ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA FACULDADE TIJUCUSSU PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA FACULDADE TIJUCUSSU PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA FACULDADE TIJUCUSSU PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO ADMINISTRAÇÃO COORDENADOR DO CURSO PROF. DR. ARLOS RENATO BERNARDI 1

2 SUMÁRIO 1. FACULDADE TIJUCUSSU Entidade Mantenedora Histórico Desenvolvimento Constituição da Mantida Missão Características da Região do A.B.C.e Influência Breve Histórico do Município Dados Sócio-Econômicos e Culturais Do atendimento à educação A Faculdade Tijucussu, suas Principais Atividades e Áreas de Atuação Concepção do Curso de Administração Marco Contextual AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Metodologia, Dimensões e Instrumentos a serem Utilizados no Processo de Autoavaliação Metodologia Dimensões Instrumentos Formas de Participação da Comunidade Acadêmica, Técnica e Administrativa, Incluindo a Atuação da Comissão Própria de Avaliação CPA, em Conformidade com o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Formas de Participação da Comunidade Acadêmica, Técnica e Administrativa Atuação da Comissão Própria de Avaliação CPA Formas de Utilização dos Resultados das Avaliações CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Identificação do Curso Condições de Oferta e Formas de Acesso ao Curso Regime de Matrícula Missão do Curso Princípios Norteadores

3 2.6. Linhas Básicas e Diferenciadoras do Curso Contexto Educacional / Justificativa de Implantação Concepção do Curso Objetivos do Curso Objetivos Gerais Objetivos Específicos Seleção dos Conteúdos Princípios Metodológicos Perfil Desejado do Egresso Competências e Habilidades Mercado de Trabalho Organização Didático-Pedagógica Organização Curricular Matriz Curricular Ementas dos Componentes da Matriz Curricular Avaliação do Processo Ensino-Aprendizagem Metodologia de ensino-aprendizagem Sistema de Avaliação Integração Entre Teoria e Prática Estágio Curricular Supervisionado Atividades Complementares CORPO DOCENTE Caracterização Perfil Esperado do Docente Das Atividades Docentes Das Atividades de Ensino Plano de Cargos, Salários e Carreira dos Docentes Programa Institucional de Educação Continuada Coordenação de Curso Dados do Coordenador Titulação e Jornada de Trabalho do Corpo Docente Núcleo Docente Estruturante - NDE

4 4. CORPO DISCENTE Perfil do Corpo Discente Atenção aos Discentes Apoio Pedagógico Apoio à Participação em Eventos Apoio Psicopedagógico Mecanismo de Nivelamento Acompanhamento de Egressos Bolsas de Estudos Programas Institucionais de Financiamento de Estudos Universitário Cidadão Programas Federais de financiamento de estudos PROUNI Programa Universidade para Todos FIES - Financiamento Estudantil do Governo Federal INFRAESTRUTURA Infraestrutura para Funcionamento Sala de Aula Instalações Físicas para os Docentes e Administrativas Laboratório de Informática CPD Recursos Audiovisuais e Multimidia Equipamentos e Mobiliário Equipamentos e Mobiliário Existente no Laboratório Equipamentos e Mobiliário Existente na Secretaria Equipamentos e Mobiliário Existente na Diretoria Equipamentos e Mobiliário Existente nas Coordenações de Cursos Equipamentos e Mobiliário Existente na Sala dos Professores Equipamentos e Mobiliário Existente no Projeto Social / FIES Equipamentos e Mobiliário Existente nas Salas de Aulas Equipamentos e Mobiliário Existente no Pátio Equipamentos e Mobiliário Existente na Cozinha Equipamentos e Mobiliário Existente na biblioteca Biblioteca Acervo geral Política Institucional para atualização e expansão do acervo Espaço físico Redes de informação

5 Administração e acesso ao acervo Recursos humanos ANEXOS ANEXO I ANEXO II

6 1. FACULDADE TIJUCUSSU 1.1. Entidade Mantenedora Dados Gerais da Mantenedora NOME ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO CULTURA LTDA ENDEREÇO RUA Martim Francisco, nº 471 CIDADE: São CAETANO DO SUL SP SITE: FONE(DDD) / FAX: (11) PRESIDENTE: José Fernando Pinto da Costa TIPO SOCIETÁRIO: Com fins lucrativos Fonte: Secretaria de Registros Acadêmicos: Histórico Organização Sulsancaetanense de Educação e Cultura é uma entidade de direito privado, de caráter educativo-cultural, com fins lucrativos, com sede e foro na cidade de São Caetano do Sul, Estado de São Paulo onde tem registrado sua ata de constituição e estatuto, sob o nº no 1º Oficial de Registro Cível de Pessoas Jurídicas de São Caetano do Sul em 15/09/1997. Em 10 de novembro de 1999 procedeu-se à reforma de seu estatuto e foi registrado sob o nº no 1º Oficial de Registro Cível de Pessoas Jurídicas de São Caetano do Sul. Aos 09 dias do mês de outubro de 2002 sob o nº foi registrado o novo estatuto da Organização Sulsancaetanense de Educação e Cultura. Em 23 de janeiro de 2006 sob o nº e em 17 de agosto de 2010 novas reformas aconteceram e foram registradas no 1º Oficial de Registro Cível de Pessoas Jurídicas de São Caetano do Sul e m 10 de novembro de 2011 teve a 1ª Alteração Contratual Social Consolidada protocolada sob o nº e registrada sob nº no 1º Oficial de Registro Cível de Pessoas Jurídicas de São Caetano do Sul. De acordo com seu Estatuto 6

7 e registros cartoriais, tem como objetivos fundamentais a Educação, o Ensino, a Investigação e a Formação Profissional, bem como o Desenvolvimento Científico, Tecnológico, Filosófico e Artístico da região na qual está inserida Desenvolvimento A Organização Sulsancaetanense de Educação e Cultura Ltda, mantenedora da Faculdade Tijucussu, integra o grupo de instituições educacionais com unidades em São Paulo, Capital, no interior paulista, e em diversos Estados brasileiros, todas representadas por seu Diretor Presidente Dr. José Fernando Pinto da Costa. A expansão da UNIESP vem se consolidando em um curto espaço de tempo com a implantação de novas unidades e cursos, ou novas incorporações de ensino, o que tem sido um instrumento de fortalecimento do seu papel educativo. Em dezesseis anos de existência, a instituição educacional consagrou-se como um polo educacional e caminha para se transformar na nova universidade de São Paulo. A instituição atua em vários níveis de educação, desde a educação infantil até a pós-graduação. Lançou a pedra fundamental da sua primeira instituição de educação, em 1997, na cidade de Presidente Epitácio. Consolidada numa base humanística e social, a UNIESP preza pela educação solidária. Sendo assim, mantém convênios com empresas, sindicatos, órgãos públicos e entidades assistenciais, que oferecem a concessão de bolsas de estudos aos conveniados. Em contrapartida, incentiva as instituições a participarem de projetos sociais, promovendo a responsabilidade social, por meio de atividades voluntárias de seus colaboradores Constituição da Mantida NOME FACULDADE TIJUCUSSU ENDEREÇO Rua Martim Francisco, 471 CIDADE AUTORIZAÇÃO/ CREDENCIAMENTO SÃO CAETANO DO SUL SP Portaria MEC 173 de 25/01/2002 publicado no D.O.U. 29/01/2002 7

8 FONE(DDD) / FAX: (11) DIRETOR Rosalia Peinado Piotto Missão A Faculdade Tijucussu assume como missão: Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, permitindo a educação para todos e a inserção social por meio da qualidade de ensino e da atuação voltada para o desenvolvimento sustentável, na prática de mensalidades compatíveis com a realidade socioeconômica da região e de incentivo e apoio estudantil, por meio das parcerias e de projetos sociais voltados ao atendimento das necessidades da comunidade. A Faculdade Tijucussu oferece aos seus alunos uma sólida formação técnicocientífica, amparada por um embasamento humanístico que lhes proporcione condições de adquirir uma visão abrangente da realidade em que atuarão, interferindo, com consciência, nos padrões de educação da comunidade. A descrição socioeconômica regional demonstra claramente necessidade desses profissionais tendo em vista o grande potencial de desenvolvimento econômico e social, exigindo profissionais qualificados, conscientes das necessidades específicas da população local, dos benefícios sociais advindos da sua ação, da relevância e prioridade de sua atuação para crescimento e evolução da Região. Ademais, a região de São Caetano do Sul sinaliza a necessidade urgente de soluções para as questões sociais que têm como ponto fundamental o sistema educacional. Saúde e educação, indiscutivelmente, são condições básicas para o crescimento socioeconômico, o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida. Isso consequentemente será refletido no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da região e ocasionando uma elevação no IDH Nacional. 8

9 O curso de bacharelado em Administração oferecido pela Faculdade Tijucussu é compatível com as exigências atuais impostas pelo avanço das ciências, visando atender às demandas emergentes por administradores para sua comunidade de referência Características da Região do A.B.C.e Influência A Faculdade Tijucussu localiza-se no município de São Caetano do Sul que integra a Região Metropolitana de São Paulo e em especial a Região do Grande ABC, região esta de futuro promissor, em face de ser a ligação natural entre o litoral e o planalto paulista, além de propiciar a ligação com o interior de São Paulo. A população residente nos municípios integrantes da Região do Grande ABC e do município de São Paulo é a seguinte: Municípios São Caetano do Sul Santo André S. Bernardo do Campo Total ABC Diadema Mauá Ribeirão Pires Rio Grande da Serra São Paulo Fonte: Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados SEADE (Informações dos Municípios Paulistas). As populações aqui consideradas resultam de um modelo de projeção demográfico baseado nos resultados dos Censos Demográficos (Fundação IBGE) e nos Indicadores de crescimento calculados a partir das Estatísticas Vitais processadas na Fundação SEADE. Estas estimativas referem-se a 1º de julho de cada ano Breve Histórico do Município A história do Município de São Caetano do Sul tem seu início em 1631, quando o capitão Duarte Machado doa aos padres frades beneditinos o sítio Tijucussu. Os 9

10 beneditinos deram nome ao sítio de Fazenda São Caetano. Adquirido em 28 de julho de 1877 pelo Governo Imperial e logo após transformado em núcleo de colônia, a nova vila se prestou a acolher 28 famílias de imigrantes italianos, vindos de Treviso e Mântua.. Em 1948, a sociedade sulsancaetanense fez um movimento autonomista, que resultou na promulgação da Lei Estadual número 233, conseguindo a emancipação político-administrativa, com o desmembramento da cidade de Santo André. Em 30 de dezembro de 1.953, São Caetano do Sul foi elevado a Comarca, sendo instalada no dia 03 de abril de O Município possui área de 17 km², constituídos na sua totalidade de área urbanizada e 0,0% com área dentro da Lei de Proteção aos Mananciais. Em 1995, tratava-se de município densamente industrializado, ocupando, neste setor da economia, um total de pessoas (dados fornecidos pelo SEADE trabalhadores formais). Nessa mesma data, o pessoal ocupado no comércio somava pessoas e em serviços Hoje, o perfil municipal está alterado apresentando maior ocupação de pessoal no setor de serviços com um total de pessoas (dados SEADE de 2003 trabalhadores formais); o setor da indústria vem em segundo lugar com pessoas e o setor de comércio em terceiro com pessoas Dados Sócio-Econômicos e Culturais A cidade de São Caetano do Sul é a mais bem colocada do Brasil no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M). O índice é produzido pela Organização das Nações Unidas (ONU) e avalia a qualidade de vida nas cidades. A cidade lidera a classificação geral e também ficou com o primeiro posto na dimensão longevidade, com uma esperança de vida ao nascer de 78,2 anos (média igual à dos gregos o país é o 14º entre 173 nações, segundo o relatório do Desenvolvimento Humano de 2002). São Caetano ainda é o segundo nos rankings das dimensões educação e renda. Apresenta o índice mais equilibrado entre as três dimensões que compõem o IDH. 10

11 São Caetano obteve essa conquista graças aos indicadores socioeconômicos privilegiados, tais como menos de 1% de analfabetismo, 18,5% da população ter nível superior completo, a cidade possuir 100% de infra-estrutura (água, luz e esgoto), renda per capita estimada em US$ e 35,5% de receita aplicada na Educação (em 2002). Indicadores Sócio-Econômicos que se destacam: - de acordo com a pesquisa contida no Atlas da Exclusão Social do Brasil (USP, Unicamp e PUC), lançado em 2003, é a primeira no ranking das 100 cidades com melhor situação social (menor grau de exclusão social), com o índice de 0,864. O levantamento, feito por uma equipe de pesquisadores das Universidades UNICAMP, USP e PUC/SP, leva em consideração sete variáveis: pobreza, juventude, alfabetização, escolaridade, emprego formal, violência e desigualdade; - o Prêmio Prefeito Empreendedor foi concedido pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae), ao chefe do Executivo de São Caetano do Sul. O objetivo do Sebrae é incentivar o crescimento econômico. A cidade figura entre as 24 melhores do Estado em atenção às empresas. O prêmio Governador Mário Covas instituído e concedido pelo Sebrae, reconhece ações inovadoras das Prefeituras que visam estimular o crescimento, a geração de empregos e renda capazes para propiciar melhor qualidade de vida para a população; - a cidade também é a sexta melhor do Brasil para se fazer carreira, de acordo com estudos realizados pela Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, em Os critérios: Educação (cursos e matrículas), Saúde (número de hospitais e leitos), Dinamismo (valor dos depósitos à vista nos bancos), Arrecadação (receita de tributos), Fator Impulsionador de Carreira (relação entre capital e trabalho) e Índice de Desenvolvimento Humano; - São Caetano do Sul é líder no ranking da inclusão digital no Brasil, no quesito acesso domiciliar. Um total de 41% da população tem computador em casa, segundo o Mapa da Exclusão Digital de 2003 da Fundação Getúlio Vargas e o Comitê para a Democratização da Informática. O levantamento traça um panorama da exclusão digital no País, que atinge 149,9 milhões de brasileiros, número que representa 84,6% da população. 11

12 Do atendimento à educação Quanto ao atendimento à educação em todos os graus de ensino, o município de São Caetano do Sul se comporta de forma diferenciada, pois seu investimento nesta área é muito superior aos mínimos constitucionais presentemente exigidos, chegando a propiciar a educação superior gratuita, por um sistema de bolsas, aos estudantes que comprovadamente residam em São Caetano do Sul. O Governo Municipal de São Caetano aplica 35,5% de sua receita em Educação. Isto significa 10,5% a mais do que a Constituição determina. O sistema educacional integra 39 mil estudantes, 21 escolas estaduais, 38 municipais, quatro faculdades. Não faltam vagas na rede escolar da cidade e as escolas, inclusive as da rede estadual, recebem melhorias constantes na infra-estrutura e benefícios dados, incluindo cursos de informática, línguas estrangeiras, balé, cursos profissionalizantes de teatro, artes plásticas, música e dança. A Fundação Anne Sullivan, a única instituição da América Latina capacitada a escolarizar surdo-cegos, é reconhecida no Brasil e no Exterior e participa de consultorias internacionais na área. São Caetano é a única cidade brasileira a criar programa de informatização total de todas as escolas públicas, permitindo, por meio do projeto Didaktos, que as crianças, desde cedo, tenham condições de lidar com a Informática e suas diversas aplicações. Para tanto, a Prefeitura equipou as 21 escolas estaduais de ensino fundamental e/ou médio com laboratórios de Informática e Ciências Exatas. O atendimento aos diversos níveis da educação básica é o seguinte: São Caetano do Sul - Matrícula inicial/2009 Níveis Nº de Matrículas Educação Infantil Ensino Fundamental

13 Ensino Médio Fonte Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Seade (Informações dos Municípios Paulistas): No que se refere ao ensino superior, estão instaladas em São Caetano do Sul o Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia, a Faculdade Editora Nacional, a Faculdade Paulista de Administração de São Caetano do Sul, a Faculdade SENAI de Tecnologia Mecatrônica, a Faculdade Tijucussu e a Universidade Municipal de São Caetano do Sul. A Faculdade Tijucussu para a implantação do Curso de Administração observou as seguintes necessidades: - o desenvolvimento econômico regional; - que a IES precisa atender a demanda existente na Cidade de São Caetano do Sul; - a Responsabilidade Social da Faculdade Tijucussu; - a importância do Curso de Bacharelado em Administração frente às ações regionais; - a real necessidade de, com a sociedade, enfrentar os desafios relacionados com as contínuas e profundas transformações econômicas ocasionadas pelo crescimento e desenvolvimento e seus impactos na sociedade em geral A Faculdade Tijucussu, suas Principais Atividades e Áreas de Atuação A Faculdade Tijucussu é uma instituição particular de ensino superior, com dependências administrativas no município de Caetano do Sul, no Estado de São Paulo. Encontra-se estruturada em conformidade com a Lei n 9.394/96, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. A Faculdade Tijucussu constitui-se numa resposta ao apelo da comunidade local às implicações resultantes do grande desenvolvimento proveniente da expansão econômica da Região do ABC Paulista, área de influência da Instituição. A Faculdade Tijucussu tem como missão oferecer educação superior de qualidade preparando profissionais para o mercado de trabalho - fato gerador de 13

14 desenvolvimento econômico, social e cultural, democratizando o acesso ao ensino superior e cumprindo seu papel de multiplicador de cultura e de informação. Nessa perspectiva, o processo de formação profissional deve abranger uma dimensão político-social que o subsidiará na inserção da realidade enquanto sujeito partícipe de sua construção qualitativa, ao mesmo tempo em que assumirá o exercício profissional na direção de resolução de problemas da cidadania no Estado de São Paulo e no País. A Faculdade Tijucussu tem como objetivo o que segue: - formar profissionais habilitados ao exercício da profissão com competência e responsabilidade social; - estimular à criação cultural e o desenvolvimento do pensamento reflexivo; - realizar pesquisas e apoio a atividades criadoras; - flexibilizar as matrizes curriculares dos seus cursos com o objetivo de proporcionar uma melhor formação ao aluno; - estimular ao futuro profissional a manter-se permanentemente atualizado mediante programas de ensino, pesquisa e extensão da rede de ensino oficial; - estender o ensino e a pesquisa à comunidade, mediante cursos, serviços especiais e ação comunitária; - colaborar com entidades públicas e privadas, por meio de atividades de consultoria e assessoria; - participar do desenvolvimento socioeconômico regional, mediante a qualificação de novos profissionais para o mercado de trabalho Concepção do Curso de Administração Constitui missão do Curso de Administração da Faculdade Tijucussu formar administradores dotados das habilidades e competências necessárias para resolver os problemas complexos de gestão que caracterizam a dinâmica das organizações contemporâneas. O Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Administração baseia-se nas seguintes premissas: É necessária uma nova abordagem ao ensino que, baseada na integração de conhecimentos, torne mais eficaz o aprendizado dos processos de gestão de empresas; 14

15 É preciso que esta abordagem ao ensino esteja fundamentada na utilização de metodologias de ensino que flexibilizem as oportunidades de aprendizado, permitam a experimentação da realidade através de sua simulação, além de individualizarem o processo de apropriação e instrumentalização do conhecimento. Portanto, a filosofia que sustenta o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Administração é, sem dúvida, inovadora no que diz respeito ao ensino de Administração. Está assentada no desenvolvimento de mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitam a formação de profissionais com visão sistêmica e competências de fato para resolver problemas complexos de gestão. O Curso de Administração da Faculdade Tijucussu se desenvolve com uma base técnico-científica que viabiliza o desenvolvimento de um processo ensinoaprendizagem, que possibilita aos alunos a interpretação, a compreensão, a assimilação e a internalização individual e coletiva das necessidades das organizações e das mudanças indispensáveis a estas e ao contexto sócio-econômico, habilitando-os a implementar e adequar as modificações necessárias. À luz dessa filosofia, o processo ensino-aprendizagem permite ao aluno construir a sua própria formação intelectual e modelar sua profissão. Contextualiza-se, sob esta ótica, o crescente estímulo à criatividade e ao permanente exercício do raciocínio crítico e analítico, formatando e consolidando o desenvolvimento das habilidades de expressão dos alunos. O compromisso institucional reside no acompanhamento do aluno, garantindo a este a compreensão e o entendimento das premissas da formação polivalente, mediante a averiguação das potencialidades individuais e coletivas e da orientação para a aprendizagem, à Autoavaliação e questionamento permanentes, assegurando sua própria formação e desenvolvimento. O desafio do novo modelo organizacional que se desenha consiste, invariavelmente, no reconhecimento de uma inexorável necessidade de flexibilidade e capacidade de adaptação, o que potencializa nos profissionais qualidades não apenas operacionais, mas também, conceituais. 15

16 Os novos conceitos e modelos sócio-econômicos reforçam a busca de soluções adequadas ao desenvolvimento equilibrado, segundo uma ótica de crescente complexidade e mudança. A partir desse contexto, indispensável se torna a inter-relação e a compreensão da integração das bases teóricas da Administração com as áreas afins Marco Contextual Desde meados do século XX, o mundo discute a Educação como nunca o fez antes. São vários os aspectos questionados e discutidos. Mas, nos últimos anos, certos enfoques se tornaram cada vez mais severos, chegando-se mesmo a questionar até a própria pertinência dos modelos de universidades vigentes e seus propósitos. Educação deve ser encarada como um bem público, representando os interesses e anseios populares, servindo como espaço de fomento para a transformação social. Para isso, faz-se necessário que o "saber" construído contemple os anseios da comunidade, e que esta se sinta inserida em seu meio. A contemporaneidade exige indivíduos múltiplos, oriundos de uma formação plural e contínua. Segundo o que nos coloca Gilles Lipovetsky, no mundo da incerteza e da complexidade são necessários indivíduos multidimensionais, abertos à mudança e à comunicação. Dessa forma, cabe a universidade atual assumir a função de formadora dos indivíduos não mais através do ensino de profissões moldadas, que perderiam rapidamente suas funções na sociedade, mas de formadora de sujeitos capazes de se reciclar ao longo de sua vida. Os projetos pedagógicos dos cursos de graduação, na atualidade, devem contemplar a formação de profissionais em áreas específicas, sem perder de vista o pluralismo de idéias, a liberdade de pensamento e, sobretudo, o seu compromisso com a sociedade. É importante frisar a influência dos cursos de graduação na formação profissional, que na perspectiva atual, é algo para além da obtenção de um conjunto de saberes práticos ou teóricos. Há que se incluir a perspectiva política, ética, social na formação do cidadão que se torna profissional. O desenvolvimento de competências pautadas na dimensão técnico-teórica, na dimensão político-social e na dimensão humana, numa perspectiva reflexiva e investigadora, é o eixo da formação desse novo profissional. Entende-se que a formação profissional, também 16

17 pode ocorrer baseada na pesquisa como suporte fundamental para o ensino e a extensão. E, nesse particular, é imprescindível formar para a pesquisa e para ação social politizadora. Neste novo momento, redefinindo seu papel, o ensino superior pressupõe a construção de um projeto institucional que requer a implementação de princípios e ações objetivando: - repensar a sua função e identidade no limiar de um novo tempo, valorizando e incentivando o desenvolvimento do saber técnico vinculado aos valores éticos; - a recuperação da sua função crítico-cultural; - adotar práticas de ensino, pesquisa e extensão identificadas com uma nova paradigmatodologia não-disjuntiva, que estabeleça o diálogo entre diferentes saberes, que não faça a separação sujeito-mundo, natureza-cultura; - melhorar as relações universidade-sociedade, sociedade-universidade; - diversificar e aperfeiçoar as formas de acesso; - desenvolver um modelo de gestão dinâmico, autônomo e descentralizador. Para acompanhar as rápidas mudanças no mundo é necessário construir uma política de graduação que contemple o caráter revolucionário da ciência como um imperativo provocando mudanças profundas na universidade brasileira para que ela possa, efetivamente, cumprir o seu papel social. Neste sentido, faz-se necessário a proposição de novas metodologias educacionais adequadas à formação de um processo de aprendizagem cognitiva de caráter sócio-político e cultural nacional, respeitando-se as especificidades regionais. Concebida desta forma, a graduação não se justifica somente como atividade fim da instituição, mas, também, como meio de se implementar o desenvolvimento econômico, social, científico, tecnológico e cultural do país e contribuir para o desenvolvimento do Estado. As profundas transformações nos processos de produção e reprodução da vida social, determinadas pela reestruturação produtiva e pela reforma do Estado, proporcionaram diferentes formas de enfrentamento no trato da questão social, compreendida como "o amplo espectro de problemas sociais que decorreram da instauração e da expansão da industrialização capitalista" (Martinelli, 1993). A Administração como um componente de intervenção inserido na divisão sócio técnica do trabalho, atua nas manifestações da questão social, um dos fundamentos 17

18 básicos da existência da profissão de Administrador, que é mediatizada por um conjunto de processos sócios históricos constitutivos do seu processo de trabalho. Com base nessa realidade a Faculdade Tijucussu reestruturou o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Administração, para possibilitar a inserção de seus futuros profissionais numa prática articuladora dos processos participativos da sociedade civil, levandose em conta a adequação da cultura local, considerando a diversidade regional do Estado. A Faculdade Tijucussu atenta a uma compreensão integrada dos fenômenos de produção e reprodução da vida social na contemporaneidade e ciente de sua responsabilidade, na qualidade de entidade educativa frente a um processo de avanço significativo das desigualdades sociais, estabelece como eixo dos seus cursos superiores os componentes fundamentais de cultura e humanização, visando a uma educação consubstanciada em valores éticos e sociais que levam a uma consciência e conduta cidadãs. Na sua concepção, suas finalidades e seus objetivos, o Curso de Administração da Faculdade Tijucussu, aspirando a consolidar-se como curso diferenciado, seguirá as diretrizes que o norteiam lastreado por projeto pedagógico que buscará dar concreção àquela que se explicita como missão almejada: tornar factível o desenvolvimento de um processo formativo crítico, reflexivo, interdisciplinar que, ao assumir a possibilidade do uso político da tecnologia, oriente para uma ação comprometida com segmentos potencialmente excluídos dos processos sociais, numa sociedade estruturada de maneira desigual e contraditória, como pode ser a comunidade regional de São Caetano do Sul microuniverso dos mais representativos da sociedade brasileira. Uma formação profissional centrada na premissa de contribuir criativamente para o desenvolvimento sustentado da sociedade brasileira como um todo, a partir do trabalho com seus segmentos mais marginalizados, será consolidada pela premência contínua de procurar se adaptar às inovações do conhecimento e de absorver, ao mesmo tempo, as condições tecnológicas básicas para a acumulação de informações e saberes que melhor respondem às exigências de seu próprio crescimento e expansão. Considerando, ainda, que a desvinculação em relação à realidade social e à sua prática produz como consequência uma crise de legitimação dos próprios paradigmas teórico-políticos que lhes dão sustentação ideológica e retórica, mister se faz que, ao lado da oferta de ensino formal, as atividades acadêmico-científicas se voltem para oferecer ações inovadoras em todas as disciplinas, tendo na investigação científica a base do ensino. 18

19 Também, e com o intuito de identificar novos processos de criação no campo da Administração e consubstanciar uma mentalidade apta a captar as múltiplas e não redutoras expressões de liberdade, igualdade, equidade, legitimidade, justiça, ética, retomar-se-á a atualização de componentes acerca da produção de conhecimentos nessa área, bem como sobre seu ensino, mediante seminários, conferências, debates, proposições. Necessário, certamente, imprimir um cunho de pragmatismo ao curso: seja conferindo-lhe linhas de pensamento claras, plurais, de modo a permitir atitudes de intervenção e de manifestação perante os grandes problemas da atualidade e indicar soluções e mediações eficazes para os novos conflitos e problemas sociais; seja possibilitando assinalar, na experiência da ação social coletiva dos movimentos sociais sujeitos coletivos capazes de definir outros espaços sociais, criar direitos, e construir práticas de cidadania inovadoras. Portanto, em outras palavras, relevando os instrumentos para diagnósticos deduzidos da realidade social e que estruturam as relações sociais constitutivas das novas demandas sociais, do papel dos novos conflitos, das estratégias de ação social coletiva e das novas dimensões da cidadania, entendida como possibilidade de colocar no social novos sujeitos que criam direitos e recriam permanentemente a sociedade AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Metodologia, Dimensões e Instrumentos a serem Utilizados no Processo de Autoavaliação Metodologia A metodologia adotada para desenvolvimento da autoavaliação Institucional é de caráter científico, sendo as abordagens, de pesquisa quantitativa e qualitativa, coletadas por meio de uma série de instrumentos diferenciados, tais como: questionários, entrevistas, visitas, análise documental e outros, em situações específicas. Para a coleta dos dados são utilizados recursos tecnológicos computacionais, visando proporcionar maior confiabilidade e versatilidade na coleta e na apuração dos dados, tornando 19

20 possível analisar a situação de cada um dos itens avaliados, em relação ao conceito indicado pelos respondentes. O projeto de autoavaliação Institucional foi concebido seguindo etapas ou fases sucessivas integradas. As etapas, para o desenvolvimento do projeto que contempla a metodologia adotada, foram definidas em função dos objetivos gerais e específicos e envolve todos os setores e segmentos da Instituição, a partir de um trabalho participativo, compreendendo etapas, fases e momentos específicos, tais como: Etapa 1 - Preparação - Constituição da Comissão Própria de Avaliação CPA A implementação do processo de autoavaliação, propriamente dito, iniciou-se pela formação e constituição da Comissão Própria de Avaliação, composta por um grupo de pessoas capazes de assumir a responsabilidade pelo desenvolvimento de todas as ações previstas neste projeto, representando todos os segmentos da comunidade acadêmica e da sociedade civil, conforme disposto no artigo 11 da Lei nº 10861/04. - Sensibilização O objetivo desta etapa é a sensibilização e motivação da comunidade acadêmica e da sociedade em geral, para a compreensão e a participação em todo o desenrolar do processo de avaliação institucional da Faculdade Tijucussu FATI. Esta fase deve ser realizada, por meio de seminários, reuniões, fóruns de debates e discussões, bem como pela veiculação de artigos de fundamentação teórica, legislação e documentos específicos sobre o assunto Avaliação Institucional, no site da Faculdade. - Planejamento do Projeto de Avaliação Após discussões e debates com a comunidade acadêmica, e levando em consideração as características básicas da instituição, quanto ao seu porte, estrutura, 20

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE TIJUCUSSU ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA FACULDADE TIJUCUSSU

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE TIJUCUSSU ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA FACULDADE TIJUCUSSU ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS São Caetano do Sul 2015 1 NOTA O Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade Tijucussu

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA O Regulamento da Comissão Própria de Avaliação CPA foi aprovado pelo CONSUP mediante a Resolução nº 012/2013 data de 26 de novembro de 2013. E foram revisados

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA. Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Faculdade de Sorocaba AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Elaboração: Comissão Própria de Avaliação CPA Parâmetros: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Sorocaba Dezembro 2014 1 Faculdade

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA FACULDADE TIJUCUSSU PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO SERVIÇO SOCIAL

ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA FACULDADE TIJUCUSSU PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO SERVIÇO SOCIAL ORGANIZAÇÃO SULSANCAETANENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA FACULDADE TIJUCUSSU PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO SERVIÇO SOCIAL COORDENADOR DO CURSO PROF MS. AXEL GREGORIS DE LIMA 1 SUMÁRIO 1.1. Entidade Mantenedora...

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Março de 2015 SISTEMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL A avaliação é entendida pela Faculdade Única de Ipatinga como um processo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO A avaliação institucional tem sido objeto de discussões na Faculdade Educacional de Ponta Grossa - Faculdade União e sempre foi reconhecida como um instrumento

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - Sinaes Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 40 DE 28 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regulamento do Processo de Auto- Avaliação da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

RESOLUÇÃO UNIV N o 40 DE 28 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regulamento do Processo de Auto- Avaliação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. RESOLUÇÃO UNIV N o 40 DE 28 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regulamento do Processo de Auto- Avaliação da Universidade Estadual de Ponta Grossa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (CONAES) SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (CONAES) SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (CONAES) SINAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ROTEIRO DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS

RESOLUÇÃO Nº 6/2014 TÍTULO I: DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO Nº 6/2014 O Diretor da Faculdade de Direito no uso de suas atribuições, altera a resolução 13/2005 que passará a ter a seguinte redação: TÍTULO I: DOS OBJETIVOS Art. 1º. A avaliação institucional

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015 Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Ciclo Avaliativo 2013 2015 Cascavel 2014 CPA Comissão Própria de Avaliação Presidente Prof. Gelson Luiz Uecker Representante Corpo Docente Profa. Anália

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI ABRIL, 2005 Introdução A Universidade Federal da Bahia ao elaborar o seu Plano de Desenvolvimento Institucional PDI (2004-2008), incluiu

Leia mais

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015

RESUMO DO PPC Curso Superior de Tecnologia em Logística Emitente: Adriano Araújo Data: 21/10/2015 1. PERFIL DO CURSO O Curso de da Unijorge (UJ), instalado no Comércio, está fundamentado em mecanismos efetivos de interdisciplinaridade e flexibilização curricular que permitem a formação de profissionais

Leia mais

FACULDADE FAISA RELATO INSTITUCIONAL

FACULDADE FAISA RELATO INSTITUCIONAL FACULDADE FAISA RELATO INSTITUCIONAL 1 BREVE HISTÓRICO: Na intenção de oferecer à região de Ilha Solteira cursos de ensino superior e capacitar futuros profissionais para o exigente mercado de trabalho

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE 1 FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE CONSELHEIRO LAFAIETE RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO (Síntese dos resultados) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente

Leia mais

PROJETO DA CPA 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO. Nome: Faculdade São Salvador Código: 2581 Caracterização: Instituição privada com fins lucrativos

PROJETO DA CPA 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO. Nome: Faculdade São Salvador Código: 2581 Caracterização: Instituição privada com fins lucrativos PROJETO DA CPA Em atendimento ao que dispõe a Lei 10.861, de 14 de abril de 2004 que institui a obrigatoriedade da Avaliação Institucional e por entender a importância do SINAES para o desenvolvimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Plano de Ação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/Porto) para o triênio 2014-2016

Plano de Ação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/Porto) para o triênio 2014-2016 Plano de Ação da Comissão Própria de Avaliação (CPA) do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/Porto) para o triênio 2014-2016 Porto Nacional, 27 de Agosto de 2014 1 Conteúdo 1.1 Mantenedora...

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Estrutura para elaboração do PDI

Estrutura para elaboração do PDI Estrutura para elaboração do PDI NOTA 1 - Orientações para elaboração do Plano de Desenvolvimento Institucional PDI O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI consiste num documento em que se definem

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: UNIME - União Metropolitana para o Desenvolvimento da UF: BA Educação e Cultura ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA 1 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA Ms. Rafael Ângelo Bunhi Pinto UNISO - Universidade de Sorocaba/São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO FIAM-FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO

PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO FIAM-FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO FIAM-FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO Relatório Final de Autoavaliação Institucional 2014 Comissão Permanente de Avaliação CPA. A publicação desta síntese do Relatório

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

O Plano Nacional de Extensão Universitária

O Plano Nacional de Extensão Universitária O Plano Nacional de Extensão Universitária Antecedentes A universidade brasileira surgiu tardiamente, na primeira metade do século XX, pela união de escolas superiores isoladas, criadas por necessidades

Leia mais

Pitágoras Sistema de Educação Superior Sociedade Ltda. Faculdade Pitágoras de Maceió

Pitágoras Sistema de Educação Superior Sociedade Ltda. Faculdade Pitágoras de Maceió Pitágoras Sistema de Educação Superior Sociedade Ltda. Faculdade Pitágoras de Maceió RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Ciclo Avaliativo 2010-2012 Documento elaborado pela CPA, atendendo às exigências

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

PROPOSTA DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIFIL

PROPOSTA DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIFIL CENTRO UNIVERSITÁRIO FILADÉLFIA UniFil PROPOSTA DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIFIL LONDRINA 2004 1. IDENTIFICAÇÃO Centro Universitário Filadélfia UniFil Reitor: Dr. Eleazar Ferreira Pró-Reitora de Ensino de Graduação:

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - UNIBAHIA PERÍODO 2015/2017. Lauro de Freitas - Bahia

FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - UNIBAHIA PERÍODO 2015/2017. Lauro de Freitas - Bahia FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA FACIIP UNIDADE BAIANA DE ENSINO PESQUISA E ETENSÃO - UNIBAHIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE AUTOAVALIAÇÃO PERÍODO 2015/2017 Lauro de Freitas

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem UF: BA Departamento Regional da Bahia SENAI-DR/BA ASSUNTO: Recredenciamento da

Leia mais

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2014 APRESENTAÇÃO O Plano de Ação ora apresentado planeja o processo da Autoavaliação Institucional, que vem se consolidando na Faculdade Norte Capixaba de São

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior

Representante da Sociedade Civil Organizada Calixto Nunes da França. Representante Discente Artur da Costa Júnior I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Faculdade de Medicina de Juazeiro do Norte Código da IES INEP: 1547 Caracterização da IES: Instituição Privada Sem Fins Lucrativos Estado: Ceará Cidade: Juazeiro do Norte Composição

Leia mais

Documento de Referência

Documento de Referência P r ó - R e i t o r i a d e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l - I F A M 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Cruzada Maranata de Evangelização UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Batista Brasileira, com sede no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE PARA AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

PADRÕES DE QUALIDADE PARA AUTORIZAÇÃO E RECONHECIMENTO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Santa Marcelina UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Santa Marcelina (FASM), com sede no Município

Leia mais

Plano de Ação da CPA

Plano de Ação da CPA Centro Universitário do Estado do Pará - CESUPA Plano de Ação da CPA Ano 2014 CPA/CESUPA 2014 C o m i s s ã o P r ó p r i a d e A v a l i a ç ã o C P A / C E S U P A APRESENTAÇÃO O plano de ações da CPA

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2013 DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS O processo de avaliação institucional foi desenvolvido pela comunidade acadêmica da Faculdade Atenas, com o intuito

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais