PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS"

Transcrição

1 PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS Rogério Chimionato Escola de Engenharia de São Carlos - USP - Área de Engenharia de Produção - Av. Dr. Carlos Botelho, 1465 São Carlos - SP - CEP: Tel.: (016) Renato Vairo Belhot Escola de Engenharia de São Carlos - USP - Área de Engenharia de Produção - Av. Dr. Carlos Botelho, 1465 São Carlos - SP - CEP: Tel.: (016) Abstract: in the existent theory about strategy and service marketing, there are no models of investigation to be used in case studies. However, some authors, on their specific areas of study, provide important informations for the creation of a model. The objective of this paper is to present a model for strategic analysis focused on marketing for service companies. Firstly, the theoretic concepts used to elaborate the model will be presented. Secondly, the steps of the model will be described. Thirdly, a practical application of the model will be discussed. Keywords: service marketing; strategy; service industries. 1. O ciclo de vida do relacionamento com o cliente Na análise estratégica, o conhecimento do ciclo de vida do relacionamento com o cliente é importante, pois a empresa deve saber reconhecer em que ponto do ciclo se situa cada um dos vários grupos de clientes-alvo e que recursos e atividades de marketing são eficazes nos diferentes estágios do ciclo. Segundo GRÖNROSS (1990), o ciclo de vida do relacionamento com o cliente apresenta três estágios: estágio inicial, processo de compra e processo de consumo. Um cliente potencial que possa não conhecer a empresa e seus serviços se situa no estágio inicial do ciclo de vida. Caso o cliente tenha uma necessidade e sinta que a empresa possa satisfazê-la, ele entra em contato com a empresa e passa para o segundo estágio do ciclo, o processo de compra. Durante o processo de compra, o cliente potencial avalia o serviço que está procurando e pelo qual está disposto a pagar. Se o resultado desse processo for positivo, o cliente decide experimentar o serviço, ou seja, fazer a primeira compra. Isto leva-o ao terceiro estágio, o processo de consumo. Durante esse processo, o cliente observa a capacidade da empresa em solucionar seus problemas, provendo-lhe serviços. Se o cliente ficar satisfeito, existem grandes chances de ocorrer, posteriormente, um novo processo de consumo. A posição de um cliente no ciclo de vida tem conseqüências substanciais no marketing. Em cada estágio, o objetivo e a natureza do marketing serão diferentes. 2. As dimensões do marketing de serviços

2 Com muita freqüência, o marketing é encarado apenas como um conjunto de ferramentas e técnicas. Essa abordagem é perigosa, especialmente no tocante a empresas de serviços. Se as responsabilidades do marketing de uma empresa forem restringidas apenas a um grupo de especialistas, pode-se correr o risco das outras áreas da empresa (como as operações) não estarem sintonizadas com os anseios e desejos dos clientes. Assim, tal comportamento pode contribuir para o insucesso da empresa, em decorrência da insatisfação de seus clientes. Marketing deve ser, antes de tudo, uma filosofia para a empresa. Tal filosofia deve estar presente desde os setores especialistas de marketing (tais como pesquisa de mercado e publicidade) até setores operacionais (como atendimento no balcão). Segundo KOTLER (1991), o marketing de empresas prestadoras de serviços se apresenta em três dimensões, a saber: Marketing externo É o marketing realizado entre a empresa e seus clientes. Relaciona-se com a parte especialista do marketing, envolvendo áreas tradicionais como publicidade, vendas pessoais e relações-públicas. Tradicionalmente, ele é conhecido como 4P (produto, preço, praça e promoção). Produto significa a combinação de bens e serviços que a empresa oferece ao mercado. Preço diz respeito à quantidade de dinheiro que os clientes deverão pagar para obter o produto. Praça significa as atividades de distribuição da empresa que fazem com que o produto esteja disponível aos consumidores. Já promoção relaciona-se com todas as atividades que comunicam os atributos do produto e persuadem os consumidores-alvo a adquiri-lo. A função do marketing externo no ciclo de vida do relacionamento com o cliente se dá fundamentalmente no estágio inicial, quando o objetivo do marketing é criar interesse pela empresa. Marketing interativo Os contatos ocorridos entre os colaboradores e os clientes relacionam-se com a parte interativa do marketing. O colaborador de frente, aquele que entra em contato com o cliente, é um importante agente de marketing. Não basta que a empresa direcione esforços de marketing externo aos seus consumidores-alvo, se seus funcionários não são capazes de resolver o problema do consumidor de forma a satisfazê-lo ou até superar suas expectativas. O cliente julga a qualidade do serviço prestado não apenas pela qualificação técnica de quem o proporciona (qualidade técnica), mas também pela preocupação e confiança inspirada pelo prestador de serviço e pela forma como as instalações de produção são utilizadas (qualidade funcional). No ciclo de vida do relacionamento com o cliente, o marketing interativo aplica-se tanto no processo de compra quanto no processo de consumo. No processo de compra, o interesse geral volta-se para as vendas. O funcionário deverá descobrir o que o cliente, de fato, deseja. No processo de consumo, o cliente deverá vivenciar experiências positivas sobre a capacidade da empresa em cuidar de seus problemas. Marketing interno É o marketing realizado entre a empresa e seus colaboradores. Podemos também chamá-lo de marketing de incentivos ou endomarketing, na medida em que relaciona-se com o treinamento e incentivo que a empresa fornece aos colaboradores que entram em contato com os clientes e para todo o pessoal de apoio, para que eles trabalhem orientados ao consumidor. A noção de marketing interno refere-se ao fato de que o marketing não é responsabilidade apenas de profissionais especialistas, mas também de todos os outros colaboradores da empresa, quer eles entrem em contato com os clientes ou não.

3 O marketing interno bem sucedido é pré-requisito para a satisfação dos clientes, pois funcionários capacitados e orientados ao marketing têm maiores chances de obter um melhor resultado na interação com os clientes. Desta forma, o marketing interno é aplicado no ciclo de vida tanto no processo de compra quanto no de consumo. 3. Análise do mercado do negócio Segundo COBRA (1986), o pensamento estratégico em serviços deve prover condições para a correta tomada de decisões, criando barreiras competitivas duráveis em relação ao ambiente empresarial em que a empresa está inserida. Assim, para conseguir um bom desempenho, a empresa deve conhecer as oportunidades e ameaças do ambiente no qual ela se encontra. A estratégia competitiva de uma empresa depende da compreensão da atratividade existente no setor em que ela compete. De acordo com PORTER (1991), em todo complexo competitivo industrial, a atratividade resulta da disputa de cinco forças, descritas a seguir. Os concorrentes potenciais agem como uma ameaça pela possibilidade de entrarem como novos concorrentes no negócio da empresa. Os fornecedores agem como uma força pelo poder de barganha que desfrutam. E isso significa ameaça pela possibilidade do aumento dos preços dos insumos e do boicote ao fornecimento continuado. As substituições referem-se aos novos tipos de serviços que podem surgir no mercado e tornar obsoleta a tecnologia atual da empresa. Os clientes aumentam seu poder de barganha na medida em que se tornam fortes compradores, o que pode resultar numa ameaça ao negócio da empresa. Por fim, os concorrentes são também uma ameaça, visto que, num sistema competitivo dinâmico, à ação de um concorrente corresponde uma reação de igual ou de maior intensidade por parte de outros concorrentes. 4. Tratamento estratégico do negócio A ação do meio ambiente sobre as empresas de serviços é muito rápida, ao contrário do que ocorre em certas empresas orientadas por produtos. E, por isso mesmo, sua sobrevivência pode estar ameaçada em vários momentos. A busca da diferenciação dos serviços com base nos benefícios que estes podem proporcionar aos vários segmentos de clientes é uma forma de se obter vantagens em relação à concorrência. E a economia de escala de produção de serviços padronizados também pode, por outro lado, proporcionar a redução de custos, caracterizando-se como uma forma de se enfrentar a concorrência. Observando a estratégia sob esta ótica, o trabalho estrategista consiste na otimização do desempenho do negócio por meio dos fatores críticos de sucesso. Ao mesmo tempo, o estrategista deve explorar os pontos fortes da empresa, atendendo às necessidades do mercado claramente definidas. Portanto, uma empresa pode obter vantagens competitivas ao longo do tempo, assumindo um comportamento estratégico que busque minimizar as ameaças ambientais e maximizar as oportunidades do mercado Critérios competitivos em serviços Segundo GIANESI & CORRÊA (1994), a empresa de serviços pode competir segundo oito critérios, descritos a seguir.

4 A consistência relaciona-se com a ausência de variabilidade no resultado ou processo do serviço em relação a experiências passadas. A competência diz respeito à habilidade e conhecimento da empresa para executar o serviço. A velocidade de atendimento relaciona-se com a prontidão da empresa para prestar o serviço. O atendimento e a atmosfera dizem respeito à atenção personalizada ao cliente e ao ambiente da prestação do serviço. A flexibilidade relaciona-se à capacidade da empresa de mudar e adaptar suas operações. A credibilidade e a segurança dizem respeito à habilidade da empresa em transmitir confiança. O acesso relaciona-se à facilidade de contato e acesso à empresa. Os aspectos tangíveis dizem respeito à qualidade e aparência de qualquer evidência física da empresa Opções estratégicas para empresas de serviços Quando se analisa a competência que a empresa pretende transferir a seus clientes, existem algumas opções estratégicas que podem ser adotadas. Essas opções não se excluem mutuamente. Elementos de várias estratégias podem ser incluídos. Entretanto, apenas uma dessas estratégias deve orientar o processo geral de tomada e execução das decisões, uma vez que ela tenha sido adotada. De acordo com GRÖNROOS (1990), as quatro opções estratégicas básicas são: Estratégia da qualidade técnica: significa que a vantagem competitiva baseia-se no desenvolvimento e manutenção de uma qualidade técnica superior obtida através das operações da empresa. Estratégia de preço: relaciona-se com o fato de que o nível de preço e as ofertas específicas de preço são a base de sustentação da competitividade da empresa. Estratégia de imagem: refere-se ao complemento imaginário que envolve o serviço, normalmente criado pela propaganda ou outros meios de comunicação de mercado. Estratégia de serviços: significa que a empresa sustenta seu nível competitivo por meio da oferta de uma gama de serviços que incrementam as relações entre a empresa e seus consumidores. 5. Modelo de análise estratégica com enfoque em marketing Na teoria existente sobre estratégia e marketing para empresas de serviços, não existem modelos fechados de investigação para estudo de caso. Entretanto, alguns autores, tais como KOTLER (1991), GRÖNROOS (1990), PORTER (1991) e GIANESI & CORRÊA (1994), em suas áreas específicas de estudo, fornecem embasamento para a elaboração de um modelo de averiguação da realidade. O modelo proposto de análise estratégica com enfoque em marketing para empresas de serviços apresenta as etapas a seguir. Resgate do histórico da empresa Corresponde ao levantamento da evolução da estratégia e da gestão do marketing. Pretende-se entender a situação atual da empresa baseado em seus acontecimentos passados. Descrição do serviço prestado Nessa etapa, pretende-se detalhar o ciclo de vida do relacionamento com os grupos de clientes da empresa, destacando-se os aspectos técnicos e funcionais relativos à prestação do serviço.

5 Mapeamento dos clientes Refere-se à análise de suas necessidades e expectativas, com base nos critérios competitivos já colocados anteriormente. Objetiva-se, assim, compreender as relações consumidor/serviço. Mapeamento dos concorrentes Corresponde à análise de suas vantagens competitivas. Dessa forma, almeja-se conhecer o ambiente dos negócios, a fim de descobrir ameaças e oportunidades decorrentes do posicionamento dos concorrentes. Mapeamento dos fornecedores Nessa etapa, pretende-se conhecer o poder de barganha dos fornecedores e seu papel nas estratégias e vantagens competitivas da empresa. Análise das estratégias atuais da empresa Refere-se à identificação do tipo de estratégica adotada pela empresa, baseado nas quatro opções estratégicas já apresentadas. Caracterização das três dimensões do marketing na empresa Corresponde à análise da forma como as três dimensões do marketing são abordadas pela empresa. Pretende-se, assim, identificar a preparação interna da empresa para a implementação de suas estratégias. Confronto entre as estratégias adotadas pela empresa e sua preparação interna para a implantação de tais estratégias Nessa etapa, deve-se finalmente concluir se as estratégias adotadas pela empresa estão coerentes com sua realidade, ou seja, se a empresa está preparada para colocar em prática tais estratégias. É importante ressaltar que a pesquisa nas empresas deve se dar por meio de três formas: entrevistas pessoais, análise de documentos da empresa e observações in loco. 6. Aplicação do modelo O modelo proposto foi aplicado em uma empresa de prestação de serviços de acabamento de couro, situada em Franca (SP), no período de dezembro de 1996 a fevereiro de Durante a aplicação do modelo, foi observado que as etapas intermediárias de análise podem ser realizadas simultaneamente, sem uma ordem rígida. Isso porque, na prática, os próprios executivos da empresa lidam com vários assuntos ao mesmo tempo, desde estratégicos até operacionais. Uma observação importante é que, no mapeamento dos clientes, os critérios apresentados não foram necessariamente os mesmos utilizados pela empresa em suas análises. Desta forma, concluímos que a análise dos clientes deve levar também em consideração os critérios utilizados pela empresa. No tocante à estratégia, observou-se que o modelo serviu como um importante guia de identificação da estratégia para os executivos da empresa, uma vez que a empresa não apresentava uma opção formal de estratégia. Notou-se que existia uma combinação de ao menos duas opções estratégicas. De forma geral, podemos concluir que o modelo proposto é uma opção válida para a análise estratégica de empresas de serviços, quando se enfoca o marketing.

6 7. Bibliografia KOTLER, P. & ARMSTRONG, G. Princípios de marketing. Englewood Cliffs, Editora Prentice-Hall, GRÖNROOS, C. Service Management and Marketing. Toronto, Lexington Books, CERTO, S.C. & PETER, J.P. Administração estratégica. São Paulo, Makron Books, PORTER, M. Estratégia competitiva. Rio de Janeiro, Editora Campus, GIANESI, I.G.N. & CORRÊA, H.L. Administração estratégica de serviços. São Paulo, Atlas, COBRA, M. & SWARG, F.A Marketing de serviços. São Paulo, McGraw-Hill, 1986.

UMA PROPOSTA CONCEITUAL PARA A MEDIDA DO GRAU DE COMPETITIVIDADE DE UMA EMPRESA

UMA PROPOSTA CONCEITUAL PARA A MEDIDA DO GRAU DE COMPETITIVIDADE DE UMA EMPRESA UMA PROPOSTA CONCEITUAL PARA A MEDIDA DO GRAU DE COMPETITIVIDADE DE UMA EMPRESA A CONCEPTUAL PROPOSAL TO MEASURE THE COMPETITIVENESS DEGREE OF A COMPANY Wagner Cezar Lucato, M.Sc Doutorando em Engenharia

Leia mais

A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA

A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA A PEDAGOGIA EMPRESARIAL E A GESTÃO ESTRATÉGICA NA EMPRESA Luciano Matos Nobre1 Autor Universidade Tiradentes nobre_matos_luciano@yahoo.com.br Marisa Marchi Uchôa Espindola2 Co-autora Universidade Tiradentes

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA TECNOLÓGICA ANÁLISE PARA UMA EMPRESA GAÚCHA DO SETOR DE AUTOPEÇAS

DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA TECNOLÓGICA ANÁLISE PARA UMA EMPRESA GAÚCHA DO SETOR DE AUTOPEÇAS DEFINIÇÃO DA ESTRATÉGIA TECNOLÓGICA ANÁLISE PARA UMA EMPRESA GAÚCHA DO SETOR DE AUTOPEÇAS Janaína Passuello Ruffoni Universidade Federal do Rio Grande do Sul/ Programa de Pós-Graduação em Administração/

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS 1 A METODOLOGIA DA PESQUISA DE MERCADOAPLICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Maria Lúcia Ribeiro Da COSTA 1 João Cezario Giglio MARQUES 2 RESUMO: O estudo e a pesquisa de mercado

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC.

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. PLANEJAMENTO ESTRATEGICO NAS EMPRESAS DA AMAZÔNIA: O CASO DE CRUZEIRO DO SUL/AC. César Gomes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre, Campus Cruzeiro do Sul/Acre, Brasil

Leia mais

DESAFIOS. (Autor desconhecido)

DESAFIOS. (Autor desconhecido) QUEM É O EMPREENDEDOR? POR QUE SER EMPRESÁRIO? DEFINIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO O empreendedor é motivado pela autorealização, desejo de assumir responsabilidades e independência. Considera irresistível

Leia mais

Como planejar e executar um treinamento

Como planejar e executar um treinamento Como planejar e executar um treinamento Treinamento: uma breve conceituação Não há possibilidade de nos desenvolvermos economicamente e, consequentemente, elevarmos o nosso nível social, sem aumentarmos

Leia mais

Termo de Referência para Plano de Comunicação

Termo de Referência para Plano de Comunicação Termo de Referência para Plano de Comunicação Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Conceitos... 2 2. Objetivo do Termo de Referência... 2 3. Definições gerais de comunicação... 2 4. Planejamento de comunicação...

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3.

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1 Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. 1 Pesquisa realizada no curso de Administração da Unijuí 2 Aluna

Leia mais

; CONSOLI, M. A. ; NEVES,

; CONSOLI, M. A. ; NEVES, ARTIGO EM REVISTA Publicado em: PAIVA, Hélio Afonso Braga de ; CONSOLI, M. A. ; NEVES, Marcos Fava. Oportunidades em Compras. AgroRevenda, São Paulo, v. 11, p. 12-14, 15 nov. 2006. Oportunidades em compras

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Roteiro do Plano de Negócio

Roteiro do Plano de Negócio Roteiro do Plano de Negócio 1. Componentes do Plano de Negócios a) Resumo Executivo b) A organização Visão estratégica/modelo de negócio c) Análise de mercado d) Planejamento de marketing - produto ou

Leia mais

Introdução O AMBIENTE DAS EMPRESAS. Seleção Ambiental. Mapeamento Ambiental

Introdução O AMBIENTE DAS EMPRESAS. Seleção Ambiental. Mapeamento Ambiental Introdução O AMBIENTE DAS EMPRESAS Curso: Engenharia Mecatrônica Disciplina: Administração Ambiente Universo que envolvo e externamente uma empresa É a própria sociedade maior É de onde as empresas obtém

Leia mais

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes.

Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Técnicas de Vendas de Produtos e Serviços financeiros no setor bancário: planejamento, técnicas; motivação para vendas. Professora Renata Lourdes. Administração de Vendas Planejamento, direção e controle

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

$ $ $ $ CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira

$ $ $ $ CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira XXVIENANGRAD CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira FOZDOIGUAÇU,2015 TGA%TeoriaGeraldaAdministração CRECHEDECÃES:

Leia mais

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

Marketing e qualidade em atendimento no Novotel

Marketing e qualidade em atendimento no Novotel 57 Marketing e qualidade em atendimento no Novotel Ana Carolina Prado Marques* Lidiane Aparecida Souza da Silva* Fabiana Gonçalves Artigas** Teodomiro Fernandes da Silva*** Resumo: O Novotel Campo Grande

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino.

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. 1 ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. RESUMO Camila Rezende Bambirra 1 Ronaldo Maciel Guimarães 2 Este artigo tem como objetivo Identificar

Leia mais

SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS GERENCIAIS ATRAVÉS DA TEORIA DE DECISÃO APLICADA : UM ESTUDO DE CASO EM MINAS GERAIS.

SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS GERENCIAIS ATRAVÉS DA TEORIA DE DECISÃO APLICADA : UM ESTUDO DE CASO EM MINAS GERAIS. SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS GERENCIAIS ATRAVÉS DA TEORIA DE DECISÃO APLICADA : UM ESTUDO DE CASO EM MINAS GERAIS. LEONARDO TAVARES SANTOS 1, ADILSON LEITE 2 & REGINALDO FERREIRA de SOUZA 3 Universidade Federal

Leia mais

Descrição dos processos de treinamento e sua importância

Descrição dos processos de treinamento e sua importância Descrição dos processos de treinamento e sua importância Alisson Henrique Silva¹; Jaqueline Nascimento da Silva²; Lorena Coutinho Rodrigues³; Cleiton Magela Luz 4 ; Márcio Rezende Santos 5 (1) Estudante

Leia mais

PROPOSTA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA CELULAR

PROPOSTA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA CELULAR PROPOSTA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO BRASILEIRO DE TELEFONIA CELULAR Gabriela de Oliveira May Professora do Departamento de Administração e Ciências Contábeis da UNISUL Av. Rubens A. Ramos, 1612/301 Fpolis/SC

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

A SATISFAÇÃO DO CLIENTE COMO BASE PARA A QUALIDADE EM SERVIÇOS: O CADO DE UM SUPERMERCADO DE PEQUENO PORTE

A SATISFAÇÃO DO CLIENTE COMO BASE PARA A QUALIDADE EM SERVIÇOS: O CADO DE UM SUPERMERCADO DE PEQUENO PORTE A SATISFAÇÃO DO CLIENTE COMO BASE PARA A QUALIDADE EM SERVIÇOS: O CADO DE UM SUPERMERCADO DE PEQUENO PORTE Antonio Brandão Junior Waleska Silveira Lira Geuda Anazile da Costa Gonçalves RESUMO O objetivo

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Gestão de relacionamento com clientes no mercado industrial: um estudo de caso na Novelis do Brasil

Gestão de relacionamento com clientes no mercado industrial: um estudo de caso na Novelis do Brasil Gestão de relacionamento com clientes no mercado industrial: um estudo de caso na Novelis do Brasil Carlos José Gomes (UFOP) carlosjgomes@yahoo.com.br Silvana Prata Camargos (UFOP/FEAD-MG) silcamargos@uol.com.br

Leia mais

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia

Anais da Jornada Científica Integração: Educação, Sociedade e Tecnologia MARKETING DE RELACIONAMENTO UTILIZADO COMO FERRAMENTA PARA APRIMORAR A RELAÇÃO ENTRE O PÚBLICO INTERNO: ESTUDO DE CASO REALIZADO NA EMPRESA DALCAR NA CIDADE DE BACABAL MA MOURA, Íthalo Bruno Grigório de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ REITORIA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS Alessandra dos Santos Silva Helenice Moraes Rosa Roseneia Farias Gazoli Valdilene Batista de Lima O QUE PODEMOS APRENDER

Leia mais

TÉCNICAS AVANÇADAS PARA CRIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE VALORIZAÇÃO DE MARCA

TÉCNICAS AVANÇADAS PARA CRIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE VALORIZAÇÃO DE MARCA TÉCNICAS AVANÇADAS PARA CRIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE VALORIZAÇÃO DE MARCA ALMEIDA, Gabriela Maria de. Discente do Curso de Administração de Empresas da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias MICHEL, Murillo

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Se pudéssemos resumir em tópicos alguns conceitos apresentados na Palestra poderíamos citar os seguintes:

Se pudéssemos resumir em tópicos alguns conceitos apresentados na Palestra poderíamos citar os seguintes: Palestra de Philip Kotler Por Helton Haddad Além de ser um valioso aprendizado em termos de conhecimentos, este evento nos traz a certeza de cada vez mais, as empresas precisam agilizar e acelerar suas

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EMPRESA BETA

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EMPRESA BETA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EMPRESA BETA RESUMO: Apresentar a responsabilidade social relacionada ao planejamento estratégico de uma organização do ramo varejista de móveis e eletros da cidade de Guarapuava,

Leia mais

6dicas para desenvolver

6dicas para desenvolver 6dicas para desenvolver estratégias da sua propriedade rural, elaborando Missão, Visão e Valores Implemente um planejamento e gestão realmente eficazes para nortear colaboradores e empreendimentos agro.

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA

10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA 10º ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA JOINVILLE/SC - BRASIL - 4 a 7 de outubro de 2005 Local: Centreventos Cau Hansen PADRÕES INTERNACIONAIS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS APLICADOS À CONSERVAÇÃO

Leia mais

Gestão de Negócios Internacionais. Aula-tema 07: Marketing Internacional

Gestão de Negócios Internacionais. Aula-tema 07: Marketing Internacional Gestão de Negócios Internacionais Aula-tema 07: Marketing Internacional O que é Marketing? Marketing se define como um processo administrativo e social pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS 4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS O CONCEITO DE QUALIDADE Existem várias definições para o termo qualidade na literatura, não havendo um consenso entre os diversos autores. Garvin (1984) agrupou as várias

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO. Prof. Líslei Rosa de Freitas

PESQUISA DE MERCADO. Prof. Líslei Rosa de Freitas PESQUISA DE MERCADO Prof. Líslei Rosa de Freitas Pontos importantes Todas as decisões sobre novos empreendimentos contêm um certo grau de incerteza, tanto em relação à informação nas quais estão baseadas,

Leia mais

Cursos livres EAD GUIA BÁSICO PARA USO CORPORATIVO. www.webaula.com.br

Cursos livres EAD GUIA BÁSICO PARA USO CORPORATIVO. www.webaula.com.br Cursos livres EAD GUIA BÁSICO PARA USO CORPORATIVO www.webaula.com.br Índice 3 introdução 3 introdução 3 O que são cursos livres, afinal? 4 Características dos cursos livres 5 Vantagens dos cursos livres

Leia mais

Palestra de Philip Kotler - Tecnologia

Palestra de Philip Kotler - Tecnologia Palestra de Philip Kotler Tecnologia Pesquisa de Mercado, Treinamento de Vendas, Consultoria em Marketing SMGShare Marketing Group Por Helton Haddad Em uma excelente palestra, a autoridade de marketing

Leia mais

APLICAÇÃO DA LINGUAGEM FINANCEIRA NA ANÁLISE DE RETORNO DE INVESTIMENTOS EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

APLICAÇÃO DA LINGUAGEM FINANCEIRA NA ANÁLISE DE RETORNO DE INVESTIMENTOS EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA APLICAÇÃO DA LINGUAGEM FINANCEIRA NA ANÁLISE DE RETORNO DE INVESTIMENTOS EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA PROF.DR. MITSURU HIGUCHI YANAZE Professor do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo

Leia mais

Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02

Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02 Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02 Agenda: Organização X Empresa Empresas de Serviços Classificação Tipos de Clientes Ciclo de Vida Por que gerenciar estrategicamente uma empresa

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Questão 1 A figura ao lado apresenta uma proposta de classificação de sistemas de informação, organizada tanto no que se refere ao nível hierárquico, no qual atuam os sistemas

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior

Núcleo Comum. Gestão Empresarial. Administração Estratégica Planejamento e o BSC. Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Núcleo Comum Gestão Empresarial Administração Estratégica Planejamento e o BSC Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior INTRODUÇÃO O ato de planejar e gerenciar pertence ao cotidiano de grande parte dos

Leia mais

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos Módulo 10. Planejamento de novos produtos Uma economia sofrendo as conseqüências de um mercado globalizado, onde a concorrência não dorme nem perdoa atrasos ou percalços. Esta é o macro ambiente onde estão

Leia mais

CESA Comitê de Advocacia Comunitária e Responsabilidade Social Questões de Consumidores Junho, 2010.

CESA Comitê de Advocacia Comunitária e Responsabilidade Social Questões de Consumidores Junho, 2010. CESA Comitê de Advocacia Comunitária e Responsabilidade Social Questões de Consumidores Junho, 2010. Introdução Objetivos: - Elaborar o Guia do Advogado Sustentável (Boas Práticas de Responsabilidade Socioambiental

Leia mais

Prefácio à 6ª edição, xi

Prefácio à 6ª edição, xi Prefácio à 6ª edição, xi 1 Marketing na área de serviços, 1 1.1 Definição de serviços, 6 1.2 Tipos de serviços, 7 1.4 Diferenças entre marketing de serviços e de bens, 15 1.5 Características dos serviços,

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: ESTUDO DE CASO EM UMA AGROINDÚSTRIA DO SETOR VITIVINÍCOLA NA REGIÃO CENTRO- SERRA DO RIO GRANDE DO SUL

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: ESTUDO DE CASO EM UMA AGROINDÚSTRIA DO SETOR VITIVINÍCOLA NA REGIÃO CENTRO- SERRA DO RIO GRANDE DO SUL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: ESTUDO DE CASO EM UMA AGROINDÚSTRIA DO SETOR VITIVINÍCOLA NA REGIÃO CENTRO- SERRA DO RIO GRANDE DO SUL Daiana Fiorentin Wendler

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

Palavras-chave: Comunicação Estratégica; Composto de Marketing e micro e pequenas empresas.

Palavras-chave: Comunicação Estratégica; Composto de Marketing e micro e pequenas empresas. A COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA E O COMPOSTO DE MARKETING: UMA INTEGRAÇÃO DE SUCESSO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE JOÃO PESSOA Evalena Lima Cabral (1) ; Patrícia Morais da Silva (3), Mitchell Figueiredo

Leia mais

A formação de redes e o marketing: estudo de caso em uma rede varejista

A formação de redes e o marketing: estudo de caso em uma rede varejista A formação de redes e o marketing: estudo de caso em uma rede varejista Roberto Portes Ribeiro (UFSM) robertor@mail.ufsm.br Jocelito Nunes Figueiredo (UFSM) jfigueir@terra.com.br Resumo Este trabalho apresenta

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Desenvolvimento de Marcas Fortes. Criação de Brand Equity

Desenvolvimento de Marcas Fortes. Criação de Brand Equity Desenvolvimento de Marcas Fortes Criação de Brand Equity 1. O que é brand equity? Equity significa valor/patrimônio. Brand equity = valor da marca/patrimônio de marca. A American Marketing Association

Leia mais

Balanced Scorecard INTRODUÇÃO

Balanced Scorecard INTRODUÇÃO Balanced Scorecard Transformando a teoria em prática Nairson de Oliveira Drª Rosemeire Guzzi Sampaulo INTRODUÇÃO Somente 10% das empresas conseguem executar suas estratégias Fortune Na maioria dos fracassos

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ANALYSIS OF APPLICATION OF PHILOSOPHY IN LEAN CONSTRUCTION COMPANIES

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD AVALIAÇÃO DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA AMAZÔNIA SETENTRIONAL: UM LEVANTAMENTO ACERCA DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA REGIÃO CENTRAL DE BOA VISTA Juliana Matos Eduardo Codevilla Soares

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica Centro de Economia e Administração - CEA Administração Estratégica AULA 3 ANÁLISE SETORIAL Cinco forças competitivas básicas (Porter, 1980): Ameaça de novos concorrentes Intensidade de rivalidade Ameaça

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS INTRODUÇÃO Como vai a qualidade de vida dos colaboradores da sua empresa? Existem investimentos para melhorar o clima organizacional e o bem-estar dos seus funcionários? Ações que promovem a qualidade

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO. Professor Sergio Loncan

GESTÃO DO CONHECIMENTO. Professor Sergio Loncan GESTÃO DO CONHECIMENTO Professor Sergio Loncan OBJETIVO Incentivo à reflexão e estudo da Gestão do Conhecimento e suas estruturas nas organizações tanto públicas como privadas, de maneira a se poder buscar

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

PASSO-A-PASSO DO PROJETO EDUCACIONAL

PASSO-A-PASSO DO PROJETO EDUCACIONAL PASSO-A-PASSO DO PROJETO EDUCACIONAL 1 2 Projeto Gestão de Educacional 3 Canais 4 5 de 6 Mapa de competências Plano Desenvolvimento Gestão da Monitor/aval formação de ações implementação e ROI Diagnóstico

Leia mais

Christiane Hiromi Tanabe (UEM) christiane_ht@yahoo.com.br José Paulo de Souza (UEM) jpsouza@uem.br

Christiane Hiromi Tanabe (UEM) christiane_ht@yahoo.com.br José Paulo de Souza (UEM) jpsouza@uem.br Dificuldades na implantação de um sistema da qualidade baseado na norma ISO 9001:2000: estudos de casos de empresas do setor metalmecânico da região de Maringá/PR Christiane Hiromi Tanabe (UEM) christiane_ht@yahoo.com.br

Leia mais

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA COMO CRIADORA DE VANTAGEM COMPETITIVA

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA COMO CRIADORA DE VANTAGEM COMPETITIVA A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA COMO CRIADORA DE VANTAGEM COMPETITIVA Paulo Alexandre da SILVA 1 Murilo Gustavo BOTT 2 Orientador: Prof.Alexandre Hideo SASSAKI 3 Resumo: Diante das constantes mudanças e dos intensos

Leia mais

EMPREENDEDORISM O. CCE Características do Comportamento Empreendedor. Prof. Cícero Wilrison Alves Carneiro

EMPREENDEDORISM O. CCE Características do Comportamento Empreendedor. Prof. Cícero Wilrison Alves Carneiro EMPREENDEDORISM O CCE Características do Comportamento Empreendedor Prof. Cícero Wilrison Alves Carneiro Eng Mecânico e de Segurança do Trabalho Especialista em Gestão Empresarial 1. Estabelecimento de

Leia mais

UMA PROPOSTA DE MODELO DE GESTÃO DE RECURSOS EM AUTOMAÇÃO E INTEGRAÇÃO INFORMÁTICA PARA PME S DO SETOR PRODUTIVO DO PLÁSTICO

UMA PROPOSTA DE MODELO DE GESTÃO DE RECURSOS EM AUTOMAÇÃO E INTEGRAÇÃO INFORMÁTICA PARA PME S DO SETOR PRODUTIVO DO PLÁSTICO UMA PROPOSTA DE MODELO DE GESTÃO DE RECURSOS EM AUTOMAÇÃO E INTEGRAÇÃO INFORMÁTICA PARA PME S DO SETOR PRODUTIVO DO PLÁSTICO Raul Gustavo de Cerqueira Júdice dos Santos, B.Sc. Programa de Pós-graduação

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP.

SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. SATISFAÇÃO DO CLIENTE: Um estudo de caso em uma loja de roupa de Castilho/SP. Andressa Caroline Pereira Rufino Discente do 2º ano do curso de Administração FITL/AEMS Patrícia de Oliveira Docente das Faculdades

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio 1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO Mauricio Sampaio Definições e Conceitos Visão Missão Administração Estratégica Planejamento Estratégico

Leia mais

Liderança situacional nas organizações

Liderança situacional nas organizações Liderança situacional nas organizações Shayani Estrabelli (Universidade Paranaense Campus Cascavel) shayani_17@hotmail.com Fernanda Pellegrini (Universidade Paranaense Campus Cascavel) fernandampellegrini@hotmail.com

Leia mais

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você O que a Postura Consultiva tem a ver com Você Marcelo Egéa M* O que é postura consultiva Criar e sustentar uma marca é um trabalho que exige o máximo de todos na empresa. Alguns têm contato direto com

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos:

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos: Módulo 4. O Mercado O profissional de marketing deverá pensar sempre em uma forma de atuar no mercado para alcançar os objetivos da empresa. Teoricamente parece uma tarefa relativamente fácil, mas na realidade

Leia mais

Marketing Pessoal. aumentem de valor.

Marketing Pessoal. aumentem de valor. P U B L I C A Ç Ã O N º 3 2 3 D E Z E M B R O 2 0 0 9 Marketing Pessoal PONTOS DE INTERESSE: Conceito Na Prática Definir Objectivos Marca Pessoal Marketing Pessoal pode ser definido como o processo de

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER C. Bringhenti, M. Eng.* E. M. Lapolli, Dra.** G. M. S. Friedlaender, M. Eng* * Doutorandos do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Cassimiro Nogueira Junior PESSOAS CAPITAL HUMANO CAPITAL INTELECTUAL GRAU DE CONHECIMENTO: PRODUTIVOS E RECONHECIDOS

Leia mais