CÉLULAS-TRONCO E GENÉTICA DESAFIOS NA CIÊNCIA. Mayana Zatz CENTRO DE ESTUDOS DO GENOMA HUMANO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÉLULAS-TRONCO E GENÉTICA DESAFIOS NA CIÊNCIA. Mayana Zatz CENTRO DE ESTUDOS DO GENOMA HUMANO"

Transcrição

1 CÉLULAS-TRONCO E GENÉTICA DESAFIOS NA CIÊNCIA Mayana Zatz CENTRO DE ESTUDOS DO GENOMA HUMANO

2 AS GRANDES REVOLUÇÕES DA ÚLTIMA DÉCADA O Projeto Genoma Humano A CLONAGEM e AS CÉLULAS-TRONCO Como isso nos afeta? Quais são as aplicações na medicina? Quais são as implicações éticas?

3 PROJETO GENOMA HUMANO Início em 1990 Identificar até 2005 OS GENES responsáveis por nossas características hereditárias

4 50 ANOS DA DUPLA HÉLICE O FIM DO SEQUENCIAMENTO DO NOSSO GENOMA E DAÍ?

5 O que já é possível?

6 DOENÇAS GENÉTICAS MAIS DE 7000! 3% DAS CRIANÇAS QUE NASCEM DE PAIS NORMAIS 50% MORTES NO PRIMEIRO ANO DE VIDA MUITAS DOENÇAS DE ADULTOS TEM COMPONENTE GENÉTICO IMPORTANTE!

7 DOENÇAS DE ADULTOS Câncer, Diabetes Doenças psiquiátricas Doença de Alzheimer, Doença de Parkinson Hipertensão, alergia Miopia ou hipermetropia Ninguém escapa!

8 DOENÇAS GENÉTICAS Contribuindo para o conhecimento do genoma Muito antes do início do PROJETO GENOMA HUMANO

9 ESTUDO DE DOENÇAS NEUROMUSCULARES Identificação de pelo menos 30 genes QUE CODIFICAM PROTEINAS FUNDAMENTAIS PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO MÚSCULO!

10 Estudo do Genoma em diferentes grupos étnicos Não existe raça superior! Somos todos iguais Ou igualmente diferentes!

11 Diferenças étnicas podem ser muito importantes na resposta a drogas! FARMACOGENÔMICA Polimorfismos ou variações individuais nos genes que determinam respostas diferentes a drogas Mesma droga Benéfica Ausência de efeito Efeitos tóxicos e/ou reações adversas

12 APLICAÇÕES IMEDIATAS DO PROJETO GENOMA 1- Diagnóstico 2- Prevenção Aconselhamento Genético 3- Compreensão dos mecanismos 4- Tratamentos

13 O USO DE TESTES GENÉTICOS NO DIAGNÓSTICO E ACONSELHAMENTO GENÉTICO

14 Aconselhamento Genético Diagnóstico clínico, molecular e citogenético Identificação e exames de casais em risco Diagnóstico prénatal Orientação de pacientes e familiares Apoio psicológico O geneticista não aconselha!

15 DÚVIDAS NOS TESTES GENÉTICOS 1. Consentimento informado 2. Comitês de ética 3. Resultados inesperados: Como e quando informar 4. Até onde vai nosso direito de interferir? 5. Testes pré-sintomáticos 6. Testes em pessoas normais 7. Bancos de controles normais 8. Diagnóstico pré-implantação

16 TESTES GENÉTICOS PARA DIAGNÓSTICO EM PESSOAS AFETADAS Por que consentimento informado? Distrofias musculares progressivas 30 Genes Quadros clínicos semelhantes! Diagnóstico diferencial pode ou não ter implicações no AG!

17 O que pode ser decidido nos comitês de ética locais Testes genéticos para diagnóstico de afetados : análise de DNA ou cariótipo em sangue, mucosa bucal etc... Armazenamento de material para futuros testes relacionados com o diagnóstico Procedimentos que não envolvem experimentação humana : Culturas de células etc... CONEP Experimentação em seres humanos!

18 PREOCUPAÇÕES ÉTICAS ou DILEMAS ÉTICOS

19 TESTES GENÉTICOS PESSOAS CLINICAMENTE NORMAIS 1. Consulentes têm risco de ter prole com doenças genética mas nunca serão afetados 2. Consulentes têm risco significante de vir a ter prole afetada e/ou de vir a manifestar doenças de inicio tardio, ainda sem tratamento 3. Consulentes têm risco aumentado de vir a manifestar doenças de inicio tardio passíveis de tratamento

20 RESULTADOS INESPERADOS Até onde vai o nosso direito de interferir?

21 SÍNDROME DE PRADER-WILLI Obesidade mórbida CROMOSSOMO 15q GERALMENTE ESPORÁDICO QUANDO HERDADO ORIGEM PATERNA Exame de DNA Confirmar o diagnóstico Estimar risco de recorrencia

22 EXAME DE DNA DEVEMOS CONTAR?

23 Princípio da confidencialidade Protege Os direitos da criança? A estrutura do casamento? E se o suposto pai não quiser mais ter filhos? E se ele descobrir mais tarde? E se o pai biológico tiver risco? Não podemos ser acusados de omissão?

24 HEMOFILIA DOENÇA RECESSIVA LIGADA AO X. RISCO 50% Contar com risco de desestruturar a família ou fazer um procedimento invasivo desnecessário?

25 ? Portadora DMD?????? Portadora de mutação no gene DMD?

26 INCIDÊNCIA DE FALSA PATERNIDADE? 10 %

27 Consentimento informado Deveria aventar possibilidade de descobrir-se falsa paternidade? Esse exame pode revelar uma falsa paternidade. Caso isso aconteça a você Gostaria de ser informado? Gostaria de ser informado só se isso alterar o risco genético para p futura prole? Não gostaria de ser informado?

28 ASPECTOS ÉTICOS RELACIONADOS A TESTES PREDITIVOS

29 DOENÇAS DE INÍCIO TARDIO E PROGNÓSTICO INDEFINIDO Distrofia miotônica Coreia de Huntington Ataxias espinocerebelares Doença de Alzheimer Indivíduo saudável tem risco de VIR A MANIFESTAR A DOENÇA TRANSMITIR PARA DESCENDENTES?

30 Doenças ainda sem tratamento Qual é a vantagem em ser testado? CONSENSO INTERNACIONAL Não testar crianças assintomáticas para doenças de inicio tardio ainda sem tratamento

31 Queremos saber se temos mutações que predispõem a doenças de inicio tardio ainda sem tratamento? Doença de Alzheimer?

32 Antes de oferecer ou nos submeter a um teste genético precisamos saber Para o que estamos sendo testados? O que significa um resultado positivo? O que significa um resultado negativo? Qual é a vantagem em ser testado? O que pode ser feito a respeito?

33 COMPANHIAS DE SEGURO SAÚDE OU NOSSOS EMPREGADORES Poderão exigir TESTES PREDITIVOS Para doenças de inicio tardio sem tratamento Ou de tratamento muito oneroso?

34 ESTADO DE SÃO PAULO 14 DE OUTUBRO DE 2000 Podemos impedir?

35 Testes genéticos em pessoas normais

36 O sequestro do Pedrinho DNA analisado em ponta de cigarro descartado! Ético ou não Ético? O direito de não saber?

37 CASO ROBERTA Jurista Luiz Flavio Gomes Saliva de Roberta deixada no cigarro já não lhe pertencia. Esse DNA é prova absolutamente lícita! Promotor de justiça Marcelo Mendroni Não houve afronta de nenhum direito individual! Não há ilegalidade!

38 É ético Usar material descartado para exame de DNA? E se essa estratégia fosse usada por companhias de seguro-saúde? saúde? Por nossos empregadores? Para identificar genes indesejáveis?

39 Estado de S.Paulo- 1 de junho de 2005

40 Como garantir O uso só em investigações policiais? A nossa privacidade genômica? Como nos proteger da discriminação genômica?

41 Bancos de DNA de controles normais Devem ser des-identificados ou não?

42 DIAGNÓSTICO PRÉ-IMPLANTAÇÃO Embrião de 8 células DOENÇAS LETAIS GRAVES Distrofias musculares progressivas Fibrose cistica do pâncreas AEP-tipo I DOENÇAS DE INÍCIO TARDIO Distrofia miotônica Degeneração espino cerebelar Esclerose lateral amiotrófica dominante Câncer hereditário?

43 Escolha de sexo em pessoas sem risco genético?

44 CÉLULAS-TRONCO BANCOS DE CORDÃO EMBRIÕES CONGELADOS EMBRIÕES INVIÁVEIS

45 CÉLULAS EMBRIÃO CÉLULAS-TRONCO TOTIPOTENTES Embrião de 8 células Divide-se EMBRIÃO DE 16 CÉLULAS Divide-se EMBRIÃO DE 32 CÉLULAS PLACENTA E MEMBRANAS EMBRIONÁRIAS BLASTOCISTO CÉLULAS CÉLULAS-TRONCO PLURIPOTENTES

46 GÁSTRULA dias 3 FOLHETOS EMBRIONÁRIOS Endoderma Pâncreas,fígado Tireoide,pulmão Bexiga, uretra Mesoderma Medula óssea Músculos Coração, vasos Túbulos renais Ectoderma Pele, Neurônios Hipófise Olhos Orelhas

47 CÉLULAS-TRONCO PLURIPOTENTES 0LIGOPOTENTES DIFERENCIADAS TECIDOS PELE ÓRGÃOS FÍGADO MÚSCULO SANGUE OSSO Uma vez diferenciada todas as células filhas são diferenciadas

48 Células-tronco de cordão umbilical

49 Células-tronco de Sangue de Cordão Umbilical e Placenta (SCUP) Potencial terapêutico? Constituem o melhor tratamento para leucemia e algumas outras doenças hematológicas!

50 BANCOS DE CORDÃO UMBILICAL Privados ou Públicos? Sangue do próprio cordão : Garantia para o futuro? Transplante autólogo: Não serve para portadores de doenças genéticas!

51 Doença Leucemia Transplante alogênico Efetivo Transplante autólogo Controverso Linfomas Neuroblastoma (stage IV) Sarcomas ósseos, tumor de Wilms Anemia aplástica Não ambiental Efetivo Controverso Raramente indicado Efetivo Uso raro e só quando medula não está envolvida Controverso Raramente indicado Não indicado Imunodeficiencia (eg, severe combined immunodeficiency disease) Efetivo Não indicado Hemoglobinopatias, thalassemia, anemia falcifore Erros inatos do metabolismo, síndrome de Hurler, leucodistrofia metacromatica, Efetivo Controverso Não indicado Não indicado

52 BANCOS PÚBLICOS: SIM! E bancos privados? Pessoas que estão pagando para congelar o cordão de seu filho sabem quais são as limitações?

53 ETHICAL ASPECTS OF UMBILICAL CORD BLOOD BANKING The European Group on Ethics in Science and New Technologies, March 2004 Cord Blood Banking for Potential Future Transplantation: Subject Review (RE9860) AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS

54 Custos vc Beneficios Custo em 20 anos Coleta: ~R$ 5000,00 reais e R$ 500,00 reais/ano Aplicação : Juros 10%/ ano 20 anos: ~ reais Probabilidade de uso : 1/20.000

55 PESQUISAS COM CÉLULAS-TRONCO EMBRIONÁRIAS

56

57 ERROR: stackunderflow OFFENDING COMMAND: ~ STACK:

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

COMISSÃO TEMPORÁRIA SOBRE A GENÉTICA HUMANA E OUTRAS NOVAS TECNOLOGIAS DA MEDICINA MODERNA

COMISSÃO TEMPORÁRIA SOBRE A GENÉTICA HUMANA E OUTRAS NOVAS TECNOLOGIAS DA MEDICINA MODERNA COMISSÃO TEMPORÁRIA SOBRE A GENÉTICA HUMANA E OUTRAS NOVAS TECNOLOGIAS DA MEDICINA MODERNA AUDIÇÃO de 26 de Abril de 2001 Carlos Alonso BEDATE Curriculum académico Licenciado em Filosofia Universidade

Leia mais

Genética III: Genética Humana

Genética III: Genética Humana Genética III: Genética Humana 1. Genética Humana As árvores genealógicas são usadas para mostrar a herança de doenças genéticas humanas. Uma árvore genealógica na qual é possível rastrear o padrão de herança

Leia mais

Genética Aplicada (GAP) Assunto: Células-tronco, clonagem e transformação gênica

Genética Aplicada (GAP) Assunto: Células-tronco, clonagem e transformação gênica Genética Aplicada (GAP) Assunto: Células-tronco, clonagem e transformação gênica Técnico em Biotecnologia Módulo I Prof. Fábio Zanella Células-Tronco O que é? É um tipo de célula que pode: se diferenciar

Leia mais

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia Clínica As células estaminais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Profª Glenda Carvalho

DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Profª Glenda Carvalho DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Profª Glenda Carvalho E assim, começa uma nova vida... Os tipos de desenvolvimento embrionário Vivíparos Ovovivíparos Ovíparos Ovulíparos

Leia mais

QUESTÃO 01 QUESTÃO 02(UNISA)

QUESTÃO 01 QUESTÃO 02(UNISA) Disciplina: Biologia Data: /09/2012 Professor: Luiz Carlos Panisset Travassos Turma: 3º Tipo de Atividade: Atividades de recuperação Segmento:EM/Agro Etapa:2ª Nome do(a) aluno(a): QUESTÃO 01 Uma criança

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

O QUE SÃO CÉLULAS ESTAMINAIS?

O QUE SÃO CÉLULAS ESTAMINAIS? O QUE SÃO CÉLULAS ESTAMINAIS? As células estaminais, também conhecidas por células mãe ou células tronco, distinguem-se das demais por serem células indiferenciadas, o que significa que não possuem a especialização

Leia mais

01) Observe a genealogia a seguir:

01) Observe a genealogia a seguir: COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. LISTA DE REVISÃO DE GENÉTICA TERCEIRÃO PROF. NANNI 01) Observe a genealogia a seguir: Sabendo-se

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE)

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) (Responsável por paciente com idade 24 meses) TÍTULO DA PESQUISA: IDENTIFICAÇÃO DE ALTERAÇÕES IMUNOFENOTÍPICAS E MOLECULARES DAS LEUCEMIAS DE CÉLULAS-T

Leia mais

Genética humana e saúde. Grupos sanguíneos (ABO e Rh): transfusão e incompatibilidade T E M A 2

Genética humana e saúde. Grupos sanguíneos (ABO e Rh): transfusão e incompatibilidade T E M A 2 Genética humana e saúde T E M A 2 Neste tema, você conhecerá algumas características do ser humano que possuem base genética, como os grupos sanguíneos. Também estudará doenças decorrentes de mau funcionamento

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 37 BIOTECNOLOGIA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 37 BIOTECNOLOGIA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 37 BIOTECNOLOGIA Bactéria Plasmídeo Enzima de restrição corta o plasmídeo DNA Célula humana Gene para insulina Gene para insulina combinado ao DNA da bactéria com a DNA-ligase

Leia mais

Vizinho Seu José, isto vai ser muito difícil de conseguir; melhor o senhor comprar outros porcos com esse jeitão.

Vizinho Seu José, isto vai ser muito difícil de conseguir; melhor o senhor comprar outros porcos com esse jeitão. Exercício 1: (UFSC 2010) Seu José da Silva, um pequeno criador de porcos do Oeste do Estado de Santa Catarina, desejando melhorar a qualidade de sua criação, comprou um porco de raça diferente daquela

Leia mais

ÉTICA - TESTES GENÉTICOS

ÉTICA - TESTES GENÉTICOS Faculdade de Medicina Universidade de Lisboa Disciplina de Ética e Deontologia Médica ÉTICA - TESTES GENÉTICOS Prof. Dr. Miguel Oliveira da Silva Discentes: Inês Casal nº3995, João Almeida nº4023, Sara

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I Síndrome de Down - Parte I Conteúdos: Tempo: Síndrome de Down 5 minutos Objetivos: Auxiliar o aluno na compreensão do que é síndrome de Down Descrição: Produções Relacionadas: Neste programa de Biologia

Leia mais

O que é um Teste Preditivo?

O que é um Teste Preditivo? 16 Centro de Genética Preditiva e Preventiva (CGPP) IBMC, Univ. Porto Tel.: (+351).22.607.49.94 Fax: (+351).22.600.29.23 Email: cgpp-cons@ibmc.up.pt (consulta); cgpp-lab@ibmc.up.pt (laboratório); www.cgpp.eu

Leia mais

BIOLOGIA. Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre. Aluno (a): Nº. a) 15% b) 25% c) 50% d) 100% e) 0%

BIOLOGIA. Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre. Aluno (a): Nº. a) 15% b) 25% c) 50% d) 100% e) 0% Lista: BIOLOGIA 01 Professor (a): Robyson 3º Ano Matutino 1 Bimestre ata: 18 / 03 / 2015 Aluno (a): Nº 01. (UFPE) Renato (III.1), cuja avó materna e avô paterno eram albinos, preocupado com a possibilidade

Leia mais

c) Locus Gênico Local do cromossomo onde se localiza um gene.

c) Locus Gênico Local do cromossomo onde se localiza um gene. Aula Biologia Tio Ton Biologia 1) Conceitos Prévios a) Genética É a ciência que estuda a transmissão de características hereditárias de pais para filhos ao longo das gerações. b) Gene Segmento da molécula

Leia mais

UPGRADE BIOLOGIA 2. Aula 1: Noções de embriologia e células-tronco. Prof. Diego Ceolin

UPGRADE BIOLOGIA 2. Aula 1: Noções de embriologia e células-tronco. Prof. Diego Ceolin UPGRADE BIOLOGIA 2 Aula 1: Noções de embriologia e células-tronco Prof. Diego Ceolin Desenvolvimento Embrionário Animal Divisões Divisões Cavidade (blastocele) celulares celulares Ovo Gastrulação Mórula

Leia mais

GENÉTICA. a) 180 b) 240 c) 90 d) 120 e) 360

GENÉTICA. a) 180 b) 240 c) 90 d) 120 e) 360 GENÉTICA 1. O gene autossômico que condiciona pêlos curtos no coelho é dominante em relação ao gene que determina pêlos longos. Do cruzamento entre coelhos heterozigotos nasceram 480 filhotes, dos quais

Leia mais

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Embriogênese (parte II) Histologia animal (parte I) Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Anteriormente... Zigoto Mórula Blástula Gástrula Neurula Organogênese Anexos embrionários Gêmeos Dos

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA Conceitos Genética / Genômica Doença genética Hereditariedade Congênito DNA / Gene / Locus / Alelo Homozigoto / Heterozigoto Cromossomos Autossomos Sexuais Dominante / Recessivo

Leia mais

HERANÇA LIGADA AO X, HERANÇA LIMITADA PELO SEXO E HERANÇA INFLUENCIADA PELO SEXO

HERANÇA LIGADA AO X, HERANÇA LIMITADA PELO SEXO E HERANÇA INFLUENCIADA PELO SEXO Genética Animal - Herança 1 HERANÇA LIGADA AO X, HERANÇA LIMITADA PELO SEXO E HERANÇA INFLUENCIADA PELO SEXO Os cromossomos sexuais não são completamente homólogos, e portanto devese esperar que os padrões

Leia mais

Como a preservação de. células-tronco do sangue do cordão umbilical pode ajudar. seu bebê no futuro?

Como a preservação de. células-tronco do sangue do cordão umbilical pode ajudar. seu bebê no futuro? Como a preservação de células-tronco do sangue do cordão umbilical pode ajudar seu bebê no futuro? Índic 03 Introdução 04 Perspectivas e tratamento com células-tronco do sangue do cordão umbilical 08 Como

Leia mais

O que acontece num Laboratório de Genética?

O que acontece num Laboratório de Genética? 12 a sua amostra seja usada para esse fim. Tal com todas as amostras clínicas armazenadas, o ADN é parte do processo clínico do paciente, e está sujeito ao sigilo médico. Isto significa que o acesso é

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios BIOLOGIA IV 01 Embriologia Humana A espermatogônia é uma célula diploide (2n) e o espermatócito II é uma célula haploide (n), portanto, a espermatogônia terá o dobro do número

Leia mais

PIRES, A. N.; LEITE, R. G. de M Eletronic Journal of Pharmacy, vol. XII, Suplemento, p. 13-18, 2015

PIRES, A. N.; LEITE, R. G. de M Eletronic Journal of Pharmacy, vol. XII, Suplemento, p. 13-18, 2015 A IMPORTÂNCIA DO SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO (SCUP) E DOS BANCOS DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO (BSCUP) ALEX NOGUEIRA PIRES*; CENTRO DE TERAPIA CELULAR CORDCELL, BRASÍLIA-DF,

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

GENÉTICA HUMANA HISTÓRICO 26/08/2013 GREGOR MENDEL AULA 3 RELAÇÃO GENÓTIPO-FENÓTIPO

GENÉTICA HUMANA HISTÓRICO 26/08/2013 GREGOR MENDEL AULA 3 RELAÇÃO GENÓTIPO-FENÓTIPO GENÉTICA HUMANA AULA 3 RELAÇÃO GENÓTIPO-FENÓTIPO CURSO: Psicologia SÉRIE: 2º Semestre CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 Horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 Horas HISTÓRICO GREGOR MENDEL 1822 Nasceu em Heinzendorf,

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio, Rua Cantagalo 305, 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo 3º Bimestre Nome:

Leia mais

Biologia LIVRO 3 Unidade 1 Avaliação capítulos 1, 2, 3 e 4 Genética PRIMEIRA LEI DE MENDEL.

Biologia LIVRO 3 Unidade 1 Avaliação capítulos 1, 2, 3 e 4 Genética PRIMEIRA LEI DE MENDEL. PRIMEIRA LEI DE MENDEL. 1. Estabeleça, no quadro, a relação correta entre as colunas dos termos e respectivas definições presentes no estudo de genética. ( a ) penetrância ( b ) expressividade ( c ) dominância

Leia mais

Unidade IV Tecnologia Aula 21.2 Conteúdo: Genética e sociedade

Unidade IV Tecnologia Aula 21.2 Conteúdo: Genética e sociedade A A Unidade IV Tecnologia Aula 21.2 Conteúdo: Genética e sociedade 2 A A Habilidade: Conhecer sobre células- troncos, projeto genoma e engenharia genética. 3 A A Células-tronco Autorrenovação e diferenciação

Leia mais

Expressão gênica e diferenciação celular

Expressão gênica e diferenciação celular Módulo 2 Unidade 5 Expressão gênica e diferenciação celular Para início de conversa... Quando você olha as pessoas ao seu redor ou para você mesmo em frente ao espelho, é capaz de perceber como as pessoas

Leia mais

Tipos de células-tronco:

Tipos de células-tronco: Células-tronco Profa. Dra. Patricia Pranke, PhD Professora dehematologia da Faculdade de Farmácia e da Pós-graduação em Ciências Médicas da Faculdade de Medicina, da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque tem uma relação em que é o parceiro VIH positivo. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Mutações e Polimorfismos gênicos

Mutações e Polimorfismos gênicos DEFINIÇÃO Mutações e Polimorfismos gênicos Profª. MSc. Priscila P. S. dos Santos psantos@catolica-es.edu.br O termo mutação refere-se tanto: (1) a mudança no material genético; (2) ao processo pelo qual

Leia mais

a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e.

a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e. Questão 1 Preencha as lacunas a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e. Verdadeiro ou falso. Se falso, altere a declaração de modo a torná-la verdadeira. b) A exposição

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 41 EMBRIOLOGIA: FECUNDAÇÃO Membrana que impede a penetração de outros espermatozóides Fusão das membranas plasmáticas do óvulo e do espermatozóide Núcleo do espermatozóide no

Leia mais

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 1. (FUVEST) A cor dos pelos nas cobaias é condicionada por uma série de alelos múltiplos com a seguinte escala de dominância: C (preta) > C 1 (marrom)

Leia mais

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva).

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 1 Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 2 O câncer surge de uma única célula que sofreu mutação, multiplicou-se por mitoses e suas descendentes

Leia mais

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta.

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta. Revisão para recuperação Questão 01) A descoberta dos sistemas sanguíneos ABO e Rh teve grande impacto na área médica, pois permitiu realizar transfusões de sangue apenas entre pessoas de grupos sanguíneos

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2 Módulo 25 Questão 01 A Ao analisarmos os dados temos: B determina coloração acinzentada bb determina coloração preta Alelo epistático em outro cromossomo: A determina coloração

Leia mais

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Curso: Enfermagem, Nutrição e TO Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos Básicos

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS HEREDITÁRIAS DO METABOLISMO (DHM)

EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS HEREDITÁRIAS DO METABOLISMO (DHM) EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS HEREDITÁRIAS DO METABOLISMO (DHM) A Epidemiologia é a disciplina que estuda os determinantes da doença bem como os fatores envolvidos no seu desenvolvimento, distribuição e disseminação

Leia mais

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA 1 Células hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem ajudar na recuperação de AVC s As células estaminais hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem promover

Leia mais

Padrões de Transmissão

Padrões de Transmissão Padrões de Transmissão Gênica Padrões de Transmissão Gênica DISCIPLINA: GENÉTICA BÁSICA PROFA. ZULMIRA LACAVA E LUZIRLANE BRAUN Heranças Monogênicas ou Mendelianas 1 1ª Lei de Mendel Modelo pressupôs que

Leia mais

Hereditariedade ligado ao X

Hereditariedade ligado ao X 12 Porto: Instituto de Genética Médica Tel.: (+351).22.607.03.00 Email: genetica@igm.min-saude.pt www.igm.min-saude.pt Hereditariedade ligado ao X Centro de Genética Preditiva e Preventiva IBMC, Univ.

Leia mais

Grupo I 1. (14 pontos) A figura em baixo mostra uma representação esquemática de uma célula eucariótica.

Grupo I 1. (14 pontos) A figura em baixo mostra uma representação esquemática de uma célula eucariótica. Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do Instituto Politécnico de Leiria dos Maiores de 23 Anos - 2011 Prova de conhecimentos específicos

Leia mais

Expressão gênica e diferenciação celular

Expressão gênica e diferenciação celular Volume 2 Módulo 2 Biologia Unidade 5 Expressão gênica e diferenciação celular Para início de conversa... Quando você olha para as pessoas ao seu redor ou para você mesmo em frente ao espelho, é capaz de

Leia mais

Aluno(a): Código: 2 Rua T-53 Qd. 92 Lt. 10/11 nº 1356 Setor Bueno 62-3285-7473 www.milleniumclasse.com.br

Aluno(a): Código: 2 Rua T-53 Qd. 92 Lt. 10/11 nº 1356 Setor Bueno 62-3285-7473 www.milleniumclasse.com.br Aluno(a): Código: Série: 1ª Turma: Data: / / 01. A fotomicrografia apresentada a seguir é de um tecido que apresenta as seguintes características: riqueza de substância intercelular, tipos celulares variados

Leia mais

células Vários tipos de

células Vários tipos de Células tronco Bioquímicas Maria Alice Vieira Willrich Adriana Helena Sedrez Patricia Bernardi Curso de Gestantes Unimed Brusque, 03 de setembro de 2007. O que são células tronco? Tipos de Células-Tronco

Leia mais

3-Esquematize o exame de tipagem sanguínea e possíveis resultados.

3-Esquematize o exame de tipagem sanguínea e possíveis resultados. Lista de exercícios para prova mensal do 3º bimestre 1-Diferencie autossomos de heterossomos. 2-Defina e exemplifique: a) Herança ligada ao sexo b) Herança restrita ao sexo c) Herança influenciada pelo

Leia mais

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA Laiz Silva Ribeiro laiz0711@bol.com.br Prof Dr. Rodrigo da Silva Santos rdssantos@gmail.com FACULDADE ALFREDO

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

Definição. -organelas envoltas por uma única membrana; - diâmetro variável de 0,2 a 1,5 µm;

Definição. -organelas envoltas por uma única membrana; - diâmetro variável de 0,2 a 1,5 µm; Peroxissomos Histórico 1930 Análise bioquímica da catalase. 1950 - Inicia-se o estudo bioquímico da urato oxidase. 1954 Rodhin observou ao microscópio partículas inéditas (microcorpos). 1957 Thompson e

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

Portuguese Summary. Resumo

Portuguese Summary. Resumo Portuguese Summary Resumo 176 Resumo Cerca de 1 em 100 indivíduos não podem comer pão, macarrão ou biscoitos, pois eles têm uma condição chamada de doença celíaca (DC). DC é causada por uma das intolerâncias

Leia mais

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade HOME O laboratório Sabin, desde 2002, emprega a biologia molecular no estudo do DNA. Essa tecnologia é conhecida pela alta qualidade nos procedimentos adotados que asseguram os resultados dos exames oferecidos.

Leia mais

o hemofílico. Meu filho também será?

o hemofílico. Meu filho também será? A U A UL LA Sou hemofílico. Meu filho também será? Nas aulas anteriores, você estudou alguns casos de herança genética, tanto no homem quanto em outros animais. Nesta aula, analisaremos a herança da hemofilia.

Leia mais

, de de Assinatura do Segurado Titular

, de de Assinatura do Segurado Titular Companhia Seguradora: Nome do Titular (preenchimento obrigatório) CNS (Carteira Nacional de Saúde) DNV (Declaração de nascido Vivo) RIC (Registro de Identificação Civil) Legendas 03. Inclusão de Dependente

Leia mais

Património Genético. Genética - estuda a transmissão de características de uma geração para a outra

Património Genético. Genética - estuda a transmissão de características de uma geração para a outra Património Genético Genética - estuda a transmissão de características de uma geração para a outra E o que acontece quando os pais se cruzam com outros de caracteres opostos? Por que pais altos geram

Leia mais

CRIOPRESERVAÇÃO DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL. Guia para os Pais

CRIOPRESERVAÇÃO DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL. Guia para os Pais CRIOPRESERVAÇÃO DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL Guia para os Pais Guia elaborado pelo Conselho da Europa, Comité Europeu para a Transplantação de Órgãos (CD-P-TO). Para mais informações, visite https://go.edqm.eu/transplantation.

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA 12.º Avisos 1. Este documento apenas serve comoapoio parcial às aulas de Biologia 12.ºano Unidade 2 - leccionadas na Escola Secundária Morgado Mateus(Vila Real) pelo

Leia mais

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto Unidade 7 Fecundação Gestação Parto Reprodução Sexual A fecundação resulta na formação de uma nova célula (célula-ovo ou zigoto), que dará origem a um novo indivíduo. A célula deste novo indivíduo contém

Leia mais

Genética. Leis de Mendel

Genética. Leis de Mendel Genética Leis de Mendel DEFINIÇÕES GENES: Pedaços de DNA síntese de determinada proteína. LOCUS GÊNICO: É o local ocupado pelo gene no cromossomo. GENES ALELOS: Situam-se no mesmo Locus Gênico. HOMOZIGOTOS:

Leia mais

EDITORIAL / EDITORIAL CÉLULA-TRONCO. discreta de células-tronco adultas fazem a reposição. laboratório, determinar suas propriedades

EDITORIAL / EDITORIAL CÉLULA-TRONCO. discreta de células-tronco adultas fazem a reposição. laboratório, determinar suas propriedades EDITORIAL / EDITORIAL CÉLULA-TRONCO José Carlos Rossini Iglézias* As células-tronco são importantes para os organismos vivos por várias razões. No embrião, na fase do terceiro ao quinto dia de idade -

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Gustavo Nome: nº. Lista de Exercícios 1ª Lei de Mendel, exceções e Sistema ABO e Rh

Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Gustavo Nome: nº. Lista de Exercícios 1ª Lei de Mendel, exceções e Sistema ABO e Rh . Ensino Médio 2º ano classe: Prof. Gustavo Nome: nº Lista de Exercícios 1ª Lei de Mendel, exceções e Sistema ABO e Rh. 1- Em um experimento, preparou-se um conjunto de plantas por técnica de clonagem

Leia mais

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam

Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam Um estudante de 23 anos, doador de sangue tipo universal, é moreno, tem estatura mediana e pesa 85 kg. Todas as alternativas apresentam características hereditárias desse estudante que são influenciadas

Leia mais

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo.

O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. CÂNCER EM CRIANÇAS O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. O câncer é comum em crianças? Nos

Leia mais

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte Perguntas Frequentes Desde quando o Banco Público de Células Estaminais do Cordão Umbilical serve gratuitamente a criopreservação às grávidas? O Despacho do Banco Público de células estaminais do cordão

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades LIVRO BIOLOGIA Resoluções das atividades Sumário Capítulo 5 Genética do sangue e eritroblastose fetal Capítulo 6 Herança dos cromossomos sexuais Capítulo 7 Lei da Segregação Independente e interação gênica

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2011/2307(INI) 9.3.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a dádiva voluntária e não remunerada de tecidos e células

Leia mais

(www.joseferreira.com.br. Adaptado)

(www.joseferreira.com.br. Adaptado) Questão 01 - (FGV) A imagem da lâmina a seguir mostra um resultado obtido em teste de tipagem sanguínea humana para os sistemas ABO e Rh. O método consiste, basicamente, em pingar três gotas de sangue

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Células-tronco e a lei de biossegurança Luiz de Carvalho Ramos A Lei de Biossegurança, n 11.105, de 24.03.2005, estabeleceu normas de segurança e mecanismos de fiscalização sobre

Leia mais

Hereditariedade recessiva

Hereditariedade recessiva 12 Hereditariedade recessiva Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros Agosto 2008 Modificado a partir de folhetos produzidos pelo Guy s and St Thomas Hospital, London; e o London IDEAS Genetic Knowledge

Leia mais

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker As distrofias musculares de Duchenne e de Becker as

Leia mais

Informações ao Paciente. A síndrome de Hunter. Mucopolissacaridose tipo II (MPS II)

Informações ao Paciente. A síndrome de Hunter. Mucopolissacaridose tipo II (MPS II) Informações ao Paciente A síndrome de Hunter Mucopolissacaridose tipo II (MPS II) 1 Índice A síndrome de Hunter (MPS II) 4 O que é síndrome de Hunter? 4 Visão Geral dos Sintomas 5 Sinais e sintomas da

Leia mais

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 3º ano Disciplina: Biologia Quantidade de aulas: 2 2. TEMA

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Primeira Lei de Mendel e Heredograma

Primeira Lei de Mendel e Heredograma Primeira Lei de Mendel e Heredograma 1. (UFC-2006) Leia o texto a seguir. A Doença de Alzheimer (D.A.) (...) é uma afecção neurodegenerativa progressiva e irreversível, que acarreta perda de memória e

Leia mais

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo:

Conforme os normativos da ANS, seguem as definições de Cobertura Parcial Temporária (CPT) e Agravo: Solicitação de Inclusão de Dependentes / Agregado * Data Sucursal Cia Nº da Apólice Certificado (se SPG) Registro na ANS: 005711 Nome do Titular (preenchimento obrigatório) Legendas Sexo 1 - Masculino

Leia mais

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé.

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé. A Cytothera pertence ao grupo farmacêutico MEDINFAR e dedica a sua actividade à investigação e criopreservação de células estaminais. O método pioneiro de isolamento e criopreservação de células estaminais

Leia mais

Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes

Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes Subgrupo de Segurança e Qualidade no Uso Terapêutico de Células e Tecidos GUIA DE QUALIDADE E SEGURANÇA EM TECIDOS E CÉLULAS PARA IMPLANTES Este documento

Leia mais