Mod Emp. - Julho 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mod. 65 - Emp. - Julho 2015"

Transcrição

1 Mod Emp. - Julho CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei nº 133/2009, de 2 de Junho e o Decreto-Lei nº 317/2009, de 30 de Outubro. Definições Emissor: UNICRE Instituição Finnceir de Crédito, S.A., com sede n Av. António Augusto de Aguir, nº Lisbo, NIPC , mtriculd n Conservtóri do Registo Comercil de Lisbo sob o nº 47147, com ,00 de cpitl socil e registd junto do Bnco de Portugl sob o registo nº 698. O Bnco de Portugl (R. do Ouro, 27, Lisbo) tem o poder de supervisão d ctividde d UNICRE. Empres: sociedde que solicit emissão de crtões de crédito pr os seus Colbordores, Requerentes dos crtões. A Empres, pesso singulr Titulr do Crtão e quem em nome e representção d Empres subscreveu o Contrto de Adesão e/ou de emissão de um novo Crtão, são solidrimente responsáveis pernte UNICRE pelo uso correcto e mnutenção do Crtão, bem como pelos vlores devidos à UNICRE pel utilizção e/ou titulridde do mesmo. Requerente: pesso singulr em nome d qul Empres solicit à UNICRE emissão do Crtão, qul pss Titulr qundo o mesmo sej emitido. Titulr: pesso singulr, que ssume solidrimente com Empres que o solicitou, com quem em nome e representção dest subscreveu o Contrto de Adesão o Crtão e com quem em representção dest o nomeou como Titulr do mesmo, responsbilidde pernte UNICRE pelo uso correcto e mnutenção do Crtão e dos seus elementos dicionis (PIN, Códigos Secretos, etc.), bem como pelos vlores devidos à UNICRE pel utilizção e/ou titulridde do mesmo e que são registdos n Cont que está ssocid o Crtão. Devedores Solidários: Além do ptrimónio d Empres, respondem solidári e ilimitdmente com est e pernte UNICRE por tods e quisquer obrigções pecuniáris que sejm devids, quer pel titulridde do Crtão quer pel su utilizção, (i) o Titulr, (ii) quem, em nome e representção d Empres, tenh subscrito o Contrto de Adesão o Crtão e (iii) quem em representção d Empres nomeou o Titulr. A responsbilidde dos Devedores Solidários só se extingue com stisfção integrl dos créditos d UNICRE, qul pode fzer depender emissão e / ou renovção do Crtão d prestção de grntis pessois que UNICRE entend necessáris pr ssegurr o pgmento integrl ds quntis que lhe sejm ou venhm ser devids, prestr pel Empres, pelos Devedores Solidários ou por terceiros, à livre decisão d UNICRE. A solidriedde subsiste em cso de renovção ou substituição do Crtão (plástico). Crtão: Meio de pgmento que tem ssocid um Cont-Crtão e um linh de crédito. Qundo o Titulr utiliz este crtão n função pr qul foi emitido, ou sej, pr pgmentos ou pr operções de levntmento em numerário (Csh Advnce), está beneficir de um crédito concedido pel UNICRE. Cont-Crtão: (dorvnte Cont ): Registo electrónico ds quntis em dívid ou pgs resultntes do uso e/ou titulridde do Crtão ou Crtões ssocido à Cont. A responsbilidde pernte UNICRE sobre s Conts Colectivs é solidrimente ssumid pelos Devedores Solidários. Se Empres tiver mis do que um Crtão, cd Crtão corresponderá um Cont, reltivmente à qul será emitido pel UNICRE um extrcto utónomo. Limite de Utilizção: limite pecuniário máximo de uso utorizdo e que corresponde o vlor máximo cumuldo que pode scender, em cd momento, o montnte totl ds operções efectuds pelo Titulr com o seu Crtão e ind não pgs à UNICRE. O Limite de Utilizção pode ser definido em função do Crtão e/ou d Cont; no cso ds Conts Colectivs, o Limite de Utilizção definido pr Cont condicion o Limite de Utilizção de cd Crtão. Csh Advnce: Funcionlidde dicionl que permite operções de levntmento em numerário crédito ns redes de ATMs e os blcões dos Bncos derentes o sistem. Csh Advnce em Cont: Funcionlidde dicionl que permite, trvés de pedido em formulário próprio subscrito pelo Titulr e Empres, relizção de operções de trnsferênci de dinheiro crédito pr cont à ordem indicd no formulário I - Celebrção, Modificção e Cessção do Contrto 1. Ao subscrever o Contrto de Adesão, o Requerente, Empres e quem em seu nome e representção o tenh subscrito, derem às Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes, que se obrigm cumprir. As Condições Geris do presente contrto regulm o serviço prestdo trvés do crtão de crédito empres. Meio de pgmento trvés do qul UNICRE concede um linh de crédito o Titulr e/ou Empres, que poderá ser utilizd n quisição de bens e serviços nos terminis de pgmento utomático em qulquer estbelecimento derente às redes interncionis de meios de pgmento, bem como em levntmentos em numerário crédito (Csh Advnce) em instituições bncáris e ns redes de cixs utomáticos (ATM) creditdos ns redes de sistems interncionis e em pgmentos de serviços efectudos em ATM ou em TPA, com recurso o sistem de pgmentos MB Spot, nomedmente pgmentos o Estdo, crregmento de telemóveis e crregmento de crtões. É d competênci d UNICRE decisão d tribuição do Crtão e que depende d utorizção prévi concedid pel Empres que contrt com UNICRE utilizção do Crtão. Após tribuição do Crtão, o Requerente pss ser Titulr, sendo-lhe comunicd decisão por vi postl, qul se consider recebid no 7º di pós o seu envio, excepto se o Titulr e/ou Empres informrem que não receberm. A UNICRE informrá o Titulr, por correio electrónico ou trvés de SMS, que o Crtão lhe foi tribuído e envido. O Titulr receberá, por vi postl e seprdmente: (i) o Código Pessol Secreto (PIN) que lhe permitirá vlidr s trnscções em comercintes e efectur operções de Csh- Advnce, slvo se Empres informr UNICRE que não o desej e (ii) o crtão físico. Ns trnscções à distânci (por Internet, telefone e outros) devem ser sempre utilizds s funcionliddes de segurnç que estiverem disponíveis e/ou s utenticções que forem solicitds. 2. O Titulr e/ou Empres podem, sem qulquer encrgo, slvo os que resultem de obrigções fiscis, revogr declrção de desão por crt registd com AR dirigid à UNICRE (Av. António Augusto de Aguir, nº 122, Lisbo), expedid té 14 dis de clendário contr d dt d confirmção do Contrto. Adicionlmente, deve no przo de 30 dis efectur o pgmento ds quntis devids pel utilizção que tenh sido feito do Crtão, incluindo juros contrtdos e os encrgos fiscis devidos pel celebrção do contrto. A utilizção do Crtão implic renúnci pel Empres e pelos Devedores Solidários, o direito e o przo de resolução e constitui o Titulr e/ou Empres n obrigção de pgrem s quntis devids por ess utilizção. O Titulr pesso colectiv obrig-se comunicr à UNICRE qulquer lterção dos seus ddos, designdmente d denominção socil, objecto, endereço d sede, identidde dos titulres de prticipções no cpitl e nos direitos de voto d pesso colectiv de vlor igul ou superior 25%, identidde dos titulres dos órgãos de gestão d pesso colectiv. 3. O Crtão, que é propriedde d UNICRE e será emitido em nome do Titulr pr seu uso exclusivo, tendo grvdo o nome por este indicdo e, ind, denominção socil d Empres, é pessol e intrnsmissível. O crtão físico deve ser destruído pelo Titulr qundo: (i) expirr respectiv dt de vlidde, (ii) for substituído, (iii) for cnceldo definitivmente ou (iv) logo que o presente Contrto cesse su vigênci, tudo sob pen de UNICRE poder exigir d Empres e/ou dos Devedores Solidários os vlores devidos pel emissão, titulridde ou uso do Crtão. 4. A UNICRE, tendo em considerção informções de ordem finnceir e comercil, e outrs circunstâncis que considere relevntes, incluindo verificção, n Centrl de Riscos do Bnco de Portugl, d solvbilidde d Empres, fixrá e comunicrá o Titulr e/ou Empres o Limite de Utilizção vigorr, nunc em montnte superior o utorizdo pel Empres. A UNICRE poderá todo o tempo lterr o Limite, obtid utorizção prévi, express e por escrito d Empres sempre que lterção importe em umento do Limite de

2 Mod Emp. - Julho Utilizção. As lterções do Limite de Utilizção serão comunicds por escrito. A UNICRE reserv-se o direito de não ceitr trnscções que excedm o Limite de Utilizção e de, no cso de este ser excedido, cobrr o encrgo pel prestção deste serviço dicionl referido no Anexo às Condições Geris de Utilizção. 5. A UNICRE poderá, sem prejuízo d obrigção do Titulr e/ou d Empres de efecturem o pgmento ds quntis de que sejm devedores, solicitr por escrito restituição do crtão físico, cncelr o Crtão ou inibir temporrimente o seu uso ou o de lgum ds sus fciliddes ou serviços:. Sem viso prévio, devendo comunicá-lo imeditmente, e por escrito, o Titulr e/ou à Empres, (i) se tiver ocorrido uso busivo por prte do Titulr e/ou d Empres, (ii) qundo ocorrm fundds rzões de segurnç e, nomedmente, se for informd ou tiver conhecimento de que ocorreu perd ou extrvio, furto, roubo ou flsificção do Crtão, comunicndo-o o Titulr e à Empres e tribuindo-lhe um novo Crtão, (iii) se tiver suspeit de utilizção não utorizd ou frudulent ou de qulquer irregulridde de que poss resultr um prejuízo sério pr UNICRE, pr o Titulr e/ou pr Empres, ou pr o sistem de crtões, (iv) se o Titulr e/ou Empres relizrem trnscções ilegis de qulquer nturez; b. se o Contrto entre Empres e UNICRE cessr, por qulquer form, os seus efeitos; c. se o Titulr e/ou Empres violrem s condições contrtuis cordds e, nomedmente, incorrerem em mor ou incumprimento ds condições de pgmento d dívid; d. se o Titulr e/ou Empres forem inibidos do uso de cheque; e. cso ocorr lterção relevnte d situção ptrimonil de qulquer dos Devedores Solidários; f. se Empres comunicr, expressmente e por escrito, exclusão do Titulr ds pessos utorizds utilizr um Crtão; g. se o Titulr e/ou Empres violrem s condições contrtuis cordds; h. por flecimento do Titulr. 6. O Contrto terá durção indetermind e o Crtão o przo de vlidde que for fixdo pel UNICRE, podendo est proceder à su renovção desde que o Titulr e/ou Empres isso não se tenhm oposto nos 30 dis que precedem o termo desse przo. Nos csos em que sej o Titulr solicitr substituição do Crtão, UNICRE poderá igulmente emitir um novo crtão, desde que obtid, por escrito, provção prévi d Empres. O contrto pode ser denuncido todo o tempo e por escrito (i) pelo Titulr e/ou Empres sem que tl lhe retire o direito o reembolso d nuidde em curso, se existente. A denúnci não fz cessr responsbilidde solidári pelo pgmento integrl à UNICRE de tods s quntis que lhe sejm devids pel emissão, titulridde e/ou utilizção do Crtão e só produz efeitos pós efectudo o pgmento integrl desss quntis; (ii) pel UNICRE, neste cso com um pré-viso de dois meses. 7. O Contrto cess utomticmente su vigênci em cso de flecimento do Titulr do Crtão e pode ser resolvido por qulquer ds prtes, nos termos geris do Direito. A UNICRE pode, designdmente, resolvê-lo e cncelr de imedito o Crtão medinte comunicção escrit envid o Titulr e/ou à Empres, pr o domicílio convenciondo, qul se presume recebid por estes no 5º di posterior à su expedição postl, qundo:. tenh sido requerid ou declrd insolvênci d Empres ou do Titulr ou declrd inbilitção ou interdição judicil do Titulr do Crtão; b. o Titulr e/ou Empres tenhm violdo reiterdmente o Limite de Utilizção e/ou s condições de pgmento; c. o Titulr e/ou Empres revoguem ilegitimmente ordens que tenhm ddo de utilizção do Crtão; d. o Titulr e/ou Empres tenhm prestdo informções flss ou incorrects no Contrto de Adesão ou respectivs ctulizções; e. se verifique que o Titulr e/ou Empres, por negligênci grve ou dolo grosseiro, tenhm provocdo dno à UNICRE ou qulquer outro operdor ou interveniente ns operções de pgmento ou crédito; f. cesse, por qulquer form, o cordo celebrdo entre UNICRE e Empres, ou o Titulr sej excluído ds pessos utorizds pel Empres utilizr crtão de crédito; g. não sej stisfeito o pedido de grntis pessois, prestr pel Empres, pelos Devedores Solidários ou por terceiros, à livre decisão d UNICRE, que est entend necessáris pr ssegurr o pgmento integrl ds quntis que lhe sejm ou venhm ser devids. A resolução do Contrto import o imedito vencimento d dívid, que será exigível pel totlidde, devendo o Titulr e/ou Empres proceder o seu pgmento integrl e restituir de imedito o crtão físico à UNICRE, devidmente inutilizdo, perdendo o direito à nuidde dos serviços cessórios em curso e todos os benefícios e reglis ssocidos à titulridde e/ou uso do Crtão. Se Empres não efectur o pgmento nos termos e przos devidos, é obrigção de qulquer dos Devedores Solidários proceder o seu pgmento integrl logo que solicitdo pel UNICRE. 8. A UNICRE pode proceder modificções no clusuldo deste Contrto desde que decorrm de exigêncis legis ou relcionds com sistems interncionis e regrs de segurnç, ou ind qundo o entend conveniente, s quis serão plicáveis dois meses pós su comunicção por escrito o Titulr e/ou à Empres. Discordndo desss modificções, poderá o Titulr e/ou Empres denuncir o Contrto, por comunicção escrit expedid no decurso dquele przo sem que tl lhe retire o direito o reembolso d nuidde em curso incluindo ns situções em que mesm for devid à opção por prte do Titulr e/ou Empres de contrtção de serviços cessórios e continundo ser responsável pelo pgmento integrl à UNICRE de tods s quntis que sejm devids pel emissão e utilizção do Crtão. A não comunicção de discordânci corresponde ceitção desss modificções. A UNICRE pode, por lterções de circunstâncis (vrições de mercdo, lterções legis ou outrs) modificr s txs e os encrgos referidos no Anexo às Condições Geris de Utilizção, sendo o Titulr e Empres informdos d modificção por comunicção escrit, nomedmente, insert no Extrcto de Cont, e s mesms entrrão em vigor decorridos pelo menos dois meses sobre dt dess comunicção. A Empres obrig-se informr o Titulr de tods e quisquer lterções que lhe tenhm sido comunicds pel UNICRE. Alterções d tx de câmbio podem ser plicds imeditmente e sem pré-viso, sendo comunicds no Extrcto de Cont subsequente. 9. A tribuição, renovção ou rectivção do Crtão dependerão sempre do cordo d Empres e podem ficr dependentes d ceitção pelo Titulr de condições contrtuis específics, indicr csuisticmente, nomedmente qunto o clendário e/ou grntis, prestr por qulquer Devedor solidário, que ssegurem o pgmento ds quntis que forem devids à UNICRE, por exemplo, subscrição de livrnç, com ou sem vlists, ou outr csuisticmente ceite pel UNICRE. II - Uso do Crtão, Encrgos e Form de Pgmento 10. O Titulr deve tomr tods s precuções dequds pr não tornr cessíveis terceiros os seus PIN ou Códigos Secretos, qundo plicável, referidos n Clª 1ª e deve ssinr o crtão físico imeditmente pós su recepção. O Titulr obrig-se não fcultr o seu PIN e/ou Códigos Secretos terceiros, devendo bster-se de os registr, sob qulquer form, no próprio Crtão ou em qulquer outro suporte cessível terceiros. 11. Pr relizr um trnscção o Titulr deve:. se for presencil, conferir trnscção e introduzir o PIN ou, se for o cso, ssinr o tlão com ssintur igul à que const do Crtão, gurdr cópi do tlão e provr su identidde qundo lhe for solicitdo. b. se for não presencil: i. sendo por escrito ou por telefone: Indicr n ordem de pgmento (i) o nome, (ii) número do Crtão, (iii) dt de vlidde e (iv) respectivo Código pr Verificção d Vlidde do Crtão (conjunto dos 3 últimos lgrismos impressos no pinel de ssintur). No cso de ordem por escrito, deve ind (v) ssinr ordem com ssintur igul à que const do pinel de ssintur do seu Crtão. ii. em mbientes bertos (Internet, ou outro): utilizr s funcionliddes de segurnç disponíveis, seguindo s indicções do serviço de pgmentos. A UNICRE pode não ceitr trnscções feits em mbientes bertos se o Titulr não utilizr s funcionliddes de segurnç disponíveis. O Titulr poderá ind utilizr o crtão sem introdução do PIN ns operções designds de "bixo vlor", ctulmente de vlor igul ou inferior vinte euros (exemplo Portgens, Cbines Telefónics, Estcionmentos), considerndo-se nesses csos utorizds s operções relizds com utilizção do crtão, slvo se nteriormente o Titulr tiver comunicdo perd, o extrvio ou o roubo do Crtão. 12. No cso de ordens pr pgmentos recorrentes, o Titulr e/ou Empres devem, sempre que se verifiquem lterções do número, do przo de vlidde ou do estdo do Crtão, informr do fcto s entiddes às quis tenhm ddo ess ordem. 13. O Titulr não pode revogr ou rejeitr ordem de pgmento que tenh ddo à UNICRE e confirm trnscção e reconhece-se devedor do seu vlor à UNICRE, originndo o débito à Empres do respectivo montnte, slvo prov su em contrário:. ns operções em ATMs e Terminis de Ponto de Vend com ou sem Operdor, trvés d utilizção do PIN, slvo se nteriormente o Titulr e/ou Empres

3 Mod Emp. - Julho tiverem comunicdo perd, o extrvio ou o roubo do Crtão; b. o ssinr o tlão; c. o introduzir Identificção ou o utilizr os elementos que lhe forem fornecidos pr o efeito e vlidr os elementos d compr, ns operções efectuds em mbientes bertos. Nos csos de trnscções relizds com inserção do PIN ou dos Códigos Secretos, incluindo em ATMs, em Terminis de Ponto de Vend sem Operdor ou em mbientes bertos, o Titulr reconhece o débito pel UNICRE dos vlores registdos electronicmente e trnsmitidos à UNICRE, slvo prov su em contrário. 14. A quisquer operções de Csh Advnce são plicáveis os limites de montntes e o preçário que constm do Anexo às Condições Geris de Utilizção. 15. Cso o Titulr solicite nulção de ordem de pgmento respeitnte trnscções efectuds à distânci, desde que com fins que não pertençm o âmbito d su ctividde profissionl, e legue que terá hvido utilizção frudulent do Crtão, UNICRE processrá restituição do montnte no przo máximo de 60 dis contr d dt em que o Titulr formule, fundmentdmente, tl pedido. Nos demis csos de reclmção de trnscções não utorizds, UNICRE, pós respectiv nálise e nos 10 dis subsequentes à reclmção, frá o estorno respectivo ou informrá o Titulr do justifictivo pr recusr esse estorno. A Empres e o Titulr ceitm que UNICRE é lhei incidentes ou litígios que ocorrm entre si e o estbelecimento onde pretend usr ou tenh usdo o Crtão, nomedmente reltivos à qulidde dos serviços prestdos, slvo se referentes recus ilegítim de ceitção do Crtão. A UNICRE não é responsável por problems ou dificulddes resultntes de deficiêncis no funcionmento de equipmentos ou n trnsmissão electrónic de ddos, designdmente no que concerne à efectivção d trnscção. 16. A UNICRE disponibilizrá menslmente à Empres, o cuiddo do Titulr, um Extrcto d su Cont, com: (i) s referêncis e os vlores ds trnscções feits, pgs pel UNICRE em nome do Titulr, moed utilizd e, se for o cso, o montnte pós conversão monetári, (ii) os vlores devidos à UNICRE pel prestção de serviços, (iii) os vlores respeitntes correcções ou movimentos de estorno qundo devidos (iv) os vlores respeitntes nuiddes, juros, impostos e encrgos devidos por serviços solicitdos pelo Titulr à UNICRE, (v) os pgmentos que tenhm sido efectudos pelo Titulr à UNICRE. O Extrcto poderá ser disponibilizdo por correio electrónico ou n áre reservd do Cliente no serviço online. À solicitção express do Titulr ou d Empres, o Extrcto será envido em suporte de ppel. A dt limite de pgmento é indicd em cd Extrcto de Cont. A dt de emissão do Extrcto de Cont é designd pelo Titulr e/ou pel Empres qundo preenchido o Contrto de Adesão, sendo-lhe confirmd qundo do envio do Crtão e, posteriormente, em cd Extrcto de Cont. O Titulr deve conferir correcção dos lnçmentos constntes do Extrcto de Cont e comunicr por escrito à UNICRE, sem trso injustificdo e logo que del tenh conhecimento qulquer inexctidão té à dt limite de pgmento nele indicd. Se decorrid ess dt for detectd um operção de pgmento não utorizd ou incorrectmente executd, o Titulr deve solicitr respectiv rectificção de form diligente e no mis curto espço de tempo que lhe for possível, nunc pós decorridos 13 meses sobre dt do lnçmento. No cso de um operção de pgmento que tenh sido utorizd pelo Titulr sem especificr, no momento dess utorizção, o seu excto montnte e desde que, por outro ldo, o seu montnte tenh excedido o que o Titulr poderi rzovelmente esperr de cordo com o perfil de despess nteriores e s circunstâncis específics do cso, pode o Titulr durnte um przo de oito semns contr d dt em que o montnte tenh sido debitdo presentr o pedido do seu reembolso. Em cso de trnscção que o Titulr legue não ter utorizdo, UNICRE procederá em 10 dis o estorno do vlor devido ou presentrá o Titulr, no mesmo przo, justifictivo pr recusr esse estorno, informndo-o dos meios o seu dispor cso não ceite justificção d UNICRE. Se, pós efectudo o estorno, UNICRE concluir que trnscção for utorizd pelo Titulr, frá o correspectivo lnçmento débito. 17. O Titulr e/ou Empres devem proceder o pgmento de pelo menos 3% do montnte em dívid, no mínimo de 25 té à dt limite de pgmento indicd no extrcto de cont. Entre dt de fecho do extrcto de cont e dt limite de pgmento decorrerão no mínimo 10 dis. No cso de pgmento prcil do sldo d Cont que sej igul ou superior o mínimo contrtdo, sobre o cpitl remnescente que fique em dívid incidirão juros remunertórios à tx contrtul em vigor, que crescem os correspectivos impostos. (i) A tx de juro remunertóri contrtul é um tx com bse num no de 360 dis ssumindo meses de 30 dis. A convenção de cálculo de juro é de 30/360. Est tx é indicd no Anexo às Condições Geris de Utilizção e sempre que sofr lterção est é comunicd no Extrcto de Cont, com indicção d dt de entrd em vigor. Informção sobre tx de juro pode ind ser obtid todo o tempo em (ii) Em cso de não cumprimento d obrigção do pgmento mínimo corddo, UNICRE poderá exigir, de qulquer dos Devedores Solidários, té efectivo pgmento d obrigção, juros mortórios e um comissão pel recuperção de vlores em dívid, conforme indicdo no Anexo às Condições Geris de Utilizção; (iii) A UNICRE reserv-se o direito de repercutir no devedor, medinte presentção d respectiv justificção documentl, s despess posteriores à entrd em incumprimento que tenhm sido por si suportds; (iv) Encrgos fiscis e montntes em dívid de vlor inferior ou igul 25 euros ou que excedm o Limite de Utilizção, devem ser sempre pgos n totlidde; (v) Quisquer pgmentos efectudos pelo Titulr entre dois extrctos de cont poderão só ter reflexo no extrcto seguinte, sem prejuízo de o Titulr poder solicitr à UNICRE um umento do Limite de Utilizção; (vi) Os pgmentos prcelres serão imputdos, sucessivmente despess, os juros e o cpitl em dívid; (vii) Se o Titulr e/ou Empres optrem por efectur os pgmentos pelo Sistem de Débitos Directos, este somente entrrá em vigor qundo pssr constr do Extrcto de Cont; (viii) Tods s operções não efectuds em euros são convertids pr euros pelo Sistem Interncionl sob o qul o crtão for emitido, podendo o Titulr e/ou Empres obter qulquer ltur, trvés dos serviços de Apoio o Cliente d UNICRE, informção sobre tx de câmbio. O respectivo contrvlor em euros e os encrgos indicdos no Anexo às Condições Geris de Utilizção serão debitdos n Cont; (ix) Em cso de mor, UNICRE trnsmitirá o fcto, com indicção de identificção d Empres e dos demis Devedores Solidários, o Bnco de Portugl e entiddes de centrlizção de informções de risco de crédito devidmente utorizds pel Comissão Ncionl de Protecção de Ddos. 18. Os encrgos que UNICRE poderá cobrr, pr lém dos decorrentes d relção de crédito isto é, os referidos n Clª 17ª são (i) um nuidde por cd Crtão; (ii) um encrgo pel contrtção de serviços cessórios e opttivos (Serviços Adicionáveis), (iii) os vlores que fzem prte do Anexo às Condições Geris de Utilizção e (iv) os encrgos correspondentes serviços vulso solicitdos à UNICRE, de cordo com o Preçário em vigor e cessível em 19. Pel quisição de quisquer produtos ou serviços opcionis, cessórios ou dicionis, que lhe sejm propostos, em condições de exclusividde ou preferenciis, pel UNICRE ou qulquer prceiro d UNICRE, o Titulr pgrá o vlor respectivo, o qul poderá ser lnçdo débito n Cont-Crtão. 20. A UNICRE poderá encrregr terceiros de promoverem (i) negocição de produtos e serviços comercilizdos por quel e/ou por prceiros selecciondos pel UNICRE e/ou (ii) cobrnç dos créditos em mor de que o Titulr e/ou Empres sejm devedores. No âmbito d referid negocição, UNICRE poderá, ind, comunicr decisão qunto os produtos e serviços concedidos, cessção d vigênci dos contrtos e situções de incumprimento dos mesmos. III - Norms de Segurnç e Comunicções entre UNICRE e o Titulr 21. O Titulr é responsável pel gurd, utilizção e mnutenção corrects do Crtão, e por quisquer trnscções resultntes de negligênci grve, designdmente qundo pr su relizção o utilizdor do Crtão tenh tido necessidde de inserir o PIN ou qulquer Código Secreto do Titulr. O Titulr e/ou Empres serão responsbilizdos pelos dnos que resultem pr UNICRE ou pr terceiros pelo uso indevido do Crtão se, de lgum form, o permitirem ou fcilitrem. 22. O Titulr deve ssinr o crtão logo pós su recepção e doptr tods s precuções dequds pr não tornr cessíveis ou perceptíveis terceiros os seus PIN e/ou Códigos Secretos, os quis deverá memorizr destruindo o envelope de informção dos

4 4 6 mesmos, nunc notndo no próprio crtão nem em qulquer outro documento que tenh junto do mesmo. O Titulr poderá lterr o (Código Pessol Secreto) PIN em qulquer cix utomático d rede Multibnco, ms nesse cso não deve nunc reproduzir ou relcioná-lo com elementos de identificção pessois, nomedmente conjugções de dígitos de fácil proprição (por exemplo: no de nscimento ou di e mês de niversário) por terceiros em cso de perd, furto, roubo ou extrvio do crtão. 23. A Empres deve comunicr à UNICRE, de imedito e pelo meio mis rápido que lhe for possível logo que tenh conhecimento e sem qulquer trso injustificdo, nomedmente utilizndo os números de contctos indicdos no verso do Crtão, no Anexo às Condições Geris de Utilizção e em lterção do seu endereço logo que est ocorr fim de grntir recepção de tod correspondênci que lhe é dirigid; b. exclusão ds pessos utorizds pel Empres utilizr crtões de crédito e ocorrênci de qulquer fcto que origine o fim d relção, entre Empres e o Titulr, que motivou utorizção pr uso do crtão de crédito. O Titulr deve comunicr à UNICRE, de imedito e pelo meio mis rápido que lhe for possível: c. não recepção do Crtão ou do Extrcto de Cont no przo previsto; d. perd, furto, roubo ou flsificção do Crtão ou dos meios que permitm su utilizção; e. o registo n su Cont de qulquer trnscção que não tenh sido por si efectud; f. qulquer erro ou nomli n gestão d su Cont-Crtão por prte d UNICRE. As comunicções prevists no ponto d. deverão ser prticipds às utoriddes públics competentes, sendo fcultd à UNICRE respectiv comprovção. Quisquer comunicções do Titulr e/ou d Empres à UNICRE respeitntes às eventuliddes referids em d. dest Cláusul poderão ser efectuds telefonicmente sem prejuízo de, qundo plicável, deverem ser confirmds por escrito e ssinds pelo Titulr e/ou pel Empres. A responsbilidde globl d Empres e/ou dos Devedores Solidários pelo vlor ds trnscções irregulres efectuds com o Crtão, em consequênci d su perd, extrvio, furto ou roubo, (slvo qundo o Titulr e/ou Empres tenhm gido frudulent ou negligentemente ou feito devid comunicção com trso injustificdo) cess no momento em que comunicção tiver sido recebid n UNICRE, ou nos Centros d Vis ou d MsterCrd existentes pr esse fim, trvés dos números de contcto pr o efeito indicdos; pels utilizções do Crtão verificds ns 48 hors nteriores à comunicção ess responsbilidde não pode ultrpssr slvo nos csos de dolo ou de negligênci grosseir - o vlor, à dt d primeir operção considerd irregulr, do Limite de Utilizção disponível, no limite máximo de 150 euros. 24. A UNICRE é responsável, pernte o Titulr e/ou Empres, pelo registo incorrecto de qulquer trnscção, nos termos geris de Direito, excepto ocorrendo dolo ou negligênci do Titulr e/ou d Empres. Em cso de diferendo entre UNICRE e o Titulr e/ou Empres, o ónus d prov cbe quem invocr o fcto seu fvor. Em cso de diferendo reltivo operção electrónic não utorizd pelo Titulr, o ónus d prov d su efectiv relizção cbe à UNICRE, obrigndo-se o Titulr e/ou Empres prestrem su melhor colborção, designdmente prestndo-lhe s informções e fcultndo cópi dos documentos que est lhe solicitr, reltivos à operção em cus. 25. Quisquer comunicções e informções que UNICRE remet por escrito o Titulr e/ou à Empres poderão ser envids pr o endereço postl ou electrónico por estes indicdo. O endereço postl, pr efeitos de citção ou notificção judicil, consider-se ser o domicílio convenciondo, devendo qulquer lterção do endereço (postl ou de correio electrónico) ser comunicd à UNICRE sob pen de o Titulr e/ou Empres serem responsáveis pel eventul não recepção de comunicções ou informções que lhe tenhm sido envids. Consider-se relizd em suporte de ppel qulquer informção prestd o Titulr e/ou Empres trvés de mensgem inserid no Extrcto de Cont envido em suporte de ppel e consider-se prestd por escrito qulquer informção qundo inserid no Extrcto de Cont envido em suporte electrónico. 26. A Empres e o Titulr utorizm UNICRE : (i) pr efeitos do registo ds sus Ordens e Instruções, efectur o registo e o rquivo ds comunicções, independentemente do seu suporte e cnl, (ii) pr efeitos do registo de utenticção de trnscções, independentemente do seu suporte e cnl, sempre que tl sej necessário, trnsferir os ddos pessois relevntes pr s entiddes ncionis, comunitáris ou interncionis com s quis UNICRE contrte esses serviços, (iii) contctá-los por qulquer meio, directmente ou trvés de entiddes externs pr tnto contrtds ou seleccionds pel UNICRE, e envir-lhes mensgens, qulquer que sej o seu suporte e cnl, respeitntes à ofert de produtos e/ou serviços finnceiros ou outros, incluindo à distânci. O Titulr e/ou Empres e UNICRE cordm em que o registo informático ou mgnético e su reprodução em qulquer suporte - designdmente em ppel - constituem meio de prov ds operções efectuds medinte os procedimentos previstos ns presentes Condições Geris. A UNICRE fic utorizd proceder, pr efeitos de gestão comercil, incluindo de cobrnç de montntes em dívid, à grvção ds chmds telefónics, procedendo o seu rquivo e constituindo os respectivos registos, mgnéticos ou electrónicos, meio de prov ds operções relizds. Cso o Titulr não utorize grvção ds instruções trnsmitids telefonicmente à UNICRE, s su instruções pens poderão ser trnsmitids medinte comunicção dirigid à UNICRE e devidmente ssind, trnsmitid por e-mil, por telecópi ou por crt. Pr quisquer ssuntos relciondos com protecção de ddos pessois, o Titulr e/ou Empres poderão contctr UNICRE pelo telefone indicdo n Clª 28 ou e-mil 27. Pr quisquer ssuntos referentes à interpretção, execução, plicção, vlidde ou incumprimento do presente Contrto será competente o foro do domicílio do Titulr e/ou Empres, podendo UNICRE, situndo-se o domicílio convenciondo do Titulr e/ou d Empres n áre metropolitn de Lisbo optr pelo Tribunl d comrc de Lisbo. O Titulr pode presentr reclmções ou queixs por cções ou omissões dos órgãos e colbordores d Unicre o Provedor do Cliente, utilizndo pr o efeito o endereço divulgdo em Os litígios de vlor igul ou inferior à lçd dos tribunis de 1ª instânci poderão, em lterntiv os meios judiciis competentes, ser submetidos às seguintes entiddes extrjudiciis de resolução de litígios: Centro de rbitrgem de Conflitos de Consumo de Lisbo e Centro de Arbitrgem d Universidde Ctólic Portugues. 28. Contctos () Serviço Clientes: telefone e fx ; (b) pr prticipção de perd, roubo, furto ou extrvio do crtão (7 dis por semn, 24 hors/di): (i) Em Portugl, telefone e fx (ii) Emergênci Vis no Estrngeiro, telefone EUA / e fx EUA Mod Emp. - Julho 2015

5 ANEXO às Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes No âmbito do serviço prestdo no plno do presente contrto são devids s comissões e encrgos, seguir menciondos, constntes do Preçário d UNICRE, em vigor no momento, publicdo nos sítios de Internet e do Bnco de Portugl, no Portl do Cliente Bncário, em todos os locis de tendimento. 1) Encrgos e comissões de utilizção. Ns operções de Csh Advnce crédito, incide um tx de 3,95% sobre o montnte pedido (máximo de 4 em 4 dis nos levntmentos em ATM s), crescid de 2,90 por levntmento, nos ATMs, nos Blcões dos Bncos ou em Trnsferênci Bncári relizd pel UNICRE; b. Comissão por utilizção do crtão no pgmento em estbelecimentos de vend de combustíveis n EEE em euros, coro suec e leu romenos: 0,00 ; Comissão por utilizção do crtão no pgmento em estbelecimentos de vend de combustíveis no resto do mundo: 0,00 ; c. Comissões de Serviço sobre operções efectuds n EEE em euros, coro suec e leu romeno: 0,00%. Comissões de serviço sobre operções efectuds no resto do mundo: 1,7% + 1%. d. Comissão pel recuperção de vlores em dívid por cd prestção vencid e não pg: 4% do vlor d prestção num mínimo de 12,00 e num máximo de 150,00 ou 0,5%, qundo cd prestção em dívid for superior ,00 ; e. Comissão por excesso do Limite de Utilizção no montnte máximo de 9,50 ; f. Encrgos de cobrnç contencios em cso de incumprimento definitivo: 100,00 dívids té 500, 150,00 restntes situções; g. Substituição de crtão pedido (grvção de crtão com PIN): 15,00 ; h. Cópi de Extrcto de Cont (2ª vi), pedido: 5,00 ; i. Comissão trimestrl em cso de inctividde d Cont-Crtão há mis de 6 meses de 6,16 ; j. Comissão por Alterção Contrtul plicável situções de reestruturção do sldo em dívid: 75,00. Ficrão isentos os Clientes que renegociem s condições do contrto de crédito no âmbito do DL 227/2012. Nos Termos d Tbel Gerl do Imposto de Selo (TGIS) incide Imposto do Selo sobre os vlores indicdos ns línes: ), b), c), d), e), g), i) e j) (Artº ). Incide IVA sobre os vlores indicdos ns línes f) e h). 2) Anuiddes Crtão Bnco BIG Empres: 30,00 Acresce imposto de selo Artº ) Tx de Juro A tx de juro remunertóri nul é de 25,50% e os juros são clculdos menslmente (2,125% mensis); TAE 30,0% Acrescid de Imposto do Selo (Artºs e d TGIS). Em cso de não cumprimento d obrigção do pgmento mínimo corddo, poderão ser exigidos juros mortórios correspondentes um sobretx nul máxim de três pontos percentuis crescer à tx de juro contrtul CONDIÇÕES PARTICULARES CARTÃO BANCO BIG Ao subscrever desão o Crtão o Titulr/Cliente utoriz que, por débito n su cont de depósito à ordem no Bnco, sejm pgs tods e quisquer quntis em dívid à UNICRE que sejm resultntes do uso e/ou titulridde do Crtão e se encontrem em trso. Mod Emp. - Julho 2015

6 MUITO IMPORTANTE: Escrev sempre em miúsculs 6 6 Colbordor Empres Cópis: 1) BI /Crtão de Ciddão ou documento que o substitu nos termos Cópis: 1) NIF Pesso Colectiv 2) últim declrção de rendimentos entregue (modelo 22) ou IRC d lei portugues, ou Pssporte, ou Autorizção de Residênci 2) NIF 3) Certidão Conservtóri Registo Comercil 4) BI e NIF ou CrtãoCiddão dos sócios/titulres órgão Comprovtivos: cso opte por Débito Directo, IBAN do Colbordor onde dministrção ou equivlente Comprovtivos: 1) mord e mord fiscl se diferente 2) cso optem conste o seu nome enqunto titulr d cont bncári. por Débito Directo, IBAN d empres onde conste o nome(s) do(s) titulres d cont bncári. CARTÃO PRETENDIDO OPÇÕES Vis Bnco BANCO BIG EMPRESA Conservtóri Reg. Comercil Bncos com que trblh Limite de utilizção pretendido Nome d Empres grvr (máximo 21 crcteres, incluindo espços) Csh Advnce em ATM Sim Não Produção urgente do crtão (encrgo26 ) Correspondênci envir pr mord do colbordor (se não ssinlr, será envid pr mord d empres) crtão PIN (código pessol secreto) extrcto de cont DADOS DA EMPRESA Cmpnh 22C0886 ID Prceiro 1 - VXMI Código Agênci Nome Número de (rzão socil) Empregdos Mord (sede socil) Loclidde Código Postl - Telefone Dt Constituição d d / m m / Fx Pís de Constituição Actividde Económic (CAE) Form Jurídic NIF (contribuinte) Cpitl Socil NIB Blcão Bnco NIB Blcão Algum dos sócios/ titulres do órgão dministrção desempenh um crgo público? Sim Não Se sim, Indique: Nome sócio/ titulr órgão dministrção ou equivlente Crgo Público Nome sócio/ titulr órgão dministrção ou equivlente Crgo Público Nome sócio/ titulr órgão dministrção ou equivlente Crgo Público CONTACTO NA EMPRESA (pesso responsável por informr ou receber informções sobre os crtões) Nome Crgo / Função Telefone E-mil (escrev em miúsculs) Fx TIPO DE PAGAMENTO OPÇÕES DE PAGAMENTO DATA DE PAGAMENTO de cd mês Débito Directo Ao subscrever est utorizção, o Titulr está simultnemente utorizr UNICRE - Instituição Finnceir de Crédito, S.A. e o seu Bnco debitr, sem dependênci de przo, e n dt pr pgmento, su cont, dos vlores devidos à UNICRE constntes de todos os extrctos d cont emitidos no âmbito do contrto de desão celebrdo entre s prtes. De cordo com legislção em vigor, o Sistem de Débitos Directos permite o titulr exigir do seu Bnco o reembolso do montnte debitdo, nos termos e condições corddos com este. O reembolso deve ser solicitdo té um przo de 8 semns, contr do débito n su cont. IBAN P T 5 0 Há quntos nos briu cont? Cont d Empres Cont do Colbordor Percentgem do sldo em dívid (mínimo de 25 ) 3% (mínimo) 10% 30% 50% 100% ATM Menslmente escolhe o vlor pgr (mínimo 3% do sldo em dívid, num mínimo de 25 ) Assintur do Titulr d Cont Bncári, igul o Bnco DADOS DO COLABORADOR Nome Dt de grvr Nscimento d d / m m / Mord Fiscl () Telemóvel Loclidde Código Postl - Telefone NIF Telemóvel (contribuinte) E-mil (escrev em miúsculs) B.I. / Crtão Ciddão Nturlidde Dt de vlidde do Documento de Identificção d d / m m / Sexo m f Ncionlidde Estdo Civil Crgo/ Função Mod Emp. - Julho 2015 Desempenh lgum crgo Público? Sim Não Se sim, qul? () Se mord de residênci for diferente, solicite impresso próprio) Declro que os ddos que indiquei são verddeiros e correctos, e que UNICRE pode consultr o Bnco de Portugl, ou qulquer outr entidde sobre informções comerciis ou de crédito. Autorizo que s informções e os ddos pessois fornecidos sejm trtdos informticmente e que no cso de não vir ser celebrdo qulquer contrto, os meus ddos sejm conservdos em registo. Declro ind que tomei conhecimento ds Condições Geris e Prticulres constntes dest propost/contrto que me form previmente comunicds, cujo conteúdo e lcnce conheço e compreendo e por isso dou o meu totl consentimento por corresponder integrlmente à minh vontde. Declro que me foi previmente entregue FIN cujo conteúdo tomei esclrecido conhecimento. Declro que ssintur é válid pr est propost/contrto. Por fvor ssinle cso não estej interessdo em receber informção sobre cmpnhs de mrketing directo. Declrmos que tomámos conhecimento ds Cláusuls que regem o Contrto de Adesão, cujo conteúdo compreendemos e ceitmos Crimbo e ssintur(s) que obrigm Empres Assintur do Titulr do Crtão (Colbordor) d m Dt

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1.

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1. 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Finnceir de Crédito, S.A. Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015

Mod. 248-1 Tit. - Julho 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento (CE) nº 924/2009, o Decreto-Lei

Leia mais

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015

Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 Mod. 248-1 Tit. - Abril 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Bnco de Portugl, o Regulmento

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Mod. 246-2 Tit. - Julho 2015

Mod. 246-2 Tit. - Julho 2015 Mo. 246-2 Tit. - Julho 2015 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE DECO PRO/TESTE Conições Geris e Utilizção, Direitos e Deveres s Prtes Elbors e coro com o Aviso nº 11/2001 e 20/11 o Bnco e Portugl,

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Mod. 246-1 Tit. - Abril 2016

Mod. 246-1 Tit. - Abril 2016 Mo. 246-1 Tit. - Abril 2016 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE DECO PRO/TESTE Conições Geris e Utilizção, Direitos e Deveres s Prtes Elbors e coro com o Aviso nº 11/2001 e 20/11 o Bnco e Portugl,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO Fundção d UFPR (Desenvolvimento d Ciênci, tecnologi e d cultur) - FUNPAR Fundo Previdenciário do Município de Pulist Governo do Estdo d Príb Governo

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS Mnul de GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Deprtmento/Gbinete Pág. 1/26 FICHA TÉCNICA TÍTULO Gui Prático Abono de fmíli pr crinçs e jovens

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES E FUNDOS PENSÕES o O Gui de Seguros e tem como objectivo principl esclrecer o leitor, em lingugem simples e cessível, cerc dos conceitos, tipos de contrtos e procedimentos n áre dos seguros e fundos de

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias UNIÃO EUROPEIA Fundos Estruturis SIME Gui do Beneficiário (Portri n.º 262/2004, de 11 de Mrço) - Introdução 1. Notificção e Contrtção dos Incentivos. 1.1. Notificção 1.2. Contrtção 1.3. Elementos Adicionis,

Leia mais

1 5 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNIBANCO

1 5 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNIBANCO 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO EMPRESA UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Mod. 250-1 Tit. - Abril 2016

Mod. 250-1 Tit. - Abril 2016 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE BANCO PRIVADO ATLANTICO EUROPA Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso n.º 11/2001, de 20 de Novembro, do

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Mod. 244-1 Tit. - Abril 2013

Mod. 244-1 Tit. - Abril 2013 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

Contrato Adesão cartão SOC. COMERCIAL C. SANTOS - A.ccr.S.2016-03.033

Contrato Adesão cartão SOC. COMERCIAL C. SANTOS - A.ccr.S.2016-03.033 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Financeira de Crédito, S.A. Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Portaria n.º 15/2014 de 24 de Março de 2014

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Portaria n.º 15/2014 de 24 de Março de 2014 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Portri n.º /0 Mrço 0 O Decreto-Lei n.º 8/0, bril, criou inicitiv Licencimento Ze, simplificndo o regime exercício diverss tividd económics,

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO

CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 2560/2001

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Grupo Educacional Unis

Grupo Educacional Unis Fundção de Ensino e Pesquis do Sul de Mins Centro Universitário do Sul de Mins Editl de Processo Seletivo Modlidde Distânci - CPS 01/2015 Vestibulr 2015 1º Semestre Grupo Educcionl Unis O Reitor do Centro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.plnlto.gov.br/ccivil_03/eis/cp/cp139.htm Pge 1 sur 22 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos EI COMPEMENTAR Nº139, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Mensgem de veto Vigênci Alter

Leia mais

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau

Questionário. Base de Dados dos Recursos Humanos da Área Jurídica da Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau Registo inicil Actulizção de ddos Direcção dos Serviços d Reform Jurídic e do Direito Interncionl Questionário Bse de Ddos dos Recursos Humnos d Áre Jurídic d Administrção Públic d Região Administrtiv

Leia mais

Mod. 248-2 Tit. - Maio 2013

Mod. 248-2 Tit. - Maio 2013 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

Cartão de Crédito Millennium bcp GO!

Cartão de Crédito Millennium bcp GO! FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretri de Acompnhmento Econômico Precer n o 06093/2010/RJ COGAP/SEAE/MF Em 10 de fevereiro de 2010. Referênci: Processo n.º 18101.000028/2010-54. Assunto: Distribuição Grtuit de

Leia mais

1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE

1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO 6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRTOS EMPRESRIIS 6.1 NOT PROMISSÓRI DEC. 57.663/66 Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com NOT PROMISSÓRI

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

about us zone soft mercado nacional clientes vs softwares

about us zone soft mercado nacional clientes vs softwares bout us zone soft mercdo ncionl clientes vs softwres S Cfé S Rest S POS 1 bout us fturção fturção zone soft 2 bout us the crew Suporte Técnico 3 colbordores Apoio Agentes Testes Softwre Desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

EDITAL 001/2013 - EADUnC

EDITAL 001/2013 - EADUnC EDITAL 001/2013 - EADUnC O Reitor d Universidde do Contestdo-UnC, de cordo com o disposto no Regimento, fz sber, trvés do presente Editl, que estrão berts inscrições e mtriculs pr ingresso nos Cursos de

Leia mais

Mod. 217-1 Tit. - Julho 2015

Mod. 217-1 Tit. - Julho 2015 1 5 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Saúde Vida Particular

Saúde Vida Particular Informções Pré-Contrtuis Súde Vid Prticulr Rel Vid Seguros, S.A. Registd n Conservtóri do Registo Comercil do Porto Pesso Colectiv nº 502 245 140 - Cpitl Socil: 15.000.000,00 1 Seguro de Súde Informções

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

Um parceiro com objectivos

Um parceiro com objectivos Um prceiro com objectivos Índice 1. Sistem de Automção scolr... 3 2. Portri... 5 3. Gestão Finnceir I... 6 4. Sls de Aul... 14 5. Internet... 15 6. Gestão de Alunos.. 16 7. sttístics. 17 8. Inforvist:

Leia mais

Mod. 248-2 Tit. - Outubro 2015

Mod. 248-2 Tit. - Outubro 2015 Mod. 248-2 Tit. - Outubro 2015 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal,

Leia mais

Mod. 248-2 Tit. - Janeiro 2016

Mod. 248-2 Tit. - Janeiro 2016 Mod. 248-2 Tit. - Janeiro 2016 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal,

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Manual TISS. Consultórios, Hospitais, Clínicas e Laboratórios. 1ª Versão: 12/06/2007

Manual TISS. Consultórios, Hospitais, Clínicas e Laboratórios. 1ª Versão: 12/06/2007 Mnul TISS Instruções pr preenchimento. Consultórios Hospitis Clínics e Lbortórios. 1ª Versão 12062007 Índice 1. Apresentção... 1 2. Definição do Pdrão TISS... 2 3. Objetivo do Pdrão TISS... 2 4. Guis (formulários)

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Mod. 263-2 Tit. - Julho 2014

Mod. 263-2 Tit. - Julho 2014 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº

Leia mais

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA GOVERNAMENTAL NÚCLEO CENTRAL DE PARCERIAS COM ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Índice DE INTERESSE PÚBLICO Introdução...

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA - NORMA REGULAMENTADORA Nº COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA Aprovd pel Portri GM/MTB nº. - DOU //. DO OBJETIVO Título do item. d NR crescido pelo rt. º d Portri SSMT nº - DOU //.. - Comissão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL

TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL INSTITUCIONAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA IMPRESSÃO e PRODUÇÃO DE MATERIAL

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO

CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO 1 o 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNIBANCO Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO

REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO REGISTRO DE PREÇOS PREGÃO PRESENCIAL Nº 018/2007 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO SETOR PROCESSO TRT Nº 01330.2006.000.14.00-0 COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO TIPO Menor Preço por lote, objetivndo

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia: Cdstro de Instlções e Sistems de Armzenmento de Derivdos de Petróleo e Outros Combustíveis 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.2. Doc. Identidde: Órgão Expedidor: UF: 1.3.

Leia mais

Mod. 240-1 Tit. - Julho 2013

Mod. 240-1 Tit. - Julho 2013 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR UNICRE Condições Gerais de Utilização, Direitos e Deveres das Partes Elaboradas de acordo com o Aviso nº 11/2001 de 20/11 do Banco de Portugal, o Regulamento (CE) nº 924/2009,

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA ESTDO DO TOCNTINS TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO SICP SISTEM INTEGRDO DE CONTROLE E UDITORI PUBLIC PLNO DE CONTS PR O EXERCÍCIO DE 28 ENTIDDES MUNICIPIS DO ESTDO DO TOCNTINS S U M Á R I O _ I - INTRODUÇÃO II

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais

PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO

PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO MOD. 478 PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO AGÊNCIA CLIENTE TIPO Nº Dia Mês Ano INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome Completo (preencha em letras maiúsculas) Nome a gravar no cartão (máximo de 23 caracteres, incluindo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO VISA BPC CLASSIC

PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO VISA BPC CLASSIC MOD. 421 I Área de Serviços e Meios de Pagamentos Electrónicos PEDIDO DE ADESÃO AO CARTÃO DE CRÉDITO VISA BPC CLASSIC AGÊNCIA CLIENTE TIPO Nº -000000000000 INFORMAÇÕES PESSOAIS Nome a gravar no cartão

Leia mais

Obras de Construção/Alteração/Ampliação, em área não abrangida por operação de loteamento.

Obras de Construção/Alteração/Ampliação, em área não abrangida por operação de loteamento. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção Urbnísitic U04 LICENCIAMENTO OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO CONSTRUÇÃO/RECONSTRUÇÃO/AMPLIAÇÃO/ALTERAÇÃO (ASSINALAR O TIPO DE PEDIDO) LICENCIAMENTO

Leia mais

Autoriza o Poder Executivo Municipal a aderir ao programa BADESC CIDADES II e tomar empréstimo juttto ao BADESC - Agência de Fomento de santa

Autoriza o Poder Executivo Municipal a aderir ao programa BADESC CIDADES II e tomar empréstimo juttto ao BADESC - Agência de Fomento de santa PREFEITURA MUN ICI PAL DE T,IONDAI LEI N".3.512, DE l1 DE JUNHO DE 2013. Autoriz o Poder Executivo Municipl derir o progrm BADESC CIDADES II e tomr empréstimo juttto o BADESC - Agênci de Fomento de snt

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 P.J.U.- TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO 1 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 068/2012 Regido pel Lei nº 10.520/2002, Lei Complementr

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO VIVO MAIS FELIZ

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO VIVO MAIS FELIZ REGULAMENTO DA PROMOÇÃO VIVO MAIS FELIZ Pr prticipr d Promoção VIVO MAIS FELIZ, dorvnte nomind "Promoção", o Prticipnte verá ler e rir às condições prevists neste Regulmento. Est Promoção é promovid pel

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012

Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs 31 de dezembro de 2012 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs individuis e consolidds Aos Administrdores e

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais;

O Desembargador BERNARDINO LUZ, Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Tocantins, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; PROVIMENTO Nº. 01/2009 - CGJUS-TO Regulment os procedimentos reltivos à quisição, repsse e uso do Selo de Fisclizção dos Serviços Extrjudiciis e disciplin o ressrcimento os registrdores civis ds pessos

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA - COPPE EDITAL COPPE/PENO/PÓS nº 235/2014: PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS PARA INSCRIÇÃO

Leia mais

TABELA I DOS PROCESSOS EM GERAL

TABELA I DOS PROCESSOS EM GERAL TABELA I DOS PROCESSOS EM GERAL I Ds Cuss em Gerl, inclusive Execução e Reconvenção; ds A ções Cutelres; Embrgos à Execução; dos Mnddos de Segurnç com Vlor Estimável; d Arremtção, Adjudicção e Remissão;

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais