CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA JBS S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA JBS S.A."

Transcrição

1 MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA JBS S.A. Orientadora: Prfª. Msc. Téssia Berber Teixeira BATATAIS 2011

2 2 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo demonstrar como é executado o controle de estoque dentro de uma empresa, portanto foi realizado um estudo bibliográfico dos temas referentes ao controle de estoque: métodos de custeio, critérios de controle de estoque, gestão de estoque. Além disso, já que a contabilidade é uma ciência aplicada, foi realizado um estudo de caso na empresa JBS SA o qual demonstra a rotina diária do controle de estoque dentro da empresa, abrangendo as áreas envolvidas no processo que interferem diretamente no custo final de seus produtos. Conclui-se que a gestão de estoque tem um desempenho fundamental para a redução de custos desnecessários, resultando em lucros e tendo um melhor controle no processo. Palavras-chave: Contabilidade, controle de estoque, custo.

3 3 INTRODUÇÃO Com o mercado cada vez mais aquecido, as empresas buscam garantir um excelente gerenciamento de estoques, visando atender seus clientes em condições favoráveis de curto prazo. Mediante essa necessidade, as empresas devem ser ágeis, inovadoras, flexíveis e eficientes nos seus processos de manufatura. O gerenciamento de estoques está diretamente ligado ao processo de compras, que por sua vez, ultrapassa o estoque máximo estabelecido, por conta de uma melhor negociação no mercado, mantendo assim um custo baixo na obtenção de matéria-prima e preservação de seu fluxo de caixa. Através do controle de estoque, a empresa consegue atingir os melhores custos financeiros na aquisição de seus insumos, podendo ter um produto de ótima qualidade a um preço de custo bem inferior a de seus concorrentes. O presente trabalho foi desenvolvido, a fim de demonstrar o porquê é tão importante o gerenciamento de estoques e suas contribuições dentro da cadeia operacional, através dos métodos de custeio de estoque, gestão e o estudo de caso efetuado dentro da empresa JBS. A metodologia utilizada para esse artigo foi realizado através de pesquisas bibliográficas que englobassem o tema. Além disso, um estudo de caso, com o intuito de buscar meios que possam auxiliar o gerenciamento de materiais eficaz, buscando ações que solucionem algum tipo de problema existente. O trabalho, portanto, é descritivo por explicar o processo de gerenciamento de materiais e o controle de estoques na empresa JBS S.A. Sendo assim, foi realizado o acompanhamento da rotina diária do departamento de almoxarifado, em que todo controle e gerenciamento de estoque de materiais foram feitos levando em conta a literatura apresentada. Os gestores e administradores através das informações claras e precisas, quanto aos produtos que mantém em estoque, terão a real situação na tomada de decisão quanto ao planejamento, investimento e desenvolvimento de novos produtos a serem lançados no mercado.

4 4 CONTABILIDADE DE CUSTOS A contabilidade de custos nasceu da contabilidade financeira. Antigamente a contabilidade custo controlava apenas os estoques em termos físicos. Com o passar do tempo a contabilidade deixou de ser o valor pago por uma mercadoria que constituía o custo de um produto, passando a ser uma serie de valores pagos pelos recursos de produção gastos na fabricação dos produtos. Sendo assim permaneciam nos estoques. Somente os valores gastos para adquirir a matéria prima, já que não era possível por falta de conhecimento fazer alocação de todos os recursos gatos em uma produção. O surgimento da contabilidade de custo se deu para que fosse avaliado o valor dos custos de cada produto que montaria o valor dos estoques. Ou seja, dos produtos que seriam vendidos posteriormente. Inicialmente a preocupação dos administradores foi fazer que a contabilidade de custo fosse uma forma para resolver os problemas de mensuração de estoque. Não se tinha a finalidade de utilizá-la como ferramenta para a administração. Devido ao crescimento das empresas, com o conseqüente aumento da distância entre administrador e ativos e pessoas administradas, passou a contabilidade de custos a ser encarada como uma eficiente forma de auxilio no desempenho dessa nova missão gerencial. (MARTINS, 1998, p.21). Conforme, nos esclarece o autor contabilidade de custo passou a ser uma ferramenta essencial e eficiente no auxilio de gestores e administradores na tomada de decisão, passando assim a ser denominada de contabilidade gerencial. Na contabilidade de custos, existem vários métodos de custeio, no tópico a seguir são descritos os mais utilizados em nosso país. MÉTODOS DE CUSTEIO No Brasil, os principais métodos de custeio utilizados são: custeio por absorção, custeio variável e custeio ABC. Não há afirmativa que um sistema seja superior ao outro, pois cada um atende a um determinado tipo de empresa, dependendo do ramo empresarial, além disso, o variável não é aceito pela Legislação Fiscal.

5 5 Custeio por absorção É o sistema que trabalha na apropriação dos custos aos produtos elaborados pela empresa. É o método de custeio que consiste em atribuir aos produtos fabricados todos os custos de produção, que de forma direta ou indireta (rateios). Assim, todos os custos, sejam eles fixos ou variáveis, são absorvidos pelos produtos (MEGLIORINI, 2001, p. 3). Como se verifica este método é utilizado para o rateio dos custos fixos. Usa-se este método para avaliar estoques pela contabilidade societária com a finalidade de levantar o balanço patrimonial e os resultados, para atender as exigências da contabilidade financeira. É considerado um sistema falho nas tomadas de decisões por ser utilizado o rateio dos custos fixos, fazendo com que os produtos sejam penalizados com custos irreais Custeio Variável Enquanto o método de custeio por absorção se preocupa com o rateio de todos os custos dos produtos ou serviços, o custeio variável auxilia diretamente os gestores nas tomadas de decisões. O custeio variável é aquele em que somente os custos variáveis diretos ou indiretos e as despesas variáveis são atribuídos aos objetos de custeio. Os custos fixos são levados integral e diretamente aos resultados de período. Nesse conceito, compõem o valor dos estoques dos produtos, quando estes forem os objetos de custeio, apenas os custos variáveis, sendo que as despesas variáveis apenas são utilizadas para se calcular a margem de contribuição. (VARTANIAN, 2000, p. 57). Ou seja, com a utilização do custeio variável é permitido identificar a margem de contribuição de cada produto produzido pela empresa. Conforme nos esclarece bem Megliorini (2001, p. 137) este método permite ao administrador utilizar os custos como ferramenta na tomada de decisão. Custeio ABC Como os demais sistemas, o método de custeio ABC, trabalha como forma de amenizar o uso de rateio.

6 6 Sua relação está diretamente ligada com as atividades da empresa como um aprofundamento do método por absorção, pois também são utilizados os custos fixos na alocação aos produtos. Neste sistema primeiro, é feito um estudo dos custos causados por cada atividade desenvolvida e depois são verificados os custos finais dos produtos consumidos, chegando assim ao custo definido. Bem nos esclarece Martins (1998, p. 304), o ABC é, na realidade, uma ferramenta de gestão de custos, muito mais do que o custeio de produto. Assim não será usado apenas para ratear o produto final. O ABC é uma ferramenta que permite melhor visualização dos custos através da analise das atividades executadas dentro da empresa e suas respectivas de relações com os produtos. Para se utilizar o ABC, é necessária a definição das atividades relevantes dentro dos departamentos, bem como dos direcionados de recursos que irão alocar os diversos custos incorridos às atividades. (MARTINS, 1998, p. 112) Sendo assim, este sistema não se prende apenas aos custos indiretos. E o estoque de produtos que uma empresa dispõe interfere diretamente nos custos finais de seus produtos. Os estoques que as empresas possuem, fazem o diferencial no custo final de seus produtos, conforme veremos abaixo a sua definição. ESTOQUE É considerado estoque todo e qualquer tipo de material armazenado para suprir a necessidade de uma empresa, este material pode ser matéria-prima, insumos, embalagens ou produto acabado. Pode-se definir estoque como materiais, mercadorias ou produtos acumulados para utilização posterior, de modo a permitir o atendimento regular das necessidades dos usuários para a continuidade da empresa, sendo o estoque gerado, conseqüentemente, pela impossibilidade de prever-se a demanda com exatidão, reserva para ser utilizada em tempo oportuno (VIANA, 2000, p. 110) Conforme citado acima, são materiais destinados ao processo produtivo aguardando serem transformados em produto final. Os estoques são vistos como margem de segurança, pois garantem o suprimento das necessidades no processo produtivo e atendimento aos seus clientes. Nas empresas existem três tipos de estoques: matéria-prima, produtos em processo e produto acabado, segue abaixo suas definições:

7 7 O estoque de matérias-primas, segundo Dias (2003, p. 26), são materiais básicos necessários para a produção do produto acabado; seu consumo é proporcional ao volume da produção. Em outras palavras também podemos dizer que matérias-primas são todos os materiais agregados ao produto acabado. Conforme nos explica o autor os estoques de matéria-prima são materiais que são armazenados para serem utilizados na transformação de produto acabado. Já os estoques de produtos em processo, são todos os itens que entraram no processo produtivo, mas que até o momento ainda não é produto final, eles sofrem alterações sem estar finalizados. (MARTINS, 2002, p. 136). De acordo com a citação acima, o estoque de produtos em processo são produtos que começaram a sofrer alguma alteração no processo produtivo, mas ainda não estão prontos para serem comercializados. O estoque de produto acabado são todos os itens que já estão prontos para serem entregues ao consumidor (MARTINS, 2002, p. 136). O estoque de produtos acabados representa os produtos que estão prontos para serem distribuídos aos clientes, e, muitas vezes, ficam armazenados em estoque aguardando a expedição ao consumidor. Para o bom funcionamento de estoque a empresa deve possuir uma excelente gestão, pois é a principal ferramenta no controle. GESTÃO DE ESTOQUE Gestão de estoque é um conjunto de mecanismos utilizados para gerenciar o estoque. A gestão de estoque tem além da preocupação com a quantidade a busca constante da redução dos valores monetários de seus estoques, atuando para mantê-los os mais baixos dentro dos níveis de segurança, tanto financeiro, quanto ao volumes para atender á demanda. Mesmo não sendo a função executiva, tal função constitui, sem duvida, uma das atividades mais importantes de uma empresa de manufatura. (POZO, 2002, p. 81). Para que a empresa obtenha sucesso, conforme citação acima será necessário um sistema de estoque eficaz onde deverá ter funcionários competentes que interajam em um ambiente interno (PCP, Compras e Almoxarifado) e Externo (Fornecedores). Todos envolvidos no mesmo processo, garantindo assim um ótimo resultado em seu produto final.

8 8 Os estoques influenciam no resultado final de uma empresa, por isso o controle de estoque se faz tão necessário dentro de uma organização. Para que a gestão de estoque dentro de uma empresa seja eficaz a classificação e avaliação de seus estoques tem que ser planejada de acordo com as suas necessidades. CLASSIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTOQUE É considerada a mis importante ferramenta que o administrador possui para identificar os itens do estoque que necessitam de tratamento especial, pois não são todos os itens mantidos em estoque que tem a mesma importância, em termos do capital investido. A curva ABC, é um importante instrumento para o administrador, ela permite identificar aqueles itens que justificam atenção e tratamento adequados quanto á sua administração. Obtém-se a curva ABC através da ordenação dos itens conforme a sua importância relativa. (DIAS, 2006, p. 83). A mesma curva em ABC é utilizada para identificar e gerir, valores altos em estoque, variação do nível de estoque, giro de estoque e consumo dos mesmos, sendo: A = Itens muito importantes (essenciais) B = Itens moderadamente importantes C = Itens menos importantes Trata-se de método cujo fundamento é aplicável a quaisquer situações em que seja possível estabelecer prioridades, como uma tarefa a cumprir mais importante que outra, uma obrigação mais significativa que outra, de modo que a soma de algumas partes dessas tarefas ou obrigações de importância elevada representa, uma grande parcela das obrigações totais. (VIANA, 2000, p. 65). Diversos itens são mantidos em estoque, porem somente uma pequena quantidade deles é que merece atenção especial e controle mais rígido. Assim a analise ABC é o processo utilizado para a classificação dos itens, em três categorias de acordo com a sua utilização e valores. Assim como a curva ABC, existem outros critérios de avaliação de estoque que passaremos a demonstrar: Preço Médio, PEPS, UEPS. Preço médio É a aquisição de diversos materiais iguais comprados por preços diferentes, especificamente por terem sidos adquiridos em momentos diferentes. Esse é o critério mais utilizado no Brasil para a avaliação de estoques.

9 9 Este critério é usado em empresas, em que os seus estoques tenham um controle permanente, e que a cada aquisição, o seu preço médio seja atualizado, pelo método do custo médio ponderado (FERREIRA, 2007, p.32). Conforme nos explica o autor, o preço médio é realizado através das compras de um produto em um determinado período com valores diferentes, criando assim o preço médio do mesmo, para avaliação do estoque. PEPS Esse critério de avaliação significa que a primeira mercadoria que entra é a primeira mercadoria que sai. Conforme a empresa realiza vendas do produto por ela fabricado, a mesma baixa o estoque a partir das primeiras compras realizadas. Neste critério, o material utilizado é custeado pelos preços mais antigos, permanecendo os mais recentes em estoque. O primeiro a entrar é o primeiro a sair (first-in, first-out). (MARTINS, 2010, p. 119). Ou seja, a mercadoria que estiver a mais tempo em estoque será a primeira a sair dele. UEPS De acordo com esse critério, a última mercadoria a entrar é a primeira a sair. Provoca um efeito contrario ao do PEPS. Ultimo a entrar primeiro a sair (last in, first out). Esse método de avaliação considera que devem em primeiro lugar sair às ultimas peças que deram entrada no estoque, o que faz com que o saldo seja avaliado ao preço das ultimas entradas. É o método mais adequado em períodos inflacionários, pois uniformiza o preço dos produtos em estoque para venda no mercado consumidor. Baseia-se teoricamente na premissa de que o estoque de reserva é o equivalente ao ativo fixo. (DIAS, 2006, p. 162). A última, a integrar o estoque é a primeira a sair para ser utilizada no processo produtivo. A seguir, o estudo de caso realizado na empresa JBS S.A., em que o gerenciamento de estoques faz parte do cotidiano.

10 10 ESTUDO DE CASO O estudo de caso foi realizado em uma das empresas do grupo JBS S.A., um frigorífico, situado na cidade de Barretos/SP. O ramo de atividade exercido é a comercialização de produtos alimentícios (carnes e industrializados). Hoje o grupo JBS é considerado a maior empresa de carne bovina no mundo, tendo a capacidade de abater aproximadamente 50 (cinqüenta) mil cabeças de gado por dia. Devido a sua grande variedade de produtos, a empresa desenvolveu sua própria frota de veículos, para que sua logística fosse eficaz no transporte do gado (matéria prima extremamente valorizada). O espírito empreendedor e o pioneirismo são de grande relevância na gestão da empresa. Como qualquer empresa que busca aperfeiçoar seus controles, a JBS tem como foco os seus valores: planejamento, disciplina, franqueza, determinação e simplicidade. Tem como política e missão: Sermos os melhores naquilo que nos propusermos a fazer, com foco absoluto em nossas, atividades, garantindo os melhores produtos e serviços aos clientes, solidez aos fornecedores, rentabilidade satisfatória aos acionistas, e a certeza de um futuro melhor a todos os colaboradores. A JBS é uma empresa frigorífica na qual a dinâmica de trabalho é muito diversificada (industrialização de carnes), o gerenciamento de controle de estoque, portanto, deve ser eficaz, já que para a obtenção do produto final são necessários diversos itens, e através disso nota-se que o estoque de insumos e embalagens deve atender a demanda da produção realizada diariamente inclusive com seus imprevistos. O sistema de controle de estoque, utilizado pela empresa MRP (Materials Requirements Planning) que oferece ferramentas para o controle sistêmico do estoque, além disso, o assistente de almoxarife realiza a inspeção física diária, confrontando assim estoque físico x estoque sistema. Este estudo de caso foi realizado no setor de almoxarifado, que tem como missão: Obter e manter o melhor resultado em custos assegurando que a relação físico X contábil esteja correta e atualizada, através de procedimentos, controles e capacitação profissional além de manter colaboradores motivados em um ambiente harmonioso. O departamento de almoxarifado da empresa JBS é responsável pelo abastecimento de embalagens e insumos utilizados no processo produtivo. Para um controle de estoque eficiente o setor de almoxarifado trabalha com as seguintes regras:

11 11 Só é permitida a entrada de outras pessoas no setor de almoxarifado em casos emergenciais e acompanhados por um responsável da segurança, tendo a obrigação de registrar imediatamente (por e/ou livro) o que retirou do local, o motivo, bem como, coletar a assinatura do seu superior pela retirada; É permitida a compra do material sem movimentação há mais de seis meses, mediante aprovação do gerente administrativo; A conferencia da movimentação dos materiais através de relatórios existentes deve ser realizada diariamente; Assegurar que todos os dados e informações sejam verdadeiros e atualizados; Implantar e coordenar os inventários cíclicos e gerais; Auxiliar na definição dos níveis de estoque (mínimo e máximo); Rastrear e eliminar as divergências entre o físico x contábil; Evitar rupturas no processo devido à ausência de material em estoque; Evitar estoque excedente de materiais no almoxarifado. Conforme demonstrado na parte teórica, a empresa JBS utiliza a curva ABC para identificar e gerir o seu estoque, tendo assim um controle mais eficaz nos itens de maiores valores, classificados como A. A empresa trabalha com o método de avaliação de estoque PEPS, pois exerce atividade no ramo alimentício, e os itens de seu estoque utilizados na composição do produto final tem prazo de validade limitado. O sistema MRP faz parte do cotidiano da empresa JBS, pois através deste sistema são elaboradas as solicitações de compras, levando em conta estoque mínimo, estoque máximo, pedidos pendentes e necessidade de consumo. Para que o processo ocorra com 100% de eficiência, o almoxarifado da empresa que tem a visão exata da disponibilidade de espaço físico de seus depósitos, deve estar alinhado com o departamento de PCP (planejamento e controle de produção) e com o departamento de compras, evitando assim faltas ou excessos de estoques. A seguir demonstraremos a rotina diária realizada pelo setor de almoxarifado englobando as áreas de PCP (Planejamento Mestre de Produção), de Compras, de Faturamento de entrada e de Contabilidade de Custos, já que estão interligados. O PCP informa ao almoxarifado a necessidade de consumo para atender o plano de produção.

12 12 Mediante essa informação, o setor responsável pelo gerenciamento de estoque (almoxarifado), alimenta o sistema MRP, apura-se a quantidade necessária para atender as necessidades de consumo estipuladas pelo PCP. O próprio sistema MRP considera o tempo e entrega, pedidos pendentes e estoque atualizado, cabendo ao gestor de estoque verificar a disponibilidade de espaço físico e a data de entrega, elaborando assim uma solicitação de compra no sistema. Após a solicitação no sistema, o departamento de compras inicia o processo de abastecimento de estoque. Sendo assim, é elaborado, via sistema, três cotações no mercado, avaliando melhor preço, prazo de entrega, qualidade do produto, gerando, por fim, um pedido de compra. O setor de compras é responsável pelo produto adquirido (embalagem, insumos ou outro qualquer), até que o mesmo esteja na planta fabril, atendendo todos os padrões de qualidades exigidos pela JBS. Com a entrega do material solicitado na empresa, o departamento de faturamento de entrada, confronta nota fiscal recebida com o pedido de compra disponível no sistema. Caso não haja nenhuma divergência entre ambas, é elaborado um documento interno denominado como planilha cega, somente assim, é autorizada a entrada do veículo com produto, sendo encaminhado para conferência e descarregamento no setor de almoxarifado. O almoxarifado confere, descarrega, armazena e efetua a entrada no sistema através do preenchimento da planilha cega (Documento interno de recebimento, onde é comparado à quantidade recebida com a quantidade faturada na nota fiscal), após a verificação do recebimento (se não houver divergências), o veículo é liberado e enviado ao setor de faturamento de entrada. Mediante a planilha cega preenchida, o faturamento de entrada verifica se houve divergências de recebimento (nota fiscal x planilha cega), caso não, o veículo é liberado e entregue ao transportador o canhoto da NF devidamente assinado e carimbado, após esse processo o faturamento de entrada efetua a entrada no sistema da nota fiscal, gerando documentos contábeis e financeiros no sistema, finalizando o processo de entrada. Após o abastecimento do estoque, a mercadoria é disponibilizada para a produção, porém esse procedimento somente ocorrerá com um documento via sistema (requisição de saída), em que o produto é entregue ao usuário e o almoxarife efetua a baixa no sistema, finalizando assim todo o processo do departamento de almoxarifado descrito no presente estudo de caso.

13 13 Depois de contabilizado o almoxarifado e finalizadas todas as movimentações de estoque e produção, o departamento de custo através do sistema ERP Corporate faz o cálculo do custo. O sistema busca todas as informações de compras: matéria-prima (carnes), Embalagens (latas, embalagens plásticas, etc.), insumos (sal, açúcar, etc.), itens não produtivos (peças de maquinas, etc.), (quantidade e valor), todas as informações de produção e todas as informações de vendas para compor o estoque. Para a valorização, o sistema busca valores de matéria prima (carnes) mais embalagens (latas, embalagens plásticas, etc.), mais insumos (sal, açúcar, etc.), que foram utilizados nas produções e valorizados por produto. Todo e qualquer produto tem uma fórmula, que especifica a quantidade teórica de embalagem, insumo e matéria prima, que será utilizado para a produção do mesmo. Porém, o sistema busca a quantidade correta de matéria prima que foi utilizado e baixado no sistema através de leitura de código de barras na entrada da produção. Sendo assim, é feito pelo sistema o rateio da quantidade utilizada entre os produtos produzidos de acordo com a fórmula especifica de cada um. Depois que é realizada a valorização nas produções e compras do dia, o sistema gera um preço médio de estoque por produto, calculado da seguinte forma: Custo/kg estoque anterior + custo/kg produções do dia = custo/kg estoque atual O volume de estoque (aumento do estoque no final do mês) vai influenciar diretamente o custeio por absorção fiscal (a absorção do custo fixo no custo dos produtos), se o estoque tem um aumento, ele absorverá parte do custo fixo proporcional ao seu aumento, se o estoque diminui, ele devolverá o custo fixo que foi absorvido em outro momento. Conforme apresentado no estudo de caso, realizado na empresa JBS S.A. o gerenciamento de estoque se faz necessário para atender as demandas de produção e auxiliar no controle dos custos de seus produtos finais, levando ao seu cliente produtos de qualidade com margem de lucro competitiva no mercado. CONCLUSÃO Com o estudo de caso na empresa JBS, concluímos que os estoques são recursos econômicos que representam diretamente um investimento que assegura o processo produtivo,

14 14 eliminando assim rupturas em linha de produção e atrasos de seus produtos aos seus clientes. Porém, a formação de estoques implica em consumo do capital de giro, e que poderia ser utilizado em outro segmento da empresa, isso é o principal motivo pelo qual o gerenciamento deve planejar estoques que mantenham o equilíbrio entre estoque e consumo. Na empresa JBS, é visível o excelente controle de estoques, pois área reflete a organização de seu gerenciamento, e se destaca dentre suas empresas coligadas, sendo ponto de referencia para as outras empresas dentro da organização. Conforme demonstrado na parte teórica e no estudo de caso, o gerenciamento de estoques, tem papel fundamental na contabilidade de custos, pois interfere diretamente nos custos de seus produtos finais, quanto maior for o estoque no final do período, maior será o seu custo fixo. Através do estudo de caso é possível concluir que a gestão de estoque tem um desempenho fundamental para a redução de custos desnecessários, resultando em lucros e tendo um melhor controle no processo. A busca pela melhoria continua vem através da qualidade, que se destaca em primeiro lugar, pois através do controle eficiente, planejamento, a empresa atingirá a qualidade exigida pelos seus clientes, fornecendo um ótimo produto ao custo bem acessível competitivo no mercado. REFERÊNCIAS DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: princípios, conceitos e gestão. 5. ed. São Paulo: Atlas, DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: princípios, conceitos e gestão. 5. ed. São Paulo: Atlas, FERREIRA, José Ângelo Custos industriais: uma ênfase gerencial [Em linha]. São Paulo: Editora STS, Disponível em WWW:<URL:http://books.google.com/books?id=c- OvJl1OgfEC&dq=pt-PT>. ISBN MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de custos. 10. ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Petrônio Garcia; ALT, Paulo Renato Campos. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais. São Paulo: Saraiva, 2002.

15 15 MEGLIORINI, Evandir. Custos. São Paulo: Makron Books, POZO, Hamilton. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais. Uma abordagem logística. 2. ed. São Paulo: Atlas, VARTANIAN, G.H. O método de custeio pleno uma analise conceitual e empírica f. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, USP. São Paulo. VIANA, João José. Administração de materiais: um enfoque prático. São Paulo: Atlas: 2000.

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima AULA 10 Contabilidade de Custos Parte 2 1. Introdução Nessa aula, estudaremos os critérios de avaliação de estoque, identificando o reflexo que tais critérios tem na apuração dos resultados das empresas.

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Aqui seus Resultados Aparecem

Aqui seus Resultados Aparecem Aqui seus Resultados Aparecem 2 Evolution Materiais: Controle de Estoque, Compras Gerencia necessidades de compra para reposição de estoque ou para atender à necessidade de um Centro de Custo. Envolve

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Custos Industriais Aula 3 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Uma vez compreendida a terminologia de custos e suas fases durante o processo produtivo, iremos delimitar os

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Oficina Técnica. Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Fevereiro 2013. Elaborado por: Walter Luiz Quaglio

Oficina Técnica. Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Fevereiro 2013. Elaborado por: Walter Luiz Quaglio Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz

Custeio por Absorção. Prof. Laércio Juarez Melz Custeio por Absorção Prof. Laércio Juarez Melz Introdução Método que apropria os custos diretos e indiretos ao produto. Os custos diretos são atribuídos com ajuda de controles específicos: Controle de

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Paulino Botelho (Extensão Esterina Placco) Ensino Técnico Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas.

Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Análise e Aplicação de Controle de Custos na Gestão por Processo: Estudo de caso em uma indústria de implementos agrícolas. Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) catia@fahor.com.br Jonas Mazardo (FAHOR) jonas_mazardo@yahoo.com.br>,

Leia mais

Sistema de gestão ERP. erp

Sistema de gestão ERP. erp Sistema de gestão ERP erp Módulos e Clientes Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. erp área comercial área administrativa financeira área produção e suprimentos área

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Manoel Salésio Mattos (UNesc) salesio@unescnet.br Joselito Mariotto (UNESC) joselito@unescnet.br Wilson Antunes Amorim (UNESC) wilson@unescnet.br

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

CUSTOS DE AQUISIÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE CARROCERIAS: ESTUDO DE CASO VILAÇOS IMPLEMENTOS RODOVIÁRIO 1

CUSTOS DE AQUISIÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE CARROCERIAS: ESTUDO DE CASO VILAÇOS IMPLEMENTOS RODOVIÁRIO 1 CUSTOS DE AQUISIÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA PARA A PRODUÇÃO DE CARROCERIAS: ESTUDO DE CASO VILAÇOS IMPLEMENTOS RODOVIÁRIO 1 KELLY CRISTINA FERREIRA 2 NAIANE DOS SANTOS RODRIGUES 3 TALITA RÚBIA RIBEIRO 4 IVÃ DA

Leia mais

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA

AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO, GISLAINE APARECIDA PAULINO ADRIANO, NATALIA ANGUINONI DA SILVA TÍTULO: SISTEMA DE INVENTARIO NA AREA DE TRABALHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): CRISTIANE LEONCIO DE MELO,

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA Diego Leal Silva Santos RESUMO Nos dias atuais têm surgido vários trabalhos que versam sobre custos, tais como, artigos, livros, monografias,

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL 1 O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL CARLOS RUVENS COELHO PONTE 1 CARLOS WAGNER CAVALCANTE GOMES 2 RODRIGO VIANA 3 ALINE PINTO DE MACÊDO DA SILVA 4 Resumo: Todas as empresas vêm

Leia mais

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS Prof. Gilberto Porto Recursos Materiais Prova: CESPE - 2013 - MPU - Técnico AdministraMvo Na figura, a curva ABC representa uma situação

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Carla Milanesi de Oliveira Carla_mila_lala@hotmail.com CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO

CURSO: CONTABILIDADE DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PROF.ESP.JOÃO EDSON F. DE QUEIROZ DILHO Composição e Mecanismos de Determinação do Custo do Produto O Custo de cada produto lançado no estoque é composto de matéria-prima consumida (MPC), mão-de-obra diretamente relacionada com a produção (MOD)

Leia mais

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO Sistema de gestão ERP GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Administração de Materiais e Logística II.

Administração de Materiais e Logística II. A Administração de Material corresponde, no seu todo ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas de aquisição, guarda, controle de aplicação dos materiais destinados

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão

Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão Flávio Aparecido dos Santos 1 Samuel de Freitas 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é a definição do ponto de equilíbrio do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

INÍCIO. Definição da Operação de Entrada ou Saída. Cadastro do Tipo de Movimento. Gera Financeiro? Vai Contabilizar? Vai ter Centros de Custos?

INÍCIO. Definição da Operação de Entrada ou Saída. Cadastro do Tipo de Movimento. Gera Financeiro? Vai Contabilizar? Vai ter Centros de Custos? INÍCIO Toda Operação a Ser Criada ou Modificada no Atak Precisa Ser Registrada no Suporte do Atak Redmine. Definição da Operação de Entrada ou Saída Cadastro do Tipo de Movimento Contabilidade Cria o Movimento

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Resumo CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Ana Paula Ferreira Azevedo Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e da Computação Dom Bosco Associação Educacional Dom Bosco E-mail: apfazevedo@ig.com.br

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta

21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta 21 de Maio de 2015 Hotel Fiesta Sejam bem-vindos Patrocínio Realização Programação 08:00 h Café de boas vindas 08:30 h Abertura 08:40 h Bloco K, sua empresa está preparada? 09:00 h Gestão de custos: a

Leia mais

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto

6 Materiais Diretos. 6.1 Tipos de Material Direto 6 Materiais Diretos Material Direto é o custo de qualquer material diretamente identificável com o produto e que se torne parte integrante deste. Exemplos:- matéria-prima, embalagens. 6.1 Tipos de Material

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição.

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE A gestão de estoque é, basicamente, o ato de gerir recursos ociosos

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 O CUSTEIO ABC COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLE DOS PROCESSOS GERENCIAIS NO SETOR INDUSTRIAL: UMA DISCUSSÃO TEÓRICA 1 Andréa de Oliveira Lessa 2 Alex Santos Almeida 3 Cleaylton Ribeiro de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement.

3) Descreva resumidamente a função do módulo de Compras do ERP da Microsiga e qual é a sua relação com o conceito de e-procurement. Professor:José Alves Disciplina:SIG/ Atividade Nota Nome Aluno(a) Nºs Exercícios SIG 1) Defina, com suas palavras, o que é ERP? 2) Marque V para as afirmações verdadeiras em relação a um ERP e F para as

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Registro de Inventário, Saldos em Processo

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Registro de Inventário, Saldos em Processo Registro de Inventário, Saldos em Processo 23/12/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Livro Registro de Inventário...

Leia mais

Concorrência nº 22/2008

Concorrência nº 22/2008 Concorrência nº 22/2008 Brasília, 20 de julho de 2009. A Comissão Permanente de Licitação (CPL) registra a seguir perguntas de empresas interessadas em participar do certame em referência e respostas da

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Recursos Materiais e Patrimoniais

Recursos Materiais e Patrimoniais Recursos Materiais e Patrimoniais Professor conteudista: Jean Carlos Cavaleiro Sumário Recursos Materiais e Patrimoniais Unidade I 1 OS RECURSOS...2 1.1 Administração de materiais...6 1.1.1 Medida de desempenho...6

Leia mais

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais.

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais. Fenícia Gestão ERP Introdução O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua robustez aliada ao alto grau de tecnologia e conhecimento

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais