ViverAprender Escola de Negócios e Administração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ViverAprender Escola de Negócios e Administração"

Transcrição

1 2014 ViverAprender Escola de Negócios e Administração Rua Conselheiro Veloso da Cruz, V. N. Gaia Telf Fax Neste documento encontrará o programa e os objetivos detalhados de cada um dos módulos, bem como toda a informação necessária para compreender o funcionamento do curso.

2 GUIA DO CURSO: Índice 1. Apresentação da ENA Identificação da empresa Descrição da actividade Estrutura orgânica da Escola 3 2. Enquadramento geral do curso Relevância, pertinência e oportunidade Objetivos Gerais do curso Destinatários Competências a Desenvolver 6 3. Condições de acesso Situações gerais 7 4. Conteúdos programáticos Estrutura Programática Geral Estrutura Programática Detalhada Organização e desenvolvimento do curso Informação Geral Cronograma tipo do Curso Modelo de desenvolvimento da formação Modelo da avaliação da aprendizagem 30 1

3 1. Apresentação da ENA 1.1. Identificação da empresa A ENA tem a designação social de ViverAprender Escola de Negócios e Administração, Lda., e é uma sociedade comercial por quotas, constituída em 2001, com sede na Rua Conselheiro Veloso da Cruz, nº 524, em Vila Nova de Gaia. A ENA encontra se acreditada junto da Direção de Serviços de Qualidade e Acreditação (DSQA), da Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) nos seguintes domínios: Diagnóstico de Necessidades Formativas; Conceção de intervenções, programas, instrumentos e suportes formativos (incluindo a validação específica para a formação à distância); Organização e promoção de intervenções ou atividades formativas (incluindo a validação específica para a formação à distância); Desenvolvimento/execução de intervenções ou atividades formativas (incluindo a validação específica para a formação à distância) Descrição da atividade A Escola de Negócios e Administração é uma instituição de ensino que oferece à comunidade empresarial e institucional serviços de formação e desenvolvimento de competências. Desenvolve a sua atividade nas seguintes vertentes: Atividade formativa A atividade formativa da ENA reparte se pelos seguintes tipos de formação: Formação profissional cofinanciada; Formação privada; E learning Prestação de serviços de consultoria Elaboração de diagnósticos de necessidades de formação; Elaboração de planos de formação; Gestão administrativa e financeira da formação; Elaboração de conteúdos formativos; Avaliação da formação; Elaboração de projetos de certificação. 2

4 Atividade editorial e de produção de conteúdos A primeira grande preocupação relacionada com a produção de conteúdos visou criar manuais certificados para cada um dos módulos integrados nos cursos. O material produzido respeita um manual de estilo adotado pela Escola e as regras vigentes para entidades certificadas neste domínio. Para além de editar a revista AUTÁRQUICA (uma publicação trimestral que se destina a quadros técnicos das autarquias), a ENA constituiu se partner e representante da plataforma e learning DOKEOS, utilizando este suporte para ministrar formação, editar conteúdos e disponibiliza los aos alunos dos diferentes cursos Estrutura orgânica da Escola A Escola de Negócios e Administração está estruturada em quatro grandes direções, uma direcionada para a gestão administrativa e pedagógica, outra direcionada para o planeamento estratégico e auditoria, outra para a gestão financeira e fiscal, e outra direcionada para a área editorial e o e learning (ver figura 1). Direção geral Direção de Gestão do Sistema da Qualidade Direção Administrativa e Pedagógica Direção de Planeamento Estratégico e Auditoria Direção Financeira e Fiscal Direção Editorial e E Learning FIGURA 1: Organigrama da Escola de Negócios e Administração No que se refere aos professores, são de destacar as seguintes áreas em que a escola reúne um corpo docente com qualidade para ministrar conhecimentos: Marketing e Gestão Comercial; Comunicação e Relações Públicas; Formação Pedagógica de Formadores; Técnicas Administrativas e Secretariado; Contabilidade e Fiscalidade; Sistemas de Informação; Informática na Ótica do Utilizador; Gestão Autárquica e das Instituições Públicas; Gestão de Recursos Humanos; Qualidade, Ambiente, Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho. 3

5 2. Enquadramento geral do curso 2.1. Relevância, pertinência e oportunidade A sociedade contemporânea, caracterizada por mudanças rápidas em termos técnicos, tecnológicos, comunicacionais e organizacionais, exige uma atualização que vá ao encontro das necessidades do mercado de trabalho. Urge implementar um sistema de formação alternativo e contínuo que possa dar resposta às lacunas dos recursos humanos, privilegiando a qualidade e a validação da aprendizagem. A ENA não prevê a simples transposição dos conteúdos e know how já adquirido na formação presencial para os meios eletrónicos. É nosso objetivo estruturar uma aprendizagem tendo por base as valências da era digital, utilizando pedagogias ativas e colaborativas em ambientes online. Ou seja, para o curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores procuramos oferecer uma interatividade fácil, com conteúdos apelativos e facilmente acessíveis, permitindo uma aprendizagem flexível em termos de tempo e conteúdo, onde o ritmo está em sintonia com a disponibilidade dos aprendentes, todavia devidamente acompanhada e apoiada por um sistema de tutoria e de formação presencial. A formação à distância concebida pela Escola tem por base os princípios do blended learning, fundindo os princípios da formação presencial e do ensino à distância. Associado à cultura digital, os pontos fortes do e learning são múltiplos: fácil interatividade, rapidez de distribuir informação, fácil acesso a conteúdos apelativos e com elevado potencial de valorização pessoal e profissional, o ritmo personalizado e a flexibilidade de horários e ainda a redução e a racionalização dos recursos. A componente presencial servirá, fundamentalmente, para ultrapassar um dos pontos fracos do e learning: a ausência da relação humana entre formador e formandos. Este será uma forma de aumentar a confiança e a credibilidade deste sistema de formação. A construção do curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores em e learning procura combinar diferentes recursos, conciliando a formação à distância e a presencial. Para tal, procurámos ter em atenção os seguintes aspetos: Construir guias de suporte e de encaminhamento, de modo a que os formandos possam compreender os progressos e as prioridades; Facilitar uma aprendizagem multifuncional; Encorajar a independência e ao convívio, ou seja, conciliar o autoestudo com a participação presencial e online; Construir ferramentas flexíveis; Reforçar a comunicação e apostar na redundância, transmitindo a mesma mensagem através de diferentes fontes e em diversos formatos. 4

6 2.2. Objetivos Gerais do curso A ENA como entidade formadora que visa a garantia de qualidade e a melhoria de situações de ensinoaprendizagem na formação profissional exigirá, no final do curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores, que os formandos que concluam o curso com aproveitamento sejam capazes de: Desenvolver conteúdos de aprendizagem para determinados programas previamente definidos; Situar o papel do formador no sistema onde desenvolve a sua atividade e definir o respetivo perfil de competências desejável; Preparar, desenvolver e avaliar sessões de formação tendo em conta a facilitação do processo de aprendizagem pela seleção e aplicação dos métodos, técnicas e meios pedagógicos mais adequados e a operacionalização da formação pela definição de objetivos operacionais e pelo controlo dos resultados; Autoavaliar o desempenho face ao perfil de competências desejado Destinatários Profissionais que pretendam vir a exercer a sua atividade como formador nas mais variadas áreas psicossociais ou técnicas abrangendo habilitações mínimas obrigatórias Competências a Desenvolver Numa sociedade do conhecimento e da informação, a formação profissional assume um papel de relevo inquestionável, constituindo se como um sistema organizado e propiciador de aquisição de saberes e de competências, instrumentos valiosos de adaptação ao atual contexto socioeconómico. Neste quadro recai sobre os vários atores da formação uma responsabilidade de grande relevo. Neste contexto, o formador destaca se já que lhe cabe animar e facilitar as aprendizagens, desempenhando um papel singular na interface do sistema: é o recurso e o suporte de projetos de desenvolvimento individual e coletivo. É neste pressuposto de garantia de qualidade e de melhoria de situações de ensino aprendizagem na formação profissional, que a ENA Escola de Negócios e Administração, pretende desenvolver o Curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores em e learning, tendo por base a regulação da certificação de competências pedagógicas, regulamentada pela Portaria nº 214/2011, de 30 de Maio. Assim, para a ENA a atividade de formador não significa apenas o ato de ministrar conteúdos formativos: sendo um elemento preponderante é importante que esteja envolvido na preparação, no desenvolvimento e na avaliação das ações e dos restantes intervenientes. E a aquisição destas competências pode ser desenvolvida com o curso de Formação Pedagógica Inicial, o formando poderá desenvolver competências a diferentes níveis: 5

7 a) a nível psicossocial: Saber estar em situação profissional: assiduidade, pontualidade, postura pessoal e profissional, aplicação ao trabalho, autonomia, boas relações de trabalho, capacidade de negociação, espírito de equipa, desenvolvimento pessoal e profissional; Desenvolver a capacidade de relacionamento: comunicação interpessoal, liderança, estabilidade emocional, tolerância, resistência à frustração, autoconfiança, autocrítica, sentido ético, pessoal e profissional; Desenvolver o relacionamento com o objeto de trabalho: capacidade de análise e de síntese, planificação e organização, resolução de problemas, tomada de decisão, criatividade, flexibilidade, espírito de iniciativa e sensibilidade para a mudança. b) a nível técnico e pedagógico: Compreender e integrar se no contexto em que exerce a sua atividade: a população ativa, o mundo do trabalho e os sistemas de formação, o domínio técnico científico e/ou tecnológico: o papel e o perfil do Formador, os processos de aprendizagem e a relação pedagógica, a conceção e organização de cursos ou ações de formação; Adaptar se e cooperar em diferentes contextos organizacionais e a diferentes grupos de formandos; Planificar e preparar, individualmente ou em grupo, as sessões de formação, nomeadamente, analisar o contexto específico das sessões: objetivos, programa, perfis de entrada e saída, condições de realização da ação, conceber planos das sessões, definir objetivos pedagógicos, analisar e estruturar os conteúdos de formação, selecionar os métodos e as técnicas pedagógicas, conceber e elaborar os suportes didáticos, conceber e elaborar os instrumentos de avaliação; Conduzir o processo de formação/aprendizagem em grupo de formação, nomeadamente, desenvolver os conteúdos de formação, desenvolver a comunicação no grupo, motivar os formandos, gerir os fenómenos de relacionamento interpessoal e de dinâmica do grupo, gerir os tempos e os meios materiais necessários à formação, utilizar os métodos, técnicas, instrumentos e auxiliares didáticos; Gerir a progressão na aprendizagem dos formandos, nomeadamente, efetuar a avaliação formativa informal e formal, bem como a avaliação final; Avaliar a eficiência e eficácia da formação, nomeadamente avaliar o processo formativo e participar na avaliação do impacto da formação nos desempenhos profissionais. 6

8 3. Condições de acesso 3.1. Situações gerais a) Pré requisitos (perfil de entrada): As condições de acesso à Formação Pedagógica Inicial de Formadores exigem a verificação dos requisitos de entrada, exigidos pela Portaria 214/2011 de 30 de Maio, associados ao nível de qualificação escolar: 1. Deve ter uma qualificação de nível superior (o que não implica que tenha obrigatoriamente que ter esta habilitação); 2. Em componentes, unidades ou módulos de formação orientados para competências de natureza mais operativa, o formador pode ter uma qualificação de nível igual ao nível de saída dos formandos, desde que tenha experiência profissional comprovada de, no mínimo, cinco anos; 3. Não pode ter qualificações inferiores ao 9.º ano de escolaridade; b) Competências de utilização ao nível de informática: O curso de FPIF em e learning tem como pressuposto que os formandos detenham competências mínimas, como utilizador no domínio da utilização dos softwares de utilização corrente (processador de texto, por exemplo) e da utilização da Internet e da Web. Como a Escola não fará a verificação destes pré requisitos, o candidato será responsável pelas suas capacidades no domínio das ferramentas informáticas. c) Requisitos mínimos tecnológicos Computador funcional, equipado com placa de som, conjunto de microfone e colunas de som. Acesso Internet, preferencialmente acesso cabo ou ADSL. Browser: Internet Explorer ou Netscape. 7

9 4. Conteúdos programáticos 4.1. Estrutura Programática Geral O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores apresentado pela ENA contempla os conteúdos programáticos necessários à aquisição das competências adequadas ao perfil profissional do futuro formador. Ao longo do tempo, temos procurado adaptar e actualizar as estruturas do curso de acordo com as indicações do IEFP e consequentemente melhorando e atualizando os conteúdos ministrados e os instrumentos de avaliação utilizados. Estrutura Programática Pres. AO AE Duração M0 Acolhimento e Integração 2 2 M1 Formador, Sistema, Contextos e Perfil M2 Simulação Pedagógica Inicial M3 Comunicação e Dinamização de Grupos em Formação CRA Comunicação dos Resultados de Aprendizagem 2 2 M4 Metodologias e Estratégias Pedagógicas M5 Operacionalização da Formação: do Plano à Ação M6 Recursos Didáticos e Multimédia CRA Comunicação dos Resultados de Aprendizagem 2 2 M7 Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem M8 Avaliação da Formação e das Aprendizagens CRA Comunicação dos Resultados de Aprendizagem 2 2 M9 Simulação Pedagógica Final Encerramento 2 2 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO Pres. Formação presencial AO Formação Online Assíncrona AE Auto estudo 8

10 Metodologia: Utilização conjugada de métodos adequados aos diferentes domínios do curso: cognitivo, psicomotor e comportamental. Serão privilegiados os métodos activos e demonstrativos, recorrendo a todos os instrumentos de formação síncrona e assíncrona que a plataforma disponibiliza, facultando apresentações multimédia, jogos pedagógicos, dramatizações, o estudo de casos práticos e a trabalhos de grupo. Caso seja necessário utilizar métodos e técnicas diferentes dos aqui descritos, a coordenação pedagógica e os formadores trabalharão essa questão, procurando sempre optimizar as metodologias às necessidades específicas dos participantes; Meios Pedagógicos Projeção de apresentações multimédia, incluindo diapositivos e vídeo; Manuais específicos elaborados pela ENA para o curso de FPIF: 1. Formador, Sistema, Contextos e Perfil 2. Simulação Pedagógica Inicial 3. Comunicação e Dinamização de Grupos em Formação 4. Metodologias e Estratégias Pedagógicas 5. Operacionalização da Formação: do Plano à Ação 6. Recursos Didáticos e Multimédia 7. Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem 8. Avaliação da Formação e das Aprendizagens 9. Simulação Pedagógica Final Utilização de computadores pessoais pelo formador e pelos formandos, nomeadamente, no módulo relativo à planificação da formação e às novas tecnologias de informação e comunicação; Bibliografia de apoio Estrutura Programática Detalhada M0 2 horas Sessão de Apresentação Acolhimento e integração Apresentação da equipa pedagógica, do curso e dos participantes 9

11 M0 Objetivos Nesta sessão pretende se: Apresentar todos os participantes no desenvolvimento do curso; Explicar o regulamento de funcionamento do curso e da ENA. M1 PARTE A Formador: Contextos de Intervenção FORMADOR: Contextos de Intervenção 1. Políticas Europeias e Nacionais de Educação e Formação 1.1. De um ponto de vista histórico 1.2. Para uma política educativa comum 1.3. O Quadro Europeu de Qualificações (QEQ) 1.4. O Sistema Nacional de Qualificações O Quadro Nacional de Qualificações O Catálogo Nacional de Qualificações Caderneta individual de competências 1.5. Principais ofertas formativas disponíveis 2. Conceitos e fundamentos da Formação Profissional em Portugal 2.1. Breve evolução histórica 2.2. O contexto atual: Legislação de enquadramento da Formação Profissional 2.3. Mas afinal o que é a formação profissional? 3. O Formador 3.1. Breve contextualização da atividade 3.2. O Certificado de Competências Pedagógicas 3.3. Perfil do Formador: um profissional multitarefas O papel do Formador As características do Formador As competências do Formador Competências sociais e relacionais Competências técnicas e profissionais As funções do Formador Direitos e deveres do Formador 4. Caracterização do sistema e modalidades existentes 4.1. O Sistema de educação e formação profissional 4.2. Tipos e Modalidades de Formação Profissional Educação e formação profissional inicial 10

12 Modalidades de educação e formação profissional inicial de nível secundário Modalidade de educação e formação profissional inicial de nível póssecundário (não superior) Educação e formação profissional contínua 4.3. Modalidades de Intervenção Formativa Presencial E learning B Learning 4.4. Processos de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC) RVCC Escolar RVCC Profissional PARTE B Aprendizagem, Criatividade e Empreendedorismo 1. Aprendizagem 1.1. O que é a Aprendizagem? 1.2. Características do processo de aprendizagem 2. Perspetivas teóricas da aprendizagem 2.1. Perspetiva Comportamentalista (Behaviorista) Condicionamento clássico Condicionamento operante Aprendizagem social Implicações da perspetiva comportamentalista na formação 2.2. Perspetiva Cognitivista Implicações da perspetiva cognitivista na formação 2.3. Perspetiva Construtivista Implicações da perspetiva construtivista na formação 2.4. Perspetiva Humanista 2.5. Quadro resumo das diferentes perspetivas da aprendizagem 3. Processos, etapas e fatores psicológicos da aprendizagem 3.1. Tipos de aprendizagem 3.2. Modelos de aprendizagem (falta modelos que estão nas aulas/sessões) Modelo Hierárquico de Aprendizagem Modelo do Processamento da Informação Modelo de Ausubel 11

13 10 horas Modelo Instrucional de Gagné e Briggs 3.3. Dimensões/Domínios da Aprendizagem 3.4. Processos, objetivos e domínios da aprendizagem 3.5. Fatores que podem influenciar a aprendizagem 4. Psicologia da Aprendizagem: Pedagogia, Andragogia e Didática 4.1. Pedagogia e Didática 4.2. Pedagogia e Andragogia 4.3. Pedagogia diferenciada e diferenciação pedagógica: Diferenciar porquê? 5. Empreendedorismo: Espírito empreendedor na formação 5.1. Competências empreendedoras em formação 5.2. Barreiras ao empreendedorismo M1 Objetivos Pretende se que cada formando, no final do módulo, seja capaz de: Caracterizar os sistemas de qualificação com base nas finalidades, no público alvo, nas tecnologias utilizadas e no tipo e modalidade de formação pretendida; Identificar a legislação, nacional e comunitária, que Regulamenta a Formação Profissional; Enunciar as competências e capacidades necessárias à atividade de formador; Discriminar as competências exigíveis ao formador no sistema de formação; Identificar os conceitos e as principais teorias, modelos explicativos do processo de aprendizagem; Identificar os principais fatores e as condições facilitadoras da aprendizagem; Desenvolver um espírito crítico, criativo e empreendedor. M2 PARTE A PARTE B 10 horas Simulação Pedagógica Inicial Preparação e Concretização das Simulações 1. Características da técnica de simulação pedagógica 2. Processo de desenvolvimento das simulações Análise e Projeto de Melhoria 1. Análise e autoanálise dos comportamentos pedagógicos observados 2. Diagnóstico das competências demonstradas e a adquirir/melhorar 3. Elaboração de um projeto de melhoria para acompanhamento da progressão das aprendizagens 12

14 M2 Objetivos Pretende se que cada formando, no final do módulo, seja capaz de: Preparar, desenvolver e avaliar sessões de formação; Identificar os aspetos pedagógicos considerados mais importantes no processo de ensinoaprendizagem; Propor soluções alternativas, apresentar sugestões de estratégias pedagógicas diversificadas; Exercitar competências de análise e de autoanálise relativamente a comportamentos observados no desenvolvimento de uma sessão de ensino aprendizagem. M3 PARTE A Comunicação e Dinamização de Grupos de Formação Comunicação e Comportamento Relacional 1. Caracterização do Processo de Comunicação 1.1. A Importância da Comunicação 1.2. O processo de comunicação 1.3. Comunicação Eficaz e Eficiente: Formas de Atuação 1.4. Comunicação Verbal e não verbal 1.5. A escuta ativa e o feedback 1.6. Barreiras à Comunicação 1.7. Estilos Comunicacionais Caracterização dos estilos Comunicacionais 1.8. Métodos e Técnicas de Comunicação 2. Fatores inibidores/potenciadores do relacionamento interpessoal e comunicacional 3. Organização do espaço da formação (princípios de Ergonomia) 4. Trabalho Colaborativo 5. Teorias, Fatores, Métodos e Técnicas de Motivação 5.1. Ciclo Motivacional 5.2. Teorias de Motivação Teoria de Maslow A teoria das três necessidades de David McClelland Teoria dos fatores Motivadores e Higiénicos de Herzberg Teoria das Características da Função de Hackman e Oldham 5.3. O papel da motivação na formação 5.4. Métodos e Técnicas de motivação 13

15 6. Estilos de Liderança e os seus efeitos na prática pedagógica PARTE B 10 horas 6.1. Estilos de Liderança 6.2. O formador enquanto líder 6.3. O formando enquanto líder 7. O contrato formativo: compromisso entre liberdade e responsabilidade 8. Princípios da Programação Neurolinguística 8.1. Programação Neurolinguística e Aprendizagem Diversidade no contexto de formação 1. Técnicas e Estratégias de caracterização do grupo de formação 1.1. Atributos dos Grupos 2. A diversidade 2.1. Métodos de gestão da diversidade 3. Processos de Mediação 4. Técnicas de dinâmicas de grupo 4.1. As técnicas de dinâmicas de grupo 5. A gestão de conflitos 5.1. O conflito 5.2. Significados do conflito 5.3. Diferentes formas de lidar com os conflitos 5.4. Estereótipos na sala de aula 6. Individualidade no processo de aprendizagem M3 Objetivos Pretende se que cada formando, no final do módulo, seja capaz de: Compreender a dinâmica formador formandos objeto de aprendizagem, numa perspetiva de facilitação dos processos de formação; Compreender os fenómenos psicossociais, nomeadamente o da liderança, decorrentes nos grupos em contexto de formação; Gerir diferentes grupos de trabalho, com fortes condições de potenciar a discriminação e bloquear a aprendizagem; Compreender a dinâmica da individualidade de aprendizagem no seio de um grupo de trabalho; Reconhecer a importância do mediador de grupos de trabalho. 14

16 CRA Comunicação dos resultados de aprendizagem Comunicação dos resultados de aprendizagem relativos a cada módulo e a cada formando; Avaliação intermédia da formação; Dúvidas 2 horas Este é o primeiro momento para comunicar os resultados de aprendizagem efectuado pelo aluno e realizado através de ferramentas assíncronas. M4 PARTE A Métodos e Técnicas Pedagógicas Métodos e Técnicas Pedagógicas 1. Metodologias e técnicas de Ensino/Aprendizagem 1.1. A Aprendizagem 1.2. Métodos de Formação de Adultos Andragogia Princípios básicos Planeamento, Realização e Avaliação da Formação 2. Metodologias e técnicas de autoestudo 3. Métodos pedagógicos e Técnicas Pedagógicas 3.1 Método pedagógico 3.2 Técnica pedagógica 3.3 Tipos de métodos Método Expositivo Método Interrogativo Método Demonstrativo Método Ativo 3.4 As Teorias da Aprendizagem e os Métodos Pedagógicos 3.5 Técnicas pedagógicas Trabalhos individuais Trabalhos de grupo Jogos pedagógicos Outras técnicas 15

17 Parte B 10 horas As técnicas em função dos métodos 3.6 Critérios de seleção dos métodos e/ou técnicas pedagógicas Pedagogia e Aprendizagem Inclusiva e Diferenciada 1. Relações entre formador formando e formando formando (sócio construtivismo) 2. Criatividade Pedagógica 3. Atividades Indoor e/ou Outdoor M4 Objetivos Pretende se que cada formando, no final do módulo, seja capaz de: Escolher e a aplicar as técnicas e os métodos pedagógicos mais adequados aos objetivos, aos públicos alvo e ao contexto de formação; Descrever as vantagens e importância da criatividade em meio pedagógico; Identificar estratégias inclusivas de públicos diferenciados; Identificar vantagens e desvantagens da aplicação das diferentes técnicas pedagógicas em contextos diferenciados. M5 PARTE A Competências e Objectivos Operacionais Competências e Objetivos Operacionais 1. Objetivos da formação e da aprendizagem 2. Funções e vantagens da definição de objectivos 3. Níveis de definição de objectivos 3.1. Classificação dos níveis 3.2. Objetivos terminais e intermédios 3.3. Objetivos de nível mínimo e de desenvolvimento 4. Redação de objetivos operacionais 4.1. Componentes fundamentais de um objetivo operacional 4.2. Exemplos de objetivos operacionais 5. Componentes e domínios da definição de objetivos pedagógicos 5.1. Domínios dos objetivos 6. Verbos de ação ou operatórios 6.1. Exemplos de objetivos operacionais com verbos operatórios 7. Conceito de competência: das competências aos objectivos 16

18 PARTE B Desenho do processo de formação aprendizagem 1. O plano de formação 2. Métodos e técnicas de organização e planeamento da formação 2.1. Política de formação Exemplos de operacionalização de políticas de formação 2.2. Análise da situação inicial Exemplos de operacionalização da análise da situação inicial 2.3. Análise das funções e atividades profissionais Exemplos de operacionalização de análise e função de atividades profissionais 2.4. Análise das necessidades de formação Exemplos de operacionalização de análise das necessidades da formação 2.5. Especificação dos objectivos Exemplos de operacionalização dos objectivos 2.6. Elaboração dos suportes didáticos Exemplos de elaboração dos suportes didáticos 2.7. Avaliação do plano de formação Exemplos de operacionalização do plano de formação 2.8. Organização de recursos Exemplos de operacionalização da organização de recursos 3. Formação de qualidade 4. Concepção e elaboração do plano de sessão 4.1. O plano de sessão 4.2. Objetivos do plano de sessão 4.3. A preparação do plano de sessão 4.4. Organização de uma sessão de formação 4.5. Fases da sessão 4.6. A importância de uma boa conclusão da sessão 4.7. Realização do plano de sessão 10 horas M5 Objetivos Pretende se que cada formando, no final do módulo, seja capaz de: Distinguir finalidades, metas, competências, objetivos gerais e objetivos específicos; Redigir objetivos pedagógicos em termos operacionais; 17

19 Hierarquizar objetivos segundo os domínios do saber; Planificar momentos de ensino aprendizagem; Identificar os princípios orientadores para a conceção e elaboração de planos de unidades de formação; Preencher fichas de planificação da formação (plano de ação de formação/ módulo/ sessão). M6 PARTE A Recursos Didácticos e Multimédia Exploração de Recursos Didáticos 1. O que são os recursos didácticos e para que servem 1.1. Objectivos dos recursos didácticos 2. Meios visuais não projectáveis 2.1. Quadro Branco 2.2. Quadro Conferência 2.3. Modelos e Maquetas 2.4. Documentos 2.5. Recursos meio ambiente 3. Meios visuais projectáveis 3.1. Retroprojector 3.2. Datashow 3.3. Projector diapositivos 4. Meios audiovisuais 4.1. Videoprojector 4.2. Televisão 5. Selecção de Recursos Didácticos 6. Critérios de produção de apresentações 6.1. Legibilidade 6.2. Clareza 6.3. Simplicidade 6.4. Composição 6.5. Cor 6.6. Relação Imagem/Fundo 6.7. Uniformização Gráfica 6.8. A Veracidade de Conteúdo 6.9. Facilidade de Leitura 18

20 PARTE B 10 horas Construção de Apresentações de Multimédia 1. Powerpoint 2. Construir a apresentação 2.1. Fundo da Apresentação 2.2. Tema 2.3. Esquema de cores 2.4. Esquema de diapositivos 2.5. Modelo Global de Diapositivos 2.6. Gestão de Diapositivos 2.7. Cabeçalho e Rodapé 2.8. Multimédia 2.9. Imagem Som Vídeo Diagramas Gráficos Hiperligações Animação Efeitos de Animação Transição entre diapositivos Executar a apresentação Configurar Visualizar Ferramentas de anotação Impressão M6 Objetivos Pretende se que cada formando, no final do módulo, seja capaz de: Selecionar, conceber e adequar os meios pedagógico didáticos, em suporte multimédia, em função da estratégia pedagógica adotada; Conceber, adequar e utilizar apresentações multimédia; Compreender a dinâmica e importância do PowerPoint como modelo de apresentação; Criar apresentações em PowerPoint tendo em conta as respetivas regras de elaboração. 19

21 CRA2 Comunicação dos resultados de aprendizagem Comunicação dos resultados de aprendizagem relativos a cada módulo e a cada formando; Avaliação intermédia da formação; Dúvidas 2 horas Este é o segundo momento para comunicar os resultados de aprendizagem efectuado pelo aluno e realizado através de ferramentas assíncronas. M7 PARTE A PARTE B 10 horas Plataformas: Finalidades e Funcionalidades Plataformas: Finalidades e Funcionalidades 1. Pesquisa e Navegação na Internet 2. A Web e a sua evolução (da 1.0 à actual) 3. Princípios básicos sobre o e learning 4. Técnicas de Organização e adequação da informação seleccionada aos destinatários da formação 5. Aprendizagem Cooperativa e Colaborativa 6. Tipologias e Funcionalidade de uma plataforma 7. Técnicas de adaptação dos conteúdos disponibilizados em papel à sua disponibilização online 8. Regras Net Etiqueta Comunidades Virtuais de Aprendizagem 1. Comunidades virtuais de aprendizagem 2. Princípios básicos da Web Inserção de recursos didácticos em plataformas colaborativas e de aprendizagem 4. Organização do trabalho pedagógico e comunicação online 4.1. Organização do trabalho pedagógico 4.2. Estratégias e Ferramentas de Comunicação Online 5. E formador e E moderador 5.1. E Tutoria 5.2. Competências do e tutor 20

22 M7 Objetivos Pretende se que cada formando, no final do módulo, seja capaz de: Compreender as mudanças evolutivas do Ensino a Distância; Identificar as características e as vantagens do e learning; Compreender o funcionamento das Plataformas de suporte da formação a distância; Identificar regras de formação através da Internet; Reconhecer a importância do e formador/e mediador no processo formativo a distância; Identificar e aplicar os mecanismos/softwares de comunicação online; Desenvolver uma formação utilizando as Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem para suporte de materiais. M8 PARTE A Avaliação da Formação e das Aprendizagens Avaliação quantitativa e qualitativa 1. Conceito, finalidades e objetos da avaliação 1.1. Conceito de avaliação da aprendizagem 1.2. Finalidades da avaliação da aprendizagem 1.3. Objetos da avaliação da aprendizagem 2. Tipos de avaliação da formação 3. Indicadores e critérios de avaliação da aprendizagem 4. Características e técnicas da avaliação 4.1. Fiabilidade 4.2. Validade 4.3. Objetividade 5. A problemática da subjetividade no processo de avaliação 6. Técnicas de avaliação de acordo com os objetivos, metodologias e estratégias de formação 6.1. Observação 6.2. Formulação de perguntas 6.3. Medição 7. Instrumentos de Avaliação 7.1. Instrumentos ao serviço da observação Listas de Verificação Grelhas de Observação Registo de Incidentes críticos 21

23 PARTE B 10 horas Escalas de observação 7.2. Instrumentos ao serviço da formulação de perguntas Listas de perguntas/ficha de registo de respostas Testes de Produção/Selecção 7.3. Instrumentos ao serviço da medição Ficha de avaliação analítica e quantitativa Ficha de avaliação analítica e qualitativa 7.4. Outros instrumentos e técnicas de avaliação 8. Escalas de classificação 8.1. Numéricas 8.2. Literal 8.3. Descritivas 9. Critérios de seleção das técnicas e instrumentos de avaliação da aprendizagem 10. Regras de conceção dos instrumentos de avaliação 11. Auto avaliação: Responsabilização pelos resultados alcançados 12. Principais estratégias para comunicação dos resultados de aprendizagem 13. Comunicação dos resultados individuais centrada nos objetivos 14. Exploração de estratégias de recuperação ou enriquecimento Avaliação da formação aplicada ao contexto de trabalho 1. Definição do conceito de avaliação da formação 2. Princípios e métodos de avaliação da formação 3. Avaliação da eficácia e eficiência do processo técnico pedagógico 4. Avaliação da qualidade da formação 5. Impacto da formação e inserção no mercado de trabalho 6. Papéis e intervenientes no processo de avaliação 7. Como construir uma Estratégia Avaliativa (técnicas e instrumentos de recolha de informação) 22

24 M8 Objetivos Pretende se que cada formando, no final do módulo, seja capaz de: Distinguir diferentes níveis de avaliação dos resultados de formação; Construir e aplicar instrumentos de avaliação em função dos objetivos previamente definidos, que permitam verificar e controlar os resultados da aprendizagem, a eficiência e a eficácia da formação; Identificar causas de subjetividade na avaliação; Aplicar um método sistémico e evolutivo de análise de resultados de formação; Propor medidas de regulação, com vista à melhoria do processo de formação. CRA3 Comunicação dos resultados de aprendizagem Comunicação dos resultados de aprendizagem relativos a cada módulo e a cada formando; Avaliação intermédia da formação; Dúvidas 2 horas Este é o terceiro momento para comunicar os resultados de aprendizagem efectuado pelo aluno e realizado através de ferramentas assíncronas. M9 PARTE A PARTE B 10 horas Simulação Pedagógica Final Preparação e Concretização das Simulações 1. Processo de desenvolvimento das simulações Análise e Prospetiva Técnico Pedagógica 4. Análise e autoanálise dos comportamentos pedagógicos observados 5. Síntese e avaliação dos comportamentos pedagógicos observados 6. Percursos para autoformação e Aprendizagem ao Longo da Vida 23

25 M9 Objetivos Pretende se que cada formando, no final do módulo, seja capaz de: Preparar, desenvolver e avaliar sessões de formação; Identificar os aspetos pedagógicos considerados mais importantes no processo de ensinoaprendizagem; Propor soluções alternativas, apresentar sugestões de estratégias pedagógicas diversificadas; Exercitar competências de análise e de autoanálise relativamente a comportamentos observados no desenvolvimento de uma sessão de ensino aprendizagem; Comparar o nível de competências pedagógicas adquiridas ao longo do processo formativo, com o nível de desempenho demonstrado no início da ação; Elaborar uma síntese e avaliação dos processos formativos vivenciados; Construir percursos para autoformação (traçado de percursos individuais de formação). Encerramento Encerramento Avaliação do Processo Formativo 2 horas Encerramento Objetivos Com esta sessão pretende se: Proceder à avaliação do processo formativa e dar conta dos resultados preliminares; Dar informações sobre os procedimentos administrativos para solicitar o CCP. 24

26 5. Organização e desenvolvimento do curso 5.1. Informação Geral O curso desenrola se num período compreendido até ao máximo de 6 meses, sendo que a componente presencial decorrerá em datas pré estabelecidas, conforme estabelecido em cronograma. Para cada módulo são definidas metas específicas de avaliação, podendo esta decorrer online ou de forma presencial Cronograma tipo do Curso Antes do início de cada edição será elaborado um cronograma provisional, o qual será reconfirmado com os formandos na primeira sessão presencial. Em função da duração de cada um dos módulos serão disponibilizados sequencialmente os conteúdos: cada dois, três, quatro ou cinco dias serão lançadas novas sequências de aprendizagens e respectivos actos de formação síncrona e assíncrona. Toda esta informação estará disponível na ferramenta ANÚNCIOS da plataforma e sempre que uma nova sessão esteja disponível ou que seja marcado um determinado trabalho individual ou colectivo, o formando receberá um e mail a dar conta desse facto Modelo de desenvolvimento da formação O curso de FPIF, na versão e learning é constituído por 9 módulos, acrescido da comunicação dos resultados obtidos pelos diversos elementos da turma nos diferentes módulos (estão previstos três momentos de comunicação de resultados). Os módulos 2 e 9 decorrerão integralmente em versão presencial. Os módulos 4 e 5 terão metade da sua duração em versão presencial, pois as matérias aí funcionarão em regime de auto estudo, podendo ser incluídos momentos de formação síncrona e assíncrona. O término do curso também será presencialmente já que importa comunicar os resultados obtidos pelos participantes, bem como indicar todos os passos necessários para a obtenção do CCP. Cada módulo tem obrigatoriamente: Um manual em pdf que contém conteúdos base do mesmo; Uma versão online do manual, disponibilizada na plataforma, com conteúdos online e interactivos; Um guia pedagógico online que indicará todas as orientações didácticas, logísticas e de apoio indispensáveis à utilização dos diferentes meios. 25

27 Cada módulo deverá ter um esquema de desenvolvimento da formação, consubstanciado nos seguintes indicadores: A carga de trabalho global poderá equivaler a uma aprendizagem de 1,5; 2; 3 vezes a sua duração presencial, consoante estejam em causa módulos de índole teórica ou totalmente práticos. Nesta carga de trabalho são consideradas: Um número variável de tutoria síncrona (com um máximo de 10 horas em chat com cada aluno), sendo que no calendário da plataforma será disponibilizada a marcação destes momentos; Horas de leitura individualizada, bem como a utilização interactiva dos conteúdos disponibilizados na plataforma, a elaboração de trabalhos individuais e em equipa, a participação em fóruns e a realização de qualquer outra actividade prevista pelo módulo. Na carga de trabalho não está prevista o tempo dedicado às sessões presenciais. Em cada sessão presencial e de acordo com a metodologia pré definida o formando deve: Estudar os conteúdos no manual e na plataforma de e learning; Desenvolver as actividades previstas na Sequência de Aprendizagem e no guia pedagógico; Participar obrigatoriamente nos fóruns de discussão organizados pelo tutor; Participar obrigatoriamente nos chats calendarizados; Realizar as actividades de avaliação definidas e propostas. A frequência das sessões presenciais é obrigatória. As faltas implicarão a marcação de uma nova sessão presencial para realizar as actividades previstas. A coordenação pedagógica ocupar se á de conciliar e agilizar as agendas dos formadores e dos formandos, de modo a obter a marcação de datas válidas Modelo da avaliação da aprendizagem Para validar a aprendizagem no decorrer do curso de FPIF poderão ser utilizados os seguintes tipos de provas: Exercícios de autoavaliação Traduzem se em provas escritas, elaboradas com diferentes perguntas, que normalmente são realizadas no final de cada unidade de aprendizagem, ou ao longo de cada unidade. O nível de insucesso funciona como indicador de melhoria, apontando quais as matérias que deverão ser revistas ou esmiuçadas. O software utilizado permite a apresentação dos resultados de modo instantâneo (verdadeiro/falso, certo/errado...). Ao conceber os instrumentos de avaliação, o formador/tutor deverá ter especial atenção à inclusão de todos os objectivos de aprendizagem, de modo a que os participantes não 26

28 estudem apenas as matérias presentes na avaliação. As provas devem ainda conciliar diferentes questões e graus de dificuldade, evitando criar no aluno a ilusão de sucesso, fruto de auto avaliações sem grande esforço. As estatísticas da plataforma permitem consultar informação relativa aos exercícios efectuados por cada aluno, tendo em consideração a data e a pontuação obtida. Provas à distância São análogas aos exercícios de auto avaliação, contudo têm de ser enviadas à instituição que organiza ou ao tutor, mediante uma data pré estabelecida. Estas provas fazem parte da avaliação contínua e podem incluir análises de casos, testes de escolha múltipla, ou a elaboração de trabalhos teóricos e práticos. Este tipo de prova permite envolver o formando com processo formativo. Outro aspecto importante refere se à comunicação dos resultados: esta deve ser feita de forma rápida e personalizada, dando um feedback claro sobre as situações menos correctas. As estatísticas da plataforma permitem listar os números de visitas da utilização das ferramentas (agenda, fórum, chat ), bem como as datas e os nomes dos trabalhos enviados ao formador/tutor via dropbox. A partir do momento em que são definidos timmings para a entrega de trabalhos é possível ao responsável do módulo controlar o desenrolar do processo formativo: apesar de cada formando seguir o seu próprio ritmo de aprendizagem, é possível determinar prazos para entrega de diferentes tipos de trabalho (síncrono e assíncrono) e controlar a o cumprimento ou não desses mesmos momentos através das funções estatísticas caso haja alunos em falta, o responsável poderá de imediato entrar em contacto a fim de providenciarem o material omisso. Para aprovação, o formando terá que obrigatoriamente realizar 95% dos trabalhos solicitados para os módulos online. Provas presenciais Estas provas permitem comprovar e dar testemunho do empenho e do esforço de aprendizagem realizado por cada aluno. Sempre que esteja em causa a atribuição de um grau académico ou profissional estas provas serão obrigatórias. Nesta categoria devem ser seguidos os princípios utilizados nas provas anteriores. Deverá haver um suporte de avaliação em todos os módulos de forma que haja um feedback tutor/formando que permita suprir dificuldades do aluno/formando e clarificar sobre o processo de avaliação. Os instrumentos de auto avaliação são muito importantes na definição de estratégias de estudo e caminho de aprendizagem. A plataforma permite que cada aluno/formando tenha acesso em qualquer altura aos exercícios efectuados, bem como à data e à pontuação obtida, tendo desta forma uma maior perspectiva do seu rendimento durante o processo de aprendizagem. 27

29 A avaliação final em cada módulo é traduzida por um número, numa escala percentual de 0% 100%, obtido através de uma ou mais das seguintes componentes: a) Classificação da avaliação sumativa final; b) Classificação resultante da participação nas sessões presenciais; c) Classificação resultante da qualidade e quantidade da participação nas actividades a realizar no âmbito dos fóruns. Os responsáveis de cada disciplina/módulo devem estabelecer critérios que respeitem este princípio orientador e indicá lo à coordenação do projecto; d) Classificação resultante da participação nas sessões síncronas virtuais; e) Classificação resultante da realização das avaliações formativas ao longo do módulo; Por norma, a avaliação final deverá revestir a forma de teste escrito. No entanto, se o formador responsável do módulo apresentar razões justificativas para outra forma de avaliação individual a coordenação do projecto poderá ter essa situação em consideração. Entre cada sessão presencial, e de acordo com as indicações metodológicas que lhe irão ser fornecidas, o aluno deve: a) Estudar os conteúdos na Plataforma de e Learning e no Manual; b) Desenvolver as actividades previstas no Guião Pedagógico; c) Participar nos fóruns de discussão organizados pelo tutor (obrigatório); d) Participar nos chats calendarizados (obrigatórios); e) Realizar as actividades de avaliação formativa e sumativa propostas. Como a evolução contínua da formação ministrada pela Escola de Negócios e Administração depende da satisfação de diferentes participantes (formandos, formadores e equipa interna), todos serão convidados em momentos de avaliação do sistema formativo, de forma a dar feedback da qualidade da organização do curso e de todos os seus suportes. 28

Programa do Curso. Designação do curso: Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Programa do Curso. Designação do curso: Formação Pedagógica Inicial de Formadores Programa do Curso Designação do curso: Formação Pedagógica Inicial de Formadores Duração: 90 horas Área de formação: 146 Formação de professores e formadores Objetivos gerais: i) Avaliar o perfil do formador

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação)

FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) FORMAÇÃO INICIAL PEDAGÓGICA DE FORMADORES (Parceria Secção Regional de Lisboa da OF CaF-Formação) OBJECTIVOS: PRETENDE-SE COM ESTA FORMAÇÃO QUE O PARTICIPANTE ADQUIRA COMPETÊNCIAS DE FORMA A: - Facilitar,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Caracterização do Curso de Formação de eformadores

Caracterização do Curso de Formação de eformadores Caracterização do Curso de Formação de eformadores 27 Titulo do Curso Curso de Formação de eformadores Titulo dos Módulos Módulo de Integração Módulo 1: Evolução Histórica e Teorias do Ensino e Formação

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Pinto Pereira, Marcelo Morada(s) Rua Senhor dos Passos, 354, 4755-020, Alvelos, Portugal. Telefone(s) +351 253833937 Telemóvel:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES DURAÇÃO DO CURSO 90 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO INSTALAÇÕES B-TRAINING, CONSULTING

Leia mais

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho FICHA DE CURSO Neste documento poderá encontrar as principais informações sobre o curso pretendido, nomeadamente a duração, área temática, destinatários, objetivo geral e objetivos específicos, estrutura

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

DGAJ/DF. Curso em E-learning

DGAJ/DF. Curso em E-learning Curso em E-learning Introdução O que é estudar a distância O estudo à distância é uma forma diferente de aprender. Para que uma pessoa possa estudar à distância, necessita desenvolver algumas habilidades

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais Normas e Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais O formador deve orientar toda a sua atividade didática no sentido de promover o sucesso educativo do formando através de planificações contextualizadas,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO

CRITÉRIOS DE AVALIACÃO CRITÉRIOS DE AVALIACÃO Educação Visual 5º Ano Educação Visual 6º Ano Educação Tecnológica 5º Ano Educação Tecnológica 6º Ano ANO ESCOLAR 2015 / 2016 Ano letivo de 2015 / 2016 INTRODUÇÃO Sendo a avaliação

Leia mais

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas;

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas; Índice 1- ENQUADRAMENTO... 2 2- METODOLOGIA... 3 3- INSTRUMENTOS... 4 3.1. Ficha da unidade curricular... 4 3.2. Inquéritos de apreciação ensino/aprendizagem... 4 3.3. Formulários... 4 3.4. Dossiers...

Leia mais

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO

RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO RVCC ESCOLAR BÁSICO GUIA DE APOIO Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Privado da escolaridade, o ser humano não abdica da sua condição de produtor de conhecimentos.

Leia mais

Entidade Certificada pela DGERT

Entidade Certificada pela DGERT Entidade Certificada pela DGERT FICHA TÉCNICA Agito Formação & Serviços, Lda. Rua Dr. Jerónimo Pereira Leite, 352 4580-362 Cristelo Paredes TLM: 912 345 306 TLF: 255 781 812 FAX: 255 781 866 E-mail: info@agito-lda.com

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Curso: Formação de Formadores em Educação a Distância

Curso: Formação de Formadores em Educação a Distância Curso: Formação de Formadores em Educação a Distância Data de início: 28 de março de 2012 Data de término: 6 de maio de 2012 CARGA HORÁRIA: 40 horas DESCRIÇÃO: O curso de Formação de Formadores em Educação

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO-2009

PLANO DE FORMAÇÃO-2009 PLANO DE FORMAÇÃO-2009 - Associação Vicentina- Formação Modular Certificada (Destinatários: ) UFCD 4278- Animador- Perfil e Estatuto Profissional (25H) UFCD 4279- Animação Sociocultural- Áreas de Intervenção

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

Jogos e Mobile Learning em contexto educativo

Jogos e Mobile Learning em contexto educativo Jogos e Mobile Learning em contexto educativo Razões justificativas da acção e a sua inserção no plano de actividades da entidade proponente A sociedade atual exige que os seus cidadãos desenvolvam novas

Leia mais

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6 Página 1 de 6 1. FUNCIONAMENTO Os cursos na modalidade de e-learning do são frequentados totalmente online, à exceção do Curso de Trabalhador Designado para a Segurança e Saúde no Trabalho em que a 1ª

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS EDIÇÃO Nº1/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fiscalização de obra ferramentas e metodologias 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER A construção

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

CURSO DE INICIAÇÃO PEDAGÓGICA - CIP REGIMENTO DA REGIÃO DE LEIRIA

CURSO DE INICIAÇÃO PEDAGÓGICA - CIP REGIMENTO DA REGIÃO DE LEIRIA pág. 1 de 8 CURSO DE INICIAÇÃO PEDAGÓGICA - CIP REGIMENTO DA REGIÃO DE LEIRIA Artº 1 - Âmbito 1 - O presente Regimento define as normas de organização e funcionamento do Curso de Iniciação Pedagógica (CIP),

Leia mais

AERT EB 2/3 DE RIO TINTO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DE CARATER PERMANENTE

AERT EB 2/3 DE RIO TINTO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DE CARATER PERMANENTE AERT EB 2/3 DE RIO TINTO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DE CARATER PERMANENTE (de acordo com o Decreto Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro) AVALIAÇÂO Como uma

Leia mais

Versão 1.00 GUIA. FORMAÇÃO INICIAL/CURSOS TD Requisitos para ministrar formação à distância

Versão 1.00 GUIA. FORMAÇÃO INICIAL/CURSOS TD Requisitos para ministrar formação à distância Versão 1.00 GUIA FORMAÇÃO INICIAL/CURSOS TD Requisitos para ministrar formação à distância Edição: Coordenação: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Departamento de Formação e Qualificação

Leia mais

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação...

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... Índice Introdução... 3 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... 4 II Entrada na Aplicação... 5 1. Informações... 6 1. Avaliação

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS

SEMINÁRIOS AVANÇADOS GESTÃO DE PROJECTOS SEMINÁRIOS AVANÇADOS DE GESTÃO DE PROJECTOS 2007 Victor Ávila & Associados - Victor Ávila & Associados Centro Empresarial PORTUGAL GLOBAL, Rua do Passeio Alegre, nº 20 4150- Seminários Avançados de Gestão

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Sátão 2015-2016 Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designação do Curso... 2 Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objetivo Geral... 2 Objetivos Específicos... 3 Estrutura

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html Grécia-Tessalónica: Desenvolvimento de tecnologias de informação e informações sobre o mercado

Leia mais

Serra do Saber. Noções básicas de infância

Serra do Saber. Noções básicas de infância Noções básicas de infância Fundamentação Os espaços frequentados por crianças abrangem, cada vez mais profissionais de diferentes áreas. Esta mudança implica maior rigor e um melhor conhecimento de tudo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo Primeiro Objecto O presente Regulamento define o regime de funcionamento interno do Centro de Formação Ciência Viva reconhecido pelo Ministério da

Leia mais

Cursos de Doutoramento

Cursos de Doutoramento PROSPECTO FACULDADE DE ECONOMIA Cursos de Doutoramento CONTACTOS FACULDADE DE ECONOMIA Av. Julius Nyerere, Campus Universitário, 3453 Tel: +258 21 496301 Fax. +258 21 496301 1 MENSAGEM DO DIRECTOR Sejam

Leia mais

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1 1 PREÂMBULO O presente Regulamento organiza a unidade curricular de Projeto Estágio do Mestrado em Marketing e Comunicação. No ensino politécnico, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre deve assegurar,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E-LEARNING AMETSIS CONSULTORES, UNIPESSOAL LDA Elaborado: Aprovado: Pg. 1 de 9 ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 3 2.UTILIZAÇÃO ÚNICA E INDIVIDUAL... 3 3.PUBLICITAÇÃO DOS CURSOS... 3 4.INSCRIÇÕES...

Leia mais

Programa de formação para voluntários no sistema de justiça criminal

Programa de formação para voluntários no sistema de justiça criminal Título Programa de formação para voluntários no sistema (SJC). Descrição geral Este curso foi desenhado para combinar sessões presenciais e à distância para voluntários que trabalhem no SJC. Os voluntários

Leia mais

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO

OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO OFICINA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM EMPREENDEDORISMO Modalidade: Oficina de Formação Registo de Acreditação: CCPFC/ACC-79411/14 Duração: 25 horas presenciais + 25 horas não presenciais Destinatários:

Leia mais

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC www.estagiostic.gov.pt 1 Índice 1 Introdução 3 1.1 Programa de Estágios TIC 3 1.2 Objectivo da plataforma 3 1.3 Perfis 4 1.3.1 Escola 4 1.3.2 Empresa 4 1.3.3

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II - UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Projecto: Kit elearning, SAF/ Novabase, S.A. Equipa

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO BÁSICO Considerando que a Portaria nº 9 /2013, de 11 de fevereiro revogou a Portaria nº 29/2012, de 6 de março referente à avaliação das aprendizagens e competências no

Leia mais

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A.

www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. www.pwc.pt Auditoria nos termos do Regulamento da Qualidade de Serviço Relatório resumo EDP Serviço Universal, S.A. Janeiro 2014 Enquadramento A promoção da melhoria contínua da qualidade de serviço no

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. Departamento de Expressões Educação Especial CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Expressões Educação Especial INTRODUÇÃO A Educação Especial, através dos Docentes de Educação Especial (DEE), intervêm na realidade escolar, realizando ações diversificadas

Leia mais

Relatório de Investigação da Escola julho 2015

Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Microsoft Partners in Learning Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Elaborado para julho 2015 Relatório do Estudo de Este relatório apresenta os resultados dos inquéritos à equipa diretiva e

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº01/2015 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Saber dotar um edifício de boas condições de conforto acústico,

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS Ano Lectivo 2006 / 07 O equipamento informático afecto ao Projecto será partilhado por vários

Leia mais

Regulamento do Curso Técnico Superior Profissional

Regulamento do Curso Técnico Superior Profissional Regulamento do Curso Técnico Superior Profissional Preâmbulo A criação de oportunidades de formação para públicos diversos, com necessidades específicas, tem sido, desde sempre, uma prioridade para a Escola

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

MINI-MBA de Especialização em Gestão de Turismo e Hotelaria

MINI-MBA de Especialização em Gestão de Turismo e Hotelaria MINI-MBA de Especialização em Gestão de Turismo e Hotelaria Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objectivo Geral... 2 Objetivos Específicos... 2 Estrutura

Leia mais

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores Aprovadas pelo Conselho de Acção Social do IPVC em 1 de Fevereiro de 2011 Serviços de Acção Social do IPVC Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores O Conselho de Acção Social do Instituto Politécnico

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Estudo da Sustentabilidade das Empresas Recém Criadas Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado pelo Estado

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

RECONHECIMENTO, VALIDAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS (RVCC Profissional) Fevereiro/2014

RECONHECIMENTO, VALIDAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS (RVCC Profissional) Fevereiro/2014 RECONHECIMENTO, VALIDAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS (RVCC Profissional) Fevereiro/2014 Enquadramento Legal RVCC Profissional Decreto Lei n.º 396/2007, de 31 de Dezembro Cria o Quadro

Leia mais

Formação Contínua de Formadores

Formação Contínua de Formadores Programa Conjunto: Mais e Melhores empregos nas Províncias de Cabo Delgado e Nampula Formação Contínua de Formadores Formação Contínua de Formadores do INEFP Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional,

Leia mais

UNIDADE 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

UNIDADE 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Paula Dias Curso: AC/EC1 Ano: 9.º Turma(s): 2 Diagnosticar o estádio de desenvolvimento das competências em TIC dos alunos. Conhecer os conceitos básicos

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local de trabalho na UE 2014/S 039-063712

Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local de trabalho na UE 2014/S 039-063712 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:63712-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio a iniciativas voluntárias de promoção da gestão de diversidade no local

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução Introdução Entre os 10 e 12 anos, as crianças necessitam que lhes seja despertado e estimulado o seu desejo de aprender. No Colégio Pedro Arrupe pretendemos estimular e promover esse desejo, desenvolvendo

Leia mais

Licenciatura em Línguas Aplicadas

Licenciatura em Línguas Aplicadas Guia de Curso 1º Ciclo 2014-2015 Departamento de Humanidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Organização do curso... 3 3. Destinatários... 3 4. Condições de acesso e pré-requisitos... 3 5. Candidaturas...

Leia mais

ANEXO C Linhas Orientadoras para a Fase Formativa. (Decreto-Lei n.º 3/2011, de 6 de Janeiro)

ANEXO C Linhas Orientadoras para a Fase Formativa. (Decreto-Lei n.º 3/2011, de 6 de Janeiro) ANEXO C Linhas Orientadoras para a Fase Formativa Procedimento Especial de Obtenção do Grau de Especialista por Equiparação ao Estágio da Carreira dos TSS Ramo Psicologia Clínica (Norte, Centro Sul e Ilhas)

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE

GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE GUIA PARA A FORMAÇÃO DE ENTIDADES A CREDENCIAR NO ÂMBITO DA SCIE 1/17 Índice 1. Introdução... 3 2. Formação... 4 2.1 Objectivos gerais do curso... 4 2.2. Conteúdos programáticos... 4 2.3. Equipa formativa...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

Grupo de Educação Especial

Grupo de Educação Especial Grupo de Educação Especial Critérios Gerais de Avaliação 2015/2016 De acordo com o Despacho normativo n.º 24-A/2012, artigo 8.º (ponto 10): 10 A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1 Após uma experiência formativa de mais de 20 anos em formação presencial, e tendo sempre como princípios a inovação e a satisfação do cliente, é com grande satisfação que a Get Training implementa este

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL

ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL ORIENTAÇÕES PARA A APLICAÇÃO DAS NOVAS MEDIDAS EDUCATIVAS DO REGIME EDUCATIVO ESPECIAL REGULAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E PEDAGÓGICA DE ALUNOS (PORTARIA 60/2012, de 29 de maio) Direção Regional da

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO Preâmbulo A qualificação dos farmacêuticos é um requisito fundamental para a sua adequada intervenção no Sistema de Saúde. A maximização da qualidade desta intervenção

Leia mais

CURSO DE VERÃO E&O Formação em Elaboração de Candidaturas / Gestão Ciclo de Projecto

CURSO DE VERÃO E&O Formação em Elaboração de Candidaturas / Gestão Ciclo de Projecto CURSO DE VERÃO E&O Formação em Elaboração de Candidaturas / Gestão Ciclo de Projecto INTRODUÇÃO A necessidade sentida por um cada vez maior número de técnicos de diversas áreas disciplinares nas vertentes

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão Financeira (LGF) Maputo, Julho de 2015 UDM 1 A

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GESTOR Aprovado, por maioria com alterações, na Assembleia Geral Extraordinária de 12 de dezembro de 2014, após aprovação pelo Conselho Diretivo a 1

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Profissional Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de Matemática

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL Ministério da Educação Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora nº2 Novo Programa de Português do Ensino Básico Sequência Didáctica 5º ano Ano lectivo de 2010/2011 Tipologia Textual O conto Competências

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais