C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET HISTÓRIA DO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br HISTÓRIA DO BRASIL"

Transcrição

1 1 HISTÓRIA DO BRASIL AULA PERÍODO COLONIAL A expansão comercial e marítima européia No decorrer do século XIV, a Europa passou por uma crise econômica e social de enormes proporções, marcada por guerras, rebeliões populares, diminuição da produção agrícola, fome prolongada e uma epidemia de peste negra que matou mais de um terço da população. Passada a tormenta, a economia européia conheceu um período de grande crescimento. Mas em meados do século XV, surgiram obstáculos a essa expansão, configurando uma crise de crescimento. Passada a crise de retração do século XIV, em meados do século XV, começaram a surgir obstáculos ao processo, gerando uma crise de crescimento. A primeira razão era a inadequação entre dois sistemas antagônicos, o feudal (zona rural) e o capitalista (cidades). A Segunda relacionava-se ao mercado internacional, alimentado principalmente pelos produtos orientais, controlados pelos árabes, pelas cidades italianas e por guildas mercantis que operavam nas rotas européias. A terceira era a falta de moedas, escoadas para o Oriente em pagamento das especiarias, criando dificuldades para o desenvolvimento do comércio e forçando a busca de metais preciosos. Uma das saídas encontradas para a superação da crise foram as Grandes Navegações. A partir do século XV, os europeus se lançaram à exploração de mares que pouco conheciam. Essa aventura permitiu a abertura de novas rotas para os mercados tradicionais do Oriente, além do encontro de novas fontes de metais preciosos para a cunhagem de moedas. Os pioneiros na expansão marítima foram os portugueses e os espanhóis, seguidos depois por ingleses, franceses e holandeses. Na Idade Média acreditava-se que a Terra era plana e tinha formato de disco. No século XV, entretanto, com as primeiras manifestações do Renascimento na península Itálica, alguns pensadores e navegantes começaram a colocar em dúvida essa convicção. Segundo eles, nosso planeta tinha a forma de esfera. Isso significava que uma pessoa, navegando sempre em linha reta, na mesma direção, voltaria ao ponto de partida depois de algum tempo; ou seja, que era possível chegar ao Oriente navegando para o Ocidente. Um desses homens chamava-se Cristóvão Colombo. Mas, para obter sucesso nos mares, era preciso dispor de condições técnicas, corno barcos adequados e conhecimentos náuticos. Foram importantes nesse processo o desenvolvimento da cartografia, com a elaboração de mapas, principalmente os portulanos, que eram registros das rotas percorridas; o uso da bússola e do astrolábio; e, sobretudo, o aperfeiçoamento das técnicas de construção de embarcações: surgiu a caravela, cujo sistema de velas móveis permitia a navegação sem o uso de remos. As novas técnicas, aliadas às teorias sobre a esfericidade da Terra, contribuíram para forjar uma geração de pessoas ousadas, capazes de enfrentar inúmeros perigos para chegar às Índias, lendárias por suas riquezas. Além disso, a maioria dos aventureiros estava imbuída de forte sentimento religioso. A empreitada das navegações aparecia para eles como um caminho de afirmação da fé em Cristo, pela qual seria possível converter as populações não-européias ao cristianismo, além de assegurar perdão aos próprios pecados. O ideal missionário era particularmente acentuado nos países ibéricos (Portugal e Espanha), que haviam travado longas lutas contra os muçulmanos, considerados infiéis pelos cristãos. A preocupação em catequizar os gentios (pessoas não-batizadas) era a grande Justificativa ideológica para a expansão.

2 2 Alguns fatores contribuíram para o pioneirismo português no processo de expansão marítima. Ao contrário de outros países europeus, já em 1143 Portugal era um reino unificado e independente. Em 1385, com a Revolução de Avis, subiu ao trono dom João I, apoiado pela burguesia mercantil. Diretamente interessado na expansão marítima, esse grupo social passou a ter grande influência junto ao rei. Desde o século XIII, Portugal mantinha relações comerciais com a Inglaterra, com Flandres (atual Bélgica e parte da Holanda) e com a cidade de Gênova, na península Itálica. Essas relações favoreceram o enriquecimento da burguesia mercantil. Voltado para o Atlântico e a meio caminho entre o mar do Norte e o Mediterrâneo, o país desfrutava de posição privilegiada. Lisboa, principal cidade, era ponto ele encontro de marinheiros de toda parte. Portugal era ainda um dos países mais urbanizados da Europa. Boa parte de sua população vivia da pesca e de outras atividades marítimas. Tais características contribuíam para que esse setor da sociedade adquirisse experiência na relação com o mar. Já No início do século XIV, Portugal tornou-se centro de estudos de navegação, devido ao estímulo do infante dom Henrique, o Navegador. Estabelecido na pequena vila de Lagos, próximo à ponta de Sagres, dom Henrique reuniu um grupo de estudiosos, com astrônomos, cartógrafos e pilotos, para desenvolver os estudos náuticos necessários ao desenrolar das expedições marítimas. Era a chamada Escola de.sagres. Os navegadores portugueses tinham por objetivo alcançar o Oriente contornando o sul da África. O primeiro passo para isso foi a conquista de Ceuta, em Depois vieram a ocupação das ilhas da Madeira ( e dos Açores ) e a ultrapassagem do cabo Bojador (1434). O avanço pela costa ocidental africana, rumo ao sul, foi lento e gradual. Entre 1487 e 1488, Bartolomeu Dias dobrou o cabo das Tormentas, chamado depois de cabo da Boa Esperança. Em 1498, finalmente, Vasco da Gama chegou às Índias. Vasco da Gama estabeleceu a primeira ligação direta por mar entre Europa ocidental e países marítimos do Oriente. Vasco da Gama trazia as caravelas abarrotadas de especiarias que, uma vez vendidas, proporcionaram lucros de 6000% aos burgueses que financiaram sua expedição. No ano seguinte à sua chegada, uma frota destinada às Índias partiu de Lisboa. Era comandada por Pedro Álvares Cabral que, de passagem, tomaria posse para os portugueses de parte da América.

3 3 Ásia primeiro, América depois A formação do Império Colonial Português se consolidou com Afonso de Albuquerque, que conquistou sucessivamente as cidades de Ormuz (1517), Goa (1510) e Malaca (1511), situadas respectivamente na entrada do golfo Pérsico, na costa ocidental da Índia e na Malásia. As conquistas asseguraram a Portugal o milionário comércio de especiarias. Em 1517, os portugueses chegaram ao litoral da China e, em 1520, foram recebidos em Pequim. Finalmente, desembarcam no Japão. Com o tempo, esse comércio deixou de ser lucrativo, devido a seu alto custo e à concorrência de outros países europeus. Era preciso guarnecer militarmente a região litorânea e os portos. Os barcos, por sua vez, além de caros, não resistiam a muitas viagens e naufragavam com freqüência. Enquanto isso, a posse das terras na América começava a correr risco, pois elas atraíam a cobiça de outros países europeus, como a França. Esse conjunto de razões levou o governo português a iniciar a colonização das terras americanas cm s portugueses na América Entre o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna, a Europa passou por profundas transformações em suas estruturas sociais, econômicas e políticas. O começo da ocupação portuguesa na América se insere nesse processo de mudanças. Essas transformações foram provocadas pela ação simultânea e combinada de diversos processos históricos. Alguns dos mais importantes: no campo socioeconômico, o surgimento da burguesia mercantil e a expansão comercial européia por meio das Grandes Navegações; no campo político, o fortalecimento do rei e a formação das monarquias nacionais; no campo religioso, a Reforma Protestante, a partir da qual o catolicismo deixou de ser a única religião cristã da Europa ocidental; no campo científico, o desenvolvimento da ciência moderna, não mais fundamentada na crença, mas em métodos de observação e experiência; no campo tecnológico, a ocorrência de grandes avanços com o uso da bússola, da pólvora e do papel; no campo da comunicação, o desenvolvimento da imprensa por Gutenberg permitiu a difusão mais rápida dos conhecimentos.

4 4 Em 1498, Vasco da Gama realizou a maior façanha da navegação portuguesa: alcançou Calicute, na Índia, contornando a África. Para consolidar o domínio do novo caminho, os portugueses organizaram rapidamente nova e grande expedição. Sob o comando de Pedro Alvares Cabral, em janeiro de 1500 a expedição partiu de l.isboa com treze navios e cerca de 1500 homens, entre soldados, tripulantes e religiosos. A 22 de abril, a esquadra aportou em uma terra, que, tudo indica, já era conhecida, como atestavam os mapas de posse de Bisagudo. Chamaram as novas posses de Ilha de Vera Cruz, nome mudado no ano seguinte para Terra de Santa Cruz e, a partir de 1503, para Terra do Brasil. Por muitos anos, entretanto, elas foram chamadas de Terra dos Papagaios, alusão às aves mais notáveis de suas matas. A viagem de Cabral, além de tudo, foi um sucesso comercial, pois só a pimenta trazida do Oriente rendeu duas vezes o custo da viagem. A ocupação e exploração das terras americanas pela metrópole lusitana estruturaram-se nos ternos da política econômica dominante na Europa, o mercantilismo. Para este, o comércio era a principal atividade econômica, ao contrário do que se pensava até fins da Idade Média, quando o mais importante era a exploração da terra. Essa orientação ditou as opções portuguesas. Em terras americanas, não havia comércio possível a ser estabelecido. Sem prática comercial, os povos nativos tinham pouco a oferecer diante dos atrativos do Oriente. Entre explorar comércio certo e garantido com o Oriente ou lançar-se à aventura incerta, cara e sem garantias em terras desconhecidas, o governo lusitano deu preferência à primeira alternativa. Isso explica o pouco interesse português pela América nas três primeiras décadas após a viagem de Cabral. Além do mais, a população lusitana era escassa, de cerca de 1 milhão de habitantes - insuficiente para ocupar o império que se erigia em três continentes. Desse modo, nos primeiros tempos, Portugal limitou-se a enviar à América expedições para investigar o litoral, coletar especiarias e combater piratas e navios de outros países. O produto de maior valor comercial nas terras americanas era o pau-brasil. Esse valor, entretanto, era inferior ao das mercadorias orientais. Mesmo assim, o governo português estabeleceu monopólio sobre sua exploração, como fazia com qualquer atividade ultramarina. Só poderia dedicar-se a ela quem tivesse uma concessão da Coroa, que cobrava por isso. Até 1504, o concessionário exclusivo para a exploração do pau-brasil foi Fernão de Noronha, associado a comerciantes judeus. Depois, a concessão passou para vários traficantes. Os portugueses não foram os únicos a explorar o pau-brasil. Os espanhóis fizeram algumas viagens exploratórias, mas afastaram-se em respeito ao Tratado de Tordesilhas. Os franceses, sem compromisso com o tratado e não podendo comerciar diretamente com o Oriente, passaram a contrabandeá-lo. A extração do pau-brasil se dava de forma rudimentar, provocando a destruição das florestas. Os traficantes contavam com ajuda dos índios, que cortavam a madeira e a levavam até os navios, em troca de peças de tecido, roupas, contas coloridas, canivetes, facas. A exploração do pau-brasil não deu origem a estabelecimentos ou povoados. Franceses e portugueses limitaram-se a construir feitorias, em trechos do litoral onde a madeira era mais abundante. Tratava-se de construções que serviam ao mesmo tempo de depósitos e fortalezas contra os concorrentes. As feitorias eram habitadas por pequeno número de pessoas que, para sobreviver, dependiam em grande parte dos indígenas. A concorrência entre portugueses e franceses provocou conflitos armados. Ern 1526, dom João III, rei de Portugal, percebendo que suas reclamações à França não produziam resultado, enviou para a América algumas expedições punitivas, uma das quais comandada por Cristóvão Jacques. Jacques afundou navios franceses, prendeu e matou seus tripulantes. Mas os franceses continuaram agindo.

5 5 As terras americanas forneceram pau-brasil até o início do século XIX, mas o negócio diminuiu de importância à medida que as matas do litoral se esgotavam e outras atividades econômicas tornavam-se mais rentáveis, como as lavouras de cana-de-açúcar. Primeiros passos da colonização portuguesa A partir de 1530, o governo português mudou sua atitude em relação às terras americanas. Os gastos com as possessões do Oriente tornavam-se cada vez maiores. Inversamente, a Espanha obtinha lucros espetaculares com a exploração de metais preciosos na América. Ao mesmo tempo, a França tentava se estabelecer no Novo Mundo. Para isso, desenvolveu relações amistosas com povos nativos. De quando em quando, o rei de Portugal enviava expedições punitivas, mas elas eram incapazes de deter por completo a ação dos corsários franceses. Diante desse quadro, o governo português acabou por se convencer de que só manteria a posse das terras americanas fundando núcleos permanentes de colonização e defesa. O empreendimento poderia inclusive gerar lucros, já que a América era mais próxima do que as feitorias do Oriente. Sobretudo, se as expectativas da descoberta de metais preciosos se tornassem reais, e os portugueses pudessem explorar riquezas em proporções semelhantes às que os espanhóis retiravam de seus domínios. A ocupação da América colocou o governo português diante de um novo desafio: tornar rentável um território ocupado por uma população que não produzia qualquer excedente que pudesse ser comercializado. Na África e no Oriente, os portugueses encontraram povos com economias complexas e variadas, de comércio intenso e diversificado. Nessas regiões, pela força ou pela persuasão, foi possível explorar as riquezas produzidas pela população local, como metais preciosos, produtos agrícolas e especiarias. Na América, a população era nômade, vivia da caça e da pesca, não praticava o comércio nem utilizava dinheiro; produzia apenas o necessário para o próprio sustento. As sociedades indígenas, além disso, estavam fundamentadas na independência das tribos, sem ter um Estado organizado. Muitas das sociedades africanas e orientais, pelo contrário, estavam divididas em camadas sociais hierarquizadas e sobre as quais o Estado tinha forte domínio, o que facilitava a exploração econômica por parte dos europeus. Diante dessas características, a colonização da América não esteve nos planos da burguesia mercantil portuguesa nos primeiros trinta anos após a viagem de Cabral. Entretanto, havia grande interesse em garantir o domínio sobre aquelas terras. Notícias de riquezas minerais exploradas por um reino localizado no interior do continente - os incas - fortaleciam esse propósito. O meio mais eficaz para consolidar a posse das terras era promover a colonização. Mas para isso era necessário criar na colônia uma economia em condições de gerar produtos que pudessem ser comercializados, com bons lucros, na Europa. Nesse processo, Portugal foi novamente pioneiro. Tornou-se o primeiro país europeu a transferir para terras distantes recursos econômicos capazes de gerar grandes lucros, como mão-de-obra, capital e maquinário. Em 1530, uma grande expedição comandada por Martim Afonso de Sousa acabou se tornando marco nesse processo de colonização. Seus principais objetivos eram: percorrer o litoral e, quando julgasse necessário, explorar o interior em busca de ouro e prata; expulsar os franceses que encontrasse; organizar núcleos de povoamento e defesa; expandir o domínio português até o curso de água que se tornaria conhecido como rio da Prata. Localizado em terras que não pertenciam a Portugal pelo Tratado de Tordesilhas, este era considerado a porta de entrada para as ricas minas de prata do Império Inca. Ao chegar à América, Martim Afonso dividiu a expedição: uma parte seguiu para o norte, a fim de explorar a foz do rio Amazonas; a outra, comandada pelo próprio Martim Afonso, rumou para o sul, em busca da foz do rio da Prata. Na volta, em 1532, fundou São Vicente, no litoral do atual estado de São Paulo. Esse núcleo inicial seria a primeira vila da América portuguesa.

6 6 A ocupação das terras americanas só se tornou possível na medida em que a cana-de-açúcar mostrou-se adaptável ao clima e ao solo da região tropical. Mas, sobretudo, quando se percebeu que o açúcar era um produto rentável, de grande aceitação no mercado europeu e capaz de gerar bons lucros. A experiência de Portugal como produtor de açúcar nas ilhas do Atlântico (Madeira e Cabo Verde) contribuiu para a escolha do produto, assim como de sua forma de produção. Por sorte, as condições naturais da colônia americana e das ilhas eram semelhantes. Ao lado disso, o açúcar era uma das especiarias mais bem pagas e apreciadas no mercado europeu. Por essas características, podia atrair o capital necessário para a implantação do empreendimento colonial, principalmente o holandês. A exploração da colônia portuguesa, com o cultivo da cana-de-açúcar, assumiu três características básicas: grande propriedade, monocultura e trabalho escravo. A disponibilidade quase ilimitada de terras ajudou na formação de grandes fazendas produtoras. Os custos de produção desbravar o terreno, plantar, colher, transportar a cana e fabricar o açúcar exigiam grandes plantações para se obter retornos lucrativos. A monocultura também era essencial, pois facilitava a especialização e a concentração de recursos e esforços em uma única atividade. A opção pela monocultura da cana-de-açúcar em grandes propriedades era decorrência natural da política mercantilista. Os esforços coloniais deveriam estar voltados para a aquisição de produtos que pudessem ser comercializados com as nações européias. Essa condição era preenchida pela lavoura de gêneros agrícolas tropicais, como a cana-de-açúcar. O chamado Pacto Colonial, segundo o qual as colônias soí perderiam comerciar com suas metrópoles, complementava os propósitos dessa política econômica. Quanto à mão-de-obra, adotara-se a princípio o trabalho indigena. Os índios tinham colaborado na extração do pau-brasil e o colonizador julgava que isso poderia se repetir com o trabalho agrícola. Entretanto, os índios não se submeteram facilmente às condições exigidas pela nova atividade. A extração do pau-brasil podia ser realizada de forma esporádica e livre; a atividade agrícola exigia trabalho sistemático disciplina, organização e vida sedentária. Para eslabeleccr essas condições de trabalho, foi necessário aumentar a vigilância sobre os índios. Em pouco tempo generalizou-se a escravização dos nativos. A antiga relação pacífica tornou-se conflituosa. A escravização dos povos indígenas seria um problema que percorreu todo o período colonial e opôs colonos, governo e Igreja. Prcssionado pela Igreja, o governo porluguês proibiu o apresamento de índios. Em 1570, foi autorzada a escravização apenas dos indígenas presos em guerra justa, isto é, em conflitos iniciados pelos próprios índios ou promovidos pelos colonos contra povos hostis. Essa autorização permitiu que o apresamento indígena continuasse. Por uma série de circunstâncias, a escravidão africana acabou se impondo como solução para o problema da mão-de-obra. Comparado com o ameríndio, o africano podia gerar melhor rendimento, pelo fato de se adaptar com facilidade à rotina do trabalho agrícola. Igualmente importante eram os lucros obtidos com o tráfico negreiro. Esta era uma das atividades mais lucrativas da época. O engenho Desde 1526, livros da Alfândega de Lisboa acusavam a entrada de açúcar vindo da ilha de Itamaracá, no atual estado de Pernambuco. Mas a grande produção só começou de fato em 1533, com o engenho de Martim Afonso de Sousa em São Vicente, que nesse mesmo ano foi comprado pelo capitalista holandês Erasmo Schetz. Nos primeiros tempos, a palavra engenho designava apenas a fábrica de açúcar. Depois, começou a ser aplicada a toda a propriedade, das terras cultivadas ás instalações fabris.

7 7 As principais instalações do engenho eram: a moenda, máquina que moía a cana para extrair o caldo; a caldeira, destinada a purificar o caldo; casa de purgar, onde se acabava de purificar o caldo. Completavam a propriedade a casa-grande, a senzala, as estrebarias e as oficinas. O açúcar e o capital holandês A partir da metade do século XV'I, a produção portuguesa de açúcar passou a ser uma empresa em comum com empresários dos Países Baixos. Este recolhiam o produto bruto em Lisboa, refinavam-no e faziam a distribuição por toda a Europa, particularmente no Báltico, na França e na Inglaterra. A contribuição dos flamengos - particularmente dos holandeses - para a grande expansão do mercado do açúcar, na segunda metade do século XVI, constitui fator fundamental para o êxito da colonização portuguesa na América. Especializados no comércio intra-europeu, grande parte do qual financiavam, os holandeses eram nessa época os únicos que dispunham de suficiente organização comercial para criar um mercado de grandes dimensões para um produto praticamente novo, como era o açúcar. Não somente com sua experiência comercial contribuíram os holandeses. Parte substancial dos capitais requeridos pela empresa açucareira viera dos Países Baixos. Existem indícios abundantes de que os capitalistas holandeses não se limitaram a financiar a refinação e comerciar o produto. Capitais flamengos participaram do custeio das instalações produtivas, bem como no da importação da mão-de-obra escrava. Nos engenhos médios Trabalhavam entre oitenta e cem escravos Ao lado deles, alguns trabalhadores livres, geralmente antigos escravos, desempenhavam tarefas como as de feitor, capataz, mestre e purgador. O número de engenhos aumentou consideravelmente durante o primeiro século de produção. Já eram sessenta em Depois de dobrar em dez anos, tal número quase quadruplicou até 1627, quando chegou a Os senhores de engenho recebiam terras, isenção de tributos, garantia contra penhora de instrumentos de produção, honrarias, títulos e outros privilégios. Apesar das possibilidades e dos poderes oferecidos a quem quisesse colonizar a América, só pessoas de pouca expressão econômica e social apresentaram-se para a tarefa. Qual seria o melhor plano administrativo de colonizaçao? Os portugueses utilizaram mais uma vez a experiência adquirida na colonização das ilhas atlânticas. As capitanias hereditárias Em 1534, o rei dom João III dividiu a colônia americana em quinze Faixas de terra com largura entre 200 e 650 quilômetros, indo do litoral à linha do Tratado de Tordesilhas. Eram as capitanias hereditárias, mesmo sistema utilizado nas ilhas do Atlântico. Elas foram entregues a senhores chamados de capitães donatários. Hereditárias, as capitanias deveriam passar de pai para filho. Aos donatários seria atribuída grande soma de poder: distribuir terras a colonos, nomear autoridades administrativas e judiciárias, escravizar e vender índios, fundar vilas, cobrar tributos pela navegação dos rios, etc. Os donatários só não tinham poder sobre os impostos reais e deviam arcar com todas as despesas da colonização. A constituição político-administrativa das capitanias tinha por base jurídica a Carta de Doação e o Foral. Pela primeira, o rei confiava a administração perpétua e hereditária ao donatário. No Foral, estavam fixados os direitos, foros e tributos que a população pagaria ao rei e ao donatário. Como vimos até aqui, colonizar as terras americanas não era tarefa fácil. Além de capital, era necessário sorte para vencer as dificuldades impostas pela distância e por um território hostil. Por causa

8 8 disso, a maior parte dos donatários fracassou em seu empreendimento. Quatro deles nem sequer conseguiram reunir recursos para vir à América. Dos que se aventuraram, parle recebeu empréstimos e contribuições de banqueiros e negociantes judeus de Portugal e da Holanda. Mas muitos perderam suas posses e, alguns, até a vida. Só dois tiveram sucesso: Martim Afonso de Sousa, em São Vicente, e Duarte Coelho, em Pernambuco. Apesar do malogro), o sistema de capitanias perdurou até 1759 e conviveu com outras estruturas administrativas criadas pelo governo português, como os governos-gerais. Diante do insucesso, muitas acabaram compradas pelo governo, outras incorporadas por abandono. O Governo-Geral Urn dos grandes problemas enfrentados pelos donatários das capitanias foi o isolamento, que dificultava, por exemplo, a defesa contra os índios, em luta por suas terras e contra a escravização. Diante dos problemas, a Coroa portuguesa criou o cargo de governador-geral em O objetivo da medida era centralizar a defesa do território e a administração da colônia. Para sede do Governo-Geral foi escolhida a capitania da Bahia de Todos os Santos, comprada ao donatário. O primeiro governador-geral a ser nomeado foi Tomé de Sousa. Em 1549, para instalar seu governo, Tomé de Sousa fundou Salvador, que se transformou na primeira cidade da colônia. Em 1572, com a morte do terceiro governador-geral, Mem de Sá, o rei de Portugal estabeleceu dois governos, para facilitar a administração: um no norte, com sede em Salvador; outro no sul, com sede no Rio de Janeiro. Como a divisão não deu resultados, o governo foi novamente unificado em 1578 e a sede única voltou para Salvador.

9 9 As Câmaras Municipais Com o surgimento das primeiras vilas e cidades, organizou-se a administração municipal, que foi entregue às Câmaras Municipais, compostas de três ou quatro Vereadores. Eles eram escolhidos pelos homens bons, como eram chamados os proprietários de terras, a elite do lugar. Um juiz, eleito da mesma forma, presidia a Câmara. As autoridades municipais, tais como as autoridades das capitanias, não se submetiam facilmente ao governador-geral. Compostas de proprietários rurais acostumados a impor sua própria vontade, apresentavam forte tendência autonomista. Algumas Câmaras chegaram a ter representante em Lisboa. Em 1549, junto com Tomé de Sousa, chegaram padres da Companhia de Jesus (os jesuítas). Começava assim a participação efetiva da Igreja nos domínios portugueses da América. Os jesuítas eram dirigidos pelo provincial, o primeiro dos quais foi o padre Manuel da Nóbrega, também conselheiro de Mem de Sá. A Companhia de Jesus tinha dois objetivos: um deles era missionário, viabilizado com a fundação de aldeamentos, conhecidos como missões, nos quais os indígenas eram reunidos e catequizados, isto é, instruídos na doutrina católica; o outro era educacional, com a organização de colégios, que acabaram se transformando em importantes centros de referência da cultura colonial. Em 1552, instalou-se o primeiro bispado em Salvador. Seu titular, o bispo Pero Fernandes Sardinha, desentendeu-se com os jesuítas a respeito dos indígenas. Os jesuítas colocavam a cristianização em primeiro plano e eram mais tolerantes com os costumes indígenas. Já o bispo entendia a catequese como meio de atrair o indígena para a cultura européia. Achava que um índio só deveria ser batizado quando falasse português, se vestisse e se comportasse como o europeu. Em sua gestão como bispo, Fernandes Sardinha entrou em choque não só com os jesuítas, mas também com Duarte da Costa, segundo governador-geral. A razão da disputa foi o comportamento do filho do governador, considerado imoral pelo bispo. Devido ao desentendimento, em 1556, dom Pero Sardinha foi chamado de volta a Portugal, mas o navio em que viajava com cerca de cem pessoas naufragou no litoral de Alagoas. Os sobreviventes que conseguiram chegar à praia foram devorados pelos índios. Em 1676, a diocese da Bahia foi elevada à categoria de arquidiocese. No fim do século XVIII, havia na colônia portuguesa uma arquidiocese (Bahia), seis dioceses e duas prelazias. Portugal e suas colônias sob o domínio da Espanha Nas monarquias absolutas, o poder era exercido por uma única pessoa, fosse rei ou imperador. Quando este morria, o trono passava ao herdeiro mais próximo. Desde 1568, governava Portugal o rei dom Sebastião. Jovem e solteiro, imbuído de fervor religioso, sua maior preocupação era combater os árabes no norte da África, para se fazer conhecido como o mais valoroso perseguidor dos infiéis. Um dia, pôs-se à frente de 18 mil homens e partiu para a África, numa aventura que muitos consideraram absurda. O exército de dom Sebastião acabou massacrado pelos árabes na batalha de Alcácer-Quibir, em Em meio à luta, o rei desapareceu e nunca mais foi visto; nem ao menos seu corpo foi encontrado. Seu desaparecimento marcaria a vida política de Portugal, e mesmo a do Brasil, por muitos séculos. Entre a população, surgiria o mito de que dom Sebastião um dia retornaria. Essa crença messiânica, conhecida como sebastianismo, acabaria por influenciar acontecimentos como a Guerra de Canudos, no final do século XIX, no Brasil. A sucessão de dom Sebastião abriu profunda crise política em Portugal. Como não tinha filhos, foi aclamado rei o cardeal dom Henrique, tio-avô do monarca e herdeiro mais próximo. No começo de 1580, o cardeal veio a falecer. Dom Henrique era homem da Igreja e não tinha filhos. Sem herdeiros diretos, diversos pretendentes passaram a disputar o trono. Por força de palavras, armas e dinheiro, Filipe II, rei da Espanha

10 10 e tio de dom Sebastião, acabou sendo aclamado rei de Portugal. Estava aberto o caminho para a concretização de um antigo sonho espanhol: unir sob um único governo toda a península Ibérica. Filipe II vislumbrava na União Ibérica uma boa alternativa econômica, geopolítica e até mesmo religiosa, para a Espanha. Ela podia, por exemplo, facilitar a superação das dificuldades econômicas que o país enfrentava. Uma crise gerada pelo fato de a Espanha ser obrigada a comprar produtos manufaturados do exterior, e de ter se endividado para financiar as guerras promovidas por Carlos V, imperador do Sacro Império e pai de Filipe II. A União Ibérica podia consolidar também uma ligação comercial já existente entre os dois países, especialmente no tráfico de escravos para a América, o que interessava à burguesia portuguesa, mais bem aparelhada no setor de transporte marítimo. Seria uma forma de os dois países extraírem lucros ainda maiores com o comércio colonial. Em termos políticos, a união fazia surgir um império que controlava grande parte da América e da costa africana. Com isso, a Espanha podia assumir influência decisiva no comércio realizado no Atlântico e no Mediterrâneo e se impor nas disputas com outras nações da Europa ocidental. No campo religioso, Filipe II assumia a defesa total da fé católica, ainda que isso lhe custasse a perda do domínio sobre a Holanda, onde grande parte da burguesia havia aderido à Reforma Protestante. A união com Portugal, apoiada pela Companhia de Jesus, fortaleceria o império cristão e daria novo impulso à expansão da doutrina católica. Aclamado rei de Espanha e Portugal em 1580, Filipe II manteve a organização administrativa do reino português e de suas possessões. Com isso, pretendia evitar reações contra a unificação dos dois países. A União Ibérica, que durou ao todo sessenta anos, coincidiu com um período de profundas transformações na colônia portuguesa americana. Algumas dessas mudanças foram: o início de um processo de expansão do território pela ação das bandeiras, que cortaram os sertões em busca de ouro e escravos, desobedecendo aos limites impostos pelo Tratado de Tordesilhas; a expulsão dos franceses da atual região do Rio de Janeiro e Maranhão; a expansão da colônia para o litoral do Norte e Nordeste; o início da criação de gado, promovendo a ocupação de terras no interior do continente; além dessas mudanças, nesse período ocorreu a ocupação das áreas produtoras de açúcar pelos holandeses. Em 1621, a colônia portuguesa seria dividida em duas unidades administrativas, ou dois "Estados": do Maranhão, capital São Luís, e do Brasil, capital Sapador. Deixava de haver um único governo e, na prática, passava a existir duas colônias. Os dois governadores estavam diretamente subordinados à metrópole. Nem todas as mudanças ocorridas na colônia podem ser creditadas à União Ibérica. Muitas delas já estavam em curso. Os conflitos com os franceses, por exemplo, favoreceram a expansão da lavoura canavieira e, como conseqüência, o aumento das terras sob domínio efetivo de Portugal. Desde a expedição de Cabral, os franceses se mostraram interessados em ocupar e explorar o litoral da América do Sul, contrabandeando pau-brasil e outros produtos. Para realizar essa atividade, chegaram a travar íntima relação com os povos indígenas. Empreenderam tentativas de se fixar definitivamente no continente. Criaram, então, uma colônia na região do atual Rio de Janeiro, a França Antártica. Expulsos do Rio de Janeiro, os franceses tentaram se estabelecer no Nordeste. Contudo, foram derrotados e expulsos pelos portugueses na Paraíba, em 1584, em Sergipe, em 1590, no Rio Grande do Norte, em 1599, no Ceará, em 1603, e no Maranhão, em 1615.

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 Unidade 7 Nome: Data: 1. Leia o trecho a seguir e faça o que se pede. Depois de estabelecer colônias na África e chegar à Índia e à América, os navegadores

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL A COLONIZAÇÃO DO BRASIL OS FUNDAMENTOS DO COLONIALISMO PORTUGUÊS O processo de ocupação e formação do Império Colonial Lusitano baseou-se dentro da ótica mercantilista. Essa forma de organização ficou

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo Tratado de Tordesilhas de 1494 Terras pertencentes à Espanha Terras pertencentes a Portugal A ficção do Descobrimento Principais povos Indígenas no Brasil No Brasil,

Leia mais

IETAV. System www.concursosecursos.com.br HISTÓRIA BRASIL INÍCIO DO PROCESSO DE COLONIZAÇÃO

IETAV. System www.concursosecursos.com.br HISTÓRIA BRASIL INÍCIO DO PROCESSO DE COLONIZAÇÃO IETAV System www.concursosecursos.com.br HISTÓRIA BRASIL INÍCIO DO PROCESSO DE COLONIZAÇÃO A expansão comercial e marítima européia Europa - século XIV - crise econômica e social: guerras, rebeliões, fome

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80

6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º. Valor: 80 6ª 10 4/out/11 HISTÓRIA 4º Valor: 80 1. A invasão holandesa no Nordeste brasileiro, ao longo do século XVII, está relacionada com a exploração de um produto trazido para o Brasil pelos portugueses. Que

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

Recuperação Final História 7º ano do EF

Recuperação Final História 7º ano do EF COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II SEÇÃO TÉCNICA DE ENSINO Recuperação Final História 7º ano do EF Aluno: Série: 7º ano Turma: Data: 08 de dezembro de 2015. LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Esta prova

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO

COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA - RESUMO A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS Século XVI e XVII início da ocupação e colonização das Américas COLONIZAÇÃO definição é a ocupação e povoamento das terras americanas pelos europeus

Leia mais

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese

FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado. Professor Dejalma Cremonese FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL Celso Furtado Professor Dejalma Cremonese A ocupação econômica das terras americanas constitui um episódio da expansão comercial da Europa. O comércio interno europeu, em intenso

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

Questões Brasil Colonial

Questões Brasil Colonial Questões Brasil Colonial (Ufpel 2008) "No decorrer do período colonial no Brasil os interesses entre metropolitanos e colonos foram se ampliando. O descontentamento se agravou quando, a 1º de abril de

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

GRANDES NAVEGAÇÕES CONJUNTO DE VIAGENS DE LONGA DISTÂNCIA REALIZADAS PELOS EUROPEUS DURANTE OS SÉCULOS XV E XVI. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco

GRANDES NAVEGAÇÕES CONJUNTO DE VIAGENS DE LONGA DISTÂNCIA REALIZADAS PELOS EUROPEUS DURANTE OS SÉCULOS XV E XVI. Prof.: Mercedes Danza Lires Greco GRANDES NAVEGAÇÕES CONJUNTO DE VIAGENS DE LONGA DISTÂNCIA REALIZADAS PELOS EUROPEUS DURANTE OS SÉCULOS XV E XVI Prof.: Mercedes Danza Lires Greco PERIGOS IMAGINÁRIOS x PERIGOS REAIS TERRA = PIZZA = ABISMO

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto e responda. Feitoria Igaraçu Fundada pela expedição guarda-costas de Cristóvão Jaques, entre 1516 e 1519. Parece

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 7 5 Unidade 7 Nome: Data: 1. Sobre as formas de conquista e exploração do governo português, associe corretamente as colunas. a) Relações diplomáticas.

Leia mais

EXPANSÃO MARÍTIMA ESPANHOLA PORTUGAL - 1415 ESPANHA - 1492 POR QUÊ A ESPANHA DEMOROU PARA INICIAR A EXPANSÃO MARÍTIMA?

EXPANSÃO MARÍTIMA ESPANHOLA PORTUGAL - 1415 ESPANHA - 1492 POR QUÊ A ESPANHA DEMOROU PARA INICIAR A EXPANSÃO MARÍTIMA? EXPANSÃO MARÍTIMA ESPANHOLA PORTUGAL - 1415 ESPANHA - 1492 POR QUÊ A ESPANHA DEMOROU PARA INICIAR A EXPANSÃO MARÍTIMA? O ATRASO DA ESPANHA EM RELAÇÃO À PORTUGAL SE EXPLICA PELO FATO DE QUE A ESPANHA ESTAVA

Leia mais

A Formação do Território Brasileiro.

A Formação do Território Brasileiro. A Formação do Território Brasileiro. A primeira fronteira do Brasil Fernando e Isabel 1492 - Colombo 1493 papa Alexandre VI (espanhol) editou a Bula Inter Coetera 1494 - Tratado de Tordesilhas. 1530 no

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL

FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL FORMAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E DIVISÃO POLÍTICA DO BRASIL ORIGEM E FORMAÇÃO HISTÓRICA A AMÉRICA PORTUGUESA Pelo Tratado de Tordesilhas, assinado a 7 de junho de 1494, por Portugal e Espanha, os domínios dessas

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões almejadas

Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões almejadas América Espanhola O que os Espanhóis encontraram aqui na América... Três grandes impérios, além de dezenas de outros povos, que encontravam-se subjugados aos grandes centros populacionais, viviam nas regiões

Leia mais

ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D

ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Nome: n.º 3ª série Barueri, / / 2009 Disciplina: ESTUDOS SOCIAIS 2ª POSTAGEM ATIVIDADES DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D QUEM DESCOBRIU O BRASIL? Foi Pedro Álvares Cabral no dia 22 de abril de 1500!

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII

Expansão Territorial séc. XVII-XVIII BRASIL COLÔNIA Expansão Territorial séc. XVII-XVIII No período da União Ibérica, a Linha de Tordesilhas ficou sem efeito, permitindo um avanço do território brasileiro rumo ao interior. Duas formas básicas

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo A chegada dos Portugueses Portugal e depois Espanha se tornaram pioneiros nas chamadas Grandes Navegações Portugal buscou contornar a África para tentar chegar ao Oriente

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL 1 - O CICLO DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor.

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA.

A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A FORMAÇÃO TERRITORIAL BRASILEIRA: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA. A UNIÃO IBÉRICA (1580 A 1640) OS DESDOBRAMENTOS DA UNIÃO IBÉRICA Juramento de Tomar Perda de Valor da Linha de Tordesilhas Intensificação das

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Professora: Marcela Szymanski Disciplina: História Série: 7º B, E 1º Trimestre. Conteúdo Estruturante

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL

VERIFICAÇÃO GLOBAL 4 HISTÓRIA 2ª ETAPA 7 a SÉRIE OLÍMPICA ENSINO FUNDAMENTAL 1. Analise os quesitos a seguir e assinale, nos itens I e II, a única opção correta: (1,0 ponto) I. Observe a tirinha do Hagar e o texto de Alberto Caeiro: Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA INTERATIVA I Conteúdo: Aula 1: A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Aula 2: Os Maias Os Astecas Os Incas CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO

Leia mais

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL Capítulo 1 No século XVI, a Península Ibérica se mostrava importantíssima para o capitalismo comercial. O Brasil funcionava como um pólo exportador de riquezas para todo o continente europeu, por intermédio

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL História - 8º Ano Professor Sérgio A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Como já dizia a importante historiadora Letícia Bicalho Canêdo, a Revolução Industrial não pode ser explicada somente a partir de uma aceleração

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / /

História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / História/15 8º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 8ºhist301r ROTEIRO DE ESTUDO RECUPERAÇÃO 2015 8º ano do Ensino Fundamental II HISTÓRIA 1º TRIMESTRE 1. Conteúdos Objetivo 1: Africanos no Brasil (Cap.

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES HISTÓRIA Aluno (a): 5º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos CONTEÚDOS As fontes históricas Patrimônios históricos Da extração à plantação do pau-brasil

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas.

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas. América Portuguesa Aspecto político/formas de governo Capitanias hereditárias É um sistema descentralizado. A metrópole quer gastar o mínimo possível com a exploração, por isso dão a nobres a serviço do

Leia mais

As descobertas do século XV

As descobertas do século XV As descobertas do século XV Expansãomarítima: Alargamento do espaço português procurando terras noutros continentes através do mar; O acontecimento que marca o início da expansão portuguesaéaconquistadeceutaem1415;

Leia mais

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO

PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO PEP/2011 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1ª QUESTÃO Analisar a atuação das Entradas e Bandeiras entre os séculos XVI e XVIII na expansão do território da América Portuguesa, concluindo

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção?

Memórias de um Brasil holandês. 1. Responda: a) Qual é o período da história do Brasil retratado nesta canção? Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3 o Bimestre 4 o ano história Data: / / Nível: Escola: Nome: Memórias de um Brasil holandês Nessa terra

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar HISTÓRIA

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar HISTÓRIA Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar HISTÓRIA A proposta A proposta do material didático para a área de História privilegia as novas tendências do estudo da História dando mais

Leia mais

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1

Proposta para a apresentação ao aluno. Apresentação Comunidade 1 Introdução Você iniciará agora uma viagem ao mundo da História. Anote tudo que achar interessante, os patrimônios que conhece, as dúvidas que tiver e, depois, debata em sala de aula com seus colegas e

Leia mais

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido.

Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Orientação de Estudos Os pontos principais e a resolução das questões formam um roteiro a ser seguido. Porém, a leitura do livro texto é indispensável para compreensão e fixação do conteúdo. 3EM - Antiguidade

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL

A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL A DOMINAÇÃO JESUÍTICA E O INÍCIO DA LITERATURA NACIONAL Ederson da Paixão (Especialista em Educação Especial: Atendimento às Necessidades Especiais Integrante do Projeto de Pesquisa Os Primeiros Dramas

Leia mais

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste?

1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? 1. Por que o Brasil? Por que o Nordeste? Na escolha do Brasil como alvo do ataque empresado pela wic pesou uma variedade de motivos. A América portuguesa constituiria o elo frágil do sistema imperial castelhano,

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada)

Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES. ./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) Linga A/905759 LUÍS HENRIQJJE DIAS TAVARES./is /'/ DA BAHIA 11' EDIÇÃO (revistaeampliada) SUMARIO Capítulo I Povos que habitavam o atual território do estado da Bahia antes dos europeus e dos africanos

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Yann/Lamarão Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB

ÁREA: RESENHA CRÍTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS PET ECONOMIA UESB Tutor: Gildásio Santana Júnior Bolsista: Iago Fernandes Botelho e Silva Resenha da

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 13 A EXPANSÃO TERRITORIAL

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 13 A EXPANSÃO TERRITORIAL HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 13 A EXPANSÃO TERRITORIAL cana-de-açucar pecuária mineração drogas do sertão pau-brasil portos: importação e exportação Como pode cair no enem (PUC) As Bandeiras utilizaram

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA Vinda da Família Real esteve ligada à conjuntura européia do início do século XIX Napoleão X Inglaterra X Portugal Bloqueio Continental Convenção

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

Aula 09 - Brasil colonial. Administração e Economia

Aula 09 - Brasil colonial. Administração e Economia Aula 09 - Brasil colonial Administração e Economia O período colonial brasileiro pode ser dividido em período précolonial e período colonial. 1.PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500/1530) Fase caracterizada por uma

Leia mais

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere.

a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. Revisão Específicas 1. (FUVEST) Observe esta charge: a) Identifique e caracterize a situação histórica a que a charge se refere. b) Explique quais são os principais elementos do desenho que permitem identificar

Leia mais

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA A. EURICO CARLOS ESTEVES LAGE CARDOSO PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA EDIÇÃO DO AUTOR LISBOA 1998 ÍNDICE A - CAUSAS PARTICULARES DA EXPANSÃO MARÍTIMA.. 7 1. Situação Geográfica e Política do

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais