A INFLUÊNCIA DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA VAREJISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA VAREJISTA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TALITA DOS SANTOS MARQUES A INFLUÊNCIA DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA VAREJISTA CRICIÚMA, NOVEMBRO DE 2010

2 1 TALITA DOS SANTOS MARQUES A INFLUÊNCIA DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA VAREJISTA Monografia apresentada ao curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Contabilidade. Orientador: Professor Leopoldo Pedro Guimarães Filho, M. Eng. CRICIÚMA, NOVEMBRO 2010

3 2 TALITA DOS SANTOS MARQUES A INFLUÊNCIA DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NO FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA VAREJISTA Monografia aprovada pela Banca Examinadora para obtenção do Grau de Bacharel em Contabilidade, no Curso de Ciências Contábeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC. Criciúma,10/12/2010 Banca Examinadora Professor Leopoldo Pedro Guimarães Filho, Msc. Eng. Orientador Professor Fernando Marcos Garcia, Esp. Professor Clayton de Oliveira Ritta, Msc

4 3 AGRADECIMENTO Agradeço a Deus por dar esta oportunidade, e por tudo que me proporcionou para esta caminhada de momentos bons e ruins, e que nunca me abandonou. A meus pais Gervasio e Tânia, por todo apoio e incentivo, aos meus irmãos Taline e Junior, e ao meu marido Cleber, que nunca me abandonaram nos momentos difíceis. A todos que contribuíram para a conclusão desse trabalho.

5 4. DEDICATÓRIA Dedico para todos aqueles que me ajudaram para conclusão deste trabalho.

6 5 RESUMO MARQUES, Talita dos Santos. A influência do gerenciamento de estoque no fluxo de caixa de uma empresa varejista. Monografia do Curso de Ciências Contabeis da Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC Criciúma SC. A presente monografia é o resultado de um estudo do gerenciamento de estoque de uma empresa varejista da cidade de Criciúma. Tem-se por objetivo conhecer os processos de gerenciamento de estoque a partir do fluxo de caixa de uma empresa varejista. Para fundamentar os objetivos deste estudo, realizou-se uma pesquisa bibliográfica fundamentada teoricamente nos conceitos de administração de estoques, estoques, administração de varejo, curva ABC, fluxo de caixa, método direto e indireto. O controle do estoque dos insumos é considerado como ponto relevante pelas organizações, assim como o fluxo de caixa, quando tem-se um fluxo de caixa positivo podemos investir nos estoque, nos produtos que vendem em mais quantidades durante um certo período de tempo. A metodologia utilizada foi uma pesquisa quantitativa e qualitativa, através de um estudo feito na própria empresa, onde se percebeu possibilidades de melhorias. Palavras-chave: Administração de estoques Estoque Fluxo de caixa

7 6 LISTA DE TABELAS Quadro 1: Objetivos conflitantes...17 Quadro 2: Conflitos interdepartamentais, quanto a estoques...20 Quadro 3: Importância da análise ABC...30 Quadro 4: Passos para construção da curva ABC...30 Quadro 5: Principais Recursos que fluem na Empresa...35 Quadro 6: Modelo de Fluxo de Caixa...36 Quadro 7: Fluxo de Caixa Método Direto...42 Quadro 8: Fluxo de Caixa Método Indireto...44 Quadro 9: Modelos de Ar-Condicionado...47 Quadro 10 : Peças lavadoras...48 Quadro 11 : Peças refrigerador...49 Quadro 12 : Itens de estoque...50 Quadro 13 : Peças secadoras...51 Quadro 14 : Peças lava-louças...52 Quadro 15 : Peças ar-condicionado...53 Quadro 16 : Importância no faturamento...53 Quadro 17 : Vendas de produtos...54 Quadro 18 : Vendas de peças...55 Quadro 19 : Faturamento...56 Quadro 20 : Cálculo de investimento de produtos...57 Quadro 21 : Investimento em produtos...57 Quadro 22 : Sugestão de investimentos para peças...58

8 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Fluxo de Materiais...15 Figura 2: Canal de Distribuição...18 Figura 3: Representação gráfica da Curva ABC...31 Figura 4: Diferenciação do comportamento das curvas...32

9 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS DA PESQUISA JUSTIFICATIVA METODOLOGIA FUNDAMENTAÇÃO TEORICA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ADMINISTRAÇÃO DE VAREJO ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES ESTOQUES GESTÃO DE ESTOQUES PLANEJAMENTO DE ESTOQUES CONTROLE DE ESTOQUES COMPRAS INVENTÁRIO FÍSICO APURAÇÃO DO CUSTO Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair (Peps ou Fifo) Último a Entrar, Primeiro a Sair (Ueps ou Lifo) Média Ponderada Móvel Custo Específico ou Custo Ponderado CURVA ABC FLUXO DE CAIXA FINANCEIRO OBJETIVOS DO FLUXO DE CAIXA PLANEJAMENTO, ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA Contas a Receber Contas a Pagar CAPITAL DE GIRO DEMONSTRATIVO CONTABIL DOS FLUXOS DE CAIXA - MÉTODO DIRETO...41

10 DEMONSTRATIVO CONTABIL DOS FLUXOS DE CAIXA - MÉTODO INDIRETO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS EMPRESA PRODUTOS PEÇAS DE REPOSIÇÃO DE PRODUTOS Lavadoras de roupas Refrigerador Fogão Secadoras de roupas Lava-Louças Ar-Condicionado VENDAS Vendas de produtos Vendas de peças Receitas da empresa Cálculo de investimento para ar-condicionado e peças Sugestão de investimento para produtos Sugestão de investimento para peças...58 CONCLUSÃO...60 REFERENCIAS...62

11 10 1 INTRODUÇÃO 1.1 TEMA PROBLEMA A administração de estoques reflete diretamente nos resultados obtidos pela empresa ao longo do seu exercício financeiro anual, o que, por isso mesmo, tende a ter sua ação concentrada na aplicação de instrumento gerenciais fundamentados em técnicas que permitam a verificação sistemática dos processos utilizados para alcançar as metas esperadas. A gestão de estoque é, essencialmente, a administração de recursos com valor econômico para empresa, e destinado ao suprimento das necessidades futuras de material e produtos em suas organizações. Com o fluxo de caixa corretamente calculado a organização pode verificar o quanto ainda pode utilizar para investir no seu estoque, sem ter problemas com fluxo de caixa negativo. Com o decorrer do tempo as empresas devem estar atentas às mudanças, que cada vez são mais flexíveis, por isso, o presente estudo vem analisar se a empresa está atingindo suas expectativas em relação ao seu estoque em função do seu fluxo de caixa. O estoque pode ser considerado um diferencial competitivo das empresas. O fluxo de caixa pode auxiliar a organização a gerir os estoques, é imprescindível para aumentar os ganhos obtidos por uma corporação, ou simplesmente, a manter funcionando. O nível inadequado de investimentos em estoque pode ocasionar falta de mercadorias e fluxos de caixa negativos, dependendo do caso os prejuízos são difíceis de calcular. Por outro lado o volume de estoque elevado pode gerar dificuldades de caixa para a organização. Assim com o mercado atualmente competitivo, a empresa deve buscar novas fontes para se destacar entre os demais. Para que os administradores das empresas possam tomar decisões é importante saber tudo sobre seus resultados, para tanto se faz o seguinte questionamento: Qual a influência do gerenciamento de estoque no fluxo de caixa de uma empresa varejista?

12 OBJETIVOS DA PESQUISA O objetivo geral deste trabalho consiste em conhecer os processos de gerenciamento de estoque a partir do fluxo de caixa de uma empresa varejista. Constituem-se objetivos específicos da pesquisa os seguintes: Verificar os produtos e peças mais vendidos; Conhecer os produtos que os clientes mais compram na empresa; Aplicar a metodologia da curva ABC para análise do estoque. 1.3 JUSTIFICATIVA Na era da globalização empresarial, as rápidas mudanças vêm afetando de forma direta ou indireta as companhias, assim as empresas tem que se conscientizar e montarem planos de gestão de compras e estoques em suas entidades. Neste contexto, as organizações junto com os seus colaboradores, que estiverem mais preparadas podem antecipar-se e adaptar-se às mudanças ou novas tendências, serão certamente companhias de ponta neste novo cenário. O resultado dos investimentos efetuados pelo setor de compras reflete em vários setores da entidade, assim a cada compra bem feita tanto os clientes ficaram satisfeitos com preço e comprarão mais produtos que também estarão no estoque disponível em quantidade certa como também o setor financeiro, pois renderá mais lucros para organização. O fluxo de caixa é um método na qual o administrador verifica a posição financeira da empresa. Apresenta com clareza o que a organização precisa captar de recursos financeiros para cumprir com as obrigações da empresa. Certificar os riscos mínimos e lucratividade máxima é o objetivo de qualquer gestor financeiro dentro de uma empresa, ou seja, maximizar lucros e minimizar riscos. Os objetivos de um bom planejamento de estoque esta envolvido com o custo e o fluxo de caixa da empresa. Com o planejamento a organização pode obter um estoque médio, para que não se desperdice materiais em estoque e ainda se tenha no final do exercício um retorno do capital.

13 12 A compra de materiais, suprimentos e componentes representa um fator decisivo na atividade de uma empresa, pois dependendo de como é conduzida a compra pode gerar redução nos custos e aumento dos clientes satisfeitos por comprarem produtos com qualidade. Com as mudanças ocorridas nas organizações, a função compras não é mais vista como uma atividade rotineira e sim como parte do processo de logística das companhias. Isso porque mais do que simplesmente adquirir produtos, o setor de compras atualmente se interessa em satisfazer as necessidades dos clientes, para que estes fiquem satisfeitos com os produtos e a cada vez mais sejam fieis as entidades. Conforme Baily (2000, p. 31); [...] os objetivos de compras é: comprar a quantidade de material correta, no tempo certo, no volume exato, da fonte certa, ao preço adequado. A contribuição teórica deste trabalho oferece sugestões de como o fluxo de caixa pode ajudar o setor de estoque, com ênfase nas ferramentas de gestão de estoque e compras podem contribuir na segurança para uma gestão eficiente e com qualidade. A relevância prática ocorre no momento em que se elaboram procedimentos para o gerenciamento dos riscos, como materiais em estoques sem vendas visando assim o controle efetivo e permanente no Setor de compras, o que dará segurança aos gestores e aos administradores das organizações. A relevância social deste estudo encontra-se na importância das informações contidas no mesmo para contribuição intelectual de todos os leitores e para a melhora do gerenciamento de riscos, que acarretaram benefícios diretos aos sócios das companhias e da sociedade em geral ma qual se encontra inserida. No entanto, as entidades devem preparar seus funcionários para que façam boa parceria com vários fornecedores. As parcerias são importantes para que a empresa consiga bons preços, produtos, prazos com isso a empresa pode repassar essas vantagens aos clientes. O estudo em análise visa o relacionamento entre o setor de compras com a gestão da organização em seus diversos níveis, para utilizar melhor no desempenho das atividades, estoques e aquisição de produtos assim tornando um ambiente mais saudável e lucrativo para a organização.

14 METODOLOGIA O presente trabalho apresenta pesquisa bibliográfica, o que dá embasamento e suporte científico ao estudo. Realizou-se uma pesquisa descritiva com abordagem quantitativa e qualitativa, na coleta de dados que serão pesquisados na própria empresa em estudo. Conforme Silva (2003, p. 60); A pesquisa bibliográfica é um tipo de pesquisa realizada pela maioria dos pesquisadores mesmo em seu preâmbulo. Essa pesquisa explica e discute um tema ou problema com base em referências teóricas já publicadas em livros, revistas, periódicos, artigos científicos etc. podem ocorrer pesquisas exclusivamente com base em fontes bibliográficas. As principais fontes bibliográficas deste trabalho foram pesquisas em livros e materiais científicos, dicionários, consultas pessoais a estudiosos e especialistas. Para Beuren (2006, p. 87), a pesquisa bibliográfica abrange todo referencial já tornado publico em relação ao tema de estudo. O projeto apresenta uma pesquisa quantitativa, pois apresenta alguns dados em percentuais, pois a partir de uma amostragem de peças e produtos é possível quantificar as preferências dos clientes. Segundo Roesch (1999, p. 130); [...] a pesquisa quantitativa tem o propósito de obter informações sobre determinada população: por exemplo, contar quantos, ou em que proporção seus membros tem certa opinião ou características, ou com que freqüência certos eventos estão associados entre si, a opção é utilizar um estudo de caráter descritivo. Escolheu se por esta pesquisa dada intenção de exatidão na leitura dos resultados obtidos e também no momento de coletá-los. De acordo com Richardson:(1999, p. 70) O método quantitativo, como o próprio nome indica, caracteriza-se pelo emprego da quantificação tanto nas modalidades de coleta de informação, quanto no tratamento delas por meio de técnicas estatísticas, desde as mais simples, como percentual, média desvio-padrão, às mais complexas, como coeficiente de correlação, análise de regressão, etc

15 14 Na pesquisa foram expostos os dados coletados na organização que segundo Roesch (1999, p. 154); [...] é uma pesquisa apropriada para a avaliação formativa, quando se trata de melhorar a efetividade de um programa, ou plano, ou mesmo quando é o caso da proposição de planos. Silva (2003, p. 63); afirma que o estudo de caso é um estudo que analisa um ou poucos fatos com profundidade. O trabalho é um estudo de caso, pois estuda com precisão os itens envolvidos na pesquisa. Para Silva (2003, p. 65); pesquisa descritiva tem como objetivo principal a descrição das características de determinadas população ou fenômeno, estabelecendo relações entre as variáveis. O presente estudo apresenta uma coleta de dados com a observação sistemática na própria organização

16 15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEORICA 2.1 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A atividade de produção é responsável por agregar valor aos produtos por meio da transformação. Os materiais que entram no estoque são chamados de matéria-prima e os que saem de produtos acabados. Conforme Arnold (1999), a organização deverá elaborar sistemas que possibilitem o maior rendimento dos recursos utilizados, recursos estes que podem ser produtos, de capital e de força de trabalho. Segundo Arnold (1999), os itens seguem um fluxo contínuo dentro das organizações. Um dos modos mais eficazes de fazer a gestão de mercadorias e é por meio do planejamento e controle desse fluxo, fazendo o acompanhamento dos materiais que entram, percorrem e saem da organização. Conforme Figura 1: Clientes Transporte Sinal de demanda Expedição Identificar fornecedor Fluxo de Materiais Armazenagem do produto acabado Comprar Materiais Movimentação interna Transportar Recebimento e armazenagem Figura 1: Fluxo de Materiais Fonte: Martins (2002, p.5).

17 16 Martins e Alt (2002) entendem que esse processo inicia na identificação do fornecedor, e vai seguindo as etapas até chegar ao fim do ciclo, quando reinicia. De acordo com Franscischini e Gurgel (2002), a gestão de materiais está sujeita à desperdícios dos recursos financeiros, que são parcos, quando não souber o momento correto de usá-los. A gestão de materiais deve ser eficiente para que, não coloque a empresa em dificuldades financeiras e nem prive a organização de oportunidades por falta desses recursos. Conforme Costa (2002), a gestão de materiais, contribui para a diminuição de furtos e perdas, desperdícios, compras desnecessárias e a redução do imobilizado em estoque. Serve também como fonte de informação para previsões de demanda. A manutenção da competitividade depende diretamente de como os materiais são geridos, os quais devem possuir níveis compatíveis com suas demandas. (COSTA, 2002, p.17). Saber a quantidade de consumo esperada de determinado produto por um determinado período de tempo é um dos pressupostos básicos para a administração de materiais. Segundo Viana (2002), os estoques podem corresponder por parcelas representativas do ativo total da empresa. As organizações não podem ser displicentes com seus estoques, em alguns seguimentos existe a necessidade de um controle rígido e em outros não, conforme a característica de cada situação. No entanto se faz necessário que os níveis de estoque não comprometam a competitividade da empresa. Em face disso, Costa (2002, p.17), conceitua a administração de materiais como: [...] um conjunto de ações que visam dar continuidade aos suprimentos necessários à manutenção das atividades da empresa. A administração de materiais é primordial para que a empresa não seja afetada por rupturas de estoque e nem seja onerada por manter estoque demasiadamente elevado. Para Franscischini e Gurgel (2002) um dos fatores que contribuem positiva ou negativamente para a manutenção da saúde econômica da empresa é a forma como os materiais são geridos. Os mesmos autores afirmam que à área de administração de materiais contribui para o resultado global obtido por qualquer empresa. Tamanha importância tem a área de materiais que ela é tratada por autores como a conciliadora entre as áreas da empresa. Francischini e Gurgel

18 17 (2002) tratam a área de materiais como aquela que procura o equilíbrio entre os interesses das outras áreas, para que se atinja o melhor desempenho na organização como um todo, e não somente em uma área específica. O Quadro 1 demonstra esses conflitos de interesses existentes entre as principais áreas das organizações: FUNÇÃO Marketing Produção Finanças OBJETIVO Receitas Altas Disponibilidade de produtos alta Custos de produção baixos Nível de produção alto Lotes de produção longos Investimentos e custos baixos Menos custos fixos Estoques baixos IMPLICAÇÃO Alta Serviços ao cliente Baixa Muitas Rupturas na Poucas produção Altos Estoques Baixos Quadro 1: Objetivos conflitantes Fonte: Arnold (1999, p.26) Arnold (1999) faz um apanhado dos conflitos de interesses entre cada área da empresa, pois cada departamento tem interesses que analisados individualmente são os melhores para a organização, todavia de nada adianta o marketing conseguir aumentar o nível de serviço ao cliente, se para tal tenha que manter um nível de estoque que atinja um custo inviável. Da mesma forma, o setor de produção deseja ter um grande estoque de matéria-prima para não correr o risco de parar a produção por falta de material. Esse setor busca sempre lotes maiores de produção em uma tentativa de aumentar sua produtividade total, todavia, tais ações podem acarretar, também, em um alto custo de armazenamento destes estoques. Por fim, o financeiro, que precisa ter alto nível de serviço ao cliente e ao mesmo tempo o menor custo possível para se conseguir isto.

19 ADMINISTRAÇÃO DE VAREJO De acordo com Levy e Weitz (2000), o varejo é um dos maiores setores da economia mundial. O varejo está situado como último ponto de ligação entre o fabricante e o consumidor. Conforme a ilustração da Figura 2. Manufatura (Fabricante) Atacadista Varejista Consumidor Figura 2: Canal de Distribuição Fonte: Adaptado de Levy e Weitz (2000) O setor manufatureiro fabrica os produtos e os vende aos atacadistas e varejistas, estes por sua vez, revenderão os produtos. Os Atacadistas atendem os varejistas que não tem acesso à compra direto com o fabricante. As lojas de varejo vendem estas mercadorias a consumidores finais. Parente (2000) considera como varejo toda atividade que tenha por finalidade a venda de produtos ou serviços ao consumidor final, quando essa atividade é a principal fonte de receita de uma organização, considera-se essa uma empresa varejista. Existem vários tipos de atividades de varejo, elas podem ser exercidas em lojas, por telefone, correio, internet ou até mesmo porta a porta. As indústrias oferecem um tipo especifico de produto. Cabe ao varejo ter a disposição do consumidor vários tipos de produtos no mesmo local. Levy e Weitz (2000, p. 27) afirmam que todo varejista oferece uma variedade de produtos, mas se especializam na variedade que oferecem. A escolha de um segmento de mercado para atuar é parte integrante da administração de varejo. Segundo Levy e Weitz (2000), o varejo tem quatro funções básicas, que são: Fornecer uma variedade de produtos e serviços, dividir lotes em pequenas quantidades, manter estoques e fornecer serviços. De acordo com Parente (2000), os estoques são indispensáveis para esse tipo de organização. O varejista compras as mercadorias dos fabricantes ou

20 19 atacadista, as recebe e estoca para oferecer ao consumidor. Deve funcionar de tal modo que, os consumidores comprem o que necessitem e voltem a comprar assim que tiverem precisando do produto novamente. Para Levy e Weitz (2002), o comércio do varejo deve comprar em lotes maiores das indústrias para redução de custos de transporte e vender os produtos em quantidades menores, mais condizentes com a necessidade do consumidor. De acordo com Levi e Weitz (2002) o varejo também dispõem de serviços aos consumidores, como pagamentos parcelados, entrega do produto, visualização da mercadoria na hora da compra, pessoal treinando para dar informações sobre os itens aos consumidores. O varejo é definido por Levi e Weitz (2000, p. 27) como um conjunto de atividades de negócios que adiciona valor a produtos e serviços vendidos a consumidores para seu uso pessoal e familiar. A loja de varejo não é somente um lugar onde se entrega produtos ao consumidor final. 2.3 ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES O estudo da administração de estoques é de fundamental importância para a sobrevivência das empresas, Martins e Alt (2002) descrevem que o estoque pode ser um ponto de vantagem competitiva de uma empresa em relação à outra e sua administração eficiente deverá ser bastante lucrativa. O estoque, conforme Costa (2002, p. 17), é todo material que passa por um processo de armazenamento para ser utilizado posteriormente. Costa diz que o estoque é todo sortimento de materiais que a empresa possui e utiliza no processo de sua produção e/ou prestação de serviços. Funciona como se fosse um amortecedor para atender a necessidade imediata da empresa, até o próximo resuprimento. Sobre estoque, Slack, (et al, 2006), relata que se não fosse o desequilibro entre os tempos e taxas da demanda e do fornecimento, não seria necessário manter estoques, como não se pode prever com precisão exata a demanda de um item, faz-se estoques para que não haja prejuízo as atividades da organização por falta de material.

21 20 Viana (2002, p. 144) refere-se a estoques como recursos ociosos que possuem valor econômico. Entretanto alerta para a adequação dos níveis de estoque a realidade econômica de cada corporação, pois os estoques representam um valor financeiro investido e estacionado dentro da empresa. Para tal, é necessário manter níveis de estoque que não onere a companhia. Para Francischini e Gurgel (2002) um dos objetivos da administração de estoques é aperfeiçoar os investimentos de capital em estoques, na busca pela forma mais adequada, não comprometendo as atividades da organização, de minimizá-los atingindo maior saúde financeira. De acordo com Dias (1993), a administração de estoques é responsável pela minimização dos recursos utilizados em estoque, pois o mesmo é caro e seu custo sobe continuadamente, em razão do custo financeiro ascendente. A área de administração de materiais deve manter o mínimo de estoque possível para cada situação, tomando a precaução de não deixar uma quantidade abaixo da necessária para manter as atividades da companhia. A principal característica do estoque é funcionar como amortecedor entre as etapas de produção e comercialização, e é de responsabilidade do setor de administração de estoques, encontrar o mínimo necessário para o funcionamento regular da organização. Como parte integrante da administração de materiais, a administração de estoques também sofre pressões e entra em conflito com outras áreas da corporação, como mostra o Quadro 2. DEPTO. COMPRAS DEPTO. FINANCEIRO Matéria-prima (Alto-estoque) Material em processo (Alto-estoque) Produto acabado (Alto-estoque) Desconto sobre as quantidades a serem compradas DEPTO. DE PRODUÇÃO Nenhum risco de falta de material. Grandes lotes de fabricação. DEPTO. DE VENDAS Entregas rápidas. Boa imagem, melhores vendas. Capital investido Perda financeira DEPTO. FINANCEIRO Maior risco de perdas e obsolescência. Aumento do custo de Armazenagem. DEPTO. FINANCEIRO Capital investido. Maior custo de armazenagem. Quadro 2: Conflitos interdepartamentais, quanto a estoques. Fonte: Dias (2006, p.24)

22 21 Conforme Dias (2006), a Administração de estoques deverá, ser a conciliadora entre os objetivos departamentais, que naturalmente buscam maior eficiência isoladamente e os objetivos da organização que prezam pelo eficiente funcionamento do conjunto. De nada adianta os setores alcançarem grandes resultados isoladamente. Esse resultado isolado, na maioria das vezes, é alcançado sacrificando e penalizando outros setores. Fato que em pode até atrapalhar o funcionamento da organização como um todo. 2.4 ESTOQUES Os estoques representam boa parte do ativo de uma organização comercial ou industrial. Devido seus custos, o estoque afeta diretamente no caixa. Portanto deve ser controlado, e saber ao certo quando e quanto comprar, de acordo com as necessidades da empresa. Conforme afirma Silva (2006, p. 33): Os investimentos em estoques são a base para a geração de lucros, eles podem trazer um retorno sobre o valor investido muito maior que qualquer outro ativo. No entanto, é importante ressaltar que eles devem dimensionar os investimentos em estoques de maneira a compatibilizar a capacidade de caixa com objetivos de vendas, já que estoques em excesso absorvem recursos que poderiam ter outro destino, reduzem a capacidade de lucro da empresa, alem de gerar custos financeiros, custos de carregamento físico etc. Na visão de Dias (2006, p. 19), [...] a função da administração de estoques é maximizar o efeito lubrificante no feedback de vendas e o ajuste do planejamento da produção. Assim o estoque deve ser controlado, levando em consideração os impactos financeiros que podem causar, como por exemplo, a queda do preço, custo de armazenagem, prazo de validade, queda de demanda, entre outros. Por isso não é recomendado ter estoques excessivo, somente o necessário para atender a necessidade da demanda. Para Silva (2006, p. 34): As projeções de vendas devem ser as mais realistas possíveis para uma definição adequada do nível de estoque. Essas projeções devem

23 22 considerar as flutuações previsíveis do negócio, sazonais e outras, e eventual crescimento ou diminuição das vendas para certos itens. As vendas podem flutuar, acontecer atrasos na entrega dos pedidos de reposição, entre outros motivos, então é recomendado considerar adicionalmente determinado nível de estoque de segurança. No entanto, o custo de se ter um estoque de segurança não pode exceder a previsão de vendas, tampouco a capacidade de caixa da empresa. Isso na verdade, é uma política imposta pela realidade financeira da empresa, e tem que ser analisada criteriosa e periodicamente. O estoque deve ser gerenciado com atenção a fim de impedir a falta de produtos, para não danificar o seguimento das operações da empresa, ou até mesmo a perda das vendas por não ter o produto disponível ao cliente, porem não pode ser excessivamente alto para não afetar o equilíbrio financeiro da empresa. 2.5 GESTÃO DE ESTOQUES A gestão de estoques é um fator de suma importância para as organizações, assim com uma boa gestão de estoque faz com que a empresa possa se tornar mais competitiva no mercado em que atua. Para Martins e Alt (2002, p. 155): A gestão de estoques constitui uma série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se utilizam, bem manuseados e bem controlados. A organização das ações de estoque é proporcionada por uma ótima gestão de estoque, assim disponibilizando as informações de forma racional e prática e, com isso, abolindo os re-trabalhos. Com a automatização de tarefas, os recursos podem ser redirecionados e melhor aproveitados. Conforme Viana (2002, p. 42): é a atividade gestão visa ao gerenciamento dos estoques por meio de técnicas que permitem manter o equilíbrio com o consumo, definindo parâmetros e níveis de ressuprimento e acompanhando sua evolução. O Dias aponta que (2006, p. 293) [...] deve-se fazer uma análise do que precisa ser feito e tomada de iniciativa para a devida correção, a fim de realizar os objetivos ou alcançar o padrão.

24 PLANEJAMENTO DE ESTOQUES O planejamento de estoque pode ser considerado como uma ferramenta principal para o domínio do custo das empresas. Sua função é imprescindível para que se possa gerenciar melhor esses valores. Segundo Iudicíbus (2000, p. 99), realizar o planejamento dos estoques é importante na sustentação dos níveis dos mesmos. Um estoque mau planejado pode gerar conflitos internos no sistema de materiais e até mesmo na administração geral da empresa, pois enquanto o setor de vendas deseja um estoque elevado para atender aos clientes, por exemplo, o setor financeiros quer estoques reduzidos para diminuir o capital investido. (IUDICÍBUS, 2000, p. 99). Por isso, uma das dificuldades de um estoque planejado indevidamente é que ele pode provocar conflitos entre alguns departamentos, pois, o mesmo deve estar preparado para atender as necessidades da empresa. A correta manutenção dos estoques bem como o tempo de permanência no local indicado entre outros fatores são pontos importantes que devem ser observados pelas empresas para evitar um aumento nos gastos com estocagem. 2.7 CONTROLE DE ESTOQUES Tão importante quanto o planejamento é controle de estoques, pois, é em função deste que os valores são dimensionados e são efetuados reparos necessários. Além disso, o controle desempenha considerável influência no rendimento das empresas, onde pequenos desacertos podem originar prejuízos. Conforme Martins (2003, p. 67), é necessário para que haja sempre um nível de material suficiente para o alcance do objetivo operacional da empresa O autor destaca ainda, que é ele quem vai permitir verificar se o planejamento vem sendo seguido e que tipo de ajuste precisa ser feito. Cada empresa, segundo Vertes (1991, p. 77) dependendo de sua atividade e dos recursos que dispõe, estabelece uma rotina visando o controle de seus estoques, geralmente definido como:

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Rodrigo Arozo O processo de gestão de estoques pode ser decomposto em quatro aspectos básicos: as políticas e modelos quantitativos utilizados, as questões

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA.

2. Acerca do conteúdo das Demonstrações Contábeis, julgue os itens abaixo e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1. Considerando os conceitos de passivos e provisões, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. I. Provisões são passivos com prazo ou valor incertos.

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA TÍTULO: SISTEMA DE INVENTARIO NA AREA DE TRABALHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Alexandre Prólico Szpyra 1 alexandre.prolico@battistella.com.br Everton Luiz do Nascimento 2 everton@tha.com.br Fabiano Salles de Andrade 3

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais