Envelhecimento Cerebral e Demências

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Envelhecimento Cerebral e Demências"

Transcrição

1 Envelhecimento Cerebral e Demências Thiago Monaco yahoo.com

2 Envelhecimento Cerebral e Demências Envelhecimento Cerebral D. Comuns D. Menos Comuns D. potencialmente tratáveis

3 Envelhecimento Cerebral Normal Atrofia: peso cerebral declina cerca de 10% Perda neuronal, esp. hipocampo Níveis decrescentes de neurotransmissores Dano oxidativo

4 Cognição - Preservados Habilidades de comunicação Compreensão Vocabulário pode melhorar

5 Cognição Perdas leves Nomeação Tempo de resposta Fluência verbal Idosos normais compensam estas dificuldades e mantêm função normal

6 Portanto, como Cícero notou... De Senectute... a perda da memória é conseqüência de uma doença alheia à senescência... C ícero ( a.c )

7 E o mesmo vale para as Demências Presentes em 7% aos 65 anos e 30% aos 80 anos

8 As Demências Não uma única doença, mas uma síndrome! Mais de um tipo pode coexistir Diagnóstico extremamente mal-utilizado!

9 Definindo... Aquisição de múltiplos déficits cogitivos Inclui comprometimento da memória E pelo menos uma das seguintes alterações: Afasia, Apraxia, Agnosia Transtorno de funções executivas

10 Definindo... Déficits cognitivos são graves o suficiente para comprometer o funcionamento social ou ocupacional E são adquiridos!

11 Tipos de Demência De acordo com a fisiopatologia Ou com a freqüência

12 Tipos de Demência a) Comuns 1.Doença de Alzheimer 2.Demência Vascular 3.Demência por corpos de Lewy 4.D. por Degeneração no Lobo Frontotemporal

13 Tipos de Demência b) Menos comuns 1.Demência na D. de Parkinson 2.Doença de Huntington 3.Doença de Creutzfeldt-Jakob 4.Complexo AIDS-Demência

14 Tipos de Demência c) Potencialmente tratáveis 1.Hipotireoidismo 2.Deficiências de vitaminas B1, B12 ou A 3.Hidrocefalia de pressão normal 4.Pseudodemência depressiva 5.Sífilis, tumores

15 Fisiopatologia

16 Demências comuns 1- A Doença de Alzheimer

17

18 Mudanças no cérebro com DA Pet Scan de um cérebro normal Não se sabe ao certo a causa básica da DA, mas conhecemos o que ocorre no cérebro quando esta se inicia. Grande prejuízo para neurônios colinérgicos Pet Scan de Cérebro com DA avançada Slide 19

19 DA e o cérebro Placas e novelos: marcas registradas da DA Estruturas anormais que se acumulam no cérebro de pessoas com DA: Placas de beta-amilóide se acumulam fora e envolta dos neurônios Novelos neurofibrilares são fibras enroladas que se acumulam dentro dos neurônios Slide 16

20 DA e o Cérebro Placas Beta-amilóides 1. Proteína precursora amilóide (PPA) é uma proteína neuronal normal. 1. PPA se prende na membrana do neurônio. 2. Enzimas cortam a PPA em fragmentos de proteína Os fragmentos se reúnem, formando placas. Na DA formam-se muitas dessas placas, atrapalhando o funcionamento dos neurônios. Hipocampo e córtex. Slide 17

21

22 Novelos neurofibrilares Geralmente encontrados no córtex cerebral e comuns em estruturas do lobo temporal como hipocampo e amídala

23 Novelos neurofibrilares Microtúbulos: transporte intraneuronal. Proteína Tau falha estrutural colapso: novelos de neurofibrilas. Slide 18

24

25

26

27

28

29 A DA em etapas

30 DA Pré-clínica Os primeiros lugares afetados pela DA são o hipocampo e o córtex entorrinal: memória Regiões afetadas começam a diminuir e seus neurônios a degenerar. As mudanças podem começar 10 a 20 anos antes dos sintomas aparecerem. A Perda de memória é o primeiro sinal da DA. Slide 20

31 DA leve a moderada A DA começa a se espalhar pelo cérebro; o córtex cerebral adelgaça, pois mais neurônios morrem. Sintomas de DA leve: perda de memória, confusão, dificuldades em manusear dinheiro, dificuldades de julgamento, mudanças de humor e ansiedade. Sintomas de DA moderada: piora importante da memória e confusão, dificuldades em reconhecer pessoas, com linguagem e pensamento; fadiga, agitação, repetitividade, divagação. Slide 21

32 DA Severa Importante diminuição de volume do cérebro. Dependência completa para as atividades de vida diária. Perda de peso, convulsões, infecções de pele, choros, risos ou gemência, maior sonolência, perda de controle urinário e intestinal, dificuldade de deglutição. A morte geralmente ocorre por infecções, como pneumonias por aspiração. Slide 22

33 A Busca pelas causas Apolipoproteína E (ApoE). Envolvida na formação das placas de beta amilóide, seu alelo 4 é correlacionado com maior risco para a DA Slide 25

34 A Busca pelas causas Dano oxidativo por radicais livres pode danificar neurônios, mas não se provou nenhum processo capaz de deter este dano na DA. A Homocisteína, é um fator de risco cardiovascular. Aparentemente, níveis elevados de homocisteína estão associados a um aumento no risco de DA. Inflamação e AVCs em certas regiões do cérebro: potenciais fatores de risco. Slide 26

35 A Busca pelas causas Estudos Populacionais Resultados preliminares indicam que: Atividade mental estimulante protege o cérebro de alguma forma. Na juventude, alta competência em gramática e alta densidade de idéias estão associados à proteção contra a DA na velhice. Também o estão indivíduos bilingües Slide 27

36 Demências comuns 2- Demências Vasculares

37 2- Demências Vasculares 2o tipo mais comum de demência no idoso Grupo de síndromes Diferentes mecanismos Todos resultam em dano vascular ao cérebro

38 2- Demências Vasculares Geralmente, evolução em degraus

39 2- Demências Vasculares a)d. por múltiplos infartos b)d. por infarto único estratégico c)doença de pequenos vasos d)d. Vascular por lesões hemorrágicas e)demência Mista (DA e DV)

40 2- a)- Demência por Múltiplos Infartos Doença arterial cerebral Múltiplos infartos em área difusa do cérebro Lesões focais Mistura de ambos Síndrome resultante da perda neuronal cumulativa

41 2- b) Demência por Infarto único estratégico Acometimento de área nobre para a cognição Tálamo Lobos parietais Giro do Cíngulo Artéria cerebral anterior

42 2- c) Doença de pequenos vasos Quadro clínico diferente Infarto lacunar Oclusão de uma artéria penetrante profunda Doença de Binswanger Lesão em substância branca profunda

43

44 Demências comuns 3- D. por corpos de Lewy

45 3- D. por corpos de Lewy Perda de neurônios dopaminérgicos (S. Negra) e colinérgicos (N.B. Meynert, entre outros locais) Overlap clínico entre DA e D. Parkinson

46 Corpos de Lewy Lesões similares aos corpos de Lewy clássicos na D. Parkinson Inclusões proteináceas anormais: C. Lewy em todo o cérebro

47 3- D. por corpos de Lewy

48 3- D. por corpos de Lewy

49 3- D. por corpos de Lewy

50 3- D. por corpos de Lewy Atrofia cerebral também ocorre ao longo da doença Pode ocorrer junto com alterações patológicas da DA: Corpos de Lewy no córtex e novelos e placas no hipocampo!

51 3- D. por corpos de Lewy Perda de neurônios colinérgicos: déficit cognitivo e emocional Perda de Neurônios dopaminérgicos: perda motora

52 3- D. por corpos de Lewy Quadro clínico: Perda cognitiva flutuante com déficit de atenção Alucinações visuais cedo no curso da doença Parkinsonismo

53 Demências comuns 4- Demências por Denegeração em Lobo Frontotemporal

54 4- Degeneração lobar frontotemporal É o processo patológico Corpos neuronais em lobo frontal e temporal (porção anterior) Poupa lobos parietal e occipital 4a causa de demência

55 4- Degeneração lobar frontotemporal

56 Degeneração lobar frontotemporal

57 4- Demências com Degeneração Frontotemporal 3 tipos clínicos a)d. Frontotemporal / D. Pick b)d. Semântica c)afasia progressiva não fluente

58 4- a) Demência Frontotemporal Diferentes causas a)inclusões da proteína tau (corpos de Pick ou não) b)inclusões de ubiquitina (tau -) c)demência sem histologia distinta: controverso d)raro: Autópsia = Alzheimer

59 4 - a) Demência frontotemporal... ou variante frontal Era a chamada D. Pick Não dá para distinguir clinicamente entre D. Pick e outras causas neurodegenerativas

60 1- D. Pick Clínica: D. frontotemporal Antes sinônimo de D. Frontotemporal Inclusões neuronais argirofílicas Fibrilas da proteína tau Também ApoE e ubiquitina

61

62 Ubiquitina Ubíqua em eucariotos Sinalizadora de proteínas danificadas

63 4 b) Demência Semântica Perda da memória semântica Domínios verbal ou não verbal Afasia fluente progressiva errado: não é transtorno de linguagem!

64 4 b) Demência Semântica Progressão: alterações comportamentais e de personalidade similares às da Demência frontotemporal Possível: puramente semântica

65 4 b) Demência Semântica Patologia: Inclusões neuronais tau negativas / ubiquitina positivas Mas todas as outras são possíveis!

66 4 c) Afasia progressiva não-fluente Dificuldades progressivas com a produção do discurso Discurso hesitante, anomia, parafrasias fonêmicas, agramatismo Progressão para mutismo

67 4 c) Afasia progressiva não-fluente Outros domínios cognitivos passarão a ser afetados tarde no curso da doença! Todos os tipos histopatológicos da Deg. FT!

68 4 Observação Afasia primária prgressiva Erro de nomenclatura (antigo) Podia ser tanto a D. Semântica (fluente) quando a A.P.N.Fluente!!!

69 Tipos de Demência b) Menos comuns 1.Demência na D. de Parkinson 2.Doença de Huntington 3.Doença de Creutzfeldt-Jakob 4.Complexo AIDS-Demência

70 Tipos de Demência c) Potencialmente tratáveis 1.Hipotireoidismo 2.Deficiências de vitaminas B1, B12 ou A 3.Hidrocefalia de pressão normal 4.Pseudodemência depressiva 5.Sífilis, tumores

71

72

73 Apolipoproteína E Apoproteína: proteína que se conjuga a algo não protéico (ex. Vitaminas) Apolipoproteína é uma apoproteína de uma lipoproteína Implicada no metabolismo do quilomícron

74

75 Tipos de Demência b) Menos comuns 1.Demência na D. de Parkinson 2.Doença de Huntington 3.Doença de Creutzfeldt-Jakob 4.Complexo AIDS-Demência

76 B 1 Demência da DP 20-40% dos portadores de DP em estágio tardio da doença Dificuldades em pensamento abstrato, memória e controle comportamental Alucinações, ilusões e paranóia são comuns

77 B 2 D. Huntington Rara, autossômica, dominante Coréia e incoordenação motora Sintomas cognitivos variáveis Incurável e terminal Início típico aos 40 anos.

78 B 3 D. CreutzfeldtJakob Demência rapidamente progressiva, com perda de memória, alterações de personalidade e alucinações Mioclônus ataxia e convulsões

79 B 3 D. CreutzfeldtJakob Doença rapidamente progressiva e fatal Causada por proteínas infectantes (Príons) Função biológica desconhecida Afeta 1 pessoa em 1 milhão/ano

80

81 B 3 D. CreutzfeldtJakob

82

83 B 4 Complexo AIDS Demência Causada diretamente pelo vírus Após anos de infecção Geralmente múltiplos domínios cognitivos Sintomas motores presentes

84

85 Prevalência Dentre os muito idosos que sofrem de demência, quase 50% vivem na comunidade Dentre estes: - 45,5% têm demência leve - 44,5% têm demência moderada - 10,0% têm demência grave A prevalência aumenta com a idade

86 O que é Declínio Cognitivo Leve? Pródromo da DA (controverso) Critérios Déficit em testes de memória 1 DP abaixo do normal Sem perda funcional significante Não preenche critério para demência 12-15% de conversão por ano para DA Pesquisa-se a fisiopatologia e o tratamento

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar DEMÊNCIAS Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar Conceitos básicos Inteligência Cognição Memória Transtornos cognitivos Quadro confusional agudo Demência Inteligência Totalidade das funções cognitivas

Leia mais

DEMÊNCIAS. MEMÓRIA ORGANICA Memória Hábito, comum a todos os seres vivos.

DEMÊNCIAS. MEMÓRIA ORGANICA Memória Hábito, comum a todos os seres vivos. DEMÊNCIAS I) DEFINIÇÃO Demência pode ser considerada como um prejuízo global da inteligência, memória e personalidade, adquirido na vida adulta. O nível de consciência é claro. É vista mais freqüentemente

Leia mais

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP DEMÊNCIAS Medicina Abril 2007 Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP Queixa de memória, autocrítica excessiva depressão, ansiedade efeito de doença sistêmica ou medicação envelhecimento

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X Que recomenda ao governo a revisão da comparticipação estatal na aquisição de medicamentos específicos para o tratamento da Demência na Doença de Alzheimer. I EXPOSIÇÃO DE

Leia mais

Plenária temática CRMESP Aposentadoria Médica Perspectiva Psiquiátrica

Plenária temática CRMESP Aposentadoria Médica Perspectiva Psiquiátrica Plenária temática CRMESP Aposentadoria Médica Perspectiva Psiquiátrica Prof. Dr. Renato Luiz Marchetti Ipq-HCFMUSP Câmara Técnica Psiquiatria CREMESP Agenda de apresentação Problemas cognitivos dos idosos

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DAS DEMÊNCIAS

NEURORRADIOLOGIA DAS DEMÊNCIAS NEURORRADIOLOGIA DAS DEMÊNCIAS ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) Demência é o declínio da memória associado à deterioração de outra(s) das funções cognitivas (linguagem, gnosias, praxias e funções

Leia mais

Deficiência Mental O QUE É A DEMÊNCIA?

Deficiência Mental O QUE É A DEMÊNCIA? Deficiência Mental Nesta publicação trataremos de um tema de grande importância para toda a comunidade que é o Estudo das Demências. Graças à melhora das condições sanitárias e de cuidados com a saúde,

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA EM AVC Maria Gabriela Ramos Ferreira CRP12/01510 Especialista em Neuropsicologia Mestre em Saúde e Meio Ambiente Universidade da Região de Joinville UNIVILLE Definição de AVC

Leia mais

Memória. Dra. Marcia Y. Kimura Oka Médica Geriatra Especialista em Geriatria pela SBGG

Memória. Dra. Marcia Y. Kimura Oka Médica Geriatra Especialista em Geriatria pela SBGG Memória Dra. Marcia Y. Kimura Oka Médica Geriatra Especialista em Geriatria pela SBGG Alterações Cerebrais com o Envelhecimento Redução do volume (atrofia) Redução da Interconectividade cerebral Acúmulo

Leia mais

Clínica Neurofuncional

Clínica Neurofuncional II Curso de Verão Clínica Neurofuncional Dr. Clynton Correa e Dra. Paula Chaves da Silva Laboratório de Neurobiologia Comparativa e do Desenvolvimento p.chaves@bf.ufrj.br DOENÇA DE PARKINSON II Curso de

Leia mais

Car@ alun@, Seja bem-vind@ à Unidade Síndromes Geriátricas Demenciais!

Car@ alun@, Seja bem-vind@ à Unidade Síndromes Geriátricas Demenciais! Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo 05 Unidade 01 Lição 01 Síndromes Geriátricas Demências Introdução Car@ alun@, Seja bem-vind@ à Unidade Síndromes Geriátricas Demenciais! Nesta unidade,

Leia mais

Telencéfalo e Núcleos da Base Funções corticais superiores

Telencéfalo e Núcleos da Base Funções corticais superiores Telencéfalo e Núcleos da Base Funções corticais superiores Funções básicas que sustentam a vida são mediadas pela medula, tronco encefálico e diencéfalo No TELENCÉFALO ocorrem os processos psicológicos

Leia mais

Demência Resumo de diretriz NHG M21 (julho 2012)

Demência Resumo de diretriz NHG M21 (julho 2012) Demência Resumo de diretriz NHG M21 (julho 2012) EMoll van Charante E, Perry M, Vernooij-Dassen MJFJ, Boswijk DFR, Stoffels J, Achthoven L, Luning-Koster MN traduzido do original em holandês por Luiz F.G.

Leia mais

Psicoses Orgânicas. Psicoses Orgânicas. 02-01-2007 Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso

Psicoses Orgânicas. Psicoses Orgânicas. 02-01-2007 Psicopatologia Geral e Especial Carlos Mota Cardoso Psicoses Orgânicas 1 Definição Todas aquelas situações psicopatológicas (clínico - psiquiátricas) que resultam de uma lesão cerebral mais ou menos concreta e que podem ser devidas a múltiplos m factores

Leia mais

Doença de Alzheimer. Pedro Schestatsky MD, PhD. Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS

Doença de Alzheimer. Pedro Schestatsky MD, PhD. Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS Doença de Alzheimer Pedro Schestatsky MD, PhD Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS DEFINIÇÃO Piora adquirida e persistente da função intelectual com comprometimento de pelo menos três das seguintes esferas:

Leia mais

Demência associada ao HIV

Demência associada ao HIV Demência associada ao HIV A complicação do SNC mais comum é um comprometimento cognitivo de gravidade suficiente para justificar o diagnóstico de demência (Centers for Disease Control and Prevention; CDCP

Leia mais

Esclerose Lateral Amiotrófica ELA

Esclerose Lateral Amiotrófica ELA Esclerose Lateral Amiotrófica ELA É uma doença implacável, degenerativa e fatal que afeta ambos os neurônios motores superior e inferior; Etiologia desconhecida; Incidência de 1 a 2 : 100.000 pessoas;

Leia mais

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert Demências na Terceira idade Enfª Mda Josiane Steil Siewert Grandes síndromes neuropsiquiatricas na terceira idade: Delirium Demencias Depressão Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER ANDREIA GOMES DA SILVA Discente do Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas de MARY HELLEN PEREIRA NUNES Discente do Curso de Tecnologia

Leia mais

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico DEFINIÇÃO Comprometimento súbito da função cerebral causada por alterações histopatológicas em um ou mais vasos sanguíneos. É o rápido

Leia mais

FUNÇÕES ATRIBUÍDAS AOS LOBOS FRONTAIS. Profª. Jerusa Salles

FUNÇÕES ATRIBUÍDAS AOS LOBOS FRONTAIS. Profª. Jerusa Salles FUNÇÕES ATRIBUÍDAS AOS LOBOS FRONTAIS Profª. Jerusa Salles Lobos frontais: correlações anátomo-funcionais Três regiões: córtex motor primário (circunvolução frontal ascendente): motricidade voluntária.

Leia mais

Demências e doenças do movimento

Demências e doenças do movimento Demências e doenças do movimento Até há alguns anos, doenças que cursam com demência e distúrbios dos movimentos eram classificadas, de acordo com a apresentação clínica, como: (1) doenças nas quais a

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011

PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011 PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011 Processo-Consulta Protocolo CREMEC nº 5032/2011 Assunto: DOENÇA DE ALZHEIMER Relatora: DRA. PATRÍCIA MARIA DE CASTRO TEIXEIRA EMENTA: DOENÇA DE ALZHEIMER. PORTADOR.

Leia mais

COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE

COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE V CURSO DE DEMÊNCIAS E NEUROPSIQUIATRIA GERIÁTRICA DO HC-UFMG COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE Marco Túlio T Gualberto Cintra Preceptor da Residência de Geriatria HC/UFMG Doutorando do Programa Saúde do

Leia mais

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA 2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PSIQUIATRIA Questão nº: 21 Assinale a alternativa FALSA relativa aos quadros demenciais: a) A demência de Alzheimer se caracteriza por novelos neurofibrilares e placas

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

DEMÊNCIAS Prof.ª Letícia Vargas de Oliveira Brito Prof.ª Dr. ª Andrea Camaz Deslandes

DEMÊNCIAS Prof.ª Letícia Vargas de Oliveira Brito Prof.ª Dr. ª Andrea Camaz Deslandes DEMÊNCIAS Mestrado em Ciências do Exercício e do Esporte Mestranda: Prof.ª Letícia Vargas de Oliveira Brito Orientadora: Prof.ª Dr. ª Andrea Camaz Deslandes Demência Transtornos na seção "Demência" Desenvolvimento

Leia mais

DEMÊNCIAS E OUTROS TRANSTORNOS MENTAIS ORGÂNICOS. 7a. aula

DEMÊNCIAS E OUTROS TRANSTORNOS MENTAIS ORGÂNICOS. 7a. aula DEMÊNCIAS E OUTROS TRANSTORNOS MENTAIS ORGÂNICOS - Disciplina de pós graduação em Psicologia Clínica 7a. aula Francisco B. Assumpção Jr. cassiterides@bol.bom.br DEMÊNCIAS - Conceito Síndrome causada por

Leia mais

Outras Demências. Hidrocefalia de Pressão Normal Hematoma Sub-Dural Crônico Degeneração Fronto-Temporal Demências Reversíveis

Outras Demências. Hidrocefalia de Pressão Normal Hematoma Sub-Dural Crônico Degeneração Fronto-Temporal Demências Reversíveis Outras Demências Hidrocefalia de Pressão Normal Hematoma Sub-Dural Crônico Degeneração Fronto-Temporal Demências Reversíveis Características Clínicas da Hidrocefalia de Pressão Normal Inicialmente instala-se

Leia mais

Tempo. Desorientação no tempo. Espaço

Tempo. Desorientação no tempo. Espaço Todas as pessoas podem ter lapsos de memória durante as suas vidas, sendo normal esquecerem nomes de pessoas que não fazem mais parte de sua rotina de escola, trabalho ou social, ou q u a n d o não se

Leia mais

Monografía Curso de Capacitación Docente en Neurociencias

Monografía Curso de Capacitación Docente en Neurociencias Monografía Curso de Capacitación Docente en Neurociencias Alumna: Maria Carmen De Luca Menezes www.asociacioneducar.com Mail: informacion@asociacioneducar.com Facebook: www.facebook.com/neurocienciasasociacioneducar

Leia mais

Doenças desmielinizantes e degenerativas do SNC

Doenças desmielinizantes e degenerativas do SNC Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Seminário de Biopatologia 13 Dezembro 2006 Doenças desmielinizantes e degenerativas do SNC Doença de Creutzfeldt-Jakob A doença de Creutzfeldt-Jakob está

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos do Desenvolvimento Psicológico Transtornos do Desenvolvimento Psicológico

Leia mais

Outubro 2009 Wolfgang Gruner

Outubro 2009 Wolfgang Gruner Outubro 2009 Otto von Bismark 1878 Assistencia na doença Reforma . Franklin Roosevelt Social Security ACT 1935 31/07/2009 15,3 % JOVENS 67,2 % (>15

Leia mais

Estrutura Funcional do Sistema Nervoso. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Estrutura Funcional do Sistema Nervoso. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estrutura Funcional do Sistema Nervoso Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Estágios inicias da formação do SN O sistema nervoso humano começa a ser formado logo após a fecundação. À medida que se desenvolve

Leia mais

23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio

23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio 23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio Enunciado Paciente do sexo feminino, 86 anos, previamente hígida, há 4 meses com queixas de problemas de memória, déficit de atenção, lentificação

Leia mais

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos

Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas. Carmen Lúcia de A. santos Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Carmen Lúcia de A. santos 2011 Nosologia e Psicopatologia "Psico-pato-logia" "psychê" = "psíquico", "alma" "pathos" = "sofrimento, "patológico" "logos" "lógica",

Leia mais

SISTEMA NERVOSO INTEGRADOR

SISTEMA NERVOSO INTEGRADOR SISTEMA NERVOSO INTEGRADOR O sistema integrador é o responsável pelo que é feito entre a sensação e a ação: percepção, aprendizagem, memória e planejamento. O pensador de Rodin SISTEMA NERVOSO INTEGRADOR

Leia mais

Sinais e sintomas de AVC

Sinais e sintomas de AVC Sinais e sintomas de AVC Vânia Almeida Unidade de Neurologia do HVFX Dia Nacional do AVC 31-03-2015 Sumário Diagnóstico de AVC Avaliar o doente com a Escala NIHSS Localizar o AVC Diagnóstico de AVC Instalação

Leia mais

20/08/2010 REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NA PESSOA COM TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM

20/08/2010 REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NA PESSOA COM TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM I Seminário de Reabilitação Cognitiva nos Transtornos de REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA NA PESSOA COM TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM Marina Nery 1 Conceito Transtorno de Transtorno de Dificuldade de Inteligência

Leia mais

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença?

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Ansiedade = falta de confiança na vida No senso comum, ansiedade é igual a aflição, angústia, nervosismo, perturbação

Leia mais

DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL VARIANTE COMPORTAMENTAL TEORIA DA MENTE. Dra Valéria Santoro Bahia

DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL VARIANTE COMPORTAMENTAL TEORIA DA MENTE. Dra Valéria Santoro Bahia DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL VARIANTE COMPORTAMENTAL TEORIA DA MENTE Dra Valéria Santoro Bahia Grupo de Neurologia Cognitiva e do Comportamento HC-FMUSP Docente da Faculdade de Medicina da UNICID Assistente

Leia mais

Pseudodemência Depressiva

Pseudodemência Depressiva Pseudodemência Depressiva Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos psiquiátricos do envelhecimento A A velhice é um triste inventário de perdas e limitações Diminuem - a visão

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DEMÊNCIA: UM ENFOQUE NA DOENÇA DE ALZHEIMER

RELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DEMÊNCIA: UM ENFOQUE NA DOENÇA DE ALZHEIMER DOI: http://dx.doi.org/10.14295/idonline.v6i18.209 96 Pesquisa RELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DEMÊNCIA: UM ENFOQUE NA DOENÇA DE ALZHEIMER Rose Heidy Costa Silva (1) Luane Bitu Leal Alencar (2) Emanuel Tavares

Leia mais

DISFUNÇÕES DA LINGUAGEM: UM ENCONTRO ENTRE A LINGÜÍSTICA E A NEUROCIÊNCIA

DISFUNÇÕES DA LINGUAGEM: UM ENCONTRO ENTRE A LINGÜÍSTICA E A NEUROCIÊNCIA DISFUNÇÕES DA LINGUAGEM: UM ENCONTRO ENTRE A LINGÜÍSTICA E A NEUROCIÊNCIA Antonio José dos Santos Junior 1 Resumo: O presente artigo discute a interação entre a Lingüística e a Neurociência no que se refere

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância Nuclear Magnética

Imagem da Semana: Ressonância Nuclear Magnética Imagem da Semana: Ressonância Nuclear Magnética Imagem 01. Ressonância nuclear magnética do encéfalo em corte transversal ao nível dos ventrículos laterais Paciente, masculino, 73 anos, 4 anos de escolaridade,

Leia mais

papgia1o17 Capítulo 17 Avaliação Cognitiva em Pacientes Idosos Maurício de Miranda Ventura Cassio Machado de Campos Bottino

papgia1o17 Capítulo 17 Avaliação Cognitiva em Pacientes Idosos Maurício de Miranda Ventura Cassio Machado de Campos Bottino papgia1o17 Capítulo 17 Avaliação Cognitiva em Pacientes Idosos Maurício de Miranda Ventura Cassio Machado de Campos Bottino INTRODUÇÃO É comum, durante o processo de envelhecimento, o aparecimento de queixas

Leia mais

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL Prof. MsC Cláudio Diehl Nogueira Professor Assistente do Curso de Educação Física da UCB Classificador Funcional Sênior

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

Acção de Sensibilização Demência. Prevenção Clinica

Acção de Sensibilização Demência. Prevenção Clinica Acção de Sensibilização Demência Prevenção Clinica Mitos sobre o Envelhecimento... Mito 1: A maioria é senil ou tem demência Facto: Menos de 20% tem limitações consideráveis da memória Mito 2: A maioria

Leia mais

DEPRESSÃO NA DOENÇA DE PARKINSON

DEPRESSÃO NA DOENÇA DE PARKINSON 1 DEPRESSÃO NA DOENÇA DE PARKINSON Aliandro Mesquita Lisboa Instituto Pharmacológica aliandroml@hotmail.com Edson Negreiros dos Santos- Mestre em Farmacologia 1- INTRODUÇÃO O Brasil há muito perdeu suas

Leia mais

Sistema Nervoso e Envelhecimento. Demências

Sistema Nervoso e Envelhecimento. Demências Dr. Carlos R. Caron - Neurofepar 1 Sistema Nervoso e Envelhecimento Mais da ½ dos pacientes com idade acima de 85 anos, requer ajuda nas Atividades instrumentais da vida diária. A lentificação do processamento

Leia mais

Introdução à Neuropsicologia

Introdução à Neuropsicologia MÓDULO III Elaboração da anamnese: atendimento ao paciente cirúrgico. Apresentação de caso clínico Professora: Beatriz Baldivia Mini-currículo do professor -Psicóloga pela UNESP-Bauru (2005) - Mestre em

Leia mais

MODULO I - MARÇO 2014 SEXTA-FEIRA MANHÃ E TARDE

MODULO I - MARÇO 2014 SEXTA-FEIRA MANHÃ E TARDE MODULO I - MARÇO 2014 Apresentação do curso Conceitos em Geriatria e Gerontologia Epidemiologia do envelhecimento Conceitos de saúde, autonomia e independência Qualidade de vida e Envelhecimento bem-sucedido

Leia mais

SAMPO-IPQ. Transtorno Mental Orgânico: delirium e. demencia. Tânia Corrêa de Toledo Ferraz Alves

SAMPO-IPQ. Transtorno Mental Orgânico: delirium e. demencia. Tânia Corrêa de Toledo Ferraz Alves Transtorno Mental Orgânico: delirium e demencia Tânia Corrêa de Toledo Ferraz Alves Professora Colaboradora Médica Departamento Psiquiatria da FMUSP Medica Assistente Ipq-HCFMUSP taniafalves@gmail.com

Leia mais

Demência: A marcha diagnóstica no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários

Demência: A marcha diagnóstica no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários Universidade da Beira Interior Faculdade de Ciências da Saúde Demência: A marcha diagnóstica no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários Dissertação de Mestrado em Medicina Liliana Flores de Pinho Maio de

Leia mais

Ambulatório de Neurologia Comportamental ANCP. Afasias. Emmanuelle Silva Tavares Sobreira - PSICÓLOGA Marina Ceres Silva Pena - PSICÓLOGA

Ambulatório de Neurologia Comportamental ANCP. Afasias. Emmanuelle Silva Tavares Sobreira - PSICÓLOGA Marina Ceres Silva Pena - PSICÓLOGA Ambulatório de Neurologia Comportamental ANCP Afasias Emmanuelle Silva Tavares Sobreira - PSICÓLOGA Marina Ceres Silva Pena - PSICÓLOGA Julho/2007 UM POUCO DE HISTÓRIA No séc. XIX, Gall e Spurzheim - funções

Leia mais

Cuidar do Idoso com demência

Cuidar do Idoso com demência Cuidar do Idoso com demência Na atualidade, somos confrontados com um processo de envelhecimento demográfico caracterizado por um aumento progressivo de população idosa, em detrimento da população jovem,

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth

RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth RESPOSTA RÁPIDA 365/2014 Doença de Parkinson Exelon Pacth SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO 0074..144137-2 DATA 31/03/2014 dra. Sônia Helena Tavares de Azevedo Comarca de Bom Despacho SOLICITAÇÃO Boa Tarde,

Leia mais

IMPACTO DA RN 167 e 211: COMO REDUZIR CUSTOS

IMPACTO DA RN 167 e 211: COMO REDUZIR CUSTOS IMPACTO DA RN 167 e 211: COMO REDUZIR CUSTOS UNIMED CAMPINAS - Área de atuação: Campinas e 12 cidades da região - Habitantes - Campinas: 1.064.669 - Região: 1.108.538 - Total de usuários: 635.280 - Local:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NO CUIDAR DA DOENÇA DE ALZHEIMER

A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NO CUIDAR DA DOENÇA DE ALZHEIMER A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NO CUIDAR DA DOENÇA DE ALZHEIMER Resumo Fábio Oliveira D Esquivel Gregório Neto Batista de Sousa Kassio Sousa Dos Santos Marcos Tadeu Franco Nunes Silvo Marcos Ramos Costa No presente

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO NEUROLOGISTA QUESTÃO 21 Crises convulsivas, hemiplegias, afasia e hemianopsias como sinais isolados ou em associação, sugerem patologia neurológica de topografia:

Leia mais

Demência vascular. Critérios diagnósticos e exames complementares

Demência vascular. Critérios diagnósticos e exames complementares Demência vascular Critérios diagnósticos e exames complementares Eliasz Engelhardt 1, Carla Tocquer 2, Charles André 3, Denise Madeira Moreira 4, Ivan Hideyo Okamoto 5, José Luiz de Sá Cavalcanti 6 Resumo

Leia mais

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA

OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA Universidade do Minho Escola de Engenharia OSTEOPOROSE VS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS USANDO A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA QUANTITATIVA José Artur Rodrigues Nº 55574 Orientador: Prof. Higino Correia Mestrado

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Dona Margarida. Fundamentação teórica Demência

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Dona Margarida. Fundamentação teórica Demência Caso complexo Dona Margarida Especialização em Fundamentação teórica DEMÊNCIA Sônia Maria Garcia Vigêta A Assistência Domiciliar constitui um recorte da Atenção Domiciliar que ocorre no âmbito da Atenção

Leia mais

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM

NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM NÃO HÁ MEMÓRIA DE UMA CAUSA ASSIM CONTACTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMILIARES E AMIGOS DE DOENTES DE ALZHEIMER SEDE Av. de Ceuta Norte, Lote 15, Piso 3 - Quinta do Loureiro 1300-125 Lisboa Tel: 213 610

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise

Fundada em 1986. Gestão Comportamental. Educação para a saúde Gestão de crise MISSÃO Educar para a prevenção e condução de crises, visando a saúde emocional individual, da família e da organização. Gestão Comportamental Fundada em 1986 PAP - Programa de Apoio Pessoal Atuações em

Leia mais

3 ENVELHECIMENTO E NEURODEGENERAÇÃO UMA VISÃO BIOQUÍMICA

3 ENVELHECIMENTO E NEURODEGENERAÇÃO UMA VISÃO BIOQUÍMICA 3 ENVELHECIMENTO E NEURODEGENERAÇÃO UMA VISÃO BIOQUÍMICA 3.1 Bioquímica e Fisiologia do envelhecimento: Vulnerabilidade para Doenças Neurodegenerativas O envelhecimento é caracterizado por um declínio

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

Introdução. Classificação Qualis/CAPES. Introdução. Religiosidade. Journal of Rehabilitation Medicine 2011; 43: 316 322. Papel protetor na saúde:

Introdução. Classificação Qualis/CAPES. Introdução. Religiosidade. Journal of Rehabilitation Medicine 2011; 43: 316 322. Papel protetor na saúde: Associação Médico-Espírita do Estado do Espírito Santo Departamento Acadêmico Estudo de Artigo Científico Afeta Saúde Mental, Dor e Qualidade de Vida em Pessoas Idosas em Ambulatório de Reabilitação Luiz

Leia mais

RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS)

RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS) RETARDO MENTAL (OLIGOFRENIAS) XIII - TRATAMENTO I DEFINIÇÃO II INTELIGÊNCIA III FATORES ETIOLÓGICOS IV EPIDEMIOLOGIA V - DIAGNÓSTICO DO RETARDO MENTAL NA CRIANÇA VI - CLASSIFICAÇÃO VII - FORMAS ETIOLÓGICAS

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER

SÍNDROME DE ASPERGER Philipe Machado Diniz de Souza Lima CRM 52.84340-7 Psiquiatra Clínico Psiquiatra da Infância e Adolescência Atuação: CAPSI Maurício de Sousa Matriciador em Saúde Mental AP3.3 SÍNDROME DE ASPERGER Síndrome

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSO PROJETO VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSO PROJETO VEZ DO MESTRE 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSO PROJETO VEZ DO MESTRE ATUAÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NA DOENÇA DE ALZHEIMER Por: Élica da Costa Rodrigues Orientador: Professor: Luiz Claudio Lopes Alves

Leia mais

Modelo integrado para avaliação neurocognitiva no idoso

Modelo integrado para avaliação neurocognitiva no idoso 1 Modelo integrado para avaliação neurocognitiva no idoso LEONARDO CAIXETA ANTONIO LUCIO TEIXEIRA Somos seres complexos, multifacetados, compreendendo diferentes dimensões, tradicionalmente categorizadas

Leia mais

DOENÇA DE ALZHEIMER: FATORES FISIOPATOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E GÊNICOS

DOENÇA DE ALZHEIMER: FATORES FISIOPATOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E GÊNICOS DOENÇA DE ALZHEIMER: FATORES FISIOPATOLÓGICOS, BIOQUÍMICOS E GÊNICOS Aracele Silva Cardoso, Jéssica Lorrayne Viana Ferreira, Larissa Godoy Del Fiaco e Rodrigo da Silva Santos Faculdade de Medicina Alfredo

Leia mais

A PSICOLOGIA E A MATURESCÊNCIA 1.

A PSICOLOGIA E A MATURESCÊNCIA 1. O Sentido da Vida é Ser Feliz! A PSICOLOGIA E A MATURESCÊNCIA 1. 2 Atualmente, percebe-se um aumento mundial da população idosa, em conseqüência de fatores de desenvolvimento social: expectativa de vida,

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

PARKI (dicloridrato de pramipexol) GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido. 0,125 mg, 0,25 mg e 1,0 mg

PARKI (dicloridrato de pramipexol) GERMED FARMACÊUTICA LTDA. Comprimido. 0,125 mg, 0,25 mg e 1,0 mg PARKI (dicloridrato de pramipexol) GERMED FARMACÊUTICA LTDA Comprimido 0,125 mg, 0,25 mg e 1,0 mg IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO PARKI dicloridrato de pramipexol APRESENTAÇÕES Comprimidos de 0,125 mg, 0,25

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO GERIATRA QUESTÃO 21 Em relação à fisiopatologia da hipertensão arterial no paciente idoso, marque a alternativa CORRETA: a) A pressão diastólica tende a ficar

Leia mais

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL Das Informações Éticas na Participação de Médicos em Seminários, Fóruns, Conferências, Congressos e

Leia mais

CÂMARA MUNICIPALDE BELO HORIZONTE PARECER SOBRE O PROJETO DE LEI N 069/2009 COMISSÃO DE SAÚDE E SANEAMENTO VOTO DO RELATOR RELATÓRIO

CÂMARA MUNICIPALDE BELO HORIZONTE PARECER SOBRE O PROJETO DE LEI N 069/2009 COMISSÃO DE SAÚDE E SANEAMENTO VOTO DO RELATOR RELATÓRIO L ld;i~rj CÂMARA MUNICIPALDE BELO HORIZONTE PARECER SOBRE O PROJETO DE LEI N 069/2009 COMISSÃO DE SAÚDE E SANEAMENTO VOTO DO RELATOR RELATÓRIO De autoria do Vereador Anselmo José Domingos, o projeto de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

Alterações de comportamento nos cães geriátricos secundárias a problemas de saúde. Daniel Gonçalves MV

Alterações de comportamento nos cães geriátricos secundárias a problemas de saúde. Daniel Gonçalves MV Alterações de comportamento nos cães geriátricos secundárias a problemas de saúde www.hospvetmontenegro.com CÃO SEM SEGREDOS CÃO SEM SEGREDOS SEM SEGREDOS Os cães seniores são os melhores: conhecem-nos

Leia mais

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA Áreas de concentração: O presente programa está organizado em duas áreas de concentração, cada uma das quais contemplando três linhas de pesquisa nas quais se distribuem

Leia mais

Título: Achados Clínicos da deglutição e do comportamento alimentar de idosos com demência avançada

Título: Achados Clínicos da deglutição e do comportamento alimentar de idosos com demência avançada Título: Achados Clínicos da deglutição e do comportamento alimentar de idosos com demência avançada Descritores: demência, alimentação, deglutição Introdução: As demências são caracterizadas pela presença

Leia mais

ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS NA DOENÇA DE LHERMITTE-DUCLOS

ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS NA DOENÇA DE LHERMITTE-DUCLOS NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES. CALIDAD DE VIDA Y SOCIEDAD ACTUAL ALTERAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS NA DOENÇA DE LHERMITTE-DUCLOS Cláudia Alves* & Maria Lapa Esteves** * Aluna do Mestrado em Psicologia Clínica

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA CID RESUMO ADAPTADO

FONOAUDIOLOGIA CID RESUMO ADAPTADO FONOAUDIOLOGIA CID RESUMO ADAPTADO Código Descrição F.80.0 Dislalia F.80.1/F.80.2 Atraso de Linguagem F.81.0 Dislexia F.81.1 Disortografia F.81.2 Discalculia Infantil F.81.8 Agrafia F.81.9 Dificuldade

Leia mais

Sistema Nervoso Central (SNC)

Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sistema Endócrino O Sistema Nervoso é composto por: Sistema Nervoso Central (SNC) CENTROS NERVOSOS Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos cranianos Constituição

Leia mais

Principais Enfermidades Neurológicas no processo de envelhecer

Principais Enfermidades Neurológicas no processo de envelhecer Principais Enfermidades Neurológicas no processo de envelhecer Distúrbios Neurodegenerativos Demência Doença de Alzheimer DA Demência de corpos de Lewy - DCL Fundamentos de Geriatria e Gerontologia Profa:

Leia mais

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER NTRR63/2013 Solicitante: Des. Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Número do processo:1.0145.12.066387-0/001 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 03/05/2013 Medicamento X Material

Leia mais

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência

Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência Diretrizes da OMS para diagnóstico de Dependência 1 - Forte desejo ou compulsão para usar a substância. 2 - Dificuldade em controlar o consumo da substância, em termos de início, término e quantidade.

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais