TÍTULO I OBJETIVOS. Artigo 1.º Objetivos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO I OBJETIVOS. Artigo 1.º Objetivos"

Transcrição

1 Regulamento da RIPD A Rede Ibero-americana de Proteção de Dados (RIPD) surge na sequência do acordo alcançado entre os representantes de 14 países ibero-americanos, participantes no Encontro Ibero-americano de Proteção de Dados (EIPD), realizado em Antígua, Guatemala, entre 1 e 6 de junho de Esta iniciativa contou desde o seu início com um apoio político espelhado na Declaração Final da XIII Cimeira de Chefes de Estado e Governo dos países ibero-americanos, que teve lugar em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, em 14 e 15 de novembro de 2003, conscientes da natureza da proteção de dados pessoais como direito fundamental, assim como da importância das iniciativas regulatórias ibero-americanas para proteger a privacidade dos cidadãos. A consolidação da Rede concretizou-se na aprovação do seu Regulamento, por ocasião do VI Encontro, realizado em Cartagena das Índias, Colômbia, de 27 a 30 de maio de 2008, no qual se fixaram os seus objetivos e se formalizou o seu funcionamento interno. A RIPD configura-se, assim, desde a sua criação em 2003, como um fórum permanente de troca de informação, aberto a todos os países membros da Comunidade Ibero-americana, permitindo envolver vários intervenientes tanto do setor público como do privado, com a finalidade de promover os desenvolvimentos normativos necessários para garantir uma regulação avançada do direito à proteção de dados pessoais num contexto democrático, tendo em consideração a necessidade de um contínuo fluxo de dados entre países que têm diversos laços em comum e uma preocupação por este direito. A atividade da Rede durante estes dez anos foi intensa e frutífera, promovendo a realização de dez Encontros, um por ano, e de Seminários sobre os mais variados temas de interesse, como foram, entre outros, a proteção de dados de menores; os dados de saúde; o setor financeiro (fraude); o sector comercial e marketing, em particular a luta contra o spam; as novas tecnologias e o seu impacto sobre a privacidade e as transferências internacionais. Esta trajetória levou a que a Rede se tenha consolidado como principal promotora do diálogo e impulsionadora de iniciativas e políticas na região, das quais resultaram que mais de 150 milhões de cidadãos latino-americanos disponham atualmente de normas que permitem garantir eficazmente a utilização da sua informação pessoal e de autoridades especializadas com competências para tutelar tais garantias. 1

2 Exemplos significativos do avanço legislativo produzido na região durante estes dez anos de funcionamento da Rede encontram-se em países como a Argentina (Lei 25326/2008); Uruguai (Lei /2008); Perú (Lei 29733/2011); Costa Rica (Lei 8968/2011); Nicarágua (Lei 787/2012) e Colômbia (Lei 1581/2012), que foi a última a integrar o grupo de países que dispõem de legislação específica nesta matéria. Tudo isto contribuiu, sem dúvida, para o reforço da presença da região nos fóruns internacionais, presença essa que, com o esforço coletivo de todos os participantes na Rede, irá aumentar nos próximos anos. Tal foi constatado por ocasião da 33ª Conferência Internacional de Autoridades de Proteção de Dados e Privacidade, realizada no México, em 2011, e confirmada um ano depois na 34ª CIAPDP, realizada em Punta del Este, Uruguai. Concretamente, no âmbito desta Conferência, teve lugar o X Encontro da RIPD, em cuja declaração se reconhece: «Uma vez que a Rede é constituída por quem pertence a algum organismo público cuja atuação está relacionada com a proteção de dados pessoais nos seus respetivos países, é indispensável proceder às alterações correspondentes no seu Regulamento, a fim de formalizar a participação dos seus membros e continuar os esforços para promover e fortalecer a proteção adequada de este direito humano à proteção de dados e à privacidade» (Declaração final, ponto 2). O objetivo do X Encontro, ao pugnar pela revisão do Regulamento, foi fundamentalmente o de reforçar o carácter institucional da RIPD numa dupla perspetiva: por um lado, clarificando o estatuto atual dos membros da Rede mediante a atribuição da condição de Membro, Observador ou Perito Acreditado, com os seus respetivos direitos e obrigações, em especial o direito de voto de que gozam apenas os primeiros; e, por outro, fortalecendo a cooperação entre os seus membros, com a utilização de instrumentos que possibilitem às instituições e entidades membros com competências de execução e controlo um cumprimento mais efetivo da legislação de proteção de dados, promovendo ao mesmo tempo a colaboração com outras Redes e fóruns com objetivos afins aos da Rede. Isto sem prejuízo de outras alterações de carácter formal justificadas por melhorias técnicas ou pelas necessárias adaptações sistemáticas resultantes das modificações introduzidas. Em suma, com a presente revisão do Regulamento pretende-se formalizar um processo de institucionalização da Rede, que permita dotá-la de uma estrutura e modo de funcionamento mais conforme com o seu atual nível de desenvolvimento, preparando-a para continuar a crescer e poder assumir novos desafios cada vez mais ambiciosos. 2

3 TÍTULO I OBJETIVOS Artigo 1.º Objetivos São objetivos da RIPD: a) Promover a cooperação, o diálogo e o uso partilhado da informação para o desenvolvimento de iniciativas e políticas de proteção de dados; b) Promover políticas, tecnologias e metodologias que permitam garantir o direito fundamental à proteção de dados pessoais; c) Prestar assistência técnica e partilha de conhecimentos tecnológicos aos membros que o solicitem; d) Promover acordos com instituições públicas ou privadas que permitam o desenvolvimento e execução de projetos de interesse mútuo; e) Promover a edição e publicação de documentos de trabalho e de obras que permitam divulgar e difundir os resultados obtidos no desenvolvimento das suas atividades; f) Participar em fóruns internacionais; g) Dar transparência e difusão universal a todas as atividades da RIPD; h) Promover programas de formação entre os seus membros, tais como sobre a informação aos cidadãos quanto ao uso e destino dos seus dados pessoais e os direitos que podem exercer perante a utilização que se faça dos mesmos. TÍTULO II COMPOSIÇÃO Artigo 2.º Composição 1. A RIPD é composta por: - Membros; - Observadores; 3

4 2. Os membros da RIPD representam organismos públicos que contribuem para promover, estimular e tomar decisões sobre as políticas de proteção de dados pessoais e privacidade nos seus respetivos países. 3. Sempre que num país existam diferentes instituições nacionais membros da RIPD, estas devem eleger, entre si, aquela que realiza a tarefa de coordenação perante a RIPD. A instituição coordenadora será considerada a interlocutora, sem prejuízo de que aos EIPD possam assistir representantes das diferentes instituições vinculadas e com competências na matéria nos respetivos países. Artigo 3.º Condição de Membro 1. Terão a condição de Membro da RIPD os organismos e entidades públicas do universo ibero-americano que concluam de forma satisfatória o processo de admissão previsto no artigo 6.º do presente Regulamento, e que cumpram os seguintes critérios: a) Que se trate de uma entidade pública, criada por instrumento legal adequado com base em tradições legais do país ou organização internacional a que pertence; b) Que tenha atribuídas competências em matéria de proteção de dados ou privacidade de dados pessoais; c) Que a legislação segundo a qual opere seja compatível com os principais instrumentos internacionais relativos à proteção de dados ou salvaguarda da privacidade, e d) Que tenha atribuídos os adequados poderes legais para o desempenho das suas funções. 2. Os Membros da RIPD têm os seguintes direitos e obrigações: a) Acreditar os seus representantes nos EIPD, que assistem às suas sessões com direito de intervenção e de voto. Também podem participar nos Seminários e nas restantes atividades que a RIPD organize; b) Eleger a Presidência da RIPD; c) Aprovar os pedidos de admissão de novos membros; d) Apoiar técnica e financeiramente, quando necessário, a RIPD no desempenho das suas funções; 4

5 e) Realizar as tarefas que lhe sejam solicitadas pelo EIPD em coordenação com os órgãos competentes da RIPD, informando periodicamente a Presidência e o Secretariado Permanente sobre o avanço dos trabalhos; f) Integrar os Órgãos da RIPD nos termos previstos por este Regulamento. Artigo 4.º Condição de Observador 1. Podem integrar a RIPD, com o estatuto de Observador, as seguintes entidades e organizações: a) Entidades públicas que, tendo objetivos similares aos da RIPD, não cumpram os critérios estabelecidos no artigo anterior; b) Organizações internacionais cuja atividade está relacionada com a proteção de dados pessoais; c) Qualquer outra organização que tenha concedido a condição de Observador à RIPD, conforme o princípio da reciprocidade. 2. São direitos e obrigações dos Observadores os seguintes: a) Acreditar os seus representantes nos EIPD, que assistem às suas sessões com direito de intervenção. Também podem participar nos Seminários e nas restantes atividades que a RIPD organize; b) Integrar os Grupos de Trabalho por convite dos mesmos; c) Acordar com a RIPD a realização de projetos específicos; d) Utilizar os serviços da RIPD cumprindo com as normas correspondentes. Artigo 5.º Peritos convidados 1. Podem participar nos Encontros, por convite, com direito a intervir mas sem direito a votar, peritos em matéria de proteção de dados, em particular quando contribuam para o desenvolvimento legislativo nesta matéria. 5

6 2. Podem também ser convidadas a participar nas reuniões e atividades da RIPD pessoas e organizações com conhecimentos e experiência específica nos diferentes assuntos que venham a tratar-se. Artigo 6.º Regras e Procedimento de admissão 1. Podem integrar a RIPD as organizações e entidades públicas que, de acordo com o procedimento e os critérios regulados nos números seguintes, manifestem o seu interesse em aderir à mesma e assumam as funções que, como membro, lhes são atribuídas. 2. O pedido de adesão deve ser dirigido, de forma justificada, ao Secretariado Permanente, o qual, de acordo com os critérios e requisitos estabelecidos, instrui os pedidos correspondentes e apresenta-os no EIPD seguinte; ou, em caso de urgência, submete-os ao Comité Executivo, que os aprova, neste caso, por maioria simples dos seus membros. 3. É adotado o mesmo procedimento para os pedidos de revisão da condição de membro da RIPD. TÍTULO III ORGANIZAÇÃO Artigo 7.º Órgãos da RIPD São órgãos da RIPD: - A Presidência; - O Comité Executivo; - O Secretariado Permanente; - O Encontro Ibero-americano (EIPD). Artigo 8.º Presidência 1. A Presidência da RIPD é eleita por maioria simples de entre os Membros presentes no EIPD. 6

7 2. Tem direito de voto quem possua a condição de Membro. A votação realiza-se por ocasião do correspondente EIPD, uma vez decorridos dois anos desde o Encontro em que se efetuou a eleição. 3. A Presidência compete à pessoa que ocupe a posição de direção, presidência ou cargo similar na Instituição ou Comissão Nacional de proteção de dados pessoais do respetivo membro da RIPD. 4. A Presidência é ocupada por um período de dois anos, podendo renovar-se por iguais períodos. Em todo o caso, as suas funções são exercidas até à nova eleição. 5. Compete à Presidência da RIPD: a) Representar a RIPD em todos os fóruns nacionais ou internacionais nos quais se tratem aspetos relacionados com a proteção de dados; b) Promover e apoiar nas Câmaras legislativas nacionais dos países do universo iberoamericano todas as iniciativas legislativas relativas à proteção de dados; c) Promover e representar a RIPD junto dos diferentes atores sociais que operam no espaço ibero-americano e cuja atividade incide sobre este direito fundamental; d) Presidir as reuniões do Comité Executivo. 6. A Presidência pode convocar, após consulta prévia aos membros do Comité Executivo, as reuniões que considere oportunas, a fim de debater, analisar ou resolver determinadas questões que não possam aguardar pelo EIPD seguinte. Artigo 9.º Comité Executivo 1. O Comité Executivo é constituído pela Presidência e por três Vogais membros da RIPD. O Secretariado Permanente da RIPD faz parte do mesmo como membro por inerência. 2. As pessoas que ocupam a Presidência e os Vogais não podem representar o mesmo país. 7

8 3. O mandato do Comité Executivo tem a mesma duração que o da Presidência. Decorrido o mesmo e por ocasião do Encontro Ibero-americano seguinte, são eleitos os novos membros. 4. O Comité Executivo tem as seguintes funções: a) Assistir aos EIPD e aos seminários setoriais que se realizem durante o ano de exercício e decidir sobre os temas relacionados com o funcionamento e as atividades da RIPD; b) Aprovar o programa de trabalho do ano de exercício seguinte e impulsionar todas as ações necessárias para a realização do próximo EIPD; c) Aprovar a constituição dos Grupos de Trabalho; d) Cooperar ativa e periodicamente com o Secretariado Permanente no desenvolvimento das suas funções; e) Atuar como revisor editorial das publicações submetidas. 5. As decisões do Comité Executivo são adotadas por consenso; quando este não for possível, são adotadas por maioria dos votos expressos, excluídas as abstenções. 6. As reuniões do Comité Executivo podem realizar-se, utilizando os meios tecnológicos adequados que permitam o desenrolar das mesmas sem necessidade de que os seus membros se desloquem a outro país. Artigo 10.º Secretariado Permanente 1. O Secretariado Permanente da RIPD é assegurado pela Agencia Española de Protección de Datos, que assume as tarefas de coordenação como órgão técnico e de seguimento das atividades da RIPD. 2. O Secretariado Permanente garante a continuidade institucional das tarefas e funções da RIPD. 3. O Secretariado Permanente assume as seguintes funções: a) Manter uma relação contínua com o Comité Executivo da RIPD; 8

9 b) Estabelecer contactos com organismos nacionais e internacionais, instituições relacionadas e de cooperação, a fim de gerir possíveis apoios técnicos e logísticos para o desempenho das atividades da RIPD; c) Concretizar, juntamente com os Grupos de Trabalho, as decisões e projetos aprovados nos EIPDs; d) Procurar uma comunicação aberta e o intercâmbio de informação entre os membros da RIPD, tendo em conta as suas iniciativas e propostas; e) Promover e coordenar as atividades dos Seminários e dos Grupos de Trabalho; f) Instruir os pedidos de admissão à RIPD de novos membros; g) Convocar e colaborar na organização dos EIPDs; h) Tramitar os convites a peritos e observadores dos EIPDs. Artigo 11.º Encontro Ibero-americano (EIPD) 1. O Encontro Ibero-americano é o órgão constituído por todos os membros da RIPD, que se realiza anualmente e tem o carácter de Assembleia Geral da mesma. 2. O EIPD tem a natureza de fórum de discussão direta e de adoção de decisões e documentos. 3. As reuniões do EIPD realizam-se segundo as modalidades de Sessão Aberta e Sessão Fechada. 4. Compete à Sessão Fechada: a) Eleger o Presidente da RIPD e o Comité Executivo; b) Definir a direção estratégica da RIPD; c) Estabelecer os Grupos de Trabalho apropriados; d) Debater e, consoante o caso, votar as resoluções e declarações propostas; e) Adotar os relatórios submetidos pelo Comité Executivo e pelos Grupos de Trabalho; 9

10 f) Decidir sobre a admissão e revisão da condição de membro da RIPD, em conformidade com as regras e princípios contidos neste Regulamento; 5. A Sessão Fechada é presidida pela Presidência da Rede, que pode delegá-la no Secretariado Permanente ou no representante da Cidade anfitriã. 6. As decisões da Sessão Fechada são adotadas por consenso e, quando tal não for possível, são adotadas por maioria dos votos expressos, excluídas as abstenções. 7. Cada país só pode expressar um voto. Quando assista à Sessão Fechada mais do que um membro do mesmo país, a autoridade nacional, após consulta com os outros membros em causa, expressará o voto. 8. A lista dos membros votantes é adotada no início de cada Sessão Fechada, sob proposta do Comité Executivo. Artigo 12.º Grupos de Trabalho 1. Pode ser decidida a criação de Grupos de Trabalho, os quais desenvolvem um trabalho sistemático e especializado por temas. 2. Os Grupos de Trabalho são constituídos por membros da RIPD e desenvolvem os trabalhos e projetos determinados em cada Encontro, dependendo a sua composição das matérias que lhes sejam atribuídas, assim como dos membros e interessados. Podem solicitar junto de entidades todo o tipo de informação necessária para o desenvolvimento da sua atividade. 3. Os Grupos de Trabalho podem ter um carácter temporário ou permanente, de acordo com as atividades que desenvolvam e segundo o que se decidir nos EIPDs. 4. Os Grupos de Trabalho devem reportar oportunamente ao Secretariado Permanente da RIPD os progressos feitos nos documentos de trabalho de que estejam incumbidos, e apresentar os seus resultados no EIPD seguinte ou nos Seminários respetivos, dependendo do conteúdo dos mesmos. 10

11 TÍTULO IV COOPERAÇÃO Artigo 13.º Princípio da cooperação 1. A RIPD promove o diálogo e a cooperação entre os seus membros como princípio basilar para garantir o cumprimento efetivo do direito à proteção de dados pessoais, bem como o desenvolvimento e aplicação adequados das respetivas legislações. 2. O princípio da cooperação abrange preferencialmente os contextos de formação e treino; intercâmbio de informação; transmissão de experiências; análise de projetos legislativos (cooperação legislativa) e exercício das respetivas competências de execução da legislação de proteção de dados pessoais. 3. A cooperação entre os membros da RIPD articula-se através dos seguintes mecanismos: a) Instrumentos básicos de cooperação; b) Instrumentos de cooperação reforçada. Artigo 14.º Instrumentos básicos de cooperação 1. É fomentado entre os membros da RIPD, através dos instrumentos que se considerem adequados, o intercâmbio de informação que seja de interesse comum. Em especial, a RIPD dispõe de um sítio de Internet como instrumento de difusão de notícias e atividades próprias da Rede. A sua gestão e manutenção competem ao Secretariado Permanente, em estreita coordenação com os membros da Rede. É igualmente impulsionada uma base de dados jurisprudencial com as decisões judiciais mais relevantes na área da privacidade e da proteção de dados pessoais. 2. É promovida a troca de experiências e, em geral, a formação e treino técnico do pessoal e autoridades das respetivas instituições e entidades. Com esse fim, são estimuladas a organização de visitas, oficinas, seminários, e outros atos conjuntos. 11

12 1. Acordos de colaboração. Artigo 15.º Instrumentos de cooperação reforçada Os membros da RIPD podem subscrever, com carácter bilateral ou multilateral, acordos de colaboração com o seguinte objeto: - Análise de projetos legislativos; - Intercâmbio de documentação; - Fomento de estudos e investigações; - Troca de experiências; - Formação; - Transmissão de experiências sobre sistemas de informação. 2. Mecanismos de cooperação na aplicação da legislação. De acordo com o que estabeleça o direito interno, e sobre a base do princípio da reciprocidade e do pleno respeito pelo direito à proteção de dados de carácter pessoal, as instituições e entidades membros da RIPD, com competências de execução e controlo, promovem o uso de instrumentos de cooperação para garantir o cumprimento efetivo da legislação de proteção de dados pessoais. Artigo 16.º Cooperação com outras Redes ou organizações afins São promovidas, mediante os mecanismos que se considerem mais adequados, as relações de colaboração com outras Redes ou fóruns que tenham objetivos afins aos da RIPD e, em especial, com aqueles que obtenham a condição de Observador. Disposição final No prazo de um ano, a contar a partir da aprovação da presente revisão, as entidades, organizações e pessoas que reúnam as condições e requisitos estabelecidos nos artigos 2.º a 6.º do presente Regulamento manifestam a sua vontade expressa de adesão à RIPD, mediante pedido dirigido ao Secretariado Permanente, o qual, uma vez finalizado tal prazo, procede à publicação da lista de membros da RIPD e seu respetivo estatuto. O Secretariado Permanente elabora o respetivo modelo de pedido de adesão. Uma vez publicada a relação, decorre um período de 3 meses para que os afetados possam apresentar eventuais reclamações perante o Secretariado Permanente. 12

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO TÉCNICA ELETROTÉCNICA CTE 79

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMISSÃO TÉCNICA ELETROTÉCNICA CTE 79 Artigo 1º Preâmbulo O presente documento estabelece as regras de funcionamento interno da Comissão Técnica Eletrotécnica 79 (CTE 79), respetivas Subcomissões (SC) e Grupos de Trabalho (GT), com base nos

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PLANO NACIONAL DE AÇÃO PARA OS DIREITOS DA CRIANÇA As crianças são encaradas como sujeitos de direitos, a partir do momento em que o seu bem-estar é concebido como uma consequência

Leia mais

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE)

Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Regulamento do Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora (CIEP-UE) Sob proposta da Directora do CIEP-UE, com parecer favorável da Assembleia de Representantes da Escola de

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 2 de julho de 2014. Série. Número 99

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 2 de julho de 2014. Série. Número 99 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 2 de julho de 2014 Série Sumário ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DAMADEIRA Resolução da Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO IBEROAMERICANA DE TELESSAÚDE E TELEMEDICINA (AITT)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO IBEROAMERICANA DE TELESSAÚDE E TELEMEDICINA (AITT) Capítulo I ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO IBEROAMERICANA DE TELESSAÚDE E TELEMEDICINA (AITT) Denominação, domicilio e objectivo social Artigo I Denominação e domicilio Com a denominação de Associação Iberoamericana

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Regulamento da Creche da Assembleia da República

Regulamento da Creche da Assembleia da República Regulamento da Creche da Assembleia da República Despacho n.º 855/2005, de 23 de novembro de 2004 publicado no Diário da República, II Série, n.º 9, de 13 de janeiro de 2005 com as alterações introduzidas

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR Aprovado em Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar de 16 de março de 2015, em Reunião de Câmara de 01

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE Artigo 1.º Natureza jurídica e denominação social A Sociedade, que adota a denominação de Banco Primus SA («a Sociedade»),

Leia mais

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa

Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa Decreto n.º 139/80 Convenção sobre o Reconhecimento dos Estudos e Diplomas Relativos ao Ensino Superior nos Estados da Região Europa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO PAULA FRASSINETTI (CIPAF) REGULAMENTO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO PAULA FRASSINETTI (CIPAF) REGULAMENTO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO PAULA FRASSINETTI (CIPAF) REGULAMENTO REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI - CIPAF PREÂMBULO Concebendo o conhecimento como fator fortemente potenciador do

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE

MANUAL DA QUALIDADE. Página: 2 Edição: 01 Revisão: 0 ÍNDICE Manual da Qualidade Página: 2 ÍNDICE CAP 1 Manual de Gestão da Qualidade 1.1 Objetivo do manual 1.2 Âmbito do Sistema de Gestão da Qualidade 1.2.1 Exclusões 1.3 Terminologia e abreviaturas usadas no manual

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. 3812 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. 3812 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012 3812 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012 Artigo 11.º Norma revogatória É revogado o Decreto Regulamentar n.º 21/2007, de 29 de março, alterado pelo Decreto -Lei n.º 273/2007, de

Leia mais

ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I. Natureza, denominação, duração, sede e objeto. Artigo 1.º. Natureza e denominação

ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I. Natureza, denominação, duração, sede e objeto. Artigo 1.º. Natureza e denominação ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I Natureza, denominação, duração, sede e objeto Artigo 1.º Natureza e denominação A sociedade tem a natureza de sociedade anónima de capitais

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS DA JUSTIÇA OEA/Ser.K/XXXIV.3 OU DE MINISTROS OU PROCURADORES-GERAIS REMJA-III/doc. 13/00 rev. 2 DAS AMÉRICAS 3 março 2000 1º a 3 de março de 2000 Original: espanhol San José,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Artigo 74.º Direitos dos pais e encarregados de educação São direitos dos pais e encarregados de educação: a) Participar

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

MENSAGEM N.º 164, DE 2015 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 164, DE 2015 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 164, DE 2015 (Do Poder Executivo) Aviso nº 209/2015 - C. Civil Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional

Código de Ética e Conduta Profissional Código de Ética e Conduta Profissional ÍNDICE DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS 1 ARTIGO 1º. - Âmbito de Aplicação 1 ARTIGO 2º. Princípios Aplicáveis 2 ARTIGO 3º. Relação com os clientes/consumidores 3 ARTIGO

Leia mais

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Capítulo I Constituição, Âmbito, Objecto e Atribuição Artigo 1.º (Denominação e natureza) É constituída por tempo indeterminado, uma associação

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d e G u i a - P o m b a l 2014/2018 ÍNDICE ÍNDICE...2 PREÂMBULO...3 Capítulo I...3 Disposições Gerais...3 Artigo 1.º - Âmbito de aplicação...3 Artigo 2.º - Objeto...3 Artigo 3.º - Composição...3 Artigo 4.º - Designação dos representantes...3

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

FUNDAÇÃO LUIS DE MOLINA FP ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Natureza

FUNDAÇÃO LUIS DE MOLINA FP ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Natureza FUNDAÇÃO LUIS DE MOLINA FP ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Fundação Luis de Molina FP, adiante designada simplesmente por Fundação, é uma Fundação Pública de Direito Privado,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A.

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. 1 O presente regulamento define as regras que orientam a função do Provedor do Cliente da Médis - Companhia Portuguesa

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público DIRETIVA n.º 3/2014 Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público A entrada em vigor do Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovado pela Lei n.º 23/2013, de

Leia mais

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Os presentes Estatutos da APAESUL - Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul,

Leia mais

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo MUNICIPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Regulamento Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez: Faz público que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, na sua sessão

Leia mais

COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE

COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE CAPÍTULO I - PRINCÍPIO GERAIS Artigo 1º - Objeto 1. O presente documento tem por objetivo definir o estatuto do Provedor do Cliente da Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A. e estabelecer um conjunto

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho Municipal de Políticas Culturais,

Leia mais

Regimento. do Conselho Municipal de Educação. município, garantir o adequado ordenamento da rede educativa nacional e municipal;

Regimento. do Conselho Municipal de Educação. município, garantir o adequado ordenamento da rede educativa nacional e municipal; Regimento do Conselho Municipal de Educação Ao abrigo do artigo 8º do Decreto-Lei nº 7/2013, de 15 de janeiro, alterado pela Lei nº 41/2003, de 22 de agosto (objeto da Declaração de Retificação nº 13/2003,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito, duração, objeto e princípios ARTIGO 1.º

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR

3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR 3574 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 139 18 de Junho de 2003 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E DO ENSINO SUPERIOR Decreto-Lei n. o 120/2003 de 18 de Junho A Lei Orgânica do Ministério da Ciência e do Ensino Superior,

Leia mais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente estatuto visa regular o funcionamento e competências

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta no fomento de medidas de apoio ao

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO Preâmbulo A Universidade do Porto, doravante designada UP, considera que a protecção e valorização dos resultados de I&D e de outras actividades

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas. Modulo 3 As Entidades Nacionais de Normalização. Unidade 3 A Comissão Técnica (CT)

Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas. Modulo 3 As Entidades Nacionais de Normalização. Unidade 3 A Comissão Técnica (CT) Formação sobre Normalização para Comissões Técnicas Modulo 3 As Entidades Nacionais de Normalização Unidade 3 A Comissão Técnica (CT) Objetivos do módulo 1. Saber identificar as principais atribuições

Leia mais

FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração)

FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração) FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração) Aprovado em Assembléia Geral Ordinária realizada no dia 11 de Setembro de 2014 às 16:00h,

Leia mais

PROPOSTA DE REGIMENTO DO SECRETARIADO TÉCNICO PERMANENTE DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DA CPLP

PROPOSTA DE REGIMENTO DO SECRETARIADO TÉCNICO PERMANENTE DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DA CPLP PROPOSTA DE REGIMENTO DO SECRETARIADO TÉCNICO PERMANENTE DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DA CPLP Maio de 2012 1 1. Introdução Tendo em conta a mais alta prioridade da erradicação da fome e da pobreza,

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias desempenham um papel fundamental no desenvolvimento desportivo e no incremento da prática desportiva, devido

Leia mais

Art.7º. A Província tem sua estrutura e organização nas seguintes áreas de animação: III. ÓRGÃOS DE GOVERNO E DE ANIMAÇÃO

Art.7º. A Província tem sua estrutura e organização nas seguintes áreas de animação: III. ÓRGÃOS DE GOVERNO E DE ANIMAÇÃO ESTATUTO DA PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE I. NOME, COMPOSIÇÃO Art. 1º. A Província La Salle Brasil-Chile 1 é parte do Instituto dos Irmãos das Escolas Cristãs, Instituto de Vida Religiosa, de direito

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração ESTATUTOS Artigo Primeiro Denominação, natureza jurídica, sede e duração 1. É constituída a contar da data de hoje e por tempo indeterminado uma associação privada denominada de "LusNIC Associação de Registries

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora Considerando que cabe às instituições de ensino superior aprovar a regulamentação necessária

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 22/2014 Aprova o Regimento do Centro de Informática da Universidade Federal da Paraíba. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA DO GRUPO CTT. Regulamento Interno 1. Artigo Primeiro. Objeto e Missão

COMISSÃO DE ÉTICA DO GRUPO CTT. Regulamento Interno 1. Artigo Primeiro. Objeto e Missão COMISSÃO DE ÉTICA DO GRUPO CTT Regulamento Interno 1 Artigo Primeiro Objeto e Missão 1. O presente Regulamento tem por objeto disciplinar a composição, o funcionamento e as competências da Comissão de

Leia mais

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO

ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO Capitulo I Da denominação, sede, âmbito, natureza e fins Artigo 1º Da denominação e sede A União Distrital das

Leia mais

Proposta de Regulamento Interno do Conselho de Enfermagem Regional Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros

Proposta de Regulamento Interno do Conselho de Enfermagem Regional Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros Secção Regional do Sul Proposta de Regulamento Interno do Conselho de Enfermagem Regional Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros CAPÍTULO 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 - Objeto e Âmbito 1- O

Leia mais

Estatutos da ELSA UMinho

Estatutos da ELSA UMinho Estatutos da ELSA UMinho Título I Princípios Gerais Capítulo I Identificação e Fins Artigo 1º The European Law Students' Association 1 - A The European Law Students' Association da Universidade do Minho,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ESTATUTO SOCIAL DA FIAMA EMPRESA JÚNIOR AMAMBAI MS 2010 FIAMA -Empresa Júnior Rua Padre Anchieta, 202 Amambai-MS 2 EMPRESA JUNIOR Visando

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO (AEEP)

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO (AEEP) ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO (AEEP) Versão atualizada com as alterações aprovadas em Assembleia-Geral de vinte e nove de novembro de dois mil e treze. CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO DE AUDITORIA Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS/COMISSÃO

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 10 REGULAMENTO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A participação dos cidadãos na construção de uma sociedade

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO Instituto de Ciências Sociais REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO O Conselho do Instituto, em reunião de 21 de Julho de 2010 deliberou aprovar o presente regulamento de funcionamento. Capítulo I (Natureza

Leia mais

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Projeto do Regulamento Orgânico da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições gerais Art.º 1.º Habilitação O Regulamento Orgânico da FCUL assenta nos preceitos da legislação

Leia mais

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto

Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Lei n. 108/91 de 17 de Agosto Conselho Económico e Social A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164., alínea d), 168. n. 1, alínea m) e 169., n. 3 da Constituição, para valer como lei

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de actividade Artigo 1.º Designação 1. É constituída,

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

Regulamento do Sistema de Avaliação de Desempenho

Regulamento do Sistema de Avaliação de Desempenho Regulamento do Sistema de Avaliação de Desempenho da Assembleia da República (SIADAR) Resolução da Assembleia da República n.º 83/2004, de 29 de Dezembro A Assembleia da República resolve, nos termos do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÉ DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA INTERREG V A ESPANHA PORTUGAL (POCTEP) 2014-2020

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÉ DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA INTERREG V A ESPANHA PORTUGAL (POCTEP) 2014-2020 Tradução Versão aprovada pelo CA 19/05/2016 REGULAMENTO INTERNO DO COMITÉ DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA INTERREG V A ESPANHA PORTUGAL (POCTEP) 2014-2020 O Regulamento (UE) nº 1303/2013 do Parlamento Europeu

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE DA ESG/ ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. CAPÍTULO I Disposições Gerais

REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE DA ESG/ ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. CAPÍTULO I Disposições Gerais REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE DA ESG/ ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação e objetivo 1 - O presente Regulamento é aplicável a

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais