2º SEMINÁRIO SINDUSCON-

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2º SEMINÁRIO SINDUSCON-"

Transcrição

1 2º SEMINÁRIO SINDUSCON- Legalização de Empreendimentos no Município de São Paulo Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego

2 Pólos Geradores de Tráfego Certidão de Diretrizes e Termo de Recebimento e Aceitação Definitivo

3 Certidão de Diretrizes

4 De acordo com a legislação vigente, a aprovação de projeto de arquitetura de um empreendimento classificado como Pólo Gerador de Tráfego requer a anuência da Secretaria Municipal de Transportes SMT para que seja definido a mitigação dos possíveis conflitos que possam vir a ocorrer entre o tráfego local e tráfego de passagem, decorrentes da instalação de um empreendimento.

5 De acordo com a Lei /87, complementada pela Lei /92 - Seção 4.D - Decreto /92 - Código de Obras e Edificação temos: Considera-se Pólo Gerador de Tráfego a edificação permanente ou transitória que, pela concentração da oferta de bens ou serviços, gere grande afluxo de população, com substancial interferência no tráfego do entorno, necessitando de grandes espaços para estacionamento, carga descarga, ou movimentação de embarque e desembarque.

6 Classificam-se como Pólo Gerador de Tráfego: As edificações não residenciais que prevejam a oferta de vagas de estacionamento em número igual ou superior a: a)200(duzentas) em qualquer região do município; b)80(oitenta)quando localizadas nas Áreas Especiais de Tráfego, definidas pela Lei nº /87

7 E ainda, as edificações com as seguintes características: Habitação veículos; Serviços de saúde m² de área computável; Serviços de educação m² de área computável; Locais de reunião pessoas; Exercício físico/esporte m² de área computável;

8 De acordo com a Seção 4.D do COE: O Administrador Regional da AR ou o Diretor do Departamento de Aprovações da SEHAB poderá exigir o atendimento ao disposto nesta Seção para a edificação permanente ou transitória que, mesmo se não enquadrada nas disposições deste item, possa vir a se constituir em Pólo Gerador de Tráfego.

9 A atribuição da Secretaria Municipal de Transportes- SMT na aprovação de projetos de empreendimentos classificados pela Lei /87 como Pólo Gerador de Tráfego é a de estabelecer diretrizes referentes a: acessos de veículos e pedestres; estacionamento de veículos; pátio de carga e descarga; área para o embarque e desembarque de usuários.

10 A Certidão de Diretrizes SMT determina também as obras e serviços de sinalização necessários para mitigar o impacto negativo estimado com a implantação do empreendimento nos termos da Lei /88- Ônus do Empreendedor.

11 AET 1-

12 2º SEMINÁRIO SINDUSCON- LEGALIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS NO MUNICÍPIO AET 2-

13 AET 3-

14 Área Especial de Tráfego AET Lei /87 Quadro nº 8N Logradouros Públicos. Av. Prof. Abraão de Morais. Av. Guilherme Gotching. Av. Dr. Abraão Ribeiro. R. Henrique Schaumann. Av. Angélica. Av. Jabaquara. Av. Antártica. Av. Jaguaré. Av. Bernardino de Campos. Av. João Dias. Av. Braz Leme. Av. Joaquim Ramalho. Av. Celso Garcia. Av. Gal. Olímpio da Silveira. Av. Consolação. Av. Ordem e Progresso. Av. Cruzeiro do Sul. Av. Paulista. Av. Domingos de Morais. Av. Pedro I

15 Quadro nº 8N Logradouros Públicos. Av. do Estado. Av. Pompéia. Av. Francisco Matarazzo. Av. Rangel Pestana. R. do Gasômetro. Av. Dr. Ricardo Jafet. Av. Dr. Gastão Vidigal. Av. Roque Petroni Júnior. Av. Rudge. Av. Santos Dumont. Av. Teresa Cristina. Av. Tiradentes. Av. Vicente Rao. Av. Washington Luís.Os trechos de logradouro que delimitam as Áreas Especiais de Tráfego- AET, exceto aqueles lindeiros à AET-001.

16 Quadro nº 8 NI- Logradouros Públicos. Av. Celso Garcia. R. da Consolação. Av. Cruzeiro do Sul. Av. do Estado R. da Figueira. Av. Francisco Matarazzo. R. do Gasômetro. Av. Ipiranga. Vd. Jacareí. Av. São João. Av. João Dias. Av. Joaquina Ramalho. Av. São Luís. R. Maria Paula. Av. Gal. Olímpio da Silveira. Vd. Dona Paulina. Av. Paulista. Av. Prestes Maia. Av. Sen. Queirós. Av. Rangel Pestana. Av. Rio Branco. Av. Ruben Berta. Av. Rudge. Av. Santos Dumont. Av. Teresa Cristina. Av. Tiradentes. Av. Washington Luís

17 Documentação necessária para autuação do processo na SMT A Certidão de Diretrizes é emitida pela Secretaria Municipal de Transportes através de processo específico autuado com os seguintes documentos: 1 - Requerimento para Fixação de Diretrizes - 01 cópia. 2 -Formulário Geral para Coleta de Dados de Pólo Gerador de Tráfego 02 cópias. O formulário utilizado pode ser retirado em SMT-SUPRI ou reproduzido por outros meios, respeitando o modelo que está disponível na INTERNET (site da CET - ) (três) jogos de plantas do projeto completo, incluindo localização e implantação, além de áreas onde constam vagas de estacionamento, pátio de carga e descarga, embarque e desembarque e acessos de veículos e pedestres.

18 4- Comprovante de Recolhimento da Taxa para Fixação de Diretrizes Lei / Comprovante de recolhimento de Taxa de Autuação do Processo. 6- Na apresentação do pedido é obrigatória a apresentação do CPF ou RG, para pessoa física, e CGC do proprietário do imóvel para pessoa jurídica. 7- Em se tratando de pedido de Revisão de diretrizes, apresentar cópia da Certidão de Diretrizes anterior. 8- Em se tratando de Operação Urbana Centro e Água Branca, apresentar cópia da Certidão de SMDU. 9- Procuração do interessado identificando seu representante.

19 Fluxo de análise A análise do projeto é realizada pela Companhia de Engenharia de Tráfego - CET, através do Departamento de Estudos dos Pólos Geradores - DEP e do Departamento de Engenharia de Campo DEC e com a participação indireta de outros departamentos. 1- Análise do Projeto de Arquitetura 2- Caracterização do sistema viário 3- Avaliação do Impacto 4- Definição da medida mitigadora 5- Minuta de Certidão de Diretrizes

20 1- Análise do Projeto de Arquitetura. Verificação dos Parâmetros urbanísticos. No caso de projeto baseado na Lei /04, os parâmetros serão confirmados pela SMDU/CTLU;. Avaliação das condições de acessos e área de embarque e desembarque;. Oferta de vagas para usuários e carga;. Atendimento do COE: rampa, vias internas, disposição de vagas, raios de giro.

21 2 - Caracterização do sistema viário.levantamento em campo e verificação das condições físicas e operacionais das vias do entorno;. Levantamento do uso do solo;. Levantamento dos volumes veiculares das vias do entorno.

22 3 - Avaliação do Impacto. Estimativa da geração/atração de viagens a partir de modelos matemáticos desenvolvidos pela CET e ou outras entidades/institutos;. Elaboração de mapa com o carregamento resultante da distribuição das viagens estimada.

23 4 - Definição da medida mitigadora. Todos as obras, serviços e equipamentos de sinalização viária necessários para mitigar o impacto negativo estimado são indicados no relatório técnico emitido pela CET e especificados na Certidão de Diretrizes.. Antes da emissão da Certidão a CET, através do DEP, apresenta ao interessado ou ao seu representante legal, em reunião registrada em Ata, a proposta de medida mitigadora esclarecendo os próximos passos e a forma de apresentação da contestação, quando houver.

24 Presidência Diretoria Operacional Diretoria Adjunta de Planejamento Superintendência de Engenharia de Tráfego Superintendência de Planejamento Gerência de Engenharia de Tráfego -GET Gerência de Estudos Especiais de Impacto no Viário -GEE Departamento de Engenharia de Campo -DEC Departamento de Estudos dos Pólos Geradores -DEP

25 Diretrizes gerais de aplicação das disposições do Código de Obras e Edificações pela CET- - O número de vagas exigido pela SMT / CET poderá ser superior ao número de vagas estabelecido pela LPUOS; - São consideradas vagas privativas apenas as vagas de moradores dos condomínios residenciais e, para este tipo de empreendimento são admitidas as proporções de 1% e 10% da tabela COE; - Para as demais atividades são consideradas as proporções de 3% e 20% prevista na tabela do COE; -

26 - Devem ser previstas nos estacionamentos de todas edificações as vagas de autos para uso dos idosos nos termos da Lei /07 - No caso de empreendimento comercial do tipo Shopping Center admiti-se o bloqueio de parte das vagas de auto, com o auxílio de manobristas, desde que se configure um bolsão VIP ; - O bolsão VIP não poderá superar mais de 25% das vagas de auto destinadas ao público geral; -

27 - Não se admite bloqueio das vagas especiais para deficientes físicos, motocicletas, carga/descarga (caminhão e utilitário), visitantes, transporte escolar, serviços e para os veículos de emergência (polícia, ambulância etc); - As vagas determinadas pela legislação para uso dos deficientes físicos e motocicletas são vagas adicionais às vagas exigidas pela LPUOS diferentemente das vagas para uso dos idosos e gestantes; - Quando a legislação estabelece vagas para taxi, a proporção definida por SMT/CET é de 1,5 % das vagas legais;

28 - Quando a legislação estabelece vaga para carga/descarga, a SMT/CET deve determinar o tipo de vaga. Neste caso deve a ser previsto, sempre que possível, 1 vaga do tipo caminhão leve ( PTB-8 ton.); - As baias para embarque / desembarque devem ser previstas em área interna e com capacidade para comportar os autos e os pedestres; - As edificações localizadas na Zona Máxima de Restrição de Fretamento ZMRF, devem, sempre que possível, contar com baia para embarque/desembarque de passageiros em ônibus fretados.quando a edificação não puder comportar este tipo de veículo será registrado na certidão de diretrizes que o serviço não poderá ser autorizado.

29 - Os acessos de veículos devem apresentar raios de giro compatíveis com o tipo de veículo e sempre para a situação mais restritiva - Eventuais conflitos veículos X pedestres junto aos acessos devem ser minimizados; - As vias internas do estacionamento com duplo sentido de circulação devem permitir sempre a circulação simultânea dos veículos; - No pátio de carga/ descarga devem ser previstas vagas extras para os veículos estacionarem enquanto aguardam conferência de documentos;

30 - As vagas projetadas no recuo não devem se utilizar da via pública como área de manobra; - Os grandes condomínios devem prever vagas para os veículos de segurança; - Nos empreendimentos do tipo Estádio e ou Centro de Exposição e Eventos devem prever em seu estacionamento vagas para Ônibus Fretados e para veículos de segurança : polícia, bombeiro e ambulância; - Os condomínios que apresentam mais de um tipo de atividade, com funcionamento independente, devem prever estacionamentos exclusivos com vagas suficientes para atender a legislação e a população estimada;

31 Condomínios Residenciais- Considerando um condomínio padrão com torres de 25 andares e 4 apartamentos por andar: -Zelador- 1 vaga de auto -Visitantes-2 vagas de auto/torre ou a cada 100 apartamentos -Delivery- 2 vagas de motos/torre ou a cada 100 apartamentos 2 vagas de utilitário/torre ou a cada 100apartamentos -Carga e descarga-2 vagas de caminhão/torre ou a cada 100 apartamentos

32 Termo de Recebimento e Aceitação Definitivo das melhorias viárias estabelecidas na Certidão de Diretrizes de SMT - TRAD

33 - O Certificado de Conclusão, Habite-se, ainda que Parcial, está condicionado ao Termo de Recebimento e Aceitação Definitivo das Melhorias Viárias- TRAD. - O TRAD é emitido pelo Departamento do Sistema Viário DSV, após o cumprimento integral das obras e serviços de sinalização estabelecidos na Certidão de Diretrizes, através de processo específico. - Nesta etapa, identificada como FASE 2, o processo é encaminhado a CET/DEP para o acompanhamento da aprovação dos projetos e implantação serviços.

34 - A CET aprova os projetos de sinalização, indica as condições para a implantação e fiscaliza as obras no sistema viário. - As implantações de obras e serviços de sinalização necessitam de permissão dos Órgãos públicos competentes ( DSV, SIURB, SubPrefeitura ) e as autorizações devem ser obtidas pelo interessado através de expedientes distintos. - As restrições para implantação dos serviços são apresentadas no Termo de Permissão de Ocupação de Via TPOV emitido pela CET/GOB/DAO.

35 - A CET após o ateste do cumprimento integral da Certidão de Diretrizes encaminha parecer de aceite final ao DSV para a emissão do TRAD. - Caso o empreendimento seja composto por mais de uma edificação com finalização prevista para ocorrer em etapas é possível solicitar que a Certidão de Diretrizes condicione a cada uma das etapas as medidas mitigadoras pertinentes.

36 - Caso ocorra alguma alteração no sistema viário que impeça a implantação da medida mitigadora conforme estabelecida na Certidão de Diretrizes, a CET/DEP notifica o interessado, verifica se há outro serviço a ser substituído e, caso haja e mediante concordância do empreendedor, encaminha à SMT minuta de retificação da certidão de diretrizes.

37 Fluxo de análise- 1- Análise e aprovação dos projetos: Os projetos de sinalização viária deverão atender às Normas e Especificações da CET e serão analisados e aprovados pelas áreas técnicas para posterior liberação da implantação. 2. Recebimento da documentação de equipamentos: Os equipamentos, especificados na CERTIDÃO DE DIRETRIZES e nos projetos aprovados ( controladores semafóricos, CFTV etc) deverão ser entregues à CET com as respectivas Notas Fiscais e farão parte da documentação do processo.

38 3. Acompanhamento da implantação das melhorias viárias: A implantação dos projetos deverá ser agendada com o Departamento de Estudos dos Pólos Geradores -DEP que acionará as áreas responsáveis para o acompanhamento, sempre que necessário. 4. Aprovação dos serviços executados: A CET providenciará, após vistoria de verificação final, os relatórios de aceite para instrução do processo. O empreendedor deverá providenciar as built dos projetos da sinalização implantada em arquivo eletrônico (dwg) para cadastro na CET.

39 5. Emissão do TRAD: Após encerramento dos serviços CET/DEP emite um parecer técnico relatando as etapas do processo, identificando toda a documentação apresentada e fundamentando a emissão do TERMO DE RECEBIMENTO E ACEITAÇÃO DEFINITIVO. O proprietário/projetista, quando necessário, pode solicitar o relatório de situação do andamento do processo através de correspondência.

40 Documentação necessária para a obtenção do TERMO DE RECEBIMENTO E ACEITAÇÃO DEFINITIVO /TRAD 1- Requerimento para Solicitação de Aprovação de Projetos e Acompanhamento da Implantação das Melhorias Viárias. 2. Procuração registrada em Cartório do empreendedor / proprietário designando representante legal para acompanhamento do processo na SMT/CET. 3. Cópia do CPF e RG para pessoa física e cópia do CNPJ para pessoa jurídica, do proprietário do imóvel. 4. Cópia da CERTIDÃO DE DIRETRIZES.

41 5. Cópia do Termo de Compromisso registrado em Cartório, conforme indicado na Certidão de Diretrizes. 6. Cópia do Alvará de Aprovação e Execução do projeto fornecido por SEHAB. 7.Formulário de dados do pólo gerador e das empresas projetistas, disponível no site da CET. 8. Projetos das melhorias viárias em 4 (quatro) vias, obedecendo os padrões e normas do DSV/CET quanto à especificações técnicas e representações gráficas. O projeto de sinalização semafórica deverá ser apresentado em planta(s) separada(s) dos demais projetos de sinalização. Todas as plantas deverão estar devidamente assinadas.carimbo CET, disponível no site da CET.

42 9. Cópia da guia de recolhimento da ART junto ao CREA com identificação profissional do responsável técnico e dos serviços de projeto e implantação. 10. Comprovante de Recolhimento de Taxa de Autuação do Processo. 11. O empreendedor deverá apresentar toda a documentação acima discriminada no seguinte local: Secretaria Municipal de Transportes - Protocolo (SMT-001) Rua Boa Vista, 236-1º andar - Centro Horário de Atendimento: 10h00 às 16H00

43 Correspondências e atendimentos Correspondência COMUNIQUE-SE - 2º andar: entrega ou retirada de documentos - ramais 2022 e horário de atendimento: de 2ª feira a 6ª feira das 09h00 às 17h00. Plantão de Atendimento 2º andar: esclarece procedimentos relativos aos processos PGTs - ramais 2022 e horário de atendimento: às quintas feiras das 13h30m às 17h00, mediante agendamento prévio.

44 CET / DP / SPL Gerência de Estudos Especiais de Impacto no SistemaViário- GEE Departamento de Estudos dos Pólos Geradores de Tráfego- DEP Eng. Sílvia Monteiro Sophia Rua Senador Feijó, 143-5º andar Telefone , ramais 2046 e 2047

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a: Atualizada até LC 610/2007. LEI COMPLEMENTAR N.º 528 DE 18 DE ABRIL DE 2005 ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE VAGAS PARA ESTACIONAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM GERAL E A ADOÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS ÀS ATIVIDADES

Leia mais

DECRETO Nº 50.077, DE 6 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o artigo 50 da Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, o qual dispõe sobre a celebração de

DECRETO Nº 50.077, DE 6 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o artigo 50 da Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, o qual dispõe sobre a celebração de DECRETO Nº 50.077, DE 6 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o artigo 50 da Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, o qual dispõe sobre a celebração de termos de cooperação com a iniciativa privada, visando

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 4 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 6 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 7 CONCLUSÃO DE CURSO 7 RELATÓRIO TÉCNICO 8 AVALIAÇÃO DE

Leia mais

II os lotes poderão se escolhidos pelos interessados segundo a Planta Geral e de Zoneamento do LIC-SUL;

II os lotes poderão se escolhidos pelos interessados segundo a Planta Geral e de Zoneamento do LIC-SUL; LEI Nº1508/2011 DATA: 14 de julho de 2011. SÚMULA: Cria o Loteamento Industrial, Comercial e de Prestadores de Serviços Sul de Sinop LIC/SUL regulamenta e autoriza a doação com encargos de lotes para fins

Leia mais

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 01 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA REV. M O D I F I C A Ç Ã O DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária ESCALA DATA

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Realização PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE AÇÕES E RECURSOS AMBIENTAIS Bauru, maio 2007. SUMÁRIO 01 - OBJETIVO 02 O QUE É O

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 13 1 / 20 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento

Novo Decreto de HIS. Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015. Secretaria Municipal de Licenciamento Novo Decreto de HIS Apresentação ao Conselho Municipal de Habitação São Paulo - 27/08/2015 Novo Decreto de HIS EHIS, EHMP, EZEIS, HIS e HMP Adequação à Lei nº 16.050/14 Sistematiza, Consolida e Revoga

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 16 1 / 23 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA N 004 DE 18 DE MARÇO DE 2013 Estabelece diretrizes e procedimentos para aplicação da compensação ambiental de empreendimentos considerados de significativo impacto ambiental.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Nº 101/2014 Dispõe sobre a Regulamentação para registro e funcionamento de Meios de Hospedagem no Município de Foz do Iguaçu, exceto Hotéis, Flats, Apart-Hotéis, Hotéis-Residência e Similares.

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 3 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 5 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 6 CONCLUSÃO DE CURSO 6 RELATÓRIO TÉCNICO 7 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Art. 2º A instalação dos equipamentos mencionados no artigo 1º não será permitida nos seguintes locais:

Art. 2º A instalação dos equipamentos mencionados no artigo 1º não será permitida nos seguintes locais: Resolução nº 001, de 25 de outubro de 2005 Estabelece normas para a instalação e operação de Estações de Rádio-Base ERB, microcélulas de telefonia celular, de rádio-difusão, de TV e equipamentos afins,

Leia mais

Licença de Funcionamento

Licença de Funcionamento SUBPREFEITURA CAPELA do SOCORRO COORDENADORIA de PLANEJAMENTO e DESENVOLVIMENTO URBANO SUPERVISÃO TÉCNICA de USO do SOLO E LICENCIAMENTO Licença de Funcionamento BUFFETS (até 250 pessoas) Engenheiro Cabral

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE

O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE PORTARIA Nº 13/2012 Dispõe sobre a documentação necessária para abertura de processos administrativos da área de vigilância sanitária de estabelecimentos assistenciais de saúde e estabelecimentos de interesse

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

Dispõe sobre procedimentos referentes à aplicação do Decreto 34.982, de 16 de dezembro de 2011.

Dispõe sobre procedimentos referentes à aplicação do Decreto 34.982, de 16 de dezembro de 2011. SECRETARIA ESPECIAL DA ORDEM PÚBLICA ATOS DO SECRETÁRIO EXPEDIENTE DE 13/01/2012 RESOLUÇÃO CONJUNTA SEOP-GP/SUBPC Nº001 DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Dispõe sobre procedimentos referentes à aplicação do Decreto

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal 1. DECLARAÇÃO MUNICIPAL DAS CONDIÇÕES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO (DM) É a primeira etapa a ser cumprida para o requerimento de aprovação e licenciamento, junto à Prefeitura de Porto Alegre, de projetos

Leia mais

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 Regulamenta a Lei nº 9.498, de 19 de novembro de 2014, que dispõe sobre a cobrança de preço público decorrente da prestação de serviços de

Leia mais

AMBIENTAL LL, LP, LI e LO (TORRES). ( ) Este documento (Devidamente Preenchido)

AMBIENTAL LL, LP, LI e LO (TORRES). ( ) Este documento (Devidamente Preenchido) I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL LL, LP, LI e LO (TORRES). ( ) Este documento (Devidamente Preenchido) ( ) Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal;

Leia mais

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP)

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome ou Razão Social: CNPJ: CPF: CGC/TE: Endereço (Rua/Av.) : nº: Bairro:

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO O Licenciamento Ambiental é o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental (IBAMA, IAP, Secretarias Municipais de Meio Ambiente), verificando o atendimento

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO N 17.078, DE 16 DE JULHO DE 2014. Aprova a atualização do Plano de Classificação e da Tabela de Temporalidade de s da Secretaria Municipal de Urbanismo SMU, atividades-fim, e revoga o Decreto nº

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 008 Licenciamento Ambiental de Condomínios Residenciais Horizontais e Verticais e Atividade de Hotelaria Disciplina o processo de licenciamento ambiental de condomínios residenciais

Leia mais

NORMA OPERACIONAL/IFTM Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013

NORMA OPERACIONAL/IFTM Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013 NORMA OPERACIONAL/IFTM Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013 Dispõe sobre procedimentos relativos à gestão de imóveis no âmbito do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. O

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E CERTIFICAÇÃO DE SINALIZAÇÃO VIÁRIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E CERTIFICAÇÃO DE SINALIZAÇÃO VIÁRIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E CERTIFICAÇÃO DE SINALIZAÇÃO VIÁRIA I- INTRODUÇÃO: O presente manual objetiva detalhar os procedimentos necessários à aprovação de projetos e certificação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DA PREFEITA LEI MUNICIPAL Nº. 2.238/2009 Revoga a Lei nº. 2002/2007, e dispõe sobre a concessão de incentivos fiscais para o desenvolvimento de atividades econômicas no Município de Viana e dá outras providências.

Leia mais

E. Cartão de Estacionamento em Vagas de Deficientes Decreto

E. Cartão de Estacionamento em Vagas de Deficientes Decreto 1 E. Cartão de Estacionamento em Vagas de Deficientes Decreto Municipal nº 36.073, de 09 de maio de 1996, disciplinado pela Portaria DSV/SMT nº 14, de 02/04/2002. O Cartão DeFis-DSV é uma autorização especial

Leia mais

CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO - UNIFAMILIAR

CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO - UNIFAMILIAR ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MUNICÍPIO DE PARNAMIRIM SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E DO DESENVOLVIMENTO URBANO CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO

Leia mais

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre o licenciamento para o exercício de atividades econômicas e sem fins lucrativos no âmbito do

Leia mais

Orientações sobre solicitações online ao Setor de Vistorias - PREVFOGO

Orientações sobre solicitações online ao Setor de Vistorias - PREVFOGO Orientações sobre solicitações online ao Setor de Vistorias - PREVFOGO Onde encontrar o link Página do novo sistema PREVFOGO: www.prevfogo.pr.gov.br Importante! Caso seu navegador esteja desatualizado

Leia mais

Calendário de Matrícula 2º Semestre de 2015 Calendário para Assinatura do Contrato de Prestação de Serviços Educacionais e do Plano de Estudos

Calendário de Matrícula 2º Semestre de 2015 Calendário para Assinatura do Contrato de Prestação de Serviços Educacionais e do Plano de Estudos Calendário de Matrícula 2º Semestre de 2015 Calendário para Assinatura do Contrato de Prestação de Serviços Educacionais e do Plano de Estudos 1/7 Direito 2/7 Ciência da Computação, Sistemas de Informação,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ITBI

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ITBI MANUAL DE PROCEDIMENTOS ITBI A abertura de processos administrativos para apuração do lançamento do ITBI, bem como a apresentação de recurso para revisão da base de cálculo deve obedecer aos seguintes

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 003/2015. Desenvolvimento, produção e realização da 20ª Festa do Imigrante.

CARTA CONVITE Nº 003/2015. Desenvolvimento, produção e realização da 20ª Festa do Imigrante. São Paulo, 24 de fevereiro de 2015. CARTA CONVITE Nº 003/2015 Desenvolvimento, produção e realização da 20ª Festa do Imigrante. O (INCI), Organização Social gestora do Museu da Imigração, de acordo com

Leia mais

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 7. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)...

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 7. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)... Manual de Frota 2 SUMÁRIO DO CONTRATO DE MOTORISTAS TERCEIRIZADOS... 3 DAS SOLICITAÇÕES DE VEÍCULOS OFICIAIS... 3 DO ABASTECIMENTO... 4 Do Abastecimento de veículos de outros órgãos... 5 DA MANUTENÇÃO

Leia mais

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional...

RESPOSTAS A PERGUNTAS MAIS FREQUENTES DA SOCIEDADE (inciso VI do art. 8º da Lei nº 12.527/2011) SUMÁRIO. 1. Registro Profissional... SUMÁRIO 1. Registro Profissional... 2 2. Isenção de Anuidade... 3 3. Transferência de Regional... 4 4. Cancelamento de Registro (Pessoa Física)... 5 5. Reativação de Registro Profissional... 6 6. Parcelamento

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL 024 PROGRAD/UFSM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL 024 PROGRAD/UFSM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO EDITAL 024 PROGRAD/UFSM EDITAL DE SELEÇÃO INGRESSO E REIGRESSO - 2º SEMESTRE DE 2015 A Pró-Reitora de Graduação, o Coordenador

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

Informação para quem vai comprar, construir ou reformar.

Informação para quem vai comprar, construir ou reformar. Informação para quem vai comprar, construir ou reformar. Última Alteração - Dez/2007 Guia SUA CASA Orientação para quem vai comprar ou construir casas, terrenos e apartamentos. Importante: Este guia oferece

Leia mais

DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, e ALTERADA PELO DECRETO SP N 48.919/2004 DECRETO Nº 47.400, DE 04 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) Regulamenta dispositivos da Lei Estadual nº 9.509, de 20 de março de 1997, referentes ao licenciamento ambiental,

Leia mais

Processos Realizados pela Secretaria de Planejamento

Processos Realizados pela Secretaria de Planejamento Processos Realizados pela Secretaria de Planejamento Área de Planejamento Aprovação e Ampliação de Projeto: Aprovação de Projetos de Construção Residencial, Comercial, de Serviços e Industriais; 1. Requerimento

Leia mais

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA SECRETARIA DA FAZENDA NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA

RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA SECRETARIA DA FAZENDA NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA RELAÇÃO DE SERVIÇOS DISPONIBILIZADOS PELA SECRETARIA DA FAZENDA NO ESPAÇO DA CIDADANIA DE TERESINA 1. SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE IPVA 1.1 TIPOS: Para Deficiente Físico 1. Requerimento do interessado, conforme

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO DE ESTAÇÕES DE RADIOCOMUNICAÇÃO ASSOCIADAS À PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DESTINADO AO USO DO PÚBLICO EM GERAL - STFC

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DCU - SIMPLES

MANUAL DE INSTRUÇÕES DCU - SIMPLES PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EMISSÃO DE ALVARÁ DE OBRA MANUAL DE INSTRUÇÕES DCU - SIMPLES 2002 P DEPARTAMENTO DE CONTROLE URBANÍSTICO 1 A edição do Manual de Instruções e Procedimentos para

Leia mais

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 REGRAS E CRITÉRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DAS OPERAÇÕES DE CONTAS A PAGAR ATRAVÉS DA FADEX TERESINA PI, FEVEREIRO DE 2012 INSTRUÇÃO

Leia mais

Roteiros de Processos PASSO A PASSO

Roteiros de Processos PASSO A PASSO SECRETARIA DE PLANEJAMENTO Roteiros de Processos PASSO A PASSO Roteiro dos Processos da SEPLAN À Secretaria de Planejamento compete formular, planejar e implementar a política de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 ATA DO REGISTRO DE PREÇOS CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DO RAMO DE PRESTAÇÃO DE

Leia mais

Decreto nº 50.446/09 Município de São Paulo. Foi publicado no Diário Oficial do Município de São Paulo o Decreto Nº 50.446, de 20 de fevereiro de

Decreto nº 50.446/09 Município de São Paulo. Foi publicado no Diário Oficial do Município de São Paulo o Decreto Nº 50.446, de 20 de fevereiro de Decreto nº 50.446/09 Município de São Paulo. Foi publicado no Diário Oficial do Município de São Paulo o Decreto Nº 50.446, de 20 de fevereiro de 2009 que regulamenta o transporte de produtos perigosos

Leia mais

Em breve deveremos informar um e-mail que a ANTT vai disponibilizar para que as empresas possam tirar dúvidas sobre o assunto.

Em breve deveremos informar um e-mail que a ANTT vai disponibilizar para que as empresas possam tirar dúvidas sobre o assunto. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE TERRESTRE DE PASSAGEIROS SAUS Quadra 1 Bloco J Edifício CNT 8º andar Entrada 10/20 Torre A / CEP 70070-944 Brasília DF T.: + 55 (61) 3322-2004 F.: + 55

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua assinatura. São Bernardo do Campo, 14 de março de 2013 PROF. DR. MARCIO DE MORAES REITOR

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua assinatura. São Bernardo do Campo, 14 de março de 2013 PROF. DR. MARCIO DE MORAES REITOR RESOLUÇÃO CONSUN Nº 04/2013 Aprova Edital do Processo Seletivo do Programa de integralização de créditos para a conclusão do Curso Superior de Teologia 2º semestre de 2013 na modalidade a distância O Conselho

Leia mais

1º INFORMATIVO - 24.03.2015. CHAMAMENTO PÚBLICO DPR n.º 001/2015 (PROCESSO ADMINISTRATIVO n.º 014/2015 - ARENA MULTIUSO).

1º INFORMATIVO - 24.03.2015. CHAMAMENTO PÚBLICO DPR n.º 001/2015 (PROCESSO ADMINISTRATIVO n.º 014/2015 - ARENA MULTIUSO). 1º INFORMATIVO - 24.03.2015 CHAMAMENTO PÚBLICO DPR n.º 001/2015 (PROCESSO ADMINISTRATIVO n.º 014/2015 - ARENA MULTIUSO). Após os apontamentos levantados na reunião de esclarecimentos do dia 12.03.2015

Leia mais

Fique à vontade para falar com a gente sempre que precisar!

Fique à vontade para falar com a gente sempre que precisar! Fique à vontade para falar com a gente sempre que precisar! Estamos na fase final de execução do seu empreendimento, e para que tudo ocorra da melhor maneira, desenvolvemos este guia para que você conheça

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE

PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE OBJETIVO DO PROGRAMA PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO PEDESTRE O objetivo do Programa de Proteção ao Pedestre, da Secretaria Municipal de Transportes SMT é criar a cultura de respeito ao pedestre, resgatando os

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

ANEXO I REFERENCIAL PARA ELABORAÇÃO DO PLANO OU PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DAS FASES 01 E 02 DO SAPIENS PARQUE

ANEXO I REFERENCIAL PARA ELABORAÇÃO DO PLANO OU PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DAS FASES 01 E 02 DO SAPIENS PARQUE ANEXO I REFERENCIAL PARA ELABORAÇÃO DO PLANO OU PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DAS FASES 01 E 02 DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo...3 2 Definições...3 3 Características Gerais...4 3.1 Descrição do Empreendimento...

Leia mais

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROJETO BÁSICO GESER Nº 04/07 FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fiscalização

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE

ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE O Superintendente da Fundação Municipal de Esporte e Lazer de Itajaí, no uso de

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho)

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) Dispõe sobre a obrigatoriedade de vistorias periciais e manutenções periódicas nas edificações constituídas por unidades autônomas, públicas ou

Leia mais

Edital 009/16 DAC Apucarana, 02 de maio de 2016. EDITAL

Edital 009/16 DAC Apucarana, 02 de maio de 2016. EDITAL Edital 009/16 DAC Apucarana, 02 de maio de 2016. A Direção Acadêmica da Faculdade de Apucarana - FAP, no uso de suas competências e demais disposições legais, aprova e torna público o seguinte EDITAL 1.

Leia mais

Instituto de Engenharias e Desenvolvimento Sustentável Quadro 1 - Quadro de especificação das vagas

Instituto de Engenharias e Desenvolvimento Sustentável Quadro 1 - Quadro de especificação das vagas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) EDITAL Nº 004/2014 CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO EFETIVO DE VAGAS DA CARREIRA

Leia mais

A Diretora de Habilitação do DETRAN-SP,

A Diretora de Habilitação do DETRAN-SP, A Diretora de Habilitação do DETRAN-SP, Considerando o disposto nos artigos 3º e 30 da Portaria DETRAN 540/99, alterados pela Portaria DETRAN 1.283/14; e o que dispõe a Resolução CONTRAN 358/10. Comunica

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013

ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013 ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013 Secretaria Municipal do Planejamento, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia A Prefeitura de Araguaína desenvolveu esta Cartilha para orientar a população sobre

Leia mais

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário. ATO ADMINISTRATIVO REITORIA Nº 16/2015 Aprova o Edital do Processo Seletivo dos Cursos Superiores na modalidade a Distância Vestibular 2º Semestre de 2015 O REITOR DA UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO,

Leia mais

JUSTIÇA DO TRABALHO DIVISÃO DE DOCUMENTO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

JUSTIÇA DO TRABALHO DIVISÃO DE DOCUMENTO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA DIVISÃO DE DOCUMENTO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Objeto: Contratação de empresa para prestação do serviço de agenciamento de viagens (emissão, remarcação e cancelamento de passagens aéreas nacionais

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2015

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2015 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/2015 A SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA pelo presente edital e por intermédio da DIRETORIA DE RECURSOS LOGÍSTICOS torna público

Leia mais

Proposta de portaria para regulamentar o controle de acesso ao Campus João Pessoa

Proposta de portaria para regulamentar o controle de acesso ao Campus João Pessoa Proposta de portaria para regulamentar o controle de acesso ao Campus João Pessoa Estabelece normas e procedimentos para o controle do acesso de pessoas e de veículos às instalações do IFPB Campus João

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº. 181/2013

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº. 181/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº. 181/2013 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº.19855/2013 PREGÃO Nº. 181/2013 CONTRATANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE TELÊMACO BORBA CONTRATADA: IVA FRANÇA COSTA SOVINSKI - ME Aos seis

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 12/2011/CONSU Estabelece normas para o relacionamento entre a Universidade Federal de

Leia mais

Manual de Estágio. Serviço Social

Manual de Estágio. Serviço Social Manual de Estágio Serviço Social Sumário Manual de Estágio SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO... 03 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL... 03 2. INFORMAÇÕES INICIAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ES...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEIRA COMERCIAL, INDUSTRIAL E DE SERVIÇOS DA FESTA DE MAIO DE TEUTÔNIA 2016

REGIMENTO INTERNO DA FEIRA COMERCIAL, INDUSTRIAL E DE SERVIÇOS DA FESTA DE MAIO DE TEUTÔNIA 2016 REGIMENTO INTERNO DA FEIRA COMERCIAL, INDUSTRIAL E DE SERVIÇOS DA FESTA DE MAIO DE TEUTÔNIA 2016 Art. 1º - LOCAL E DATA: A Feira Comercial, Industrial e de Serviços realizar-se-à no CENTRO ADMINISTRATIVO

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3220 - ANTAQ, DE 8 DE JANEIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 3220 - ANTAQ, DE 8 DE JANEIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 3220 - ANTAQ, DE 8 DE JANEIRO DE 2014. APROVA A NORMA QUE ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ARRENDAMENTOS E RECOMPOSIÇÃO DO EQUILÍBRIO ECONÔMICO- FINANCEIRO DOS CONTRATOS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 184, DE 17 DE JULHO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 184, DE 17 DE JULHO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 184, DE 17 DE JULHO DE 2008 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, nomeado pela Portaria No- 383, de 02 de junho de 2008,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 019/PRPGP/UFSM, DE 06 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 019/PRPGP/UFSM, DE 06 DE MAIO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 019/PRPGP/UFSM, DE 06 DE MAIO DE 2014 ABERTURA DE INSCRIÇÃO AOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO A DISTÂNCIA PARA

Leia mais

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007

LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 003/2007 DISPÕE SOBRE O PLANO VIÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIOERÊ EM CONFORMIDADE COM A LEI MUNICIPAL COMPLEMENTAR Nº 001/2007 LEI DO PLANO DIRETOR, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei Nº 12.145, DE 08 DE SETEMBRO DE 2011. A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO REFERÊNCIAS LEGAIS Lei 10.257/01

Leia mais

Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI Subprograma Exportação Pré-Embarque NORMAS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI Subprograma Exportação Pré-Embarque NORMAS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Programa BNDES de Sustentação do Investimento BNDES PSI Subprograma Exportação Pré-Embarque NORMAS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1. ENCAMINHAMENTO DA OPERAÇÃO AO BNDES A operação será encaminhada

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA

EDITAL Nº 001/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica EDITAL Nº 001/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA A Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM

RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Reitoria RESOLUÇÃO N 24 DE 8 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM Aprova a Norma Técnica NT 3/2015 que dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

ANEXO 7 PORTARIA SF Nº 78/2004. Manual de Instruções. Campo 01 - Preencher com o número do CPF do contribuinte (sem ponto ou hífen).

ANEXO 7 PORTARIA SF Nº 78/2004. Manual de Instruções. Campo 01 - Preencher com o número do CPF do contribuinte (sem ponto ou hífen). ANEXO 7 PORTARIA SF Nº 78/2004 Manual de Instruções 1. Formulário de Inscrição Pessoa Física Bloco A Contribuinte Campo 01 - Preencher com o número do CPF do contribuinte (sem ponto ou hífen). Campo 02

Leia mais

PROMOÇÕES DISTRIBUIÇÃO DE PRÊMIOS NO ÂMBITO DAS ACE S

PROMOÇÕES DISTRIBUIÇÃO DE PRÊMIOS NO ÂMBITO DAS ACE S PROMOÇÕES DISTRIBUIÇÃO DE PRÊMIOS NO ÂMBITO DAS ACE S Manual sobre a realização de Promoções Comerciais pelas Associações Comerciais, elaborada pela Coordenadoria Institucional da FACIAP Federação das

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

a) MORTE POR ACIDENTE Garante aos beneficiários do segurado o pagamento do valor do capital contratado;

a) MORTE POR ACIDENTE Garante aos beneficiários do segurado o pagamento do valor do capital contratado; TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS

PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS PARCELAMENTO ESPECIAL DO ICMS A Resolução da Secretária da Fazenda nº 108, publicada do DOE de hoje, institui o parcelamento especial dos débitos fiscais relativos ao ICMS decorrentes de fatos geradores

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR SUBSTITUTO CPD Nº 001, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 A Pró-Reitora

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL. Expede Instruções para Funcionamento de Agência de Carga Aérea.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL. Expede Instruções para Funcionamento de Agência de Carga Aérea. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N o 749B/DGAC, DE 25 DE JUNHO DE 2002 Expede Instruções para Funcionamento de Agência de Carga Aérea. O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 14.066, DE 11 DE AGOSTO DE 2010

DECRETO Nº 14.066, DE 11 DE AGOSTO DE 2010 Sumário: Decreto Municipal nº14.066, de 11 de Agosto de 2.010, que regulamenta a lei municipal nº9.952/10, que institui a Operação Urbana de Estímulo ao Desenvolvimento da Infraestrutura de Saúde, de Turismo

Leia mais