores de produção, compras e almoxarifado o processo não muda, pois recebem o pedido com uma quantidade de pares definida, da mesma forma com que são recebidos os pedidos de exportação. Sendo assim, a solicitação de matéria- 14

15 prima é feita com base nas quantidades exatas para suprir determinado pedido, de maneira que não ocorram sobras de matéria-prima. De acordo com a pesquisa realizada em registros internos, foi possível observar que a empresa possui uma classificação relacionada à importância dos materiais em estoque baseada na classificação ABC conforme divisão a seguir: Itens A São os materiais que representam maior valor dentro do almoxarifado, sendo eles: couros e ornamentos. Itens B São materiais que representam valor intermediário como: produtos químicos, navalhas e formas de produção, tecidos, sintéticos e alguns tipos de metais. Itens C Representa os materiais com baixo valor e grande quantidade como: sola, salto, taco, palmilha e metais pequenos como: ilhoses, cravos e rebites, pregos, parafusos. Essa classificação é restrita às matérias-primas das três classificações citadas, não se estendendo para outros materiais estocados como: ferramentas de trabalho, materiais de escritório e materiais de limpeza. Outra constatação é que a área de almoxarifado da empresa não possui a rotina de realizar um inventário físico anual, mas executa o inventário rotativo que Dias (1996), acredita ser uma forma de reduzir a duração unitária da operação, através da possibilidade de distribuir as contagens ao longo do ano, concentrando a cada mês menores quantidades de itens. A distribuição do inventário rotativo na empresa está baseada na classificação ABC, porém apenas são inventariados os itens A e B, que são considerados de maior importância. Os itens de classificação A seguem uma rotatividade de 4 meses de contagem e os itens B são contados normalmente duas vezes ao ano. O Sr. Daniel, coordenador do almoxarifado, menciona que: o inventário rotativo é a saída para que exista algum tipo de conferência do estoque, sem que ocupe muito tempo seguido e não comprometa todos os funcionários que trabalham no setor de uma só vez [...]. Existem duas pessoas (Marcelo e Silveira) que fazem a contagem física dos itens do setor A e outras duas pessoas (Diogo e Jonas) destinadas a fazerem a contagem no setor B. Uma quinta pessoa (Diego) é responsável por alimentar o sistema com os resultados obtidos pela contagem nos dois setores, fazendo as comparações entre o estoque físico e o estoque contábil. O coordenador Daniel é responsável por efetuar a conferência e análise dos relatórios obtidos através do registro dos inventários. 15

16 Os itens são contados apenas uma vez a cada inventário, não havendo nenhum tipo de conferência, exceto quando há uma grande divergência entre o resultado obtido com a contagem do estoque e o resultado registrado no sistema operacional. Neste caso a mesma pessoa que fez a contagem, efetua uma conferência para certificar-se dos valores. A distribuição interna dos materiais pode ser feita de diferentes formas, dependendo do tipo de produto e do setor a ser entregue o material. A distribuição é realizada conforme a divisão abaixo: Materiais de escritório: São solicitados via sistema pelos funcionários do setor administrativo e após a solicitação são retirados no almoxarifado pela pessoa que solicitou. Couros, sintéticos e tecidos: São retirados diretamente no almoxarifado, pelo chefe do setor de corte, mediante apresentação de ficha técnica do modelo, onde consta o consumo em metros para a quantidade solicitada. Solas, saltos e palmilhas: São retirados pela pessoa responsável pelo setor de préfabricado, mediante apresentação do talão de produção onde constam as cores e quantidades. Metais e enfeites: São retirados pela responsável do setor de costura, de posse do talão de produção para conferência das quantidades e banhos dos metais. Materiais diversos (pregos, parafusos, lixas, solventes e demais produtos químicos): São retirados de acordo com as necessidades dos setores. Normalmente quem retira são os chefes de setor. O almoxarifado possui uma planilha para controlar as entregas deste tipo de material. Ferramentas de trabalho (tesoura, martelo...): São retirados diretamente pelo operador ou funcionário que necessita de determinado material, que deve assinar uma lista de recebimento, onde consta seu nome, a data de entrega e a descrição do material retirado. Caso este material não esteja disponível no estoque, é feita a solicitação e após o recebimento é feita a entrega ao funcionário que fez a solicitação. Exceto o item a que possui registro de solicitação no sistema operacional, e o item f que possui um controle mais rigoroso de entrega, todos os outros materiais exigem o 16

17 preenchimento de uma solicitação simples de requisição de material no momento da retirada, onde constam as informações necessárias que posteriormente serão lançadas no sistema de controle. Todas as mercadorias entregues às pessoas destinadas nos setores de produção são contadas ou conferidas apenas pelo funcionário do almoxarifado que faz a entrega. 5. Considerações Finais Através do estudo de caso realizado verificou-se a forma como uma empresa que atua no segmento calçadista realiza a sua gestão de estoque de matéria-prima, pois este mesmo segmento têm se modificado ao longo dos últimos anos em face das importações de mercados globais. A fim de obter um adequado resultado com relação aos objetivos propostos, foi utilizada uma abordagem qualitativa na coleta de dados, através de entrevista em profundidade, além da coleta de dados através de registros internos da própria empresa e da observação participante. A junção destas informações permitiu a obtenção de uma descrição do processo de gestão de estoques, possibilitando a contribuição acadêmica através da discussão e demonstração das práticas voltadas à gestão de estoques utilizada pela empresa. A empresa pesquisada realiza a gestão de estoques de matérias-primas, porém em face da quantidade de itens estocados atualmente, sugere-se também a utilização de diferentes ferramentas para controle de seus estoques como o sistema de WMS (Warehouse Management System), Código de Barras dentre outras tecnologias disponíveis no mercado. Entende-se que o controle efetivo físico associado a disponibilidade das informações relativas ao estoque, proporcionam uma maior eficiência e nível de serviço junto aos clientes. Referências ARNOLD, J. R. T. Administração de materiais. São Paulo: Atlas, BALLOU, R. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. Porto Alegre: Bookman, BERTAGLIA, P. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento. São Paulo: Saraiva, BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. Couro, Calçados e Artefatos. Brasília, Disponível em: Acesso em: 02 jul CHING, H. Gestão de estoques na cadeia de logística integrada- Supply Chain. São Paulo: Atlas, COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em Administração: Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Porto Alegre: Bookmann,

18 DIAS, M. Administração de Materiais: Uma abordagem logística. São Paulo: Atlas, GURGEL, F. Logística Industrial. São Paulo: Atlas, GIL, A. Como elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, MOURA, C. Gestão de Estoques: Ação e Monitoramento na Cadeia de Logística Integrada. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, TAYLOR, D. Logística na Cadeia de Suprimentos: uma perspectiva gerencial. Tradução. São Paulo: Pearson, WANKE, P. Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimento: Decisões e Modelos Quantitativos. São Paulo: Atlas,

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

Administração de Materiais e Logística II.

Administração de Materiais e Logística II. A Administração de Material corresponde, no seu todo ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas de aquisição, guarda, controle de aplicação dos materiais destinados

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística de recebimento, armazenagem e expedição do fornecedor DANA SCB e DANA NAKATA

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL 1 O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL CARLOS RUVENS COELHO PONTE 1 CARLOS WAGNER CAVALCANTE GOMES 2 RODRIGO VIANA 3 ALINE PINTO DE MACÊDO DA SILVA 4 Resumo: Todas as empresas vêm

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria.

MARCA PRÓPRIA. Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. MARCA PRÓPRIA Algumas empresas possuem sua própria marca, mas não produzem, apenas desenvolvem a mercadoria. Normalmente estas empresas iniciaram suas atividades com uma marca que se consolidou no mercado.

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão, para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística da Pilkington (OE-Operação Marcopolo) e Pilkington AGR de recebimento, armazenagem

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção

Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Estudo de caso no estoque de uma loja de materiais para construção Camila Cristina Prati Passarini (Unioeste) camila10prati@hotmail.com Rayssa Proença Loiola (Unioeste) rayssaproenca@gmail.com Riquianderson

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES E AJUSTES DE INVENTÁRIO

CONTROLE DE ESTOQUES E AJUSTES DE INVENTÁRIO Pág.: 1/5 1. OBJETIVO Controlar o estoque através da contagem física comparando com os saldos existentes no sistema Megatron, de forma a ter um modelo de gestão de armazenagem de material eficiente e compatível

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS

GESTÃO DE ESTOQUE. Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS GESTÃO DE ESTOQUE Fabiana Carvalho de Oliveira Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Higino José Pereira Neto Graduando em Administração Faculdades Integradas de Três

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro. A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para crescerh@crescerh.com.br e/ou realizar cadastro no site Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes.

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes. DOMPER CONSULTORIA E SISTEMAS LTDA Rua Dr. Flores, 273 Sala 30-1 andar Ed. Frozzi CEP: 95.200-000 - Vacaria RS Fone (54) 3232-6119 / (54) 3232-8484 / (54) 3232-1471 CNPJ: 08.020.035/0001-02 IE: 154/0101158

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística dos de recebimento, armazenagem e expedição. 2. REGRAS/CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Título: Controle de Estoque (componente de especificação)

Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Palavras-chave: estoque, inventário, controle Autoria e data: Marcelo Pessôa 02 de junho de 2014 Versão: 1.0 Tecnologia: Independe de tecnologia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Paulino Botelho (Extensão Esterina Placco) Ensino Técnico Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5

GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 GESTÃO DE ESTOQUES Volume 5 INVENTÁRIO 1 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Antonio Augusto Junho Anastasia Governador do Estado de Minas Gerais Renata Maria Paes de Vilhena Secretária de Estado de Planejamento

Leia mais

TREINAMENTO DTT EXERCÍCIO 2 IDENTIFICANDO RISCOS

TREINAMENTO DTT EXERCÍCIO 2 IDENTIFICANDO RISCOS TREINAMENTO DTT EXERCÍCIO 2 IDENTIFICANDO RISCOS Objetivo Identificar os riscos nos processos descritos No processo de revisão do processo de Compras, necessitamos identificar os principais riscos inerentes

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.04 Inventário Manual...2 Relatório de contagem...2 Contagem...3 Digitação...3 Inventário Programado...6 Gerando o lote...7 Inserindo produtos manualmente no lote...8 Consultando

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

MÓDULO 5 Movimentações

MÓDULO 5 Movimentações MÓDULO 5 Movimentações Bem-vindo(a) ao quinto módulo do curso. Agora que você já conhece as entradas no HÓRUS, aprenderá como são feitas as movimentações. As movimentações do HÓRUS são: Requisição ao Almoxarifado:

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais