AULA 6: IMPOSTO DE RENDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 6: IMPOSTO DE RENDA"

Transcrição

1 AULA 6: IMPOSTO DE RENDA Pessoal inicialmente desculpe pelo atraso no envio deste capítulo. Como já coloquei no quadro de avisos estava em Brasília e não consegui trabalhar com o material enquanto na capital. Esta matéria tem sido cobrada nas provas de AFRF dentro de contabilidade, o que considero um absurdo. Deveria ser cobrado em matéria ou prova específica. É possível que este material também sirva para a prova de Direito Tributário, tendo em vista a alteração no edital. Tomara que sirva. Tratarei da legislação do Imposto de Renda. Observar que em prova, tem sido dado o mesmo tratamento da matéria que aqui veremos para a Contribuição Social Sobre o Lucro, apesar das legislações diferentes. Se a ESAF sempre trabalhou assim, não vejo motivos para mudanças. Vamos lá. 6. Imposto de Renda da Pessoa Jurídica O Imposto de Renda devido pelas pessoas jurídicas será calculado com base na metodologia do chamado lucro real, lucro presumido, lucro arbitrado ou pelo simples Lucro Real De acordo com art. 247 do Regulamento do Imposto de Renda de 1999 o conceito de Lucro real é o lucro líquido do período de apuração ajustado pelas adições, exclusões ou compensações prescritas ou autorizadas pela legislação do Imposto de Renda. As pessoas jurídicas não obrigadas à apuração do lucro real podem por opção, apurar seus resultados tributáveis com base no lucro presumido Adições São valores que, pela legislação do IR serão obrigatoriamente adicionados ao lucro líquido contábil para o cálculo do Lucro Real que é a base do Imposto de Renda, nesta sistemática. Um dos objetivos das adições é o de levar para a base de cálculo do imposto de renda as despesas que foram computadas no lucro contábil (lucro líquido), mas que não são dedutíveis (permitidas) do Imposto de Renda. Outro objetivo das adições é incluir no resultado tributável receitas que não foram computadas no lucro contábil e que são tributáveis pelo Imposto de Renda. São exemplos de adições ao lucro contábil para fins de apuração do lucro real: 1) as despesas com provisões excetuando-se as provisões para férias e 13º salário; 2) a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CSLL; 3) as participações de administradores e das partes beneficiárias; 1

2 4) o resultado negativo na equivalência patrimonial; 5) as despesas com alimentação de sócios, acionistas e administradores; 6) as despesas com brindes; Exclusões São valores que, pela legislação do Imposto de Renda, podem ser diminuídos do lucro do exercício para fins de apuração da base de cálculo de imposto de renda. As exclusões objetivam em um primeiro momento deduzir as despesas que são dedutíveis pela legislação do Imposto de Renda, mas que pela metodologia contábil não foram computadas no lucro contábil. O instituo das exclusões visa ainda eliminar do resultado contábil receitas que nele foram computadas, mas que não são tributáveis pelo Imposto de Renda. São exemplos das principais exclusões ao lucro contábil para fins de apuração do lucro real: 1) o resultado positivo na equivalência patrimonial; 2) a receita de dividendos; 3) a depreciação acelerada incentivada Compensações A legislação ainda permite que o contribuinte de forma facultativa venha a compensar os prejuízos fiscais apurados em períodos anteriores, com o lucro real do período em curso. Tal compensação está limitada a 30% do lucro líquido após as adições e exclusões, mas antes das compensações, e desde que a pessoa jurídica mantenha o controle de tais prejuízos na parte B do livro fiscal denominado de Livro de Apuração do Lucro Real - LALUR. LUCRO REAL = LAIR + Adições Exclusões Compensações. LAIR: Lucro antes do Imposto de Renda PARTICIPAÇÕES A Lei nº 6.404/76 estabelece que a companhia poderá pagar participações sobre seus lucros. Pela interpretação do texto legal, do resultado do exercício serão deduzidos, antes de qualquer participação, os prejuízos acumulados e a provisão para imposto de renda, sendo que as participações dos debenturistas, dos empregados, dos administradores e das partes beneficiárias serão determinadas, sucessivamente e nessa ordem, com base nos lucros que remanescerem depois de deduzida a participação anteriormente calculada. 2

3 Exemplo: Informações Lucro antes do Imposto de Renda ,00 Prejuízos acumulados ,00 Despesa com a Provisão para o Imposto de Renda ,00 Participações: de debenturistas 10% de empregados 10% de administradores 10% de titulares de partes beneficiárias 10% Cálculo das participações Lucro antes do Imposto de Renda ,00 Despesa com a Provisão para o Imposto de Renda ,00 Lucro após o Imposto de Renda ,00 Prejuízos acumulados ,00 Base de Cálculo da Participação do Debenturista ,00 Participação dos debenturistas (10%) ,00 Base de Cálculo da Participação dos Empregados ,00 Participação dos empregados (10%) ,00 Base de Cálculo da Participação dos Administradores ,00 Participação dos administradores (10%) ,00 B. Cálculo da Participação das Partes Beneficiárias ,00 Participação das partes beneficiárias (10%) ,00 A demonstração do resultado do exercício, após o registro contábil das participações seria assim apresentada: Lucro antes do Imposto de Renda ,00 Despesa com a Provisão para o Imposto de Renda ,00 Lucro após o Imposto de Renda ,00 Participação dos debenturistas ,00 Participação dos empregados ,00 Participação dos administradores ,00 Participação dos titulares de partes beneficiárias ,00 Lucro Líquido do Exercício ,00 3

4 Os prejuízos acumulados afetam as bases de cálculo das participações, apesar de não representarem item da demonstração do resultado do exercício LUCRO PRESUMIDO O lucro presumido é uma forma de tributação simplificada para determinação da base de cálculo do Imposto de Renda e da CSLL das pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas, no ano-calendário, à apuração do lucro real. Como o próprio nome já indica, existe uma presunção legal de lucratividade, que servirá de base à tributação do imposto de renda e da CSLL. 31/12. O período de apuração é trimestral, encerrando-se em 31/03, 30/06, 30/09 e Nenhuma empresa está obrigada à utilização deste sistema de apuração, embora nem todas as pessoas jurídicas se enquadrem nas condições exigidas para adotá-lo. A adoção deste sistema de apuração da base de cálculo não vincula sua manutenção além do ano correspondente. Assim, a opção é anual PESSOAS JURÍDICAS AUTORIZADAS A OPTAR PELO LUCRO PRESUMIDO As pessoas jurídicas não obrigadas ao regime de tributação pelo lucro real, cuja receita total, no ano-calendário anterior, tenha sido igual ou inferior a R$ ,00 (quarenta e oito milhões de reais) (R$ ,00 até 31/12/2002 e R$ ,00 até 31/12/98), poderão optar pelo regime de tributação com base no lucro presumido (Lei n 8.981/95, art. 44; Lei n 9.065/95, art. 1 ; Lei n 9.249/95, art.29; Lei n 9.718/98, art. 13; Lei n /02, art. 46). O limite previsto neste item será proporcional ao número de meses do anocalendário, no caso de início de atividade (Lei n 8.981/95, art. 44, 1 ). A partir de 1999 estão obrigadas à apuração do lucro real as pessoas jurídicas (Lei n 9.718/98, arts. 14º): I - cuja receita total, no ano-calendário anterior, seja superior ao limite de R$ ,00 (quarenta e oitoo milhões de reais), ou proporcional ao número de meses do período, quando inferior a doze meses (Lei n /02, art. 46). Considera-se receita total, o somatório das receitas operacionais (exceto as receitas de operações de renda variável), dos ganhos de capital, dos ganhos líquidos em operações de renda variável e das receitas decorrentes de ajustes dos preços de transferência.; II - cujas atividades sejam de bancos comerciais, bancos de investimentos, bancos de desenvolvimento, caixas econômicas, sociedades de crédito, financiamento e investimento, sociedades de crédito imobiliário, sociedades corretoras de títulos, valores mobiliários e câmbio, distribuidora de títulos e valores mobiliários, empresas de arrendamento mercantil, cooperativas de crédito, empresas de seguros privados e de capitalização e entidades de previdência privada aberta; III - que tiverem lucros, rendimentos ou ganhos de capital oriundos do exterior; IV - que, autorizadas pela legislação tributária, usufruam de benefícios fiscais relativos à isenção ou redução do imposto; 4

5 V - que, no decorrer do ano-calendário, tenham efetuado pagamento mensal pelo regime de estimativa, na forma do art. 2 da Lei nº 9.430, de 1996 (balanço de suspensão ou redução); VI - que explorem as atividades de prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, compras de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços (factoring). As pessoas jurídicas de que tratam os incisos I, III, IV e V, excepcionalmente, poderão optar, durante o período em que estiverem submetidas ao Programa de Recuperação Fiscal - REFIS, pelo regime de tributação com base no lucro presumido (Lei n 9.964/00) BASE DE CÁLCULO DO LUCRO PRESUMIDO Para se chegar a base de cálculo do lucro presumido é necessário identificar a Receita Bruta auferida no trimestre e sobre este valor aplicar o coeficiente de determinação do lucro presumido, que é diferente em função da atividade exercida pela empresa. A este resultado são adicionadas as demais receitas, rendimentos e ganhos de capital. De forma exemplificada, podemos esquematizar da seguinte forma: Receita Bruta x % = Lucro sobre a Receita Bruta (+) Valores diferidos constantes do LALUR (+) Ganhos de Capital (+) Outras Receitas e Rendimentos Tributáveis (=) Lucro Presumido. Abaixo são apresentados, de forma detalhada, os valores indicados no esquema acima BASE DE CÁLCULO DECORRENTE DA RECEITA BRUTA PERCENTUAIS DE PRESUNÇÃO A base de cálculo do lucro presumido, decorrente da receita bruta, será determinada trimestralmente, mediante a aplicação dos seguintes percentuais sobre a receita bruta (Lei n 9.249/95, art. 15, e Lei n 9.430/96, arts. 1 e 25, inciso I): a) 1,6%, sobre a receita bruta trimestral auferida na revenda, para consumo, de combustível derivado de petróleo, álcool etílico carburante e gás natural; b) 8% sobre a receita bruta trimestral proveniente: 1. da venda de produtos de fabricação própria; 2. da venda de mercadorias adquiridas para revenda; 3. da industrialização de produtos em que a matéria-prima, ou o produto intermediário ou o material de embalagem tenham sido fornecidos por quem encomendou a industrialização; 5

6 4. da atividade rural; 5. de serviços hospitalares; 6. do transporte de cargas; 7. de outras atividades não caracterizadas como prestação de serviços; c) 16% sobre a receita bruta trimestral para a atividade de prestação de serviço de transporte de passageiros; d) 32% (trinta e dois por cento), para as atividades de: 1. prestação de serviços, pelas sociedades civis, relativos ao exercício de profissão legalmente regulamentada; 2. intermediação de negócios (incluindo-se as atividades de corretagem e de representação comercial) (ver observação); 3. administração, locação ou cessão de bens, imóveis, móveis ou direitos de qualquer natureza quando este for o objeto social da pessoa jurídica (ver observação); 4. construção por administração ou por empreitada unicamente de mão-de-obra (ver observação); 5. prestação de qualquer outra espécie de serviço não mencionado anteriormente (ver observação); 6. resultados de operações equiparadas as de consignação na venda de veículos usados (Parecer Cosit 45/2003) (ver observação). No caso da empresa exercer atividades diversificadas, será aplicado o percentual correspondente sobre a receita bruta da respectiva atividade (Lei n 9.249/95, art. 15, 2 ). Observação: a base de cálculo trimestral das pessoas jurídicas prestadoras de serviços referidos nos incisos 2 a 6 da letra d, cuja receita bruta anual seja de até R$ ,00 (cento e vinte mil reais), será determinada mediante a aplicação do percentual favorecido de 16% (dezesseis por cento) sobre a receita bruta auferida no período de apuração (Lei n 9.250/95, art. 40, e Lei n 9.430/96, art. 1 ). A pessoa jurídica que houver utilizado o percentual favorecido, cuja receita bruta acumulada até determinado mês do anocalendário exceder o limite de R$ ,00 (cento e vinte mil reais), ficará sujeita ao pagamento da diferença do imposto postergado, apurado em relação a cada trimestre transcorrido. A diferença deverá ser paga até o último dia útil do mês subseqüente ao do trimestre em que ocorreu o excesso, sem acréscimos legais. É de observar, ainda, segundo a interpretação adotada pela Receita Federal, que as empresas beneficiadas da redução aludida devem ser exclusivamente prestadoras de serviços (Solução de Consulta 10ª RF 169/01 e Dec. 8ª RF 249/00), exceto as do item RECEITAS E RENDIMENTOS NÃO TRIBUTÁVEIS PELO LUCRO PRESUMIDO Consideram-se não tributáveis as receitas e rendimentos relacionados abaixo: a) recuperações de créditos que não representem ingressos de novas receitas, e cujas perdas não tenham sido deduzidas na apuração do lucro real em períodos anteriores; b) a reversão de saldo de provisões anteriormente constituídas, desde que o valor provisionado não tenha sido deduzido na apuração do lucro real dos períodos anteriores, ou que se refiram ao período no qual a pessoa jurídica tenha se 6

7 submetido ao regime de tributação com base no lucro presumido ou arbitrado (Lei n 9.430/96, art. 53); c) os lucros e dividendos recebidos decorrentes de participações societárias, caso refiram-se a períodos em que os mesmos sejam isentos de imposto de renda APURAÇÃO E PAGAMENTO DO IMPOSTO DE RENDA PELO LUCRO PRESUMIDO CÁLCULO DO IMPOSTO O imposto devido em cada trimestre será calculado mediante a aplicação da alíquota de 15% sobre a base de cálculo, isto é, sobre o lucro presumido. A parcela do lucro presumido que exceder ao resultado da multiplicação de R$ ,00 pelo número dos meses do respectivo período de apuração (normalmente de três meses) sujeita-se à incidência do adicional de 10%. Para efeito de pagamento, a pessoa jurídica poderá deduzir do imposto devido no período de apuração, o imposto pago ou retido na fonte sobre as receitas que integram a base de cálculo, bem como o imposto de renda pago indevidamente em períodos anteriores (art. 10 da Lei nº 9.532/97). Exercícios: 01- (TRF /ESAF) A empresa Tílburi de Aço S/A demonstrou, no exercício de 2001, os valores que seguem: - Lucro bruto R$ ,00 - Lucro operacional R$ ,00 - Receitas não-operacionais R$ ,00 - Despesas não-operacionais R$ ,00 - Participação de Administradores R$ 5.000,00 - Participação de Debenturistas R$ 7.000,00 - Participação de Empregados R$ 6.000,00 A tributação do lucro dessa empresa à alíquota de 30% para Imposto de Renda e Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido, conjuntamente, vai aumentar o passivo no valor de a) R$ ,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00 d) R$ ,00 e) R$ ,00 Solução: Apesar da anulação desta questão pela banca examinadora, entendo que o motivo provável foi por não estar no programa para técnico, uma vez que na prova de AFRF houve uma questão parecida, não anulada. 7

8 Solicita o examinador o valor do aumento do passivo em decorrência do Imposto de Renda e da Contribuição Social Sobre o Lucro. Sabemos que o Imposto de Renda pode ser calculado com base no Lucro Real, Presumido ou Arbitrado. Aqueles que tributam o lucro pelo presumido ou arbitrado não precisam, para fins fiscais, de contabilidade. Enquanto que o Lucro Real pressupõe contabilidade, uma vez que o início de seu cálculo depende do Lucro Antes do Imposto de Renda. Portanto, deparando-se com uma questão deste tipo, parta do princípio que o Imposto de Renda deverá ser calculado com base no Lucro Real. Inicialmente, portanto, elabore a DRE. Vejamos: Lucro bruto R$ ,00 Lucro operacional R$ ,00 Receitas não-operacionais R$ ,00 Despesas não-operacionais (R$ ,00) Lucro Antes do Imposto de Renda R$ ,00 Imposto Renda/Cont. Social? Participação de Debenturistas (R$ 7.000,00) Participação de Empregados (R$ 6.000,00) Participação de Administradores (R$ 5.000,00) Por motivos que até hoje desconheço, a banca calcula o Imposto de Renda e a Contribuição Social conjuntamente, como se tivessem a mesma base de cálculo, o que não corresponde a realidade. Porém, como ela sempre atua desta forma, nada mudaremos. Identificado o valor do Lucro Antes do Imposto de Renda (e da Contribuição Social), devemos lembrar que o cálculo deste imposto é feito extra-contabilmente, no Livro de Apuração do Lucro Real (LALUR), onde são efetuados os seguintes ajustes: Lucro Antes do Imposto de Renda + Adições - Exclusões - Compensações = Lucro Real De acordo com a Legislação do Imposto de Renda, as participações nos lucros dos debenturistas e dos empregados são dedutíveis na apuração deste imposto. Ora, as participações são calculadas após o Imposto de Renda. Como elas são dedutíveis, então? Na verdade ocorre um conflito entre as duas legislações (societária e tributária). Este conflito gera um cálculo circular. Para calcular um dependo de outro. E para calcular o outro dependo de um. Na prática, costuma-se minimizar estes efeitos fazendo o cálculo apenas uma vez. Para complementar este estudo, olhem a questão número 7, a última desta apostila Para resumir a resolução, basta que no LALUR efetuemos as exclusões destes dois valores (debêntures e empregados). Assim: 8

9 Lucro Antes do Imposto de Renda R$ ,00 + Adições - Exclusões (R$ ,00) - Compensações = Lucro Real R$ ,00 Sobre o Lucro Real aplica-se a alíquota do Imposto de Renda. Como o cálculo da Contribuição Social esta sendo feita de forma conjunta, trabalhamos com a mesma base de cálculo. R$ ,00 x 30% = R$ ,00 Esta foi a resposta inicial da banca. Posteriormente, nos recursos, houve a anulação. Porém, entendo que a questão tem resposta. Gabarito B 02- Entre as formas de tributação pelo Imposto de Renda Pessoa Jurídica previstas na legislação, não se inclui: a) a tributação pelo lucro presumido. b) o pagamento mensal unificado de impostos e contribuições federais (SIMPLES). c) a tributação pelo lucro arbitrado. d) a tributação pelo lucro bruto. e) a tributação pelo lucro real. Solução: Resposta simples. Comentamos que as formas de tributação são: Real, Presumido, Arbitrado e Simples. Logo a resposta falsa é a letra D. Gabarito D 03 - Uma empresa apurou em determinado período de 2005, um Lucro Real de R$ ,00. As adições eram de R$ 5.000,00 e as exclusões de R$ 3.000,00. No patrimônio líquido havia o registro de prejuízos contábeis anteriores de R$ ,00. Considerando estes dados podemos afirmar que lucro contábil antes da provisão do Imposto de Renda era de R$: a) ,00 b) ,00 c) ,00 d) ,00 e) ,00 Solução: Vejam que questão interessante. Deve ser resolvida de trás para frente. Foi informado o Lucro Real e é pedido o Lucro Contábil. Lembremos da forma de apuração do Lucro Real: Lucro Antes do Imposto de Renda? + Adições R$ 5.000,00 9

10 - Exclusões (R$ 3.000,00) - Compensações = Lucro Real R$ ,00 Basta fazermos, agora, o cálculo. R$ ,00 =? + R$ 5.000,00 R$ 3.000,00? = R$ ,00 Gabarito - C 04- (AFRF 2003/ESAF) - Assinale abaixo a opção que contém a afirmação correta. a) O lucro da pessoa jurídica será arbitrado quando o contribuinte optar indevidamente pela tributação com base no lucro presumido. b) Lucro presumido é uma forma simplificada de apuração da base de cálculo dos tributos com o imposto de renda e da contribuição social, aplicável a todas as pessoas jurídicas que fizerem opção para esse fim. c) Lucro real é o lucro líquido do período apurado na escrituração comercial, mas diferente do lucro contábil, porque é ajustado pelas adições, exclusões e compensações. d) Lucro arbitrado é a forma utilizada pelo fisco apenas no caso em que o contribuinte se recusar ou dificultar o acesso da autoridade fiscal à documentação comprobatória das atividades. e) Lucro contábil é aquele apurado na contabilidade mas que não serve de base para a tributação do imposto de renda porque é conhecido apenas como lucro escritural. Solução: Na matéria de contabilidade uma questão de legislação tributária. Por que não são claros no edital informando que irá cair legislação tributária? Deixa para lá e vamos responder. Letra a: Uma das hipóteses de arbitramento do lucro se dá quando a pessoa jurídica obrigada a apuração do lucro real deixa de faze-lo e opta pelo lucro presumido. É a resposta. Letra b: Só pode optar pelo Lucro Presumido quem não está obrigado ao Lucro Real. É até óbvio, não? Quem está obrigado a um sistema não pode outro. Portanto o Presumido não é aplicável a todas as pessoas. Letra c: Lucro Real não é o Lucro Líquido do período apurado na escrituração comercial. Letra d: Existem várias hipóteses de arbitramento do lucro, e não apenas a indicada na opção. Letra e: Hipótese bem absurda. O lucro contábil é o início de apuração do lucro real. Gabarito: A 05 - (AFRF /ESAF) A empresa de Pedras & Pedrarias S/A. demonstrou no exercício de 2001 os valores como seguem: Lucro bruto R$ ,00 Lucro operacional R$ ,00 Receitas operacionais R$ 7.500,00 10

11 Despesas operacionais R$ ,00 Participação de Administradores R$ 2.500,00 Participação de Debenturistas R$ 3.500,00 Participação de Empregados R$ 3.000,00 A tributação do lucro dessa empresa deverá ocorrer à alíquota de 30% para Imposto de Renda e Contribuição Social sobre Lucro Líquido, conjuntamente. Assim, se forem calculados corretamente o IR e a CSLL, certamente o valor destinado, no exercício, à constituição da reserva legal deverá ser de: a) R$ 2.000,00 b) R$ 2.070,00 c) R$ 2.090,00 d) R$ 2.097,50 e) R$ 2.135,00 Solução: Questão idêntica a primeira desta apostila, cobrada no mesmo dia. Aquela foi anulada, esta não. Solicita o examinador o valor da Reserva Legal. Como a Reserva Legal é calcula a partir do Lucro Líquido do Exercício (5% x Lucro Líquido), necessitamos apurar o Imposto de Renda para chegarmos ao Lucro Líquido. Sabemos que o Imposto de Renda pode ser calculado com base no Lucro Real, Presumido ou Arbitrado. Aqueles que tributam o lucro pelo presumido ou arbitrado não precisam, para fins fiscais, de contabilidade. Enquanto que o Lucro Real pressupõe contabilidade, uma vez que o início de seu cálculo depende do Lucro Antes do Imposto de Renda. Portanto, deparando-se com uma questão deste tipo, parta do princípio que o Imposto de Renda deverá ser calculado com base no Lucro Real. Inicialmente, portanto, elabore a DRE. Vejamos: Lucro bruto R$ ,00 Receitas não-operacionais R$ 7.500,00 Despesas não-operacionais (R$ ,00) Lucro operacional R$ ,00 Lucro Antes do Imposto de Renda R$ ,00 Imposto Renda/Cont. Social? Participação de Debenturistas (R$ 3.500,00) Participação de Empregados (R$ 3.000,00) Participação de Administradores (R$ 2.500,00) Conforme já comentei na primeira questão, a banca calcula o Imposto de Renda e a Contribuição Social conjuntamente, como se tivessem a mesma base de cálculo, o que não corresponde a realidade. Porém, como ela sempre atua desta forma, nada mudaremos. Identificado o valor do Lucro Antes do Imposto de Renda (e da Contribuição Social), devemos lembrar que o cálculo deste imposto é feito extra-contabilmente, no Livro de Apuração do Lucro Real (LALUR), onde são efetuados os seguintes ajustes: 11

12 Lucro Antes do Imposto de Renda + Adições - Exclusões - Compensações = Lucro Real De acordo com a Legislação do Imposto de Renda, as participações nos lucros dos debenturistas e dos empregados são dedutíveis na apuração deste imposto. Ora, as participações são calculadas após o Imposto de Renda. Como elas são dedutíveis, então? Na verdade ocorre um conflito entre as duas legislações (societária e tributária). Este conflito gera um cálculo circular. Para calcular um dependo de outro. E para calcular o outro dependo de um. Na prática, costuma-se minimizar estes efeitos fazendo o cálculo apenas uma vez. Para resumir a resolução, basta que no LALUR efetuemos as exclusões destes dois valores (debêntures e empregados). Assim: Lucro Antes do Imposto de Renda R$ ,00 + Adições - Exclusões (R$ 6.500,00) - Compensações = Lucro Real R$ ,00 Sobre o Lucro Real aplica-se a alíquota do Imposto de Renda. Como o cálculo da Contribuição Social esta sendo feita de forma conjunta, trabalhamos com a mesma base de cálculo. R$ ,00 x 30% = R$ ,00 Assim, o Lucro Líquido do Exercício vale: Lucro bruto R$ ,00 Receitas não-operacionais R$ 7.500,00 Despesas não-operacionais (R$ ,00) Lucro operacional R$ ,00 Lucro Antes do Imposto de Renda R$ ,00 Imposto Renda/Cont. Social (R$ ,00) Participação de Debenturistas (R$ 3.500,00) Participação de Empregados (R$ 3.000,00) Participação de Administradores (R$ 2.500,00) Lucro Líquido do Exercício R$ ,00 Para calcular a Reserva Legal, aplicamos 5% sobre o Lucro Líquido: R$ ,00 x 5% = R$ 2.097,50 Gabarito D 12

13 06- (AFPS 2002/ESAF) A escrituração contábil da empresa Normas Mornas S/A tornou disponíveis as seguintes informações para permitir o cálculo da provisão para o imposto de renda e contribuição social sobre o lucro líquido. Contas saldos Reversão de Provisões R$ 2.500,00 Reversão de Reservas R$ 1.800,00 Lucros Acumulados R$ 8.000,00 Reserva Legal R$ 5.000,00 Participação de Administradores R$ 2.000,00 Participação de Debenturistas R$ 2.200,00 Receita Bruta de Vendas R$ ,00 Receita Líquida de Vendas R$ ,00 Custo das Mercadorias Vendidas R$ ,00 Aluguéis Passivos R$ 1.200,00 Depreciação Acumulada R$ 3.000,00 Comissões Ativas R$ 2.100,00 Salários e Ordenados R$ 4.800,00 Utilizando as informações acima, naquilo que for pertinente ao assunto, pode-se dizer que o cálculo da provisão para IR e CSLL, feito à alíquota de 35%, vai alcançar o valor de a) R$ ,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00 d) R$ ,00 e) R$ ,00 Solução: Esta questão também foi anulada. Ela possui uma informação duvidosa, relativa a Reversão de Provisões. Esta conta é uma receita, que pode ser não tributável, dependendo do tratamento da provisão. Exemplo: se for uma reversão de provisão para devedores duvidosos é uma receita não tributável, porque quando da constituição da provisão a despesa foi indedutível. Porém, se for uma reversão de provisão para férias, por exemplo, será uma receita tributável, porque quando da constituição da provisão a despesa foi dedutível. Talvez por esta informação duvidosa tenham anulado a questão. Vou resolve-la como se a reversão da provisão fosse tributável. Isto porque teremos uma resposta que, aliás, foi o gabarito inicial. Inicialmente, precisamos encontrar o Lucro Antes do Imposto de Renda. Receita Bruta de Vendas R$ ,00 Receita Líquida de Vendas R$ ,00 Custo das Mercadorias Vendidas (R$ ,00) Lucro Bruto R$ ,00 Comissões Ativas R$ 2.100,00 13

14 Salários e Ordenados (R$ 4.800,00) Aluguéis Passivos (R$ 1.200,00) Reversão de Provisões R$ 2.500,00 Lucro Operacional R$ ,00 Imposto de Renda? Participação de Debenturistas (R$ 2.200,00) Participação de Administradores (R$ 2.000,00) Identificado o valor do Lucro Antes do Imposto de Renda (e da Contribuição Social), devemos lembrar que o cálculo deste imposto é feito extra-contabilmente, no Livro de Apuração do Lucro Real (LALUR), onde são efetuados os seguintes ajustes: Lucro Antes do Imposto de Renda + Adições - Exclusões - Compensações = Lucro Real Conforme já comentado, de acordo com a Legislação do Imposto de Renda, as participações nos lucros dos debenturistas e dos empregados são dedutíveis na apuração deste imposto. Ora, as participações são calculadas após o Imposto de Renda. Como elas são dedutíveis, então? Na verdade ocorre um conflito entre as duas legislações (societária e tributária). Este conflito gera um cálculo circular. Para calcular um dependo de outro. E para calcular o outro dependo de um. Na prática, costuma-se minimizar estes efeitos fazendo o cálculo apenas uma vez. Para resumir a resolução, basta que no LALUR efetuemos as exclusões destes dois valores (debêntures e empregados). Assim: Lucro Antes do Imposto de Renda R$ ,00 + Adições - Exclusões (R$ 2.200,00) - Compensações = Lucro Real R$ ,00 Sobre o Lucro Real aplica-se a alíquota do Imposto de Renda. Como o cálculo da Contribuição Social esta sendo feita de forma conjunta, trabalhamos com a mesma base de cálculo. R$ ,00 x 35% = R$ ,00 Gabarito B (oficialmente foi anulada se considerarmos que a reversão de provisões não é tributável, não tem resposta mesmo) 07- (FISCAL MS\2001) O Contador da Empresa Comércio Com S/A já havia contabilizado as operações de encerramento do exercício de 2000, inclusive a provisão para pagamento do imposto de renda, quando se apercebeu de que não havia calculado as participações estatutárias de empregados e de diretores, previstas nos Estatutos à 14

15 alíquota de 10%, para cada tipo. A provisão para o imposto de renda fora calculada à alíquota de 25% do lucro real, tendo o lucro líquido do exercício, no valor de R$ ,00, sido creditado na conta Lucros (ou Prejuízos) Acumulados. Após sanar a falha anterior, contabilizando as participações estatutárias corretamente e recalculando o imposto, a provisão para o imposto de renda deverá ir a balanço com o novo valor de: a) R$ 6.075,00 b) R$ 7.650,00 c) R$ 7.717,50 d) R$ 8.325,00 e) R$ 8.730,00 Solução: Primeira vez que este tipo de questão caiu em prova da área fiscal. Reparem que foi dito que o responsável pela escrituração da empresa esqueceu de calcular duas participações (empregados e diretores). Sabemos que as participações são calculadas após o Imposto de Renda. Da questão, também sabemos que o Lucro Líquido Final foi de R$ ,00, ou seja, após o Imposto de Renda. Como a Alíquota do Imposto de Renda é de 25%, podemos calcular o Lucro Antes do Imposto de Renda. Vejamos: Lucro Antes do Imposto de Renda X Imposto de Renda (25%) (0,25X) Lucro Líquido do Exercício R$ ,00 Através de um cálculo matemático simples, descobrimos o valor do Lucro Antes do Imposto de Renda. R$ ,00 = X 0,25X 0,75 X = R$ ,00 X = R$ ,00 Descoberto o Lucro Antes do Imposto de Renda, podemos calcular, agora, as participações. Entramos naquele cálculo circular já comentado. Como resolver? Consideremos a provisão para o imposto de renda (neste caso de R$ 9.000,00) para calcular as participações. Esta provisão será apenas uma previsão. Depois de calculadas as participações, recalculamos a Provisão para o Imposto de Renda. Assim: Lucro Antes do Imposto de Renda R$ ,00 Imposto de Renda (25%) (R$ 9.000,00) Lucro Líquido antes das Participações R$ ,00 Participação dos Empregados (10%) (R$ 2.700,00) Base de Cálculo das Participações dos Diretores R$ ,00 Participação dos Diretores (10%) (R$ 2.430,00) Identificadas as participações, recalculamos o Imposto de Renda. 15

16 Lucro Antes do Imposto de Renda R$ ,00 Provisão para o Imposto Renda X Participação de Empregados (R$ 2.700,00) Participação de Administradores (R$ 2.430,00) Para calcular o Imposto de Renda, basta que no LALUR efetuemos as exclusões das participações que são dedutíveis. Neste exemplo, apenas as participações dos empregados são permitidas. Assim: Lucro Antes do Imposto de Renda R$ ,00 + Adições - Exclusões (R$ 2.700,00) - Compensações = Lucro Real R$ ,00 Sobre o Lucro Real aplica-se a alíquota do Imposto de Renda. R$ ,00 x 25% = R$ 8.325,00 Ao recalcular o Imposto de Renda, não recalculamos as participações. Senão teríamos um cálculo circular, já comentado. Gabarito - D 16

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO

Cape contabilidade LUCRO PRESUMIDO LUCRO PRESUMIDO 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM OPTAR A partir do ano-calendário de 2003, poderão optar pelo lucro presumido as pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas ao lucro real, e tenham auferido,

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO ARBITRADO 1 Oarbitramentodolucroéumaformadeapuração dabasedecálculodoimpostoderendautilizadapela autoridade tributária ou pelo contribuinte. É aplicável pela

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 IRPJ LUCRO PRESUMIDO 1 É uma forma de tributação simplificada para determinação da base de cálculo do imposto de renda e da contribuição social das pessoas jurídicas

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Apesar de ter sido sancionada em 13 de junho de 1990, a Lei nº 8.069, que permite às empresas e às pessoas físicas destinar parte do que pagam

Leia mais

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3 UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo Resumo 3 DLPAC Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados Estrutura do DLPAC

Leia mais

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL

Sigrid Kersting Chaves. IRPJ e CSLL Sigrid Kersting Chaves IRPJ e CSLL PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO IRPJ CSLL CTN: Art. 43. O imposto, de competência da União, sobre a renda e proventos de qualquer natureza tem como fato gerador a aquisição da

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO TRIBUTÁRIA VENICIO LUIZ MORAES DO LIVRAMENTO

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO TRIBUTÁRIA VENICIO LUIZ MORAES DO LIVRAMENTO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO TRIBUTÁRIA VENICIO LUIZ MORAES DO LIVRAMENTO TRIBUTAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA, LUCRO REAL ANUAL

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 200 - Data 5 de agosto de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO. PERCENTUAL

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

FACULDADE AÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA E CONTABILIDADE GRASELENE LINDNER

FACULDADE AÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA E CONTABILIDADE GRASELENE LINDNER FACULDADE AÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO TRIBUTÁRIA E CONTABILIDADE GRASELENE LINDNER JUROS SOBRE O CAPITAL PRÓPRIO: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL 2014 GRASELENE

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD ÍNDICE O que é o FUMCAD 2 Conceito e Natureza Jurídica 2 Doações 3 Dedução das Doações Realizadas no Próprio Exercício Financeiro 4 Passo a Passo para a Doação 5 Principais

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E 469/08. Dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos

Leia mais

PROJETO EDUCAÇÃO CONTINUADA

PROJETO EDUCAÇÃO CONTINUADA PROJETO EDUCAÇÃO CONTINUADA Lucro Real Atualização para 2011 e Regime de tributação As empresas podem optar, entre outras, por um dos seguintes regimes de tributação: a) lucro real; ou b) lucro presumido.

Leia mais

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação

RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação RECEITA FEDERAL Coordenação-Geral de Estudos Econômico- Tributários, Previsão e Análise da Arrecadação ESTATÍSTICAS TRIBUTÁRIAS Consolida DIPJ 2006 Consolidação da Declaração do Imposto de Renda das Pessoas

Leia mais

AGENDA - Janeiro de 2016

AGENDA - Janeiro de 2016 OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE JANEIRO.: (ÂMBITO FEDERAL) :. AGENDA - Janeiro de 2016 PRAZO NATUREZA DISCRIMINAÇÃO 04.01 08.01 GPS SALÁRIOS CAGED GFIP FGTS SIMPLES DOMÉSTICO

Leia mais

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente. Março/2011

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

Lucro Contábil-Societário e Lucro Tributário: impactos sobre a distribuição de dividendos

Lucro Contábil-Societário e Lucro Tributário: impactos sobre a distribuição de dividendos Lucro Contábil-Societário e Lucro Tributário: impactos sobre a distribuição de dividendos Fabrício Costa Resende de Campos Mestre PUC/SP AGENDA Breve Introito fixação do problema Breve demarcação conceitual

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA

IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA IMPOSTO DE RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Nasceu em 1799 na Inglaterra, sendo recebido em 1913 nos EUA. No Brasil, em 1867, o visconde de Jequitinhonha propôs a cobrança do imposto, e encontrou

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Distribuição de Lucros: Critérios e Benefícios

Distribuição de Lucros: Critérios e Benefícios INFORMATIVO Nº 03 ASSUNTO: DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS Distribuição de Lucros: Critérios e Benefícios Com o objetivo de contribuir e esclarecer os critérios e benefícios da DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS e DIVIDENDOS

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento SINERGIA é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PI Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PI ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PI Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PI realizado no último

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 123 - Data 28 de maio de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO. VENDA

Leia mais

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015

Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015 Calendário Mensal das Obrigações Fiscais, Trabalhistas e Previdenciárias Outubro de 2015 Nota: Os dias de vencimentos apresentados são de nível nacional e respeitando os referidos feriados, caso for feriado

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO FERRAMENTA NA REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA

O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO FERRAMENTA NA REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO COMO FERRAMENTA NA REDUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA Juliana Bomfim da Silva Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Rodrigo Barbosa

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

A seguir segue a configuração no CONSISANET da geração do DARF de uma empresa por lucro presumido:

A seguir segue a configuração no CONSISANET da geração do DARF de uma empresa por lucro presumido: GERAÇÃO DE DARF COM DEDUÇÃO PIS\COFINS\IRPJ\CSLL IRPJ. VENDA DE VEÍCULOS USADOS Nas operações de venda de veículos usados, adquiridos para revenda, inclusive quando recebidos como parte do pagamento do

Leia mais

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1.

IOB Setorial JURÍDICO. Sociedade de advogados - Aspectos tributários 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO 7. EMPRESAS EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL 1. 6. EMPRESAS EM LIQUIDAÇÃO Segundo o art. 16 da Instrução Normativa DNRC em tela, ao final dos nomes dos empresários e das sociedades empresárias que estiverem em processo de liquidação, após a anotação

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 2014 (R$) 949.176.907,56

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 2014 (R$) 949.176.907,56 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. 949.176.907,56 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL A equivalência patrimonial é o método que consiste em atualizar o valor contábil do investimento ao valor equivalente à participação societária da sociedade investidora no patrimônio

Leia mais

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO

CAPÍTULO III DA FORMA DE ELABORAÇÃO Instrução Normativa RFB Nº 1246 DE 03/02/2012 (Federal) Data D.O.: 06/02/2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício de 2012, ano-calendário

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR Amigos concursandos, É provável que alguns de vocês não me conheçam, pois normalmente não escrevo em sites. A pedido de meu amigo Vicente, resolvi participar deste projeto que acho muito interessante,

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO Alunos: Gleidiane Lacerda de Souza Raichelle Piol Professor: Aldimar Rossi RESUMO: O presente trabalho tem a finalidade de falar de Juros sobre capital próprio (JSCP) é uma

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

Incentivos Fiscais para captação de recursos

Incentivos Fiscais para captação de recursos Incentivos Fiscais para captação de recursos a) Dedutibilidade das doações A partir de 1º de janeiro de 1996, a Lei 9.249, de 26 de dezembro de 1996, limitou a dedutibilidade de algumas despesas operacionais,

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO! O que é diferimento?! Casos que permitem a postergação do imposto.! Diferimento da despesa do I.R.! Mudança da Alíquota ou da Legislação. Autores: Francisco

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Prefácio Com a convergência das normas brasileiras de contabilidade para as normas

Leia mais

DICAS DE ECONOMIA TRIBUTÁRIA - PJ Por Júlio César Zanluca Verifique se as dicas se aplicam ou não a sua empresa, pois pode haver restrições quanto a

DICAS DE ECONOMIA TRIBUTÁRIA - PJ Por Júlio César Zanluca Verifique se as dicas se aplicam ou não a sua empresa, pois pode haver restrições quanto a DICAS DE ECONOMIA TRIBUTÁRIA - PJ Por Júlio César Zanluca Verifique se as dicas se aplicam ou não a sua empresa, pois pode haver restrições quanto a aplicabilidade, de acordo com a forma de tributação

Leia mais

DECRETO Nº 4.524, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002

DECRETO Nº 4.524, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 4.524, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2002 Regulamenta a Contribuição para o PIS/Pasep e a Cofins devidas pelas pessoas jurídicas em geral. O PRESIDENTE

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS

CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS 513 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E COFINS (*) por Silvério das Neves 1 - INTRODUÇÃO - DISCUSSÃO TRIBUTÁRIA: 1.1 - CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS E A COFINS

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

Equiparação da Pessoa Física à Pessoa Jurídica

Equiparação da Pessoa Física à Pessoa Jurídica ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2013 Capítulo III - Equiparações da Pessoa Física 2014 Equiparação da Pessoa Física à Pessoa Jurídica 001 Quais as hipóteses em que a pessoa física é equiparada à pessoa jurídica?

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2012 Capitulo IX - Resultados não operacionais 2013 001 O que se entende por receitas e despesas não operacionais? Receitas e despesas não operacionais são aquelas decorrentes

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013.

Lucro Presumido. SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. Lucro Presumido SECAT/DRF Florianópolis Contadoria Judicial da JFSC Florianópolis, 15.10.2013. IRPJ CF/88, artigo 153 Compete à União instituir impostos sobre: III - renda e proventos de qualquer natureza

Leia mais

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II

CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA II DEMONSTRAÇÃO DOS LUCROS OU PREJUÍZOS Prof. Emanoel Truta Conceito de Lucros Acumulados Corresponde ao lucro do exercício mais o saldo de lucro remanescente não destinado

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL MANUAL DE PREENCHIMENTO DO TERMO DE EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL A pessoa jurídica, optante pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas

Leia mais

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). LEI 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001 Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados,

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL)

OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) OBRIGAÇÕES FISCAIS, TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2011 (ÂMBITO FEDERAL) 04.05 (4ª feira) IOF Imposto Sobre Operações Financeiras Último dia para o recolhimento do IOF referente ao

Leia mais

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização

Intercâmbio Nova Sistemática de Contabilização Nova Sistemática de Contabilização Impactos financeiros, contábeis, operacionais e fiscais Lycia Braz Moreira (lycia@fblaw.com.br) Assessoria Jurídica Unimed Federação Rio Definição O que é Intercâmbio?

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

Índice I. DADOS DA EMPRESA... 2. a) Dados para contabilização da Empresa Modelo... 3. b) Cálculo do IRPJ... 4. c) Cálculo da Contribuição Social...

Índice I. DADOS DA EMPRESA... 2. a) Dados para contabilização da Empresa Modelo... 3. b) Cálculo do IRPJ... 4. c) Cálculo da Contribuição Social... Índice I. DADOS DA EMPRESA... 2 a) Dados para contabilização da Empresa Modelo... 3 b) Cálculo do IRPJ... 4 c) Cálculo da Contribuição Social... 5 d) Plano de Contas... 6 e) Histórico Padrão... 7 f) Lançamentos

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

LEI 12.973/14 - ALTERAÇÕES IRPJ, PIS/PASEP, COFINS, CSLL

LEI 12.973/14 - ALTERAÇÕES IRPJ, PIS/PASEP, COFINS, CSLL LEI 12.973/14 - ALTERAÇÕES IRPJ, PIS/PASEP, COFINS, CSLL OBRIGATORIEDADE DE CONTABILIDADE O Código Civil Brasileiro - Lei 10.406/2002, versa sobre a obrigatoriedade da escrituração contábil, para o empresário

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.233, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre assistência financeira a cooperativas de produção agropecuária e de crédito e altera o Capítulo 5 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Banco Central

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

PIS e COFINS: Sistemática de Retenção no Regime Cumulativo e Não Cumulativo

PIS e COFINS: Sistemática de Retenção no Regime Cumulativo e Não Cumulativo Revista das Faculdades Integradas Claretianas N. 5 janeiro/dezembro de 2012 PIS e COFINS: Sistemática de Retenção no Regime Cumulativo e Não Cumulativo Marília Giovanoni Ciaramello maciaramello@gmail.com

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

IR-FONTE Rendimentos de Aplicações Financeiras, Juros Sobre Capital Próprio, Prêmios, Multas e Vantagens, de que trata o art. 7º da Lei nº 9.

IR-FONTE Rendimentos de Aplicações Financeiras, Juros Sobre Capital Próprio, Prêmios, Multas e Vantagens, de que trata o art. 7º da Lei nº 9. AGENDA TRIBUTÁRIA FEDERAL JANEIRO DE 2016 06.01 (4ª Feira) IR-FONTE Rendimentos de Aplicações Financeiras, Juros Sobre Capital Próprio, Prêmios, Multas e Vantagens, de que trata o art. 7º da Lei nº 9.430/1996

Leia mais

FACULDADE PADRÃO SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIÂNIA-SECG

FACULDADE PADRÃO SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIÂNIA-SECG FACULDADE PADRÃO SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIÂNIA-SECG FERNANDO TAVARES RODRIGUES PABLO HENRIQUE DO NASCIMENTO UMA ANALISE DO PLANEJAMENTO TRIBUTARIO NA CONCESSIONÁRIA NASA VEÍCULOS LUCRO REAL

Leia mais

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA IR: Fato Gerador CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA TÓPICO: LEGISLAÇÃO FISCAL CONCEITOS GERAIS LUCRO REAL CTN [art. 43]: Aquisição da Disponibilidade Econômica ou Jurídica de Renda* ou Proventos de qualquer natureza**.

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA FEVEREIRO DE 2011 Até dia Obrigação Histórico 3 IRRF Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.01.2011,

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

LEI Nº 7.787, DE 30 DE JUNHO DE 1989

LEI Nº 7.787, DE 30 DE JUNHO DE 1989 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 7.787, DE 30 DE JUNHO DE 1989 Dispõe sobre alterações na legislação de custeio da Previdência Social e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

TKL SERVIÇOS CONTÁBEIS LTDA. Contabilidade. Auditoria. Consultoria. Perícia Contábil

TKL SERVIÇOS CONTÁBEIS LTDA. Contabilidade. Auditoria. Consultoria. Perícia Contábil MISSÃO RAMACRISNA Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios findos em 31 de dezembro de 2009 e 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Missão Ramacrisna é uma associação, sem fins lucrativos e de caráter

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica Retenção na fonte sobre adiantamento pago por PJ a outra Pessoa Jurídica 19/10/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 86 - Data 2 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ LUCRO PRESUMIDO. SERVIÇOS

Leia mais

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da RESOLUCAO 3.506 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.099. I - a autorização para funcionamento, transferência de controle societário e reorganização - Anexo I;

RESOLUÇÃO Nº 2.099. I - a autorização para funcionamento, transferência de controle societário e reorganização - Anexo I; RESOLUÇÃO Nº 2.099 Aprova regulamentos que dispõem sobre as condições relativamente ao acesso ao Sistema Financeiro Nacional, aos valores mínimos de capital e patrimônio líquido ajustado, à instalação

Leia mais

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação,

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, 1 Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, Advogado Especializado em Direito Tributário e Societário.

Leia mais

Análise Completa/Edital e Provas de Contabilidade AFRFB 2009 a 2014. Olá, Futuros Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil! Sejam bemvindos.

Análise Completa/Edital e Provas de Contabilidade AFRFB 2009 a 2014. Olá, Futuros Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil! Sejam bemvindos. Análise Completa/Edital e Provas de Contabilidade AFRFB 2009 a 2014 Olá, Futuros Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil! Sejam bemvindos. É com uma grande satisfação que estamos aqui hoje para

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONCEITOS DE PRÁTICAS. PROFESSOR: LUIZ ALVES E-mail: lalves01@gmail.com TEL: (21) 98302-7301

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONCEITOS DE PRÁTICAS. PROFESSOR: LUIZ ALVES E-mail: lalves01@gmail.com TEL: (21) 98302-7301 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONCEITOS DE PRÁTICAS PROFESSOR: LUIZ ALVES E-mail: lalves01@gmail.com TEL: (21) 98302-7301 OUTUBRO DE 2015 Planejamento Tributário Conceitos e Práticas Programa: 1 Informações

Leia mais

Declaração de Saída Definitiva

Declaração de Saída Definitiva 1 de 5 1/3/2011 07:29 Declaração Declaração de Saída Definitiva Obrigatoriedade Comunicação de Saída Definitiva x Declaração de Saída Definitiva do País Prazo e local de entrega da Declaração de Saída

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. 13 o salário - Provisão e pagamento. Temática Contábil e Balanços 2. CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. 13 o salário - Provisão e pagamento. Temática Contábil e Balanços 2. CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Geral 13 o salário - Provisão e pagamento SUMÁRIO 1. Provisão mensal 2. Classifi cação contábil 3. Ajustes da provisão 4. Baixa da provisão por ocasião da

Leia mais

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS 1 de 5 19/5/2012 17:30 VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS Tributos e Contribuições Federais DRAWBACK VERDE E AMARELO SUSPENSÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS

Leia mais

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS APLICÁVEIS 1. Este pronunciamento tem por objetivo normatizar o tratamento contábil do imposto de

Leia mais

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário

Resolução. ALTERNATIVA: c. Comentário Receita Federal do Brasil 2012 Concurso para o cargo de Analista Tributário representa as origens de recursos (Passivo e Patrimônio Líquido), e o lado esquerdo as aplicações (Ativo). comentada da prova

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais